SlideShare uma empresa Scribd logo
Dispositivos de Entrada e Saída de dados
       Introdução;
       Evolução histórica;
       Dispositivos;
       Sumário.




Introdução
Entende-se dispositivo de entrada como um sistema que permite introduzir dados do
exterior num computador ou outro sistema informático com o intuito de os processar ou
de servirem para controle do processamento. Ao contrário, dispositivo de saída é
qualquer sistema que permite ao computador disponibilizar informação para o exterior
para que seja posteriormente utilizada. No entanto, por esta definição considerar-se-ia
um interface de rede ou um modem como um dispositivo de introdução e saída de
dados. Na realidade, considera-se que um dispositivo de entrada ou saída de dados
traduz (converte) elementos físicos utilizados pelo ser humano ou máquina, em
informação digital utilizável pelo computador propriamente dito. Considera-se por
exemplo um teclado, ou um sensor de temperatura como um dispositivo de introdução
de dados. O teclado, converte a acção do utilizar sobre determinada tecla num sinal
digital correpondente. O sensor de temperatura converte uma grandeza mesurável em
graus (celcius ou fernheit) num valor digital correspondente.

Apresentam-se em muitos tipos e funções, as abordagens de estudo poderiam ser muitas
e complexas, mas neste caso faremos talvez a mais simples e menos complexa e que é
enumerar alguns e descrever a seu funcionamento genérico e situações de utilização.




Evolução histórica
Tudo começou há muito tempo com o aparecimento dos primeiros computadores, quer
consideremos a máquina de calcular de Babage ou os enormes computadores dos anos
40 e 50. Qualquer um deles teve necessidade de introdução de dados, seja para executar
as operações matemáticas, seja para o recenseamento civil ou a contabilidade. A questão
será sempre: que dados processar?

Um dos primeiros sistemas de introdução de dados foi o cartão perfurado. Trata-se de
uma cartão onde são feitos furos segundo uma lógica predefinida e que representam
caracteres ou outro qualquer tipo de dados. A sua impressão era feita através de
máquinas criadas com esse propósito (normalmente independentes do computador),
tinham um teclado de máquina de escrever, mas em vez de imprimir o caracter
correspondente a cada uma das teclas imprimia num cartão o conjunto de furos
correspondente a cada caracter. Os cartões eram depois introduzidas num leitor
incorporado no computador que os lia e os convertia para informação digital.
Posteriormente evoluiu-se para fitas perfuradas, em que os princípios e funcionamento
eram basicamente os mesmos mas em que as fitas tinham a vantagem de serem mais
rápidas.

O passo seguinte e talvez o mais famoso e duradouro foi o teclado electrónico. O seu
desenvolvimento seguiu a lógica de curto-circuitar o uso de cartões e fitas perfuradas,
pois existia uma máquina que "escrevia" os cartões perfurados e depois uma outra que
os lia e convertia para sinais electrónicos. O teclado tem um mapa de sinais eléctricos
correspondentes a cada caracter ou símbolo existente e possível de teclar. Quando tal
símbolo é teclado, a sequência de impulsos eléctricos correspondente é enviada para o
computador onde existe normalmente uma interface que os converte para informação
digital, o que invalida o usoo de suporte físico intermédio.

No início, os dispositivos de saída limitavam-se a cartões e fitas perfuradas o que
permitia reutilizar esses cartões e fitas em posteriores inserções de dados, o que
pressupõe a existência de dispositivos de impressão ligados ao computador.
Consequentemente, para tal informação ser lida e posteriormente utilizada pelo Homem,
era necessário convertê-la para caracteres e símbolos. Assim, criaram-se
leitores/conversores da informação (existente nos cartões e fitas) em caracteres
alfanuméricos, e que os imprimia depois em papel. Surgiram assim as impressoras.

Nos anos sessenta surgiu o que ainda hoje é talvez o mais popular dispositivo de saída
de dados, o ecrans de video. Quando os primeiros monitores apareceram, a sua
utilização baseava-se na apresentação de caracteres alfanuméricos, mas com o decorrer
dos anos começou a ser possível a apresentação de gráficos o que permitiu em muito
desenvolver a utilidade prática dos computadores.

Com o aparecimento e popularismo das interfaces gráficas, surgiu a necessidade de
dispositivos de entrada mais intuitivos e rápidos. O mais popular dos dispositivos
criados com esse objectivo é talvez o rato, que é um dispositivo manual que funciona
numa superfície plana e que faz corresponder os seus movimentos nas coordenadas x e y
a um apontador existente no monitor. O rato dispõe na parte inferior duma esfera que é
accionada pelo movimento. Esta esfera faz accionar dois eixos (correspondentes a x e
y). Estes eixos por sua vez têm associados leitores de movimento, baseados na
tecnologia óptica.

Estas são talvez, os principais marcos da evolução dos dispositivos de entrada e saída de
dados em computadores. Apresentam-se de seguida alguns dos mais utilizados e as suas
áreas de utilização.




Dispositivos
Divendem-se os dispositivos em três grupos fundamentais:
Dispositivos de Introdução;
       Dispositivos de Saída;
       Dispositivos de Entrada e Saída.



Dispositivos de Introdução

       Teclado;
       Rato;
       Track-ball;
       Joystick;
       Apontador;
       Light-pen;
       Touch-pad;
       Scanner.

Teclado

Os seus princípios de funcionamento mantêm-se idênticos ao descrito anteriormente, ou
seja, existe no computador uma interface que converte a sequência de impulsos
eléctricos em sinais digitais e que por meio de um interrupt transfere os dados para a
memória.




                               Figura 6.1 - Imagem dum teclado [fonte].


As combinações de símbolos, teclas e funções tem vindo a aumentar, aproximando-se
de 600, o que torna o teclado pouco prático para funções específicas e nas quais os
dados a introduzir sejam em pequeno número.
Apesar de ser pouco prático em ambiente específicos, é normalmente utilizado devido à
sua versatilidade e resistência física.



Rato

É um dispositivo que funciona sobre uma superfície plana, tem uma esfera na parte
inferior do seu interior e através de orifício entra em contacto com a superfície. Pelo
movimento da esfera são gerados movimentos em dois eixos (x e y) que por sua vez
estão ligados a sensores de posição. Estes sensores de posição, normalmente através de
tecnologia óptica, detectam o movimento e convertem-no em sinais digitais que envia
para o computador. Existem outras formas de detecção do movimento.

Tem normalmente 2 ou 3 botões, que são usados em duas situações:

       Sozinho, como comando único, geralmente como acção de alteração de estados
       (tomada de decisões);
       Em complemento do movimento, possibilita que o movimento seja usado em
       diversas situações (arrastamento, selecção de objectos).

Utilizam-se vulgarmente em sistemas com interface gráfica (ex: Windows), ou em
sistemas de manipulação de informação sobre a forma gráfica (ex: CAD, GIS).




                                   Figura 6.2 - Imagem dum rato [fonte].


Não se aconselha o sua utilização em ambientes industriais, visto que necessita de uma
certa protecção e espaço de funcionamento.



