SlideShare uma empresa Scribd logo
Centro Universitário UNA
Instituto de Comunicação e Artes
Curso de Cinema e Audiovisual
PRODUÇÃO E ROTEIRO PARA TV E VIDEO
UNIDADE 1: Introdução ao rádio – aula 2
Tatiana Carvalho Costa
tatiana.costa@prof.una.br
	
  
gêneros
RÁDIO
O que é gênero?
uma força aglutinadora e estabilizadora dentro de uma
determinada linguagem, um certo modo de organizar ideias,
meios e recursos expressivos, suficientemente estratificado
numa cultura, de modo a garantir a comunicabilidade dos
produtos e a continuidade dessa forma junto às comunidades
futuras. [...] é o gênero que orienta todo o uso da linguagem no
âmbito de um determinado meio, pois é nele que se manifestam
as tendências expressivas mais estáveis e mais organizadas da
evolução de um meio, acumuladas ao longo de várias gerações
de enunciadores (MACHADO, 2001, p.65).
gêneros
Predominância da informação?
o rádio nasceu predestinado a ter no jornalismo o
componente mais forte da sua existência (Manual de
Jornalismo da Rádio Itatiaia)
RÁDIO
gêneros
Predominância da informação?
o rádio nasceu predestinado a ter no jornalismo o
componente mais forte da sua existência (Manual de
Jornalismo da Rádio Itatiaia)
Tensões contemporâneas
Rádio tradicional e novas perspectivas da
convergência tecnológica. “Gêneros não me
interessam mais”? / Hibridismos
RÁDIO
tipos de emissoras
• Serviço público: financiada por taxa de licenciamento. Ex.: BBC
• Comercial: empresa privada, com fins lucrativos, financiada por
anunciantes. Ex. 98FM
• Estatal: sustentada por impostos e dirigira por algum órgão
governamental. InconfidênciaFM
• Institucional: dirigida e sustentada por uma instituição. Ex. Rádio UFMG
• Vocacional: sustentada por algum grupo religioso, com a finalidade de
pregação. Ex.: Rádio Canção Nova
• Comunitária: sustentada por verbas governamentais ou por anunciantes,
dirigida por associação comunitária ou instituição sem fins lucrativos.
Ex. Rádio Favela
RÁDIO
(MCLEISH,	
  2001)	
  
gravado versus ao vivo
“Como um produtor de rádio decide se uma produção será feita ao
vivo ou criada antes? Existem três elementos a ser considerados: a
complexidade, o horário do programa e a conveniência.” (p. 162)
• Complexidade:	
  muitos	
  elementos	
  =	
  antecedência	
  na	
  produção	
  
• Horário:	
   arDculações	
   entre	
   tema,	
   convidados,	
   etc.	
   Geralmente,	
   os	
  
jornalísDcos	
  são	
  ao	
  vivo	
  e	
  função	
  do	
  imediaDsmo	
  
• Conveniência:	
  especificidades	
  determinam	
  gravação	
  antecipada.	
  
RÁDIO
(HAUSMAN	
  el.	
  al,	
  2010)	
  
