SlideShare uma empresa Scribd logo
Computação Gráfica Aula 4 – Arquitetura de Dispositivos Gráficos Prof. Tony Alexander Hild Documento licenciado por Creative Commons - http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/
Introdução ,[object Object]
Permitem a interação com o sistema, na busca de extensões dos limites do nosso corpo e melhor comunicação com a máquina.
Dispositivos Gráficos de Entrada ,[object Object]
Teclado;
Mouse;
Joysticks;
Tablet;
Mesa digitalizadora;
Teclado ,[object Object]
Diversos dispositivos de teclado foram inventados ao longo de décadas, porém o mais usado é o teclado QWERTY;
É irônico pensar que esse teclado foi inventado para a redução da velocidade do digitador e, como conseqüência, causar menores danos à sua saúde.
Teclado
Mouse ,[object Object]
Enviam 1.500 sinais por segundo para rastear com segurança o menor movimento possível.
Mouse
Joysticks ,[object Object]
Usados geralmente nos jogos de videogame, estações de realidade virtual e estações industriais de controle de robôs.
Joysticks
Tablets ,[object Object]
Os novos tablets são calibrados com perfeição para ler com absoluta precisão os movimentos da caneta, que opera com 1.024 níveis de sensibilidade à pressão;
Estes são traduzidos em curvas suaves, transições graduais e controles precisos do traço;
Um software incluso nos pacotes dos hardwares de  tablet  possibilita o reconhecimento da escrita.
Tablets http://www.microsoft.com/surface/
Mesa Digitalizadora ,[object Object]
A cada vez que o usuário toca a mesa com o apontador é informado ao computador a coordenada deste ponto da mesa;
Existem diversos trabalhos em andamento para a substituição deste periférico por sistemas mais baratos com câmeras digitais e softwares de reconhecimento de padrões.
Mesa Digitalizadora
Dispositivos de Entrada 3D ,[object Object]
Digitalizador 3D ,[object Object]
A cada vez que o sensor atinge um ponto na superfície de um objeto, a coordenada deste ponto em relação a um ponto referencial (origem) é transmitida ao computador.
Digitalizador 3D
Scanner 3D ,[object Object]
As mais baratas utilizam câmeras digitais acopladas a uma mesa especial que fornece as coordenadas para os sistemas. Esta tecnologia quase sempre requer a intervenção de modeladores para o acabamento das peças;
A tecnologia de scanners a laser, de alto custo, é sem dúvida a tecnologia de dispositivos de entrada que vem atraindo mais atenção no mundo. Suas aplicações são grandes e muitas delas ainda estão por se descobrir.
Scanner 3D
Luvas 3D ,[object Object]
Os sensores podem ser mecânicos, ópticos ou híbridos.
Luvas 3D
Capacetes - Head-mounted display ,[object Object]
A principal característica desses equipamentos é que podem ser: ,[object Object]
Binoculares  ou  monoculares  (um ou os dois olhos são estimulados);
Opacos  ou  translúcidos  (substituem ou complementam a realidade).
Capacetes - Head-mounted display
3D Controllers ,[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelos de Banco de dados e SGBDS
Modelos de Banco de dados e SGBDSModelos de Banco de dados e SGBDS
Modelos de Banco de dados e SGBDS
Mahuan Capeletto Abdala
 
Planejamento rede
Planejamento rede Planejamento rede
Planejamento rede
Reginaldo José Silva
 
Relatório aula inaugural-Posse
Relatório aula inaugural-PosseRelatório aula inaugural-Posse
Relatório aula inaugural-Posse
nairvieira
 
Windows server , curso completo
Windows server , curso completoWindows server , curso completo
Windows server , curso completo
Pessoal
 
Aula 1- Fundamentos da computação móvel
Aula 1- Fundamentos da computação móvelAula 1- Fundamentos da computação móvel
Aula 1- Fundamentos da computação móvel
Janynne Gomes
 
Aula- Virtualização
Aula- VirtualizaçãoAula- Virtualização
Aula- Virtualização
Jorge Ávila Miranda
 
Virtualização - O Futuro é na NUVEM
Virtualização - O Futuro é na NUVEMVirtualização - O Futuro é na NUVEM
Virtualização - O Futuro é na NUVEM
Rodrigo Felipe Betussi
 
