SlideShare uma empresa Scribd logo
2016
Protocolo de Assistência
aos Casos Crônicos
de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos
Casos Crônicos de Chikungunya
ELABORAÇÃO:
• Coordenação da Atenção Básica
Área Técnica de Medicinas Tradicionais, Homeopatias e Práticas Integrativas de Saúde
• Autarquia Hospitalar Municipal (AHM)
• Coordenação das Redes de Atenção à Saúde e Áreas Temáticas (CORAS)
Área Técnica de Assistência Farmacêutica
Área Técnica de Saúde da Pessoa com Deficiência
EQUIPE TÉCNICA:
Cecilia Tomiko Nobumoto
Dirce Cruz Marques
Edmea Costa Pereira
Ivomar Gomes Duarte
Maisa Ferreira dos Santos
Miriam Rodrigues de Medeiros
Mirna Reni Marchioni Tedesco
Rejane Calixto Gonçalves
Regina Satico Omati
MANEJO CLÍNICO DOS PACIENTES CRÔNICOS POR FEBRE DE CHIKUNGUNYA
As UBS são as portas de entrada para o sistema de saúde, assim como são pontos de
cuidados, nas contra referências do sistema quando se refere aos usuários que demandam a
atenção básica, oriundas das Unidades Ambulatoriais Especializadas e das Unidades de
Urgências e Emergências sejam Pronto-Socorro vinculado ou não a Serviços Hospitalares e
Unidades de Internações Hospitalares.
1.TRATAMENTO MEDICAMENTOSO
Nas fases subaguda e crônica em pacientes com dor moderada e intensa poliarticular e
debilitante o uso de corticoesteróides só está indicado para os casos cuja dor articular não seja
responsiva a anti-inflamatórios não esteroidais (ANE) e analgésicos. Nessa condição pode ser
iniciado corticoesteroide oral, cujo fármaco padrão é a predinisolonasolução oral para crianças
ou a prednisona comprimido para adultos. Esta medicação, dependendo da dose, teráefeito
predominante anti-inflamatório (dose menor ou igual a 0,5mg até dose menor que 1mg/kg de
peso por dia), dose intermediária entre ação anti-inflamatória e início de ação
imunosupressora (maior que 0,5 mg até dose menor que 1mg/kg de peso por dia) e dose
predominantemente imunossupressora independente de sua ação anti-inflamatória (dose
maior ou igual a 1mg/kg de peso por dia).
A dose inicial voltada para processo anti-inflamatório deve iniciar com 20mg/dia em
dose única pela manhã. Interpretar como resposta positiva a capacidade de deambular sem
ajuda e controle satisfatório das dores. Neste caso manter a dose até resolução do quadro de
dor articular por completo. Em caso de remissão completa da dor, manter a dose por mais três
dias. Caso não haja recidiva do quadro, diminuir a dose para 10mg/dia e aguardar mais três
dias. Se a dor não retornar, suspender ao final de três dias.
A dose inicial poderá ser mantida por até 21 dias, tempo médio em que,
habitualmente não há riscos de insuficiência adrenal induzida. Acima deste período, na
ausência de resposta, considerar associação de opióides com suspensão ou não de corticoide,
a depender da resposta parcial, na ausência de efeitos colaterais dele. O uso de analgésicos
mais potentes como morfina pode ser necessário para alívio do componente artrítico.
Durante as fases de desmame em função da melhora, em caso de retorno da dor,
retornar à dose anterior e tentar novo desmame somente após cinco dias da resolução dos
sintomas e assim por diante até a retirada completa da medicação.
São critérios de exclusão para uso de corticoesteróides: pacientes com diabetes,
hipertensão de difícil controle, passado de fratura por osteoporose, transtorno de humor
bipolar, insuficiência renal crônica em diálise, Cushing, obesidade grau III, arritmias e
coronariopatias. Alguns medicamentos são usados em casos persistentes (cloroquina, aciclovir,
ribavirina, inteferon-alfa, anticorpos monoclonais e methotrexate), porém ainda não existem
