SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Hamilton F. Nobrega
Conceito Etimólogo:
• Osteologia é derivada das palavras ósteon que
significa “osso”, e logos, que significa um “ramo de
conhecimento”.
Conceito Anatômico:
• É o estudo das formações intimamente ligadas ou
relacionadas com os ossos, com eles formando um
todo (esqueleto).
Conceitos
Constituídos por
tecido conjuntivo
mineralizado
Matriz mineral Óssea
Ossos: Composição
Componentes da Matriz Óssea
• Parte inorgânica (mineral): 65 - 75% do peso
– principalmente cálcio e fósforo
– outros minerais: Mg, Na, K
• Parte orgânica: 25 - 35% do peso
– colágeno I (90-95%)
– proteoglicanas e proteínas de adesão
O colágeno confere resistência e os cristais a dureza do
tecido ósseo
Ossos: Composição
• Constituídos por células
• Possuem nervos e vasos
sanguíneos
O osso é um tecido dinâmico que cresce até a idade adulta.
Após a idade adulta, está sob constante remodelamento
Ossos: Composição
Tecido Ósseo
• É composto por:
– Matriz Óssea
• Orgânica
• Inorgânica
– Células
• Osteogênicas
• Osteoblastos
• Osteócitos
• Osteoclastos
Ossos: Composição
Tipos de células ósseas
Células osteogênicas:
Células-tronco não especializadas encontradas no
periósteo, endósteo e canais que contém vasos
sanguíneos. Participam do processo de ossificação.
Osteoblastos:
Células produtoras de osso. Sintetizam e secretam
colágeno e outros componentes da matriz.
Ossos: Composição
Tipos de células ósseas
Osteócitos:
Osteoblastos maduros que realizam a troca de nutrientes
e metabólitos com o sangue.
Osteoclastos:
Fusão de até 50 monócitos (glóbulo brancos do sangue)
que ficam concentradas no endósteo. Liberam enzimas
que digerem componentes protéicos e minerais do osso
adjacente.
Ossos: Composição
Células Osteoprogenitoras ou Osteogênicas
• Localizadas no periósteo,
revestindo os canais de Havers;
• Capacidade de sofrer divisões
mitóticas;
• Tem o potencial de se diferenciar
em osteoblastos;
• São mais ativas durante o
período de crescimento ósseo
intenso
Ossos: Composição
Células Osteoprogenitoras ou Osteogênicas
Ossos: Composição
• Derivados das células
osteoprogenitoras, sem
atividade mitótica;
• Sintetizam a porção
orgânica da matriz
(colágeno, proteoglicanos
e glicoproteínas);
• Localizam-se na
superfície do tecido ósseo
Ossos: Osteoblastos
Secretam fatores de crescimento que facilita o recrutamento de
osteblastos para facilitar o remodelamento ósseo
Ossos: Osteócitos
• Localizados em lacunas de Howship (depressões da
matrizes cavadas pela atividade dos osteoclastos)
• A reabsorção óssea é controlada pelo paratôrmonio
(paratireóide) e calcitonina (tireóide).
Ossos: Osteoclastos
•São células multinucleadas,
móveis, derivadas de
progenitores da linhagem de
macrófagos
•Desempenham papel na
reabsorção óssea, e após
terminar em desfazê-la
sofrem apoptose.
• Ocorre por ossificação ou osteogênese
– Ossificação intramembranosa: formado pela condensação
de células mesenquimais; se formam sem passar pelo estágio
inicial de cartilagem. Ex.: ossos chatos do crânio e mandíbula.
célula osteogênica → osteoblasto (secreção de matriz) →
osteócito.
– Ossificação endocondral: formação do osso dentro da
cartilagem hialina. Ex. osso longo.
células mesenquimais → condrobastos (“molde” da cartilagem
hialina do osso) → osteoblastos substituem a cartilagem por
osso.
Formação do Osso
Ossos: Tecido Ósseo
Estrutura Histológica
Ossos: Tecido Ósseo
Estrutura Citológica
• Dureza: substâncias minerais.
• Elasticidade: substâncias orgânicas (proteína)
• Erosão: retirada de sais minerais pelo próprio
organismo.
• Coloração: branco amarelado.
Ossos: Características
Ossos axiais
(esqueleto axial):
são formados pelo crânio, esterno,
costelas, caixa torácica, coluna
vertebral e osso hióide.
Ossos apendiculares
(esqueleto apendicular):
são formados por estruturas ósseas
em torno das quais os membros e
suas cinturas são fixadas.
Classificação dos Ossos
Quanto a sua Posição Topográfica
– Ossos longos
– Ossos alongados
– Ossos curtos
– Ossos planos ou chatos
– Ossos irregulares
– Ossos pneumáticos
– Ossos sesamóides
Classificação dos Ossos
Quanto a sua Forma
Classificação dos Ossos
Ossos Longos
• Comprimento maior que a espessura e largura.
Ex: ossos do esqueleto apendicular
Classificação dos Ossos
Ossos Alongados
• O comprimento predomina sobre a largura e espessura e
não apresentam um canal medular.
Ex: costelas e clavícula
Classificação dos Ossos
Ossos Curtos
• Apresenta
equivalência das 3
dimensões.
Ex: ossos do carpo e
tarso
Classificação dos Ossos
Ossos Planos ou Laminares
• Apresenta comprimento e largura equivalentes,
predominando sobre a espessura.
Ex: ossos do crânio (parietal, frontal, occipital), escápula,
ossos do quadril.
Classificação dos Ossos
Ossos Irregulares
• Morfologia complexa que não encontra correspondência
em formas geométricas conhecidas.
Ex: vértebras e osso temporal.
Classificação dos Ossos
Ossos Pneumáticos
• Apresenta uma ou mais cavidades (nome – sinus ou seio), de
volume variável, revestidas de mucosa e contendo ar.
Ex: ossos situados no crânio: frontal, maxilar, etmóide, esfenóide.
Classificação dos Ossos
Ossos Sesamóides
• Desenvolvem-se na substância de certos tendões
(intratendíneos) ou da cápsula fibrosa (peri-articulares) que
envolve certas articulações. Ex: patela.
Classificação dos Ossos
Estruturas dos Ossos Longos
– Epífises proximal e distal: extremidades do osso
– Metáfises proximal e distal: região entre a epífise e
a diáfise.
– Diáfise ou corpo do osso
– Periósteo:
– Cartilagem articular
– Elementos Descritivos
Estruturas dos Ossos Longos
Epífises
• São dilatações nas extremidades dos ossos;
• O exterior tem uma camada fina de osso compacto;
• O interior é constituído por osso esponjoso
• A zona da epífise com que o osso se articula é
revestida por uma camada delgada de cartilagem
articular que funciona como uma almofada,
amortecendo os movimentos da articulação
• Na junção da diáfise com cada epífise encontra-se a
linha epifisária
Estruturas dos Ossos Longos
Metáfises
São intermediárias entre as
epífises e a diáfise;
No osso em crescimento as
metáfises incluem a lâmina
epifisal, formada por cartilagem
