SlideShare uma empresa Scribd logo
GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA
DOCENTE: ENF. CARLOS EDUARDO GONÇALVES
 A gravidez é um evento resultante da fecundação do ovulo
(ovócito) pelo espermatozoide. Habitualmente, ocorre dentro do
útero e é responsável pela geração de um novo ser. Este é um
momento de grandes transformações para a mulher, para seu
(sua) parceiro (a) e para toda a família. Durante o período da
gestação, o corpo vai se modificar lentamente, preparando-se
para o parto e para a maternidade. A gestação (gravidez) é um
fenômeno fisiológico e, por isso mesmo, sua evolução se dá, na
maior parte dos casos, sem intercorrências.
GESTAÇÃO
GESTAÇÃO
A gravidez dura 268 dias desde o
momento da conceção ou 280 dias (40
semanas) desde o primeiro dia da
última menstruação. Mas como os ciclos
menstruais variam de mulher para
mulher, o termo da gravidez também
pode oscilar entre as 37 e as 42
semanas.
GESTAÇÃO
 Diagnóstico de gravidez
As alterações fisiológicas, endócrinas e
anatômicas que acompanham a gravidez,
na maioria dos casos, fornecem evidencias
claras de uma gestação em curso.
O diagnóstico de gravidez pode ser feito
por métodos clínicos, laboratoriais e
ultrassonográficos. Os sinais e sintomas
podem ser classificados como presuntivos,
de probabilidade e positivos de gravidez.
SINTOMAS DO GRAVIDEZ
 Sinais e sintomas presuntivos de
gravidez
Relacionam – se com sinais e sintomas
gerais e subjetivos. Podem estar
presentes em outras situações que não
se caracterizam como gestação, ou até
mesmo podem ser simulados, motivo
pelo qual a presença isolada de um
deles não é sugestivo de gravidez. São
eles:
SINTOMAS DA GRAVIDEZ
 Amenorreia: ausência da menstruação, isto é, o desaparecimento
das regras em mulher já menstruada anteriormente;
 Náuseas, vômitos matutinos (enjoo matinal), ptialismo, aumento
ou diminuição do apetite;
 Aversão a odores (cigarros, alimentos, perfumes);
 Polaciúria: desejo de urinar com frequência, comum nos três ou
quatro primeiros meses e nos finais da gravidez;
SINTOMAS DA GRAVIDEZ
 Alterações das mamas: aumento de
tamanho, consistência e sensibilidade. Os
mamilos e aréolas ficam maiores, mais
escuros e a rede venosa mais evidente.
Tubérculos de Montgomery tornam – se
maiores. Presença de colostro;
 Aumento de pigmentação da linha Alba
(Linha Nigra), estrias recentes;
 Sinal de Chadwick: aspecto arroxeado ou
azul escuro da mucosa vulvar e vaginal;
GESTAÇÃO
 Sinais de probabilidade
Relacionam – se com sinais e sintomas gerais e subjetivos. Podem
estar presentes em outras situações que não caracterizam como
gestação, ou podem ser simulados, motivo pelo qual a presença
isolada de um deles não é sugestivo de gravidez. A ocorrência de
dois ou mais, simultaneamente, constitui uma evidencia de
gravidez. Os sinais são:
 Aumento do abdome: evidencia – se por volta do terceiro ao
quinto mês de gestação;
 Modificações na forma, volume e consistência do útero,
perceptíveis pelo toque
 Amolecimento do colo já no inicio do segundo mês de gestação;
 Palpação do contorno fetal. Deve – se descartar a probabilidade
de tumores que poderiam simular partes fetais;
 Teste imunológico de gravidez: pela pesquisa de gonadotrofina
coriônica humana na urina. São possíveis resultados tanto falso-
negativos quanto falso-positivos.
GESTAÇÃO
 Sinais positivos de
gravidez
São três os sinais positivos,
que emanam do feto:
Presença dos batimentos
cardíacos fetais (BCF), que
são detectados pelo sonar a
partir de 12 semanas e pelo
Pinard a partir de 20 semanas;
GESTAÇÃO
 Percepção de partes do feto e de seus movimentos ativos:
 Visualização do contorno esquelético fetal: é possível por
meio de exposição dos raios X ou ultrassom.
 A exposição aos raios X não é isenta de risco para o feto;
deve ser evitada como método diagnostico,
particularmente no inicio da gestação.
GESTAÇÃO
 Palpação obstétrica e medida da altura uterina (AU).
 Objetivos:
 Identificar o crescimento fetal;
 Diagnosticar os desvios da normalidade a partir da relação entre a
altura uterina e a idade gestacional;
 Identificar a situação e a apresentação fetal.
PALPAÇÃO OBSTÉTRICA
 A palpação obstétrica deve ser realizada antes da medida da
altura uterina. Ela deve iniciar-se pela delimitação do fundo
uterino, bem como de todo o contorno da superfície uterina (esse
procedimento reduz o risco de erro da medida da altura uterina). A
identificação da situação e da apresentação fetal é feita por meio
da palpação obstétrica, procurando identificar os pólos cefálico e
