SlideShare uma empresa Scribd logo
TRIGONOMETRIA NO
TRIÂNGULO RETÂNGULO
CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
ARCOS E ÂNGULOS
Seja uma circunferência de centro O, sobre a qual tomamos dois pontos distintos, A e B. A circunferência fica dividida
em duas partes, cada uma das quais é um arco de circunferência.
Um arco de extremidades A e B é representado por ෢
𝐴𝐵 .
A todo arco ෢
𝐴𝐵 corresponde
um ângulo central, isto é, um
ângulo cujo vértice é o centro
da circunferência.
AÔB é o ângulo central correspondente
ao arco ෢
𝐴𝐵
Arcos de circunferência
Ângulo central
CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
ARCOS E ÂNGULOS
A medida angular de um arco ou,
simplesmente, medida de um arco é igual
à medida do ângulo central
correspondente.
Med(AÔB) = 120°.
Dizemos que o arco ෢
𝐴𝐵 mede 120°
Unidades de medidas de arcos e ângulos
O grau
Ao dividirmos a circunferência em 360 arcos
congruentes, temos que cada um dos arcos
encontrados tem medida de 1 grau ou 1°
O radiano
1 radiano é a medida de um arco cujo
comprimento coincide com o comprimento do raio
da circunferência que o determinou.
180° = π rad
Medida e comprimento de arco
CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
ARCOS E ÂNGULOS
Aplicação: Determine a medida do menor ângulo α entre os ponteiros de um relógio ao marcar 2 h 40 min.
Solução:
O ângulo pedido mede 𝛼.
Observe que, entre duas marcas consecutivas de horas, tem-se um arco cujo
ângulo central tem medida
360°
12
= 30° . Assim, considerando o deslocamento
do “2 ao 8”, temos que:
𝛼 + 𝑥 = 6 . 30° ֜ 𝛼 = 180° − 𝑥.
Em 1 hora (60 minutos), o ponteiro das horas percorre um arco de medida 30°.
Para calcular a medida de x do ângulo percorrido pelo ponteiro das horas em 40
minutos podemos estabelecer a proporção:
60′
− 30°
40′
− 𝑥
Daí, x = 20°
Assim: 𝛼 = 180° − 20° = 160°
CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
O comprimento de um arco
l = α ⋅ r
• α → medida do arco em radianos
• l → comprimento do arco
• r → medida do raio da circunferência
Num plano cartesiano, a circunferência de centro (0, 0) e raio unitário
é denominada de circunferência trigonométrica. Observe na figura,
que ela foi dividida em quatro partes iguais, denominadas de
quadrantes (1°Q, 2°Q, 3°Q e 4°Q).
Convencionamos que todos os arcos tomados nessa circunferência
têm origem no ponto A (1, 0) e o sentido positivo é o anti-horário.
Circunferência trigonométrica
CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
Como o raio é unitário, o comprimento da circunferência trigonométrica é 2π.
Vamos associar a cada número real x, 0 ≤ x < 2π, um único ponto P da circunferência trigonométrica, de modo que:
• Se x = 0, o ponto P coincide com o ponto A (1, 0).
• Se x > 0, descrevemos, a partir de A, no sentido horário, um arco de comprimento x cujas extremidades são A e P.
NÚMEROS REAIS ASSOCIADOS A PONTOS DA CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
