SlideShare uma empresa Scribd logo
Felicidade
clandestina
Clarice Lispector
Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente
crespos, meio arruivados. Tinha um busto enorme; enquanto nós
todas ainda éramos achatadas. Como se não bastasse, enchia os
dois bolsos da blusa, por cima do busto, com balas. Mas possuía o
que qualquer criança devoradora de histórias gostaria de ter: um pai
dono de livraria.
Pouco aproveitava. E nós menos ainda: até para aniversário,
em vez de pelo menos um livrinho barato, ela nos entregava em
mãos um cartão-postal da loja do pai. Ainda por cima era de
paisagem do Recife mesmo, onde morávamos, com suas pontes
mais do que vistas. Atrás escrevia com letra bordadíssima palavras
como "data natalícia" e "saudade".
Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura
vingança, chupando balas com barulho. Como essa menina devia
nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente bonitinhas, esguias,
altinhas, de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade o
seu sadismo. Na minha ânsia de ler, eu nem notava as humilhações
a que ela me submetia: continuava a implorar-lhe emprestados os
livros que ela não lia.
Até que veio para ela o magno dia de começar a exercer
sobre mim uma tortura chinesa. Como casualmente, informou-me
que possuía As reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato.
Era um livro grosso, meu Deus, era um livro para se ficar
vivendo com ele, comendo-o, dormindo-o. E completamente acima
de minhas posses. Disse-me que eu passasse pela sua casa no dia
seguinte e que ela o emprestaria.
Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança
da alegria: eu não vivia, eu nadava devagar num mar suave, as
ondas me levavam e me traziam.
No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela
não morava num sobrado como eu, e sim numa casa. Não me
mandou entrar. Olhando bem para meus olhos, disse-me que havia
emprestado o livro a outra menina, e que eu voltasse no dia
seguinte para buscá-lo. Boquiaberta, saí devagar, mas em breve a
esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a andar
pulando, que era o meu modo estranho de andar pelas ruas de Recife.
Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa do livro, o dia seguinte viria, os
dias seguintes seriam mais tarde a minha vida inteira, o amor pelo
mundo, andei pulando pelas ruas como sempre e não caí nenhuma
vez.
Mas não ficou simplesmente nisso. O plano secreto da filha
do dono de livraria era tranquilo e diabólico. No dia seguinte lá
estava eu à porta de sua casa, com um sorriso e o coração batendo.
Para ouvir a resposta calma: o livro ainda não estava em seu poder,
que eu voltasse no dia seguinte. Mal sabia eu como mais tarde, no
decorrer da vida, o drama do "dia seguinte" com ela ia se repetir
com meu coração batendo.
E assim continuou. Quanto tempo? Não sei. Ela sabia que
era tempo indefinido, enquanto o fel não escorresse todo de seu
corpo grosso. Eu já começara a adivinhar que ela me escolhera para
eu sofrer, às vezes adivinho. Mas, adivinhando mesmo, às vezes
aceito: como se quem quer me fazer sofrer esteja precisando
danadamente que eu sofra.
Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um
dia sequer. Às vezes ela dizia: pois o livro esteve comigo ontem de
tarde, mas você só veio de manhã, de modo que o emprestei a outra
menina. E eu, que não era dada a olheiras, sentia as olheiras se
cavando sob os meus olhos espantados.
Até que um dia, quando eu estava à porta de sua casa,
ouvindo humilde e silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe. Ela
devia estar estranhando a aparição muda e diária daquela menina à
porta de sua casa. Pediu explicações a nós duas. Houve uma
confusão silenciosa, entrecortada de palavras pouco elucidativas. A
senhora achava cada vez mais estranho o fato de não estar
entendendo. Até que essa mãe boa entendeu. Voltou-se para a filha e
com enorme surpresa exclamou: mas este livro nunca saiu daqui de
casa e você nem quis ler!
E o pior para essa mulher não era a descoberta do que
acontecia. Devia ser a descoberta horrorizada da filha que tinha. Ela
nos espiava em silêncio: a potência de perversidade de sua filha
desconhecida e a menina loura em pé à porta, exausta, ao vento das
ruas de Recife. Foi então que, finalmente se refazendo, disse firme e
calma para a filha: você vai emprestar o livro agora mesmo. E para
mim: "E você fica com o livro por quanto tempo quiser." Entendem?
Valia mais do que me dar o livro: "pelo tempo que eu quisesse" é
tudo o que uma pessoa, grande ou pequena, pode ter a ousadia de
querer.
Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e
assim recebi o livro na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o
livro. Não, não saí pulando como sempre. Saí andando bem devagar.
Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o
contra o peito. Quanto tempo levei até chegar em casa, também
pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração pensativo.
Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o
tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li
algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela
casa, adiei ainda mais indo comer pão com manteiga, fingi que não
sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes.
Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que
era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim.
Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar… Havia
orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada.
Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro
aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.
Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher
com o seu amante.
(LISPECTOR, Clarice. Felicidade
Clandestina. Ed. Rocco - Rio de
Janeiro, 1998)
Clarice Lispector
(10 de Dezembro de 1920 - 09 de Dezembro de 1977 [56 anos])
Nasceu na Ucrânia. Com dois meses de
idade, veio com a família para o Brasil,
fixando-se em Recife. Em 1937 transferiu-
se para o Rio de Janeiro, onde terminou o
secundário e cursou Direito. Estudante
ainda, escreveu seu primeiro romance,
Perto do coração selvagem, publicado em
1944. Daí em diante, consagrou-se como o
nome mais importante da prosa brasileira
da segunda metade do século XX, ao lado
de Guimarães Rosa. Além de outros
romances, como A paixão segundo G.H. e
A hora da estrela, Clarice publicou alguns
livros de contos, sendo o primeiro Laços
de família. Seus textos fazem sondagem do
mundo interior e trazem as profundezas do
subconsciente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluçõesLina Claro
 
Graciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdf
Graciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdfGraciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdf
Graciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdfCEIP
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, característicasHelena Coutinho
 
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas PortuguêsCaderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas Portuguêsbibliotecacampo
 
Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".
Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".
Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".Alicia de Carvalho Belato
 
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando PessoaPoemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoavestibular
 
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-camposFicha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-camposJoão Martins
 
A aia conto e question
A aia conto e questionA aia conto e question
A aia conto e questionostrapaula
 
História de uma gaivota e do gato
História de  uma  gaivota  e do gatoHistória de  uma  gaivota  e do gato
História de uma gaivota e do gatoBiblioteca Escolar
 
Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Ana Polo
 
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato queHist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato queTeresa Maia
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na tavernaMá Bartzen
 
Doc 10 questionário sobre o principezinho
Doc 10 questionário sobre o principezinhoDoc 10 questionário sobre o principezinho
Doc 10 questionário sobre o principezinhohelena frança
 
Análise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAnálise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAna Polo
 
Cantiga sua partindo-se - Castelo Branco
Cantiga sua partindo-se - Castelo BrancoCantiga sua partindo-se - Castelo Branco
Cantiga sua partindo-se - Castelo BrancoDani Bertollo
 

Mais procurados (20)

A menina que não gostava de ler
A menina que não gostava de lerA menina que não gostava de ler
A menina que não gostava de ler
 
Saga vocabulário -soluções
Saga  vocabulário -soluçõesSaga  vocabulário -soluções
Saga vocabulário -soluções
 
Graciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdf
Graciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdfGraciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdf
Graciliano Ramos - Vidas Secas (1938).pdf
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas PortuguêsCaderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
 
Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".
Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".
Análise do conto "Venha ver o pôr-do-sol".
 
A fada oriana teste
A fada oriana testeA fada oriana teste
A fada oriana teste
 
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando PessoaPoemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
 
A débil cv..
A débil cv..A débil cv..
A débil cv..
 
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-camposFicha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
 
A aia conto e question
A aia conto e questionA aia conto e question
A aia conto e question
 
História de uma gaivota e do gato
História de  uma  gaivota  e do gatoHistória de  uma  gaivota  e do gato
História de uma gaivota e do gato
 
Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro" Plano de aula "Dom Casmurro"
Plano de aula "Dom Casmurro"
 
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato queHist+¦ria de uma gaivota e do gato que
Hist+¦ria de uma gaivota e do gato que
 
A Menina Que Detestava Os Livros
A Menina Que Detestava Os LivrosA Menina Que Detestava Os Livros
A Menina Que Detestava Os Livros
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na taverna
 
Doc 10 questionário sobre o principezinho
Doc 10 questionário sobre o principezinhoDoc 10 questionário sobre o principezinho
Doc 10 questionário sobre o principezinho
 
Análise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um ApólogoAnálise do conto Um Apólogo
Análise do conto Um Apólogo
 
