SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
A IMPORTÂNCIA
DO RECONHECIMENTO
DO NORMAL
ESMALTE ( RP)
É o tecido mais
mineralizado do dente e,
portanto, o mais radiopaco.
DENTINA ( RP)
A dentina representa a maior porção dos tecidos duros
dos dentes, sendo menos radiopaca que o esmalte
CEMENTO ( RP)
Tecido mineralizado que
cobre as raízes dos dentes,
com composição e
radiopacidades
semelhantes à dentina, não
permitindo assim, a
diferenciação de ambos
radiograficamente
ESPAÇO PERIODONTAL ( RL)
LÂMINA DURA (RO)
Representa a porção da parede do alvéolo onde se inserem
as extremidades externas das fibras periodontais. Apresenta-
se radiograficamente como uma linha radiopaca fina que se
continua com as cristas ósseas alveolares.
LÂMINA DURA (RO)
CRISTA ÓSSEAALVEOLAR (RO)
A crista alveolar apresenta-se como uma linha radiopaca
contínua, delgada e lisa, cobrindo, sem solução de
continuidade, o osso esponjoso contido nas cristas e
passando de um dente ao outro, sem interrupção.
CRISTA ÓSSEAALVEOLAR (RO)
CRISTA ÓSSEAALVEOLAR (RO)
OSSO ALVEOLAR (RO)
Chamado também de osso trabecular ou osso esponjoso.
Apresenta-se como uma estrutura trabecular radiopaca,
limitada por espaços medulares radiolúcidos
OSSO ALVEOLAR (RO)
CANAIS NUTRENTES ( RL)
Vistos como linhas
radiolúcidas, que
correspondem aos trajetos
intra-ósseos das arteríolas ou
veias.
CANAIS
NUTRIENTES ( RL)
FOSSAS NASAIS ( RL)
SEPTO NASAL ( RO)
CONCHAS NASAIS ( RO)
Apresentam-se nas radiografias
periapicais da região de incisivos
superiores.
Em alguns casos, observam-se, nas
paredes laterias das fossas nasais,
estruturas menos radiolúcidas que
representam as conchas nasais
inferiores (CNI).
FOSSAS NASAIS ( RL)
SEPTO NASAL ( RO)
CONCHAS NASAIS ( RO)
FOSSA SUB-NASAL OU
FOSSA INCISIVA ( RL)
É uma depressão óssea
existente ao nível do ápice
dos incisivos laterais e
caninos, limitada
posteriormente pela
eminência canina. Pode ser
visualizada como uma área
radiolúcida
SOMBRA DO NARIZ ( RO)
Observadas, em alguns
casos, como uma área
radiopaca sobreposta às
raízes dos incisivos
superiores ou ao osso
alveolar, aumentando seu
grau de radiopacidade.
ESPINHA NASAL
ANTERIOR ( RO)
Localizada na linha média,
é observada na porção
inferior do septo nasal.
Aparece radiograficamente
com uma área radiopaca
em forma de “V”
SUTURA
INTERMAXILAR ( RO)
Sutura entre os dois
processos maxilares.
Aparece
radiograficamente como
uma linha radiolúcida na
linha média, estendendo-
se desde a crista alveolar
entre os incisivos
centrais superiores até a
porção posterior do
palato duro
CANAL INCISIVO ( RL)
Duas linhas radiolúcidas de forma
ovalada, de largura e longitude
variáveis, externamente
delimitadas por duas outras linhas
radiopacas, que são o registro de
suas paredes laterais.
FORAME INCISIVO ( RL)
Situado à altura do rebordo
alveolar, entre as raízes dos
incisivos centrais superiores
ou acima de seus ápices.
Estes podem variar muito no
tamanho e no formato,
aparecendo como áreas
radiolúcidas ovais, em forma
de coração ou em forma de
diamante
Y INVERTIDO DE ENNIS
(RO)
Representa interseção do
assoalho da fossa nasal com a
parede anterior do seio
maxilar. Consiste em uma
estrutura meramente
radiográfica em decorrência de
efeito de projeção.
SEIO MAXILAR ( RL)
É o maior dos seios paranasais, mostrando-se como uma área
radiolúcida de forma arredondada, ovóide ou multiloculada e
contornos bem definidos por uma linha radiopaca que o
delimita, devido a uma maior densidade de suas paredes.
SEIO MAXILAR - EXTENSÃO ALVEOLAR
Atingem a crista intrerdental, com o soalho do seio
contornando os dentes adjacentes. No paciente desdentado,
a extensão pode ser tal que o soalho do mesmo constitui o
próprio rebordo alveolar.
SEIO MAXILAR -
EXTENSÃO ANTERIOR
Pode atingir, desde o
canino, até o incisivo lateral.
SEIO MAXILAR - EXTENSÃO PALATINA
Caracterizada por uma área radiolúcida localizada entre as