hialina.
Quando cessa o crescimento
ela é substituída por osso
compacto, sendo chamada de
linha epifisal.
Estruturas dos Ossos Longos
Diáfises
• De forma tubular, constitui
o eixo longitudinal do osso
• É um cilindro compacto
que contem a cavidade
medular, onde se encontra
a medula óssea.
Estruturas dos Ossos Longos
Periósteo
• É o tecido conjuntivo que envolve o osso externamente, com
exceção das superfícies articulares.
• Camadas:
– Fibrosa (saco periósteo): é a camada mais externa,
que forma um saco fibroso que envolve o osso.
– Osteogênica: é a camada mais interna, que tem
função gênica, permitindo o crescimento ósseo em
espessura. Sua responsabilidade é formar o calo ósseo
na recomposição das fraturas.
Estruturas dos Ossos Longos
Vascularização e inervação do osso
O osso é ricamente
vascularizado
 Artérias e veias periosteais
 Artérias e veias nutrícias
(forâmen nutrício)
 Artérias e veias metafisárias
e epifisárias
 Nervos acompanhando os
vasos sanguíneos
Estruturas dos Ossos Longos
Nível Macroscópico Internamente
• Substância compacta
• Substância esponjosa
• Endósteo
• Canal medular: cavidade na diáfise do osso para alojar
a medula óssea.
Estruturas dos Ossos Longos
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Osso Compacto
• Sistema de Harvers
Unidade estrutural do osso compacto.
• Lamelas
Tubos de matriz em formato de
coluna, que suportam peso,
compostas por colágeno e cristais de
fosfato de cálcio.
• Canal de Harvers
Canal central contendo vasos
sanguíneos e nervos.
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Osso Compacto
• Poucos espaços entre seus componentes rígidos.
• Compõe a camada externa dos ossos e a diáfise do osso
longo.
• Está organizado em unidades chamadas ósteons ou sistema de
havers.
• Apresenta canais perfurantes de volkmann (penetração no osso
compacto por vasos sanguíneos, linfáticos e nervos do
periósteo).
• Lacunas: espaço entre as lamelas que contém os osteócitos.
• Canalículos: processos digitiformes dos osteócitos (via de
nutrientes e O2 carreados pelo sangue e via de produtos de
excreção)
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Osso Compacto
• São áreas dos ossos constituídas por traves ósseas
dispostas em forma de rede. São responsáveis por certa
elasticidade dos ossos.
• Tipos:
– Tubular.
– Reticular.
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Osso Esponjoso
• Não contém ósteons
• Consiste em lamelas, dispostas como trama irregular, de
finas colunas ósseas (trabéculas)
• Dentro das trabéculas estão os osteócitos
• Constitui a maior parte do tecido dos ossos curtos, chatos
e irregulares, maior parte da epífise dos ossos longos
• No adulto os ossos esponjosos responsáveis pela
hematopoese são: ossos do quadril, costelas, esterno,
coluna e extremidades dos ossos longos.
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Osso Esponjoso
Endósteo
• É o revestimento
interno do osso
• Contem osteoblastos,
osteoclastos células
osteoprogenitoras
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Canal ou Cavidade Medular
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Medula Óssea
É o tecido conjuntivo situado dentro dos ossos capaz de
produzir células sanguíneas.
• Tipos:
– Medula óssea rubra ou vermelha: é a medula óssea
produtiva( ossos da bacia, coluna, costelas, esterno e
epífise de ossosl ongos-adulto).
– Medula óssea flava ou amarela: tecido conjuntivo
gorduroso que substitui a medula vermelha.
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Medula Óssea
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Medula Vermelha
• Função hematopoetica
(produz células sanguíneas):
 Eritrócitos: Oxigenação
 Granulócitos: Imunidade
 Trombócitos(plaquetas):
Coagulação
• Estroma de suporte
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
Medula Amarela
• Composta predominantemente por adipócitos mas
também possui elementos celulares ativos.
 MV: 40% água 40% gordura 20%proteína
 MA: 15% água 80% gordura 5%proteína
Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
• Crescimento: ossos crescem em comprimento e em
diâmetro (~20 anos) em função de fatores genéticos,
biomecânicos, fisiológicos e ambientais.
• Modelamento: aumento da massa óssea (ocorre na
idade adulta).
• Remodelamento: processo pelo qual a massa óssea é
mantida ou diminuída.
• Reparo: processo pelo qual o osso é reparado após
uma lesão.
Adaptações do Tecido Ósseo
1.Formação do hematoma de fratura  2.Formação do calo fibrocartilaginoso 
3.Formação do calo ósseo  4.Remodelamento do osso
Reparo de Fraturas Ósseas
• É uma forma elástica de tecido conectivo semi-rígido
• Alto teor de água
• Ausência de inervação
• Ausência de vasos sanguíneos; consequentemente,
suas células obtêm oxigênio e nutrientes por difusão de
longo alcance.
• Forma partes do esqueleto nas quais ocorre movimento.
• Embriologicamente, o esqueleto é formado por
cartilagem e fibras
Cartilagem
Cartilagem Hialina
• Suporte, flexibilidade e resiliência = mais abundante no
corpo
• Encontra-se:
 Articulações
 Costal
 Respiratória
 Nasal
Cartilagem
Cartilagem Elástica
• Semelhante à hialina.
• Maior concentração de fibras elásticas e mais flexível
• Encontra-se:
 Epiglote
 Suporte da orelha
Cartilagem
Fibrocartilagem
• Altamente comprimida e com grande força tênsil
• Grossa camada de fibras colágenas
• Encontra-se:
 Discos intervertebrais
 Sínfise púbica
Cartilagem
• Superfície lisa
• Não uniforme
• Calcificada na
camada mais
profunda
Cartilagem Articular
Disco Epifisário
Cartilagem de crescimento presente na epífise de ossos
longos jovens que modula seu crescimento em
comprimento. Dividido histologicamente em 5 zonas:
– Zona de repouso - Cartilagem hialina sem modificações
– Zona de cartilagem seriada (multiplicação) – fileiras de
condrócitos
– Zona de cartilagem hipertrófica – condrócitos volumosos
ricos em glicogênio e lipídeos
– Zona de cartilagem calcificada
– Zona de ossificação
Cartilagem Articular
Cartilagem Articular
Disco Epifisário
Disco Epifisário
Crescimento Ósseo
• É um conjunto de ossos e
tecido cartilaginoso unidos
entre si para dar conformação
ao corpo, proteção e
sustentação de partes moles.