Números reais associados a pontos da circunferência trigonométrica
CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA
SIMETRIAS
1. Em relação ao eixo vertical 2. Em relação ao eixo horizontal 3. Em relação ao centro
Esquema geral
Simetrias
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
Seja P um ponto da circunferência trigonométrica, imagem
de um número real α, 0 ≤ α ≤ 2π.
Cosseno de α é a abscissa do ponto P.
Eixo dos cossenos → eixo horizontal da circunferência
trigonométrica.
sen α = ordenada de P
cos α = abscissa de P
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS
Seno
Seja P um ponto da circunferência trigonométrica, imagem de
um número real α, 0 ≤ α ≤ 2π.
Seno de α é a ordenada do ponto P.
Eixo dos senos → eixo vertical da circunferência trigonométrica
sen α = med (OP′)
Cosseno
cos α = med (OP′)
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
SENO E COSSENO DE UM ARCO TRIGONOMÉTRICO
Seno
Cosseno
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
SENO - SIMETRIAS
sen (360° − α) = sen (2π − α) = − sen (α)
sen (180° − α) = sen (π − α) = sen (α)
sen (180° + α) = sen (π + α) = − sem (α)
sen 0° = sen 0 = 0
sen 90° = sen
𝜋
2
= 1
sen 180° = sen 𝜋 = 0
sen 270° = sen
3𝜋
2
= -1
sen 360° = sen 2𝜋 = 0
−𝟏 ≤ 𝐜𝐨𝐬 𝜶 ≤ 𝟏
𝛼
30° =
𝜋
6
45° =
𝜋
4
60° =
𝜋
3
120° =
2𝜋
3
135° =
3𝜋
4
150° =
5𝜋
6
3
2
2
2
1
2
−
1
2
−
2
2
−
3
2
sen 𝛼
210° =
7𝜋
6
225° =
5𝜋
4
240° =
4𝜋
3
300° =
5𝜋
3
315° =
7𝜋
4
330° =
11𝜋
6
3
2
2
2
1
2
−
1
2
−
3
2
−
2
2
𝛼 sen 𝛼
senos - simetrias
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
COSSENO - SIMETRIAS
cos (360° − α) = cos (2π − α) = cos (α)
cos (180° − α) = cos (π − α) = −cos (α)
cos (180° + α) = cos (π + α) = −cos (α)
cos 0° = cos 0 = 1
cos 90° = cos
𝜋
2
= 0
cos 180° = cos 𝜋 = −1
cos 270° = cos
3𝜋
2
= 0
cos 360° = cos 2𝜋 = 1
−𝟏 ≤ 𝐜𝐨𝐬 𝜶 ≤ 𝟏
𝛼
30° =
𝜋
6
45° =
𝜋
4
60° =
𝜋
3
120° =
2𝜋
3
135° =
3𝜋
4
150° =
5𝜋
6
3
2
2
2
1
2
−
1
2
−
2
2
−
3
2
cos 𝛼
210° =
7𝜋
6
225° =
5𝜋
4
240° =
4𝜋
3
300° =
5𝜋
3
315° =
7𝜋
4
330° =
11𝜋
6
3
2
2
2
1
2
−
1
2
−
3
2
−
2
2
𝛼 cos 𝛼
Cossenos - simetrias
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
RELAÇÕES ENTRE SENO E COSSENO
Relação trigonométrica fundamental
Para todo α ∈ [0, 2π], temos:
sen2 α + cos2 α = 1
Consequências:
sen2 α = 1 − cos2 α
cos2 α = 1 − sen2 α
Atenção: 𝒔𝒆𝒏𝟐𝜶 = (𝒔𝒆𝒏 𝜶)𝟐
porém: 𝒔𝒆𝒏𝟐
𝜶 ≠ 𝒔𝒆𝒏 𝜶𝟐
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
ARCOS COMPLEMENTARES E TANGENTE
Considere no ciclo trigonométrico o ponto T, intersecção da
reta OP com o eixo das tangentes (reta perpendicular ao eixo x, que
passa pelo ponto A).
O arco AP corresponde ao ângulo central α.
Definimos como tangente do ângulo α (ou do arco AP) a medida
algébrica do segmento AT, e é indicado por:
Considere na circunferência uma arco x ∈ ℝ, 0 ≤ 𝑥 ≤
𝜋
2
.
𝑠𝑒𝑛 𝑥 = cos 𝑥 −
𝜋
2
𝑐𝑜𝑠 𝑥 = sen 𝑥 −
𝜋
2
e
Arcos complementares
Tangente
