SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCORDÂNCIA
VERBAL
SINTAXE
REGRA: verbo e sujeito devem concordar em número e pessoa
Eu cheguei
Tu chegaste
O aluno chegou
Os alunos chegaram
sujeito verbo
Entretanto, há casos em que a concordância não é feita de acordo com a
regra que apresentamos;
O SUJEITO É UM COLETIVO
Quando o sujeito é coletivo, o verbo acompanha o número do
substantivo coletivo.
O bando perturbou a pacata cidade.
Os bandos perturbaram a pacata cidade.
sujeito verbo
sujeito verbo
O SUJEITO É UM COLETIVO
Se o coletivo singular vier especificado por um adjunto plural, o verbo
pode ficar no singular ou ir para o plural.
Geralmente as expressões mais usadas são as partitivas: parte de,
metade de, uma porção de, a maior parte, etc.
A multidão de jogadores aplaudiu (ou aplaudiram) a jogada.
sujeito verbo
NOMES QUE SÓ SE USAM NO PLURAL
Quando o sujeito é um nome que só se usa no plural e não vem precedido
de artigo, o verbo fica no singular. Caso venha antecipado de artigo, o verbo
deverá estar no mesmo número em que estiver o artigo.
Minas Gerais produz muito leite.
Vassouras comemora seu aniversário em 29 de setembro.
Os Estados Unidos lançaram nova sonda espacial.
Os Andes se estendem desde a Venezuela até a Patagônia.
O SUJEITO É UM PRONOME DE TRATAMENTO
Quando o sujeito é um pronome de tratamento, o verbo fica sempre na
terceira pessoa do singular ou do plural.
Sua Alteza está em audiência.
Vossas Altezas desejam assistir á ópera?
Sua Excelência recolheu-se aos seus aposentos.
Vossas Excelências merecem esta honraria.
O VERBO FAZER E HAVER IMPESSOAIS
O verbo haver (no sentido de existir) e o verbo fazer são impessoais, isto é,
não possuem sujeito. Nesses casos, devem ficar na terceira pessoa do
singular.
Havia sérios compromissos.
Fazia dez anos que não vinha a Londres.
Deve haver sérios compromissos.
Vai fazer dez anos que não pinto o cabelo.
NÃO LIGUE NO AUTOMÁTICO:
O verbo existir não é impessoal;
possui sujeito e com ele deve
concordar.
O SUJEITO É O PRONOME RELATIVO QUE
Quando o sujeito é o pronome relativo que, o verbo concorda com o
antecedente do pronome relativo.
Paulo foi a pessoa que despachou a mercadoria.
Estas foram as pessoas que distribuíram a mercadoria.
Fomos nós que entregamos a mercadoria.
Foste tu que autorizaste a importação
antecedente sujeito verbo
O SUJEITO É O PRONOME RELATIVO QUEM
Quando o sujeito é o pronome relativo quem, o verbo concorda com ele
(terceira pessoa do singular) ou com o antecedente do pronome.
Desta vez sou eu quem paga a conta.
Na festa foste tu quem cantou aquela canção.
Fomos nós quem apresentamos a melhor proposta.
São eles quem ditam a lei
sujeito verbo
antecedente
O SUJEITO É MAIS DE UM/ MAIS DE DOIS
Quando o sujeito é formado pelas expressões mais de um, mais de dois, o
verbo deverá estar no mesmo número em que estiver o numeral dessas
expressões.
Mais de um aluno faltou.
Mais de dois alunos faltaram.
Há dois casos em que a expressão mais de um exige verbo no plural:
• quando vier repetida:
Mais de um aluno, mais de um professor faltaram.
• quando o verbo indicar reciprocidade:
Mais de um atleta cumprimentaram-se.
VERBO COM ÍNDICE DE
DETERMINAÇÃO DO SUJEITO
Quando o verbo vier acompanhado pelo sujeito se, ficará na terceira pessoa
do singular. Observe que a palavra se está ligada a um verbo que não é
transitivo direto.
Precisa-se de digitadores.
Acredita-se em amor á primeira vista.
Trabalha-se em lugares sujos.
LEMBRE-SE
Verbos transitivos diretos:
exigem complemento sem
preposição obrigatória
VERBO COM PRONOME APASSIVADOR
Quando vier acompanhado do pronome apassivador se, o verbo concordará
normalmente com o sujeito expresso na oração. Observe que o pronome
apassivador se está ligado a verbo transitivo direto.
Vende-se uma casa na praia.
Vendem-se casas na praia.
LEMBRE-SE
Verbos transitivos diretos:
exigem complemento sem
preposição obrigatória
SUJEITO COMPOSTO
Quando o sujeito é composto, o verbo deve ir para o plural:
Chegaram o mapa e os dicionários
Se o sujeito composto vier posposto ao verbo, a concordância pode ser feita com o núcleo
mais próximo.
Chegou o mapa e os dicionários.
Falhou o cálculo e as previsões.
Há casos, em que o sujeito composto, mesmo anteposto ao verbo, admite o verbo no
singular:
• Quando os núcleos são sinônimos ou quase sinônimos.
O rancor e ódio deixou-o transtornado.
SUJEITO COMPOSTO
• Quando os núcleos vierem dispostos em gradação.
Uma indignação, uma raiva profunda, um ódio intenso apossou-se dele
• Quando os núcleos do sujeito composto são infinitivos.
Trabalhar e estudar fazia dele um homem feliz.
Obs.: caso os infinitivos exprimam ideias opostas, ocorrerá o plural.
Rir e chorar se alternam.
SUJEITO COMPOSTO RESUMIDO POR
PRONOME INDEFINIDO
Quando o sujeito composto vier resumido por palavras como tudo, nada,
ninguém etc., a concordância deverá ser feita obrigatoriamente com
palavra resumida.
Alunos, mestres, diretores, ninguém faltou
A casa, os móveis, a roupa, tudo estava fora do lugar.
Bibiografia: MINIGRAMÁTICA, Ernani Terra