Esqueleto
Esqueleto: Funções
Quais as funções
do esqueleto?
• Mecânicas:
– Suporte para o corpo (partes moles)
– Age como um sistema de alavancas
– Proteção para os órgãos internos
• Metabólicas:
– Formar células sanguíneas (hematopoiese)
– Armazenar cálcio (homeostase mineral)
Esqueleto: Funções dos Ossos
Proteção
Esqueleto: Funções dos Ossos
Mecânica
Esqueleto: Funções dos Ossos
Metabólica
Esqueleto: Funções dos Ossos
• Esqueleto Axial
• Esqueleto Apendicular
Esqueleto: Divisão
No individuo adulto, idade na qual se considera
completa o desenvolvimento orgânico, o número médio
de ossos é de 206.
Alguns fatores podem levar a variações:
– Idade: o número de ossos diminui do nascimento à
senilidade.
– Fatores Individuais: persistência da divisão do osso
frontal e ossos extranumerários.
– Critério de contagem: varia de autor para autor.
Esqueleto: Número de Ossos
Esqueleto: Número de Ossos
• As superfícies dos ossos possuem várias características
estruturais adaptadas a funções específicas.
• Existem onde há inserção de tendões, ligamentos e
fáscias ou onde haja artérias adjacentes ou penetrando
nos ossos.
Superfícies Ósseas
Saliências
Superfícies Ósseas
Superfícies Ósseas
Depressões
Depressões e Aberturas
A. Forame (foramen = orifício)
Forame Magno do osso Occipital
Abertura no osso onde passam
vasos sanguíneo, nervos ou
ligamentos
Vista superior do assoalho do crânio
Superfícies Ósseas
Meato
acústico
externo
B- Meato (meatus = canal)
Uma passagem em forma de
tubo correndo dentro do osso.
Depressões e Aberturas
Superfícies Ósseas
C- Seio paranasal (Sinus =
cavidade)
Cavidade cheia de ar dentro
de um osso conectado à
cavidade nasal.
Depressões e Aberturas
Superfícies Ósseas
Processo
condilar da
mandíbula
Fossa
mandibular do
osso temporal
D- Fossa (fossa = fenda, trincheira) Depressão sobre um osso.
Depressões e Aberturas
Superfícies Ósseas
• Formado por três regiões:
 Crânio  parte superior
 Rosto  parte anterior
 Mandíbula  parte móvel
• Evoluiu em espessura, tamanho
e configuração
• O arredondamento facilitou o
equilíbrioda cabeça sobre o
extremo da coluna vertebral
Ossos do Esqueleto Axial
Crânio
Ossos do Esqueleto Axial
Crânio
Ossos do Esqueleto Axial
Crânio
Ossos do Esqueleto Axial
Crânio
Ossos do Esqueleto Axial
Crânio
Ossos do Esqueleto Axial
Crânio
Ossos do Esqueleto Axial
Crânio
Ossos do Esqueleto Axial
Coluna Vertebral
Ossos do Esqueleto Axial
Caixa Torácica
Ossos do Esqueleto Apendicular
Cintura Escapular
• Escápula fixa por musculatura
• Clavícula: esterno e escápula
Ossos do Esqueleto Apendicular
Membros superiores
• Braço: apenas um osso – úmero
• Ante-braço: ulna e rádio
• O úmero se articula com a cintura
escapular (“ombo”) e com a ulna
e rádio
• A uma e o rádio se articulam com
a mão (“pulso”)
Ossos do Esqueleto Apendicular
Mãos
Ossos do Esqueleto Apendicular
Cintura Pélvica
• Complexo formado pelo ílio, ísquio, púbis e sacro.
• Os ossos pares formam duas “asas arqueadas” unidas
pela “sínfise pubiana”.
Ossos do Esqueleto Apendicular
Membros inferiores
• Coxa: apenas um osso – fêmur
• Perna: tíbia e fíbula
• O fêmur se articula no acetábulo
do ílio pelo seu côndilo fêmural
(cintura pélvica) e com a tíbia e a
fíbula
• A tíbia e a fíbula se articulam com
o pé (tornozelo)
Ossos do Esqueleto Apendicular
Pés
Articulações
Local de união entre dois ou mais ossos, geralmente
permitindo movimentos entre as peças ósseas.
Classificam-se de acordo com o tecido de união e os
movimentos permitido.
São classificadas em:
• Sinartrose
• Anfiartrose
• Diartrose (sinovial)
Articulações
Sinartrose
Tecido de união:
• Tecido fibroso
Tipo de movimento:
• Não permite movimento.
Encontram-se:
• No crânio (suturas)
• Entre os ossos do antebraço (radio e ulna)
• Entre os ossos da perna (tíbia e fíbula)
Dividem-se em:
• Suturas
• Sindesmoses
Articulações
Anfiartrose
Tecido de união:
• Cartilagem (hialina) ou tecido fibrocartilaginoso
Tipo de movimento:
• Permite movimento restrito.
Encontram-se:
• Cartilagem hialina - Entre esterno (articulações esternocostais)
• Fibrocartilagem - Entre o púbis e entre os corpos vertebrais
Dividem-se em:
• Sincondroses (cartilagem)
• Sínfises (fibrocartilagem)
Articulações
Diartrose (Sinovial)
Tecido de união:
• Cápsula articular – líquido sinovial
Tipo de movimento:
• Permite movimentos amplos
Encontram-se:
• Maior parte dos ossos do corpo. Exemplo: joelho, cotovelo, etc
Dividem-se em:
Esferóide - arredondada Elipsoide - forma de meia-lua
Trocóide - formato de pivô (rotação) Selar - forma de sela
Gínglimo - dobradiça Plana - superfícies planas
Articulações
Diartrose (Sinovial)
Cápsula fibrosa
Membrana sinovial
Líquido sinovial
Articulações
Classificação das Articulações Sinoviais
 Esferóide
Forma esférica que se encaixa em uma cavidade.
Ex: articulação coxo-femural e a gleno-umeral
Movimentos: 3 eixos, 6 movimentos
• Flexão e extensão
• Abdução e adução
• Rotação interna e
Rotação externa
Articulações
Classificação das Articulações Sinoviais
 Trocóide
Forma de pivô. Osso que gira em torno de si mesmo.
Ex: articulação radiao-ulnar
Movimentos: 1 eixos, 2 movimentos
• Rotação interna e rotação externa
Articulações
Classificação das Articulações Sinoviais
 Gínglimo (Dobradiça)
Fazem flexão e extensão.
Ex: articulação umero-ulnar e tíbio-talar
Movimentos: 1 eixos, 2 movimentos
• Flexão e extensão
Articulações
Classificação das Articulações Sinoviais
 Elipsóide
Formato de elipse (meia-lua)
Ex: articulação do punho (entre o radio e o carpo – escafoide e
parte do semilunar)
Movimentos: 2 eixos, 4 movimentos
• Flexão e extensão
• Desvio lunar e desvio radial
Articulações
Classificação das Articulações Sinoviais
 Selar
Formato de sela
Ex: articulação trapézio-metacarpal (entre o trapézio e primeiro
metacarpo)
Movimentos: 2 eixos, 4 movimentos
• Flexão e extensão
• Abdução e adução
Articulações
Classificação das Articulações Sinoviais
 Planas
Superfície articular plana que permite pequenos deslizamentos.
Ex: articulação escapulotorácica, articulações intervertebrais
(interapofisárias)
Movimentos: 3 eixos, 6 movimentos
• Flexão e extensão
• Inclinação lateral direita e esquerda
• Rotação direita
e esquerda