ensaios clínicos que demonstrem eficácia dos mesmos. Assim, cada caso deve ser avaliado,
levando-se em conta as comorbidades, para definir a melhor conduta terapêutica.
2. REABILITAÇÃO
Com exceção da fase aguda, o acompanhamento em reabilitação é concomitante ao
medicamentoso.Para descrevermos as características e manejos em reabilitação na fase
crônica, não podemos deixar de destacar as fases iniciais da doença. Assim, na fase aguda, que
dura em média 7 dias, recomenda-se manter o paciente em repouso e aplicar compressas frias
nas articulações acometidas. Nos casos de Chikungunyaa dor articular, presente em 70% a
100% dos casos é intensa e afeta principalmente pés e mãos (geralmente tornozelos e pulsos).
Esses sintomas tendem a ser mais intensos em crianças e idosos. O repouso durante a fase
aguda, nos primeiros 10 dias da doença, é muito importante porque parece prevenir
complicações e que a Chikungunya se torne crônica.
Na fase sub-aguda, que dura em média 3 meses, passada a crise dolorosa o paciente
deve ser orientado no sentido de movimentar-se com exercícios de intensidade
leve/moderada. Os casos atendidos nas UPAs, PSM, AMAs e Pronto Socorros dos Hospitais
devem ser encaminhados para a UBS de referência do paciente para acompanhamento onde
os grupos de dor e práticas integrativas como Lian Gong, Tai Chi Pai Lin e Craniopuntura de
Yamamoto podem ser utilizadas como estratégia de atenção , respeitando os limites de cada
paciente. A prática física poderá ser ampliada lentamente com treinamento cotidiano,
disciplinado e partindo da contínua avaliação do estado de saúde de cada paciente. Em casa a
pessoa pode realizar diariamente alongamentos, devendo evitar longas caminhadas e muitos
esforços. As compressas frias geralmente são mais indicadas que as mornas e podem ser
usadas durante 15 a 20 minutos para diminuir a dor nas articulações.
Para ser classificada como fase crônica é preciso que os sintomas persistam por mais
de três meses após o início da doença. Alguns estudos apontam que 12%-18% dos pacientes
terão sintomas persistentes de 18 meses a três anos. Um dos sintomas mais comuns nesta
fase é o acometimento articular persistente ou recidivante nas mesmas articulações atingidas
durante a fase aguda. Este acometimento articular é caracterizado por dor com ou sem
edema, limitação de movimento, deformidade e ausência de eritema, e nos casos mais
avançados rigidez articular. Normalmente é poliarticular e simétrico, mas pode ser assimétrico
ou monoarticular. Também há relatos de dores nas regiões sacroilíaca, lombossacra e cervical.
Devemos acrescentar que há fatores que também favorecem a evolução dos quadros
subagudos para a cronificação: diabetes, hipertensão, idade avançada, obesidade,
sedentarismo e outras comorbidades. Assim, a importância de um acompanhamento deste
paciente na Atenção Básica por uma equipe multiprofissional é um diferencial no prognóstico
da doença articular.
Desta forma, os casos crônicos onde não se verifique evolução do quadro doloroso ou
funcional devem permanecer na Atenção Básica sendo importante orestabelecimento de um
plano terapêutico por meio da associação entre as práticas integrativas e exercícios
direcionados.
Já, os casoscom reagudização ou com dor incapacitante e/ou limitação motora que
impeçama marcha ou a realização de atividades de vida diária devem ser encaminhados para a
Atenção Especializada NIR/CER. Alguns pacientes poderão evoluir para artropatia destrutiva
semelhante à artrite psoriática ou reumatoide. A eletroterapia, treino funcional, bandagens,
cinesioterapiae órteses de membros superiores são terapêuticas indicadas para alívio da dore
