SlideShare uma empresa Scribd logo
O B R A S D A T E R C E I R A G E R A Ç Ã O D O M O D E R N I S M O
CAPITÃES DE AREIA
APRESENTAÇÃO
 Discentes:
o Jason Levy Reis;
o Mateus Barbosa;
o Victor Said;
o Victória Cabral.
 Docente: Sandra Carneiro;
 Disciplina: Português III;
 Tema: Capitães de Areia;
 Turma: 5832 – Unidade III;
 Curso: Automação Industrial.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia
Departamento Acadêmico de Automação e Sistemas
Coordenação de Automação Industrial
Salvador
2014
2
Objetivo e Metodologia
INTRODUÇÃO
A segunda fase do modernismo é caracterizada por um forte regionalismo
e criticas sociais do autor e o mundo em que vive. Dentre os grandes
escritores encontra-se Jorge Amado, que traz como principal tema em seus
trabalhos a miscigenação, o culto ao candomblé e consequentemente a
cultura afrodescendente, questões socioeconômicas e outros.
Esse trabalho tem por objetivo realizar uma análise crítica e descritiva a
respeito do livro “Capitães de Areia”, demonstrando sua importância histórica
e características da sociedade de sua época. A metodologia empregada foi a
revisão bibliográfica, que fundamentou-se utilizando de artigos, apostilas,
textos disponibilizados pelo docente e websites.
BIOGRAFIA
4
• Nascimento: 10 de Agosto de 1912;
• Local: Fazenda da Auricidia, Itabuna;
• Pais : João Amado Faria e D. Eulália Leal;
• Mudança de 1917;
• 1922 – Criação do “Luneta”;
• 1922 – Vem para Salvador estudar no Antônio Vieira;
• 1927 – Publica na revista “Luva” uma poesia “Poema
ou Prosa”
• 1931 - Seu primeiro Romance “País do Carnaval” e
logo após “Cacau” e “Suor”
• 1935 - Se forma na Faculdade Nacional de Direito do
Rio de Janeiro;
• 1936 – É preso por questões politicas
• 1937 – É lançado “Capitães da Areia”
BIOGRAFIA
5
• 1945 – É eleito deputado pelo PCB
• 1961 – Participa da Academia de Letras Brasileira
• 1951 - Recebe o Prêmio Stalin da Paz;
• 1959 – Primeiro Nacional Romance Nacional do
Livro;
• 1985 – Premio BNB de Literatura;
• Faleceu em 2001.
• Principais Obras:
• “Tieta do Agreste”
• “Gabriela cravo e canela”
• “A morte e a morte de Quincas
Berro d’Água”
• "Tenda dos Milagres”
• “Capitães de Areia”
• “Jubiabá”
• “Dona Flor e seus Dois maridos”
• “Teresa Batista cansada de guerra”
Capitães da Areia – 1937
• Personagens:
 Pedro Bala
 Professor
 Gato
 Sem-Pernas
 Pirulito
 Volta-Seca
 Boa-Vida
 João Grande
 Padre José Pedro
 Dona Aninha
 Querido-de-Deus
PERSONAGENS E ENREDO
6
• Descrição de Furtos e
Serviços
• Apresentação dos
Personagens
• Epidemia de Varíola
• Dora e Zé Fuinha
• Orfanato e Reformatório
• Morte de Dora
• Mudanças no Bando
• Pedro Bala – Grevista
Enredo:
• A recepção ao livro Capitães da
Areia foi entremeada de escândalo
e represálias, que começaram já no
ano em que ele foi lançado, pois
devido a um decreto do Estado
Novo, 808 exemplares da obra,
foram queimados juntamente com
outras obras do autor.
• Em dezembro do mesmo ano mais
exemplares foram apreendidos nas
livrarias do Rio de Janeiro.
ANÁLISE DA OBRA
“Capitães de Areia”, é uma obra singular na produção literária de Jorge Amado, pois
faz uma crítica social extremamente atemporal, ao mesmo tempo em que retrata
aspectos corriqueiros e típicos da cidade de Salvador. Dentro dos aspectos abordados
na obra pode-se destacar:
• Cotidiano das crianças pobres: a questão da desigualdade social;
• Comparativo entre os ricos burgueses e as crianças maltrapilhas;
• Valorização dos valores e sensibilidade, a questão da “humanidade”;
• Na obra, a Bahia é apresentada como sendo: fantásticas ou indiferente/fria;
• Crítica à estrutura político-econômica-social vigente, com divisão da socie-dade pelas
classes dominantes: Burguesia, Igreja, Estado.
• O papel do estado é dar continuidade à estrutura corrupta, desigual e distorcida, estabelecida
pelo capitalismo, a qual é fomentada pelo discurso ideológico/religioso da Igreja, junto à Mídia.
• A questão principal, talvez, seja são os capitães: vítimas ou criminosos?
Não havia passado muito tempo sobre a morte de Dora, a imagem da sua presença tão rápida e no