𝑡𝑔 𝛼 = 𝑚𝑒𝑑 (𝐴𝑇)
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
TANGENTE
Tangente
2º Q 3º Q 4º Q
P é imagem de 𝛼 .
T está abaixo de A.
tg 𝜶 < 0
P é imagem de 𝛼 .
T está acima de A.
tg 𝜶 > 0
P é imagem de 𝛼 .
T está abaixo de A.
tg 𝜶 < 0
CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA
TANGENTE - SIMETRIAS
tg (360° − α) = tg (2π − α) = - tg (α)
tg (180° − α) = cos (π − α) = −tg (α)
tg (180° + α) = tg (π + α) = tg(α)
tg 0° = tg 0 = 0
tg 90° = tg
𝜋
2
, não é definida
tg 180° = tg 𝜋 = 0
tg 270° = tg
3𝜋
2
, não é definida
tg 360° = tg 2𝜋 = 0
Tangente - simetrias
𝛼
30° =
𝜋
6
45° =
𝜋
4
60° =
𝜋
3
120° =
2𝜋
3
135° =
3𝜋
4
150° =
5𝜋
6
3
3
3
− 1
−
3
3
tg 𝛼
210° =
7𝜋
6
225° =
5𝜋
4
240° =
4𝜋
3
300° =
5𝜋
3
315° =
7𝜋
4
330° =
11𝜋
6
𝛼 cos 𝛼
1
− 3
3
3
3
− 1
−
3
3
1
− 3
CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER
Os lados de um triângulo são proporcionais aos
senos dos respectivos ângulos opostos, e a
constante de proporcionalidade é igual à medida
do diâmetro da circunferência circunscrita a esse
triângulo.
LEI DOS SENOS
Lei dos senos
𝑎
𝑠𝑒𝑛 Â
=
𝑏
𝑠𝑒𝑛 ෠
𝐵
=
𝑎
𝑠𝑒𝑛 መ
𝐶
= 2𝑅
CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER
Exemplo:
Resolução:
Calcule as medidas dos lados 𝐴𝐵 e 𝐵𝐶 do triângulo ABC da
figura ao lado, em função da medida b do lado 𝐴𝐶.
Observe que med (Â) = 180° − 60° − 45° = 75°
Pela lei dos senos:
𝑏
𝑠𝑒𝑛 60°
=
𝐴𝐵
𝑠𝑒𝑛 45°
=
𝐵𝐶
𝑠𝑒𝑛 75°
𝐴𝐵 =
𝑠𝑒𝑛 45°
𝑠𝑒𝑛60°
. 𝑏 ≅ 0,816 . 𝑏
𝐵𝐶 =
𝑠𝑒𝑛 75°
𝑠𝑒𝑛60°
. 𝑏 ≅ 1,115 . 𝑏
Lei dos senos
CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER
Em todo triângulo, o quadrado da medida de qualquer lado é igual à soma dos quadrados das medidas dos outros
dois menos o dobro do produto da medida desses lados pelo cosseno do ângulo por eles formados.
LEI DOS COSSENOS
Cada uma das relações acima é conhecida como lei dos cossenos.
Observe que são as mesmas relações, diferenciando apenas pelo lado do triângulo que tomamos inicialmente.
Essas relações valem para todos os triângulos
𝑎2
= 𝑏2
+ 𝑐2
− 2𝑏𝑐 cos መ
𝐴
𝑏2
= 𝑎2
+ 𝑐2
− 2𝑏𝑐 cos ෠
𝐵
𝑐2 = 𝑎2 + 𝑏2 − 2𝑏𝑐 cos ෠
𝐵
Lei dos cossenos
CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER
Exemplo:
Solução:
Na figura ao lado, determine a medida do ângulo A e
a medida do vértice b. Nesse exemplo haverá a
necessidade do uso de uma calculadora científica e de
uma tabela trigonométrica.
Determinando a medida 𝐴𝐶 pela lei dos cossenos:
𝑏2 = 82 + 102 − 2 . 8 .10 . cos 50°
𝑏2 = 164 + 100 − 160. cos 50°
𝑏2 = 164 + 100 − 160.0,64279
Novamente aplicando a lei dos cossenos para determinar o
vértice A.
𝑏2 ≅ 7,82
82
= 102
+ 7,822
− 2 . 10 .7,82 . cos Â
64 = 161,1524 − 156,4. cos Â
cos  ≅ 0,62
Consultando a tabela trigonométrica, encontramos o ângulo cujo cosseno é mais próximo de 0,62,no caso, 52°.
Assim: med (Â) ≅ 52°
TEOREMA DE PITÁGORAS
TRIANGULO RETÂNGULO
Hipotenusa
(a)
Cateto
(b)
Triângulo retângulo
Teorema de Pitágoras:
Cateto
(c)
a² = b² + c²

