SlideShare uma empresa Scribd logo
Programa de Ação - PEI
O Programa de Ação tem o objetivo de sistematizar as ações pedagógicas de cada profissional da escola. Este documento deverá ser articulado ao Plano
de Ação da Escola e aos Guias de Aprendizagem (no caso da atuação como professor e PCA). Os princípios e as premissas do programa precisarão estar
presentes nas ações pedagógicas que a escola desenvolve; para isso, o programa de ação tem como base o mapa de competências, que é um importante
recurso para mensurar as práticas pedagógicas elaboradas pelos educadores.
Obs.: Consultar Mapa de Competências no Caderno Modelo Pedagógico e de Gestão do Programa Ensino integral – Caderno do Gestor.
PEI EE. DR. CLÓVIS DE ARRUDA CAMPOS
NOME: Adriano Silvestre de Oliveira Junior
FUNÇÃO: Diretor: Sandra Maria Moreira
COE: Cristina Conceição Carvalho Pasiani
COE: Irene Espicaski Storti
PCA da respectiva área:
CGPAC Ciências da Natureza/Matemática: Isabel Cristina dos Santos
CGPG: Marcia Regina de Oliveira Siriani Aparecido
VIGÊNCIA: Anual ÚLTIMA REVISÃO: 2 2 / 0 4 / 2 3
1- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO (Caso exercer mais de uma função, você deverá registrar as atribuições das funções separadamente)
Artigo 6º – São atribuições específicas dos professores das Escolas Estaduais do Programa Ensino Integral, além daquelas inerentes ao respectivo cargo ou função-atividade:
I – elaborar o seu programa de ação com os objetivos, metas e resultados de aprendizagem a serem atingidos;
II – organizar, planejar e executar sua tarefa institucional de forma colaborativa e cooperativa visando ao cumprimento do plano de ação da Escola;
III – planejar, desenvolver e atuar na Parte Diversificada/ Itinerário Formativo e nas atividades complementares;
IV – incentivar e apoiar as atividades de protagonismo juvenil;
V – realizar, obrigatoriamente, a totalidade das atividades de trabalho pedagógico coletivas e individuais no recinto da respectiva escola;
VI – atuar em atividades de tutoria aos estudantes;
VII – participar das orientações técnico-pedagógicas relativas à sua atuação na Escola e de cursos de formação continuada;
VIII – auxiliar, a critério do Diretor e conforme as diretrizes dos órgãos centrais, nas atividades de orientação técnico- -pedagógicas desenvolvidas na Escola;
IX – elaborar Plano de Ensino e Guias de Aprendizagem, sob a orientação do Professor Coordenador de Área;
X – produzir material didático-pedagógico em sua área de atuação e na conformidade do modelo pedagógico próprio da Escola;
XI – substituir, na própria área de conhecimento, sempre que necessário, os professores da Escola em suas ausências e impedimentos legais.
XII – atuar em atividades de mentoria junto aos integrantes do Quadro de Magistério do PEI.
Parágrafo único – As atividades de trabalho pedagógico, de que trata o inciso V deste artigo, poderão ser utilizadas para ações formativas, conforme regulamentação específica.
2- COMPETÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exercer mais de uma função, você deverá registrar as competências
e habilidades necessárias separadamente)
PREMISSAS COMPETÊNCIAS
PROTAGONISMO 1.PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a for-
mar pessoas autônomas, solidárias e competentes, sendo protagonis-
ta em sua própria atuação.
Colocar ação do PIAF, uma de protagismo juvenil e
uma sênior.
FORMAÇÃO CONTINUADA 2.DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO: Domínio de
sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-la e contextua-
lizá-la, relacionando-a à realidade do aluno, à prática, às disciplinas
da Base Nacional Comum, à parte diversificada e aos Projetos de Vida.
Colocar ação do PIAF, uma de protagismo juvenil e
uma sênior.
3.DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO: Busca con-
tínua da aprendizagem e do desenvolvimento como pessoa e profis-
sional, apresentando predisposição para reavaliar suas práticas, tec-
nologias, ferramentas e formas de pensar.
EXCELÊNCIA EM GESTÃO 4.COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO: Demons-
tra determinação para planejar, executar e rever ações, de forma a
atingir os resultados planejados.
CORRESPONSABILIDADE 5.RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve rela-
cionamentos positivos com alunos, professores, funcionários, dire-
ção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável, tendo em
vista o desenvolvimento dos alunos e dos profissionais da escola.
REPLICABILIDADE 6.SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em solucionar
os problemas que identifica, criando caminhos alternativos sempre
que necessário.
7.DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas práticas,
considerando a própria atividade como parte integrante de uma rede.
3– Prioridades, Causas, Resultado Esperado e Descrição da Atividade na Função e Premissas.
IDESP da escola 20 : Meta simulada do IDESP da Escola para 20 :
PRIORIDADES DA ESCOLA
1- Ampliar o engajamento dos
estudantes e tornando-os
protagonistas dos seus Projetos de
Vida.
2- Fortalecer ações que promovam o
protagonismo estudantil.
3- Atualização contínua da equipe,
buscando o domínio do
conhecimento e contextualização.
4- Melhorar os índices obtidos nas
avaliações internas e externas.
5- Garantir a recuperação
contínua dos estudantes.
6- Reduzir o número de ausências no
Ensino Fundamental e Médio.
CAUSAS
1-Um terço dos estudantes sentem
dificuldades ou dúvidas em seu Projeto
de Vida,o que dificulta o exercício pleno
do Protagonismo .
2-Falta maior incentivo a participação
nos projetos interdisciplinares, incluindo
todo corpo discente e envolvimento do
maior número de aluno.
3-Profissionais que precisam buscar
desenvolvimento proativo para reavaliar
suas práticas, estar abertos a mudanças
e aptos para contextualizar novos
conhecimentos (Base Nacional Comum,
Parte Diversificada e Projeto de Vida).
4-Baixo desempenho nas disciplinas de
Língua Portuguesa e Matemática nas
avaliações externas.
5-Defasagem de aprendizagem durante
o percurso seriado.
6- Reflexos da pandemia, condicionaram
os alunos as ausências na escola.
RESULTADO ESPERADO
1-100 % dos estudantes com Projetos de
Vida elaborados
2-90% dos estudantes participando
ativamente de ações de liderança e
tomadas de decisão, compartilhando
ideias e desenvolvendo atitudes solidárias.
3-Engajar todos os profissionais da equipe
escolar na realização de cursos da EFAPE.
100% dos profissionais capazes de
contextualizar o assunto de seu domínio,
relacionando-o com a realidade do aluno,
a prática, as disciplinas da Base Nacional
Comum, a Parte Diversificada e os Projetos