entanto tão marcante, da sua morte também, ainda enchia de visões as noites do trapiche. Alguns, quando
entravam, todavia, olhavam para o canto onde ela costumava sentar ao lado do Professor e de João
Grande. Ainda com a esperança de encontrá-la. Fora um acontecimento sem explicação.
Fora o totalmente inesperado na vida deles, o aparecimento de u’a mãe, de uma irmã. Motivo por que eles
ainda a procuravam, apesar de terem visto o Querido-de-Deus a levar no seu saveiro para o fundo do mar.
Só Pedro Bala não a procurava no trapiche. Procurava ver, no céu de tanta estrela, uma que tivesse longa
e loira cabeleira. (AMADO, 1937 p. 227)
ANÁLISE CRÍTICA DA OBRA
8
9
ANÁLISE CRÍTICA DA OBRA
Não seriam meninos toda vida... Bem sabia que eles nunca tinham parecido crianças. Desde
pequenos na arriscada vida da rua, os Capitães da Areia eram como homens eram iguais a homens.
Toda a diferença estava no tamanho. No mais eram iguais: amavam e derrubavam negras no areal
desde cedo furtavam para viver como os ladrões da cidade. Quando eram preso apanhavam surras
como os homens. Por vezes assaltavam de armas na mão como os mais temidos bandidos da Bahia.
Não tinham também conversas de meninos, conversavam como homens. Sentiam mesmo como
homens. Quando outras crianças só se preocupavam com brincar, estudar livros para aprender a ler,
eles se viam envolvidos em acontecimentos que só os homens sabiam resolver. Sempre tinham sido
como homens, na sua vida de miséria e de aventura, nunca tinham sido perfeitamente crianças.
Porque o que faz a criança é o ambiente de casa, pai, mãe, nenhuma responsabilidade. Nunca eles
tiveram pai e mãe na vida da rua. E tiveram sempre que cuidar de si mesmos, foram sempre os
responsáveis por si. Tinham sido sempre iguais a homens. (AMADO, 1937 p. 242)
Eles furtavam, brigavam nas ruas, xingavam nomes, derrubavam negrinhas no areal, por vezes
feriam com navalhas ou punhal homens e polícias. Mas, no entanto, eram bons, uns eram amigos dos
outros. Se faziam tudo aquilo é que não tinham casa, nem pai, nem mãe, a vida deles era uma vida
sem ter comida certa e dormindo num casarão quase sem teto. Se não fizessem tudo aquilo
morreriam de fome, porque eram raras as casas que davam de comer a um, de vestir a outro. E nem
toda a cidade poderia dar a todos.(AMADO, 1937 p. 105).
CAPITÃES DA ALAMEDA – POR: VICTOR SAID
Eram meninos,
meninos comuns,
meninos pobres,
meninos de rua.
Consequência de tragédia,
O Destino resguardou uma fatídica alameda
Tiveram de escolher: viver ou morrer?
E a escolha sabida ficaram de fazer.
Não que pudessem eles sobrepor-se ao
Destino,
Por isso mesmo, de certo, tanta crueldade se
abateu
Ao furto praticaram, coisas horríveis
impuseram
Eram heróis ou vilões?
Não: vítimas ou criminosos?
Mas pior sofrer, foi o mal que sobre eles se
abateu
Vivendo esfomeados, maltrapilhos e
agonizantes,
Solução não havia: senão o tentar ser,
buscaram aos caminhos que possuíam.
E disso muito se arrependeram!
Tragédia maior foi quando o ímpeto trouxe ao
grupo o primeiro morrer.
Ao não-ser se uniu a Dora, que não soube
como sobreviver.
Tragédia sem igual, oh, foi sim!
Não que pudessem, mas haviam de querer:
será que o mundo, gentil não podia ser?
Garotos infortunados, amaldiçoados, diria
até.
Incapazes de conceber ao mundo toda a
bênção da criação,
optaram por em nada lhe esvanecer.
Desigual, como as desigualdades que
sofreram,
Como o mundo que os tornou como são,
Jamais foram capazes de encontrar o porquê
de ser como são.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
11
As obras de romance de Jorge Amado foram de grande
importância para a Bahia, pois trazia diversas criticas a
situação de pobreza e opressão, entre outros. A obra Capitães
da Areia foi particularmente importante pois ela trouxe a
temática das crianças abandonadas à discussão, porém não
os trouxe como meliantes, bandidos, degredados, e sim como
as crianças que eles ainda o eram.
REFERÊNCIAS
12
AMADO, Jorge. Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das
Letras, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capitães da areia 2°b
Capitães da areia 2°bCapitães da areia 2°b
Capitães da areia 2°b
elianegeraldo
 
Seminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da AreiaSeminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da Areia
Thenysson Gabriel
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
Flavio Maia Custodio
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
milton junior
 
Apresentação dos Maias - Capítulo 4
Apresentação dos Maias - Capítulo 4Apresentação dos Maias - Capítulo 4
Apresentação dos Maias - Capítulo 4
SofiaAntunes21
 
Capitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticasCapitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticas
sin3stesia
 
Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)
Ana Janela
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
Leandro Fernandes
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
mariacosta
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Graça Moutinho
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Patrícia Faria
 
O alienista
O alienistaO alienista
O alienista
Jaqueline Deak
 
Jorge amado - Capitães da Areia
Jorge amado - Capitães da AreiaJorge amado - Capitães da Areia
Jorge amado - Capitães da Areia
Láyla Vieira
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
Carolina Costa
 
Leitura de imagem
Leitura de imagemLeitura de imagem
Leitura de imagem
Dina Baptista
 
Capitães da areia
Capitães da areiaCapitães da areia
Capitães da areia
Calebe Cecatto
 
Palavra Mágica
Palavra MágicaPalavra Mágica
Palavra Mágica
Lurdes Augusto
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 

Mais procurados (20)

Capitães da areia 2°b
Capitães da areia 2°bCapitães da areia 2°b
Capitães da areia 2°b
 
Seminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da AreiaSeminário - Capitães da Areia
Seminário - Capitães da Areia
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
 
Apresentação dos Maias - Capítulo 4
Apresentação dos Maias - Capítulo 4Apresentação dos Maias - Capítulo 4
Apresentação dos Maias - Capítulo 4
 
Capitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticasCapitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticas
 
Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
Como fazer uma apresentação oral de um livro 2
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de QuentalNa mão de Deus poema - Antero de Quental
Na mão de Deus poema - Antero de Quental
 
O alienista
O alienistaO alienista
O alienista
 
Jorge amado - Capitães da Areia
Jorge amado - Capitães da AreiaJorge amado - Capitães da Areia
Jorge amado - Capitães da Areia
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Leitura de imagem
Leitura de imagemLeitura de imagem
Leitura de imagem
 
Capitães da areia
Capitães da areiaCapitães da areia
Capitães da areia
 
Palavra Mágica
Palavra MágicaPalavra Mágica
Palavra Mágica
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 

Semelhante a Análise da obra Capitães de Areia

2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
Octávio Da Matta
 
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Laguat
 
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Laguat
 
Respostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areiaRespostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areia
BriefCase
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
Ana Batista
 
Obra Vidas Secas
Obra Vidas SecasObra Vidas Secas
Obra Vidas Secas
Cesarguto
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa
Dhay Lima
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
Reberth Siqueira
 
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia FagundesConto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
KamisCarvalho
 
Projeto de vida.docx
Projeto de vida.docxProjeto de vida.docx
Projeto de vida.docx
VivianyLocatelli
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Connce Santana
 
Apresentação Eleição Patrona
Apresentação Eleição PatronaApresentação Eleição Patrona
Apresentação Eleição Patrona
Elaine de Paula
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Seminário jorge amado
Seminário jorge amadoSeminário jorge amado
Seminário jorge amado
Sônia Marques
 
