SlideShare uma empresa Scribd logo
Volumosos para bovinos
       de corte
         Luiz Gustavo Nussio
        João Luiz Pratti Daniel
Departamento de Zootecnia – USP/ESALQ
ESTACIONALIDADE DE PRODUÇÃO DE FORRAGENS
OPÇÕES DE VOLUMOSOS

                      Capineiras
OPÇÕES DE VOLUMOSOS




        Ensilagem
OPÇÕES DE VOLUMOSOS




      Fenação
Intenção de uso de volumosos em confinamento
Intenção de uso de volumosos em confinamento
Inclusão atual de forragem em rações de
    bovinos de corte em terminação

       - Cana de açúcar (32,3%)
       - Silagem de milho (25,8%)
       - Bagaço de cana (9,2%)
       - Silagem de sorgo (22,6%)



                                Millen et al. (2009)
CUSTOS DE PRODUÇÃO DE
VOLUMOSOS SUPLEMENTARES
Tabela 1 - Parâmetros agronômicos e nutricionais de
                  volumosos suplementares

                          Silagem Silagem Silagem    Cana Silagem
Parâmetros
                           milho sorgo Tanzânia     fresca cana
Produtividade (t MV/ha)     41     44      100       84     84
Produtividade (t MS/ha)    13,0   13,2     20,0     25,2    25,2
% MS forragem               32     32       20       30     30
NDT (%)                     65     60       56       60     58
PB (%)                      8,7    9,4     7,8       2,5    3,5
Custos de produção de volumosos suplementares
                           Sil.    Sil.               Sil.              Cana               Cana           Sil. Cana
Parâmetros
                          milho sorgo           tanzânia             mecanizada manual mecanizada
                                            Formação Manutenção Planta            Soca   Planta Soca     Planta   Soca

Insumos                   2010,02 1745,72 1569,97          1513,00   2379,42 601,50 2379,42 601,50 2379,42 601,50
Investimentos             171,91 171,91              694,66                   -               -             169,84
Preparo do solo           225,44 225,44      59,84             -     164,69        -     164,69      -   164,69       -
Plantio e tratos culturais 145,70 145,70     62,13           23,95   668,06       99,75 668,06 99,75 668,06       99,75
Colheita e ensilagem      842,79 928,53           1102,35               541,50             1410,18          1238,50
Descarga e distribuição   661,59 661,59           1122,34               509,12              509,12          1040,40
Aditivação                   -       -                 -                      -               -              13,17
TOTAL (R$/ha)             4057,44 3878,88         4402,33               2379,60            3248,28          3790,88
TOTAL (R$/t MV)            99,49   88,16             67,73               28,54              38,95            61,43
TOTAL (R$/t MS)           310,92 293,85              338,64              95,12              129,84          204,77
Componentes do custo na produção de
                                          silagem de milho
Participação no custo total (%)   30%                              90%




                                                                         Frequência acumulada (%)
                                                                   80%
                                  25%
                                                                   70%
                                  20%                              60%
                                                                   50%
                                  15%
                                                                   40%
                                  10%                              30%
                                                                   20%
                                  5%
                                                                   10%
                                  0%                               0%
Simulação de custos e lucro sobre custo alimentar gerados por
rações compostas por diferentes volumosos para bovinos de corte
confinados
 • Animal Nelore
 • GPD – 1,57 kg/dia
 • 320 kg de peso vivo no início do confinamento e
 • Terminado aos 480 kg
 •Para o balanceamento das rações utilizou-se das seguintes fontes
 de ingredientes concentrados:
     milho moído (fonte energética) (R$450/t em 2011)
     polpa cítrica peletizada (fonte energética) (R$360/t em 2011),
    farelo de algodão (fonte protéica) (R$700/t em 2011), uréia
 (R$1100 em 2011)
     premix mineral-vitamínico (R$1800/t em 2011)
     Feno de Cynodon (R$ 600, 00/t)
Simulação de custos e lucro sobre custo alimentar gerados por
    rações compostas por diferentes volumosos para bovinos de corte
    confinados

Variável                                    Sil. milho Sil. sorgo   Sil. capim   Sil. cana   Cana     Feno

Custo do volumoso (R$/t MV)                   99,49       88,16       67,73       61,43      28,54    600,00

% volumoso na ração (% MS)                    20,00       18,00       15,00       15,00      17,00    13,00

Ganho de peso predito (kg/d)1                  1,57        1,57       1,57         1,57       1,57     1,57

Custo da ração (R$/kg MS)                     0,470       0,466       0,473       0,463      0,438    0,519

Custo alimentar por arroba (R$/@)             76,20       76,31       77,28       75,37      71,50    84,78

Receita sobre custo alimentar2 (R$/@)         23,80       23,69       22,72       24,63      28,50    15,22

Receita/receita da sil. milho (%)             100,00      99,54       95,46      103,49      119,75   63,95
1 Consumo de matéria seca predito ~ 9,0 kg MS/d
2 Inclui apenas o custo da ração; Preço da arroba = R$ 100,00
Comparação entre fontes de volumosos
Projeção de receita líquida (RL) na engorda de bovinos recendo
rações com diferentes volumosos balanceadas para atingir GPD
1,25 kg/dia
                            RL
                                                       RL
       Volumoso          (R$/t MS   RL(R$/ha/ano)
                                                     (R$/@)
                          ração)
Silagem de milho          132,76       3.801,39        100
Cana-de-açúcar            171,80      17.590,14        129
Silagem de cana-de-
                          148,65      15.220,14        112
açúcar
FONTES DE
      VOLUMOSOS



           DECISÃO




            CUSTO



           LOGÍSTICA


PRODUÇÃO        BALACEAMENTO
FUNDAMENTO
Qualidade                         Produtividade
                GERENCIAMENTO
                      do
                    RISCO


