SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
265
ARTIGO DE REVISÃO
Sociedade Brasileira para o Estudo da Dorc
Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69
RESUMO
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A dor traz prejuí-
zos na recuperação do paciente submetido à cirurgia or-
topédica. O objetivo deste estudo foi descrever as infor-
mações relacionadas à experiência dolorosa de pacientes
em pós-operatório de cirurgias ortopédicas na sala de re-
cuperação pós-anestésica (SRPA) que podem contribuir
para a assistência de Enfermagem.
CONTEÚDO: Trata-se de estudo com abordagem qua-
litativa, as fontes para a coleta das informações foram
as bases de dados da plataforma da BIREME, os obje-
tos foram artigos que atenderam aos seguintes critérios
de inclusão previamente estabelecidos, a coleta ocorreu
mediante busca on-line, a abordagem das informações
foi realizada pelo método da Hermenêutica Dialética.
Após esta abordagem, as categorias levantadas foram:
“O uso da anestesia regional diminui a intensidade da
dor pós-operatória em cirurgia ortopédica”, “Terapias
para o tratamento da dor pós-operatória em cirurgia
ortopédica”, “A avaliação auxilia no gerenciamento da
dor no pós-operatório de cirurgia ortopédica”.
CONCLUSÃO: O controle da dor pós-operatória é impor-
tante em pacientes ortopédicos e a anestesia regional pode
Assistência de enfermagem e dor em pacientes ortopédicos na
recuperação anestésica, no Brasil *
Nursing assistance and pain in orthopedic patients during anesthetic recovery in Brazil
Gisele Reis de Paula1
, Vanda dos Santos Reis1
, Flávia Alves Ribeiro2
, Maria Teresa Gagliazzi3
* Recebido do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Mogi das
Cruzes, SP.
1. Aluna do Curso de Enfermagem da Universidade de Mogi
das Cruzes (UMC). Mogi das Cruzes, SP, Brasil.
1. Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico Cirúrgi-
ca. Mestranda em Enfermagem. Docente do Curso de Enfer-
magem da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Mogi
das Cruzes, SP, Brasil.
3. Enfermeira Mestre em Enfermagem. Coordenadora do
Curso de Enfermagem da Universidade de Mogi das Cruzes
(UMC). Mogi das Cruzes, SP, Brasil.
Endereço para correspondência:
Flávia Alves Ribeiro
Rua José de Jesus, 66/54 - Morumbi
05630-090 São Paulo, SP.
Fones: (11) 9440-9146 – (11) 7417-1878.
E-mail: flaviaalvesribeiro@hotmail.com
proporcionar a analgesia preventiva para o pós-operatório
imediato. O enfermeiro deve estabelecer o diagnóstico de
enfermagem e as intervenções devem ser precedidas pela
avaliação da intensidade, da qualidade e dos fatores que in-
terferem na dor experimentada pelo paciente ortopédico.
Descritores: Cirurgia ortopédica, Dor aguda, Enferma-
gem perioperatória, Sala de recuperação.
SUMMARY
BACKGROUND AND OBJECTIVES: Pain is no-
xious for the recovery of patients submitted to orthope-
dic surgery. This study aimed at describing information
on the pain experience of patients in the postoperative
period of orthopedic surgeries in the post-anesthetic re-
covery unit (PACU), which may be useful for the Nur-
sing assistance.
CONTENTS: This is a qualitative study using BIREME’s
platform databases to collect information. The aims were
articles meeting the following and previously established
inclusion criteria and data were collected by online se-
arch. Information was approached by the Dialectic Her-
meneutics method. After this approach, the following ca-
tegories were surveyed: “Regional anesthesia decreases
postoperative pain in orthopedic surgeries”, “Therapy
for postoperative pain of orthopedic surgeries”, “Evalu-
ation helps pain management in the postoperative period
of orthopedic surgeries”.
CONCLUSION: Postoperative pain control is impor-
tant for orthopedic patients and regional anesthesia may
provide preventive analgesia for the immediate posto-
perative period. The nursing team shall establish the
nursing diagnosis and interventions shall be preceded by
the evaluation of intensity, quality and factors interfering
with pain felt by orthopedic patients.
Keywords: Acute pain, Orthopedic surgery, Perioperati-
ve nursing, Recovery room.
Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 265 12/09/11 14:11
Paula, Reis, Ribeiro e col.Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69
266
INTRODUÇÃO
Ador traz prejuízos na recuperação do paciente submetido à
cirurgia ortopédica, os quais estão relacionados a alterações
fisiológicas como a demora em deambular e o risco de trom-
boembolismo pela imobilidade e alterações emocionais, pelo
distanciamento da família e autoimagem alterada.
A dor pós-operatória é relatada por número significativo
de pacientes como a pior experiência da sua vida. Asso-
ciam-se à dor fatores de complicações físicas e emocio-
nais que podem agravar a situação de doença ou trauma
que motivou a cirurgia1-3
.
No pós-operatório imediato, o desconforto doloroso
pode alterar o metabolismo do paciente, afetando os sis-
temas pulmonar, cardiovascular, gastrintestinal, uriná-
rio, neurológico e endócrino. Seu alívio traz, portanto,
diminuição destas intercorrências4,5
.
O gerenciamento adequado da dor pós-operatória na
sala de recuperação pós-anestésica (SRPA), no caso do
paciente ortopédico, controla o seu estresse físico e psi-
cológico, além de permitir a elaboração de cuidados re-
lacionados à mobilidade e à movimentação5
.
Em se tratando de pacientes ortopédicos, as ferramen-
tas para o gerenciamento da dor são as farmacológicas
(administração de medicamentos), e não farmacológicas
(mobilidade e movimentação, acupuntura, massagem te-
rapêutica, relaxamento, posicionamento e conforto).
Dentre as alternativas para analgesia farmacológica no
pós-operatório de cirurgia ortopédica destacam-se a infu-
são de analgésico por via peridural, a analgesia controlada
pelo paciente (ACP) e a administração por via venosa de
medicação; além disso, as intervenções de Enfermagem
podem representar algumas das medidas não farmacoló-
gicas de controle e melhoria dos quadros dolorosos3,6,7
.
O papel da Enfermagem no controle da dor pós-operatória
do paciente ortopédico consiste na avaliação da intensidade
e na adoção de estratégias para minimizar o desconforto,
mediante o planejamento dos cuidados, levando em consi-
