SlideShare uma empresa Scribd logo
NEMATHELMINTHES
Prof. Dionei Joaquim Haas
Fisiologia Respiratória
Sistemas Vitais dos Animais
Prof. Dionei Joaquim Haas
Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=hIh-nWKInLI
 Ventilação pulmonar.
 Trocas gasosas.
 Surfactante pulmonar.
 Frequência cardíaca.
Tópicos abordados
 Processo de troca do gás nas vias respiratórias e nos alvéolos
por gás do ambiente.
 Função: reposição de oxigênio e remoção de dióxido de
carbono.
 Consiste em uma fase de inspiração, seguida de uma fase de
expiração.
Ventilação pulmonar
Diferença entre pressão
intrapulmonar e pressão atmosférica
Movimento dos
músculos inspiratórios
Processo ativo!
Pressão intrapulmonar na Inspiração e Expiração
Elasticidade pulmonar / torácica
Processo passivo
Controle nervoso
da respiração
Diafragma
Nervo frênico
Controle nervoso da
respiração
TROCAS GASOSAS
i. Local e área de troca gasosa
ii. Diferença de pressão dos gases
iii. Difusão simples
LOCAL E ÁREA DE TROCA GASOSA
Membrana Alvéolo-Capilar
≠ PRESSÃO
DOS GASES
≠ PRESSÃO DOS GASES
DIFUSÃO SIMPLES
movimento à favor do
gradiente de concentração
+ concentrado - conc.
Fonte: Guyton e Hall, 2011.
Troca gasosa entre alvéolos e capilares alveolares
https://https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/multimedia/video/v847111_pt
SURFACTANTE PULMONAR
Líquido presente nos alveolos pulmonares.
 Proteínas surfactantes.
 Dipalmitoilfosfatidilcolina - DPPC.
Surfactante pulmonar
Funções do surfactante pulmonar
 Tensoativo que diminuí a tensão superficial exercida pela água
 Previne o colabamento (colapso) alveolar na expiração.
 Reduz a resistência intra-alveolar facilitando sua expansão na inspiração.
FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA (FR)
 Número de ciclos respiratórios em um minuto.
 É excelente indicador da saúde respiratória.
 Sujeito a variações:
 Entre espécies
 Exercício físico
 Excitação
 Temperatura ambiente
 Gestação
 Grau de enchimento do trato digestivo
quando um boi está deitado, o rúmen volumoso comprime o diafragma e
restringe o seu movimento, e observa-se um aumento da frequência
respiratória.
 Estado de saúde.
Fonte: Reece W.O. Dukes - Fisiologia dos Animais Domésticos, 13ª edição. Rio de Janeiro: Grupo GEN, 2017.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 5. Fisiologia Respiratória.pptx

Biofísica
BiofísicaBiofísica
Biofísica
Gabriela Tiburcio
 
Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.
Zeca Ribeiro
 
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
João Costa
 
Fisiologia do sistema respiratório
Fisiologia do sistema respiratórioFisiologia do sistema respiratório
Fisiologia do sistema respiratório
letyap
 
mch9_sistema_respiratorio.pptx
mch9_sistema_respiratorio.pptxmch9_sistema_respiratorio.pptx
mch9_sistema_respiratorio.pptx
mariagrave
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Herbert Santana
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
ReginaReiniger
 
Avaliação respiratoria 3
Avaliação respiratoria 3Avaliação respiratoria 3
Avaliação respiratoria 3
FlvioRibeiro40
 
Sistema Respiratório....
Sistema Respiratório....Sistema Respiratório....
Sistema Respiratório....
Gabriela Bruno
 
Trabalhos hiperbáricos
Trabalhos hiperbáricosTrabalhos hiperbáricos
Trabalhos hiperbáricos
Hacker32
 
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONARDescomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Janderson Physios
 
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONARDescomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Janderson Physios
 
Descomplicando a Fisiologia Pulmonar
Descomplicando a Fisiologia PulmonarDescomplicando a Fisiologia Pulmonar
Descomplicando a Fisiologia Pulmonar
Janderson Physios
 
Fisiologia pulmonar aula inicial
Fisiologia pulmonar   aula inicialFisiologia pulmonar   aula inicial
Fisiologia pulmonar aula inicial
Janderson Physios
 
Camila plano 4
Camila   plano 4Camila   plano 4
Camila plano 4
familiaestagio
 
Camila plano 4
Camila   plano 4Camila   plano 4
Camila plano 4
familiaestagio
 
Sistema Respiratório
Sistema RespiratórioSistema Respiratório
Sistema Respiratório
Gabriela Bruno
 
Ventiladores pulmonares
Ventiladores pulmonaresVentiladores pulmonares
Ventiladores pulmonares
Natha Fisioterapia
 
Sist respiratorio
Sist respiratorioSist respiratorio
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Grazi Grazi
 

Semelhante a 5. Fisiologia Respiratória.pptx (20)

Biofísica
BiofísicaBiofísica
Biofísica
 
Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.Sistema Respiratório.
Sistema Respiratório.
 
