SlideShare uma empresa Scribd logo
EIS O MEU SEGREDO, É BEM SIMPLES:
SÓ SE VÊ BEM COM O CORAÇÃO.
O PEQUENO PRÍNCIPE
Devemos tomar cuidado para
não fazer de nosso intelecto
um deus. Ele tem, é claro,
músculos poderosos, mas
nenhuma personalidade. Ele
não sabe governar, só servir.
ALBERT EINSTEIN
Sem emoções, perdemos nossas referências
fundamentais. Não podemos fazer escolhas que
reflitam o que realmente importa para a maioria de
nós. Algumas pessoas mentalmente doentes perdem
essa habilidade. Elas entram num tipo de “terra de
ninguém" emocional.

Privados de concentração, consciência,
planejamento, somos arremessados de cá para lá
pelos prazeres e frustrações que vão surgindo ao
acaso pelo caminho. Se formos incapazes de controlar
nossa existência, a vida perde seu significado
também.
1. A capacidade de identificar nosso estado emocional e o dos
outros.
2. A habilidade de captar o curso natural das emoções
(exatamente do mesmo modo que os movimentos de um
Bispo e de um Cavalo seguem regras diferentes em um
tabuleiro de xadrez, temor e raiva, por exemplo,
desenvolvem-se diferentemente e têm consequências
diferentes em nosso comportamento).
3. A habilidade de pensar sobre nossas próprias emoções e as
dos outros.
4. A habilidade de controlar nossas emoções e as dos outros.
• Primeiro, identificar o estado original pelo que ele realmente
é (ex. fadiga, não fome).
• Segundo, saber como ele se desenvolve (como é um estado
passageiro, ocorre ciclicamente durante o dia, quando o
corpo é exigido demais).
• Em seguida, pensar sobre o problema (comer mais um
sorvete seria um ônus extra sobre o corpo; além disso, isso
me faria sentir culpado).
• Finalmente, assumir a situação de modo apropriado
(aprender a deixar a onda de fadiga passar, ou dar um tempo
para “meditar”, ou mesmo tirar uma soneca de vinte minutos;
sempre encontraremos tempo para essas alternativas, que
são muito mais revigorantes do que mais um café ou uma
barra de chocolate).
Nossa vida mental surge de uma luta constante para
equilibrar esses dois cérebros. Por um lado, há o
cérebro cognitivo - consciente, racional e voltado
para o mundo exterior. Por outro, o cérebro
emocional - inconsciente, antes de tudo preocupado
com a sobrevivência e, acima de tudo, unido ao
corpo. Embora os dois “cérebros” estejam altamente
conectados e dependam constantemente um do
outro, visando a um funcionamento integrado, cada
qual contribui de modo diverso para a nossa
experiência de vida e para o nosso comportamento.
O cérebro emocional tem uma organização muito
mais simples do que o neocórtex. Ao contrário
deste, a maioria das áreas do cérebro límbico não
está organizada em camadas regulares de neurônios
que o capacitariam a processar informação. Devido a
essa estrutura mais rudimentar, o cérebro emocional
processa informações de modo muito mais primitivo
do que o cérebro cognitivo, mas ele é muito mais
rápido e mais ágil para garantir nossa sobrevivência. E
por isso que, por exemplo, em uma floresta
escura, um pedaço de pau parecendo uma cobra
aciona uma reação de medo.
O cérebro límbico é um posto de comando que recebe
continuamente informações de diferentes partes do corpo. Ele
responde regulando o equilíbrio fisiológico do corpo. Respiração,
batimento cardíaco, pressão sangüínea, apetite, sono, impulso
sexual, secreção hormonal e até mesmo o sistema imunológico
seguem suas ordens. O papel do cérebro límbico parece ser o de
manter essas diferentes funções em equilíbrio.
Nossas emoções talvez não sejam mais do que a experiência
consciente de um vasto conjunto de reações fisiológicas
supervisionando e continuamente ajustando a atividade dos
sistemas biológicos do corpo às exigências
do nosso ambiente interno e externo.
Devido à relação íntima do cérebro emocional com o
corpo, é invariavelmente mais fácil agir sobre a emoção
por intermédio do corpo do que pela linguagem verbal.
Quando os cérebros emocional e cognitivo
trabalham em conjunto, sentimos o oposto uma harmonia interna. O cérebro emocional
nos dirige rumo às experiências que buscamos.
O cérebro cognitivo tenta fazer com que
cheguemos lá do modo mais inteligente
possível. Da harmonia resultante vem o
sentimento “Estou onde quero estar em minha
vida”, o qual subjaz a todas as experiências
duradouras de bem-estar.
Asfixia Cognitiva