de Vida
100% dos docentes tendo acesso ao
acervo literário da Sala de Leitura,
biblioteca do aluno e do Professor.
4-Retirar 15% dos estudantes do Abaixo
do Básico em Língua Portuguesa e
Matemática no EF
5- Elevar em 15% , estudantes Abaixo do
Básico em Língua Portuguesa e
Matemática no EF
6-90% dos alunos do Ensino Médio
frequentes às aulas em todos os dias.
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE
NA FUNÇÃO
7- Desenvolver o modelo de gestão
da escola integral.
8- Envolver todos os segmentos no
processo de melhoria da
qualidade educacional.
9- Desenvolver ações para melhoria
da convivência entre a
comunidade escolar.
10-Promover o trabalho
interdisciplinar entre o corpo
docente.
11-Promover o compartilhamento de
boas práticas entre os professores
de cada área.
12-Desenvolver em toda a equipe
escolar a habilidade de não focar
somente no problema e sim na
solução.
7- Falta de envolvimento e engajamento
dos pofissionais com o modelo de gestão
do Programa PEI.
8- Falta de ações para o envolvimento da
família na vida escolar do aluno.
9- Falta de empenho na tratativa de
forma adequada e acolhedora entre os
alunos, professores, gestores e
funcionários.
10- Falta de interação cordial entre os
profissionais da escola.
11- Demanda excessiva de atividades e
gerenciamento de tempo .
12-Equipe escolar com visão voltada para
o problema.
7-100% dos profissionais com os
Programas de Ação realizados e
desenvolvidos.
8-90% da comunidade escolar (equipe
escolar, alunos, família, responsáveis e
instituições parceiras) comprometidos
com a melhoria da qualidade da
educação.
9- Melhoria em 80% da convivência
empática, respeitosa e solidária entre os
alunos, professores, gestores e
funcionários.
10-80% dos professores realizando
atividades interdisciplinares na
recuperação contínua.
11-100% da equipe escolar com registros
das boas práticas compartilhados entre os
pares e a rede.
12-100% dos profissionais da escola
realizando estudo sobre o tema resolução
de problemas.
ASPECTOS SUA AÇÃO
PROTAGONISMO 1- Protagonismo Respeito à individualidade • Conhecer através da Tutoria, Projeto de Vida e Eletiva os
alunos em sua individualidade;
• Com diálogo, mostrar-me aberto com os alunos e apoiar os
alunos em seu processo de formação acadêmica, pessoal e
profissional através da tutoria;
• Orientar alunos sobre eventos, ações, projetos e feiras que
possamos fazer uma ação em conjunto (feira de ciências,
interclasse de matemática, FEECESP);
• Desenvolver atividades diferenciadas que atendam as
potencialidades e aprendizagem de cada aluno aos
diferentes níveis de compreensão das habilidades não
adquiridas.
Promoção do Protagonismo
Juvenil
• Viabilizar práticas que potencializam a realização dos
Projetos de Vida dos alunos, propiciando o espaço para que
o aluno seja autônomo e gestor de sua aprendizagem,
promovendo as estratégias elencadas no Guia de
Aprendizagem, ouvindo, apoiando e orientando os alunos
em tomada de decisão responsável;
• Utilizar práticas de ensino-aprendizagem que facilitam a
aprendizagem do aluno através da autonomia nos
conteúdos compartilhados em aula, utilizando métodos de
aprendizagem ativa, dando autonomia e centralidade no
processo de aprendizagem do aluno;
• Apoiar a liderança estudantil através do apadrinhamento
de ações protagonistas como grêmio estudantil e/ou clubes
juvenis.
Protagonismo Sênior • Atuar como educador e orientador na vida escolar e,
através de formação, trazer conteúdos que induzam a um
processo de ensino e aprendizagem criativa em contexto
escolar (projeto “Caça ao tesouro matemático” e
“Construções matemáticas”);
• Aplicar ações dos Modelos de Gestão e Pedagógico do PEI,
alinhados com o PIAF, trabalhando metodologias e
conteúdos diferenciados que potencializem o trabalho com
o Currículo, despertando o interesse e imaginação para o
ensino aprendizagem dos alunos.
ASPECTOS SUA AÇÃO
FORMAÇÃO
CONTINUADA
2- Domínio do conheci-
mento e contextuali-
zação
Domínio do Conhecimento • Demonstrar através do plano de aula e Guia de
Aprendizagem e acompanhemntos de aula pelo PCA
domínio do Currículo do Estado de São Paulo em minha
disciplina;
• Reconhecer os princípios do Currículo do Estado de São
Paulo e sua relação com o Programa Ensino Integral e
dominar o uso dos instrumentos de apoio ao ensino para
que a gestão de minhas atividades atenda às expectativas
dos alunos (conhecer as expectativas dos alunos em
autoavaliação);
• Procurar aprendizado por meio de leituras diversas, filmes
e colocá-los em prática e realizar cursos de
aperfeiçoamento em consonância com o PIAF;
• Estar em formação através de cursos livres.
Didática • Investigar os conhecimentos prévios sobre as habilidades a
serem estudadas, trabalhar as propostas no caderno do
aluno, contextualizando com a realidade e utilizar
instrumentos tecnológicos de apoio ao ensino, como a sala
de informática e aplicativos informatizados;
• Trabalhar práticas relacionadas com o conteúdo abordado
nas aulas da Base Nacional Comum, práticas de ensino e da
aprendizagem que oportunize uma aprendizagem ativa e
significativa, permitindo a participação efetiva dos alunos
em sala de aula;
• Trabalhar través da Aprendizagem Baseada em Projetos
(ABP) a interdisciplinaridade e transversalidade de temas
contemporâneos e criar agrupamentos colaborativos
visando o nivelamento de alunos com habilidades abaixo do
básico;
• Realizar avaliações coerentes com as habilidades previstas
bimestralmente de acordo com o Currículo;
• Promover sondagem investigativa dos conhecimentos
prévios sobre as habilidades a serem estudadas;
• Trabalhar as propostas no caderno do aluno,
contextualizando com a realidade;
• Realizar as avaliações internas diversificadas (trabalhos em
grupos e individuais,avaliações escritas, participação em
sala e portfólio do aluno);
• Utilizar modelos mentais e físicos para fomentar a
elaboração mental e criação de protótipos.
Contextualização • Associar os conceitos da disciplina às demandas dos alunos,
em consonância principalmente ao Projeto de Vida;
• Desenvolver a Parte Diversificada e Temas
Contemporâneos Transversais como forma de aprofundar o
Currículo; Contextualizar as habilidades e competências da
matemática de acordo com o cotidiano do aluno;
• Relacionar o conteúdo de sua disciplina com o de outras
disciplinas da Base Nacional Comum por meio das ementas
das disciplinas eletivas e com o Projeto de Vida.
ASPECTOS SUA AÇÃO
FORMAÇÃO
CONTINUADA
3- Disposição ao auto-
desenvolvimento
contínuo
Formação contínua • Buscar proativamente aprendizados adicionais para minha
prática de exercício da função objetivando a melhoria da