Dispositivos móveis
Dispositivos móveisDispositivos móveis
Dispositivos móveis
Mauricio Carvalho
 
Apresentação Linux
Apresentação LinuxApresentação Linux
Apresentação Linux
guestca430
 
Computação na nuvem
Computação na nuvemComputação na nuvem
Computação na nuvem
Chellton Almeida
 
Arquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-ServidorArquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-Servidor
Alexsandro Oliveira
 
Virtualização
VirtualizaçãoVirtualização
Virtualização
Wellington Oliveira
 
Aprendizado Profundo & CNNs
Aprendizado Profundo & CNNsAprendizado Profundo & CNNs
Aprendizado Profundo & CNNs
Fabio Spanhol
 
Apostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redesApostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redes
Josefran Ranniery
 
Curso Básico de Linux
Curso Básico de LinuxCurso Básico de Linux
Curso Básico de Linux
Jonata Marim
 
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 TanenbaumRedes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Wellington Oliveira
 
Computação em nuvem
Computação em nuvemComputação em nuvem
Computação em nuvem
Thiago Rodrigues
 
Cidr calculo de subrede
Cidr   calculo de subredeCidr   calculo de subrede
Cidr calculo de subrede
Gutemberg Sales
 
Introdução ao Linux - Aula 01
Introdução ao Linux - Aula 01Introdução ao Linux - Aula 01
Introdução ao Linux - Aula 01
Ivaldo Cardoso
 
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Ricardo Terra
 

Mais procurados (20)

Modelos de Banco de dados e SGBDS
Modelos de Banco de dados e SGBDSModelos de Banco de dados e SGBDS
Modelos de Banco de dados e SGBDS
 
Planejamento rede
Planejamento rede Planejamento rede
Planejamento rede
 
Relatório aula inaugural-Posse
Relatório aula inaugural-PosseRelatório aula inaugural-Posse
Relatório aula inaugural-Posse
 
Windows server , curso completo
Windows server , curso completoWindows server , curso completo
Windows server , curso completo
 
Aula 1- Fundamentos da computação móvel
Aula 1- Fundamentos da computação móvelAula 1- Fundamentos da computação móvel
Aula 1- Fundamentos da computação móvel
 
Aula- Virtualização
Aula- VirtualizaçãoAula- Virtualização
Aula- Virtualização
 
Virtualização - O Futuro é na NUVEM
Virtualização - O Futuro é na NUVEMVirtualização - O Futuro é na NUVEM
Virtualização - O Futuro é na NUVEM
 
Dispositivos móveis
Dispositivos móveisDispositivos móveis
Dispositivos móveis
 
Apresentação Linux
Apresentação LinuxApresentação Linux
Apresentação Linux
 
Computação na nuvem
Computação na nuvemComputação na nuvem
Computação na nuvem
 
Arquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-ServidorArquitetura de software : Cliente-Servidor
Arquitetura de software : Cliente-Servidor
 
Virtualização
VirtualizaçãoVirtualização
Virtualização
 
Aprendizado Profundo & CNNs
Aprendizado Profundo & CNNsAprendizado Profundo & CNNs
Aprendizado Profundo & CNNs
 
Apostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redesApostila de infraestrutura de redes
Apostila de infraestrutura de redes
 
Curso Básico de Linux
Curso Básico de LinuxCurso Básico de Linux
Curso Básico de Linux
 
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 TanenbaumRedes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
Redes Teórico - Capítulo 02 Tanenbaum
 
Computação em nuvem
Computação em nuvemComputação em nuvem
Computação em nuvem
 
Cidr calculo de subrede
Cidr   calculo de subredeCidr   calculo de subrede
Cidr calculo de subrede
 
Introdução ao Linux - Aula 01
Introdução ao Linux - Aula 01Introdução ao Linux - Aula 01
Introdução ao Linux - Aula 01
 
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
 

Destaque

Computação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no Espaço
Computação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no EspaçoComputação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no Espaço
Computação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no Espaço
Tony Alexander Hild
 
Transformações 3D
Transformações 3DTransformações 3D
Transformações 3D
Iorgama Porcely
 
Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1
Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1
Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1
Elaine Cecília Gatto
 
Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)
Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)
Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)
Oswaldo Hernandez
 