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
jasonrplima
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
Cláudia Heloísa
 
Capitaes da areia port
Capitaes da areia portCapitaes da areia port
Capitaes da areia port
Edvaldo Rofatto
 
Fogomorto
FogomortoFogomorto
Fogomorto
Edjeynne Velez
 
Livros sobre consciência negra
Livros sobre consciência negraLivros sobre consciência negra
Livros sobre consciência negra
GRUPO ESCOTEIRO JOÃO OSCALINO
 

Semelhante a Análise da obra Capitães de Areia (20)

2a fase modernista - Capitães da Areia
2a fase modernista  - Capitães da Areia2a fase modernista  - Capitães da Areia
2a fase modernista - Capitães da Areia
 
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
 
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
 
Respostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areiaRespostas do roteiro de capitães da areia
Respostas do roteiro de capitães da areia
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
 
Obra Vidas Secas
Obra Vidas SecasObra Vidas Secas
Obra Vidas Secas
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
 
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia FagundesConto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
 
Projeto de vida.docx
Projeto de vida.docxProjeto de vida.docx
Projeto de vida.docx
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
 
Apresentação Eleição Patrona
Apresentação Eleição PatronaApresentação Eleição Patrona
Apresentação Eleição Patrona
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Seminário jorge amado
Seminário jorge amadoSeminário jorge amado
Seminário jorge amado
 
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
Capitaes da areia port
Capitaes da areia portCapitaes da areia port
Capitaes da areia port
 
Fogomorto
FogomortoFogomorto
Fogomorto
 
Livros sobre consciência negra
Livros sobre consciência negraLivros sobre consciência negra
Livros sobre consciência negra
 

Mais de Victor Said

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
Victor Said
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
Victor Said
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Victor Said
 
A revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilA revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no Brasil
Victor Said
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaço
Victor Said
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Victor Said
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Victor Said
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometria
Victor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
Victor Said
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
Victor Said
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
Victor Said
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
Victor Said
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
Victor Said
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricos
Victor Said
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
Victor Said
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
Victor Said
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionador
Victor Said
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
Victor Said
 
Relatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosRelatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores Elétricos
Victor Said
 

Mais de Victor Said (20)

Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso Relatório sistema nervoso
Relatório sistema nervoso
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
A revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no BrasilA revolução de 30 no Brasil
A revolução de 30 no Brasil
 
A revolução do cangaço
A revolução do cangaçoA revolução do cangaço
A revolução do cangaço
 
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDOCamponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
Camponeses: A QUESTÃO DA AGRICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO
 
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmicaTeorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
Teorema de Nernst - terceira lei da termodinâmica
 
Relatório termometria
Relatório termometriaRelatório termometria
Relatório termometria
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicosRelatório motores monofásicos
Relatório motores monofásicos
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
 
Relatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energiaRelatório tipos de geração de energia
Relatório tipos de geração de energia
 
Relatório diodos
Relatório diodos Relatório diodos
Relatório diodos
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricos
 
Relatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a XingóRelatório Visita técnica a Xingó
Relatório Visita técnica a Xingó
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
 
Relatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionadorRelatório calibragem de posicionador
Relatório calibragem de posicionador
 
Desastre de Bhopal
Desastre de BhopalDesastre de Bhopal
Desastre de Bhopal
 
Relatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores ElétricosRelatório Transformadores Elétricos
Relatório Transformadores Elétricos
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 

