SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
143
Prevalência e fatores associados às
geo-helmintíases em crianças residentes
em municípios com baixo IDH no Norte
e Nordeste brasileiros
Prevalence and factors associated with
geohelminth infections in children living in
municipalities with low HDI in North and
Northeast Brazil
1 Laboratório Central de
Saúde Pública Prof. Gonçalo
Moniz, Salvador, Brasil.
2 Instituto de Saúde Coletiva,
Universidade Federal da
Bahia, Salvador, Brasil.
3 Secretaria de Vigilância da
Saúde, Ministério da Saúde,
Brasília, Brasil.
Correspondência
M. G. Teixeira
Instituto de Saúde Coletiva,
Universidade Federal da
Bahia.
Rua Pancararé 221,
Salvador, BA
41650-640, Brasil.
magloria@ufba.br
Eduardo Oyama Lins Fonseca 1
Maria Glória Teixeira 2
Maurício L. Barreto 2
Eduardo Hage Carmo 3
Maria da Conceição N. Costa 2
Abstract
Stool surveys were conducted to estimate the
prevalence and identify risk factors for geohelm-
inth infections among children in ten Brazilian
municipalities with low human development in-
dices (HDI). Socioeconomic and environmental
data were obtained from the children’s parents
or guardians, and stool samples were examined.
The proportion of geohelminth infections accord-
ing to target variables was calculated. Risk factors
were evaluated using multilevel logistic regres-
sion. Of the 2,523 children, 36.5% were infected
with one or more geohelminths (Ascaris lumbri-
coides, 25.1%; hookworm, 15.3%; Trichuris trichi-
ura, 12.2%). Overall prevalence of geohelminth
infections was 45.7% in rural areas and 32.2% in
urban areas. Low family income (OR = 1.75; 1.38-
2.23), low maternal schooling (OR = 1.69; 1.39-
2.06), presence of garbage near the home (OR =
1.50; 1.22-1.84), and number of individuals in
the household (OR = 1.41; 1.17-1.71) were associ-
ated with infection. In conclusion, geohelminth
infections were closely related to socioeconomic
conditions, thus emphasizing the importance of
targeted public interventions to improve living
conditions as part of sustainable prevention.
Helminthiasis; Parasitic Diseases; Child
Introdução
A elevada magnitude e ampla distribuição geo-
gráfica das enteroparasitoses, aliadas às reper-
cussões negativas que podem causar no orga-
nismo humano, têm conferido a essas infecções
uma posição relevante entre os principais pro-
blemas de saúde da população.
Especialmente em países em desenvolvimen-
to que não alcançaram êxito no seu controle, as
parasitoses intestinais se mantêm como impor-
tante causa de morbidade 1, chegando a atingir
índices de até 90% nos estratos populacionais de
níveis sócio-econômicos mais baixos 2. Embora,
per si, as enteroparasitoses não constituam risco
imediato de morte na infância, a sua relação com
a diarréia e a desnutrição pode colocar em risco
a sobrevivência 3 e o adequado desenvolvimento
físico e mental da criança 4.
As infecções produzidas por enteroparasitos
estão presentes, praticamente, em todas as zonas
tropicais e subtropicais do planeta 5. Estima-se
que, atualmente, mais de um bilhão de indiví-
duos em todo mundo albergam pelo menos uma
espécie de parasita intestinal, sendo Ascaris lum-
bricoides, Trichuris trichiura e ancilostomídeos
os que apresentam freqüências mais elevadas 6.
Estima-se que cerca de 20% a 30% da po-
pulação da América Latina esteja infectada por
geohelmintos 7. Porém, a distribuição das para-
sitoses varia entre países e entre áreas dentro de
um mesmo país. Enquanto a prevalência para
ARTIGO ARTICLE
Fonseca EOL et al.144
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
A. lumbricoides e T. trichiura, entre crianças em
idade pré-escolar e escolar, em área periférica de
Buenos Aires, Argentina, em 2005 foi de 19,2% 8,
no Município de Armenia, Colômbia, a preva-
lência para A. lumbricoides e T. trichiura em pré-
escolares, neste mesmo ano, foi de 2,4% e 2,1%,
respectivamente 9.
Exemplo de variação intrapaís pode ser ob-
servado no Brasil, onde a maioria dos estudos
sobre a prevalência de parasitos intestinais, ge-
ralmente, reflete apenas a realidade de pequenas
localidades, ou seja, não representa a situação
do país como um todo. Assim, no ano de 2005,
em área urbana do Município de Santa Izabel,
Amazonas, localizada na Região Norte do país,
encontrou-se prevalência de aproximadamente
40% para A. lumbricoides, 24% para T. trichiura e
5% para ancilostomídeos, em crianças com ida-
des entre 6 meses e 7 anos 10. Já no Sudeste do
país, entre 2000 e 2002 no Município de Estiva
Gerbi, São Paulo, a positividade era de apenas
1,5% para A. lumbricoides, 0,1% para T. trichiu-
ra e 0,1% para ancilostomídeos, entre crianças
na faixa etária de 0 a 7 anos residentes em áreas
urbana e rural 11. Vale salientar que é esta última
região que concentra a maioria dos estudos sobre
esse tema.
Sabe-se que as acentuadas desigualdades
sócio-econômicas observadas no Brasil, aliadas
ao desordenado processo de urbanização, levam
parcelas da população a viverem em precárias
condições de vida. A ocupação de áreas perifé-
ricas das cidades nas quais as condições de sa-
neamento são deficitárias torna a qualidade de
vida não muito diferente da área rural ou, mui-
tas vezes, em piores condições 12 propiciando a
transmissão das parasitoses intestinais 13,14.
Por conta da multiplicidade de fatores en-
volvidos na sua ocorrência, muitos dos quais de
difícil equacionamento pelo setor saúde neste
país, tais parasitoses persistem como um impor-
tante problema de saúde na população brasilei-
ra, apesar dos conhecimentos científicos e avan-
ços tecnológicos disponíveis para tratamento e
prevenção. A propósito, este pode ser um dos
fatores que contribuíram para a idéia equivo-
cada de que as enteroparasitoses deixaram de
constituir um problema de saúde pública em
todo o mundo.
Todavia, por reconhecer que essas infecções
continuam prevalecendo no país, o governo bra-
sileiro lançou, em 2005, o Plano Nacional deVigi-
lância e Controle das Enteroparasitoses 15 e, em
2007, o Programa de Aceleração do Crescimento
(PAC) que prevê ações em saneamento básico,
tendo como meta a redução de doenças infeccio-
sas e parasitárias, entre as quais estão incluídas
as parasitoses intestinais.
Em vista das iniciativas, este estudo teve
como objetivo descrever a ocorrência de geo-
helmintíases em crianças residentes em muni-
cípios do Norte-Nordeste brasileiro e identificar
fatores de risco ambiental e sócio-econômicos
relacionados com a sua distribuição, tendo co-
mo propósito produzir informações que possam
subsidiar o planejamento, programação e avalia-
ção de intervenções voltadas para a prevenção e
controle das referidas infecções.
Material e métodos
Foirealizadouminquéritotransversal,entremar-
ço a setembro de 2005, em 10 dos 22 municípios
brasileiros incluídos no Projeto de Avaliação de
Impacto na Saúde das Ações de Saneamento 16,
do qual este se constitui num subprojeto. No ano
2000, a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA)
instou os municípios brasileiros cujo Índice de
Desenvolvimento Humano (IDH), em 1991, foi
< 0,500 e que atendessem aos critérios da Porta-
ria nº.176 de 28 de março de 2000 17, a apresentar
projetos para captar recursos destinados à exe-
cução de obras de saneamento (abastecimento
de água, melhorias sanitárias domiciliares e es-
gotamento sanitário). Entre janeiro de 2001 até
julho de 2002, cerca de 1.846 desses municípios
firmaram convênio com a FUNASA. Mediante tal
cadastro, uma amostra intencional de 22 municí-
pios foi selecionada considerando-se diferentes
portes populacionais e maiores valores de recur-
sos solicitados, visando privilegiar aqueles que
iriam ser objeto de intervenções de saneamento
mais amplas 16. A disponibilidade de informação
sobre todas as variáveis sócio-ambientais neces-
sárias para o estudo foi o critério adotado para
a seleção dos dez municípios. Dentre eles, seis
pertenciam à Região Nordeste (Independência e
Mucambo no Ceará, São José do Peixe e Ribeiro
Gonçalves no Piauí e Santa Helena e Maracaçu-
mé no Maranhão) e quatro à Região Norte (Bra-
gança e Ourém no Pará e Dianópolis e Itacajá no
Tocantins).
O tamanho da amostra foi determinado com
o auxílio do programa Epi Info 6.04d (Centers for
Disease Control and Prevention, Atlanta, Esta-
dos Unidos), com base na literatura específica,
considerando-se como 20% a freqüência espe-
rada do evento, 10% a pior freqüência aceitável
e intervalo de 95% de confiança, aplicando-se a
técnica de cálculo para populações finitas, pa-
ra cada município. Em nenhum dos municípios
estudados, o tamanho da amostra ultrapassou
60 crianças. Entretanto, para aumentar o poder
do estudo a fim de permitir a estratificação das
variáveis a serem analisadas, decidiu-se aplicar
GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 145
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
efeito desenho igual a 5, o que ampliou a amostra
para 300, sempre que possível.
Tendo em vista que todas as famílias eram
cadastradas no Programa de Agentes Comunitá-
rios de Saúde (PACS), inicialmente, foram nume-
radas as fichas de inscrição das famílias e, para
cada um dos municípios realizou-se o sorteio
aleatório simples daquelas a serem incluídas no
estudo. Se na família havia somente uma criança
da faixa etária de interesse, era considerada para
o estudo. Se havia duas, uma delas era seleciona-
da por sorteio; quando havia três ou mais crian-
ças, apenas duas delas eram sorteadas. Caso não
fossem encontradas crianças elegíveis em uma
família sorteada, sorteavam-se tantas famílias
quantas fossem necessárias até encontrar uma
que, pelo menos, estivesse na faixa etária esta-
belecida. Ao final, participaram do estudo 2.523
crianças da referida faixa etária (292 em Dianó-
polis e em Itacajá, 288 em Ourém, 272 em Inde-
pendência e em Santa Helena; 261 em Bragança,
258 em São José do Peixe, 231 em Maracaçumé e
102 em Mucambo).
Um questionário estruturado foi aplicado
à mãe ou responsável com intuito de obter in-
formações sobre condições físicas do domicilio,
abastecimento de água, presença de lixo no pe-
ridomicílio (distância de até 30m da casa), zona
de residência, renda familiar, escolaridade ma-
terna, idade e sexo da criança e se a mesma rea-
lizou exame de fezes e/ou usou anti-helmínticos
nos últimos seis meses. Nesta última situação, a
criança não era incluída no estudo. Após a en-
trevista, foram doados recipientes para a coleta
de material fecal da criança (uma única coleta
por criança). No dia seguinte, os coletores eram
recolhidos pelos agentes de saúde do PACS e en-
caminhados ao laboratório do Centro de Saúde
do município, onde um técnico do projeto pre-
parava duas lâminas por amostra, e parte das
fezes era colocada em formol a 10% para pos-
terior exame. Cada amostra foi examinada con-
comitantemente pelos métodos de Kato modifi-
cado por Katz 18, e sedimentação espontânea 19.
Em média, os exames eram realizados no Posto
Avançado do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da
Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Sal-
vador, duas semanas após a coleta. Os resultados
dos exames e o medicamento específico para o
tratamento das crianças foram encaminhados à
Secretaria de Saúde de cada município.
Realizou-se a análise descritiva e calculou-
se a proporção de geo-helmintíases (total e para
cada tipo de parasita) segundo estratos de cada
variável (sexo, idade, zona de residência, escola-
ridade da mãe, renda da família, número de mo-
radores na casa, presença de água encanada, lixo
próximo de casa, número de cômodos na casa),
sendo a diferença entre elas verificada pela razão
de proporções, aceitando-se nível de significân-
cia de 0,05.
A existência de associação entre os possíveis
fatores de risco e ocorrência de geo-helmintíases
foi avaliada, inicialmente, mediante regressão
logística bivariada. Pelo fato de na literatura to-
das as variáveis investigadas serem consideradas
como importante fator de risco para a ocorrência
de enteroparasitoses, mesmo aquelas que nesta
análise não apresentaram significância estatís-
tica, todas elas foram incluídas em modelo mul-
tivariado, utilizando-se a técnica backward. Es-
ta modelagem foi realizada por meio de análise
multinível 20 (ou de efeitos aleatórios) de modo a
assegurar que a variância não seria subestimada,
visto que esse método considera o efeito cluster
que pode ocorrer quando os dados são obtidos
por conglomerados (no presente estudo, defini-
dos pelos municípios). O referido efeito diz res-
peito à possibilidade de respostas mais similares,
no que se refere a confundidores, entre indiví-
duos pertencentes ao mesmo conglomerado, do
que entre aqueles que pertencem a conglomera-
dos distintos. O programa Stata 7.0 (Stata Corp.,
College Station, Estados Unidos) foi utilizado pa-
ra análise dos dados.
Esta investigação foi aprovada pelo Comi-
tê de Ética do ISC/UFBA (protocolo n°. 011-04/