Traçado em dispositivos gráficos matriciais circunferência
Traçado em dispositivos gráficos matriciais   circunferênciaTraçado em dispositivos gráficos matriciais   circunferência
Traçado em dispositivos gráficos matriciais circunferência
Elaine Cecília Gatto
 
Dispositivos para Computação Gráfica
Dispositivos para Computação GráficaDispositivos para Computação Gráfica
Dispositivos para Computação Gráfica
Liliane Machado
 
Segurança em Banco de Dados
Segurança em Banco de DadosSegurança em Banco de Dados
Segurança em Banco de Dados
Iorgama Porcely
 
Aula comp-grafica-matrizes
Aula comp-grafica-matrizesAula comp-grafica-matrizes
Aula comp-grafica-matrizes
Edinei Reis
 
Desenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso Unip
Desenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso UnipDesenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso Unip
Desenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso Unip
jonathanblacknight
 
Oficina Iniciação a Internet
Oficina Iniciação a InternetOficina Iniciação a Internet
Oficina Iniciação a Internet
marcelasb
 
Teoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédia
Teoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédiaTeoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédia
Teoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédia
António Gonçalves
 
Transformações Geométricas
Transformações GeométricasTransformações Geométricas
Transformações Geométricas
elliando dias
 
Histórico da Computação Gráfica
Histórico da Computação GráficaHistórico da Computação Gráfica
Histórico da Computação Gráfica
Liliane Machado
 
Computação Gráfica - Conceitos
Computação Gráfica - ConceitosComputação Gráfica - Conceitos
Computação Gráfica - Conceitos
Jefferson Estevam
 
Computação Gráfica - Introdução ao OpenGL
Computação Gráfica - Introdução ao OpenGLComputação Gráfica - Introdução ao OpenGL
Computação Gráfica - Introdução ao OpenGL
Tony Alexander Hild
 
Apostila ai cs6
Apostila ai cs6Apostila ai cs6
Apostila ai cs6
Joka Luiz
 
Transformações geométricas
Transformações geométricasTransformações geométricas
Transformações geométricas
Maria Cristina Saavedra
 
Photoshop básico - Aula 7: liquify
Photoshop básico - Aula 7: liquifyPhotoshop básico - Aula 7: liquify
Photoshop básico - Aula 7: liquify
Oswaldo Hernandez
 
Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)
Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)
Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)
Oswaldo Hernandez
 
Photoshop básico - Aula 3: salvando a imagem
Photoshop básico - Aula 3: salvando a imagemPhotoshop básico - Aula 3: salvando a imagem
Photoshop básico - Aula 3: salvando a imagem
Oswaldo Hernandez
 

Destaque (20)

Computação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no Espaço
Computação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no EspaçoComputação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no Espaço
Computação Gráfica - Transformações Geométricas no Plano e no Espaço
 
Transformações 3D
Transformações 3DTransformações 3D
Transformações 3D
 
Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1
Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1
Traçado em dispositivos gráficos matriciais Parte 1
 
Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)
Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)
Photoshop básico - Aula 5 - healing brush tool (band aid)
 
Traçado em dispositivos gráficos matriciais circunferência
Traçado em dispositivos gráficos matriciais   circunferênciaTraçado em dispositivos gráficos matriciais   circunferência
Traçado em dispositivos gráficos matriciais circunferência
 
Dispositivos para Computação Gráfica
Dispositivos para Computação GráficaDispositivos para Computação Gráfica
Dispositivos para Computação Gráfica
 
Segurança em Banco de Dados
Segurança em Banco de DadosSegurança em Banco de Dados
Segurança em Banco de Dados
 
Aula comp-grafica-matrizes
Aula comp-grafica-matrizesAula comp-grafica-matrizes
Aula comp-grafica-matrizes
 
Desenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso Unip
Desenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso UnipDesenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso Unip
Desenvolvimento de jogos com ogre 3D - Mini Curso Unip
 
Oficina Iniciação a Internet
Oficina Iniciação a InternetOficina Iniciação a Internet
Oficina Iniciação a Internet
 
Teoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédia
Teoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédiaTeoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédia
Teoria cognitiva da aprendizagem multimédia, aplicada à comunicação multimédia
 