gêneros
GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003)
1. Gênero jornalístico
2. Gênero educativo-cultural
3. Gênero de entretenimento
4. Gênero publicitário
5. Gênero propagandístico
6. Gênero de serviço
7. Gênero especial
RÁDIO
gêneros
GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003)
1. Gênero jornalístico: nota, notícia, boletim, reportagem,
entrevista, comentário, editorial, crônica, radiojornal,
documentário jornalístico, mesas-redondas ou debates, programa
policial, programa esportivo, divulgação tecnocientífica.
2. Gênero educativo-cultural: programa instrucional,
audiobiografia, documentário educativo-cultural, programa
temático.
RÁDIO
gêneros
GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003)
3. Gênero de entretenimento: programa musical, programação
musical, programa ficcional, programete artístico, evento
artístico, programa interativo de entretenimento.
4. Gênero publicitário: spot, jingle, testemunhal, peça de
promoção.
5. Gênero propagandístico: peça radiofônica de ação pública,
programas eleitorais, programa religioso.
RÁDIO
gêneros
GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003)
6. Gênero de serviço: notas de utilidade pública, programete de
serviço, programa de serviço.
7. Gênero especial: programa infantil, programa de variedades.
RÁDIO
gêneros
“Drama” (
“composição que conta um ahistória por meio a dação e do
diálogo. Geralmente fira em torno de um conflito.” (p. 258)
Elementos: ação, diálogo, enredo, “começo, meio e fim”,
conflito, suspense, exposição
Características: capturar a atenção, comprimir o tempo, ilusão de
espaço e de movimento
Design sonoro
RÁDIO
gêneros
PROGRAMAS / PRODUTOS (Prado, 2006)
Jornalísticos, Especiais, Musicais, Esportivos, Humorísticos,
Utilidade Pública, Fim de ano, Policiais, Econômicos, Educativos,
Universitários, Comunitários, Peças, Infantis.
RÁDIO
gêneros
Outras classificações (gêneros e formatos) (MCLeish, 2006)
Notícias, Comerciais, Programas de debate, Programas com a
participação do público, Enquete, Carta dos ouvintes,
Programação musical, Variedades e sequências, Transmissões
externas, comentários, Peça radiofônica, Documentário e
programas especiais.
RÁDIO
gêneros
Outras possibilidades
Charges, Crônicas, Séries Especiais
RÁDIO
gêneros
Charges	
  
	
  
CaracterísDcas	
  
• Humor	
  
• CríDca	
  
• SintéDca	
  
• Relação	
  com	
  o	
  coDdiano	
  	
  
	
  
Recursos	
  (alguns)	
  
• parodia	
  
• sáDra	
  
RÁDIO
gêneros
Charges	
  
	
  
Técnicas	
  
Sampleamento:	
   seleção	
   e	
   armazenamento	
   +	
   recombinação	
   e	
  
recontextualização	
  
	
  
	
  
Extração	
  de	
  trechos	
  de	
  composições	
  anteriores	
  e	
  inserção	
  em	
  uma	
  nova	
  
construção	
  (musical	
  ou	
  não).	
  Referência:	
  música	
  eletrônica.	
  
	
  
RÁDIO
gêneros
Crônica	
  
	
  
• Gênero	
  híbrido,	
  interface	
  com	
  literatura	
  
• Recriação	
  dos	
  fatos	
  
• PráDca	
  criaDva,	
  original	
  a	
  parDr	
  de	
  alguma	
  realidade	
  preesistente	
  
• “Relato	
  poéDco	
  do	
  real”	
  	
  
• Recorte	
  do	
  coDdiano	
  
A	
   crônica	
   é	
   um	
   olhar	
   diferente	
   e	
   fragmentário	
   do	
   real	
   que	
   não	
  
ambiciona	
  a	
  totalidade	
  dos	
  fatos,	
  como	
  uma	
  fotografia	
  do	
  real	
  que	
  
capta	
   poeDcamente	
   o	
   instante,	
   dando	
   a	
   ele	
   uma	
   dimensão	
   de	
  
eternidade.	
  (ROSSETTI	
  e	
  VARGAS,	
  2006)	
  
RÁDIO
gêneros
Crônica	
  
	
  
Algumas	
  caracterísDcas	
  
	
  
• Tom	
  de	
  conversa	
  face	
  a	
  face,	
  espontânea,	
  coloquial	
  
• Composição	
  flexível	
  e	
  híbrida	
  
• Temas	
  de	
  interesses	
  imediato,	
  aDvidades	
  coDdianas	
  
• Harmonização	
  entre	
  texto	
  e	
  contexto	
  
• Endereçamento	
  direto	
  (para	
  2ª	
  pessoa	
  p/s)	
  
• “Monólogo	
  dialogado”	
  
• Uso	
  retórico	
  de	
  perguntas	
  
	
  
RÁDIO
gêneros
Predominância da informação?
o rádio nasceu predestinado a ter no jornalismo o
componente mais forte da sua existência (Manual de
Jornalismo da Rádio Itatiaia)
Tensões contemporâneas
Rádio tradicional e novas perspectivas da
convergência tecnológica. “Gêneros não me
interessam mais”? / Hibridismos
RÁDIO
Rádio tradicional e novas perspectivas da convergência
tecnológica
Década	
  de	
  1950	
  –	
  surgimento	
  da	
  TV	
  =	
  ameaça	
  de	
  exDnção	
  do	
  rádio	
  