CEP-ISC).
Resultados
Das 2.523 crianças incluídas no estudo, 52% eram
do sexo masculino, 60,9% tinham entre 10 e 14
anos de idade e 67,6% residiam na área urbana. A
maioria delas (61,4%) tinha mães que possuíam
mais de 3 anos de estudo, entretanto apenas 5,4%
das mães tinham 8 ou mais anos de escolaridade.
Mais de 90% das crianças pertenciam a famílias
com renda mensal até dois salários mínimos e
para quase 75% delas a renda mensal era igual ou
inferior a um salário mínimo (R$300,00 à época
do inquérito); 53,1% residiam em domicílios com
até 5 moradores, 78,4% em domicílios sem água
encanada, 53,5% em moradias com lixo na sua
proximidade e, perto de 60% residiam em casa
com 4 ou menos cômodos. Foi de 8,9 ± 2,4 anos
o valor médio e o desvio-padrão para a idade das
crianças estudadas; 3,2 ± 1,5 anos para a escola-
ridade das mães; 2,1 ± 1,3 salários para a renda
familiar mensal e; 2,3 ± 0,7 para o número de pes-
soas no domicílio. No que se refere à distribuição
das crianças segundo procedência (urbana/ru-
ral), constata-se diferença estatisticamente signi-
ficante para escolaridade da mãe, renda familiar,
presença de lixo próximo de casa, água encanada
Fonseca EOL et al.146
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
no domicílio e número de pessoas na residência
(Tabela 1).
A proporção de geo-helmintíase para o total
de crianças examinadas foi de 36,5%. A espécie
mais freqüente foi A.lumbricoides (25,1%), segui-
da pelos ancilostomídeos (12,2%) e T. trichiura
(12,2%). Os maiores índices foram encontrados
em Santa Helena (64,7%), Ourém (63,5%) e Mara-
caçumé (61,5%). Os municípios de Independên-
cia e Mucambo e Itacajá apresentaram os meno-
res índices, com valores de 12,5%, 13,7% e 17,1%,
respectivamente.
Crianças que viviam em casas com lixo nas
proximidades (48%), cujas mães tinham escolari-
dade igual ou inferior a 3 anos de estudo (46,9%),
residentes em domicílios com renda familiar
igual ou inferior a 1 salário mínimo (41,4%), com
4 ou menos cômodos (41%) e com mais de 5 pes-
soas (44,8%) apresentaram freqüência maior de
geo-helmintíases (Tabela 2).
Padrão de distribuição semelhante foi ob-
servado para cada uma das espécies de geohel-
mintos analisadas. O sexo masculino apresentou
maior prevalência, porém com diferença estatis-
ticamente significante apenas para ancilostomí-
deos. A. lumbricoides foi mais prevalente entre
crianças que moravam em domicílios que pos-
suíam água encanada, e o contrário foi verificado
para os ancilostomídeos. Maior prevalência de
crianças com ancilostomídeos foi encontrada na
zona rural (Tabela 3).
Na análise bivariada, verificou-se que as va-
riáveis sexo e idade só se mostraram associados
a ancilostomídeos e A. lumbricoides, respectiva-
mente. O primeiro desses parasitos e as geo-hel-
mintíases (global) também se associaram à zona
de residência. Por sua vez, escolaridade materna
e renda familiar apresentaram-se estatisticamen-
te associados às geo-helmintíases estudadas, a
exceção do T.trichiura, que não apresentou asso-
Tabela 1
Número e percentual de crianças de 5 a 14 anos incluídas no inquérito sobre geo-helmintíases segundo características
demográficas, sócio-econômicas, ambientais e zona de residência. Brasil *, 2005.
Características Zona de residência Total
Urbana Rural
n % n % Valor
de p
n %
Sexo
Masculino 869 50,9 443 54,2 1.211 48,0
Feminino 837 49,1 374 45,8 0,12 1.312 52,0
Idade (em anos)
10-14 1.026 60,1 510 62,4 1.536 60,9
5-9 680 39,9 307 37,6 0,27 987 39,1
Escolaridade da mãe (anos)
> 3 1.134 66,5 416 50,9 1.546 61,4
≤ 3 572 33,5 401 49,1 0,00 973 38,6
Renda da família (salários mínimos)
> 1 509 29,8 102 12,5 611 25,1
≤ 1 1.123 65,8 698 85,4 0,00 1.821 74,9
Lixo próximo de casa
Não 1.037 60,9 134 16,4 1.171 46,5
Sim 667 39,1 681 83,6 0,00 1.348 53,5
Água encanada
Sim 396 23,2 149 18,2 545 21,6
Não 1.310 76,8 668 81,8 0,00 1.978 78,4
Número de pessoas na casa
≤ 5 953 55,9 385 47,2 1.338 53,1
> 5 751 44,1 430 52,8 0,00 1.181 46,9
Número de cômodos na casa
> 4 670 39,4 350 42,9 1.020 40,5
≤ 4 1.031 60,6 465 57,1 0,09 1.496 59,5
* Refere-se a dez municípios das regiões Norte e Nordeste, com IDH < 0,500 em 1991.
GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 147
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
Tabela 2
Número de crianças examinadas de 5 a 14 anos, freqüência global (%) de geo-helmintíases e razão de proporção (RP)
segundo características demográficas, sócio-econômicas e ambientais. Brasil *, 2005.
Variáveis sócio-econômicas Crianças
examinadas
Freqüência global
% RP Valor de p IC95%
Zona de residência
Urbana 1.706 32,2 1,42 0,00 1,28-1,57
Rural 817 45,7
Sexo
Feminino 1.211 34,7 1,10 0,06 0,99-1,22
Masculino 1.312 38,3
Idade (anos)
10-14 1.536 36,8 0,98 0,76 0,88-1,09
5-9 987 36,2
Escolaridade da mãe (anos)
> 3 1.550 30,1 1,56 0,00 1,41-1,72
≤ 3 973 46,9
Renda da família (salários mínimos)
> 1 611 22,3 1,86 0,00 1,59-2,18
≤ 1 1.821 41,4
Lixo próximo de casa
Não 1.171 23,4 2,05 0,00 1,82-2,31
Sim 1.348 48,0
Água encanada
Sim 545 36,1 1,01 0,83 0,89-1,15
Não 1.978 36,7
Número de pessoas na casa
≤ 5 1.338 29,3 1,53 0,00 1,38-1,70
> 5 1.181 44,8
Número de cômodos na casa
> 4 1.020 30,0 1,37 0,00 1,22-1,53
≤ 4 1.496 41,0
* Refere-se a dez municípios das regiões Norte e Nordeste, com IDH < 0,500 em 1991.
ciação significante com renda familiar. Presença
de lixo, número de pessoas e número de cômo-
dos no domicílio também se mostraram associa-
dos com cada um dos geohelmintos analisados
bem como com o conjunto deles, enquanto a va-
riável água encanada só se mostrou associada a
ancilostomídeos e a T. trichiura.
Ao se proceder à análise multivariada (Tabe-
la 4), verificou-se que renda familiar ≤ 1 salário
mínimo (OR = 1,75; 1,38-2,23), escolaridade ma-
terna ≤ 3 anos de estudo (OR = 1,69; 1,39-2,06),
presença de lixo próximo ao domicílio (OR =
1,50; 1,22-1,84) e mais de 5 pessoas no domicílio
(OR = 1,41; 1,17-1,71) apresentaram-se estatisti-
camente associados às infecções pelo conjun-
to dos três helmintos estudados. Infecções por
A. lumbricoides mostraram-se associadas à ren-
da familiar baixa (OR = 1,78; 1,35-2,36), mais
de 5 pessoas no domicílio (OR = 1,55; 1,26-
1,91), escolaridade materna ≤ 3 anos de estudo
(OR = 1,43; 1,16-1,76), presença de lixo próxi-
mo ao domicílio (OR = 1,27; 1,01-1,60) e número
de cômodos ≤ 4 (OR = 1,27; 1,02-1,58). Com re-
lação aos ancilostomídeos, observou-se asso-
ciação positiva com residência em zona rural
(OR = 1,97; 1,51-2,56), presença de lixo próxi-
mo ao domicílio (OR = 1,89; 1,38-2,59), renda
familiar baixa (OR = 1,74; 1,21-2,51), escolari-
dade materna ≤ 3 anos de estudo (OR = 1,52;
1,18-1,96), sexo masculino (OR = 1,47; 1,15-1,
88), mais de 5 pessoas no domicílio(OR = 1,45;
1,12-1,88) e associação inversa com a idade
(OR = 0,78; 0,61-0,99). Já para a infecção por
T. trichiura, os fatores associados foram ausên-
cia de água encanada em casa (OR = 1,79; 1,25-
2,54), número de cômodos ≤ 4 (OR = 1,56; 1,15-
Fonseca EOL et al.148
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
Tabela 3
Número de crianças * examinadas, proporção (%) de geo-helmintíases por espécie e razão de proporção (RP) segundo características demográficas, sócio-
econômicas e ambientais. Brasil **, 2005.
Variáveis Crianças
examinadas
Ascaris lumbricoides Ancilostomídeos Trichuris trichiura
% Valor
de p
RP IC95% % Valor
de p
RP IC95% % Valor
de p
RP IC95%
Zona de residência
Urbana 1.706 24,1 10,2 12,2
Rural 817 27,2 0,10 1,13 0,98-1,30 25,8 0,00 2,53 2,11-3,04 12,0 0,85 0,98 0,78-1,22
Sexo
Feminino 1.211 25,4 12,7 12,0
Masculino 1.312 24,8 0,77 0,98 0,86-1,12 17,6 0,00 1,38 1,15-1,67 12,3 0,77 1,03 0,84-1,27
Idade
(anos)
10-14 1.536 26,6 15,0 12,1
5-9 987 22,7 0,03 0,85 0,74-0,98 15,7 0,62 1,05 0,87-1,26 12,3 0,91 1,01 0,82-1,25
Escolaridade
da mãe (anos)
> 3 1.550 20,6 11,1 10,1
≤ 3 973 32,3 0,00 1,57 1,37-1,79 21,9 0,00 1,97 1,64-2,37 15,4 0,00 1,52 1,23-1,87
Renda da família
(salários mínimos)
> 1 611 13,7 7,0 7,7
≤ 1 1.821 29,0 0,00 2,11 1,71-2,60 17,6 0,00 2,5 1,84-3,39 13,6 0,00 1,76 1,31-2,37
Lixo próximo
de casa
Não 1.171 16,3 6,8 6,8
Sim 1.348 32,7 0,00 2,01 1,72-2,33 22,5 0,00 3,3 2,61-4,17 16,8 0,00 2,45 1,92-3,13
Água encanada
Sim 545 29,2 11,2 10,1
Não 1.978 24,0 0,01 0,82 0,70-0,96 16,4 0,00 1,46 1,13-1,89 12,8 0,09 1,26 0,96-1,66
Número de
pessoas na casa
≤ 5 1.338 19,8 10,5 8,8
> 5 1.181 31,1 0,00 1,57 1,37-1,80 20,6 0,00 1,95 1,61-2,36 15,9 0,00 1,81 1,45-2,24
Número de
cômodos na casa
> 4 1.020 20,2 10,8 9,5
≤ 4 1.496 29,0 0,00 1,41 1,22-1,63 18,0 0,00 1,69 1,38-2,08 14,0 0,00 1,47 1,17-1,84
* De 5 a 14 anos de idade;
** Refere-se a dez municípios das regiões Norte e Nordeste, com IDH < 0,500 em 1991.
2,12), mais de 5 pessoas no domicílio (OR = 1,39;
1,04-1,90), residir em zona urbana (OR = 0,61;
0,44-0,84) e escolaridade materna ≤ 3 anos de
estudo (OR = 1,38; 1,03-1,84).
Discussão
A elevada freqüência (36,5%) de crianças infecta-
daspor,pelomenos,umaespéciedegeohelminto
observada neste estudo confirma que, nos muni-
cípios mais pobres do Brasil, as geo-helmintíases
ainda representam relevante problema de saú-
de. Embora a prevalência de crianças com geo-
helmintíases, na maioria dos municípios anali-
sados, superem aquele observado (18,9%) entre
crianças residentes na zona rural de Uberlândia,
Minas Gerais, no Sudeste do país 21, em outros
é inferior aos 42% encontrados por Tsuyuoka et
al. 22 em Aracaju, capital do Estado de Sergipe,
situada no Nordeste. É possível que questões me-
todológicas, aliadas a diferenças nas condições
sócio-econômicas e no grau de desenvolvimento
dos sistemas de saúde locais existentes entre as
GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 149
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
regiões onde se situam os municípios de residên-
cia das crianças de cada estudo, possam explicar
a ampla variabilidade dos resultados observados
no Brasil.
É evidente que a magnitude das geo-hel-
mintíases, nos dias atuais, é inferior aos 86,4%
encontrados por Pellon & Teixeira 23, na déca-
da de 1940, quando as condições de vida das
populações do interior do Nordeste eram mais
precárias e ainda não se dispunha de terapêu-
tica segura e eficaz para utilização em massa.
Entretanto, com a descentralização das ações
de saúde que vem possibilitando maior acesso
à antihelmínticos de largo espectro e à relativa
melhoria das condições de vida da população
nas últimas décadas, poder-se-ia esperar que os
níveis de prevalência dessas parasitoses fossem
mais baixos que os observados.
Chama também a atenção, no presente in-
quérito, os níveis de prevalência de infecções por
A.lumbricoides (25,1%) e T.trichiura (12,2%) infe-
riores àqueles encontrados em Salvador (33,1% e
25,5%), em 2003/2004, mesmo após este municí-
pio ter sido alvo de um programa de saneamento
ambiental 24. A diversidade das condições ecoló-
gicas dos municípios estudados, especificamen-
te a umidade do solo é uma das hipóteses que
poderia explicar este fato, uma vez que a maioria
das crianças incluídas no nosso estudo residia
em regiões semi-áridas do Nordeste. Nestas áreas
predomina o clima quente e seco que dificulta a
disseminação de helmintos 25, enquanto o con-
trário ocorre na cidade de Salvador que, por estar
situada em região litorânea, apresenta umidade
do solo maior em função da quantidade e regula-
ridade das chuvas.
Como referido anteriormente, reconhece-se
que está havendo uma redução na prevalência
de enteroparasitoses no Brasil, tanto em face dos
avanços tecnológicos quanto no campo da saú-
de como no que se refere ao saneamento am-
biental. Contudo, tendo em vista que o referido
indicador pode revelar o grau de contaminação
ambiental 26 de uma área, a manutenção de ele-
vadas freqüências dessas infecções na periferia
das grandes cidades e em zonas rurais, evidencia
a necessidade de maior investimento de recursos
nestas áreas. Ainda mais que os mesmos são de
grande importância, não só para reduzir as pa-
rasitoses intestinais, como também outras doen-
ças de maior gravidade tais como diarréia infan-
til aguda, hepatites virais, dengue, leptospirose,
dentre outras. Fortalecem a afirmação anterior,
as freqüências mais elevadas de geohelmintos
entre crianças que residiam em zona rural, on-
de a deficiência de saneamento ainda é maior e
as condições de vida mais precárias, conforme
constatado neste estudo e pelos indicadores di-
vulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE; http://www.sidra.Ibge.gov.br/
bda/acervo/acervo4.asp?z=t&o=3, acessado em
22/Ago/2007).
A exemplo do que tem sido demonstrado na
maioria das investigações realizadas no Brasil
27,28, também em nosso estudo as infecções por
A. lumbricoides foram as mais prevalentes. Pos-
sivelmente, este fato deve-se à própria biologia
deste parasita que tem ovos muito resistentes
com grande capacidade de aderência a super-