Track-ball

Track-Ball é uma versão do rato típico, que mais não é que um rato em que a esfera
passa a estar na parte superiora e a base está fixa. O utilizador movimenta a esfera e não
a base como acontecia com o rato.




                             Figura 6.3 - Imagem de vários track-ball's [fonte].


Não necessita de espaço extra para além do seu tamanho e não não sofre problemas com
a sujidade da superfície. Tem a desvantagem (aparente) de necessitar de grande tempo
de habituação.
Joystick

Joystick, é um manípulo capaz de converter os movimentos realizados pelo utilizador
para sinais digitais que irão ser posteriormente interpretados pelo sistema. Embora
determine duas dimensões, os movimentos podem ser interpretados como
tridimensionais.




                                Figura 6.4 - Imagem de Joystick [fonte]


       Vários botões incorporados;
       Usado especialmente em software de diversão;
       Tem vindo a ter outras aplicações, nomeadamente na área da realidade virtual;
       Muito simples e intuitivo.

Apontador

Minúsculo joystick que se coloca junto ao teclado, pelo que a sua aplicação se restringe
a computadores portáteis. Exige bastante habituação.



Light-Pen

Funciona em conjunto com um monitor especial, e permite determinar a posição tocada
pelo lápis. Bastante utilizada em computadores de bolso em complemento de OCR.



Touch-Pad
É um pequeno ecran táctil, que faz corresponder o deslizar do dedo do utilizador a um
movimento dum apontador no ecran. É possível usar o próprio ecran como botão ou
botões. Quando o ecran "sentir" um toque mais forte, o driver intrepeta-o como um
toque no botão esquerdo. Quanto ao toque no botão direito, é comum especificar a parte
direita superiora (ver parte azul na fihura 6.5) como a parte correspondente ao toque no
botão direito.




                                 Figura 6.5 - Imagens de touch-pad [fonte].


É muito utilizado em computadores portáteis, e exige menos habituação que o track-ball
ou o apontador, no entanto, a precisão é difícil de atingir devido ao deslizar inconstante
do dedo.

Scanner

Baseia-se na emissão de um feixe de luz sobre o objecto a ser analisado que por sua vez,
em função da sua cor, reflectirá um feixe de luz diferente. Este será analisado por um
sensores fotoeléctricos que converterão o feixe reflectido para um sinal digital.
Um dos mais importantes factores de desempenho ou qualidade dum scanner é a
quantidade de pontos lidos por polegada quadrada. A unidade de contagem denomina-se
DPI (dots per inch).




                        Figura 6.6 - Princípios básicos de funcionamento dum scanner.
Os scanners podem caracterizar-se por vários parâmetros, sendo os mais importante no
que respeita ao número de cores que converte ou o suporte físico:

       Escalas de cinzento, apenas quantificam a intensidade da cor, sendo portanto
       cada ponto mensurável em intensidades de cinzento. Os sensores apenas
       distinguem branco e preto, pelo que qualquer cor intermédia é convertida pela
       intensidade de reflexão em escalas de cinzento.
       Cor, tal como se apresenta na Figura 6.6, existem três sensores, um para cada
       cor primária, que quantificam cada uma das componenes.
       Slides. Devido ao tamanho e transparência do slide, este tipo de scanner tem
       propriedades distintas dos anteriores, nomeadamente:
               A luz não é reflectida mas atravessa a película;
               Existem lentes de aumento do tamnho;
               Resolução elevada em comparação com o típico.

Quanto ao seu funcionamento básico, dizem-se:

       De mão, os quais se movimentam ao longo da imagem, por arrastamento
       imposto pelo utilizador ou em certos modelos por um motor incorporado:
               Largura da página A5;
               Menor qualidade;
               Mais baratos;
               Uso particular e amador;
               Em desuso;
       De lâmpada móvel. A página a ler está colocada sobre uma superfície
transparente, que é percorrida pelo movimento da lâmpada emissora (Figura 6.7):
               Assemelham-se a fotocopiadoras;
               Tamanho da folha A4, ou maior;
               Melhor qualidade;
               Caros;
               Utilizado para processamento de imagem;




                     Figura 6.7 - Aspecto genérico dum scanner com lâmpada móvel [fonte]


       De lâmpada fixa. A lâmpada está fixa sendo a página a mover-se:
             Assemelham-se a um telefax;
             Tamanho da folha A4, ou maior;
             Melhor qualidade;
             Mais caros;
             Usado fundamentalmente em OCR automatizado.

Quanto às aplicações distinguem três tipos fundamentais:
Códigos de barras:
               Funcionam segundo os mesmos princípios expostos anteriormente, mas
               devido à sua utilização específica a tecnologia usada não é tão
               sofisticada;
               Muito usado em pontos de venda e actualmente em expansão em
               controle e gestão de produção;
               Bastante simples de instalar em computador e em software;
               Apresentam-se em diversas formas: caneta, pistola, ecrã, ..., sendo o
               último o mais sofisticado e capaz de ler os códigos em posições muito
               diferentes, devido à utilização de vários feixes emissores e espelhos;
               Bastante económico.
        OCR (Optical Character Recognition):
               Tem por missão reconhecer caracteres alfanumérico em desenho e
               convertê-los para caracteres alfanumérico;
               Faz a junção de vários pontos contíguos de uma imagem e associa esse
               conjunto a caracteres específicos de uma tabela, permitindo assim o seu
               reconhecimento óptico e tradução para formato de texto;
               Normalmente são utilizados em formato de mesa, mas a sua aplicação
               depende mais do software utilizado do que propriamente do scanner.
               Existem grandes progressos nesta área, nomeadamente através do
               domínio da inteligência artificial.
        Imagem:
               Conversão o mais fiel possível da imagem em papel, para determinado
               formato de desenho (ex.: BMP, GIF, JPEG, TIFF, etc.);
               Exigem alta definição (mais pontos por polegada (DPI));
        Leitor de marcas ópticas, permite detectar determinados riscos num papel
especialmente branco. Muito utilizado para leitura de formulários em grande escala,
visto que a sua velocidade de leitura é bastante elevada, chegando nos casos mais
simples às 600 páginas por minuto.
        Leitores de tinta magnética, permite a leitura de símbolos impressos com tinta
magnética, os quais são facilmente identificáveis devido à energia que emitem.



Dispositivos de Saída

       Monitores;
       Impressoras.



Monitores

São de todos os dispositivos de saída o mais conhecido e de tal forma especial que se
optou por referí-lo em especial noutra secção.



Impressoras
São os dispositivos mais comuns de saída de informação para suporte físico como é
neste caso o papel. Por mais que se possa pensar que o papel está condenado a
desaparecer nos próximos anos, a verdade é que a maior parte dos fabricantes
continuam a investir milhões em investigação e protótipos de novas tecnologias com
vista à sua adaptação a tarefas de impressão. Por ouro lado, com o advento do laser e da
cor disponíveis a preços impensáveis há poucos anos, cada vez mais uma boa
apresentação em papel é bem vista.

