SlideShare uma empresa Scribd logo
POLUIÇÃOPOLUIÇÃO
ARAR
DODO
Universidade Federal do Piauí – UFPI
Centro de Tecnologia
Profa
: MARIA LÚCIA
UNIDADE I
1.1. Introdução.
1.2. Composição da atmosfera
1.3. Altura e estrutura da atmosfera
1.4. Algumas definições importantes
1.5. Classificação dos poluentes
1.6. Unidades de medida para poluentes
atmosféricos
O AR ATMOSFÉRICOO AR ATMOSFÉRICO
• A atmosfera é um composto gasoso com
mais de 1000 km de espessura que
envolve o globo terrestre.
• A ação que a força da gravidade exerce
sobre suas moléculas assegura a
presença deste invólocro vital para
homem
ESTRATOS ATMOSFÉRICOSESTRATOS ATMOSFÉRICOS
T E R R A
T R O P O S F E R A
E S T R A T O S F E R A
I O N O S F E R A
E X O S F E R A
Altitude média 11km
Altitude 12 a 80km
Altitude 80 a 600km
Altitude 600 a 1000km
COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICACOMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA
Gases % em Volume
Nitrogênio
Oxigênio
Vapor de água
Argônio
Dióxido de Carbono
Neon
Hélio
Metano
78.1%
21%
varia de 0 - 4%
0.93%
por volta de 0.3%
abaixo dos 0.002%
0.0005%
0.0002%
AR
POLUIÇÃO ÁGUA  estão quase sempre interrelacionadas.
SOLO
POLUIÇÃO
ATMOSFÉRICA
INTRODUÇÃO
PRINCIPAISPRINCIPAIS
POLUENTES DO ARPOLUENTES DO AR
Cinco compostos significam mais de 90% do
problema da contaminação atmosférica:
1. Monóxido de carbono (CO);
2. Óxidos de nitrogênio (NOx
);
3. Hidrocarbonetos (HC);
4. Óxidos de enxofre (Sox
);
5. Partículas
QUALIDADE DO AR
•
- POEIRAS: São partículas sólidas produzidas por manipulação, esmagamento,
trituração e desintegração da matéria orgânica ou inorgânica, tais como rochas,
minérios, etc.
- FUMOS: são partículas sólidas resultantes da condensação ou (re)sublimação de
gases. Têm diâmetro médio inferior 0,5 µm.
-NÉVOAS: são gotículas líquidas em suspensão, produzidas pela condensação dos
gases ou pela passagem de um líquido a estado de dispersão.
- VAPOR: é a forma gasosa de substâncias normalmente sólidas ou líquidas (a 25 0
C e
760 mmHg) que podem voltar a estes estados por aumento da pressão ou por
dimunuição da temperatura.
- GASES: são normalmente fluidos sem forma que ocupam o espaço que os contêm e
só podem liquefazer-se ou solidificar-se sob a ação combinada de aumento de pressão e
redução da temperatura.
1.4. Algumas definições importantes
Poluentes Primários, são aqueles
que são emitidos diretamente
pelas fontes para a atmosfera,
sendo expelidos diretamente por
estas (p.ex. os gases que provêm
do tubo de escape de um veículo
automóvel ou de uma chaminé de
uma fábrica).
Exemplos: monóxido de carbono
(CO), óxidos de azoto (NOx)
constituídos pelo monóxido de
azoto (NO) e pelo dióxido de azoto
(NO2), dióxido de enxofre (SO2) ou
as partículas em suspensão
Poluentes Secundários, os que resultam de reações químicas que ocorrem na atmosfera e
onde participam alguns poluentes primários.
Exemplo: o ozônio troposférico (O3), o qual resulta de reações fotoquímicas, isto é realizadas na
presença de luz solar, que se estabelecem entre os óxidos de azoto, o monóxido de carbono ou os
Compostos Orgânicos Voláteis
1.5. Classificação dos1.5. Classificação dos
poluentespoluentes
De acordo com a origem:
a) Primários
b) Secundários
Classificação dos poluentes...Classificação dos poluentes...
De acordo com o estado:
a) Gases e vapores: CO, CO2, SO2, NO2
b) Partículas sólidas e líquidas: poeiras, fumos, névoas
(AEROSÓIS ou AERODISPERSÓIDES).
-
De acordo com a composição química:
a) Poluentes orgânicos: HC’s, aldeídos e cetonas
b) Poluentes inorgânicos: H2S, HF, NH3
Emissões primárias
A. Partículas finas (menos que 100 µm em diâmetro)
Metal; carbono; alcatrão; resina; polém; fungos; bactérias; óxidos;
nitratos; sulfatos; silicatos; etc.
• catalizadores de reações normalmente lentas devido a alta
superfície específica;
•núcleos de condensação e coalescência de outras partículas e
vapores;
•alta toxicidade para plantas e animais ou corrosivos de estruturas
metálicas;
•se radioativas podem provocar mutações genéticas;
•como partículas sofrem atração gravitacional e eletrostática,
sujando tecidos, edifícios, etc.;
•efeitos adversos à saúde ao exceder 80 µg/m³ em média
Emissões primárias...
B Partículas grosseiras (maior que 100 µ m em diâmetro)
Apresentam os mesmos problemas em grau diminuído, porque:
• atração gravitacional mais efetiva;
•encontra limites nos mecanismos fisiológicos de defesa dos
animais e homem;
•permitem muito menos oportunidade para reações com outros
componentes do ar poluído (pequenas superfícies específicas);
•causam menos incômodos a população.
Emissões primárias...
C. Compostos orgânicos
Composto Grupo funcional Função
CH3-OH OH ÁLCOOL
CH3 - C - CH3
CETONA
CH3 - NH2 NH2 AMINA
CH3 - C
O
OH
C
O
O
OH
C
ÁCIDO
ORGÂNICO
CH3 - O - CH3
O ÉTER
CH3 - C
O
H
O
H
C
ALDEÍDO
CH3 – SH R SH Compostos Sulfurados
(MERCAPTANAS)
Hidrocarbonetos
aromáticos e alifáticos, saturados e
insaturados e seus derivados
oxigenados e halogenados.:
♦ emitidos como vapores ou até
gotículas
♦ odores
♦ alguns são associados a câncer
2. Fontes de poluição atmosférica:2. Fontes de poluição atmosférica:
•
2.1) Fontes naturais: poluição originada por fenômenos
biológicos e geoquímicos como é o caso das reações químicas
na atmosfera.