fícies, fato que representa um fator importante
na sua transmissão, uma vez que, presente no
ambiente e em alimentos, tais ovos não são re-
movidos com facilidade por lavagens e podem
permanecer por até dez anos 29.
Por outro lado, seria de se esperar que a pre-
valência de T. trichiura fosse maior que a encon-
trada, conforme demonstrado em outras investi-
gações 30,31 dado que este helminto compartilha
com a espécie A. lumbricoides o mesmo meca-
nismo de transmissão e a mesma distribuição
geográfica. Talvez, a maior resistência dos ovos
de A. lumbricoides, mesmo sob condições ad-
versas do meio, mantenha sua evolução natural,
enquanto os de T. trichiura se desenvolvam em
menor proporção.
Como observado em outros inquéritos re-
alizados no país, quer atuais 21,32 quer menos
recentes 13,33, no presente estudo os ancilosto-
mídeos igualmente foram os geohelmintos mais
prevalentes na zona rural. O achado sugere que
as deficiências relativas ao saneamento e à aten-
ção à saúde naquelas áreas têm se modificado
aquém do desejado. A carência repercute negati-
vamente na prevenção da ancilostomíase, o que
é preocupante, pois a característica fundamental
deste parasitismo é a permanente espoliação de
sangue dos indivíduos que leva a anemia ferro-
priva contribuindo para agravar as deficiências
nutricionais destas populações.
Apesar de a população deste estudo ser re-
lativamente homogênea no tocante aos indica-
dores sócio-econômicos, ainda assim foi possí-
vel detectar forte associação da renda familiar,
escolaridade materna, número de pessoas no
domicílio e presença de lixo próximo à residên-
cia da criança com a ocorrência tanto pelas três
geo-helmintíases em conjunto, como especifi-
camente com pelos A. lumbricoides e ancilosto-
mídeos. Juntamente com o fato da manutenção
da associação entre residência em zona rural e
ocorrência da ancilostomíase, estes resultados
evidenciam, mais uma vez, a relevância das con-
dições sócio-econômicas e ambientais na deter-
minação destas infecções.
Uma limitação na interpretação dos resulta-
dos deste estudo refere-se à não-disponibilidade
Fonseca EOL et al.150
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
da informação sobre o destino dos dejetos. Toda-
via, considerando que na zona urbana dos mu-
nicípios investigados a proporção de domicílios
ligados à rede de esgotamento sanitária ou que
possuíam fossa séptica variava de 0,34% (Santa
Helena) a 32,2% (Bragança) e, que na zona rural
a variação era de 0,06% em Mucambo a 3,15%
em Ribeiro Gonçalves (IBGE; http://www.sidra.
Ibge.gov.br/bda/acervo/acervo4.asp?z=t&o=3,
acessado em 22/Ago/2007), é possível supor que
o destino inadequado dos dejetos também repre-
senta um importante fator na determinação da
ocorrência das geo-helmintíases nessas áreas.
Vale ainda ressaltar que o tempo decorrido
entre a coleta e a leitura das lâminas pode ter
ocasionado a redução da sensibilidade do exame,
uma vez que para a identificação de ancilostomí-
deos a observação deve ser feita imediatamente
após a preparação das lâminas, fato que significa
que a prevalência de geohelmintos encontrada
pode estar subestimada. Por conseguinte, são
necessários investimentos voltados tanto à me-
lhoria da situação ambiental como às condições
sócio-econômicas da população. Ou seja, ações
setoriais ao lado de intervenções estruturais dire-
cionadas aos fatores de risco de ocorrência des-
sas infecções precisam ser adotadas para que, de
fato, ocorra e se mantenha uma real melhoria do
perfil epidemiológico dessas doenças.
Resumo
Para determinar a prevalência de geo-helmintíases
e identificar fatores associados a sua ocorrência, fo-
ram realizados inquéritos coprológicos em amos-
tra de crianças entre 5 e 14 anos de idade, residentes
em dez municípios brasileiros com baixo Índice de
Desenvolvimento Humano. Aplicou-se questioná-
rio aos responsáveis, obtendo-se informações sócio-
econômicas e ambientais e foi feita coleta de fezes.
Estimaram-se prevalências de geohelmintos segundo
variáveis de interesse e se avaliaram os fatores de ris-
co mediante regressão logística multinível. Das 2.523
crianças estudadas, 36,5% eram portadoras de um
ou mais geohelmintos (Ascaris lumbricoides 25,1%;
ancilostomídeos 15,3%, Trichuris trichiura 12,2%).
A proporção de geo-helmintíases para o conjunto na
zona rural foi 45,7%; na urbana, 32,2%. Baixa renda
familiar (OR = 1,75; 1,38-2,23), baixa escolaridade
materna (OR = 1,69; 1,39-2,06), presença de lixo pró-
ximo ao domicílio (OR = 1,50; 1,22-1,84) e maior nú-
mero de pessoas no domicílio (OR = 1,41; 1,17-1,71)
mostraram-se associadas a tais infecções. Conclui-se
que a ocorrência destas parasitoses está relaciona-
da às condições sócio-econômicas e evidencia a im-
portância de intervenções públicas direcionadas à
melhoria das condições de vida para sua prevenção.
Helmintíase; Doenças Parasitárias; Criança
Colaboradores
E. O. L. Fonseca contribuiu na concepção e desenho do
estudo, análise e interpretação dos dados, redação do
artigo, aprovação final da versão a ser submetida para
publicação. M. C. N. Costa contribuiu na concepção
e desenho do estudo, da análise e interpretação dos
dados, redação e revisão crítica do artigo, aprovação
final da versão a ser submetida para publicação. M. G.
Teixeira contribuiu na concepção e desenho do estudo,
participou da análise e interpretação dos dados, reda-
ção do artigo, aprovação final da versão a ser submetida
para publicação. M. L. Barreto contribuiu na concep-
ção e desenho do estudo, da análise e interpretação dos
dados, revisão crítica relevante do conteúdo do artigo,
aprovação final da versão a ser submetida para publi-
cação. E. H. Carmo contribuiu na concepção e desenho
do estudo, análise e interpretação dos dados, revisão
crítica relevante do conteúdo do artigo e aprovação fi-
nal da versão a ser submetida para publicação.
GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 151
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
Referências
1. Hoste H. Adaptative physiological processes in the
host during gastrointestinal parasitism. Int J Para-
sitol 2001; 31:231-44.
2. Devera R, Cermeño JR, Blanco Y, Morales MCB,
Guerra X, Souza M, et al. Prevalencia de blasto-
cistosis y otras parasitosis intestinales en una co-
munidad rural del Estado Anzoátegui, Venezuela.
Parasitol Latinoam 2003; 58:95-100.
3. Matos SMA. Prevalência de enteroparasitoses e sua
relação com o estado antropométrico na infância,
Salvador-BA [Dissertação de Mestrado]. Salvador:
Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal
da Bahia; 2006.
4. Castiñeiras TMPP, Martins FSV. Infecções por hel-
mintos e enteroprotozoários. Rio de Janeiro: Cen-
tro de Informações em Saúde para Viajantes, Uni-
versidade Federal do Rio de Janeiro; 2000/2002.
5. Chan MS. The global burden of intestinal nema-
tode infections-fifty years on. Parasitol Today 1997;
13:438-43.
6. World Health Organization. Deworming for health
and development. Report of the Third Global
Meeting of the Partners for Parasite Control. Ge-
neva: World Health Organization; 2005.
7. Ehrenberg JP. Por um continente livre de vermino-
ses! Washington DC: Organização Pan-Americana
da Saúde; 2002. (Boletim da Organização Pan-
Americana da Saúde).
8. Zonta ML, Navone GT, Oyhenart EE. Parasitosis in-
testinales en niños de edad preescolar y escolar:
situación actual en poblaciones urbanas, periur-
banas y rurales en Brandsen, Buenos Aires, Argen-
tina. Parasitol Latinoam 2007; 62:54-60.
9. Giraldo-Gómez JM, Lora F, Henao LH, Mejía S, Gó-
mez-Marín JE. Prevalencia de giardiasis y parasitos
intestinales en preescolares de hogares atendidos
en un programa estatal en Armenia, Colombia.
Rev Salud Pública 2005; 7:327-38.
10. Carvalho-Costa FA, Gonçalves AQ, Lassance SL,
Silva Neto LM, Salmazo CAA, Bóia MN. Giardia
lamblia and other intestinal parasitic infections
and their relationships with nutritional status in
children in Brazilian Amazon. Rev Inst Med Trop
São Paulo 2007; 49:147-53.
11. Ferreira GR, Andrade CFS. Alguns aspectos socio-
econômicos relacionados a parasitoses intestinais
e avaliação de uma intervenção educativa em es-
colares de Estiva Gerbi, SP. Rev Soc Bras Med Trop
2005; 38:402-5.
12. Coura-Filho P. Distribuição da esquistossomose no
espaço urbano. 1. O caso da região metropolitana
de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde
Pública 1997; 13:415-24.
13. De Carli GA, Mentz M, Rott MB, Silva ACA, Wen-
dorff A, Tasca T, et al. Prevalência das enteroparasi-
toses na população urbana e rural da região carbo-
nífera da cidade de Arroio dos Ratos, no Estado do
Rio Grande do Sul. Rev Bras Farm 1997; 78:83-5.
14. Uchôa CMA, Lobo AGB, Bastos OMP, Matos AD.
Parasitoses intestinais: prevalência em creches co-
munitárias da cidade de Niterói, Rio de Janeiro –
Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz 2001; 60:97-101.
15. Carmo EA, Perez EP, Gerolomo M, Silva MP, Alves
RMS. Plano nacional de vigilância e controle das
enteroparasitoses. http://portal.saude.gov.br/por
tal/arquivos/pdf/Enteroparasitoses_Pano_nacio
nal_%2006%2007%202005.pdf (acessado em 13/
Jul/2007).
16. Ministério da Saúde/Organização Pan-Americana
da Saúde. Avaliação de impacto na saúde das ações
de saneamento: marco conceitual e estratégia me-
todológica. Brasília: Organização Pan-Americana
da Saúde/Ministério da Saúde; 2004.
17. Fundação Nacional de Saúde. Portaria nº. 176.
Aprova os critérios e procedimentos para apli-
cação de recursos financeiros. Diário Oficial da
União 2000; 28 mar.
18. Katz N, Chaves A, Pellegrino J. A simple device for
quantitative stool thick-smear technique in schis-
tosomiasis mansoni. Rev Inst Med Trop São Paulo
1972; 14:397-400.
19. Hoffmann WA, Pons JA, Janer JL. The sedimenta-
tion concentration method in schistosomiasis
mansoni. PR J Public Health Trop Med 1934; 9:
283-91.
20. Davis CS. Statistical methods for the analysis of re-
peated measurements. New York: Springer; 2002.
21. Ribeiro MCM, Marçal Júnior O. Prevalência e fa-
tores de risco para geo-helmintíases em escolares
da zona rural de Uberlândia (MG). Rev Patol Trop
2003; 32:105-15.
22. Tsuyuoka R, Bailey JW, Guimarães AMD’AN, Gur-
gel RQ, Cuevas LE. Anemia and intestinal para-
sitic infections in primary school students in Ara-
caju, Sergipe, Brazil. Cad Saúde Pública 1999; 15:
413-21.
23. Pellon AB, Teixeira I. Distribuição da esquistosso-
mose mansônica no Brasil. Rio de Janeiro: Divisão
da Organização Sanitária; 1950.
24. Barreto ML. Avaliação do impacto epidemiológico
do Programa de Saneamento Ambiental da Baía de
Todos os Santos (Bahia Azul). Salvador: Instituto
de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia;
2006.
25. Camillo-Coura L. Contribuição ao estudo das geo-
helmintíases [Tese de Doutorado]. Rio de Janeiro:
Faculdade de Medicina, Universidade Federal do
Rio de Janeiro; 1970.
26. Carneiro FF, Cifuentes E,Tellez-Rojo MM, Romieu I.
The risk of Ascaris lumbricoides infection in chil-
dren as an environmental health indicator to guide
preventive activities in Caparao and Alto Caparao,
Brazil. Bull World Health Organ 2002; 80:40-6.
27. Pereira CW, Santos FN. Prevalência de geo-hel-
mintíases em crianças atendidas na rede pública
de saúde de Neópolis, município do estado de Ser-
gipe. Rev Bras Anál Clín 2005; 37:111-4.
28. Ferreira P, Lima MR, Oliveira FB, Pereira MLM, Ra-
mos LBM, Marçal MG, et al. Ocorrência de parasi-
tos e comensais intestinais em crianças de escola
localizada em assentamento de sem-terras em
Campo Florido, Minas Gerais, Brasil. Rev Soc Bras
Med Trop 2003; 36:109-11.
Fonseca EOL et al.152
Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010
29. Luduvice M. Experiência da Companhia de Sane-
amento do Distrito Federal na reciclagem agrícola
de biossólido. In: BettiolW, Camargo OA, organiza-
dores. Impacto ambiental do uso agrícola do lodo
de esgoto. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente;
2000. p. 245-58.
30. Bezerra FSM, Oliveira MF, Miranda ALL, Pinheiro
MCC, Teles RMA. Incidência de parasitos intesti-
nais em material sub-ungueal e fecal em crianças
da Creche Aprisco – Fortaleza, CE. Rev Bras Anál
Clín 2003; 35:39-40.
31. Costa-Macedo LM, Machado-Silva JR, Rodrigues-
Silva R, Oliveira LM, Vianna MSR. Enteroparasito-
ses em pré-escolares de comunidades favelizadas
da Cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pú-
blica 1998; 14:851-5.
32. Mascarini LL, Donalísio-Cordeiro MR. Helmintía-
ses em crianças institucionalizadas em creches no
município de Botucatu/SP, Brasil. Rev Patol Trop
2007; 36:149-58.
33. Barbosa FS, Pessoa D, Pinto RF, Barbosa JM, Ro-
drigues BA. Levantamento seccionais sobre a es-
quistossomose no Nordeste do Brasil. III. Estado
de Pernambuco (município de São Lourenço da
Mata). Rev Soc Bras Med Trop 1970; IV:269-80.
Recebido em 26/Jun/2008
Versão final reapresentada em 16/Jun/2009
Aprovado em 14/Out/2009

