SlideShare uma empresa Scribd logo
Coloqu� mai� sabor
  n� se� di� � di�
 Inclua pescado na sua alimentação




 PeScaDO: DicaS e ReceitaS
Incluir um bom
pescado na dieta
traz mais saúde
Comer pescado é saboroso e saudável. O consumo regular de pescado traz
benefícios à saúde. De modo geral, os peixes são fonte de aminoácidos
essenciais, que ajudam a formar as proteínas necessárias para o
crescimento e a manutenção de nosso organismo. São também fontes
importantes de ferro, vitamina B12, cálcio e gorduras fundamentais ao
bom funcionamento do corpo.

O Brasil tem pescado para todos os gostos. e milhares de homens e
mulheres vivem da pesca ou do cultivo. Pela importância do pescado
para a população, o Governo Federal estimula o seu consumo por meio
de campanhas como a Semana do Peixe.

Nesta publicação, o Ministério da Pesca e Aquicultura apresenta dicas
sobre pescado e receitas de sucesso.
Por que pescado
faz bem?
Vários tipos de pescado são fontes de ômega 3, que é encontrado
principalmente em peixes como atum, pintado, sardinha, arenque,
anchova, tainha, bacalhau e truta. O ômega 3 auxilia na manutenção
de níveis adequados de triglicerídeos, desde que associado a uma
alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis. Tanto os peixes de
rio como de mar fazem bem à saúde.

Para ter esses benefícios é preciso
consumir de 1 a 2g de ômega 3 por dia.

O aumento do consumo de peixe é um ótimo caminho para se alcançar
uma alimentação saudável. Por isso, é importante estimular esse hábito
em crianças e adolescentes. O teor de gordura nos peixes é baixo, fazendo
deles uma ótima opção de proteína. O Ministério da Saúde recomenda o
consumo de pelo menos duas porções de peixe por semana.

Você costuma comer peixe
com qual frequência?
  ( ) Não consumo
  ( ) Somente algumas vezes no ano
  ( ) 1 vez por semana
  ( ) 2 ou mais vezes por semana

Definição de pescado: peixes, crustáceos, moluscos, anfíbios, répteis e
mamíferos de água doce ou salgada, usados na alimentação humana.
O que observar ao
comprar pescado
Observe a limpeza do local, a higiene dos atendentes e a forma de
conservação do pescado, onde ele estiver sendo comercializado.

Fresco e resfriado

Quando o pescado for fresco, observe a temperatura do balcão
refrigerado (deve ser inferior a 4°C). Quando o pescado for mantido em
caixas térmicas ou isopor, deve estar totalmente envolvido pelo gelo.

O pescado fresco possibilita ao consumidor verificar a qualidade do
alimento pelo odor, textura e coloração.
    ƒƒ Deve ter pele firme, bem aderida, úmida
       e sem a presença de manchas.
    ƒƒ Os olhos devem ser brilhantes e salientes.
    ƒƒ As escamas devem ser unidas entre si,
       brilhantes e fortemente aderidas à pele.
    ƒƒ As brânquias (guelras) devem ter cor que vai do rosa ao
       vermelho intenso, ser brilhantes e sem viscosidade.
    ƒƒ Os crustáceos devem ter cor própria da espécie e não
       apresentar cor alaranjada ou negra na carapaça.
    ƒƒ Os mariscos frescos só podem ser vendidos vivos.
    ƒƒ Polvos e lulas devem ter carne consistente e elástica.
    ƒƒ Odor característico e não repugnante.
    ƒƒ Livre de contaminantes (como areia, pedaços de
       metais, plásticos, combustíveis, sabão e moscas).
Receita

Peixe assado com molho de uva
Rendimento: 900g
Porção: 1 filé com 2 colheres de sopa de molho (115g)
Nível de dificuldade: médio
In gr e d i e n t e s	                      M edida ca seira
Peixe inteiro limpo. . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade pequena
Uva verde sem caroço. . . . . . . . . . . . . 1 cacho (8 colheres de sopa)
Açúcar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 colher de sopa
Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade pequena
Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 dentes
Alho-poró. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 colheres de sopa
Azeite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de sopa
Sal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de sopa
Pimenta-do-reino. . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de chá
Caldo de vegetais. . . . . . . . . . . . . . . . . 4 xícaras
Modo de preparo
1.	 Preparar o caldo de vegetais com todos os ingredientes cortados.
    Cozinhar por cerca de 30 minutos em fogo baixo. Reservar.
2.	 Molho: refogar a cebola picada, o alho picado e o
    alho-poró picado no azeite, acrescentar o açúcar e o
    fundo de vegetais e deixar reduzir à metade.
3.	 Acrescentar as uvas cortadas ao meio.
4.	 Peixe: temperar o peixe com sal e pimenta e assar em forma
    untada envolta em papel laminado por 40 minutos.
5.	 Servir o peixe com o molho.
Congelado
O pescado congelado industrialmente é submetido a temperaturas
inferiores a -25°C e depois mantido obrigatoriamente a temperaturas
inferiores a -15°C.

O congelamento industrial é feito muito rapidamente, de forma que
conserva melhor e diminui a perda de qualidade e umidade do pescado.

O congelamento é um eficiente meio de manter a qualidade do pescado,
porém a data de validade deve ser sempre verificada.

     Sempre adquira o pescado (fresco,
   refrigerado ou congelado) ao final das
   compras. Isso facilitará a manutenção
          da qualidade do alimento.
Receita

MOQueCA CAPixABA
Rendimento: 3,2kg
Porção: 2 colheres de servir (150g)
Nível de dificuldade: baixo
I n gr e d I e n t e s                             MedIda ca seIra
Postas de dourado . . . . . . . . . . . . . . . 13 postas pequenas
Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 dentes grandes
Tomate em cubos e em rodelas . . . 8 tomates médios
Cebola fatiada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 cebolas
Cebolinha picada . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço
Coentro picado . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço
Colorau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de chá
Sal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 colheres de sopa
Limão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade grande
Azeite de oliva . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de sopa
Modo de preparo
1. Temperar o peixe com o suco de limão.
2. em uma panela de barro, aquecer o azeite, acrescentar
   o alho e refogar, mexendo por 4 minutos.
3. Adicionar o sal e o colorau e mexer.
4. Faça uma cama: forre o fundo da panela de barro com um pouco de
   cebola picada em cubos, tomate picado em cubos e coentro picado.
5. Coloque as postas de peixe por cima dos temperos,
   uma ao lado da outra.
6. em seguida, acrescente o restante da cebola, do tomate em
   rodelas e do coentro picado, finalizando com a cebolinha. Adicionar
   250ml de água, tampar a panela e cozinhar por 3 minutos.
7. O cozimento deve ser feito em fogo baixo
   por uns 15 minutos após a fervura.
Seco
cuidados na compra do pescado seco
  ƒ Deve estar armazenado em local limpo,
    protegido de poeira e insetos.
  ƒ Ausência de mofo, ovos ou larvas de moscas,
    manchas escuras ou avermelhadas, limosidade
    superficial, amolecimento e odor desagradável.

As espécies Gadus morhua (cod) e Gadus macrocephalus podem ser
comercializadas como bacalhau, enquanto os pescados Saithe, Ling e
Zarbo devem ser comercializados como peixe salgado seco tipo bacalhau
salgado seco.