2.2) Fontes antropogênicas: poluição originada pela atividade
humana (industrial ou urbana):
a) Fontes estacionárias (ou fixas): combustão, processo
industrial, queima de resíduos sólidos.
•
b) Fontes móveis: veículos automotores, barcos, trens, etc.
FONTES DA POLUIÇÃOFONTES DA POLUIÇÃO
ATMOSFÉRICAATMOSFÉRICA
• FONTES MÚLTIPLAS
podem ser FIXAS ou
MÓVEIS, geralmente se
dispersam pela comunidade,
oferecendo grande
dificuldade de serem
avaliadas na base de fonte
por fonte Ex: Carros x
Ex: Casas
FONTES DA POLUIÇÃOFONTES DA POLUIÇÃO
ATMOSFÉRICAATMOSFÉRICA
• FONTES ESPECÍFICAS
são FIXAS em
determinado território,
ocupam na comunidade
área relativamente
limitada e permitem uma
avaliação na base de
fonte por fonte
Ex: Indústrias
Poluição
atmosférica
urbana
POLUIÇÃO DO AR NAS
ATMOSFERAS URBANAS
Principais fontes de poluição do ar ePrincipais fontes de poluição do ar e
principais poluentesprincipais poluentes
FONTES POLUENTES
COMBUSTÃO Material particulado. Dióxido de enxofre; Trióxido
de enxofre, Monóxido de carbono,
Hidrocarbonetos e Óxidos de nitrogênio
FONTES PROCESSO INDUSTRIAL Mat. particulados (fumos, poeiras, névoas)
Gases: - SO2
- SO3
- Hcl, Hidrocarbonetos
ESTACIONÁRIAS QUEIMA RESÍDUOS
SÓLIDOS
Material particulados
Gases: - - SO2
- SO3
- Nox
- HCl
OUTRAS Hidrocarbonetos, Material particulado
FONTES MÓVEIS Veículos: Gasolina,
Diesel, Álcool, Aviões, Moto,
Barcos, Trens
Material particulado, Monóxido Carbono, Óxidos
de Nitrogênio, Hidrocarbonetos. Aldeídos, Ácidos
Orgânicos.
FONTES NATURAIS Material particulados - poeiras
Gases: SO2
- H2
S - CO - NO2
, Hidrocarbon
REAÇÕES QUÍMICAS NA ATMOSFERA. EX:
Hidrocarbonetos + óxidos de nitrogênio (luz solar)
Poluentes secundários - Aldeídos, Ácidos
orgânicos, Nitratos orgânicos, Aerosol
fotoquímico, etc.
Referência: CETESB - Relatório de qualidade do ar na região metropolitana de São Paulo(RMSP) e em Cubatão, 1988.
• A poluição natural é originada por
fenômenos físicos, biológicos e
geoquímicos.
• Entre as fontes naturais podemos
apontar o solo, a vegetação (polinização),
os oceanos, vulcões e fontes naturais de
líquidos, gases e vapores, descargas
elétricas atmosféricas, etc
FONTES DA POLUIÇÃOFONTES DA POLUIÇÃO
ATMOSFÉRICAATMOSFÉRICA
FONTES NATURAIS
FONTES DA POLUIÇÃO
ATMOSFÉRICA
FONTES NATURAIS
Lago da Paz – república dos Camarões (21/08/1986)
HAVAI - KILAUEA
Setembro 2004 – emissão de 2500
toneladas de enxofre por dia
Ativo desde 1983
Transmissão da
Tuberculose ,
gripe, etc ...
Os seres
humanos...
DIÓXIDO DE CARBONO (CODIÓXIDO DE CARBONO (CO22))
• FONTES
 respiração, decomposição de plantas e animais e
queimadas naturais de florestas;
 queima de combustíveis fósseis, desflorestamento,
queima de biomassa e fabricação de cimento
• CONCENTRAÇÃO
 antes 1750 - 280 ppmv (partes por milhão por volume )
 em 1958 – 315 ppmv
 em 1992 – 355 ppmv
DIÓXIDO DE CARBONO (CODIÓXIDO DE CARBONO (CO22))
• Contribui para o equilibrio térmico do
planeta
• Matéria prima para fotossíntese
• EFEITOS
Principal gás do “efeito estufa”
METANO (CHMETANO (CH44))
• FONTES
 Matéria orgânica em decomposição
 Cultivo de arroz, queima de biomassa, queima de
combustíveis fósseis
• CONCENTRAÇÃO
 Atual – 1,72 ppmv
 Antes Revolução Industrial – 0,8 ppmv
• EFEITOS
Pulmões
Sistema cardiovascular e sistema
nervoso
METANO (CHMETANO (CH44))
• FONTES
 Oceanos, florestas tropicais
 Produção de nylon, ácido nítrico, atividades agrícolas,
queima de biomassa e queima de combustíveis fósseis
• CONCENTRAÇÃO
 Em 1993 – 310 ppbv (partes por bilhão por volume)
 Antes Revolução Industrial – 275 ppbv
ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NOÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NO22))
ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NOÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NO22))
• EFEITOS
Inflamações do sistema respiratório (traqueítes,
bronquites crônicas, enfisema pulmonar,
broncopneumonias)
Reduz fotossíntese
Chuvas ácidas
MONÓXIDO DE CARBONO (CO)MONÓXIDO DE CARBONO (CO)
• FONTES
 Tráfego (veículos)
 Indústrias
 Vegetação
• CONCENTRAÇÃO
 A partir dos anos 80, a emissão de CO pelos
automóveis passou de 33 gramas por quilômetro rodado
(gCO/Km) para 0,43 gCO/Km o que resultou numa
queda progressiva na poluição, mesmo com o aumento
da frota de veículos. Contudo em 2000 apresentou um
pequeno crescimento.
• FONTES:
produção de espumas, industria de ar condicionado,
aerossois
• EFEITOS
 Destruição da camada de ozônio
 Efeito estufa
 Radiação ultravioleta (queimaduras de pele, câncer de
pele)
HALOCARBONOS (CFCs, HCFCs, HFCs)HALOCARBONOS (CFCs, HCFCs, HFCs)
PADRÕES DE QUALIDADEPADRÕES DE QUALIDADE
DO ARDO AR
• São concentrações máximas de poluentes
suportáveis por um dado intervalo de
tempo.
• Depende da toxidez específica de cada
poluente, de sua concentração e do
tempo de exposição.
MONÓXIDO DE CARBONO (CO)MONÓXIDO DE CARBONO (CO)
• EFEITOS
Concentração
atmosférica de CO
(ppm)
Tempo médio para
acumulação (minutos)
Sintomas
50 150 Dor de cabeça leve
100 120
Dor de cabeça moderada
e tontura
250 120
Dor de cabeça severa e
tontura
500 90
Náuseas, vômitos,
colapso
1.000 60 Coma
10.000 5 Morte
DIÓXIDO DE ENXOFRE (SODIÓXIDO DE ENXOFRE (SO22))
• FONTES
 Combustão (petróleo e carvão mineral)
 Veículos à diesel
• EFEITOS
 Sistema respiratório
 Problemas cardiovasculares