Década	
  de	
  2000	
  –	
  surgimento	
  da	
  internet	
  =	
  o	
  rádio	
  será	
  “engolido”	
  
	
  
Temos,	
   agora,	
   uma	
   comunicação	
   ‘falada	
   pelas	
   pontas	
   dos	
   dedos’,	
  
contextualmente	
   livre,	
   mas	
   sensível	
   ao	
   contexto.	
   No	
   processo	
   de	
  
digitalização	
   e	
   de	
   transmissão/recepção,	
   não	
   só	
   devido	
   às	
   inúmeras	
  
estratégias	
   criadas	
   pelos	
   usuários	
   como	
   também	
   ao	
   avanço	
   da	
  
tecnologia,	
   a	
   interação	
   tem	
   se	
   tornado	
   mais	
   veloz	
   e,	
   dependendo	
   da	
  
modalidade	
  adotada,	
  aproxima-­‐se	
  do	
  discurso	
  falado	
  (CHAVES,	
  2001,	
  p.	
  
72	
  apud	
  PRATA,	
  2009)	
  
RÁDIO
Rádio tradicional e novas perspectivas da convergência
tecnológica
Década	
  de	
  1950	
  –	
  surgimento	
  da	
  TV	
  =	
  ameaça	
  de	
  exDnção	
  do	
  rádio	
  
Década	
  de	
  2000	
  –	
  surgimento	
  da	
  internet	
  =	
  o	
  rádio	
  será	
  “engolido”	
  
	
  
Temos,	
   agora,	
   uma	
   comunicação	
   ‘falada	
   pelas	
   pontas	
   dos	
   dedos’,	
  
contextualmente	
   livre,	
   mas	
   sensível	
   ao	
   contexto.	
   No	
   processo	
   de	
  
digitalização	
   e	
   de	
   transmissão/recepção,	
   não	
   só	
   devido	
   às	
   inúmeras	
  
estratégias	
   criadas	
   pelos	
   usuários	
   como	
   também	
   ao	
   avanço	
   da	
  
tecnologia,	
   a	
   interação	
   tem	
   se	
   tornado	
   mais	
   veloz	
   e,	
   dependendo	
   da	
  
modalidade	
  adotada,	
  aproxima-­‐se	
  do	
  discurso	
  falado	
  (CHAVES,	
  2001,	
  p.	
  
72	
  apud	
  PRATA,	
  2009)	
  
RÁDIO
referências
BARBOSA	
  FILHO,	
  André.	
  Gêneros	
  radiofônicos:	
  os	
  formatos	
  e	
  os	
  programas	
  em	
  áudio.	
  São	
  Paulo:	
  	
  
Paulinas,	
  2003.	
  
CARVALHO,	
  A.	
  Manual	
  de	
  jornalismo	
  em	
  rádio:	
  Rádio	
  ItaDaia.	
  Belo	
  Horizonte:	
  Armazém	
  de	
  Idéias,	
  
1998.	
  	
  	
  
HAUSMAN,	
   Carl	
   (et.	
   Al.).	
   Rádio:	
   produção,	
   programação	
   e	
   performance.	
   São	
   Paulo:	
   Cengage	
  
Learning,	
  2010.	
  
MACHADO,	
  Arlindo.	
  televisão	
  levada	
  a	
  sério.	
  São	
  Paulo:	
  Senac,	
  2002	
  
MCLEISH,	
   Robert.	
   Produção	
   de	
   rádio:	
   um	
   guia	
   abrangente	
   de	
   produção	
   radiofônica.	
   São	
   Paulo:	
  
Summus,	
  2001.	
  
PRADO,	
  Magaly.	
  Produção	
  de	
  rádio:	
  um	
  manual	
  práDco.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Elsevier,	
  2006.	
  
PRATA,	
  Nair.	
  Webradio:	
  novos	
  gêneros,	
  novas	
  formas	
  de	
  interação.	
  	
  Florianópolis:	
  Insular,	
  2009.	
  	
  
ROSSETI,	
   Regina;	
   VARGAS,	
   Herom.	
   A	
   recriação	
   da	
   realidade	
   na	
   crônica	
   jornalísBca	
   brasileira.	
  