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
Nathanael Amparo
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
Patricia de Castilhos
 
Acidentes ósseos
Acidentes ósseosAcidentes ósseos
Acidentes ósseos
Meiry Vieira
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Hamilton Nobrega
 
Sistema Esqueletico
Sistema EsqueleticoSistema Esqueletico
Sistema Esqueletico
Fernando Dias
 
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema ÓsseoO Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
José Antonio Paniagua
 
Sistema muscular 1º periodo
Sistema muscular 1º periodoSistema muscular 1º periodo
Sistema muscular 1º periodo
Rodrigo Bruno
 
Aula 03 sistema articular
Aula 03   sistema articularAula 03   sistema articular
Aula 03 sistema articular
Felipe Beijamini
 
Osteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humanaOsteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humana
Marília Gomes
 
Sistema Esquelético
Sistema EsqueléticoSistema Esquelético
Sistema Esquelético
Samira Santos
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
marcossage
 
Anatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularAnatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema Muscular
Pedro Miguel
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
Fernando Dias
 
Anatomia humana sistema esquelético
Anatomia humana   sistema esqueléticoAnatomia humana   sistema esquelético
Anatomia humana sistema esquelético
Karinne Ferreira
 
Introdução a anatomia
Introdução a anatomiaIntrodução a anatomia
Introdução a anatomia
Maxsuell Lopes
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
César Milani
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Leonardo Delgado
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
psicologiaisecensa
 
Anatomia - Sistema Esquelético
Anatomia - Sistema EsqueléticoAnatomia - Sistema Esquelético
Anatomia - Sistema Esquelético
Pedro Miguel
 

Mais procurados (20)

Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Acidentes ósseos
Acidentes ósseosAcidentes ósseos
Acidentes ósseos
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
 
Sistema Esqueletico
Sistema EsqueleticoSistema Esqueletico
Sistema Esqueletico
 
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema ÓsseoO Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
 
Sistema muscular 1º periodo
Sistema muscular 1º periodoSistema muscular 1º periodo
Sistema muscular 1º periodo
 
Aula 03 sistema articular
Aula 03   sistema articularAula 03   sistema articular
Aula 03 sistema articular
 
Osteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humanaOsteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humana
 
Sistema Esquelético
Sistema EsqueléticoSistema Esquelético
Sistema Esquelético
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
 
Anatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema MuscularAnatomia - Sistema Muscular
Anatomia - Sistema Muscular
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Anatomia humana sistema esquelético
Anatomia humana   sistema esqueléticoAnatomia humana   sistema esquelético
Anatomia humana sistema esquelético
 
Introdução a anatomia
Introdução a anatomiaIntrodução a anatomia
Introdução a anatomia
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Anatomia - Sistema Esquelético
Anatomia - Sistema EsqueléticoAnatomia - Sistema Esquelético
Anatomia - Sistema Esquelético
 

Semelhante a Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..

Osteologia
OsteologiaOsteologia
Itrodução a anatomia.pdf
Itrodução a anatomia.pdfItrodução a anatomia.pdf
Itrodução a anatomia.pdf
rickriordan
 
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULARAnatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
FABIANOVALE5
 
2. sistemas de sustentação pdf
2. sistemas de sustentação pdf2. sistemas de sustentação pdf
2. sistemas de sustentação pdf
Ieda Dorneles
 
histologia e ortopedia
histologia e ortopediahistologia e ortopedia
histologia e ortopedia
Jânio CArvalho
 
Tecido Ósseo
Tecido Ósseo Tecido Ósseo
Tecido Ósseo
LucianeGomes13
 
Tecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o aTecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o a
SESI 422 - Americana
 
segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia
Paulo Henrique Campos Vilhena
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
Everton Lima
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
Everton Lima
 
Sistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentarSistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentar
Ana Carolina Andrade
 
Anatomia óSsea
Anatomia óSseaAnatomia óSsea
Anatomia óSsea
Dr. Luciano Moura
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
Caio Maximino
 
Sistema Ósseo
Sistema ÓsseoSistema Ósseo
Sistema Ósseo
José Antonio Paniagua
 
Tecido ósseo certo
Tecido ósseo   certoTecido ósseo   certo
Tecido ósseo certo
Larissa Seabra
 
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Rafaela Pessoa
 
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
Isaura Mourão
 
Tecido óSseo
Tecido óSseoTecido óSseo
Tecido óSseo
Natalianeto
 
Sistema Esquelético.pptx
Sistema Esquelético.pptxSistema Esquelético.pptx
Sistema Esquelético.pptx
Hygor Malheiros
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
Hotanilde Lima
 

