SlideShare uma empresa Scribd logo
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO
1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Professores responsáveis
Maria José Ramalho
Maria da Conceição Gomes Macedo Fernandes
julho de 2012
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 2
ÍNDICE
Introdução …………………………………………………………………………………. 3
Metas do projeto…………………………………………………………………………… 5
Objetivos do projeto ……………………………………………………………………… 6
Objetivos específicos …………………………………………………………….. 7
Atitudes científicas ………………………………………………………………………... 8
Descrição geral do projeto ……………………………………………………………… 10
Contextualização…………………………………………………………………… 11
Intervenientes ……………………………………………………………………… 11
Calendarização ……………………………………………………………………. 11
Recursos ………………………………………………………..…………………. 12
Avaliação…………………………………………………………………………………… 13
Normas de segurança ……………………………………………………………………. 14
Símbolos e rótulos de produtos ………………………………………………………….. 15
Planificação de atividades ………………………………………………………………. 16
Grelha de observação da experiência …………………………………………………… 28
Grelha de registo de atividades por estabelecimento de ensino……………….…… 29
Bibliografia ………………………………………………………………………………… 30
Anexos: Fichas com experiências ……………………………………………………….. 31
Guião para elaboração de um relatório científico ……………………………………… 59
SIGLAS
PFEEC – Programa de Formação em Ensino Experimental das Ciências
PE – Projeto Educativo
CEB – Ciclo do Ensino Básico
AEVA – Agrupamento de Escolas Vieira do Minho
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 3
INTRODUÇÃO
O programa de Formação em Ensino Experimental das Ciências (PFEEC) para
professores do 1º Ciclo do Ensino Básico foi iniciado em 2006, pelo Ministério da
Educação, tendo sido desenvolvido entre 2006 e 2010 (Despacho n.º 2143/2007, de 9
de Fevereiro e Despacho n.º 701/2009, de 9 de Janeiro), com um plano de formação
contínua a nível nacional, com a produção de um basto conjunto de documentos
especificamente para esse efeito. Este programa preconizava o reconhecimento do
Ensino Experimental nos primeiros anos de escolaridade, fornecendo-lhes
competências essenciais para o exercício pleno de uma cidadania informada e
aumentar os níveis de literacia científica dos alunos. Simultaneamente promoveu um
aprofundamento de conceitos e conhecimentos científicos por todos os docentes que
estiveram envolvidos e tiveram a oportunidade de conhecer novas abordagens e
metodologias específicas do Ensino Experimental. Ao formar melhor os professores
pretendeu-se, em última instância, contribuir para a melhoria das aprendizagens dos
alunos.
Pessoalmente sentimos que ao frequentar esta formação ficamos com uma
maior capacidade de desenvolver as Ciências Experimentais no 1º ciclo, pois
apreendemos um basto conjunto de conhecimentos, enriquecidos pelo facto de ser
uma formação muito prática em contexto de sala de aula.
A palavra ciência vem da palavra latina scientia, que significa conhecimento. A
ciência é uma política porque, segundo o cientista Latour, é fonte de poder, ou seja, ela
tem a capacidade de convencer, interessar e mobilizar os seus intervenientes. Este
autor nas suas obras e nos seus artigos expande a ligação das ciências com o resto da
cultura e da sociedade.
Ao longo dos séculos, através da ciência e dos seus intervenientes, muitos dos
hábitos da Humanidade foram alterados e acontecimentos provocados, afetando
inevitavelmente a vida das pessoas. Já com Arquimedes, 287-212 a.C., as descobertas
científicas originavam momentos de euforia, dando origem, nesse caso específico à
famosíssima expressão “Eureka, Eureka” (descobri, descobri!), com a descoberta do
meio de determinar a massa volúmica dos corpos, tomando a água como termo de
comparação, inventou diversos instrumentos desde a roldana e a alavanca, dedicando-
se com especial fervor à mecânica.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 4
A invenção da impressa, de Gutenberg, no século XV, deu início ao longo
processo de comunicação e transmissão de conhecimentos e informação, que nos
permite estar presentemente a refletir sobre o papel da ciência na nossa vida.
Os mares e oceanos foram navegados e explorados devendo às imensas
invenções científicas muitas das descobertas alcançadas. As pesquisas sobre o
Universo iniciaram-se com as invenções de Galileu Galilei, no século XVI, fundador da
mecânica moderna e da física experimental, e depois com as investigações de Newton,
no século XVII, cujos esforços no campo quer da matemática, que nas ciências foram
sublimes. A invenção do telefone e posteriores meios de comunicação revolucionaram
a vida quotidiana do ser humano.
Serve esta introdução para aferir da importância da ciência, uma vez que é o
conhecimento, ou conjunto de conhecimentos, e não uma fonte de julgamentos de
valores subjetivos. A ciência é uma das maiores atividades humanas. É a
contemplação da natureza, ou seja de tudo que nos rodeia e da qual fazemos parte.
“O propósito da Educação em Ciência, enquanto componente da experiência educativa global de
todos os jovens, é prepará-los para uma vida satisfatória e completa no mundo do século XXI. Mais
especificamente, o currículo de Ciências deve:
Estimular o entusiasmo e interesse pela ciência de modo a que os jovens se sintam confiantes e
competentes para se envolverem com matérias científicas e técnicas.
Ajudar os jovens a adquirir uma compreensão vasta e geral das ideias importantes e das bases
explicativas das ciência e dos procedimentos do inquérito científico, que têm maior impacto no nosso
ambiente e na nossa cultura em geral.
Possibilitar o aprofundamento de conhecimento quando é necessário, quer por interesse pessoal dos
alunos, quer por motivação de percurso profissional.”
(in http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=4 (28 de junho de 2012, 12:36)
Pretendemos então, dar um novo alento à promoção das Ciências Experimentais
no 1º ciclo, considerando que será uma área de grande motivação para os nossos
alunos. Por este motivo batizamos o nosso projeto com o subtítulo de “Experimento…
logo aprendo!”.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 5
METAS DO PROJETO
De acordo com as orientações emanadas pelo Ministério da Educação aquando
do início do PFEEC, e articulando-as com os problemas identificados no PE de
Agrupamento, pelo qual todos nos regemos, pretendemos com este trabalho contribuir
para a resolução das evidências destacadas.
Os problemas evidências destacados no PE do agrupamento são:
a) Deficiente nível de relações interpessoais, com demonstração de
indisciplina/atitudes incorretas, bem como pouca sensibilidade em relação às questões
de ordem cívica, humanística e ambiental;
b) Elevada taxa de insucesso aliado à falta de objetivos de vida escolar (“querer
ser” e “querer progredir”);
c) Baixo nível de expectativas dos alunos e dos pais em relação à Escola;
d) Falta de métodos de estudo e de trabalho, escassez de hábitos de leitura e
insuficiente domínio de formas de comunicação oral e escrita;
e) Falta de acompanhamento por parte dos Pais e Encarregados de Educação;
f) Carência de hábitos de higiene e de vida saudável;
g) Abandono escolar precoce.
Com este projeto pretende-se primordialmente criar novos hábitos de estudo e
motivação no conjunto dos alunos, nomeadamente através da:
- Criação de métodos de trabalho rigorosos e cooperativos;
- Explicação científica de fenómenos naturais (como dissolução, flutuação,
combustão e propriedades dos materiais, etc.);
- Recolha, organização e representação de dados das experiências realizadas;
- Recorrer à disciplina de Área de Projeto como forma de envolver todos os
alunos do pré-escolar e do 1º ciclo;
- Utilização dos recursos multimédia disponíveis nas escolas para desenvolver
maior investigação, nomeadamente os quadros interativos;
- Diversificação de atividades de acordo com os vários conteúdos programáticos.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 6
OBJETIVOS DO PROJETO
Segundo o Ministério da Educação a constituição do PFEEC teve como principais
objetivos:
1. Aprofundar a compreensão dos professores do 1º CEB sobre a relevância de uma
adequada Educação em Ciências para todos, de modo a mobilizá-los para uma
intervenção inovadora no ensino das Ciências nas suas escolas.
2. Promover a (re)construção de conhecimento didático de conteúdo, com ênfase no
ensino das Ciências de base experimental nos primeiros anos de escolaridade, tendo em
consideração a investigação em Didáticas das Ciências, bem como as atuais Orientações
Curriculares para o Ensino Básico das Ciências Físicas e Naturais.
3. Promover a exploração de situações didáticas para o ensino das Ciências de base
experimental no 1º CEB, através do aprofundamento e/ou reconstrução de conhecimento
científico e curricular.
(In http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=93, 02-07-2012)
Com a implementação do projeto pretende-se contribuir para a prossecução dos
seguintes objetivos gerais do PE do Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo (AEVA):
- Desenvolver uma cultura de escola e de cidadania;
- Desenvolver no aluno o gosto pelo trabalho individual e coletivo, de forma a
promover o sucesso escolar e prevenir o abandono escolar;
- Incentivar a utilização de práticas educativas inovadoras;
- Incentivar o alargamento de horizontes, nomeadamente no que respeita ao
conhecimento das realidades não apenas local, como nacional e internacional;
- Promover o desenvolvimento das capacidades relacionadas com a inteligência
divergente, como a imaginação e a criatividade;
- Apetrechar a escola com meios adequados, otimizando espaços adequados às
necessidades dos alunos;
- Motivar os professores, pessoal não docente, pais e encarregados de
educação, promovendo o seu empenho;
- Reforçar os laços de solidariedade entre toda a comunidade educativa, através
de atividades que mobilizem os saberes de uns, reforçando os saberes dos outros,
unidos num projeto comum em que a grande referência seja a Escola como um todo.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 7
Objetivos específicos
Estabelecemos igualmente alguns objetivos específicos do projeto, que são os
seguintes:
- Adquirir e aprofundar conhecimentos sobre a temática das ciências, articulando
com os conteúdos programáticos do currículo do 1º ciclo;
- Fomentar o gosto pelas ciências nos alunos em geral;
- Diversificar estratégias de atuação em contexto de sala de aula, como forma de
motivação geral dos alunos;
- Impulsionar a experimentação e observação de fenómenos do quotidiano,
facilmente explicáveis com termos científicos;
- Desenvolver o trabalho colaborativo;
- Desenvolver a compreensão de conceitos;
- Promover o uso de vocabulário de forma natural e quotidiana pelos alunos, de
acordo com as experiências realizadas;
- Desenvolver o pensamento crítico, dedutivo e criativo dos alunos;
- Sistematizar o método experimental/metodologia científica no 1º ciclo;
- Fomentar a observação e descrição;
- Desenvolver o espírito científico dos alunos e o gosto pela investigação;
- Contribuir para que o ensino experimental se incorpore na rotina quotidiana;
- Contribuir para que os alunos cresçam como cidadãos participativos na
sociedade atual.
Antes de qualquer objetivo pessoal e específico este documento deverá servir
para melhorar e diversificar o trabalho junto dos alunos, sempre considerando a
envolvência do professor e a sua capacidade de os mobilizar para a temática das
Ciências.
A implementação deste programa pretende valorizar uma articulação pedagógica
curricular entre ciclos de ensino, no seguimento das recomendações evidenciadas nas
orientações curriculares e pedagógicas do Ministério da Educação e dos diversos
documentos oficiais, sendo igualmente uma das prioridades educativas deste
Agrupamento de Escolas (AEVA).
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 8
ATITUDES CIENTÍFICAS
Simultaneamente deverão ser desenvolvidas várias atitudes científicas, que são
transversais a outras áreas do saber, contribuindo no seu todo para o desenvolvimento
emocional dos discentes. Estas atitudes facilitam a aquisição de hábitos de estudo,
promovendo a autonomia e o sentido de responsabilidade.
Através das atividades de ciências poderão ser promovidas oportunidades para
desenvolver atitudes e qualidades pessoais dos alunos, essenciais enquanto cidadãos.
- Curiosidade, através das experiências a generalidade das crianças
desenvolve o espírito de curiosidade, pois vai seguir todo um conjunto de etapas
necessárias para concretização da desejada experiência. É importante aproveitar esta
curiosidade pelo desconhecido para a aprendizagem. Neste sentido, o docente tem a
tarefa de estimular os alunos para alimentar essa curiosidade, quando colocam as suas
questões que deverão ser consideradas, e após as experiências validadas. Nas
atividades de ciências é de extrema relevância o questionamento, sendo uma das mais
importantes atitudes científicas que deve estar presente na aprendizagem da ciência.
- Respeito pela evidência, que se verifica pela capacidade que as crianças
revelam na identificação das evidências em consonâncias com as suas próprias ideias.
Para fomentar esta atitude é essencial que sejam capazes de descrever e explicar o
que observam, para que compreendam que as suas ideias só poderão ser validadas
através da existência de evidências consistentes.
- Espírito de abertura, é de extrema importância que os alunos aceitem novas
ideias, sendo uma das condições basilares para a evolução do conhecimento científico,
pois essa abertura permite que novas explicações científicas reformulem outras.
- Reflexão crítica, sendo necessário ouvir as ideias e opiniões dos outros,
valorizando o que os outros sugerem, pois devem perceber que ideias diferentes das
suas poderão ser úteis e muito importantes. Outro aspeto a realçar é a necessidade de
os alunos entenderem a possibilidade de mudar de ideias e opiniões quando surgirem
outras que melhor se ajustam às evidências verificadas entretanto.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 9
- Perseverança, sendo indispensável uma motivação sistemática dos alunos,
levando-os a perceber que a capacidade de persistir é essencial para alcançar os
objetivos determinados e verificar se as hipóteses estavam corretas. Neste sentido, é
função primordial incentivar os alunos em todas as etapas e tarefas, evidenciando os
aspetos positivos e reforçando os elogios nos esforços efetuados.
- Espírito de cooperação, nas atividades de experimentação é primordial a
existência de um espírito de partilha, ajuda e colaboração, dinamizando-se atividades
que promovam o diálogo e a troca de ideias e opiniões.
Para desenvolver estas atitudes é primordial ter consciência do modo como se
organiza a turma para ensinar ciência, devendo as atividades serem organizadas pelo
professor, considerando a intervenção dos alunos como fundamental no ensino e
aprendizagem da ciência.
As atividades propostas devem ir ao encontro dos interesses dos alunos e
situações ou problemas que apresentam, devendo o professor ter como ponto de
partida essas ideias, interrogações e dúvidas para partir, posteriormente, para a
experimentação. Desta forma tenderá a aumentar a motivação e curiosidade dos
alunos.
As atividades deverão ser, geralmente, realizadas em grupo, favorecendo a
partilha e colaboração entre pares. Não existe um número previamente determinado
para as atividades, dependendo das idades das crianças e da experiência que cada
grupo já possui neste tipo de metodologia de trabalho.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 10
DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO
O projeto que nos propomos implementar contém duas vertentes, uma científica,
partindo sempre de uma situação problemática, uma questão geradora, sobre a qual se
desenvolverá todo o processo de experimentação, por outro lado, existe uma vertente
pedagógica que pretende fazer a transversalidade com os conteúdos desenvolvidos em
contexto de sala de aula, permitindo a sua verificação experimental.
Procedimentos gerais:
Existe um conjunto de processos científicos a seguir no processo experimental:
a) Observar, que implica a utilização de vários sentidos. Neste processo o
professor deverá ajudar os alunos a focalizar nos detalhes e no todo; os alunos
identificam pormenores, semelhanças e diferenças.
b) Classificar, depois de analisar os vários materiais deverão agrupá-los
segundo o que lhes parece mais lógico.
c) Seriar, as crianças devem ser estimuladas a determinar critérios de seriação.
d) Inferir, dando significado às observações efetuadas, explicando o que vê.
e) Elaborar hipóteses, produzindo explicações genéricas na tentativa de
identificar um padrão geral a partir das observações.
f) Prever, é no fundo tentar explicar o que se espera que aconteça com base
nas inferências realizadas em outros contextos.
g) Experimentar, verificar se as previsões se concretizam, sugerindo possíveis
contrariedades ao longo da experimentação.
h) Organizar dados, fazer os registos de cada etapa da experiência através de
preenchimento de tabelas/grelhas ou realização de desenhos.
i) Interpretar dados, fazendo a comparação entre as hipóteses previamente
estabelecidas e as conclusões da experiência.
Os alunos terão de identificar o problema, dependendo da faixa etária, serão
auxiliados nessa tarefa. Deverão questionar o que pretendem mudar e registar os
dados através de tabelas, quadros, gráficos e outros modelos de registo. Nesses
registos formularão as hipóteses (o que pensam que vai acontecer e porquê), depois
de realizar a experiência deverão descrever o que aconteceu e verificar se as hipóteses
se confirmaram ou não.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 11
Contextualização
O AEVA, foi criado de acordo com a organização específica do concelho de
Vieira do Minho, enquadrando-se na denominação de Agrupamento Vertical, uma vez
que integra escolas dos seguintes níveis de ensino: Educação Pré-escolar, Ensino
Básico e Ensino Secundário.
O contexto em que se enquadra é rural, onde se multiplicam situações de
emigração dos habitantes das várias aldeias, principalmente para países europeus.
O projeto é específico para o 1º ciclo, todavia, sempre que possível deverá ser
reforçada a articulação entre ciclos, com a participação dos alunos do Pré-escolar,
principalmente os grupos de 5 anos de idade.
Intervenientes
- Alunos do ensino pré-escolar (sempre que possível e com grupo dos 5 anos);
- Alunos do 1º ciclo do ensino básico;
- Professora coordenadora do projeto e outros elementos da equipa;
- Todos os docentes titulares de turma;
- Professores de outros ciclos, que poderão colaborar em determinadas
atividades/experiências.
Consideramos primordial incluir os alunos do Ensino Pré-escolar pois o
Ministério também já estabeleceu metas de aprendizagem para esse nível de ensino,
considerando-a como a primeira etapa de todo o processo educativo. Essas metas
serão consideradas na organização e planificação do projeto.
Calendarização
No que se refere à calendarização e recursos utilizados estes obedecem a uma
planificação temática por faixas etárias e de acordo com os conteúdos programáticos.
As atividades experimentais deverão ser realizadas no tempo letivo destinado à
Área de Projeto, numa sala destinada para a Ciência, na escola dos alunos, de forma
que nunca tenham de se deslocar da sua própria escola.
Os planos apresentados são uma orientação de trabalho, não impedindo que
cada professor reforce o trabalho experimental com outras experiências e com uma
sequência diferente da apresentada, atendendo as particularidades de cada grupo de
alunos.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 12
Recursos
- Equipamento informático disponível nas escolas;
- Quadros interativos
- Formulários das atividades experimentais
- Formulários dos relatórios das atividades experimentais
- Cópias e material de desgaste
- Variado material reaproveitado, de acordo com cada atividade experimental
- Dossiê com todos os registos das atividades experimentais realizadas por cada
escola, nomeadamente grelhas de observação e de realização de todas as
experiências
Todas as experiências apresentadas podem ser sujeitas a alterações, não sendo
imperativo seguir a ordem sugerida, podendo cada docente realizar outras, que
considere relevantes para complementar conteúdos.
Foi considerado de extrema relevância a utilização dos manuais e livros de
experiências dos alunos, tentando-se minimizar o gasto de material de desgaste,
usando os materiais existentes e recorrendo o mínimo às fotocópias de fichas.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 13
AVALIAÇÃO
O projeto será desenvolvido em todas as escolas e avaliado através da
elaboração de um registo após cada experiência, descrevendo a forma como decorreu
e detetando possíveis falhas, para posterior retificação.
A equipa sugere uma transversalidade dos temas das atividades experimentais a
todas as áreas, ficando ao critério de cada docente a sua aplicabilidade.
As experiências terão uma grelha de observação, que o professor
acompanhante deverá preencher, identificando possíveis lacunas, imprevistos,
problemas durante a atividades experimental, assim como registará o nível de
interesse, participação e motivação do grupo de alunos e cumprimento de objetivos.
Todas as atividades serão avaliadas e a equipa do projeto elaborará
trimestralmente um relatório sobre a evolução do mesmo, com base nas grelhas de
observação e nas fichas de registo realizadas pelos alunos aquando da realização das
experiências.
Ao longo do ano letivo poderão ser feitas ajustes pontuais ao projeto, ajustando
às características das turmas/escolas.
Pretende-se igualmente criar um blogue destinado à divulgação das atividades
do projeto, para que toda a comunidade educativa tenha conhecimento das atividades
desenvolvidas.
No final do ano será elaborado uma reflexão crítica e factual do desenvolvimento
projeto, apontando os pontos fortes e estratégias de melhoria.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 14
NORMAS DE SEGURANÇA
Ao realizar qualquer uma das experiências propostas deverão seguir sempre um
conjunto de normas de segurança.
1- Nunca realizar as experiências sem a presença de adultos.
2- Não comer, beber na zona onde se realizam as experiências.
3- Realizar as experiências respeitando as regras estipuladas pelo professor
orientador das mesmas.
4- Não mexer em materiais ou substâncias desconhecidas.
5- Ouvir com atenção as instruções e expor as dúvidas antes de iniciar as
experiências.
6- Evitar o contacto com produtos químicos com a boca e os olhos.
7- Nas experiências mais perigosas devem usar luvas de látex.
8- Lavar sempre as mãos depois do trabalho experimental.
9- Os materiais usados nas experiências devem ser sempre guardados e mantidos
longe do alcance das crianças.
10-O local de realização das experiências deve ser iluminado e ventilado, possuindo
também uma torneira com água.
11-Lavar e arrumar todos os materiais usados durante as atividades experimentais.
12-Todos os alunos participantes nas experiências devem seguir as etapas de acordo
com o plano da experiência.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 15
SÍMBOLOS E RÓTULOS DE PRODUTOS
tóxico- Evitar o contacto com o corpo humano, através da inalação (cheiro),
ingestão ou absorção pela pele.
inflamável - Manter os produtos afastados das chamas ou fonte de calor.
radioativo - Evitar o contacto com o corpo humano, através da inalação
(cheiro), ingestão ou absorção pela pele.
corrosivo – Evitar o contacto com a pele, olhos e vestuário.
explosivo – Evitar o choque, a fricção e a exposição a temperaturas
elevadas.
nocivo ou irritante – Evitar o contacto direto com o corpo humano.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 16
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
Ensino Pré-escolar e 1º ano de escolaridade
1º Período
Meta de aprendizagem
Pré-escolar
Formação Pessoal e Social: participar num grupo e de iniciar a
aprendizagem de atitudes e valores que lhes permitam tornar-se
cidadãos solidários e críticos.
Conhecimento do Mundo: esta área abarca o início das
aprendizagens nas várias ciências naturais e humanas, tem
continuidade no Estudo do Meio no 1º ciclo e inclui, tal como este,
de forma integrada, o contributo de diferentes áreas científicas
(Ciências Naturais, Geografia e História).
Expressão e Comunicação: nesta área surgem separadamente os
seus diferentes domínios. No domínio das Expressões são
diferenciadas as suas diferentes vertentes: Motora, Plástica,
Musical, Dramática, neste caso designada por Expressão
Dramática/Teatro, tendo-se acrescentado a Dança que tem relações
próximas com a Expressão Motora e Musical.
BLOCO DO PROGRAMA
1º Ano
- À descoberta de si mesmo
- À descoberta dos materiais e
objetos
Conteúdos programáticos de Estudo do Meio
a) Os seus gostos e preferências
b) O seu corpo
c) A saúde do seu corpo
d) Manusear objetos em situações concretas
Experiências
Experiência 1: “Ver, cheirar, tocar com as mãos e provar”.
Experiência 2: “O inventor das cores”
Experiência 3: “Quente ou frio?”
Experiência 4: “A maçã doente”
Experiência 5: “Consegues ver com os olhos fechados?”
Conceitos/termos
Órgãos dos sentidos; saudável,
doença, micróbios, contagioso,
higiene pessoal calor, frio,
quente, temperatura, absorver,
macio, áspero, grosso, grande
pequeno, liso, comprido,
pequeno, curto, rugoso, tato.
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – figuras geométricas; as cores; as quantidades;
contagens; classificar e ordenar; situar-se no espaço em relação aos
objetos; preencher tabelas.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 17
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
Ensino Pré-escolar e 1º ano de escolaridade
2º Período
Meta de aprendizagem
Pré-escolar
Formação Pessoal e Social: participar num grupo e de iniciar a
aprendizagem de atitudes e valores que lhes permitam tornar-se
cidadãos solidários e críticos.
Conhecimento do Mundo: esta área abarca o início das
aprendizagens nas várias ciências naturais e humanas, tem
continuidade no Estudo do Meio no 1º ciclo e inclui, tal como este,
de forma integrada, o contributo de diferentes áreas científicas
(Ciências Naturais, Geografia e História).
Expressão e Comunicação: nesta área surgem separadamente os
seus diferentes domínios. No domínio das Expressões são
diferenciadas as suas diferentes vertentes: Motora, Plástica,
Musical, Dramática, neste caso designada por Expressão
Dramática/Teatro, tendo-se acrescentado a Dança que tem relações
próximas com a Expressão Motora e Musical.
BLOCO DO PROGRAMA
1º Ano
- À descoberta das inter-
relações entre espaços
Conteúdos programáticos de Estudo do Meio
a) Localizar espaços em relação a um ponto de referência
Experiências
Experiência 6: “Criar um relógio de sol”
Experiência 7: “Quanto choveu?”
Conceitos/termos
Motricidade, orientação
espacial, grande, pequeno,
forma, calor, temperatura,
tempo
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – figuras geométricas; as quantidades; contagens;
classificar e ordenar; situar-se no espaço em relação aos objetos;
preencher tabelas; medidas de tempo; figuras e formas.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 18
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
Ensino Pré-escolar e 1º ano de escolaridade
3º Período
Meta de aprendizagem
Pré-escolar
Formação Pessoal e Social: participar num grupo e de iniciar a
aprendizagem de atitudes e valores que lhes permitam tornar-se
cidadãos solidários e críticos.
Conhecimento do Mundo: esta área abarca o início das
aprendizagens nas várias ciências naturais e humanas, tem
continuidade no Estudo do Meio no 1º ciclo e inclui, tal como este,
de forma integrada, o contributo de diferentes áreas científicas
(Ciências Naturais, Geografia e História).
Expressão e Comunicação: nesta área surgem separadamente os
seus diferentes domínios. No domínio das Expressões são
diferenciadas as suas diferentes vertentes: Motora, Plástica,
Musical, Dramática, neste caso designada por Expressão
Dramática/Teatro, tendo-se acrescentado a Dança que tem relações
próximas com a Expressão Motora e Musical.
BLOCO DO PROGRAMA
1º Ano
- À descoberta do ambiente
natural
Conteúdos programáticos de Estudo do Meio
a) Os seres vivos do seu ambiente
Experiências
Experiência 8: “germinação do feijão” (página 76 do manual)
Experiência 9: “A forma e o volume da água” (página 84)
Experiência 10: “O cheiro e o sabor da água” (página 84)
Experiência 11: “Objetos que flutuam ou não” (página 85)
Experiência 12: “A ação da água sobre os materiais” (página 86)
Experiência 13: “Dissolve-se ou não” (página 86)
Conceitos/termos
Volume, forma, quantidade,
cheiro, sabor, destilada,
mineral, incolor, insípida,
inodora, flutuação, moldável,
dissolução
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – propriedades dos objetos (a forma); as cores; as
quantidades; contagens; classificar e ordenar; situar-se no espaço
em relação aos objetos; preencher tabelas; medidas de volumes;
medidas de tempo;
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 19
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
2º Ano de escolaridade
1º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À descoberta de si mesmo
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) O seu corpo
b) A saúde do seu corpo
Experiências
Experiência 1: “Ver, tocar e saborear” (página 2 do livro de
experiências)
Experiência 2: “Qual será o sabor?” (página 33 do manual)
Experiência 3: “A água que bebemos” (página 3 do livro de
experiências)
Experiência 4: “Dissolve ou não dissolve?” (página 4 do livro de
experiências)
Experiência 5: “Será que todos os materiais são flexíveis?” (página 58 do
manual)
Experiência 6: “Será que os materiais têm propriedades diferentes?”
(página 59 do manual)
Conceitos/termos
Solúvel, duro, resistente,
transparente, combustível, flexível,
dissolução, doce, amargo, salgado,
ácido, forma, textura, órgãos dos
sentidos.
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – propriedades dos materiais (formas); as quantidades;
contagens; classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em
relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados;
regularidades.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 20
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
2º Ano de escolaridade
2º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À descoberta do Ambiente
natural
- À Descoberta dos materiais
e objetos
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) Os aspetos físicos do meu local
b) Realizar experiência com o ar
Experiências
Experiência 7: “Vai chover?” (página 14 do livro de experiências)
“Experiência 8: “Será que o ar existe?” (página 91 do manual)
Experiência 9: “Será que o ar tem “peso”?” (página 92 do manual)
Experiência 10: “O ar quente é mais leve que o ar frio? (página 93
do manual)Conceitos/termos
Massa, volume, espaço, movimento,
energia, calor, frio.
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – formas dos materiais; as quantidades; contagens;
classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos
objetos; preencher tabelas; interpretar dados; regularidades;
medidas de tempo; medidas de massa.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 21
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
2º Ano de escolaridade
3º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À descoberta do Ambiente
natural
- À Descoberta dos materiais
e objetos
- À descoberta dos materiais e
objetos
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) Os seres vivos do seu ambiente
a) Materiais de uso corrente
Experiências
Experiência 11 “O que acontece às plantas se não receberem luz
solar?” (página 103 do manual)
“Experiência 12: “O comportamento das sementes em água”
Experiência 13: “Uma semente…uma planta” (página 8 e 9 do livro de
experiências)
Experiência 14: “O que é uma reação química?” (página 10 do livro
de fichas)
Conceitos/termos
Massa, volume, espaço, movimento,
energia, calor, frio.
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – formas geométricas; as quantidades; contagens;
classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos
objetos; preencher tabelas; interpretar dados; regularidades.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 22
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
3º Ano de escolaridade
1º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À descoberta dos materiais e
objetos
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) Realizar experiência de mecânica simples (rodas dentadas,
molas e elásticos; alavancas, balanças, baloiços e mobiles)
Experiências
Experiência 1: “Como funcionam as rodas dentadas?” (página 40
do manual)
Experiência 2: “Como funcionam as molas?” (página 41 do manual)
Experiência 3: “As alavancas” (página 49 do manual)
Experiência 4: “Para que servem as alavancas?”
Experiência 5: “Como fazer um baloiço?” (página 50 do manual)
Experiência 6: “Como conseguir o equilíbrio de uma balança?”
Conceitos/termos
Forças, equilíbrio, elasticidade,
transmissão de movimentos, massa
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas.
Matemática – resolução de problemas classificar e ordenar
materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher
tabelas; interpretar dados; fazer estimativas; comparar massas de
objetos.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 23
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
3º Ano de escolaridade
2º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À descoberta do ambiente
natural
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) Os seres vivos do ambiente próximo
Experiências Experiência 7: “Será que as plantas conseguem desenvolver-se
sem água” (página 93 do manual)
Experiência 8:”O que faz mal às plantas?”
Experiência 9:”O que acontece à planta numa estufa?”
Conceitos/termos
vida, crescimento, temperatura,
saúde, quente, frio, água, humidade,
luz, substâncias nocivas
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas.
Matemática – resolução de problemas classificar e ordenar
materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher
tabelas; interpretar dados; fazer estimativas; comparar massas de
objetos.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 24
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
3º Ano de escolaridade
3º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À descoberta do ambiente
natural
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) Aspetos físicos do meio local
Experiências Experiência 10: “Misturas com água” (livro de experiências do 2º
ano, página 5)
Experiência 11:”Todos os materiais deixam passar a luz?” (página
119 do manual)
Experiência 12:”Refração: Como se forma um arco-íris?” (manual
página 121)
Experiência 13:”O magnetismo dos ímanes: o íman atrai todos os
objetos da mesma forma?” (manual página 125)
Conceitos/termos
vida, crescimento, temperatura,
saúde, quente, frio, água, humidade,
luz, substâncias nocivas
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas.
Matemática – resolução de problemas classificar e ordenar
materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher
tabelas; interpretar dados; fazer estimativas; comparar massas de
objetos.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 25
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
4º Ano de escolaridade
1º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À descoberta de si mesmo
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) O seu corpo (os ossos)
b) A segurança do seu corpo (prevenção de incêndios)
Experiências
Experiência 1: Por que os ossos são duros e resistentes?
Experiência 2: “Extintor caseiro”
Experiência 3: “Um tornado”
Conceitos/termos
Combustão, prevenção,
compostos, reação, dureza,
resistência, estados da água
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – formas geométricas; as quantidades; contagens;
classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos
objetos; preencher tabelas; interpretar dados; medidas de
capacidade; medidas de tempo.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 26
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
4º Ano de escolaridade
2º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À Descoberta do ambiente
natural
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) Aspetos físicos do meio
Experiências
Experiência 4: “A condensação” (página 66 do manual)
Experiência 5: “A solidificação” (página 67 do manual)
Experiência 6: “A evaporação” (página 68 do manual)
Experiência 7: “Fazer nuvens”
Conceitos/termos
Estados da água,
solidificação, vapor, gelo,
condensação, gases,
temperatura
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – medidas de capacidade; as quantidades; contagens;
classificar e ordenar materiais; as formas; situar-se no espaço em
relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; unidades
de tempo.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 27
Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo!
4º Ano de escolaridade
3º Período
BLOCO DO PROGRAMA
- À Descoberta dos materiais
e objetos
Conteúdos programáticos do Estudo do meio
a) Realizar experiências com água
b) Realizar experiências com a eletricidade
c) Realizar experiências com o som
Experiências
Experiência 8: “O repuxo” (página 124 do manual)
Experiência 9: “A flutuação” (página 125 do manual)
Experiência 10: “A dissolução” (página 126 do manual)
Experiência 11: “A força da água” (página 127 do manual)
Experiência 12: “Materiais condutores e não condutores” (página
128 do manual)
Experiência 13: “O som na água” (página 125 do manual)
Conceitos/termos
Solúvel, água, solvente,
solução, soluto, dissolução,
flutuação, densidade,
substâncias, cor, força
Transversalidade
TIC – Uso do quadro interativo e computador
Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar
vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema.
Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de
concluídas; canções alusivas aos temas;
Matemática – medidas de capacidade; as quantidades; contagens;
classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos
objetos; preencher tabelas; interpretar dados; medidas de
comprimento; formas.
Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas
ideias e opiniões dos outros.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 28
GRELHA DE OBSERVAÇÃO DA EXPERIÊNCIA
Ano de escolaridade: ______ Turma: _______ Escola: _______________________
Nº de experiência: _______ Tema: ___________________________________
Título da experiência: __________________________________________________________
Itens a observar Totalmente Parcialmente Incompleto
Cumprimento de objetivos
Tempo de realização ajustada
Muito Razoável Pouco
Interesse revelado pelos alunos
Utilização/assimilação de conceitos/termos
Muitos Poucos Nenhuns
Incidentes verificados
Lacunas surgidas
Observações feitas pelos alunos
Observações: ____________________________________________________________
________________________________________________________________________
Professor Data
_______________ ____/_____/______
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 29
Grelha de registo de atividades por estabelecimento de ensino
Data Ano Turma Atividade/experiência (Designação) Docente
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 30
BIBLIOGRAFIA
Departamento da Educação Básica (DEB) (2004). Organização Curricular e
Programas: Ensino Básico – 1º Ciclo (4ª edição revista). Lisboa: Editorial do ME.
Fialho, Isabel (2009). Ensino Experimental. Lisboa: Areal Editores
Manning, Mick & Granstrom, Brita (2008). O meu primeiro livro Ciências; Rio de Mouro:
Everest Editora.
Martins, Isabel; Veiga, Mª Luísa; Teixeira, Filomena; Vieira, Celina; Vieira; Rui
Marques; Rodrigues, Ana & Couceiro, Fernanda (2007) - Coleção Explorando Materiais
do Ministério da Educação, através da Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento
Curricular.
Ministério da Educação – Departamento de Educação Básica (2001), Currículo
Nacional do Ensino Básico. Lisboa: Editorial do Me.
Rodrigues, Cátia (2009). Experiências com a Natureza; Sintra: K Editora.
Sá, Joaquim (2002). Renovar as práticas no 1º ciclo pela via das ciências da natureza,
Porto: Porto Editora, Coleção Mundo de Saberes.
1- Flutuação em líquidos, guião didático para professores
2- Dissolução em líquidos, guião didático para professores
3- Sementes, germinação e crescimento, guião didático para professores
Outros documentos
Letra, Carlos & Afreixo, Ana M. (2012). Cadernos de Atividades Experimentais, para o
3º ano de escolaridade. Gaialivro
SITES CONSULTADOS
http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rle/n6/n6a13.pdf (28 de junho de 2012; 10:05)
http://ymy.blogs.sapo.pt/315900.html (28 de junho de 2012, 10:12)
http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=4 (28 de junho de 2012,
12:36)
http://www.eb1-feira-n3.rcts.pt/experie.htm
http://cienciaemcasa.cienciaviva.pt/materia.html
http://www.cienciadivertida.pt/
http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=93
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 31
ANEXOS
Fichas com as experiências
(no caso de não estarem disponíveis nos materiais dos
alunos)
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 32
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 1: “Ver, cheirar, tocar com as mãos e provar”
Questão: Todos os alimentos têm o mesmo sabor?
Materiais:
- sal, açúcar, 1 laranja, 1 limão, chocolate amargo, 1 maçã
Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo: os seus gostos e preferências
Objetivos:
- Identificar alimentos;
- Distinguir diferentes sabores;
- Identificar formas e cores.
Procedimentos:
1- Alunos fazem grupos de acordo com o nº total da turma.
2- Cada faz grupo as previsões sobre o sabor de cada alimento.
PREVISÕES: Alunos fazem as suas previsões, colocando uma X (sem provar).
Doce Amargo Salgado Ácido
sal
açúcar
chocolate
limão
laranja
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 33
VAMOS EXPERIMENTAR!
1- Provar os alimentos.
2- Assinalar com X o principal sabor de cada um.
Doce Amargo Salgado Ácido
sal
açúcar
chocolate
limão
laranja
CONCLUSÃO: (as próprias crianças podem opinar sobre as descobertas efetuadas,
devendo conseguir reconhecer a existência de sabores, cores e formas diferentes)
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 34
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
A maçã é…
1- Cada grupo deve desenhar uma maçã em papel branco A4.
2- Os vários desenhos são apresentados e comparados.
3- Usar os sentidos para descrever a maçã da figura.
4- Cada grupo apresenta o seu trabalho e explica que órgão é
necessário para identificar cada uma das propriedades.
Rodeia as opções corretas.
CONCLUSÃO:
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
Grupo: __________________________________ Data: _____________________
Doce
Salgada Ácida
Verde Vermelha
Amarela
Arredondada Quadrada
Sem forma
Sem cheiro Perfumada Cheiro desagradável
Lisa Áspera Rugosa
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 35
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 2: “O inventor de cores”
Problema: Cada grupo tem de construir uma árvore com tronco, ramos e folhas. Mas
não têm as cores necessárias.
Como podem conseguir plasticina de novas cores?
Materiais: vários pedaços de plasticina azul, amarelo e vermelho, (podendo substituir
plasticina por tintas, de acordo com o material disponível)
Conteúdo programático: À descoberta dos materiais e objetos (propriedades dos
materiais)
Objetivos:
- Identificar cores.
- Inventar novas cores.
- Compreender que algumas cores resultam de misturas de cores.
Procedimentos:
1- A cada grupo é dada plasticina/tinta das três cores.
PREVISÕES: Alunos fazem as suas previsões e o docente escreve.
Como conseguir novas cores?
Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4
2- Pintar os resultados que achas que vais obter com cada uma das seguintes
misturas.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 36
Vamos Experimentar!
3- Preparar 3 pedaços de plasticina/tinta de cada uma das cores.
4- Misturar cores diferentes de acordo com a tabela seguinte.
5- Pintar os resultados obtidos.
6- Os resultados obtidos foram aqueles que esperavam? Assinala com X.
Acertamos em todas as cores.
Acertamos em algumas cores.
Não acertamos nas cores.
CONCLUSÕES:
Se misturar vermelho e azul obtemos.
Se misturar vermelho e amarelo obtemos.
Se misturar amarelo e azul obtemos.
Se misturar as três cores obtemos.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 37
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 3: “Quente ou frio?”
Problema: Porque usamos roupas claras quando o tempo está quente e roupas
escuras quando está frio?
Materiais: 4 cubos de gelo do mesmo tamanho; 4 quadrados de cartolina, 2 escuros e
2 claros; folhas de jornal.
Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (A saúde do seu corpo)
Objetivos:
- Compreender que as cores escuras absorvem a luz, podendo levar ao aquecimento,
enquanto as cores claras, por refletirem a luz, não contribuem para o aquecimento.
- Relacionar as cores do vestuário com as estações do ano e os estados do tempo.
Procedimentos:
1- Abrir o jornal sobre uma mesa, perto de uma janela para receber luz solar
2- Colocar sobre as folhas do jornal os 4 quadrados de cartolina.
3- Sobre cada quadrado de cartolina colocar um cubo de gelo.
Previsões:
O cubo de gelo derrete primeiro nas cartolinas escuras.
O cubo de gelo derrete primeiro nas cartolinas claras.
O cubo de gelo derrete ao mesmo tempo em ambas as cartolinas.
CONCLUSÕES:
1- Os resultados obtidos foram aqueles que esperavam? Assinala com X.
Acertamos nas previsões. O gelo derreteu primeiro nas cartolinas escuras.
Não acertamos nas previsões. O gelo derreteu primeiro nas cartolinas claras.
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 38
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 4: “A maçã doente”
Problema: Como é que uma maçã saudável pode ficar “doente”?
Materiais: 2 maçãs ou peras saudáveis; 1 maçã ou pera podre (doente); palitos; caixa
de plástico; faca de plástico; lupa; caneta de acetato.
Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (A saúde do seu corpo, regras de
higiene do corpo)
Objetivos:
- Conhecer formas de transmissão de doenças.
- Conhecer regras de higiene na prevenção de doenças
- Fazer previsões.
- Comparar os resultados com as previsões.
Procedimentos:
1- Identificar as 3 maçãs através de letras (A, B, C), sendo a maçã A, a doente, e
as outras saudáveis.
2- Espetar um palito na parte podre da maçã A.
3- Retirar o palito da maçã A (doente) e espetá-lo na maçã B.
4- Colocar as 3 maçãs na caixa, afastadas entre si.
PREVISÕES:
Desenhar o que julgam que irá acontecer às 3
maçãs.
CONCLUSÕES:
1- Os resultados obtidos foram aqueles que esperavam? Assinala com X.
Acertamos nas previsões. Todas as maçãs ficaram iguais.
Não acertamos nas previsões. A maçã B ficou “doente”.
A maçã C ficou “doente”. Todas as maçãs ficaram “doentes”.
Concluímos que _____________________________________________________
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 39
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 5: “Consegues ver com olhos fechados”
Problema: Consegues ver com os olhos fechados?
Materiais: 1 caixa de cartão com tampa (por grupo); diversos materiais da sala de aula;
tesoura.
Conteúdo programático: À descoberta dos materiais e objetos (propriedades dos
materiais)
Objetivos:
- Reconhecer formas e texturas;
- Identificar objetos pela forma e textura;
- Explicar a utilização de diferentes objetos;
- Agrupar materiais segundo as suas propriedades.
Procedimentos:
1- Com a tesoura abrir um buraco na tampa da caixa, de forma a caber a mão;
2- Escolher objetos e colocá-los dentro da caixa, fechando-a para que não se veja
o seu conteúdo;
3- Trocar as caixas entre grupos;
4- Uma criança de cada vez, coloca a mão dentro da caixa e agarra um objeto.
5- Comunicar aos colegas e forma e a textura do objeto (sem o tirar da caixa);
6- Se conseguir identificar o objeto, deve dizer o seu nome e retirá-lo da caixa.
7- Repete a atividade outra criança.
CONCLUSÃO: Podemos identificar diferentes objetos através de:
Acertamos em todos os objetos.
Não acertamos em todos os objetos.
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 40
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 6: “Criar um relógio de Sol”
Problema: Conseguimos marcar o tempo?
Materiais: 1 prato de plástico, 1 lápis e 1 régua, 1 palhinha, 1 cartolina e 1 tesoura e
canetas de feltro.
Conteúdo programático:
- O seu passado próximo
- Localizar espaços em relação a um ponto de referência.
Objetivos:
- Reconhecer a unidade de tempo o dia
- Reconhecer a sucessão de atos praticados ao longo do dia
- Registar na linha do tempo acontecimentos
- Desenvolver a expressão criativa
- Reconhecer a semana como unidade de tempo
Previsões:
Não conseguimos marcar o tempo. Conseguimos marcar o tempo.
Procedimentos:
1- Desenha um círculo numa cartolina, seguindo o contorno do prato
2- Pede ajuda a um adulto para recortar o círculo e fazer um buraco ao centro
3- Depois faz 2 cortes com 2 cm de comprimento numa das pontas da palhinha e
insere-a no buraco do prato
4- Cola uma fita adesiva as duas metades da palhinha na parte inferior do prato.
5- Alguns minutos do meio-dia, com ajuda de um adulto, coloca o círculo virado
para cima, num lugar onde dê o sol.
6- Quando for meio-dia, desenha com a régua um pequeno risco na borda do prato
no sítio onde se projeta a sombra o sol. Nesse risco vamos escrever 12h.
7- Decorar o relógio.
CONCLUSÃO:
Conseguimos marcar o tempo através de um relógio de sol.
Não conseguimos marcar o tempo através de um relógio de sol.
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 41
ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 7: “Quanto choveu?”
Problema: Poderemos saber em que dia choveu mais e em que dia choveu menos?
Materiais: garrafões de 5 litros de plástico transparente; corantes 1 lápis e 1 régua, 1
palhinha, 1 cartolina e 1 tesoura e canetas de feltro.
Conteúdo programático:
- As suas perspetivas para o futuro próximo
Objetivos:
- Reconhecer a unidade de tempo o dia
- Identificar a noção de antes/depois e anterior e posterior
- Fazer o registo de dados através de gráfico de barras
- Identificar diferentes estados de tempo
- Comparar ações praticadas ontem, hoje e amanhã
Previsão:
- Conseguimos descobrir em que dia chove mais ou menos.
Procedimentos:
1- Num dia de chuva põe várias vasilhas a apanhar chuva. Tem o cuidado de não pores
nenhuma debaixo de uma árvore.
2- Escolher garrafões do mesmo tamanho.
3- Colocar um garrafão em cada dia da semana, devidamente identificado com corantes
de diferentes cores. No fim de cada dia retirar o respetivo garrafão.
4- No final da semana comparar as quantidades de água de cada garrafão.
5- Elaborar gráfico de barras, utilizando as cores de cada garrafão.
CONCLUSÃO:
Conseguimos saber em que dia da semana choveu mais ou menos.
Não conseguimos saber em que dia da semana choveu mais ou menos.
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 42
2 º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 12 (3º período): Contato das sementes com água
Problema: Como se comportam as diferentes sementes quando colocadas em água?
Materiais: sementes variadas, recipientes e água.
Conteúdo programático:
- Os seres vivos e o seu ambiente
Objetivos:
- Identificar diferentes tipos de sementes/plantas
- Agrupar sementes segundo diferentes propriedades
- Descrever diferentes comportamentos das sementes
Previsão O que achas que vai acontecer às várias sementes?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Procedimentos:
1- Escolher 3 tipos de sementes
2- Colocar uma semente num recipiente com água e outra semente num recipiente sem
água (sementes iguais).
3- Repetir a tarefa para as 3 sementes.
4- Verificar o comportamento de cada semente ao fim de 3 horas e no dia seguinte.
5- Verificar e comparar os diferentes comportamentos, registando-os.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 43
Conclusões
COMPORTAMENTO DE SEMENTES
Tipos de sementes
Recipiente A (sem
água)
Recipiente B (com água)
Após 3 horas Após 24 horas
Feijão vermelho
Grão de bico
Milho amarelo
Verificamos
que...
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 44
3º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 4: “Para que servem as alavancas?”
Problema: “Para que servem as alavancas?”
Materiais: livros, 2 lápis
Conteúdo programático: À descoberta de materiais e objetos
Objetivos:
- Conhecer formas de diminuir esforços para deslocar materiais.
- Conhecer diferentes estratégias de deslocar objetos e materiais.
- Fazer previsões.
- Comparar os resultados com as previsões.
Observem os exemplos de alavancas:
PREVISÕES: Para que acham que servem as alavancas?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
VAMOS EXPERIMENTAR
Procedimentos:
1- Tenta levantar uma pilha de livros com o dedo mindinho.
O que acham que vai acontecer? E porquê?
______________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 45
2- Substituam o dedo mindinho por um lápis.
Coloquem o dedo mindinho por baixo do lápis e levanta a pilha de livros.
O que aconteceu? _____________________________________________________
____________________________________________________________________
3- Por baixo do lápis coloca um outro lápis (ver gravura).
Como o dedo mindinho empurra para baixo a extremidade do 1º lápis. O que
aconteceu? ___________________________________________________________
________________________________________________________
4- Afasta o lápis que está por baixo e aproxima-o da extremidade do 1º lápis. Repete o
que fizeste no ponto 3.
O que aconteceu? ____________________________________
____________________________________________________
CONCLUSÕES:
Em qual das situações vos pareceu menor o esforço necessário para levantar os
livros?
2 3 4
Podemos concluir que as alavancas…
dão a força necessária para levantar um objeto.
não dão a força necessária para levantar um objeto.
são úteis para levantar objetos com maiores massas.
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 46
3º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 6: “Como conseguir o equilíbrio de uma balança?”
Problema: Como conseguir o equilíbrio de uma balança?
Materiais: prisma triangular, moedas e outros objetos, uma régua
Conteúdo programático: À descoberta de materiais e objetos
Objetivos:
- Conhecer distintas formas de promover o equilíbrio de materiais
- Compreender a noção de força e de equilíbrio
- Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões.
PREVISÕES:
Para que acham que servem as balanças?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Observem as duas gravuras, A e B. Onde acham que há equilíbrio? _______________
_____________________________________________________________________
VAMOS EXPERIMENTAR
Procedimentos:
1- Colocar o prisma sob a régua, no meio desta, para obteres uma balança.
A balança está equilibrada? _______________________
O que acham que devem fazer para haver equilíbrio?
______________________________________________
______________________________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 47
Expliquem e desenhem o que fizeram para equilibrar a vossa balança.
CONCLUSÕES: assinalem as respostas corretas de acordo com a experiência
realizada.
Há equilíbrio quando os objetos exercem a mesma força.
Há equilíbrio quando os objetos não exercem a mesma força.
Para haver equilíbrio os objetos/materiais usados têm a mesma massa.
Para haver equilíbrio os objetos/materiais usados não têm a mesma massa.
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 48
3º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 8:”O que faz mal às plantas?”
Problema: Como poderemos descobrir se uma substância estraga as plantas?
Materiais: 4 vasos iguais, água, vinagre, sal, detergente
Conteúdo programático: Os seres vivos do ambiente próximo
Objetivos:
- Conhecer diferentes plantas
- Identificar o comportamento das plantas perante diferentes agentes
- Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões.
PREVISÕES:
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
VAMOS EXPERIMENTAR
Procedimentos:
1- Durante uma semana rega o primeiro vaso com água, o segundo com água com
vinagre (uma colher de sopa de vinagre para um copo de água), o terceiro com água
com sal (uma colher de sopa de sal para um copo de água) e o quarto com água com
detergente (uma colher de detergente para um copo de água).
2- Preenche ao longo da semana a tabela com as observações que verificas nas
plantas.
Estragado ou não?
Dia primeiro segundo terceiro quarto quinto
Água
Água + vinagre
Água + sal
Água + detergente
3- No quinto dia compara as plantas.
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 49
CONCLUSÃO
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 50
3º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 9:” O que acontece à planta numa estufa?”
Problema: O que acontece à planta numa estufa?
Materiais: vasos, frascos, água e plantas
Conteúdo programático: Os seres vivos do ambiente próximo
Objetivos:
- Conhecer distintas formas de crescimento das plantas
- Descrever formas de sobrevivência das plantas
- Identificar fatores essenciais para a sobrevivência das plantas
- Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões.
PREVISÕES:
O que acham que vai acontecer às várias plantas?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
VAMOS EXPERIMENTAR
Procedimentos:
1- Num vaso retangular coloca várias plantas, cobre algumas delas com um frasco de
vidro.
2- Coloca o vaso ao sol e rega-o sempre que necessário.
3- Compara as plantas que estão dentro do frasco com as que estão fora.
4- Regista os resultados ao longo de 2 semanas (ou mais).
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 51
1ª Semana 2ª Semana
Plantas fora do frasco
Plantas dentro do frasco
CONCLUSÃO
Quais cresceram mais depressa?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 52
4º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 1: “Por que os ossos são duros e resistentes?”
Problema: Conseguimos partir facilmente um osso?
Materiais: 2 ossos crus de coxa ou de asa de galinha, 1 copo, vinagre, fogão ou
fogareiro.
Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (os ossos)
Objetivos:
- Perceber que a rigidez de um osso está associada à presença de cálcio.
- Conhecer e identificar diferentes ossos do corpo humano
- Comparar ossos de animais
- Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões.
PREVISÕES: Acham que é fácil ou difícil partir um osso de galinha usando as mãos?
______________________________________________________________________
Justifiquem a vossa resposta: _____________________________________________
__________________________________________________
VAMOS EXPERIMENTAR: experiência A
O professor pega no osso com uma pinça ou tesoura e coloca sobre a
chama do fogão ou fogareiro durante alguns minutos.
Previsão: O que acham que vai acontecer ao osso?
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
Depois de retirar o osso do fogo e deixar arrefecer um aluno tenta dobrar o osso.
O que aconteceu?
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 53
Experiência B
Procedimentos: FASE 1
1-Observem com atenção os ossos de galinha.
2- Tentem dobrar os ossos.
O que aconteceu? _______________________________________________
3- Coloquem um dos ossos num copo com vinagre e deixem estar de molho durante
sete dias.
Previsão: o que acham que vai acontecer ao osso?
___________________________________________________________________
__________________________________________________________________
Procedimentos: FASE 2
1- Passados 7 dias peguem no osso e tentem dobrá-lo. O que aconteceu?
___________________________________________________________________
CONCLUSÕES: Podemos ou não tornar os ossos menos resistentes?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
Assinalem as respostas corretas de acordo com a experiência realizada.
Na experiência B, o vinagre retirou do osso os minerais da sua composição.
Os ossos têm cálcio, que são responsáveis pela regidez dos ossos.
Os ossos sem cálcio seriam menos duros e resistentes e teríamos mais acidentes.
O cálcio não é importante para a resistência dos ossos.
O calor torna os ossos menos resistentes.
Data: ____________ grupo: ___________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 54
4º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 2: “Extintor caseiro”
Problema: Como produzir um extintor?
Materiais: 1 jarra grande e transparente, 1 jarra pequena e transparente, duas velas de
tamanhos diferentes, copo de vidro, vinagre e bicarbonato de sódio (compostos).
Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (a segurança do seu corpo)
Objetivos:
- Explicar a função de um extintor
- Perceber como funciona a combustão
- Identificar regras de prevenção de incêndios
- Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões.
PREVISÕES: Imagina que estavam na sala de aula e se iniciava um pequeno incêndio.
O que deveriam fazer? __________________________________________________
_____________________________________________________________________
Se não houver por perto um extintor podemos fazer um.
VAMOS EXPERIMENTAR
Procedimentos:
1- Colocar as duas velas na jarra menor. A jarra pode ser substituída por um prato
de sobremesa.
2- Deitar meio copo de bicarbonato de sódio na jarra mais pequena.
3- Colocar a jarra mais pequena dentro da jarra maior (até pode ser uma bacia,
desde que mais alta que as velas).
4- Juntar um copo de vinagre ao bicarbonato de sódio.
O que observam? ________________________________
_______________________________________________
Qual foi a vela que se apagou primeiro? ____________________
_____________________________________________________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 55
CONCLUSÕES: Podemos fabricar um extintor caseiro?
A combustão é resultado da união do oxigénio com outras substâncias.
O que retirou o extintor para que as velas se apagassem? _______________________
Fazer o desenho do resultado da experiência.
Data: ___________ Grupo: ________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 56
4º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 3: “Um tornado”
Problema: Como produzir um tornado?
Materiais: 2 garrafas, água e fita-cola.
Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (a segurança do seu corpo)
Objetivos:
- Pesquisar sobre as zonas de tornados
- Perceber o que provoca um tornado
- Identificar regras de prevenção em caso de sismos, tornados, tempestades
- Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões.
Um tornado é uma coluna de ar giratória, que se desloca a uma velocidade de 30km/h a
60km/h em volta de um centro de baixa tensão. Apesar de pequeno, é um violento
redemoinho de vento que acontece quando uma nuvem em movimento alcança a terra.
PREVISÕES:
Imagina que estavam na sala de aula e se iniciava um pequeno tornado.
O que deveriam fazer? __________________________________________________
_____________________________________________________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 57
VAMOS EXPERIMENTAR
Procedimentos:
1. Encher uma das garrafas com água.
2. Colocar a segunda garrafa em posição invertida e junta com fita-cola as duas
garrafas. Vedar muito bem para não sair água.
3. Agora, invertem a posição das garrafas.
O que acham que vai acontecer?
______________________________________________________________________
4. Agitem bem as garrafas e observem.
O que observam?
_____________________________________________________________________
CONCLUSÃO: Foi a simulação de um tornado.
Quando agitas a garrafa crias um vórtice e devido ao gradiente de velocidade de
escoamento da água há a formação de um cone invertido de água. Isto acontece
porque a água que está mais próxima do orifício da garrafa tem velocidade superior.
No caso dos tornados verdadeiros, estes formam-se devido ao encontro de correntes
de ar frio com ar quente húmido.
Data: __________________ Grupo: _________________________
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 58
4º ANO DE ESCOLARIDADE
Experiência 7: “Fazer nuvens”
Problema: Como surge uma nuvem?
Materiais: Lata ou frasco grande, lata ou frasco pequeno, sal, gelo
Conteúdo programático: À descoberta do ambiente natural: aspetos físicos do meio
Objetivos:
- Identificar diferentes estados da água
- Compreender processos de mudança de estado
- Relacionar a água com diferentes estados da matéria
- Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões.
VAMOS EXPERIMENTAR
Procedimentos
1- Coloca gelo picado na lata/frasco grande com um terço de sal.
2- Mete a lata/frasco mais pequena na mistura de gelo e sal sem tocares no gelo
com os dedos.
Previsão: Ao soprar para a lata/frasco pequeno o que irá acontecer?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
3- Sopra para dentro da lata/frasco pequena. O que aconteceu?
CONCLUSÃO:
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO
GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO TODOS OS CICLOS DE ENSINO
Existem normas universais para a elaboração de um Relatório Científico. Essas normas não são rígidas, isto é, são adaptáveis de uma forma
útil às características próprias de cada trabalho.
De uma maneira geral, as partes constituintes de um Relatório Científico são as seguintes:
CAPA
(pode incluir
imagem)
Escreve-se no topo o nome da instituição seguido, por baixo, do nome da disciplina e o ano letivo a que diz respeito.
Título
O título deve ser curto e preciso e destacar-se dos restantes elementos. Por vezes, pode apresentar-
se sob a forma de pergunta.
Nome do(s)
Autor(es)
Por baixo do título, escreve-se o(s) nome(s) do(s) autor(es), o ano, o n.º e a turma a que pertence(m).
ÍNDICE
O Índice faz-se automaticamente: selecionando, no Word, título 1, 2, 3… e, posteriormente clicar em referências, selecionar
índice e introduzi-lo na página a seguir à capa.
1. INTRODUÇÃO Relata o contexto e os objetivos do estudo, bem como a justificação ou razão do mesmo.
2. MATERIAL E
PROCEDIMENTOS
2.1. Material
Descrição do material/equipamentos usados e respectivas especificações se forem relevantes (capacidade, erros, marca, etc.),
reagentes e respetivos cuidados de segurança e riscos de utilização.
2.2. Procedimentos
Descrição dos procedimentos efectuados na experiência que podem ser ilustrados com esquemas e montagens efectuadas.
3. RESULTADOS
Apresentados, de preferência, sob a forma de tabelas, gráficos, microfotografias, macrofotografias, esquemas, etc. Deve incluir-
se o tratamento necessário, cálculos, etc. Não se faz aqui qualquer comentário à validade dos resultados obtidos.
4. INTERPRETAÇÃO E
DISCUSSÃO DOS
RESULTADOS
Efetuadas tendo em vista o objetivo do trabalho. Podem-se comparar com resultados de outras investigações ou tabelados
(apresentados na introdução). Pode refletir a opinião do autor(es), sobre, por exemplo, quais os factores que influenciaram os
resultados.
5. CONCLUSÃO Reflete uma apreciação global do assunto tratado. Deve referir se o objetivo foi ou não concretizado e porquê.
EB/S Vieira de Araújo
Biologia e Geologia
2011/2012
A Reciclagem
António Rosas, Nº 3, 10ºA.
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
A bibliografia é uma lista que contém os elementos descritivos dos documentos consultados de modo a permitir a sua identificação
e posterior consulta. São, portanto, os livros, revistas, enciclopédias, coletâneas e páginas web utilizados.
Em anexo, encontras um documento ”ORIENTAÇÕES PARA CITAÇÕES E REFERÊNCIAS”.
ANEXOS
Contêm informações complementares ao trabalho realizado, devem ser referidos no trabalho, numerados (Anexo I, …), ter um
título e ser incluídos no Índice.
OUTROS ASPETOS…
Não se deve descurar a redação do Relatório. Deve-se ter em conta os seguintes aspetos para a construção de um texto:
Clareza Escrito para ser compreendido pelos outros.
Concisão Dizer o máximo de informação, mas da forma objetiva.
Correção Escrito corretamente conforme as regras de concordância previstas.
Encadeamento As frases, os parágrafos, os capítulos devem ser sequenciadas de forma lógica e harmoniosa.
Originalidade Originalidade e apresentação de ideias próprias. (Atenção ao plágio – ver ”ORI EN TAÇ ÕES P AR A CI TA ÇÕES E REF ERÊNC I AS ”)
Fidelidade Respeitar o objeto de estudo, as fontes bibliográficas empregadas e o leitor.
Consistência Redigido na terceira pessoa do singular ou do plural do pretérito perfeito (ex. fez-se ou fizeram-se; teve-se ou tiveram-se).
Criatividade Criatividade não significa apenas fazer algo inovador, mas sobretudo apropriado ao contexto em que foi realizado o trabalho.
Estética Sóbrio e sem rasuras.
 O relatório é impresso em papel A4, sendo o texto escrito em letra tipo Arial, tamanho 11 pt, a espaço 1,15. Os títulos e os subtítulos devem ser
numerados, escritos em bold/negrito e com tamanho 12 e 11 pt, respetivamente.
 As margens superior e inferior são de 2,5 cm. A margem interior é de 2,5 cm e a exterior de 2 cm.
 As páginas são numeradas no rodapé. A paginação deve contemplar a contagem de todas as páginas do relatório, embora os números só
devam aparecer a partir da folha do índice inclusive.
 As tabelas devem ser numeradas (Tabela I, II...), legendadas (citando a fonte), no topo. Devem estar incluídas no local adequado, e serem
referidas ao longo do texto.
 As figuras (gráficos, esquemas, fotografias, etc.) devem ser numeradas (Figuras 1, 2,..), legendadas (citando a fonte), abaixo da figura. Devem
estar incluídas no local adequado, e serem referidas ao longo do texto.
 O relatório deve ser impresso frente e verso.
Importante: Qualquer que seja o tipo e extensão do relatório, ele deve ser terminado com a identificação do local, data e assinatura do(s) autor(es).
ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO
Experimento… logo aprendo!
Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 61

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º períodoRelatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º período
SalaAmarelaJIGradil
 
Sumários
SumáriosSumários
Sumários
Iga Almeida
 
As serras de portugal
As serras de portugalAs serras de portugal
As serras de portugal
Maria Ferreira
 
Fichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º ano
Fichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º anoFichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º ano
Fichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º ano
Crescendo EAprendendo
 
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera OliveiraRelatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Vera Oliveira
 
Estudo Meio 1º ano
Estudo Meio 1º anoEstudo Meio 1º ano
A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano
A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano
A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano
Ricardo Madeira
 
Jogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulasJogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulas
Raquel Campos
 
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao DocenteRelatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
Henrique Santos
 
Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15
Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15
Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15
SalaAmarela Enxara Do Bispo
 
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Henrique Santos
 
Amg fichas lp e mat
Amg fichas lp e matAmg fichas lp e mat
Amg fichas lp e mat
sarafaleiro
 
Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)
Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)
Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)
SalaAmarela Enxara Do Bispo
 
Ata nº 10
Ata nº 10Ata nº 10
Relatorio 3º Periodo 2011-2012
Relatorio 3º Periodo 2011-2012Relatorio 3º Periodo 2011-2012
Relatorio 3º Periodo 2011-2012
SalaAmarela Enxara Do Bispo
 
Português 1º ano - Vogais e Ditongos
Português 1º ano - Vogais e DitongosPortuguês 1º ano - Vogais e Ditongos
Português 1º ano - Vogais e Ditongos
Espaço Crescer Centro de Estudos
 
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Acácio Duarte
 
Gramatica - Fichas
Gramatica - FichasGramatica - Fichas
Gramatica - Fichas
guest899e50
 
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do AgrupamentoPlano Anual de Atividades do Agrupamento
acta_5B
acta_5Bacta_5B

Mais procurados (20)

Relatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º períodoRelatório Síntese 3º período
Relatório Síntese 3º período
 
Sumários
SumáriosSumários
Sumários
 
As serras de portugal
As serras de portugalAs serras de portugal
As serras de portugal
 
Fichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º ano
Fichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º anoFichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º ano
Fichas de avaliação mensal de estudo do meio do 2º ano
 
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera OliveiraRelatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
Relatório de Reflexão Crítica - Vera Oliveira
 
Estudo Meio 1º ano
Estudo Meio 1º anoEstudo Meio 1º ano
Estudo Meio 1º ano
 
A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano
A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano
A escrita de textos narrativos em… 1º e 2º ano
 
Jogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulasJogos para 1º dia de aulas
Jogos para 1º dia de aulas
 
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao DocenteRelatorio de Auto-avaliacao Docente
Relatorio de Auto-avaliacao Docente
 
Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15
Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15
Relatório Síntese de Avaliação do PT 1º Período 14/15
 
Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017Relatorio de Auto-avaliação 2017
Relatorio de Auto-avaliação 2017
 
Amg fichas lp e mat
Amg fichas lp e matAmg fichas lp e mat
Amg fichas lp e mat
 
Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)
Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)
Relatório síntese de Avaliação do Plano de Turma (3º Período 2013/2014)
 
Ata nº 10
Ata nº 10Ata nº 10
Ata nº 10
 
Relatorio 3º Periodo 2011-2012
Relatorio 3º Periodo 2011-2012Relatorio 3º Periodo 2011-2012
Relatorio 3º Periodo 2011-2012
 
Português 1º ano - Vogais e Ditongos
Português 1º ano - Vogais e DitongosPortuguês 1º ano - Vogais e Ditongos
Português 1º ano - Vogais e Ditongos
 
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
Relat reflex crítica - acacio duarte - Integração de Ferramentas Digitais no ...
 
Gramatica - Fichas
Gramatica - FichasGramatica - Fichas
Gramatica - Fichas
 
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do AgrupamentoPlano Anual de Atividades do Agrupamento
Plano Anual de Atividades do Agrupamento
 
acta_5B
acta_5Bacta_5B
acta_5B
 

Destaque

Experiências com electricidade
Experiências com electricidadeExperiências com electricidade
Experiências com electricidade
Ana Soares
 
Conteúdos 4ºano
Conteúdos 4ºanoConteúdos 4ºano
Conteúdos 4ºano
Vanda Rodrigues
 
Protocolos experimentais
Protocolos experimentaisProtocolos experimentais
Protocolos experimentais
susanapnp
 
Agua actividades
Agua actividadesAgua actividades
Agua actividades
Joana_Vilela
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
Jéssica Rodrigues'
 
Livro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kugu
Livro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kuguLivro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kugu
Livro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kugu
Fernanda Carneiro Leão Goncalves
 
acta_574
acta_574acta_574
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Luisa Lamas
 
A Maquete: Construção
A Maquete: ConstruçãoA Maquete: Construção
A Maquete: Construção
jdlimaaear
 
Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)
Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)
Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)
Bento Lafayet
 
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1
Debora Souza
 
METAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOS
METAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOSMETAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOS
METAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOS
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Registo de observação
Registo de observaçãoRegisto de observação
Registo de observação
escjosebotelho
 
Fichas atividades
Fichas atividadesFichas atividades
Fichas atividades
Mgj645
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
João Lima
 
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagemEducação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Maria João Silva
 
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasFosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Sérgio Luiz
 
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas   instalações elétricas prediais - residenciaisDicas   instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
Fermi Xalegre
 
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
David Azevedo
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
Joana Algodão Doce
 

Destaque (20)

Experiências com electricidade
Experiências com electricidadeExperiências com electricidade
Experiências com electricidade
 
Conteúdos 4ºano
Conteúdos 4ºanoConteúdos 4ºano
Conteúdos 4ºano
 
Protocolos experimentais
Protocolos experimentaisProtocolos experimentais
Protocolos experimentais
 
Agua actividades
Agua actividadesAgua actividades
Agua actividades
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
 
Livro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kugu
Livro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kuguLivro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kugu
Livro mapas conceituais_e_diagramas_v_completo-25sb0mc-1s8kugu
 
acta_574
acta_574acta_574
acta_574
 
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
Ficha para Aplicação do Guião de Pesquisa BIG6
 
A Maquete: Construção
A Maquete: ConstruçãoA Maquete: Construção
A Maquete: Construção
 
Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)
Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)
Conceitos fundamentais de eletricidade feito (2)
 
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1
 
METAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOS
METAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOSMETAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOS
METAS CURRICULARES DE PORTUGUES ENSINO BASICO 1.°, 2.° E 3.° CICLOS
 
Registo de observação
Registo de observaçãoRegisto de observação
Registo de observação
 
Fichas atividades
Fichas atividadesFichas atividades
Fichas atividades
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagemEducação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
 
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasFosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das Rochas
 
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas   instalações elétricas prediais - residenciaisDicas   instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
 
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 

Semelhante a Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01

Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Catarina Fontinha
 
Iniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciênciaIniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciência
Nívia Sales
 
Jornada_Cientifica_2013
Jornada_Cientifica_2013Jornada_Cientifica_2013
Jornada_Cientifica_2013
Major Ribamar
 
Dissertação míriam moreira duque
Dissertação míriam moreira duqueDissertação míriam moreira duque
Dissertação míriam moreira duque
sergioviroli
 
Projeto final
Projeto finalProjeto final
Projeto final
Márcia Geany Maia
 
Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90
Leonardo Ferreira
 
5ª edição fesceesp
5ª edição fesceesp5ª edição fesceesp
5ª edição fesceesp
Leila Schimith
 
Despertar para ciencia
Despertar para cienciaDespertar para ciencia
Despertar para ciencia
Susana Monteiro
 
Despertar para ciencia
Despertar para cienciaDespertar para ciencia
Despertar para ciencia
Susana Monteiro
 
Caderno de resumos i seminário de biologia
Caderno de resumos   i seminário de biologiaCaderno de resumos   i seminário de biologia
Caderno de resumos i seminário de biologia
Grace Gonçalves
 
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de CienciasFundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Slides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdf
Slides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdfSlides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdf
Slides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdf
StefanSudono
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
Leilany Campos
 
Perspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º Ciclo
Perspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º CicloPerspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º Ciclo
Perspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º Ciclo
Marisa Correia
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
Renato De Souza Abelha
 
Tic 2012
Tic 2012Tic 2012
Projeto2 2012 daniela_m
Projeto2 2012 daniela_mProjeto2 2012 daniela_m
Projeto2 2012 daniela_m
Daniela Menezes
 
Pnaic caderno 8
Pnaic caderno 8Pnaic caderno 8
Pnaic caderno 8
Daniela Menezes
 
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
Marisa Correia
 
Caderno iii-c.-da-natureza- slide
Caderno iii-c.-da-natureza- slideCaderno iii-c.-da-natureza- slide
Caderno iii-c.-da-natureza- slide
Andrea Felix
 

Semelhante a Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01 (20)

Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
 
Iniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciênciaIniciação científica um salto para a ciência
Iniciação científica um salto para a ciência
 
Jornada_Cientifica_2013
Jornada_Cientifica_2013Jornada_Cientifica_2013
Jornada_Cientifica_2013
 
Dissertação míriam moreira duque
Dissertação míriam moreira duqueDissertação míriam moreira duque
Dissertação míriam moreira duque
 
Projeto final
Projeto finalProjeto final
Projeto final
 
Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90Arq 5abb951a24f90
Arq 5abb951a24f90
 
5ª edição fesceesp
5ª edição fesceesp5ª edição fesceesp
5ª edição fesceesp
 
Despertar para ciencia
Despertar para cienciaDespertar para ciencia
Despertar para ciencia
 
Despertar para ciencia
Despertar para cienciaDespertar para ciencia
Despertar para ciencia
 
Caderno de resumos i seminário de biologia
Caderno de resumos   i seminário de biologiaCaderno de resumos   i seminário de biologia
Caderno de resumos i seminário de biologia
 
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de CienciasFundamentos e Metodologia de Ciencias
Fundamentos e Metodologia de Ciencias
 
Slides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdf
Slides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdfSlides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdf
Slides-resumo_Ciências_biológicas_4.pdf
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
Perspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º Ciclo
Perspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º CicloPerspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º Ciclo
Perspectivas de professores sobre o ensino experimental das ciências no 1º Ciclo
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
 
Tic 2012
Tic 2012Tic 2012
Tic 2012
 
Projeto2 2012 daniela_m
Projeto2 2012 daniela_mProjeto2 2012 daniela_m
Projeto2 2012 daniela_m
 
Pnaic caderno 8
Pnaic caderno 8Pnaic caderno 8
Pnaic caderno 8
 
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
 
Caderno iii-c.-da-natureza- slide
Caderno iii-c.-da-natureza- slideCaderno iii-c.-da-natureza- slide
Caderno iii-c.-da-natureza- slide
 

Mais de mariacarmcorreia

Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
mariacarmcorreia
 
Lp marco
Lp marcoLp marco
Geografia capitais
Geografia   capitais Geografia   capitais
Geografia capitais
mariacarmcorreia
 
Planonationalleitura
PlanonationalleituraPlanonationalleitura
Planonationalleitura
mariacarmcorreia
 
Segredos
SegredosSegredos
Historia pedro e o lobo
Historia pedro e o loboHistoria pedro e o lobo
Historia pedro e o lobo
mariacarmcorreia
 
A menina gigante
A menina giganteA menina gigante
A menina gigante
mariacarmcorreia
 
Avaliação de matemática final1periodo
Avaliação de matemática   final1periodoAvaliação de matemática   final1periodo
Avaliação de matemática final1periodo
mariacarmcorreia
 
Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01
mariacarmcorreia
 
Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01
mariacarmcorreia
 
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp011 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
mariacarmcorreia
 
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp011 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
mariacarmcorreia
 
Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01
Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01
Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01
mariacarmcorreia
 
Regi.avali 1º ano nova
Regi.avali 1º ano novaRegi.avali 1º ano nova
Regi.avali 1º ano nova
mariacarmcorreia
 
Registo avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano novaRegisto avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano nova
mariacarmcorreia
 
Matem.2 abril
Matem.2 abrilMatem.2 abril
Matem.2 abril
mariacarmcorreia
 
Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01
Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01
Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01
mariacarmcorreia
 
Segredos
SegredosSegredos
Geografia capitais
Geografia   capitais Geografia   capitais
Geografia capitais
mariacarmcorreia
 

Mais de mariacarmcorreia (20)

Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
 
Lp marco
Lp marcoLp marco
Lp marco
 
Geografia capitais
Geografia   capitais Geografia   capitais
Geografia capitais
 
Planonationalleitura
PlanonationalleituraPlanonationalleitura
Planonationalleitura
 
Segredos
SegredosSegredos
Segredos
 
Historia pedro e o lobo
Historia pedro e o loboHistoria pedro e o lobo
Historia pedro e o lobo
 
Cinderela
CinderelaCinderela
Cinderela
 
A menina gigante
A menina giganteA menina gigante
A menina gigante
 
Avaliação de matemática final1periodo
Avaliação de matemática   final1periodoAvaliação de matemática   final1periodo
Avaliação de matemática final1periodo
 
Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco3 ficha avaliaçãotrimestral_01
 
Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01
Bloco1 ficha avaliaçãotrimestral_01
 
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp011 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
 
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp011 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
1 anofichasmatemtica-110506165653-phpapp01
 
Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01
Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01
Fichadeavaliaosumativamatemtica 121016034624-phpapp01
 
Regi.avali 1º ano nova
Regi.avali 1º ano novaRegi.avali 1º ano nova
Regi.avali 1º ano nova
 
Registo avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano novaRegisto avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano nova
 
Matem.2 abril
Matem.2 abrilMatem.2 abril
Matem.2 abril
 
Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01
Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01
Avaliaoleituraeescrita 1e2ano-130217132319-phpapp01
 
Segredos
SegredosSegredos
Segredos
 
Geografia capitais
Geografia   capitais Geografia   capitais
Geografia capitais
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01

  • 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Professores responsáveis Maria José Ramalho Maria da Conceição Gomes Macedo Fernandes julho de 2012
  • 2. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 2 ÍNDICE Introdução …………………………………………………………………………………. 3 Metas do projeto…………………………………………………………………………… 5 Objetivos do projeto ……………………………………………………………………… 6 Objetivos específicos …………………………………………………………….. 7 Atitudes científicas ………………………………………………………………………... 8 Descrição geral do projeto ……………………………………………………………… 10 Contextualização…………………………………………………………………… 11 Intervenientes ……………………………………………………………………… 11 Calendarização ……………………………………………………………………. 11 Recursos ………………………………………………………..…………………. 12 Avaliação…………………………………………………………………………………… 13 Normas de segurança ……………………………………………………………………. 14 Símbolos e rótulos de produtos ………………………………………………………….. 15 Planificação de atividades ………………………………………………………………. 16 Grelha de observação da experiência …………………………………………………… 28 Grelha de registo de atividades por estabelecimento de ensino……………….…… 29 Bibliografia ………………………………………………………………………………… 30 Anexos: Fichas com experiências ……………………………………………………….. 31 Guião para elaboração de um relatório científico ……………………………………… 59 SIGLAS PFEEC – Programa de Formação em Ensino Experimental das Ciências PE – Projeto Educativo CEB – Ciclo do Ensino Básico AEVA – Agrupamento de Escolas Vieira do Minho
  • 3. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 3 INTRODUÇÃO O programa de Formação em Ensino Experimental das Ciências (PFEEC) para professores do 1º Ciclo do Ensino Básico foi iniciado em 2006, pelo Ministério da Educação, tendo sido desenvolvido entre 2006 e 2010 (Despacho n.º 2143/2007, de 9 de Fevereiro e Despacho n.º 701/2009, de 9 de Janeiro), com um plano de formação contínua a nível nacional, com a produção de um basto conjunto de documentos especificamente para esse efeito. Este programa preconizava o reconhecimento do Ensino Experimental nos primeiros anos de escolaridade, fornecendo-lhes competências essenciais para o exercício pleno de uma cidadania informada e aumentar os níveis de literacia científica dos alunos. Simultaneamente promoveu um aprofundamento de conceitos e conhecimentos científicos por todos os docentes que estiveram envolvidos e tiveram a oportunidade de conhecer novas abordagens e metodologias específicas do Ensino Experimental. Ao formar melhor os professores pretendeu-se, em última instância, contribuir para a melhoria das aprendizagens dos alunos. Pessoalmente sentimos que ao frequentar esta formação ficamos com uma maior capacidade de desenvolver as Ciências Experimentais no 1º ciclo, pois apreendemos um basto conjunto de conhecimentos, enriquecidos pelo facto de ser uma formação muito prática em contexto de sala de aula. A palavra ciência vem da palavra latina scientia, que significa conhecimento. A ciência é uma política porque, segundo o cientista Latour, é fonte de poder, ou seja, ela tem a capacidade de convencer, interessar e mobilizar os seus intervenientes. Este autor nas suas obras e nos seus artigos expande a ligação das ciências com o resto da cultura e da sociedade. Ao longo dos séculos, através da ciência e dos seus intervenientes, muitos dos hábitos da Humanidade foram alterados e acontecimentos provocados, afetando inevitavelmente a vida das pessoas. Já com Arquimedes, 287-212 a.C., as descobertas científicas originavam momentos de euforia, dando origem, nesse caso específico à famosíssima expressão “Eureka, Eureka” (descobri, descobri!), com a descoberta do meio de determinar a massa volúmica dos corpos, tomando a água como termo de comparação, inventou diversos instrumentos desde a roldana e a alavanca, dedicando- se com especial fervor à mecânica.
  • 4. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 4 A invenção da impressa, de Gutenberg, no século XV, deu início ao longo processo de comunicação e transmissão de conhecimentos e informação, que nos permite estar presentemente a refletir sobre o papel da ciência na nossa vida. Os mares e oceanos foram navegados e explorados devendo às imensas invenções científicas muitas das descobertas alcançadas. As pesquisas sobre o Universo iniciaram-se com as invenções de Galileu Galilei, no século XVI, fundador da mecânica moderna e da física experimental, e depois com as investigações de Newton, no século XVII, cujos esforços no campo quer da matemática, que nas ciências foram sublimes. A invenção do telefone e posteriores meios de comunicação revolucionaram a vida quotidiana do ser humano. Serve esta introdução para aferir da importância da ciência, uma vez que é o conhecimento, ou conjunto de conhecimentos, e não uma fonte de julgamentos de valores subjetivos. A ciência é uma das maiores atividades humanas. É a contemplação da natureza, ou seja de tudo que nos rodeia e da qual fazemos parte. “O propósito da Educação em Ciência, enquanto componente da experiência educativa global de todos os jovens, é prepará-los para uma vida satisfatória e completa no mundo do século XXI. Mais especificamente, o currículo de Ciências deve: Estimular o entusiasmo e interesse pela ciência de modo a que os jovens se sintam confiantes e competentes para se envolverem com matérias científicas e técnicas. Ajudar os jovens a adquirir uma compreensão vasta e geral das ideias importantes e das bases explicativas das ciência e dos procedimentos do inquérito científico, que têm maior impacto no nosso ambiente e na nossa cultura em geral. Possibilitar o aprofundamento de conhecimento quando é necessário, quer por interesse pessoal dos alunos, quer por motivação de percurso profissional.” (in http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=4 (28 de junho de 2012, 12:36) Pretendemos então, dar um novo alento à promoção das Ciências Experimentais no 1º ciclo, considerando que será uma área de grande motivação para os nossos alunos. Por este motivo batizamos o nosso projeto com o subtítulo de “Experimento… logo aprendo!”.
  • 5. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 5 METAS DO PROJETO De acordo com as orientações emanadas pelo Ministério da Educação aquando do início do PFEEC, e articulando-as com os problemas identificados no PE de Agrupamento, pelo qual todos nos regemos, pretendemos com este trabalho contribuir para a resolução das evidências destacadas. Os problemas evidências destacados no PE do agrupamento são: a) Deficiente nível de relações interpessoais, com demonstração de indisciplina/atitudes incorretas, bem como pouca sensibilidade em relação às questões de ordem cívica, humanística e ambiental; b) Elevada taxa de insucesso aliado à falta de objetivos de vida escolar (“querer ser” e “querer progredir”); c) Baixo nível de expectativas dos alunos e dos pais em relação à Escola; d) Falta de métodos de estudo e de trabalho, escassez de hábitos de leitura e insuficiente domínio de formas de comunicação oral e escrita; e) Falta de acompanhamento por parte dos Pais e Encarregados de Educação; f) Carência de hábitos de higiene e de vida saudável; g) Abandono escolar precoce. Com este projeto pretende-se primordialmente criar novos hábitos de estudo e motivação no conjunto dos alunos, nomeadamente através da: - Criação de métodos de trabalho rigorosos e cooperativos; - Explicação científica de fenómenos naturais (como dissolução, flutuação, combustão e propriedades dos materiais, etc.); - Recolha, organização e representação de dados das experiências realizadas; - Recorrer à disciplina de Área de Projeto como forma de envolver todos os alunos do pré-escolar e do 1º ciclo; - Utilização dos recursos multimédia disponíveis nas escolas para desenvolver maior investigação, nomeadamente os quadros interativos; - Diversificação de atividades de acordo com os vários conteúdos programáticos.
  • 6. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 6 OBJETIVOS DO PROJETO Segundo o Ministério da Educação a constituição do PFEEC teve como principais objetivos: 1. Aprofundar a compreensão dos professores do 1º CEB sobre a relevância de uma adequada Educação em Ciências para todos, de modo a mobilizá-los para uma intervenção inovadora no ensino das Ciências nas suas escolas. 2. Promover a (re)construção de conhecimento didático de conteúdo, com ênfase no ensino das Ciências de base experimental nos primeiros anos de escolaridade, tendo em consideração a investigação em Didáticas das Ciências, bem como as atuais Orientações Curriculares para o Ensino Básico das Ciências Físicas e Naturais. 3. Promover a exploração de situações didáticas para o ensino das Ciências de base experimental no 1º CEB, através do aprofundamento e/ou reconstrução de conhecimento científico e curricular. (In http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=93, 02-07-2012) Com a implementação do projeto pretende-se contribuir para a prossecução dos seguintes objetivos gerais do PE do Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo (AEVA): - Desenvolver uma cultura de escola e de cidadania; - Desenvolver no aluno o gosto pelo trabalho individual e coletivo, de forma a promover o sucesso escolar e prevenir o abandono escolar; - Incentivar a utilização de práticas educativas inovadoras; - Incentivar o alargamento de horizontes, nomeadamente no que respeita ao conhecimento das realidades não apenas local, como nacional e internacional; - Promover o desenvolvimento das capacidades relacionadas com a inteligência divergente, como a imaginação e a criatividade; - Apetrechar a escola com meios adequados, otimizando espaços adequados às necessidades dos alunos; - Motivar os professores, pessoal não docente, pais e encarregados de educação, promovendo o seu empenho; - Reforçar os laços de solidariedade entre toda a comunidade educativa, através de atividades que mobilizem os saberes de uns, reforçando os saberes dos outros, unidos num projeto comum em que a grande referência seja a Escola como um todo.
  • 7. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 7 Objetivos específicos Estabelecemos igualmente alguns objetivos específicos do projeto, que são os seguintes: - Adquirir e aprofundar conhecimentos sobre a temática das ciências, articulando com os conteúdos programáticos do currículo do 1º ciclo; - Fomentar o gosto pelas ciências nos alunos em geral; - Diversificar estratégias de atuação em contexto de sala de aula, como forma de motivação geral dos alunos; - Impulsionar a experimentação e observação de fenómenos do quotidiano, facilmente explicáveis com termos científicos; - Desenvolver o trabalho colaborativo; - Desenvolver a compreensão de conceitos; - Promover o uso de vocabulário de forma natural e quotidiana pelos alunos, de acordo com as experiências realizadas; - Desenvolver o pensamento crítico, dedutivo e criativo dos alunos; - Sistematizar o método experimental/metodologia científica no 1º ciclo; - Fomentar a observação e descrição; - Desenvolver o espírito científico dos alunos e o gosto pela investigação; - Contribuir para que o ensino experimental se incorpore na rotina quotidiana; - Contribuir para que os alunos cresçam como cidadãos participativos na sociedade atual. Antes de qualquer objetivo pessoal e específico este documento deverá servir para melhorar e diversificar o trabalho junto dos alunos, sempre considerando a envolvência do professor e a sua capacidade de os mobilizar para a temática das Ciências. A implementação deste programa pretende valorizar uma articulação pedagógica curricular entre ciclos de ensino, no seguimento das recomendações evidenciadas nas orientações curriculares e pedagógicas do Ministério da Educação e dos diversos documentos oficiais, sendo igualmente uma das prioridades educativas deste Agrupamento de Escolas (AEVA).
  • 8. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 8 ATITUDES CIENTÍFICAS Simultaneamente deverão ser desenvolvidas várias atitudes científicas, que são transversais a outras áreas do saber, contribuindo no seu todo para o desenvolvimento emocional dos discentes. Estas atitudes facilitam a aquisição de hábitos de estudo, promovendo a autonomia e o sentido de responsabilidade. Através das atividades de ciências poderão ser promovidas oportunidades para desenvolver atitudes e qualidades pessoais dos alunos, essenciais enquanto cidadãos. - Curiosidade, através das experiências a generalidade das crianças desenvolve o espírito de curiosidade, pois vai seguir todo um conjunto de etapas necessárias para concretização da desejada experiência. É importante aproveitar esta curiosidade pelo desconhecido para a aprendizagem. Neste sentido, o docente tem a tarefa de estimular os alunos para alimentar essa curiosidade, quando colocam as suas questões que deverão ser consideradas, e após as experiências validadas. Nas atividades de ciências é de extrema relevância o questionamento, sendo uma das mais importantes atitudes científicas que deve estar presente na aprendizagem da ciência. - Respeito pela evidência, que se verifica pela capacidade que as crianças revelam na identificação das evidências em consonâncias com as suas próprias ideias. Para fomentar esta atitude é essencial que sejam capazes de descrever e explicar o que observam, para que compreendam que as suas ideias só poderão ser validadas através da existência de evidências consistentes. - Espírito de abertura, é de extrema importância que os alunos aceitem novas ideias, sendo uma das condições basilares para a evolução do conhecimento científico, pois essa abertura permite que novas explicações científicas reformulem outras. - Reflexão crítica, sendo necessário ouvir as ideias e opiniões dos outros, valorizando o que os outros sugerem, pois devem perceber que ideias diferentes das suas poderão ser úteis e muito importantes. Outro aspeto a realçar é a necessidade de os alunos entenderem a possibilidade de mudar de ideias e opiniões quando surgirem outras que melhor se ajustam às evidências verificadas entretanto.
  • 9. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 9 - Perseverança, sendo indispensável uma motivação sistemática dos alunos, levando-os a perceber que a capacidade de persistir é essencial para alcançar os objetivos determinados e verificar se as hipóteses estavam corretas. Neste sentido, é função primordial incentivar os alunos em todas as etapas e tarefas, evidenciando os aspetos positivos e reforçando os elogios nos esforços efetuados. - Espírito de cooperação, nas atividades de experimentação é primordial a existência de um espírito de partilha, ajuda e colaboração, dinamizando-se atividades que promovam o diálogo e a troca de ideias e opiniões. Para desenvolver estas atitudes é primordial ter consciência do modo como se organiza a turma para ensinar ciência, devendo as atividades serem organizadas pelo professor, considerando a intervenção dos alunos como fundamental no ensino e aprendizagem da ciência. As atividades propostas devem ir ao encontro dos interesses dos alunos e situações ou problemas que apresentam, devendo o professor ter como ponto de partida essas ideias, interrogações e dúvidas para partir, posteriormente, para a experimentação. Desta forma tenderá a aumentar a motivação e curiosidade dos alunos. As atividades deverão ser, geralmente, realizadas em grupo, favorecendo a partilha e colaboração entre pares. Não existe um número previamente determinado para as atividades, dependendo das idades das crianças e da experiência que cada grupo já possui neste tipo de metodologia de trabalho.
  • 10. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 10 DESCRIÇÃO GERAL DO PROJETO O projeto que nos propomos implementar contém duas vertentes, uma científica, partindo sempre de uma situação problemática, uma questão geradora, sobre a qual se desenvolverá todo o processo de experimentação, por outro lado, existe uma vertente pedagógica que pretende fazer a transversalidade com os conteúdos desenvolvidos em contexto de sala de aula, permitindo a sua verificação experimental. Procedimentos gerais: Existe um conjunto de processos científicos a seguir no processo experimental: a) Observar, que implica a utilização de vários sentidos. Neste processo o professor deverá ajudar os alunos a focalizar nos detalhes e no todo; os alunos identificam pormenores, semelhanças e diferenças. b) Classificar, depois de analisar os vários materiais deverão agrupá-los segundo o que lhes parece mais lógico. c) Seriar, as crianças devem ser estimuladas a determinar critérios de seriação. d) Inferir, dando significado às observações efetuadas, explicando o que vê. e) Elaborar hipóteses, produzindo explicações genéricas na tentativa de identificar um padrão geral a partir das observações. f) Prever, é no fundo tentar explicar o que se espera que aconteça com base nas inferências realizadas em outros contextos. g) Experimentar, verificar se as previsões se concretizam, sugerindo possíveis contrariedades ao longo da experimentação. h) Organizar dados, fazer os registos de cada etapa da experiência através de preenchimento de tabelas/grelhas ou realização de desenhos. i) Interpretar dados, fazendo a comparação entre as hipóteses previamente estabelecidas e as conclusões da experiência. Os alunos terão de identificar o problema, dependendo da faixa etária, serão auxiliados nessa tarefa. Deverão questionar o que pretendem mudar e registar os dados através de tabelas, quadros, gráficos e outros modelos de registo. Nesses registos formularão as hipóteses (o que pensam que vai acontecer e porquê), depois de realizar a experiência deverão descrever o que aconteceu e verificar se as hipóteses se confirmaram ou não.
  • 11. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 11 Contextualização O AEVA, foi criado de acordo com a organização específica do concelho de Vieira do Minho, enquadrando-se na denominação de Agrupamento Vertical, uma vez que integra escolas dos seguintes níveis de ensino: Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Ensino Secundário. O contexto em que se enquadra é rural, onde se multiplicam situações de emigração dos habitantes das várias aldeias, principalmente para países europeus. O projeto é específico para o 1º ciclo, todavia, sempre que possível deverá ser reforçada a articulação entre ciclos, com a participação dos alunos do Pré-escolar, principalmente os grupos de 5 anos de idade. Intervenientes - Alunos do ensino pré-escolar (sempre que possível e com grupo dos 5 anos); - Alunos do 1º ciclo do ensino básico; - Professora coordenadora do projeto e outros elementos da equipa; - Todos os docentes titulares de turma; - Professores de outros ciclos, que poderão colaborar em determinadas atividades/experiências. Consideramos primordial incluir os alunos do Ensino Pré-escolar pois o Ministério também já estabeleceu metas de aprendizagem para esse nível de ensino, considerando-a como a primeira etapa de todo o processo educativo. Essas metas serão consideradas na organização e planificação do projeto. Calendarização No que se refere à calendarização e recursos utilizados estes obedecem a uma planificação temática por faixas etárias e de acordo com os conteúdos programáticos. As atividades experimentais deverão ser realizadas no tempo letivo destinado à Área de Projeto, numa sala destinada para a Ciência, na escola dos alunos, de forma que nunca tenham de se deslocar da sua própria escola. Os planos apresentados são uma orientação de trabalho, não impedindo que cada professor reforce o trabalho experimental com outras experiências e com uma sequência diferente da apresentada, atendendo as particularidades de cada grupo de alunos.
  • 12. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 12 Recursos - Equipamento informático disponível nas escolas; - Quadros interativos - Formulários das atividades experimentais - Formulários dos relatórios das atividades experimentais - Cópias e material de desgaste - Variado material reaproveitado, de acordo com cada atividade experimental - Dossiê com todos os registos das atividades experimentais realizadas por cada escola, nomeadamente grelhas de observação e de realização de todas as experiências Todas as experiências apresentadas podem ser sujeitas a alterações, não sendo imperativo seguir a ordem sugerida, podendo cada docente realizar outras, que considere relevantes para complementar conteúdos. Foi considerado de extrema relevância a utilização dos manuais e livros de experiências dos alunos, tentando-se minimizar o gasto de material de desgaste, usando os materiais existentes e recorrendo o mínimo às fotocópias de fichas.
  • 13. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 13 AVALIAÇÃO O projeto será desenvolvido em todas as escolas e avaliado através da elaboração de um registo após cada experiência, descrevendo a forma como decorreu e detetando possíveis falhas, para posterior retificação. A equipa sugere uma transversalidade dos temas das atividades experimentais a todas as áreas, ficando ao critério de cada docente a sua aplicabilidade. As experiências terão uma grelha de observação, que o professor acompanhante deverá preencher, identificando possíveis lacunas, imprevistos, problemas durante a atividades experimental, assim como registará o nível de interesse, participação e motivação do grupo de alunos e cumprimento de objetivos. Todas as atividades serão avaliadas e a equipa do projeto elaborará trimestralmente um relatório sobre a evolução do mesmo, com base nas grelhas de observação e nas fichas de registo realizadas pelos alunos aquando da realização das experiências. Ao longo do ano letivo poderão ser feitas ajustes pontuais ao projeto, ajustando às características das turmas/escolas. Pretende-se igualmente criar um blogue destinado à divulgação das atividades do projeto, para que toda a comunidade educativa tenha conhecimento das atividades desenvolvidas. No final do ano será elaborado uma reflexão crítica e factual do desenvolvimento projeto, apontando os pontos fortes e estratégias de melhoria.
  • 14. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 14 NORMAS DE SEGURANÇA Ao realizar qualquer uma das experiências propostas deverão seguir sempre um conjunto de normas de segurança. 1- Nunca realizar as experiências sem a presença de adultos. 2- Não comer, beber na zona onde se realizam as experiências. 3- Realizar as experiências respeitando as regras estipuladas pelo professor orientador das mesmas. 4- Não mexer em materiais ou substâncias desconhecidas. 5- Ouvir com atenção as instruções e expor as dúvidas antes de iniciar as experiências. 6- Evitar o contacto com produtos químicos com a boca e os olhos. 7- Nas experiências mais perigosas devem usar luvas de látex. 8- Lavar sempre as mãos depois do trabalho experimental. 9- Os materiais usados nas experiências devem ser sempre guardados e mantidos longe do alcance das crianças. 10-O local de realização das experiências deve ser iluminado e ventilado, possuindo também uma torneira com água. 11-Lavar e arrumar todos os materiais usados durante as atividades experimentais. 12-Todos os alunos participantes nas experiências devem seguir as etapas de acordo com o plano da experiência.
  • 15. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 15 SÍMBOLOS E RÓTULOS DE PRODUTOS tóxico- Evitar o contacto com o corpo humano, através da inalação (cheiro), ingestão ou absorção pela pele. inflamável - Manter os produtos afastados das chamas ou fonte de calor. radioativo - Evitar o contacto com o corpo humano, através da inalação (cheiro), ingestão ou absorção pela pele. corrosivo – Evitar o contacto com a pele, olhos e vestuário. explosivo – Evitar o choque, a fricção e a exposição a temperaturas elevadas. nocivo ou irritante – Evitar o contacto direto com o corpo humano.
  • 16. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 16 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! Ensino Pré-escolar e 1º ano de escolaridade 1º Período Meta de aprendizagem Pré-escolar Formação Pessoal e Social: participar num grupo e de iniciar a aprendizagem de atitudes e valores que lhes permitam tornar-se cidadãos solidários e críticos. Conhecimento do Mundo: esta área abarca o início das aprendizagens nas várias ciências naturais e humanas, tem continuidade no Estudo do Meio no 1º ciclo e inclui, tal como este, de forma integrada, o contributo de diferentes áreas científicas (Ciências Naturais, Geografia e História). Expressão e Comunicação: nesta área surgem separadamente os seus diferentes domínios. No domínio das Expressões são diferenciadas as suas diferentes vertentes: Motora, Plástica, Musical, Dramática, neste caso designada por Expressão Dramática/Teatro, tendo-se acrescentado a Dança que tem relações próximas com a Expressão Motora e Musical. BLOCO DO PROGRAMA 1º Ano - À descoberta de si mesmo - À descoberta dos materiais e objetos Conteúdos programáticos de Estudo do Meio a) Os seus gostos e preferências b) O seu corpo c) A saúde do seu corpo d) Manusear objetos em situações concretas Experiências Experiência 1: “Ver, cheirar, tocar com as mãos e provar”. Experiência 2: “O inventor das cores” Experiência 3: “Quente ou frio?” Experiência 4: “A maçã doente” Experiência 5: “Consegues ver com os olhos fechados?” Conceitos/termos Órgãos dos sentidos; saudável, doença, micróbios, contagioso, higiene pessoal calor, frio, quente, temperatura, absorver, macio, áspero, grosso, grande pequeno, liso, comprido, pequeno, curto, rugoso, tato. Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – figuras geométricas; as cores; as quantidades; contagens; classificar e ordenar; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 17. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 17 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! Ensino Pré-escolar e 1º ano de escolaridade 2º Período Meta de aprendizagem Pré-escolar Formação Pessoal e Social: participar num grupo e de iniciar a aprendizagem de atitudes e valores que lhes permitam tornar-se cidadãos solidários e críticos. Conhecimento do Mundo: esta área abarca o início das aprendizagens nas várias ciências naturais e humanas, tem continuidade no Estudo do Meio no 1º ciclo e inclui, tal como este, de forma integrada, o contributo de diferentes áreas científicas (Ciências Naturais, Geografia e História). Expressão e Comunicação: nesta área surgem separadamente os seus diferentes domínios. No domínio das Expressões são diferenciadas as suas diferentes vertentes: Motora, Plástica, Musical, Dramática, neste caso designada por Expressão Dramática/Teatro, tendo-se acrescentado a Dança que tem relações próximas com a Expressão Motora e Musical. BLOCO DO PROGRAMA 1º Ano - À descoberta das inter- relações entre espaços Conteúdos programáticos de Estudo do Meio a) Localizar espaços em relação a um ponto de referência Experiências Experiência 6: “Criar um relógio de sol” Experiência 7: “Quanto choveu?” Conceitos/termos Motricidade, orientação espacial, grande, pequeno, forma, calor, temperatura, tempo Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – figuras geométricas; as quantidades; contagens; classificar e ordenar; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; medidas de tempo; figuras e formas. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 18. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 18 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! Ensino Pré-escolar e 1º ano de escolaridade 3º Período Meta de aprendizagem Pré-escolar Formação Pessoal e Social: participar num grupo e de iniciar a aprendizagem de atitudes e valores que lhes permitam tornar-se cidadãos solidários e críticos. Conhecimento do Mundo: esta área abarca o início das aprendizagens nas várias ciências naturais e humanas, tem continuidade no Estudo do Meio no 1º ciclo e inclui, tal como este, de forma integrada, o contributo de diferentes áreas científicas (Ciências Naturais, Geografia e História). Expressão e Comunicação: nesta área surgem separadamente os seus diferentes domínios. No domínio das Expressões são diferenciadas as suas diferentes vertentes: Motora, Plástica, Musical, Dramática, neste caso designada por Expressão Dramática/Teatro, tendo-se acrescentado a Dança que tem relações próximas com a Expressão Motora e Musical. BLOCO DO PROGRAMA 1º Ano - À descoberta do ambiente natural Conteúdos programáticos de Estudo do Meio a) Os seres vivos do seu ambiente Experiências Experiência 8: “germinação do feijão” (página 76 do manual) Experiência 9: “A forma e o volume da água” (página 84) Experiência 10: “O cheiro e o sabor da água” (página 84) Experiência 11: “Objetos que flutuam ou não” (página 85) Experiência 12: “A ação da água sobre os materiais” (página 86) Experiência 13: “Dissolve-se ou não” (página 86) Conceitos/termos Volume, forma, quantidade, cheiro, sabor, destilada, mineral, incolor, insípida, inodora, flutuação, moldável, dissolução Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – propriedades dos objetos (a forma); as cores; as quantidades; contagens; classificar e ordenar; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; medidas de volumes; medidas de tempo; Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 19. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 19 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 2º Ano de escolaridade 1º Período BLOCO DO PROGRAMA - À descoberta de si mesmo Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) O seu corpo b) A saúde do seu corpo Experiências Experiência 1: “Ver, tocar e saborear” (página 2 do livro de experiências) Experiência 2: “Qual será o sabor?” (página 33 do manual) Experiência 3: “A água que bebemos” (página 3 do livro de experiências) Experiência 4: “Dissolve ou não dissolve?” (página 4 do livro de experiências) Experiência 5: “Será que todos os materiais são flexíveis?” (página 58 do manual) Experiência 6: “Será que os materiais têm propriedades diferentes?” (página 59 do manual) Conceitos/termos Solúvel, duro, resistente, transparente, combustível, flexível, dissolução, doce, amargo, salgado, ácido, forma, textura, órgãos dos sentidos. Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – propriedades dos materiais (formas); as quantidades; contagens; classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; regularidades. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 20. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 20 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 2º Ano de escolaridade 2º Período BLOCO DO PROGRAMA - À descoberta do Ambiente natural - À Descoberta dos materiais e objetos Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) Os aspetos físicos do meu local b) Realizar experiência com o ar Experiências Experiência 7: “Vai chover?” (página 14 do livro de experiências) “Experiência 8: “Será que o ar existe?” (página 91 do manual) Experiência 9: “Será que o ar tem “peso”?” (página 92 do manual) Experiência 10: “O ar quente é mais leve que o ar frio? (página 93 do manual)Conceitos/termos Massa, volume, espaço, movimento, energia, calor, frio. Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – formas dos materiais; as quantidades; contagens; classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; regularidades; medidas de tempo; medidas de massa. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 21. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 21 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 2º Ano de escolaridade 3º Período BLOCO DO PROGRAMA - À descoberta do Ambiente natural - À Descoberta dos materiais e objetos - À descoberta dos materiais e objetos Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) Os seres vivos do seu ambiente a) Materiais de uso corrente Experiências Experiência 11 “O que acontece às plantas se não receberem luz solar?” (página 103 do manual) “Experiência 12: “O comportamento das sementes em água” Experiência 13: “Uma semente…uma planta” (página 8 e 9 do livro de experiências) Experiência 14: “O que é uma reação química?” (página 10 do livro de fichas) Conceitos/termos Massa, volume, espaço, movimento, energia, calor, frio. Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – formas geométricas; as quantidades; contagens; classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; regularidades. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 22. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 22 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 3º Ano de escolaridade 1º Período BLOCO DO PROGRAMA - À descoberta dos materiais e objetos Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) Realizar experiência de mecânica simples (rodas dentadas, molas e elásticos; alavancas, balanças, baloiços e mobiles) Experiências Experiência 1: “Como funcionam as rodas dentadas?” (página 40 do manual) Experiência 2: “Como funcionam as molas?” (página 41 do manual) Experiência 3: “As alavancas” (página 49 do manual) Experiência 4: “Para que servem as alavancas?” Experiência 5: “Como fazer um baloiço?” (página 50 do manual) Experiência 6: “Como conseguir o equilíbrio de uma balança?” Conceitos/termos Forças, equilíbrio, elasticidade, transmissão de movimentos, massa Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas. Matemática – resolução de problemas classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; fazer estimativas; comparar massas de objetos. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 23. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 23 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 3º Ano de escolaridade 2º Período BLOCO DO PROGRAMA - À descoberta do ambiente natural Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) Os seres vivos do ambiente próximo Experiências Experiência 7: “Será que as plantas conseguem desenvolver-se sem água” (página 93 do manual) Experiência 8:”O que faz mal às plantas?” Experiência 9:”O que acontece à planta numa estufa?” Conceitos/termos vida, crescimento, temperatura, saúde, quente, frio, água, humidade, luz, substâncias nocivas Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas. Matemática – resolução de problemas classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; fazer estimativas; comparar massas de objetos. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 24. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 24 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 3º Ano de escolaridade 3º Período BLOCO DO PROGRAMA - À descoberta do ambiente natural Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) Aspetos físicos do meio local Experiências Experiência 10: “Misturas com água” (livro de experiências do 2º ano, página 5) Experiência 11:”Todos os materiais deixam passar a luz?” (página 119 do manual) Experiência 12:”Refração: Como se forma um arco-íris?” (manual página 121) Experiência 13:”O magnetismo dos ímanes: o íman atrai todos os objetos da mesma forma?” (manual página 125) Conceitos/termos vida, crescimento, temperatura, saúde, quente, frio, água, humidade, luz, substâncias nocivas Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas. Matemática – resolução de problemas classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; fazer estimativas; comparar massas de objetos. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 25. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 25 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 4º Ano de escolaridade 1º Período BLOCO DO PROGRAMA - À descoberta de si mesmo Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) O seu corpo (os ossos) b) A segurança do seu corpo (prevenção de incêndios) Experiências Experiência 1: Por que os ossos são duros e resistentes? Experiência 2: “Extintor caseiro” Experiência 3: “Um tornado” Conceitos/termos Combustão, prevenção, compostos, reação, dureza, resistência, estados da água Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – formas geométricas; as quantidades; contagens; classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; medidas de capacidade; medidas de tempo. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 26. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 26 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 4º Ano de escolaridade 2º Período BLOCO DO PROGRAMA - À Descoberta do ambiente natural Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) Aspetos físicos do meio Experiências Experiência 4: “A condensação” (página 66 do manual) Experiência 5: “A solidificação” (página 67 do manual) Experiência 6: “A evaporação” (página 68 do manual) Experiência 7: “Fazer nuvens” Conceitos/termos Estados da água, solidificação, vapor, gelo, condensação, gases, temperatura Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – medidas de capacidade; as quantidades; contagens; classificar e ordenar materiais; as formas; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; unidades de tempo. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 27. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 27 Planificação de atividades: Experimento… logo aprendo! 4º Ano de escolaridade 3º Período BLOCO DO PROGRAMA - À Descoberta dos materiais e objetos Conteúdos programáticos do Estudo do meio a) Realizar experiências com água b) Realizar experiências com a eletricidade c) Realizar experiências com o som Experiências Experiência 8: “O repuxo” (página 124 do manual) Experiência 9: “A flutuação” (página 125 do manual) Experiência 10: “A dissolução” (página 126 do manual) Experiência 11: “A força da água” (página 127 do manual) Experiência 12: “Materiais condutores e não condutores” (página 128 do manual) Experiência 13: “O som na água” (página 125 do manual) Conceitos/termos Solúvel, água, solvente, solução, soluto, dissolução, flutuação, densidade, substâncias, cor, força Transversalidade TIC – Uso do quadro interativo e computador Língua Portuguesa – Elaborar registos de informação; ampliar vocabulário; ler e conhecer textos/histórias alusivas ao tema. Expressões – Ilustrações das experiências antes e depois de concluídas; canções alusivas aos temas; Matemática – medidas de capacidade; as quantidades; contagens; classificar e ordenar materiais; situar-se no espaço em relação aos objetos; preencher tabelas; interpretar dados; medidas de comprimento; formas. Formação Cívica – regras de trabalho em grupo; respeito pelas ideias e opiniões dos outros.
  • 28. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 28 GRELHA DE OBSERVAÇÃO DA EXPERIÊNCIA Ano de escolaridade: ______ Turma: _______ Escola: _______________________ Nº de experiência: _______ Tema: ___________________________________ Título da experiência: __________________________________________________________ Itens a observar Totalmente Parcialmente Incompleto Cumprimento de objetivos Tempo de realização ajustada Muito Razoável Pouco Interesse revelado pelos alunos Utilização/assimilação de conceitos/termos Muitos Poucos Nenhuns Incidentes verificados Lacunas surgidas Observações feitas pelos alunos Observações: ____________________________________________________________ ________________________________________________________________________ Professor Data _______________ ____/_____/______
  • 29. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 29 Grelha de registo de atividades por estabelecimento de ensino Data Ano Turma Atividade/experiência (Designação) Docente
  • 30. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 30 BIBLIOGRAFIA Departamento da Educação Básica (DEB) (2004). Organização Curricular e Programas: Ensino Básico – 1º Ciclo (4ª edição revista). Lisboa: Editorial do ME. Fialho, Isabel (2009). Ensino Experimental. Lisboa: Areal Editores Manning, Mick & Granstrom, Brita (2008). O meu primeiro livro Ciências; Rio de Mouro: Everest Editora. Martins, Isabel; Veiga, Mª Luísa; Teixeira, Filomena; Vieira, Celina; Vieira; Rui Marques; Rodrigues, Ana & Couceiro, Fernanda (2007) - Coleção Explorando Materiais do Ministério da Educação, através da Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. Ministério da Educação – Departamento de Educação Básica (2001), Currículo Nacional do Ensino Básico. Lisboa: Editorial do Me. Rodrigues, Cátia (2009). Experiências com a Natureza; Sintra: K Editora. Sá, Joaquim (2002). Renovar as práticas no 1º ciclo pela via das ciências da natureza, Porto: Porto Editora, Coleção Mundo de Saberes. 1- Flutuação em líquidos, guião didático para professores 2- Dissolução em líquidos, guião didático para professores 3- Sementes, germinação e crescimento, guião didático para professores Outros documentos Letra, Carlos & Afreixo, Ana M. (2012). Cadernos de Atividades Experimentais, para o 3º ano de escolaridade. Gaialivro SITES CONSULTADOS http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rle/n6/n6a13.pdf (28 de junho de 2012; 10:05) http://ymy.blogs.sapo.pt/315900.html (28 de junho de 2012, 10:12) http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=4 (28 de junho de 2012, 12:36) http://www.eb1-feira-n3.rcts.pt/experie.htm http://cienciaemcasa.cienciaviva.pt/materia.html http://www.cienciadivertida.pt/ http://www.dgidc.min-edu.pt/outrosprojetos/index.php?s=directorio&pid=93
  • 31. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 31 ANEXOS Fichas com as experiências (no caso de não estarem disponíveis nos materiais dos alunos)
  • 32. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 32 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 1: “Ver, cheirar, tocar com as mãos e provar” Questão: Todos os alimentos têm o mesmo sabor? Materiais: - sal, açúcar, 1 laranja, 1 limão, chocolate amargo, 1 maçã Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo: os seus gostos e preferências Objetivos: - Identificar alimentos; - Distinguir diferentes sabores; - Identificar formas e cores. Procedimentos: 1- Alunos fazem grupos de acordo com o nº total da turma. 2- Cada faz grupo as previsões sobre o sabor de cada alimento. PREVISÕES: Alunos fazem as suas previsões, colocando uma X (sem provar). Doce Amargo Salgado Ácido sal açúcar chocolate limão laranja
  • 33. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 33 VAMOS EXPERIMENTAR! 1- Provar os alimentos. 2- Assinalar com X o principal sabor de cada um. Doce Amargo Salgado Ácido sal açúcar chocolate limão laranja CONCLUSÃO: (as próprias crianças podem opinar sobre as descobertas efetuadas, devendo conseguir reconhecer a existência de sabores, cores e formas diferentes) ______________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  • 34. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 34 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE A maçã é… 1- Cada grupo deve desenhar uma maçã em papel branco A4. 2- Os vários desenhos são apresentados e comparados. 3- Usar os sentidos para descrever a maçã da figura. 4- Cada grupo apresenta o seu trabalho e explica que órgão é necessário para identificar cada uma das propriedades. Rodeia as opções corretas. CONCLUSÃO: ______________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ Grupo: __________________________________ Data: _____________________ Doce Salgada Ácida Verde Vermelha Amarela Arredondada Quadrada Sem forma Sem cheiro Perfumada Cheiro desagradável Lisa Áspera Rugosa
  • 35. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 35 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 2: “O inventor de cores” Problema: Cada grupo tem de construir uma árvore com tronco, ramos e folhas. Mas não têm as cores necessárias. Como podem conseguir plasticina de novas cores? Materiais: vários pedaços de plasticina azul, amarelo e vermelho, (podendo substituir plasticina por tintas, de acordo com o material disponível) Conteúdo programático: À descoberta dos materiais e objetos (propriedades dos materiais) Objetivos: - Identificar cores. - Inventar novas cores. - Compreender que algumas cores resultam de misturas de cores. Procedimentos: 1- A cada grupo é dada plasticina/tinta das três cores. PREVISÕES: Alunos fazem as suas previsões e o docente escreve. Como conseguir novas cores? Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 2- Pintar os resultados que achas que vais obter com cada uma das seguintes misturas.
  • 36. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 36 Vamos Experimentar! 3- Preparar 3 pedaços de plasticina/tinta de cada uma das cores. 4- Misturar cores diferentes de acordo com a tabela seguinte. 5- Pintar os resultados obtidos. 6- Os resultados obtidos foram aqueles que esperavam? Assinala com X. Acertamos em todas as cores. Acertamos em algumas cores. Não acertamos nas cores. CONCLUSÕES: Se misturar vermelho e azul obtemos. Se misturar vermelho e amarelo obtemos. Se misturar amarelo e azul obtemos. Se misturar as três cores obtemos.
  • 37. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 37 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 3: “Quente ou frio?” Problema: Porque usamos roupas claras quando o tempo está quente e roupas escuras quando está frio? Materiais: 4 cubos de gelo do mesmo tamanho; 4 quadrados de cartolina, 2 escuros e 2 claros; folhas de jornal. Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (A saúde do seu corpo) Objetivos: - Compreender que as cores escuras absorvem a luz, podendo levar ao aquecimento, enquanto as cores claras, por refletirem a luz, não contribuem para o aquecimento. - Relacionar as cores do vestuário com as estações do ano e os estados do tempo. Procedimentos: 1- Abrir o jornal sobre uma mesa, perto de uma janela para receber luz solar 2- Colocar sobre as folhas do jornal os 4 quadrados de cartolina. 3- Sobre cada quadrado de cartolina colocar um cubo de gelo. Previsões: O cubo de gelo derrete primeiro nas cartolinas escuras. O cubo de gelo derrete primeiro nas cartolinas claras. O cubo de gelo derrete ao mesmo tempo em ambas as cartolinas. CONCLUSÕES: 1- Os resultados obtidos foram aqueles que esperavam? Assinala com X. Acertamos nas previsões. O gelo derreteu primeiro nas cartolinas escuras. Não acertamos nas previsões. O gelo derreteu primeiro nas cartolinas claras. Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 38. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 38 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 4: “A maçã doente” Problema: Como é que uma maçã saudável pode ficar “doente”? Materiais: 2 maçãs ou peras saudáveis; 1 maçã ou pera podre (doente); palitos; caixa de plástico; faca de plástico; lupa; caneta de acetato. Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (A saúde do seu corpo, regras de higiene do corpo) Objetivos: - Conhecer formas de transmissão de doenças. - Conhecer regras de higiene na prevenção de doenças - Fazer previsões. - Comparar os resultados com as previsões. Procedimentos: 1- Identificar as 3 maçãs através de letras (A, B, C), sendo a maçã A, a doente, e as outras saudáveis. 2- Espetar um palito na parte podre da maçã A. 3- Retirar o palito da maçã A (doente) e espetá-lo na maçã B. 4- Colocar as 3 maçãs na caixa, afastadas entre si. PREVISÕES: Desenhar o que julgam que irá acontecer às 3 maçãs. CONCLUSÕES: 1- Os resultados obtidos foram aqueles que esperavam? Assinala com X. Acertamos nas previsões. Todas as maçãs ficaram iguais. Não acertamos nas previsões. A maçã B ficou “doente”. A maçã C ficou “doente”. Todas as maçãs ficaram “doentes”. Concluímos que _____________________________________________________ Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 39. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 39 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 5: “Consegues ver com olhos fechados” Problema: Consegues ver com os olhos fechados? Materiais: 1 caixa de cartão com tampa (por grupo); diversos materiais da sala de aula; tesoura. Conteúdo programático: À descoberta dos materiais e objetos (propriedades dos materiais) Objetivos: - Reconhecer formas e texturas; - Identificar objetos pela forma e textura; - Explicar a utilização de diferentes objetos; - Agrupar materiais segundo as suas propriedades. Procedimentos: 1- Com a tesoura abrir um buraco na tampa da caixa, de forma a caber a mão; 2- Escolher objetos e colocá-los dentro da caixa, fechando-a para que não se veja o seu conteúdo; 3- Trocar as caixas entre grupos; 4- Uma criança de cada vez, coloca a mão dentro da caixa e agarra um objeto. 5- Comunicar aos colegas e forma e a textura do objeto (sem o tirar da caixa); 6- Se conseguir identificar o objeto, deve dizer o seu nome e retirá-lo da caixa. 7- Repete a atividade outra criança. CONCLUSÃO: Podemos identificar diferentes objetos através de: Acertamos em todos os objetos. Não acertamos em todos os objetos. Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 40. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 40 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 6: “Criar um relógio de Sol” Problema: Conseguimos marcar o tempo? Materiais: 1 prato de plástico, 1 lápis e 1 régua, 1 palhinha, 1 cartolina e 1 tesoura e canetas de feltro. Conteúdo programático: - O seu passado próximo - Localizar espaços em relação a um ponto de referência. Objetivos: - Reconhecer a unidade de tempo o dia - Reconhecer a sucessão de atos praticados ao longo do dia - Registar na linha do tempo acontecimentos - Desenvolver a expressão criativa - Reconhecer a semana como unidade de tempo Previsões: Não conseguimos marcar o tempo. Conseguimos marcar o tempo. Procedimentos: 1- Desenha um círculo numa cartolina, seguindo o contorno do prato 2- Pede ajuda a um adulto para recortar o círculo e fazer um buraco ao centro 3- Depois faz 2 cortes com 2 cm de comprimento numa das pontas da palhinha e insere-a no buraco do prato 4- Cola uma fita adesiva as duas metades da palhinha na parte inferior do prato. 5- Alguns minutos do meio-dia, com ajuda de um adulto, coloca o círculo virado para cima, num lugar onde dê o sol. 6- Quando for meio-dia, desenha com a régua um pequeno risco na borda do prato no sítio onde se projeta a sombra o sol. Nesse risco vamos escrever 12h. 7- Decorar o relógio. CONCLUSÃO: Conseguimos marcar o tempo através de um relógio de sol. Não conseguimos marcar o tempo através de um relógio de sol. Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 41. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 41 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E 1º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 7: “Quanto choveu?” Problema: Poderemos saber em que dia choveu mais e em que dia choveu menos? Materiais: garrafões de 5 litros de plástico transparente; corantes 1 lápis e 1 régua, 1 palhinha, 1 cartolina e 1 tesoura e canetas de feltro. Conteúdo programático: - As suas perspetivas para o futuro próximo Objetivos: - Reconhecer a unidade de tempo o dia - Identificar a noção de antes/depois e anterior e posterior - Fazer o registo de dados através de gráfico de barras - Identificar diferentes estados de tempo - Comparar ações praticadas ontem, hoje e amanhã Previsão: - Conseguimos descobrir em que dia chove mais ou menos. Procedimentos: 1- Num dia de chuva põe várias vasilhas a apanhar chuva. Tem o cuidado de não pores nenhuma debaixo de uma árvore. 2- Escolher garrafões do mesmo tamanho. 3- Colocar um garrafão em cada dia da semana, devidamente identificado com corantes de diferentes cores. No fim de cada dia retirar o respetivo garrafão. 4- No final da semana comparar as quantidades de água de cada garrafão. 5- Elaborar gráfico de barras, utilizando as cores de cada garrafão. CONCLUSÃO: Conseguimos saber em que dia da semana choveu mais ou menos. Não conseguimos saber em que dia da semana choveu mais ou menos. Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 42. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 42 2 º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 12 (3º período): Contato das sementes com água Problema: Como se comportam as diferentes sementes quando colocadas em água? Materiais: sementes variadas, recipientes e água. Conteúdo programático: - Os seres vivos e o seu ambiente Objetivos: - Identificar diferentes tipos de sementes/plantas - Agrupar sementes segundo diferentes propriedades - Descrever diferentes comportamentos das sementes Previsão O que achas que vai acontecer às várias sementes? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Procedimentos: 1- Escolher 3 tipos de sementes 2- Colocar uma semente num recipiente com água e outra semente num recipiente sem água (sementes iguais). 3- Repetir a tarefa para as 3 sementes. 4- Verificar o comportamento de cada semente ao fim de 3 horas e no dia seguinte. 5- Verificar e comparar os diferentes comportamentos, registando-os.
  • 43. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 43 Conclusões COMPORTAMENTO DE SEMENTES Tipos de sementes Recipiente A (sem água) Recipiente B (com água) Após 3 horas Após 24 horas Feijão vermelho Grão de bico Milho amarelo Verificamos que... Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 44. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 44 3º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 4: “Para que servem as alavancas?” Problema: “Para que servem as alavancas?” Materiais: livros, 2 lápis Conteúdo programático: À descoberta de materiais e objetos Objetivos: - Conhecer formas de diminuir esforços para deslocar materiais. - Conhecer diferentes estratégias de deslocar objetos e materiais. - Fazer previsões. - Comparar os resultados com as previsões. Observem os exemplos de alavancas: PREVISÕES: Para que acham que servem as alavancas? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ VAMOS EXPERIMENTAR Procedimentos: 1- Tenta levantar uma pilha de livros com o dedo mindinho. O que acham que vai acontecer? E porquê? ______________________________________________________________________ ____________________________________________________________________ ____________________________________________________________________
  • 45. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 45 2- Substituam o dedo mindinho por um lápis. Coloquem o dedo mindinho por baixo do lápis e levanta a pilha de livros. O que aconteceu? _____________________________________________________ ____________________________________________________________________ 3- Por baixo do lápis coloca um outro lápis (ver gravura). Como o dedo mindinho empurra para baixo a extremidade do 1º lápis. O que aconteceu? ___________________________________________________________ ________________________________________________________ 4- Afasta o lápis que está por baixo e aproxima-o da extremidade do 1º lápis. Repete o que fizeste no ponto 3. O que aconteceu? ____________________________________ ____________________________________________________ CONCLUSÕES: Em qual das situações vos pareceu menor o esforço necessário para levantar os livros? 2 3 4 Podemos concluir que as alavancas… dão a força necessária para levantar um objeto. não dão a força necessária para levantar um objeto. são úteis para levantar objetos com maiores massas. Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 46. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 46 3º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 6: “Como conseguir o equilíbrio de uma balança?” Problema: Como conseguir o equilíbrio de uma balança? Materiais: prisma triangular, moedas e outros objetos, uma régua Conteúdo programático: À descoberta de materiais e objetos Objetivos: - Conhecer distintas formas de promover o equilíbrio de materiais - Compreender a noção de força e de equilíbrio - Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões. PREVISÕES: Para que acham que servem as balanças? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Observem as duas gravuras, A e B. Onde acham que há equilíbrio? _______________ _____________________________________________________________________ VAMOS EXPERIMENTAR Procedimentos: 1- Colocar o prisma sob a régua, no meio desta, para obteres uma balança. A balança está equilibrada? _______________________ O que acham que devem fazer para haver equilíbrio? ______________________________________________ ______________________________________________
  • 47. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 47 Expliquem e desenhem o que fizeram para equilibrar a vossa balança. CONCLUSÕES: assinalem as respostas corretas de acordo com a experiência realizada. Há equilíbrio quando os objetos exercem a mesma força. Há equilíbrio quando os objetos não exercem a mesma força. Para haver equilíbrio os objetos/materiais usados têm a mesma massa. Para haver equilíbrio os objetos/materiais usados não têm a mesma massa. Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 48. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 48 3º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 8:”O que faz mal às plantas?” Problema: Como poderemos descobrir se uma substância estraga as plantas? Materiais: 4 vasos iguais, água, vinagre, sal, detergente Conteúdo programático: Os seres vivos do ambiente próximo Objetivos: - Conhecer diferentes plantas - Identificar o comportamento das plantas perante diferentes agentes - Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões. PREVISÕES: ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ VAMOS EXPERIMENTAR Procedimentos: 1- Durante uma semana rega o primeiro vaso com água, o segundo com água com vinagre (uma colher de sopa de vinagre para um copo de água), o terceiro com água com sal (uma colher de sopa de sal para um copo de água) e o quarto com água com detergente (uma colher de detergente para um copo de água). 2- Preenche ao longo da semana a tabela com as observações que verificas nas plantas. Estragado ou não? Dia primeiro segundo terceiro quarto quinto Água Água + vinagre Água + sal Água + detergente 3- No quinto dia compara as plantas.
  • 49. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 49 CONCLUSÃO ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 50. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 50 3º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 9:” O que acontece à planta numa estufa?” Problema: O que acontece à planta numa estufa? Materiais: vasos, frascos, água e plantas Conteúdo programático: Os seres vivos do ambiente próximo Objetivos: - Conhecer distintas formas de crescimento das plantas - Descrever formas de sobrevivência das plantas - Identificar fatores essenciais para a sobrevivência das plantas - Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões. PREVISÕES: O que acham que vai acontecer às várias plantas? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ VAMOS EXPERIMENTAR Procedimentos: 1- Num vaso retangular coloca várias plantas, cobre algumas delas com um frasco de vidro. 2- Coloca o vaso ao sol e rega-o sempre que necessário. 3- Compara as plantas que estão dentro do frasco com as que estão fora. 4- Regista os resultados ao longo de 2 semanas (ou mais).
  • 51. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 51 1ª Semana 2ª Semana Plantas fora do frasco Plantas dentro do frasco CONCLUSÃO Quais cresceram mais depressa? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 52. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 52 4º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 1: “Por que os ossos são duros e resistentes?” Problema: Conseguimos partir facilmente um osso? Materiais: 2 ossos crus de coxa ou de asa de galinha, 1 copo, vinagre, fogão ou fogareiro. Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (os ossos) Objetivos: - Perceber que a rigidez de um osso está associada à presença de cálcio. - Conhecer e identificar diferentes ossos do corpo humano - Comparar ossos de animais - Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões. PREVISÕES: Acham que é fácil ou difícil partir um osso de galinha usando as mãos? ______________________________________________________________________ Justifiquem a vossa resposta: _____________________________________________ __________________________________________________ VAMOS EXPERIMENTAR: experiência A O professor pega no osso com uma pinça ou tesoura e coloca sobre a chama do fogão ou fogareiro durante alguns minutos. Previsão: O que acham que vai acontecer ao osso? ______________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ Depois de retirar o osso do fogo e deixar arrefecer um aluno tenta dobrar o osso. O que aconteceu? ______________________________________________________________________ _____________________________________________________________________
  • 53. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 53 Experiência B Procedimentos: FASE 1 1-Observem com atenção os ossos de galinha. 2- Tentem dobrar os ossos. O que aconteceu? _______________________________________________ 3- Coloquem um dos ossos num copo com vinagre e deixem estar de molho durante sete dias. Previsão: o que acham que vai acontecer ao osso? ___________________________________________________________________ __________________________________________________________________ Procedimentos: FASE 2 1- Passados 7 dias peguem no osso e tentem dobrá-lo. O que aconteceu? ___________________________________________________________________ CONCLUSÕES: Podemos ou não tornar os ossos menos resistentes? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ Assinalem as respostas corretas de acordo com a experiência realizada. Na experiência B, o vinagre retirou do osso os minerais da sua composição. Os ossos têm cálcio, que são responsáveis pela regidez dos ossos. Os ossos sem cálcio seriam menos duros e resistentes e teríamos mais acidentes. O cálcio não é importante para a resistência dos ossos. O calor torna os ossos menos resistentes. Data: ____________ grupo: ___________________________
  • 54. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 54 4º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 2: “Extintor caseiro” Problema: Como produzir um extintor? Materiais: 1 jarra grande e transparente, 1 jarra pequena e transparente, duas velas de tamanhos diferentes, copo de vidro, vinagre e bicarbonato de sódio (compostos). Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (a segurança do seu corpo) Objetivos: - Explicar a função de um extintor - Perceber como funciona a combustão - Identificar regras de prevenção de incêndios - Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões. PREVISÕES: Imagina que estavam na sala de aula e se iniciava um pequeno incêndio. O que deveriam fazer? __________________________________________________ _____________________________________________________________________ Se não houver por perto um extintor podemos fazer um. VAMOS EXPERIMENTAR Procedimentos: 1- Colocar as duas velas na jarra menor. A jarra pode ser substituída por um prato de sobremesa. 2- Deitar meio copo de bicarbonato de sódio na jarra mais pequena. 3- Colocar a jarra mais pequena dentro da jarra maior (até pode ser uma bacia, desde que mais alta que as velas). 4- Juntar um copo de vinagre ao bicarbonato de sódio. O que observam? ________________________________ _______________________________________________ Qual foi a vela que se apagou primeiro? ____________________ _____________________________________________________________________
  • 55. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 55 CONCLUSÕES: Podemos fabricar um extintor caseiro? A combustão é resultado da união do oxigénio com outras substâncias. O que retirou o extintor para que as velas se apagassem? _______________________ Fazer o desenho do resultado da experiência. Data: ___________ Grupo: ________________
  • 56. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 56 4º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 3: “Um tornado” Problema: Como produzir um tornado? Materiais: 2 garrafas, água e fita-cola. Conteúdo programático: À descoberta de si mesmo (a segurança do seu corpo) Objetivos: - Pesquisar sobre as zonas de tornados - Perceber o que provoca um tornado - Identificar regras de prevenção em caso de sismos, tornados, tempestades - Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões. Um tornado é uma coluna de ar giratória, que se desloca a uma velocidade de 30km/h a 60km/h em volta de um centro de baixa tensão. Apesar de pequeno, é um violento redemoinho de vento que acontece quando uma nuvem em movimento alcança a terra. PREVISÕES: Imagina que estavam na sala de aula e se iniciava um pequeno tornado. O que deveriam fazer? __________________________________________________ _____________________________________________________________________
  • 57. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 57 VAMOS EXPERIMENTAR Procedimentos: 1. Encher uma das garrafas com água. 2. Colocar a segunda garrafa em posição invertida e junta com fita-cola as duas garrafas. Vedar muito bem para não sair água. 3. Agora, invertem a posição das garrafas. O que acham que vai acontecer? ______________________________________________________________________ 4. Agitem bem as garrafas e observem. O que observam? _____________________________________________________________________ CONCLUSÃO: Foi a simulação de um tornado. Quando agitas a garrafa crias um vórtice e devido ao gradiente de velocidade de escoamento da água há a formação de um cone invertido de água. Isto acontece porque a água que está mais próxima do orifício da garrafa tem velocidade superior. No caso dos tornados verdadeiros, estes formam-se devido ao encontro de correntes de ar frio com ar quente húmido. Data: __________________ Grupo: _________________________
  • 58. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 58 4º ANO DE ESCOLARIDADE Experiência 7: “Fazer nuvens” Problema: Como surge uma nuvem? Materiais: Lata ou frasco grande, lata ou frasco pequeno, sal, gelo Conteúdo programático: À descoberta do ambiente natural: aspetos físicos do meio Objetivos: - Identificar diferentes estados da água - Compreender processos de mudança de estado - Relacionar a água com diferentes estados da matéria - Fazer previsões e comparar os resultados com as previsões. VAMOS EXPERIMENTAR Procedimentos 1- Coloca gelo picado na lata/frasco grande com um terço de sal. 2- Mete a lata/frasco mais pequena na mistura de gelo e sal sem tocares no gelo com os dedos. Previsão: Ao soprar para a lata/frasco pequeno o que irá acontecer? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 3- Sopra para dentro da lata/frasco pequena. O que aconteceu? CONCLUSÃO: ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________
  • 59. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO CIENTÍFICO TODOS OS CICLOS DE ENSINO Existem normas universais para a elaboração de um Relatório Científico. Essas normas não são rígidas, isto é, são adaptáveis de uma forma útil às características próprias de cada trabalho. De uma maneira geral, as partes constituintes de um Relatório Científico são as seguintes: CAPA (pode incluir imagem) Escreve-se no topo o nome da instituição seguido, por baixo, do nome da disciplina e o ano letivo a que diz respeito. Título O título deve ser curto e preciso e destacar-se dos restantes elementos. Por vezes, pode apresentar- se sob a forma de pergunta. Nome do(s) Autor(es) Por baixo do título, escreve-se o(s) nome(s) do(s) autor(es), o ano, o n.º e a turma a que pertence(m). ÍNDICE O Índice faz-se automaticamente: selecionando, no Word, título 1, 2, 3… e, posteriormente clicar em referências, selecionar índice e introduzi-lo na página a seguir à capa. 1. INTRODUÇÃO Relata o contexto e os objetivos do estudo, bem como a justificação ou razão do mesmo. 2. MATERIAL E PROCEDIMENTOS 2.1. Material Descrição do material/equipamentos usados e respectivas especificações se forem relevantes (capacidade, erros, marca, etc.), reagentes e respetivos cuidados de segurança e riscos de utilização. 2.2. Procedimentos Descrição dos procedimentos efectuados na experiência que podem ser ilustrados com esquemas e montagens efectuadas. 3. RESULTADOS Apresentados, de preferência, sob a forma de tabelas, gráficos, microfotografias, macrofotografias, esquemas, etc. Deve incluir- se o tratamento necessário, cálculos, etc. Não se faz aqui qualquer comentário à validade dos resultados obtidos. 4. INTERPRETAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Efetuadas tendo em vista o objetivo do trabalho. Podem-se comparar com resultados de outras investigações ou tabelados (apresentados na introdução). Pode refletir a opinião do autor(es), sobre, por exemplo, quais os factores que influenciaram os resultados. 5. CONCLUSÃO Reflete uma apreciação global do assunto tratado. Deve referir se o objetivo foi ou não concretizado e porquê. EB/S Vieira de Araújo Biologia e Geologia 2011/2012 A Reciclagem António Rosas, Nº 3, 10ºA.
  • 60. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A bibliografia é uma lista que contém os elementos descritivos dos documentos consultados de modo a permitir a sua identificação e posterior consulta. São, portanto, os livros, revistas, enciclopédias, coletâneas e páginas web utilizados. Em anexo, encontras um documento ”ORIENTAÇÕES PARA CITAÇÕES E REFERÊNCIAS”. ANEXOS Contêm informações complementares ao trabalho realizado, devem ser referidos no trabalho, numerados (Anexo I, …), ter um título e ser incluídos no Índice. OUTROS ASPETOS… Não se deve descurar a redação do Relatório. Deve-se ter em conta os seguintes aspetos para a construção de um texto: Clareza Escrito para ser compreendido pelos outros. Concisão Dizer o máximo de informação, mas da forma objetiva. Correção Escrito corretamente conforme as regras de concordância previstas. Encadeamento As frases, os parágrafos, os capítulos devem ser sequenciadas de forma lógica e harmoniosa. Originalidade Originalidade e apresentação de ideias próprias. (Atenção ao plágio – ver ”ORI EN TAÇ ÕES P AR A CI TA ÇÕES E REF ERÊNC I AS ”) Fidelidade Respeitar o objeto de estudo, as fontes bibliográficas empregadas e o leitor. Consistência Redigido na terceira pessoa do singular ou do plural do pretérito perfeito (ex. fez-se ou fizeram-se; teve-se ou tiveram-se). Criatividade Criatividade não significa apenas fazer algo inovador, mas sobretudo apropriado ao contexto em que foi realizado o trabalho. Estética Sóbrio e sem rasuras.  O relatório é impresso em papel A4, sendo o texto escrito em letra tipo Arial, tamanho 11 pt, a espaço 1,15. Os títulos e os subtítulos devem ser numerados, escritos em bold/negrito e com tamanho 12 e 11 pt, respetivamente.  As margens superior e inferior são de 2,5 cm. A margem interior é de 2,5 cm e a exterior de 2 cm.  As páginas são numeradas no rodapé. A paginação deve contemplar a contagem de todas as páginas do relatório, embora os números só devam aparecer a partir da folha do índice inclusive.  As tabelas devem ser numeradas (Tabela I, II...), legendadas (citando a fonte), no topo. Devem estar incluídas no local adequado, e serem referidas ao longo do texto.  As figuras (gráficos, esquemas, fotografias, etc.) devem ser numeradas (Figuras 1, 2,..), legendadas (citando a fonte), abaixo da figura. Devem estar incluídas no local adequado, e serem referidas ao longo do texto.  O relatório deve ser impresso frente e verso. Importante: Qualquer que seja o tipo e extensão do relatório, ele deve ser terminado com a identificação do local, data e assinatura do(s) autor(es).
  • 61. ENSINO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimento… logo aprendo! Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo Página 61