SlideShare uma empresa Scribd logo
Uma Perspectiva Histórica das
Revoluções Industriais
CLP – CONTROLADOR
LÓGICO PROGRAMÁVEL
Salvador – BA
2013
APRESENTAÇÃO
Discentes:
• Jason Levy Reis de Souza
• Mateus Barbosa
• Victor Said dos S. Sousa
• Victória Benvenuto S. Cabral
Docente: Laís Viena
Disciplina: História
Tema Geral: As Revoluções Industriais
Tema Específico: Controladores Lógicos
Programáveis
Turma: 5822 – Automação Industrial
 INTRODUÇÃO
 A Revolução Industrial
 Principais Marcos
 Surgimento do CLP
 PROCESSOS NA REVOLUÇÃO
 Processos
 Processos Industriais
 Por que Controlar?
 OS CONTROLADORES
 Gerações e tipos
 CLP – Avanços
 Aplicabilidade na época
 CLP
 Controle
 Principais características
 Aplicações Contemporâneas
 CONCLUSÃO
SUMÁRIO
As Revoluções Industriais foram responsáveis por gerar
alterações na estrutura e organização mundial no que refere-se
aos seus aspectos econômicos, tecnológicos e sociais; através
do desenvolvimento e aperfeiçoamento tecnológico.
INTRODUÇÃO
O objetivo deste trabalho é estabelecer uma relação entre o
desenvolvimento das revoluções industriais e a importância dos
Controladores Lógicos Programáveis em meio a este
processo, de modo a conceituá-los, descrevê-los e analisá-los.
OBJETIVO
CONTEXTO HISTÓRICO
PRIMEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1790-1870)
REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS
A primeira revolução industrial ocorre em consequência
das companhias manufatureiras, que eram as primeiras e mais
primitivas manifestações da formação do capitalismo.
SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1870-1970)
A segunda revolução industrial é marcada pela expansão do
capitalismo para a Ásia, Europa Central e EUA. Há um
fortalecimento da Burguesia e suas práticas, tendo como
principal oposição os movimentos operários.
REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS
 TERCEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1970 - Atualmente)
A terceira revolução industrial é marcada pela
globalização e expansão do capitalismo. Ampliação dos
direitos trabalhistas, apesar da continuidade das
reinvindicações pelos sindicatos que representam as classes
trabalhistas.
SURGIMENTO DO CLP
Até 1968 quando o CLP foi criado, por Allen-Bradley à
pedido da General Motors, houveram tentativas de
desenvolvimento do mesmo por James Watt (1775), Minorsky
(1900), Norbert Wiener (1948) e H. Nyquist (1935).
SURGIMENTO DO CLP -
GUERRA FRIA
Neste período ocorreu um grande avanço das tecnologias em
controles automáticos, devido as suas aplicações na indústria
bélica. -
SURGIMENTO DO CLP
Os CLP’s foram popularizados em 1969, quando eles
ganharam a indústria em geral, servindo de substitutos aos
relés.
Processos Industrias, Principais Processos e
A Necessidade de Controle
PROCESSOS
PROCESSOS
Processos consistem na execução de um determinado sistema
lógico previamente definido, efetuando um conjunto de ações
coordenadas que visam à execução de um objetivo final.
Procedere Ação de avançar
Os Processos Industriais, diferente de processos em geral
que tem por objetivo qualquer tipo de transformação, são
aqueles que irão desencadear transformações
físicas, químicas, biológicas, nucleares ou mecânicas.
PROCESSOS INDUSTRIAIS
Entrada Processo Saída
INDÚSTRIA TÊXTIL
 1ª Revolução Industrial.
 Desenvolvimento de equipamentos para tear.
 James Watt desenvolve a maquina a vapor.
INDÚSTRIA METALÚRGICA
 Abundância de Ferro na Inglaterra.
 Substituição de madeira por ferro.
 Desenvolvimento do alto-forno.
 Nova fonte de energia.
 Tintas e vernizes.
 Descoberta dos polímeros
INDUSTRIAS PETROQUÍMICAS
INDUSTRIA AUTOMOBILÍSTICA
 Taylorismo, fordismo e toyotismo.
 Motores a diesel.
Necessidade de maior produção.
POR QUE CONTROLAR?
Falta de Precisão e Exatidão Humana.
Redução da mão-de-obra.
Confiabilidade.
Qualidade dos produtos.
Segurança.
POR QUE CONTROLAR?
Ocupam menor espaço;
Requerem menor potência
elétrica;
Podem ser reutilizados;
São programáveis, permitindo
alterar os parâmetros de controle;
Apresentam maior confiabilidade;
Manutenção mais fácil e rápida;
Oferecem maior flexibilidade;
Apresentam interface de
comunicação com outros CLPs e
computadores de controle;
Segurança operacional e pessoal
Redução do impacto ambiental
Adaptação a perturbações
externas
Estabilidade operacional
Especificação do produto
Adaptação às restrições
inerentes (equipamento/
materiais/ etc.)
Otimização
Resultado econômico do
processo