O controle cognitivo é, todavia, uma faca de dois
gumes. Se usado demais, pode perder contato com
os gritos de socorro do cérebro emocional.
Freqüentemente vemos os efeitos desse excessivo
sufocamento de sentimentos em indivíduos que
aprenderam, quando crianças, que seus
sentimentos não eram aceitáveis.
Um cérebro que não leve em consideração as
informações sobre as emoções estará sujeito a
outros problemas. Por um lado, é muito mais difícil
tomar decisões quando não temos preferências
“viscerais”, que dão ressonância profunda às
emoções.
Há um pequeno indício fisiológico para essa
harmonia cerebral - o sorriso. Um sorriso forçado
- um sorriso produzido para satisfazer
convenções sociais - apenas mobiliza os músculos
zigomáticos ao redor da boca, mostrando os
dentes. Um “verdadeiro” sorriso, por outro lado,
também mobiliza os músculos ao redor dos
olhos. Esse segundo conjunto de músculos não se
contrai por vontade própria - não obedece ao
cérebro cognitivo.
Coração: Cerne da Vida
Está claro que referências ao coração nas
palavras que usamos para descrever nossas
emoções são mais do que meras metáforas. O
coração percebe e sente. Ele estabelece seu
próprio curso de ação. E, quando se expressa,
influencia a fisiologia de todo o nosso corpo,
incluindo o cérebro.
Abordagem Bioenergética:
De que forma você conduz o sentimento de
amor?
Você tem um coração aberto ou fechado?
Se alguém deseja viver mais plena e ricamente,
deve abrir seu coração para a vida e para o amor.
O objetivo de toda terapia é ajudar a pessoa a
aumentar a sua capacidade de dar e receber e
amor, de ampliar e desenvolver seu coração, e
não só sua mente.
Fontes:
Curar: o Stress, a Ansiedade e a Depressão
Sem Medicamento Nem Psicanálise de David Servan-Scheiber
Bioenergética de Alexander Lowen

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Comportamento Emocional
Comportamento EmocionalComportamento Emocional
Comportamento Emocional
Tiago Malta
 
A relação emoção corpo
A relação emoção corpoA relação emoção corpo
A relação emoção corpo
Dalila Melo
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
filosofia-alijo
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
filosofia-alijo
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
bia_chersoni
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
Victor Passos
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Damásio e as bases biológicas da mente
Damásio e as bases biológicas da menteDamásio e as bases biológicas da mente
Damásio e as bases biológicas da mente
Luis De Sousa Rodrigues
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Horizontes da mente
Horizontes da mente Horizontes da mente
Horizontes da mente
Victor Passos
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
Dalila Melo
 
Chakra solar
Chakra solarChakra solar
Chakra solar
paikachambi
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
Robson Barcelos
 
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
norberto faria
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
Clécio Doroteu
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
Emoção e cognição
Emoção e cogniçãoEmoção e cognição
Emoção e cognição
Mirela Ramacciotti
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
Mente asemcoes
Mente asemcoesMente asemcoes
Mente asemcoes
António Moreira
 

Mais procurados (20)

Comportamento Emocional
Comportamento EmocionalComportamento Emocional
Comportamento Emocional
 
A relação emoção corpo
A relação emoção corpoA relação emoção corpo
A relação emoção corpo
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
 
As emoções
As emoçõesAs emoções
As emoções
 
Damásio e as bases biológicas da mente
Damásio e as bases biológicas da menteDamásio e as bases biológicas da mente
Damásio e as bases biológicas da mente
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Horizontes da mente
Horizontes da mente Horizontes da mente
Horizontes da mente
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
 
Chakra solar
Chakra solarChakra solar
Chakra solar
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
EMOÇÕES
EMOÇÕESEMOÇÕES
EMOÇÕES
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Afetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentosAfetos, emoções e sentimentos
Afetos, emoções e sentimentos
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Emoção e cognição
Emoção e cogniçãoEmoção e cognição
Emoção e cognição
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Mente asemcoes
Mente asemcoesMente asemcoes
Mente asemcoes
 

Semelhante a Coerencia cardiaca

Apostila neuropsicanálise atual
Apostila neuropsicanálise atualApostila neuropsicanálise atual
Apostila neuropsicanálise atual
Sociedade Fluminense de Psicanálise
 