Cantiga sua partindo-se - Castelo Branco
Cantiga sua partindo-se - Castelo BrancoCantiga sua partindo-se - Castelo Branco
Cantiga sua partindo-se - Castelo Branco
 

Semelhante a Felicidade clandestina

A caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenA caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenJuFlores98
 
Aquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangueAquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangueMarcella Cristina
 
A Esfinge sem Segredo
A Esfinge sem SegredoA Esfinge sem Segredo
A Esfinge sem Segredojovemideal
 
A esfinge sem segredos
A esfinge sem segredosA esfinge sem segredos
A esfinge sem segredosvanicequeiroz
 
Um enigma entre estantes (conto)
Um enigma entre estantes (conto)Um enigma entre estantes (conto)
Um enigma entre estantes (conto)AnaRita9
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começapribeletato
 
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanuCarmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanulauc10
 
A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)robertomundias
 
A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert Victor Ignis
 
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1lousrondon
 
Quindim na Portaria
Quindim na PortariaQuindim na Portaria
Quindim na PortariaLuiza Goes
 
E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo
E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo
E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo Carla Crespo
 
A ESFINGE SEM SEGREDO.pdf
A ESFINGE SEM SEGREDO.pdfA ESFINGE SEM SEGREDO.pdf
A ESFINGE SEM SEGREDO.pdfeueqsou
 

Semelhante a Felicidade clandestina (20)

A caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenA caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah Dessen
 
Aquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangueAquela alice pintada de sangue
Aquela alice pintada de sangue
 
20
2020
20
 
A Esfinge sem Segredo
A Esfinge sem SegredoA Esfinge sem Segredo
A Esfinge sem Segredo
 
A esfinge sem segredos
A esfinge sem segredosA esfinge sem segredos
A esfinge sem segredos
 
Um enigma entre estantes (conto)
Um enigma entre estantes (conto)Um enigma entre estantes (conto)
Um enigma entre estantes (conto)
 
A teia de Germano
A teia de GermanoA teia de Germano
A teia de Germano
 
1 4918339399097254230
1 49183393990972542301 4918339399097254230
1 4918339399097254230
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
 
Missa do galo
Missa do galoMissa do galo
Missa do galo
 
Missa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de AssisMissa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de Assis
 
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanuCarmilla, karnstein vapyre  j. sheridan le fanu
Carmilla, karnstein vapyre j. sheridan le fanu
 
A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)
 
A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert A Garota do Dique - G. Norman Lippert
A Garota do Dique - G. Norman Lippert
 
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
O jornalista-assassino-lous-rondon-arial12-letter-margin1
 
Quindim na Portaria
Quindim na PortariaQuindim na Portaria
Quindim na Portaria
 
Ana caroline
Ana carolineAna caroline
Ana caroline
 
E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo
E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo
E-book Oscar Wilde, A esfinge sem segredo
 
A ESFINGE SEM SEGREDO.pdf
A ESFINGE SEM SEGREDO.pdfA ESFINGE SEM SEGREDO.pdf
A ESFINGE SEM SEGREDO.pdf
 
Cordel grupo 03 pdf
Cordel grupo 03 pdfCordel grupo 03 pdf
Cordel grupo 03 pdf
 

Último

Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 

Último (20)

Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 

Felicidade clandestina

  • 2. Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente crespos, meio arruivados. Tinha um busto enorme; enquanto nós todas ainda éramos achatadas. Como se não bastasse, enchia os dois bolsos da blusa, por cima do busto, com balas. Mas possuía o que qualquer criança devoradora de histórias gostaria de ter: um pai dono de livraria. Pouco aproveitava. E nós menos ainda: até para aniversário, em vez de pelo menos um livrinho barato, ela nos entregava em mãos um cartão-postal da loja do pai. Ainda por cima era de paisagem do Recife mesmo, onde morávamos, com suas pontes mais do que vistas. Atrás escrevia com letra bordadíssima palavras como "data natalícia" e "saudade". Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura vingança, chupando balas com barulho. Como essa menina devia nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente bonitinhas, esguias, altinhas, de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade o seu sadismo. Na minha ânsia de ler, eu nem notava as humilhações a que ela me submetia: continuava a implorar-lhe emprestados os livros que ela não lia.
  • 3. Até que veio para ela o magno dia de começar a exercer sobre mim uma tortura chinesa. Como casualmente, informou-me que possuía As reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato. Era um livro grosso, meu Deus, era um livro para se ficar vivendo com ele, comendo-o, dormindo-o. E completamente acima de minhas posses. Disse-me que eu passasse pela sua casa no dia seguinte e que ela o emprestaria. Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança da alegria: eu não vivia, eu nadava devagar num mar suave, as ondas me levavam e me traziam. No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava num sobrado como eu, e sim numa casa. Não me mandou entrar. Olhando bem para meus olhos, disse-me que havia emprestado o livro a outra menina, e que eu voltasse no dia seguinte para buscá-lo. Boquiaberta, saí devagar, mas em breve a esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a andar pulando, que era o meu modo estranho de andar pelas ruas de Recife. Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa do livro, o dia seguinte viria, os dias seguintes seriam mais tarde a minha vida inteira, o amor pelo mundo, andei pulando pelas ruas como sempre e não caí nenhuma vez.
  • 4. Mas não ficou simplesmente nisso. O plano secreto da filha do dono de livraria era tranquilo e diabólico. No dia seguinte lá estava eu à porta de sua casa, com um sorriso e o coração batendo. Para ouvir a resposta calma: o livro ainda não estava em seu poder, que eu voltasse no dia seguinte. Mal sabia eu como mais tarde, no decorrer da vida, o drama do "dia seguinte" com ela ia se repetir com meu coração batendo. E assim continuou. Quanto tempo? Não sei. Ela sabia que era tempo indefinido, enquanto o fel não escorresse todo de seu corpo grosso. Eu já começara a adivinhar que ela me escolhera para eu sofrer, às vezes adivinho. Mas, adivinhando mesmo, às vezes aceito: como se quem quer me fazer sofrer esteja precisando danadamente que eu sofra. Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um dia sequer. Às vezes ela dizia: pois o livro esteve comigo ontem de tarde, mas você só veio de manhã, de modo que o emprestei a outra menina. E eu, que não era dada a olheiras, sentia as olheiras se cavando sob os meus olhos espantados.
  • 5. Até que um dia, quando eu estava à porta de sua casa, ouvindo humilde e silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe. Ela devia estar estranhando a aparição muda e diária daquela menina à porta de sua casa. Pediu explicações a nós duas. Houve uma confusão silenciosa, entrecortada de palavras pouco elucidativas. A senhora achava cada vez mais estranho o fato de não estar entendendo. Até que essa mãe boa entendeu. Voltou-se para a filha e com enorme surpresa exclamou: mas este livro nunca saiu daqui de casa e você nem quis ler! E o pior para essa mulher não era a descoberta do que acontecia. Devia ser a descoberta horrorizada da filha que tinha. Ela nos espiava em silêncio: a potência de perversidade de sua filha desconhecida e a menina loura em pé à porta, exausta, ao vento das ruas de Recife. Foi então que, finalmente se refazendo, disse firme e calma para a filha: você vai emprestar o livro agora mesmo. E para mim: "E você fica com o livro por quanto tempo quiser." Entendem? Valia mais do que me dar o livro: "pelo tempo que eu quisesse" é tudo o que uma pessoa, grande ou pequena, pode ter a ousadia de querer.
  • 6. Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e assim recebi o livro na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o livro. Não, não saí pulando como sempre. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Quanto tempo levei até chegar em casa, também pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração pensativo. Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei ainda mais indo comer pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim. Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar… Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada. Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.
  • 7. (LISPECTOR, Clarice. Felicidade Clandestina. Ed. Rocco - Rio de Janeiro, 1998)
  • 8. Clarice Lispector (10 de Dezembro de 1920 - 09 de Dezembro de 1977 [56 anos]) Nasceu na Ucrânia. Com dois meses de idade, veio com a família para o Brasil, fixando-se em Recife. Em 1937 transferiu- se para o Rio de Janeiro, onde terminou o secundário e cursou Direito. Estudante ainda, escreveu seu primeiro romance, Perto do coração selvagem, publicado em 1944. Daí em diante, consagrou-se como o nome mais importante da prosa brasileira da segunda metade do século XX, ao lado de Guimarães Rosa. Além de outros romances, como A paixão segundo G.H. e A hora da estrela, Clarice publicou alguns livros de contos, sendo o primeiro Laços de família. Seus textos fazem sondagem do mundo interior e trazem as profundezas do subconsciente.