Semelhante a Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular.. (20)

Osteologia
OsteologiaOsteologia
Osteologia
 
Itrodução a anatomia.pdf
Itrodução a anatomia.pdfItrodução a anatomia.pdf
Itrodução a anatomia.pdf
 
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULARAnatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
Anatomia aula 02,03.pptx ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA, ESQUELETICA E ARTICULAR
 
2. sistemas de sustentação pdf
2. sistemas de sustentação pdf2. sistemas de sustentação pdf
2. sistemas de sustentação pdf
 
histologia e ortopedia
histologia e ortopediahistologia e ortopedia
histologia e ortopedia
 
Tecido Ósseo
Tecido Ósseo Tecido Ósseo
Tecido Ósseo
 
Tecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o aTecido ósseo 2o a
Tecido ósseo 2o a
 
segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia segunda aula de anatomia
segunda aula de anatomia
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Sistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentarSistema esquelético e tegumentar
Sistema esquelético e tegumentar
 
Anatomia óSsea
Anatomia óSseaAnatomia óSsea
Anatomia óSsea
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 
Sistema Ósseo
Sistema ÓsseoSistema Ósseo
Sistema Ósseo
 
Tecido ósseo certo
Tecido ósseo   certoTecido ósseo   certo
Tecido ósseo certo
 
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
Esqueletohumanopowerpoint edit-120525102638-phpapp02
 
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
10º PTAS-esqueletohumanopowerpoint-edi.pptx
 
Tecido óSseo
Tecido óSseoTecido óSseo
Tecido óSseo
 
Sistema Esquelético.pptx
Sistema Esquelético.pptxSistema Esquelético.pptx
Sistema Esquelético.pptx
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 

Mais de Hamilton Nobrega

Órgãos internos sistema respiratório
Órgãos internos   sistema respiratórioÓrgãos internos   sistema respiratório
Órgãos internos sistema respiratório
Hamilton Nobrega
 
Órgãos internos sistema circulatório
Órgãos internos   sistema circulatórioÓrgãos internos   sistema circulatório
Órgãos internos sistema circulatório
Hamilton Nobrega
 
ÓRgãos internos sistema digestório
ÓRgãos internos   sistema digestórioÓRgãos internos   sistema digestório
ÓRgãos internos sistema digestório
Hamilton Nobrega
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
Hamilton Nobrega
 
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRCNefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Hamilton Nobrega
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Hamilton Nobrega
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
Hamilton Nobrega
 
Aula 06 citoplasma
Aula 06   citoplasmaAula 06   citoplasma
Aula 06 citoplasma
Hamilton Nobrega
 
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Aula 05   membrana plasmática e transportesAula 05   membrana plasmática e transportes
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Hamilton Nobrega
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Hamilton Nobrega
 
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da VidaAula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Hamilton Nobrega
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Hamilton Nobrega
 
Aula 01 Origem da Biologia Celular
Aula 01   Origem da Biologia CelularAula 01   Origem da Biologia Celular
Aula 01 Origem da Biologia Celular
Hamilton Nobrega
 
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizadoAula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Hamilton Nobrega
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Aula 11 sistema respiratório
Aula 11   sistema respiratórioAula 11   sistema respiratório
Aula 11 sistema respiratório
Hamilton Nobrega
 
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11   Sistema urinário/excretor - anatomiaAula 11   Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Hamilton Nobrega
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 

Mais de Hamilton Nobrega (20)

Órgãos internos sistema respiratório
Órgãos internos   sistema respiratórioÓrgãos internos   sistema respiratório
Órgãos internos sistema respiratório
 
Órgãos internos sistema circulatório
Órgãos internos   sistema circulatórioÓrgãos internos   sistema circulatório
Órgãos internos sistema circulatório
 
ÓRgãos internos sistema digestório
ÓRgãos internos   sistema digestórioÓRgãos internos   sistema digestório
ÓRgãos internos sistema digestório
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
 
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRCNefrologia   Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
Nefrologia Principais Patologias Causadoras de IRA e IRC
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Aula 07 núcleo e cromossomos
Aula 07   núcleo e cromossomosAula 07   núcleo e cromossomos
Aula 07 núcleo e cromossomos
 
Aula 06 citoplasma
Aula 06   citoplasmaAula 06   citoplasma
Aula 06 citoplasma
 
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Aula 05   membrana plasmática e transportesAula 05   membrana plasmática e transportes
Aula 05 membrana plasmática e transportes
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
 
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da VidaAula 03   Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
Aula 03 Tipos Básicos de Células e Bases Moleculares da Vida
 
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e ColoraçãoAula 02   Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
Aula 02 Microscopio de Luz e Técnicas de Observação e Coloração
 
Aula 01 Origem da Biologia Celular
Aula 01   Origem da Biologia CelularAula 01   Origem da Biologia Celular
Aula 01 Origem da Biologia Celular
 
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizadoAula 06   fisiologia do sistema endócrino - atualizado
Aula 06 fisiologia do sistema endócrino - atualizado
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Aula 11 sistema respiratório
Aula 11   sistema respiratórioAula 11   sistema respiratório
Aula 11 sistema respiratório
 
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11   Sistema urinário/excretor - anatomiaAula 11   Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
 

Último

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..