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AlexsandraFabre1
 
Perfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTE
Perfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTEPerfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTE
Perfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTEErivelto Teixeira
 
51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos
51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos
51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anosLuís Carlos Nunes
 
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cubaCaroline Augusta
 
ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOS
ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOSENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOS
ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOSValdirene1977
 
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilMarciane Missio
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúdeKênia Paula
 
Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...
Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...
Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...Unidade Temática T3 - blog
 
Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014
Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014
Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014jaciremagoncalves
 
Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.
Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.
Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.Ministério da Saúde
 
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBASISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBAFILIPE NERI
 
Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrer
Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrerExperiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrer
Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrerPopulação Negra e Saúde
 

Mais procurados (20)

NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
 
Perfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTE
Perfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTEPerfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTE
Perfil epidemiológico de parasitos intestinais TIMOR-LESTE
 
51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos
51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos
51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos
 
Artigo physis
Artigo physisArtigo physis
Artigo physis
 
Situação da Criança em Moçambique
Situação da Criança em MoçambiqueSituação da Criança em Moçambique
Situação da Criança em Moçambique
 
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
 
ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOS
ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOSENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOS
ENFRENTAMENTO DO HIV E Aids EM IDOSOS
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
 
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
 
Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04
 
Crescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatitesCrescem casos de hepatites
Crescem casos de hepatites
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...
Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...
Plano integrado de enfrentamento da feminizacao da epidemia de aids e outras ...
 
Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014
Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014
Boletim Epidemiologico- tuberculose-v44n2-2014
 
Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.
Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.
Boletim epidemiológico da Tuberculose no Brasil.
 
Qual é a sua cor ou raça etnia ?
Qual é a sua cor ou raça etnia  ?Qual é a sua cor ou raça etnia  ?
Qual é a sua cor ou raça etnia ?
 