deração as alterações dos sinais vitais, das condições físicas
e emocionais e do quadro doloroso propriamente dito.
O enfermeiro é um elemento importante para cuidar de
maneira segura dos pacientes que vivenciam complica-
ções no pós-operatório imediato, dentre estas complica-
ções, destaca-se a dor8
.
A área de Enfermagem no controle da dor passa por
constantes avanços, pelo desenvolvimento de técnicas e
equipamentos para analgesia; deste fato emergiu a ne-
cessidade de atualização permanente dos profissionais3
.
O enfermeiro tem competências relacionadas ao uso de outras
terapias além das farmacológicas para minimizar a dor dos
pacientes e contribuir para a expectativa de restabelecimento,
dentre estas terapias, destacam-se a musicoterapia, a massa-
gem terapêutica, a estimulação de pensamentos que aliviem a
dor, a aromaterapia e o posicionamento para conforto9
.
A equipe de Enfermagem deve ter uma perspectiva ampla
sobreassensaçõesexperimentadaserelatadaspelospacien-
tes com dor no pós-operatório imediato porque permanece
a maior parte do tempo da internação prestando assistência;
entretanto, relatam insatisfação com o gerenciamento da
sua dor pela Enfermagem2
.
O fato de grande número de pacientes que sofreram ci-
rurgia ortopédica para amputação de membros e expe-
rimentaram a cronificação da dor aguda pós-operatória
por negligência no gerenciamento desta, suscita neces-
sidade de esforços da equipe de saúde no sentido de me-
lhorar as práticas assistenciais para estes pacientes6
.
Apartir da reflexão sobre os relatos desses autores, emer-
giu a questão desta pesquisa: “Quais são as informações
relacionadas à experiência dolorosa de pacientes em
pós-operatório de cirurgias ortopédicas na SRPA que
podem contribuir para a assistência de Enfermagem?”
Justifica-se a realização deste estudo baseadas na inten-
ção de contribuir para diminuição do sofrimento causa-
do pela dor aguda pós-operatória em pacientes ortopédi-
cos, de melhorar o cuidado prestado pelos profissionais
de Enfermagem a partir das informações já explicitadas.
O presente estudo teve como objetivo descrever as infor-
mações levantadas na revisão bibliográfica relacionadas
à experiência dolorosa de pacientes em pós-operatório de
cirurgias ortopédicas na SRPAque podem contribuir para a
assistência de Enfermagem.
CONTEÚDO METODOLÓGICO
Após leitura exaustiva dos artigos selecionados frente à
questão norteadora foram elaboradas as seguintes catego-
rias: “O uso da anestesia regional diminui a intensidade
da dor pós-operatória em cirurgia ortopédica”, “Tera-
pias para o tratamento da dor pós-operatória em cirurgia
ortopédica”, “A avaliação auxilia no gerenciamento da
dor no pós-operatório de cirurgia ortopédica”.
O uso da anestesia regional diminui a intensidade da
dor pós-operatória em cirurgia ortopédica
Esta categoria emergiu dos contextos expostos pelos au-
tores pesquisados relacionando a eficácia da anestesia
regional para o controle da dor de pacientes submetidos
à cirurgia ortopédica, transcritos a seguir:
“O bloqueio [... melhorou de maneira significativa a qua-
lidade da analgesia pós-operatória da artroplastia total
de joelho...]”10
;
Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 266 12/09/11 14:11
Assistência de enfermagem e dor em pacientes
ortopédicos na recuperação anestésica, no Brasil
Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69
267
“O bloqueio intra-articular traz ótimos resultados aos pa-
cientes submetidos à cirurgia artroscópica de joelho”11
;
“A anestesia regional proporcionou melhor analgesia”4
;
“[... o bloqueio é efetivo para analgesia pós-operatória
nos pacientes submetidos às cirurgias ortopédicas de
quadril, fêmur ou joelho...]”12
;
“O entendimento da extensão dos bloqueios... [propor-
ciona uma analgesia de melhor qualidade nos procedi-
mentos cirúrgicos de quadril e fêmur”]13
;
Percebe-se, por essas expressões que os autores acredi-
tam serem os bloqueios de nervos periféricos a mais efi-
caz opção para procedimentos ortopédicos, notadamen-
te, nos de membros inferiores.
O conhecimento dessas constatações tem influência para
a assistência de Enfermagem no sentido de que o en-
fermeiro, quando ciente do procedimento anestésico e
do tipo do bloqueio executado, espera, após a cirurgia,
um período de recuperação mais tranquilo no tocante ao
paciente não experimentar a dor.
Em estudo retrospectivo sobre as intervenções do enfer-
meiro e as complicações em SRPA8
de 216 pacientes sob
anestesia geral em até 54% a dor foi uma complicação
prevalente e o enfermeiro deste setor, executou uma as-
sistência diferenciada, considerando tal prevalência. As
afirmações expressas8
remetem à reflexão de que a assis-
tência de Enfermagem ao paciente ortopédico com dor
na SRPA é permeada pela ciência e consequente entendi-
mento acerca da técnica anestésica utilizada.
Essa assertiva anterior encontra ressonância na expres-
são que valoriza outro tipo de técnica anestésica, a regio-
nal, como se lê:
“[... pacientes ortopédicos submetidos à anestesia re-
gional não apresentam complicações relacionadas à dor
no pós-operatório...] [... o que direciona a assistência a
estes pacientes...]”12
;
“Este conhecimento (de que a anestesia regional propor-
ciona melhor analgesia) é importante para prevenir o
intenso catabolismo que a dor pode desencadear”4
.
O enfermeiro, para o gerenciamento da dor necessita, por-
tanto, de competências relacionadas ao conhecimento da
anestesia, suas técnicas, fármacos utilizados e efeitos co-
laterais esperados, que em contrapartida, se vê alertado:
“A dor pós-operatória (em pacientes ortopédicos) tem
sido bastante investigada, porém, é preciso analisar se a
terapêutica analgésica empregada é eficaz”4
.
Portanto, as reflexões dialéticas que podem emergir dos
prós e contras relativos às técnicas analgésicas e anesté-
sicas para cirurgias ortopédicas contribuem para o apro-
fundamento e aprimoramento desses conhecimentos es-
pecíficos que o enfermeiro deve adquirir e compartilhar
para colocar em prática um cuidado adequado aos pa-
cientes na SRPA, considerados críticos8
.
Emerge, portanto, desta categoria, que pacientes submeti-
dos à anestesia regional em quadril, fêmur ou joelho expe-
rimentam menos dor na SRPA do que àqueles submetido
