SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Disciplina Infecções de Transmissão Sexual UFPR Educação em ITS:  como abordar o pré e pós teste? Dra. Júlia V. F. Cordellini Médica Pediatra/Hebiatra Coordenadora Municipal Programa Adolescente Saudável  Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba
Plano da Aula -   Situar o PPT no atendimento - Indicações da Testagem  - Objetivos e abordagem do PPT - Aonde fazer o PPT - Dificuldades na Abordagem do PPT - Situações para pensar
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Abordagem no PRÉ-TESTE 􀁺   reafirmar o caráter voluntário e confidencial da testagem; 􀁺   identificar o motivo da testagem; 􀁺  verificar histórico anterior de testagem e riscos; 􀁺   trocar informações sobre o sistema de teste e janela imunológica; 􀁺  trocar com o paciente informações sobre o significado dos possíveis resultados;  􀁺  reforçar para o paciente a diferença entre HIV e AIDS; 􀁺  considerar com o paciente o impacto em sua vida dos possíveis resultados  􀁺  sondar qual o apoio emocional e social disponível (família, parceiros, amigos...) 􀁺  avaliar com o paciente a realização ou não do teste; 􀁺  considerar com o paciente possíveis reações emocionais que venham a ocorrer durante o período de espera do resultado do teste; 􀁺  reforçar a necessidade de adoção de práticas seguras frente ao HIV, também  nesse período.
Abordagem  no PRÉ-TESTE ( em Grupo) 􀁺   resguardar a privacidade de cada membro do grupo; 􀁺  identificar e acolher a demanda do grupo; 􀁺  utilizar linguagem compatível com a cultura dos participantes; 􀁺  explicar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas.
Abordagem no PÓS-TESTE Diante de Resultado Negativo: Significa que a pessoa (1) não está infectada ou (2) está infectada tão recentemente que não produziu anticorpos necessários para detecção pelo teste 􀁺   lembrar que um resultado negativo não significa imunidade; 􀁺  avaliar a possibilidade de o paciente estar em janela imunológica e a necessidade de retestagem; 􀁺  reforçar as práticas seguras já adotadas ou a serem adotadas pelo paciente frente ao HIV; 􀁺  reforçar o benefício do uso correto do preservativo e demonstrá-lo; 􀁺  reforçar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas, caso seja necessário.
Abordagem no PÓS-TESTE Diante de Resultado Positivo: 􀁺   permitir ao cliente o tempo necessário para assimilar o impacto do diagnóstico e expressar seus sentimentos; 􀁺  conversar sobre sentimentos e dúvidas, prestando o apoio emocional se necessário;estar atento para o manejo adequado da raiva, ansiedade, depressão, medo, negação e outros; 􀁺  desmistificar sentimentos que associam HIV/AIDS à culpa, à punição, à rejeição, à morte e a outros; 􀁺  lembrar que um resultado positivo significa que a pessoa é portadora do vírus,  podendo ou não estar com a doença desenvolvida; 􀁺  enfatizar que, mesmo sendo um portador assintomático,  o paciente pode transmitir o vírus para outros; 􀁺  reforçar a importância de acompanhamento médico,  ressaltando que a infecção é tratável;
Objetivos no PÓS-TESTE Diante de Resultado Positivo: 􀁺   reforçar a necessidade de adoção de práticas seguras para a redução de riscos de reinfecção pelo HIV e por outras ITS; 􀁺  reforçar o benefício do uso correto do preservativo e demonstrá-lo; 􀁺  reforçar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas, se necessário. 􀁺   enfatizar a necessidade do resultado ser comunicado ao(s) parceiro(s) atual(is), oferecendo ajuda, caso seja solicitada; 􀁺   orientar quanto à necessidade do(s) parceiro(s) atual(is)  realizar(em) teste anti-HIV; 􀁺   definir com o paciente os serviços de assistência necessários, incluindo grupos comunitários de apoio.
Abordagem no PÓS-TESTE Diante de Resultado Indeterminado 􀁺  reforçar a adoção de práticas seguras para a redução de riscos de infecção pelo HIV e por outras ITS; 􀁺  reforçar o benefício do uso correto do preservativo e demonstrá-lo; 􀁺  reforçar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas, caso seja necessário; 􀁺  orientar a realização de nova coleta para retestagem,  no período definido pelo laboratório; 􀁺  considerar com o paciente possíveis reações emocionais  que venham a ocorrer durante o período de espera do  resultado do teste e encaminhá-lo para apoio psicológico s/n
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Protocolo de Atendimento Inicial ao Portador do HIV em Unidades de Saúde ,[object Object],[object Object],[object Object],Aonde fazer o PPT
Dificuldades em relação a abordagem do PPT Envolve, além dos aspectos biofisiológicos, questões emocionais, familiares, sociais, culturais e políticas, às quais nem sempre os profissionais de saúde estão aptos a dar suporte. Recomenda-se na capacitação: 􀁺 aspectos epidemiológicos 􀁺 aspectos laboratoriais: tipos de testes, valor preditivo, janela, vários resultados; 􀁺 aspectos éticos e psicossociais:  sigilo e caráter confidencial; mitos e tabus, preconceitos, estigma, sexualidade, perda e morte, uso de drogas, gênero; 􀁺 aspectos políticos e jurídicos 􀁺 organização do processo de aconselhamento dentro do serviço 􀁺  drogas e redução de danos
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Aconselhamento de Pré Teste ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Aconselhamento pós-teste ,[object Object],[object Object]
Aconselhamento pós-teste ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosMariana Valle Gusmão
 