Na região Norte do país há um crescente consumo de pirarucu
seco salgado.
Receita

BOBÓ MARANheNSe
Rendimento: 840g
Porção: 3 colheres de sopa (130g)
Nível de dificuldade: médio
I n gr e d I e n t e s                         MedIda ca seIra
Vinagreira cozida . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço
João-gomes cozido . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço
Quiabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 unidades
Pimentão verde . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/6 de unidade
Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 unidade pequena
Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 e 1/2 dentes
Tomate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade pequena
Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de café
Camarão seco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 prato de sopa cheio
Modo de preparo
1. Retirar o excesso de sal do camarão em água gelada por
   cerca de 30 minutos, trocando a água por 3 vezes.
2. Refogar com o óleo, a cebola, o alho, o tomate e o
   pimentão verde, picados em pequenos cubos.
3. em seguida, acrescentar o camarão seco (escorrido e picado
   em cubos), a vinagreira, o joão-gomes e o quiabo picados,
   sendo o quiabo em cubos bem pequenos ou batido no
   liquidificador ou no processador, junto com o camarão.
4. Cobrir o preparo com água e cozinhar até o quiabo ficar macio.
Enlatado ou
em conserva
O pescado em conserva é armazenado em recipientes herméticos, sem
conservantes, podendo ser vendido nas seguintes categorias:
   ƒƒ Ao natural: é o pescado armazenado com salmoura
      fraca, adicionada ou não de temperos.
   ƒƒ Em azeite ou em óleos comestíveis: é o pescado
      armazenado em azeite de oliva ou em outro óleo
      comestível, adicionado ou não de temperos.

O enlatamento é um método de processamento dos mais utilizados na
conservação do pescado.

O rápido cozimento dos alimentos enlatados, por ser processado sob
altas temperaturas, permite muitas vezes que os nutrientes sejam
conservados, mantendo assim a maioria das qualidades nutricionais
do pescado.

      Cuidado ambiental: procure saber
      se o pescado consumido está no
       tamanho e período permitidos.
Receita

SALADA De ATuM
Rendimento: 360g
Porção: 3 colheres de sopa (90g)
Nível de dificuldade: fácil
I n gr e d I e n t e s                         MedIda ca seIra
Atum em conserva de
água e sal escorrido . . . . . . . . . . . . . 1 lata
Tomate maduro . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 unidades médias
Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade média
Folhas verdes (alface, rúcula,
espinafre ou outro folhoso
de sua preferência) . . . . . . . . . . . . . . 1 pé ou 1 maço
Vinagre
Azeite
Limão
Temperos a gosto (sal, cheiro-verde,
pimenta-do-reino)
Modo de preparo
1. Lavar bem os tomates e picar em cubos grandes.
2. Lavar as folhas e deixá-las em solução de água e hipoclorito de
   sódio, conforme diluição e tempo orientados pelo fabricante.
3. Cortar a cebola em rodelas finas.
4. Numa tigela, misturar o atum escorrido, a
   cebola e o tomate. Temperar a gosto.
5. escorrer as folhas, sem enxaguá-las.
6. em vasilha ou travessa, fazer uma cama com as folhas.
7. Colocar o atum temperado e servir em seguida.
Atenção à embalagem

O rótulo dos produtos comercializados no Brasil deve apresentar as
seguintes informações obrigatórias:
1.	 Nome do produto.
2.	 Lista de ingredientes em ordem decrescente de
    quantidade, isto é, o ingrediente que estiver em maior
    quantidade deve vir primeiro, e assim por diante.
3.	 Conteúdo líquido (quantidade ou volume que o produto apresenta).
4.	 Identificação da origem (identificação do país
    ou local de produção daquele produto).
5.	 Identificação do lote.
6.	 Data de fabricação.
7.	 Prazo de validade: o dia e o mês para produtos com
    duração mínima menor do que 3 meses e o mês e o ano
    para produtos com duração superior a 3 meses.
8.	 Instruções para o uso, quando necessário.
9.	 Selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF), Serviço
    de Inspeção Estadual ou Municipal.

Obs.: No caso de produtos importados, as informações acima devem
estar em português.

Os produtores de pescado embalado devem ainda declarar a rotulagem
nutricional obrigatória com as seguintes informações: valor energético,
carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras
trans, fibra alimentar e sódio.
Fonte: Instrução Normativa MAPA nº 22, de 24/11/2005
Resolução – RDC Anvisa nº 360, de 23/12/2003
Dicas de preparo
  ƒƒ Lavar as mãos com água e sabão antes do
     início da preparação do pescado.
  ƒƒ Manter limpo o local de preparo, as superfícies e os utensílios.
  ƒƒ Lavar os utensílios usados no preparo de pescado
     cru antes de utilizá-los em pescado cozido.
  ƒƒ Não deixar o pescado cozido à temperatura ambiente por mais de 2 horas.
  ƒƒ Ficar atento às orientações de conservação fornecidas pelo fabricante.
  ƒƒ Grelhar, assar e cozer a vapor são as melhores maneiras
     de preparar o pescado, mantendo suas propriedades
     nutricionais e seus benefícios para a saúde.
  ƒƒ O segredo para manter a carne do peixe úmida e saborosa
     reside em aproveitar os sucos e a gordura natural.
  ƒƒ A regra número um é preservar a umidade e as
     propriedades nutricionais, evitando o fogo direto.
  ƒƒ Assar e grelhar funcionam bem para os peixes gordos.
  ƒƒ O pescado frito pode absorver óleo e destruir
     parte do ômega 3 e das vitaminas.
  ƒƒ Cozinhar o pescado em excesso prejudica seu aroma, sabor e textura.
  ƒƒ Retirar o couro do peixe antes de consumi-lo. A gordura saudável
     presente nos peixes está concentrada principalmente
     em sua carne e não em seu couro.
  ƒƒ Utilizar temperos naturais para preparar peixes, tais
     como cebolinha, cebola, alho, orégano, manjericão,
     manjerona, cominho, noz-moscada, louro, etc.
Peixes
 ƒ evite cozinhar demais os filés e postas de peixes.
 ƒ Cozinhe em calor moderado cerca de 5 a 8
   minutos, dependendo da espessura.
 ƒ Quando estiver pronto, a carne parecerá mais branca.
 ƒ Os peixes cozinham depressa e continuam a
   cozinhar mesmo após retirados do calor. É preciso
   atenção para que não passem do ponto.
 ƒ Para saber o ponto de cozimento, insira um garfo na parte
   mais grossa e delicadamente tente parti-la. Se estiver
   no ponto, ele se abrirá facilmente. Se o peixe for inteiro,
   a carne tenderá a separar-se da espinha dorsal.
 ƒ Consuma logo que possível.
Peixes Salgados
 ƒ O maior segredo para preparar um bom peixe salgado é
   dessalgá-lo da maneira adequada, para evitar que o teor
   de sódio no alimento fique alto. Deve-se colocar o peixe
   com pele e já cortado na água gelada e dentro da geladeira,
   trocando-se a água do recipiente três vezes por dia. Dentro
   do recipiente, também é indicado colocar pedras de gelo
   para garantir o sabor do peixe e evitar que ele se desfaça.
 ƒ O peixe salgado não deve ser fervido, a não ser que a receita ou
   o preparo indiquem, pois a fervura prejudica o paladar e resseca
   o peixe. Deve ser sempre preparado em água a ferver, ou seja,
   em fogo brando, sem borbulhar. A água de cozimento pode
   ser aproveitada para cozinhar batatas ou arroz aromatizado.
Receita

