SlideShare uma empresa Scribd logo
I Seminário de Biologia - 2014
1
Organização
Claudia Segantini Leme
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
2
APRESENTAÇÃO
Essa publicação apresenta os resumos dos trabalhos apresentados pelos professores de
Biologia no “I Seminário de Biologia”, realizado pela Diretoria de Ensino Região Guarulhos
Sul, no dia 17 de abril de 2015.
O Seminário encerrou um ciclo de Orientações Técnicas que discutiram aspectos
relacionados ao ensino de Biologia, com enfoque no desenvolvimento da competência
leitora e escritora, bem como, o ensino por investigação.
Os professores elaboraram e executaram sequências didáticas autorais, que culminaram
com a produção dos trabalhos.
Dez dos trabalhos presentes neste compêndio foram apresentados oralmente no “I
Seminário de Biologia”. Os demais expuseram em painéis.
Essa experiência enfatiza e valoriza a autoria dos profissionais da educação, criando
espaços para trocas de experiências exitosas da rede estadual.
I Seminário de Biologia - 2014
3
SUMÁRIO PG
Apresentação..................................................................................................................... 02
E.E. Prof. Alberto Bacan .................................................................................................... 04
E.E Antônio de Ré ............................................................................................................. 06
E.E Pe. August Johannes Ferdinandus Stauder .............................................................. 08
E. E. Pe. Bruno Ricco ....................................................................................................... 10
E. E. Prof. Frederico de Barros Brotero ............................................................................ 12
E. E. Prof. Homero Rubens de Sá .................................................................................... 14
E. E. Jardim Maria Dirce III ............................................................................................... 17
E. E. Pe. João Álvarez de Siqueira Bueno ....................................................................... 19
E. E. Profª Lindamil Barbosa de Oliveira .......................................................................... 21
E. E. Maria Aparecida Félix Porto .................................................................................... 24
E. E. Maria Leda Fernandes Brigo ................................................................................... 26
E. E. Dep. Maurício Goulart ............................................................................................. 28
E. E. Profª Therezinha Closa Eleutério ............................................................................ 30
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
4
ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ALBERTO BACAN
Ecologia e Qualidade de Vida
Autora: Prof.ª Heulieda Cristóvão de Macedo
PÚBLICO-ALVO
Alunos do 1º B do Ensino Médio. Os 48 alunos são do período da tarde.
OBJETIVOS
Levar o aluno a relacionar os conteúdos sobre Ecologia e Qualidade de vida da população
com as situações de sua comunidade.
Aproximá-los das pesquisas científicas.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Aprender a interpretar a textos científicos, mapas e fotos aéreas;
- Identificar e analisar os dados coletados;
- Relacionar os dados às suas consequências;
- Perceber a importância da preservação das vegetações para a sobrevivência da
espécie humana.
- Perceber como a ação humana pode interferir positiva e negativamente sobre o
ambiente natural e sobre a saúde da população.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Os alunos têm pouco interesse pelo aprendizado e pelos conceitos tratados em sala de
aula, e menos ainda por descobertas e pesquisas. Não conseguem relacionar e interpretar
as informações com os conceitos apresentados. Há uma distância grande entre a ciência e
o cidadão. Cabe à escola e aos professores realizar essa aproximação.
O objetivo dessa situação de aprendizagem é trabalhar habilidades e competências
necessárias para que no futuro esses alunos possam entender e usufruir, como cidadãos,
dos resultados das pesquisas.
Investigação
Como os pesquisadores realizam as pesquisas?
Como a população tem acesso aos resultados?
Ações negativas como o desmatamento e ações positivas realizadas através de pesquisa
podem interferir na qualidade de vida da população?
Quais os problemas na saúde humana de uma região urbana de ações insustentáveis?
Quais os ganhos de uma pesquisa com ações em conjunto com a gestão de um município
para uma comunidade e para os seres vivos?
Produção dos alunos
Os alunos conheceram o trabalho dos pesquisadores da UNG (Universidade de
Guarulhos) sobre os mapas termais. Nessa pesquisa foram levantadas as temperaturas de
cada região de Guarulhos e constatadas as ilhas de calor do município. Tomaram
conhecimento das ações realizadas depois dos resultados da pesquisa para amenizar as
ilhas de calor, chamado de PIV (Projetos de Ilhas Verdes). Uma dessas ações foi o
I Seminário de Biologia - 2014
5
corredor ecológico da região de Cumbica, bairro da região da escola e dos alunos. Os
alunos foram a campo, medindo a temperatura e a umidade relativa do ar de duas regiões:
Bosque Maia e Corredor Ecológico em Cumbica. Em seguida, relacionaram esses dados
aos problemas de saúde por baixa umidade. Perceberam também a recuperação das
espécies no ambiente onde foi aplicado o projeto. Como finalização do trabalho,
prepararam uma apresentação em forma de cartaz acompanhada de uma apresentação
oral.
AVALIAÇÃO
A avaliação dos alunos se pautou em trabalho de campo, pesquisa bibliográfica, confecção
do trabalho e sua apresentação e uma avaliação formal.
Resultados:
Os alunos desenvolveram o trabalho com um bom desempenho em todos os itens. Na
avaliação formal a média da sala aumentou de 4,2 no semestre anterior, para 5,2. Na
avaliação qualitativa percebeu-se interesse e motivação em todas as etapas. Houve
nervosismo durante a apresentação, mas os alunos mostraram dominar o assunto.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Pudemos observar o que todo professor e escola buscam em sala de aula com seus
alunos: a participação. Os alunos ficaram atentos, envolvidos e empolgados durante todo o
processo. Percebemos o empenho na execução da pesquisa e principalmente na
apresentação. Houve um crescimento acadêmico pequeno, mas que pode ser considerado
significativo, já que a ação envolveu a relação com diversos assuntos. Cabe ressaltar o
aprendizado de vida, postura, responsabilidade e de busca pelo conhecimento. Isso é
identificado nos próprios relatos dos alunos: “O trabalho realizado foi de grande
enriquecimento em nosso aprendizado, não apenas na vida escolar, mas também na vida
pessoal”; “A hora prática da pesquisa foi uma das mais interessantes... E na hora de
apresentar... Bom, foi a parte mais vibrante, na qual tivemos que equilibrar todo o
nervosismo e ansiedade para transmitir aos outros todo o conhecimento que adquirimos.”
(J.F. 1ºB – 2014). Precisamos aproximar os estudantes de atividades reais para o
aprendizado ser significativo, sem perder o cunho científico. Um trabalho com o realizado
aproxima a ciência do cotidiano dos alunos. “Implica um grande empenho no sentido de
cientificar a cidadania e de civilizar a ciência” (SANTOS, 2005, p. 60). Entende-se que a
educação e as pesquisas científicas pode assim exercer seu papel pela cidadania, pois
esses alunos, enquanto cidadãos passam a ser capazes de analisar as informações e
tomar decisões mais conscientes.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
PIKE, G.; SELBY, D. Educação global: o professor global e o currículo global. Tradução de
Paulo P. São Paulo: Textonovo, 2001. v. 2.
SANTOS, M. E. V. M. Que cidadania? Lisboa: Santos Edu, 2005.
SANTOS, M. A. Educação para a cidadania global: explorando seus caminhos no Brasil.
São Paulo: Textonovo, 2006.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
6
E.E VEREADOR ANTÔNIO DE RÉ
1ª Feira de Ciências (2014)
Autores:
Prof. Rinaldo F. da Silva
Prof.ª Mirela Semboloni
Prof.ª Marli Araújo
Prof. Wagner Nicioka
PÚBLICO-ALVO
Alunos (as) do ensino fundamental II e ensino médio da E.E Vereador Antônio de Ré.
OBJETIVOS
Proporcionar aos alunos um espaço para discussão e troca de ideias; desenvolver nos
alunos autonomia e senso crítico, assim como o pensamento lógico e vivência do método
científico, a fim de que esses compreendam como o conhecimento científico foi e continua
sendo construído em nossa história. Além disso, visa à compreensão pelos alunos das
universalidades das leis, da importância da biotecnologia em nosso dia a dia, do
conhecimento do ambiente e a sondagem de aptidões, bem como a preparação para o
mercado de trabalho e a integração do indivíduo na sociedade.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
Competências:
- Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como
construção humana e seu papel na sociedade;
- Associar intervenções que resultam em degradação ou conservação ambiental a
processos produtivos e sociais;
- Entender métodos e procedimentos próprios das ciências naturais e aplicá-los em
diferentes contextos;
- Apropriar-se de conhecimentos da biologia para, em situações-problema, saber agir.
Habilidades:
- Interpretar modelos e experimentos para explicar fenômenos biológicos em qualquer
nível de organização dos sistemas biológicos;
- Avaliar propostas de intervenção no ambiente, considerando a qualidade da vida
humana ou medidas de recuperação ou utilização sustentável da biodiversidade;
- Reconhecer benefícios, limitações e aspectos éticos da biotecnologia;
- Avaliar impactos em ambientes naturais decorrentes de atividades humanas.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Como os alunos podem compreender e interpretar os fenômenos e processos biológicos,
baseados em modelos e experimentos de Biologia e Química realizados por eles próprios?
Como os alunos podem reconhecer os impactos da intervenção humana no meio ambiente
por meio de experimentos e construção de modelos?
I Seminário de Biologia - 2014
7
Investigação
Baseado no que os alunos estavam estudando em sala de aula, foi proposto pelos
professores que os alunos construíssem modelos e experimentos relacionados à
Biotecnologia, meio ambiente e ecologia. Orientados pelos professores, os alunos
pesquisaram em diversas fontes, modelos e experimentos para serem realizados e
expostos na feira de Ciências. Esses trabalhos foram discutidos em sala de aula e parte
deles desenvolvidos como atividades extraclasse.
Produção dos alunos
Nos temas relacionados à Biotecnologia, os alunos construíram modelos para explicar a
estrutura do DNA e da célula, assim como para explicar os processos de, clonagem,
obtenção de células-tronco e transgênicos; os alunos também realizaram experimentos
para extração de DNA de frutas e construíram modelos para explicar a estrutura do vírus
Ebola.
Nos temas relacionados ao meio ambiente, os alunos realizaram diversos experimentos
com plantas para explicar o processo de fotossíntese, germinação e fototropismo.
Construíram minhocário, maquetes de estação de tratamento de água, e exposições sobre
agrotóxicos, plantas medicinais, coleta seletiva de lixo e reciclagem.
Com auxílio e supervisão da professora e em local apropriado, os alunos realizaram o
show da química, com experimentos relacionados ao tema.
AVALIAÇÃO
Os alunos foram avaliados durante toda a preparação dos trabalhos, assim como durante e
após a realização da feira, de acordo com os seguintes critérios: participação do aluno na
equipe durante elaboração do trabalho e de sua execução, participação geral da equipe na
apresentação do trabalho na feira e interatividade dos alunos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O trabalho proposto superou as expectativas. Os alunos desenvolveram trabalhos
excelentes. A maioria participou de forma ativa durante a feira, o que é de suma
importância. Assim, os objetivos propostos inicialmente foram alcançados.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Currículo do Estado de São Paulo.
http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/36/arquivos/curriculos/reduzido_Curr%C3
%ADculo_CNT_%20Final_230810.pdf. Acessado em 15 de mar. 2014.
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acessado em 15 de mar. 2014.
Mancuso, R. Programa Estadual de Feiras de Ciências do Rio Grande do Sul. Porto
Alegre: SEC/CECIRS,1995.
Parâmetros Curriculares Nacionais.
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf.
Acessado em 15 de mar. 2014.
Pereira AB, Oaigen ER, Hennig G. Feiras de Ciências. Canoas: Ulbra, 2000.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
8
E.E PE. AUGUST JOHANNES FERDINANDUS STAUDER
A 1ª Lei de Medel e o Teste do DNA. Será que é o Pai???
Autor: Prof. Marcus Vinicius de Melo Oliveira
PÚBLICO-ALVO
30 Alunos do 2º Ano do ensino médio
OBJETIVOS
Compreender os conceitos de 1ª Lei de Mendel e as explicações do teste de DNA de
forma contextualizada e participativa.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Elaborar e testar hipóteses sobre composição genética de indivíduos;
- Propor e testar hipóteses sobre herança, aplicando as ideias de Mendel;
- Interpretar dados apresentados em esquemas, tabelas e gráficos a partir de
conhecimentos sistematizados sobre transmissão das características hereditárias;
- Reconhecer a importância dos testes de DNA na determinação da paternidade.
DESENVOLVIMENTO
Os alunos foram organizados em quatro grupos: um grupo ficou encarregado de elaborar
uma charge sobre um casal de ervilhas amarelas que teve um filho verde; o segundo grupo
elaborou um teatro parodiando o Programa do Ratinho – teste de DNA; o terceiro elaborou
uma aula sobre como funciona o teste de DNA e o quarto grupo elaborou exercícios sobre
tabelas de escala de pares de bases.
No dia da execução, o grupo 1 apresentou a charge à sala sobre a questão da
“paternidade” da ervilha amarela “marido”.
Os alunos iniciaram um debate. Em seguida o grupo 2 apresentou o teatro como paródia
do “Programa do Ratinho; Teste de DNA”. Foi organizado um programa de auditório onde
o restante dos alunos pode participar dando sua opinião se a ervilha “marido” era
realmente o pai. O teatro foi seguindo até o momento em que o “Ratinho” iria revelar o
teste de DNA. No entanto, antes de apresentar o resultado, o grupo 3 ministrou uma aula
sobre como funciona a eletroforese que é utilizada para determinar a paternidade, visto
que o programa não ensina como funciona o teste. Por último, após a explicação, todos os
alunos resolveram os exercícios do grupo 4 sobre uma tabela em escala de pares de
bases com as bases do “marido” ervilha amarela, da “mulher” ervilha amarela, um “amigo”
da mulher ervilha verde e do “filho” ervilha verde para que pudessem descobrir se ele era o
pai ou não.
Produção dos alunos
Charge com o casal de ervilhas amarela tendo um filho ervilha verde.
O roteiro sobre um teatro parodiando o “Programa do Ratinho”, sobre o teste de DNA, em
forma de auditório com os demais alunos da turma.
Fantasias de ervilha e um vídeo sobre o teatro.
I Seminário de Biologia - 2014
9
Uma aula sobre eletroforese, baseado em uma pesquisa realizada pelos próprios alunos e
que foi dada para o resto da turma.
E exercícios sobre tabela de escala de pares de bases para determinação da paternidade
criada pelos alunos para avaliação da aprendizagem.
AVALIAÇÃO
Cada grupo foi avaliado de forma separada, de maneira que a Charge foi avaliada segundo
a clareza da mensagem, o teatro, pelo entrosamento e o roteiro apresentado; a aula, pela
didática apresentada e os exercícios, pela organização e precisão.
Todos foram avaliados pela resolução dos exercícios e pela participação durante as
apresentações.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Propor atividades diferenciadas de maneira que os grupos de alunos possam escolher qual
atividade de acordo com suas habilidades próprias mostrou ser uma excelente ferramenta
para manter a motivação e participação dos alunos até a conclusão do trabalho. Ao
aproveitar programas conhecidos pelos alunos, tornou a aprendizagem mais significativa e
permitiu contextualizar a primeira Lei de Mendel a partir de exemplos do cotidiano, sendo
que praticamente todos os alunos chegaram à conclusão da “paternidade” corretamente.
Essa estratégia possibilitou a autonomia dos alunos no processo, colocando-os como
sujeitos de sua aprendizagem.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Caderno do aluno de Biologia Volume 2, Situação de aprendizagem 4 e Situação de
Aprendizagem 5.
Bio Volume 2, Lopes S; Rosso S. Editora Saraiva. 2010.
DNA https://www.youtube.com/watch?v=xuDFZmRKsYI
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
10
E.E. PADRE BRUNO RICCO
Prevenção da Gravidez na Adolescência
AUTORAS:
Prof.ª Diná Machado Viana Paixão – Biologia
Prof.ª Catarina Cava – Língua Portuguesa
PÚBLICO-ALVO
1 º Ano do Ensino Médio - participação 35 alunos.
OBJETIVOS
Conceituais: Compreensão dos mecanismos reprodutivos da espécie humana;
identificação do aparelho reprodutor feminino e masculino; idade reprodutiva e
conhecimento dos diferentes métodos contraceptivos.
Procedimentais: Selecionar e organizar esquemas que representem o mecanismo de
reprodução humana e os órgãos reprodutores; representar os métodos contraceptivos de
maior eficácia e acessibilidade; ler gráfico que representa índices de gravidez na
adolescência por região.
Atitudinais: Postura consciente frente à atividade sexual na adolescência.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Reconhecer práticas sexuais que envolvem risco de gravidez;
- Identificar diferentes métodos contraceptivos e avaliar sua eficácia e acessibilidade;
- Reconhecer o impacto de uma gravidez na adolescência nos projetos pessoais e
profissionais dos envolvidos;
- Reconhecer a gravidez na adolescência como um risco a saúde, a partir de estatísticas
de saúde;
- Elaborar, apresentar e discutir hipóteses sobre a alta prevalência de gravidez entre