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
jorgehenriqueangelim
 
Sistema de numeração
Sistema de numeraçãoSistema de numeração
Sistema de numeração
fcmat
 
Prismas
PrismasPrismas
Geometria Espacial
Geometria EspacialGeometria Espacial
Geometria Espacial
Antonio Carneiro
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
CIEP 456 - E.M. Milcah de Sousa
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
Rodrigo Carvalho
 
Potenciacao
PotenciacaoPotenciacao
Potenciacao
Ronaldo Assis
 
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
SirlenedeAPFinotti
 
Matrizes - Completo com exercícios
Matrizes - Completo com exercíciosMatrizes - Completo com exercícios
Matrizes - Completo com exercícios
naathyb
 
22ª aula função afim
22ª aula   função afim22ª aula   função afim
22ª aula função afim
jatobaesem
 
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
André Luís Nogueira
 
Apostila Geometria Espacial -2013
Apostila  Geometria Espacial -2013Apostila  Geometria Espacial -2013
Apostila Geometria Espacial -2013
Fundação CECIERJ
 
Pirâmides
PirâmidesPirâmides
Pirâmides
carlos josé gomes
 
Números complexos
Números complexosNúmeros complexos
Números complexos
Rodrigo Carvalho
 
Resolução de sistemas lineares
Resolução de sistemas linearesResolução de sistemas lineares
Resolução de sistemas lineares
karinsimonato
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
joseduartem
 
Geometria espacial
Geometria espacialGeometria espacial
Geometria espacial
CldsonDiniz
 
(4) geometria espacial iv
(4) geometria espacial   iv(4) geometria espacial   iv
(4) geometria espacial iv
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO I
RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO IRELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO I
RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO I
CIEP 456 - E.M. Milcah de Sousa
 
Equação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grauEquação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grau
Zaqueu Oliveira
 

Mais procurados (20)

Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
 
Sistema de numeração
Sistema de numeraçãoSistema de numeração
Sistema de numeração
 
Prismas
PrismasPrismas
Prismas
 
Geometria Espacial
Geometria EspacialGeometria Espacial
Geometria Espacial
 
Relações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retânguloRelações métricas no triângulo retângulo
Relações métricas no triângulo retângulo
 
Sistemas lineares
Sistemas linearesSistemas lineares
Sistemas lineares
 
Potenciacao
PotenciacaoPotenciacao
Potenciacao
 
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
 
Matrizes - Completo com exercícios
Matrizes - Completo com exercíciosMatrizes - Completo com exercícios
Matrizes - Completo com exercícios
 
22ª aula função afim
22ª aula   função afim22ª aula   função afim
22ª aula função afim
 
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
Lei dos-senos-e-lei-dos-cossenos-aula-07
 
Apostila Geometria Espacial -2013
Apostila  Geometria Espacial -2013Apostila  Geometria Espacial -2013
Apostila Geometria Espacial -2013
 
Pirâmides
PirâmidesPirâmides
Pirâmides
 
Números complexos
Números complexosNúmeros complexos
Números complexos
 
Resolução de sistemas lineares
Resolução de sistemas linearesResolução de sistemas lineares
Resolução de sistemas lineares
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
 
Geometria espacial
Geometria espacialGeometria espacial
Geometria espacial
 
(4) geometria espacial iv
(4) geometria espacial   iv(4) geometria espacial   iv
(4) geometria espacial iv
 
RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO I
RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO IRELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO I
RELAÇÕES MÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO I
 
Equação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grauEquação do 1º e 2º grau
Equação do 1º e 2º grau
 

Semelhante a Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf

trigonometria
trigonometriatrigonometria
trigonometria
carlos monteiro
 
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdfRAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
RoseildoNunesDACruz1
 
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométricoIdentificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
trigono_metria
 
Alguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometriaAlguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometria
P Valter De Almeida Gomes
 
Trigonometria básica
Trigonometria básicaTrigonometria básica
Trigonometria básica
André Luís Nogueira
 
Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
Leandro Guedes
 
Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
Emerson Fernando
 
Trigonometria radianos graus
Trigonometria radianos grausTrigonometria radianos graus
Trigonometria radianos graus
trigono_metria
 
Apostila 001 trigonometria funcoes trigo
Apostila  001 trigonometria funcoes trigoApostila  001 trigonometria funcoes trigo
Apostila 001 trigonometria funcoes trigo
con_seguir
 
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 20081 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
Erick Fernandes
 
Trigonometria exercícios resolvidos e teoria
Trigonometria   exercícios resolvidos e teoriaTrigonometria   exercícios resolvidos e teoria
Trigonometria exercícios resolvidos e teoria
trigono_metria
 
Trigonometra
TrigonometraTrigonometra
Noções de geometria
Noções de geometriaNoções de geometria
Noções de geometria
rosania39
 
angulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptx
angulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptxangulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptx
angulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptx
alessandraoliveira324
 
Ciclo_Trigonometrico.ppt
Ciclo_Trigonometrico.pptCiclo_Trigonometrico.ppt
Ciclo_Trigonometrico.ppt
JoneiMangabeira
 
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptxAULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx
HeriveltonXavier2
 
Seno Cos Matematica Engenharia tigonométrica.ppt
Seno Cos  Matematica Engenharia tigonométrica.pptSeno Cos  Matematica Engenharia tigonométrica.ppt
Seno Cos Matematica Engenharia tigonométrica.ppt
seriusalmeida
 
Funções trigonométricas
Funções trigonométricasFunções trigonométricas
Funções trigonométricas
Carlos Campani
 
oi
oioi
Apostila de trigonometra
Apostila de trigonometraApostila de trigonometra
Apostila de trigonometra
efagury
 

Semelhante a Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf (20)

trigonometria
trigonometriatrigonometria
trigonometria
 
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdfRAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIAxxxxxxx.pdf
 
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométricoIdentificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
Identificando os quadrantes do ciclo trigonométrico
 
Alguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometriaAlguns tópicos de geometria
Alguns tópicos de geometria
 
Trigonometria básica
Trigonometria básicaTrigonometria básica
Trigonometria básica
 
Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
 
Trigonometria
TrigonometriaTrigonometria
Trigonometria
 
Trigonometria radianos graus
Trigonometria radianos grausTrigonometria radianos graus
Trigonometria radianos graus
 
Apostila 001 trigonometria funcoes trigo
Apostila  001 trigonometria funcoes trigoApostila  001 trigonometria funcoes trigo
Apostila 001 trigonometria funcoes trigo
 
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 20081 ano   trigonometria no triângulo retângulo - 2008
1 ano trigonometria no triângulo retângulo - 2008
 
Trigonometria exercícios resolvidos e teoria
Trigonometria   exercícios resolvidos e teoriaTrigonometria   exercícios resolvidos e teoria
Trigonometria exercícios resolvidos e teoria
 
Trigonometra
TrigonometraTrigonometra
Trigonometra
 
Noções de geometria
Noções de geometriaNoções de geometria
Noções de geometria
 
angulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptx
angulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptxangulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptx
angulos-notaveis-v1-121025165118-phpapp02 1.pptx
 
Ciclo_Trigonometrico.ppt
Ciclo_Trigonometrico.pptCiclo_Trigonometrico.ppt
Ciclo_Trigonometrico.ppt
 
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptxAULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx
AULÃO DE MATEMÁTICA 19.10.22.pptx
 
Seno Cos Matematica Engenharia tigonométrica.ppt
Seno Cos  Matematica Engenharia tigonométrica.pptSeno Cos  Matematica Engenharia tigonométrica.ppt
Seno Cos Matematica Engenharia tigonométrica.ppt
 
Funções trigonométricas
Funções trigonométricasFunções trigonométricas
Funções trigonométricas
 
oi
oioi
oi
 
Apostila de trigonometra
Apostila de trigonometraApostila de trigonometra
Apostila de trigonometra
 

