SlideShare uma empresa Scribd logo
Mal de Alzheimer
Doenças Crônico-Degenerativas
Mal de Alzheimer
Mal de Alzheimer
Histórico A base histopatológica da
doença foi descrita pela
primeira vez pelo
neuropatologista alemão
Alois Alzheimer em 1906
Conceito
A doença de Alzheimer é a forma mais comum de
demência .
A demência , palavra de origem latina ( dementia ) , é
definida como : “qualquer deterioração mental”
(Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa) .
Demência é um termo genérico, definida a partir da
deterioração das habilidades intelectuais adquiridas,
comprometimento da memória, da orientação, do
pensamento abstrato e de alterações do comportamento.
Definição
Caracteriza-se clinicamente pela perda progressiva da
memória. O cérebro de um paciente com o Mal de
Alzheimer, quando visto em necrópsia, apresenta uma atrofia
generalizada , com perda neuronal específica em certas áreas
do hipocampo mas também em regiões parieto-occipitais e
frontais.
A DOENÇA
 A doença de Alzheimer (DA)
pronuncia-se (AU-ZAI-MER) é
uma doença degenerativa,
progressiva que compromete o
cérebro causando:diminuição da
memória, dificuldade no raciocínio
e pensamento e alterações 
comportamentais.
 Definida por muitos como “mal do
século”, “peste negra”, “epidemia
silenciosa” etc. a DA é ainda pouco
conhecida em nosso meio e tem
efeito devastador sobre a família e o
doente.
Evolução
Em geral a doença se instala em pessoas com mais de 65
anos, mas existem pacientes com início aos quarenta anos, e
relatos raros de início na infância, de provável cunho
genético. Podem aparecer vários casos em uma mesma
família, e também pode acontecer casos únicos, sem nenhum
outro parente afetado, ditos esporádicos. E pode durar de 08
a 12 anos.
Sinais e Sintomas
Alterações da pscicomotricidade
Comportamento locomotor
Comportamento alimentar
comportamento sexual
Psiquiátricas propriamente ditas
Desordens do sono
Comportamento bizarro
Efeito
das da doença
Estágio inicial parece confusa esquecida.
As palavras e pensamentos são inacabados e esquece fatos
recentes.
Estágio intermediário precisa de muita ajuda para
executar tarefas rotineiras não reconhece seus familiares
e vestuários
Estágio Avançado perde completamente a memória,
a capacidade de raciocínio. Necessário ajudá-lo em todos
os aspectos do dia a dia.
Fases e Sinais de Alerta
Encontram-se divididos em três estágios:
Estágio Inicial
Período de 1 a 3 anos
A pessoa apresenta-se um pouco confusa e
esquecida constituindo os distúrbios da memória, o
primeiro sinal de aviso da doença.
No esquecimento característico da doença de
Alzheimer, Destacam-se as dificuldades:
No raciocínio;
 Na linguagem;
Em executar as tarefas domésticas;
Em relação à sua higiene pessoal;
Na orientação espacial (fica prejudicada fora do
seu ambiente doméstico);
Na orientação temporal.
Segundo estágio
Período de 2 a 10 anos
Distúrbios da linguagem, o que origina um
discurso de difícil compreensão;
Distúrbio motor (apraxia) é também um sinal
característico desta fase;
Dificuldade na mobilidade física;
Perambulação noturna e inquietação motora com
marcha freqüente;
Agravamento do estado de confusão (com
diminuição progressiva das relações sociais);
Pode ocorrer incontinência urinária e fecal.
Terceiro estágio
(período de 8 a 12 anos).
Agravamento dos sintomas que levam a uma
incapacidade em se reconhecer a si próprio e aos
familiares;
Dificuldade para cuidar de si, afasia,
comportamento distraído, alheado e apático, variações
do humor com alternância de estados de ansiedade e
agitação e fases de depressão.
Perda total de independência.
Plano de cuidados
Confusão
Comunicar com frases curtas e simples;
Explicar os procedimentos à pessoa;
Providenciar ambiente tranqüilo;
Planejar uma rotina diária de atividades para o
paciente;
Orientar a pessoa no tempo e no espaço;
Vigiar ação da pessoa.
Sono alterado
Posicionar confortavelmente a pessoa;
Executar técnicas de relaxamento;
Evitar a ingestão de bebidas estimulantes (café,
chá, , etc.);
Evitar que a pessoa durma durante o dia;
Evitar tratamentos dolorosos.
Auto-cuidado higiene dependente, em grau
moderado
Assistir a pessoa no banho;
Estimular a pessoa para o auto-cuidado;
Assistir a pessoa a escovar o cabelo e dentes;
Regular a temperatura da água;
Massagear toda a superfície corporal com creme
hidratante.
Auto-cuidado vestuário dependente, em grau
moderado
Assistir a pessoa a vestir-se e despir-se;
Motivar a pessoa a participar no auto-cuidado
vestuário.
Ingestão nutricional diminuída
Providenciar dieta a gosto da pessoa;
Vigiar a refeição;
Evitar tratamentos dolorosos antes das refeições;
Permitir que familiares ou pessoas significativas
tenham acesso ao serviço para alimentar a pessoa.
Memória de curto prazo diminuída
Motivar a pessoa a relembrar as suas memórias;
Evitar interromper a pessoa deixando-a verbalizar
as suas memórias;
Encorajar os familiares e pessoas significativas a
visitar a pessoa;
Agitação
Providenciar ambiente tranqüilo;
Identificar os fatores que desencadeiam a agitação;
Diminuir a quantidade e complexidade dos
estímulos que provocam agitação;
Vigiar a ação do doente.
Risco de queda
Vigiar a ação da pessoa;
Manter as grades da cama elevadas;
Papel do prestador de cuidados
Ensinar medidas de prevenção de acidentes;
Orientar o planejamento de uma rotina diária de
atividades domiciliares para o paciente, incluindo as
atividades a realizar durante o dia;
Explicar a importância da pessoa usar uma
bracelete com nome, endereço e número de telefone;
Tratamento Medicamentoso
Atualmente são utilizados os inibidores de
colinesterases, que evitam a desagregação da
acetilcolina (importante para a aprendizagem e
memória).
Três inibidores da colinesterase são comumente
prescritos:
- Donepezil (Todas as Fases)
- Rivastigmina (ligeira a moderada)
- Galantamina (ligeira a moderada)
Resposta ao Tratamento
A doença é incurável. O objetivo da terapêutica é
retardar a evolução e preservar por mais tempo possível
as funções intelectuais. Os melhores resultados são
obtidos quando o tratamento é iniciado nas fases mais
precoces.
Resposta ao Tratamento
Numa doença que progride inexoravelmente, nem
sempre é fácil avaliar resultados. Por essa razão, é
fundamental que os familiares utilizem um diário para
anotar a evolução dos sintomas. A memória está
melhor? Os afazeres diários são cumpridos com mais
facilidade? O quadro está estável? O declínio ocorre de
forma mais lenta do que antes da medicação? Sem essas
anotações fica impossível avaliar a eficácia do
tratamento.
Cérebro Normal X Doença de Alzheimer
1.Fase Leve
2.Fase Moderada
3.Fase Grave