Os diversos tipos de impressoras dividem-se em três grandes grupos:

        Impressoras de caracteres, que significa que a unidadae básica de escrita é o
        caracter, bastando portanto que chegue à impressora um caracter de cada vez, ao
        ritmo que se desejar. As impressoras de caracteres, sejam eles gráficos ou
        alfanuméricos, à medida que se recebem do computador são impressos
        imediatamente. Algumas implementações têm um buffer correspondente a mais
        ou menos uma linha de impressão, mas não é isso que as converte numa
        impressora de linhas. As tecnologias mais comuns utilizadas são:
                Agulhas (9 ou 24);
                Daisy Chain;
                Jacto de tinta.
        Impressoras de linhas, que significa que ante de ser impressa determinada
linha, toda a informação respeitante tem que estar já na impressora. As impressoras de
linhas são pouco habituais no mercado. Funcionam basicamente por aquecimento de
uma folha que contém tinta (tipo químico em escrita manual), que quando aquecida nos
locais a imprimir transfere a tinta para a folha de papel;
        Impressoras de página implica que toda a página tenha que estar em memória
da impressora antes de se iniciar a impressão. São hoje em dia baseadas
fundamentalmente em tecnologia laser. Qualquer página antes de ser impressa é
previamente armazenada em memória da própria impressora e convertida para formato
adequado ao hardware. Isto deve-se ao facto de os mecanismos ópticos, de laser, de
arrefecimento, etc, necessitarem de funcionar a determinada velocidade com intervalos
de variação mínimos, não podendo por isso estar à espera que a informação chegue do
computador a quantidades e velocidades aleatórias. As impressoras de página mais
comuns são as impressoras térmicas, das quais se destacam as impressoras a laser.

Impressoras de Cores

Importa salientar as diferenças utilização da cor em monitores e impressoras.
Fundamentalmente, a diferença coloca-se na cor existente no suporte antes de qualquer
procedimento:

               No monitor existe o preto, ou seja, não existe cor pelo que todo o
               espectro de cor dos raios de luz são absorvido logo vemos o preto.
               Nas impressoras, o suporte normal é uma folha de papel branco, o que
               qur dizer que todo o espectro de cor é reflectido, logo vemos branco
               (junção de todas as cores).

Assim, enquanto nos monitores o processo de escrita é a adição de cor, no suporte em
papel o princípio é o da absorção de determinada parte do espectro.
Observe-se a Tabela 6.1 onde se criam as três cores secundárias, através da adição das
três primárias:

                            R                          G                           Y
                            R             +             B             =            M
                            G                           B                           C

                         Tabela 6.1 - Adição de duas cores primárias e respectivos valores


No entanto, sendo o papel branco, toda a cor é reflectida, pelo que se usa o
complemento desta tabela para se conseguir as cores desejadas.

                         Cor
                                                   Reflecte                   Absorbe
                       Impressa
                             Y                   R            G                     B
                            M                    R             B                   G
                             C                   G             B                    R

                     Tabela 6.2 - Relação de cores secundárias com as reflectidas e absorvidas


Assim, as cores com que se imprime, são o Amarelo (Y), Magenta (M) e Cyan.
Por exemplo, se for desejado um ponto com a cor vermelha, então deve imprimir o
ponto com tinta que absorva as outras duas (Verde e Azul), ou seja, duas cores que não
deixem ver essas duas cores. Assim, os pigmentos usados serão o Amarelo-absorve o
Azul e o Magenta-absorbe o Verde (Figura 6.8).




                     Figura 6.8 - Princípios básicos de funcionamento duma impressora a cores.




Dispositivos de Introdução e Saída de Dados

       Monitores tácteis (Touch Screen);
       Outros.
Monitores tácteis (Touch Screen)

Funcionam como dispositivos de entrada e saída de dados, e têm as características de
saída equivalentes aos monitores normais, mas permitem a introdução de dados através
de toques na área de ecran.

       É fundamentalmente utilizado em aplicações gráficas e multimédia;
       Interface é muito simples e intuitiva;
       Usados fundamentalmente em ambientes públicos.

Existem vários tipos:

       Condensador;
       Infravermelhos;
       Acústicos;
       Força;
       Resistivos.

Condensador

Funcionam pelo princípio de que o corpo humano actua como um condensador
(bateria). Quando o corpo humano toca num objecto conductor com uma tensão
(Voltagem) diferente, gera-se uma corrente de energia. No entanto, se tensão do ser
humano for mais alta que a do objecto, o ser humano não sente a corrente eléctrica.
Assim, se se dotar o monitor com um sistema de condutores, e em cada um dos cantos
uma voltagem constante e igual, é possível determinar onde é que o utilizador tocou no
ecran, pois cada canto irá "sentir" o toque com diferentes intensidade (intensidade da
corrente).

       Bastantes resistentes;
       Simplesde funcionamento:
       Só condensadores como o corpo humano accionam o sistema, pelo que o uso de
       luvas pode impossibilitar o seu uso.
Figure 6.9 - Touch screen baseado em condensadores.


Infravermelhos

Funcionam através de emissores e receptores de raios infravermelhos cada qual em
posições opostas do ecrã. Quando qualquer dos feixes de luz é interrompido (não é
recebido no fotosensor) é sinónimo de que o ecrã foi tocado, e cada um dos feixes
interrompidos indica a posição do toque.

       Os emissores e receptores têm de estar colocados bastante separados do vidro do
       ecrã devido, pois devido à sua curvatura poderia ele próprio cortar o feixe
       emitido;
       Devido ao anterior, o utilizador não necessita de tocar no ecrã para que este seja
       actuado, o que causa problemas na gestão do toque a nível de software;
       É possível determinar vários toques simultâneos;
       Muito simples e barato.




                              Figure 6.10 - Touch Screen por infravermelhos
Acústicos

Partem do princípio de que as ondas acústicas viajam a um velocidade constante. O
emissor envia um impulso minúsculo ao longo de um dos lados. Cada um dos lados tem
vários reflectores a 45º que reflectem o impulso para o outro lado do ecrã fazendo
passar cada uma dessas reflexões através do centro do ecrã. No outro lado do ecrã
existem reflectores que direcionam o sinal para o receptor, que mediante a recepção de
todos os sinais, determina se algum deles foi interrompido.

        É possível determinar vários toques simultâneos;
        Bastante lentos na definição do ponto de toque;
        Bastante sensíveis a arranhões e defeitos na superfície do ecrã, pois provocam
        perturbação na onda acústica;
        A qualidade de visualização é superior à dos anteriores, pelo que os torna
        indicados para aplicações multimédia;
        Tem um longo período de vida.




                             Figure 6.11 - Touch Screen por ondas acústicas


Força

O monitor tem colocado nos seus quatro cantos sensores de força, que medem a pressão
com que o ecrã é tocado. Em função da posição de toque, cada um dos sensores sofrerá
uma força diferente. Da relação entre os qutro valores é possível determinar a posição
de toque tal como no tipo baseado em condensador.

