SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
INTRODUÇÃO À
ENGENHARIA CIVIL
A DISCIPLINA

Objetivo:

  Apresentar ao aluno de engenharia civil,
   que acabou de entrar no curso, todo o
     Universo da Engenharia e as suas
        diversas áreas de atuação.
EMENTA

 Definição e história da Engenharia
 Panorama da profissão no Brasil e no
  mundo
 Noções sobre os cursos superiores de
  Engenharia
 Matérias Básicas
 O perfil do Engenheiro
 Exercício da Profissão
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
Entender a importância e o contexto da
profissão de Engenheiro Civil;

Utilizar de forma correta, durante o exercício
profissional, as entidades relacionadas;

Posicionar-se de forma crítica sobre as várias
habilidades de sua profissão;

Iniciar o projeto individual de construção da
carreira.
ESTUDO DA ENGENHARIA
        CIVIL
DEFINIÇÃO

“Engenharia Civil é a parte da engenharia
  que se dedica ao PLANEJAMENTO,
      PROJETO, CONSTRUÇÃO e
   MANUTENÇÃO de estruturas como
  edificações, pontes, estradas, túneis,
           obras hidráulicas”.
Engenharia         do latim ‘ingeniu’

Significa faculdade inventiva, talento.
Ciência agregada ao esforço para empreender
resultados tácitos ou não.

Com focos em áreas específicas em que se
possui um amplo conhecimento.

Preservação ambiental, calculando    possíveis
impactos e planejando soluções.

Ramo da engenharia que projeta e executa obras
como:
EDIFÍCIOS
PONTES
VIADUTOS
ESTRADAS
BARRAGENS
ENGENHARIA HIDRÁULICA FLUVIAL
ENGENHARIA SANITÁRIA
HIDRÁULICA MARÍTIMA
E outras coisinhas um pouco maiores...




                                         Burj Al Arab (Torre Árabe) - Dubai
Alianz Arena - Munique
Ponte de Millau - França
Catedral de Notre Dame - Paris
Engenheiro civil: profissional mais importante
quando o assunto é estrutura.

Com seu conhecimento, escolhe os lugares
mais apropriados para uma construção,
verifica a solidez e a segurança do terreno e
do material usado na obra, fiscaliza o
andamento do projeto e também o
funcionamento e a conservação da rede de
água e a distribuição de esgotos.
E de onde surgiu a
Engenharia Civil, afinal?
HISTÓRIA DA ENGENHARIA CIVIL
Trajeto de seis mil anos de evolução, quando o homem
deixou as cavernas e começou a pensar numa moradia
mais segura e confortável para a sua família.

Templos, palácios, canais: começaram a fazer parte da
paisagem cerca de dois mil anos depois do aparecimento
das primeiras habitações familiares.

Entre os séculos VI e XVIII, os conhecimentos da área
foram aproveitados sobretudo para fins militares
(fortalezas e muralhas ao redor das cidades).

E fins religiosos (catedrais).
A história da Engenharia está ligada a sucesso.

Eventuais falhas: Torre de Pisa (sec. XII). Solo incapaz
de sustentá-la, hoje, ela apresenta uma inclinação de
cinco metros em relação ao solo.

Mas a torre pode ser considerada um acidente de
percurso. Afinal, naquela época não havia escolas de
Engenharia Civil e o conhecimento era limitado.

Escolas: século XVIII. A partir da fundação da École de
Ponts et Chaussées, em 1747, na França.
No Brasil: período colonial, com a construção de
fortificações e igrejas.

1549, com a decretação do Governo Geral, o engenheiro
civil Luiz Dias foi incumbido de levantar os muros da
cidade de Salvador (BA), a capital. Seguidos pelo edifício
da alfândega e o sobrado de pedra-e-cal da Casa da
Câmara e Cadeia.

Escola de Engenharia Civil brasileira: 1808. E
consequente fundação da Real Academia Militar do Rio
de Janeiro, formando oficiais da artilharia, além de
engenheiros e cartógrafos.
Em 1842: transformada         em    Escola   Central   de
Engenharia.

E, 32 anos depois: curso exclusivo de Engenharia Civil.

Sendo hoje: Escola Nacional de Engenharia.

Com o tempo, a Engenharia civil, que englobava todos as
áreas, foi se dividindo, e hoje conhecemos vários
divisões, como a elétrica, mecânica, química, naval, entre
outras.

Vieram os altos edifícios, as pontes quilométricas, o
sistema   de   saneamento     básico,  as   estradas
pavimentadas e o metrô
Para construir obras tão distintas, o
engenheiro precisou adquirir conhecimentos
profundos em pelo menos cinco grandes
áreas: estruturas, estradas e transportes,
hidráulica e saneamento, geotecnia, materiais
e construção civil.