  • 2.
  • 3.
  • 4. Conceito Etimólogo: • Osteologia é derivada das palavras ósteon que significa “osso”, e logos, que significa um “ramo de conhecimento”. Conceito Anatômico: • É o estudo das formações intimamente ligadas ou relacionadas com os ossos, com eles formando um todo (esqueleto). Conceitos
  • 5. Constituídos por tecido conjuntivo mineralizado Matriz mineral Óssea Ossos: Composição
  • 6. Componentes da Matriz Óssea • Parte inorgânica (mineral): 65 - 75% do peso – principalmente cálcio e fósforo – outros minerais: Mg, Na, K • Parte orgânica: 25 - 35% do peso – colágeno I (90-95%) – proteoglicanas e proteínas de adesão O colágeno confere resistência e os cristais a dureza do tecido ósseo Ossos: Composição
  • 7. • Constituídos por células • Possuem nervos e vasos sanguíneos O osso é um tecido dinâmico que cresce até a idade adulta. Após a idade adulta, está sob constante remodelamento Ossos: Composição
  • 8. Tecido Ósseo • É composto por: – Matriz Óssea • Orgânica • Inorgânica – Células • Osteogênicas • Osteoblastos • Osteócitos • Osteoclastos Ossos: Composição
  • 9. Tipos de células ósseas Células osteogênicas: Células-tronco não especializadas encontradas no periósteo, endósteo e canais que contém vasos sanguíneos. Participam do processo de ossificação. Osteoblastos: Células produtoras de osso. Sintetizam e secretam colágeno e outros componentes da matriz. Ossos: Composição
  • 10. Tipos de células ósseas Osteócitos: Osteoblastos maduros que realizam a troca de nutrientes e metabólitos com o sangue. Osteoclastos: Fusão de até 50 monócitos (glóbulo brancos do sangue) que ficam concentradas no endósteo. Liberam enzimas que digerem componentes protéicos e minerais do osso adjacente. Ossos: Composição
  • 11. Células Osteoprogenitoras ou Osteogênicas • Localizadas no periósteo, revestindo os canais de Havers; • Capacidade de sofrer divisões mitóticas; • Tem o potencial de se diferenciar em osteoblastos; • São mais ativas durante o período de crescimento ósseo intenso Ossos: Composição
  • 12. Células Osteoprogenitoras ou Osteogênicas Ossos: Composição
  • 13. • Derivados das células osteoprogenitoras, sem atividade mitótica; • Sintetizam a porção orgânica da matriz (colágeno, proteoglicanos e glicoproteínas); • Localizam-se na superfície do tecido ósseo Ossos: Osteoblastos
  • 14. Secretam fatores de crescimento que facilita o recrutamento de osteblastos para facilitar o remodelamento ósseo Ossos: Osteócitos
  • 15. • Localizados em lacunas de Howship (depressões da matrizes cavadas pela atividade dos osteoclastos) • A reabsorção óssea é controlada pelo paratôrmonio (paratireóide) e calcitonina (tireóide). Ossos: Osteoclastos •São células multinucleadas, móveis, derivadas de progenitores da linhagem de macrófagos •Desempenham papel na reabsorção óssea, e após terminar em desfazê-la sofrem apoptose.
  • 16. • Ocorre por ossificação ou osteogênese – Ossificação intramembranosa: formado pela condensação de células mesenquimais; se formam sem passar pelo estágio inicial de cartilagem. Ex.: ossos chatos do crânio e mandíbula. célula osteogênica → osteoblasto (secreção de matriz) → osteócito. – Ossificação endocondral: formação do osso dentro da cartilagem hialina. Ex. osso longo. células mesenquimais → condrobastos (“molde” da cartilagem hialina do osso) → osteoblastos substituem a cartilagem por osso. Formação do Osso
  • 19. • Dureza: substâncias minerais. • Elasticidade: substâncias orgânicas (proteína) • Erosão: retirada de sais minerais pelo próprio organismo. • Coloração: branco amarelado. Ossos: Características
  • 20. Ossos axiais (esqueleto axial): são formados pelo crânio, esterno, costelas, caixa torácica, coluna vertebral e osso hióide. Ossos apendiculares (esqueleto apendicular): são formados por estruturas ósseas em torno das quais os membros e suas cinturas são fixadas. Classificação dos Ossos Quanto a sua Posição Topográfica
  • 21. – Ossos longos – Ossos alongados – Ossos curtos – Ossos planos ou chatos – Ossos irregulares – Ossos pneumáticos – Ossos sesamóides Classificação dos Ossos Quanto a sua Forma
  • 23. Ossos Longos • Comprimento maior que a espessura e largura. Ex: ossos do esqueleto apendicular Classificação dos Ossos
  • 24. Ossos Alongados • O comprimento predomina sobre a largura e espessura e não apresentam um canal medular. Ex: costelas e clavícula Classificação dos Ossos
  • 25. Ossos Curtos • Apresenta equivalência das 3 dimensões. Ex: ossos do carpo e tarso Classificação dos Ossos
  • 26. Ossos Planos ou Laminares • Apresenta comprimento e largura equivalentes, predominando sobre a espessura. Ex: ossos do crânio (parietal, frontal, occipital), escápula, ossos do quadril. Classificação dos Ossos
  • 27. Ossos Irregulares • Morfologia complexa que não encontra correspondência em formas geométricas conhecidas. Ex: vértebras e osso temporal. Classificação dos Ossos
  • 28. Ossos Pneumáticos • Apresenta uma ou mais cavidades (nome – sinus ou seio), de volume variável, revestidas de mucosa e contendo ar. Ex: ossos situados no crânio: frontal, maxilar, etmóide, esfenóide. Classificação dos Ossos
  • 29. Ossos Sesamóides • Desenvolvem-se na substância de certos tendões (intratendíneos) ou da cápsula fibrosa (peri-articulares) que envolve certas articulações. Ex: patela. Classificação dos Ossos
  • 31. – Epífises proximal e distal: extremidades do osso – Metáfises proximal e distal: região entre a epífise e a diáfise. – Diáfise ou corpo do osso – Periósteo: – Cartilagem articular – Elementos Descritivos Estruturas dos Ossos Longos
  • 32. Epífises • São dilatações nas extremidades dos ossos; • O exterior tem uma camada fina de osso compacto; • O interior é constituído por osso esponjoso • A zona da epífise com que o osso se articula é revestida por uma camada delgada de cartilagem articular que funciona como uma almofada, amortecendo os movimentos da articulação • Na junção da diáfise com cada epífise encontra-se a linha epifisária Estruturas dos Ossos Longos
  • 33. Metáfises São intermediárias entre as epífises e a diáfise; No osso em crescimento as metáfises incluem a lâmina epifisal, formada por cartilagem hialina. Quando cessa o crescimento ela é substituída por osso compacto, sendo chamada de linha epifisal. Estruturas dos Ossos Longos