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Adjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominalAdjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominal
Neily Alves
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
Professor Rômulo Viana
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citações
Diogo Maxwell
 
AULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.ppt
AULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.pptAULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.ppt
AULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.ppt
MarliaLiloca
 
Funções do se
Funções do seFunções do se
Funções do se
ma.no.el.ne.ves
 
O predicativo do objeto e o predicado verbo nominal
O predicativo do objeto e o predicado verbo nominalO predicativo do objeto e o predicado verbo nominal
O predicativo do objeto e o predicado verbo nominal
Eider Costa
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
Hermeson Aciole
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
Crase
CraseCrase
Funções do que, se e pronome relativo
Funções do que, se e pronome relativoFunções do que, se e pronome relativo
Funções do que, se e pronome relativo
Cynthia Funchal
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
Rosalina Simão Nunes
 
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
Angela Santos
 
O grupo nominal
O grupo nominalO grupo nominal
O grupo nominal
Célia Gonçalves
 
Artigos, Numerais e Interjeições.
Artigos, Numerais e Interjeições.Artigos, Numerais e Interjeições.
Artigos, Numerais e Interjeições.
Jéssica Policarpo
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
Elaine Teixeira
 
Concordância verbal e concordância nominal
Concordância verbal e concordância nominalConcordância verbal e concordância nominal
Concordância verbal e concordância nominal
Cynthia Funchal
 
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e SindéticasOrações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Caroline Capellari
 
Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1
Laboratório de Informática
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
Tati Borlote Varanda
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
7 de Setembro
 

Mais procurados (20)

Adjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominalAdjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominal
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Apresentação abnt citações
Apresentação abnt citaçõesApresentação abnt citações
Apresentação abnt citações
 
AULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.ppt
AULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.pptAULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.ppt
AULA 04 - TIPOS DE SUJEITO e EXERCÍCIOS.ppt
 
Funções do se
Funções do seFunções do se
Funções do se
 
O predicativo do objeto e o predicado verbo nominal
O predicativo do objeto e o predicado verbo nominalO predicativo do objeto e o predicado verbo nominal
O predicativo do objeto e o predicado verbo nominal
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Funções do que, se e pronome relativo
Funções do que, se e pronome relativoFunções do que, se e pronome relativo
Funções do que, se e pronome relativo
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
 
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVASORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
 
O grupo nominal
O grupo nominalO grupo nominal
O grupo nominal
 
Artigos, Numerais e Interjeições.
Artigos, Numerais e Interjeições.Artigos, Numerais e Interjeições.
Artigos, Numerais e Interjeições.
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
 