São essas modalidades que hoje compõem a
base dos currículos das escolas de
Engenharia Civil.
A PROFISSÃO DO
                    ENGENHEIRO CIVIL



Disciplina: Introdução à Engenharia Civil
Everlânia Silva
Mestre em Engenharia Mecânica – Tecnologia de Materiais
everlania.silva@unp.br / (84) 9990-0166
FUNÇÕES DO ENGENHEIRO

Promover o desenvolvimento da sociedade;

Desenvolver novas tecnologias de construção;

Propor soluções;

Atuar preocupando-se      com    a   proteção
ambiental;
LEGISLAÇÃO


A lei 5.194 de 24 de Dezembro de 1966.

“Regula o exercício das profissões de
 Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-
 Agrônomo, e dá outras providências”.
ATRIBUIÇÕES DO ENGENHEIRO

Desempenho de cargos, funções e comissões em
entidades estatais, paraestatais, autárquicas, de
economia mista e privada;

Planejamento ou projeto, em geral, de regiões, zonas,
cidades, obras, estruturas, transportes, explorações de
recursos naturais e desenvolvimento da produção
industrial e agropecuária;

Estudos, projetos, análises, avaliações,      vistorias,
perícias, pareceres e divulgação técnica;
Ensino, pesquisas, experimentação e ensaios;

Fiscalização de obras e serviços técnicos;

Direção de obras e serviços técnicos;

Execução de obras e serviços técnicos;

Produção técnica especializada, industrial ou
agropecuária.
Como posso especificar essas
atribuições, dentro de uma obra civil?
O engenheiro civil projeta e acompanha todas
as etapas de uma construção e/ou reabilitação
(reformas) .

Estuda as características dos materiais, do solo,
incidência do vento, destino (ou ocupação) da
construção.

Com base nesses dados, desenvolve o projeto,
dimensionando e especificando as estruturas,
hidrossanitárias e gás, bem como os materiais a
serem utilizados.
Dentro    da   obra,  chefia   as   equipes,
supervisionando os prazos, os custos e o
cumprimento das normas de segurança, saúde e
meio ambiente.

Cabe-lhe garantir a segurança da edificação,
exigindo que os materiais empregados na obra
estejam de acordo com as normas técnicas em
vigor.

A Engenharia civil tem, de alguma forma,
relações com todas as atividades humanas.
A PROFISSÃO DO
ENGENHEIRO CIVIL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia CivilRelatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Jean Paulo Mendes Alves
 
Cortes e fachadas
Cortes e fachadasCortes e fachadas
Cortes e fachadas
Yuri Daher
 

Mais procurados (20)

Critérios básicos de estruturação
Critérios básicos de estruturaçãoCritérios básicos de estruturação
Critérios básicos de estruturação
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
 
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
 
Resistência dos materiais
Resistência dos materiaisResistência dos materiais
Resistência dos materiais
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
 
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações HidraulicasDimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
 
Etapas de um projeto de arquitetura
Etapas de um projeto de arquiteturaEtapas de um projeto de arquitetura
Etapas de um projeto de arquitetura
 
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia CivilRelatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
Relatório de Visitas Técnicas de Engenharia Civil
 
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICAPilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
 
Aula unidade 3
Aula unidade 3Aula unidade 3
Aula unidade 3
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
 
Desenho - Normas ABNT
Desenho - Normas ABNTDesenho - Normas ABNT
Desenho - Normas ABNT
 
1ª aula introdução as estruturas aula inicial - conceitos
1ª aula introdução as estruturas  aula inicial - conceitos1ª aula introdução as estruturas  aula inicial - conceitos
1ª aula introdução as estruturas aula inicial - conceitos
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 
Cortes e fachadas
Cortes e fachadasCortes e fachadas
Cortes e fachadas
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
 

Destaque

ApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVIApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVI
Jary Maciel
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3
arqjoaocampos
 
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
ProfMario De Mori
 
Introdução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civilIntrodução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civil
Marcelo Auler
 
Lei de Uso e Ocupação do Solo -Lei 1470.1995
Lei de Uso e Ocupação do Solo  -Lei 1470.1995Lei de Uso e Ocupação do Solo  -Lei 1470.1995
Lei de Uso e Ocupação do Solo -Lei 1470.1995
Felipe Peixoto
 

Destaque (20)

Mec solos-i-x
Mec solos-i-xMec solos-i-x
Mec solos-i-x
 
ApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVIApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVI
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Apostila de fundações poli
Apostila de fundações  poliApostila de fundações  poli
Apostila de fundações poli
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANAO RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
O RUÍDO NO SERVIÇO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA
 
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
 
Patologia das fundações
Patologia das fundaçõesPatologia das fundações
Patologia das fundações
 