adolescentes.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Na era da informação, adolescentes engravidam por falta de informação?
Investigação
Pesquisa bibliográfica e entrevistas: A pesquisa bibliográfica ocorreu por meio de um
roteiro que deveria ser seguido respondendo a questões permitindo reflexões na
construção do conhecimento referente a mecanismos de reprodução humana, métodos
contraceptivos, índices de gravidez na adolescência por região no território brasileiro,
problemas enfrentados devido à gravidez na adolescência. A base para consulta foram
livros didáticos disponíveis na escola e consulta à internet. Do mesmo modo, as entrevistas
seguiram um roteiro previamente estabelecido pelos alunos com o auxílio da professora de
português e biologia, no qual os entrevistados deveriam preencher certos requesitos, como
terem sido pais na adolescência. Cada grupo de 5 (cinco) alunos deveriam escolher uma
pessoa para entrevistar.
I Seminário de Biologia - 2014
11
Produção dos alunos
1) Leitura e síntese dos mecanismos de reprodução humana; 2) Debate sobre a eficácia e
acessibilidade dos métodos contraceptivos e construção de tabela comparativa; 3)
Construção de gráfico que represente índice de gravidez na adolescência por região; 4)
Debate sobre riscos e consequências negativas na saúde e vida profissional devido a
gravidez na adolescência; 5) Elaboração de roteiro de entrevistas a pais e mães que
passaram pela experiência de gravidez na adolescência; 6) Produção de vídeo de dois
minutos com resumo das entrevistas; 7) Organização de sala temática para apresentação
das mídias e votação na escolha do melhor vídeo produzido pelos alunos.
No decorrer das produções foram realizadas pausas para troca de informações entre os
grupos para que fossem feitas avaliações e acertos nas produções. A escolha do melhor
vídeo foi feita pelos professores que analisaram se os critérios propostos foram
respeitados, tais como tema, tempo, criatividade e coerência.
AVALIAÇÃO
Foram avaliadas as produções dos alunos a partir do desenvolvimento das seguintes
habilidades:
- Capacidade de produzir texto e tabelas;
- Participação nas discussões;
- Produção de mídia;
- Organização para apresentação de resultados;
- Participação colaborativa.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Visto que a bibliografia consultada pelos alunos bem como as entrevistas realizadas
apontaram que pais adolescentes conheciam os métodos contraceptivos mais acessíveis e
de alta eficácia “camisinha”, as atividades possibilitaram aos alunos concluírem que os
motivos da gravidez estão ligados às questões socioeconômicas e culturais e não
necessariamente à falta de informação. A ideia de transformar entrevistas em vídeo e
apresentar a comunidade escolar partiu dos alunos e contribuiu para motivá-los a
participarem das atividades. As produções permitiram um olhar mais cuidadoso sobre as
dificuldades apresentadas pelos alunos no que diz respeito à competência leitora e
escritora apontando para necessidade de um trabalho interdisciplinar para minimizar tais
dificuldades.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CADERNO DO PROFESSOR: Biologia Ensino Médio –1º Ano. São Paulo: SEE, 2014.
CADERNO DO ALUNO: Biologia Ensino Médio – 1º ano. São Paulo: SEE, 2014.
CAMPOS, Maria Cristina da Cunha; NIGRO, Rogério Gonçalves. Teoria E Prática Em
Ciências Na Escola. 1. Edição. São Paulo: FTD, 2009.
GEWANDSZNAJDER, Fernando. Ciências Nosso Corpo. 4. Edição. São Paulo: Ática,
2009.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
12
E. E. PROF. FREDERICO BARROS BROTERO
Violência e a Gravidez na Adolescência
Autor: Prof. Amilton Alves de Oliveira.
PÚBLICO-ALVO
76 alunos do 3ª Ano Ensino Médio A/ B
OBJETIVOS
Promover discussões e debates sobre as causas e consequências do fenômeno da
violência entre os jovens e sua relação com a ocorrência da gravidez na adolescência.
Conceituais: compreensão dos aparelhos reprodutores;
Procedimentais: conhecer e diferenciar métodos contraceptivos;
Atitudinais: postura ética e civilizada frente à gravidez na adolescência e violência.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Reconhecer conceitos básicos pertinentes a gravidez;
- Identificar métodos contraceptivos, avaliando sua eficácia;
- Conscientizar-se do risco à saúde de acordo com estrutura física e biológica;
- Discutir de forma rica e positiva o alto índice da questão no sentido de minimizar a
situação;
- Conceituar violência social física e verbal, paralela à gravidez.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Partimos das seguintes questões:
O que ocasiona atos violentos entre os jovens?
Há relação entre a ocorrência de gravidez na adolescência e a violência?
Investigação
Foi proposto aos alunos que levantassem dez questões sobre o que gostariam de
conhecer sobre o fenômeno da violência.
Orientamos que eles pesquisassem as respostas. Foram oferecidos materiais diversos
(conforme imagens). Nesse processo eles reconheceram que a gravidez na adolescência
era uma das causas da violência.
Foram realizadas pesquisas e entrevistas sociais (familiares e colegas) sobre os quesitos:
1) Sistema reprodutivo – saúde reprodutiva comportamental;
2) Postura social reprodutiva;
3) Postura social econômica.
Produção dos alunos
1) Entrevistas;
2) Debate métodos contraceptivos comparando tabelas formalizadas pelos alunos,
questionando suas diferenças;
I Seminário de Biologia - 2014
13
3) Construção de gráficos mostrando a situação da gravidez e violência em regiões
diferentes.
AVALIAÇÃO
Foram avaliados os conhecimentos adquiridos em relação aos conteúdos trabalhados em
grupos e individualmente por meio de entrega das questões com respostas e elaboração
de esquemas dos aparelhos reprodutores feminino e masculino, relacionando suas
estruturas e funções.
Atividade conclusiva: o representante de cada grupo concluiu brevemente (com sucesso) o
conhecimento adquirido.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A prática dos trabalhos realizados motivou os alunos abrindo um leque no conhecimento e
aprendizagem na colocação de cada tema, mostrando, portanto interesse total na
elaboração de futuros projetos didáticos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Currículo do Estado de São Paulo;
Revista Fala Garoto, Fala Garota;
Vale sonhar - Instituto Kaplan;
Programa Prevenção Também se Ensina.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
14
E.E. PROF. HOMERO RUBENS DE SÁ
Visão de Estudantes sobre as fragilidades do Processo de Envelhecimento,
propondo estratégias para melhorar a qualidade de vida dos Idosos.
Autores
Prof.ª Maria Cecília Gomes da Silva – Biologia
Prof.ª Ana Flávia Toro – Biologia
Prof. Marcos Augusto da Silva – Matemática
Prof. Luiz Flávio Frederico – Educação Física
PÚBLICO-ALVO
Ensino Médio: 1º, 2º, 3º Ano.
OBJETIVOS
Promover reflexão e conhecimento sobre o tema “Envelhecimento e qualidade de vida de
idosos”; provocar mudança de atitude no jovem em relação aos idosos.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
Identificar as fragilidades que acompanham o processo de envelhecimento, propondo
estratégias para melhorar a qualidade de vida dos idosos.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Nota-se que no meio estudantil existem dificuldades na relação entre: adolescentes,
jovens, adultos e idosos, devido ao fato de desconhecerem as necessidades e fragilidades
do público adulto com os quais se relacionam.
Investigação
Através de atividades realizadas em visita ao asilo, entrevistas com idosos, questionários
investigativos, debates, pesquisas bibliográficas, leitura e produção de textos com
interações virtuais, descobrir as concepções dos alunos sobre o processo de
envelhecimento e propor a sua contribuição para melhoria da qualidade de vida, tanto
individual quanto populacional.
Produção dos alunos
Enquetes: Análise de concepções sobre o processo de envelhecimento e melhoria de
qualidade de vida. - Série: E.M. 1º , 2º , 3º Ano, Num. de participantes: 60 alunos
FATORES BIOLÓGICOS
1-Processo de envelhecimento:
Constatamos que os alunos compreendem o verbo “envelhecer” como consequência da
vida, porém não relacionaram as mudanças no comportamento e dificuldades decorrentes
do processo.
2-Cuidados e Preservação da Saúde:
Através dos resultados avaliados, observamos que os alunos tem consciência sobre a
importância de investimentos públicos para o bem estar dos idosos, inclusive possibilitar o
acesso a ambientes adaptados e adequados, entre eles para pessoas portadoras de
deficiência física e mental.
I Seminário de Biologia - 2014
15
FATORES BIOLÓGICOS E LEGAIS
3-Dificuldades que a pessoa idosa possui no dia-a-dia:
Relacionam ao processo de envelhecimento, mas não relacionam a importância do
respeito ao Estatuto dos Idosos - LEI No 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003-Estatuto
do Idoso, Art. 5º da Constituição Federal/Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos,
Declaração Universal dos Direitos Humanos.
FATORES BIOLÓGICOS, FISIOLÓGICOS, POLÍTICOS E SOCIAIS
4-Quanto aos critérios: Acesso, Renda, Mortalidade Precoce dos Idosos, Atividades
Físicas, e Culturais:
Os resultados demonstraram que os alunos acham importante que haja políticas sociais
para os idosos, favorecendo o acesso à renda e à satisfação pessoal. Locais apropriados
para prática de esportes, lazer, atividades culturais, são fatores determinantes para
satisfação pessoal e melhoria da qualidade de vida dos idosos.
AVALIAÇÃO
Interação virtual, pesquisas bibliográficas, produção de textos, seminários, debates,
entrevistas realizadas com idosos em visita ao asilo.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
1-A partir desta pesquisa educacional ficou evidenciada a importância dos trabalhos com
Projetos Interdisciplinares, visto que os alunos apreciam aulas dinâmicas em ambientes
diversificados.
Por meio do contato com os idosos, nossos alunos tiveram a oportunidade de trocar de
experiências pessoais e conhecimentos diversos, carregados por influências oriundas do
cotidiano em ambiente inusitado que marcaram suas vidas e jamais irão esquecer estes
conhecimentos; conforme relatos virtuais, os alunos tornaram-se pessoas mais sensíveis e
humanas.
2-O processo de ensino realizado por meio de uma Sequência Didática, fundamentada de
acordo com o Currículo do Estado de São Paulo, proporcionou um trabalho desenvolvido
em equipe, quando os professores exercem a função de orientador e mediador de
problemas e contextos culturais; visto que a pesquisa para a sala de aula deve promover o
trabalho em equipe (alunos, professor, pais, sociedade), “… propiciando a partir disso a
construção de argumentos que levem a novas verdades” Galiazzi, Moraes e Ramos (2002,
p.10).
3-Podemos concluir que por meio da educação sustenta-se a ideia de estimular
habilidades, valores, atitudes, novas formas de pensar e atuar na sociedade. A
aprendizagem conceitual desenvolvida através de procedimentos pedagógicos,
contextualizados e fundamentados favorece a formação do cidadão crítico, consciente de
seu papel na sociedade, condição essencial para habilitar os sujeitos para intervenção no
mundo, pois como referia Freire (1996, p. 98). “a educação é uma forma de intervenção no
mundo”.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Currículo do Estado de São Paulo – Ciências da Natureza – São Paulo: SEE, 2010.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
16
Constituição da República Federativa do Brasil/ Dos Direitos e Deveres Individuais e
Coletivos
http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/CON1988_05.10.1988/art_5_.shtm
acesso 13 de abril de 2015 às 19h00.
LEI No 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003_Estatuto do Idoso.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm, acesso 12 de Abril às 18h30.
Declaração Universal dos Direitos Humanos.
http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/textos/integra.htm - acesso: 12 de Abril às 19h00.
I Seminário de Biologia - 2014
17
ESCOLA ESTADUAL JARDIM MARIA DIRCE III
Escola Sustentável para Todos: Ações Integradas
Autora: Profª Paula Alves dos Santos
Parceiros:
Prof.ª Elaine Aparecida de Oliveira Horácio
Prof.ª Camila Elias Dias de Mello
Prof.ª Noemi Rosa de Andrade Biacsi
Prof.ª Ivanilde Alves dos Santos
Prof.ª Luana Paula Barbosa
Prof.ª Taysa Soares Bensone
Prof.ª Marineusa Sebastiana de Souza
Prof. José Alves dos Santos
Coordenação: Denize dos Santos Firmo
Direção: Prof.ª Rosangela de Cássia Fernandes
PÚBLICO-ALVO
Alunos e alunas do Ensino Médio -1ª 2ª e 3ª séries.
OBJETIVOS
Envolver a comunidade escolar, comunidade do entorno da escola e colaboradores no
processo educativo voltado à emergências ambientais na utilização de recursos naturais
com a visão sistêmica das relações e interdependências dos seres vivos nos fatores
bióticos e abióticos por meio do Protagonismo Juvenil na observação, investigação e
solução de situações problemas;
Possibilitar conhecimentos interdisciplinares para que os educandos reflitam e tenham
autonomia nas práticas e teorias com o conhecimento epistemológico;
Conhecer o cooperativismo e a economia solidária a partir de produção de alimentos
orgânicos e elaboração de "ecoartesanato".
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como
construções humanas, percebendo seus papeis nos processos de produção e no
desenvolvimento econômico e social da humanidade;
- Avaliar propostas de intervenção no ambiente, considerando a qualidade da vida
humana, ou medidas de conservação, recuperação, ou utilização sustentável da
biodiversidade;
- Interpretar modelos e experimentos para explicar fenômenos ou processos biológicos
em qualquer nível de organização dos sistemas biológicos;
- Compreender o papel da evolução na produção de padrões, processos biológicos ou na
organização taxonômica dos seres vivos.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
18
Necessidade do reaproveitamento de água para regar a horta sem desperdício e
otimização dos espaços verdes para melhor acolhimento estético e inserção de produtos
sem agrotóxicos na merenda escolar.
Investigação
1º ano E.M- realizaram campanhas para coletar plantas ornamentais, medicinais e
hortaliças, bem como recipientes para reutilização como garrafas Pet dentre outros.
Produção de “ecoartesanato”;
2º ano E.M- estudo do solo, afofamento e montagem das hortas verticais. Elaboração de
composteiras, inserção de caixas de coleta de água da chuva e elaboração de “site”;
3º ano E.M- Seminários sobre propriedades das plantas medicinais e trabalhos escritos
relacionados às comunidades sustentáveis e ecovilas.
Resultados
Melhor aproveitamento dos espaços verdes esteticamente e inserção de produtos
orgânicos na merenda escolar. Reutilização da água da chuva para regar e limpeza do
ambiente escolar.
AVALIAÇÃO
Durante todo o processo, participativa, relatórios, registros fotográficos e produções
artísticas.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O presente trabalho trouxe o cooperativismo como ação principal, porém não descartou as
ações individuais de responsabilidade ambiental e social entre os participantes. A escola
sustentável aponta novos desafios pelos envolvidos como a agroecologia e o plantio em
Mandalas. A necessidade da implantação de estufas para melhor desenvolvimento das
plantas está na proposta da escola, bem como algumas adaptações físicas para reuso da
água dos bebedouros. Professores e professoras de várias disciplinas trabalham em
parceria relacionando conteúdos e práticas voltadas a sustentabilidade.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Agricultura Orgânica http://www.iapar.br/arquivos/File/agricultura_organica.pdf;
Artigo PLANTAS MEDICINAIS: CULTURA POPULAR VERSUS CIÊNCIA
Compostagem Caseira https://www.youtube.com/watch?v=foTtZRg9Ud0
Fome no Brasil e no Mundo http://www.infoescola.com/sociologia/fome/
Morselli, Tânia Beatriz G. "Biologia do Solo". A. Editora: UFPEL (Universidade Federal de
Pelotas) Temas: Ecologia, Geologia, Solo
Reaproveitamento Alimentos
http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/Vídeos/Horta/Urbana/Vertical
https://www.youtube.com/watch?v=1OXMHzPjj2k
Vídeos Horta com garrafas PET https://www.youtube.com/watch?v=8d1vg6kvt2s
I Seminário de Biologia - 2014
19
E. E. JOAO ALVARES DE SIQUEIRA BUENO
“Quem Nasceu Primeiro: O Ovo ou Galinha?”
Autoras:
Prof.ª Eliana Nascimento
Prof.ª Daniela Costa
PÚBLICO-ALVO
3º Ano – Turma C – Ensino Médio (EJA)
Participação: 40 alunos
OBJETIVOS
Conceitual: Compreender os processos evolutivos, através do olhar da ciência.
Procedimental: Apresentar aos alunos textos que apresentem o conhecimento científico
sobre a evolução, mostrando que podemos agregar novos conhecimentos sem ferir os
aspectos religiosos.
Atitudinal: Leitura e interpretação, elaboração de cartazes e produção de um artigo de
opinião.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Desenvolver a competência leitora e escritora;
- Ler dados em gráficos e tabelas;
- Interpretar e compreender textos diversos;
- Estabelecer relações de parentesco;
- Compreender o processo evolutivo dentro da Biologia em relação aos animais;
- Produzir artigo de opinião.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
“Quem nasceu primeiro o ovo ou a galinha?”
Este questionamento é uma dúvida proposta por várias pessoas no dia a dia.
Ao ser proposta a nossos alunos, a questão provocou inquietações e dúvidas.
Investigação
A partir dessa questão, que passou a ser um desafio, foi proposto que eles chegassem a
uma resposta científica.
Iniciamos um debate em sala para levantar o conhecimento prévio dos alunos. Eles
apresentaram diversas respostas em várias esferas: religiosas e as de senso comum.
Em seguida, foi solicitado aos alunos que pesquisassem sobre o tema na internet, em
livros e revistas.
Houve a exibição do filme: Darwin e a Árvore da Vida.
Foi distribuído aos alunos textos sobre os estudos de Lamarck Wallace e Darwin, os quais
foram lidos e comentados em sala de aula e realizadas questões de interpretação.