PiRARuCu De CASACA
Rendimento: 2kg
Porção: 1 pedaço médio (200g)
Nível de dificuldade: médio
I n gr e d I e n t e s                             MedIda ca seIra
Pirarucu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 lombo
Tomate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade grande
Pimentão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade média
Leite de coco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 vidro pequeno
Farinha de uarini . . . . . . . . . . . . . . . . 2 xícaras de chá
Banana-pacova . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 unidades
uva-passa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 xícara de chá
Azeite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 colheres de sopa
Ovo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade
Água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1/4 xícara de chá
Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1/2 unidade
Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de chá
Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 dentes de alho
Modo de preparo
1. Dessalgar o pirarucu na véspera do preparo, colocando
    o peixe de molho e trocando a água pelo menos
    5 vezes, sempre deixando na geladeira.
2. Colocar água para ferver e, quando estiver
    em ebulição, acrescentar o pirarucu.
3. Ferver por 3 minutos e retirar o peixe.
4. Separar as lascas, retirando as espinhas, e reservar.
5. Cortar a cebola, o alho, o pimentão e o tomate, sem
    casca e sem semente, em cubos pequenos.
6. Aquecer uma panela e adicionar 1 colher de chá de óleo.
7. Colocar a cebola picada e, quando estiver bem cozida, adicionar
    o alho, o pimentão, o tomate e o leite de coco e reservar.
8. em um recipiente, colocar a farinha de uarini e misturar com o azeite.
9. em um refratário, dispor uma camada com a farinha
    misturada com o azeite, outra com o peixe em lascas e outra
    com o refogado de tomate, pimentão, cebola, alho e leite
    de coco e ovo cozido cortado em rodelas e reservar.
10. Cortar a banana em fatias compridas e assar em
    forno aquecido a 150°C por 10 minutos.
11. Colocar a banana assada sobre as demais camadas
    do refratário e salpicar por cima a uva-passa.
12. Levar ao forno pré-aquecido (200°C) por 20 minutos e servir.
Lagostas
e Camarões
A melhor maneira de cozer lagostas e
camarões, mantendo sua textura, é:
  ƒƒ Ferver 2 1/2 litros de água, acrescentar sal a gosto e baixar o
     fogo, mantendo o vapor e a formação de pequenas bolhas.
  ƒƒ Acrescentar as lagostas e camarões à água fervente.
  ƒƒ Cozinhar por 3 a 4 minutos. Os camarões estão
     prontos quando começam a boiar.
  ƒƒ Em caso de preparo de molhos, os camarões devem ser os últimos
     ingredientes a ser colocados. As lagostas estão cozidas quando
     ganham uma coloração rósea ou alaranjada. A água de cozimento
     pode ser aproveitada no preparo de arroz aromatizado.
Ostras, Mexilhões
e demais Mariscos
A melhor forma de preparo é o
cozimento em água ou vapor.
  ƒƒ O primeiro passo é limpar a superfície externa das ostras e mexilhões.
  ƒƒ Ferver a água e mergulhar os mariscos. Eles estão prontos
     quando a maior parte das conchas estiver aberta.
  ƒƒ A água de cozimento não deve ser aproveitada.
  ƒƒ Para aproveitar somente a carne, resfriar tudo em
     água corrente antes de iniciar o desconche.
Cuidados no armazenamento em casa
  ƒƒ Armazene imediatamente os alimentos refrigerados e congelados na
     geladeira ou freezer e consuma até a data de validade do produto.
  ƒƒ Não sobrecarregue a capacidade de sua geladeira. Não cubra
     as prateleiras da geladeira com panos ou toalhas.
  ƒƒ Armazene nas prateleiras superiores os alimentos preparados e prontos
     para consumo; nas prateleiras do meio os produtos
     pré-preparados; e nas prateleiras inferiores os alimentos crus.
  ƒƒ Evite o contato de alimentos crus com alimentos cozidos.

Formas de descongelar o pescado
  ƒƒ Na geladeira: é o método mais recomendado, pois diminui a perda
     de água e garante a manutenção da qualidade do pescado.
  ƒƒ No micro-ondas: sempre utilizar a opção “descongelar”
     para garantir o descongelamento uniforme.

     Atenção: nunca descongele qualquer
   pescado em temperatura ambiente porque
     além de não ser uniforme, pode gerar
    perda de qualidade, umidade e permitir
       o crescimento de microrganismos.
No caso de congelamento domiciliar
  ƒ Nunca deixe congelar novamente um pescado que já foi descongelado.
  ƒ O peixe pode ser congelado novamente, se cozido e preparado.
  ƒ O ideal é congelar peixes inteiros sem as vísceras.
  ƒ A pele é a melhor proteção do peixe.
  ƒ Camarões e lagostas devem ser congelados sem cabeça.
  ƒ Nunca congelar diversas espécies em um
    mesmo recipiente ou embalagem.
  ƒ Sempre proteger bem o pescado com filmes e
    sacos apropriados de primeiro uso.
  ƒ Não sobrecarregar o freezer durante o congelamento.
  ƒ Sempre identificar no seu freezer as embalagens com as
    informações sobre o produto e a data de congelamento.
Anotações
Pescado.
                     Dá água na boca e
                     faz bem pra saúde.


                                 www.mpa.gov.br
                                 facebook.com/mpanarede
                                 twitter.com/mpanarede




Ministério da      Ministério da
   Saúde        Pesca e Aquicultura

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescadoAlterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescado
Luis Dantas
 
Versão final livro processamento
Versão final livro processamentoVersão final livro processamento
Versão final livro processamento
Luiz Fernando
 
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescadoApresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
Carlos Eduardo de Farias Silva
 
Microbiologia do pescado
Microbiologia do pescadoMicrobiologia do pescado
Microbiologia do pescado
Anderson Formiga
 
Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)
Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)
Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)
Sandra Santos
 
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de PescadoManual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Portal Canal Rural
 
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
lrribeiro
 
Surimi e derivados
Surimi e derivadosSurimi e derivados
Surimi e derivados
Ligia Góes
 
Aquicultura - Tilápia
Aquicultura - TilápiaAquicultura - Tilápia
Aquicultura - Tilápia
sasarosado
 
Peixe seco aula
Peixe seco aulaPeixe seco aula
Peixe seco aula
sueide
 
Cartilha Peixe
Cartilha PeixeCartilha Peixe
Cartilha Peixe
MaisVitamina
 
Dicas de como escolher o pescado
Dicas de como escolher o pescadoDicas de como escolher o pescado
Dicas de como escolher o pescado
Ministério da Saúde
 
Saiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana Santa
Saiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana SantaSaiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana Santa
Saiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana Santa
Agricultura Sao Paulo
 
Receitas embutidos
Receitas embutidosReceitas embutidos
Receitas embutidos
quituteira quitutes
 
Dossiê técnico linguiças
Dossiê técnico linguiçasDossiê técnico linguiças
Dossiê técnico linguiças
Linekac
 