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
 
Jurandir Fernades
Jurandir Fernades Jurandir Fernades
Jurandir Fernades
 
ECOLOPAVI
ECOLOPAVIECOLOPAVI
ECOLOPAVI
 
Uso e ocupação do solo
Uso e ocupação do soloUso e ocupação do solo
Uso e ocupação do solo
 
Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3
 
Fundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentaçãoFundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentação
 
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
 
Introdução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civilIntrodução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civil
 
Planeta Terra
Planeta TerraPlaneta Terra
Planeta Terra
 
Aula3 fundacoes
Aula3 fundacoesAula3 fundacoes
Aula3 fundacoes
 
Aplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragensAplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragens
 
Lei de Uso e Ocupação do Solo -Lei 1470.1995
Lei de Uso e Ocupação do Solo  -Lei 1470.1995Lei de Uso e Ocupação do Solo  -Lei 1470.1995
Lei de Uso e Ocupação do Solo -Lei 1470.1995
 

Semelhante a Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil

Trabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opeeTrabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opee
Cristian Correa
 
Aula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptx
Aula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptxAula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptx
Aula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptx
LeonardoCardoso43425
 
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade AngolanaMateriais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Ministério de Obras Públicas
 

Semelhante a Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil (20)

O futuro é a engenharia
O futuro é a engenhariaO futuro é a engenharia
O futuro é a engenharia
 
Slide Engenharia - 3ºB
Slide Engenharia - 3ºBSlide Engenharia - 3ºB
Slide Engenharia - 3ºB
 
Trabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opeeTrabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opee
 
50 anos de engenharia
50 anos de engenharia50 anos de engenharia
50 anos de engenharia
 
actividade1-140709100755-phpapp02.pdf
actividade1-140709100755-phpapp02.pdfactividade1-140709100755-phpapp02.pdf
actividade1-140709100755-phpapp02.pdf
 
História da engenharia
História da engenhariaHistória da engenharia
História da engenharia
 
Eng civil3b
Eng civil3bEng civil3b
Eng civil3b
 
Habitasull
Habitasull Habitasull
Habitasull
 
Aula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptx
Aula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptxAula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptx
Aula 1 - Engenharia, Ciência e Tecnologia.pptx
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
8º a
8º a8º a
8º a
 
Notas de Aula 01
Notas de Aula 01 Notas de Aula 01
Notas de Aula 01
 
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade AngolanaMateriais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
 
Apostila de introducao_a_engenharia_civil
Apostila de introducao_a_engenharia_civilApostila de introducao_a_engenharia_civil
Apostila de introducao_a_engenharia_civil
 
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
A CONTRIBUIÇÃO DA ENGENHARIA AO PROGRESSO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AO LONGO D...
 
Aula 09 engenharia sec xix
Aula 09   engenharia sec xixAula 09   engenharia sec xix
Aula 09 engenharia sec xix
 
Hau2 aula09
Hau2 aula09Hau2 aula09
Hau2 aula09
 
Introdução á engenharia
Introdução  á engenharia   Introdução  á engenharia
Introdução á engenharia
 
Projetos urbanos
Projetos urbanosProjetos urbanos
Projetos urbanos
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 