à anestesia geral, e o enfermeiro conhecedor de tal evi-
dência, deve refletir e discernir direcionando com maior
competência seu cuidado.
Terapias para o tratamento da dor pós-operatória
em cirurgia ortopédica
Os estudos que deram origem a esta categoria aborda-
ram as maneiras disponíveis para tratar a dor do paciente
ortopédico na SRPA, quando esta, ou necessita preven-
ção ou já está instalada, algumas expressões a seguir,
exemplificam a categoria em questão:
“O tratamento da dor pós-operatória objetiva, além do
simples alívio, a prevenção das complicações próprias
da dor”14
;
“A descoberta de receptores opioides na medula trou-
xe novas perspectivas para o campo, da analgesia, com
a possibilidade de uso dos opioides diretamente na ra-
quianestesia”14
;
“As terapias complementares baseiam-se em promover
alívio da dor”9
;
“O tratamento inadequado da dor pós-operatória resul-
ta em aumento da morbimortalidade”5
;
“A morfina é o analgésico opioide de primeira esco-
lha no tratamento da dor aguda de grande intensidade,
como é a dor pós-operatória”5
;
“É possível e importante o atendimento aos pacientes
no período pós-operatório com relação ao tratamento
da dor aguda”6
.
O tratamento da dor pós-operatória em pacientes subme-
tidos à cirurgia ortopédica consiste no uso associado de
terapias complementares e farmacológicas:
“As terapias complementares como adjuvantes ao tra-
tamento farmacológico proporcionando o alívio da dor
e do sofrimento proporcionado pelo quadro doloroso”9
.
Dentre as alternativas chamadas “complementares” para
o alívio da dor, destaca-se o toque, o uso da música e de
aromas, além da estimulação da imaginação do paciente:
“As principais terapias complementares para alívio do
quadro doloroso são técnicas de relaxamento, estimula-
ção cutânea, a aromaterapia, a imaginação guiada, a
terapia vibracional e a música”9
.
O enfermeiro age no suprimento das necessidades emocio-
nais e físicas do paciente com dor, nos aspectos emocionais
e subjetivos atua de maneira não farmacológica e no campo
biológico, usa técnicas farmacológicas para alívio8
.
Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 267 12/09/11 14:11
Paula, Reis, Ribeiro e col.Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69
268
Percebe-se que, quando aplicadas adequadamente em
seus objetivos, as práticas medicamentosas e comple-
mentares associadas trazem resultados positivos em re-
lação ao conforto e tratamento da dor.
“O contato constante do enfermeiro com o paciente fa-
vorece a implementação de terapias que aliviem a dor,
promovendo assistência integralizada e melhora da
qualidade de vida do paciente com dor”9
.
Em outra vertente, há de se ressaltar a importância do
tratamento farmacológico para o alívio da dor pós-ope-
ratória em Ortopedia, como expressam alguns autores:
“Para o tratamento da dor pós-operatória têm sido emprega-
dos analgésicos não opioides, anti-inflamatórios não esteroi-
des que, eventualmente, são associados à opioides fracos”5
;
“A qualidade da analgesia obtida pelo uso de morfina
no alívio da dor pós-operatória de pacientes submetidos
à cirurgia ortopédica foi satisfatória”14
;
“Em nossa prática, observamos que 4% dos pacientes
submetidos à cirurgia ortopédica requerem tratamento
farmacológico da dor”6
.
Além dos aspectos relacionados à terapia complementar,
o enfermeiro precisa estar atento aos benefícios físicos
que a terapia farmacológica pode trazer em relação à
prevenção da cronificação da dor e da mobilização pre-
coce nos pacientes ortopédicos8
.
Emerge, portanto, a reflexão acerca dos dados desta ca-
tegoria que terapias complementares e farmacológicas
associadas ou não, são eficazes quando utilizadas de ma-
neira a responder às necessidades básicas afetadas pelos
pacientes ortopédicos, tanto do ponto de vista emocional
quanto do fisiológico, em torno deste, ressalta-se a im-
portância dos protocolos medicamentosos disponíveis e
em estudo relacionados à dor aguda em Ortopedia.
A avaliação auxilia no gerenciamento da dor no pós-
-operatório de cirurgia ortopédica
Esta categoria emergiu do entendimento dos autores dos
artigos lidos sobre a importância da avaliação da dor que
o paciente ortopédico sente como se observa a seguir:
“Esta tarefa (de avaliação da dor e administração de
analgésico... é de extrema importância”7
;
“Os profissionais da saúde precisam conhecer os méto-
dos utilizados para a avaliação da dor”3
;
“Enfatizamos a necessidade... de mensuração da dor no
meio cirúrgico” 15
.
Estas expressões claramente registram a importância da
avaliação da dor e que não depende unicamente dos instru-
mentos disponíveis para o uso, mas associados ao preparo
holístico do profissional de Enfermagem para avaliar a dor
no pós-operatório, neste caso, de cirurgia ortopédica, mes-
mo parecendo um desafio de controle desse sinal. Esta as-
sertiva encontra congruências nas expressões dos autores:
“Mensurar a dor tem sido um desafio para aqueles que alme-
jam controlar adequadamente tão complexa experiência”15
;
“Os enfermeiros devem esforçar-se para proteger o pa-
ciente de complicações”3
.
Os instrumentos de avaliação da dor no pós-operatório
de cirurgia ortopédica avaliam de maneira unidimensio-
nal ou em múltiplas dimensões a experiência dolorosa,
que podem ser verificados pelo que segue:
“Dentreeles,destacam-seasescalasnuméricas,nasquais
se utilizam categorias numéricas; as escalas verbais, nas
quais se utilizam categorias adjetivas, e as escalas analó-
gicas visuais, nas quais há possibilidade de julgamentos
visuais numa dimensão tomada como padrão”15
.
Também, é imperioso destacar os instrumentos da en-
fermagem como uma forma associada de avaliar a dor
no pós-operatório de cirurgia ortopédica que são as ca-
racterísticas definidoras do Diagnóstico de Enfermagem
“Dor”, assim registrados: “Os diagnósticos de Enferma-
gem são identificados a partir de características defini-
doras, fatores e situações iminentes de risco”16
.
Na sensibilização do profissional para avaliar a dor, são ne-
cessários não só instrumentos de mensuração da intensidade
da dor, mas também, os fatores associados, que o enfermeiro
deve considerar para sua intervenção, como se verifica:
“Identificar a existência de queixa álgica e estabelecer