Cura de carnes unesp
Cura de carnes unespCura de carnes unesp
Aula salga e carne de sol (Ana Alice)
Aula  salga e carne de sol (Ana Alice)Aula  salga e carne de sol (Ana Alice)
Aula salga e carne de sol (Ana Alice)
Ana Alice Gouvêa
 
Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)
Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)
Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)
Ronicezar Rodrigues
 

Mais procurados (18)

Alterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescadoAlterações post mortem do pescado
Alterações post mortem do pescado
 
Versão final livro processamento
Versão final livro processamentoVersão final livro processamento
Versão final livro processamento
 
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescadoApresentaçao tilapia do nilo   tecnologia do pescado
Apresentaçao tilapia do nilo tecnologia do pescado
 
Microbiologia do pescado
Microbiologia do pescadoMicrobiologia do pescado
Microbiologia do pescado
 
Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)
Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)
Controlo de contaminantes e patogénios alimentares final (1)
 
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de PescadoManual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
Manual de Boas Práticas de Manipulação de Pescado
 
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
Embrapa agro industria-familiar-peixe-defumado-ed02-2012
 
Surimi e derivados
Surimi e derivadosSurimi e derivados
Surimi e derivados
 
Aquicultura - Tilápia
Aquicultura - TilápiaAquicultura - Tilápia
Aquicultura - Tilápia
 
Peixe seco aula
Peixe seco aulaPeixe seco aula
Peixe seco aula
 
Cartilha Peixe
Cartilha PeixeCartilha Peixe
Cartilha Peixe
 
Dicas de como escolher o pescado
Dicas de como escolher o pescadoDicas de como escolher o pescado
Dicas de como escolher o pescado
 
Saiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana Santa
Saiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana SantaSaiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana Santa
Saiba como ter um peixe saudável sobre a mesa na Semana Santa
 
Receitas embutidos
Receitas embutidosReceitas embutidos
Receitas embutidos
 
Dossiê técnico linguiças
Dossiê técnico linguiçasDossiê técnico linguiças
Dossiê técnico linguiças
 
Cura de carnes unesp
Cura de carnes unespCura de carnes unesp
Cura de carnes unesp
 
Aula salga e carne de sol (Ana Alice)
Aula  salga e carne de sol (Ana Alice)Aula  salga e carne de sol (Ana Alice)
Aula salga e carne de sol (Ana Alice)
 
Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)
Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)
Produtos curados de massa grossa não fermentados (linguiça)
 

Destaque

Peixe
PeixePeixe
Bem estar em peixes
Bem estar em peixesBem estar em peixes
Bem estar em peixes
Fernanda Bay Hurtado
 
Receita de batatinha em conserva tudo gostoso
Receita de batatinha em conserva   tudo gostosoReceita de batatinha em conserva   tudo gostoso
Receita de batatinha em conserva tudo gostoso
Luis Barcellos
 
Conserva de pimenta dedo de moça
Conserva de pimenta dedo de moçaConserva de pimenta dedo de moça
Conserva de pimenta dedo de moça
Elena Sansarae
 
Seminário Alimentos Orientais
Seminário Alimentos OrientaisSeminário Alimentos Orientais
Seminário Alimentos Orientais
Guilherme Rocha
 
Obesidade tratamento dietético
Obesidade tratamento dietéticoObesidade tratamento dietético
Obesidade tratamento dietético
Dr. Benevenuto
 
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudávelMeu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Dr. Benevenuto
 
Guia alimentar bolso
Guia alimentar bolsoGuia alimentar bolso
Guia alimentar bolso
Dr. Benevenuto
 
Manual consumidor
Manual consumidorManual consumidor
Manual consumidor
Dr. Benevenuto
 
Cancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadores
Cancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadoresCancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadores
Cancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadores
Dr. Benevenuto
 
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudávelMeu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Dr. Benevenuto
 
I DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascular
I DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascularI DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascular
I DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascular
Dr. Benevenuto
 
10 instalações de cozinha
10   instalações de cozinha10   instalações de cozinha
10 instalações de cozinha
Joyce Muzy
 
Fitoesteróis e Colesterol
Fitoesteróis e ColesterolFitoesteróis e Colesterol
Fitoesteróis e Colesterol
Dr. Benevenuto
 
Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02
Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02
Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02
tsunamidaiquiri
 
Receitas Berinjela
Receitas BerinjelaReceitas Berinjela
Receitas Berinjela
Bombokado Kado
 
Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009
Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009
Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009
Dr. Benevenuto
 
ALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor consciente
ALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor conscienteALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor consciente
ALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor consciente
Dr. Benevenuto
 
Pescados: Breve Panorama Econômico
Pescados: Breve Panorama EconômicoPescados: Breve Panorama Econômico
Pescados: Breve Panorama Econômico
luiana
 
Guia Conceito Divina Cozinha 2011
Guia Conceito Divina Cozinha 2011Guia Conceito Divina Cozinha 2011
Guia Conceito Divina Cozinha 2011
ogourmet
 

Destaque (20)

Peixe
PeixePeixe
Peixe
 
Bem estar em peixes
Bem estar em peixesBem estar em peixes
Bem estar em peixes
 
Receita de batatinha em conserva tudo gostoso
Receita de batatinha em conserva   tudo gostosoReceita de batatinha em conserva   tudo gostoso
Receita de batatinha em conserva tudo gostoso
 
Conserva de pimenta dedo de moça
Conserva de pimenta dedo de moçaConserva de pimenta dedo de moça
Conserva de pimenta dedo de moça
 
Seminário Alimentos Orientais
Seminário Alimentos OrientaisSeminário Alimentos Orientais
Seminário Alimentos Orientais
 
Obesidade tratamento dietético
Obesidade tratamento dietéticoObesidade tratamento dietético
Obesidade tratamento dietético
 
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudávelMeu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
 
Guia alimentar bolso
Guia alimentar bolsoGuia alimentar bolso
Guia alimentar bolso
 
Manual consumidor
Manual consumidorManual consumidor
Manual consumidor
 
Cancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadores
Cancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadoresCancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadores
Cancer guia de nutricao_para_pacientes_cuidadores
 
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudávelMeu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
Meu prato-saudável---programa-alimentar-para-o-coração-saudável
 
I DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascular
I DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascularI DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascular
I DIretrIz sobre o Consumo de Gorduras e saúde CardIovascular
 
10 instalações de cozinha
10   instalações de cozinha10   instalações de cozinha
10 instalações de cozinha
 
Fitoesteróis e Colesterol
Fitoesteróis e ColesterolFitoesteróis e Colesterol
Fitoesteróis e Colesterol
 
Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02
Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02
Receitas AlimentaçãO Escolar Lanche Gostoso 02
 
Receitas Berinjela
Receitas BerinjelaReceitas Berinjela
Receitas Berinjela
 
Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009
Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009
Nutrição e Atividade Física, Consenso SBME, 2009
 
ALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor consciente
ALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor conscienteALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor consciente
ALIMENTOS ORGÂNICOS um guia para o consumidor consciente
 
Pescados: Breve Panorama Econômico
Pescados: Breve Panorama EconômicoPescados: Breve Panorama Econômico
Pescados: Breve Panorama Econômico
 