Aulas 01 e 02 introducao engenharia civil

  • 2. A DISCIPLINA Objetivo: Apresentar ao aluno de engenharia civil, que acabou de entrar no curso, todo o Universo da Engenharia e as suas diversas áreas de atuação.
  • 3. EMENTA  Definição e história da Engenharia  Panorama da profissão no Brasil e no mundo  Noções sobre os cursos superiores de Engenharia  Matérias Básicas  O perfil do Engenheiro  Exercício da Profissão
  • 4. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Entender a importância e o contexto da profissão de Engenheiro Civil; Utilizar de forma correta, durante o exercício profissional, as entidades relacionadas; Posicionar-se de forma crítica sobre as várias habilidades de sua profissão; Iniciar o projeto individual de construção da carreira.
  • 6. DEFINIÇÃO “Engenharia Civil é a parte da engenharia que se dedica ao PLANEJAMENTO, PROJETO, CONSTRUÇÃO e MANUTENÇÃO de estruturas como edificações, pontes, estradas, túneis, obras hidráulicas”.
  • 7. Engenharia do latim ‘ingeniu’ Significa faculdade inventiva, talento.
  • 8. Ciência agregada ao esforço para empreender resultados tácitos ou não. Com focos em áreas específicas em que se possui um amplo conhecimento. Preservação ambiental, calculando possíveis impactos e planejando soluções. Ramo da engenharia que projeta e executa obras como:
  • 17. E outras coisinhas um pouco maiores... Burj Al Arab (Torre Árabe) - Dubai
  • 18. Alianz Arena - Munique
  • 19. Ponte de Millau - França
  • 20. Catedral de Notre Dame - Paris
  • 21. Engenheiro civil: profissional mais importante quando o assunto é estrutura. Com seu conhecimento, escolhe os lugares mais apropriados para uma construção, verifica a solidez e a segurança do terreno e do material usado na obra, fiscaliza o andamento do projeto e também o funcionamento e a conservação da rede de água e a distribuição de esgotos.
  • 22. E de onde surgiu a Engenharia Civil, afinal?
  • 23. HISTÓRIA DA ENGENHARIA CIVIL Trajeto de seis mil anos de evolução, quando o homem deixou as cavernas e começou a pensar numa moradia mais segura e confortável para a sua família. Templos, palácios, canais: começaram a fazer parte da paisagem cerca de dois mil anos depois do aparecimento das primeiras habitações familiares. Entre os séculos VI e XVIII, os conhecimentos da área foram aproveitados sobretudo para fins militares (fortalezas e muralhas ao redor das cidades). E fins religiosos (catedrais).
  • 24. A história da Engenharia está ligada a sucesso. Eventuais falhas: Torre de Pisa (sec. XII). Solo incapaz de sustentá-la, hoje, ela apresenta uma inclinação de cinco metros em relação ao solo. Mas a torre pode ser considerada um acidente de percurso. Afinal, naquela época não havia escolas de Engenharia Civil e o conhecimento era limitado. Escolas: século XVIII. A partir da fundação da École de Ponts et Chaussées, em 1747, na França.
  • 25. No Brasil: período colonial, com a construção de fortificações e igrejas. 1549, com a decretação do Governo Geral, o engenheiro civil Luiz Dias foi incumbido de levantar os muros da cidade de Salvador (BA), a capital. Seguidos pelo edifício da alfândega e o sobrado de pedra-e-cal da Casa da Câmara e Cadeia. Escola de Engenharia Civil brasileira: 1808. E consequente fundação da Real Academia Militar do Rio de Janeiro, formando oficiais da artilharia, além de engenheiros e cartógrafos.
  • 26. Em 1842: transformada em Escola Central de Engenharia. E, 32 anos depois: curso exclusivo de Engenharia Civil. Sendo hoje: Escola Nacional de Engenharia. Com o tempo, a Engenharia civil, que englobava todos as áreas, foi se dividindo, e hoje conhecemos vários divisões, como a elétrica, mecânica, química, naval, entre outras. Vieram os altos edifícios, as pontes quilométricas, o sistema de saneamento básico, as estradas pavimentadas e o metrô
  • 27. Para construir obras tão distintas, o engenheiro precisou adquirir conhecimentos profundos em pelo menos cinco grandes áreas: estruturas, estradas e transportes, hidráulica e saneamento, geotecnia, materiais e construção civil. São essas modalidades que hoje compõem a base dos currículos das escolas de Engenharia Civil.
  • 28. A PROFISSÃO DO ENGENHEIRO CIVIL Disciplina: Introdução à Engenharia Civil Everlânia Silva Mestre em Engenharia Mecânica – Tecnologia de Materiais everlania.silva@unp.br / (84) 9990-0166
  • 29. FUNÇÕES DO ENGENHEIRO Promover o desenvolvimento da sociedade; Desenvolver novas tecnologias de construção; Propor soluções; Atuar preocupando-se com a proteção ambiental;
  • 30. LEGISLAÇÃO A lei 5.194 de 24 de Dezembro de 1966. “Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro- Agrônomo, e dá outras providências”.
  • 31. ATRIBUIÇÕES DO ENGENHEIRO Desempenho de cargos, funções e comissões em entidades estatais, paraestatais, autárquicas, de economia mista e privada; Planejamento ou projeto, em geral, de regiões, zonas, cidades, obras, estruturas, transportes, explorações de recursos naturais e desenvolvimento da produção industrial e agropecuária; Estudos, projetos, análises, avaliações, vistorias, perícias, pareceres e divulgação técnica;
  • 32. Ensino, pesquisas, experimentação e ensaios; Fiscalização de obras e serviços técnicos; Direção de obras e serviços técnicos; Execução de obras e serviços técnicos; Produção técnica especializada, industrial ou agropecuária.
  • 33. Como posso especificar essas atribuições, dentro de uma obra civil?
  • 34. O engenheiro civil projeta e acompanha todas as etapas de uma construção e/ou reabilitação (reformas) . Estuda as características dos materiais, do solo, incidência do vento, destino (ou ocupação) da construção. Com base nesses dados, desenvolve o projeto, dimensionando e especificando as estruturas, hidrossanitárias e gás, bem como os materiais a serem utilizados.
  • 35. Dentro da obra, chefia as equipes, supervisionando os prazos, os custos e o cumprimento das normas de segurança, saúde e meio ambiente. Cabe-lhe garantir a segurança da edificação, exigindo que os materiais empregados na obra estejam de acordo com as normas técnicas em vigor. A Engenharia civil tem, de alguma forma, relações com todas as atividades humanas.