para que se evitem deformidades, agravos no quadro funcional e melhoria no desempenho
durante a realização das atividades.
Em caso de sequelas incapacitantes está indicada a avaliação e prescrição de meios
auxiliares de locomoção (bengalas, muletas, cadeiras de rodas).
REABILITAÇÃO
Fase Aguda: repouso e compressas frias
Fase Sub-aguda:
a. Melhora da dor: alongamentos e exercícios moderados – Atenção Básica NASF/
UBS com práticas integrativas
b. Dor, alteração motora ou funcional intensa: Atenção Especializada NIR/CER
Fase Crônica:
a. Sem aumento ou evolução do quadro de dor ou funcional – Atenção Básica NASF/
UBS com práticas integrativas
b. Subagudização ou piora do quadro da dor ou funcional – Atenção Especializada
NIR/CER.
3. O atendimento na Atenção Básica
NASF
O NASF trabalha na lógica do apoio matricial, significa em síntese uma estratégia de
organização da clínica e do cuidado em saúde, com discussão de casos, atendimentos
compartilhados, atendimentos individuais do profissional do NASF e Equipe da Estratégia de
Saúde da Família (ESF) na construção de projetos terapêuticos singulares, ações de educação
permanente, intervenções no território e na saúde de grupos populacionais e da coletividade.
A inserção do fisioterapeuta e terapeuta ocupacional no NASF,possibilitam fazer um
trabalho integrado com o educador físico e Equipeda ESF com práticas corporais, exercícios
terapêuticos utilizados no alívio das dores, uma das queixas mais comuns nos serviços de
saúde.
PRÁTICAS INTEGRATIVAS
• Atuam na prevenção de agravos, na promoção e recuperação da saúde, focando
aspectosfísicos, psicoemocionais, sociais, culturais de importância para a qualidade de
vida da população.
• Contribuem para aumentar a resolubilidade da rede da SMS/SUS-SP, com o uso de
técnicas simples, de baixo custo;
• Reduzem o consumo excessivo de fármacos pelos usuários do SUS. As ações das
Práticas Integrativas são no campo da Acupuntura, Homeopatia, Plantas Medicinais e
Fitoterapia, Práticas Corporais Meditativas/ Atividade Física.
Craniopuntura de Yamamoto é um microssistema que utilizam agulhas no crânio, elapode
contribuir na fasesubaguda e crônica da Febre Chikungunya no alivio das dores mioarticulares
possibilitando melhora na mobilidade das articulações.
Homeopatia é uma especialidade médica de caráter holístico baseada no princípio vitalista,
contribui para o cuidado em saúde utilizando medicamentos tanto na fase aguda,
subagudaquanto crônica da Febre Chikungunya e pode ser associada de forma complementar
a outras formas de tratamento.
Dentre as Práticas Corporais Chinesas presentes na rede,destacamos o Lian Gong e o Tai Chi
Pai Lin como Práticas Corporais Terapêuticas que podem promover o alívio das dores.
Lian Gong é uma prática corporal chinesa que une exercícios físicos à prevenção e terapia das
dores corporais, problemas articulares, tenossinovites e foi elaborado por um médico
ortopedista chinês Dr. Zhuang Yuan Ming
Tai Chi Pai Lin é um conjunto de práticas transmitidas pelo mestre Liu Pai Lin. Os exercícios
básicos das 9 dobras são fáceis de aprender, são trabalhados todas as articulações de forma
suave, eliminando as tensões.
3.1 UNIDADES DE REFERÊNCIA NA ATENÇÃO BÁSICA
3.1.1 GRUPOS DE DOR
CRS STS Tipo Unidade Nome Unidade
SUL
Campo Limpo
UBS Parque Arariba
UBS Campo Limpo
UBS
Campo Limpo - Dr Francisco Scalamandre
Sobrinho (Arrastão)
UBS Jd. Comercial
UBS Jd. Eledy
UBS Parque Fernanda
UBS Jd. Germania
UBS JdHelga
UBS Jardim Lidia
UBS Luar do Sertão
UBS Jd. Macedônia
UBS Jardim Maracá
UBS Jd. Mitsutani
UBS Olinda Jd.
UBS III Paraisópolis
UBS PrelV
UBS ReginaPq
UBS Jd.SãoBento
UBS Jd. Valquíria