   • Milho
                           • Cana-de-açúcar
   • Sorgo
   • Girassol              • Silagem capim
   • Alfafa
                           • Feno de gramínea
   • Aveia
APTIDÃO AGRÍCOLA

• Topografia;

• Fertilidade;

• Drenagem;

• Logística operacional;

• Recursos humanos;
• Erosão/Degradação das glebas;
• Produtividade decrescente;
• Baixo valor nutritivo na forragem;
• Elevado custo do nutriente.
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Valor nutritivo
similar
Atual
silagem milho:cana
      Custo~2:1
      Atual
cana melhor retorno
econômico/alq
     Atual
FONTES DE
      VOLUMOSOS



           DECISÃO




            CUSTO



           LOGÍSTICA


PRODUÇÃO         BALACEAMENTO
Desempenho cana- Leite
Tabela . Desempenho de animais e composição do leite de vacas
alimentadas com ração contendo diferentes fontes de volumosos
                                            Cana + Sil
                    Sil Cana   Cana                          Sil Milho
                                            Milho
       IMS           23,5a     22,3b           23,5a           21,3c
  Produção leite,
                     24,4      24,6            25,2             25,5
  kg/dia


                                       Fonte: Adaptado de Queiroz (2006)
Ingredientes das rações - Leite
                     Silagem de Milho   Silagem de Cana Sil milho + Sil cana
Silagem de Cana                               39,2%            19,6%
Silagem de Milho           50,0%                               25,0%
      Milho                 13,8%             22,1%            17,9%
     Mineral                2,3%              2,3%              2,3%
      F.Soja               20,9%              23,4%            22,2%
   Polpa Cítrica           13,0%              13,0%            13,0%
 eFDN forragem                1                1,2
   eFDN, % MS              25,61%            25,85%           25,88%

Dietas iso eFDN
Fonte: de Sá Neto (2012) no prelo
Consumo MS, kg/d
                    22,27       22,47
24       21,78
22
20
18
16                                                 Leite3,5%G, kg/d
14
                                                28,53    27,59
12                                      30                            27,41
10
     Silagem Sil milho Silagem          25
     de milho + Sil cana de cana
                                        20

                                        15

                                        10
 Fonte: de Sá Neto (2012) no prelo           Silagem Sil milho Silagem
                                             de milho + Sil cana de cana
Ingredientes das rações - Corte
    Inclusão                Milho   Milho/Polpa   Milho/Polpa   Polpa
        %                   100%      50/50%        50/50%      100%
Silagem de Cana             30,6        30,6          30,6       30,6
      Milho                 55,7        27,9           14          -
   Polpa cítrica              -         27,9           42        55,5
    Soja grão               10,4        10,4          10,4       10,4
     Mineral                 1,6         1,6          1,6        1,6
      Uréia                 0,96        1,23           1,4       1,55

  GPD, kd/dia               1,59       1,72          1,55       1,48
  IMS, kg/dia               10,83      10,85         10,39      9,78
Pereira, E.M, et al, 2005
Custo do nutriente
  do volumoso
Custo do Nutriente
Custo de produção de NDT em função da produtividade de MS de volumoso
suplementar (silagem de milho)

          Produtividade                               NDT (%)
                          R$/t MS
            (t MS/ha)               70    68    65      60       55    50    45
SILAGEM
SILAGEM




                                                      R$/t NDT
              12,0          276     394   406   425     460      502   552   613
              14,5          228     326   335   351     380      415   456   507
              17,0          195     279   287   300     325      355   390   433
                 R$/saca (60 kg)          24    25      26       27    28    29
GRÃO




          88% MS, 85% NDT – R$/t NDT      535   557     579      602   624   646
Tabela. Efeito da qualidade e da inclusão da silagem de milho na dieta
no desempenho de bovinos de corte em confinamento
  Ganho de peso (kg/d)
                                              NDT
      %Forragem               58                 65                    72
         20                  1,42               1,47                  1,52
         30                  1,34               1,42                  1,49
         40                  1,24               1,36                  1,46

  Consumo de matéria-seca (kg/d)
                                                  NDT
      %Forragem               58                 65                    72
         20                  9,01               8,94                  8,86
         30                  9,12               9,02                  8,91
         40                  9,21               9,10                  8,97
  NRC – Gado de Corte (1996)
  Nelore, PM= 350-500 kg PV, Silagem milho (R$330, t MS-1), Milho grão
  (R$ 455 – 568, t MS-1), Uréia (R$1500, t MS-1), Mineral (R$2000, t MS-1).
Tabela. Efeito da qualidade e da inclusão da silagem de milho no lucro
por arroba em função do preço de aquisição do milho grão
 Lucro/@ - Milho R$24/saco
                                  NDT
   %Forragem         58          65             72
       20          R$ 5,4 R$ 9,1            R$ 12,4 R$        6,98
       30         R$ 0,8 R$ 7,0             R$ 12,2 R$ 11,42
       40         -R$ 4,8 R$ 4,6            R$ 11,7 R$ 16,42
                 R$    10,18 R$       4,52 R$            0,74       R$   17,16

Lucro/@ - Milho R$30/saco
                                    NDT
  %Forragem          58            65                    72
     20           -R$ 9,9       -R$ 5,5            -R$        1,7   R$   8,19
     30           -R$ 13,6      -R$ 6,3            -R$        0,4   R$   13,17
     40           -R$ 18,0      -R$ 7,3             R$        0,7   R$   18,66
                 R$    8,09    R$    1,82    -R$     2,38           R$   16,28

  NRC – Gado de Corte (1996)
  Nelore, PM= 350-500 kg PV, Silagem milho (R$330, t MS-1), Milho grão
  (R$ 455 – 568, t MS-1), Uréia (R$1500, t MS-1), Mineral (R$2000, t MS-1).
FONTES DE
      VOLUMOSOS