Dependencia quimica
Dependencia quimicaDependencia quimica
Dependencia quimicaAleka Amorim
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADEMárcio Borges
 
A empatia do visitador e os cuidados no fim da vida
A empatia do visitador e os cuidados no fim da vidaA empatia do visitador e os cuidados no fim da vida
A empatia do visitador e os cuidados no fim da vidaJean Francesco
 
Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer
Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer
Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer Filipe Ferraz
 
Adolescentes articulação odivelas_ivone patrao
Adolescentes articulação odivelas_ivone patraoAdolescentes articulação odivelas_ivone patrao
Adolescentes articulação odivelas_ivone patraoAna Ferraz
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Marcelo Palmier
 
Tarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacaoTarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacaoLurdesmartins17
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde MentalNome Sobrenome
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas PessoasLeonardo Savassi
 
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...Empreender Saúde
 
Folheto 2
Folheto 2Folheto 2
Folheto 2Daniela
 
resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...
resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...
resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...Elen Menezes Elen Menezes Divinopolis
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados PaliativosMrKokamus
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSSebástian Freire
 

Mais procurados (20)

Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados PaliativosConceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
Conceito, Fundamentos e Princípios dos Cuidados Paliativos
 
Dependencia quimica
Dependencia quimicaDependencia quimica
Dependencia quimica
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
 
A empatia do visitador e os cuidados no fim da vida
A empatia do visitador e os cuidados no fim da vidaA empatia do visitador e os cuidados no fim da vida
A empatia do visitador e os cuidados no fim da vida
 
Grupo de autocuidado
Grupo de autocuidadoGrupo de autocuidado
Grupo de autocuidado
 
Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer
Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer
Familiar cuidador no processo de enfrentamento do doente com Alzheimer
 
Adolescentes articulação odivelas_ivone patrao
Adolescentes articulação odivelas_ivone patraoAdolescentes articulação odivelas_ivone patrao
Adolescentes articulação odivelas_ivone patrao
 
Comunicação com o idosos
Comunicação com o idosos Comunicação com o idosos
Comunicação com o idosos
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
 
Tarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacaoTarefas do TAS_ comunicacao
Tarefas do TAS_ comunicacao
 
Caderneta Idoso
Caderneta Idoso Caderneta Idoso
Caderneta Idoso
 
I.P.O.
I.P.O.I.P.O.
I.P.O.
 
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD -  6579 Cuidados na Saúde MentalUFCD -  6579 Cuidados na Saúde Mental
UFCD - 6579 Cuidados na Saúde Mental
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
 
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
 
Folheto 2
Folheto 2Folheto 2
Folheto 2
 
resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...
resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...
resumo Processo de Enfermagem com o adolescente na escola: estudo sobre a rel...
 