        Tende-se a usar em complemento dos ecrãs por infravermelhos e acústicos, pois
        permite a ultrapassar os problemas destes relacionados com o momento e
        duração do toque;
        Muito simples;
        Acessível.
Figure 6.12 - Touch Screen baseado em sensores de força


Resistivos

Têm a ligar os seus cantos uma resistência eléctrica que através de um sistema
complexo de leituras das resistências conseguem determinar razoavelmente a posição de
toque.

         Muito complexos;
         Muito frágeis;
         Exigem uma certa força no toque;
         Não importa qual o objecto que os toca;
         Obsoletos.




                             Figure 6.13 - Touch Screen por malha de resistências




Outros
Existem deviersos dispositivos de simultanemanete de introdução e saída de dados,
sendo os mais comuns relacionados quer com a realidade virtual quer com o lazer
(jogos). Alguns desses mecanismos são:

           Joystick, que para além do tradicional tem a capacidade de fazer sentir força ao
           utilizador em determinada direcção. O mesmo se passa com os volantes que
           exercem determinada força contrária à di utilizador.
           Data glove (luvas de dados), que permitem ao utilizador receber informação
           táctil, assim como passar para informação para o computador;
           Os fatos utilizados em testes de realidade virtual, semelhantes às luvas, mas o
           número de capacidades incorporadas e de sensores é bastante superior;
           Capacetes e óculos que permitem visualizar virtualmente espaços
           tridimensionais. Os mais evoluidos têma capacidade de determinar o local para
           onde o utilizador está a olhar e actuar em conformidade.




Sumário
           Compreender o conceito de dispositivo de entrada ou saída de dados;
           Conhecer o conjunto principal de dispositivos de entrada, saída e entrada-saída;
           Compreender o seu funcionamento básico;
           Compreender o princípio de adição e subtracção de cores.




Última actualização: 02 Maio 2005

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1.2 composição sistema informático
1.2  composição sistema informático1.2  composição sistema informático
1.2 composição sistema informático
Eb 2,3 de beiriz
 
Apostila de Excel para crianças (pequeninos)
Apostila de Excel para crianças (pequeninos)Apostila de Excel para crianças (pequeninos)
Apostila de Excel para crianças (pequeninos)
Welington Carvalho
 
Interação Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de Oliveira
Interação Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de OliveiraInteração Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de Oliveira
Interação Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de Oliveira
Wellington Oliveira
 
мэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuun
мэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuunмэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuun
мэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuunKhishighuu Myanganbuu
 
Introdução à Informática
Introdução à InformáticaIntrodução à Informática
Introdução à Informática
vanessa.barros
 
Funções do Teclado
Funções do TecladoFunções do Teclado
Funções do Teclado
Cris Silva
 
ИТ - въпроси за начален преговор в 8 клас
ИТ - въпроси за начален преговор в 8 класИТ - въпроси за начален преговор в 8 клас
ИТ - въпроси за начален преговор в 8 клас
nad_and
 
Rad sa direktorijumima i datotekama
Rad sa direktorijumima i datotekamaRad sa direktorijumima i datotekama
Rad sa direktorijumima i datotekamamajapts
 
Seguranca da Informação - Introdução - Novo
Seguranca da Informação - Introdução - NovoSeguranca da Informação - Introdução - Novo
Seguranca da Informação - Introdução - Novo
Luiz Arthur
 
Aula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linuxAula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linux
Rogério Cardoso
 
4 клас урок 8 як редагувати текст
4 клас урок 8 як редагувати текст  4 клас урок 8 як редагувати текст
4 клас урок 8 як редагувати текст
Сокальська ЗШ І-ІІІ ступенів №2
 
Cистеми числення
Cистеми численняCистеми числення
Cистеми числення
Щербань Владислав
 
Teclas e funções do teclado
Teclas e funções do tecladoTeclas e funções do teclado
Teclas e funções do tecladoemefetchegoyen
 
periféricos de entrada, saída e mistos
periféricos de entrada, saída e mistosperiféricos de entrada, saída e mistos
periféricos de entrada, saída e mistos
Raquel Guimaraes
 
Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)
Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)
Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)
Мөнхбаярын Цэцэнцэнгэл
 
3 клас урок 10 які бувають меню.як запустити програму на виконання.
3 клас урок 10  які бувають меню.як запустити програму на виконання.3 клас урок 10  які бувають меню.як запустити програму на виконання.
3 клас урок 10 які бувають меню.як запустити програму на виконання.
Сокальська ЗШ І-ІІІ ступенів №2
 
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
LucasMansueto
 
Dispositivos de Entrada e Saída de dados
Dispositivos de Entrada e Saída de dadosDispositivos de Entrada e Saída de dados
Dispositivos de Entrada e Saída de dados
celiappt
 
Informática Básica
Informática BásicaInformática Básica
Informática Básica
Heraldo Gonçalves Lima Junior
 

Mais procurados (20)

1.2 composição sistema informático
1.2  composição sistema informático1.2  composição sistema informático
1.2 composição sistema informático
 
Apostila de Excel para crianças (pequeninos)
Apostila de Excel para crianças (pequeninos)Apostila de Excel para crianças (pequeninos)
Apostila de Excel para crianças (pequeninos)
 
Interação Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de Oliveira
Interação Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de OliveiraInteração Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de Oliveira
Interação Humano Computador Capítulo 10 Avaliação - Wellington Pinto de Oliveira
 
мэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuun
мэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuunмэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuun
мэдээлэлжсэн нийгэм гэж юу вэ10e namuun
 
Introdução à Informática
Introdução à InformáticaIntrodução à Informática
Introdução à Informática
 
Funções do Teclado
Funções do TecladoFunções do Teclado
Funções do Teclado
 
ИТ - въпроси за начален преговор в 8 клас
ИТ - въпроси за начален преговор в 8 класИТ - въпроси за начален преговор в 8 клас
ИТ - въпроси за начален преговор в 8 клас
 
Rad sa direktorijumima i datotekama
Rad sa direktorijumima i datotekamaRad sa direktorijumima i datotekama
Rad sa direktorijumima i datotekama
 
мэдээллийн систем
мэдээллийн системмэдээллийн систем
мэдээллийн систем
 
Seguranca da Informação - Introdução - Novo
Seguranca da Informação - Introdução - NovoSeguranca da Informação - Introdução - Novo
Seguranca da Informação - Introdução - Novo
 
Aula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linuxAula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linux
 
4 клас урок 8 як редагувати текст
4 клас урок 8 як редагувати текст  4 клас урок 8 як редагувати текст
4 клас урок 8 як редагувати текст
 
Cистеми числення
Cистеми численняCистеми числення
Cистеми числення
 
Teclas e funções do teclado
Teclas e funções do tecladoTeclas e funções do teclado
Teclas e funções do teclado
 
periféricos de entrada, saída e mistos
periféricos de entrada, saída e mistosperiféricos de entrada, saída e mistos
periféricos de entrada, saída e mistos
 
Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)
Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)
Лекц 7 (Давталтуудын Си хэлэнд)
 
3 клас урок 10 які бувають меню.як запустити програму на виконання.
3 клас урок 10  які бувають меню.як запустити програму на виконання.3 клас урок 10  які бувають меню.як запустити програму на виконання.
3 клас урок 10 які бувають меню.як запустити програму на виконання.
 