pélvico e o dorso fetal, facilmente identificados a partir do terceiro
trimestre.
MANOBRA DE LEOPOLD
 Quando iniciar a manobra de Leopold?
 A manobra de Leopold é realizada para a verificação da posição
e da apre- sentação fetal no útero. Essa manobra é realizada por
meio da palpação em quatro tempos, como veremos a seguir. Sua
realização é indicada a partir da 28ª semana, sendo que a AU e
os BCF podem ser avaliados a partir da 12ª semana de gestação.
MANOBRA DE LEOPOLD
MANOBRA DE LEOPOLD
 O feto pode estar em situação longitudinal (mais comum) ou
transversa. A situação transversa reduz a medida de altura
uterina, podendo falsear sua relação com a idade gestacional. As
apresentações mais frequentes são a cefálica e a pélvica.
MANOBRA DE LEOPOLD
MANOBRA DE LEOPOLD
 A situação transversa e a
apresentação pélvica em fim
de gestação podem significar
risco no momento do parto.
Nessas condições, a mulher
deve ser, sempre, referida
para unidade hospitalar com
condições de atender
distocia.
GESTAÇÃO
Modificações do organismo materno
Modificações sistêmicas:
A) Postura e deambulação
Lordose da coluna lombar e modificações na deambulação.
B) Sistema cardiovascular
Diminuição da pressão arterial.
De 3 a 5 mmHg na pressão sistólica;
De 5 a 15 mmHg na diastólica;
GESTAÇÃO
C) Circulação cutânea
Aumento da sudorese e do calor.
D) Pressão venosa
Apresenta – se aumentada três vezes mais nos membros
inferiores, devido à compressão das veias abdominais e
pélvicas. Tendência a edema de membros inferiores, hipotensão,
lipotimia, varizes e hemorroidas.
GESTAÇÃO
E) Sistema sanguíneo
Aumento na produção de hemácias, daí a necessidade de
suplementação de ferro;
F) Sistema urinário
Alterações anatômicas e funcionais predispõem a gestante à alta
incidência de infecção;
G) Sistema respiratório
Há um maior valor de sangue sendo oxigenado nos pulmões para
suprimir as necessidades do feto. O aumento nas taxas hormonais, próprio
da gestação, causa dispneia na gestante.
GESTAÇÃO
H) Sistema respiratório
Há um maior valor de sangue sendo oxigenado nos pulmões
para suprimir as necessidades do feto. O aumento nas taxas
hormonais, próprio da gestação, causa dispneia na gestante.
I) Sistema digestivo
Mais de 50% das gestantes relatam o aumento do apetite e da
sede. Náuseas e vômitos são comuns devido à diminuição do tônus
e da motricidade intestinal. A vesícula biliar apresenta retardo no
esvaziamento, determinando tendencia à colelitíase (cálculos).
GESTAÇÃO
J) Ossos e articulações
Poderá ocorrer insuficiência de cálcio na matriz óssea por
deficiência na ingestão desse nutriente.
L) Pele
Aumento na pigmentação da pele: face (cloasmas
gravídicos e pigmentação geral (vulva, períneo, nariz e linha
nigra, aréola mamária);
Estrias: aparecem após o sexto mês no abdome, nas
mamas, nos flancos e na região sacral e lombar;
GESTAÇÃO
M) Pele
 Aumento na pigmentação da pele: face (cloasmas gravídicos e
pigmentação geral (vulva, períneo, nariz e linha nigra, aréola
mamária);
 Estrias: aparecem após o sexto mês no abdome, nas mamas,
nos flancos e na região sacral e lombar;
GESTAÇÃO
N) Ganho de peso
Entre 10 e 12,5 kg, assim distribuídos:
Feto: 3.400 gramas;
Placenta: 650 gramas;
Útero: 900 gramas;
Líquido: 800 a 1000 gramas;
Mamas: 400 a 500 gramas;
Volume sanguíneo: 1300 a 1500 gramas;
Liquido extracelular: 1500 gramas;
Excedente: 2300 a 3300 gramas de gordura.
GESTAÇÃO
 Modificações no aparelho reprodutor
O útero não gravídico mede 7 cm de comprimento, atinge,
durante a gravidez, até 34 cm, e seu peso, que normalmente
é de 100 a 150 g, poderá chegar até a 900 g. No primeiro
trimestre, ocorre espaçamento das paredes uterinas, que
atinge o auge o quarto mês de gestação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
PARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da Saúde
PARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da SaúdePARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da Saúde
PARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
Rejane Durães
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
Jamilly Onofre
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesariana
tvf
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
Ministério da Saúde
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
DayrlaneTorres
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
Alinebrauna Brauna
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Dheg
Dheg Dheg
Trabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp phTrabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp ph
tvf
 