corticais do processo palatino, podendo estender-se até a
linha mediana
SEIO MAXILAR - EXTENSÃO PALATINA
SEIO MAXILAR - EXTENSÃO ZIGOMÁTICA
observa-se uma área radiolúcida que invade parcialmente
o processo zigomático da maxila
SEIO MAXILAR - EXTENSÃO PARA O TUBER
O mais freqüente, chegando a atingir toda a tuberosidade,
aumentando sua fragilidade e possibilitando fraturas quando
da extração de terceiros molares
SEIO MAXILAR - SEPTOS
Septos ou trabéculas são freqüentemente encontrados,
parecendo dividir o seio maxilar em mais de uma cavidade
HÂMULO PTERIGÓIDEO ( RO)
Apresenta-se como uma imagem radiopaca, em forma de
gancho, situado posteriormente à tuberosidade da maxila
TUBER DA MAXILA ( RO)
Representa o limite posterior do processo alveolar,
apresentando-se como um osso medular normal com um
menor grau de radiopacidade, já que é mais esparso e os
espaços medulares são maiores.
PROCESSO CORONÓIDE DA MANDÍBULA ( RO)
Apresenta-se como uma imagem radiopaca de contornos
nítidos, de forma triangular, geralmente superposto à
tuberosidade da maxila
PROCESSO ZIGOMÁTICO DA MAXILA ( RO)
OSSO ZIGOMÁTICO ( RO)
É uma área de forte condensação óssea, onde a maxila se
articula com o osso zigomático, apresentando-se como uma
sombra radiopaca, em forma de “U” ou “V”. Indo em direção
posterior, pode notar-se também uma estrutura de menor
radiopacidade, que é a imagem do osso zigomático.
TUBERCULOS GENI ( RO)
São saliências ósseas
localizadas na porção
mediana da mandíbula, as
quais dão inserção aos
músculos milo-hióide e
genioglosso, aparecendo
nas radiografias periapicais
como um anel radiopaco
abaixo do ápice dos
incisivos centrais,
circundando a foramina
lingual
FORAMINA LINGUAL ( RL)
Trata-se de uma pequena
área radioúcida, de forma
circular, situada na linha
média da mandíbula, abaixo
do ápice dos incisivos
centrais, aparecendo
normalmente no centro das
espinhas genianas.
PROTUBERÂNCIA
MENTAL ( RO)
É uma área de
condensação óssea da
mandíbula, vista na região
de incisivos, de tamanho
variável, que se estende
desde a região de pré-
molares até a sínfise, tendo
a forma de uma pirâmide,
cuja base corresponde à
borda inferior da
mandíbula.
FORAME MENTONIANO (RL)
Área radiolúcida arredondada ou oval, de pequena
extensão, localizado, na maioria dos casos, entre os ápices
dos dois pré-molares
FORAME MENTONIANO (RL)
CANAL MANDIBULAR ( RL)
Espessa linha radiolúcida, delimitada por bordas
radiopacas, abaixo das raízes dos molares e pré-molares,
onde corre o feixe vásculo-nervoso dentário inferior
LINHA OBLÍQUA EXTERNA ( RO)
Continuação da borda anterior do ramo ascendente da mandíbula.
Apresenta-se como uma faixa radiopaca que cruza transversalmente
o corpo da mandíbula à altura do terço médio das raízes dos dentes
molares.
LINHA OBLÍQUA INTERNA (MILOIOÍDEA) - ( RO)
Apresenta-se como uma linha radiopaca que se origina na
porção média do ramo da mandíbula, cruza-o diagonalmente em
direção ao corpo ao nível dos ápices dos molares
FÓVEA SUBMANDIBULAR (RL)
É uma área côncava, resultante de um adelgaçamento do corpo da
mandíbula, situada na sua face lingual, abaixo dos dentes molares, a
qual aloja a glândula submandibular. Configura-se como uma área
radiolúcida, pobremente definida.
BASE DA MANDÍBULA ( RO)
Linha fortemente radiopaca, que é visível em função de
um maior aprofundamento do filme, excesso de
angulação vertical ou de uma grande reabsorção do
rebordo alveolar.
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho articuladores
Trabalho articuladoresTrabalho articuladores
Trabalho articuladoresmayana silva
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalItalo Gabriel
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesprofcelsoklein
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodontoandressaElopes
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Guilherme Terra
 
Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficosLucas Pereira
 
Anatomia Interna Dental.pdf
Anatomia Interna Dental.pdfAnatomia Interna Dental.pdf
Anatomia Interna Dental.pdfGAMA FILHO
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoGracieleSonobe1
 
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisDr.João Calais.:
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILACamilla Bringel
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Guilherme Terra
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográficoarianepenna
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesedmarchristovam
 
Radiologia odontologica
Radiologia odontologicaRadiologia odontologica
Radiologia odontologicaRones Carvalho
 
Classificação das maloclusões
Classificação das maloclusõesClassificação das maloclusões
Classificação das maloclusõesEduardo Mangolin
 
Posicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dentalPosicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dentalThiara Cerqueira
 

Mais procurados (20)

Trabalho articuladores
Trabalho articuladoresTrabalho articuladores
Trabalho articuladores
 
Relações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese TotalRelações intermaxilares em Prótese Total
Relações intermaxilares em Prótese Total
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
 
Anatomia do periodonto
Anatomia do periodontoAnatomia do periodonto
Anatomia do periodonto
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficos
 
Revisão anatômica dental
Revisão anatômica dentalRevisão anatômica dental
Revisão anatômica dental
 
Anatomia Interna Dental.pdf
Anatomia Interna Dental.pdfAnatomia Interna Dental.pdf
Anatomia Interna Dental.pdf
 
Exame clínico em Dentística
Exame clínico em DentísticaExame clínico em Dentística
Exame clínico em Dentística
 
Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
 
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográfico
 
Classificação das más oclusões
Classificação das más oclusõesClassificação das más oclusões
Classificação das más oclusões
 
Radiologia odontologica
Radiologia odontologicaRadiologia odontologica
Radiologia odontologica
 
Classificação das maloclusões
Classificação das maloclusõesClassificação das maloclusões
Classificação das maloclusões
 
Posicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dentalPosicionamento e oclusão dental
Posicionamento e oclusão dental
 

Destaque

Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1Lucas Almeida Sá
 
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2Lucas Almeida Sá
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasLilian Souza
 
Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Lucas Almeida Sá
 
Cistos Odontogenicos Inflamatórios
Cistos Odontogenicos  InflamatóriosCistos Odontogenicos  Inflamatórios
Cistos Odontogenicos InflamatóriosLisis Ballejos
 
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)Oyara Mello
 
Clinica Odontologica Infantil - passo a passo
Clinica Odontologica Infantil - passo a passoClinica Odontologica Infantil - passo a passo
Clinica Odontologica Infantil - passo a passoGracieleSonobe1
 
Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003Uninove
 
Materiais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatriaMateriais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatriaFlavio Salomao-Miranda
 
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologiaFundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologiaItalo Gabriel
 
Farmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisFarmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisLucas Almeida Sá
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaLucas Almeida Sá
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoFlavio Salomao-Miranda
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSCamilla Bringel
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Guilherme Terra
 

Destaque (20)

Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1Aula 15   ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
Aula 15 ectoparasitos ii- pulgas - odontologia - unifoa - 2012-1
 
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2Plano de aula    parasitologia odontologia 2012-2
Plano de aula parasitologia odontologia 2012-2
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
 
Cistos orais e para orais
Cistos orais e para oraisCistos orais e para orais
Cistos orais e para orais
 
Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011
 
Cistos Odontogenicos Inflamatórios
Cistos Odontogenicos  InflamatóriosCistos Odontogenicos  Inflamatórios
Cistos Odontogenicos Inflamatórios
 