 Chuva ácida
SMOG FOTOQUÍMICOSMOG FOTOQUÍMICO
• FONTES
 reação dos hidrocarbonetos e óxido de nitrogênio na
presença de luz solar
• CONCENTRAÇÃO
 0,3 ppmv
SMOG FOTOQUÍMICOSMOG FOTOQUÍMICO
• REDUÇÃO
 Controle dos veículos automotores (combustão)
• EFEITOS
 Irritação dos olhos e vias respiratórias
 Envelhecimento precoce e corrosão dos tecidos
EFEITO ESTUFAEFEITO ESTUFA
EE
BURACO NA CAMADABURACO NA CAMADA
DE OZÔNIODE OZÔNIO
Mocinho ou vilão?
ENTENDENDO O EFEITO ESTUFA
POTENCIALIZADORES DAPOTENCIALIZADORES DA
POLUIÇÃO ATMOSFÉRICAPOLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
• Inversão térmica.
• Direção dos ventos.
• Condições meteorológicas.
• Vegetação.
Efeito Estufa natural (“mocinho”)Efeito Estufa natural (“mocinho”): grande parte se deve a presença
de água na atmosfera (em forma de vapor, 85% e partículas de água
12%)
Em conseqüência da poluição (“vilão”)Em conseqüência da poluição (“vilão”): Se deve principalmente pelo
dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), óxido nitroso (N2O),
clorofluorcarbonetos (CFCs), hidroclorofluorcarbonetos (HCFCs) e o
hexafluoreto de enxofre (SF6)
A TERRA: UMA GRANDE ESTUFA
O SUPERAQUECIMENTO GLOBAL E SUAS
CONSEQÜÊNCIAS
O aumento no teor atmosférico dos gases-estufa leva a um maior
bloqueio da radiação infravermelha, causando uma exacerbação do efeito
estufa: aquecimento da atmosfera e aumento da temperatura da
superfície terrestre
Elevação do nível dos mares
Alterações climáticas em todo o planeta
Aumento da biomassa terrestre e oceânica
Modificações profundas na vegetação característica de certas
regiões e típicas de determinadas altitudes
Aumento na incidência de doenças e proliferação de insetos
nocivos ou vetores de doenças
ESTAMOS PERDENDO PROTEÇÃO
COMO A CAMADA DE OZÔNIO PROTEGE A TERRA?
Quimicamente temos:
OOUVO
OOO
OOUVO
+→+
→+
+→+
23
32
2
COMO SE FORMA O BURACO NA CAMADA DE
OZÔNIO?
Os CFCs sobem lentamente para camadas superiores à camada de ozônio. Os raios
ultravioletas decompõe os CFCs, liberando átomos de Cloro (Cl). O cloro como é
mais denso, desce, voltando para a camada de ozônio, destruindo-o.
Quimicamente temos
OClClO
OClOOCl
+→
+→+ 23
OS EFEITOS DA DIMINUIÇÃO DA CAMADA DE
OZÔNIO ATINGEM O HEMISFÉRIO SUL
aumento nos casos de câncer de pele e catarata em regiões do hemisfério sul,
como a Austrália, Nova Zelândia, África do Sul e Patagônia.
Em Queensland, no nordeste da Austrália, mais de 75% dos cidadãos acima de
65 anos apresentam alguma forma de câncer de pele; a lei local obriga as
crianças a usarem grandes chapéus e cachecóis quando vão à escola, para se
protegerem das radiações ultravioletas.
A Academia de Ciências dos Estados Unidos calcula que apenas na Austrália,
estejam surgindo anualmente 10 mil casos de carcinoma de pele por causa da
redução da camada de ozônio.
O Ministério da Saúde do Chile informou que desde o aparecimento do buraco
na camada de ozônio sobre o pólo Sul, os casos de câncer de pele no Chile
cresceram 133%; atualmente o governo faz campanhas para a população utilizar
cremes protetores para a pele e não ficar exposta ao sol durante as horas mais
críticas do dia.
ACÕES PREVENTIVAS REDUZEM A
CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES
CONTROLE DE EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS AUTOMOTORES
Uso de combustíveis menos poluidores,
o gás natural por exemplo
Instalação de catalisadores
Operação e manutenção adequadas do
veículo, visando o bom funcionamento do
mesmo
Rodízio de carros
CONTROLE DE EMISSÃO DE POLUENTES PELAS INDÚSTRIAS
Altura adequada das chaminés de
indústrias, em função das condições de
dispersão dos poluentes
Uso de matérias primas e combustíveis
que resultem em resíduos gasosos menos
poluidores
Melhoria da combustão: quanto mais
completa a combustão, menor a emissão
de poluentes
Instalação de filtros nas chaminés
Tratamento de resíduos químicos
O QUE PODEMOS FAZER PARA CONTRIBUIR COM A DIMINUIÇÃO DE
POLUENTES?
Evitar queimar compostos orgânicos ou
lixo de um modo geral
Plantar mais árvores
Reduzir o lixo
Fazer vistorias constantes em seus
veículos e se empresário, em suas
indústrias.
Prefira organizar um sistema de
caronas, diminuindo o volume de carros
nas ruas
ACOMPANHE A EVOLUÇÃO DO BURACO NA
CAMADA DE OZÔNIO (1980-1991)
SITUAÇÃO ATUAL DA CAMADA DE OZÔNIO
Em setembro de 2000,
com 29,78 milhões de Km2
Em setembro de 2003,
com 28,2 milhões de Km2
O PROTOCOLO DE KYOTO (1997)
 Acordo internacional, assinado por 84 países, em 1997, em Kyoto no
Japão, que estabelece, entre 2008 e 2012, a redução de 5,2% dos gases-
estufa, em relação aos níveis em 1990.
METAS DE REDUÇÃO
Países da União Européia – 8%
Estados Unidos – 7%
Japão – 6%
Para a China e os países em
desenvolvimento, como Brasil, Índia
e México, ainda não foram
estabelecidos níveis de redução
Balão com os dizeres “Bush & Co. =
desastre ambiental” na Patagônia
(Argentina) em protesto contra os E.U.A
FIM
XVoltar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
laiszanatta
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
Edvaldo S. Júnior
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
Petedanis
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequências
Charlles Moreira
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
Simone Peixoto
 