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBASISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
 
Politica nacional saude_populacao_negra
Politica nacional saude_populacao_negraPolitica nacional saude_populacao_negra
Politica nacional saude_populacao_negra
 
Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrer
Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrerExperiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrer
Experiências desiguais ao nascer, viver, adoecer e morrer
 

Semelhante a Parasitoses x idh

Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009
Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009
Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009Arquivo-FClinico
 
Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017Marselle Amadio
 
apresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptxapresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptxssuserc9ef031
 
artigo
artigoartigo
artigomujaci
 
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasAssociação Viva e Deixe Viver
 
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...Instituto Trata Brasil
 
Educadore sspe 2012
Educadore sspe 2012Educadore sspe 2012
Educadore sspe 2012cursometa
 
“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxo
“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxo“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxo
“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxoElaine Macedo
 
Plano municipal da dengue 2014 2015
Plano municipal da dengue 2014 2015Plano municipal da dengue 2014 2015
Plano municipal da dengue 2014 2015Rogerio Catanese
 
2015 038---campanha-publica----o
2015 038---campanha-publica----o2015 038---campanha-publica----o
2015 038---campanha-publica----ohanseníase fametro
 
Presentation1_050850.pptx
Presentation1_050850.pptxPresentation1_050850.pptx
Presentation1_050850.pptxNewtonMambondo
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilKarynne Alves do Nascimento
 
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015Centro Universitário Ages
 

Semelhante a Parasitoses x idh (20)

Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V3N1 2013
 
07
0707
07
 
Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009
Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009
Abordagem das parasitoses intestinais mais prevalentes na infância, 2009
 
Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017Doenças infecciosas 2010 a 2017
Doenças infecciosas 2010 a 2017
 
apresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptxapresentacao artigo SGH.pptx
apresentacao artigo SGH.pptx
 
Artigo bioterra v20_n2_10
Artigo bioterra v20_n2_10Artigo bioterra v20_n2_10
Artigo bioterra v20_n2_10
 
artigo
artigoartigo
artigo
 
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças CrônicasHumanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
Humanização do Atendimento de Jovens Portadores De Doenças Crônicas
 
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
 
Educadore sspe 2012
Educadore sspe 2012Educadore sspe 2012
Educadore sspe 2012
 
“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxo
“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxo“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxo
“A promoção da saúde na atenção primária do município de belford roxo
 
Plano municipal da dengue 2014 2015
Plano municipal da dengue 2014 2015Plano municipal da dengue 2014 2015
Plano municipal da dengue 2014 2015
 
Sus
SusSus
Sus
 
2015 038---campanha-publica----o
2015 038---campanha-publica----o2015 038---campanha-publica----o
2015 038---campanha-publica----o
 
Artigo bioterra v18_n2_06
Artigo bioterra v18_n2_06Artigo bioterra v18_n2_06
Artigo bioterra v18_n2_06
 
Presentation1_050850.pptx
Presentation1_050850.pptxPresentation1_050850.pptx
Presentation1_050850.pptx
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
 
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015 II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
II Consenso Brasileiro em Doença de Chagas, 2015
 
Caso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníaseCaso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníase
 
Caso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníaseCaso clinico hanseníase
Caso clinico hanseníase
 

Mais de Lucas Almeida Sá

Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Lucas Almeida Sá
 
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedroLucas Almeida Sá
 
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Lucas Almeida Sá
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaLucas Almeida Sá
 
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaSlm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaLucas Almeida Sá
 
Farmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisFarmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisLucas Almeida Sá
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaLucas Almeida Sá
 
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Lucas Almeida Sá
 
Como escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoComo escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoLucas Almeida Sá
 
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia   uma revisão de literaturaAnestésicos locais em odontologia   uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literaturaLucas Almeida Sá
 
Inteligencias multiplas copia
Inteligencias multiplas   copiaInteligencias multiplas   copia
Inteligencias multiplas copiaLucas Almeida Sá
 

Mais de Lucas Almeida Sá (20)

Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011Emergências em estomatologia 2011
Emergências em estomatologia 2011
 
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedroTécnicas anestésicas   dentistica uni foa 2012-01-pedro
Técnicas anestésicas dentistica uni foa 2012-01-pedro
 
Cistos orais e para orais
Cistos orais e para oraisCistos orais e para orais
Cistos orais e para orais
 
Imagiologia
ImagiologiaImagiologia
Imagiologia
 
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
Anatomiadento maxilo-mandibular-110429050346-phpapp02
 
Maxila
 Maxila Maxila
Maxila
 
Tecnica radiografica
Tecnica radiograficaTecnica radiografica
Tecnica radiografica
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
 
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeuticaSlm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
Slm.ins.m3 00-manual-anestesiologia-e-terapeutica
 
Farmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locaisFarmacologia dos anestesicos locais
Farmacologia dos anestesicos locais
 
Anestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologiaAnestesia local em odontologia
Anestesia local em odontologia
 
Anatomia anestesica
Anatomia anestesicaAnatomia anestesica
Anatomia anestesica
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
Suturas em odontologia_-_silverstein_-_2003
 
Como escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesicoComo escolher adequado_anestesico
Como escolher adequado_anestesico
 
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia   uma revisão de literaturaAnestésicos locais em odontologia   uma revisão de literatura
Anestésicos locais em odontologia uma revisão de literatura
 
Inteligencias multiplas copia
Inteligencias multiplas   copiaInteligencias multiplas   copia
Inteligencias multiplas copia
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Grupos
GruposGrupos
Grupos
 