Último

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 

Aula-05_-_Trigonometria-no-triangulo-retangulo.pdf

  • 2. CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA ARCOS E ÂNGULOS Seja uma circunferência de centro O, sobre a qual tomamos dois pontos distintos, A e B. A circunferência fica dividida em duas partes, cada uma das quais é um arco de circunferência. Um arco de extremidades A e B é representado por ෢ 𝐴𝐵 . A todo arco ෢ 𝐴𝐵 corresponde um ângulo central, isto é, um ângulo cujo vértice é o centro da circunferência. AÔB é o ângulo central correspondente ao arco ෢ 𝐴𝐵 Arcos de circunferência Ângulo central
  • 3. CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA ARCOS E ÂNGULOS A medida angular de um arco ou, simplesmente, medida de um arco é igual à medida do ângulo central correspondente. Med(AÔB) = 120°. Dizemos que o arco ෢ 𝐴𝐵 mede 120° Unidades de medidas de arcos e ângulos O grau Ao dividirmos a circunferência em 360 arcos congruentes, temos que cada um dos arcos encontrados tem medida de 1 grau ou 1° O radiano 1 radiano é a medida de um arco cujo comprimento coincide com o comprimento do raio da circunferência que o determinou. 180° = π rad Medida e comprimento de arco
  • 4. CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA ARCOS E ÂNGULOS Aplicação: Determine a medida do menor ângulo α entre os ponteiros de um relógio ao marcar 2 h 40 min. Solução: O ângulo pedido mede 𝛼. Observe que, entre duas marcas consecutivas de horas, tem-se um arco cujo ângulo central tem medida 360° 12 = 30° . Assim, considerando o deslocamento do “2 ao 8”, temos que: 𝛼 + 𝑥 = 6 . 30° ֜ 𝛼 = 180° − 𝑥. Em 1 hora (60 minutos), o ponteiro das horas percorre um arco de medida 30°. Para calcular a medida de x do ângulo percorrido pelo ponteiro das horas em 40 minutos podemos estabelecer a proporção: 60′ − 30° 40′ − 𝑥 Daí, x = 20° Assim: 𝛼 = 180° − 20° = 160°
  • 5. CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA O comprimento de um arco l = α ⋅ r • α → medida do arco em radianos • l → comprimento do arco • r → medida do raio da circunferência Num plano cartesiano, a circunferência de centro (0, 0) e raio unitário é denominada de circunferência trigonométrica. Observe na figura, que ela foi dividida em quatro partes iguais, denominadas de quadrantes (1°Q, 2°Q, 3°Q e 4°Q). Convencionamos que todos os arcos tomados nessa circunferência têm origem no ponto A (1, 0) e o sentido positivo é o anti-horário. Circunferência trigonométrica
  • 6. CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA Como o raio é unitário, o comprimento da circunferência trigonométrica é 2π. Vamos associar a cada número real x, 0 ≤ x < 2π, um único ponto P da circunferência trigonométrica, de modo que: • Se x = 0, o ponto P coincide com o ponto A (1, 0). • Se x > 0, descrevemos, a partir de A, no sentido horário, um arco de comprimento x cujas extremidades são A e P. NÚMEROS REAIS ASSOCIADOS A PONTOS DA CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA Números reais associados a pontos da circunferência trigonométrica