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
solanicandido
 
Poluição dos solos
Poluição dos solosPoluição dos solos
Poluição dos solos
limaw
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
Carlos Priante
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Helena Marques
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
Margarida Santos
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
João Paulo Luna
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Blog do Prof. Elienai
 
Aula sobre educação ambiental
Aula sobre educação ambientalAula sobre educação ambiental
Aula sobre educação ambiental
Sonho Decriança
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
Diogo Mateus
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
DAIANE AZOLINI
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
Paulo Vaz
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
JOSELENE XAVIER
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
Uilson Pereira da Silva
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
mainamgar
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Tânia Reis
 

Mais procurados (20)

Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequências
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
 
Poluição dos solos
Poluição dos solosPoluição dos solos
Poluição dos solos
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Aula sobre educação ambiental
Aula sobre educação ambientalAula sobre educação ambiental
Aula sobre educação ambiental
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 

Destaque

Poluição do Ar - Frei João
Poluição do Ar - Frei JoãoPoluição do Ar - Frei João
Poluição do Ar - Frei João
malex86
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
Pessoal
 
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns DadosPoluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
clique
 
Poluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidasPoluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidas
ap3bmachado
 
PoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºBPoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºB
Teresa Monteiro
 
Animais em vias de extinção em portugal
Animais em vias de extinção em portugalAnimais em vias de extinção em portugal
Animais em vias de extinção em portugal
Ana Gmail
 
POLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUAPOLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUA
Patrícia Santos
 
Poluição das Águas
Poluição das  ÁguasPoluição das  Águas
Poluição das Águas
Helena Marques
 

Destaque (8)

Poluição do Ar - Frei João
Poluição do Ar - Frei JoãoPoluição do Ar - Frei João
Poluição do Ar - Frei João
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns DadosPoluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
Poluição do Ar em Portugal - Alguns Dados
 
Poluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidasPoluicao do ar e chuvas acidas
Poluicao do ar e chuvas acidas
 
PoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºBPoluiçãO áGua 8ºB
PoluiçãO áGua 8ºB
 
Animais em vias de extinção em portugal
Animais em vias de extinção em portugalAnimais em vias de extinção em portugal
Animais em vias de extinção em portugal
 
POLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUAPOLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUA
 
Poluição das Águas
Poluição das  ÁguasPoluição das  Águas
Poluição das Águas
 

Semelhante a Poluiçao do ar

Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás naturalVisão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Sulgás
 
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdfAula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
DiegoMontes72
 
Quimica Atmosfera
Quimica AtmosferaQuimica Atmosfera
Quimica Atmosfera
Raquel Gastao Daniel
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
Paulo Santos
 
Residuos unifra2
Residuos unifra2Residuos unifra2
Residuos unifra2
larissamesquita
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
Roberto Bondarik
 
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdfAula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
DboraAlvim1
 
Origem dos poluentes atmosféricos
Origem dos poluentes atmosféricosOrigem dos poluentes atmosféricos
Origem dos poluentes atmosféricos
anealves
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Globalwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Global
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasParticulares.Info - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
www.AulasParticulares.Info - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Globalwww.AulasParticulares.Info - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Global
www.AulasParticulares.Info - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
AulasPartInfo
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento G...
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento G... www.AulasDeGeografiaApoio.com  - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento G...
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento G...
Aulas De Geografia Apoio
 
Poluição por gases e vapores
Poluição por gases e vaporesPoluição por gases e vapores
Poluição por gases e vapores
Michelle Martha
 
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúdeAula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
DboraAlvim1
 
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptxFunções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
DanielleReisLucas
 
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕESFUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
PerilaMRebouas
 
Poluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricosPoluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricos
Eldimar Paes
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
Leonor Vaz Pereira
 
Aula quimica atmosferica
Aula quimica atmosfericaAula quimica atmosferica
Aula quimica atmosferica
Leandro Da Paz Aristides
 
Biologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luisBiologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luis
becresforte
 
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptxa importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
MariaCandidaSantos1
 

Semelhante a Poluiçao do ar (20)

Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás naturalVisão Ambiental sobre sistemas a gás natural
Visão Ambiental sobre sistemas a gás natural
 
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdfAula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
 
Quimica Atmosfera
Quimica AtmosferaQuimica Atmosfera
Quimica Atmosfera
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
 
Residuos unifra2
Residuos unifra2Residuos unifra2
Residuos unifra2
 
Desequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientaisDesequilibrios ambientais
Desequilibrios ambientais
 
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdfAula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
 
Origem dos poluentes atmosféricos
Origem dos poluentes atmosféricosOrigem dos poluentes atmosféricos
Origem dos poluentes atmosféricos
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Globalwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Global
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
 
www.AulasParticulares.Info - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
www.AulasParticulares.Info - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Globalwww.AulasParticulares.Info - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Global
www.AulasParticulares.Info - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento G...
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento G... www.AulasDeGeografiaApoio.com  - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento G...
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento G...
 