a etiologia do sintoma, caracterizar a experiência dolo-
rosa em todos os seus domínios, aferir as repercussões
da dor no funcionamento biológico, emocional e com-
portamental do indivíduo”3
.
Para o alcance deste cuidado complexo, holístico e abran-
gente são necessárias estratégias de educação continuada da
equipe de Enfermagem que atende pacientes em pós-opera-
tório, especificamente neste caso, de cirurgia ortopédica:
“[... o enfermeiro deve empenhar-se na realização de pro-
gramas de capacitação da equipe de Enfermagem que vi-
semoesclarecimentodeformasdeidentificaçãodador]”16
.
Esta declaração remete à reflexão da importância do enfer-
meiro ser exclusivamente dedicado à SRPA, o que muitas
vezes não ocorre, dividindo suas responsabilidades com
outras atividades do bloco cirúrgico ou administrativas
gerais. Esta multiplicidade de responsabilidades o impede
de identificar e estimular a sua equipe a avaliar constan-
temente a dor dos pacientes em pós-operatório imediato.
Ao contrário, se exclusivo na SRPA, pode implementar
estratégias para destacar a importância da mensuração da
dor e implementá-la prevenindo a cronificação álgica8
.
Entende-se que a avaliação da dor no pós-operatório
imediato de cirurgia ortopédica é permeada pelo uso de
Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 268 12/09/11 14:11
Assistência de enfermagem e dor em pacientes
ortopédicos na recuperação anestésica, no Brasil
Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69
269
instrumentos validados agregados à assistência holística
do enfermeiro, consideração dos fatores associados e ca-
pacitação da equipe de Enfermagem.
Por meio das informações coletadas pode-se pensar a im-
portância do controle da dor pós-operatória em pacientes
ortopédicos e evidenciar que a anestesia regional pode
ser fonte de analgesia preventiva para o pós-operatório
imediato, as terapias para tratamento da dor instaladas
podem ser farmacológicas ou não farmacológicas e de-
vem ser consideradas pelo enfermeiro para estabelecer
seu diagnóstico de enfermagem e intervenções precedi-
das da avaliação da intensidade, da qualidade e de fato-
res que interferem na ocorrência da dor experimentada
pelo paciente ortopédico.
De posse destas informações, sugere-se, em estudos fu-
turos, a elaboração de protocolos de cuidados de Enfer-
magem a pacientes em pós-operatório de cirurgia orto-
pédica na SRPA embasados nestas premissas.
CONCLUSÃO
O controle da dor pós-operatória é importante em pacien-
tes ortopédicos e a anestesia regional pode proporcionar a
analgesia preventiva para o pós-operatório imediato. A tera-
pia para tratamento da dor pode ser farmacológica ou não
farmacológica e o enfermeiro deve estabelecer o diagnóstico
de Enfermagem e as intervenções devem ser precedidas pela
avaliação da intensidade, da qualidade e dos fatores que in-
terferem na dor experimentada pelo paciente ortopédico.
REFERÊNCIAS
1 Charlton EJ, (editor). Core curriculum for professional
education in pain. 3nd
ed: IASP Press; 2005.
2. Rocha LS, Moraes MW. Assistência de Enfermagem
no controle da dor da Sala de Recuperação Anestésica.
Rev Dor 2010;11(3):254-8.
3. Pimenta CAM, Santos EMM, Chaves LD, et al. Con-
trole da dor no pós-operatório. Rev Esc Enferm USP
2001;35(2):180-3.
4. Landgraf CS, Marques RC, Pires OC, et al. Avaliação
da analgesia pós-operatória em um hospital universitá-
rio. Rev Dor 2010;11(4):319-22.
5. Custódio G, Zappelini CEM, Trevisol DJ, et al. Uso
de analgésicos nos pós-operatório para tratamento da
dor em hospital no Sul do Brasil. Arq Catarinenses de
Medicina 2008;37(4):75-9.
6.Valverde Filho J, Ruiz Neto PP, Freire RCMC, et al.Aná-
lise descritiva de serviço de dor aguda pós-operatória em
hospital terciário. Rev Bras Anestesiol 2000;50(5):386-90.
7. Tacla MTGM, Hayashida M, Lima RAG. Registros
sobre dor pós-operatória em crianças: uma análise re-
trospectiva de hospitais de Londrina, PR, Brasil. Rev
Bras Enferm 2008;61(13):289-95.
8. Popov DCS, Peniche ACG. As intervenções do en-
fermeiro e as complicações em sala de recuperação pós-
-anestésica. Rev Esc Enferm USP 2009;43(4):953-61.
9. Eler GJ, Jaques AE. O enfermeiro e as terapias com-
plementares para o alívio da dor. Arq Ciênc Saúde
2006;10(3):185-90.
10. Zugliane AH, Verçosa N, Amaral JLG, et al. Con-
trole da dor pós-operatória da artroplastia total do joe-
lho: é necessário associar o bloqueio do nervo isquiáti-
co ao bloqueio do nervo femoral? Rev Bras Anestesiol
2007;57(5):514-24.
11. Lopes MB, Sousa LR, Porsani DF, et al. Associação
de bupivacaína e morfina intra-articular para analgesia
pós-operatória em cirurgia artroscópica de joelho. Rev
Bras Anestesiol 1999;49(3):165-8.
12. Fonseca NM, Ruzi RA, Ferreira FX, et al. Anal-
gesia pós-operatória em cirurgia ortopédica. Estudo
comparativo entre o bloqueio do plexo lombar por via
perivascular inguinal (3 em 1) com ropivacaína e a anal-
gesia subaracnóidea com morfina. Rev Bras Anestesiol
2003;53(2):188-97.
13. Imbelloni LE, Beato L, Beato C, et al. Analgesia
pós-operatória para procedimentos cirúrgicos ortopédi-
cos de quadril e fêmur: comparação entre bloqueio do
compartimento do psoas e bloqueio perivascular ingui-
nal. Rev Bras Anestesiol 2008;56(6):619-29.
14. Martelete M, Fiori AMC, Oliveira MLV. Analge-
sia pós-operatória com morfina peridural em pacientes
submetidos à cirurgia de membros inferiores. Rev Bras
Anestesiol 1998;38(3):189-92.
15. Pereira LV, Sousa FAEF. Mensuração e avaliação da
dor pós-operatória: uma breve revisão. Rev Lat Am En-
fermagem 1998;6(3):77-84.
16. Silva FS, Viana MF, Volpato MP. Diagnósticos de
enfermagem em pacientes internados pela clínica orto-
pédica em unidade médico-cirúrgica. Rev Gaúcha En-
ferm 2008;29(4):565-72.
17. Pimenta CAM, Santos EMM, Chaves LD, et al. Con-
trole da dor no pós-operatório. Rev. Esc Enferm USP
2001;35(2):180-3.
18. Rocha LS, Moraes MW. Assistência de enfermagem
no controle da dor da sala de recuperação anestésica.
Rev Dor 2010;11(3):254-8.
Apresentado em 15 de junho de 2011.
Aceito para publicação em 24 de agosto de 2011.
Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 269 12/09/11 14:11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoArtigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Renato Almeida
 
Acupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitos
Acupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitosAcupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitos
Acupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitos
Denilton Santos
 
Técnicas de Conservação de Energia
Técnicas de Conservação de EnergiaTécnicas de Conservação de Energia
Técnicas de Conservação de Energia
eccifafe
 

Mais procurados (20)

PREVALÊNCIA DE DESORDENS MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO EM FISI...
PREVALÊNCIA DE DESORDENS MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO EM FISI...PREVALÊNCIA DE DESORDENS MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO EM FISI...
PREVALÊNCIA DE DESORDENS MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO EM FISI...
 
Acu coreana cervical
Acu coreana cervicalAcu coreana cervical
Acu coreana cervical
 
O papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológica
O papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológicaO papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológica
O papel da fisioterapia intensiva na UTI oncológica
 
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICOFISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
FISIOTERAPIA INTENSIVA APLICADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO
 
O papel da fisioterapia intensiva na UTI Oncológica
O papel da fisioterapia intensiva na UTI OncológicaO papel da fisioterapia intensiva na UTI Oncológica
O papel da fisioterapia intensiva na UTI Oncológica
 
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoArtigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
 
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônicaAvaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
 
Atualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceAtualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização Precoce
 
tanto faz
tanto faztanto faz
tanto faz
 
Lombalgia em trabalho hospitalar enfermeiros
Lombalgia em trabalho hospitalar   enfermeirosLombalgia em trabalho hospitalar   enfermeiros
Lombalgia em trabalho hospitalar enfermeiros
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
 
Acupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitos
Acupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitosAcupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitos
Acupuntura e prevencao e tratamento de nauseas e vomitos
 
( Medicina & saude) eliseth r leao - dor oncologica
( Medicina & saude)   eliseth r leao - dor oncologica( Medicina & saude)   eliseth r leao - dor oncologica
( Medicina & saude) eliseth r leao - dor oncologica
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
 
Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
Divulgação eneft 2013
Divulgação eneft 2013Divulgação eneft 2013
Divulgação eneft 2013
 
Efeitos
EfeitosEfeitos
Efeitos
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
 
Técnicas de Conservação de Energia
Técnicas de Conservação de EnergiaTécnicas de Conservação de Energia
Técnicas de Conservação de Energia
 

Semelhante a Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao anestesica no brasil

Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativaAssistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Eliane Barbosa
 
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativaAssistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Eliane Barbosa
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
Aline Ferreira
 

Semelhante a Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao anestesica no brasil (20)

75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
 
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
 
Avaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônicaAvaliação de dor crônica
Avaliação de dor crônica
 
A dor durante a mudanca de penso
A dor durante a mudanca de pensoA dor durante a mudanca de penso
A dor durante a mudanca de penso
 
Manual
ManualManual
Manual
 
Analgesia multimodal 2013
Analgesia multimodal 2013Analgesia multimodal 2013
Analgesia multimodal 2013
 
Avaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópicoAvaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópico
 
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativaAssistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
 
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativaAssistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
Assistência de enfermagem a pacientes cirurgicos avaliação comparativa
 
Apresentação pioatrite e piomiosite
Apresentação pioatrite e piomiositeApresentação pioatrite e piomiosite
Apresentação pioatrite e piomiosite
 
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
Atendimento Multiprofissional no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca
 
Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
 
10 anestesia
10 anestesia10 anestesia
10 anestesia
 
011
011011
011
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Bandagem funcional artigo 1
Bandagem funcional   artigo 1Bandagem funcional   artigo 1
Bandagem funcional artigo 1
 
Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
 
08
0808
08
 
Dor na odontologia
Dor na odontologiaDor na odontologia
Dor na odontologia
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao anestesica no brasil