           DECISÃO




            CUSTO



           LOGÍSTICA


PRODUÇÃO         BALACEAMENTO
Tabela. Efeito da inclusão da silagem de milho no lucro por arroba e
   demanda agrícola
                                          A       B        C       D       E
            COMPOSIÇÃO (MS)
                                        75:25   60:40    40:60    30:70   20:80
IMS (kg MS/dia)                          9,3     9,08     8,74    8,55    8,35
Ganho de peso (kg/dia)                  1,33     1,43     1,55     1,6    1,65


PB, %                                   12,3      13      14      13,8    13,9
NDT, %                                   70       73      78       80      83


Custo R$/boi dia                        3,43     3,42     3,38    3,33    3,28
Custo R$/@                              74,3     69,0     62,9    60,0    57,4
Receita bruta (R$92/@)                   510     549      593     612     631
Receita líquida (RS)                     98      137      188     213     238
Período - GP 160 kg                      120     112      103     100      97
Silagem (área ha) 1000 UA                770     600      385     284     184
Reflexão

“Aquilo em que pensamos muda todos os dias,
mas a maneira de pensar não tem se alterado
           em milhares de anos”
                        Leamnson, 2001
Pontos Críticos da
           Ensilagem
        Oportunidades de
       ganhos em eficiência
Ponto de Colheita
Prêmio silagem alto padrão
                  Diagnóstico da silagem
Risco de contaminação do animal
                                     baixo        3         médio           2      alto       1
(E.coli, Clostridium e Listeria)
Tipo de silo                     trinch. reves.   3   trincheira sem piso   2   superfície    1
Tamanho da partícula                  curto       3          médio          2     longo       1
Compactação                        excelente      3           boa           2     média       1
Vedação                            excelente      3           boa           2     média       1
Risco de contaminação de solo        baixo        3         médio           2      alto       1
Tempo para encher o silo              1dia        3         2-3 dias        2    >3 dias      1
Velocidade de retirada / 20cm         1 dia       3         2-3dias         2     >3dias      1
Tipo de forragem                  capim + CS      3      capim +aditivo     2     capim       1
Painel do silo                     excelente      3           bom           2     médio       1
Perdas de retirada                 excelente      3           bom           2     médio       1

                    27,5                    24
         36                                                                     12
  +                                                                                       −
Milho
Evolução na “Linha de Leite”do grão
Relação entre linha do leite e % de matéria
                               seca da planta
                 75
                 65
%M S da planta




                 55
                 45
                 35                              y = 43,906x + 10,14
                                                     R2 = 0,2546
                 25
                 15
                   0,45   0,55   0,65    0,75    0,85       0,95       1,05

                                    Linha do leite
Produção e valor nutritivo de silagens de milho
   com alteração do teor de MS na colheita
                            Matéria seca
                27%       31%       35%      39%
MS kg/ha       14.680    16.180    17.660   21.050
FDN %           53,7      49,1      46,6     41,2
NDT %           67,6      68,3      66,5     70,2
*Leite kg/ha   19.930    22.552    24.045   31.238
*Carne kg/ha    1.900    2.159     2.171    3.042
* estimated
Pereira et al. (2010).
Variações observadas em produtividade e valor
nutritivo de híbridos de milho para silagem durante o
             desenvolvimento da cultura.
Leite por acre (lb/A)                                                        Leite por t MS(lb/t)
                            Pioneer 3578
20000                                                                                             2000


15000                                                                                             1500


10000                                                                                             1000
                                                                             Leite por acre
 5000                                                                        Leite por t MS       500

                                      Data de Colheita
    0                                                                                             0
    Jul 11    Jul 21    Jul 31     Aug 10     Aug 20     Aug 30    Sep 10      Sep 21         Oct 5
     V11       V14       R1         R2         R3         R4        R5          R5.5          R5.8



                                 Joseph G. Lauer - University of Wisconsin
Vita Plus (2011)
Formato silos
Trincheira
(bunker)




Perdas 15-20%
Formato silos           (Bag = Salsicha)

      Perdas inferiores a 8%
Perdas de colheita
  5-7% - aceitável
  > 15% - observado
( Muck, 2001)
Contenção de perdas:
Reduz em 80% as perdas
por deriva
Taxas elevadas
Enchimento   > 50 t/dia
             (+) < tempo oxidação
             (-) > risco de menor
             densidade
             Camadas < 30cm/carga
             Ajuste da pressão aplicada
Enchimento


 Inclinado




             Horizontal
Tamanho de partículas
   Densidade (kg MV/m )   620     620
                          600
   3




                          580
                                                      569
                          560

                          540
                                                                              536
                          520

                          500

                          480
                                3,1                 3,2                    3,6
                                        tamanho médio de partículas


Figura Efeito do tamanho de partícula na densidade da silagem de
            capim Marandú

                                                            Fonte: Mari et. al. (2003)
Compactação




• Peso do trator = 40% t forragem transportada/hora;
• Espessura da camada adicionada = 15 - 30 cm / carga;
                                          Ruppel et al. (1995)
Compactação
                    Compactação
•Extensão de compactação= 1-1.2 x turno colheita (h);
•Taxa de compactação = 1- 3 minutos / t forragem/hora.