Poluição por gases e vapores
Poluição por gases e vaporesPoluição por gases e vapores
Poluição por gases e vapores
 
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúdeAula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
 
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptxFunções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
Funções inorgânicas_oxidos_meioambiente.pptx
 
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕESFUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
 
Poluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricosPoluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricos
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
 
Aula quimica atmosferica
Aula quimica atmosfericaAula quimica atmosferica
Aula quimica atmosferica
 
Biologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luisBiologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luis
 
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptxa importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
 

Mais de escolaodeteribaroli

1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese
escolaodeteribaroli
 
A gangorra
A gangorra A gangorra
A gangorra
escolaodeteribaroli
 
Lixo orgânico
Lixo orgânicoLixo orgânico
Lixo orgânico
escolaodeteribaroli
 
Balas
BalasBalas
Relevo do paraná
Relevo do paranáRelevo do paraná
Relevo do paraná
escolaodeteribaroli
 
A vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovoA vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovo
escolaodeteribaroli
 
Receitas alternativas
Receitas alternativasReceitas alternativas
Receitas alternativas
escolaodeteribaroli
 
Como fosse dinheiro
Como fosse dinheiroComo fosse dinheiro
Como fosse dinheiro
escolaodeteribaroli
 
O bolo de belinha
O bolo de belinhaO bolo de belinha
O bolo de belinha
escolaodeteribaroli
 
HISTÓRIA DA GASTRONOMIA
HISTÓRIA DA GASTRONOMIAHISTÓRIA DA GASTRONOMIA
HISTÓRIA DA GASTRONOMIA
escolaodeteribaroli
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
escolaodeteribaroli
 
Sanduiche da Maricota
Sanduiche da MaricotaSanduiche da Maricota
Sanduiche da Maricota
escolaodeteribaroli
 
Princesa Arabela, mimada que só ela!
Princesa Arabela, mimada que só ela!Princesa Arabela, mimada que só ela!
Princesa Arabela, mimada que só ela!
escolaodeteribaroli
 
documento 6
documento 6documento 6
documento 6
escolaodeteribaroli
 
Azambrózia (1)
Azambrózia (1)Azambrózia (1)
Azambrózia (1)
escolaodeteribaroli
 
Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?
escolaodeteribaroli
 
Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?
escolaodeteribaroli
 
Geometria (2)
Geometria (2)Geometria (2)
Geometria (2)
escolaodeteribaroli
 
Gabi perdi a hora
Gabi   perdi a horaGabi   perdi a hora
Gabi perdi a hora
escolaodeteribaroli
 
Ciencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidadeCiencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidade
escolaodeteribaroli
 

Mais de escolaodeteribaroli (20)

1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese1 lazer 3 ano aprese
1 lazer 3 ano aprese
 
A gangorra
A gangorra A gangorra
A gangorra
 
Lixo orgânico
Lixo orgânicoLixo orgânico
Lixo orgânico
 
Balas
BalasBalas
Balas
 
Relevo do paraná
Relevo do paranáRelevo do paraná
Relevo do paraná
 
A vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovoA vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovo
 
Receitas alternativas
Receitas alternativasReceitas alternativas
Receitas alternativas
 
Como fosse dinheiro
Como fosse dinheiroComo fosse dinheiro
Como fosse dinheiro
 
O bolo de belinha
O bolo de belinhaO bolo de belinha
O bolo de belinha
 
HISTÓRIA DA GASTRONOMIA
HISTÓRIA DA GASTRONOMIAHISTÓRIA DA GASTRONOMIA
HISTÓRIA DA GASTRONOMIA
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Sanduiche da Maricota
Sanduiche da MaricotaSanduiche da Maricota
Sanduiche da Maricota
 
Princesa Arabela, mimada que só ela!
Princesa Arabela, mimada que só ela!Princesa Arabela, mimada que só ela!
Princesa Arabela, mimada que só ela!
 
documento 6
documento 6documento 6
documento 6
 
Azambrózia (1)
Azambrózia (1)Azambrózia (1)
Azambrózia (1)
 
Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?
 
Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?Onde estão as multiplicações?
Onde estão as multiplicações?
 
Geometria (2)
Geometria (2)Geometria (2)
Geometria (2)
 
Gabi perdi a hora
Gabi   perdi a horaGabi   perdi a hora
Gabi perdi a hora
 
Ciencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidadeCiencias slides biodiversidade
Ciencias slides biodiversidade
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Poluiçao do ar