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Demências
DemênciasDemências
Demências
Inaiara Bragante
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
Bruna M
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Welisson Porto
 
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
Anderson Santana
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
Laboratório Sérgio Franco
 
Esclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slidesEsclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slides
kmillaalves
 
Demencia
DemenciaDemencia
Demencia
1Rafael
 
12647998 alzheimer
12647998 alzheimer12647998 alzheimer
12647998 alzheimer
Pelo Siro
 
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMERCUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
Márcio Borges
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Ana Hollanders
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
Adrianne Mendonça
 
Doenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativasDoenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativas
Camila Ferreira
 
Apresentação alzheimer
Apresentação alzheimerApresentação alzheimer
Apresentação alzheimer
Laboratório Sérgio Franco
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Centro Universitário Ages
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
João Paulo França
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
Carla Couto
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
PatriciaKarla
 

Mais procurados (20)

Demências
DemênciasDemências
Demências
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Esclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slidesEsclerose múltipla slides
Esclerose múltipla slides
 
Demencia
DemenciaDemencia
Demencia
 
12647998 alzheimer
12647998 alzheimer12647998 alzheimer
12647998 alzheimer
 
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMERCUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
 
Doenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativasDoenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativas
 
Apresentação alzheimer
Apresentação alzheimerApresentação alzheimer
Apresentação alzheimer
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Esclerose múltipla
Esclerose múltiplaEsclerose múltipla
Esclerose múltipla
 

Semelhante a Aula 1 alzheimer

Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
BrendaMello7
 
1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer
Pelo Siro
 
Alzheimer
Alzheimer Alzheimer
Alzheimer
KarolaineSantos
 
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEMCURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
IsabelaVarjo
 
Alzheimer e parkinson
Alzheimer e parkinsonAlzheimer e parkinson
Alzheimer e parkinson
Yasmin Alves
 
Saude do Idoso - Alzheimer e parkinson
Saude do Idoso - Alzheimer e parkinsonSaude do Idoso - Alzheimer e parkinson
Saude do Idoso - Alzheimer e parkinson
Fausto Barros
 