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
3. Mergulho Livre - Respiração e Relaxamento (v5.7.1)
 
Fisiologia do sistema respiratório
Fisiologia do sistema respiratórioFisiologia do sistema respiratório
Fisiologia do sistema respiratório
 
mch9_sistema_respiratorio.pptx
mch9_sistema_respiratorio.pptxmch9_sistema_respiratorio.pptx
mch9_sistema_respiratorio.pptx
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
 
Avaliação respiratoria 3
Avaliação respiratoria 3Avaliação respiratoria 3
Avaliação respiratoria 3
 
Sistema Respiratório....
Sistema Respiratório....Sistema Respiratório....
Sistema Respiratório....
 
Trabalhos hiperbáricos
Trabalhos hiperbáricosTrabalhos hiperbáricos
Trabalhos hiperbáricos
 
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONARDescomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
 
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONARDescomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
Descomplicando a FISIOLOGIA PULMONAR
 
Descomplicando a Fisiologia Pulmonar
Descomplicando a Fisiologia PulmonarDescomplicando a Fisiologia Pulmonar
Descomplicando a Fisiologia Pulmonar
 
Fisiologia pulmonar aula inicial
Fisiologia pulmonar   aula inicialFisiologia pulmonar   aula inicial
Fisiologia pulmonar aula inicial
 
Camila plano 4
Camila   plano 4Camila   plano 4
Camila plano 4
 
Camila plano 4
Camila   plano 4Camila   plano 4
Camila plano 4
 
Sistema Respiratório
Sistema RespiratórioSistema Respiratório
Sistema Respiratório
 
Ventiladores pulmonares
Ventiladores pulmonaresVentiladores pulmonares
Ventiladores pulmonares
 
Sist respiratorio
Sist respiratorioSist respiratorio
Sist respiratorio
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 

Mais de Ana Vaz

MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdfMAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
Ana Vaz
 
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptxAula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Ana Vaz
 
Figuras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdfFiguras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdf
Ana Vaz
 
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdf
Ana Vaz
 
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
Ana Vaz
 
Conto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptxConto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptx
Ana Vaz
 
7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx
Ana Vaz
 
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
Ana Vaz
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
Ana Vaz
 
Concordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptxConcordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptx
Ana Vaz
 
Orações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.pptOrações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.ppt
Ana Vaz
 
aula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptxaula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptx
Ana Vaz
 
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
Ana Vaz
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
Ana Vaz
 
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdfaula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
Ana Vaz
 
variedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.pptvariedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.ppt
Ana Vaz
 

Mais de Ana Vaz (16)

MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdfMAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
MAPA_EMédio_1 Ano do EM_LINGUAGENS 2024.pdf
 
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptxAula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
 
Figuras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdfFiguras de linguagem.pdf
Figuras de linguagem.pdf
 
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdf
 
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
4-19-08-L-portuguesa-Grau-comparativo-do-adjetivo-Casa.pdf
 
Conto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptxConto de mistério 6º ano.pptx
Conto de mistério 6º ano.pptx
 
7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx7ano_Transitividade Verbal.pptx
7ano_Transitividade Verbal.pptx
 
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
8º-ano-B-Viagem-ao-centro-da-terra-1.pdf
 
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptxESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
ESTRUTURA E PROCESSOS DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS.pptx
 
Concordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptxConcordância verbal.pptx
Concordância verbal.pptx
 
Orações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.pptOrações coordenadas.ppt
Orações coordenadas.ppt
 
aula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptxaula inglês 2º ANO.pptx
aula inglês 2º ANO.pptx
 
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
03 Códigos de Cura Grabovoi.pdf
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
 
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdfaula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
aula1-141201213923-conversion-gate01.pdf
 
variedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.pptvariedades_linguisticas.ppt
variedades_linguisticas.ppt
 