  • 2. Universidade Federal do Piauí – UFPI Centro de Tecnologia Profa : MARIA LÚCIA UNIDADE I 1.1. Introdução. 1.2. Composição da atmosfera 1.3. Altura e estrutura da atmosfera 1.4. Algumas definições importantes 1.5. Classificação dos poluentes 1.6. Unidades de medida para poluentes atmosféricos
  • 3. O AR ATMOSFÉRICOO AR ATMOSFÉRICO • A atmosfera é um composto gasoso com mais de 1000 km de espessura que envolve o globo terrestre. • A ação que a força da gravidade exerce sobre suas moléculas assegura a presença deste invólocro vital para homem
  • 4. ESTRATOS ATMOSFÉRICOSESTRATOS ATMOSFÉRICOS T E R R A T R O P O S F E R A E S T R A T O S F E R A I O N O S F E R A E X O S F E R A Altitude média 11km Altitude 12 a 80km Altitude 80 a 600km Altitude 600 a 1000km
  • 5. COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICACOMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA Gases % em Volume Nitrogênio Oxigênio Vapor de água Argônio Dióxido de Carbono Neon Hélio Metano 78.1% 21% varia de 0 - 4% 0.93% por volta de 0.3% abaixo dos 0.002% 0.0005% 0.0002%
  • 6. AR POLUIÇÃO ÁGUA  estão quase sempre interrelacionadas. SOLO POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA INTRODUÇÃO
  • 8. Cinco compostos significam mais de 90% do problema da contaminação atmosférica: 1. Monóxido de carbono (CO); 2. Óxidos de nitrogênio (NOx ); 3. Hidrocarbonetos (HC); 4. Óxidos de enxofre (Sox ); 5. Partículas QUALIDADE DO AR
  • 9. • - POEIRAS: São partículas sólidas produzidas por manipulação, esmagamento, trituração e desintegração da matéria orgânica ou inorgânica, tais como rochas, minérios, etc. - FUMOS: são partículas sólidas resultantes da condensação ou (re)sublimação de gases. Têm diâmetro médio inferior 0,5 µm. -NÉVOAS: são gotículas líquidas em suspensão, produzidas pela condensação dos gases ou pela passagem de um líquido a estado de dispersão. - VAPOR: é a forma gasosa de substâncias normalmente sólidas ou líquidas (a 25 0 C e 760 mmHg) que podem voltar a estes estados por aumento da pressão ou por dimunuição da temperatura. - GASES: são normalmente fluidos sem forma que ocupam o espaço que os contêm e só podem liquefazer-se ou solidificar-se sob a ação combinada de aumento de pressão e redução da temperatura. 1.4. Algumas definições importantes
  • 10. Poluentes Primários, são aqueles que são emitidos diretamente pelas fontes para a atmosfera, sendo expelidos diretamente por estas (p.ex. os gases que provêm do tubo de escape de um veículo automóvel ou de uma chaminé de uma fábrica). Exemplos: monóxido de carbono (CO), óxidos de azoto (NOx) constituídos pelo monóxido de azoto (NO) e pelo dióxido de azoto (NO2), dióxido de enxofre (SO2) ou as partículas em suspensão Poluentes Secundários, os que resultam de reações químicas que ocorrem na atmosfera e onde participam alguns poluentes primários. Exemplo: o ozônio troposférico (O3), o qual resulta de reações fotoquímicas, isto é realizadas na presença de luz solar, que se estabelecem entre os óxidos de azoto, o monóxido de carbono ou os Compostos Orgânicos Voláteis 1.5. Classificação dos1.5. Classificação dos poluentespoluentes De acordo com a origem: a) Primários b) Secundários
  • 11. Classificação dos poluentes...Classificação dos poluentes... De acordo com o estado: a) Gases e vapores: CO, CO2, SO2, NO2 b) Partículas sólidas e líquidas: poeiras, fumos, névoas (AEROSÓIS ou AERODISPERSÓIDES). - De acordo com a composição química: a) Poluentes orgânicos: HC’s, aldeídos e cetonas b) Poluentes inorgânicos: H2S, HF, NH3
  • 12. Emissões primárias A. Partículas finas (menos que 100 µm em diâmetro) Metal; carbono; alcatrão; resina; polém; fungos; bactérias; óxidos; nitratos; sulfatos; silicatos; etc. • catalizadores de reações normalmente lentas devido a alta superfície específica; •núcleos de condensação e coalescência de outras partículas e vapores; •alta toxicidade para plantas e animais ou corrosivos de estruturas metálicas; •se radioativas podem provocar mutações genéticas; •como partículas sofrem atração gravitacional e eletrostática, sujando tecidos, edifícios, etc.; •efeitos adversos à saúde ao exceder 80 µg/m³ em média
  • 13. Emissões primárias... B Partículas grosseiras (maior que 100 µ m em diâmetro) Apresentam os mesmos problemas em grau diminuído, porque: • atração gravitacional mais efetiva; •encontra limites nos mecanismos fisiológicos de defesa dos animais e homem; •permitem muito menos oportunidade para reações com outros componentes do ar poluído (pequenas superfícies específicas); •causam menos incômodos a população.
  • 14. Emissões primárias... C. Compostos orgânicos Composto Grupo funcional Função CH3-OH OH ÁLCOOL CH3 - C - CH3 CETONA CH3 - NH2 NH2 AMINA CH3 - C O OH C O O OH C ÁCIDO ORGÂNICO CH3 - O - CH3 O ÉTER CH3 - C O H O H C ALDEÍDO CH3 – SH R SH Compostos Sulfurados (MERCAPTANAS) Hidrocarbonetos aromáticos e alifáticos, saturados e insaturados e seus derivados oxigenados e halogenados.: ♦ emitidos como vapores ou até gotículas ♦ odores ♦ alguns são associados a câncer