M’Boi Mirim
UBS Brasília - M'Boi
UBS Chácara Santana
AMA/UBS Jardim Alfredo
INTEGRADA
UBS Jardim Celeste
AMA/UBS
INTEGRADA
Parque Sto Antônio
UBS Vila das Belezas
UBS Zumbi dos Palmares
Sto Amaro / Cid
Ademar
CER III Cidade Ademar
UBS PSF Mata Virgem
Parelheiros
UBS Jardim das Fontes
UBS Recanto Campo Belo
UBS Vila Roschel
Capela do Socorro
PSF UBS jd. Três Corações
UBS Chácara do Conde
UBS Chácara do Conde
UBS Jordanópolis
PSF Varginha
CENTRO SÉ
UBS Nossa Senhora Do Brasil
UBS Bom Retiro
UBS Humaitá
UMT Sé
NORTE
SANTANA
/TUCURUVI
UBS Pq. Edu Chaves
UBS José Toledo Piza
V.MARIA V.
GUILHERME
UBS Carandiru
SUDESTE IPIRANGA UBS Neusa Rosália Morales
3.1.2 CRANIOPUNTURA DE YAMAMOTO
CRS STS UNIDADE
Nome CBO
Executante
SUL
CAMPO LIMPO
UBS Campo Limpo - Francisco
ScalamandréSobrinho -
Arrastão
Médico Estratégia
Saúde da Família
UBS Jardim Germânia
Médico Estratégia
Saúde da Família
UBS Jardim Marcelo
Médico
Acupunturista
SANTO AMARO/CIDADE ADEMAR
Ambulatório de Especialidades
Alto da Boa Vista
Médico
Acupunturista
Médico
Neurologista
UBS Jardim Umuarama Médico Clínico
UBS Vila Constância-Dr. Vicente
Octavio Guida
Médico
Acupunturista
Médico Clínico
UBS Jardim Aeroporto-
MassakiUdihara
Médico
Ginecologista e
Obstetra
PARELHEIROS
UBS Jardim Das Fontes
Médico Estratégia
Saúde da Família
UBS Vila Marcelo
Médico Estratégia
Saúde da Família
CAPELA DO SOCORRO
UBS Veleiros
Médico
Acupunturista
Médico
Ginecologista E
Obstetra
AE Jardim Cliper
Médico
Acupunturista
Médico Clinico
OESTE
BUTANTÃ
AMA/UBS Integrada Jardim Sao
Jorge
Médicostratégia
Saúde da Família
AMA/UBS Integrada Paulo VI Médico Clínico
UBS Vila Borges
Médico
Acupunturista
LAPA/PINHEIROS
UBS Parque da Lapa
Médico Estratégia
Saúde da Família
UBS Meninópolis Mario
Francisco Napolitano
Médico Clínico
Médico Pediatra
CENTRO SÉ
UBS Santa Cecília - Dr.
Humberto Pascale
Médico Clínico
UMT Centro - Unidade De
Medicinas Tradicionais
Médico
Acupunturista
LESTE SÃO MATEUS
CR Plantas Medicinais Práticas
Naturais em Saúde de São
Mateus
Médico
Acupunturista
SUDESTE
ARICANDUVA/MOOCA/FORMOSA
/CARRAO
UBS Jardim Iva
Médico Estratégia
Saúde da Família
NORTE PIRITUBA/PERUS UBS Jardim Cidade Pirituba
Médico Estratégia
Saúde da Família
3.1.3 ATIVIDADES DA MEDICINA TRADICIONAL HOMEOPATIAS E PRÁTICAS
INTEGRATIVAS DE SAÚDE
CRS Supervisão Tipo Unidade Nome Unidade
Tipo Prática
Corporal/Atividade Física
SUL
CAMPO
LIMPO
UBS Parque Arariba Tai Chi Pai Lin
Cecco Campo Limpo Tai Chi Pai Lin
UBS Campo Limpo Lian Gong
UBS Jd. Comercial Tai Chi Pai Lin
UBS Jd. Macedônia Tai Chi Pai Lin
UBS Jd. Mitsutani Lian Gong
UBS Paraisopolis I I Tai Chi Pai Lin
UBS Prelv Lian Gong
UBS Reginapq Lian Gong
UBS Reginapq Tai Chi Pai Lin
CECCO Cecco Santo Dias Lian Gong
CECCO Cecco Santo Dias Tai Chi Pai Lin
UBS Alto do Umurama Lian Gong
M’ BOI
MIRIM
UBS Alto da Riviera Lian Gong
UBS Chácara Santa Maria Tai-Chi
UBS Cidade Ipava Lian Gong
UBS Horizonte Azul Tai Chi Pai Lin
AMA/UBS
INTEGRADA
Jardim Alfredo Tai Chi Pai Lin
AMA/UBS
INTEGRADA
Jardim Alfredo Tai Chi Pai Lin
UBS Jardim Aracati Tai Chi Pai Lin
UBS Jardim Herculano Lian Gong
UBS Jardim Nakamura Tai Chi Pai Lin
UBS Jardim Santa Margarida Lian Gong
UBS Jardim Souza Lian Gong
UBS Jardim Souza Tai Chi Pai Lin
UBS Jardim Thomas Lian Gong
UBS Novo Jardim Tai Chi Pai Lin
UBS Novo Jardim Tai Chi Pai Lin
UBS Paranapanema Tai Chi Pai Lin
AMA/UBS
INTEGRADA
Parque Sto Antônio Tai Chi Pai Lin
UBS Integral Vera Cruz Tai Chi Pai Lin
AMA/UBS
INTEGRADA
Parque Figueira Grande Lian Gong
AMA/UBS
INTEGRADA
Parque Figueira Grande Tai Chi Pai Lin
CECCO Parque Guarapiranga Lian Gong
UBS Parque do Lago Tai Chi Pai Lin
UBS Vila das Belezas Lian Gong