In:_UNIrevista	
  –	
  Vol.	
  1,	
  nº	
  3,	
  julho/2006.	
  
	
  
RÁDIO

Mais conteúdo relacionado

Destaque

1426095430cc
1426095430cc1426095430cc
1426095430cc
rosaguerrasouza2
 
Templates para roteiro
Templates para roteiroTemplates para roteiro
Templates para roteiro
Jogos Digitais, PUC - SP
 
Aula Processos - Produção para Cinema e Vídeo
Aula Processos - Produção para Cinema e VídeoAula Processos - Produção para Cinema e Vídeo
Aula Processos - Produção para Cinema e Vídeo
Tatiana Carvalho Costa
 
Spot 2.0 - Natália Horta
Spot 2.0  - Natália HortaSpot 2.0  - Natália Horta
Spot 2.0 - Natália Horta
Doisnovemeia Publicidade
 
03 30-2010 - pp - promoção
03 30-2010 - pp - promoção03 30-2010 - pp - promoção
03 30-2010 - pp - promoção
Fernando
 
Spot
SpotSpot
Inspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a suaInspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a sua
Fernando
 
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2   linguagem audiovisualAulas 1 e 2   linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
Tatiana Carvalho Costa
 
aula 02 - Produção Em Tv - parte 2
aula 02 - Produção Em Tv - parte 2aula 02 - Produção Em Tv - parte 2
aula 02 - Produção Em Tv - parte 2
Fernando
 
Resumo para prova
Resumo para provaResumo para prova
Resumo para prova
Fernando
 
Ser publicitário
Ser publicitárioSer publicitário
Ser publicitário
Cíntia Dal Bello
 
Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio
Cláudia
 
Criação Publicitária - Cargos e funções
Criação Publicitária - Cargos e funçõesCriação Publicitária - Cargos e funções
Criação Publicitária - Cargos e funções
Cíntia Dal Bello
 
Seminario Web Radio Podcast Radio Digital
Seminario Web Radio Podcast Radio DigitalSeminario Web Radio Podcast Radio Digital
Seminario Web Radio Podcast Radio Digital
diversita
 
O Panorama do design gráfico contemporâneo
O Panorama do design gráfico contemporâneoO Panorama do design gráfico contemporâneo
O Panorama do design gráfico contemporâneo
Beto Lima Branding
 
O processo criativo
O processo criativoO processo criativo
O processo criativo
Cíntia Dal Bello
 
Caracteristicas do radio
Caracteristicas do radioCaracteristicas do radio
Caracteristicas do radio
Liliane Ennes
 
Seminario Pauta
Seminario PautaSeminario Pauta
Seminario Pauta
guestcb2e74
 
Publicidade e os desafios do futuro
Publicidade e os desafios do futuroPublicidade e os desafios do futuro
Publicidade e os desafios do futuro
Cíntia Dal Bello
 
Roteiro spot
Roteiro spotRoteiro spot
Roteiro spot
Professor
 

Destaque (20)

1426095430cc
1426095430cc1426095430cc
1426095430cc
 
Templates para roteiro
Templates para roteiroTemplates para roteiro
Templates para roteiro
 
Aula Processos - Produção para Cinema e Vídeo
Aula Processos - Produção para Cinema e VídeoAula Processos - Produção para Cinema e Vídeo
Aula Processos - Produção para Cinema e Vídeo
 
Spot 2.0 - Natália Horta
Spot 2.0  - Natália HortaSpot 2.0  - Natália Horta
Spot 2.0 - Natália Horta
 
03 30-2010 - pp - promoção
03 30-2010 - pp - promoção03 30-2010 - pp - promoção
03 30-2010 - pp - promoção
 
Spot
SpotSpot
Spot
 
Inspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a suaInspiração - como achar a sua
Inspiração - como achar a sua
 
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2   linguagem audiovisualAulas 1 e 2   linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
 
aula 02 - Produção Em Tv - parte 2
aula 02 - Produção Em Tv - parte 2aula 02 - Produção Em Tv - parte 2
aula 02 - Produção Em Tv - parte 2
 
Resumo para prova
Resumo para provaResumo para prova
Resumo para prova
 
Ser publicitário
Ser publicitárioSer publicitário
Ser publicitário
 
Redação para rádio
Redação para rádio Redação para rádio
Redação para rádio
 
Criação Publicitária - Cargos e funções
Criação Publicitária - Cargos e funçõesCriação Publicitária - Cargos e funções
Criação Publicitária - Cargos e funções
 