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
 
Prótese em odontopediatria
Prótese em odontopediatriaPrótese em odontopediatria
Prótese em odontopediatria
 
Clinica Odontologica Infantil - passo a passo
Clinica Odontologica Infantil - passo a passoClinica Odontologica Infantil - passo a passo
Clinica Odontologica Infantil - passo a passo
 
Selantes odontopediatria
Selantes odontopediatriaSelantes odontopediatria
Selantes odontopediatria
 
Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003
 
Materiais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatriaMateriais dentários em odontopediatria
Materiais dentários em odontopediatria
 
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologiaFundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
Fundamentos de anatomia para estudantes de odontologia
 
Farmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisFarmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locais
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
 
Aula anestesia local
Aula   anestesia localAula   anestesia local
Aula anestesia local
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
 
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em OdontologiaFarmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 

Semelhante a Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02

Anatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontiaAnatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontiaFunorte Resende
 
Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02
Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02
Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02Eliziario Leitão
 
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptxJohn Madson Silva
 
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptxJohn Madson Silva
 
7 molares inferiores
7  molares inferiores7  molares inferiores
7 molares inferioresAna Borges
 
9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdfAlexRoberto13
 
Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas
Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas
Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas Luís Filipe Marinho
 

Semelhante a Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02 (8)

Anatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontiaAnatomia aplicada a implantodontia
Anatomia aplicada a implantodontia
 
Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02
Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02
Anatomiaaplicadaaimplantodontia 140401094730-phpapp02
 
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
 
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
2 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO PERIODONTO.pptx
 
7 molares inferiores
7  molares inferiores7  molares inferiores
7 molares inferiores
 
9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf9 radiologia em endodontia pdf
9 radiologia em endodontia pdf
 
Anatomia Dental.pdf
Anatomia Dental.pdfAnatomia Dental.pdf
Anatomia Dental.pdf
 
Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas
Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas
Poster de Petrologia Ígnea- Rochas Ultramáficas
 

Mais de Lucas Almeida Sá

Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedroLucas Almeida Sá
 
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaSlm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaLucas Almeida Sá
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaLucas Almeida Sá
 
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Lucas Almeida Sá
 
Como escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoComo escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoLucas Almeida Sá
 
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia   uma revisão de literaturaAnestésicos locais em odontologia   uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literaturaLucas Almeida Sá
 
Inteligencias multiplas copia
Inteligencias multiplas   copiaInteligencias multiplas   copia
Inteligencias multiplas copiaLucas Almeida Sá
 
Larva migrans cutânea mucosa
Larva migrans cutânea mucosaLarva migrans cutânea mucosa
Larva migrans cutânea mucosaLucas Almeida Sá
 
Estudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odonto
Estudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odontoEstudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odonto
Estudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odontoLucas Almeida Sá
 

Mais de Lucas Almeida Sá (20)

Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
 
Imagiologia
ImagiologiaImagiologia
Imagiologia
 
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaSlm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
 
Anatomia anestesica
Anatomia anestesicaAnatomia anestesica
Anatomia anestesica
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
 
Como escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoComo escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesico
 
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia   uma revisão de literaturaAnestésicos locais em odontologia   uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
 
Inteligencias multiplas copia
Inteligencias multiplas   copiaInteligencias multiplas   copia
Inteligencias multiplas copia
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 
Behaviorismo certo
Behaviorismo certoBehaviorismo certo
Behaviorismo certo
 
Larva migrans cutânea mucosa
Larva migrans cutânea mucosaLarva migrans cutânea mucosa
Larva migrans cutânea mucosa
 
Parasitoses x idh
Parasitoses x idhParasitoses x idh
Parasitoses x idh
 
Historia da leishmania ii
Historia da leishmania iiHistoria da leishmania ii
Historia da leishmania ii
 
Historia da leishmania i
Historia da leishmania iHistoria da leishmania i
Historia da leishmania i
 
Estudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odonto
Estudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odontoEstudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odonto
Estudo dirigido ii parasitologia 2012 2 unifoa odonto
 
Doença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasilDoença de chagas no brasil
Doença de chagas no brasil
 

Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02

  • 1.
  • 3.
  • 4. ESMALTE ( RP) É o tecido mais mineralizado do dente e, portanto, o mais radiopaco.
  • 5. DENTINA ( RP) A dentina representa a maior porção dos tecidos duros dos dentes, sendo menos radiopaca que o esmalte
  • 6. CEMENTO ( RP) Tecido mineralizado que cobre as raízes dos dentes, com composição e radiopacidades semelhantes à dentina, não permitindo assim, a diferenciação de ambos radiograficamente
  • 8. LÂMINA DURA (RO) Representa a porção da parede do alvéolo onde se inserem as extremidades externas das fibras periodontais. Apresenta- se radiograficamente como uma linha radiopaca fina que se continua com as cristas ósseas alveolares.
  • 10. CRISTA ÓSSEAALVEOLAR (RO) A crista alveolar apresenta-se como uma linha radiopaca contínua, delgada e lisa, cobrindo, sem solução de continuidade, o osso esponjoso contido nas cristas e passando de um dente ao outro, sem interrupção.
  • 13.
  • 14. OSSO ALVEOLAR (RO) Chamado também de osso trabecular ou osso esponjoso. Apresenta-se como uma estrutura trabecular radiopaca, limitada por espaços medulares radiolúcidos
  • 16. CANAIS NUTRENTES ( RL) Vistos como linhas radiolúcidas, que correspondem aos trajetos intra-ósseos das arteríolas ou veias.
  • 18.
  • 19. FOSSAS NASAIS ( RL) SEPTO NASAL ( RO) CONCHAS NASAIS ( RO) Apresentam-se nas radiografias periapicais da região de incisivos superiores. Em alguns casos, observam-se, nas paredes laterias das fossas nasais, estruturas menos radiolúcidas que representam as conchas nasais inferiores (CNI).
  • 20. FOSSAS NASAIS ( RL) SEPTO NASAL ( RO) CONCHAS NASAIS ( RO)
  • 21. FOSSA SUB-NASAL OU FOSSA INCISIVA ( RL) É uma depressão óssea existente ao nível do ápice dos incisivos laterais e caninos, limitada posteriormente pela eminência canina. Pode ser visualizada como uma área radiolúcida
  • 22. SOMBRA DO NARIZ ( RO) Observadas, em alguns casos, como uma área radiopaca sobreposta às raízes dos incisivos superiores ou ao osso alveolar, aumentando seu grau de radiopacidade.
  • 23. ESPINHA NASAL ANTERIOR ( RO) Localizada na linha média, é observada na porção inferior do septo nasal. Aparece radiograficamente com uma área radiopaca em forma de “V”
  • 24. SUTURA INTERMAXILAR ( RO) Sutura entre os dois processos maxilares. Aparece radiograficamente como uma linha radiolúcida na linha média, estendendo- se desde a crista alveolar entre os incisivos centrais superiores até a porção posterior do palato duro
  • 25. CANAL INCISIVO ( RL) Duas linhas radiolúcidas de forma ovalada, de largura e longitude variáveis, externamente delimitadas por duas outras linhas radiopacas, que são o registro de suas paredes laterais.
  • 26. FORAME INCISIVO ( RL) Situado à altura do rebordo alveolar, entre as raízes dos incisivos centrais superiores ou acima de seus ápices. Estes podem variar muito no tamanho e no formato, aparecendo como áreas radiolúcidas ovais, em forma de coração ou em forma de diamante
  • 27. Y INVERTIDO DE ENNIS (RO) Representa interseção do assoalho da fossa nasal com a parede anterior do seio maxilar. Consiste em uma estrutura meramente radiográfica em decorrência de efeito de projeção.
  • 28. SEIO MAXILAR ( RL) É o maior dos seios paranasais, mostrando-se como uma área radiolúcida de forma arredondada, ovóide ou multiloculada e contornos bem definidos por uma linha radiopaca que o delimita, devido a uma maior densidade de suas paredes.
  • 29. SEIO MAXILAR - EXTENSÃO ALVEOLAR Atingem a crista intrerdental, com o soalho do seio contornando os dentes adjacentes. No paciente desdentado, a extensão pode ser tal que o soalho do mesmo constitui o próprio rebordo alveolar.