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
 
Dispositivos de Entrada e Saída de dados
Dispositivos de Entrada e Saída de dadosDispositivos de Entrada e Saída de dados
Dispositivos de Entrada e Saída de dados
 
Informática Básica
Informática BásicaInformática Básica
Informática Básica
 

Semelhante a Dispositivos de entrada e saída de dados

Periféricos
PeriféricosPeriféricos
Periféricos
Tiago
 
Dispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saídaDispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saída
Bruna Ribeiro Vieira
 
Informática
InformáticaInformática
Informática
Christopher Freitas
 
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comunsTIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
filipereira
 
Aula sobre computadores explicativa 2
Aula sobre computadores explicativa  2Aula sobre computadores explicativa  2
Aula sobre computadores explicativa 2
Priscila Comparsi
 
PROF HIGOR
PROF HIGORPROF HIGOR
PROF HIGOR
Higor Lucas
 
AULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCAS
AULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCASAULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCAS
AULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCAS
Cristiano Melo
 
ICC-06 Periféricos - Introdução
ICC-06 Periféricos - IntroduçãoICC-06 Periféricos - Introdução
ICC-06 Periféricos - Introdução
Eduardo Nicola F. Zagari
 
Exercicio 1
Exercicio 1Exercicio 1
Introdução a informática
Introdução a informáticaIntrodução a informática
Introdução a informática
Roseli Rocha
 
AULA 7 B II
AULA 7 B IIAULA 7 B II
AULA 7 B II
silvaniav
 
1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática
socrahn
 
informatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdfinformatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdf
LeandroTelesRocha2
 
TIC
TICTIC
Ti cs
Ti csTi cs
Informática + Linux
Informática + LinuxInformática + Linux
Informática + Linux
leandrotelesrocha5
 
I
II
Manual Alunos
Manual AlunosManual Alunos
Manual Alunos
Ramon Flauzino
 
Informática básica
Informática básicaInformática básica
Informática básica
Thalles Anderson
 
Princípios de sistema de informação parte 1
Princípios de sistema de informação parte 1Princípios de sistema de informação parte 1
Princípios de sistema de informação parte 1
giovani1
 

Semelhante a Dispositivos de entrada e saída de dados (20)

Periféricos
PeriféricosPeriféricos
Periféricos
 
Dispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saídaDispositivos de entrada e saída
Dispositivos de entrada e saída
 
Informática
InformáticaInformática
Informática
 
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comunsTIC Unidade 1.4.   os dispositivos de entrada e saida mais comuns
TIC Unidade 1.4. os dispositivos de entrada e saida mais comuns
 
Aula sobre computadores explicativa 2
Aula sobre computadores explicativa  2Aula sobre computadores explicativa  2
Aula sobre computadores explicativa 2
 
PROF HIGOR
PROF HIGORPROF HIGOR
PROF HIGOR
 
AULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCAS
AULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCASAULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCAS
AULA 1 INFORMÁTICA - PROF HIGOR LUCAS
 
ICC-06 Periféricos - Introdução
ICC-06 Periféricos - IntroduçãoICC-06 Periféricos - Introdução
ICC-06 Periféricos - Introdução
 
Exercicio 1
Exercicio 1Exercicio 1
Exercicio 1
 
Introdução a informática
Introdução a informáticaIntrodução a informática
Introdução a informática
 
AULA 7 B II
AULA 7 B IIAULA 7 B II
AULA 7 B II
 
1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática
 
informatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdfinformatica-retificada-alba.pdf
informatica-retificada-alba.pdf
 
TIC
TICTIC
TIC
 
Ti cs
Ti csTi cs
Ti cs
 
Informática + Linux
Informática + LinuxInformática + Linux
Informática + Linux
 
I
II
I
 
Manual Alunos
Manual AlunosManual Alunos
Manual Alunos
 
Informática básica
Informática básicaInformática básica
Informática básica
 
Princípios de sistema de informação parte 1
Princípios de sistema de informação parte 1Princípios de sistema de informação parte 1
Princípios de sistema de informação parte 1
 

Mais de Celi Jandy Moraes Gomes

Como instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntuComo instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntu
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
Celi Jandy Moraes Gomes
 
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
Celi Jandy Moraes Gomes
 
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
Celi Jandy Moraes Gomes
 
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
Celi Jandy Moraes Gomes
 
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
Celi Jandy Moraes Gomes
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
Celi Jandy Moraes Gomes
 
áLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicosáLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicos
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Entrada e saida
Entrada e saidaEntrada e saida
Entrada e saida
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Constituição do estado do pará
Constituição do estado do paráConstituição do estado do pará
Constituição do estado do pará
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Formação social da mente
Formação social da menteFormação social da mente
Formação social da mente
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Saberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissionalSaberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissional
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superiorResolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Os sete saberes necessários à educação do futuro
Os sete saberes necessários à educação do futuroOs sete saberes necessários à educação do futuro
Os sete saberes necessários à educação do futuro
Celi Jandy Moraes Gomes
 

Mais de Celi Jandy Moraes Gomes (20)

Como instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntuComo instalar tudo em ubuntu
Como instalar tudo em ubuntu
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
 
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
0106 gs3 introducaoaoimpress-ptbr
 
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
0105 gs3 introducaoaocalc-ptbr
 
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
0104 gs3 introducaoaowriter-ptbr
 
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
0101 gs3 introducaoaolibo-ptbr
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
 
áLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicosáLgebra booleana e circuitos lógicos
áLgebra booleana e circuitos lógicos
 
Entrada e saida
Entrada e saidaEntrada e saida
Entrada e saida
 
Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003Lei 10.639 2003
Lei 10.639 2003
 
Constituição do estado do pará
Constituição do estado do paráConstituição do estado do pará
Constituição do estado do pará
 
Formação social da mente
Formação social da menteFormação social da mente
Formação social da mente
 
Saberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissionalSaberes docentes e formação profissional
Saberes docentes e formação profissional
 
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superiorResolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
Resolução nº 2 conselho nacional de educação câmara de educação superior
 
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1Resolução conselho nacional de educação   câmara de educação básica (ceb) nº 1
Resolução conselho nacional de educação câmara de educação básica (ceb) nº 1
 
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
Resolução ceb nº 3, de 26 de junho de 1998
 
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
Resolução câmara de educação básica, nº 2, de 7 de abril de 1998
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Os sete saberes necessários à educação do futuro
Os sete saberes necessários à educação do futuroOs sete saberes necessários à educação do futuro
Os sete saberes necessários à educação do futuro
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