  • 1. 265 ARTIGO DE REVISÃO Sociedade Brasileira para o Estudo da Dorc Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69 RESUMO JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A dor traz prejuí- zos na recuperação do paciente submetido à cirurgia or- topédica. O objetivo deste estudo foi descrever as infor- mações relacionadas à experiência dolorosa de pacientes em pós-operatório de cirurgias ortopédicas na sala de re- cuperação pós-anestésica (SRPA) que podem contribuir para a assistência de Enfermagem. CONTEÚDO: Trata-se de estudo com abordagem qua- litativa, as fontes para a coleta das informações foram as bases de dados da plataforma da BIREME, os obje- tos foram artigos que atenderam aos seguintes critérios de inclusão previamente estabelecidos, a coleta ocorreu mediante busca on-line, a abordagem das informações foi realizada pelo método da Hermenêutica Dialética. Após esta abordagem, as categorias levantadas foram: “O uso da anestesia regional diminui a intensidade da dor pós-operatória em cirurgia ortopédica”, “Terapias para o tratamento da dor pós-operatória em cirurgia ortopédica”, “A avaliação auxilia no gerenciamento da dor no pós-operatório de cirurgia ortopédica”. CONCLUSÃO: O controle da dor pós-operatória é impor- tante em pacientes ortopédicos e a anestesia regional pode Assistência de enfermagem e dor em pacientes ortopédicos na recuperação anestésica, no Brasil * Nursing assistance and pain in orthopedic patients during anesthetic recovery in Brazil Gisele Reis de Paula1 , Vanda dos Santos Reis1 , Flávia Alves Ribeiro2 , Maria Teresa Gagliazzi3 * Recebido do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Mogi das Cruzes, SP. 1. Aluna do Curso de Enfermagem da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Mogi das Cruzes, SP, Brasil. 1. Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico Cirúrgi- ca. Mestranda em Enfermagem. Docente do Curso de Enfer- magem da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Mogi das Cruzes, SP, Brasil. 3. Enfermeira Mestre em Enfermagem. Coordenadora do Curso de Enfermagem da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Mogi das Cruzes, SP, Brasil. Endereço para correspondência: Flávia Alves Ribeiro Rua José de Jesus, 66/54 - Morumbi 05630-090 São Paulo, SP. Fones: (11) 9440-9146 – (11) 7417-1878. E-mail: flaviaalvesribeiro@hotmail.com proporcionar a analgesia preventiva para o pós-operatório imediato. O enfermeiro deve estabelecer o diagnóstico de enfermagem e as intervenções devem ser precedidas pela avaliação da intensidade, da qualidade e dos fatores que in- terferem na dor experimentada pelo paciente ortopédico. Descritores: Cirurgia ortopédica, Dor aguda, Enferma- gem perioperatória, Sala de recuperação. SUMMARY BACKGROUND AND OBJECTIVES: Pain is no- xious for the recovery of patients submitted to orthope- dic surgery. This study aimed at describing information on the pain experience of patients in the postoperative period of orthopedic surgeries in the post-anesthetic re- covery unit (PACU), which may be useful for the Nur- sing assistance. CONTENTS: This is a qualitative study using BIREME’s platform databases to collect information. The aims were articles meeting the following and previously established inclusion criteria and data were collected by online se- arch. Information was approached by the Dialectic Her- meneutics method. After this approach, the following ca- tegories were surveyed: “Regional anesthesia decreases postoperative pain in orthopedic surgeries”, “Therapy for postoperative pain of orthopedic surgeries”, “Evalu- ation helps pain management in the postoperative period of orthopedic surgeries”. CONCLUSION: Postoperative pain control is impor- tant for orthopedic patients and regional anesthesia may provide preventive analgesia for the immediate posto- perative period. The nursing team shall establish the nursing diagnosis and interventions shall be preceded by the evaluation of intensity, quality and factors interfering with pain felt by orthopedic patients. Keywords: Acute pain, Orthopedic surgery, Perioperati- ve nursing, Recovery room. Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 265 12/09/11 14:11
  • 2. Paula, Reis, Ribeiro e col.Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69 266 INTRODUÇÃO Ador traz prejuízos na recuperação do paciente submetido à cirurgia ortopédica, os quais estão relacionados a alterações fisiológicas como a demora em deambular e o risco de trom- boembolismo pela imobilidade e alterações emocionais, pelo distanciamento da família e autoimagem alterada. A dor pós-operatória é relatada por número significativo de pacientes como a pior experiência da sua vida. Asso- ciam-se à dor fatores de complicações físicas e emocio- nais que podem agravar a situação de doença ou trauma que motivou a cirurgia1-3 . No pós-operatório imediato, o desconforto doloroso pode alterar o metabolismo do paciente, afetando os sis- temas pulmonar, cardiovascular, gastrintestinal, uriná- rio, neurológico e endócrino. Seu alívio traz, portanto, diminuição destas intercorrências4,5 . O gerenciamento adequado da dor pós-operatória na sala de recuperação pós-anestésica (SRPA), no caso do paciente ortopédico, controla o seu estresse físico e psi- cológico, além de permitir a elaboração de cuidados re- lacionados à mobilidade e à movimentação5 . Em se tratando de pacientes ortopédicos, as ferramen- tas para o gerenciamento da dor são as farmacológicas (administração de medicamentos), e não farmacológicas (mobilidade e movimentação, acupuntura, massagem te- rapêutica, relaxamento, posicionamento e conforto). Dentre as alternativas para analgesia farmacológica no pós-operatório de cirurgia ortopédica destacam-se a infu- são de analgésico por via peridural, a analgesia controlada pelo paciente (ACP) e a administração por via venosa de medicação; além disso, as intervenções de Enfermagem podem representar algumas das medidas não farmacoló- gicas de controle e melhoria dos quadros dolorosos3,6,7 . O papel da Enfermagem no controle da dor pós-operatória do paciente ortopédico consiste na avaliação da intensidade e na adoção de estratégias para minimizar o desconforto, mediante o planejamento dos cuidados, levando em consi- deração as alterações dos sinais vitais, das condições físicas e emocionais e do quadro doloroso propriamente dito. O enfermeiro é um elemento importante para cuidar de maneira segura dos pacientes que vivenciam complica- ções no pós-operatório imediato, dentre estas complica- ções, destaca-se a dor8 . A área de Enfermagem no controle da dor passa por constantes avanços, pelo desenvolvimento de técnicas e equipamentos para analgesia; deste fato emergiu a ne- cessidade de atualização permanente dos profissionais3 . O enfermeiro tem competências relacionadas ao uso de outras terapias além das farmacológicas para minimizar a dor dos pacientes e contribuir para a expectativa de restabelecimento, dentre estas terapias, destacam-se a musicoterapia, a massa- gem terapêutica, a estimulação de pensamentos que aliviem a dor, a aromaterapia e o posicionamento para conforto9 . A equipe de Enfermagem deve ter uma perspectiva ampla sobreassensaçõesexperimentadaserelatadaspelospacien- tes com dor no pós-operatório imediato porque permanece a maior parte do tempo da internação prestando assistência; entretanto, relatam insatisfação com o gerenciamento da sua dor pela Enfermagem2 . O fato de grande número de pacientes que sofreram ci- rurgia ortopédica para amputação de membros e expe- rimentaram a cronificação da dor aguda pós-operatória por negligência no gerenciamento desta, suscita neces- sidade de esforços da equipe de saúde no sentido de me- lhorar as práticas assistenciais para estes pacientes6 . Apartir da reflexão sobre os relatos desses autores, emer- giu a questão desta pesquisa: “Quais são as informações relacionadas à experiência dolorosa de pacientes em pós-operatório de cirurgias ortopédicas na SRPA que podem contribuir para a assistência de Enfermagem?” Justifica-se a realização deste estudo baseadas na inten- ção de contribuir para diminuição do sofrimento causa- do pela dor aguda pós-operatória em pacientes ortopédi- cos, de melhorar o cuidado prestado pelos profissionais de Enfermagem a partir das informações já explicitadas. O presente estudo teve como objetivo descrever as infor- mações levantadas na revisão bibliográfica relacionadas à experiência dolorosa de pacientes em pós-operatório de cirurgias ortopédicas na SRPAque podem contribuir para a assistência de Enfermagem. CONTEÚDO METODOLÓGICO Após leitura exaustiva dos artigos selecionados frente à questão norteadora foram elaboradas as seguintes catego- rias: “O uso da anestesia regional diminui a intensidade da dor pós-operatória em cirurgia ortopédica”, “Tera- pias para o tratamento da dor pós-operatória em cirurgia ortopédica”, “A avaliação auxilia no gerenciamento da dor no pós-operatório de cirurgia ortopédica”. O uso da anestesia regional diminui a intensidade da dor pós-operatória em cirurgia ortopédica Esta categoria emergiu dos contextos expostos pelos au- tores pesquisados relacionando a eficácia da anestesia regional para o controle da dor de pacientes submetidos à cirurgia ortopédica, transcritos a seguir: “O bloqueio [... melhorou de maneira significativa a qua- lidade da analgesia pós-operatória da artroplastia total de joelho...]”10 ; Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 266 12/09/11 14:11