Cuidador de idoso_36
Cuidador de idoso_36Cuidador de idoso_36
Cuidador de idoso_36
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 

Destaque

A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoJeanne Araujo
 
Psicanálise E Aconselhamento Pastoral
Psicanálise E Aconselhamento PastoralPsicanálise E Aconselhamento Pastoral
Psicanálise E Aconselhamento PastoralEduardo Sales de lima
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Viviane da Silva
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de MedicamentosFabricio Lopes
 

Destaque (7)

A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológico
 
Aconselhamento
AconselhamentoAconselhamento
Aconselhamento
 
Psicanálise E Aconselhamento Pastoral
Psicanálise E Aconselhamento PastoralPsicanálise E Aconselhamento Pastoral
Psicanálise E Aconselhamento Pastoral
 
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de PessoasEducação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
 
HIV/AIDS
HIV/AIDSHIV/AIDS
HIV/AIDS
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
 

Semelhante a Abordagem Pré e Pós Teste HIV

Abordagem comportamental na Saúde na Doença em Odontopediatria
Abordagem comportamental na Saúde na Doença em OdontopediatriaAbordagem comportamental na Saúde na Doença em Odontopediatria
Abordagem comportamental na Saúde na Doença em OdontopediatriaMariana Cademartori
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_pacienteCamila Melo
 
Diretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoDiretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoTânia Souza
 
LITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDA
LITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDALITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDA
LITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDAISCSP
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Luciane Santana
 
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)marcelaenf
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumatoReumatoguia
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaSimone Marchesini
 
dissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdf
dissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdfdissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdf
dissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdfMaryylang
 

Semelhante a Abordagem Pré e Pós Teste HIV (20)

Prevenção posithiva 2007
Prevenção posithiva 2007Prevenção posithiva 2007
Prevenção posithiva 2007
 
Fichas prevenção posithiva
Fichas   prevenção posithivaFichas   prevenção posithiva
Fichas prevenção posithiva
 
EU PRECISO FAZER O TESTE DO HIV/AIDS ?
EU PRECISO FAZER O TESTE DO HIV/AIDS ?EU PRECISO FAZER O TESTE DO HIV/AIDS ?
EU PRECISO FAZER O TESTE DO HIV/AIDS ?
 
Abordagem comportamental na Saúde na Doença em Odontopediatria
Abordagem comportamental na Saúde na Doença em OdontopediatriaAbordagem comportamental na Saúde na Doença em Odontopediatria
Abordagem comportamental na Saúde na Doença em Odontopediatria
 
Pep sexual profissionais de saúde
Pep sexual   profissionais de saúdePep sexual   profissionais de saúde
Pep sexual profissionais de saúde
 
RELATORIO_ANA_CLARISSE.docx
RELATORIO_ANA_CLARISSE.docxRELATORIO_ANA_CLARISSE.docx
RELATORIO_ANA_CLARISSE.docx
 
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima PadovanGislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
09h10-miguel-cendoroglo.pptx
09h10-miguel-cendoroglo.pptx09h10-miguel-cendoroglo.pptx
09h10-miguel-cendoroglo.pptx
 
Diretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamentoDiretrizes aconselhamento
Diretrizes aconselhamento
 
LITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDA
LITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDALITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDA
LITERACIA DOS ADULTOS MAIS VELHOS, SEXUALIDADE, HIV, CRISTINA VAZ DE ALMEIDA
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
 
Aids e vida.
Aids e vida.Aids e vida.
Aids e vida.
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumato
 
Ist 02
Ist 02Ist 02
Ist 02
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
 
dissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdf
dissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdfdissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdf
dissertacao_final_dyegila_correcoes_banca_ok.pdf
 
Pediatria
PediatriaPediatria
Pediatria
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
 

Mais de itsufpr

Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2itsufpr
 
Ulceras genitais dst 2010
Ulceras genitais dst 2010Ulceras genitais dst 2010
Ulceras genitais dst 2010itsufpr
 
Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]itsufpr
 
Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2itsufpr
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologiaitsufpr
 
Vvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dstVvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dstitsufpr
 
Hepatites foz
Hepatites fozHepatites foz
Hepatites fozitsufpr
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologiaitsufpr
 
Dst fpp pdf
Dst  fpp pdfDst  fpp pdf
Dst fpp pdfitsufpr
 
(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010
(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010
(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010itsufpr
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialitsufpr
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoitsufpr
 
Hpv disciplina 2010 2.sem
Hpv disciplina 2010 2.semHpv disciplina 2010 2.sem
Hpv disciplina 2010 2.semitsufpr
 
Herpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizadoHerpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizadoitsufpr
 
04 a- exame genital masculino
04  a- exame genital masculino04  a- exame genital masculino
04 a- exame genital masculinoitsufpr
 
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretriteitsufpr
 
Exame genital 2010 dermato
Exame genital 2010  dermatoExame genital 2010  dermato
Exame genital 2010 dermatoitsufpr
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasitsufpr
 

Mais de itsufpr (18)

Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
Condutas em gestantes hiv e sífilis positivas 2
 
Ulceras genitais dst 2010
Ulceras genitais dst 2010Ulceras genitais dst 2010
Ulceras genitais dst 2010
 
Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]Risco+biologico+hc[1]
Risco+biologico+hc[1]
 
Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2Entendendo o exame de papanicolaou2
Entendendo o exame de papanicolaou2
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
 
Vvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dstVvs graduaçao dst
Vvs graduaçao dst
 
Hepatites foz
Hepatites fozHepatites foz
Hepatites foz
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
 
Dst fpp pdf
Dst  fpp pdfDst  fpp pdf
Dst fpp pdf
 
(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010
(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010
(2) manejo de gestantes hiv pos. e sífilis = 2010
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
 
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterinoLesões precursoras do câncer do colo uterino
Lesões precursoras do câncer do colo uterino
 
Hpv disciplina 2010 2.sem
Hpv disciplina 2010 2.semHpv disciplina 2010 2.sem
Hpv disciplina 2010 2.sem
 
Herpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizadoHerpes its 2011atualizado
Herpes its 2011atualizado
 
04 a- exame genital masculino
04  a- exame genital masculino04  a- exame genital masculino
04 a- exame genital masculino
 
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite04  b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
04 b- uretrites, discussão de caso clínico de uretrite
 
Exame genital 2010 dermato
Exame genital 2010  dermatoExame genital 2010  dermato
Exame genital 2010 dermato
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostras
 

Último

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (10)

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Abordagem Pré e Pós Teste HIV