                                       Holmes & Muck (2000)



• Peso do trator = 40% t forragem transportada/hora;
• Espessura da camada adicionada = 15 - 30 cm / carga;
                                        Ruppel et al. (1995)

• Extensão de compactação= 1-1.2 x turno colheita (h);
• Taxa de compactação = 1- 3 minutos / t forragem/hora.
                                 Holmes & Muck (2000)
Compactação
                                   Trator de 3500 Kg - 75 CV de potência.
                                                                                                       Trator de 4500 kg - 90 CV de potência
                                       640                                                               640
                             650                                                                 650
                                                                                                                  580
                             600                                                                 600




                                                                                 (k g M V/m 3)
                                                                                 D e ns ida de
            (Kg de MV/m 3)




                                                   530                                           550                        515
Densidade




                             550                                                                                                    490
                                                               480                               500
                             500
                                                                            460
                                                                                                 450
                             450
                                                                                                 400
                             400
                                      3,7         10          20            30
                                                                                                         6       10        20      30
                                                                                                                ton de MV/hora
                                                   ton MV/hora




                Figura . Efeito da taxa de enchimento e do peso do trator na
                            densidade do silagem
25,0
                            20,2
                    20,0
                                    16,8    15,9     15,1
 Perdas de MS (%)


                    15,0                                          13,4
                                                                            10,0
                    10,0


                     5,0


                     0,0
                           360     504     540     580         650         790
                                                              3
                                    Densidade (Kg MV/m )

Figura 1. Efeito da densidade da silagem nas perdas de MS durante a
            fermentaçâo
                                                   Fonte: Ruppel et. al. (2002).
Compactação
Tipos de lonas
Fonte: Amaral et. al. (2011)
8,00                                    7,47
                        7,00
                                                5,98
                        6,00
% Silagem deteriorada



                        5,00
        (MS)



                                 3,89
                        4,00

                        3,00                                               2,87

                        2,00

                        1,00

                        0,00
                               Poliamida    Dupla face          Preta     Bagaço


                                           Fonte: Amaral et. al. (2011)
Desempenho de vacas em lactação alimentadas
com rações contendo as diferentes silagens.

                                              Tratamentos
                                                                             EPM
Variável1                      Poliamida      Dupla        Preta    Bagaço
                                                                              2
                                               face

Consumo de MS, kg                 22,0         22,9        21,9      22,5    0,14

Produção de leite, kg/dia        32,9ab       33,6 ab      31,6 b   34,8 a   0,29

Eficiência alimentar,
kg leite/kg MS                    1,50         1,46        1,45      1,56    0,01




                            Fonte: Amaral et. al. (2011)
Manejo da retirada



         •Retirada desuniforme;
         • Oxigênio até 6 m no perfil;
         • Camadas diárias 15 a 30 cm;
         • Perda de ELL (0- 38%)
         (Honig et al., 1999)
Fatores que afetam a deterioração em
aerobiose
                   18
                   16
                        17
                   14
 Perda de MS (%)




                   12
                   10
                    8         10
                    6
                    4                              5
                    2                                            3
                    0
                        2      5                   10           15
                                   retirada (cm)


 Figura 9: Efeito da taxa de retirada sobre as perdas de MS em silos tipo
              bunker.

                                           Fonte: Pitt e Muck (1993).
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Fatores que afetam a deterioração em aerobiose

  1. Compactação e vedação;

                         •   Microbiológico;

   2. Uso de aditivos
                         •   Químico;



   3. Teor de CHO´S;

   4. Uniformidade do painel;
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Bovino de corte 2012 volumosos nussio low
Tipos de perdas pós-abertura
Silagem perdida no piso após a retirada




                  Perdas de 4-8%
Tipos de
 perdas pós -
 abertura

Silagem rejeitada pelo
    animal no cocho

Perdas de 5-10%
Manejo da retirada




        Outra vez silagem deteriorada ?!
Fatores que favorecem a rejeição da silagem no cocho:
  Fornecimento de silagem deteriorada
Manejo da retirada




Qual o destino da silagem deteriorada ?
ERROR: stackunderflow
OFFENDING COMMAND: ~
STACK:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...
[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...
[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...
AgroTalento
 
Aulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.pptAulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.ppt
LeandroGalzerano1
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Rural Pecuária
 
Características do leite
Características do leiteCaracterísticas do leite
Características do leite
Loreta Vasco
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
Nágela Magave
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
Med. Veterinária 2011
 
[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca
[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca
[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca
AgroTalento
 
Raças bovinas 01
Raças bovinas 01Raças bovinas 01
Raças bovinas 01
Glaucia Barbosa Coelho
 
Proteínas na alimentação animal
 Proteínas na alimentação animal Proteínas na alimentação animal
Proteínas na alimentação animal
wellison nascimento
 
Aula ovos
Aula ovosAula ovos
Aula ovos
LuizGraton
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
LarissaFerreira258
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
garciagotaeficiente
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basica
Lenildo Araujo
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
Universidade de São Paulo
 
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de SuínosHigiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Lucas Maciel Gomes Olini
 

Mais procurados (20)

[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...
[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...
[Palestra] Rafael Cervieri: Eficiência Biológica x Resultado Econômico no Con...
 
Aulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.pptAulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.ppt
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
Conservação de alimentos para bovinos- Produção de Feno
 
Características do leite
Características do leiteCaracterísticas do leite
Características do leite
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca
[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca
[Palestra] Ademir Maciel Pereira: Suplementação proteica na seca
 
Raças bovinas 01
Raças bovinas 01Raças bovinas 01
Raças bovinas 01
 
Proteínas na alimentação animal
 Proteínas na alimentação animal Proteínas na alimentação animal
Proteínas na alimentação animal
 
Aula ovos
Aula ovosAula ovos
Aula ovos
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basica
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
 
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de SuínosHigiene e Profilaxia - Criação de Suínos
Higiene e Profilaxia - Criação de Suínos
 

Semelhante a Bovino de corte 2012 volumosos nussio low

Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Juliano Hoffmann
 
121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin
121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin
121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin
AgroTalento
 
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
BeefPoint
 
Cna 2011 vpb
Cna 2011 vpbCna 2011 vpb
Cna 2011 vpb
nataliafernandes
 
Apresentação Camargo, Jcm 2° Workshop
Apresentação Camargo, Jcm 2° WorkshopApresentação Camargo, Jcm 2° Workshop
Apresentação Camargo, Jcm 2° Workshop
Agricultura Sao Paulo
 
111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft
NFT Alliance
 
Dados do município
Dados do município Dados do município
Dados do município
Adrodalla
 
Pesquisas em Gado de Corte
Pesquisas em Gado de CortePesquisas em Gado de Corte
Pesquisas em Gado de Corte
Câmaras Setoriais
 