Seminario Web Radio Podcast Radio Digital
Seminario Web Radio Podcast Radio DigitalSeminario Web Radio Podcast Radio Digital
Seminario Web Radio Podcast Radio Digital
 
O Panorama do design gráfico contemporâneo
O Panorama do design gráfico contemporâneoO Panorama do design gráfico contemporâneo
O Panorama do design gráfico contemporâneo
 
O processo criativo
O processo criativoO processo criativo
O processo criativo
 
Caracteristicas do radio
Caracteristicas do radioCaracteristicas do radio
Caracteristicas do radio
 
Seminario Pauta
Seminario PautaSeminario Pauta
Seminario Pauta
 
Publicidade e os desafios do futuro
Publicidade e os desafios do futuroPublicidade e os desafios do futuro
Publicidade e os desafios do futuro
 
Roteiro spot
Roteiro spotRoteiro spot
Roteiro spot
 

Semelhante a Aula radio 2

Artigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos esperaArtigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos espera
Andreza Salgueiro
 
Apresentacao Jornal Mural
Apresentacao Jornal MuralApresentacao Jornal Mural
Apresentacao Jornal Mural
Nas Ondas do Rádio
 
Seminario webradio podcast radio digital
Seminario webradio podcast radio digital Seminario webradio podcast radio digital
Seminario webradio podcast radio digital
Nick Justus
 
Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3
Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3
Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3
Anselmo Brandi
 
Comunicação Comunitária
Comunicação ComunitáriaComunicação Comunitária
Comunicação Comunitária
Karina Rocha
 
Jornal Mural
Jornal MuralJornal Mural
Jornal Mural
Nas Ondas do Rádio
 
Jornal Mural
Jornal MuralJornal Mural
Jornal Mural
Nas Ondas do Rádio
 
Dicas comunicadores1
Dicas comunicadores1Dicas comunicadores1
Dicas comunicadores1
Deise Francisco
 
Convergencia de midia Radio
Convergencia de midia    RadioConvergencia de midia    Radio
Convergencia de midia Radio
surfconvergencia420
 
LETRAMENTO MIDIÁTICO: Rádio
LETRAMENTO MIDIÁTICO: RádioLETRAMENTO MIDIÁTICO: Rádio
LETRAMENTO MIDIÁTICO: Rádio
Hercules Santos
 
CLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdf
CLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdfCLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdf
CLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdf
Manuela Isidro
 
Rádiojornalismo / Editoria Internacional
Rádiojornalismo / Editoria InternacionalRádiojornalismo / Editoria Internacional
Rádiojornalismo / Editoria Internacional
Ulisses Neto
 
A relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio mania
A relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio maniaA relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio mania
A relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio mania
Douglas Gonçalves
 
TCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios ComunitáriasTCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios Comunitárias
Leandro Destro
 
Novas configurações do rádio
Novas configurações do rádioNovas configurações do rádio
Novas configurações do rádio
PatriciaMonteiro72
 
Limites e possibilidades do rádio na educação a distância
Limites e possibilidades do rádio na educação a distânciaLimites e possibilidades do rádio na educação a distância
Limites e possibilidades do rádio na educação a distância
Matt Morgan
 
Tecnologia educacional: O rádio
Tecnologia educacional: O rádioTecnologia educacional: O rádio
Tecnologia educacional: O rádio
Blog Amiga da Pedagogia By Nathália
 
Um olhar sobre o telejornalismo online
Um olhar sobre o telejornalismo onlineUm olhar sobre o telejornalismo online
Um olhar sobre o telejornalismo online
Jocasta Luiza
 
EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)
EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)
EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)
EraTransmidia
 
Eratransmidia 2012 - Apresentacao Atualizada
Eratransmidia 2012 - Apresentacao AtualizadaEratransmidia 2012 - Apresentacao Atualizada
Eratransmidia 2012 - Apresentacao Atualizada
Rodrigo Arnaut
 

Semelhante a Aula radio 2 (20)

Artigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos esperaArtigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos espera
 