Patologias gestacionais
Patologias gestacionaisPatologias gestacionais
Patologias gestacionais
Morgana Oliveira
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento

Mais procurados (20)

Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
 
PARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da Saúde
PARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da SaúdePARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da Saúde
PARTO NORMAL: Diretrizes nacionais de assistência - Ministério da Saúde
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesariana
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Dheg
Dheg Dheg
Dheg
 
Trabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp phTrabalho de parto prematuro pp ph
Trabalho de parto prematuro pp ph
 
Patologias gestacionais
Patologias gestacionaisPatologias gestacionais
Patologias gestacionais
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 

Semelhante a AULA 5 GESTANTE.pptx

aula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptx
aula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptxaula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptx
aula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptx
CintiaGiselle
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Bruno Oliveira
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
jhenicacamila123
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
GrazieleMenzani
 
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEMGESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
LuanMiguelCosta
 
Diagnostico-de-gravidez.pdf
Diagnostico-de-gravidez.pdfDiagnostico-de-gravidez.pdf
Diagnostico-de-gravidez.pdf
WaleskaLegoff1
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
WerbertCosta1
 
Enfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptx
Enfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptxEnfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptx
Enfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptx
AnaKarolina50033
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt
5feugeniocastro
 
Resumo pre natal de baixo risco 1
Resumo pre natal de baixo risco 1Resumo pre natal de baixo risco 1
Resumo pre natal de baixo risco 1
Auro Gonçalves
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Enfº Ícaro Araújo
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
RaphaellaMed1
 
2914516.ppt
2914516.ppt2914516.ppt
2914516.ppt
ngeloDanielMera
 
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
MagnoSouza37
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Iriene Castro
 
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia MataConhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
guestaeeeaa5
 
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentarEndocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Zulivam Yaluzan
 

Semelhante a AULA 5 GESTANTE.pptx (20)

aula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptx
aula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptxaula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptx
aula5gestantefrghmhgfwae-231006165335-247cc196.pptx
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
 
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEMGESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
GESTAÇÃO AULA 2 AULA PARA TÉCNICO DE ENFERMAGEM
 
Diagnostico-de-gravidez.pdf
Diagnostico-de-gravidez.pdfDiagnostico-de-gravidez.pdf
Diagnostico-de-gravidez.pdf
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
 
Enfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptx
Enfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptxEnfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptx
Enfermagem Materno - Infantil Slide 1.pptx
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt
 
Resumo pre natal de baixo risco 1
Resumo pre natal de baixo risco 1Resumo pre natal de baixo risco 1
Resumo pre natal de baixo risco 1
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
 
2914516.ppt
2914516.ppt2914516.ppt
2914516.ppt
 
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II  PARA ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA II PARA ENFERMAGEM
 
PNBR 2016
PNBR 2016PNBR 2016
PNBR 2016
 
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
Modificaesnoorganismodagestante 120814201519-phpapp02
 
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia MataConhecendo A Fisiologia Da GestaçãO  JúNia Mata
Conhecendo A Fisiologia Da GestaçãO JúNia Mata
 
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentarEndocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
 

Mais de EduardoFatdukbrGonal

AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptxAULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
AULA 4 PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx
AULA 4  PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptxAULA 4  PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx
AULA 4 PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptxAULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptxAULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptxAULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 

Mais de EduardoFatdukbrGonal (7)

AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptxAULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
AULA 03- ECÉM-NASCIDO PREMATURO E PÓS-TERMO.pptx
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
 
AULA 4 PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx
AULA 4  PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptxAULA 4  PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx
AULA 4 PLANEJAMENTO REPRODUTIVO.pptx
 
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptxAULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
AULA 3 ASSISTÊNCIA PRÉ-NUPCIONAL.pptx
 
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptxAULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
AULA 2, REPRODUÇÃO.pptx
 
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptxAULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
AULA 1 CLINICA OBSTÉTRICA.pptx
 

Último

Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 

Último (11)

Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 

AULA 5 GESTANTE.pptx

  • 1. GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DOCENTE: ENF. CARLOS EDUARDO GONÇALVES
  • 2.  A gravidez é um evento resultante da fecundação do ovulo (ovócito) pelo espermatozoide. Habitualmente, ocorre dentro do útero e é responsável pela geração de um novo ser. Este é um momento de grandes transformações para a mulher, para seu (sua) parceiro (a) e para toda a família. Durante o período da gestação, o corpo vai se modificar lentamente, preparando-se para o parto e para a maternidade. A gestação (gravidez) é um fenômeno fisiológico e, por isso mesmo, sua evolução se dá, na maior parte dos casos, sem intercorrências. GESTAÇÃO
  • 3. GESTAÇÃO A gravidez dura 268 dias desde o momento da conceção ou 280 dias (40 semanas) desde o primeiro dia da última menstruação. Mas como os ciclos menstruais variam de mulher para mulher, o termo da gravidez também pode oscilar entre as 37 e as 42 semanas.
  • 4. GESTAÇÃO  Diagnóstico de gravidez As alterações fisiológicas, endócrinas e anatômicas que acompanham a gravidez, na maioria dos casos, fornecem evidencias claras de uma gestação em curso. O diagnóstico de gravidez pode ser feito por métodos clínicos, laboratoriais e ultrassonográficos. Os sinais e sintomas podem ser classificados como presuntivos, de probabilidade e positivos de gravidez.
  • 5. SINTOMAS DO GRAVIDEZ  Sinais e sintomas presuntivos de gravidez Relacionam – se com sinais e sintomas gerais e subjetivos. Podem estar presentes em outras situações que não se caracterizam como gestação, ou até mesmo podem ser simulados, motivo pelo qual a presença isolada de um deles não é sugestivo de gravidez. São eles:
  • 6. SINTOMAS DA GRAVIDEZ  Amenorreia: ausência da menstruação, isto é, o desaparecimento das regras em mulher já menstruada anteriormente;  Náuseas, vômitos matutinos (enjoo matinal), ptialismo, aumento ou diminuição do apetite;  Aversão a odores (cigarros, alimentos, perfumes);  Polaciúria: desejo de urinar com frequência, comum nos três ou quatro primeiros meses e nos finais da gravidez;
  • 7. SINTOMAS DA GRAVIDEZ  Alterações das mamas: aumento de tamanho, consistência e sensibilidade. Os mamilos e aréolas ficam maiores, mais escuros e a rede venosa mais evidente. Tubérculos de Montgomery tornam – se maiores. Presença de colostro;  Aumento de pigmentação da linha Alba (Linha Nigra), estrias recentes;  Sinal de Chadwick: aspecto arroxeado ou azul escuro da mucosa vulvar e vaginal;
  • 8. GESTAÇÃO  Sinais de probabilidade Relacionam – se com sinais e sintomas gerais e subjetivos. Podem estar presentes em outras situações que não caracterizam como gestação, ou podem ser simulados, motivo pelo qual a presença isolada de um deles não é sugestivo de gravidez. A ocorrência de dois ou mais, simultaneamente, constitui uma evidencia de gravidez. Os sinais são:
  • 9.  Aumento do abdome: evidencia – se por volta do terceiro ao quinto mês de gestação;  Modificações na forma, volume e consistência do útero, perceptíveis pelo toque  Amolecimento do colo já no inicio do segundo mês de gestação;  Palpação do contorno fetal. Deve – se descartar a probabilidade de tumores que poderiam simular partes fetais;  Teste imunológico de gravidez: pela pesquisa de gonadotrofina coriônica humana na urina. São possíveis resultados tanto falso- negativos quanto falso-positivos.
  • 10. GESTAÇÃO  Sinais positivos de gravidez São três os sinais positivos, que emanam do feto: Presença dos batimentos cardíacos fetais (BCF), que são detectados pelo sonar a partir de 12 semanas e pelo Pinard a partir de 20 semanas;
  • 11. GESTAÇÃO  Percepção de partes do feto e de seus movimentos ativos:  Visualização do contorno esquelético fetal: é possível por meio de exposição dos raios X ou ultrassom.  A exposição aos raios X não é isenta de risco para o feto; deve ser evitada como método diagnostico, particularmente no inicio da gestação.
  • 12. GESTAÇÃO  Palpação obstétrica e medida da altura uterina (AU).  Objetivos:  Identificar o crescimento fetal;  Diagnosticar os desvios da normalidade a partir da relação entre a altura uterina e a idade gestacional;  Identificar a situação e a apresentação fetal.