  • 3. Assistência de enfermagem e dor em pacientes ortopédicos na recuperação anestésica, no Brasil Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69 267 “O bloqueio intra-articular traz ótimos resultados aos pa- cientes submetidos à cirurgia artroscópica de joelho”11 ; “A anestesia regional proporcionou melhor analgesia”4 ; “[... o bloqueio é efetivo para analgesia pós-operatória nos pacientes submetidos às cirurgias ortopédicas de quadril, fêmur ou joelho...]”12 ; “O entendimento da extensão dos bloqueios... [propor- ciona uma analgesia de melhor qualidade nos procedi- mentos cirúrgicos de quadril e fêmur”]13 ; Percebe-se, por essas expressões que os autores acredi- tam serem os bloqueios de nervos periféricos a mais efi- caz opção para procedimentos ortopédicos, notadamen- te, nos de membros inferiores. O conhecimento dessas constatações tem influência para a assistência de Enfermagem no sentido de que o en- fermeiro, quando ciente do procedimento anestésico e do tipo do bloqueio executado, espera, após a cirurgia, um período de recuperação mais tranquilo no tocante ao paciente não experimentar a dor. Em estudo retrospectivo sobre as intervenções do enfer- meiro e as complicações em SRPA8 de 216 pacientes sob anestesia geral em até 54% a dor foi uma complicação prevalente e o enfermeiro deste setor, executou uma as- sistência diferenciada, considerando tal prevalência. As afirmações expressas8 remetem à reflexão de que a assis- tência de Enfermagem ao paciente ortopédico com dor na SRPA é permeada pela ciência e consequente entendi- mento acerca da técnica anestésica utilizada. Essa assertiva anterior encontra ressonância na expres- são que valoriza outro tipo de técnica anestésica, a regio- nal, como se lê: “[... pacientes ortopédicos submetidos à anestesia re- gional não apresentam complicações relacionadas à dor no pós-operatório...] [... o que direciona a assistência a estes pacientes...]”12 ; “Este conhecimento (de que a anestesia regional propor- ciona melhor analgesia) é importante para prevenir o intenso catabolismo que a dor pode desencadear”4 . O enfermeiro, para o gerenciamento da dor necessita, por- tanto, de competências relacionadas ao conhecimento da anestesia, suas técnicas, fármacos utilizados e efeitos co- laterais esperados, que em contrapartida, se vê alertado: “A dor pós-operatória (em pacientes ortopédicos) tem sido bastante investigada, porém, é preciso analisar se a terapêutica analgésica empregada é eficaz”4 . Portanto, as reflexões dialéticas que podem emergir dos prós e contras relativos às técnicas analgésicas e anesté- sicas para cirurgias ortopédicas contribuem para o apro- fundamento e aprimoramento desses conhecimentos es- pecíficos que o enfermeiro deve adquirir e compartilhar para colocar em prática um cuidado adequado aos pa- cientes na SRPA, considerados críticos8 . Emerge, portanto, desta categoria, que pacientes submeti- dos à anestesia regional em quadril, fêmur ou joelho expe- rimentam menos dor na SRPA do que àqueles submetido à anestesia geral, e o enfermeiro conhecedor de tal evi- dência, deve refletir e discernir direcionando com maior competência seu cuidado. Terapias para o tratamento da dor pós-operatória em cirurgia ortopédica Os estudos que deram origem a esta categoria aborda- ram as maneiras disponíveis para tratar a dor do paciente ortopédico na SRPA, quando esta, ou necessita preven- ção ou já está instalada, algumas expressões a seguir, exemplificam a categoria em questão: “O tratamento da dor pós-operatória objetiva, além do simples alívio, a prevenção das complicações próprias da dor”14 ; “A descoberta de receptores opioides na medula trou- xe novas perspectivas para o campo, da analgesia, com a possibilidade de uso dos opioides diretamente na ra- quianestesia”14 ; “As terapias complementares baseiam-se em promover alívio da dor”9 ; “O tratamento inadequado da dor pós-operatória resul- ta em aumento da morbimortalidade”5 ; “A morfina é o analgésico opioide de primeira esco- lha no tratamento da dor aguda de grande intensidade, como é a dor pós-operatória”5 ; “É possível e importante o atendimento aos pacientes no período pós-operatório com relação ao tratamento da dor aguda”6 . O tratamento da dor pós-operatória em pacientes subme- tidos à cirurgia ortopédica consiste no uso associado de terapias complementares e farmacológicas: “As terapias complementares como adjuvantes ao tra- tamento farmacológico proporcionando o alívio da dor e do sofrimento proporcionado pelo quadro doloroso”9 . Dentre as alternativas chamadas “complementares” para o alívio da dor, destaca-se o toque, o uso da música e de aromas, além da estimulação da imaginação do paciente: “As principais terapias complementares para alívio do quadro doloroso são técnicas de relaxamento, estimula- ção cutânea, a aromaterapia, a imaginação guiada, a terapia vibracional e a música”9 . O enfermeiro age no suprimento das necessidades emocio- nais e físicas do paciente com dor, nos aspectos emocionais e subjetivos atua de maneira não farmacológica e no campo biológico, usa técnicas farmacológicas para alívio8 . Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 267 12/09/11 14:11
  • 4. Paula, Reis, Ribeiro e col.Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69 268 Percebe-se que, quando aplicadas adequadamente em seus objetivos, as práticas medicamentosas e comple- mentares associadas trazem resultados positivos em re- lação ao conforto e tratamento da dor. “O contato constante do enfermeiro com o paciente fa- vorece a implementação de terapias que aliviem a dor, promovendo assistência integralizada e melhora da qualidade de vida do paciente com dor”9 . Em outra vertente, há de se ressaltar a importância do tratamento farmacológico para o alívio da dor pós-ope- ratória em Ortopedia, como expressam alguns autores: “Para o tratamento da dor pós-operatória têm sido emprega- dos analgésicos não opioides, anti-inflamatórios não esteroi- des que, eventualmente, são associados à opioides fracos”5 ; “A qualidade da analgesia obtida pelo uso de morfina no alívio da dor pós-operatória de pacientes submetidos à cirurgia ortopédica foi satisfatória”14 ; “Em nossa prática, observamos que 4% dos pacientes submetidos à cirurgia ortopédica requerem tratamento farmacológico da dor”6 . Além dos aspectos relacionados à terapia complementar, o enfermeiro precisa estar atento aos benefícios físicos que a terapia farmacológica pode trazer em relação à prevenção da cronificação da dor e da mobilização pre- coce nos pacientes ortopédicos8 . Emerge, portanto, a reflexão acerca dos dados desta ca- tegoria que terapias complementares e farmacológicas associadas ou não, são eficazes quando utilizadas de ma- neira a responder às necessidades básicas afetadas pelos pacientes ortopédicos, tanto do ponto de vista emocional quanto do fisiológico, em torno deste, ressalta-se a im- portância dos protocolos medicamentosos disponíveis e em estudo relacionados à dor aguda em Ortopedia. A avaliação auxilia no gerenciamento da dor no pós- -operatório de cirurgia ortopédica Esta categoria emergiu do