Transformações Geométricas
Transformações GeométricasTransformações Geométricas
Transformações Geométricas
 
Histórico da Computação Gráfica
Histórico da Computação GráficaHistórico da Computação Gráfica
Histórico da Computação Gráfica
 
Computação Gráfica - Conceitos
Computação Gráfica - ConceitosComputação Gráfica - Conceitos
Computação Gráfica - Conceitos
 
Computação Gráfica - Introdução ao OpenGL
Computação Gráfica - Introdução ao OpenGLComputação Gráfica - Introdução ao OpenGL
Computação Gráfica - Introdução ao OpenGL
 
Apostila ai cs6
Apostila ai cs6Apostila ai cs6
Apostila ai cs6
 
Transformações geométricas
Transformações geométricasTransformações geométricas
Transformações geométricas
 
Photoshop básico - Aula 7: liquify
Photoshop básico - Aula 7: liquifyPhotoshop básico - Aula 7: liquify
Photoshop básico - Aula 7: liquify
 
Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)
Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)
Photoshop básico - Aula 6: clone stamp tool (carimbo)
 
Photoshop básico - Aula 3: salvando a imagem
Photoshop básico - Aula 3: salvando a imagemPhotoshop básico - Aula 3: salvando a imagem
Photoshop básico - Aula 3: salvando a imagem
 

Semelhante a Computação Gráfica - Artquitetura de Dispositivos Gráficos

Periféricos
PeriféricosPeriféricos
Periféricos
Tiago
 
Informática
InformáticaInformática
Informática
Christopher Freitas
 
CGPI Aula 27/08/2018
CGPI Aula 27/08/2018CGPI Aula 27/08/2018
CGPI Aula 27/08/2018
Elaine Cecília Gatto
 
Rita2
Rita2Rita2
Dispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dadosDispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dados
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Touch sreens
Touch sreensTouch sreens
Touch sreens
Luis FM Timoteo
 
06 hardwere (monitores)
06   hardwere (monitores)06   hardwere (monitores)
06 hardwere (monitores)
Elizeu Ferro
 
Computação grafica
Computação graficaComputação grafica
Computação grafica
Lucas Castro
 
Dispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saídaDispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saída
Bruna Ribeiro Vieira
 
Realidade virtual
Realidade virtualRealidade virtual
Realidade virtual
Vitor Faria
 
Impressora e Scanner
Impressora e Scanner Impressora e Scanner
Impressora e Scanner
michel208
 
Teoriadainteractividade
TeoriadainteractividadeTeoriadainteractividade
Teoriadainteractividade
Pelo Siro
 
Importancia do corew
Importancia do corewImportancia do corew
Importancia do corew
Eliane Barbosa
 
Tipos de Impressoras
Tipos de ImpressorasTipos de Impressoras
Tipos de Impressoras
Pikinhasequinha
 
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores IAula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Graficas e monitores
Graficas e monitoresGraficas e monitores
Graficas e monitores
dsde
 
Graficas e monitores
Graficas e monitoresGraficas e monitores
Graficas e monitores
António Filipe
 
Aula sobre computadores explicativa 2
Aula sobre computadores explicativa  2Aula sobre computadores explicativa  2
Aula sobre computadores explicativa 2
Priscila Comparsi
 
O computador invisível
O computador invisívelO computador invisível
O computador invisível
JimmyAndrade
 
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comunsTIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
filipereira
 

Semelhante a Computação Gráfica - Artquitetura de Dispositivos Gráficos (20)

Periféricos
PeriféricosPeriféricos
Periféricos
 
Informática
InformáticaInformática
Informática
 
CGPI Aula 27/08/2018
CGPI Aula 27/08/2018CGPI Aula 27/08/2018
CGPI Aula 27/08/2018
 
Rita2
Rita2Rita2
Rita2
 
Dispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dadosDispositivos de entrada e saída de dados
Dispositivos de entrada e saída de dados
 
Touch sreens
Touch sreensTouch sreens
Touch sreens
 
06 hardwere (monitores)
06   hardwere (monitores)06   hardwere (monitores)
06 hardwere (monitores)
 
Computação grafica
Computação graficaComputação grafica
Computação grafica
 
Dispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saídaDispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saída
 