3 vida afetiva
3 vida afetiva3 vida afetiva
3 vida afetiva
 

Parasitoses x idh

  • 1. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 143 Prevalência e fatores associados às geo-helmintíases em crianças residentes em municípios com baixo IDH no Norte e Nordeste brasileiros Prevalence and factors associated with geohelminth infections in children living in municipalities with low HDI in North and Northeast Brazil 1 Laboratório Central de Saúde Pública Prof. Gonçalo Moniz, Salvador, Brasil. 2 Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil. 3 Secretaria de Vigilância da Saúde, Ministério da Saúde, Brasília, Brasil. Correspondência M. G. Teixeira Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia. Rua Pancararé 221, Salvador, BA 41650-640, Brasil. magloria@ufba.br Eduardo Oyama Lins Fonseca 1 Maria Glória Teixeira 2 Maurício L. Barreto 2 Eduardo Hage Carmo 3 Maria da Conceição N. Costa 2 Abstract Stool surveys were conducted to estimate the prevalence and identify risk factors for geohelm- inth infections among children in ten Brazilian municipalities with low human development in- dices (HDI). Socioeconomic and environmental data were obtained from the children’s parents or guardians, and stool samples were examined. The proportion of geohelminth infections accord- ing to target variables was calculated. Risk factors were evaluated using multilevel logistic regres- sion. Of the 2,523 children, 36.5% were infected with one or more geohelminths (Ascaris lumbri- coides, 25.1%; hookworm, 15.3%; Trichuris trichi- ura, 12.2%). Overall prevalence of geohelminth infections was 45.7% in rural areas and 32.2% in urban areas. Low family income (OR = 1.75; 1.38- 2.23), low maternal schooling (OR = 1.69; 1.39- 2.06), presence of garbage near the home (OR = 1.50; 1.22-1.84), and number of individuals in the household (OR = 1.41; 1.17-1.71) were associ- ated with infection. In conclusion, geohelminth infections were closely related to socioeconomic conditions, thus emphasizing the importance of targeted public interventions to improve living conditions as part of sustainable prevention. Helminthiasis; Parasitic Diseases; Child Introdução A elevada magnitude e ampla distribuição geo- gráfica das enteroparasitoses, aliadas às reper- cussões negativas que podem causar no orga- nismo humano, têm conferido a essas infecções uma posição relevante entre os principais pro- blemas de saúde da população. Especialmente em países em desenvolvimen- to que não alcançaram êxito no seu controle, as parasitoses intestinais se mantêm como impor- tante causa de morbidade 1, chegando a atingir índices de até 90% nos estratos populacionais de níveis sócio-econômicos mais baixos 2. Embora, per si, as enteroparasitoses não constituam risco imediato de morte na infância, a sua relação com a diarréia e a desnutrição pode colocar em risco a sobrevivência 3 e o adequado desenvolvimento físico e mental da criança 4. As infecções produzidas por enteroparasitos estão presentes, praticamente, em todas as zonas tropicais e subtropicais do planeta 5. Estima-se que, atualmente, mais de um bilhão de indiví- duos em todo mundo albergam pelo menos uma espécie de parasita intestinal, sendo Ascaris lum- bricoides, Trichuris trichiura e ancilostomídeos os que apresentam freqüências mais elevadas 6. Estima-se que cerca de 20% a 30% da po- pulação da América Latina esteja infectada por geohelmintos 7. Porém, a distribuição das para- sitoses varia entre países e entre áreas dentro de um mesmo país. Enquanto a prevalência para ARTIGO ARTICLE
  • 2. Fonseca EOL et al.144 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 A. lumbricoides e T. trichiura, entre crianças em idade pré-escolar e escolar, em área periférica de Buenos Aires, Argentina, em 2005 foi de 19,2% 8, no Município de Armenia, Colômbia, a preva- lência para A. lumbricoides e T. trichiura em pré- escolares, neste mesmo ano, foi de 2,4% e 2,1%, respectivamente 9. Exemplo de variação intrapaís pode ser ob- servado no Brasil, onde a maioria dos estudos sobre a prevalência de parasitos intestinais, ge- ralmente, reflete apenas a realidade de pequenas localidades, ou seja, não representa a situação do país como um todo. Assim, no ano de 2005, em área urbana do Município de Santa Izabel, Amazonas, localizada na Região Norte do país, encontrou-se prevalência de aproximadamente 40% para A. lumbricoides, 24% para T. trichiura e 5% para ancilostomídeos, em crianças com ida- des entre 6 meses e 7 anos 10. Já no Sudeste do país, entre 2000 e 2002 no Município de Estiva Gerbi, São Paulo, a positividade era de apenas 1,5% para A. lumbricoides, 0,1% para T. trichiu- ra e 0,1% para ancilostomídeos, entre crianças na faixa etária de 0 a 7 anos residentes em áreas urbana e rural 11. Vale salientar que é esta última região que concentra a maioria dos estudos sobre esse tema. Sabe-se que as acentuadas desigualdades sócio-econômicas observadas no Brasil, aliadas ao desordenado processo de urbanização, levam parcelas da população a viverem em precárias condições de vida. A ocupação de áreas perifé- ricas das cidades nas quais as condições de sa- neamento são deficitárias torna a qualidade de vida não muito diferente da área rural ou, mui- tas vezes, em piores condições 12 propiciando a transmissão das parasitoses intestinais 13,14. Por conta da multiplicidade de fatores en- volvidos na sua ocorrência, muitos dos quais de difícil equacionamento pelo setor saúde neste país, tais parasitoses persistem como um impor- tante problema de saúde na população brasilei- ra, apesar dos conhecimentos científicos e avan- ços tecnológicos disponíveis para tratamento e prevenção. A propósito, este pode ser um dos fatores que contribuíram para a idéia equivo- cada de que as enteroparasitoses deixaram de constituir um problema de saúde pública em todo o mundo. Todavia, por reconhecer que essas infecções continuam prevalecendo no país, o governo bra- sileiro lançou, em 2005, o Plano Nacional deVigi- lância e Controle das Enteroparasitoses 15 e, em 2007, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que prevê ações em saneamento básico, tendo como meta a redução de doenças infeccio- sas e parasitárias, entre as quais estão incluídas as parasitoses intestinais. Em vista das iniciativas, este estudo teve como objetivo descrever a ocorrência de geo- helmintíases em crianças residentes em muni- cípios do Norte-Nordeste brasileiro e identificar fatores de risco ambiental e sócio-econômicos relacionados com a sua distribuição, tendo co- mo propósito produzir informações que possam subsidiar o planejamento, programação e avalia- ção de intervenções voltadas para a prevenção e controle das referidas infecções. Material e métodos Foirealizadouminquéritotransversal,entremar- ço a setembro de 2005, em 10 dos 22 municípios brasileiros incluídos no Projeto de Avaliação de Impacto na Saúde das Ações de Saneamento 16, do qual este se constitui num subprojeto. No ano 2000, a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) instou os municípios brasileiros cujo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em 1991, foi < 0,500 e que atendessem aos critérios da Porta- ria nº.176 de 28 de março de 2000 17, a apresentar projetos para captar recursos destinados à exe- cução de obras de saneamento (abastecimento de água, melhorias sanitárias domiciliares e es- gotamento sanitário). Entre janeiro de 2001 até julho de 2002, cerca de 1.846 desses municípios firmaram convênio com a FUNASA. Mediante tal cadastro, uma amostra intencional de 22 municí- pios foi selecionada considerando-se diferentes portes populacionais e maiores valores de recur- sos solicitados, visando privilegiar aqueles que iriam ser objeto de intervenções de saneamento mais amplas 16. A disponibilidade de informação sobre todas as variáveis sócio-ambientais neces- sárias para o estudo foi o critério adotado para a seleção dos dez municípios. Dentre eles, seis pertenciam à Região Nordeste (Independência e Mucambo no Ceará, São José do Peixe e Ribeiro Gonçalves no Piauí e Santa Helena e Maracaçu- mé no Maranhão) e quatro à Região Norte (Bra- gança e Ourém no Pará e Dianópolis e Itacajá no Tocantins). O tamanho da amostra foi determinado com o auxílio do programa Epi Info 6.04d (Centers for Disease Control and Prevention, Atlanta, Esta- dos Unidos), com base na literatura específica, considerando-se como 20% a freqüência espe- rada do evento, 10% a pior freqüência aceitável e intervalo de 95% de confiança, aplicando-se a técnica de cálculo para populações finitas, pa- ra cada município. Em nenhum dos municípios estudados, o tamanho da amostra ultrapassou 60 crianças. Entretanto, para aumentar o poder do estudo a fim de permitir a estratificação das variáveis a serem analisadas, decidiu-se aplicar
  • 3. GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 145 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 efeito desenho igual a 5, o que ampliou a amostra para 300, sempre que possível. Tendo em vista que todas as famílias eram cadastradas no Programa de Agentes Comunitá- rios de Saúde (PACS), inicialmente, foram nume- radas as fichas de inscrição das famílias e, para cada um dos municípios realizou-se o sorteio aleatório simples daquelas a serem incluídas no estudo. Se na família havia somente uma criança da faixa etária de interesse, era considerada para o estudo. Se havia duas, uma delas era seleciona- da por sorteio; quando havia três ou mais crian- ças, apenas duas delas eram sorteadas. Caso não fossem encontradas crianças elegíveis em uma família sorteada, sorteavam-se tantas famílias quantas fossem necessárias até encontrar uma que, pelo menos, estivesse na faixa etária esta- belecida. Ao final, participaram do estudo 2.523 crianças da referida faixa etária (292 em Dianó- polis e em Itacajá, 288 em Ourém, 272 em Inde- pendência e em Santa Helena; 261 em Bragança, 258 em São José do Peixe, 231 em Maracaçumé e 102 em Mucambo). Um questionário estruturado foi aplicado à mãe ou responsável com intuito de obter in- formações sobre condições físicas do domicilio, abastecimento de água, presença de lixo no pe- ridomicílio (distância de até 30m da casa), zona de residência, renda familiar, escolaridade ma- terna, idade e sexo da criança e se a mesma rea- lizou exame de fezes e/ou usou anti-helmínticos nos últimos seis meses. Nesta última situação, a criança não era incluída no estudo. Após a en- trevista, foram doados recipientes para a coleta de material fecal da criança (uma única coleta por criança). No dia seguinte, os coletores eram recolhidos pelos agentes de saúde do PACS e en- caminhados ao laboratório do Centro de Saúde do município, onde um técnico do projeto pre- parava duas lâminas por amostra, e parte das fezes era colocada em formol a 10% para pos- terior exame. Cada amostra foi examinada con- comitantemente pelos métodos de Kato modifi- cado por Katz 18, e sedimentação espontânea 19. Em média, os exames eram realizados no Posto Avançado do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Sal- vador, duas semanas após a coleta. Os resultados dos exames e o medicamento específico para o tratamento das crianças foram encaminhados à Secretaria de Saúde de cada município. Realizou-se a análise descritiva e calculou- se a proporção de geo-helmintíases (total e para cada tipo de parasita) segundo estratos de cada variável (sexo, idade, zona de residência, escola- ridade da mãe, renda da família, número de mo- radores na casa, presença de água encanada, lixo próximo de casa, número de cômodos na casa), sendo a diferença entre elas verificada pela razão de proporções, aceitando-se nível de significân- cia de 0,05. A existência de associação entre os possíveis fatores de risco e ocorrência de geo-helmintíases foi avaliada, inicialmente, mediante regressão logística bivariada. Pelo fato de na literatura to- das as variáveis investigadas serem consideradas como importante fator de risco para a ocorrência de enteroparasitoses, mesmo aquelas que nesta análise não apresentaram significância estatís- tica, todas elas foram incluídas em modelo mul- tivariado, utilizando-se a técnica backward. Es- ta modelagem foi realizada por meio de análise multinível 20 (ou de efeitos aleatórios) de modo a assegurar que a variância não seria subestimada, visto que esse método considera o efeito cluster que pode ocorrer quando os dados são obtidos por conglomerados (no presente estudo, defini- dos pelos municípios). O referido efeito diz res- peito à possibilidade de respostas mais similares, no que se refere a confundidores, entre indiví- duos pertencentes ao mesmo conglomerado, do que entre aqueles que pertencem a conglomera- dos distintos. O programa Stata 7.0 (Stata Corp., College Station, Estados Unidos) foi utilizado pa- ra análise dos dados. Esta investigação foi aprovada pelo Comi- tê de Ética do ISC/UFBA (protocolo n°. 011-04/ CEP-ISC). Resultados Das 2.523 crianças incluídas no estudo, 52% eram do sexo masculino, 60,9% tinham entre 10 e 14 anos de idade e 67,6% residiam na área urbana. A maioria delas (61,4%) tinha mães que possuíam mais de 3 anos de estudo, entretanto apenas 5,4% das mães tinham 8 ou mais anos de escolaridade. Mais de 90% das crianças pertenciam a famílias com renda mensal até dois salários mínimos e para quase 75% delas a renda mensal era igual ou inferior a um salário mínimo (R$300,00 à época do inquérito); 53,1% residiam em domicílios com até 5 moradores, 78,4% em domicílios sem água encanada, 53,5% em moradias com lixo na sua proximidade e, perto de 60% residiam em casa com 4 ou menos cômodos. Foi de 8,9 ± 2,4 anos o valor médio e o desvio-padrão para a idade das crianças estudadas; 3,2 ± 1,5 anos para a escola- ridade das mães; 2,1 ± 1,3 salários para a renda familiar mensal e; 2,3 ± 0,7 para o número de pes- soas no domicílio. No que se refere à distribuição das crianças segundo procedência (urbana/ru- ral), constata-se diferença estatisticamente signi- ficante para escolaridade da mãe, renda familiar, presença de lixo próximo de casa, água encanada