Mecânicos, Eletromecânicos, Eletrôni
cos e os CLP.
OS CONTROLADORES
OS CONTROLADORES
Controladores Mecânicos/Manual
Controladores Eletromecânicos
Controladores Eletrônicos
Controladores Eletrônicos Lógicos (CLP)
Avanços e Aperfeiçoamentos da
1ª à 5ª Geração.
CLP – CONTROLADORES
LÓGICOS PROGRAMÁVEIS
 Programação ligada ao Hardware.
 Linguagem Assembly.
 Programação (EPROM) feita juntamente com sua construção.
CLP – GERAÇÕES E AVANÇOS
1ª Geração
2ª Geração
 Surgem as primeiras linguagens de
programação.
 Programação in memória EPROM.
 Inclusão de um “Programa monitor”.
 Passa a ter uma entrada de programação.
 É possível apagar, alterar e gravar a programação.
 Estrutura Física muda para Sistemas Modulares com Bastidores.
CLP – GERAÇÕES E AVANÇOS
3ª Geração
4ª Geração
 Popularização dos CLP.
 Ganharam entrada para comunicação
serial.
 A programação passou a ser feita em
microcomputadores.
CLP – GERAÇÕES E AVANÇOS
5ª Geração – A Geração Atual
 Maior Capacidade de Processamento.
 Integração na comunicação entre diversos instrumentos.
 Padronização dos protocolos de Comunicação.
 Aumento da precisão e exatidão.
 Aumento da Portabilidade.
 Possibilitou a ampliação da Automação.
PRIMEIRA APLICAÇÃO INDUSTRIAL
Industria Automobilística
Aperfeiçoamento da Produção
Menor Custo de Produção
Maior Qualidade
Maior Custo X Benefício
SINTETIZANDO
Características e Princípio de
Funcionamento.
CLP – CONTROLADORES
LÓGICOS PROGRAMÁVEIS
Controlar consiste em um conjunto de medidas
conjuntas, que vão desde a supervisão a atuação, com o
objetivo de executar, dentro das especificações pré-
definidas, um processo.
CONTROLE
Controle
Processo
Medição
Atuação
Entrada SaídaSaída
Erro
CONTROLE - CLP
CLP
Entrada
Digital
Analógica
Saída
Digital
Analógica
CARACTERÍSTICAS
Programa
Protocolo de Comunicação
CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS /
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO
Entradas
Analógicas
Saídas
Analógicas
Entradas
Digitais
Saídas
Digitais
Válvula Solenoide
Relé
Sirene
Posicionador
Atuador Elétrico
Chave
Botão
Termostato
Termopar
CPU: Responsável pela interpretação e
execução dos comandos fornecidos
pelo terminal de programação.
Memória: Armazena o sistema
operacional, o programa e o
estado das variáveis de controle
Interface E/S: converte os valores
de tensão dos dispositivos
conectados em sinais digitais.
APLICAÇÕES CONTEMPORÂNEAS
Conclui-se desta forma que os Controladores Lógicos
Programáveis foram instrumentos indispensáveis para o
desenvolvimento das Revoluções Industriais e da
Automação, visto que os mesmo atuaram em diversos processos
aumento a precisão e confiabilidade dos mesmos, assim como
expandindo e possibilitando a produção industrial em massa, e
portanto o consumo em massa, característica inerente ao
capitalismo.
CONCLUSÃO
 ________. Histórico dos CLPs. Disponível em:
<http://goo.gl/TUNwt>. Acesso em: 09 de Jul de 2013.
 ________. Produção em Massa ou Enxuta?. Disponivel em:
<www.geomundo.com.br>. Acesso em: 12/07/2013
 ALBUQUERQUE, P. U. B. Controladores Industriais. Disponível
em: <http://goo.gl/RF9Ti>. Acesso em: 13 de Jul de 2013.
 BARRETO, R. L. P.; MANZANO, V. L. F. Revolução industrial e
suas consequências. EMC 5003 – Tecnologia e
desenvolvimento.
 BITENCOURT, A. Introdução à Automação.
Salvador, IFBA, 2009.
 BITENCOURT, A. Introdução aos controladores lógicos
programáveis. SCTC, 2010.
 CALVALCANTE, Z. V.; SILVA, Mauro L. S. A Importância da
Revolução Industrial na Tecnologia. Centro Universitário do
Maringá, Paraná. CESUMAR,2011.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 COSTA, L. História Econômica Do Brasil Na Década De 1960.
Disponível em: <http://goo.gl/U1D5a>. Acesso em: 10 de Jul de
2013.
 EMERICK, A. CLP. Disponível em: <http://goo.gl/U6EQ6>. Acesso
em: 11 de Jul de 2013.
 JUNQUIRA, F. Historia dos Controladores. Disponível em:
<http://goo.gl/HuK5O>. Acesso em: 11 de Jul de 2013.
 MEDEIROS, J. A. Controladores Lógico Programáveis.
Salvador, IFBA, 2013.
 SILVA, M. C. A.; GASPARIN, J. L. A Segunda Revolução Industrial e
Suas Influências Sobre a Educação Brasileira. Universidade
Estadual de Maringá, Paraná.
 SIMAO, J.; CALADO, C. A Revolução Industrial. HMC, 2002.
 SOUSA, V. S. S. Conceitos Fundamentais De Sistemas E Processos
Em Automação: Uma Perspectiva Industrial.
Salvador, IFBA, 2013.11
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clp basico
Clp basicoClp basico
Clp basico
ADELSON PIMENTEL
 
TUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLCTUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLC
Jessica Ferreira
 
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - IntroduçaoInstrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Anderson Pontes
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforo
antonio sena
 
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazerApostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Claudio Arkan
 
Dispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricosDispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricos
Eduardo Sacomano
 
Automação industrial - aula 1.pptx
Automação industrial - aula 1.pptxAutomação industrial - aula 1.pptx
Automação industrial - aula 1.pptx
DanielFabricioBruns1
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos Computadores
Janielson Lima
 
Apostila automacao-senai-pe
Apostila automacao-senai-peApostila automacao-senai-pe
Apostila automacao-senai-pe
Alysson Ferreira da Silva
 
Transistor bipolar
Transistor bipolarTransistor bipolar
Transistor bipolar
camarrotuga
 
Sensores de Posição
Sensores de PosiçãoSensores de Posição
Sensores de Posição
Henrique Dória
 
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
Pensalab Instrumentação Analítica
 
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Ivanir Silva
 
portas logicas
portas logicasportas logicas
portas logicas
Fernanda Andrade
 
Redes industriais aula-1
Redes industriais aula-1Redes industriais aula-1
Redes industriais aula-1
Vagner Sanches Vasconcelos, MSc
 
Tipos de Manutenção
Tipos de ManutençãoTipos de Manutenção
Tipos de Manutenção
Lucas Costa
 
Transdutores
TransdutoresTransdutores
Introdução a CNC
Introdução a CNCIntrodução a CNC
Introdução a CNC
Luciano Santos
 
Apostila sobre controlador lógico programável avançado
Apostila sobre controlador lógico programável avançadoApostila sobre controlador lógico programável avançado
Apostila sobre controlador lógico programável avançado
Claudio Arkan
 
Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis copia - c...
Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis   copia - c...Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis   copia - c...
Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis copia - c...
Juremir Almeida
 

Mais procurados (20)

Clp basico
Clp basicoClp basico
Clp basico
 
TUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLCTUDO SOBRE PLC
TUDO SOBRE PLC
 
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - IntroduçaoInstrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
 
Automação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforoAutomação projeto de semáforo
Automação projeto de semáforo
 
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazerApostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
 
Dispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricosDispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricos
 
Automação industrial - aula 1.pptx
Automação industrial - aula 1.pptxAutomação industrial - aula 1.pptx
Automação industrial - aula 1.pptx
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos Computadores
 
Apostila automacao-senai-pe
Apostila automacao-senai-peApostila automacao-senai-pe
Apostila automacao-senai-pe
 
Transistor bipolar
Transistor bipolarTransistor bipolar
Transistor bipolar
 
Sensores de Posição
Sensores de PosiçãoSensores de Posição
Sensores de Posição
 
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
 
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
Exercicios diodo-e-retificadores-v (1)
 
portas logicas
portas logicasportas logicas
portas logicas
 
Redes industriais aula-1
Redes industriais aula-1Redes industriais aula-1
Redes industriais aula-1
 
Tipos de Manutenção
Tipos de ManutençãoTipos de Manutenção
Tipos de Manutenção
 
Transdutores
TransdutoresTransdutores
Transdutores
 
Introdução a CNC
Introdução a CNCIntrodução a CNC
Introdução a CNC
 
Apostila sobre controlador lógico programável avançado
Apostila sobre controlador lógico programável avançadoApostila sobre controlador lógico programável avançado
Apostila sobre controlador lógico programável avançado
 
Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis copia - c...
Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis   copia - c...Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis   copia - c...
Linguagens de programação para controladores lógicos programáveis copia - c...
 

Semelhante a Clp – controlador lógico programável

Automação
 Automação Automação
Automação
David Gentil
 
Automação industrial
Automação industrialAutomação industrial
Automação industrial
Ricardo Akerman
 
Apostila clp curso uerj 1
Apostila clp   curso uerj 1Apostila clp   curso uerj 1
Apostila clp curso uerj 1
Marco Antonio Costa
 
Clp
ClpClp
Clp siemens s7 200
Clp siemens s7 200Clp siemens s7 200
Clp siemens s7 200
Johnata França Reis
 
Apostila curso clp
Apostila   curso clpApostila   curso clp
Apostila curso clp
Mário Bassoli
 
Apostila curso clp 2
Apostila   curso clp 2Apostila   curso clp 2
Apostila curso clp 2
Mário Bassoli
 
Aula 01 automação e controle
Aula 01   automação e controleAula 01   automação e controle
Aula 01 automação e controle
Jorge Alves
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
marcosvida
 
14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa
jpandradejp
 
Apostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP CompletaApostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP Completa
Ricardo Akerman
 
Apostila clp completa weg
Apostila clp completa wegApostila clp completa weg
Apostila clp completa weg
Sergio Oliveira Santos
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
MarcioRodrigues173060
 
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
Automação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdfAutomação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdf
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
EMERSON EDUARDO RODRIGUES
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria Petroquímica
Anderson Formiga
 
Santos rosacristinatiritillidos tcc
Santos rosacristinatiritillidos tccSantos rosacristinatiritillidos tcc
Santos rosacristinatiritillidos tcc
Peroxidos do Brasil Ltda
 
Aula 1: World Class Manufacturing
Aula 1: World Class ManufacturingAula 1: World Class Manufacturing
Aula 1: World Class Manufacturing
Prof. Mauricio Machado
 
apostila2.pdf
apostila2.pdfapostila2.pdf
apostila2.pdf
Fabiano Favretto
 
Ctc m3 v5_t
Ctc m3 v5_tCtc m3 v5_t
Ctc m3 v5_t
confidencial
 

Semelhante a Clp – controlador lógico programável (19)