5. Fisiologia Respiratória.pptx

Notas do Editor

  1. A maior parte do sangue entra nos ventriculos enquanto os atrios estao relaxados. Somente 20% do enchimento ventricular em repouso e devido a contracao atrsial. (p. 462) 29. As valvas AV evitam o refluxo de sangue para os atrios. O fechamento das valvas AV durante a contracao ventricular causa vibracoes, as quais geram a primeira bulha cardiaca. (p. 462; Figs. 14.7 e 14.18) 30. Durante a contracao ventricular isovolumetrica, o volume sanguineo ventricular nao se modifica, mas a pressao aumenta. Quando a pressao ventricular excede a pressao arterial, as valvulas semilunares abrem-se e o sangue e ejetado nas arterias. (p. 462; Fig. 14.18) 31. Quando os ventriculos relaxam e a pressao ventricular cai, as valvulas semilunares fecham-se, criando a segunda bulha cardiaca. (p. 462; Fig. 14.18) 32.
  2. A maior parte do sangue entra nos ventriculos enquanto os atrios estao relaxados. Somente 20% do enchimento ventricular em repouso e devido a contracao atrsial. (p. 462) 29. As valvas AV evitam o refluxo de sangue para os atrios. O fechamento das valvas AV durante a contracao ventricular causa vibracoes, as quais geram a primeira bulha cardiaca. (p. 462; Figs. 14.7 e 14.18) 30. Durante a contracao ventricular isovolumetrica, o volume sanguineo ventricular nao se modifica, mas a pressao aumenta. Quando a pressao ventricular excede a pressao arterial, as valvulas semilunares abrem-se e o sangue e ejetado nas arterias. (p. 462; Fig. 14.18) 31. Quando os ventriculos relaxam e a pressao ventricular cai, as valvulas semilunares fecham-se, criando a segunda bulha cardiaca. (p. 462; Fig. 14.18) 32.
  3. Movimento dos músculos inspiratórios e diferença de pressão entre pressão atmosférica e pressão intrapulmonar (alveolar). i) M. inspiratórios (diafragma e m. intercostais externos) se contraem para expandir o tórax. Contração do diafragma dilata o tórax em direção caudal. Contração dos m. intercostais externos aumenta o tórax em direção cranial e para fora. Expansão dos pulmões > pressão intrapulmonar subatmosférica (negativa) Ar entra no sistema respiratório.
  4. Expiração Passiva Cessa ação dos m. inspiratórios Elasticidade pulmonar > pressão intrapulmonar maior do que a pressão atmosférica > expulsão do ar. Expiração forçada: m. expiratórios (m. abdominais e os intercostais internos) Contração dos músculos abdominais eleva a pressão abdominal Força as vísceras abdominais para a frente Empurra o diafragma relaxado em direção anterior Redução no tamanho da cavidade torácica. Contração dos m. intercostais internos leva à diminuição do tamanho da cavidade torácica pela movimentação caudal e ventral das costelas. Conforme a cavidade torácica fica menor, a pressão intratorácica aumenta e força a saída de ar dos pulmões.
  5. O sistema respiratório fornece oxigênio para sustentar o metabolismo tecidual e remove dióxido de carbono. O consumo de oxigênio e a produção de dióxido de carbono variam com a taxa metabólica, que depende principalmente da atividade física. As espécies menores têm o consumo de oxigênio por quilo de peso corpóreo mais alto que as espécies maiores. Quando os animais se exercitam, os músculos requerem mais oxigênio, e portanto o consumo de oxigênio aumenta. O consumo máximo de oxigênio no cavalo é três vezes maior que o consumo máximo de oxigênio em uma vaca de peso corpóreo similar, e os cães têm consumo máximo de oxigênio mais alto que os caprinos de mesmo tamanho. As espécies mais aeróbias, como os cães e eqüinos, têm um volume máximo de consumo de oxigênio mais alto pois a densidade mitocondrial do músculo esquelético é maior que nas espécies menos aeróbias. Embora as exigências de troca gasosa variem com o metabolismo e possam aumentar até trinta vezes durante exercício vigoroso, normalmente elas são feitas com pequeno custo energético. Quando os animais têm enfermidade respiratória, o custo energético da respiração aumenta, havendo portanto, menos energia disponível para a realização de exercícios físicos e conseqüentemente menor desempenho do animal.
  6. A maior parte do sangue entra nos ventriculos enquanto os atrios estao relaxados. Somente 20% do enchimento ventricular em repouso e devido a contracao atrsial. (p. 462) 29. As valvas AV evitam o refluxo de sangue para os atrios. O fechamento das valvas AV durante a contracao ventricular causa vibracoes, as quais geram a primeira bulha cardiaca. (p. 462; Figs. 14.7 e 14.18) 30. Durante a contracao ventricular isovolumetrica, o volume sanguineo ventricular nao se modifica, mas a pressao aumenta. Quando a pressao ventricular excede a pressao arterial, as valvulas semilunares abrem-se e o sangue e ejetado nas arterias. (p. 462; Fig. 14.18) 31. Quando os ventriculos relaxam e a pressao ventricular cai, as valvulas semilunares fecham-se, criando a segunda bulha cardiaca. (p. 462; Fig. 14.18) 32.