  • 4. Fonseca EOL et al.146 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 no domicílio e número de pessoas na residência (Tabela 1). A proporção de geo-helmintíase para o total de crianças examinadas foi de 36,5%. A espécie mais freqüente foi A.lumbricoides (25,1%), segui- da pelos ancilostomídeos (12,2%) e T. trichiura (12,2%). Os maiores índices foram encontrados em Santa Helena (64,7%), Ourém (63,5%) e Mara- caçumé (61,5%). Os municípios de Independên- cia e Mucambo e Itacajá apresentaram os meno- res índices, com valores de 12,5%, 13,7% e 17,1%, respectivamente. Crianças que viviam em casas com lixo nas proximidades (48%), cujas mães tinham escolari- dade igual ou inferior a 3 anos de estudo (46,9%), residentes em domicílios com renda familiar igual ou inferior a 1 salário mínimo (41,4%), com 4 ou menos cômodos (41%) e com mais de 5 pes- soas (44,8%) apresentaram freqüência maior de geo-helmintíases (Tabela 2). Padrão de distribuição semelhante foi ob- servado para cada uma das espécies de geohel- mintos analisadas. O sexo masculino apresentou maior prevalência, porém com diferença estatis- ticamente significante apenas para ancilostomí- deos. A. lumbricoides foi mais prevalente entre crianças que moravam em domicílios que pos- suíam água encanada, e o contrário foi verificado para os ancilostomídeos. Maior prevalência de crianças com ancilostomídeos foi encontrada na zona rural (Tabela 3). Na análise bivariada, verificou-se que as va- riáveis sexo e idade só se mostraram associados a ancilostomídeos e A. lumbricoides, respectiva- mente. O primeiro desses parasitos e as geo-hel- mintíases (global) também se associaram à zona de residência. Por sua vez, escolaridade materna e renda familiar apresentaram-se estatisticamen- te associados às geo-helmintíases estudadas, a exceção do T.trichiura, que não apresentou asso- Tabela 1 Número e percentual de crianças de 5 a 14 anos incluídas no inquérito sobre geo-helmintíases segundo características demográficas, sócio-econômicas, ambientais e zona de residência. Brasil *, 2005. Características Zona de residência Total Urbana Rural n % n % Valor de p n % Sexo Masculino 869 50,9 443 54,2 1.211 48,0 Feminino 837 49,1 374 45,8 0,12 1.312 52,0 Idade (em anos) 10-14 1.026 60,1 510 62,4 1.536 60,9 5-9 680 39,9 307 37,6 0,27 987 39,1 Escolaridade da mãe (anos) > 3 1.134 66,5 416 50,9 1.546 61,4 ≤ 3 572 33,5 401 49,1 0,00 973 38,6 Renda da família (salários mínimos) > 1 509 29,8 102 12,5 611 25,1 ≤ 1 1.123 65,8 698 85,4 0,00 1.821 74,9 Lixo próximo de casa Não 1.037 60,9 134 16,4 1.171 46,5 Sim 667 39,1 681 83,6 0,00 1.348 53,5 Água encanada Sim 396 23,2 149 18,2 545 21,6 Não 1.310 76,8 668 81,8 0,00 1.978 78,4 Número de pessoas na casa ≤ 5 953 55,9 385 47,2 1.338 53,1 > 5 751 44,1 430 52,8 0,00 1.181 46,9 Número de cômodos na casa > 4 670 39,4 350 42,9 1.020 40,5 ≤ 4 1.031 60,6 465 57,1 0,09 1.496 59,5 * Refere-se a dez municípios das regiões Norte e Nordeste, com IDH < 0,500 em 1991.
  • 5. GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 147 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 Tabela 2 Número de crianças examinadas de 5 a 14 anos, freqüência global (%) de geo-helmintíases e razão de proporção (RP) segundo características demográficas, sócio-econômicas e ambientais. Brasil *, 2005. Variáveis sócio-econômicas Crianças examinadas Freqüência global % RP Valor de p IC95% Zona de residência Urbana 1.706 32,2 1,42 0,00 1,28-1,57 Rural 817 45,7 Sexo Feminino 1.211 34,7 1,10 0,06 0,99-1,22 Masculino 1.312 38,3 Idade (anos) 10-14 1.536 36,8 0,98 0,76 0,88-1,09 5-9 987 36,2 Escolaridade da mãe (anos) > 3 1.550 30,1 1,56 0,00 1,41-1,72 ≤ 3 973 46,9 Renda da família (salários mínimos) > 1 611 22,3 1,86 0,00 1,59-2,18 ≤ 1 1.821 41,4 Lixo próximo de casa Não 1.171 23,4 2,05 0,00 1,82-2,31 Sim 1.348 48,0 Água encanada Sim 545 36,1 1,01 0,83 0,89-1,15 Não 1.978 36,7 Número de pessoas na casa ≤ 5 1.338 29,3 1,53 0,00 1,38-1,70 > 5 1.181 44,8 Número de cômodos na casa > 4 1.020 30,0 1,37 0,00 1,22-1,53 ≤ 4 1.496 41,0 * Refere-se a dez municípios das regiões Norte e Nordeste, com IDH < 0,500 em 1991. ciação significante com renda familiar. Presença de lixo, número de pessoas e número de cômo- dos no domicílio também se mostraram associa- dos com cada um dos geohelmintos analisados bem como com o conjunto deles, enquanto a va- riável água encanada só se mostrou associada a ancilostomídeos e a T. trichiura. Ao se proceder à análise multivariada (Tabe- la 4), verificou-se que renda familiar ≤ 1 salário mínimo (OR = 1,75; 1,38-2,23), escolaridade ma- terna ≤ 3 anos de estudo (OR = 1,69; 1,39-2,06), presença de lixo próximo ao domicílio (OR = 1,50; 1,22-1,84) e mais de 5 pessoas no domicílio (OR = 1,41; 1,17-1,71) apresentaram-se estatisti- camente associados às infecções pelo conjun- to dos três helmintos estudados. Infecções por A. lumbricoides mostraram-se associadas à ren- da familiar baixa (OR = 1,78; 1,35-2,36), mais de 5 pessoas no domicílio (OR = 1,55; 1,26- 1,91), escolaridade materna ≤ 3 anos de estudo (OR = 1,43; 1,16-1,76), presença de lixo próxi- mo ao domicílio (OR = 1,27; 1,01-1,60) e número de cômodos ≤ 4 (OR = 1,27; 1,02-1,58). Com re- lação aos ancilostomídeos, observou-se asso- ciação positiva com residência em zona rural (OR = 1,97; 1,51-2,56), presença de lixo próxi- mo ao domicílio (OR = 1,89; 1,38-2,59), renda familiar baixa (OR = 1,74; 1,21-2,51), escolari- dade materna ≤ 3 anos de estudo (OR = 1,52; 1,18-1,96), sexo masculino (OR = 1,47; 1,15-1, 88), mais de 5 pessoas no domicílio(OR = 1,45; 1,12-1,88) e associação inversa com a idade (OR = 0,78; 0,61-0,99). Já para a infecção por T. trichiura, os fatores associados foram ausên- cia de água encanada em casa (OR = 1,79; 1,25- 2,54), número de cômodos ≤ 4 (OR = 1,56; 1,15-
  • 6. Fonseca EOL et al.148 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 Tabela 3 Número de crianças * examinadas, proporção (%) de geo-helmintíases por espécie e razão de proporção (RP) segundo características demográficas, sócio- econômicas e ambientais. Brasil **, 2005. Variáveis Crianças examinadas Ascaris lumbricoides Ancilostomídeos Trichuris trichiura % Valor de p RP IC95% % Valor de p RP IC95% % Valor de p RP IC95% Zona de residência Urbana 1.706 24,1 10,2 12,2 Rural 817 27,2 0,10 1,13 0,98-1,30 25,8 0,00 2,53 2,11-3,04 12,0 0,85 0,98 0,78-1,22 Sexo Feminino 1.211 25,4 12,7 12,0 Masculino 1.312 24,8 0,77 0,98 0,86-1,12 17,6 0,00 1,38 1,15-1,67 12,3 0,77 1,03 0,84-1,27 Idade (anos) 10-14 1.536 26,6 15,0 12,1 5-9 987 22,7 0,03 0,85 0,74-0,98 15,7 0,62 1,05 0,87-1,26 12,3 0,91 1,01 0,82-1,25 Escolaridade da mãe (anos) > 3 1.550 20,6 11,1 10,1 ≤ 3 973 32,3 0,00 1,57 1,37-1,79 21,9 0,00 1,97 1,64-2,37 15,4 0,00 1,52 1,23-1,87 Renda da família (salários mínimos) > 1 611 13,7 7,0 7,7 ≤ 1 1.821 29,0 0,00 2,11 1,71-2,60 17,6 0,00 2,5 1,84-3,39 13,6 0,00 1,76 1,31-2,37 Lixo próximo de casa Não 1.171 16,3 6,8 6,8 Sim 1.348 32,7 0,00 2,01 1,72-2,33 22,5 0,00 3,3 2,61-4,17 16,8 0,00 2,45 1,92-3,13 Água encanada Sim 545 29,2 11,2 10,1 Não 1.978 24,0 0,01 0,82 0,70-0,96 16,4 0,00 1,46 1,13-1,89 12,8 0,09 1,26 0,96-1,66 Número de pessoas na casa ≤ 5 1.338 19,8 10,5 8,8 > 5 1.181 31,1 0,00 1,57 1,37-1,80 20,6 0,00 1,95 1,61-2,36 15,9 0,00 1,81 1,45-2,24 Número de cômodos na casa > 4 1.020 20,2 10,8 9,5 ≤ 4 1.496 29,0 0,00 1,41 1,22-1,63 18,0 0,00 1,69 1,38-2,08 14,0 0,00 1,47 1,17-1,84 * De 5 a 14 anos de idade; ** Refere-se a dez municípios das regiões Norte e Nordeste, com IDH < 0,500 em 1991. 2,12), mais de 5 pessoas no domicílio (OR = 1,39; 1,04-1,90), residir em zona urbana (OR = 0,61; 0,44-0,84) e escolaridade materna ≤ 3 anos de estudo (OR = 1,38; 1,03-1,84). Discussão A elevada freqüência (36,5%) de crianças infecta- daspor,pelomenos,umaespéciedegeohelminto observada neste estudo confirma que, nos muni- cípios mais pobres do Brasil, as geo-helmintíases ainda representam relevante problema de saú- de. Embora a prevalência de crianças com geo- helmintíases, na maioria dos municípios anali- sados, superem aquele observado (18,9%) entre crianças residentes na zona rural de Uberlândia, Minas Gerais, no Sudeste do país 21, em outros é inferior aos 42% encontrados por Tsuyuoka et al. 22 em Aracaju, capital do Estado de Sergipe, situada no Nordeste. É possível que questões me- todológicas, aliadas a diferenças nas condições sócio-econômicas e no grau de desenvolvimento dos sistemas de saúde locais existentes entre as
  • 7. GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 149 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 regiões onde se situam os municípios de residên- cia das crianças de cada estudo, possam explicar a ampla variabilidade dos resultados observados no Brasil. É evidente que a magnitude das geo-hel- mintíases, nos dias atuais, é inferior aos 86,4% encontrados por Pellon & Teixeira 23, na déca- da de 1940, quando as condições de vida das populações do interior do Nordeste eram mais precárias e ainda não se dispunha de terapêu- tica segura e eficaz para utilização em massa. Entretanto, com a descentralização das ações de saúde que vem possibilitando maior acesso à antihelmínticos de largo espectro e à relativa melhoria das condições de vida da população nas últimas décadas, poder-se-ia esperar que os níveis de prevalência dessas parasitoses fossem mais baixos que os observados. Chama também a atenção, no presente in- quérito, os níveis de prevalência de infecções por A.lumbricoides (25,1%) e T.trichiura (12,2%) infe- riores àqueles encontrados em Salvador (33,1% e 25,5%), em 2003/2004, mesmo após este municí- pio ter sido alvo de um programa de saneamento ambiental 24. A diversidade das condições ecoló- gicas dos municípios estudados, especificamen- te a umidade do solo é uma das hipóteses que poderia explicar este fato, uma vez que a maioria das crianças incluídas no nosso estudo residia em regiões semi-áridas do Nordeste. Nestas áreas predomina o clima quente e seco que dificulta a disseminação de helmintos 25, enquanto o con- trário ocorre na cidade de Salvador que, por estar situada em região litorânea, apresenta umidade do solo maior em função da quantidade e regula- ridade das chuvas. Como referido anteriormente, reconhece-se que está havendo uma redução na prevalência de enteroparasitoses no Brasil, tanto em face dos avanços tecnológicos quanto no campo da saú- de como no que se refere ao saneamento am- biental. Contudo, tendo em vista que o referido indicador pode revelar o grau de contaminação ambiental 26 de uma área, a manutenção de ele- vadas freqüências dessas infecções na periferia das grandes cidades e em zonas rurais, evidencia a necessidade de maior investimento de recursos nestas áreas. Ainda mais que os mesmos são de grande importância, não só para reduzir as pa- rasitoses intestinais, como também outras doen- ças de maior gravidade tais como diarréia infan- til aguda, hepatites virais, dengue, leptospirose, dentre outras. Fortalecem a afirmação anterior, as freqüências mais elevadas de geohelmintos entre crianças que residiam em zona rural, on- de a deficiência de saneamento ainda é maior e as condições de vida mais precárias, conforme constatado neste estudo e pelos indicadores di- vulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE; http://www.sidra.Ibge.gov.br/ bda/acervo/acervo4.asp?z=t&o=3, acessado em 22/Ago/2007). A exemplo do que tem sido demonstrado na maioria das investigações realizadas no Brasil 27,28, também em nosso estudo as infecções por A. lumbricoides foram as mais prevalentes. Pos- sivelmente, este fato deve-se à própria biologia deste parasita que tem ovos muito resistentes com grande capacidade de aderência a super- fícies, fato