UBS Zumbi dos Palmares Tai Chi Pai Lin
STO AMARO /
CID ADEMAR
PSF UBS SAO JORGE Lian Gong
UBS UBS ARRIETE V.. Lian Gong
UBS UBS ARRIETE V.. Lian Gong
PSF UBS GUACURI V. Caminhada
PSF UBS GUACURI V. Tai Chi
UBS
UBS MIRIAM II JD.
INTEGRAL
Lian Gong
UBS UBS NITEROI JD. Lian Gong
PSF UBS SAO CARLOS JD. Liang Gong
UBS UBS CONSTANCIA V. Lian Gong
UBS UBS APURA JD. Lian Gong; Tai Chi Pai Lin
UBS UBS APARECIDA VILA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin
UBS UBS APARECIDA VILA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin
UBS UBS MAR PAULISTA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin
UBS UBS MAR PAULISTA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin
CECCO CECCO SANTO AMARO Lian Gong
CECCO CECCO SANTO AMARO Tai Chi Pai Lin
CER CER III Santo Amaro Tai Chi Pai Lin
UBS UBS AEROPORTO JD. Lian Gong
UBS UBS SANTO AMARO Lian Gong
URSI URSI SANTO AMARO Lian Gong
URSI URSI SANTO AMARO Lian Gong
Supervisão
STS SANTO AMARO E
CID. ADEMAR
Tai Chi Pai Lin
PARELHEIROS
UBS Dom Luciano Bergamin Lian Gong
UBS Colônia Tai Chi
UBS Embura Lian Gong
UBS Vargem Grande Tai ChiPai Lin
UBS Vargem Grande Lian Gong
UBS Vila Roschel Lian Gong
CAPELA
SOCORRO
PSF JORDANOPOLIS Liang Gong
Cecco Interlagos
Lian Gong
Cecco Interlagos
Tai Chi Pai Lin
UBS Jardim República Lian Gong
NORTE
PIRITUBA/PE
RUS
UBS JARDIM RINCÃO Tai Chi Pai Lin
UBS JARDIM ROSINHA Tai Chi Pai Lin
UBS VILA CAIUBA Tai Chi Pai Lin
UBS MOINHO VELHO I Tai Chi Pai Lin
CECCO PERUS Lian Gong
CECCO PERUS Tai Chi Pai Lin
CECCO SÃO DOMINGOS Tai Chi Pai Lin
CECCO SÃO DOMINGOS Lian Gong
CECCO JARAGUA Lian Gong
CECCO JARAGUA Tai Chi Pai Lin
C.VERDE/
CACHOEIRIN
HA
UBS
UBS MASSAGISTA
MÁRIO AMÉRICO
Lian Gong
UBS
UBS MASSAGISTA
MÁRIO AMÉRICO
Tai Chi Pai Lin
AMA/UBS VILA BARBOSA Lian Gong
AMA/UBS VILA BARBOSA Tai Chi Pai Lin
UBS Casa Verde Alta Tai Chi
UBS DONA ADELAIDE LOPES Lian Gong,
UBS DONA ADELAIDE LOPES Tai Chi
UBS UBS DIONISIA II Lian Gong
FREGUESIA
DO
Ó/BRASILÂN
DIA
UBS Guanabara jd
Tai Chi Pai Lin
UBS Progresso v
Liang Gong
UBS Ramos v
Lian Gong
CER CER II FÓ/BRASILÂNDIA
Tai Chi Pai Lin
UBS Cruz das Almas Lian Gong
SANTANA/JA
ÇANÃ
CECCO Jaçanã/ Tremembé Tai Chi Pai Lin
CECCO Jaçanã/ Tremembé Tai Chi Pai Lin
UBS Chora Menino Lian Gong
UBS Jardim das Pedras Liang Gong
UBS Vila Nova Galvão Liang Gong
UBS Vila Nova Galvão Liang Gong
VILA
MARIA/VILA
GUILHERME
UBS UBS Vila Ede Tai Chi Pai Lin
UBS UBS Carandiru Lian Gong
CECCO CECCO VM/VG-TROTE Tai Chi Pai Lin
CECCO CECCO VM/VG-TROTE Liang Gong
LESTE
CIDADE
TIRADENTES
AMA-UBS Castro Alves Lian Gong
CASASER C.TIRADENTES Lian Gong
UBS FERROVIARIOS Lian Gong
UBS - ESF GRÁFICOS Lian Gong
UBS INACIO MONTEIRO Lian Gong
UBS PRESTES MAIA Lian Gong
ERMELINO
MATARAZZO
UBS BURGO PAULISTA Lian Gong
UBS/AMA
INTEGRADA
DR. MATHEUS
SANTAMARIA -
JD.POPULAR
Lian Gong
AMA/UBS
INTEGRADA
HUMBERTO CERRUTI Lian Gong
UBS E. MATARAZZO Lian Gong
UBS COSTA MELO Lian Gong
GUAIANASES
CPN GUAIANASES Tai Chi Pai Lin
CPN GUAIANASES Tai Chi Pai Lin Sentado
UBS Jardim Fanganiello Lian Gong
UBS Guaianases II Lian Gong
UBS Vila Santa Luzia Lian Gong
UBS Jardim São Carlos Lian Gong
ITAIM
PAULISTA
UBS
DR. ATUALPA GIRÃO
RABELO
Tai Chi Pai Lin
UBS DOM JOAO NERY Lian Gong
UBS JD. CAMPOS Lian Gong
UBS
J. ROBRU -MESSIAS
JOSÉ DA SILVA
Lian Gong
UBS SILVA TELLES Lian Gong
UBS V.NOVA CURUÇA Lian Gong
UBS CURUÇÁ VELHA Lian Gong
UBS PARQUE SANTA RITA Lian Gong
UBS PARQUE SANTA RITA Lian Gong
UBS INTEGRAL JARDIM NELIA Lian Gong
CECCO CHICO MENDES Lian Gong
UBS JARAGUÁ Lian Gong
ITAQUERA
UBS JARDIM MARILIA Lian Gong
AMA/UBS
INTEGRADA
CIDADE LIDER I Lian Gong
UBS J.SANTA MARIA Lian Gong
UBS SANTO ESTEVÃO Lian Gong
UBS SANTO ESTEVÃO Lian Gong