Realidade virtual
Realidade virtualRealidade virtual
Realidade virtual
 
Impressora e Scanner
Impressora e Scanner Impressora e Scanner
Impressora e Scanner
 
Teoriadainteractividade
TeoriadainteractividadeTeoriadainteractividade
Teoriadainteractividade
 
Importancia do corew
Importancia do corewImportancia do corew
Importancia do corew
 
Tipos de Impressoras
Tipos de ImpressorasTipos de Impressoras
Tipos de Impressoras
 
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores IAula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
 
Graficas e monitores
Graficas e monitoresGraficas e monitores
Graficas e monitores
 
Graficas e monitores
Graficas e monitoresGraficas e monitores
Graficas e monitores
 
Aula sobre computadores explicativa 2
Aula sobre computadores explicativa  2Aula sobre computadores explicativa  2
Aula sobre computadores explicativa 2
 
O computador invisível
O computador invisívelO computador invisível
O computador invisível
 
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comunsTIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
 

Mais de Tony Alexander Hild

Circuitos combinacionais
Circuitos combinacionaisCircuitos combinacionais
Circuitos combinacionais
Tony Alexander Hild
 
Paradigma funcional
Paradigma funcionalParadigma funcional
Paradigma funcional
Tony Alexander Hild
 
Circuitos sequenciais
Circuitos sequenciaisCircuitos sequenciais
Circuitos sequenciais
Tony Alexander Hild
 
Circuitos Integrados Digitais
Circuitos Integrados DigitaisCircuitos Integrados Digitais
Circuitos Integrados Digitais
Tony Alexander Hild
 
Paradigma Orientado a Objeto
Paradigma Orientado a ObjetoParadigma Orientado a Objeto
Paradigma Orientado a Objeto
Tony Alexander Hild
 
Simplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de Karnaugh
Simplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de KarnaughSimplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de Karnaugh
Simplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de Karnaugh
Tony Alexander Hild
 
Introdução aos Mapas de Karnaugh
Introdução aos Mapas de KarnaughIntrodução aos Mapas de Karnaugh
Introdução aos Mapas de Karnaugh
Tony Alexander Hild
 
Introdução ao paradigma imperativo
Introdução ao paradigma imperativoIntrodução ao paradigma imperativo
Introdução ao paradigma imperativo
Tony Alexander Hild
 
Álgebra Booleana
Álgebra BooleanaÁlgebra Booleana
Álgebra Booleana
Tony Alexander Hild
 
CEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEB
CEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEBCEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEB
CEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEB
Tony Alexander Hild
 
Introdução ao Desenvolvimento WEB
Introdução ao Desenvolvimento WEBIntrodução ao Desenvolvimento WEB
Introdução ao Desenvolvimento WEB
Tony Alexander Hild
 
Computação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motoras
Computação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motorasComputação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motoras
Computação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motoras
Tony Alexander Hild
 
Computação Gráfica - Percepção Tridimensional
Computação Gráfica - Percepção TridimensionalComputação Gráfica - Percepção Tridimensional
Computação Gráfica - Percepção Tridimensional
Tony Alexander Hild
 
Computação Gráfica - Introdução
Computação Gráfica - IntroduçãoComputação Gráfica - Introdução
Computação Gráfica - Introdução
Tony Alexander Hild
 

Mais de Tony Alexander Hild (14)

Circuitos combinacionais
Circuitos combinacionaisCircuitos combinacionais
Circuitos combinacionais
 
Paradigma funcional
Paradigma funcionalParadigma funcional
Paradigma funcional
 
Circuitos sequenciais
Circuitos sequenciaisCircuitos sequenciais
Circuitos sequenciais
 
Circuitos Integrados Digitais
Circuitos Integrados DigitaisCircuitos Integrados Digitais
Circuitos Integrados Digitais
 
Paradigma Orientado a Objeto
Paradigma Orientado a ObjetoParadigma Orientado a Objeto
Paradigma Orientado a Objeto
 
Simplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de Karnaugh
Simplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de KarnaughSimplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de Karnaugh
Simplificação de expressões Booleanas utilizando mapas de Karnaugh
 
Introdução aos Mapas de Karnaugh
Introdução aos Mapas de KarnaughIntrodução aos Mapas de Karnaugh
Introdução aos Mapas de Karnaugh
 