Juventude e emoção
Juventude e emoçãoJuventude e emoção
Juventude e emoção
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
EAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES
EAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERESEAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES
EAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES
Norberto Scavone Augusto
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01
Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01
Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01
Amanda Mosbacher
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
Ricardo Akerman
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
Lucas Almeida Sá
 
Karl Stark & werner E.Meier
Karl Stark & werner E.MeierKarl Stark & werner E.Meier
Karl Stark & werner E.Meier
RODRIGO ORION
 
Cérebro e mente 2
Cérebro e mente 2Cérebro e mente 2
Cérebro e mente 2
Milton Moura
 
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaIx encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Cristina Maria de S Miranda
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somos mutantes
João Pedro Silva Pinto
 
Saude integral aula 2
Saude integral aula 2Saude integral aula 2
Saude integral aula 2
Andre Luiz Campos
 
Filosofia da Mente
Filosofia da MenteFilosofia da Mente
Filosofia da Mente
William Ananias
 
Mutantes (Neuropsicobiologia)
Mutantes (Neuropsicobiologia)Mutantes (Neuropsicobiologia)
Mutantes (Neuropsicobiologia)
Irene Aguiar
 
00 somos mutantes
00    somos mutantes00    somos mutantes
00 somos mutantes
luzberto
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somos mutantes
Mário Rui Santos
 
00 somos mutantes
00    somos mutantes00    somos mutantes
00 somos mutantes
luzberto
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somos mutantes
PROFBILLY
 
Somos Mutantes
Somos MutantesSomos Mutantes
Somos Mutantes
AnaMarcelina
 

Semelhante a Coerencia cardiaca (20)

Apostila neuropsicanálise atual
Apostila neuropsicanálise atualApostila neuropsicanálise atual
Apostila neuropsicanálise atual
 
Juventude e emoção
Juventude e emoçãoJuventude e emoção
Juventude e emoção
 
EAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES
EAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERESEAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES
EAE 105 - REGRAS PARA EDUCAÇÃO, CONDUTA E APERFEIÇOAMENTO DOS SERES
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somos mutantes
 
Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01
Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01
Somosmutantes neuropsicobiologia-lenira-111013214514-phpapp01
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
 
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 
Karl Stark & werner E.Meier
Karl Stark & werner E.MeierKarl Stark & werner E.Meier
Karl Stark & werner E.Meier
 
Cérebro e mente 2
Cérebro e mente 2Cérebro e mente 2
Cérebro e mente 2
 
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaIx encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somos mutantes
 
Saude integral aula 2
Saude integral aula 2Saude integral aula 2
Saude integral aula 2
 
Filosofia da Mente
Filosofia da MenteFilosofia da Mente
Filosofia da Mente
 
Mutantes (Neuropsicobiologia)
Mutantes (Neuropsicobiologia)Mutantes (Neuropsicobiologia)
Mutantes (Neuropsicobiologia)
 
00 somos mutantes
00    somos mutantes00    somos mutantes
00 somos mutantes
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somos mutantes
 
00 somos mutantes
00    somos mutantes00    somos mutantes
00 somos mutantes
 
Somos mutantes
Somos mutantesSomos mutantes
Somos mutantes
 
Somos Mutantes
Somos MutantesSomos Mutantes
Somos Mutantes
 

Mais de Cinara Aline

Educar com afeto
Educar com afetoEducar com afeto
Educar com afeto
Cinara Aline
 
A criança interior ferida
A criança interior feridaA criança interior ferida
A criança interior ferida
Cinara Aline
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipe Trabalho em equipe
Trabalho em equipe
Cinara Aline
 
Palestra limites e afeto
Palestra limites e afeto Palestra limites e afeto
Palestra limites e afeto
Cinara Aline
 
Workshop Autoestima
Workshop Autoestima Workshop Autoestima
Workshop Autoestima
Cinara Aline
 
Aula motivacional grupo de estudo para concurso público
Aula motivacional grupo de estudo para concurso públicoAula motivacional grupo de estudo para concurso público
Aula motivacional grupo de estudo para concurso público
Cinara Aline
 
Apresentação drogas
Apresentação drogasApresentação drogas
Apresentação drogas
Cinara Aline
 
Amar e educar
Amar e educarAmar e educar
Amar e educar
Cinara Aline
 
Auto iluminação
Auto iluminação Auto iluminação
Auto iluminação
Cinara Aline
 
Auto iluminação
Auto iluminação Auto iluminação
Auto iluminação
Cinara Aline
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
Cinara Aline
 
Hipnose
HipnoseHipnose
Hipnose
Cinara Aline
 
Relação com o Divino
Relação com o DivinoRelação com o Divino
Relação com o Divino
Cinara Aline
 