Guia Conceito Divina Cozinha 2011
Guia Conceito Divina Cozinha 2011Guia Conceito Divina Cozinha 2011
Guia Conceito Divina Cozinha 2011
 

Semelhante a Cartilha peixe 105x150

Receitas para dieta dukan trans
Receitas para dieta dukan transReceitas para dieta dukan trans
Receitas para dieta dukan trans
Cristina Fiorindo
 
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
artedecozinhar1
 
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
artedecozinhar1
 
Receitas Peixes
Receitas PeixesReceitas Peixes
Receitas Peixes
Bombokado Kado
 
Vida funcional e_book_pascoa
Vida funcional e_book_pascoaVida funcional e_book_pascoa
Vida funcional e_book_pascoa
Sâmia Araújo
 
Culinaria bahiana
Culinaria bahianaCulinaria bahiana
Culinaria bahiana
quituteira quitutes
 
Culinaria bahiana
Culinaria bahianaCulinaria bahiana
Culinaria bahiana
quituteira quitutes
 
Veggie kit
Veggie kitVeggie kit
Veggie kit
Claudio Martins
 
Arroz de marisco receita simples e saborintenso
Arroz de marisco receita simples e saborintensoArroz de marisco receita simples e saborintenso
Arroz de marisco receita simples e saborintenso
Diogo Teixeira
 
Trabalho Final Fernanda
Trabalho Final FernandaTrabalho Final Fernanda
Trabalho Final Fernanda
Soraia Lino
 
Fita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio Jantar
Fita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio JantarFita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio Jantar
Fita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio Jantar
Fita Métrica Consultoria Nutricional
 
Livrodereceitascocinamelhoresreceitas
LivrodereceitascocinamelhoresreceitasLivrodereceitascocinamelhoresreceitas
Livrodereceitascocinamelhoresreceitas
cabruxa Cabruxa
 
Receitas De Marisco
Receitas De  MariscoReceitas De  Marisco
Receitas De Marisco
guest7cb9c6
 
Livro receitas de mariscos ...
Livro receitas de mariscos ...Livro receitas de mariscos ...
Livro receitas de mariscos ...
Pupi Crystel
 
Receita do acarajé de vanda barreto
Receita do acarajé de vanda barretoReceita do acarajé de vanda barreto
Receita do acarajé de vanda barreto
Livemartins
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
gmfrsp
 
Receitas pratos e vinhos chelenos
Receitas pratos e vinhos chelenosReceitas pratos e vinhos chelenos
Receitas pratos e vinhos chelenos
aletriak
 
Culinaria Espanhola 2
Culinaria Espanhola 2Culinaria Espanhola 2
Culinaria Espanhola 2
MaisVitamina
 
Apostila de entradas e saladas
Apostila de entradas e saladasApostila de entradas e saladas
Apostila de entradas e saladas
Sidney Christ
 
É tudo fit - 114 receitas.pdf
É tudo fit - 114 receitas.pdfÉ tudo fit - 114 receitas.pdf
É tudo fit - 114 receitas.pdf
FelipeRossiPaschoal2
 

Semelhante a Cartilha peixe 105x150 (20)

Receitas para dieta dukan trans
Receitas para dieta dukan transReceitas para dieta dukan trans
Receitas para dieta dukan trans
 
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
 
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1Cozinha maravilhosadaofélia2 1
Cozinha maravilhosadaofélia2 1
 
Receitas Peixes
Receitas PeixesReceitas Peixes
Receitas Peixes
 
Vida funcional e_book_pascoa
Vida funcional e_book_pascoaVida funcional e_book_pascoa
Vida funcional e_book_pascoa
 
Culinaria bahiana
Culinaria bahianaCulinaria bahiana
Culinaria bahiana
 
Culinaria bahiana
Culinaria bahianaCulinaria bahiana
Culinaria bahiana
 
Veggie kit
Veggie kitVeggie kit
Veggie kit
 
Arroz de marisco receita simples e saborintenso
Arroz de marisco receita simples e saborintensoArroz de marisco receita simples e saborintenso
Arroz de marisco receita simples e saborintenso
 
Trabalho Final Fernanda
Trabalho Final FernandaTrabalho Final Fernanda
Trabalho Final Fernanda
 
Fita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio Jantar
Fita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio JantarFita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio Jantar
Fita Métrica Consultoria Nutricional: Faça seu próprio Jantar
 
Livrodereceitascocinamelhoresreceitas
LivrodereceitascocinamelhoresreceitasLivrodereceitascocinamelhoresreceitas
Livrodereceitascocinamelhoresreceitas
 
Receitas De Marisco
Receitas De  MariscoReceitas De  Marisco
Receitas De Marisco
 
Livro receitas de mariscos ...
Livro receitas de mariscos ...Livro receitas de mariscos ...
Livro receitas de mariscos ...
 
Receita do acarajé de vanda barreto
Receita do acarajé de vanda barretoReceita do acarajé de vanda barreto
Receita do acarajé de vanda barreto
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Receitas pratos e vinhos chelenos
Receitas pratos e vinhos chelenosReceitas pratos e vinhos chelenos
Receitas pratos e vinhos chelenos
 
Culinaria Espanhola 2
Culinaria Espanhola 2Culinaria Espanhola 2
Culinaria Espanhola 2
 
Apostila de entradas e saladas
Apostila de entradas e saladasApostila de entradas e saladas
Apostila de entradas e saladas
 
É tudo fit - 114 receitas.pdf
É tudo fit - 114 receitas.pdfÉ tudo fit - 114 receitas.pdf
É tudo fit - 114 receitas.pdf
 

Mais de Dr. Benevenuto

Alimentação na Prevenção de Cálculos Renais - Orientação aos pacientes
Alimentação na Prevenção de  Cálculos Renais - Orientação  aos pacientesAlimentação na Prevenção de  Cálculos Renais - Orientação  aos pacientes
Alimentação na Prevenção de Cálculos Renais - Orientação aos pacientes
Dr. Benevenuto
 
Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)
Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)
Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)
Dr. Benevenuto
 
Cartilha: Saúde do Homem
Cartilha: Saúde do HomemCartilha: Saúde do Homem
Cartilha: Saúde do Homem
Dr. Benevenuto
 
Cartilha saúde do homem
Cartilha saúde do homem Cartilha saúde do homem
Cartilha saúde do homem
Dr. Benevenuto
 
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dr. Benevenuto
 
Manual da Gestante
Manual da GestanteManual da Gestante
Manual da Gestante
Dr. Benevenuto
 
Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...
Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...
Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...
Dr. Benevenuto
 
Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...
Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...
Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...
Dr. Benevenuto
 
Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012
Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012
Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012
Dr. Benevenuto
 
Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...
Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...
Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...
Dr. Benevenuto
 
Saude dos professores
Saude dos professoresSaude dos professores
Saude dos professores
Dr. Benevenuto
 
Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2
Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2
Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2
Dr. Benevenuto
 
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Dr. Benevenuto
 
Manual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da Saúde
Manual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da SaúdeManual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da Saúde
Manual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da Saúde
Dr. Benevenuto
 
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Dr. Benevenuto
 
Guia orientador para Celiacos 2010
Guia orientador para Celiacos 2010Guia orientador para Celiacos 2010
Guia orientador para Celiacos 2010
Dr. Benevenuto
 
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Dr. Benevenuto
 
Guia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavel
Guia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavelGuia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavel
Guia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavel
Dr. Benevenuto
 