qualidade de minhas aulas e consequente aprendizagem
dos alunos através de cursos de formação e
aperfeiçoamento de acordo com o meu PIAF;
• Buscar sempre me atualizar através de leitura de livros da
sala de leitura, artigos e filmes a respeito do conteúdo de
minha disciplina específica, preparando minhas aulas de
acordo com o Currículo do Estado;
• Participar dos cursos oferecidos pela Secretaria da
Educação e orientações técnicas;
• Participar dos cursos de formação e aperfeiçoamento do
AvaMEC, de acordo com meu PIAF.
Devolutivas • Buscar devolutiva da sua atuação com os alunos,
Professores, Coordenadores e Gestores para se
desenvolver, a partir de indicadores de resultado em
minha disciplina através das avaliações internas e
externas;
• Buscar a devolutiva com os alunos da minha atuação em
sala de aula através de formulários digitais em forma de
autoavaliação;
• Buscar a devolutiva com o PCA da minha atuação em sala
de aula;
• Fazer a devolutiva das atividades avaliativas internas.
Disposição para mudança • Reavaliar a partir das devolutivas, minha atuação frente às
demandas e alinhamentos colocando em prática os
aprendizados adquiridos nos cursos e formações;
• Reavaliar e adaptar quando necessário a prática do ensino
e relações interpessoais, aplicando os conhecimentos
adquiridos nos cursos e formações, e planejar ações de
modo a alcançar os índices propostos no Plano de Ação da
escola;
• Revisar as práticas de ensino, sempre que necessário,
focando sempre na aprendizagem do aluno, elaborando
sequências didáticas para melhor aprendizagem dos
alunos.
ASPECTOS SUA AÇÃO
EXCELÊNCIA EM GESTÃO 4- Comprometimento
com o processo e
resultado
Planejamento • Planejar ações contribuindo para o alcance das metas do
Plano de Ação da escola, verificando as necessidades de
aprendizagem dos alunos e os resultados para que se atinja
a formação integral do aluno;
• Planejar ações de modo a alcançar os índices propostos no
Plano de ação da escola, previstos neste documento;
• Revisar minha prática sempre que necessário focando
sempre na aprendizagem do aluno;
• Elaborar com antecedência as sequências didáticas para a
melhor aprendizagem dos alunos.
Execução • Realizar as ações planejadas utilizando estratégias de
gestão de sala de aula garantindo a aprendizagem dos
alunos;
• Executar as ações de modo a alcançar os índices propostos
no Plano de ação da escola;
• Executar plenamente as habilidades propostas no currículo
do Estado de São Paulo.
Reavaliação • Constantemente reavaliar as ações planejadas a partir da
execução das ações previstas neste documento, planos de
aula e Guia de Aprendizagem e dos resultados observados,
replanejando sempre que necessário;
• Revisar minha prática pedagógica e de relacionamento
para obter melhores resultados na aprendizagem para
alcançar os índices da escola.
ASPECTOS SUA AÇÃO
CORRESPONSABILIDADE 5- Relacionamento e
Corresponsabilidade
Relacionamento
e Colaboração
• Mostrar próximo e construir vínculo positivo com os alunos
e profissionais da escola, estando disponível dentro e fora
da sala de aula;
• Ser capaz de ouvir e valorizar outras pessoas;
• Colaborar com os outros profissionais da escola no dia a dia
(apoiar e oferecer ajuda);
• Contribuir sempre em um clima de respeito e harmonia,
simpatia e solidarismo entre a equipe escolar;
• Colaborar com os projetos em desenvolvimento na escola
(Culminância,eletiva, visitas);
• Valorizar e colaborar com os alunos dentro e fora da aula
para a sua aprendizagem;
• Ter vínculo assertivo com a equipe escolar através de
atendimento e disponibilidade com quem tenha interesse
na área de matemática.
Corresponsabilidade • Atuar na construção de ações que atendam o Plano de
Ação em conjunto com alunos e outros professores;
• Orientar os alunos e criar ambientes para que se tornem
autônomos e responsáveis pela sua aprendizagem;
• Orientar pais e responsáveis sobre o desempenho escolar
dos alunos, incentivando sua participação na vida escolar
destes;
• Participação nos conselhos de Classe juntamente com os
professores e alunos, identificando pontos de melhoria e
acatando os pontos que precisam ser mudados para
melhorar os resultados dos alunos na escola.
ASPECTOS SUA AÇÃO
REPLICABILIDADE 6- Solução e
Criatividade
Visão crítica • Definir e reconhecer pontos de melhoria e avanços dentro
das minhas competências docentes e conhecer o contexto
da comunidade que estou inserido para propor melhorias;
• Criar soluções caminhos alternativos sempre que
necessário para abranger melhores resultados de
aprendizagem.
Foco em solução • Identificar através do Plano de Ação e Conselhos de Classe
focos de melhoria;
• Propor e atuar em ações para melhorar os resultados e
solução de problemas junto aos alunos, criando espaços
cooperativos com foco na solução proposta por ações
protagonistas;
• Propor e implementar ações conjuntas com os demais
profissionais da escola para a melhoria na assiduidade dos
alunos.
Criatividade • Disposição para mudanças na gestão de sala de aula,
implementando novas metodologias de aprendizagem,
avaliação e estratégias de ensino que permitam um ensino
de qualidade;
• Atrvés do protagonismo sênior criar soluções alternativas e
oportunizar a socialização de estratégias em conjunto com
a equipe docente (compartilhamento e sugestões de
leitura de livros de práticas pedagógicas da sala de
leitura);
• Buscar soluções criativas de multiplicação de práticas
docentes através do Laboratório de Metodologias Ativas.
ASPECTOS SUA AÇÃO
REPLICABILIDADE 7- Difusão e
Multiplicação
Registro de boas práticas • Documentar as boas práticas adotadas, possibilitando o seu
compartilhamento com os meus pares;
• Registrar as boas práticas com plano de aula e portfólio
digital;
• Registrar o processo de ensino e aprendizagem
documentando através de fotos e multiplicação das ações
em ATPCA e ATPCG.
Difusão • Multiplicar as boas práticas adotadas por mim e outros
professores junto a outros profissionais da escola;
• Difundir o programa de ensino integral através
apresentações e culminâncias seja dentro ou fora do
espaço escolar, engajando e convidando à paticipação da
vida escolar com os responsáveis ou na comunidade
externa.
Multiplicação • Multiplicar as boas práticas adotadas na escola com
professores de outras escolas;
• Difundir positivamente o Programa Ensino Integral,sendo
um multiplicador para a rede e a comunidade.
CGPG/CGPAC
CGPG: Marcia Regina de O Siriani Aparecido
CGPAC: Isabel Cristina dos Santos
DIRETOR DE ESCOLA:
Sandra Maria Moreira
SUPERVISOR DE ENSINO:
Sandra Cristina Ferreira Verardino
DATA DA ELABORAÇÃO: 20/04/23 DATA DA REVISÃO: 25/04/2023