11 luciano-andrade-workshop-beefpoint-2012
11  luciano-andrade-workshop-beefpoint-201211  luciano-andrade-workshop-beefpoint-2012
11 luciano-andrade-workshop-beefpoint-2012
AgroTalento
 
A cultura do sorgo flavio tardin
A cultura do sorgo  flavio tardinA cultura do sorgo  flavio tardin
A cultura do sorgo flavio tardin
rancholandy
 
Silagem de peixe alternativa para ração artesanal
Silagem de peixe alternativa para ração artesanalSilagem de peixe alternativa para ração artesanal
Silagem de peixe alternativa para ração artesanal
Agricultura Sao Paulo
 
ILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival VilelaILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival Vilela
ANCP Ribeirão Preto
 
121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques
121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques
121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques
AgroTalento
 
Palestra TG.pptx
Palestra TG.pptxPalestra TG.pptx
Palestra TG.pptx
MarceloFernando23
 
Pecuaria
PecuariaPecuaria
Cenarios e Perspectivas Abril/2010
Cenarios e Perspectivas Abril/2010Cenarios e Perspectivas Abril/2010
Cenarios e Perspectivas Abril/2010
Anderson Galvão
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
Marco Coghi
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
Marco Coghi
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
Marco Coghi
 
Industria de Alimentos
Industria de AlimentosIndustria de Alimentos
Industria de Alimentos
cleberson.souza
 

Semelhante a Bovino de corte 2012 volumosos nussio low (20)

Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
 
121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin
121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin
121024 20-wbeef-engorda-a-pasto-murilo-salin
 
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
CNA - VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO CRESCE 9,4% EM 2011
 
Cna 2011 vpb
Cna 2011 vpbCna 2011 vpb
Cna 2011 vpb
 
Apresentação Camargo, Jcm 2° Workshop
Apresentação Camargo, Jcm 2° WorkshopApresentação Camargo, Jcm 2° Workshop
Apresentação Camargo, Jcm 2° Workshop
 
111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft
 
Dados do município
Dados do município Dados do município
Dados do município
 
Pesquisas em Gado de Corte
Pesquisas em Gado de CortePesquisas em Gado de Corte
Pesquisas em Gado de Corte
 
11 luciano-andrade-workshop-beefpoint-2012
11  luciano-andrade-workshop-beefpoint-201211  luciano-andrade-workshop-beefpoint-2012
11 luciano-andrade-workshop-beefpoint-2012
 
A cultura do sorgo flavio tardin
A cultura do sorgo  flavio tardinA cultura do sorgo  flavio tardin
A cultura do sorgo flavio tardin
 
Silagem de peixe alternativa para ração artesanal
Silagem de peixe alternativa para ração artesanalSilagem de peixe alternativa para ração artesanal
Silagem de peixe alternativa para ração artesanal
 
ILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival VilelaILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival Vilela
 
121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques
121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques
121023 06-wbeef-engorda-a-pasto-pedro-marques
 
Palestra TG.pptx
Palestra TG.pptxPalestra TG.pptx
Palestra TG.pptx
 
Pecuaria
PecuariaPecuaria
Pecuaria
 
Cenarios e Perspectivas Abril/2010
Cenarios e Perspectivas Abril/2010Cenarios e Perspectivas Abril/2010
Cenarios e Perspectivas Abril/2010
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
 
Recria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo AntônioRecria Sítio Santo Antônio
Recria Sítio Santo Antônio
 
Industria de Alimentos
Industria de AlimentosIndustria de Alimentos
Industria de Alimentos
 

Mais de Universidade de São Paulo

Simp esalq 2011 proc grãos bc
Simp esalq 2011   proc grãos bcSimp esalq 2011   proc grãos bc
Simp esalq 2011 proc grãos bc
Universidade de São Paulo
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Universidade de São Paulo
 
Metabolismo2012
Metabolismo2012Metabolismo2012
RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012
Universidade de São Paulo
 
Texto sobre Confinamento
Texto sobre ConfinamentoTexto sobre Confinamento
Texto sobre Confinamento
Universidade de São Paulo
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Universidade de São Paulo
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 
Biologia do crescimento low
Biologia do crescimento lowBiologia do crescimento low
Biologia do crescimento low
Universidade de São Paulo
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Universidade de São Paulo
 
Agronegócio do boi
Agronegócio do boiAgronegócio do boi
Agronegócio do boi
Universidade de São Paulo
 

Mais de Universidade de São Paulo (10)

Simp esalq 2011 proc grãos bc
Simp esalq 2011   proc grãos bcSimp esalq 2011   proc grãos bc
Simp esalq 2011 proc grãos bc
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Metabolismo2012
Metabolismo2012Metabolismo2012
Metabolismo2012
 
RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012
 
Texto sobre Confinamento
Texto sobre ConfinamentoTexto sobre Confinamento
Texto sobre Confinamento
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Biologia do crescimento low
Biologia do crescimento lowBiologia do crescimento low
Biologia do crescimento low
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
 