  • 34. Diáfises • De forma tubular, constitui o eixo longitudinal do osso • É um cilindro compacto que contem a cavidade medular, onde se encontra a medula óssea. Estruturas dos Ossos Longos
  • 35. Periósteo • É o tecido conjuntivo que envolve o osso externamente, com exceção das superfícies articulares. • Camadas: – Fibrosa (saco periósteo): é a camada mais externa, que forma um saco fibroso que envolve o osso. – Osteogênica: é a camada mais interna, que tem função gênica, permitindo o crescimento ósseo em espessura. Sua responsabilidade é formar o calo ósseo na recomposição das fraturas. Estruturas dos Ossos Longos
  • 36. Vascularização e inervação do osso O osso é ricamente vascularizado  Artérias e veias periosteais  Artérias e veias nutrícias (forâmen nutrício)  Artérias e veias metafisárias e epifisárias  Nervos acompanhando os vasos sanguíneos Estruturas dos Ossos Longos
  • 37. Nível Macroscópico Internamente • Substância compacta • Substância esponjosa • Endósteo • Canal medular: cavidade na diáfise do osso para alojar a medula óssea. Estruturas dos Ossos Longos
  • 38. Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos Osso Compacto
  • 39. • Sistema de Harvers Unidade estrutural do osso compacto. • Lamelas Tubos de matriz em formato de coluna, que suportam peso, compostas por colágeno e cristais de fosfato de cálcio. • Canal de Harvers Canal central contendo vasos sanguíneos e nervos. Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos Osso Compacto
  • 40. • Poucos espaços entre seus componentes rígidos. • Compõe a camada externa dos ossos e a diáfise do osso longo. • Está organizado em unidades chamadas ósteons ou sistema de havers. • Apresenta canais perfurantes de volkmann (penetração no osso compacto por vasos sanguíneos, linfáticos e nervos do periósteo). • Lacunas: espaço entre as lamelas que contém os osteócitos. • Canalículos: processos digitiformes dos osteócitos (via de nutrientes e O2 carreados pelo sangue e via de produtos de excreção) Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos Osso Compacto
  • 41. • São áreas dos ossos constituídas por traves ósseas dispostas em forma de rede. São responsáveis por certa elasticidade dos ossos. • Tipos: – Tubular. – Reticular. Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos Osso Esponjoso
  • 42. • Não contém ósteons • Consiste em lamelas, dispostas como trama irregular, de finas colunas ósseas (trabéculas) • Dentro das trabéculas estão os osteócitos • Constitui a maior parte do tecido dos ossos curtos, chatos e irregulares, maior parte da epífise dos ossos longos • No adulto os ossos esponjosos responsáveis pela hematopoese são: ossos do quadril, costelas, esterno, coluna e extremidades dos ossos longos. Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos Osso Esponjoso
  • 43. Endósteo • É o revestimento interno do osso • Contem osteoblastos, osteoclastos células osteoprogenitoras Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
  • 44. Canal ou Cavidade Medular Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
  • 45. Medula Óssea É o tecido conjuntivo situado dentro dos ossos capaz de produzir células sanguíneas. • Tipos: – Medula óssea rubra ou vermelha: é a medula óssea produtiva( ossos da bacia, coluna, costelas, esterno e epífise de ossosl ongos-adulto). – Medula óssea flava ou amarela: tecido conjuntivo gorduroso que substitui a medula vermelha. Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
  • 46. Medula Óssea Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
  • 47. Medula Vermelha • Função hematopoetica (produz células sanguíneas):  Eritrócitos: Oxigenação  Granulócitos: Imunidade  Trombócitos(plaquetas): Coagulação • Estroma de suporte Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
  • 48. Medula Amarela • Composta predominantemente por adipócitos mas também possui elementos celulares ativos.  MV: 40% água 40% gordura 20%proteína  MA: 15% água 80% gordura 5%proteína Morfologia Óssea: Aspectos Histológicos
  • 49. • Crescimento: ossos crescem em comprimento e em diâmetro (~20 anos) em função de fatores genéticos, biomecânicos, fisiológicos e ambientais. • Modelamento: aumento da massa óssea (ocorre na idade adulta). • Remodelamento: processo pelo qual a massa óssea é mantida ou diminuída. • Reparo: processo pelo qual o osso é reparado após uma lesão. Adaptações do Tecido Ósseo
  • 50. 1.Formação do hematoma de fratura  2.Formação do calo fibrocartilaginoso  3.Formação do calo ósseo  4.Remodelamento do osso Reparo de Fraturas Ósseas
  • 51. • É uma forma elástica de tecido conectivo semi-rígido • Alto teor de água • Ausência de inervação • Ausência de vasos sanguíneos; consequentemente, suas células obtêm oxigênio e nutrientes por difusão de longo alcance. • Forma partes do esqueleto nas quais ocorre movimento. • Embriologicamente, o esqueleto é formado por cartilagem e fibras Cartilagem
  • 52. Cartilagem Hialina • Suporte, flexibilidade e resiliência = mais abundante no corpo • Encontra-se:  Articulações  Costal  Respiratória  Nasal Cartilagem
  • 53. Cartilagem Elástica • Semelhante à hialina. • Maior concentração de fibras elásticas e mais flexível • Encontra-se:  Epiglote  Suporte da orelha Cartilagem
  • 54. Fibrocartilagem • Altamente comprimida e com grande força tênsil • Grossa camada de fibras colágenas • Encontra-se:  Discos intervertebrais  Sínfise púbica Cartilagem
  • 55. • Superfície lisa • Não uniforme • Calcificada na camada mais profunda Cartilagem Articular
  • 56. Disco Epifisário Cartilagem de crescimento presente na epífise de ossos longos jovens que modula seu crescimento em comprimento. Dividido histologicamente em 5 zonas: – Zona de repouso - Cartilagem hialina sem modificações – Zona de cartilagem seriada (multiplicação) – fileiras de condrócitos – Zona de cartilagem hipertrófica – condrócitos volumosos ricos em glicogênio e lipídeos – Zona de cartilagem calcificada – Zona de ossificação Cartilagem Articular