Prosperidade
ProsperidadeProsperidade
Prosperidade
Cinara Aline
 
Dharma
DharmaDharma
Dharma
Cinara Aline
 
Crenças
CrençasCrenças
Crenças
Cinara Aline
 
Mecanica quantica
Mecanica quanticaMecanica quantica
Mecanica quantica
Cinara Aline
 
Planos Dualista e Unificado
Planos Dualista e UnificadoPlanos Dualista e Unificado
Planos Dualista e Unificado
Cinara Aline
 
O processo de tornar-se o que se É
O processo de tornar-se o que se ÉO processo de tornar-se o que se É
O processo de tornar-se o que se É
Cinara Aline
 
Bioenergética
BioenergéticaBioenergética
Bioenergética
Cinara Aline
 

Mais de Cinara Aline (20)

Educar com afeto
Educar com afetoEducar com afeto
Educar com afeto
 
A criança interior ferida
A criança interior feridaA criança interior ferida
A criança interior ferida
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipe Trabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Palestra limites e afeto
Palestra limites e afeto Palestra limites e afeto
Palestra limites e afeto
 
Workshop Autoestima
Workshop Autoestima Workshop Autoestima
Workshop Autoestima
 
Aula motivacional grupo de estudo para concurso público
Aula motivacional grupo de estudo para concurso públicoAula motivacional grupo de estudo para concurso público
Aula motivacional grupo de estudo para concurso público
 
Apresentação drogas
Apresentação drogasApresentação drogas
Apresentação drogas
 
Amar e educar
Amar e educarAmar e educar
Amar e educar
 
Auto iluminação
Auto iluminação Auto iluminação
Auto iluminação
 
Auto iluminação
Auto iluminação Auto iluminação
Auto iluminação
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Hipnose
HipnoseHipnose
Hipnose
 
Relação com o Divino
Relação com o DivinoRelação com o Divino
Relação com o Divino
 
Prosperidade
ProsperidadeProsperidade
Prosperidade
 
Dharma
DharmaDharma
Dharma
 
Crenças
CrençasCrenças
Crenças
 
Mecanica quantica
Mecanica quanticaMecanica quantica
Mecanica quantica
 
Planos Dualista e Unificado
Planos Dualista e UnificadoPlanos Dualista e Unificado
Planos Dualista e Unificado
 
O processo de tornar-se o que se É
O processo de tornar-se o que se ÉO processo de tornar-se o que se É
O processo de tornar-se o que se É
 