Agronegócio do boi
Agronegócio do boiAgronegócio do boi
Agronegócio do boi
 

Bovino de corte 2012 volumosos nussio low

  • 1. Volumosos para bovinos de corte Luiz Gustavo Nussio João Luiz Pratti Daniel Departamento de Zootecnia – USP/ESALQ
  • 6. Intenção de uso de volumosos em confinamento
  • 7. Intenção de uso de volumosos em confinamento
  • 8. Inclusão atual de forragem em rações de bovinos de corte em terminação - Cana de açúcar (32,3%) - Silagem de milho (25,8%) - Bagaço de cana (9,2%) - Silagem de sorgo (22,6%) Millen et al. (2009)
  • 9. CUSTOS DE PRODUÇÃO DE VOLUMOSOS SUPLEMENTARES
  • 10. Tabela 1 - Parâmetros agronômicos e nutricionais de volumosos suplementares Silagem Silagem Silagem Cana Silagem Parâmetros milho sorgo Tanzânia fresca cana Produtividade (t MV/ha) 41 44 100 84 84 Produtividade (t MS/ha) 13,0 13,2 20,0 25,2 25,2 % MS forragem 32 32 20 30 30 NDT (%) 65 60 56 60 58 PB (%) 8,7 9,4 7,8 2,5 3,5
  • 11. Custos de produção de volumosos suplementares Sil. Sil. Sil. Cana Cana Sil. Cana Parâmetros milho sorgo tanzânia mecanizada manual mecanizada Formação Manutenção Planta Soca Planta Soca Planta Soca Insumos 2010,02 1745,72 1569,97 1513,00 2379,42 601,50 2379,42 601,50 2379,42 601,50 Investimentos 171,91 171,91 694,66 - - 169,84 Preparo do solo 225,44 225,44 59,84 - 164,69 - 164,69 - 164,69 - Plantio e tratos culturais 145,70 145,70 62,13 23,95 668,06 99,75 668,06 99,75 668,06 99,75 Colheita e ensilagem 842,79 928,53 1102,35 541,50 1410,18 1238,50 Descarga e distribuição 661,59 661,59 1122,34 509,12 509,12 1040,40 Aditivação - - - - - 13,17 TOTAL (R$/ha) 4057,44 3878,88 4402,33 2379,60 3248,28 3790,88 TOTAL (R$/t MV) 99,49 88,16 67,73 28,54 38,95 61,43 TOTAL (R$/t MS) 310,92 293,85 338,64 95,12 129,84 204,77
  • 12. Componentes do custo na produção de silagem de milho Participação no custo total (%) 30% 90% Frequência acumulada (%) 80% 25% 70% 20% 60% 50% 15% 40% 10% 30% 20% 5% 10% 0% 0%
  • 13. Simulação de custos e lucro sobre custo alimentar gerados por rações compostas por diferentes volumosos para bovinos de corte confinados • Animal Nelore • GPD – 1,57 kg/dia • 320 kg de peso vivo no início do confinamento e • Terminado aos 480 kg •Para o balanceamento das rações utilizou-se das seguintes fontes de ingredientes concentrados: milho moído (fonte energética) (R$450/t em 2011) polpa cítrica peletizada (fonte energética) (R$360/t em 2011), farelo de algodão (fonte protéica) (R$700/t em 2011), uréia (R$1100 em 2011) premix mineral-vitamínico (R$1800/t em 2011) Feno de Cynodon (R$ 600, 00/t)
  • 14. Simulação de custos e lucro sobre custo alimentar gerados por rações compostas por diferentes volumosos para bovinos de corte confinados Variável Sil. milho Sil. sorgo Sil. capim Sil. cana Cana Feno Custo do volumoso (R$/t MV) 99,49 88,16 67,73 61,43 28,54 600,00 % volumoso na ração (% MS) 20,00 18,00 15,00 15,00 17,00 13,00 Ganho de peso predito (kg/d)1 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 1,57 Custo da ração (R$/kg MS) 0,470 0,466 0,473 0,463 0,438 0,519 Custo alimentar por arroba (R$/@) 76,20 76,31 77,28 75,37 71,50 84,78 Receita sobre custo alimentar2 (R$/@) 23,80 23,69 22,72 24,63 28,50 15,22 Receita/receita da sil. milho (%) 100,00 99,54 95,46 103,49 119,75 63,95 1 Consumo de matéria seca predito ~ 9,0 kg MS/d 2 Inclui apenas o custo da ração; Preço da arroba = R$ 100,00
  • 15. Comparação entre fontes de volumosos Projeção de receita líquida (RL) na engorda de bovinos recendo rações com diferentes volumosos balanceadas para atingir GPD 1,25 kg/dia RL RL Volumoso (R$/t MS RL(R$/ha/ano) (R$/@) ração) Silagem de milho 132,76 3.801,39 100 Cana-de-açúcar 171,80 17.590,14 129 Silagem de cana-de- 148,65 15.220,14 112 açúcar
  • 16. FONTES DE VOLUMOSOS DECISÃO CUSTO LOGÍSTICA PRODUÇÃO BALACEAMENTO
  • 17. FUNDAMENTO Qualidade Produtividade GERENCIAMENTO do RISCO • Milho • Cana-de-açúcar • Sorgo • Girassol • Silagem capim • Alfafa • Feno de gramínea • Aveia
  • 18. APTIDÃO AGRÍCOLA • Topografia; • Fertilidade; • Drenagem; • Logística operacional; • Recursos humanos;
  • 19. • Erosão/Degradação das glebas; • Produtividade decrescente; • Baixo valor nutritivo na forragem; • Elevado custo do nutriente.
  • 22. silagem milho:cana Custo~2:1 Atual cana melhor retorno econômico/alq Atual
  • 23. FONTES DE VOLUMOSOS DECISÃO CUSTO LOGÍSTICA PRODUÇÃO BALACEAMENTO