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
ProfLeandrodosSantos
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
Denise
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógica
tatyathaydes
 
Roteiro para Projeto de Vida
Roteiro para Projeto de VidaRoteiro para Projeto de Vida
Roteiro para Projeto de Vida
Ivanilson Lima
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
DirceGrein
 
Tutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudosTutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudos
ELZA PIRES
 
Plano de Ação Matemática
Plano de Ação MatemáticaPlano de Ação Matemática
Plano de Ação Matemática
Manuel de Abreu
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
Selma Coimbra
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Prof. Noe Assunção
 
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em ComunidadeProjeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Vania Brasileiro
 
Formação para os professores Premissa Formação Continuada
Formação para os professores Premissa Formação ContinuadaFormação para os professores Premissa Formação Continuada
Formação para os professores Premissa Formação Continuada
SandraRombi
 
Contrato pedagógico
Contrato pedagógicoContrato pedagógico
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades Diversas Cláudia
 
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
Blog Amiga da Pedagogia By Nathália
 
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Danilo Padrão
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
Matheus Simoes Masuoka
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
mtolentino1507
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
Arte Tecnologia
 
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe AssunçãoDISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
CARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdfCARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdf
GiselleMoreira13
 

Mais procurados (20)

Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógica
 
Roteiro para Projeto de Vida
Roteiro para Projeto de VidaRoteiro para Projeto de Vida
Roteiro para Projeto de Vida
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
 
Tutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudosTutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudos
 
Plano de Ação Matemática
Plano de Ação MatemáticaPlano de Ação Matemática
Plano de Ação Matemática
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em ComunidadeProjeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
 
Formação para os professores Premissa Formação Continuada
Formação para os professores Premissa Formação ContinuadaFormação para os professores Premissa Formação Continuada
Formação para os professores Premissa Formação Continuada
 
Contrato pedagógico
Contrato pedagógicoContrato pedagógico
Contrato pedagógico
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
 
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
 
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe AssunçãoDISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
 
CARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdfCARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdf
 

Semelhante a Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf

Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Projeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensinoProjeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensino
Maria Cecilia Silva
 
Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva
Fabio Batista
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
www.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
Atividade 6 gestão democrática e participativa- relatos das possibilidades
Atividade 6  gestão democrática e participativa- relatos das possibilidadesAtividade 6  gestão democrática e participativa- relatos das possibilidades
Atividade 6 gestão democrática e participativa- relatos das possibilidades
Ivana MArta da Silva
 
734.pdf
734.pdf734.pdf
734 (3).pdf
734 (3).pdf734 (3).pdf
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
francinethmedeiros
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
AnaCristinaLuizaSouz
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
alyssonfred
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO VILHENA
 
Projeto informática
Projeto informáticaProjeto informática
Projeto informática
William Régis
 
Mapa Estratégico
Mapa EstratégicoMapa Estratégico
Mapa Estratégico
Rafael Souza
 
Compartilhar para crescer
Compartilhar para crescerCompartilhar para crescer
Compartilhar para crescer
Lauri Rene Reis Filho
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Agostinho NSilva
 
343.pdf
343.pdf343.pdf
Projeto de apoio a leitura
Projeto de apoio a leituraProjeto de apoio a leitura
Projeto de apoio a leitura
Miguel Dias
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
jeffcezanne
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
Tati Borlote Varanda
 
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
Agrupamento de Escolas da Batalha
 

Semelhante a Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf (20)

Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
 
Projeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensinoProjeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensino
 
Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva Oficina para Equipe Diretiva
Oficina para Equipe Diretiva
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
 
Atividade 6 gestão democrática e participativa- relatos das possibilidades
Atividade 6  gestão democrática e participativa- relatos das possibilidadesAtividade 6  gestão democrática e participativa- relatos das possibilidades
Atividade 6 gestão democrática e participativa- relatos das possibilidades
 
734.pdf
734.pdf734.pdf
734.pdf
 
734 (3).pdf
734 (3).pdf734 (3).pdf
734 (3).pdf
 
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 
Projeto informática
Projeto informáticaProjeto informática
Projeto informática
 
Mapa Estratégico
Mapa EstratégicoMapa Estratégico
Mapa Estratégico
 
Compartilhar para crescer
Compartilhar para crescerCompartilhar para crescer
Compartilhar para crescer
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
 
343.pdf
343.pdf343.pdf
343.pdf
 
Projeto de apoio a leitura
Projeto de apoio a leituraProjeto de apoio a leitura
Projeto de apoio a leitura
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
 
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
eTwinning, Flexibilidade e Autonomia Curricular – que interações?
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 

Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf

  • 1. Programa de Ação - PEI O Programa de Ação tem o objetivo de sistematizar as ações pedagógicas de cada profissional da escola. Este documento deverá ser articulado ao Plano de Ação da Escola e aos Guias de Aprendizagem (no caso da atuação como professor e PCA). Os princípios e as premissas do programa precisarão estar presentes nas ações pedagógicas que a escola desenvolve; para isso, o programa de ação tem como base o mapa de competências, que é um importante recurso para mensurar as práticas pedagógicas elaboradas pelos educadores. Obs.: Consultar Mapa de Competências no Caderno Modelo Pedagógico e de Gestão do Programa Ensino integral – Caderno do Gestor. PEI EE. DR. CLÓVIS DE ARRUDA CAMPOS NOME: Adriano Silvestre de Oliveira Junior FUNÇÃO: Diretor: Sandra Maria Moreira COE: Cristina Conceição Carvalho Pasiani COE: Irene Espicaski Storti PCA da respectiva área: CGPAC Ciências da Natureza/Matemática: Isabel Cristina dos Santos CGPG: Marcia Regina de Oliveira Siriani Aparecido VIGÊNCIA: Anual ÚLTIMA REVISÃO: 2 2 / 0 4 / 2 3
  • 2. 1- PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO (Caso exercer mais de uma função, você deverá registrar as atribuições das funções separadamente) Artigo 6º – São atribuições específicas dos professores das Escolas Estaduais do Programa Ensino Integral, além daquelas inerentes ao respectivo cargo ou função-atividade: I – elaborar o seu programa de ação com os objetivos, metas e resultados de aprendizagem a serem atingidos; II – organizar, planejar e executar sua tarefa institucional de forma colaborativa e cooperativa visando ao cumprimento do plano de ação da Escola; III – planejar, desenvolver e atuar na Parte Diversificada/ Itinerário Formativo e nas atividades complementares; IV – incentivar e apoiar as atividades de protagonismo juvenil; V – realizar, obrigatoriamente, a totalidade das atividades de trabalho pedagógico coletivas e individuais no recinto da respectiva escola; VI – atuar em atividades de tutoria aos estudantes; VII – participar das orientações técnico-pedagógicas relativas à sua atuação na Escola e de cursos de formação continuada; VIII – auxiliar, a critério do Diretor e conforme as diretrizes dos órgãos centrais, nas atividades de orientação técnico- -pedagógicas desenvolvidas na Escola; IX – elaborar Plano de Ensino e Guias de Aprendizagem, sob a orientação do Professor Coordenador de Área; X – produzir material didático-pedagógico em sua área de atuação e na conformidade do modelo pedagógico próprio da Escola; XI – substituir, na própria área de conhecimento, sempre que necessário, os professores da Escola em suas ausências e impedimentos legais. XII – atuar em atividades de mentoria junto aos integrantes do Quadro de Magistério do PEI. Parágrafo único – As atividades de trabalho pedagógico, de que trata o inciso V deste artigo, poderão ser utilizadas para ações formativas, conforme regulamentação específica. 2- COMPETÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA DESEMPENHAR AS ATRIBUIÇÕES (Caso exercer mais de uma função, você deverá registrar as competências e habilidades necessárias separadamente)
  • 3. PREMISSAS COMPETÊNCIAS PROTAGONISMO 1.PROTAGONISMO: Promove o protagonismo juvenil, ajudando a for- mar pessoas autônomas, solidárias e competentes, sendo protagonis- ta em sua própria atuação. Colocar ação do PIAF, uma de protagismo juvenil e uma sênior. FORMAÇÃO CONTINUADA 2.DOMÍNIO DO CONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO: Domínio de sua área de conhecimento, sendo capaz de comunicá-la e contextua- lizá-la, relacionando-a à realidade do aluno, à prática, às disciplinas da Base Nacional Comum, à parte diversificada e aos Projetos de Vida. Colocar ação do PIAF, uma de protagismo juvenil e uma sênior. 3.DISPOSIÇÃO AO AUTODESENVOLVIMENTO CONTÍNUO: Busca con- tínua da aprendizagem e do desenvolvimento como pessoa e profis- sional, apresentando predisposição para reavaliar suas práticas, tec- nologias, ferramentas e formas de pensar. EXCELÊNCIA EM GESTÃO 4.COMPROMETIMENTO COM O PROCESSO E RESULTADO: Demons- tra determinação para planejar, executar e rever ações, de forma a atingir os resultados planejados. CORRESPONSABILIDADE 5.RELACIONAMENTO E CORRESPONSABILIDADE: Desenvolve rela- cionamentos positivos com alunos, professores, funcionários, dire- ção, pais e responsáveis e atua de forma corresponsável, tendo em vista o desenvolvimento dos alunos e dos profissionais da escola. REPLICABILIDADE 6.SOLUÇÃO E CRIATIVIDADE: Tem visão crítica e foca em solucionar os problemas que identifica, criando caminhos alternativos sempre que necessário. 7.DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO: Difunde e compartilha boas práticas, considerando a própria atividade como parte integrante de uma rede.
  • 4. 3– Prioridades, Causas, Resultado Esperado e Descrição da Atividade na Função e Premissas. IDESP da escola 20 : Meta simulada do IDESP da Escola para 20 : PRIORIDADES DA ESCOLA 1- Ampliar o engajamento dos estudantes e tornando-os protagonistas dos seus Projetos de Vida. 2- Fortalecer ações que promovam o protagonismo estudantil. 3- Atualização contínua da equipe, buscando o domínio do conhecimento e contextualização. 4- Melhorar os índices obtidos nas avaliações internas e externas. 5- Garantir a recuperação contínua dos estudantes. 6- Reduzir o número de ausências no Ensino Fundamental e Médio. CAUSAS 1-Um terço dos estudantes sentem dificuldades ou dúvidas em seu Projeto de Vida,o que dificulta o exercício pleno do Protagonismo . 2-Falta maior incentivo a participação nos projetos interdisciplinares, incluindo todo corpo discente e envolvimento do maior número de aluno. 3-Profissionais que precisam buscar desenvolvimento proativo para reavaliar suas práticas, estar abertos a mudanças e aptos para contextualizar novos conhecimentos (Base Nacional Comum, Parte Diversificada e Projeto de Vida). 4-Baixo desempenho nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática nas avaliações externas. 5-Defasagem de aprendizagem durante o percurso seriado. 6- Reflexos da pandemia, condicionaram os alunos as ausências na escola. RESULTADO ESPERADO 1-100 % dos estudantes com Projetos de Vida elaborados 2-90% dos estudantes participando ativamente de ações de liderança e tomadas de decisão, compartilhando ideias e desenvolvendo atitudes solidárias. 3-Engajar todos os profissionais da equipe escolar na realização de cursos da EFAPE. 100% dos profissionais capazes de contextualizar o assunto de seu domínio, relacionando-o com a realidade do aluno, a prática, as disciplinas da Base Nacional Comum, a Parte Diversificada e os Projetos de Vida 100% dos docentes tendo acesso ao acervo literário da Sala de Leitura, biblioteca do aluno e do Professor. 4-Retirar 15% dos estudantes do Abaixo do Básico em Língua Portuguesa e Matemática no EF 5- Elevar em 15% , estudantes Abaixo do Básico em Língua Portuguesa e Matemática no EF 6-90% dos alunos do Ensino Médio frequentes às aulas em todos os dias. DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE NA FUNÇÃO