Doença alzheimer
Doença alzheimerDoença alzheimer
Doença alzheimer
Isolete Bagatoli
 
Demência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & ParkinsonDemência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & Parkinson
Helena13dias
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Tatiane Ghisi Mendes
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Demência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HDDemência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HD
Jorge Almeida
 
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamentoDoença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
adonems
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
Pedui
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
Lisa de Sousa
 
Cuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptx
Cuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptxCuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptx
Cuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptx
RanyeelleGomes
 
Trabal. de c.a. de veronica
Trabal. de c.a. de veronicaTrabal. de c.a. de veronica
Trabal. de c.a. de veronica
Verónica Patinho
 
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causasDoença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
RenataPinto44
 
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdfdiferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
MaykonJulio1
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Luciane Santana
 

Semelhante a Aula 1 alzheimer (20)

Doença de alzheimer
Doença de alzheimerDoença de alzheimer
Doença de alzheimer
 
1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer1193433844 alzheimer
1193433844 alzheimer
 
Alzheimer
Alzheimer Alzheimer
Alzheimer
 
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEMCURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
 
Alzheimer e parkinson
Alzheimer e parkinsonAlzheimer e parkinson
Alzheimer e parkinson
 
Saude do Idoso - Alzheimer e parkinson
Saude do Idoso - Alzheimer e parkinsonSaude do Idoso - Alzheimer e parkinson
Saude do Idoso - Alzheimer e parkinson
 
Doença alzheimer
Doença alzheimerDoença alzheimer
Doença alzheimer
 
Demência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & ParkinsonDemência: Alzheimer & Parkinson
Demência: Alzheimer & Parkinson
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
Demência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HDDemência de Alzheimer HD
Demência de Alzheimer HD
 
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamentoDoença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
Cuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptx
Cuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptxCuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptx
Cuidados de enfermagem ao paciente comAlzheimer.pptx
 
Trabal. de c.a. de veronica
Trabal. de c.a. de veronicaTrabal. de c.a. de veronica
Trabal. de c.a. de veronica
 
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causasDoença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
 
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdfdiferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
diferentes_deficiencias_e_seus_conceitos (1).pdf
 
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEMTrab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
Trab.Saúde mental do idoso usando escala de MEEM
 

Último

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (9)