  • 1. Disciplina Infecções de Transmissão Sexual UFPR Educação em ITS: como abordar o pré e pós teste? Dra. Júlia V. F. Cordellini Médica Pediatra/Hebiatra Coordenadora Municipal Programa Adolescente Saudável Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba
  • 2. Plano da Aula - Situar o PPT no atendimento - Indicações da Testagem - Objetivos e abordagem do PPT - Aonde fazer o PPT - Dificuldades na Abordagem do PPT - Situações para pensar
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Abordagem no PRÉ-TESTE 􀁺 reafirmar o caráter voluntário e confidencial da testagem; 􀁺 identificar o motivo da testagem; 􀁺 verificar histórico anterior de testagem e riscos; 􀁺 trocar informações sobre o sistema de teste e janela imunológica; 􀁺 trocar com o paciente informações sobre o significado dos possíveis resultados; 􀁺 reforçar para o paciente a diferença entre HIV e AIDS; 􀁺 considerar com o paciente o impacto em sua vida dos possíveis resultados 􀁺 sondar qual o apoio emocional e social disponível (família, parceiros, amigos...) 􀁺 avaliar com o paciente a realização ou não do teste; 􀁺 considerar com o paciente possíveis reações emocionais que venham a ocorrer durante o período de espera do resultado do teste; 􀁺 reforçar a necessidade de adoção de práticas seguras frente ao HIV, também nesse período.
  • 7. Abordagem no PRÉ-TESTE ( em Grupo) 􀁺 resguardar a privacidade de cada membro do grupo; 􀁺 identificar e acolher a demanda do grupo; 􀁺 utilizar linguagem compatível com a cultura dos participantes; 􀁺 explicar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas.
  • 8. Abordagem no PÓS-TESTE Diante de Resultado Negativo: Significa que a pessoa (1) não está infectada ou (2) está infectada tão recentemente que não produziu anticorpos necessários para detecção pelo teste 􀁺 lembrar que um resultado negativo não significa imunidade; 􀁺 avaliar a possibilidade de o paciente estar em janela imunológica e a necessidade de retestagem; 􀁺 reforçar as práticas seguras já adotadas ou a serem adotadas pelo paciente frente ao HIV; 􀁺 reforçar o benefício do uso correto do preservativo e demonstrá-lo; 􀁺 reforçar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas, caso seja necessário.
  • 9. Abordagem no PÓS-TESTE Diante de Resultado Positivo: 􀁺 permitir ao cliente o tempo necessário para assimilar o impacto do diagnóstico e expressar seus sentimentos; 􀁺 conversar sobre sentimentos e dúvidas, prestando o apoio emocional se necessário;estar atento para o manejo adequado da raiva, ansiedade, depressão, medo, negação e outros; 􀁺 desmistificar sentimentos que associam HIV/AIDS à culpa, à punição, à rejeição, à morte e a outros; 􀁺 lembrar que um resultado positivo significa que a pessoa é portadora do vírus, podendo ou não estar com a doença desenvolvida; 􀁺 enfatizar que, mesmo sendo um portador assintomático, o paciente pode transmitir o vírus para outros; 􀁺 reforçar a importância de acompanhamento médico, ressaltando que a infecção é tratável;
  • 10. Objetivos no PÓS-TESTE Diante de Resultado Positivo: 􀁺 reforçar a necessidade de adoção de práticas seguras para a redução de riscos de reinfecção pelo HIV e por outras ITS; 􀁺 reforçar o benefício do uso correto do preservativo e demonstrá-lo; 􀁺 reforçar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas, se necessário. 􀁺 enfatizar a necessidade do resultado ser comunicado ao(s) parceiro(s) atual(is), oferecendo ajuda, caso seja solicitada; 􀁺 orientar quanto à necessidade do(s) parceiro(s) atual(is) realizar(em) teste anti-HIV; 􀁺 definir com o paciente os serviços de assistência necessários, incluindo grupos comunitários de apoio.
  • 11. Abordagem no PÓS-TESTE Diante de Resultado Indeterminado 􀁺 reforçar a adoção de práticas seguras para a redução de riscos de infecção pelo HIV e por outras ITS; 􀁺 reforçar o benefício do uso correto do preservativo e demonstrá-lo; 􀁺 reforçar os benefícios do uso exclusivo de equipamentos para o consumo de drogas injetáveis e demonstrar o método correto de limpeza e desinfecção de seringas e agulhas, caso seja necessário; 􀁺 orientar a realização de nova coleta para retestagem, no período definido pelo laboratório; 􀁺 considerar com o paciente possíveis reações emocionais que venham a ocorrer durante o período de espera do resultado do teste e encaminhá-lo para apoio psicológico s/n
  • 12.
  • 13.
  • 14. Dificuldades em relação a abordagem do PPT Envolve, além dos aspectos biofisiológicos, questões emocionais, familiares, sociais, culturais e políticas, às quais nem sempre os profissionais de saúde estão aptos a dar suporte. Recomenda-se na capacitação: 􀁺 aspectos epidemiológicos 􀁺 aspectos laboratoriais: tipos de testes, valor preditivo, janela, vários resultados; 􀁺 aspectos éticos e psicossociais: sigilo e caráter confidencial; mitos e tabus, preconceitos, estigma, sexualidade, perda e morte, uso de drogas, gênero; 􀁺 aspectos políticos e jurídicos 􀁺 organização do processo de aconselhamento dentro do serviço 􀁺 drogas e redução de danos
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.