Introdução ao paradigma imperativo
Introdução ao paradigma imperativoIntrodução ao paradigma imperativo
Introdução ao paradigma imperativo
 
Álgebra Booleana
Álgebra BooleanaÁlgebra Booleana
Álgebra Booleana
 
CEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEB
CEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEBCEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEB
CEAD 2013 - Oficina 1: Ferramentas colaborativas e de comunicação WEB
 
Introdução ao Desenvolvimento WEB
Introdução ao Desenvolvimento WEBIntrodução ao Desenvolvimento WEB
Introdução ao Desenvolvimento WEB
 
Computação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motoras
Computação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motorasComputação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motoras
Computação Gráfica - Informações Visuais Óculo-motoras
 
Computação Gráfica - Percepção Tridimensional
Computação Gráfica - Percepção TridimensionalComputação Gráfica - Percepção Tridimensional
Computação Gráfica - Percepção Tridimensional
 
Computação Gráfica - Introdução
Computação Gráfica - IntroduçãoComputação Gráfica - Introdução
Computação Gráfica - Introdução
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Computação Gráfica - Artquitetura de Dispositivos Gráficos

  • 1. Computação Gráfica Aula 4 – Arquitetura de Dispositivos Gráficos Prof. Tony Alexander Hild Documento licenciado por Creative Commons - http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/
  • 2.
  • 3. Permitem a interação com o sistema, na busca de extensões dos limites do nosso corpo e melhor comunicação com a máquina.
  • 4.
  • 10.
  • 11. Diversos dispositivos de teclado foram inventados ao longo de décadas, porém o mais usado é o teclado QWERTY;
  • 12. É irônico pensar que esse teclado foi inventado para a redução da velocidade do digitador e, como conseqüência, causar menores danos à sua saúde.
  • 14.
  • 15. Enviam 1.500 sinais por segundo para rastear com segurança o menor movimento possível.
  • 16. Mouse
  • 17.
  • 18. Usados geralmente nos jogos de videogame, estações de realidade virtual e estações industriais de controle de robôs.
  • 20.
  • 21. Os novos tablets são calibrados com perfeição para ler com absoluta precisão os movimentos da caneta, que opera com 1.024 níveis de sensibilidade à pressão;
  • 22. Estes são traduzidos em curvas suaves, transições graduais e controles precisos do traço;
  • 23. Um software incluso nos pacotes dos hardwares de tablet possibilita o reconhecimento da escrita.
  • 25.
  • 26. A cada vez que o usuário toca a mesa com o apontador é informado ao computador a coordenada deste ponto da mesa;
  • 27. Existem diversos trabalhos em andamento para a substituição deste periférico por sistemas mais baratos com câmeras digitais e softwares de reconhecimento de padrões.
  • 29.
  • 30.
  • 31. A cada vez que o sensor atinge um ponto na superfície de um objeto, a coordenada deste ponto em relação a um ponto referencial (origem) é transmitida ao computador.
  • 33.
  • 34. As mais baratas utilizam câmeras digitais acopladas a uma mesa especial que fornece as coordenadas para os sistemas. Esta tecnologia quase sempre requer a intervenção de modeladores para o acabamento das peças;
  • 35. A tecnologia de scanners a laser, de alto custo, é sem dúvida a tecnologia de dispositivos de entrada que vem atraindo mais atenção no mundo. Suas aplicações são grandes e muitas delas ainda estão por se descobrir.
  • 37.
  • 38. Os sensores podem ser mecânicos, ópticos ou híbridos.
  • 40.
  • 41.
  • 42. Binoculares ou monoculares (um ou os dois olhos são estimulados);
  • 43. Opacos ou translúcidos (substituem ou complementam a realidade).
  • 45.
  • 46. Trabalham tanto em cima de uma mesa como no ar, pois possuem um giroscópio que tem comunicação por rádio com o computador;
  • 47. São capazes de medir a velocidade e a força que estão sendo aplicadas pelo usuário.
  • 49.
  • 50. A comunicação pode ser realizada de várias maneiras, sendo que o acompanhamento óptico de marcadores vem sendo o mais utilizado;