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabéticoSou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Dr. Benevenuto
 
Nutrição & Coquetel Passatempos
Nutrição & Coquetel PassatemposNutrição & Coquetel Passatempos
Nutrição & Coquetel Passatempos
Dr. Benevenuto
 

Mais de Dr. Benevenuto (20)

Alimentação na Prevenção de Cálculos Renais - Orientação aos pacientes
Alimentação na Prevenção de  Cálculos Renais - Orientação  aos pacientesAlimentação na Prevenção de  Cálculos Renais - Orientação  aos pacientes
Alimentação na Prevenção de Cálculos Renais - Orientação aos pacientes
 
Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)
Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)
Manual: Gestação de Alto Risco (M. da Saúde, 2010)
 
Cartilha: Saúde do Homem
Cartilha: Saúde do HomemCartilha: Saúde do Homem
Cartilha: Saúde do Homem
 
Cartilha saúde do homem
Cartilha saúde do homem Cartilha saúde do homem
Cartilha saúde do homem
 
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...Dez passos para uma  alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
Dez passos para uma alimentação saudável-Guia alimentar para crianças menore...
 
Manual da Gestante
Manual da GestanteManual da Gestante
Manual da Gestante
 
Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...
Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...
Orientações Nutricionais Cirurgia Bariátrica - UFRGS - Hospital de Clínicas P...
 
Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...
Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...
Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino ...
 
Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012
Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012
Guia alimentar de dietas vegetarianas para adultos, 2012
 
Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...
Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...
Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de s...
 
Saude dos professores
Saude dos professoresSaude dos professores
Saude dos professores
 
Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2
Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2
Guia Alimentar Para pessoas com Diabetes Tipo 2
 
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
Problemas de abordagem difícil: “não come” e “não dorme”
 
Manual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da Saúde
Manual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da SaúdeManual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da Saúde
Manual Oficial de Contagem de Carboidratos para Profissionais da Saúde
 
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
 
Guia orientador para Celiacos 2010
Guia orientador para Celiacos 2010Guia orientador para Celiacos 2010
Guia orientador para Celiacos 2010
 
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
 
Guia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavel
Guia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavelGuia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavel
Guia alimentar: Como ter uma alimentacao saudavel
 
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabéticoSou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
Sou Diabético, E Agora? Um guia prático para simplificar a vida do diabético
 
Nutrição & Coquetel Passatempos
Nutrição & Coquetel PassatemposNutrição & Coquetel Passatempos
Nutrição & Coquetel Passatempos
 

Cartilha peixe 105x150

  • 1. Coloqu� mai� sabor n� se� di� � di� Inclua pescado na sua alimentação PeScaDO: DicaS e ReceitaS
  • 2.
  • 3. Incluir um bom pescado na dieta traz mais saúde Comer pescado é saboroso e saudável. O consumo regular de pescado traz benefícios à saúde. De modo geral, os peixes são fonte de aminoácidos essenciais, que ajudam a formar as proteínas necessárias para o crescimento e a manutenção de nosso organismo. São também fontes importantes de ferro, vitamina B12, cálcio e gorduras fundamentais ao bom funcionamento do corpo. O Brasil tem pescado para todos os gostos. e milhares de homens e mulheres vivem da pesca ou do cultivo. Pela importância do pescado para a população, o Governo Federal estimula o seu consumo por meio de campanhas como a Semana do Peixe. Nesta publicação, o Ministério da Pesca e Aquicultura apresenta dicas sobre pescado e receitas de sucesso.
  • 4.
  • 5. Por que pescado faz bem? Vários tipos de pescado são fontes de ômega 3, que é encontrado principalmente em peixes como atum, pintado, sardinha, arenque, anchova, tainha, bacalhau e truta. O ômega 3 auxilia na manutenção de níveis adequados de triglicerídeos, desde que associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis. Tanto os peixes de rio como de mar fazem bem à saúde. Para ter esses benefícios é preciso consumir de 1 a 2g de ômega 3 por dia. O aumento do consumo de peixe é um ótimo caminho para se alcançar uma alimentação saudável. Por isso, é importante estimular esse hábito em crianças e adolescentes. O teor de gordura nos peixes é baixo, fazendo deles uma ótima opção de proteína. O Ministério da Saúde recomenda o consumo de pelo menos duas porções de peixe por semana. Você costuma comer peixe com qual frequência? ( ) Não consumo ( ) Somente algumas vezes no ano ( ) 1 vez por semana ( ) 2 ou mais vezes por semana Definição de pescado: peixes, crustáceos, moluscos, anfíbios, répteis e mamíferos de água doce ou salgada, usados na alimentação humana.
  • 6. O que observar ao comprar pescado Observe a limpeza do local, a higiene dos atendentes e a forma de conservação do pescado, onde ele estiver sendo comercializado. Fresco e resfriado Quando o pescado for fresco, observe a temperatura do balcão refrigerado (deve ser inferior a 4°C). Quando o pescado for mantido em caixas térmicas ou isopor, deve estar totalmente envolvido pelo gelo. O pescado fresco possibilita ao consumidor verificar a qualidade do alimento pelo odor, textura e coloração. ƒƒ Deve ter pele firme, bem aderida, úmida e sem a presença de manchas. ƒƒ Os olhos devem ser brilhantes e salientes. ƒƒ As escamas devem ser unidas entre si, brilhantes e fortemente aderidas à pele. ƒƒ As brânquias (guelras) devem ter cor que vai do rosa ao vermelho intenso, ser brilhantes e sem viscosidade. ƒƒ Os crustáceos devem ter cor própria da espécie e não apresentar cor alaranjada ou negra na carapaça. ƒƒ Os mariscos frescos só podem ser vendidos vivos. ƒƒ Polvos e lulas devem ter carne consistente e elástica. ƒƒ Odor característico e não repugnante. ƒƒ Livre de contaminantes (como areia, pedaços de metais, plásticos, combustíveis, sabão e moscas).
  • 7. Receita Peixe assado com molho de uva Rendimento: 900g Porção: 1 filé com 2 colheres de sopa de molho (115g) Nível de dificuldade: médio In gr e d i e n t e s M edida ca seira Peixe inteiro limpo. . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade pequena Uva verde sem caroço. . . . . . . . . . . . . 1 cacho (8 colheres de sopa) Açúcar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 colher de sopa Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade pequena Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 dentes Alho-poró. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 colheres de sopa Azeite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de sopa Sal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de sopa Pimenta-do-reino. . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de chá Caldo de vegetais. . . . . . . . . . . . . . . . . 4 xícaras Modo de preparo 1. Preparar o caldo de vegetais com todos os ingredientes cortados. Cozinhar por cerca de 30 minutos em fogo baixo. Reservar. 2. Molho: refogar a cebola picada, o alho picado e o alho-poró picado no azeite, acrescentar o açúcar e o fundo de vegetais e deixar reduzir à metade. 3. Acrescentar as uvas cortadas ao meio. 4. Peixe: temperar o peixe com sal e pimenta e assar em forma untada envolta em papel laminado por 40 minutos. 5. Servir o peixe com o molho.
  • 8.
  • 9. Congelado O pescado congelado industrialmente é submetido a temperaturas inferiores a -25°C e depois mantido obrigatoriamente a temperaturas inferiores a -15°C. O congelamento industrial é feito muito rapidamente, de forma que conserva melhor e diminui a perda de qualidade e umidade do pescado. O congelamento é um eficiente meio de manter a qualidade do pescado, porém a data de validade deve ser sempre verificada. Sempre adquira o pescado (fresco, refrigerado ou congelado) ao final das compras. Isso facilitará a manutenção da qualidade do alimento.
  • 10. Receita MOQueCA CAPixABA Rendimento: 3,2kg Porção: 2 colheres de servir (150g) Nível de dificuldade: baixo I n gr e d I e n t e s MedIda ca seIra Postas de dourado . . . . . . . . . . . . . . . 13 postas pequenas Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 dentes grandes Tomate em cubos e em rodelas . . . 8 tomates médios Cebola fatiada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 cebolas Cebolinha picada . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço Coentro picado . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço Colorau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de chá Sal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 colheres de sopa Limão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade grande Azeite de oliva . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de sopa
  • 11. Modo de preparo 1. Temperar o peixe com o suco de limão. 2. em uma panela de barro, aquecer o azeite, acrescentar o alho e refogar, mexendo por 4 minutos. 3. Adicionar o sal e o colorau e mexer. 4. Faça uma cama: forre o fundo da panela de barro com um pouco de cebola picada em cubos, tomate picado em cubos e coentro picado. 5. Coloque as postas de peixe por cima dos temperos, uma ao lado da outra. 6. em seguida, acrescente o restante da cebola, do tomate em rodelas e do coentro picado, finalizando com a cebolinha. Adicionar 250ml de água, tampar a panela e cozinhar por 3 minutos. 7. O cozimento deve ser feito em fogo baixo por uns 15 minutos após a fervura.
  • 12.
  • 13. Seco cuidados na compra do pescado seco ƒ Deve estar armazenado em local limpo, protegido de poeira e insetos. ƒ Ausência de mofo, ovos ou larvas de moscas, manchas escuras ou avermelhadas, limosidade superficial, amolecimento e odor desagradável. As espécies Gadus morhua (cod) e Gadus macrocephalus podem ser comercializadas como bacalhau, enquanto os pescados Saithe, Ling e Zarbo devem ser comercializados como peixe salgado seco tipo bacalhau salgado seco. Na região Norte do país há um crescente consumo de pirarucu seco salgado.
  • 14. Receita BOBÓ MARANheNSe Rendimento: 840g Porção: 3 colheres de sopa (130g) Nível de dificuldade: médio I n gr e d I e n t e s MedIda ca seIra Vinagreira cozida . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço João-gomes cozido . . . . . . . . . . . . . . 1/2 maço Quiabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 unidades Pimentão verde . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/6 de unidade Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 unidade pequena Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 e 1/2 dentes Tomate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade pequena Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de café Camarão seco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 prato de sopa cheio
  • 15. Modo de preparo 1. Retirar o excesso de sal do camarão em água gelada por cerca de 30 minutos, trocando a água por 3 vezes. 2. Refogar com o óleo, a cebola, o alho, o tomate e o pimentão verde, picados em pequenos cubos. 3. em seguida, acrescentar o camarão seco (escorrido e picado em cubos), a vinagreira, o joão-gomes e o quiabo picados, sendo o quiabo em cubos bem pequenos ou batido no liquidificador ou no processador, junto com o camarão. 4. Cobrir o preparo com água e cozinhar até o quiabo ficar macio.
  • 16.
  • 17. Enlatado ou em conserva O pescado em conserva é armazenado em recipientes herméticos, sem conservantes, podendo ser vendido nas seguintes categorias: ƒƒ Ao natural: é o pescado armazenado com salmoura fraca, adicionada ou não de temperos. ƒƒ Em azeite ou em óleos comestíveis: é o pescado armazenado em azeite de oliva ou em outro óleo comestível, adicionado ou não de temperos. O enlatamento é um método de processamento dos mais utilizados na conservação do pescado. O rápido cozimento dos alimentos enlatados, por ser processado sob altas temperaturas, permite muitas vezes que os nutrientes sejam conservados, mantendo assim a maioria das qualidades nutricionais do pescado. Cuidado ambiental: procure saber se o pescado consumido está no tamanho e período permitidos.
  • 18. Receita SALADA De ATuM Rendimento: 360g Porção: 3 colheres de sopa (90g) Nível de dificuldade: fácil I n gr e d I e n t e s MedIda ca seIra Atum em conserva de água e sal escorrido . . . . . . . . . . . . . 1 lata Tomate maduro . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 unidades médias Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade média Folhas verdes (alface, rúcula, espinafre ou outro folhoso de sua preferência) . . . . . . . . . . . . . . 1 pé ou 1 maço Vinagre Azeite Limão Temperos a gosto (sal, cheiro-verde, pimenta-do-reino)