  • 30. SEIO MAXILAR - EXTENSÃO ANTERIOR Pode atingir, desde o canino, até o incisivo lateral.
  • 31. SEIO MAXILAR - EXTENSÃO PALATINA Caracterizada por uma área radiolúcida localizada entre as corticais do processo palatino, podendo estender-se até a linha mediana
  • 32. SEIO MAXILAR - EXTENSÃO PALATINA
  • 33. SEIO MAXILAR - EXTENSÃO ZIGOMÁTICA observa-se uma área radiolúcida que invade parcialmente o processo zigomático da maxila
  • 34. SEIO MAXILAR - EXTENSÃO PARA O TUBER O mais freqüente, chegando a atingir toda a tuberosidade, aumentando sua fragilidade e possibilitando fraturas quando da extração de terceiros molares
  • 35. SEIO MAXILAR - SEPTOS Septos ou trabéculas são freqüentemente encontrados, parecendo dividir o seio maxilar em mais de uma cavidade
  • 36. HÂMULO PTERIGÓIDEO ( RO) Apresenta-se como uma imagem radiopaca, em forma de gancho, situado posteriormente à tuberosidade da maxila
  • 37. TUBER DA MAXILA ( RO) Representa o limite posterior do processo alveolar, apresentando-se como um osso medular normal com um menor grau de radiopacidade, já que é mais esparso e os espaços medulares são maiores.
  • 38. PROCESSO CORONÓIDE DA MANDÍBULA ( RO) Apresenta-se como uma imagem radiopaca de contornos nítidos, de forma triangular, geralmente superposto à tuberosidade da maxila
  • 39. PROCESSO ZIGOMÁTICO DA MAXILA ( RO) OSSO ZIGOMÁTICO ( RO) É uma área de forte condensação óssea, onde a maxila se articula com o osso zigomático, apresentando-se como uma sombra radiopaca, em forma de “U” ou “V”. Indo em direção posterior, pode notar-se também uma estrutura de menor radiopacidade, que é a imagem do osso zigomático.
  • 40.
  • 41. TUBERCULOS GENI ( RO) São saliências ósseas localizadas na porção mediana da mandíbula, as quais dão inserção aos músculos milo-hióide e genioglosso, aparecendo nas radiografias periapicais como um anel radiopaco abaixo do ápice dos incisivos centrais, circundando a foramina lingual
  • 42. FORAMINA LINGUAL ( RL) Trata-se de uma pequena área radioúcida, de forma circular, situada na linha média da mandíbula, abaixo do ápice dos incisivos centrais, aparecendo normalmente no centro das espinhas genianas.
  • 43. PROTUBERÂNCIA MENTAL ( RO) É uma área de condensação óssea da mandíbula, vista na região de incisivos, de tamanho variável, que se estende desde a região de pré- molares até a sínfise, tendo a forma de uma pirâmide, cuja base corresponde à borda inferior da mandíbula.
  • 44. FORAME MENTONIANO (RL) Área radiolúcida arredondada ou oval, de pequena extensão, localizado, na maioria dos casos, entre os ápices dos dois pré-molares
  • 46. CANAL MANDIBULAR ( RL) Espessa linha radiolúcida, delimitada por bordas radiopacas, abaixo das raízes dos molares e pré-molares, onde corre o feixe vásculo-nervoso dentário inferior
  • 47. LINHA OBLÍQUA EXTERNA ( RO) Continuação da borda anterior do ramo ascendente da mandíbula. Apresenta-se como uma faixa radiopaca que cruza transversalmente o corpo da mandíbula à altura do terço médio das raízes dos dentes molares.
  • 48. LINHA OBLÍQUA INTERNA (MILOIOÍDEA) - ( RO) Apresenta-se como uma linha radiopaca que se origina na porção média do ramo da mandíbula, cruza-o diagonalmente em direção ao corpo ao nível dos ápices dos molares
  • 49.
  • 50. FÓVEA SUBMANDIBULAR (RL) É uma área côncava, resultante de um adelgaçamento do corpo da mandíbula, situada na sua face lingual, abaixo dos dentes molares, a qual aloja a glândula submandibular. Configura-se como uma área radiolúcida, pobremente definida.
  • 51. BASE DA MANDÍBULA ( RO) Linha fortemente radiopaca, que é visível em função de um maior aprofundamento do filme, excesso de angulação vertical ou de uma grande reabsorção do rebordo alveolar.