  • 51. Essas roupas são usadas para gerar informações do movimento humano, a partir daí surge uma infinidade de aplicações para animações, esporte, desenvolvimento de produtos, medicina etc.
  • 53.
  • 54. Os dispositivos vetoriais conseguem traçar segmentos de reta perfeitos entre dois pontos;
  • 55. Os dispositivos matriciais apenas conseguem traçar pontos, ou seja, segmentos de reta são traçados como seqüências de pontos próximos, são entretanto, bastante adequados para desenhar áreas cheias e sombras, onde os vetoriais mostram deficiência.
  • 56.
  • 57. Podem utilizar tintas de várias cores e chegar a níveis altos de realismo na imagem impressa.
  • 59.
  • 60. Um feixe de raio laser varre uma chapa em processo ótico parecido com o do cabeçote de uma impressora, o bombardeio do feixe deixa a chapa carregada com uma carga eletrostática;
  • 61. Por efeito da atração elétrica, uma tintura (toner) adere à chapa e por pressão e aquecimento é fixada no papel formando a imagem.
  • 64.
  • 65. As impressoras térmicas precisam utilizar um papel termo-sensível especial.
  • 67.
  • 68. Existem dois tipos, em um, o papel permanece fixo e a caneta produz desenhos sobre o mesmo pela combinação de movimentos horizontais e verticais;
  • 69. No outro tipo, o desenho é produzido pela combinação dos movimentos do papel e da caneta.
  • 71.
  • 72. Os monitores são classificados de acordo com a tecnologia de amostragem de vídeo utilizada na formação da imagem.
  • 73.
  • 74.
  • 75. Baixo custo de fabricação;
  • 76. Grande banda dinâmica de cores e contrastes; e
  • 77.
  • 78. O consumo elevado de energia;
  • 79. Seu efeito de cintilação (flicker); e
  • 80. A possibilidade de emitir radiação que está fora do espectro luminoso (raios x), danosa à saúde no caso de longos períodos de exposição.
  • 81. Monitores CRT Diagrama em corte de um tubo de raios catódicos de deflexão eletromagnética , usado em televisões e monitores coloridos. 1: Canhões de elétrons e lentes eletrônicas de focalização; 2: Bobinas defletoras (deflexão eletromagnética); 3: Anodo de alta tensão; 4: Máscara de sombra; 5: Detalhe da matriz de pontos coloridos RGB (vermelho, verde, azul).
  • 82.
  • 83.
  • 85. A não-emissão de radiações nocivas;
  • 86. A capacidade de formar uma imagem praticamente perfeita, estável, sem cintilação, que cansa menos a visão - desde que esteja operando na resolução nativa; e
  • 87.
  • 88. O fato de que, ao trabalhar em uma resolução diferente daquela para a qual foi projetado, o monitor LCD utiliza vários artifícios de composição de imagem que acabam degradando a qualidade final da mesma; e
  • 89. Um fato não-divulgado pelos fabricantes: se o cristal liquido da tela do monitor for danificado e ficar exposto ao ar, pode emitir alguns compostos tóxicos, tais como o óxido de zinco e o sulfeto de zinco. Este será um problema quando alguns dos monitores fabricados hoje em dia chegarem ao fim de sua vida útil (estimada em 20 anos).
  • 91.
  • 92. A idéia é usar diodos orgânicos, compostos por moléculas de carbono que emitem luz ao receberem uma carga elétrica;
  • 93. A vantagem é que ao contrário dos diodos tradicionais, essas moléculas podem ser diretamente aplicadas sobre a superfície da tela, usando um método de impressão;
  • 94. Acrescentados os filamentos metálicos que conduzem os impulsos elétricos a cada célula, está pronta uma tela a um custo extremamente baixo;
  • 95. Uma das principais características da tela orgânica é que ela possui luz própria;
  • 96. Com isto não necessita de luz de fundo ou luz lateral, (backlight ou sidelight) e ocupa menos espaço, dois fatores que tornam a tecnologia muito interessante para uso em computadores de mão e notebooks;
  • 97. Outra importante característica é que por emitir luz própria cada OLED quando não polarizado torna-se obscuro obtendo-se assim o "preto real", diferentemente do que ocorre com LCDs que não conseguem obstruir completamente a luz de fundo e ainda neste caso não há consumo de energia para a modulação de luz de fundo.
  • 100.