  • 24. Desempenho cana- Leite Tabela . Desempenho de animais e composição do leite de vacas alimentadas com ração contendo diferentes fontes de volumosos Cana + Sil Sil Cana Cana Sil Milho Milho IMS 23,5a 22,3b 23,5a 21,3c Produção leite, 24,4 24,6 25,2 25,5 kg/dia Fonte: Adaptado de Queiroz (2006)
  • 25. Ingredientes das rações - Leite Silagem de Milho Silagem de Cana Sil milho + Sil cana Silagem de Cana 39,2% 19,6% Silagem de Milho 50,0% 25,0% Milho 13,8% 22,1% 17,9% Mineral 2,3% 2,3% 2,3% F.Soja 20,9% 23,4% 22,2% Polpa Cítrica 13,0% 13,0% 13,0% eFDN forragem 1 1,2 eFDN, % MS 25,61% 25,85% 25,88% Dietas iso eFDN Fonte: de Sá Neto (2012) no prelo
  • 26. Consumo MS, kg/d 22,27 22,47 24 21,78 22 20 18 16 Leite3,5%G, kg/d 14 28,53 27,59 12 30 27,41 10 Silagem Sil milho Silagem 25 de milho + Sil cana de cana 20 15 10 Fonte: de Sá Neto (2012) no prelo Silagem Sil milho Silagem de milho + Sil cana de cana
  • 27. Ingredientes das rações - Corte Inclusão Milho Milho/Polpa Milho/Polpa Polpa % 100% 50/50% 50/50% 100% Silagem de Cana 30,6 30,6 30,6 30,6 Milho 55,7 27,9 14 - Polpa cítrica - 27,9 42 55,5 Soja grão 10,4 10,4 10,4 10,4 Mineral 1,6 1,6 1,6 1,6 Uréia 0,96 1,23 1,4 1,55 GPD, kd/dia 1,59 1,72 1,55 1,48 IMS, kg/dia 10,83 10,85 10,39 9,78 Pereira, E.M, et al, 2005
  • 28. Custo do nutriente do volumoso
  • 29. Custo do Nutriente Custo de produção de NDT em função da produtividade de MS de volumoso suplementar (silagem de milho) Produtividade NDT (%) R$/t MS (t MS/ha) 70 68 65 60 55 50 45 SILAGEM SILAGEM R$/t NDT 12,0 276 394 406 425 460 502 552 613 14,5 228 326 335 351 380 415 456 507 17,0 195 279 287 300 325 355 390 433 R$/saca (60 kg) 24 25 26 27 28 29 GRÃO 88% MS, 85% NDT – R$/t NDT 535 557 579 602 624 646
  • 30. Tabela. Efeito da qualidade e da inclusão da silagem de milho na dieta no desempenho de bovinos de corte em confinamento Ganho de peso (kg/d) NDT %Forragem 58 65 72 20 1,42 1,47 1,52 30 1,34 1,42 1,49 40 1,24 1,36 1,46 Consumo de matéria-seca (kg/d) NDT %Forragem 58 65 72 20 9,01 8,94 8,86 30 9,12 9,02 8,91 40 9,21 9,10 8,97 NRC – Gado de Corte (1996) Nelore, PM= 350-500 kg PV, Silagem milho (R$330, t MS-1), Milho grão (R$ 455 – 568, t MS-1), Uréia (R$1500, t MS-1), Mineral (R$2000, t MS-1).
  • 31. Tabela. Efeito da qualidade e da inclusão da silagem de milho no lucro por arroba em função do preço de aquisição do milho grão Lucro/@ - Milho R$24/saco NDT %Forragem 58 65 72 20 R$ 5,4 R$ 9,1 R$ 12,4 R$ 6,98 30 R$ 0,8 R$ 7,0 R$ 12,2 R$ 11,42 40 -R$ 4,8 R$ 4,6 R$ 11,7 R$ 16,42 R$ 10,18 R$ 4,52 R$ 0,74 R$ 17,16 Lucro/@ - Milho R$30/saco NDT %Forragem 58 65 72 20 -R$ 9,9 -R$ 5,5 -R$ 1,7 R$ 8,19 30 -R$ 13,6 -R$ 6,3 -R$ 0,4 R$ 13,17 40 -R$ 18,0 -R$ 7,3 R$ 0,7 R$ 18,66 R$ 8,09 R$ 1,82 -R$ 2,38 R$ 16,28 NRC – Gado de Corte (1996) Nelore, PM= 350-500 kg PV, Silagem milho (R$330, t MS-1), Milho grão (R$ 455 – 568, t MS-1), Uréia (R$1500, t MS-1), Mineral (R$2000, t MS-1).
  • 32. FONTES DE VOLUMOSOS DECISÃO CUSTO LOGÍSTICA PRODUÇÃO BALACEAMENTO
  • 33. Tabela. Efeito da inclusão da silagem de milho no lucro por arroba e demanda agrícola A B C D E COMPOSIÇÃO (MS) 75:25 60:40 40:60 30:70 20:80 IMS (kg MS/dia) 9,3 9,08 8,74 8,55 8,35 Ganho de peso (kg/dia) 1,33 1,43 1,55 1,6 1,65 PB, % 12,3 13 14 13,8 13,9 NDT, % 70 73 78 80 83 Custo R$/boi dia 3,43 3,42 3,38 3,33 3,28 Custo R$/@ 74,3 69,0 62,9 60,0 57,4 Receita bruta (R$92/@) 510 549 593 612 631 Receita líquida (RS) 98 137 188 213 238 Período - GP 160 kg 120 112 103 100 97 Silagem (área ha) 1000 UA 770 600 385 284 184
  • 34. Reflexão “Aquilo em que pensamos muda todos os dias, mas a maneira de pensar não tem se alterado em milhares de anos” Leamnson, 2001
  • 35. Pontos Críticos da Ensilagem Oportunidades de ganhos em eficiência Ponto de Colheita
  • 36. Prêmio silagem alto padrão Diagnóstico da silagem Risco de contaminação do animal baixo 3 médio 2 alto 1 (E.coli, Clostridium e Listeria) Tipo de silo trinch. reves. 3 trincheira sem piso 2 superfície 1 Tamanho da partícula curto 3 médio 2 longo 1 Compactação excelente 3 boa 2 média 1 Vedação excelente 3 boa 2 média 1 Risco de contaminação de solo baixo 3 médio 2 alto 1 Tempo para encher o silo 1dia 3 2-3 dias 2 >3 dias 1 Velocidade de retirada / 20cm 1 dia 3 2-3dias 2 >3dias 1 Tipo de forragem capim + CS 3 capim +aditivo 2 capim 1 Painel do silo excelente 3 bom 2 médio 1 Perdas de retirada excelente 3 bom 2 médio 1 27,5 24 36 12 + −