  • 7. CAPÍTULO 1 – A CIRCUNFERÊNCIA TRIGONOMÉTRICA SIMETRIAS 1. Em relação ao eixo vertical 2. Em relação ao eixo horizontal 3. Em relação ao centro Esquema geral Simetrias
  • 8. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA Seja P um ponto da circunferência trigonométrica, imagem de um número real α, 0 ≤ α ≤ 2π. Cosseno de α é a abscissa do ponto P. Eixo dos cossenos → eixo horizontal da circunferência trigonométrica. sen α = ordenada de P cos α = abscissa de P RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS Seno Seja P um ponto da circunferência trigonométrica, imagem de um número real α, 0 ≤ α ≤ 2π. Seno de α é a ordenada do ponto P. Eixo dos senos → eixo vertical da circunferência trigonométrica sen α = med (OP′) Cosseno cos α = med (OP′)
  • 9. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA SENO E COSSENO DE UM ARCO TRIGONOMÉTRICO Seno Cosseno
  • 10. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA SENO - SIMETRIAS sen (360° − α) = sen (2π − α) = − sen (α) sen (180° − α) = sen (π − α) = sen (α) sen (180° + α) = sen (π + α) = − sem (α) sen 0° = sen 0 = 0 sen 90° = sen 𝜋 2 = 1 sen 180° = sen 𝜋 = 0 sen 270° = sen 3𝜋 2 = -1 sen 360° = sen 2𝜋 = 0 −𝟏 ≤ 𝐜𝐨𝐬 𝜶 ≤ 𝟏 𝛼 30° = 𝜋 6 45° = 𝜋 4 60° = 𝜋 3 120° = 2𝜋 3 135° = 3𝜋 4 150° = 5𝜋 6 3 2 2 2 1 2 − 1 2 − 2 2 − 3 2 sen 𝛼 210° = 7𝜋 6 225° = 5𝜋 4 240° = 4𝜋 3 300° = 5𝜋 3 315° = 7𝜋 4 330° = 11𝜋 6 3 2 2 2 1 2 − 1 2 − 3 2 − 2 2 𝛼 sen 𝛼 senos - simetrias
  • 11. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA COSSENO - SIMETRIAS cos (360° − α) = cos (2π − α) = cos (α) cos (180° − α) = cos (π − α) = −cos (α) cos (180° + α) = cos (π + α) = −cos (α) cos 0° = cos 0 = 1 cos 90° = cos 𝜋 2 = 0 cos 180° = cos 𝜋 = −1 cos 270° = cos 3𝜋 2 = 0 cos 360° = cos 2𝜋 = 1 −𝟏 ≤ 𝐜𝐨𝐬 𝜶 ≤ 𝟏 𝛼 30° = 𝜋 6 45° = 𝜋 4 60° = 𝜋 3 120° = 2𝜋 3 135° = 3𝜋 4 150° = 5𝜋 6 3 2 2 2 1 2 − 1 2 − 2 2 − 3 2 cos 𝛼 210° = 7𝜋 6 225° = 5𝜋 4 240° = 4𝜋 3 300° = 5𝜋 3 315° = 7𝜋 4 330° = 11𝜋 6 3 2 2 2 1 2 − 1 2 − 3 2 − 2 2 𝛼 cos 𝛼 Cossenos - simetrias
  • 12. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA RELAÇÕES ENTRE SENO E COSSENO Relação trigonométrica fundamental Para todo α ∈ [0, 2π], temos: sen2 α + cos2 α = 1 Consequências: sen2 α = 1 − cos2 α cos2 α = 1 − sen2 α Atenção: 𝒔𝒆𝒏𝟐𝜶 = (𝒔𝒆𝒏 𝜶)𝟐 porém: 𝒔𝒆𝒏𝟐 𝜶 ≠ 𝒔𝒆𝒏 𝜶𝟐
  • 13. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA ARCOS COMPLEMENTARES E TANGENTE Considere no ciclo trigonométrico o ponto T, intersecção da reta OP com o eixo das tangentes (reta perpendicular ao eixo x, que passa pelo ponto A). O arco AP corresponde ao ângulo central α. Definimos como tangente do ângulo α (ou do arco AP) a medida algébrica do segmento AT, e é indicado por: Considere na circunferência uma arco x ∈ ℝ, 0 ≤ 𝑥 ≤ 𝜋 2 . 𝑠𝑒𝑛 𝑥 = cos 𝑥 − 𝜋 2 𝑐𝑜𝑠 𝑥 = sen 𝑥 − 𝜋 2 e Arcos complementares Tangente 𝑡𝑔 𝛼 = 𝑚𝑒𝑑 (𝐴𝑇)
