Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período Colonial

3.889 visualizações

Publicada em

Estudos para o CACD - Missão Diplomática
História do Brasil

missaodiplomatica..blogspot.com.br

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.889
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.016
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
174
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 01 - Período Colonial

  1. 1. História do Brasil Aula 01: O período colonial 16.12.2013
  2. 2. Aula 01 – O Período colonial 1 O sentido da colonização 2 A sociedade colonial 3 Escravidão e trabalho compulsório 4 Colonização do interior 5 Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid 6 O período minerador 7Os levantes coloniais
  3. 3. Aula 01 – O Período colonial
  4. 4. Aula 01 – O Período colonial
  5. 5. Aula 01 – O Período colonial
  6. 6. Aula 01 – O Período colonial
  7. 7. 1 O Sentido da Colonização - Mercantilismo e colonização . No modelo feudal, os gastos com a burocracia e administração eram responsabilidade dos senhores feudais (principalmente forças armadas) . Na transição do modelo feudal para o Mercantilismo, os Estados encontraram no colonialismo a forma para sustentar estes novos gastos com a administração . O principal sentido da colonização é o Mercantilismo . No caso do Brasil, inicialmente o principal sentido foi geopolítico – manutenção do Atlântico (o “mar português”) . O primeiro modelo de colonização no Brasil foi o de capitanias hereditárias – replicando modelo feudal português . O Mercantilismo é a expressão econômica e o Absolutismo é a expressão política dos monopólios assumidos pelos Estados ao final do período feudal Aula 01 – O Período colonial
  8. 8. 2 A Sociedade colonial – Colonizador, Colono, Colonizado . Na hierarquia medieval, o senhor de terras era nobre e o comerciante era um pária da sociedade . Na colônia esta lógica se invertia e o comerciante era o representante do rei, tendo mais poderes do que os senhores de terras . Os senhores coloniais (colonos) dependiam dos comerciantes (colonizadores) para o abastecimento de escravos e para o escoamento da produção . No entanto os senhores coloniais mantinham a presunção de nobreza e o preconceito contra os comerciantes . Na colônia as terras eram abundantes, e o fator de produção mais importante era a posse de escravos . Quanto mais longe dos centros urbanos, mais difuso o poder da metrópole . Hierarquia colonial: Colonizadores >> Colonos >> Colonizados . Trabalho visto como castigo: brancos sem posses, escravos alforriados, e escravos forçados a trabalhar não tinham perspectivas de mudanças sociais Aula 01 – O Período colonial
  9. 9. Aula 01 – O Período colonial
  10. 10. 3 Escravidão e trabalho compulsório . Terra abundante e mão de obra escassa: valorização escravos como principal fator de produção . “Brecha camponesa”: escravos autorizados a cultivar sua própria roça aos domingos – senhor se eximia da responsabilidade da subsistência e melhorava cardápio dos seus escravos . “Espaços de liberdade” nas cidades – escravos libertos (principalmente pelo declínio da mineração) . Leis racistas para controlar acesso dos índios e do africanos a certas profissões e posições sociais – medo da população branca/burguesia . Tráfico negreiro intensificado pelo ciclo de mineração no séc. XVIII . Índios monopolizados pelos jesuítas . Sec. XVII caracterizado pela vidas nômade e Sec. XVIII caracterizado pela vida sedentária com organização do trabalho Aula 01 – O Período colonial
  11. 11. 4 Colonização do interior . 4 eixos: a) Bandeirantes (captura de índios para lavoura) b) Extrativismo na Amazônia (especiarias americanas) c) Mineração d) Pecuária . Papel fundamental dos grandes rios (Amazonas, Prata) . Colonização do Norte (Setentrional): - Extrativismo na Amazônia - Colônia de Belém - 1616 (após expulsão de holandeses) - Processo “manso e pacífico” - priorização da coroa portuguesa e pouco interesse dos demais europeus . Colonização do Sul (Meridional): - Colônia de Sacramento 1680 - interesse geopolítico Portugal manter acesso a margem do Prata (Uruguai) - Disputas freqüentes com Espanha – invasões a Sacramento em 1680, 1704, 1762 e 1776 - Tratado de Madrid Aula 01 – O Período colonial