Apresentacao Jornal Mural
Apresentacao Jornal MuralApresentacao Jornal Mural
Apresentacao Jornal Mural
 
Seminario webradio podcast radio digital
Seminario webradio podcast radio digital Seminario webradio podcast radio digital
Seminario webradio podcast radio digital
 
Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3
Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3
Aula3 generoseformatosradiofnicosaula3
 
Comunicação Comunitária
Comunicação ComunitáriaComunicação Comunitária
Comunicação Comunitária
 
Jornal Mural
Jornal MuralJornal Mural
Jornal Mural
 
Jornal Mural
Jornal MuralJornal Mural
Jornal Mural
 
Dicas comunicadores1
Dicas comunicadores1Dicas comunicadores1
Dicas comunicadores1
 
Convergencia de midia Radio
Convergencia de midia    RadioConvergencia de midia    Radio
Convergencia de midia Radio
 
LETRAMENTO MIDIÁTICO: Rádio
LETRAMENTO MIDIÁTICO: RádioLETRAMENTO MIDIÁTICO: Rádio
LETRAMENTO MIDIÁTICO: Rádio
 
CLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdf
CLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdfCLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdf
CLC5.Caderno n.º 1.Meios de Comunicação.pdf
 
Rádiojornalismo / Editoria Internacional
Rádiojornalismo / Editoria InternacionalRádiojornalismo / Editoria Internacional
Rádiojornalismo / Editoria Internacional
 
A relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio mania
A relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio maniaA relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio mania
A relação entre o locutor e ouvinte um estudo de caso da rádio mania
 
TCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios ComunitáriasTCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios Comunitárias
 
Novas configurações do rádio
Novas configurações do rádioNovas configurações do rádio
Novas configurações do rádio
 
Limites e possibilidades do rádio na educação a distância
Limites e possibilidades do rádio na educação a distânciaLimites e possibilidades do rádio na educação a distância
Limites e possibilidades do rádio na educação a distância
 
Tecnologia educacional: O rádio
Tecnologia educacional: O rádioTecnologia educacional: O rádio
Tecnologia educacional: O rádio
 
Um olhar sobre o telejornalismo online
Um olhar sobre o telejornalismo onlineUm olhar sobre o telejornalismo online
Um olhar sobre o telejornalismo online
 
EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)
EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)
EraTransmidia - 2012 (NEW +video in english language)
 
Eratransmidia 2012 - Apresentacao Atualizada
Eratransmidia 2012 - Apresentacao AtualizadaEratransmidia 2012 - Apresentacao Atualizada
Eratransmidia 2012 - Apresentacao Atualizada
 