Automação
 Automação Automação
Automação
 
Automação industrial
Automação industrialAutomação industrial
Automação industrial
 
Apostila clp curso uerj 1
Apostila clp   curso uerj 1Apostila clp   curso uerj 1
Apostila clp curso uerj 1
 
Clp
ClpClp
Clp
 
Clp siemens s7 200
Clp siemens s7 200Clp siemens s7 200
Clp siemens s7 200
 
Apostila curso clp
Apostila   curso clpApostila   curso clp
Apostila curso clp
 
Apostila curso clp 2
Apostila   curso clp 2Apostila   curso clp 2
Apostila curso clp 2
 
Aula 01 automação e controle
Aula 01   automação e controleAula 01   automação e controle
Aula 01 automação e controle
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
 
14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa14131394 apostila-clp-completa
14131394 apostila-clp-completa
 
Apostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP CompletaApostila WEG CLP Completa
Apostila WEG CLP Completa
 
Apostila clp completa weg
Apostila clp completa wegApostila clp completa weg
Apostila clp completa weg
 
(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa(2) apostila clp completa
(2) apostila clp completa
 
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
Automação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdfAutomação de  _Processos _ Industriais  By WEG.pdf
Automação de _Processos _ Industriais By WEG.pdf
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria Petroquímica
 
Santos rosacristinatiritillidos tcc
Santos rosacristinatiritillidos tccSantos rosacristinatiritillidos tcc
Santos rosacristinatiritillidos tcc
 
Aula 1: World Class Manufacturing
Aula 1: World Class ManufacturingAula 1: World Class Manufacturing
Aula 1: World Class Manufacturing
 
apostila2.pdf
apostila2.pdfapostila2.pdf
apostila2.pdf
 
Ctc m3 v5_t
Ctc m3 v5_tCtc m3 v5_t
Ctc m3 v5_t
 

Mais de Victor Said

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
Victor Said
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
Victor Said
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de Areia
Victor Said
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Victor Said
 
A revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilA revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no Brasil
Victor Said
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaço
Victor Said
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Victor Said
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Victor Said
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometria
Victor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
Victor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
Victor Said
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
Victor Said
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
Victor Said
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
Victor Said
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricos
Victor Said
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
Victor Said
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
Victor Said
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionador
Victor Said
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
Victor Said
 

Mais de Victor Said (20)

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de Areia
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilA revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no Brasil
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaço
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometria
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricos
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionador
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
 

Último

Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 

Último (20)

Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 

Clp – controlador lógico programável

  • 1. Uma Perspectiva Histórica das Revoluções Industriais CLP – CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL Salvador – BA 2013
  • 2. APRESENTAÇÃO Discentes: • Jason Levy Reis de Souza • Mateus Barbosa • Victor Said dos S. Sousa • Victória Benvenuto S. Cabral Docente: Laís Viena Disciplina: História Tema Geral: As Revoluções Industriais Tema Específico: Controladores Lógicos Programáveis Turma: 5822 – Automação Industrial
  • 3.  INTRODUÇÃO  A Revolução Industrial  Principais Marcos  Surgimento do CLP  PROCESSOS NA REVOLUÇÃO  Processos  Processos Industriais  Por que Controlar?  OS CONTROLADORES  Gerações e tipos  CLP – Avanços  Aplicabilidade na época  CLP  Controle  Principais características  Aplicações Contemporâneas  CONCLUSÃO SUMÁRIO
  • 4. As Revoluções Industriais foram responsáveis por gerar alterações na estrutura e organização mundial no que refere-se aos seus aspectos econômicos, tecnológicos e sociais; através do desenvolvimento e aperfeiçoamento tecnológico. INTRODUÇÃO O objetivo deste trabalho é estabelecer uma relação entre o desenvolvimento das revoluções industriais e a importância dos Controladores Lógicos Programáveis em meio a este processo, de modo a conceituá-los, descrevê-los e analisá-los. OBJETIVO
  • 6. PRIMEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1790-1870) REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS A primeira revolução industrial ocorre em consequência das companhias manufatureiras, que eram as primeiras e mais primitivas manifestações da formação do capitalismo. SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1870-1970) A segunda revolução industrial é marcada pela expansão do capitalismo para a Ásia, Europa Central e EUA. Há um fortalecimento da Burguesia e suas práticas, tendo como principal oposição os movimentos operários.
  • 7. REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS  TERCEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1970 - Atualmente) A terceira revolução industrial é marcada pela globalização e expansão do capitalismo. Ampliação dos direitos trabalhistas, apesar da continuidade das reinvindicações pelos sindicatos que representam as classes trabalhistas.
  • 8. SURGIMENTO DO CLP Até 1968 quando o CLP foi criado, por Allen-Bradley à pedido da General Motors, houveram tentativas de desenvolvimento do mesmo por James Watt (1775), Minorsky (1900), Norbert Wiener (1948) e H. Nyquist (1935).
  • 9. SURGIMENTO DO CLP - GUERRA FRIA Neste período ocorreu um grande avanço das tecnologias em controles automáticos, devido as suas aplicações na indústria bélica. -
  • 10. SURGIMENTO DO CLP Os CLP’s foram popularizados em 1969, quando eles ganharam a indústria em geral, servindo de substitutos aos relés.
  • 11. Processos Industrias, Principais Processos e A Necessidade de Controle PROCESSOS
  • 12. PROCESSOS Processos consistem na execução de um determinado sistema lógico previamente definido, efetuando um conjunto de ações coordenadas que visam à execução de um objetivo final. Procedere Ação de avançar
  • 13. Os Processos Industriais, diferente de processos em geral que tem por objetivo qualquer tipo de transformação, são aqueles que irão desencadear transformações físicas, químicas, biológicas, nucleares ou mecânicas. PROCESSOS INDUSTRIAIS Entrada Processo Saída
  • 14. INDÚSTRIA TÊXTIL  1ª Revolução Industrial.  Desenvolvimento de equipamentos para tear.  James Watt desenvolve a maquina a vapor. INDÚSTRIA METALÚRGICA  Abundância de Ferro na Inglaterra.  Substituição de madeira por ferro.  Desenvolvimento do alto-forno.
  • 15.  Nova fonte de energia.  Tintas e vernizes.  Descoberta dos polímeros INDUSTRIAS PETROQUÍMICAS INDUSTRIA AUTOMOBILÍSTICA  Taylorismo, fordismo e toyotismo.  Motores a diesel.
  • 16. Necessidade de maior produção. POR QUE CONTROLAR? Falta de Precisão e Exatidão Humana. Redução da mão-de-obra. Confiabilidade. Qualidade dos produtos. Segurança.
  • 17. POR QUE CONTROLAR? Ocupam menor espaço; Requerem menor potência elétrica; Podem ser reutilizados; São programáveis, permitindo alterar os parâmetros de controle; Apresentam maior confiabilidade; Manutenção mais fácil e rápida; Oferecem maior flexibilidade; Apresentam interface de comunicação com outros CLPs e computadores de controle; Segurança operacional e pessoal Redução do impacto ambiental Adaptação a perturbações externas Estabilidade operacional Especificação do produto Adaptação às restrições inerentes (equipamento/ materiais/ etc.) Otimização Resultado econômico do processo