  • 13. PALPAÇÃO OBSTÉTRICA  A palpação obstétrica deve ser realizada antes da medida da altura uterina. Ela deve iniciar-se pela delimitação do fundo uterino, bem como de todo o contorno da superfície uterina (esse procedimento reduz o risco de erro da medida da altura uterina). A identificação da situação e da apresentação fetal é feita por meio da palpação obstétrica, procurando identificar os pólos cefálico e pélvico e o dorso fetal, facilmente identificados a partir do terceiro trimestre.
  • 14. MANOBRA DE LEOPOLD  Quando iniciar a manobra de Leopold?  A manobra de Leopold é realizada para a verificação da posição e da apre- sentação fetal no útero. Essa manobra é realizada por meio da palpação em quatro tempos, como veremos a seguir. Sua realização é indicada a partir da 28ª semana, sendo que a AU e os BCF podem ser avaliados a partir da 12ª semana de gestação.
  • 16. MANOBRA DE LEOPOLD  O feto pode estar em situação longitudinal (mais comum) ou transversa. A situação transversa reduz a medida de altura uterina, podendo falsear sua relação com a idade gestacional. As apresentações mais frequentes são a cefálica e a pélvica.
  • 18. MANOBRA DE LEOPOLD  A situação transversa e a apresentação pélvica em fim de gestação podem significar risco no momento do parto. Nessas condições, a mulher deve ser, sempre, referida para unidade hospitalar com condições de atender distocia.
  • 19. GESTAÇÃO Modificações do organismo materno Modificações sistêmicas: A) Postura e deambulação Lordose da coluna lombar e modificações na deambulação. B) Sistema cardiovascular Diminuição da pressão arterial. De 3 a 5 mmHg na pressão sistólica; De 5 a 15 mmHg na diastólica;
  • 20. GESTAÇÃO C) Circulação cutânea Aumento da sudorese e do calor. D) Pressão venosa Apresenta – se aumentada três vezes mais nos membros inferiores, devido à compressão das veias abdominais e pélvicas. Tendência a edema de membros inferiores, hipotensão, lipotimia, varizes e hemorroidas.
  • 21. GESTAÇÃO E) Sistema sanguíneo Aumento na produção de hemácias, daí a necessidade de suplementação de ferro; F) Sistema urinário Alterações anatômicas e funcionais predispõem a gestante à alta incidência de infecção; G) Sistema respiratório Há um maior valor de sangue sendo oxigenado nos pulmões para suprimir as necessidades do feto. O aumento nas taxas hormonais, próprio da gestação, causa dispneia na gestante.
  • 22. GESTAÇÃO H) Sistema respiratório Há um maior valor de sangue sendo oxigenado nos pulmões para suprimir as necessidades do feto. O aumento nas taxas hormonais, próprio da gestação, causa dispneia na gestante. I) Sistema digestivo Mais de 50% das gestantes relatam o aumento do apetite e da sede. Náuseas e vômitos são comuns devido à diminuição do tônus e da motricidade intestinal. A vesícula biliar apresenta retardo no esvaziamento, determinando tendencia à colelitíase (cálculos).
  • 23. GESTAÇÃO J) Ossos e articulações Poderá ocorrer insuficiência de cálcio na matriz óssea por deficiência na ingestão desse nutriente. L) Pele Aumento na pigmentação da pele: face (cloasmas gravídicos e pigmentação geral (vulva, períneo, nariz e linha nigra, aréola mamária); Estrias: aparecem após o sexto mês no abdome, nas mamas, nos flancos e na região sacral e lombar;
  • 24. GESTAÇÃO M) Pele  Aumento na pigmentação da pele: face (cloasmas gravídicos e pigmentação geral (vulva, períneo, nariz e linha nigra, aréola mamária);  Estrias: aparecem após o sexto mês no abdome, nas mamas, nos flancos e na região sacral e lombar;
  • 25. GESTAÇÃO N) Ganho de peso Entre 10 e 12,5 kg, assim distribuídos: Feto: 3.400 gramas; Placenta: 650 gramas; Útero: 900 gramas; Líquido: 800 a 1000 gramas; Mamas: 400 a 500 gramas; Volume sanguíneo: 1300 a 1500 gramas; Liquido extracelular: 1500 gramas; Excedente: 2300 a 3300 gramas de gordura.
  • 26. GESTAÇÃO  Modificações no aparelho reprodutor O útero não gravídico mede 7 cm de comprimento, atinge, durante a gravidez, até 34 cm, e seu peso, que normalmente é de 100 a 150 g, poderá chegar até a 900 g. No primeiro trimestre, ocorre espaçamento das paredes uterinas, que atinge o auge o quarto mês de gestação.