  • 19. Modo de preparo 1. Lavar bem os tomates e picar em cubos grandes. 2. Lavar as folhas e deixá-las em solução de água e hipoclorito de sódio, conforme diluição e tempo orientados pelo fabricante. 3. Cortar a cebola em rodelas finas. 4. Numa tigela, misturar o atum escorrido, a cebola e o tomate. Temperar a gosto. 5. escorrer as folhas, sem enxaguá-las. 6. em vasilha ou travessa, fazer uma cama com as folhas. 7. Colocar o atum temperado e servir em seguida.
  • 20. Atenção à embalagem O rótulo dos produtos comercializados no Brasil deve apresentar as seguintes informações obrigatórias: 1. Nome do produto. 2. Lista de ingredientes em ordem decrescente de quantidade, isto é, o ingrediente que estiver em maior quantidade deve vir primeiro, e assim por diante. 3. Conteúdo líquido (quantidade ou volume que o produto apresenta). 4. Identificação da origem (identificação do país ou local de produção daquele produto). 5. Identificação do lote. 6. Data de fabricação. 7. Prazo de validade: o dia e o mês para produtos com duração mínima menor do que 3 meses e o mês e o ano para produtos com duração superior a 3 meses. 8. Instruções para o uso, quando necessário. 9. Selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF), Serviço de Inspeção Estadual ou Municipal. Obs.: No caso de produtos importados, as informações acima devem estar em português. Os produtores de pescado embalado devem ainda declarar a rotulagem nutricional obrigatória com as seguintes informações: valor energético, carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans, fibra alimentar e sódio. Fonte: Instrução Normativa MAPA nº 22, de 24/11/2005 Resolução – RDC Anvisa nº 360, de 23/12/2003
  • 21. Dicas de preparo ƒƒ Lavar as mãos com água e sabão antes do início da preparação do pescado. ƒƒ Manter limpo o local de preparo, as superfícies e os utensílios. ƒƒ Lavar os utensílios usados no preparo de pescado cru antes de utilizá-los em pescado cozido. ƒƒ Não deixar o pescado cozido à temperatura ambiente por mais de 2 horas. ƒƒ Ficar atento às orientações de conservação fornecidas pelo fabricante. ƒƒ Grelhar, assar e cozer a vapor são as melhores maneiras de preparar o pescado, mantendo suas propriedades nutricionais e seus benefícios para a saúde. ƒƒ O segredo para manter a carne do peixe úmida e saborosa reside em aproveitar os sucos e a gordura natural. ƒƒ A regra número um é preservar a umidade e as propriedades nutricionais, evitando o fogo direto. ƒƒ Assar e grelhar funcionam bem para os peixes gordos. ƒƒ O pescado frito pode absorver óleo e destruir parte do ômega 3 e das vitaminas. ƒƒ Cozinhar o pescado em excesso prejudica seu aroma, sabor e textura. ƒƒ Retirar o couro do peixe antes de consumi-lo. A gordura saudável presente nos peixes está concentrada principalmente em sua carne e não em seu couro. ƒƒ Utilizar temperos naturais para preparar peixes, tais como cebolinha, cebola, alho, orégano, manjericão, manjerona, cominho, noz-moscada, louro, etc.
  • 22. Peixes ƒ evite cozinhar demais os filés e postas de peixes. ƒ Cozinhe em calor moderado cerca de 5 a 8 minutos, dependendo da espessura. ƒ Quando estiver pronto, a carne parecerá mais branca. ƒ Os peixes cozinham depressa e continuam a cozinhar mesmo após retirados do calor. É preciso atenção para que não passem do ponto. ƒ Para saber o ponto de cozimento, insira um garfo na parte mais grossa e delicadamente tente parti-la. Se estiver no ponto, ele se abrirá facilmente. Se o peixe for inteiro, a carne tenderá a separar-se da espinha dorsal. ƒ Consuma logo que possível.
  • 23. Peixes Salgados ƒ O maior segredo para preparar um bom peixe salgado é dessalgá-lo da maneira adequada, para evitar que o teor de sódio no alimento fique alto. Deve-se colocar o peixe com pele e já cortado na água gelada e dentro da geladeira, trocando-se a água do recipiente três vezes por dia. Dentro do recipiente, também é indicado colocar pedras de gelo para garantir o sabor do peixe e evitar que ele se desfaça. ƒ O peixe salgado não deve ser fervido, a não ser que a receita ou o preparo indiquem, pois a fervura prejudica o paladar e resseca o peixe. Deve ser sempre preparado em água a ferver, ou seja, em fogo brando, sem borbulhar. A água de cozimento pode ser aproveitada para cozinhar batatas ou arroz aromatizado.
  • 24. Receita PiRARuCu De CASACA Rendimento: 2kg Porção: 1 pedaço médio (200g) Nível de dificuldade: médio I n gr e d I e n t e s MedIda ca seIra Pirarucu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 lombo Tomate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade grande Pimentão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade média Leite de coco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 vidro pequeno Farinha de uarini . . . . . . . . . . . . . . . . 2 xícaras de chá Banana-pacova . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 unidades uva-passa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1/2 xícara de chá Azeite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 colheres de sopa Ovo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 unidade Água . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1/4 xícara de chá Cebola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1/2 unidade Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 colher de chá Alho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 dentes de alho
  • 25. Modo de preparo 1. Dessalgar o pirarucu na véspera do preparo, colocando o peixe de molho e trocando a água pelo menos 5 vezes, sempre deixando na geladeira. 2. Colocar água para ferver e, quando estiver em ebulição, acrescentar o pirarucu. 3. Ferver por 3 minutos e retirar o peixe. 4. Separar as lascas, retirando as espinhas, e reservar. 5. Cortar a cebola, o alho, o pimentão e o tomate, sem casca e sem semente, em cubos pequenos. 6. Aquecer uma panela e adicionar 1 colher de chá de óleo. 7. Colocar a cebola picada e, quando estiver bem cozida, adicionar o alho, o pimentão, o tomate e o leite de coco e reservar. 8. em um recipiente, colocar a farinha de uarini e misturar com o azeite. 9. em um refratário, dispor uma camada com a farinha misturada com o azeite, outra com o peixe em lascas e outra com o refogado de tomate, pimentão, cebola, alho e leite de coco e ovo cozido cortado em rodelas e reservar. 10. Cortar a banana em fatias compridas e assar em forno aquecido a 150°C por 10 minutos. 11. Colocar a banana assada sobre as demais camadas do refratário e salpicar por cima a uva-passa. 12. Levar ao forno pré-aquecido (200°C) por 20 minutos e servir.
  • 26. Lagostas e Camarões A melhor maneira de cozer lagostas e camarões, mantendo sua textura, é: ƒƒ Ferver 2 1/2 litros de água, acrescentar sal a gosto e baixar o fogo, mantendo o vapor e a formação de pequenas bolhas. ƒƒ Acrescentar as lagostas e camarões à água fervente. ƒƒ Cozinhar por 3 a 4 minutos. Os camarões estão prontos quando começam a boiar. ƒƒ Em caso de preparo de molhos, os camarões devem ser os últimos ingredientes a ser colocados. As lagostas estão cozidas quando ganham uma coloração rósea ou alaranjada. A água de cozimento pode ser aproveitada no preparo de arroz aromatizado.
  • 27. Ostras, Mexilhões e demais Mariscos A melhor forma de preparo é o cozimento em água ou vapor. ƒƒ O primeiro passo é limpar a superfície externa das ostras e mexilhões. ƒƒ Ferver a água e mergulhar os mariscos. Eles estão prontos quando a maior parte das conchas estiver aberta. ƒƒ A água de cozimento não deve ser aproveitada. ƒƒ Para aproveitar somente a carne, resfriar tudo em água corrente antes de iniciar o desconche.
  • 28. Cuidados no armazenamento em casa ƒƒ Armazene imediatamente os alimentos refrigerados e congelados na geladeira ou freezer e consuma até a data de validade do produto. ƒƒ Não sobrecarregue a capacidade de sua geladeira. Não cubra as prateleiras da geladeira com panos ou toalhas. ƒƒ Armazene nas prateleiras superiores os alimentos preparados e prontos para consumo; nas prateleiras do meio os produtos pré-preparados; e nas prateleiras inferiores os alimentos crus. ƒƒ Evite o contato de alimentos crus com alimentos cozidos. Formas de descongelar o pescado ƒƒ Na geladeira: é o método mais recomendado, pois diminui a perda de água e garante a manutenção da qualidade do pescado. ƒƒ No micro-ondas: sempre utilizar a opção “descongelar” para garantir o descongelamento uniforme. Atenção: nunca descongele qualquer pescado em temperatura ambiente porque além de não ser uniforme, pode gerar perda de qualidade, umidade e permitir o crescimento de microrganismos.
  • 29. No caso de congelamento domiciliar ƒ Nunca deixe congelar novamente um pescado que já foi descongelado. ƒ O peixe pode ser congelado novamente, se cozido e preparado. ƒ O ideal é congelar peixes inteiros sem as vísceras. ƒ A pele é a melhor proteção do peixe. ƒ Camarões e lagostas devem ser congelados sem cabeça. ƒ Nunca congelar diversas espécies em um mesmo recipiente ou embalagem. ƒ Sempre proteger bem o pescado com filmes e sacos apropriados de primeiro uso. ƒ Não sobrecarregar o freezer durante o congelamento. ƒ Sempre identificar no seu freezer as embalagens com as informações sobre o produto e a data de congelamento.
  • 31.
  • 32. Pescado. Dá água na boca e faz bem pra saúde. www.mpa.gov.br facebook.com/mpanarede twitter.com/mpanarede Ministério da Ministério da Saúde Pesca e Aquicultura