  • 37. Milho
  • 38. Evolução na “Linha de Leite”do grão
  • 39. Relação entre linha do leite e % de matéria seca da planta 75 65 %M S da planta 55 45 35 y = 43,906x + 10,14 R2 = 0,2546 25 15 0,45 0,55 0,65 0,75 0,85 0,95 1,05 Linha do leite
  • 40. Produção e valor nutritivo de silagens de milho com alteração do teor de MS na colheita Matéria seca 27% 31% 35% 39% MS kg/ha 14.680 16.180 17.660 21.050 FDN % 53,7 49,1 46,6 41,2 NDT % 67,6 68,3 66,5 70,2 *Leite kg/ha 19.930 22.552 24.045 31.238 *Carne kg/ha 1.900 2.159 2.171 3.042 * estimated Pereira et al. (2010).
  • 41. Variações observadas em produtividade e valor nutritivo de híbridos de milho para silagem durante o desenvolvimento da cultura. Leite por acre (lb/A) Leite por t MS(lb/t) Pioneer 3578 20000 2000 15000 1500 10000 1000 Leite por acre 5000 Leite por t MS 500 Data de Colheita 0 0 Jul 11 Jul 21 Jul 31 Aug 10 Aug 20 Aug 30 Sep 10 Sep 21 Oct 5 V11 V14 R1 R2 R3 R4 R5 R5.5 R5.8 Joseph G. Lauer - University of Wisconsin
  • 44. Formato silos (Bag = Salsicha) Perdas inferiores a 8%
  • 45. Perdas de colheita 5-7% - aceitável > 15% - observado ( Muck, 2001)
  • 46. Contenção de perdas: Reduz em 80% as perdas por deriva
  • 47. Taxas elevadas Enchimento > 50 t/dia (+) < tempo oxidação (-) > risco de menor densidade Camadas < 30cm/carga Ajuste da pressão aplicada
  • 48. Enchimento Inclinado Horizontal
  • 49. Tamanho de partículas Densidade (kg MV/m ) 620 620 600 3 580 569 560 540 536 520 500 480 3,1 3,2 3,6 tamanho médio de partículas Figura Efeito do tamanho de partícula na densidade da silagem de capim Marandú Fonte: Mari et. al. (2003)
  • 50. Compactação • Peso do trator = 40% t forragem transportada/hora; • Espessura da camada adicionada = 15 - 30 cm / carga; Ruppel et al. (1995)
  • 51. Compactação Compactação •Extensão de compactação= 1-1.2 x turno colheita (h); •Taxa de compactação = 1- 3 minutos / t forragem/hora. Holmes & Muck (2000) • Peso do trator = 40% t forragem transportada/hora; • Espessura da camada adicionada = 15 - 30 cm / carga; Ruppel et al. (1995) • Extensão de compactação= 1-1.2 x turno colheita (h); • Taxa de compactação = 1- 3 minutos / t forragem/hora. Holmes & Muck (2000)
  • 52. Compactação Trator de 3500 Kg - 75 CV de potência. Trator de 4500 kg - 90 CV de potência 640 640 650 650 580 600 600 (k g M V/m 3) D e ns ida de (Kg de MV/m 3) 530 550 515 Densidade 550 490 480 500 500 460 450 450 400 400 3,7 10 20 30 6 10 20 30 ton de MV/hora ton MV/hora Figura . Efeito da taxa de enchimento e do peso do trator na densidade do silagem
  • 53. 25,0 20,2 20,0 16,8 15,9 15,1 Perdas de MS (%) 15,0 13,4 10,0 10,0 5,0 0,0 360 504 540 580 650 790 3 Densidade (Kg MV/m ) Figura 1. Efeito da densidade da silagem nas perdas de MS durante a fermentaçâo Fonte: Ruppel et. al. (2002).
  • 56. Fonte: Amaral et. al. (2011)
  • 57. 8,00 7,47 7,00 5,98 6,00 % Silagem deteriorada 5,00 (MS) 3,89 4,00 3,00 2,87 2,00 1,00 0,00 Poliamida Dupla face Preta Bagaço Fonte: Amaral et. al. (2011)
  • 58. Desempenho de vacas em lactação alimentadas com rações contendo as diferentes silagens. Tratamentos EPM Variável1 Poliamida Dupla Preta Bagaço 2 face Consumo de MS, kg 22,0 22,9 21,9 22,5 0,14 Produção de leite, kg/dia 32,9ab 33,6 ab 31,6 b 34,8 a 0,29 Eficiência alimentar, kg leite/kg MS 1,50 1,46 1,45 1,56 0,01 Fonte: Amaral et. al. (2011)
  • 59. Manejo da retirada •Retirada desuniforme; • Oxigênio até 6 m no perfil; • Camadas diárias 15 a 30 cm; • Perda de ELL (0- 38%) (Honig et al., 1999)
  • 60. Fatores que afetam a deterioração em aerobiose 18 16 17 14 Perda de MS (%) 12 10 8 10 6 4 5 2 3 0 2 5 10 15 retirada (cm) Figura 9: Efeito da taxa de retirada sobre as perdas de MS em silos tipo bunker. Fonte: Pitt e Muck (1993).
  • 62. Fatores que afetam a deterioração em aerobiose 1. Compactação e vedação; • Microbiológico; 2. Uso de aditivos • Químico; 3. Teor de CHO´S; 4. Uniformidade do painel;
  • 67. Tipos de perdas pós-abertura Silagem perdida no piso após a retirada Perdas de 4-8%
  • 68. Tipos de perdas pós - abertura Silagem rejeitada pelo animal no cocho Perdas de 5-10%
  • 69. Manejo da retirada Outra vez silagem deteriorada ?!
  • 70. Fatores que favorecem a rejeição da silagem no cocho: Fornecimento de silagem deteriorada
  • 71. Manejo da retirada Qual o destino da silagem deteriorada ?