  • 5. 7- Desenvolver o modelo de gestão da escola integral. 8- Envolver todos os segmentos no processo de melhoria da qualidade educacional. 9- Desenvolver ações para melhoria da convivência entre a comunidade escolar. 10-Promover o trabalho interdisciplinar entre o corpo docente. 11-Promover o compartilhamento de boas práticas entre os professores de cada área. 12-Desenvolver em toda a equipe escolar a habilidade de não focar somente no problema e sim na solução. 7- Falta de envolvimento e engajamento dos pofissionais com o modelo de gestão do Programa PEI. 8- Falta de ações para o envolvimento da família na vida escolar do aluno. 9- Falta de empenho na tratativa de forma adequada e acolhedora entre os alunos, professores, gestores e funcionários. 10- Falta de interação cordial entre os profissionais da escola. 11- Demanda excessiva de atividades e gerenciamento de tempo . 12-Equipe escolar com visão voltada para o problema. 7-100% dos profissionais com os Programas de Ação realizados e desenvolvidos. 8-90% da comunidade escolar (equipe escolar, alunos, família, responsáveis e instituições parceiras) comprometidos com a melhoria da qualidade da educação. 9- Melhoria em 80% da convivência empática, respeitosa e solidária entre os alunos, professores, gestores e funcionários. 10-80% dos professores realizando atividades interdisciplinares na recuperação contínua. 11-100% da equipe escolar com registros das boas práticas compartilhados entre os pares e a rede. 12-100% dos profissionais da escola realizando estudo sobre o tema resolução de problemas.
  • 6. ASPECTOS SUA AÇÃO PROTAGONISMO 1- Protagonismo Respeito à individualidade • Conhecer através da Tutoria, Projeto de Vida e Eletiva os alunos em sua individualidade; • Com diálogo, mostrar-me aberto com os alunos e apoiar os alunos em seu processo de formação acadêmica, pessoal e profissional através da tutoria; • Orientar alunos sobre eventos, ações, projetos e feiras que possamos fazer uma ação em conjunto (feira de ciências, interclasse de matemática, FEECESP); • Desenvolver atividades diferenciadas que atendam as potencialidades e aprendizagem de cada aluno aos diferentes níveis de compreensão das habilidades não adquiridas. Promoção do Protagonismo Juvenil • Viabilizar práticas que potencializam a realização dos Projetos de Vida dos alunos, propiciando o espaço para que o aluno seja autônomo e gestor de sua aprendizagem, promovendo as estratégias elencadas no Guia de Aprendizagem, ouvindo, apoiando e orientando os alunos em tomada de decisão responsável; • Utilizar práticas de ensino-aprendizagem que facilitam a aprendizagem do aluno através da autonomia nos conteúdos compartilhados em aula, utilizando métodos de aprendizagem ativa, dando autonomia e centralidade no processo de aprendizagem do aluno; • Apoiar a liderança estudantil através do apadrinhamento de ações protagonistas como grêmio estudantil e/ou clubes juvenis.
  • 7. Protagonismo Sênior • Atuar como educador e orientador na vida escolar e, através de formação, trazer conteúdos que induzam a um processo de ensino e aprendizagem criativa em contexto escolar (projeto “Caça ao tesouro matemático” e “Construções matemáticas”); • Aplicar ações dos Modelos de Gestão e Pedagógico do PEI, alinhados com o PIAF, trabalhando metodologias e conteúdos diferenciados que potencializem o trabalho com o Currículo, despertando o interesse e imaginação para o ensino aprendizagem dos alunos.
  • 8. ASPECTOS SUA AÇÃO FORMAÇÃO CONTINUADA 2- Domínio do conheci- mento e contextuali- zação Domínio do Conhecimento • Demonstrar através do plano de aula e Guia de Aprendizagem e acompanhemntos de aula pelo PCA domínio do Currículo do Estado de São Paulo em minha disciplina; • Reconhecer os princípios do Currículo do Estado de São Paulo e sua relação com o Programa Ensino Integral e dominar o uso dos instrumentos de apoio ao ensino para que a gestão de minhas atividades atenda às expectativas dos alunos (conhecer as expectativas dos alunos em autoavaliação); • Procurar aprendizado por meio de leituras diversas, filmes e colocá-los em prática e realizar cursos de aperfeiçoamento em consonância com o PIAF; • Estar em formação através de cursos livres. Didática • Investigar os conhecimentos prévios sobre as habilidades a serem estudadas, trabalhar as propostas no caderno do aluno, contextualizando com a realidade e utilizar instrumentos tecnológicos de apoio ao ensino, como a sala de informática e aplicativos informatizados; • Trabalhar práticas relacionadas com o conteúdo abordado nas aulas da Base Nacional Comum, práticas de ensino e da aprendizagem que oportunize uma aprendizagem ativa e significativa, permitindo a participação efetiva dos alunos em sala de aula; • Trabalhar través da Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP) a interdisciplinaridade e transversalidade de temas contemporâneos e criar agrupamentos colaborativos visando o nivelamento de alunos com habilidades abaixo do básico; • Realizar avaliações coerentes com as habilidades previstas
  • 9. bimestralmente de acordo com o Currículo; • Promover sondagem investigativa dos conhecimentos prévios sobre as habilidades a serem estudadas; • Trabalhar as propostas no caderno do aluno, contextualizando com a realidade; • Realizar as avaliações internas diversificadas (trabalhos em grupos e individuais,avaliações escritas, participação em sala e portfólio do aluno); • Utilizar modelos mentais e físicos para fomentar a elaboração mental e criação de protótipos. Contextualização • Associar os conceitos da disciplina às demandas dos alunos, em consonância principalmente ao Projeto de Vida; • Desenvolver a Parte Diversificada e Temas Contemporâneos Transversais como forma de aprofundar o Currículo; Contextualizar as habilidades e competências da matemática de acordo com o cotidiano do aluno; • Relacionar o conteúdo de sua disciplina com o de outras disciplinas da Base Nacional Comum por meio das ementas das disciplinas eletivas e com o Projeto de Vida.