  • 14. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA TANGENTE Tangente 2º Q 3º Q 4º Q P é imagem de 𝛼 . T está abaixo de A. tg 𝜶 < 0 P é imagem de 𝛼 . T está acima de A. tg 𝜶 > 0 P é imagem de 𝛼 . T está abaixo de A. tg 𝜶 < 0
  • 15. CAPÍTULO 2 – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NA CIRCUNFERÊNCIA TANGENTE - SIMETRIAS tg (360° − α) = tg (2π − α) = - tg (α) tg (180° − α) = cos (π − α) = −tg (α) tg (180° + α) = tg (π + α) = tg(α) tg 0° = tg 0 = 0 tg 90° = tg 𝜋 2 , não é definida tg 180° = tg 𝜋 = 0 tg 270° = tg 3𝜋 2 , não é definida tg 360° = tg 2𝜋 = 0 Tangente - simetrias 𝛼 30° = 𝜋 6 45° = 𝜋 4 60° = 𝜋 3 120° = 2𝜋 3 135° = 3𝜋 4 150° = 5𝜋 6 3 3 3 − 1 − 3 3 tg 𝛼 210° = 7𝜋 6 225° = 5𝜋 4 240° = 4𝜋 3 300° = 5𝜋 3 315° = 7𝜋 4 330° = 11𝜋 6 𝛼 cos 𝛼 1 − 3 3 3 3 − 1 − 3 3 1 − 3
  • 16. CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER Os lados de um triângulo são proporcionais aos senos dos respectivos ângulos opostos, e a constante de proporcionalidade é igual à medida do diâmetro da circunferência circunscrita a esse triângulo. LEI DOS SENOS Lei dos senos 𝑎 𝑠𝑒𝑛 Â = 𝑏 𝑠𝑒𝑛 ෠ 𝐵 = 𝑎 𝑠𝑒𝑛 መ 𝐶 = 2𝑅
  • 17. CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER Exemplo: Resolução: Calcule as medidas dos lados 𝐴𝐵 e 𝐵𝐶 do triângulo ABC da figura ao lado, em função da medida b do lado 𝐴𝐶. Observe que med (Â) = 180° − 60° − 45° = 75° Pela lei dos senos: 𝑏 𝑠𝑒𝑛 60° = 𝐴𝐵 𝑠𝑒𝑛 45° = 𝐵𝐶 𝑠𝑒𝑛 75° 𝐴𝐵 = 𝑠𝑒𝑛 45° 𝑠𝑒𝑛60° . 𝑏 ≅ 0,816 . 𝑏 𝐵𝐶 = 𝑠𝑒𝑛 75° 𝑠𝑒𝑛60° . 𝑏 ≅ 1,115 . 𝑏 Lei dos senos
  • 18. CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER Em todo triângulo, o quadrado da medida de qualquer lado é igual à soma dos quadrados das medidas dos outros dois menos o dobro do produto da medida desses lados pelo cosseno do ângulo por eles formados. LEI DOS COSSENOS Cada uma das relações acima é conhecida como lei dos cossenos. Observe que são as mesmas relações, diferenciando apenas pelo lado do triângulo que tomamos inicialmente. Essas relações valem para todos os triângulos 𝑎2 = 𝑏2 + 𝑐2 − 2𝑏𝑐 cos መ 𝐴 𝑏2 = 𝑎2 + 𝑐2 − 2𝑏𝑐 cos ෠ 𝐵 𝑐2 = 𝑎2 + 𝑏2 − 2𝑏𝑐 cos ෠ 𝐵 Lei dos cossenos
  • 19. CAPÍTULO 3 – TRIGONOMETRIA EM TRIÂNGULOS QUAISQUER Exemplo: Solução: Na figura ao lado, determine a medida do ângulo A e a medida do vértice b. Nesse exemplo haverá a necessidade do uso de uma calculadora científica e de uma tabela trigonométrica. Determinando a medida 𝐴𝐶 pela lei dos cossenos: 𝑏2 = 82 + 102 − 2 . 8 .10 . cos 50° 𝑏2 = 164 + 100 − 160. cos 50° 𝑏2 = 164 + 100 − 160.0,64279 Novamente aplicando a lei dos cossenos para determinar o vértice A. 𝑏2 ≅ 7,82 82 = 102 + 7,822 − 2 . 10 .7,82 . cos  64 = 161,1524 − 156,4. cos  cos  ≅ 0,62 Consultando a tabela trigonométrica, encontramos o ângulo cujo cosseno é mais próximo de 0,62,no caso, 52°. Assim: med (Â) ≅ 52°
  • 20. TEOREMA DE PITÁGORAS TRIANGULO RETÂNGULO Hipotenusa (a) Cateto (b) Triângulo retângulo Teorema de Pitágoras: Cateto (c) a² = b² + c²