UBS VILA REGINA Lian Gong
CECCO
CECCO Parque Raul
Seixas
Lian Gong
UBS JARDIM SANTA MARIA Lian Gong
UBS JARDIM STA TEREZINHA Lian Gong
UBS UBS VL SANTANA Lian Gong
CAPS
CAPS ADULTO II
ITAQUERA
Lian Gong
CAPS
CAPS ADULTO II
ITAQUERA
Lian Gong
UBS PARADA XV Tai Chi Pai Lin
UBS J.SÃO PEDRO Lian Gong
SÃO MATEUS
AMA/UBS
Integrada
Jardim Santo André Lian Gong
UBS Cid. SateliteStaBarbara Lian Gong
UBS/ESF JD 9 DE JULHO Lian Gong
UBS
JARDIM COLORADO -
DR. JOSÉ PIRES
Lian Gong
UBS JARDIM COLONIAL Lian Gong
AMA UBS
INTEGRADA
JD CONQUISTA III Lian Gong
AMA UBS
INTEGRADA
JD CONQUISTA III Lian Gong
CAPS II INFANTIL SÃO MATEUS Lian Gong
UBS Jd. São Francisco II Lian Gong
CPN
“JOSÉ FELICIANO DO
NASCIMENTO
Lian Gong
CPN
“JOSÉ FELICIANO DO
NASCIMENTO
Tai Chi Pai Lin
UBS JARDIM PARAGUAÇU Lian Gong
SÃO MIGUEL
UBS JD. LAPENNA Lian Gong
UBS VILA JACUI Lian Gong
UBS UBS VILA PROGRESSO Lian Gong
CAPS CAPS ADULTO II Tai Chi Pai Lin
Hosp DIA
REDE HORA CERTA -
SÃO MIGUEL
Lian Gong
HOSPITAL TIDE SETUBAL Lian Gong
OESTE BUTANTÃ
UBS Boa Vista Tai Chi Pai Lin
UBS Butantã Tai Chi Pai Lin
UBS Jd D'Abril Tai Chi
UBS Jaqueline Tai Chi Pai Lin
UBS Paulo VI Lian Gong
UBS São Jorge Liang Gong
UBS Malta Cardoso Lian Gong
UBS VILA DALVA Lian Gong
UBS VILA SONIA Tai Chi Pai Lin
CAPS BUTANTÃ Tai Chi
CECCO Previdência Tai Chi Chuan
CSE Butantã Tai ChiPai Lin
LAPA/PINHEI
ROS
UBS ALTO DE PINHEIROS Tai Chi Pai Lin
UBS ALTO DE PINHEIROS Lian Gong
UBS J.BARROS MAGALDI Lian Gong
UBS J.BARROS MAGALDI Tai Chi Pai Lin
UBS PARQUE DA LAPA Tai Chi Pai Lin
UBS VL. ANGLO Tai Chi Pai Lin
UBS VILA IPOJUCA Lian Gong
UBS JARDIM VERA CRUZ Thai Chi Chuan
UBS VILA NOVA JAGUARÉ Tai Chi Pai Lin
UBS VILA PIAUI Tai Chi Pai Lin
UBS VILA ROMANA Lian Gong
UBS
MARIO FRANCISCO
NAPOLITANO
Lian Gong
UBS
MARIO FRANCISCO
NAPOLITANO
Tai Chi Pai Lin
CAPS LAPA ADULTO Lian Gong
UBS VILA ANASTACIO Tai Chi Pai Lin
CECCO BACURI Tai Chi
CECCO BACURI Lian Gong
CRST LAPA Tai Chi Pai Lin
UBS JARDIM EDITE Lian Gong
CENTRO SÉ
UMT Sé Tai Chi Pai Lin
UMT Sé Lian Gong
UBS República Tai Chi Pai Lin
UBS UBS Bom Retiro Lian Gong
UBS UBS Bom Retiro Lian Gong
SUDESTE
IPIRANGA
Caps AD IpirangaV.Arapuá Tai Chi Pai Lin/ Lian Gong
Caps Ad Sacoma Tai Chi Pai Lin
PENHA
CECCO Nóbrega Lian Gong
CECCO Nóbrega Lian Gong
UBS UBS Villalobo Lian Gong
UBS/ESF Vl. Guilhermina Lian Gong
UBS (PSF)
Antonio Estevão De
Carvalho
Tai Chi Pai Lin
UBS (PSF)
Antonio Estevão De
Carvalho
Lian Gong
UBS V. Granada Lian Gong
UBS Jd. São Nicolau Liang Gong
AMA/UBS
INTEGRADA
Integrada Vila Silvia TaichiPailin
VILA
PRUDENTE /
SAPOPEMBA
UBS Humberto Gastão Bodra Lian Gong
AMA/UBS
INTEGRADA
HERMENEGILDO
MORBIM JR. JD.
INDEPENDÊNCIA
Tai Chi
CECCO Vila Prudente Lian Gong
UBS Vila Prudente Liang Gong
UBS JARDIM SINHA Lian Gong
UBS Reunidas II Taichi
Reunidas II Liangong
UBS Vila Renato Lian Gong
UBS JdGuairaca Liang Gong
CER II VILA PRUDENTE Tai Chi Pai Lin
CER II CER II VILA PRUDENTE Lian Gong
AMA/UBS Vila Califórnia Lian Gong,
JABAQUARA/
V.MARIANA
CRHMTPIS Bosque da Saúde
Lian Gong
UBS/PSF Cupecê
Lian Gong
UBS /PSF Cupecê
Tai Chi Chuan
Cecco Guarani v
Lian Gong
Cecco Guarani v
Tai Chi - Pai Lin
Cecco Ibirapuera pq
Tai Chi Pai Lin
CAPS Adulto II Jabaquara
Tai Chi Pai Lin
CAPS Adulto II Jabaquara
Lian Gong
UBS / PSF Lourdes Jd
Lian Gong -
UBS /PSF Santa Catarina v
Tai Chi
UBS /PSF Santa Catarina v
Lian Gong
UBS Sigmund Freud
Lian Gong
UBS Vargas Cd
Tai Chi Pai Lin
UBS
VILA CANAÃ Tai Chi
CAPS Inf.
Jabaquara
Tai Chi Chuan
MÓOCA
ARICANDUVA
UBS V.Nova York Lian Gong
UBS Móoca I Lian Gong
AMA UBS Pari Lian Gong
AMA UBS Pari Tai Chi Pai Lin
Cecco Móoca Lian Gong
Cecco Móoca Tai Chi Pai Lin
URSI Móoca Lain Gong