Concordância verbal e concordância nominal
Concordância verbal e concordância nominalConcordância verbal e concordância nominal
Concordância verbal e concordância nominal
 
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e SindéticasOrações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
 
Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1
 
Concordancia verbal
Concordancia verbalConcordancia verbal
Concordancia verbal
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
 

Semelhante a Concordância verbal

Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - ppt
Vilmar Vilaça
 
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
Gil Guimarães
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominal
Isabel Sousa
 
concordancia-verbal.pdf
concordancia-verbal.pdfconcordancia-verbal.pdf
concordancia-verbal.pdf
LeneAntonya
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Don Veneziani
 
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
Fernando Vieira
 
Concordância com verbos de particular interesse verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse  verbo serConcordância com verbos de particular interesse  verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse verbo ser
Marcos Venícius
 
Concordância (tudo)
Concordância (tudo)Concordância (tudo)
Concordância (tudo)
professorakathia
 
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Lidiane Rodrigues
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e Nominal
Daniele Silva
 
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
Marcos Emídio
 
Verbos
VerbosVerbos
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
osenhoropastor
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Tio Pablo Virtual
 
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
Fladimy Rocha
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
geisiene strelow
 
Sintaxe de concordância: Concordância verbal
Sintaxe de concordância: Concordância verbalSintaxe de concordância: Concordância verbal
Sintaxe de concordância: Concordância verbal
Josi Santos
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Andriane Cursino
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
Kennedy Soares
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Walace Cestari
 

Semelhante a Concordância verbal (20)

Concordância verbal simples e composto - ppt
Concordância verbal   simples e composto - pptConcordância verbal   simples e composto - ppt
Concordância verbal simples e composto - ppt
 
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
02-11-07-concordncia-verbal-regncia-crase-1198038839748798-4.ppt
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominal
 
concordancia-verbal.pdf
concordancia-verbal.pdfconcordancia-verbal.pdf
concordancia-verbal.pdf
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase[02 11 07] ConcordâNcia Verbal   RegêNcia   Crase
[02 11 07] ConcordâNcia Verbal RegêNcia Crase
 
Concordância com verbos de particular interesse verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse  verbo serConcordância com verbos de particular interesse  verbo ser
Concordância com verbos de particular interesse verbo ser
 
Concordância (tudo)
Concordância (tudo)Concordância (tudo)
Concordância (tudo)
 
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; CraseConcordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
Concordância Verbal; Regência Verbal e Nominal; Crase
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e Nominal
 
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
8ª Série - ConcordâNcia Verbal (Material Complementar)
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
11389 3274 27.11.2012 21.03.23_11389_3274_30.05.2012 16.37.46_concordã¢ncia i...
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Sintaxe de concordância: Concordância verbal
Sintaxe de concordância: Concordância verbalSintaxe de concordância: Concordância verbal
Sintaxe de concordância: Concordância verbal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Concordância verbal