Análise da obra Capitães de Areia

  • 1. O B R A S D A T E R C E I R A G E R A Ç Ã O D O M O D E R N I S M O CAPITÃES DE AREIA
  • 2. APRESENTAÇÃO  Discentes: o Jason Levy Reis; o Mateus Barbosa; o Victor Said; o Victória Cabral.  Docente: Sandra Carneiro;  Disciplina: Português III;  Tema: Capitães de Areia;  Turma: 5832 – Unidade III;  Curso: Automação Industrial. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Departamento Acadêmico de Automação e Sistemas Coordenação de Automação Industrial Salvador 2014 2
  • 3. Objetivo e Metodologia INTRODUÇÃO A segunda fase do modernismo é caracterizada por um forte regionalismo e criticas sociais do autor e o mundo em que vive. Dentre os grandes escritores encontra-se Jorge Amado, que traz como principal tema em seus trabalhos a miscigenação, o culto ao candomblé e consequentemente a cultura afrodescendente, questões socioeconômicas e outros. Esse trabalho tem por objetivo realizar uma análise crítica e descritiva a respeito do livro “Capitães de Areia”, demonstrando sua importância histórica e características da sociedade de sua época. A metodologia empregada foi a revisão bibliográfica, que fundamentou-se utilizando de artigos, apostilas, textos disponibilizados pelo docente e websites.
  • 4. BIOGRAFIA 4 • Nascimento: 10 de Agosto de 1912; • Local: Fazenda da Auricidia, Itabuna; • Pais : João Amado Faria e D. Eulália Leal; • Mudança de 1917; • 1922 – Criação do “Luneta”; • 1922 – Vem para Salvador estudar no Antônio Vieira; • 1927 – Publica na revista “Luva” uma poesia “Poema ou Prosa” • 1931 - Seu primeiro Romance “País do Carnaval” e logo após “Cacau” e “Suor” • 1935 - Se forma na Faculdade Nacional de Direito do Rio de Janeiro; • 1936 – É preso por questões politicas • 1937 – É lançado “Capitães da Areia”
  • 5. BIOGRAFIA 5 • 1945 – É eleito deputado pelo PCB • 1961 – Participa da Academia de Letras Brasileira • 1951 - Recebe o Prêmio Stalin da Paz; • 1959 – Primeiro Nacional Romance Nacional do Livro; • 1985 – Premio BNB de Literatura; • Faleceu em 2001. • Principais Obras: • “Tieta do Agreste” • “Gabriela cravo e canela” • “A morte e a morte de Quincas Berro d’Água” • "Tenda dos Milagres” • “Capitães de Areia” • “Jubiabá” • “Dona Flor e seus Dois maridos” • “Teresa Batista cansada de guerra”
  • 6. Capitães da Areia – 1937 • Personagens:  Pedro Bala  Professor  Gato  Sem-Pernas  Pirulito  Volta-Seca  Boa-Vida  João Grande  Padre José Pedro  Dona Aninha  Querido-de-Deus PERSONAGENS E ENREDO 6 • Descrição de Furtos e Serviços • Apresentação dos Personagens • Epidemia de Varíola • Dora e Zé Fuinha • Orfanato e Reformatório • Morte de Dora • Mudanças no Bando • Pedro Bala – Grevista Enredo:
  • 7. • A recepção ao livro Capitães da Areia foi entremeada de escândalo e represálias, que começaram já no ano em que ele foi lançado, pois devido a um decreto do Estado Novo, 808 exemplares da obra, foram queimados juntamente com outras obras do autor. • Em dezembro do mesmo ano mais exemplares foram apreendidos nas livrarias do Rio de Janeiro. ANÁLISE DA OBRA
  • 8. “Capitães de Areia”, é uma obra singular na produção literária de Jorge Amado, pois faz uma crítica social extremamente atemporal, ao mesmo tempo em que retrata aspectos corriqueiros e típicos da cidade de Salvador. Dentro dos aspectos abordados na obra pode-se destacar: • Cotidiano das crianças pobres: a questão da desigualdade social; • Comparativo entre os ricos burgueses e as crianças maltrapilhas; • Valorização dos valores e sensibilidade, a questão da “humanidade”; • Na obra, a Bahia é apresentada como sendo: fantásticas ou indiferente/fria; • Crítica à estrutura político-econômica-social vigente, com divisão da socie-dade pelas classes dominantes: Burguesia, Igreja, Estado. • O papel do estado é dar continuidade à estrutura corrupta, desigual e distorcida, estabelecida pelo capitalismo, a qual é fomentada pelo discurso ideológico/religioso da Igreja, junto à Mídia. • A questão principal, talvez, seja são os capitães: vítimas ou criminosos? Não havia passado muito tempo sobre