Dispositivos de entrada e saída de dados

  • 1. Dispositivos de Entrada e Saída de dados Introdução; Evolução histórica; Dispositivos; Sumário. Introdução Entende-se dispositivo de entrada como um sistema que permite introduzir dados do exterior num computador ou outro sistema informático com o intuito de os processar ou de servirem para controle do processamento. Ao contrário, dispositivo de saída é qualquer sistema que permite ao computador disponibilizar informação para o exterior para que seja posteriormente utilizada. No entanto, por esta definição considerar-se-ia um interface de rede ou um modem como um dispositivo de introdução e saída de dados. Na realidade, considera-se que um dispositivo de entrada ou saída de dados traduz (converte) elementos físicos utilizados pelo ser humano ou máquina, em informação digital utilizável pelo computador propriamente dito. Considera-se por exemplo um teclado, ou um sensor de temperatura como um dispositivo de introdução de dados. O teclado, converte a acção do utilizar sobre determinada tecla num sinal digital correpondente. O sensor de temperatura converte uma grandeza mesurável em graus (celcius ou fernheit) num valor digital correspondente. Apresentam-se em muitos tipos e funções, as abordagens de estudo poderiam ser muitas e complexas, mas neste caso faremos talvez a mais simples e menos complexa e que é enumerar alguns e descrever a seu funcionamento genérico e situações de utilização. Evolução histórica Tudo começou há muito tempo com o aparecimento dos primeiros computadores, quer consideremos a máquina de calcular de Babage ou os enormes computadores dos anos 40 e 50. Qualquer um deles teve necessidade de introdução de dados, seja para executar as operações matemáticas, seja para o recenseamento civil ou a contabilidade. A questão será sempre: que dados processar? Um dos primeiros sistemas de introdução de dados foi o cartão perfurado. Trata-se de uma cartão onde são feitos furos segundo uma lógica predefinida e que representam caracteres ou outro qualquer tipo de dados. A sua impressão era feita através de máquinas criadas com esse propósito (normalmente independentes do computador), tinham um teclado de máquina de escrever, mas em vez de imprimir o caracter
  • 2. correspondente a cada uma das teclas imprimia num cartão o conjunto de furos correspondente a cada caracter. Os cartões eram depois introduzidas num leitor incorporado no computador que os lia e os convertia para informação digital. Posteriormente evoluiu-se para fitas perfuradas, em que os princípios e funcionamento eram basicamente os mesmos mas em que as fitas tinham a vantagem de serem mais rápidas. O passo seguinte e talvez o mais famoso e duradouro foi o teclado electrónico. O seu desenvolvimento seguiu a lógica de curto-circuitar o uso de cartões e fitas perfuradas, pois existia uma máquina que "escrevia" os cartões perfurados e depois uma outra que os lia e convertia para sinais electrónicos. O teclado tem um mapa de sinais eléctricos correspondentes a cada caracter ou símbolo existente e possível de teclar. Quando tal símbolo é teclado, a sequência de impulsos eléctricos correspondente é enviada para o computador onde existe normalmente uma interface que os converte para informação digital, o que invalida o usoo de suporte físico intermédio. No início, os dispositivos de saída limitavam-se a cartões e fitas perfuradas o que permitia reutilizar esses cartões e fitas em posteriores inserções de dados, o que pressupõe a existência de dispositivos de impressão ligados ao computador. Consequentemente, para tal informação ser lida e posteriormente utilizada pelo Homem, era necessário convertê-la para caracteres e símbolos. Assim, criaram-se leitores/conversores da informação (existente nos cartões e fitas) em caracteres alfanuméricos, e que os imprimia depois em papel. Surgiram assim as impressoras. Nos anos sessenta surgiu o que ainda hoje é talvez o mais popular dispositivo de saída de dados, o ecrans de video. Quando os primeiros monitores apareceram, a sua utilização baseava-se na apresentação de caracteres alfanuméricos, mas com o decorrer dos anos começou a ser possível a apresentação de gráficos o que permitiu em muito desenvolver a utilidade prática dos computadores. Com o aparecimento e popularismo das interfaces gráficas, surgiu a necessidade de dispositivos de entrada mais intuitivos e rápidos. O mais popular dos dispositivos criados com esse objectivo é talvez o rato, que é um dispositivo manual que funciona numa superfície plana e que faz corresponder os seus movimentos nas coordenadas x e y a um apontador existente no monitor. O rato dispõe na parte inferior duma esfera que é accionada pelo movimento. Esta esfera faz accionar dois eixos (correspondentes a x e y). Estes eixos por sua vez têm associados leitores de movimento, baseados na tecnologia óptica. Estas são talvez, os principais marcos da evolução dos dispositivos de entrada e saída de dados em computadores. Apresentam-se de seguida alguns dos mais utilizados e as suas áreas de utilização. Dispositivos Divendem-se os dispositivos em três grupos fundamentais:
  • 3. Dispositivos de Introdução; Dispositivos de Saída; Dispositivos de Entrada e Saída. Dispositivos de Introdução Teclado; Rato; Track-ball; Joystick; Apontador; Light-pen; Touch-pad; Scanner. Teclado Os seus princípios de funcionamento mantêm-se idênticos ao descrito anteriormente, ou seja, existe no computador uma interface que converte a sequência de impulsos eléctricos em sinais digitais e que por meio de um interrupt transfere os dados para a memória. Figura 6.1 - Imagem dum teclado [fonte]. As combinações de símbolos, teclas e funções tem vindo a aumentar, aproximando-se de 600, o que torna o teclado pouco prático para funções específicas e nas quais os dados a introduzir sejam em pequeno número. Apesar de ser pouco prático em ambiente específicos, é normalmente utilizado devido à sua versatilidade e resistência física. Rato É um dispositivo que funciona sobre uma superfície plana, tem uma esfera na parte inferior do seu interior e através de orifício entra em contacto com a superfície. Pelo movimento da esfera são gerados movimentos em dois eixos (x e y) que por sua vez estão ligados a sensores de posição. Estes sensores de posição, normalmente através de
  • 4. tecnologia óptica, detectam o movimento e convertem-no em sinais digitais que envia para o computador. Existem outras formas de detecção do movimento. Tem normalmente 2 ou 3 botões, que são usados em duas situações: Sozinho, como comando único, geralmente como acção de alteração de estados (tomada de decisões); Em complemento do movimento, possibilita que o movimento seja usado em diversas situações (arrastamento, selecção de objectos). Utilizam-se vulgarmente em sistemas com interface gráfica (ex: Windows), ou em sistemas de manipulação de informação sobre a forma gráfica (ex: CAD, GIS). Figura 6.2 - Imagem dum rato [fonte]. Não se aconselha o sua utilização em ambientes industriais, visto que necessita de uma certa protecção e espaço de funcionamento. Track-ball Track-Ball é uma versão do rato típico, que mais não é que um rato em que a esfera passa a estar na parte superiora e a base está fixa. O utilizador movimenta a esfera e não a base como acontecia com o rato. Figura 6.3 - Imagem de vários track-ball's [fonte]. Não necessita de espaço extra para além do seu tamanho e não não sofre problemas com a sujidade da superfície. Tem a desvantagem (aparente) de necessitar de grande tempo de habituação.