Para a produção de um artigo de opinião foi feita uma leitura compartilhada de um artigo
da Revista Galileu: Devemos viver como os Homens da Caverna? A leitura desencadeou
novas discussões e produção contínua de ideias.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
20
Produção dos Alunos
Com todo esse material em mãos, os grupos foram elaborando suas conclusões, que
foram compartilhadas com a sala. Após a realização dos acertos necessários, houve a
produção e apresentação de cartazes para a classe.
AVALIAÇÃO
Durante todo o processo, foram avaliadas as seguintes ações:
Participação durante as aulas;
Elaboração do texto resenha para o cartaz;
Elaboração do cartaz e apresentação do grupo;
Produção individual do artigo de opinião.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A situação de aprendizagem desenvolvida foi extremamente gratificante. Desenvolver um
trabalho por meio da investigação resultou no envolvimento dos alunos. Atiçou a
curiosidade, provocando discussões produtivas e calorosas, e a interação dos alunos entre
si e com o meio. As estratégias surtiram efeito surpreendente e motivador tanto para mim
quanto para os alunos que, por serem da EJA, passam por várias dificuldades para
completar seus estudos.
Foi importante a participação da professora de Língua Portuguesa que trabalhou o gênero
Artigo de Opinião com os alunos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Currículo do Estado de São Paulo – Ciências da Natureza 2010;
Parâmetros Curriculares – MEC - Caderno do Professor de Biologia e Caderno do Aluno
de Biologia;
Revista Galileu.
I Seminário de Biologia - 2014
21
ESCOLA ESTADUAL PROFª LINDAMIL BARBOSA DE OLIVEIRA
“Dengue, proteja sua saúde e seu ambiente”.
Autora: Prof.ª Regina Sanches Leão
PÚBLICO-ALVO
2ª Série do Ensino Médio (B, C, D) – Participação 90 alunos.
CRONOGRAMA
Tempo estimado: seis aulas (classe) e quatro aulas (extraclasse).
OBJETIVOS
- Contribuir para a preservação da Saúde Pública e incentivar atitudes de combate ao
mosquito da dengue, sua proliferação e erradicação da doença;
- Proporcionar ao discente ações reais entre a teoria e a prática, tornando-os agentes
transformadores do conhecimento/saber.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Identificar o mosquito transmissor: “Aedes aegypti”;
- Ler e interpretar textos, gráficos, tabelas, figuras/imagens relacionadas com o conteúdo
específico;
- Reconhecer/Indicar os prováveis “focos” dos mosquitos no ambiente cotidiano;
- Conhecer os sintomas da doença “Dengue”;
- Diagnosticar as dificuldades em conter os “focos” dos mosquitos transmissores e sua
proliferação;
- Conscientizar os alunos sobre a importante contribuição de cada um na prevenção e na
erradicação da doença ( agentes transformadores – Saúde Pública);
- Reconhecer como os hábitos de higiene e os cuidados com o meio ambiente auxiliam a
manter a saúde e a prevenir doenças.
- Desenvolver ações alternativas / práticas e experimentais caseiras (armadilhas,
repelentes), visando o combate e controle da doença;
- Registrar todas as etapas e explicar através da escrita os conceitos, experimentos e
processos observados e contextualizados com o cotidiano do discente.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Você já combateu a Dengue hoje?
Investigação
Sondagem e motivação sobre o tema: Apresentação de um Vídeo (#1 da referência
bibliográfica): Reportagem realizada na região do Bairro dos Pimentas – Parque Jurema,
Guarulhos/SP, em 10.03.2015 – SPTV/Rede Globo; sobre a cidade e os alarmantes
números de casos de dengue;
Debate: Sensibilização dos inúmeros casos e a contextualização da ação da ação
individual e coletiva sobre a proliferação e erradicação da doença “Dengue”.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
22
Produção Dos Alunos
Leituras (# 2, 3, 4, 5, 6, 10, 11, 12, das referências bibliográficas) e produção de texto
sobre a Dengue/relatórios;
Integração e interação com a realidade atual sobre a Dengue: Localizar possíveis “Focos”
em torno do ambiente interno e externo (extra-classe) na própria unidade escolar (U.E.).
“Promover uma Ação de Combate”;
Aulas explicativas e explicativas para as demais turmas, com as pesquisas e atividades
desenvolvidas;
Demonstração de experimentos caseiros: como armadilhas( #7, 8 da referência
bibliográfica) e repelentes(# 9 da referência bibliográfica), sobre ação de combater a
doença, para as demais turmas.
AVALIAÇÃO
Elaboração de cartazes, folhetos e textos;
Registros: fotos e relatórios;
Apresentação de seminários (em grupo) para as turmas da Unidade Escolar;
Debates e ações transformadoras: Combate contra o mosquito transmissor da Dengue;
Prova bimestral (individual).
RECURSOS
Audiovisual: (#) utilização do acessa escola;
Lousa, giz, apagador, cartolinas, lápis de cor/caneta/cola/tesoura;
Experimentos caseiros: armadilha: garrafa pet 2 litros, fita adesiva, tule/rede fina, água, e
nutriente. E repelente: álcool, cravo e óleo hidratante.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os trabalhos realizados pelos alunos da 2ª série do Ensino Médio (Mar a Abr-2015) foram
de extrema importância para a escola, como também para a comunidade local, em virtude
da localização da unidade escolar e dos índices alarmantes da região.
As atividades também foram apresentadas nas demais turmas da manhã e no ensino
fundamental/ 6º e 8º anos – tarde, com muita participação/ interesse e conscientização de
todos no combate a dengue.
Concluindo, devido aos grandes índices de casos de dengue na região, sugerimos o
prosseguimento deste projeto-ação em demais série/turmas, visando ampliar o campo de
atuação dos agentes transformadores, a partir da problematização - ”Você já combateu a
Dengue hoje?”.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
# Visita ao Acessa Escola:
A cidade de Guarulhos teve alta de 241,7% no número de casos de dengue ... O Parque
Jurema e o Parque Cecap são uns dos mais atingidos pela doença.
G1 - Guarulhos tem alta de 241% em casos de dengue e ...
I Seminário de Biologia - 2014
23
http://g1.globo.com/.../guarulhos-tem-alta-de-241-em-casos-de-dengue-e-apur...
Acessado em: 10 de mar de 2015
http://www.dengue.org.br
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/svs/dengue
http://drauziovarella.com.br/destaque2/dengue/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dengue
http://diariodebiologia.com/2009/12/por-que-o-mesmo-mosquito-pica-a-mesma-pessoa-
varias-vezes/#.VSqur1DFDqd
https://www.youtube.com/watch?v=hVzA78iW6Qw&feature=share
https://www.youtube.com/watch?v=_HCVxs6iT4E&hc_location=ufi
https://www.youtube.com/watch?v=bbzdiCMTzRw&hc_location=ufi
http://g1.globo.com/hora1/noticia/2015/03/cem-cidades-de-sao-paulo-enfrentam-epidemia-
de-dengue.html
http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/zoo/dengue15_import_autoc_res.htm
http://guarulhosfacil.com.br/guarulhos-decreta-situacao-de-emergencia-por-dengue/
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigilancia_em_saude/dengue/inde
x.php?p=3885
https://biologiapro.wordpress.com/dengue/
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
24
EE MARIA APARECIDA FÉLIX PORTO
Evolução dos Seres Vivos/ Origem e evolução da vida
Autora: Prof.ª Erika Rupero Marinho
PÚBLICO-ALVO
45 alunos do 3º ano do Ensino Médio
OBJETIVOS
Identificar evidências e semelhanças no processo de evolução biológica.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Ler e interpretar imagens relativas à evolução;
- Selecionar informações em textos sobre evolução;
- Identificar as principais etapas da evolução com base em textos.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Apresentação dos cartazes do Projeto Genoma “Diferentes, mas Semelhantes”.
Os alunos levantaram as seguintes questões:
Quais diferenças e semelhanças há entre o ser humano e o chimpanzé?
O homem descende do macaco?
Como se justifica as semelhanças entre o chimpanzé e o homem?
Investigação
Explicação sobre o DNA a partir das informações dos cartazes;
Visita ao site do projeto genoma;
Realização das Situações de Aprendizagem do currículo do 3º ano sobre evolução
humana;
Analise de figuras no Caderno do Aluno;
Elaboração de textos com as conclusões e descobertas dos alunos.
Produção dos alunos
Trecho de relato de uma aluna:
“Os seres vivos são semelhantes e essa semelhança começa pelo DNA. Todos os seres
vivos possuem a mesma sequência de bases nitrogenadas e o que muda é a ordem em
que essas bases se ordenam em cada ser vivo. Isso o que faz sermos tão diferentes e
semelhantes ao mesmo tempo. O que é o mais incrível!”.
AVALIAÇÃO
Participação dos alunos em sala de aula, durante as discussões e debate sobre o tema. Ao
final uma produção textual sobre a problematização e os questionamentos desenvolvidos.
I Seminário de Biologia - 2014
25
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Com o desenvolvimento dessa situação de aprendizagem os alunos tiveram que se
posicionar diante de questões polêmicas tendo a oportunidade de perceber e refletir sobre
quem somos e que somos todos frutos de um mesmo fenômeno, a vida.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Currículo do Estado de São Paulo
Caderno do aluno do volume 2 do 3ºano do
Ensino Médio.
Site: http://ib.usp.br/biologia/projetosemear/diferentes/
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
26
ESCOLA ESTADUAL PROF.ª: MARIA LEDA FERNANDES BRIGO
Alimentos Transgênicos
Autores
Prof. Antonio Paulo Alves Pereira
Prof. Tobias de Campos Paulo
Prof.ªValdinéia Lemes Freire
PÚBLICO-ALVO
Alunos dos 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio de 2015.
Total: 400 alunos.
OBJETIVOS
Analisar e compreender as vantagens e desvantagens da utilização dos transgênicos em
nosso cotidiano.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
- Selecionar fontes de informações confiáveis em processos de pesquisas;
- Analisar os argumentos relativos aos riscos e benefícios da utilização de produtos
geneticamente modificados disponíveis no mercado;
- Compreender os aspectos biológicos e os processos tecnológicos envolvidos na
produção de alimentos transgênicos;
- Desenvolver a competência leitora e escritora com a proposta de pesquisas orientadas
com a produção de projetos;
- Elaborar campanhas publicitárias que ressaltem os aspectos positivos e negativos da
utilização da tecnologia de organismos transgênicos.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Os alunos sabem os riscos e benefícios dos transgênicos?
Nas escolas, é importante debater essa questão para que se possa construir uma
consciência crítica em relação a essa e à outras tecnologias de risco. Somente a educação
e a mobilização social podem ajudar, na medida em que alunos desde cedo aprendem a
questionar a transgenia, construindo uma opinião crítica.
Investigação
Durante as aulas, os professores questionaram os alunos se sabiam sobre os riscos e
benefícios dos transgênicos. Em seguida, os alunos buscaram informações em diversas
fontes de pesquisas. Após pesquisa bibliográfica, escolheram qual ponto de vista queriam
defender: a favor ou contra o uso dos transgênicos. Em seguida, partiram para a criação
de um produto fictício de marketing para lançar este produto no mercado, defendendo o
ponto de vista adotado. Também puderam apresentar a campanha publicitária para grupos
de alunos de outras séries, realizando um levantamento de dados sobre a opinião do grupo
em relação à questão abordada.
I Seminário de Biologia - 2014
27
Produção dos alunos
Os alunos produziram campanhas publicitárias sobre os benefícios e riscos dos
transgênicos, por meio de apresentação de seminários e banners, assim como produções
textuais. Nessas apresentações foram abordados os países com maior produção de
alimentos transgênicos. As Pesquisas indicaram que, em alguns casos, ocorreram alergias
e resistência a antibióticos e outros problemas de saúde. Em seguida, ocorreram debates.
AVALIAÇÃO
A avaliação se baseou nos seguintes critérios: organização e participação dos alunos na
elaboração da pesquisa e durante a apresentação dos trabalhos; qualidade na produção
textual.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os alunos tiveram aproveitamento satisfatório, com a participação efetiva da grande
maioria dos alunos.
Os alunos compreenderam as vantagens e desvantagens dos transgênicos e divulgaram
essas informações, alcançando, assim, os objetivos propostos.
Para melhor desenvolvimento desses trabalhos, os alunos poderiam ter um tempo maior
para realizar esse projeto, bem como expandir para a comunidade. Além disso, esse
trabalho proporcionou aos alunos entrar em contato com diferentes textos, com palavras e
termos diferentes, o que possibilita melhoria na competência leitora e escritora.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Caderno do Professor do Ensino Médio/Secretaria da educação
Currículo de Biologia do Estado de São Paulo/Secretaria da educação
Jornal Mundo Jovem/ edição Nº 399, agosto de 2009.
Livro didático de Biologia 2ª edição de 2010, Editora Moderna.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
28
E.E. DEP. MAURICIO GOULART
Sexualidade Prazer em Conhecer
Autora: Prof.ª Nilzete Maria Dias
PÚBLICO-ALVO
3ª Série Ensino Médio “A e B”
45 alunos
OBJETIVOS
Informar sobre sexualidade, vida cotidiana, convivência social e respeito mútuo na
sociedade. Esclarecer dúvidas frequentes e informações peculiares sobre sexo,
sexualidade, preconceito entre outros.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
Saber diferenciar sexo de sexualidade;
Diferenciar tipos de preconceitos sociais;
Reconhecer as principais mudanças corporais que ocorrem em ambos os sexos durante a
puberdade.
Identificar e explicar contraceptivos de proteção contra DSTs.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Tempo estimado: 3 aulas
Exibição do Documentário “Sexualidade, Prazer em Conhecer”, 50 min. – Discussão sobre
o tema entre adolescentes e profissionais (psicólogo, médico, sociólogo e professores).
Investigação
A partir do vídeo, foram elaboradas 40 questões que consistiam em dúvidas frequentes
sobre sexualidade, as quais foram questionadas em grupos e depois discutidas em
plenária.
Foi apresentado o vídeo “Sexualidade Prazer em Conhecer”.
Produção dos alunos
Das 40 questões apresentadas, foram escolhidas 10 por grupo (4 a 5 alunos), sendo
respondidas e discutidas entre eles.
AVALIAÇÃO
Os alunos foram avaliados a partir da participação na discussão coletiva, da escolha das
perguntas e de suas respostas.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Esse trabalho consistiu em uma produtividade progressiva e positiva, esclarecendo
dúvidas de situações cotidianas, o que proporcionou uma evolução de conhecimento aos
alunos.
I Seminário de Biologia - 2014
29
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Vídeo: Sexualidade Prazer em Conhecer, Fundação Roberto Marinho.
Currículo de Biologia - Governo do Estado de São Paulo.
Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul
30
E.E. PROF.ª THEREZINHA CLOSA ELEUTÉRIO
1ª Lei de Mendel / Teste de DNA
Autores
Prof.ª Elaine Oliveira de Lima
Prof. Ronaldo Ferreira de Souza
PÚBLICO-ALVO
2ª séries A, B, C e D Ensino Médio.
OBJETIVOS
Demonstrar que os seres vivos possuem características genéticas que não são expressas,
mas que seus descendentes podem apresentá-las.
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
Compreender as concepções pré-mendelianas e as leis de Mendel;
Propor e testar hipóteses sobre herança, aplicando as ideias de Mendel;
Interpretar dados apresentados em esquemas, tabelas e gráficos a partir de
conhecimentos sistematizados sobre transmissão das características hereditárias;
Prever os resultados de cruzamentos genéticos baseados nas leis de Mendel;
Conceituar gene, alelo, homozigoto, heterozigoto, dominante, recessivo, genótipo e
fenótipo;
Compreender tecnologias de manipulação do DNA – Biotecnologia;
Reconhecer a importância dos testes de DNA na determinação da paternidade, na
investigação criminal e na identificação de indivíduos.
DESENVOLVIMENTO
Problematização
Duas ervilhas amarelas que tiveram um filho verde.
Investigação
Foram ministradas aulas expositivas para todas as turmas. Foi proposto o desenvolvimento
de uma peça teatral. Um grupo de alunos, formados por integrantes de todas turmas se
dispôs a realizar o teatro. Esse grupo pesquisou e elaborou o texto.
“Enredo: Duas ervilhas amarelas casaram-se e tiveram um filho verde. O pai, inconformado
com a situação, volta-se contra a esposa insinuando que ela o traiu. Ele busca orientação
com especialistas a fim de esclarecer suas dúvidas. Mesmo ouvindo dos especialistas que,
em alguns casos, existe a possibilidade de surgir algumas características inesperadas, ele
não se contenta e cria uma grande polêmica com sua esposa. Decide fazer um teste de
DNA e procura programa de televisão “PROGRAMA DO RATINHO”. Após muita discussão
e questionamentos é chegada a hora do resultado que confirma a paternidade”.
Produção dos alunos
Os alunos desenvolveram o texto e apresentaram em forma de teatro.
I Seminário de Biologia - 2014
31
AVALIAÇÃO
Qualidade do enredo e a fidelidade nas explicações científicas apresentadas na história.
Questionário sobre a 1ª Lei de Mendel e Teste de Paternidade.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O objetivo foi atingido plenamente, visto que o grau de satisfação foi de quase 100%,
superando a expectativa de todos: professores, alunos e plateia que assistiram à peça e
interagiram em alguns momentos, opinando sobre o caso e entendendo perfeitamente o
que lhes foram apresentados.
Ao final, houve apreciação do público.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Livro didático: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia em contexto
Adaptação e continuidade da vida. 1ª edição Moderna. São Paulo, 2013.
Sites: www.biologiatotal.com.br ; www.sobiologia.com.br
Caderno do Aluno – 2ª Série Ensino Médio. Nova ed. 2014-2017 Volume 1 – Situação de
Aprendizagem 6 – As ideias de Mendel - Volume 2 – Situação de Aprendizagem 5 – Teste
de identificação pelo DNA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

simulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docx
simulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docxsimulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docx
simulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docx
WELDERWILIANDASILVA
 
Prova de biologia diagnóstico 2º ano
Prova de biologia diagnóstico 2º anoProva de biologia diagnóstico 2º ano
Prova de biologia diagnóstico 2º ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Aula pratica metabolismo energético .
Aula pratica  metabolismo energético .Aula pratica  metabolismo energético .
Aula pratica metabolismo energético .
Ionara Urrutia Moura
 
Gabarito calor e temperatura
Gabarito   calor e temperaturaGabarito   calor e temperatura
Gabarito calor e temperatura
professoraludmila
 
Plano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º anoPlano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º ano
Atividades Diversas Cláudia
 
TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva MuñozTCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Plano de aula 5
Plano de aula 5Plano de aula 5
Plano de aula 5
familiaestagio
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Planejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciênciasPlanejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciências
Marlene Sampaio
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
guestc028f7
 
Aula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humanoAula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humano
Ana Filadelfi
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
MARCIAMP
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
TEYSON VASCONCELOS
 
BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)
BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)
BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)
GernciadeProduodeMat
 
Plano de aula 05 sistema excretor e respiratório
Plano de aula 05 sistema excretor e respiratórioPlano de aula 05 sistema excretor e respiratório
Plano de aula 05 sistema excretor e respiratório
familiaestagio
 
Exercicios cadeia-alimentar-2
Exercicios cadeia-alimentar-2Exercicios cadeia-alimentar-2
Exercicios cadeia-alimentar-2
Atividades Diversas Cláudia
 
Plano de ensino ciências 7º ano
Plano de ensino ciências 7º anoPlano de ensino ciências 7º ano
Plano de ensino ciências 7º ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
profatatiana
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Aula 8º ano - Os alimentos
Aula 8º ano - Os alimentosAula 8º ano - Os alimentos
Aula 8º ano - Os alimentos
Leonardo Kaplan
 

Mais procurados (20)

simulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docx
simulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docxsimulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docx
simulado 6 º ano 2ºBIM Prova adaptada (1).docx
 
Prova de biologia diagnóstico 2º ano
Prova de biologia diagnóstico 2º anoProva de biologia diagnóstico 2º ano
Prova de biologia diagnóstico 2º ano
 
Aula pratica metabolismo energético .
Aula pratica  metabolismo energético .Aula pratica  metabolismo energético .
Aula pratica metabolismo energético .
 