  12. 12. 5 Tratado de Madrid (Alexandre de Gusmão - 1750) . Contexto Europa em 1750: - disputas hegemônicas entre França e Inglaterra - Espanha ligada à França (rei Espanha da família Boubon – sob influência de Paris) - Portugal ligado à Inglaterra (proteção militar em troca de favores comerciais) . Alexandre de Gusmão – brasileiro, conselheiro real – como negociador de Portugal . Tratado de Madrid como substituição de Tordesillas (Portugal D. João V / Espanha D. Fernando VI) . Princípio “uti possidetis” – quem ocupa deve possuir o território . Princípio “fronteiras naturais”- os acidentes geográficos deveriam nortear a demarcação (inclusive as futuras) . Os princípios – amplamente favoráveis à Portugal – foram aceitos pelos seguintes fatores: - Maior poder de pressão da Inglaterra (aliança Portugal e Inglaterra mais pragmático pois envolvia interesses econômicos, Espanha e França ligados p/ fatores familiares/ideológicos e a França não tinha muito interesse nas disputas americanas) - A rainha da Espanha era portuguesa e tinha grande influência sobre o rei Espanhol - Espanha alegava que a ocupação da área do pacífico estava fora da zona definida por Tordesillas – o que dava margem à contrapartida de Portugal - Manipulação do “Mapa das cortes” – amplamente favorável à Portugal - Troca da colônia de Sacramento pelos Sete povos das missões – interesse da Espanha por Sacramento Aula 01 – O Período colonial
  13. 13. 5. Tratado de Madrid (Alexandre de Gusmão - 1750) Aula 01 – O Período colonial
  14. 14. Aula 01 – O Período colonial
  15. 15. 6.1 Período da mineração . “Negociação”da descoberta do ouro pelos paulistas em MG . Afluxo de imigrantes internos para a região do ouro – começo da integração entre as regiões coloniais (“arquipélagos”) . Figuras destacadas de Fernão dias e Borba Gato . Predomínio dos paulistas na primeira década (1700 a 1710) . Acelerado aumento de fluxo de escravos africanos para trabalho nas minas . Grande fluxo de brancos pobres para a colônia (formação de camada média na população) . Guerra dos Emboabas - Fator demográfico – Emboabas se tornam grupo maior do que os paulistas - Fator econômico – mineração demandava mão de obra escrava (controle dos traficantes do Recife, Salvador e RJ) - Emboabas expulsam paulistas . Intervenção de Portugal na mineração . Segunda revolta (Vila Rica 1720) – sufocada com violência por Portugal (Coroa não dependia mais dos colonos para assumir a mineração) Aula 01 – O Período colonial
  16. 16. 6.2 Período da mineração . Bandeirantes desbravam novos garimpos em Mato Grosso e Goiás . Expedições das “monções” – responsáveis pela disseminação da pecuária e da consolidação do MT e GO . Marques de Pombal – ministro português do rei D. José (1750 a 1777) - Grandes mudanças políticas, fiscais, modernidade econômica - influência Inglesa (Tratado de Madrid, Rev. Industrial). - “Meios Iluministas fins Mercantis” - Proibição de universidades na colônia - formação de intelectuais brasileiros em Portugal (que viriam a se tornar futuros revolucionários) . Declínio da mineração no final do século XVIII . Processo gradativo de alforria dos escravos da mineração por motivos econômicos Aula 01 – O Período colonial
  17. 17. 7.1 Levantes coloniais . Amador Bueno (São Paulo -1640) disputas influências Espanholas e portuguesas na colônia . Quilombo dos Palmares (Pernambuco - 1654) reduto de escravos . Revolta de Beckman (Maranhão – 1684) dificuldades econômicas (estanco, tráfico de escravos, crédito) . Guerra dos Emboabas (MG 1708/9) disputa entre paulistas e demais (emboabas) pelos garimpos . Guerra dos Mascates (Recife/Olinda – 1710) disputas entre senhores de Olinda e mascates de Recife p/ poder em Pernambuco . Revolta de Vila Rica (MG – 1720) revoltas em relação às medidas ficais portuguesas Aula 01 – O Período colonial
  18. 18. 7.2 Levantes coloniais . Inconfidência Mineira (MG – 1789) agravamento das tensões econômicas decorrentes do arrocho fiscal, influência das idéias iluministas e da Rev. Americana, primeiras idéias nacionalistas . Conjuração do Rio de Janeiro (RJ – 1794) inspiração nas idéias liberais (movimento mais intelectual do que agressivo) . Conjuração Baiana (BA – 1798) Revolta dos “Alfaiates” contra más condições de vida, a favor do livre comercio na Colônia, abolicionista e republicano (inspiração na Revolução Francesa) . Conspiração Suassunas (PE – 1801) Inspiração no Iluminismo e na Rev. Francesa, movimento intelectual com projeto de independência de Pernambuco (que se tornaria uma república sob a proteção de Napoleão), sintoma da crise do sistema colonial no Brasil . Bispo Azeredo Coutinho e o seminário de Olinda – novo governador de Pernambuco e bispo de Olinda na época da Conspiração Suassunas Aula 01 – O Período colonial

×