que representa um fator importante na sua transmissão, uma vez que, presente no ambiente e em alimentos, tais ovos não são re- movidos com facilidade por lavagens e podem permanecer por até dez anos 29. Por outro lado, seria de se esperar que a pre- valência de T. trichiura fosse maior que a encon- trada, conforme demonstrado em outras investi- gações 30,31 dado que este helminto compartilha com a espécie A. lumbricoides o mesmo meca- nismo de transmissão e a mesma distribuição geográfica. Talvez, a maior resistência dos ovos de A. lumbricoides, mesmo sob condições ad- versas do meio, mantenha sua evolução natural, enquanto os de T. trichiura se desenvolvam em menor proporção. Como observado em outros inquéritos re- alizados no país, quer atuais 21,32 quer menos recentes 13,33, no presente estudo os ancilosto- mídeos igualmente foram os geohelmintos mais prevalentes na zona rural. O achado sugere que as deficiências relativas ao saneamento e à aten- ção à saúde naquelas áreas têm se modificado aquém do desejado. A carência repercute negati- vamente na prevenção da ancilostomíase, o que é preocupante, pois a característica fundamental deste parasitismo é a permanente espoliação de sangue dos indivíduos que leva a anemia ferro- priva contribuindo para agravar as deficiências nutricionais destas populações. Apesar de a população deste estudo ser re- lativamente homogênea no tocante aos indica- dores sócio-econômicos, ainda assim foi possí- vel detectar forte associação da renda familiar, escolaridade materna, número de pessoas no domicílio e presença de lixo próximo à residên- cia da criança com a ocorrência tanto pelas três geo-helmintíases em conjunto, como especifi- camente com pelos A. lumbricoides e ancilosto- mídeos. Juntamente com o fato da manutenção da associação entre residência em zona rural e ocorrência da ancilostomíase, estes resultados evidenciam, mais uma vez, a relevância das con- dições sócio-econômicas e ambientais na deter- minação destas infecções. Uma limitação na interpretação dos resulta- dos deste estudo refere-se à não-disponibilidade
  • 8. Fonseca EOL et al.150 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 da informação sobre o destino dos dejetos. Toda- via, considerando que na zona urbana dos mu- nicípios investigados a proporção de domicílios ligados à rede de esgotamento sanitária ou que possuíam fossa séptica variava de 0,34% (Santa Helena) a 32,2% (Bragança) e, que na zona rural a variação era de 0,06% em Mucambo a 3,15% em Ribeiro Gonçalves (IBGE; http://www.sidra. Ibge.gov.br/bda/acervo/acervo4.asp?z=t&o=3, acessado em 22/Ago/2007), é possível supor que o destino inadequado dos dejetos também repre- senta um importante fator na determinação da ocorrência das geo-helmintíases nessas áreas. Vale ainda ressaltar que o tempo decorrido entre a coleta e a leitura das lâminas pode ter ocasionado a redução da sensibilidade do exame, uma vez que para a identificação de ancilostomí- deos a observação deve ser feita imediatamente após a preparação das lâminas, fato que significa que a prevalência de geohelmintos encontrada pode estar subestimada. Por conseguinte, são necessários investimentos voltados tanto à me- lhoria da situação ambiental como às condições sócio-econômicas da população. Ou seja, ações setoriais ao lado de intervenções estruturais dire- cionadas aos fatores de risco de ocorrência des- sas infecções precisam ser adotadas para que, de fato, ocorra e se mantenha uma real melhoria do perfil epidemiológico dessas doenças. Resumo Para determinar a prevalência de geo-helmintíases e identificar fatores associados a sua ocorrência, fo- ram realizados inquéritos coprológicos em amos- tra de crianças entre 5 e 14 anos de idade, residentes em dez municípios brasileiros com baixo Índice de Desenvolvimento Humano. Aplicou-se questioná- rio aos responsáveis, obtendo-se informações sócio- econômicas e ambientais e foi feita coleta de fezes. Estimaram-se prevalências de geohelmintos segundo variáveis de interesse e se avaliaram os fatores de ris- co mediante regressão logística multinível. Das 2.523 crianças estudadas, 36,5% eram portadoras de um ou mais geohelmintos (Ascaris lumbricoides 25,1%; ancilostomídeos 15,3%, Trichuris trichiura 12,2%). A proporção de geo-helmintíases para o conjunto na zona rural foi 45,7%; na urbana, 32,2%. Baixa renda familiar (OR = 1,75; 1,38-2,23), baixa escolaridade materna (OR = 1,69; 1,39-2,06), presença de lixo pró- ximo ao domicílio (OR = 1,50; 1,22-1,84) e maior nú- mero de pessoas no domicílio (OR = 1,41; 1,17-1,71) mostraram-se associadas a tais infecções. Conclui-se que a ocorrência destas parasitoses está relaciona- da às condições sócio-econômicas e evidencia a im- portância de intervenções públicas direcionadas à melhoria das condições de vida para sua prevenção. Helmintíase; Doenças Parasitárias; Criança Colaboradores E. O. L. Fonseca contribuiu na concepção e desenho do estudo, análise e interpretação dos dados, redação do artigo, aprovação final da versão a ser submetida para publicação. M. C. N. Costa contribuiu na concepção e desenho do estudo, da análise e interpretação dos dados, redação e revisão crítica do artigo, aprovação final da versão a ser submetida para publicação. M. G. Teixeira contribuiu na concepção e desenho do estudo, participou da análise e interpretação dos dados, reda- ção do artigo, aprovação final da versão a ser submetida para publicação. M. L. Barreto contribuiu na concep- ção e desenho do estudo, da análise e interpretação dos dados, revisão crítica relevante do conteúdo do artigo, aprovação final da versão a ser submetida para publi- cação. E. H. Carmo contribuiu na concepção e desenho do estudo, análise e interpretação dos dados, revisão crítica relevante do conteúdo do artigo e aprovação fi- nal da versão a ser submetida para publicação.
  • 9. GEO-HELMINTÍASES EM CRIANÇAS RESIDENTES EM MUNICÍPIOS COM BAIXO IDH 151 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 Referências 1. Hoste H. Adaptative physiological processes in the host during gastrointestinal parasitism. Int J Para- sitol 2001; 31:231-44. 2. Devera R, Cermeño JR, Blanco Y, Morales MCB, Guerra X, Souza M, et al. Prevalencia de blasto- cistosis y otras parasitosis intestinales en una co- munidad rural del Estado Anzoátegui, Venezuela. Parasitol Latinoam 2003; 58:95-100. 3. Matos SMA. Prevalência de enteroparasitoses e sua relação com o estado antropométrico na infância, Salvador-BA [Dissertação de Mestrado]. Salvador: Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia; 2006. 4. Castiñeiras TMPP, Martins FSV. Infecções por hel- mintos e enteroprotozoários. Rio de Janeiro: Cen- tro de Informações em Saúde para Viajantes, Uni- versidade Federal do Rio de Janeiro; 2000/2002. 5. Chan MS. The global burden of intestinal nema- tode infections-fifty years on. Parasitol Today 1997; 13:438-43. 6. World Health Organization. Deworming for health and development. Report of the Third Global Meeting of the Partners for Parasite Control. Ge- neva: World Health Organization; 2005. 7. Ehrenberg JP. Por um continente livre de vermino- ses! Washington DC: Organização Pan-Americana da Saúde; 2002. (Boletim da Organização Pan- Americana da Saúde). 8. Zonta ML, Navone GT, Oyhenart EE. Parasitosis in- testinales en niños de edad preescolar y escolar: situación actual en poblaciones urbanas, periur- banas y rurales en Brandsen, Buenos Aires, Argen- tina. Parasitol Latinoam 2007; 62:54-60. 9. Giraldo-Gómez JM, Lora F, Henao LH, Mejía S, Gó- mez-Marín JE. Prevalencia de giardiasis y parasitos intestinales en preescolares de hogares atendidos en un programa estatal en Armenia, Colombia. Rev Salud Pública 2005; 7:327-38. 10. Carvalho-Costa FA, Gonçalves AQ, Lassance SL, Silva Neto LM, Salmazo CAA, Bóia MN. Giardia lamblia and other intestinal parasitic infections and their relationships with nutritional status in children in Brazilian Amazon. Rev Inst Med Trop São Paulo 2007; 49:147-53. 11. Ferreira GR, Andrade CFS. Alguns aspectos socio- econômicos relacionados a parasitoses intestinais e avaliação de uma intervenção educativa em es- colares de Estiva Gerbi, SP. Rev Soc Bras Med Trop 2005; 38:402-5. 12. Coura-Filho P. Distribuição da esquistossomose no espaço urbano. 1. O caso da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública 1997; 13:415-24. 13. De Carli GA, Mentz M, Rott MB, Silva ACA, Wen- dorff A, Tasca T, et al. Prevalência das enteroparasi- toses na população urbana e rural da região carbo- nífera da cidade de Arroio dos Ratos, no Estado do Rio Grande do Sul. Rev Bras Farm 1997; 78:83-5. 14. Uchôa CMA, Lobo AGB, Bastos OMP, Matos AD. Parasitoses intestinais: prevalência em creches co- munitárias da cidade de Niterói, Rio de Janeiro – Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz 2001; 60:97-101. 15. Carmo EA, Perez EP, Gerolomo M, Silva MP, Alves RMS. Plano nacional de vigilância e controle das enteroparasitoses. http://portal.saude.gov.br/por tal/arquivos/pdf/Enteroparasitoses_Pano_nacio nal_%2006%2007%202005.pdf (acessado em 13/ Jul/2007). 16. Ministério da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde. Avaliação de impacto na saúde das ações de saneamento: marco conceitual e estratégia me- todológica. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde/Ministério da Saúde; 2004. 17. Fundação Nacional de Saúde. Portaria nº. 176. Aprova os critérios e procedimentos para apli- cação de recursos financeiros. Diário Oficial da União 2000; 28 mar. 18. Katz N, Chaves A, Pellegrino J. A simple device for quantitative stool thick-smear technique in schis- tosomiasis mansoni. Rev Inst Med Trop São Paulo 1972; 14:397-400. 19. Hoffmann WA, Pons JA, Janer JL. The sedimenta- tion concentration method in schistosomiasis mansoni. PR J Public Health Trop Med 1934; 9: 283-91. 20. Davis CS. Statistical methods for the analysis of re- peated measurements. New York: Springer; 2002. 21. Ribeiro MCM, Marçal Júnior O. Prevalência e fa- tores de risco para geo-helmintíases em escolares da zona rural de Uberlândia (MG). Rev Patol Trop 2003; 32:105-15. 22. Tsuyuoka R, Bailey JW, Guimarães AMD’AN, Gur- gel RQ, Cuevas LE. Anemia and intestinal para- sitic infections in primary school students in Ara- caju, Sergipe, Brazil. Cad Saúde Pública 1999; 15: 413-21. 23. Pellon AB, Teixeira I. Distribuição da esquistosso- mose mansônica no Brasil. Rio de Janeiro: Divisão da Organização Sanitária; 1950. 24. Barreto ML. Avaliação do impacto epidemiológico do Programa de Saneamento Ambiental da Baía de Todos os Santos (Bahia Azul). Salvador: Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia; 2006. 25. Camillo-Coura L. Contribuição ao estudo das geo- helmintíases [Tese de Doutorado]. Rio de Janeiro: Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1970. 26. Carneiro FF, Cifuentes E,Tellez-Rojo MM, Romieu I. The risk of Ascaris lumbricoides infection in chil- dren as an environmental health indicator to guide preventive activities in Caparao and Alto Caparao, Brazil. Bull World Health Organ 2002; 80:40-6. 27. Pereira CW, Santos FN. Prevalência de geo-hel- mintíases em crianças atendidas na rede pública de saúde de Neópolis, município do estado de Ser- gipe. Rev Bras Anál Clín 2005; 37:111-4. 28. Ferreira P, Lima MR, Oliveira FB, Pereira MLM, Ra- mos LBM, Marçal MG, et al. Ocorrência de parasi- tos e comensais intestinais em crianças de escola localizada em assentamento de sem-terras em Campo Florido, Minas Gerais, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop 2003; 36:109-11.
  • 10. Fonseca EOL et al.152 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(1):143-152, jan, 2010 29. Luduvice M. Experiência da Companhia de Sane- amento do Distrito Federal na reciclagem agrícola de biossólido. In: BettiolW, Camargo OA, organiza- dores. Impacto ambiental do uso agrícola do lodo de esgoto. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente; 2000. p. 245-58. 30. Bezerra FSM, Oliveira MF, Miranda ALL, Pinheiro MCC, Teles RMA. Incidência de parasitos intesti- nais em material sub-ungueal e fecal em crianças da Creche Aprisco – Fortaleza, CE. Rev Bras Anál Clín 2003; 35:39-40. 31. Costa-Macedo LM, Machado-Silva JR, Rodrigues- Silva R, Oliveira LM, Vianna MSR. Enteroparasito- ses em pré-escolares de comunidades favelizadas da Cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pú- blica 1998; 14:851-5. 32. Mascarini LL, Donalísio-Cordeiro MR. Helmintía- ses em crianças institucionalizadas em creches no município de Botucatu/SP, Brasil. Rev Patol Trop 2007; 36:149-58. 33. Barbosa FS, Pessoa D, Pinto RF, Barbosa JM, Ro- drigues BA. Levantamento seccionais sobre a es- quistossomose no Nordeste do Brasil. III. Estado de Pernambuco (município de São Lourenço da Mata). Rev Soc Bras Med Trop 1970; IV:269-80. Recebido em 26/Jun/2008 Versão final reapresentada em 16/Jun/2009 Aprovado em 14/Out/2009