Gabarito calor e temperatura
Gabarito   calor e temperaturaGabarito   calor e temperatura
Gabarito calor e temperatura
 
Plano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º anoPlano de ensino ciências 6º ano
Plano de ensino ciências 6º ano
 
TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva MuñozTCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz
 
Plano de aula 5
Plano de aula 5Plano de aula 5
Plano de aula 5
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Planejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciênciasPlanejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciências
 
AnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo SlidesAnáLise Do ConteúDo Slides
AnáLise Do ConteúDo Slides
 
Aula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humanoAula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humano
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
 
BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)
BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)
BIOLOGIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203)
 
Plano de aula 05 sistema excretor e respiratório
Plano de aula 05 sistema excretor e respiratórioPlano de aula 05 sistema excretor e respiratório
Plano de aula 05 sistema excretor e respiratório
 
Exercicios cadeia-alimentar-2
Exercicios cadeia-alimentar-2Exercicios cadeia-alimentar-2
Exercicios cadeia-alimentar-2
 
Plano de ensino ciências 7º ano
Plano de ensino ciências 7º anoPlano de ensino ciências 7º ano
Plano de ensino ciências 7º ano
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
 
Introdução à Metodologia
Introdução à MetodologiaIntrodução à Metodologia
Introdução à Metodologia
 
Aula 8º ano - Os alimentos
Aula 8º ano - Os alimentosAula 8º ano - Os alimentos
Aula 8º ano - Os alimentos
 

Destaque

Seminário de biologia
Seminário de biologiaSeminário de biologia
Seminário de biologia
Gabriel Moura
 
Atividades agrícolas
Atividades agrícolasAtividades agrícolas
Atividades agrícolas
Uilson Pereira da Silva
 
Plano de curso 1º ano bio 2014
Plano de curso 1º ano bio 2014Plano de curso 1º ano bio 2014
Plano de curso 1º ano bio 2014
Luciana Madsen Pinheiro
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Ementa biologia
Ementa biologiaEmenta biologia
Ementa biologia
Cássio Cunha Dourado
 
Limnociclo
LimnocicloLimnociclo
Seminário sobre a água 2ºc
Seminário sobre a água  2ºcSeminário sobre a água  2ºc
Seminário sobre a água 2ºc
Fernanda Scaramboni
 
Texto seminário
Texto seminárioTexto seminário
Texto seminário
UNIPÊ
 
Slides efeito estufa
Slides efeito estufaSlides efeito estufa
Slides efeito estufa
gilvaniamsilva
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
Kelwin Souza
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
blessedjah
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
João Bastos
 
Efeito De Estufa
Efeito De EstufaEfeito De Estufa
Efeito De Estufa
guest45de82
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
profatatiana
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
André Luiz Marques
 
Slide SemináRio
Slide  SemináRioSlide  SemináRio
Slide SemináRio
Luanalu
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Bio Sem Limites
 
O que é Seminário
O que é SeminárioO que é Seminário
O que é Seminário
crisviudes
 

Destaque (20)

Seminário de biologia
Seminário de biologiaSeminário de biologia
Seminário de biologia
 
Atividades agrícolas
Atividades agrícolasAtividades agrícolas
Atividades agrícolas
 
Plano de curso 1º ano bio 2014
Plano de curso 1º ano bio 2014Plano de curso 1º ano bio 2014
Plano de curso 1º ano bio 2014
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Ementa biologia
Ementa biologiaEmenta biologia
Ementa biologia
 
Limnociclo
LimnocicloLimnociclo
Limnociclo
 
Seminário sobre a água 2ºc
Seminário sobre a água  2ºcSeminário sobre a água  2ºc
Seminário sobre a água 2ºc
 
Texto seminário
Texto seminárioTexto seminário
Texto seminário
 
Slides efeito estufa
Slides efeito estufaSlides efeito estufa
Slides efeito estufa
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Efeito De Estufa
Efeito De EstufaEfeito De Estufa
Efeito De Estufa
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
 
Slide SemináRio
Slide  SemináRioSlide  SemináRio
Slide SemináRio
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
O que é Seminário
O que é SeminárioO que é Seminário
O que é Seminário
 

Semelhante a Caderno de resumos i seminário de biologia

Projeto gema
Projeto gema Projeto gema
Projeto gema
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
Pedagogia de Projetos em Ciências
Pedagogia de Projetos em CiênciasPedagogia de Projetos em Ciências
Pedagogia de Projetos em Ciências
Universidade Federal do Ceará - UFCE
 
Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90
Leonardo Ferreira
 
Boas praticas EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"
Boas praticas   EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"Boas praticas   EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"
Boas praticas EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"
Alexandre Borgonovi
 
Projeto escolaverde 2015
Projeto escolaverde 2015Projeto escolaverde 2015
Projeto escolaverde 2015
Rute Cristina
 
INTERDISCIPLINARIEDADE
INTERDISCIPLINARIEDADE INTERDISCIPLINARIEDADE
INTERDISCIPLINARIEDADE
Netto Barbosa
 
Cinema e ciência
Cinema e ciênciaCinema e ciência
Cinema e ciência
Fabiano Antunes
 
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Catarina Fontinha
 
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
mariacarmcorreia
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
Leilany Campos
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprp
familiaestagio
 
EA nas escolas
EA nas escolasEA nas escolas
Percepcao ambiental
Percepcao ambientalPercepcao ambiental
Percepcao ambiental
Carla Caruso, PhD
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
familiaestagio
 
Slide teste
Slide testeSlide teste
Slide teste
Divareis
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
pibidbio
 
Eliane1
Eliane1Eliane1
Ivonilda teste - curso linux
Ivonilda   teste - curso linuxIvonilda   teste - curso linux
Ivonilda teste - curso linux
ivonildamaria
 
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
Anderson Oliveira
 
Poster Tomasnovo
Poster TomasnovoPoster Tomasnovo

Semelhante a Caderno de resumos i seminário de biologia (20)

Projeto gema
Projeto gema Projeto gema
Projeto gema
 
Pedagogia de Projetos em Ciências
Pedagogia de Projetos em CiênciasPedagogia de Projetos em Ciências
Pedagogia de Projetos em Ciências
 
Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90
 
Boas praticas EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"
Boas praticas   EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"Boas praticas   EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"
Boas praticas EE Dr. "Nestor Sampaio Bittencuort"
 
Projeto escolaverde 2015
Projeto escolaverde 2015Projeto escolaverde 2015
Projeto escolaverde 2015
 
INTERDISCIPLINARIEDADE
INTERDISCIPLINARIEDADE INTERDISCIPLINARIEDADE
INTERDISCIPLINARIEDADE
 
Cinema e ciência
Cinema e ciênciaCinema e ciência
Cinema e ciência
 
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
 
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprp
 
EA nas escolas
EA nas escolasEA nas escolas
EA nas escolas
 
Percepcao ambiental
Percepcao ambientalPercepcao ambiental
Percepcao ambiental
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
 
Slide teste
Slide testeSlide teste
Slide teste
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
 
Eliane1
Eliane1Eliane1
Eliane1
 
Ivonilda teste - curso linux
Ivonilda   teste - curso linuxIvonilda   teste - curso linux
Ivonilda teste - curso linux
 
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA: CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DA 2ª E 3ª SÉRIES ...
 
Poster Tomasnovo
Poster TomasnovoPoster Tomasnovo
Poster Tomasnovo
 

Último

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 

Último (20)