  • 59. • É um conjunto de ossos e tecido cartilaginoso unidos entre si para dar conformação ao corpo, proteção e sustentação de partes moles. Esqueleto
  • 60. Esqueleto: Funções Quais as funções do esqueleto?
  • 61. • Mecânicas: – Suporte para o corpo (partes moles) – Age como um sistema de alavancas – Proteção para os órgãos internos • Metabólicas: – Formar células sanguíneas (hematopoiese) – Armazenar cálcio (homeostase mineral) Esqueleto: Funções dos Ossos
  • 65. • Esqueleto Axial • Esqueleto Apendicular Esqueleto: Divisão
  • 66. No individuo adulto, idade na qual se considera completa o desenvolvimento orgânico, o número médio de ossos é de 206. Alguns fatores podem levar a variações: – Idade: o número de ossos diminui do nascimento à senilidade. – Fatores Individuais: persistência da divisão do osso frontal e ossos extranumerários. – Critério de contagem: varia de autor para autor. Esqueleto: Número de Ossos
  • 68. • As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas. • Existem onde há inserção de tendões, ligamentos e fáscias ou onde haja artérias adjacentes ou penetrando nos ossos. Superfícies Ósseas
  • 71. Depressões e Aberturas A. Forame (foramen = orifício) Forame Magno do osso Occipital Abertura no osso onde passam vasos sanguíneo, nervos ou ligamentos Vista superior do assoalho do crânio Superfícies Ósseas
  • 72. Meato acústico externo B- Meato (meatus = canal) Uma passagem em forma de tubo correndo dentro do osso. Depressões e Aberturas Superfícies Ósseas
  • 73. C- Seio paranasal (Sinus = cavidade) Cavidade cheia de ar dentro de um osso conectado à cavidade nasal. Depressões e Aberturas Superfícies Ósseas
  • 74. Processo condilar da mandíbula Fossa mandibular do osso temporal D- Fossa (fossa = fenda, trincheira) Depressão sobre um osso. Depressões e Aberturas Superfícies Ósseas
  • 75. • Formado por três regiões:  Crânio  parte superior  Rosto  parte anterior  Mandíbula  parte móvel • Evoluiu em espessura, tamanho e configuração • O arredondamento facilitou o equilíbrioda cabeça sobre o extremo da coluna vertebral Ossos do Esqueleto Axial Crânio
  • 76. Ossos do Esqueleto Axial Crânio
  • 77. Ossos do Esqueleto Axial Crânio
  • 78. Ossos do Esqueleto Axial Crânio
  • 79. Ossos do Esqueleto Axial Crânio
  • 80. Ossos do Esqueleto Axial Crânio
  • 81. Ossos do Esqueleto Axial Crânio
  • 82. Ossos do Esqueleto Axial Coluna Vertebral
  • 83. Ossos do Esqueleto Axial Caixa Torácica
  • 84. Ossos do Esqueleto Apendicular Cintura Escapular • Escápula fixa por musculatura • Clavícula: esterno e escápula
  • 85. Ossos do Esqueleto Apendicular Membros superiores • Braço: apenas um osso – úmero • Ante-braço: ulna e rádio • O úmero se articula com a cintura escapular (“ombo”) e com a ulna e rádio • A uma e o rádio se articulam com a mão (“pulso”)
  • 86. Ossos do Esqueleto Apendicular Mãos
  • 87. Ossos do Esqueleto Apendicular Cintura Pélvica • Complexo formado pelo ílio, ísquio, púbis e sacro. • Os ossos pares formam duas “asas arqueadas” unidas pela “sínfise pubiana”.
  • 88. Ossos do Esqueleto Apendicular Membros inferiores • Coxa: apenas um osso – fêmur • Perna: tíbia e fíbula • O fêmur se articula no acetábulo do ílio pelo seu côndilo fêmural (cintura pélvica) e com a tíbia e a fíbula • A tíbia e a fíbula se articulam com o pé (tornozelo)
  • 89. Ossos do Esqueleto Apendicular Pés
  • 90. Articulações Local de união entre dois ou mais ossos, geralmente permitindo movimentos entre as peças ósseas. Classificam-se de acordo com o tecido de união e os movimentos permitido. São classificadas em: • Sinartrose • Anfiartrose • Diartrose (sinovial)
  • 91. Articulações Sinartrose Tecido de união: • Tecido fibroso Tipo de movimento: • Não permite movimento. Encontram-se: • No crânio (suturas) • Entre os ossos do antebraço (radio e ulna) • Entre os ossos da perna (tíbia e fíbula) Dividem-se em: • Suturas • Sindesmoses
  • 92. Articulações Anfiartrose Tecido de união: • Cartilagem (hialina) ou tecido fibrocartilaginoso Tipo de movimento: • Permite movimento restrito. Encontram-se: • Cartilagem hialina - Entre esterno (articulações esternocostais) • Fibrocartilagem - Entre o púbis e entre os corpos vertebrais Dividem-se em: • Sincondroses (cartilagem) • Sínfises (fibrocartilagem)
  • 93. Articulações Diartrose (Sinovial) Tecido de união: • Cápsula articular – líquido sinovial Tipo de movimento: • Permite movimentos amplos Encontram-se: • Maior parte dos ossos do corpo. Exemplo: joelho, cotovelo, etc Dividem-se em: Esferóide - arredondada Elipsoide - forma de meia-lua Trocóide - formato de pivô (rotação) Selar - forma de sela Gínglimo - dobradiça Plana - superfícies planas
  • 95. Articulações Classificação das Articulações Sinoviais  Esferóide Forma esférica que se encaixa em uma cavidade. Ex: articulação coxo-femural e a gleno-umeral Movimentos: 3 eixos, 6 movimentos • Flexão e extensão • Abdução e adução • Rotação interna e Rotação externa
  • 96. Articulações Classificação das Articulações Sinoviais  Trocóide Forma de pivô. Osso que gira em torno de si mesmo. Ex: articulação radiao-ulnar Movimentos: 1 eixos, 2 movimentos • Rotação interna e rotação externa
  • 97. Articulações Classificação das Articulações Sinoviais  Gínglimo (Dobradiça) Fazem flexão e extensão. Ex: articulação umero-ulnar e tíbio-talar Movimentos: 1 eixos, 2 movimentos • Flexão e extensão
  • 98. Articulações Classificação das Articulações Sinoviais  Elipsóide Formato de elipse (meia-lua) Ex: articulação do punho (entre o radio e o carpo – escafoide e parte do semilunar) Movimentos: 2 eixos, 4 movimentos • Flexão e extensão • Desvio lunar e desvio radial
  • 99. Articulações Classificação das Articulações Sinoviais  Selar Formato de sela Ex: articulação trapézio-metacarpal (entre o trapézio e primeiro metacarpo) Movimentos: 2 eixos, 4 movimentos • Flexão e extensão • Abdução e adução
  • 100. Articulações Classificação das Articulações Sinoviais  Planas Superfície articular plana que permite pequenos deslizamentos. Ex: articulação escapulotorácica, articulações intervertebrais (interapofisárias) Movimentos: 3 eixos, 6 movimentos • Flexão e extensão • Inclinação lateral direita e esquerda • Rotação direita e esquerda