  • 15. 2. Fontes de poluição atmosférica:2. Fontes de poluição atmosférica: • 2.1) Fontes naturais: poluição originada por fenômenos biológicos e geoquímicos como é o caso das reações químicas na atmosfera. 2.2) Fontes antropogênicas: poluição originada pela atividade humana (industrial ou urbana): a) Fontes estacionárias (ou fixas): combustão, processo industrial, queima de resíduos sólidos. • b) Fontes móveis: veículos automotores, barcos, trens, etc.
  • 16. FONTES DA POLUIÇÃOFONTES DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICAATMOSFÉRICA • FONTES MÚLTIPLAS podem ser FIXAS ou MÓVEIS, geralmente se dispersam pela comunidade, oferecendo grande dificuldade de serem avaliadas na base de fonte por fonte Ex: Carros x Ex: Casas
  • 17. FONTES DA POLUIÇÃOFONTES DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICAATMOSFÉRICA • FONTES ESPECÍFICAS são FIXAS em determinado território, ocupam na comunidade área relativamente limitada e permitem uma avaliação na base de fonte por fonte Ex: Indústrias
  • 19. POLUIÇÃO DO AR NAS ATMOSFERAS URBANAS
  • 20.
  • 21. Principais fontes de poluição do ar ePrincipais fontes de poluição do ar e principais poluentesprincipais poluentes FONTES POLUENTES COMBUSTÃO Material particulado. Dióxido de enxofre; Trióxido de enxofre, Monóxido de carbono, Hidrocarbonetos e Óxidos de nitrogênio FONTES PROCESSO INDUSTRIAL Mat. particulados (fumos, poeiras, névoas) Gases: - SO2 - SO3 - Hcl, Hidrocarbonetos ESTACIONÁRIAS QUEIMA RESÍDUOS SÓLIDOS Material particulados Gases: - - SO2 - SO3 - Nox - HCl OUTRAS Hidrocarbonetos, Material particulado FONTES MÓVEIS Veículos: Gasolina, Diesel, Álcool, Aviões, Moto, Barcos, Trens Material particulado, Monóxido Carbono, Óxidos de Nitrogênio, Hidrocarbonetos. Aldeídos, Ácidos Orgânicos. FONTES NATURAIS Material particulados - poeiras Gases: SO2 - H2 S - CO - NO2 , Hidrocarbon REAÇÕES QUÍMICAS NA ATMOSFERA. EX: Hidrocarbonetos + óxidos de nitrogênio (luz solar) Poluentes secundários - Aldeídos, Ácidos orgânicos, Nitratos orgânicos, Aerosol fotoquímico, etc. Referência: CETESB - Relatório de qualidade do ar na região metropolitana de São Paulo(RMSP) e em Cubatão, 1988.
  • 22. • A poluição natural é originada por fenômenos físicos, biológicos e geoquímicos. • Entre as fontes naturais podemos apontar o solo, a vegetação (polinização), os oceanos, vulcões e fontes naturais de líquidos, gases e vapores, descargas elétricas atmosféricas, etc FONTES DA POLUIÇÃOFONTES DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICAATMOSFÉRICA FONTES NATURAIS
  • 23. FONTES DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA FONTES NATURAIS Lago da Paz – república dos Camarões (21/08/1986)
  • 24. HAVAI - KILAUEA Setembro 2004 – emissão de 2500 toneladas de enxofre por dia Ativo desde 1983
  • 25. Transmissão da Tuberculose , gripe, etc ... Os seres humanos...
  • 26. DIÓXIDO DE CARBONO (CODIÓXIDO DE CARBONO (CO22)) • FONTES  respiração, decomposição de plantas e animais e queimadas naturais de florestas;  queima de combustíveis fósseis, desflorestamento, queima de biomassa e fabricação de cimento • CONCENTRAÇÃO  antes 1750 - 280 ppmv (partes por milhão por volume )  em 1958 – 315 ppmv  em 1992 – 355 ppmv
  • 27. DIÓXIDO DE CARBONO (CODIÓXIDO DE CARBONO (CO22)) • Contribui para o equilibrio térmico do planeta • Matéria prima para fotossíntese • EFEITOS Principal gás do “efeito estufa”
  • 28. METANO (CHMETANO (CH44)) • FONTES  Matéria orgânica em decomposição  Cultivo de arroz, queima de biomassa, queima de combustíveis fósseis • CONCENTRAÇÃO  Atual – 1,72 ppmv  Antes Revolução Industrial – 0,8 ppmv
  • 29. • EFEITOS Pulmões Sistema cardiovascular e sistema nervoso METANO (CHMETANO (CH44))
  • 30. • FONTES  Oceanos, florestas tropicais  Produção de nylon, ácido nítrico, atividades agrícolas, queima de biomassa e queima de combustíveis fósseis • CONCENTRAÇÃO  Em 1993 – 310 ppbv (partes por bilhão por volume)  Antes Revolução Industrial – 275 ppbv ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NOÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NO22))
  • 31. ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NOÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NO, NO22)) • EFEITOS Inflamações do sistema respiratório (traqueítes, bronquites crônicas, enfisema pulmonar, broncopneumonias) Reduz fotossíntese Chuvas ácidas
  • 32. MONÓXIDO DE CARBONO (CO)MONÓXIDO DE CARBONO (CO) • FONTES  Tráfego (veículos)  Indústrias  Vegetação • CONCENTRAÇÃO  A partir dos anos 80, a emissão de CO pelos automóveis passou de 33 gramas por quilômetro rodado (gCO/Km) para 0,43 gCO/Km o que resultou numa queda progressiva na poluição, mesmo com o aumento da frota de veículos. Contudo em 2000 apresentou um pequeno crescimento.
  • 33. • FONTES: produção de espumas, industria de ar condicionado, aerossois • EFEITOS  Destruição da camada de ozônio  Efeito estufa  Radiação ultravioleta (queimaduras de pele, câncer de pele) HALOCARBONOS (CFCs, HCFCs, HFCs)HALOCARBONOS (CFCs, HCFCs, HFCs)
  • 34. PADRÕES DE QUALIDADEPADRÕES DE QUALIDADE DO ARDO AR • São concentrações máximas de poluentes suportáveis por um dado intervalo de tempo. • Depende da toxidez específica de cada poluente, de sua concentração e do tempo de exposição.
  • 35. MONÓXIDO DE CARBONO (CO)MONÓXIDO DE CARBONO (CO) • EFEITOS Concentração atmosférica de CO (ppm) Tempo médio para acumulação (minutos) Sintomas 50 150 Dor de cabeça leve 100 120 Dor de cabeça moderada e tontura 250 120 Dor de cabeça severa e tontura 500 90 Náuseas, vômitos, colapso 1.000 60 Coma 10.000 5 Morte