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 

Caderno de resumos i seminário de biologia

  • 1. I Seminário de Biologia - 2014 1 Organização Claudia Segantini Leme
  • 2. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 2 APRESENTAÇÃO Essa publicação apresenta os resumos dos trabalhos apresentados pelos professores de Biologia no “I Seminário de Biologia”, realizado pela Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul, no dia 17 de abril de 2015. O Seminário encerrou um ciclo de Orientações Técnicas que discutiram aspectos relacionados ao ensino de Biologia, com enfoque no desenvolvimento da competência leitora e escritora, bem como, o ensino por investigação. Os professores elaboraram e executaram sequências didáticas autorais, que culminaram com a produção dos trabalhos. Dez dos trabalhos presentes neste compêndio foram apresentados oralmente no “I Seminário de Biologia”. Os demais expuseram em painéis. Essa experiência enfatiza e valoriza a autoria dos profissionais da educação, criando espaços para trocas de experiências exitosas da rede estadual.
  • 3. I Seminário de Biologia - 2014 3 SUMÁRIO PG Apresentação..................................................................................................................... 02 E.E. Prof. Alberto Bacan .................................................................................................... 04 E.E Antônio de Ré ............................................................................................................. 06 E.E Pe. August Johannes Ferdinandus Stauder .............................................................. 08 E. E. Pe. Bruno Ricco ....................................................................................................... 10 E. E. Prof. Frederico de Barros Brotero ............................................................................ 12 E. E. Prof. Homero Rubens de Sá .................................................................................... 14 E. E. Jardim Maria Dirce III ............................................................................................... 17 E. E. Pe. João Álvarez de Siqueira Bueno ....................................................................... 19 E. E. Profª Lindamil Barbosa de Oliveira .......................................................................... 21 E. E. Maria Aparecida Félix Porto .................................................................................... 24 E. E. Maria Leda Fernandes Brigo ................................................................................... 26 E. E. Dep. Maurício Goulart ............................................................................................. 28 E. E. Profª Therezinha Closa Eleutério ............................................................................ 30
  • 4. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 4 ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ALBERTO BACAN Ecologia e Qualidade de Vida Autora: Prof.ª Heulieda Cristóvão de Macedo PÚBLICO-ALVO Alunos do 1º B do Ensino Médio. Os 48 alunos são do período da tarde. OBJETIVOS Levar o aluno a relacionar os conteúdos sobre Ecologia e Qualidade de vida da população com as situações de sua comunidade. Aproximá-los das pesquisas científicas. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Aprender a interpretar a textos científicos, mapas e fotos aéreas; - Identificar e analisar os dados coletados; - Relacionar os dados às suas consequências; - Perceber a importância da preservação das vegetações para a sobrevivência da espécie humana. - Perceber como a ação humana pode interferir positiva e negativamente sobre o ambiente natural e sobre a saúde da população. DESENVOLVIMENTO Problematização Os alunos têm pouco interesse pelo aprendizado e pelos conceitos tratados em sala de aula, e menos ainda por descobertas e pesquisas. Não conseguem relacionar e interpretar as informações com os conceitos apresentados. Há uma distância grande entre a ciência e o cidadão. Cabe à escola e aos professores realizar essa aproximação. O objetivo dessa situação de aprendizagem é trabalhar habilidades e competências necessárias para que no futuro esses alunos possam entender e usufruir, como cidadãos, dos resultados das pesquisas. Investigação Como os pesquisadores realizam as pesquisas? Como a população tem acesso aos resultados? Ações negativas como o desmatamento e ações positivas realizadas através de pesquisa podem interferir na qualidade de vida da população? Quais os problemas na saúde humana de uma região urbana de ações insustentáveis? Quais os ganhos de uma pesquisa com ações em conjunto com a gestão de um município para uma comunidade e para os seres vivos? Produção dos alunos Os alunos conheceram o trabalho dos pesquisadores da UNG (Universidade de Guarulhos) sobre os mapas termais. Nessa pesquisa foram levantadas as temperaturas de cada região de Guarulhos e constatadas as ilhas de calor do município. Tomaram conhecimento das ações realizadas depois dos resultados da pesquisa para amenizar as ilhas de calor, chamado de PIV (Projetos de Ilhas Verdes). Uma dessas ações foi o
  • 5. I Seminário de Biologia - 2014 5 corredor ecológico da região de Cumbica, bairro da região da escola e dos alunos. Os alunos foram a campo, medindo a temperatura e a umidade relativa do ar de duas regiões: Bosque Maia e Corredor Ecológico em Cumbica. Em seguida, relacionaram esses dados aos problemas de saúde por baixa umidade. Perceberam também a recuperação das espécies no ambiente onde foi aplicado o projeto. Como finalização do trabalho, prepararam uma apresentação em forma de cartaz acompanhada de uma apresentação oral. AVALIAÇÃO A avaliação dos alunos se pautou em trabalho de campo, pesquisa bibliográfica, confecção do trabalho e sua apresentação e uma avaliação formal. Resultados: Os alunos desenvolveram o trabalho com um bom desempenho em todos os itens. Na avaliação formal a média da sala aumentou de 4,2 no semestre anterior, para 5,2. Na avaliação qualitativa percebeu-se interesse e motivação em todas as etapas. Houve nervosismo durante a apresentação, mas os alunos mostraram dominar o assunto. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pudemos observar o que todo professor e escola buscam em sala de aula com seus alunos: a participação. Os alunos ficaram atentos, envolvidos e empolgados durante todo o processo. Percebemos o empenho na execução da pesquisa e principalmente na apresentação. Houve um crescimento acadêmico pequeno, mas que pode ser considerado significativo, já que a ação envolveu a relação com diversos assuntos. Cabe ressaltar o aprendizado de vida, postura, responsabilidade e de busca pelo conhecimento. Isso é identificado nos próprios relatos dos alunos: “O trabalho realizado foi de grande enriquecimento em nosso aprendizado, não apenas na vida escolar, mas também na vida pessoal”; “A hora prática da pesquisa foi uma das mais interessantes... E na hora de apresentar... Bom, foi a parte mais vibrante, na qual tivemos que equilibrar todo o nervosismo e ansiedade para transmitir aos outros todo o conhecimento que adquirimos.” (J.F. 1ºB – 2014). Precisamos aproximar os estudantes de atividades reais para o aprendizado ser significativo, sem perder o cunho científico. Um trabalho com o realizado aproxima a ciência do cotidiano dos alunos. “Implica um grande empenho no sentido de cientificar a cidadania e de civilizar a ciência” (SANTOS, 2005, p. 60). Entende-se que a educação e as pesquisas científicas pode assim exercer seu papel pela cidadania, pois esses alunos, enquanto cidadãos passam a ser capazes de analisar as informações e tomar decisões mais conscientes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PIKE, G.; SELBY, D. Educação global: o professor global e o currículo global. Tradução de Paulo P. São Paulo: Textonovo, 2001. v. 2. SANTOS, M. E. V. M. Que cidadania? Lisboa: Santos Edu, 2005. SANTOS, M. A. Educação para a cidadania global: explorando seus caminhos no Brasil. São Paulo: Textonovo, 2006.
  • 6. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 6 E.E VEREADOR ANTÔNIO DE RÉ 1ª Feira de Ciências (2014) Autores: Prof. Rinaldo F. da Silva Prof.ª Mirela Semboloni Prof.ª Marli Araújo Prof. Wagner Nicioka PÚBLICO-ALVO Alunos (as) do ensino fundamental II e ensino médio da E.E Vereador Antônio de Ré. OBJETIVOS Proporcionar aos alunos um espaço para discussão e troca de ideias; desenvolver nos alunos autonomia e senso crítico, assim como o pensamento lógico e vivência do método científico, a fim de que esses compreendam como o conhecimento científico foi e continua sendo construído em nossa história. Além disso, visa à compreensão pelos alunos das universalidades das leis, da importância da biotecnologia em nosso dia a dia, do conhecimento do ambiente e a sondagem de aptidões, bem como a preparação para o mercado de trabalho e a integração do indivíduo na sociedade. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Competências: - Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construção humana e seu papel na sociedade; - Associar intervenções que resultam em degradação ou conservação ambiental a processos produtivos e sociais; - Entender métodos e procedimentos próprios das ciências naturais e aplicá-los em diferentes contextos; - Apropriar-se de conhecimentos da biologia para, em situações-problema, saber agir. Habilidades: - Interpretar modelos e experimentos para explicar fenômenos biológicos em qualquer nível de organização dos sistemas biológicos; - Avaliar propostas de intervenção no ambiente, considerando a qualidade da vida humana ou medidas de recuperação ou utilização sustentável da biodiversidade; - Reconhecer benefícios, limitações e aspectos éticos da biotecnologia; - Avaliar impactos em ambientes naturais decorrentes de atividades humanas. DESENVOLVIMENTO Problematização Como os alunos podem compreender e interpretar os fenômenos e processos biológicos, baseados em modelos e experimentos de Biologia e Química realizados por eles próprios? Como os alunos podem reconhecer os impactos da intervenção humana no meio ambiente por meio de experimentos e construção de modelos?
  • 7. I Seminário de Biologia - 2014 7 Investigação Baseado no que os alunos estavam estudando em sala de aula, foi proposto pelos professores que os alunos construíssem modelos e experimentos relacionados à Biotecnologia, meio ambiente e ecologia. Orientados pelos professores, os alunos pesquisaram em diversas fontes, modelos e experimentos para serem realizados e expostos na feira de Ciências. Esses trabalhos foram discutidos em sala de aula e parte deles desenvolvidos como atividades extraclasse. Produção dos alunos Nos temas relacionados à Biotecnologia, os alunos construíram modelos para explicar a estrutura do DNA e da célula, assim como para explicar os processos de, clonagem, obtenção de células-tronco e transgênicos; os alunos também realizaram experimentos para extração de DNA de frutas e construíram modelos para explicar a estrutura do vírus Ebola. Nos temas relacionados ao meio ambiente, os alunos realizaram diversos experimentos com plantas para explicar o processo de fotossíntese, germinação e fototropismo. Construíram minhocário, maquetes de estação de tratamento de água, e exposições sobre agrotóxicos, plantas medicinais, coleta seletiva de lixo e reciclagem. Com auxílio e supervisão da professora e em local apropriado, os alunos realizaram o show da química, com experimentos relacionados ao tema. AVALIAÇÃO Os alunos foram avaliados durante toda a preparação dos trabalhos, assim como durante e após a realização da feira, de acordo com os seguintes critérios: participação do aluno na equipe durante elaboração do trabalho e de sua execução, participação geral da equipe na apresentação do trabalho na feira e interatividade dos alunos. CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho proposto superou as expectativas. Os alunos desenvolveram trabalhos excelentes. A maioria participou de forma ativa durante a feira, o que é de suma importância. Assim, os objetivos propostos inicialmente foram alcançados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Currículo do Estado de São Paulo. http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Portals/36/arquivos/curriculos/reduzido_Curr%C3 %ADculo_CNT_%20Final_230810.pdf. Acessado em 15 de mar. 2014. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acessado em 15 de mar. 2014. Mancuso, R. Programa Estadual de Feiras de Ciências do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SEC/CECIRS,1995. Parâmetros Curriculares Nacionais. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acessado em 15 de mar. 2014. Pereira AB, Oaigen ER, Hennig G. Feiras de Ciências. Canoas: Ulbra, 2000.
  • 8. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 8 E.E PE. AUGUST JOHANNES FERDINANDUS STAUDER A 1ª Lei de Medel e o Teste do DNA. Será que é o Pai??? Autor: Prof. Marcus Vinicius de Melo Oliveira PÚBLICO-ALVO 30 Alunos do 2º Ano do ensino médio OBJETIVOS Compreender os conceitos de 1ª Lei de Mendel e as explicações do teste de DNA de forma contextualizada e participativa. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Elaborar e testar hipóteses sobre composição genética de indivíduos; - Propor e testar hipóteses sobre herança, aplicando as ideias de Mendel; - Interpretar dados apresentados em esquemas, tabelas e gráficos a partir de conhecimentos sistematizados sobre transmissão das características hereditárias; - Reconhecer a importância dos testes de DNA na determinação da paternidade. DESENVOLVIMENTO Os alunos foram organizados em quatro grupos: um grupo ficou encarregado de elaborar uma charge sobre um casal de ervilhas amarelas que teve um filho verde; o segundo grupo elaborou um teatro parodiando o Programa do Ratinho – teste de DNA; o terceiro elaborou uma aula sobre como funciona o teste de DNA e o quarto grupo elaborou exercícios sobre tabelas de escala de pares de bases. No dia da execução, o grupo 1 apresentou a charge à sala sobre a questão da “paternidade” da ervilha amarela “marido”. Os alunos iniciaram um debate. Em seguida o grupo 2 apresentou o teatro como paródia do “Programa do Ratinho; Teste de DNA”. Foi organizado um programa de auditório onde o restante dos alunos pode participar dando sua opinião se a ervilha “marido” era realmente o pai. O teatro foi seguindo até o momento em que o “Ratinho” iria revelar o teste de DNA. No entanto, antes de apresentar o resultado, o grupo 3 ministrou uma aula sobre como funciona a eletroforese que é utilizada para determinar a paternidade, visto que o programa não ensina como funciona o teste. Por último, após a explicação, todos os alunos resolveram os exercícios do grupo 4 sobre uma tabela em escala de pares de bases com as bases do “marido” ervilha amarela, da “mulher” ervilha amarela, um “amigo” da mulher ervilha verde e do “filho” ervilha verde para que pudessem descobrir se ele era o pai ou não. Produção dos alunos Charge com o casal de ervilhas amarela tendo um filho ervilha verde. O roteiro sobre um teatro parodiando o “Programa do Ratinho”, sobre o teste de DNA, em forma de auditório com os demais alunos da turma. Fantasias de ervilha e um vídeo sobre o teatro.
  • 9. I Seminário de Biologia - 2014 9 Uma aula sobre eletroforese, baseado em uma pesquisa realizada pelos próprios alunos e que foi dada para o resto da turma. E exercícios sobre tabela de escala de pares de bases para determinação da paternidade criada pelos alunos para avaliação da aprendizagem. AVALIAÇÃO Cada grupo foi avaliado de forma separada, de maneira que a Charge foi avaliada segundo a clareza da mensagem, o teatro, pelo entrosamento e o roteiro apresentado; a aula, pela didática apresentada e os exercícios, pela organização e precisão. Todos foram avaliados pela resolução dos exercícios e pela participação durante as apresentações. CONSIDERAÇÕES FINAIS Propor atividades diferenciadas de maneira que os grupos de alunos possam escolher qual atividade de acordo com suas habilidades próprias mostrou ser uma excelente ferramenta para manter a motivação e participação dos alunos até a conclusão do trabalho. Ao aproveitar programas conhecidos pelos alunos, tornou a aprendizagem mais significativa e permitiu contextualizar a primeira Lei de Mendel a partir de exemplos do cotidiano, sendo que praticamente todos os alunos chegaram à conclusão da “paternidade” corretamente. Essa estratégia possibilitou a autonomia dos alunos no processo, colocando-os como sujeitos de sua aprendizagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Caderno do aluno de Biologia Volume 2, Situação de aprendizagem 4 e Situação de Aprendizagem 5. Bio Volume 2, Lopes S; Rosso S. Editora Saraiva. 2010. DNA https://www.youtube.com/watch?v=xuDFZmRKsYI
  • 10. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 10 E.E. PADRE BRUNO RICCO Prevenção da Gravidez na Adolescência AUTORAS: Prof.ª Diná Machado Viana Paixão – Biologia Prof.ª Catarina Cava – Língua Portuguesa PÚBLICO-ALVO 1 º Ano do Ensino Médio - participação 35 alunos. OBJETIVOS Conceituais: Compreensão dos mecanismos reprodutivos da espécie humana; identificação do aparelho reprodutor feminino e masculino; idade reprodutiva e conhecimento dos diferentes métodos contraceptivos. Procedimentais: Selecionar e organizar esquemas que representem o mecanismo de reprodução humana e os órgãos reprodutores; representar os métodos contraceptivos de maior eficácia e acessibilidade; ler gráfico que representa índices de gravidez na adolescência por região. Atitudinais: Postura consciente frente à atividade sexual na adolescência. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Reconhecer práticas sexuais que envolvem risco de gravidez; - Identificar diferentes métodos contraceptivos e avaliar sua eficácia e acessibilidade; - Reconhecer o impacto de uma gravidez na adolescência nos projetos pessoais e profissionais dos envolvidos; - Reconhecer a gravidez na adolescência como um risco a saúde, a partir de estatísticas de saúde; - Elaborar, apresentar e discutir hipóteses sobre a alta prevalência de gravidez entre adolescentes. DESENVOLVIMENTO Problematização Na era da informação, adolescentes engravidam por falta de informação? Investigação Pesquisa bibliográfica e entrevistas: A pesquisa bibliográfica ocorreu por meio de um roteiro que deveria ser seguido respondendo a questões permitindo reflexões na construção do conhecimento referente a mecanismos de reprodução humana, métodos contraceptivos, índices de gravidez na adolescência por região no território brasileiro, problemas enfrentados devido à gravidez na adolescência. A base para consulta foram livros didáticos disponíveis na escola e consulta à internet. Do mesmo modo, as entrevistas seguiram um roteiro previamente estabelecido pelos alunos com o auxílio da professora de português e biologia, no qual os entrevistados deveriam preencher certos requesitos, como terem sido pais na adolescência. Cada grupo de 5 (cinco) alunos deveriam escolher uma pessoa para entrevistar.