a morte de Dora, a imagem da sua presença tão rápida e no entanto tão marcante, da sua morte também, ainda enchia de visões as noites do trapiche. Alguns, quando entravam, todavia, olhavam para o canto onde ela costumava sentar ao lado do Professor e de João Grande. Ainda com a esperança de encontrá-la. Fora um acontecimento sem explicação. Fora o totalmente inesperado na vida deles, o aparecimento de u’a mãe, de uma irmã. Motivo por que eles ainda a procuravam, apesar de terem visto o Querido-de-Deus a levar no seu saveiro para o fundo do mar. Só Pedro Bala não a procurava no trapiche. Procurava ver, no céu de tanta estrela, uma que tivesse longa e loira cabeleira. (AMADO, 1937 p. 227) ANÁLISE CRÍTICA DA OBRA 8
  • 9. 9 ANÁLISE CRÍTICA DA OBRA Não seriam meninos toda vida... Bem sabia que eles nunca tinham parecido crianças. Desde pequenos na arriscada vida da rua, os Capitães da Areia eram como homens eram iguais a homens. Toda a diferença estava no tamanho. No mais eram iguais: amavam e derrubavam negras no areal desde cedo furtavam para viver como os ladrões da cidade. Quando eram preso apanhavam surras como os homens. Por vezes assaltavam de armas na mão como os mais temidos bandidos da Bahia. Não tinham também conversas de meninos, conversavam como homens. Sentiam mesmo como homens. Quando outras crianças só se preocupavam com brincar, estudar livros para aprender a ler, eles se viam envolvidos em acontecimentos que só os homens sabiam resolver. Sempre tinham sido como homens, na sua vida de miséria e de aventura, nunca tinham sido perfeitamente crianças. Porque o que faz a criança é o ambiente de casa, pai, mãe, nenhuma responsabilidade. Nunca eles tiveram pai e mãe na vida da rua. E tiveram sempre que cuidar de si mesmos, foram sempre os responsáveis por si. Tinham sido sempre iguais a homens. (AMADO, 1937 p. 242) Eles furtavam, brigavam nas ruas, xingavam nomes, derrubavam negrinhas no areal, por vezes feriam com navalhas ou punhal homens e polícias. Mas, no entanto, eram bons, uns eram amigos dos outros. Se faziam tudo aquilo é que não tinham casa, nem pai, nem mãe, a vida deles era uma vida sem ter comida certa e dormindo num casarão quase sem teto. Se não fizessem tudo aquilo morreriam de fome, porque eram raras as casas que davam de comer a um, de vestir a outro. E nem toda a cidade poderia dar a todos.(AMADO, 1937 p. 105).
  • 10. CAPITÃES DA ALAMEDA – POR: VICTOR SAID Eram meninos, meninos comuns, meninos pobres, meninos de rua. Consequência de tragédia, O Destino resguardou uma fatídica alameda Tiveram de escolher: viver ou morrer? E a escolha sabida ficaram de fazer. Não que pudessem eles sobrepor-se ao Destino, Por isso mesmo, de certo, tanta crueldade se abateu Ao furto praticaram, coisas horríveis impuseram Eram heróis ou vilões? Não: vítimas ou criminosos? Mas pior sofrer, foi o mal que sobre eles se abateu Vivendo esfomeados, maltrapilhos e agonizantes, Solução não havia: senão o tentar ser, buscaram aos caminhos que possuíam. E disso muito se arrependeram! Tragédia maior foi quando o ímpeto trouxe ao grupo o primeiro morrer. Ao não-ser se uniu a Dora, que não soube como sobreviver. Tragédia sem igual, oh, foi sim! Não que pudessem, mas haviam de querer: será que o mundo, gentil não podia ser? Garotos infortunados, amaldiçoados, diria até. Incapazes de conceber ao mundo toda a bênção da criação, optaram por em nada lhe esvanecer. Desigual, como as desigualdades que sofreram, Como o mundo que os tornou como são, Jamais foram capazes de encontrar o porquê de ser como são.
  • 11. CONSIDERAÇÕES FINAIS 11 As obras de romance de Jorge Amado foram de grande importância para a Bahia, pois trazia diversas criticas a situação de pobreza e opressão, entre outros. A obra Capitães da Areia foi particularmente importante pois ela trouxe a temática das crianças abandonadas à discussão, porém não os trouxe como meliantes, bandidos, degredados, e sim como as crianças que eles ainda o eram.
  • 12. REFERÊNCIAS 12 AMADO, Jorge. Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.