Bioenergética
BioenergéticaBioenergética
Bioenergética
 

Coerencia cardiaca

  • 1. EIS O MEU SEGREDO, É BEM SIMPLES: SÓ SE VÊ BEM COM O CORAÇÃO. O PEQUENO PRÍNCIPE
  • 2. Devemos tomar cuidado para não fazer de nosso intelecto um deus. Ele tem, é claro, músculos poderosos, mas nenhuma personalidade. Ele não sabe governar, só servir. ALBERT EINSTEIN
  • 3. Sem emoções, perdemos nossas referências fundamentais. Não podemos fazer escolhas que reflitam o que realmente importa para a maioria de nós. Algumas pessoas mentalmente doentes perdem essa habilidade. Elas entram num tipo de “terra de ninguém" emocional. Privados de concentração, consciência, planejamento, somos arremessados de cá para lá pelos prazeres e frustrações que vão surgindo ao acaso pelo caminho. Se formos incapazes de controlar nossa existência, a vida perde seu significado também.
  • 4. 1. A capacidade de identificar nosso estado emocional e o dos outros. 2. A habilidade de captar o curso natural das emoções (exatamente do mesmo modo que os movimentos de um Bispo e de um Cavalo seguem regras diferentes em um tabuleiro de xadrez, temor e raiva, por exemplo, desenvolvem-se diferentemente e têm consequências diferentes em nosso comportamento). 3. A habilidade de pensar sobre nossas próprias emoções e as dos outros. 4. A habilidade de controlar nossas emoções e as dos outros.
  • 5. • Primeiro, identificar o estado original pelo que ele realmente é (ex. fadiga, não fome). • Segundo, saber como ele se desenvolve (como é um estado passageiro, ocorre ciclicamente durante o dia, quando o corpo é exigido demais). • Em seguida, pensar sobre o problema (comer mais um sorvete seria um ônus extra sobre o corpo; além disso, isso me faria sentir culpado). • Finalmente, assumir a situação de modo apropriado (aprender a deixar a onda de fadiga passar, ou dar um tempo para “meditar”, ou mesmo tirar uma soneca de vinte minutos; sempre encontraremos tempo para essas alternativas, que são muito mais revigorantes do que mais um café ou uma barra de chocolate).
  • 6. Nossa vida mental surge de uma luta constante para equilibrar esses dois cérebros. Por um lado, há o cérebro cognitivo - consciente, racional e voltado para o mundo exterior. Por outro, o cérebro emocional - inconsciente, antes de tudo preocupado com a sobrevivência e, acima de tudo, unido ao corpo. Embora os dois “cérebros” estejam altamente conectados e dependam constantemente um do outro, visando a um funcionamento integrado, cada qual contribui de modo diverso para a nossa experiência de vida e para o nosso comportamento.
  • 7. O cérebro emocional tem uma organização muito mais simples do que o neocórtex. Ao contrário deste, a maioria das áreas do cérebro límbico não está organizada em camadas regulares de neurônios que o capacitariam a processar informação. Devido a essa estrutura mais rudimentar, o cérebro emocional processa informações de modo muito mais primitivo do que o cérebro cognitivo, mas ele é muito mais rápido e mais ágil para garantir nossa sobrevivência. E por isso que, por exemplo, em uma floresta escura, um pedaço de pau parecendo uma cobra aciona uma reação de medo.
  • 8. O cérebro límbico é um posto de comando que recebe continuamente informações de diferentes partes do corpo. Ele responde regulando o equilíbrio fisiológico do corpo. Respiração, batimento cardíaco, pressão sangüínea, apetite, sono, impulso sexual, secreção hormonal e até mesmo o sistema imunológico seguem suas ordens. O papel do cérebro límbico parece ser o de manter essas diferentes funções em equilíbrio. Nossas emoções talvez não sejam mais do que a experiência consciente de um vasto conjunto de reações fisiológicas supervisionando e continuamente ajustando a atividade dos sistemas biológicos do corpo às exigências do nosso ambiente interno e externo. Devido à relação íntima do cérebro emocional com o corpo, é invariavelmente mais fácil agir sobre a emoção por intermédio do corpo do que pela linguagem verbal.
  • 9. Quando os cérebros emocional e cognitivo trabalham em conjunto, sentimos o oposto uma harmonia interna. O cérebro emocional nos dirige rumo às experiências que buscamos. O cérebro cognitivo tenta fazer com que cheguemos lá do modo mais inteligente possível. Da harmonia resultante vem o sentimento “Estou onde quero estar em minha vida”, o qual subjaz a todas as experiências duradouras de bem-estar.
  • 10. Asfixia Cognitiva O controle cognitivo é, todavia, uma faca de dois gumes. Se usado demais, pode perder contato com os gritos de socorro do cérebro emocional. Freqüentemente vemos os efeitos desse excessivo sufocamento de sentimentos em indivíduos que aprenderam, quando crianças, que seus sentimentos não eram aceitáveis. Um cérebro que não leve em consideração as informações sobre as emoções estará sujeito a outros problemas. Por um lado, é muito mais difícil tomar decisões quando não temos preferências “viscerais”, que dão ressonância profunda às emoções.
  • 11. Há um pequeno indício fisiológico para essa harmonia cerebral - o sorriso. Um sorriso forçado - um sorriso produzido para satisfazer convenções sociais - apenas mobiliza os músculos zigomáticos ao redor da boca, mostrando os dentes. Um “verdadeiro” sorriso, por outro lado, também mobiliza os músculos ao redor dos olhos. Esse segundo conjunto de músculos não se contrai por vontade própria - não obedece ao cérebro cognitivo.
  • 12. Coração: Cerne da Vida Está claro que referências ao coração nas palavras que usamos para descrever nossas emoções são mais do que meras metáforas. O coração percebe e sente. Ele estabelece seu próprio curso de ação. E, quando se expressa, influencia a fisiologia de todo o nosso corpo, incluindo o cérebro.
  • 13. Abordagem Bioenergética: De que forma você conduz o sentimento de amor? Você tem um coração aberto ou fechado? Se alguém deseja viver mais plena e ricamente, deve abrir seu coração para a vida e para o amor. O objetivo de toda terapia é ajudar a pessoa a aumentar a sua capacidade de dar e receber e amor, de ampliar e desenvolver seu coração, e não só sua mente.
  • 14. Fontes: Curar: o Stress, a Ansiedade e a Depressão Sem Medicamento Nem Psicanálise de David Servan-Scheiber Bioenergética de Alexander Lowen