URSI Móoca Tai Chi Pai Lin
UBS Formosa I Tai Chi Pai lin
3.1.5HOMEOPATIA
CRS STS UNIDADE
NORTE Casa Verde / Cachoeirinha UBS Massagista Mário Américo
Casa Verde / Cachoeirinha H Maternidade Cachoeirinha
Freguesia do Ó UBS Vila Progresso
Vila Maria / Vila Guilherme V IzolinaMazei
Pirituba/Perus UBS Chacara Inglesa
SUL Campo Limpo UBS J Marcelo
M' Boi Mirim Hosp. Dia Rede H. Certa M'boi Mirim
Santo Amaro / Cid Ademar URSI S Amaro
Capela do Socorro UBS Veleiros
OESTE Lapa / Pinheiros J V Cruz
Lapa / Pinheiros UBS JOSÉ DE Barros Magaldi
Butantã UBS Jd. Jaqueline
CENTRO Sé Unidade Medicina Tradicionais
LESTE São Mateus UBS Jd. Roseli
São Mateus Centro Práticas Naturais São Mateus
São Miguel Hospital Dia Rede H. Certa S. Miguel
SUDESTE Jabaquara / Vila Mariana CRHMTPIS Bosque da Saude
Mooca / Aricanduva AE Móoca Dr. Ítalo D. Levicci
Mooca / Aricanduva Vila Bertioga
Mooca / Aricanduva UBS Pari
Ipiranga Hospital Dia Rede H. Certa Ipiranga
Penha Hospital Dia Rede H. Certa Penha
Vila Prudente / Sapopemba UBS Teothonio Vilela
Vila Prudente / Sapopemba AE V. Prudente
Vila Prudente / Sapopemba AE Sapopemba
APH - Associação Paulista de Homeopatia
4. UNIDADES DE REFERÊNCIA NA ATENÇÃO ESPECIALIZADA – NIR/CER
CRS STS NOME
LESTE
ITAQUERA NIR/NISA N.S.APARECIDA
SÃO MIGUEL CER IV SÃO MIGUEL
SÃO MATEUS CER II TIETÊ
ITAIM PAULISTA CER II JARDIM CAMPOS
ITAIM PAULISTA CER II JARDIM CAMARGO NOVO
CIDADE TIRADENTES NIR CIDADE TIRADENTES
ERMELINO MATARAZZO NIR LAR VICENTINO
GUAIANASES NIR JARDIM SOARES
GUAIANASES CER II JARDIM SÃO CARLOS
SUL
S.AMARO/CIDADE ADEMAR CER III PEDREIRA
S.AMARO/CIDADE ADEMAR CER III SANTO AMARO
M'BOI CER IVM'BOI MIRIM
CAMPO LIMPO CER III JARDIM MARCELO
CAPELA DO SOCORRO NIR JARDIM CLIPPER
PARELHEIROS NIR PARELHEIROS
NORTE
SANTANA/TUCURUVI/JAÇANÃ/TREMEMBÉ CER II TUCURUVI
SANTANA/TUCURUVI/JAÇANÃ/TREMEMBÉ NIR JAÇANÃ
VILA MARIA/VILA GUILHERME CER III CARANDIRU
PIRITUBA/PERUS NIR UNIÃO DAS VILAS DE TAIPAS
PIRITUBA/PERUS NIR PERUS
FÓ/BRASILÂNDIA NIR MARIA CECÍLIA DONNANGELO
FÓ/BRASILÂNDIA CER II FREGUESIA DO Ó/BRASILÂNDIA
SUDESTE
PENHA CER II PENHA
VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA CER III SAPOPEMBA
VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA CER II VILA PRUDENTE
MOOCA/ARICANDUVA CER II TATUAPÉ
MOOCA/ARICANDUVA NIR VILA CARRÃO
IPIRANGA CER IV DR FLÁVIO GIANOTTI
VILA MARIANA/JABAQUARA
CER II V MARIANA Dr. ALEXANDRE KALIL
YASBEK
PENHA NIR PARQUE ARTHUR ALVIM
OESTE
BUTANTÃ NIR JARDIM PERI PERI
LAPA/PINHEIROS CER II Lapa
CENTRO SÉ/STA CECÍLIA CER III SÉ / DR HUMBERTO PASCALE
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Chikungunya in the region of the Americas. A challenge for rheumatologists and health care systems:
https://link.springer.com/article/10.1007/s10067-016-3390-y
Como é realizado o diagnóstico e qual é o manejo clínico na febre do Chicungunya?-
SOF:http://aps.bvs.br/aps/como-e-realizado-o-diagnostico-e-qual-e-o-manejo-clinico-na-febre-do-
chicungunya/
Como se dá o processo de cronificação da Febre de Chikungunya? – SOF: http://aps.bvs.br/aps/como-
se-da-o-processo-de-cronificacao-da-febre-de-chikungunya/
Como deve ser o manejo do corticoide em casos de Febre Chikungunya? – SOF:
http://aps.bvs.br/aps/como-deve-ser-o-manejo-do-corticoide-em-casos-de-febre-chikungunya/
www.prefeitura.sp.gov.br/covisa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 
Medidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da SaúdeMedidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da Saúde
Gabriela Bruno
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
Omar Mohamad Abdallah
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)
Rosely Mota
 