  • 11. I Seminário de Biologia - 2014 11 Produção dos alunos 1) Leitura e síntese dos mecanismos de reprodução humana; 2) Debate sobre a eficácia e acessibilidade dos métodos contraceptivos e construção de tabela comparativa; 3) Construção de gráfico que represente índice de gravidez na adolescência por região; 4) Debate sobre riscos e consequências negativas na saúde e vida profissional devido a gravidez na adolescência; 5) Elaboração de roteiro de entrevistas a pais e mães que passaram pela experiência de gravidez na adolescência; 6) Produção de vídeo de dois minutos com resumo das entrevistas; 7) Organização de sala temática para apresentação das mídias e votação na escolha do melhor vídeo produzido pelos alunos. No decorrer das produções foram realizadas pausas para troca de informações entre os grupos para que fossem feitas avaliações e acertos nas produções. A escolha do melhor vídeo foi feita pelos professores que analisaram se os critérios propostos foram respeitados, tais como tema, tempo, criatividade e coerência. AVALIAÇÃO Foram avaliadas as produções dos alunos a partir do desenvolvimento das seguintes habilidades: - Capacidade de produzir texto e tabelas; - Participação nas discussões; - Produção de mídia; - Organização para apresentação de resultados; - Participação colaborativa. CONSIDERAÇÕES FINAIS Visto que a bibliografia consultada pelos alunos bem como as entrevistas realizadas apontaram que pais adolescentes conheciam os métodos contraceptivos mais acessíveis e de alta eficácia “camisinha”, as atividades possibilitaram aos alunos concluírem que os motivos da gravidez estão ligados às questões socioeconômicas e culturais e não necessariamente à falta de informação. A ideia de transformar entrevistas em vídeo e apresentar a comunidade escolar partiu dos alunos e contribuiu para motivá-los a participarem das atividades. As produções permitiram um olhar mais cuidadoso sobre as dificuldades apresentadas pelos alunos no que diz respeito à competência leitora e escritora apontando para necessidade de um trabalho interdisciplinar para minimizar tais dificuldades. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CADERNO DO PROFESSOR: Biologia Ensino Médio –1º Ano. São Paulo: SEE, 2014. CADERNO DO ALUNO: Biologia Ensino Médio – 1º ano. São Paulo: SEE, 2014. CAMPOS, Maria Cristina da Cunha; NIGRO, Rogério Gonçalves. Teoria E Prática Em Ciências Na Escola. 1. Edição. São Paulo: FTD, 2009. GEWANDSZNAJDER, Fernando. Ciências Nosso Corpo. 4. Edição. São Paulo: Ática, 2009.
  • 12. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 12 E. E. PROF. FREDERICO BARROS BROTERO Violência e a Gravidez na Adolescência Autor: Prof. Amilton Alves de Oliveira. PÚBLICO-ALVO 76 alunos do 3ª Ano Ensino Médio A/ B OBJETIVOS Promover discussões e debates sobre as causas e consequências do fenômeno da violência entre os jovens e sua relação com a ocorrência da gravidez na adolescência. Conceituais: compreensão dos aparelhos reprodutores; Procedimentais: conhecer e diferenciar métodos contraceptivos; Atitudinais: postura ética e civilizada frente à gravidez na adolescência e violência. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Reconhecer conceitos básicos pertinentes a gravidez; - Identificar métodos contraceptivos, avaliando sua eficácia; - Conscientizar-se do risco à saúde de acordo com estrutura física e biológica; - Discutir de forma rica e positiva o alto índice da questão no sentido de minimizar a situação; - Conceituar violência social física e verbal, paralela à gravidez. DESENVOLVIMENTO Problematização Partimos das seguintes questões: O que ocasiona atos violentos entre os jovens? Há relação entre a ocorrência de gravidez na adolescência e a violência? Investigação Foi proposto aos alunos que levantassem dez questões sobre o que gostariam de conhecer sobre o fenômeno da violência. Orientamos que eles pesquisassem as respostas. Foram oferecidos materiais diversos (conforme imagens). Nesse processo eles reconheceram que a gravidez na adolescência era uma das causas da violência. Foram realizadas pesquisas e entrevistas sociais (familiares e colegas) sobre os quesitos: 1) Sistema reprodutivo – saúde reprodutiva comportamental; 2) Postura social reprodutiva; 3) Postura social econômica. Produção dos alunos 1) Entrevistas; 2) Debate métodos contraceptivos comparando tabelas formalizadas pelos alunos, questionando suas diferenças;
  • 13. I Seminário de Biologia - 2014 13 3) Construção de gráficos mostrando a situação da gravidez e violência em regiões diferentes. AVALIAÇÃO Foram avaliados os conhecimentos adquiridos em relação aos conteúdos trabalhados em grupos e individualmente por meio de entrega das questões com respostas e elaboração de esquemas dos aparelhos reprodutores feminino e masculino, relacionando suas estruturas e funções. Atividade conclusiva: o representante de cada grupo concluiu brevemente (com sucesso) o conhecimento adquirido. CONSIDERAÇÕES FINAIS A prática dos trabalhos realizados motivou os alunos abrindo um leque no conhecimento e aprendizagem na colocação de cada tema, mostrando, portanto interesse total na elaboração de futuros projetos didáticos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Currículo do Estado de São Paulo; Revista Fala Garoto, Fala Garota; Vale sonhar - Instituto Kaplan; Programa Prevenção Também se Ensina.
  • 14. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 14 E.E. PROF. HOMERO RUBENS DE SÁ Visão de Estudantes sobre as fragilidades do Processo de Envelhecimento, propondo estratégias para melhorar a qualidade de vida dos Idosos. Autores Prof.ª Maria Cecília Gomes da Silva – Biologia Prof.ª Ana Flávia Toro – Biologia Prof. Marcos Augusto da Silva – Matemática Prof. Luiz Flávio Frederico – Educação Física PÚBLICO-ALVO Ensino Médio: 1º, 2º, 3º Ano. OBJETIVOS Promover reflexão e conhecimento sobre o tema “Envelhecimento e qualidade de vida de idosos”; provocar mudança de atitude no jovem em relação aos idosos. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Identificar as fragilidades que acompanham o processo de envelhecimento, propondo estratégias para melhorar a qualidade de vida dos idosos. DESENVOLVIMENTO Problematização Nota-se que no meio estudantil existem dificuldades na relação entre: adolescentes, jovens, adultos e idosos, devido ao fato de desconhecerem as necessidades e fragilidades do público adulto com os quais se relacionam. Investigação Através de atividades realizadas em visita ao asilo, entrevistas com idosos, questionários investigativos, debates, pesquisas bibliográficas, leitura e produção de textos com interações virtuais, descobrir as concepções dos alunos sobre o processo de envelhecimento e propor a sua contribuição para melhoria da qualidade de vida, tanto individual quanto populacional. Produção dos alunos Enquetes: Análise de concepções sobre o processo de envelhecimento e melhoria de qualidade de vida. - Série: E.M. 1º , 2º , 3º Ano, Num. de participantes: 60 alunos FATORES BIOLÓGICOS 1-Processo de envelhecimento: Constatamos que os alunos compreendem o verbo “envelhecer” como consequência da vida, porém não relacionaram as mudanças no comportamento e dificuldades decorrentes do processo. 2-Cuidados e Preservação da Saúde: Através dos resultados avaliados, observamos que os alunos tem consciência sobre a importância de investimentos públicos para o bem estar dos idosos, inclusive possibilitar o acesso a ambientes adaptados e adequados, entre eles para pessoas portadoras de deficiência física e mental.
  • 15. I Seminário de Biologia - 2014 15 FATORES BIOLÓGICOS E LEGAIS 3-Dificuldades que a pessoa idosa possui no dia-a-dia: Relacionam ao processo de envelhecimento, mas não relacionam a importância do respeito ao Estatuto dos Idosos - LEI No 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003-Estatuto do Idoso, Art. 5º da Constituição Federal/Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos, Declaração Universal dos Direitos Humanos. FATORES BIOLÓGICOS, FISIOLÓGICOS, POLÍTICOS E SOCIAIS 4-Quanto aos critérios: Acesso, Renda, Mortalidade Precoce dos Idosos, Atividades Físicas, e Culturais: Os resultados demonstraram que os alunos acham importante que haja políticas sociais para os idosos, favorecendo o acesso à renda e à satisfação pessoal. Locais apropriados para prática de esportes, lazer, atividades culturais, são fatores determinantes para satisfação pessoal e melhoria da qualidade de vida dos idosos. AVALIAÇÃO Interação virtual, pesquisas bibliográficas, produção de textos, seminários, debates, entrevistas realizadas com idosos em visita ao asilo. CONSIDERAÇÕES FINAIS 1-A partir desta pesquisa educacional ficou evidenciada a importância dos trabalhos com Projetos Interdisciplinares, visto que os alunos apreciam aulas dinâmicas em ambientes diversificados. Por meio do contato com os idosos, nossos alunos tiveram a oportunidade de trocar de experiências pessoais e conhecimentos diversos, carregados por influências oriundas do cotidiano em ambiente inusitado que marcaram suas vidas e jamais irão esquecer estes conhecimentos; conforme relatos virtuais, os alunos tornaram-se pessoas mais sensíveis e humanas. 2-O processo de ensino realizado por meio de uma Sequência Didática, fundamentada de acordo com o Currículo do Estado de São Paulo, proporcionou um trabalho desenvolvido em equipe, quando os professores exercem a função de orientador e mediador de problemas e contextos culturais; visto que a pesquisa para a sala de aula deve promover o trabalho em equipe (alunos, professor, pais, sociedade), “… propiciando a partir disso a construção de argumentos que levem a novas verdades” Galiazzi, Moraes e Ramos (2002, p.10). 3-Podemos concluir que por meio da educação sustenta-se a ideia de estimular habilidades, valores, atitudes, novas formas de pensar e atuar na sociedade. A aprendizagem conceitual desenvolvida através de procedimentos pedagógicos, contextualizados e fundamentados favorece a formação do cidadão crítico, consciente de seu papel na sociedade, condição essencial para habilitar os sujeitos para intervenção no mundo, pois como referia Freire (1996, p. 98). “a educação é uma forma de intervenção no mundo”. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Currículo do Estado de São Paulo – Ciências da Natureza – São Paulo: SEE, 2010.
  • 16. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 16 Constituição da República Federativa do Brasil/ Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/CON1988_05.10.1988/art_5_.shtm acesso 13 de abril de 2015 às 19h00. LEI No 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003_Estatuto do Idoso. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm, acesso 12 de Abril às 18h30. Declaração Universal dos Direitos Humanos. http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/textos/integra.htm - acesso: 12 de Abril às 19h00.
  • 17. I Seminário de Biologia - 2014 17 ESCOLA ESTADUAL JARDIM MARIA DIRCE III Escola Sustentável para Todos: Ações Integradas Autora: Profª Paula Alves dos Santos Parceiros: Prof.ª Elaine Aparecida de Oliveira Horácio Prof.ª Camila Elias Dias de Mello Prof.ª Noemi Rosa de Andrade Biacsi Prof.ª Ivanilde Alves dos Santos Prof.ª Luana Paula Barbosa Prof.ª Taysa Soares Bensone Prof.ª Marineusa Sebastiana de Souza Prof. José Alves dos Santos Coordenação: Denize dos Santos Firmo Direção: Prof.ª Rosangela de Cássia Fernandes PÚBLICO-ALVO Alunos e alunas do Ensino Médio -1ª 2ª e 3ª séries. OBJETIVOS Envolver a comunidade escolar, comunidade do entorno da escola e colaboradores no processo educativo voltado à emergências ambientais na utilização de recursos naturais com a visão sistêmica das relações e interdependências dos seres vivos nos fatores bióticos e abióticos por meio do Protagonismo Juvenil na observação, investigação e solução de situações problemas; Possibilitar conhecimentos interdisciplinares para que os educandos reflitam e tenham autonomia nas práticas e teorias com o conhecimento epistemológico; Conhecer o cooperativismo e a economia solidária a partir de produção de alimentos orgânicos e elaboração de "ecoartesanato". HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papeis nos processos de produção e no desenvolvimento econômico e social da humanidade; - Avaliar propostas de intervenção no ambiente, considerando a qualidade da vida humana, ou medidas de conservação, recuperação, ou utilização sustentável da biodiversidade; - Interpretar modelos e experimentos para explicar fenômenos ou processos biológicos em qualquer nível de organização dos sistemas biológicos; - Compreender o papel da evolução na produção de padrões, processos biológicos ou na organização taxonômica dos seres vivos. DESENVOLVIMENTO Problematização
  • 18. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 18 Necessidade do reaproveitamento de água para regar a horta sem desperdício e otimização dos espaços verdes para melhor acolhimento estético e inserção de produtos sem agrotóxicos na merenda escolar. Investigação 1º ano E.M- realizaram campanhas para coletar plantas ornamentais, medicinais e hortaliças, bem como recipientes para reutilização como garrafas Pet dentre outros. Produção de “ecoartesanato”; 2º ano E.M- estudo do solo, afofamento e montagem das hortas verticais. Elaboração de composteiras, inserção de caixas de coleta de água da chuva e elaboração de “site”; 3º ano E.M- Seminários sobre propriedades das plantas medicinais e trabalhos escritos relacionados às comunidades sustentáveis e ecovilas. Resultados Melhor aproveitamento dos espaços verdes esteticamente e inserção de produtos orgânicos na merenda escolar. Reutilização da água da chuva para regar e limpeza do ambiente escolar. AVALIAÇÃO Durante todo o processo, participativa, relatórios, registros fotográficos e produções artísticas. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho trouxe o cooperativismo como ação principal, porém não descartou as ações individuais de responsabilidade ambiental e social entre os participantes. A escola sustentável aponta novos desafios pelos envolvidos como a agroecologia e o plantio em Mandalas. A necessidade da implantação de estufas para melhor desenvolvimento das plantas está na proposta da escola, bem como algumas adaptações físicas para reuso da água dos bebedouros. Professores e professoras de várias disciplinas trabalham em parceria relacionando conteúdos e práticas voltadas a sustentabilidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Agricultura Orgânica http://www.iapar.br/arquivos/File/agricultura_organica.pdf; Artigo PLANTAS MEDICINAIS: CULTURA POPULAR VERSUS CIÊNCIA Compostagem Caseira https://www.youtube.com/watch?v=foTtZRg9Ud0 Fome no Brasil e no Mundo http://www.infoescola.com/sociologia/fome/ Morselli, Tânia Beatriz G. "Biologia do Solo". A. Editora: UFPEL (Universidade Federal de Pelotas) Temas: Ecologia, Geologia, Solo Reaproveitamento Alimentos http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/Vídeos/Horta/Urbana/Vertical https://www.youtube.com/watch?v=1OXMHzPjj2k Vídeos Horta com garrafas PET https://www.youtube.com/watch?v=8d1vg6kvt2s
  • 19. I Seminário de Biologia - 2014 19 E. E. JOAO ALVARES DE SIQUEIRA BUENO “Quem Nasceu Primeiro: O Ovo ou Galinha?” Autoras: Prof.ª Eliana Nascimento Prof.ª Daniela Costa PÚBLICO-ALVO 3º Ano – Turma C – Ensino Médio (EJA) Participação: 40 alunos OBJETIVOS Conceitual: Compreender os processos evolutivos, através do olhar da ciência. Procedimental: Apresentar aos alunos textos que apresentem o conhecimento científico sobre a evolução, mostrando que podemos agregar novos conhecimentos sem ferir os aspectos religiosos. Atitudinal: Leitura e interpretação, elaboração de cartazes e produção de um artigo de opinião. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Desenvolver a competência leitora e escritora; - Ler dados em gráficos e tabelas; - Interpretar e compreender textos diversos; - Estabelecer relações de parentesco; - Compreender o processo evolutivo dentro da Biologia em relação aos animais; - Produzir artigo de opinião. DESENVOLVIMENTO Problematização “Quem nasceu primeiro o ovo ou a galinha?” Este questionamento é uma dúvida proposta por várias pessoas no dia a dia. Ao ser proposta a nossos alunos, a questão provocou inquietações e dúvidas. Investigação A partir dessa questão, que passou a ser um desafio, foi proposto que eles chegassem a uma resposta científica. Iniciamos um debate em sala para levantar o conhecimento prévio dos alunos. Eles apresentaram diversas respostas em várias esferas: religiosas e as de senso comum. Em seguida, foi solicitado aos alunos que pesquisassem sobre o tema na internet, em livros e revistas. Houve a exibição do filme: Darwin e a Árvore da Vida. Foi distribuído aos alunos textos sobre os estudos de Lamarck Wallace e Darwin, os quais foram lidos e comentados em sala de aula e realizadas questões de interpretação. Para a produção de um artigo de opinião foi feita uma leitura compartilhada de um artigo da Revista Galileu: Devemos viver como os Homens da Caverna? A leitura desencadeou novas discussões e produção contínua de ideias.