  • 5. Joystick Joystick, é um manípulo capaz de converter os movimentos realizados pelo utilizador para sinais digitais que irão ser posteriormente interpretados pelo sistema. Embora determine duas dimensões, os movimentos podem ser interpretados como tridimensionais. Figura 6.4 - Imagem de Joystick [fonte] Vários botões incorporados; Usado especialmente em software de diversão; Tem vindo a ter outras aplicações, nomeadamente na área da realidade virtual; Muito simples e intuitivo. Apontador Minúsculo joystick que se coloca junto ao teclado, pelo que a sua aplicação se restringe a computadores portáteis. Exige bastante habituação. Light-Pen Funciona em conjunto com um monitor especial, e permite determinar a posição tocada pelo lápis. Bastante utilizada em computadores de bolso em complemento de OCR. Touch-Pad
  • 6. É um pequeno ecran táctil, que faz corresponder o deslizar do dedo do utilizador a um movimento dum apontador no ecran. É possível usar o próprio ecran como botão ou botões. Quando o ecran "sentir" um toque mais forte, o driver intrepeta-o como um toque no botão esquerdo. Quanto ao toque no botão direito, é comum especificar a parte direita superiora (ver parte azul na fihura 6.5) como a parte correspondente ao toque no botão direito. Figura 6.5 - Imagens de touch-pad [fonte]. É muito utilizado em computadores portáteis, e exige menos habituação que o track-ball ou o apontador, no entanto, a precisão é difícil de atingir devido ao deslizar inconstante do dedo. Scanner Baseia-se na emissão de um feixe de luz sobre o objecto a ser analisado que por sua vez, em função da sua cor, reflectirá um feixe de luz diferente. Este será analisado por um sensores fotoeléctricos que converterão o feixe reflectido para um sinal digital. Um dos mais importantes factores de desempenho ou qualidade dum scanner é a quantidade de pontos lidos por polegada quadrada. A unidade de contagem denomina-se DPI (dots per inch). Figura 6.6 - Princípios básicos de funcionamento dum scanner.
  • 7. Os scanners podem caracterizar-se por vários parâmetros, sendo os mais importante no que respeita ao número de cores que converte ou o suporte físico: Escalas de cinzento, apenas quantificam a intensidade da cor, sendo portanto cada ponto mensurável em intensidades de cinzento. Os sensores apenas distinguem branco e preto, pelo que qualquer cor intermédia é convertida pela intensidade de reflexão em escalas de cinzento. Cor, tal como se apresenta na Figura 6.6, existem três sensores, um para cada cor primária, que quantificam cada uma das componenes. Slides. Devido ao tamanho e transparência do slide, este tipo de scanner tem propriedades distintas dos anteriores, nomeadamente: A luz não é reflectida mas atravessa a película; Existem lentes de aumento do tamnho; Resolução elevada em comparação com o típico. Quanto ao seu funcionamento básico, dizem-se: De mão, os quais se movimentam ao longo da imagem, por arrastamento imposto pelo utilizador ou em certos modelos por um motor incorporado: Largura da página A5; Menor qualidade; Mais baratos; Uso particular e amador; Em desuso; De lâmpada móvel. A página a ler está colocada sobre uma superfície transparente, que é percorrida pelo movimento da lâmpada emissora (Figura 6.7): Assemelham-se a fotocopiadoras; Tamanho da folha A4, ou maior; Melhor qualidade; Caros; Utilizado para processamento de imagem; Figura 6.7 - Aspecto genérico dum scanner com lâmpada móvel [fonte] De lâmpada fixa. A lâmpada está fixa sendo a página a mover-se: Assemelham-se a um telefax; Tamanho da folha A4, ou maior; Melhor qualidade; Mais caros; Usado fundamentalmente em OCR automatizado. Quanto às aplicações distinguem três tipos fundamentais:
  • 8. Códigos de barras: Funcionam segundo os mesmos princípios expostos anteriormente, mas devido à sua utilização específica a tecnologia usada não é tão sofisticada; Muito usado em pontos de venda e actualmente em expansão em controle e gestão de produção; Bastante simples de instalar em computador e em software; Apresentam-se em diversas formas: caneta, pistola, ecrã, ..., sendo o último o mais sofisticado e capaz de ler os códigos em posições muito diferentes, devido à utilização de vários feixes emissores e espelhos; Bastante económico. OCR (Optical Character Recognition): Tem por missão reconhecer caracteres alfanumérico em desenho e convertê-los para caracteres alfanumérico; Faz a junção de vários pontos contíguos de uma imagem e associa esse conjunto a caracteres específicos de uma tabela, permitindo assim o seu reconhecimento óptico e tradução para formato de texto; Normalmente são utilizados em formato de mesa, mas a sua aplicação depende mais do software utilizado do que propriamente do scanner. Existem grandes progressos nesta área, nomeadamente através do domínio da inteligência artificial. Imagem: Conversão o mais fiel possível da imagem em papel, para determinado formato de desenho (ex.: BMP, GIF, JPEG, TIFF, etc.); Exigem alta definição (mais pontos por polegada (DPI)); Leitor de marcas ópticas, permite detectar determinados riscos num papel especialmente branco. Muito utilizado para leitura de formulários em grande escala, visto que a sua velocidade de leitura é bastante elevada, chegando nos casos mais simples às 600 páginas por minuto. Leitores de tinta magnética, permite a leitura de símbolos impressos com tinta magnética, os quais são facilmente identificáveis devido à energia que emitem. Dispositivos de Saída Monitores; Impressoras. Monitores São de todos os dispositivos de saída o mais conhecido e de tal forma especial que se optou por referí-lo em especial noutra secção. Impressoras
  • 9. São os dispositivos mais comuns de saída de informação para suporte físico como é neste caso o papel. Por mais que se possa pensar que o papel está condenado a desaparecer nos próximos anos, a verdade é que a maior parte dos fabricantes continuam a investir milhões em investigação e protótipos de novas tecnologias com vista à sua adaptação a tarefas de impressão. Por ouro lado, com o advento do laser e da cor disponíveis a preços impensáveis há poucos anos, cada vez mais uma boa apresentação em papel é bem vista. Os diversos tipos de impressoras dividem-se em três grandes grupos: Impressoras de caracteres, que significa que a unidadae básica de escrita é o caracter, bastando portanto que chegue à impressora um caracter de cada vez, ao ritmo que se desejar. As impressoras de caracteres, sejam eles gráficos ou alfanuméricos, à medida que se recebem do computador são impressos imediatamente. Algumas implementações têm um buffer correspondente a mais ou menos uma linha de impressão, mas não é isso que as converte numa impressora de linhas. As tecnologias mais comuns utilizadas são: Agulhas (9 ou 24); Daisy Chain; Jacto de tinta. Impressoras de linhas, que significa que ante de ser impressa determinada linha, toda a informação respeitante tem que estar já na impressora. As impressoras de linhas são pouco habituais no mercado. Funcionam basicamente por aquecimento de uma folha que contém tinta (tipo químico em escrita manual), que quando aquecida nos locais a imprimir transfere a tinta para a folha de papel; Impressoras de página