H2 o caso português

2.886 visualizações

Publicada em

Industrialização do século XIX, o caso português

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.886
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.267
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

H2 o caso português

  1. 1. H2 – O caso Português http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ A civilização industrial no século XIX 8º ano de escolaridade H2 O caso português 1
  2. 2. Os países do sul e do leste da Europa tiveram uma industrialização difícil. As estruturas económicas e sociais do Antigo Regime mantinham-se; Ainda contribuiu para o atraso português as invasões francesas, a independência do Brasil e a guerra civil entre liberais e absolutistas; H2 O caso português 2
  3. 3. H2 O caso português 3 Em meados do século XIX, Portugal era um país atrasado com uma agricultura típica do Antigo Regime, pouco produtiva; Com exceção de alguns investimentos na produção vinícola os progressos; Não existia um mercado interno para estimular a produção;
  4. 4. H2 O caso português 4 Um dos fatores que impedia a evolução económica foi a instabilidade política: Guerra civil entre absolutistas e liberais (1832-1834); Revolução vintista em setembro de 1836 (setembrismo). Governo liderado por Passos Manuel tenta realizar algumas reformas económicas; Instauração de um governo autoritário em 1842 por Costa Cabral (cabralismo);
  5. 5. H2 O caso português 5 Em 1846 desencadeia-se a revolta popular da Maria da Fonte; Nova revolta popular em 1846, a Patuleia; Em 1851, um movimento liderado pelo marechal duque de Saldanha, propõe-se recuperar o atraso português, ficou conhecido pelo nome de Regeneração;
  6. 6. H2 O caso português 6 A Regeneração instaurou a estabilidade política; Na segunda metade do século XIX instalou-se um rotativismo partidário entre os partidos Regenerador e Histórica, que iam ocupando o poder através de eleições; Fontes Pereira de Melo deu início a uma política de desenvolvimento dos transportes (fontismo);
  7. 7. H2 O caso português 7 Iniciou-se a construção de vias férreas; Em 1856 foi inaugurada a primeira linha e em 1890 já existiam cerca de 2000 km de linhas férreas; Construíram-se estradas e pontes; Surge o selo postal (1853), o telégrafo (1857) e o telefone (1882); Esta política melhorou a circulação de pessoas e produtos; Muitos destes investimentos eram estrangeiros;
  8. 8. H2 O caso português 8 Esta política de desenvolvimento levou à dependência económica face ao estrangeiro; As obras públicas foram realizadas com recurso a empréstimos contraídos no estrangeiro; Esta dívida externa foi aumentando; Para agar os juros foram contraindo novos empréstimos; Criou-se um ciclo vicioso que irá endividar cada vez mais o estado português;
  9. 9. H2 O caso português 9 Apesar deste investimento nos transportes a industrialização do país prosseguia muito lentamente; Faltava mão-de-obra qualificada e mercado interno; Nos finais do século XIX desenvolveram-se algumas unidades industriais, sobretudo em Lisboa e no Porto;
  10. 10. H2 O caso português 10 A vitória dos liberais em 1834 levou ao poder a burguesia liberal; Muitos burgueses adquiriram grandes propriedades agrícolas que tinham sido confiscadas pelo estado em 1834; Outros ocupavam cargos políticos e administrativos; Durante a Regeneração a alta burguesia investiu em bancos e nas companhias que financiavam as obras públicas;
  11. 11. H2 O caso português 11 Poucos investiram na industrialização do país; A classe média portuguesa era pouco significativa; Só no final do século XIX começou a surgir uma pequena e média burguesia urbana (comerciantes, professores, médicos, funcionários públicos)
  12. 12. H2 O caso português 12 A população rural beneficiou pouco com o liberalismo; Muitos pequenos proprietários foram à falência e tiveram de vender as suas terras; Muitos, sobretudo no Norte do país, viram-se forçados a emigrar; Durante a segunda metade do século XIX emigraram centenas de milhares de portugueses; O Brasil é o destino da maioria; Alguns, enriqueciam e regressavam a Portugal, eram chamados “os brasileiros”;
  13. 13. H2 O caso português 13 Nas cidades industrializadas, sobretudo em Lisboa e no porto, surge uma nova classe social, os operários ou proletários; Para estes a vida era difícil, horários de trabalho de mais de 12 horas diárias, trabalho infantil, direitos quase inexistentes;
  14. 14. H2 O caso português 14 Os operários começaram a lutar pelos seus direitos; Associaram-se em sindicatos; Em 1872 deu-se o primeiro surto de greves, pelo aumento do salário e a diminuição do horário de trabalho; Difundem-se as ideias socialistas;
  15. 15. H2 O caso português 15
  16. 16. Bibliografia: Apresentação construída com base no livro Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 8, Raiz Editora, 2012 H2 O caso português 16

×