Último

0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

Aula radio 2

  • 1. Centro Universitário UNA Instituto de Comunicação e Artes Curso de Cinema e Audiovisual PRODUÇÃO E ROTEIRO PARA TV E VIDEO UNIDADE 1: Introdução ao rádio – aula 2 Tatiana Carvalho Costa tatiana.costa@prof.una.br  
  • 2. gêneros RÁDIO O que é gênero? uma força aglutinadora e estabilizadora dentro de uma determinada linguagem, um certo modo de organizar ideias, meios e recursos expressivos, suficientemente estratificado numa cultura, de modo a garantir a comunicabilidade dos produtos e a continuidade dessa forma junto às comunidades futuras. [...] é o gênero que orienta todo o uso da linguagem no âmbito de um determinado meio, pois é nele que se manifestam as tendências expressivas mais estáveis e mais organizadas da evolução de um meio, acumuladas ao longo de várias gerações de enunciadores (MACHADO, 2001, p.65).
  • 3. gêneros Predominância da informação? o rádio nasceu predestinado a ter no jornalismo o componente mais forte da sua existência (Manual de Jornalismo da Rádio Itatiaia) RÁDIO
  • 4. gêneros Predominância da informação? o rádio nasceu predestinado a ter no jornalismo o componente mais forte da sua existência (Manual de Jornalismo da Rádio Itatiaia) Tensões contemporâneas Rádio tradicional e novas perspectivas da convergência tecnológica. “Gêneros não me interessam mais”? / Hibridismos RÁDIO
  • 5. tipos de emissoras • Serviço público: financiada por taxa de licenciamento. Ex.: BBC • Comercial: empresa privada, com fins lucrativos, financiada por anunciantes. Ex. 98FM • Estatal: sustentada por impostos e dirigira por algum órgão governamental. InconfidênciaFM • Institucional: dirigida e sustentada por uma instituição. Ex. Rádio UFMG • Vocacional: sustentada por algum grupo religioso, com a finalidade de pregação. Ex.: Rádio Canção Nova • Comunitária: sustentada por verbas governamentais ou por anunciantes, dirigida por associação comunitária ou instituição sem fins lucrativos. Ex. Rádio Favela RÁDIO (MCLEISH,  2001)  
  • 6. gravado versus ao vivo “Como um produtor de rádio decide se uma produção será feita ao vivo ou criada antes? Existem três elementos a ser considerados: a complexidade, o horário do programa e a conveniência.” (p. 162) • Complexidade:  muitos  elementos  =  antecedência  na  produção   • Horário:   arDculações   entre   tema,   convidados,   etc.   Geralmente,   os   jornalísDcos  são  ao  vivo  e  função  do  imediaDsmo   • Conveniência:  especificidades  determinam  gravação  antecipada.   RÁDIO (HAUSMAN  el.  al,  2010)  
  • 7. gêneros GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003) 1. Gênero jornalístico 2. Gênero educativo-cultural 3. Gênero de entretenimento 4. Gênero publicitário 5. Gênero propagandístico 6. Gênero de serviço 7. Gênero especial RÁDIO
  • 8. gêneros GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003) 1. Gênero jornalístico: nota, notícia, boletim, reportagem, entrevista, comentário, editorial, crônica, radiojornal, documentário jornalístico, mesas-redondas ou debates, programa policial, programa esportivo, divulgação tecnocientífica. 2. Gênero educativo-cultural: programa instrucional, audiobiografia, documentário educativo-cultural, programa temático. RÁDIO
  • 9. gêneros GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003) 3. Gênero de entretenimento: programa musical, programação musical, programa ficcional, programete artístico, evento artístico, programa interativo de entretenimento. 4. Gênero publicitário: spot, jingle, testemunhal, peça de promoção. 5. Gênero propagandístico: peça radiofônica de ação pública, programas eleitorais, programa religioso. RÁDIO
  • 10. gêneros GÊNEROS NO RÁDIO (Barbosa Filho, 2003) 6. Gênero de serviço: notas de utilidade pública, programete de serviço, programa de serviço. 7. Gênero especial: programa infantil, programa de variedades. RÁDIO
  • 11. gêneros “Drama” ( “composição que conta um ahistória por meio a dação e do diálogo. Geralmente fira em torno de um conflito.” (p. 258) Elementos: ação, diálogo, enredo, “começo, meio e fim”, conflito, suspense, exposição Características: capturar a atenção, comprimir o tempo, ilusão de espaço e de movimento Design sonoro RÁDIO
  • 12. gêneros PROGRAMAS / PRODUTOS (Prado, 2006) Jornalísticos, Especiais, Musicais, Esportivos, Humorísticos, Utilidade Pública, Fim de ano, Policiais, Econômicos, Educativos, Universitários, Comunitários, Peças, Infantis. RÁDIO