  • 18. Mecânicos, Eletromecânicos, Eletrôni cos e os CLP. OS CONTROLADORES
  • 19. OS CONTROLADORES Controladores Mecânicos/Manual Controladores Eletromecânicos Controladores Eletrônicos Controladores Eletrônicos Lógicos (CLP)
  • 20. Avanços e Aperfeiçoamentos da 1ª à 5ª Geração. CLP – CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS
  • 21.  Programação ligada ao Hardware.  Linguagem Assembly.  Programação (EPROM) feita juntamente com sua construção. CLP – GERAÇÕES E AVANÇOS 1ª Geração 2ª Geração  Surgem as primeiras linguagens de programação.  Programação in memória EPROM.  Inclusão de um “Programa monitor”.
  • 22.  Passa a ter uma entrada de programação.  É possível apagar, alterar e gravar a programação.  Estrutura Física muda para Sistemas Modulares com Bastidores. CLP – GERAÇÕES E AVANÇOS 3ª Geração 4ª Geração  Popularização dos CLP.  Ganharam entrada para comunicação serial.  A programação passou a ser feita em microcomputadores.
  • 23. CLP – GERAÇÕES E AVANÇOS 5ª Geração – A Geração Atual  Maior Capacidade de Processamento.  Integração na comunicação entre diversos instrumentos.  Padronização dos protocolos de Comunicação.  Aumento da precisão e exatidão.  Aumento da Portabilidade.  Possibilitou a ampliação da Automação.
  • 24. PRIMEIRA APLICAÇÃO INDUSTRIAL Industria Automobilística Aperfeiçoamento da Produção Menor Custo de Produção Maior Qualidade Maior Custo X Benefício
  • 26. Características e Princípio de Funcionamento. CLP – CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS
  • 27. Controlar consiste em um conjunto de medidas conjuntas, que vão desde a supervisão a atuação, com o objetivo de executar, dentro das especificações pré- definidas, um processo. CONTROLE Controle Processo Medição Atuação Entrada SaídaSaída Erro
  • 30. CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS / PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Entradas Analógicas Saídas Analógicas Entradas Digitais Saídas Digitais Válvula Solenoide Relé Sirene Posicionador Atuador Elétrico Chave Botão Termostato Termopar CPU: Responsável pela interpretação e execução dos comandos fornecidos pelo terminal de programação. Memória: Armazena o sistema operacional, o programa e o estado das variáveis de controle Interface E/S: converte os valores de tensão dos dispositivos conectados em sinais digitais.
  • 32. Conclui-se desta forma que os Controladores Lógicos Programáveis foram instrumentos indispensáveis para o desenvolvimento das Revoluções Industriais e da Automação, visto que os mesmo atuaram em diversos processos aumento a precisão e confiabilidade dos mesmos, assim como expandindo e possibilitando a produção industrial em massa, e portanto o consumo em massa, característica inerente ao capitalismo. CONCLUSÃO
  • 33.  ________. Histórico dos CLPs. Disponível em: <http://goo.gl/TUNwt>. Acesso em: 09 de Jul de 2013.  ________. Produção em Massa ou Enxuta?. Disponivel em: <www.geomundo.com.br>. Acesso em: 12/07/2013  ALBUQUERQUE, P. U. B. Controladores Industriais. Disponível em: <http://goo.gl/RF9Ti>. Acesso em: 13 de Jul de 2013.  BARRETO, R. L. P.; MANZANO, V. L. F. Revolução industrial e suas consequências. EMC 5003 – Tecnologia e desenvolvimento.  BITENCOURT, A. Introdução à Automação. Salvador, IFBA, 2009.  BITENCOURT, A. Introdução aos controladores lógicos programáveis. SCTC, 2010.  CALVALCANTE, Z. V.; SILVA, Mauro L. S. A Importância da Revolução Industrial na Tecnologia. Centro Universitário do Maringá, Paraná. CESUMAR,2011. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 34.  COSTA, L. História Econômica Do Brasil Na Década De 1960. Disponível em: <http://goo.gl/U1D5a>. Acesso em: 10 de Jul de 2013.  EMERICK, A. CLP. Disponível em: <http://goo.gl/U6EQ6>. Acesso em: 11 de Jul de 2013.  JUNQUIRA, F. Historia dos Controladores. Disponível em: <http://goo.gl/HuK5O>. Acesso em: 11 de Jul de 2013.  MEDEIROS, J. A. Controladores Lógico Programáveis. Salvador, IFBA, 2013.  SILVA, M. C. A.; GASPARIN, J. L. A Segunda Revolução Industrial e Suas Influências Sobre a Educação Brasileira. Universidade Estadual de Maringá, Paraná.  SIMAO, J.; CALADO, C. A Revolução Industrial. HMC, 2002.  SOUSA, V. S. S. Conceitos Fundamentais De Sistemas E Processos Em Automação: Uma Perspectiva Industrial. Salvador, IFBA, 2013.11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS