SlideShare uma empresa Scribd logo
10 maneiras de conduzir a
           Gestão de Dados
             ao fracasso




                                                              Bergson Lopes
                                                          contato@bergsonlopes.com.br
© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.      www.bergsonlopes.com.br
Dados do Palestrante
                                Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados,
                                Gerenciamento de Projetos e Governança de TI. Principal idealizador e
                                multiplicador da filosofia da “Gestão de Dados Moderna” no Brasil, prestando
                                regularmente treinamentos e palestras sobre o tema.
                                Conduziu e participou de projetos para implantação de áreas de Administração e
                                Gestão de Dados em empresas de grande porte nos segmentos: Energia, Óleo
                                & Gas, Governo, Financeiro, Seguros, Construção Civil e Indústria.
                                Possui experiência de 20 anos na área de Tecnologia da Informação. No
                                decorrer da carreira, já ocupou várias funções entre elas: Desenvolvedor,
                                Analista de Sistemas, Administrador de Dados, Gerente de Projetos, Líder de
                                Equipe e Consultor. Nos últimos 13 anos têm atuado diretamente em atividades
                                relacionadas à Gestão e Governança de Dados.
                                Em 2001, fundou a Blensson & Blonsson Consultoria, empresa voltada à
                                prestação de serviços de consultoria e treinamentos ligados à área de Gestão de
                                Dados. Bergson já treinou profissionais das mais diversas áreas e segmentos de
                                atuação no Brasil.
                                Desde 2011, é um voluntário ativo junto ao chapter Brasil da DAMA® – Data
                                Management Association International, exercendo a função de Diretor de
                                Estudos Técnicos, sendo um dos responsáveis pela revisão técnica da tradução
                                do guia DAMA-DMBOK® para a língua portuguesa.
                                É certificado PMP (Project Management Professional) pelo PMI (Project
                                Management Institute), principal organização mundial responsável pelo
                                desenvolvimento de práticas e profissionais em Gerenciamento de Projetos.
© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
Histórico da AD/GD nas organizações
                                                                                 Novos Tempos..
 1980                             1990                    2000                2010




              Boom!!                                 AD Questionada             Redescoberta
                                                                                Gestão de
                                                                                Dados Moderna



                                                             Agile Modeling      DAMA/DMBOK
                        Manual for
                        Data Administration




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
Maneiras de Levar a GD ao fracasso

                                                 PRINCIPAIS ERROS

                     1 - Implantar a GD sem o patrocínio da alta gerência
                            2 - Implantar a GD de forma muito rígida
                                    3 -Ter uma equipe grande
                                    4 - Atuar de forma reativa
                        5 - Não deixar claro a diferença entre AD e DBA
                                   6 - Atuar sem SLA definido
                       7 - Atuar sem os critérios de qualidade definidos
                          8 – Atuar no caminho crítico do processo de
                                  desenvolvimento de Software
                                     9 - Não divulgar à área
                           10 - Trabalhar sem ferramentas adequadas




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
1 - Implantar a GD sem apoio

     O apoio da Alta Gerência é fundamental para:
      Quebrar resistências
      Dar crédito à área
      Apoio em situações de crise

     Sem o apoio da Alta Gerência:
          A implantação da área é muito mais custosa
          As resistências são muito maiores
          A área não tem autonomia suficiente para tomada de decisões
          Para funcionar, a área tem de tomar decisões não
           recomendadas sob o aspecto da Gestão de Dados
          A médio e longo prazos a área perde prestigio


© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
2 - Implantar a GD de forma muito rígida

      Toda implantação é uma mudança
      Toda mudança interfere de forma positiva ou negativa na
           cultura de uma empresa
      Mudanças mais rígidas tendem a sofrer mais resistências
      Mudanças muito rígidas devem ser feitas de forma
           gradual.




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
3 - Ter uma equipe grande

      Quanto maior a equipe, maior a dificuldade em administrar os
           recursos humanos
          A credibilidade da área está ligada diretamente a qualificação e
           comportamento das pessoas
          Equipes grandes tendem a ter muitos profissionais juniores na
           base de sua pirâmide
          Já as equipes pequenas tendem a ter mais profissionais
           seniores na composição da equipe
          Profissionais de destaque rendem de 3
           a 4 vezes mais que os profissionais
           comuns
          Cuidado com os exageros: Quem tem 1
           tem nenhum!


© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
4 - Atuar de forma reativa

      Atuar de forma reativa significa atuar somente nas
           atividades ligadas ao Controle de Qualidade das estruturas
           de Dados
      Se à área atuar desta forma, surgirão problemas como:
            • Gargalo no processo de desenvolvimento
            • A identificação dos erros não será antecipada
            • Muitas reprovações em avaliações formais de modelos de dados
            • Mão de obra gasta de forma desnecessária (retrabalho)
            • Conflitos referentes a decisões técnicas
            • Não será possível a tomada de ações para melhorar a qualidade
              dos insumos recebidos
            • O retorna da área será muito caro.

© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
5 - Não diferenciar as funções AD e DBA

      Os papéis da equipe devem ser conhecidos por todos os
           envolvidos no processo de construção e manutenção do dado.
      O AD atua nas atividades dentro dos níveis conceitual e lógico.
           Além de avaliar todos os modelos de dados (inclusive o
           físico)
      O DBA atua na atividades dentro do projeto físico de dados. Ele
           pode ser consultado nas avaliações do modelo físico de dados.
      O perfil do DBA de aplicação é diferente do perfil do DBA de
           Infra




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
6 - Atuar sem SLA definido

      Os prazos das tarefas mais comuns devem ser
            conhecidos por todos
           Um SLA definido é útil para
            •       Estabelecer e acompanhar métricas de atendimento
            •       Divulgar a regra do jogo para os solicitantes
            •       Acompanhar a produção da equipe e tomar atitudes para a
                    correção dos desvios
      Um SLA definido evita problemas como:
            •       Questionamento do prazo das tarefas pelo solicitante
            •       Bypass
            •       Falta de insumos para distribuição das pessoas
                    nas tarefas programadas



© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
7 - Atuar sem critérios de qualidade definidos

      Grande parte das atividades de uma área de AD/GD se
           resumem a tarefas de orientação e avaliação.
      Sem critérios bem detalhados e definidos, tanto as orientações
           quanto as avalições tendem a ser tidas como tarefas de
           interpretação pessoal.
      Interpretações pessoais, quando não aceitas, costumam ser
           questionadas ao excesso e até mesmo desacreditadas.
      Os critérios definidos ajudam a padronizar as atividades e
           pareceres, evitando os problemas listados acima.




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
8 – Atuar no caminho crítico do processo
                      de desenvolvimento de Software
      As atividades de GD não devem acontecer, em sua
           maioria, dentro do caminho crítico do processo de
           desenvolvimento de Software
      Se acontecerem, os prazos devem ser mínimos e critérios
           de recebimento e aceitação devem ser conhecidos por
           todos
      Caso contrário, a área será rotulada como “gargalo”




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
9 - Não divulgar à área

      A divulgação da área cria uma imagem positiva e agrega
           valor ao mercado alvo (stakeholders)
          A divulgação da área de GD deve ser feita em todos os
           níveis da empresa. Desde o operacional até o estratégico
          O que divulgar:
            •    Alinhamento com a estratégia da empresa
            •    Cultura e filosofia da equipe
            •    Objetivos e metas
            •    Resultados
            •    Ações de Melhoria
            •    Novas Iniciativas
            •    Lições aprendidas


© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
10 - Trabalhar sem ferramentas adequadas

      Ferramentas adequadas aumentam a produtividade e a
           confiabilidade das atividades efetuadas pela equipe de GD
          As ferramentas devem ser integradas e adequadas aos
           processos de GD definidos
          O desenho dos processos de GD não deve ser influenciado
           para atender aos requisitos das ferramentas. As
           ferramentas é que devem ser customizadas / adaptadas
           para atender ao processo de GD




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
Obrigado!
                                                          Bergson Lopes
                                                             contato@bergsonlopes.com.br
                                                            http://www.bergsonlopes.com.br
                                                          http://br.linkedin.com/in/bergsonlopes
                                                               http://twitter.com/BergsonL

© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
Nota
    Nenhuma parte deste material pode ser reproduzido ou
    transmitido por qualquer meio ou para qualquer finalidade sem a
    prévia autorização do seu autor.
    O não cumprimento dessa determinação sujeitará o infrator as
    penalidades previstas na Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98).
    As fotos e desenhos utilizados têm caráter de informação e
    ilustração dos temas abordados.
    Os direitos das marcas citadas são reservados aos seus titulares.




© By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02
Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02
Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02
Carlos Barbieri
 
Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016
Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016
Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016
Bergson Lopes Rêgo, PMP
 
Escritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantação
Escritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantaçãoEscritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantação
Escritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantação
Bergson Lopes Rêgo, PMP
 
Plano Geral de Governança de Dados
Plano Geral de Governança de DadosPlano Geral de Governança de Dados
Plano Geral de Governança de Dados
Gustavo Alexandre
 
Bergson novas tendencias
Bergson novas tendenciasBergson novas tendencias
Bergson novas tendencias
simoneviana
 
Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017
Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017
Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017
BLRDATA
 
Governança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de Permissionamento
Governança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de PermissionamentoGovernança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de Permissionamento
Governança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de Permissionamento
Virtù Tecnológica
 
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de DadosPrincipais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados
Bergson Lopes Rêgo, PMP
 
Big Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopia
Big Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopiaBig Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopia
Big Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopia
Bergson Lopes Rêgo, PMP
 
SAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDGSAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDG
July A. M. Rizzo
 
SAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDGSAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDG
July A. M. Rizzo
 
Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21
Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21
Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21
Alessandro Almeida
 
Business Intelligence, a evolução e o futuro.
Business Intelligence, a evolução e o futuro.Business Intelligence, a evolução e o futuro.
Business Intelligence, a evolução e o futuro.
Pedro Batista
 
PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0
Jean Carlos Ramos
 
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...
tdc-globalcode
 
SAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDG
SAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDGSAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDG
SAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDG
July A. M. Rizzo
 
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...
tdc-globalcode
 
Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI
Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BIAula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI
Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI
Mauricio Cesar Santos da Purificação
 
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...
BLRDATA
 
Intranet para empresa em SharePoint - Solução Corporativa Taugor Nuntios
Intranet para empresa em SharePoint -  Solução Corporativa Taugor NuntiosIntranet para empresa em SharePoint -  Solução Corporativa Taugor Nuntios
Intranet para empresa em SharePoint - Solução Corporativa Taugor Nuntios
Taugor Corporation
 

Mais procurados (20)

Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02
Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02
Governança de Dados-Uma abordagem via Canvas MGD_v02
 
Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016
Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016
Gestão e Governança de Dados - Evento BI Summit 2016
 
Escritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantação
Escritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantaçãoEscritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantação
Escritório de Governança de Dados - Conceitos e dicas para implantação
 
Plano Geral de Governança de Dados
Plano Geral de Governança de DadosPlano Geral de Governança de Dados
Plano Geral de Governança de Dados
 
Bergson novas tendencias
Bergson novas tendenciasBergson novas tendencias
Bergson novas tendencias
 
Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017
Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017
Governança de Dados nas empresas - BI Summit 2017
 
Governança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de Permissionamento
Governança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de PermissionamentoGovernança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de Permissionamento
Governança de Dados - Classificação da Informação e Revisão de Permissionamento
 
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de DadosPrincipais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados
 
Big Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopia
Big Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopiaBig Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopia
Big Data / Analytics sem Governança de Dados é apenas uma utopia
 
SAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDGSAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2016 - Apresentação MDG
 
SAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDGSAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDG
SAP Forum Brasil 2017 - Apresentação MDG
 
Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21
Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21
Teoria de Sistemas de Informação - Aula 21
 
Business Intelligence, a evolução e o futuro.
Business Intelligence, a evolução e o futuro.Business Intelligence, a evolução e o futuro.
Business Intelligence, a evolução e o futuro.
 
PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0PETIC SEAD/SE 2.0
PETIC SEAD/SE 2.0
 
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - A importância da Governança de dados, MDM e Qu...
 
SAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDG
SAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDGSAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDG
SAP Forum Brasil 2018 - Tire suas dúvidas sobre o SAP MDG
 
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...
TDC2018SP | Trilha Arq Dados - Governança de Dados para Business Intelligence...
 
Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI
Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BIAula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI
Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI
 
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...
Principais erros cometidos na implantação de uma Arquitetura de Dados Corpora...
 
Intranet para empresa em SharePoint - Solução Corporativa Taugor Nuntios
Intranet para empresa em SharePoint -  Solução Corporativa Taugor NuntiosIntranet para empresa em SharePoint -  Solução Corporativa Taugor Nuntios
Intranet para empresa em SharePoint - Solução Corporativa Taugor Nuntios
 

Destaque

Modelando PostgreSql no ERwin
Modelando PostgreSql no ERwinModelando PostgreSql no ERwin
Modelando PostgreSql no ERwin
guest6dc5d7d2
 
Pesquisa avançada na internet 2010
Pesquisa avançada na internet 2010Pesquisa avançada na internet 2010
Pesquisa avançada na internet 2010
Luis Vidigal
 
Gestão Do Conhecimento
Gestão Do  ConhecimentoGestão Do  Conhecimento
Gestão Do Conhecimento
Rodrigo Corrêa Leite
 
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Ana Glenyr
 
Workshop Colaboração & Gestao do Conhecimento
Workshop Colaboração & Gestao do ConhecimentoWorkshop Colaboração & Gestao do Conhecimento
Workshop Colaboração & Gestao do Conhecimento
Jose Claudio Terra
 
Aula 1 - Sistema de Informação
Aula 1 - Sistema de InformaçãoAula 1 - Sistema de Informação
Aula 1 - Sistema de Informação
Claudio Henrique Brito
 
Iscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dados
Iscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dadosIscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dados
Iscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dados
Luis Vidigal
 
Gestão do Conhecimento – Setor Público
Gestão do Conhecimento – Setor PúblicoGestão do Conhecimento – Setor Público
Gestão do Conhecimento – Setor Público
redeintegrarh
 
Constructing competitive advantage
 Constructing competitive advantage Constructing competitive advantage
Constructing competitive advantage
Eros Augusto Asturiano Martins
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
Bruno
 
SIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RH
SIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RHSIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RH
SIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RH
Antonio Pinto Pereira
 
Integracao de Dados, Informacao, Conhecimento e Saber
Integracao de Dados, Informacao, Conhecimento e SaberIntegracao de Dados, Informacao, Conhecimento e Saber
Integracao de Dados, Informacao, Conhecimento e Saber
Junio Soares Dias
 
Aula 3 dado, informação e conhecimento
Aula 3   dado, informação e conhecimentoAula 3   dado, informação e conhecimento
Aula 3 dado, informação e conhecimento
Maximiliano Barroso Bonfá
 
Dados x informação
Dados x informaçãoDados x informação
Dados x informação
Eros Augusto Asturiano Martins
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
Joselaine
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
Hudson Augusto
 
Aula 12 - Gestão do Conhecimento
Aula 12 - Gestão do ConhecimentoAula 12 - Gestão do Conhecimento
Aula 12 - Gestão do Conhecimento
Filipo Mór
 
Informação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - GestãoInformação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Leonardo Moraes
 
Conceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da InformaçãoConceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da Informação
Robson Santos
 

Destaque (19)

Modelando PostgreSql no ERwin
Modelando PostgreSql no ERwinModelando PostgreSql no ERwin
Modelando PostgreSql no ERwin
 
Pesquisa avançada na internet 2010
Pesquisa avançada na internet 2010Pesquisa avançada na internet 2010
Pesquisa avançada na internet 2010
 
Gestão Do Conhecimento
Gestão Do  ConhecimentoGestão Do  Conhecimento
Gestão Do Conhecimento
 
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
 
Workshop Colaboração & Gestao do Conhecimento
Workshop Colaboração & Gestao do ConhecimentoWorkshop Colaboração & Gestao do Conhecimento
Workshop Colaboração & Gestao do Conhecimento
 
Aula 1 - Sistema de Informação
Aula 1 - Sistema de InformaçãoAula 1 - Sistema de Informação
Aula 1 - Sistema de Informação
 
Iscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dados
Iscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dadosIscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dados
Iscad ti 2010_2011_1 - dados informação e bases de dados
 
Gestão do Conhecimento – Setor Público
Gestão do Conhecimento – Setor PúblicoGestão do Conhecimento – Setor Público
Gestão do Conhecimento – Setor Público
 
Constructing competitive advantage
 Constructing competitive advantage Constructing competitive advantage
Constructing competitive advantage
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
 
SIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RH
SIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RHSIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RH
SIG - Sistema de Informação Gerencial - Técnico em RH
 
Integracao de Dados, Informacao, Conhecimento e Saber
Integracao de Dados, Informacao, Conhecimento e SaberIntegracao de Dados, Informacao, Conhecimento e Saber
Integracao de Dados, Informacao, Conhecimento e Saber
 
Aula 3 dado, informação e conhecimento
Aula 3   dado, informação e conhecimentoAula 3   dado, informação e conhecimento
Aula 3 dado, informação e conhecimento
 
Dados x informação
Dados x informaçãoDados x informação
Dados x informação
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do ConhecimentoGestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
 
Aula 12 - Gestão do Conhecimento
Aula 12 - Gestão do ConhecimentoAula 12 - Gestão do Conhecimento
Aula 12 - Gestão do Conhecimento
 
Informação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - GestãoInformação e Conhecimento nas organizações - Gestão
Informação e Conhecimento nas organizações - Gestão
 
Conceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da InformaçãoConceitos de Tecnologia da Informação
Conceitos de Tecnologia da Informação
 

Semelhante a 10 maneiras de conduzir a administração de dados ao fracasso

Um Passo além da Implantação do BI
Um Passo além da Implantação do BIUm Passo além da Implantação do BI
Um Passo além da Implantação do BI
Tutorpro Treinamentos
 
Gd canvas v01_slideshare_parte03
Gd canvas v01_slideshare_parte03Gd canvas v01_slideshare_parte03
Gd canvas v01_slideshare_parte03
Carlos Barbieri
 
10 mandamentos do projeto de BI
10 mandamentos do projeto de BI10 mandamentos do projeto de BI
10 mandamentos do projeto de BI
Roberto Oliveira
 
Palestra Do AS IS ao TO BE em 5 dias
Palestra Do AS IS ao TO BE em 5 diasPalestra Do AS IS ao TO BE em 5 dias
Palestra Do AS IS ao TO BE em 5 dias
Jonas Beto Rompkovski
 
Project Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best PracticesProject Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best Practices
Sérgio A. Rangel de Aguiar MBA, MSc, BBA, ITILv3®, CCNA®
 
Apresentação BI Summit 2016
Apresentação BI Summit 2016Apresentação BI Summit 2016
Apresentação BI Summit 2016
Bergson Lopes Rêgo, PMP
 
Como expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresas
Como expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresasComo expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresas
Como expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresas
Stakeholder
 
Proposta de Implantação de PMO em LISARB
Proposta de Implantação de PMO em LISARBProposta de Implantação de PMO em LISARB
Proposta de Implantação de PMO em LISARB
Marco Coghi
 
Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!
Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!
Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!
Ricardo Marsili
 
O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...
O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...
O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...
Silvio Melo Liborio
 
Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]
Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]
Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]
Cleiton Luis Mafra
 
Lean Office Management
Lean Office ManagementLean Office Management
Lean Office Management
CLT Valuebased Services
 
Manhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdf
Manhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdfManhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdf
Manhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdf
BLRDATA
 
ANIMA PORTIFÓLIO
ANIMA PORTIFÓLIOANIMA PORTIFÓLIO
ANIMA PORTIFÓLIO
Tiago Alves
 
Fatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura Organizacional
Fatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura OrganizacionalFatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura Organizacional
Fatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura Organizacional
Luiz C. Parzianello
 
Outras profissões de TI
Outras profissões de TIOutras profissões de TI
Outras profissões de TI
Eduardo Salinas
 

Semelhante a 10 maneiras de conduzir a administração de dados ao fracasso (16)

Um Passo além da Implantação do BI
Um Passo além da Implantação do BIUm Passo além da Implantação do BI
Um Passo além da Implantação do BI
 
Gd canvas v01_slideshare_parte03
Gd canvas v01_slideshare_parte03Gd canvas v01_slideshare_parte03
Gd canvas v01_slideshare_parte03
 
10 mandamentos do projeto de BI
10 mandamentos do projeto de BI10 mandamentos do projeto de BI
10 mandamentos do projeto de BI
 
Palestra Do AS IS ao TO BE em 5 dias
Palestra Do AS IS ao TO BE em 5 diasPalestra Do AS IS ao TO BE em 5 dias
Palestra Do AS IS ao TO BE em 5 dias
 
Project Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best PracticesProject Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best Practices
 
Apresentação BI Summit 2016
Apresentação BI Summit 2016Apresentação BI Summit 2016
Apresentação BI Summit 2016
 
Como expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresas
Como expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresasComo expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresas
Como expor o valor de gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresas
 
Proposta de Implantação de PMO em LISARB
Proposta de Implantação de PMO em LISARBProposta de Implantação de PMO em LISARB
Proposta de Implantação de PMO em LISARB
 
Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!
Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!
Agência Digital, Freela ou Equipe Interna? Saiba como escolher!
 
O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...
O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...
O PROFISSIONAL INTELIGENTE EM B.I. De onde vem? Quem são? Como deve ser um pr...
 
Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]
Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]
Como escalamos agilidade em 32 times [TDC Floripa 05/2017]
 
Lean Office Management
Lean Office ManagementLean Office Management
Lean Office Management
 
Manhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdf
Manhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdfManhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdf
Manhã com Dados 2a edição - Data Mesh.pdf
 
ANIMA PORTIFÓLIO
ANIMA PORTIFÓLIOANIMA PORTIFÓLIO
ANIMA PORTIFÓLIO
 
Fatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura Organizacional
Fatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura OrganizacionalFatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura Organizacional
Fatores Críticos de Sucesso na Transformação de uma Cultura Organizacional
 
Outras profissões de TI
Outras profissões de TIOutras profissões de TI
Outras profissões de TI
 

10 maneiras de conduzir a administração de dados ao fracasso

  • 1. 10 maneiras de conduzir a Gestão de Dados ao fracasso Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados. www.bergsonlopes.com.br
  • 2. Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento de Projetos e Governança de TI. Principal idealizador e multiplicador da filosofia da “Gestão de Dados Moderna” no Brasil, prestando regularmente treinamentos e palestras sobre o tema. Conduziu e participou de projetos para implantação de áreas de Administração e Gestão de Dados em empresas de grande porte nos segmentos: Energia, Óleo & Gas, Governo, Financeiro, Seguros, Construção Civil e Indústria. Possui experiência de 20 anos na área de Tecnologia da Informação. No decorrer da carreira, já ocupou várias funções entre elas: Desenvolvedor, Analista de Sistemas, Administrador de Dados, Gerente de Projetos, Líder de Equipe e Consultor. Nos últimos 13 anos têm atuado diretamente em atividades relacionadas à Gestão e Governança de Dados. Em 2001, fundou a Blensson & Blonsson Consultoria, empresa voltada à prestação de serviços de consultoria e treinamentos ligados à área de Gestão de Dados. Bergson já treinou profissionais das mais diversas áreas e segmentos de atuação no Brasil. Desde 2011, é um voluntário ativo junto ao chapter Brasil da DAMA® – Data Management Association International, exercendo a função de Diretor de Estudos Técnicos, sendo um dos responsáveis pela revisão técnica da tradução do guia DAMA-DMBOK® para a língua portuguesa. É certificado PMP (Project Management Professional) pelo PMI (Project Management Institute), principal organização mundial responsável pelo desenvolvimento de práticas e profissionais em Gerenciamento de Projetos. © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 3. Histórico da AD/GD nas organizações Novos Tempos.. 1980 1990 2000 2010 Boom!! AD Questionada Redescoberta Gestão de Dados Moderna Agile Modeling DAMA/DMBOK Manual for Data Administration © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 4. Maneiras de Levar a GD ao fracasso PRINCIPAIS ERROS 1 - Implantar a GD sem o patrocínio da alta gerência 2 - Implantar a GD de forma muito rígida 3 -Ter uma equipe grande 4 - Atuar de forma reativa 5 - Não deixar claro a diferença entre AD e DBA 6 - Atuar sem SLA definido 7 - Atuar sem os critérios de qualidade definidos 8 – Atuar no caminho crítico do processo de desenvolvimento de Software 9 - Não divulgar à área 10 - Trabalhar sem ferramentas adequadas © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 5. 1 - Implantar a GD sem apoio O apoio da Alta Gerência é fundamental para:  Quebrar resistências  Dar crédito à área  Apoio em situações de crise Sem o apoio da Alta Gerência:  A implantação da área é muito mais custosa  As resistências são muito maiores  A área não tem autonomia suficiente para tomada de decisões  Para funcionar, a área tem de tomar decisões não recomendadas sob o aspecto da Gestão de Dados  A médio e longo prazos a área perde prestigio © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 6. 2 - Implantar a GD de forma muito rígida  Toda implantação é uma mudança  Toda mudança interfere de forma positiva ou negativa na cultura de uma empresa  Mudanças mais rígidas tendem a sofrer mais resistências  Mudanças muito rígidas devem ser feitas de forma gradual. © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 7. 3 - Ter uma equipe grande  Quanto maior a equipe, maior a dificuldade em administrar os recursos humanos  A credibilidade da área está ligada diretamente a qualificação e comportamento das pessoas  Equipes grandes tendem a ter muitos profissionais juniores na base de sua pirâmide  Já as equipes pequenas tendem a ter mais profissionais seniores na composição da equipe  Profissionais de destaque rendem de 3 a 4 vezes mais que os profissionais comuns  Cuidado com os exageros: Quem tem 1 tem nenhum! © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 8. 4 - Atuar de forma reativa  Atuar de forma reativa significa atuar somente nas atividades ligadas ao Controle de Qualidade das estruturas de Dados  Se à área atuar desta forma, surgirão problemas como: • Gargalo no processo de desenvolvimento • A identificação dos erros não será antecipada • Muitas reprovações em avaliações formais de modelos de dados • Mão de obra gasta de forma desnecessária (retrabalho) • Conflitos referentes a decisões técnicas • Não será possível a tomada de ações para melhorar a qualidade dos insumos recebidos • O retorna da área será muito caro. © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 9. 5 - Não diferenciar as funções AD e DBA  Os papéis da equipe devem ser conhecidos por todos os envolvidos no processo de construção e manutenção do dado.  O AD atua nas atividades dentro dos níveis conceitual e lógico. Além de avaliar todos os modelos de dados (inclusive o físico)  O DBA atua na atividades dentro do projeto físico de dados. Ele pode ser consultado nas avaliações do modelo físico de dados.  O perfil do DBA de aplicação é diferente do perfil do DBA de Infra © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 10. 6 - Atuar sem SLA definido  Os prazos das tarefas mais comuns devem ser conhecidos por todos  Um SLA definido é útil para • Estabelecer e acompanhar métricas de atendimento • Divulgar a regra do jogo para os solicitantes • Acompanhar a produção da equipe e tomar atitudes para a correção dos desvios  Um SLA definido evita problemas como: • Questionamento do prazo das tarefas pelo solicitante • Bypass • Falta de insumos para distribuição das pessoas nas tarefas programadas © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 11. 7 - Atuar sem critérios de qualidade definidos  Grande parte das atividades de uma área de AD/GD se resumem a tarefas de orientação e avaliação.  Sem critérios bem detalhados e definidos, tanto as orientações quanto as avalições tendem a ser tidas como tarefas de interpretação pessoal.  Interpretações pessoais, quando não aceitas, costumam ser questionadas ao excesso e até mesmo desacreditadas.  Os critérios definidos ajudam a padronizar as atividades e pareceres, evitando os problemas listados acima. © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 12. 8 – Atuar no caminho crítico do processo de desenvolvimento de Software  As atividades de GD não devem acontecer, em sua maioria, dentro do caminho crítico do processo de desenvolvimento de Software  Se acontecerem, os prazos devem ser mínimos e critérios de recebimento e aceitação devem ser conhecidos por todos  Caso contrário, a área será rotulada como “gargalo” © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 13. 9 - Não divulgar à área  A divulgação da área cria uma imagem positiva e agrega valor ao mercado alvo (stakeholders)  A divulgação da área de GD deve ser feita em todos os níveis da empresa. Desde o operacional até o estratégico  O que divulgar: • Alinhamento com a estratégia da empresa • Cultura e filosofia da equipe • Objetivos e metas • Resultados • Ações de Melhoria • Novas Iniciativas • Lições aprendidas © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 14. 10 - Trabalhar sem ferramentas adequadas  Ferramentas adequadas aumentam a produtividade e a confiabilidade das atividades efetuadas pela equipe de GD  As ferramentas devem ser integradas e adequadas aos processos de GD definidos  O desenho dos processos de GD não deve ser influenciado para atender aos requisitos das ferramentas. As ferramentas é que devem ser customizadas / adaptadas para atender ao processo de GD © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 15. Obrigado! Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br http://www.bergsonlopes.com.br http://br.linkedin.com/in/bergsonlopes http://twitter.com/BergsonL © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.
  • 16. Nota Nenhuma parte deste material pode ser reproduzido ou transmitido por qualquer meio ou para qualquer finalidade sem a prévia autorização do seu autor. O não cumprimento dessa determinação sujeitará o infrator as penalidades previstas na Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98). As fotos e desenhos utilizados têm caráter de informação e ilustração dos temas abordados. Os direitos das marcas citadas são reservados aos seus titulares. © By Bergson Lopes, 2010. Todos os direitos reservados.