  • 10. ASPECTOS SUA AÇÃO FORMAÇÃO CONTINUADA 3- Disposição ao auto- desenvolvimento contínuo Formação contínua • Buscar proativamente aprendizados adicionais para minha prática de exercício da função objetivando a melhoria da qualidade de minhas aulas e consequente aprendizagem dos alunos através de cursos de formação e aperfeiçoamento de acordo com o meu PIAF; • Buscar sempre me atualizar através de leitura de livros da sala de leitura, artigos e filmes a respeito do conteúdo de minha disciplina específica, preparando minhas aulas de acordo com o Currículo do Estado; • Participar dos cursos oferecidos pela Secretaria da Educação e orientações técnicas; • Participar dos cursos de formação e aperfeiçoamento do AvaMEC, de acordo com meu PIAF. Devolutivas • Buscar devolutiva da sua atuação com os alunos, Professores, Coordenadores e Gestores para se desenvolver, a partir de indicadores de resultado em minha disciplina através das avaliações internas e externas; • Buscar a devolutiva com os alunos da minha atuação em sala de aula através de formulários digitais em forma de autoavaliação; • Buscar a devolutiva com o PCA da minha atuação em sala de aula; • Fazer a devolutiva das atividades avaliativas internas.
  • 11. Disposição para mudança • Reavaliar a partir das devolutivas, minha atuação frente às demandas e alinhamentos colocando em prática os aprendizados adquiridos nos cursos e formações; • Reavaliar e adaptar quando necessário a prática do ensino e relações interpessoais, aplicando os conhecimentos adquiridos nos cursos e formações, e planejar ações de modo a alcançar os índices propostos no Plano de Ação da escola; • Revisar as práticas de ensino, sempre que necessário, focando sempre na aprendizagem do aluno, elaborando sequências didáticas para melhor aprendizagem dos alunos.
  • 12. ASPECTOS SUA AÇÃO EXCELÊNCIA EM GESTÃO 4- Comprometimento com o processo e resultado Planejamento • Planejar ações contribuindo para o alcance das metas do Plano de Ação da escola, verificando as necessidades de aprendizagem dos alunos e os resultados para que se atinja a formação integral do aluno; • Planejar ações de modo a alcançar os índices propostos no Plano de ação da escola, previstos neste documento; • Revisar minha prática sempre que necessário focando sempre na aprendizagem do aluno; • Elaborar com antecedência as sequências didáticas para a melhor aprendizagem dos alunos. Execução • Realizar as ações planejadas utilizando estratégias de gestão de sala de aula garantindo a aprendizagem dos alunos; • Executar as ações de modo a alcançar os índices propostos no Plano de ação da escola; • Executar plenamente as habilidades propostas no currículo do Estado de São Paulo. Reavaliação • Constantemente reavaliar as ações planejadas a partir da execução das ações previstas neste documento, planos de aula e Guia de Aprendizagem e dos resultados observados, replanejando sempre que necessário; • Revisar minha prática pedagógica e de relacionamento para obter melhores resultados na aprendizagem para alcançar os índices da escola.
  • 13. ASPECTOS SUA AÇÃO CORRESPONSABILIDADE 5- Relacionamento e Corresponsabilidade Relacionamento e Colaboração • Mostrar próximo e construir vínculo positivo com os alunos e profissionais da escola, estando disponível dentro e fora da sala de aula; • Ser capaz de ouvir e valorizar outras pessoas; • Colaborar com os outros profissionais da escola no dia a dia (apoiar e oferecer ajuda); • Contribuir sempre em um clima de respeito e harmonia, simpatia e solidarismo entre a equipe escolar; • Colaborar com os projetos em desenvolvimento na escola (Culminância,eletiva, visitas); • Valorizar e colaborar com os alunos dentro e fora da aula para a sua aprendizagem; • Ter vínculo assertivo com a equipe escolar através de atendimento e disponibilidade com quem tenha interesse na área de matemática. Corresponsabilidade • Atuar na construção de ações que atendam o Plano de Ação em conjunto com alunos e outros professores; • Orientar os alunos e criar ambientes para que se tornem autônomos e responsáveis pela sua aprendizagem; • Orientar pais e responsáveis sobre o desempenho escolar dos alunos, incentivando sua participação na vida escolar destes; • Participação nos conselhos de Classe juntamente com os professores e alunos, identificando pontos de melhoria e acatando os pontos que precisam ser mudados para melhorar os resultados dos alunos na escola.
  • 14. ASPECTOS SUA AÇÃO REPLICABILIDADE 6- Solução e Criatividade Visão crítica • Definir e reconhecer pontos de melhoria e avanços dentro das minhas competências docentes e conhecer o contexto da comunidade que estou inserido para propor melhorias; • Criar soluções caminhos alternativos sempre que necessário para abranger melhores resultados de aprendizagem. Foco em solução • Identificar através do Plano de Ação e Conselhos de Classe focos de melhoria; • Propor e atuar em ações para melhorar os resultados e solução de problemas junto aos alunos, criando espaços cooperativos com foco na solução proposta por ações protagonistas; • Propor e implementar ações conjuntas com os demais profissionais da escola para a melhoria na assiduidade dos alunos. Criatividade • Disposição para mudanças na gestão de sala de aula, implementando novas metodologias de aprendizagem, avaliação e estratégias de ensino que permitam um ensino de qualidade; • Atrvés do protagonismo sênior criar soluções alternativas e oportunizar a socialização de estratégias em conjunto com a equipe docente (compartilhamento e sugestões de leitura de livros de práticas pedagógicas da sala de leitura); • Buscar soluções criativas de multiplicação de práticas docentes através do Laboratório de Metodologias Ativas.
  • 15. ASPECTOS SUA AÇÃO REPLICABILIDADE 7- Difusão e Multiplicação Registro de boas práticas • Documentar as boas práticas adotadas, possibilitando o seu compartilhamento com os meus pares; • Registrar as boas práticas com plano de aula e portfólio digital; • Registrar o processo de ensino e aprendizagem documentando através de fotos e multiplicação das ações em ATPCA e ATPCG. Difusão • Multiplicar as boas práticas adotadas por mim e outros professores junto a outros profissionais da escola; • Difundir o programa de ensino integral através apresentações e culminâncias seja dentro ou fora do espaço escolar, engajando e convidando à paticipação da vida escolar com os responsáveis ou na comunidade externa. Multiplicação • Multiplicar as boas práticas adotadas na escola com professores de outras escolas; • Difundir positivamente o Programa Ensino Integral,sendo um multiplicador para a rede e a comunidade.
  • 16. CGPG/CGPAC CGPG: Marcia Regina de O Siriani Aparecido CGPAC: Isabel Cristina dos Santos DIRETOR DE ESCOLA: Sandra Maria Moreira SUPERVISOR DE ENSINO: Sandra Cristina Ferreira Verardino DATA DA ELABORAÇÃO: 20/04/23 DATA DA REVISÃO: 25/04/2023