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

Aula 1 alzheimer

  • 1. Mal de Alzheimer Doenças Crônico-Degenerativas
  • 3. Mal de Alzheimer Histórico A base histopatológica da doença foi descrita pela primeira vez pelo neuropatologista alemão Alois Alzheimer em 1906
  • 4. Conceito A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência . A demência , palavra de origem latina ( dementia ) , é definida como : “qualquer deterioração mental” (Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa) . Demência é um termo genérico, definida a partir da deterioração das habilidades intelectuais adquiridas, comprometimento da memória, da orientação, do pensamento abstrato e de alterações do comportamento.
  • 5. Definição Caracteriza-se clinicamente pela perda progressiva da memória. O cérebro de um paciente com o Mal de Alzheimer, quando visto em necrópsia, apresenta uma atrofia generalizada , com perda neuronal específica em certas áreas do hipocampo mas também em regiões parieto-occipitais e frontais.
  • 6.
  • 7.
  • 8. A DOENÇA  A doença de Alzheimer (DA) pronuncia-se (AU-ZAI-MER) é uma doença degenerativa, progressiva que compromete o cérebro causando:diminuição da memória, dificuldade no raciocínio e pensamento e alterações  comportamentais.  Definida por muitos como “mal do século”, “peste negra”, “epidemia silenciosa” etc. a DA é ainda pouco conhecida em nosso meio e tem efeito devastador sobre a família e o doente.
  • 9. Evolução Em geral a doença se instala em pessoas com mais de 65 anos, mas existem pacientes com início aos quarenta anos, e relatos raros de início na infância, de provável cunho genético. Podem aparecer vários casos em uma mesma família, e também pode acontecer casos únicos, sem nenhum outro parente afetado, ditos esporádicos. E pode durar de 08 a 12 anos.
  • 10. Sinais e Sintomas Alterações da pscicomotricidade Comportamento locomotor Comportamento alimentar comportamento sexual Psiquiátricas propriamente ditas Desordens do sono Comportamento bizarro
  • 11. Efeito das da doença Estágio inicial parece confusa esquecida. As palavras e pensamentos são inacabados e esquece fatos recentes. Estágio intermediário precisa de muita ajuda para executar tarefas rotineiras não reconhece seus familiares e vestuários Estágio Avançado perde completamente a memória, a capacidade de raciocínio. Necessário ajudá-lo em todos os aspectos do dia a dia.
  • 12. Fases e Sinais de Alerta Encontram-se divididos em três estágios: Estágio Inicial Período de 1 a 3 anos A pessoa apresenta-se um pouco confusa e esquecida constituindo os distúrbios da memória, o primeiro sinal de aviso da doença.
  • 13. No esquecimento característico da doença de Alzheimer, Destacam-se as dificuldades: No raciocínio;  Na linguagem; Em executar as tarefas domésticas; Em relação à sua higiene pessoal; Na orientação espacial (fica prejudicada fora do seu ambiente doméstico); Na orientação temporal.
  • 14. Segundo estágio Período de 2 a 10 anos Distúrbios da linguagem, o que origina um discurso de difícil compreensão; Distúrbio motor (apraxia) é também um sinal característico desta fase; Dificuldade na mobilidade física; Perambulação noturna e inquietação motora com marcha freqüente; Agravamento do estado de confusão (com diminuição progressiva das relações sociais); Pode ocorrer incontinência urinária e fecal.
  • 15. Terceiro estágio (período de 8 a 12 anos). Agravamento dos sintomas que levam a uma incapacidade em se reconhecer a si próprio e aos familiares; Dificuldade para cuidar de si, afasia, comportamento distraído, alheado e apático, variações do humor com alternância de estados de ansiedade e agitação e fases de depressão. Perda total de independência.
  • 16. Plano de cuidados Confusão Comunicar com frases curtas e simples; Explicar os procedimentos à pessoa; Providenciar ambiente tranqüilo; Planejar uma rotina diária de atividades para o paciente; Orientar a pessoa no tempo e no espaço; Vigiar ação da pessoa.
  • 17. Sono alterado Posicionar confortavelmente a pessoa; Executar técnicas de relaxamento; Evitar a ingestão de bebidas estimulantes (café, chá, , etc.); Evitar que a pessoa durma durante o dia; Evitar tratamentos dolorosos.
  • 18. Auto-cuidado higiene dependente, em grau moderado Assistir a pessoa no banho; Estimular a pessoa para o auto-cuidado; Assistir a pessoa a escovar o cabelo e dentes; Regular a temperatura da água; Massagear toda a superfície corporal com creme hidratante.
  • 19. Auto-cuidado vestuário dependente, em grau moderado Assistir a pessoa a vestir-se e despir-se; Motivar a pessoa a participar no auto-cuidado vestuário.
  • 20. Ingestão nutricional diminuída Providenciar dieta a gosto da pessoa; Vigiar a refeição; Evitar tratamentos dolorosos antes das refeições; Permitir que familiares ou pessoas significativas tenham acesso ao serviço para alimentar a pessoa.
  • 21. Memória de curto prazo diminuída Motivar a pessoa a relembrar as suas memórias; Evitar interromper a pessoa deixando-a verbalizar as suas memórias; Encorajar os familiares e pessoas significativas a visitar a pessoa;
  • 22. Agitação Providenciar ambiente tranqüilo; Identificar os fatores que desencadeiam a agitação; Diminuir a quantidade e complexidade dos estímulos que provocam agitação; Vigiar a ação do doente.
  • 23. Risco de queda Vigiar a ação da pessoa; Manter as grades da cama elevadas;
  • 24. Papel do prestador de cuidados Ensinar medidas de prevenção de acidentes; Orientar o planejamento de uma rotina diária de atividades domiciliares para o paciente, incluindo as atividades a realizar durante o dia; Explicar a importância da pessoa usar uma bracelete com nome, endereço e número de telefone;
  • 25. Tratamento Medicamentoso Atualmente são utilizados os inibidores de colinesterases, que evitam a desagregação da acetilcolina (importante para a aprendizagem e memória). Três inibidores da colinesterase são comumente prescritos: - Donepezil (Todas as Fases) - Rivastigmina (ligeira a moderada) - Galantamina (ligeira a moderada)
  • 26. Resposta ao Tratamento A doença é incurável. O objetivo da terapêutica é retardar a evolução e preservar por mais tempo possível as funções intelectuais. Os melhores resultados são obtidos quando o tratamento é iniciado nas fases mais precoces.
  • 27. Resposta ao Tratamento Numa doença que progride inexoravelmente, nem sempre é fácil avaliar resultados. Por essa razão, é fundamental que os familiares utilizem um diário para anotar a evolução dos sintomas. A memória está melhor? Os afazeres diários são cumpridos com mais facilidade? O quadro está estável? O declínio ocorre de forma mais lenta do que antes da medicação? Sem essas anotações fica impossível avaliar a eficácia do tratamento.
  • 28. Cérebro Normal X Doença de Alzheimer
  • 29.