  • 36. DIÓXIDO DE ENXOFRE (SODIÓXIDO DE ENXOFRE (SO22)) • FONTES  Combustão (petróleo e carvão mineral)  Veículos à diesel • EFEITOS  Sistema respiratório  Problemas cardiovasculares  Chuva ácida
  • 37. SMOG FOTOQUÍMICOSMOG FOTOQUÍMICO • FONTES  reação dos hidrocarbonetos e óxido de nitrogênio na presença de luz solar • CONCENTRAÇÃO  0,3 ppmv
  • 38. SMOG FOTOQUÍMICOSMOG FOTOQUÍMICO • REDUÇÃO  Controle dos veículos automotores (combustão) • EFEITOS  Irritação dos olhos e vias respiratórias  Envelhecimento precoce e corrosão dos tecidos
  • 39. EFEITO ESTUFAEFEITO ESTUFA EE BURACO NA CAMADABURACO NA CAMADA DE OZÔNIODE OZÔNIO
  • 42. POTENCIALIZADORES DAPOTENCIALIZADORES DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICAPOLUIÇÃO ATMOSFÉRICA • Inversão térmica. • Direção dos ventos. • Condições meteorológicas. • Vegetação.
  • 43. Efeito Estufa natural (“mocinho”)Efeito Estufa natural (“mocinho”): grande parte se deve a presença de água na atmosfera (em forma de vapor, 85% e partículas de água 12%) Em conseqüência da poluição (“vilão”)Em conseqüência da poluição (“vilão”): Se deve principalmente pelo dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), óxido nitroso (N2O), clorofluorcarbonetos (CFCs), hidroclorofluorcarbonetos (HCFCs) e o hexafluoreto de enxofre (SF6) A TERRA: UMA GRANDE ESTUFA
  • 44. O SUPERAQUECIMENTO GLOBAL E SUAS CONSEQÜÊNCIAS O aumento no teor atmosférico dos gases-estufa leva a um maior bloqueio da radiação infravermelha, causando uma exacerbação do efeito estufa: aquecimento da atmosfera e aumento da temperatura da superfície terrestre Elevação do nível dos mares Alterações climáticas em todo o planeta Aumento da biomassa terrestre e oceânica Modificações profundas na vegetação característica de certas regiões e típicas de determinadas altitudes Aumento na incidência de doenças e proliferação de insetos nocivos ou vetores de doenças
  • 46. COMO A CAMADA DE OZÔNIO PROTEGE A TERRA? Quimicamente temos: OOUVO OOO OOUVO +→+ →+ +→+ 23 32 2 COMO SE FORMA O BURACO NA CAMADA DE OZÔNIO? Os CFCs sobem lentamente para camadas superiores à camada de ozônio. Os raios ultravioletas decompõe os CFCs, liberando átomos de Cloro (Cl). O cloro como é mais denso, desce, voltando para a camada de ozônio, destruindo-o. Quimicamente temos OClClO OClOOCl +→ +→+ 23
  • 47. OS EFEITOS DA DIMINUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO ATINGEM O HEMISFÉRIO SUL aumento nos casos de câncer de pele e catarata em regiões do hemisfério sul, como a Austrália, Nova Zelândia, África do Sul e Patagônia. Em Queensland, no nordeste da Austrália, mais de 75% dos cidadãos acima de 65 anos apresentam alguma forma de câncer de pele; a lei local obriga as crianças a usarem grandes chapéus e cachecóis quando vão à escola, para se protegerem das radiações ultravioletas. A Academia de Ciências dos Estados Unidos calcula que apenas na Austrália, estejam surgindo anualmente 10 mil casos de carcinoma de pele por causa da redução da camada de ozônio. O Ministério da Saúde do Chile informou que desde o aparecimento do buraco na camada de ozônio sobre o pólo Sul, os casos de câncer de pele no Chile cresceram 133%; atualmente o governo faz campanhas para a população utilizar cremes protetores para a pele e não ficar exposta ao sol durante as horas mais críticas do dia.
  • 48. ACÕES PREVENTIVAS REDUZEM A CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES
  • 49. CONTROLE DE EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS AUTOMOTORES Uso de combustíveis menos poluidores, o gás natural por exemplo Instalação de catalisadores Operação e manutenção adequadas do veículo, visando o bom funcionamento do mesmo Rodízio de carros
  • 50. CONTROLE DE EMISSÃO DE POLUENTES PELAS INDÚSTRIAS Altura adequada das chaminés de indústrias, em função das condições de dispersão dos poluentes Uso de matérias primas e combustíveis que resultem em resíduos gasosos menos poluidores Melhoria da combustão: quanto mais completa a combustão, menor a emissão de poluentes Instalação de filtros nas chaminés Tratamento de resíduos químicos
  • 51. O QUE PODEMOS FAZER PARA CONTRIBUIR COM A DIMINUIÇÃO DE POLUENTES? Evitar queimar compostos orgânicos ou lixo de um modo geral Plantar mais árvores Reduzir o lixo Fazer vistorias constantes em seus veículos e se empresário, em suas indústrias. Prefira organizar um sistema de caronas, diminuindo o volume de carros nas ruas
  • 52. ACOMPANHE A EVOLUÇÃO DO BURACO NA CAMADA DE OZÔNIO (1980-1991)
  • 53. SITUAÇÃO ATUAL DA CAMADA DE OZÔNIO Em setembro de 2000, com 29,78 milhões de Km2 Em setembro de 2003, com 28,2 milhões de Km2
  • 54. O PROTOCOLO DE KYOTO (1997)  Acordo internacional, assinado por 84 países, em 1997, em Kyoto no Japão, que estabelece, entre 2008 e 2012, a redução de 5,2% dos gases- estufa, em relação aos níveis em 1990. METAS DE REDUÇÃO Países da União Européia – 8% Estados Unidos – 7% Japão – 6% Para a China e os países em desenvolvimento, como Brasil, Índia e México, ainda não foram estabelecidos níveis de redução Balão com os dizeres “Bush & Co. = desastre ambiental” na Patagônia (Argentina) em protesto contra os E.U.A