  • 20. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 20 Produção dos Alunos Com todo esse material em mãos, os grupos foram elaborando suas conclusões, que foram compartilhadas com a sala. Após a realização dos acertos necessários, houve a produção e apresentação de cartazes para a classe. AVALIAÇÃO Durante todo o processo, foram avaliadas as seguintes ações: Participação durante as aulas; Elaboração do texto resenha para o cartaz; Elaboração do cartaz e apresentação do grupo; Produção individual do artigo de opinião. CONSIDERAÇÕES FINAIS A situação de aprendizagem desenvolvida foi extremamente gratificante. Desenvolver um trabalho por meio da investigação resultou no envolvimento dos alunos. Atiçou a curiosidade, provocando discussões produtivas e calorosas, e a interação dos alunos entre si e com o meio. As estratégias surtiram efeito surpreendente e motivador tanto para mim quanto para os alunos que, por serem da EJA, passam por várias dificuldades para completar seus estudos. Foi importante a participação da professora de Língua Portuguesa que trabalhou o gênero Artigo de Opinião com os alunos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Currículo do Estado de São Paulo – Ciências da Natureza 2010; Parâmetros Curriculares – MEC - Caderno do Professor de Biologia e Caderno do Aluno de Biologia; Revista Galileu.
  • 21. I Seminário de Biologia - 2014 21 ESCOLA ESTADUAL PROFª LINDAMIL BARBOSA DE OLIVEIRA “Dengue, proteja sua saúde e seu ambiente”. Autora: Prof.ª Regina Sanches Leão PÚBLICO-ALVO 2ª Série do Ensino Médio (B, C, D) – Participação 90 alunos. CRONOGRAMA Tempo estimado: seis aulas (classe) e quatro aulas (extraclasse). OBJETIVOS - Contribuir para a preservação da Saúde Pública e incentivar atitudes de combate ao mosquito da dengue, sua proliferação e erradicação da doença; - Proporcionar ao discente ações reais entre a teoria e a prática, tornando-os agentes transformadores do conhecimento/saber. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Identificar o mosquito transmissor: “Aedes aegypti”; - Ler e interpretar textos, gráficos, tabelas, figuras/imagens relacionadas com o conteúdo específico; - Reconhecer/Indicar os prováveis “focos” dos mosquitos no ambiente cotidiano; - Conhecer os sintomas da doença “Dengue”; - Diagnosticar as dificuldades em conter os “focos” dos mosquitos transmissores e sua proliferação; - Conscientizar os alunos sobre a importante contribuição de cada um na prevenção e na erradicação da doença ( agentes transformadores – Saúde Pública); - Reconhecer como os hábitos de higiene e os cuidados com o meio ambiente auxiliam a manter a saúde e a prevenir doenças. - Desenvolver ações alternativas / práticas e experimentais caseiras (armadilhas, repelentes), visando o combate e controle da doença; - Registrar todas as etapas e explicar através da escrita os conceitos, experimentos e processos observados e contextualizados com o cotidiano do discente. DESENVOLVIMENTO Problematização Você já combateu a Dengue hoje? Investigação Sondagem e motivação sobre o tema: Apresentação de um Vídeo (#1 da referência bibliográfica): Reportagem realizada na região do Bairro dos Pimentas – Parque Jurema, Guarulhos/SP, em 10.03.2015 – SPTV/Rede Globo; sobre a cidade e os alarmantes números de casos de dengue; Debate: Sensibilização dos inúmeros casos e a contextualização da ação da ação individual e coletiva sobre a proliferação e erradicação da doença “Dengue”.
  • 22. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 22 Produção Dos Alunos Leituras (# 2, 3, 4, 5, 6, 10, 11, 12, das referências bibliográficas) e produção de texto sobre a Dengue/relatórios; Integração e interação com a realidade atual sobre a Dengue: Localizar possíveis “Focos” em torno do ambiente interno e externo (extra-classe) na própria unidade escolar (U.E.). “Promover uma Ação de Combate”; Aulas explicativas e explicativas para as demais turmas, com as pesquisas e atividades desenvolvidas; Demonstração de experimentos caseiros: como armadilhas( #7, 8 da referência bibliográfica) e repelentes(# 9 da referência bibliográfica), sobre ação de combater a doença, para as demais turmas. AVALIAÇÃO Elaboração de cartazes, folhetos e textos; Registros: fotos e relatórios; Apresentação de seminários (em grupo) para as turmas da Unidade Escolar; Debates e ações transformadoras: Combate contra o mosquito transmissor da Dengue; Prova bimestral (individual). RECURSOS Audiovisual: (#) utilização do acessa escola; Lousa, giz, apagador, cartolinas, lápis de cor/caneta/cola/tesoura; Experimentos caseiros: armadilha: garrafa pet 2 litros, fita adesiva, tule/rede fina, água, e nutriente. E repelente: álcool, cravo e óleo hidratante. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os trabalhos realizados pelos alunos da 2ª série do Ensino Médio (Mar a Abr-2015) foram de extrema importância para a escola, como também para a comunidade local, em virtude da localização da unidade escolar e dos índices alarmantes da região. As atividades também foram apresentadas nas demais turmas da manhã e no ensino fundamental/ 6º e 8º anos – tarde, com muita participação/ interesse e conscientização de todos no combate a dengue. Concluindo, devido aos grandes índices de casos de dengue na região, sugerimos o prosseguimento deste projeto-ação em demais série/turmas, visando ampliar o campo de atuação dos agentes transformadores, a partir da problematização - ”Você já combateu a Dengue hoje?”. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS # Visita ao Acessa Escola: A cidade de Guarulhos teve alta de 241,7% no número de casos de dengue ... O Parque Jurema e o Parque Cecap são uns dos mais atingidos pela doença. G1 - Guarulhos tem alta de 241% em casos de dengue e ...
  • 23. I Seminário de Biologia - 2014 23 http://g1.globo.com/.../guarulhos-tem-alta-de-241-em-casos-de-dengue-e-apur... Acessado em: 10 de mar de 2015 http://www.dengue.org.br http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/oministerio/principal/secretarias/svs/dengue http://drauziovarella.com.br/destaque2/dengue/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Dengue http://diariodebiologia.com/2009/12/por-que-o-mesmo-mosquito-pica-a-mesma-pessoa- varias-vezes/#.VSqur1DFDqd https://www.youtube.com/watch?v=hVzA78iW6Qw&feature=share https://www.youtube.com/watch?v=_HCVxs6iT4E&hc_location=ufi https://www.youtube.com/watch?v=bbzdiCMTzRw&hc_location=ufi http://g1.globo.com/hora1/noticia/2015/03/cem-cidades-de-sao-paulo-enfrentam-epidemia- de-dengue.html http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/zoo/dengue15_import_autoc_res.htm http://guarulhosfacil.com.br/guarulhos-decreta-situacao-de-emergencia-por-dengue/ http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigilancia_em_saude/dengue/inde x.php?p=3885 https://biologiapro.wordpress.com/dengue/
  • 24. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 24 EE MARIA APARECIDA FÉLIX PORTO Evolução dos Seres Vivos/ Origem e evolução da vida Autora: Prof.ª Erika Rupero Marinho PÚBLICO-ALVO 45 alunos do 3º ano do Ensino Médio OBJETIVOS Identificar evidências e semelhanças no processo de evolução biológica. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Ler e interpretar imagens relativas à evolução; - Selecionar informações em textos sobre evolução; - Identificar as principais etapas da evolução com base em textos. DESENVOLVIMENTO Problematização Apresentação dos cartazes do Projeto Genoma “Diferentes, mas Semelhantes”. Os alunos levantaram as seguintes questões: Quais diferenças e semelhanças há entre o ser humano e o chimpanzé? O homem descende do macaco? Como se justifica as semelhanças entre o chimpanzé e o homem? Investigação Explicação sobre o DNA a partir das informações dos cartazes; Visita ao site do projeto genoma; Realização das Situações de Aprendizagem do currículo do 3º ano sobre evolução humana; Analise de figuras no Caderno do Aluno; Elaboração de textos com as conclusões e descobertas dos alunos. Produção dos alunos Trecho de relato de uma aluna: “Os seres vivos são semelhantes e essa semelhança começa pelo DNA. Todos os seres vivos possuem a mesma sequência de bases nitrogenadas e o que muda é a ordem em que essas bases se ordenam em cada ser vivo. Isso o que faz sermos tão diferentes e semelhantes ao mesmo tempo. O que é o mais incrível!”. AVALIAÇÃO Participação dos alunos em sala de aula, durante as discussões e debate sobre o tema. Ao final uma produção textual sobre a problematização e os questionamentos desenvolvidos.
  • 25. I Seminário de Biologia - 2014 25 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o desenvolvimento dessa situação de aprendizagem os alunos tiveram que se posicionar diante de questões polêmicas tendo a oportunidade de perceber e refletir sobre quem somos e que somos todos frutos de um mesmo fenômeno, a vida. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Currículo do Estado de São Paulo Caderno do aluno do volume 2 do 3ºano do Ensino Médio. Site: http://ib.usp.br/biologia/projetosemear/diferentes/
  • 26. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 26 ESCOLA ESTADUAL PROF.ª: MARIA LEDA FERNANDES BRIGO Alimentos Transgênicos Autores Prof. Antonio Paulo Alves Pereira Prof. Tobias de Campos Paulo Prof.ªValdinéia Lemes Freire PÚBLICO-ALVO Alunos dos 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio de 2015. Total: 400 alunos. OBJETIVOS Analisar e compreender as vantagens e desvantagens da utilização dos transgênicos em nosso cotidiano. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS - Selecionar fontes de informações confiáveis em processos de pesquisas; - Analisar os argumentos relativos aos riscos e benefícios da utilização de produtos geneticamente modificados disponíveis no mercado; - Compreender os aspectos biológicos e os processos tecnológicos envolvidos na produção de alimentos transgênicos; - Desenvolver a competência leitora e escritora com a proposta de pesquisas orientadas com a produção de projetos; - Elaborar campanhas publicitárias que ressaltem os aspectos positivos e negativos da utilização da tecnologia de organismos transgênicos. DESENVOLVIMENTO Problematização Os alunos sabem os riscos e benefícios dos transgênicos? Nas escolas, é importante debater essa questão para que se possa construir uma consciência crítica em relação a essa e à outras tecnologias de risco. Somente a educação e a mobilização social podem ajudar, na medida em que alunos desde cedo aprendem a questionar a transgenia, construindo uma opinião crítica. Investigação Durante as aulas, os professores questionaram os alunos se sabiam sobre os riscos e benefícios dos transgênicos. Em seguida, os alunos buscaram informações em diversas fontes de pesquisas. Após pesquisa bibliográfica, escolheram qual ponto de vista queriam defender: a favor ou contra o uso dos transgênicos. Em seguida, partiram para a criação de um produto fictício de marketing para lançar este produto no mercado, defendendo o ponto de vista adotado. Também puderam apresentar a campanha publicitária para grupos de alunos de outras séries, realizando um levantamento de dados sobre a opinião do grupo em relação à questão abordada.
  • 27. I Seminário de Biologia - 2014 27 Produção dos alunos Os alunos produziram campanhas publicitárias sobre os benefícios e riscos dos transgênicos, por meio de apresentação de seminários e banners, assim como produções textuais. Nessas apresentações foram abordados os países com maior produção de alimentos transgênicos. As Pesquisas indicaram que, em alguns casos, ocorreram alergias e resistência a antibióticos e outros problemas de saúde. Em seguida, ocorreram debates. AVALIAÇÃO A avaliação se baseou nos seguintes critérios: organização e participação dos alunos na elaboração da pesquisa e durante a apresentação dos trabalhos; qualidade na produção textual. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os alunos tiveram aproveitamento satisfatório, com a participação efetiva da grande maioria dos alunos. Os alunos compreenderam as vantagens e desvantagens dos transgênicos e divulgaram essas informações, alcançando, assim, os objetivos propostos. Para melhor desenvolvimento desses trabalhos, os alunos poderiam ter um tempo maior para realizar esse projeto, bem como expandir para a comunidade. Além disso, esse trabalho proporcionou aos alunos entrar em contato com diferentes textos, com palavras e termos diferentes, o que possibilita melhoria na competência leitora e escritora. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Caderno do Professor do Ensino Médio/Secretaria da educação Currículo de Biologia do Estado de São Paulo/Secretaria da educação Jornal Mundo Jovem/ edição Nº 399, agosto de 2009. Livro didático de Biologia 2ª edição de 2010, Editora Moderna.
  • 28. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 28 E.E. DEP. MAURICIO GOULART Sexualidade Prazer em Conhecer Autora: Prof.ª Nilzete Maria Dias PÚBLICO-ALVO 3ª Série Ensino Médio “A e B” 45 alunos OBJETIVOS Informar sobre sexualidade, vida cotidiana, convivência social e respeito mútuo na sociedade. Esclarecer dúvidas frequentes e informações peculiares sobre sexo, sexualidade, preconceito entre outros. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Saber diferenciar sexo de sexualidade; Diferenciar tipos de preconceitos sociais; Reconhecer as principais mudanças corporais que ocorrem em ambos os sexos durante a puberdade. Identificar e explicar contraceptivos de proteção contra DSTs. DESENVOLVIMENTO Problematização Tempo estimado: 3 aulas Exibição do Documentário “Sexualidade, Prazer em Conhecer”, 50 min. – Discussão sobre o tema entre adolescentes e profissionais (psicólogo, médico, sociólogo e professores). Investigação A partir do vídeo, foram elaboradas 40 questões que consistiam em dúvidas frequentes sobre sexualidade, as quais foram questionadas em grupos e depois discutidas em plenária. Foi apresentado o vídeo “Sexualidade Prazer em Conhecer”. Produção dos alunos Das 40 questões apresentadas, foram escolhidas 10 por grupo (4 a 5 alunos), sendo respondidas e discutidas entre eles. AVALIAÇÃO Os alunos foram avaliados a partir da participação na discussão coletiva, da escolha das perguntas e de suas respostas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esse trabalho consistiu em uma produtividade progressiva e positiva, esclarecendo dúvidas de situações cotidianas, o que proporcionou uma evolução de conhecimento aos alunos.
  • 29. I Seminário de Biologia - 2014 29 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Vídeo: Sexualidade Prazer em Conhecer, Fundação Roberto Marinho. Currículo de Biologia - Governo do Estado de São Paulo.
  • 30. Diretoria de Ensino Região Guarulhos Sul 30 E.E. PROF.ª THEREZINHA CLOSA ELEUTÉRIO 1ª Lei de Mendel / Teste de DNA Autores Prof.ª Elaine Oliveira de Lima Prof. Ronaldo Ferreira de Souza PÚBLICO-ALVO 2ª séries A, B, C e D Ensino Médio. OBJETIVOS Demonstrar que os seres vivos possuem características genéticas que não são expressas, mas que seus descendentes podem apresentá-las. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender as concepções pré-mendelianas e as leis de Mendel; Propor e testar hipóteses sobre herança, aplicando as ideias de Mendel; Interpretar dados apresentados em esquemas, tabelas e gráficos a partir de conhecimentos sistematizados sobre transmissão das características hereditárias; Prever os resultados de cruzamentos genéticos baseados nas leis de Mendel; Conceituar gene, alelo, homozigoto, heterozigoto, dominante, recessivo, genótipo e fenótipo; Compreender tecnologias de manipulação do DNA – Biotecnologia; Reconhecer a importância dos testes de DNA na determinação da paternidade, na investigação criminal e na identificação de indivíduos. DESENVOLVIMENTO Problematização Duas ervilhas amarelas que tiveram um filho verde. Investigação Foram ministradas aulas expositivas para todas as turmas. Foi proposto o desenvolvimento de uma peça teatral. Um grupo de alunos, formados por integrantes de todas turmas se dispôs a realizar o teatro. Esse grupo pesquisou e elaborou o texto. “Enredo: Duas ervilhas amarelas casaram-se e tiveram um filho verde. O pai, inconformado com a situação, volta-se contra a esposa insinuando que ela o traiu. Ele busca orientação com especialistas a fim de esclarecer suas dúvidas. Mesmo ouvindo dos especialistas que, em alguns casos, existe a possibilidade de surgir algumas características inesperadas, ele não se contenta e cria uma grande polêmica com sua esposa. Decide fazer um teste de DNA e procura programa de televisão “PROGRAMA DO RATINHO”. Após muita discussão e questionamentos é chegada a hora do resultado que confirma a paternidade”. Produção dos alunos Os alunos desenvolveram o texto e apresentaram em forma de teatro.
  • 31. I Seminário de Biologia - 2014 31 AVALIAÇÃO Qualidade do enredo e a fidelidade nas explicações científicas apresentadas na história. Questionário sobre a 1ª Lei de Mendel e Teste de Paternidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo foi atingido plenamente, visto que o grau de satisfação foi de quase 100%, superando a expectativa de todos: professores, alunos e plateia que assistiram à peça e interagiram em alguns momentos, opinando sobre o caso e entendendo perfeitamente o que lhes foram apresentados. Ao final, houve apreciação do público. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Livro didático: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia em contexto Adaptação e continuidade da vida. 1ª edição Moderna. São Paulo, 2013. Sites: www.biologiatotal.com.br ; www.sobiologia.com.br Caderno do Aluno – 2ª Série Ensino Médio. Nova ed. 2014-2017 Volume 1 – Situação de Aprendizagem 6 – As ideias de Mendel - Volume 2 – Situação de Aprendizagem 5 – Teste de identificação pelo DNA