  • 2. REGRA: verbo e sujeito devem concordar em número e pessoa Eu cheguei Tu chegaste O aluno chegou Os alunos chegaram sujeito verbo Entretanto, há casos em que a concordância não é feita de acordo com a regra que apresentamos;
  • 3. O SUJEITO É UM COLETIVO Quando o sujeito é coletivo, o verbo acompanha o número do substantivo coletivo. O bando perturbou a pacata cidade. Os bandos perturbaram a pacata cidade. sujeito verbo sujeito verbo
  • 4. O SUJEITO É UM COLETIVO Se o coletivo singular vier especificado por um adjunto plural, o verbo pode ficar no singular ou ir para o plural. Geralmente as expressões mais usadas são as partitivas: parte de, metade de, uma porção de, a maior parte, etc. A multidão de jogadores aplaudiu (ou aplaudiram) a jogada. sujeito verbo
  • 5. NOMES QUE SÓ SE USAM NO PLURAL Quando o sujeito é um nome que só se usa no plural e não vem precedido de artigo, o verbo fica no singular. Caso venha antecipado de artigo, o verbo deverá estar no mesmo número em que estiver o artigo. Minas Gerais produz muito leite. Vassouras comemora seu aniversário em 29 de setembro. Os Estados Unidos lançaram nova sonda espacial. Os Andes se estendem desde a Venezuela até a Patagônia.
  • 6. O SUJEITO É UM PRONOME DE TRATAMENTO Quando o sujeito é um pronome de tratamento, o verbo fica sempre na terceira pessoa do singular ou do plural. Sua Alteza está em audiência. Vossas Altezas desejam assistir á ópera? Sua Excelência recolheu-se aos seus aposentos. Vossas Excelências merecem esta honraria.
  • 7. O VERBO FAZER E HAVER IMPESSOAIS O verbo haver (no sentido de existir) e o verbo fazer são impessoais, isto é, não possuem sujeito. Nesses casos, devem ficar na terceira pessoa do singular. Havia sérios compromissos. Fazia dez anos que não vinha a Londres. Deve haver sérios compromissos. Vai fazer dez anos que não pinto o cabelo. NÃO LIGUE NO AUTOMÁTICO: O verbo existir não é impessoal; possui sujeito e com ele deve concordar.
  • 8. O SUJEITO É O PRONOME RELATIVO QUE Quando o sujeito é o pronome relativo que, o verbo concorda com o antecedente do pronome relativo. Paulo foi a pessoa que despachou a mercadoria. Estas foram as pessoas que distribuíram a mercadoria. Fomos nós que entregamos a mercadoria. Foste tu que autorizaste a importação antecedente sujeito verbo
  • 9. O SUJEITO É O PRONOME RELATIVO QUEM Quando o sujeito é o pronome relativo quem, o verbo concorda com ele (terceira pessoa do singular) ou com o antecedente do pronome. Desta vez sou eu quem paga a conta. Na festa foste tu quem cantou aquela canção. Fomos nós quem apresentamos a melhor proposta. São eles quem ditam a lei sujeito verbo antecedente
  • 10. O SUJEITO É MAIS DE UM/ MAIS DE DOIS Quando o sujeito é formado pelas expressões mais de um, mais de dois, o verbo deverá estar no mesmo número em que estiver o numeral dessas expressões. Mais de um aluno faltou. Mais de dois alunos faltaram. Há dois casos em que a expressão mais de um exige verbo no plural: • quando vier repetida: Mais de um aluno, mais de um professor faltaram. • quando o verbo indicar reciprocidade: Mais de um atleta cumprimentaram-se.
  • 11. VERBO COM ÍNDICE DE DETERMINAÇÃO DO SUJEITO Quando o verbo vier acompanhado pelo sujeito se, ficará na terceira pessoa do singular. Observe que a palavra se está ligada a um verbo que não é transitivo direto. Precisa-se de digitadores. Acredita-se em amor á primeira vista. Trabalha-se em lugares sujos. LEMBRE-SE Verbos transitivos diretos: exigem complemento sem preposição obrigatória
  • 12. VERBO COM PRONOME APASSIVADOR Quando vier acompanhado do pronome apassivador se, o verbo concordará normalmente com o sujeito expresso na oração. Observe que o pronome apassivador se está ligado a verbo transitivo direto. Vende-se uma casa na praia. Vendem-se casas na praia. LEMBRE-SE Verbos transitivos diretos: exigem complemento sem preposição obrigatória
  • 13. SUJEITO COMPOSTO Quando o sujeito é composto, o verbo deve ir para o plural: Chegaram o mapa e os dicionários Se o sujeito composto vier posposto ao verbo, a concordância pode ser feita com o núcleo mais próximo. Chegou o mapa e os dicionários. Falhou o cálculo e as previsões. Há casos, em que o sujeito composto, mesmo anteposto ao verbo, admite o verbo no singular: • Quando os núcleos são sinônimos ou quase sinônimos. O rancor e ódio deixou-o transtornado.
  • 14. SUJEITO COMPOSTO • Quando os núcleos vierem dispostos em gradação. Uma indignação, uma raiva profunda, um ódio intenso apossou-se dele • Quando os núcleos do sujeito composto são infinitivos. Trabalhar e estudar fazia dele um homem feliz. Obs.: caso os infinitivos exprimam ideias opostas, ocorrerá o plural. Rir e chorar se alternam.
  • 15. SUJEITO COMPOSTO RESUMIDO POR PRONOME INDEFINIDO Quando o sujeito composto vier resumido por palavras como tudo, nada, ninguém etc., a concordância deverá ser feita obrigatoriamente com palavra resumida. Alunos, mestres, diretores, ninguém faltou A casa, os móveis, a roupa, tudo estava fora do lugar. Bibiografia: MINIGRAMÁTICA, Ernani Terra