implica que toda a página tenha que estar em memória da impressora antes de se iniciar a impressão. São hoje em dia baseadas fundamentalmente em tecnologia laser. Qualquer página antes de ser impressa é previamente armazenada em memória da própria impressora e convertida para formato adequado ao hardware. Isto deve-se ao facto de os mecanismos ópticos, de laser, de arrefecimento, etc, necessitarem de funcionar a determinada velocidade com intervalos de variação mínimos, não podendo por isso estar à espera que a informação chegue do computador a quantidades e velocidades aleatórias. As impressoras de página mais comuns são as impressoras térmicas, das quais se destacam as impressoras a laser. Impressoras de Cores Importa salientar as diferenças utilização da cor em monitores e impressoras. Fundamentalmente, a diferença coloca-se na cor existente no suporte antes de qualquer procedimento: No monitor existe o preto, ou seja, não existe cor pelo que todo o espectro de cor dos raios de luz são absorvido logo vemos o preto. Nas impressoras, o suporte normal é uma folha de papel branco, o que qur dizer que todo o espectro de cor é reflectido, logo vemos branco (junção de todas as cores). Assim, enquanto nos monitores o processo de escrita é a adição de cor, no suporte em papel o princípio é o da absorção de determinada parte do espectro.
  • 10. Observe-se a Tabela 6.1 onde se criam as três cores secundárias, através da adição das três primárias: R G Y R + B = M G B C Tabela 6.1 - Adição de duas cores primárias e respectivos valores No entanto, sendo o papel branco, toda a cor é reflectida, pelo que se usa o complemento desta tabela para se conseguir as cores desejadas. Cor Reflecte Absorbe Impressa Y R G B M R B G C G B R Tabela 6.2 - Relação de cores secundárias com as reflectidas e absorvidas Assim, as cores com que se imprime, são o Amarelo (Y), Magenta (M) e Cyan. Por exemplo, se for desejado um ponto com a cor vermelha, então deve imprimir o ponto com tinta que absorva as outras duas (Verde e Azul), ou seja, duas cores que não deixem ver essas duas cores. Assim, os pigmentos usados serão o Amarelo-absorve o Azul e o Magenta-absorbe o Verde (Figura 6.8). Figura 6.8 - Princípios básicos de funcionamento duma impressora a cores. Dispositivos de Introdução e Saída de Dados Monitores tácteis (Touch Screen); Outros.
  • 11. Monitores tácteis (Touch Screen) Funcionam como dispositivos de entrada e saída de dados, e têm as características de saída equivalentes aos monitores normais, mas permitem a introdução de dados através de toques na área de ecran. É fundamentalmente utilizado em aplicações gráficas e multimédia; Interface é muito simples e intuitiva; Usados fundamentalmente em ambientes públicos. Existem vários tipos: Condensador; Infravermelhos; Acústicos; Força; Resistivos. Condensador Funcionam pelo princípio de que o corpo humano actua como um condensador (bateria). Quando o corpo humano toca num objecto conductor com uma tensão (Voltagem) diferente, gera-se uma corrente de energia. No entanto, se tensão do ser humano for mais alta que a do objecto, o ser humano não sente a corrente eléctrica. Assim, se se dotar o monitor com um sistema de condutores, e em cada um dos cantos uma voltagem constante e igual, é possível determinar onde é que o utilizador tocou no ecran, pois cada canto irá "sentir" o toque com diferentes intensidade (intensidade da corrente). Bastantes resistentes; Simplesde funcionamento: Só condensadores como o corpo humano accionam o sistema, pelo que o uso de luvas pode impossibilitar o seu uso.
  • 12. Figure 6.9 - Touch screen baseado em condensadores. Infravermelhos Funcionam através de emissores e receptores de raios infravermelhos cada qual em posições opostas do ecrã. Quando qualquer dos feixes de luz é interrompido (não é recebido no fotosensor) é sinónimo de que o ecrã foi tocado, e cada um dos feixes interrompidos indica a posição do toque. Os emissores e receptores têm de estar colocados bastante separados do vidro do ecrã devido, pois devido à sua curvatura poderia ele próprio cortar o feixe emitido; Devido ao anterior, o utilizador não necessita de tocar no ecrã para que este seja actuado, o que causa problemas na gestão do toque a nível de software; É possível determinar vários toques simultâneos; Muito simples e barato. Figure 6.10 - Touch Screen por infravermelhos
  • 13. Acústicos Partem do princípio de que as ondas acústicas viajam a um velocidade constante. O emissor envia um impulso minúsculo ao longo de um dos lados. Cada um dos lados tem vários reflectores a 45º que reflectem o impulso para o outro lado do ecrã fazendo passar cada uma dessas reflexões através do centro do ecrã. No outro lado do ecrã existem reflectores que direcionam o sinal para o receptor, que mediante a recepção de todos os sinais, determina se algum deles foi interrompido. É possível determinar vários toques simultâneos; Bastante lentos na definição do ponto de toque; Bastante sensíveis a arranhões e defeitos na superfície do ecrã, pois provocam perturbação na onda acústica; A qualidade de visualização é superior à dos anteriores, pelo que os torna indicados para aplicações multimédia; Tem um longo período de vida. Figure 6.11 - Touch Screen por ondas acústicas Força O monitor tem colocado nos seus quatro cantos sensores de força, que medem a pressão com que o ecrã é tocado. Em função da posição de toque, cada um dos sensores sofrerá uma força diferente. Da relação entre os qutro valores é possível determinar a posição de toque tal como no tipo baseado em condensador. Tende-se a usar em complemento dos ecrãs por infravermelhos e acústicos, pois permite a ultrapassar os problemas destes relacionados com o momento e duração do toque; Muito simples; Acessível.
  • 14. Figure 6.12 - Touch Screen baseado em sensores de força Resistivos Têm a ligar os seus cantos uma resistência eléctrica que através de um sistema complexo de leituras das resistências conseguem determinar razoavelmente a posição de toque. Muito complexos; Muito frágeis; Exigem uma certa força no toque; Não importa qual o objecto que os toca; Obsoletos. Figure 6.13 - Touch Screen por malha de resistências Outros
  • 15. Existem deviersos dispositivos de simultanemanete de introdução e saída de dados, sendo os mais comuns relacionados quer com a realidade virtual quer com o lazer (jogos). Alguns desses mecanismos são: Joystick, que para além do tradicional tem a capacidade de fazer sentir força ao utilizador em determinada direcção. O mesmo se passa com os volantes que exercem determinada força contrária à di utilizador. Data glove (luvas de dados), que permitem ao utilizador receber informação táctil, assim como passar para informação para o computador; Os fatos utilizados em testes de realidade virtual, semelhantes às luvas, mas o número de capacidades incorporadas e de sensores é bastante superior; Capacetes e óculos que permitem visualizar virtualmente espaços tridimensionais. Os mais evoluidos têma capacidade de determinar o local para onde o utilizador está a olhar e actuar em conformidade. Sumário Compreender o conceito de dispositivo de entrada ou saída de dados; Conhecer o conjunto principal de dispositivos de entrada, saída e entrada-saída; Compreender o seu funcionamento básico; Compreender o princípio de adição e subtracção de cores. Última actualização: 02 Maio 2005