  • 13. gêneros Outras classificações (gêneros e formatos) (MCLeish, 2006) Notícias, Comerciais, Programas de debate, Programas com a participação do público, Enquete, Carta dos ouvintes, Programação musical, Variedades e sequências, Transmissões externas, comentários, Peça radiofônica, Documentário e programas especiais. RÁDIO
  • 15. gêneros Charges     CaracterísDcas   • Humor   • CríDca   • SintéDca   • Relação  com  o  coDdiano       Recursos  (alguns)   • parodia   • sáDra   RÁDIO
  • 16. gêneros Charges     Técnicas   Sampleamento:   seleção   e   armazenamento   +   recombinação   e   recontextualização       Extração  de  trechos  de  composições  anteriores  e  inserção  em  uma  nova   construção  (musical  ou  não).  Referência:  música  eletrônica.     RÁDIO
  • 17. gêneros Crônica     • Gênero  híbrido,  interface  com  literatura   • Recriação  dos  fatos   • PráDca  criaDva,  original  a  parDr  de  alguma  realidade  preesistente   • “Relato  poéDco  do  real”     • Recorte  do  coDdiano   A   crônica   é   um   olhar   diferente   e   fragmentário   do   real   que   não   ambiciona  a  totalidade  dos  fatos,  como  uma  fotografia  do  real  que   capta   poeDcamente   o   instante,   dando   a   ele   uma   dimensão   de   eternidade.  (ROSSETTI  e  VARGAS,  2006)   RÁDIO
  • 18. gêneros Crônica     Algumas  caracterísDcas     • Tom  de  conversa  face  a  face,  espontânea,  coloquial   • Composição  flexível  e  híbrida   • Temas  de  interesses  imediato,  aDvidades  coDdianas   • Harmonização  entre  texto  e  contexto   • Endereçamento  direto  (para  2ª  pessoa  p/s)   • “Monólogo  dialogado”   • Uso  retórico  de  perguntas     RÁDIO
  • 19. gêneros Predominância da informação? o rádio nasceu predestinado a ter no jornalismo o componente mais forte da sua existência (Manual de Jornalismo da Rádio Itatiaia) Tensões contemporâneas Rádio tradicional e novas perspectivas da convergência tecnológica. “Gêneros não me interessam mais”? / Hibridismos RÁDIO
  • 20. Rádio tradicional e novas perspectivas da convergência tecnológica Década  de  1950  –  surgimento  da  TV  =  ameaça  de  exDnção  do  rádio   Década  de  2000  –  surgimento  da  internet  =  o  rádio  será  “engolido”     Temos,   agora,   uma   comunicação   ‘falada   pelas   pontas   dos   dedos’,   contextualmente   livre,   mas   sensível   ao   contexto.   No   processo   de   digitalização   e   de   transmissão/recepção,   não   só   devido   às   inúmeras   estratégias   criadas   pelos   usuários   como   também   ao   avanço   da   tecnologia,   a   interação   tem   se   tornado   mais   veloz   e,   dependendo   da   modalidade  adotada,  aproxima-­‐se  do  discurso  falado  (CHAVES,  2001,  p.   72  apud  PRATA,  2009)   RÁDIO
  • 21. Rádio tradicional e novas perspectivas da convergência tecnológica Década  de  1950  –  surgimento  da  TV  =  ameaça  de  exDnção  do  rádio   Década  de  2000  –  surgimento  da  internet  =  o  rádio  será  “engolido”     Temos,   agora,   uma   comunicação   ‘falada   pelas   pontas   dos   dedos’,   contextualmente   livre,   mas   sensível   ao   contexto.   No   processo   de   digitalização   e   de   transmissão/recepção,   não   só   devido   às   inúmeras   estratégias   criadas   pelos   usuários   como   também   ao   avanço   da   tecnologia,   a   interação   tem   se   tornado   mais   veloz   e,   dependendo   da   modalidade  adotada,  aproxima-­‐se  do  discurso  falado  (CHAVES,  2001,  p.   72  apud  PRATA,  2009)   RÁDIO
  • 22. referências BARBOSA  FILHO,  André.  Gêneros  radiofônicos:  os  formatos  e  os  programas  em  áudio.  São  Paulo:     Paulinas,  2003.   CARVALHO,  A.  Manual  de  jornalismo  em  rádio:  Rádio  ItaDaia.  Belo  Horizonte:  Armazém  de  Idéias,   1998.       HAUSMAN,   Carl   (et.   Al.).   Rádio:   produção,   programação   e   performance.   São   Paulo:   Cengage   Learning,  2010.   MACHADO,  Arlindo.  televisão  levada  a  sério.  São  Paulo:  Senac,  2002   MCLEISH,   Robert.   Produção   de   rádio:   um   guia   abrangente   de   produção   radiofônica.   São   Paulo:   Summus,  2001.   PRADO,  Magaly.  Produção  de  rádio:  um  manual  práDco.  Rio  de  Janeiro:  Elsevier,  2006.   PRATA,  Nair.  Webradio:  novos  gêneros,  novas  formas  de  interação.    Florianópolis:  Insular,  2009.     ROSSETI,   Regina;   VARGAS,   Herom.   A   recriação   da   realidade   na   crônica   jornalísBca   brasileira.   In:_UNIrevista  –  Vol.  1,  nº  3,  julho/2006.     RÁDIO