entendimento dos autores dos artigos lidos sobre a importância da avaliação da dor que o paciente ortopédico sente como se observa a seguir: “Esta tarefa (de avaliação da dor e administração de analgésico... é de extrema importância”7 ; “Os profissionais da saúde precisam conhecer os méto- dos utilizados para a avaliação da dor”3 ; “Enfatizamos a necessidade... de mensuração da dor no meio cirúrgico” 15 . Estas expressões claramente registram a importância da avaliação da dor e que não depende unicamente dos instru- mentos disponíveis para o uso, mas associados ao preparo holístico do profissional de Enfermagem para avaliar a dor no pós-operatório, neste caso, de cirurgia ortopédica, mes- mo parecendo um desafio de controle desse sinal. Esta as- sertiva encontra congruências nas expressões dos autores: “Mensurar a dor tem sido um desafio para aqueles que alme- jam controlar adequadamente tão complexa experiência”15 ; “Os enfermeiros devem esforçar-se para proteger o pa- ciente de complicações”3 . Os instrumentos de avaliação da dor no pós-operatório de cirurgia ortopédica avaliam de maneira unidimensio- nal ou em múltiplas dimensões a experiência dolorosa, que podem ser verificados pelo que segue: “Dentreeles,destacam-seasescalasnuméricas,nasquais se utilizam categorias numéricas; as escalas verbais, nas quais se utilizam categorias adjetivas, e as escalas analó- gicas visuais, nas quais há possibilidade de julgamentos visuais numa dimensão tomada como padrão”15 . Também, é imperioso destacar os instrumentos da en- fermagem como uma forma associada de avaliar a dor no pós-operatório de cirurgia ortopédica que são as ca- racterísticas definidoras do Diagnóstico de Enfermagem “Dor”, assim registrados: “Os diagnósticos de Enferma- gem são identificados a partir de características defini- doras, fatores e situações iminentes de risco”16 . Na sensibilização do profissional para avaliar a dor, são ne- cessários não só instrumentos de mensuração da intensidade da dor, mas também, os fatores associados, que o enfermeiro deve considerar para sua intervenção, como se verifica: “Identificar a existência de queixa álgica e estabelecer a etiologia do sintoma, caracterizar a experiência dolo- rosa em todos os seus domínios, aferir as repercussões da dor no funcionamento biológico, emocional e com- portamental do indivíduo”3 . Para o alcance deste cuidado complexo, holístico e abran- gente são necessárias estratégias de educação continuada da equipe de Enfermagem que atende pacientes em pós-opera- tório, especificamente neste caso, de cirurgia ortopédica: “[... o enfermeiro deve empenhar-se na realização de pro- gramas de capacitação da equipe de Enfermagem que vi- semoesclarecimentodeformasdeidentificaçãodador]”16 . Esta declaração remete à reflexão da importância do enfer- meiro ser exclusivamente dedicado à SRPA, o que muitas vezes não ocorre, dividindo suas responsabilidades com outras atividades do bloco cirúrgico ou administrativas gerais. Esta multiplicidade de responsabilidades o impede de identificar e estimular a sua equipe a avaliar constan- temente a dor dos pacientes em pós-operatório imediato. Ao contrário, se exclusivo na SRPA, pode implementar estratégias para destacar a importância da mensuração da dor e implementá-la prevenindo a cronificação álgica8 . Entende-se que a avaliação da dor no pós-operatório imediato de cirurgia ortopédica é permeada pelo uso de Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 268 12/09/11 14:11
  • 5. Assistência de enfermagem e dor em pacientes ortopédicos na recuperação anestésica, no Brasil Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set;12(3):265-69 269 instrumentos validados agregados à assistência holística do enfermeiro, consideração dos fatores associados e ca- pacitação da equipe de Enfermagem. Por meio das informações coletadas pode-se pensar a im- portância do controle da dor pós-operatória em pacientes ortopédicos e evidenciar que a anestesia regional pode ser fonte de analgesia preventiva para o pós-operatório imediato, as terapias para tratamento da dor instaladas podem ser farmacológicas ou não farmacológicas e de- vem ser consideradas pelo enfermeiro para estabelecer seu diagnóstico de enfermagem e intervenções precedi- das da avaliação da intensidade, da qualidade e de fato- res que interferem na ocorrência da dor experimentada pelo paciente ortopédico. De posse destas informações, sugere-se, em estudos fu- turos, a elaboração de protocolos de cuidados de Enfer- magem a pacientes em pós-operatório de cirurgia orto- pédica na SRPA embasados nestas premissas. CONCLUSÃO O controle da dor pós-operatória é importante em pacien- tes ortopédicos e a anestesia regional pode proporcionar a analgesia preventiva para o pós-operatório imediato. A tera- pia para tratamento da dor pode ser farmacológica ou não farmacológica e o enfermeiro deve estabelecer o diagnóstico de Enfermagem e as intervenções devem ser precedidas pela avaliação da intensidade, da qualidade e dos fatores que in- terferem na dor experimentada pelo paciente ortopédico. REFERÊNCIAS 1 Charlton EJ, (editor). Core curriculum for professional education in pain. 3nd ed: IASP Press; 2005. 2. Rocha LS, Moraes MW. Assistência de Enfermagem no controle da dor da Sala de Recuperação Anestésica. Rev Dor 2010;11(3):254-8. 3. Pimenta CAM, Santos EMM, Chaves LD, et al. Con- trole da dor no pós-operatório. Rev Esc Enferm USP 2001;35(2):180-3. 4. Landgraf CS, Marques RC, Pires OC, et al. Avaliação da analgesia pós-operatória em um hospital universitá- rio. Rev Dor 2010;11(4):319-22. 5. Custódio G, Zappelini CEM, Trevisol DJ, et al. Uso de analgésicos nos pós-operatório para tratamento da dor em hospital no Sul do Brasil. Arq Catarinenses de Medicina 2008;37(4):75-9. 6.Valverde Filho J, Ruiz Neto PP, Freire RCMC, et al.Aná- lise descritiva de serviço de dor aguda pós-operatória em hospital terciário. Rev Bras Anestesiol 2000;50(5):386-90. 7. Tacla MTGM, Hayashida M, Lima RAG. Registros sobre dor pós-operatória em crianças: uma análise re- trospectiva de hospitais de Londrina, PR, Brasil. Rev Bras Enferm 2008;61(13):289-95. 8. Popov DCS, Peniche ACG. As intervenções do en- fermeiro e as complicações em sala de recuperação pós- -anestésica. Rev Esc Enferm USP 2009;43(4):953-61. 9. Eler GJ, Jaques AE. O enfermeiro e as terapias com- plementares para o alívio da dor. Arq Ciênc Saúde 2006;10(3):185-90. 10. Zugliane AH, Verçosa N, Amaral JLG, et al. Con- trole da dor pós-operatória da artroplastia total do joe- lho: é necessário associar o bloqueio do nervo isquiáti- co ao bloqueio do nervo femoral? Rev Bras Anestesiol 2007;57(5):514-24. 11. Lopes MB, Sousa LR, Porsani DF, et al. Associação de bupivacaína e morfina intra-articular para analgesia pós-operatória em cirurgia artroscópica de joelho. Rev Bras Anestesiol 1999;49(3):165-8. 12. Fonseca NM, Ruzi RA, Ferreira FX, et al. Anal- gesia pós-operatória em cirurgia ortopédica. Estudo comparativo entre o bloqueio do plexo lombar por via perivascular inguinal (3 em 1) com ropivacaína e a anal- gesia subaracnóidea com morfina. Rev Bras Anestesiol 2003;53(2):188-97. 13. Imbelloni LE, Beato L, Beato C, et al. Analgesia pós-operatória para procedimentos cirúrgicos ortopédi- cos de quadril e fêmur: comparação entre bloqueio do compartimento do psoas e bloqueio perivascular ingui- nal. Rev Bras Anestesiol 2008;56(6):619-29. 14. Martelete M, Fiori AMC, Oliveira MLV. Analge- sia pós-operatória com morfina peridural em pacientes submetidos à cirurgia de membros inferiores. Rev Bras Anestesiol 1998;38(3):189-92. 15. Pereira LV, Sousa FAEF. Mensuração e avaliação da dor pós-operatória: uma breve revisão. Rev Lat Am En- fermagem 1998;6(3):77-84. 16. Silva FS, Viana MF, Volpato MP. Diagnósticos de enfermagem em pacientes internados pela clínica orto- pédica em unidade médico-cirúrgica. Rev Gaúcha En- ferm 2008;29(4):565-72. 17. Pimenta CAM, Santos EMM, Chaves LD, et al. Con- trole da dor no pós-operatório. Rev. Esc Enferm USP 2001;35(2):180-3. 18. Rocha LS, Moraes MW. Assistência de enfermagem no controle da dor da sala de recuperação anestésica. Rev Dor 2010;11(3):254-8. Apresentado em 15 de junho de 2011. Aceito para publicação em 24 de agosto de 2011. Assitencia de enfermagem e dor em pacientes.indd 269 12/09/11 14:11