Flexibilidade e alongamento
Flexibilidade e alongamentoFlexibilidade e alongamento
Flexibilidade e alongamento
joseluisgotto12
 
Recursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducaoRecursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducao
Nay Ribeiro
 
Nutricao esportiva
Nutricao esportivaNutricao esportiva
Nutricao esportiva
Claudio Pereira
 
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatriaFisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Emília Delesderrier Franco
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
Paulo Alambert
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
Rosana
 
Tabela ssvv
Tabela ssvvTabela ssvv
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
lacmuam
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
luzienne moraes
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
Nay Ribeiro
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
Avalação do idoso
Avalação do idosoAvalação do idoso
Avalação do idoso
jorge luiz dos santos de souza
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
Isabela Luana
 
Avc Reab
Avc ReabAvc Reab

Mais procurados (20)

Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Medidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da SaúdeMedidas de Promoção da Saúde
Medidas de Promoção da Saúde
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
 
Cinesioterapia
CinesioterapiaCinesioterapia
Cinesioterapia
 
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)
 
Flexibilidade e alongamento
Flexibilidade e alongamentoFlexibilidade e alongamento
Flexibilidade e alongamento
 
Recursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducaoRecursos terapeuticos manuais introducao
Recursos terapeuticos manuais introducao
 
Nutricao esportiva
Nutricao esportivaNutricao esportiva
Nutricao esportiva
 
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatriaFisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
Fisiopatologia e dietoterapia no Diabetes Mellitus no adulto e em pediatria
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
Avaliação mmss apontamentos
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
 
Tabela ssvv
Tabela ssvvTabela ssvv
Tabela ssvv
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Avalação do idoso
Avalação do idosoAvalação do idoso
Avalação do idoso
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
 
Avc Reab
Avc ReabAvc Reab
Avc Reab
 

Semelhante a Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya

Manual
ManualManual
Manual
Andreia Maia
 
Cartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados PaliativosCartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados Paliativos
PmelaMeloCavalcanti
 
Centro de fisioterapia
Centro de fisioterapiaCentro de fisioterapia
Reabilitação na anemia falciforme
Reabilitação na anemia falciformeReabilitação na anemia falciforme
Reabilitação na anemia falciforme
Marcelo Benedet Tournier
 
Cuidados em paciebnte oncologicos
Cuidados em paciebnte oncologicosCuidados em paciebnte oncologicos
Cuidados em paciebnte oncologicos
douglas silva
 
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina BotulínicaReabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
adonems
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
felipethoaldo
 
Enxaqueca malantigocomroupagemnova-opasems
Enxaqueca malantigocomroupagemnova-opasemsEnxaqueca malantigocomroupagemnova-opasems
Enxaqueca malantigocomroupagemnova-opasems
Lucas Stolfo Maculan
 
011
011011
Praticas clinicas doc final
Praticas clinicas doc finalPraticas clinicas doc final
Praticas clinicas doc final
Bodylogistic
 
Conheca Artrite Reumatoide
Conheca Artrite ReumatoideConheca Artrite Reumatoide
Conheca Artrite Reumatoide
Flecte
 
Reabilitaçao para dor crônica
Reabilitaçao para dor crônicaReabilitaçao para dor crônica
Reabilitaçao para dor crônica
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
robsonlopes
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapeuta
 
Ms dc 01
Ms dc 01Ms dc 01
Ms dc 01
amdii
 
Artrite 2001
Artrite 2001Artrite 2001
Artrite 2001
Priscila Torres
 
A dor durante a mudanca de penso
A dor durante a mudanca de pensoA dor durante a mudanca de penso
A dor durante a mudanca de penso
GNEAUPP.
 
avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral
avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebralavaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral
avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral
Ilca Rocha
 
Fast hug para hupd
Fast hug para hupdFast hug para hupd
Fast hug para hupd
Yuri Assis
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
adrianomedico
 

Semelhante a Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya (20)

Manual
ManualManual
Manual
 
Cartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados PaliativosCartilha Cuidados Paliativos
Cartilha Cuidados Paliativos
 
Centro de fisioterapia
Centro de fisioterapiaCentro de fisioterapia
Centro de fisioterapia
 
Reabilitação na anemia falciforme
Reabilitação na anemia falciformeReabilitação na anemia falciforme
Reabilitação na anemia falciforme
 
Cuidados em paciebnte oncologicos
Cuidados em paciebnte oncologicosCuidados em paciebnte oncologicos
Cuidados em paciebnte oncologicos
 
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina BotulínicaReabilitação Física X Toxina Botulínica
Reabilitação Física X Toxina Botulínica
 
Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
 
Enxaqueca malantigocomroupagemnova-opasems
Enxaqueca malantigocomroupagemnova-opasemsEnxaqueca malantigocomroupagemnova-opasems
Enxaqueca malantigocomroupagemnova-opasems
 
011
011011
011
 
Praticas clinicas doc final
Praticas clinicas doc finalPraticas clinicas doc final
Praticas clinicas doc final
 
Conheca Artrite Reumatoide
Conheca Artrite ReumatoideConheca Artrite Reumatoide
Conheca Artrite Reumatoide
 
Reabilitaçao para dor crônica
Reabilitaçao para dor crônicaReabilitaçao para dor crônica
Reabilitaçao para dor crônica
 
Sedação
SedaçãoSedação
Sedação
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
 
Ms dc 01
Ms dc 01Ms dc 01
Ms dc 01
 
Artrite 2001
Artrite 2001Artrite 2001
Artrite 2001
 
A dor durante a mudanca de penso
A dor durante a mudanca de pensoA dor durante a mudanca de penso
A dor durante a mudanca de penso
 
avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral
avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebralavaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral
avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral
 
Fast hug para hupd
Fast hug para hupdFast hug para hupd
Fast hug para hupd
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
 

Mais de Centro Universitário Ages

Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdfSistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Centro Universitário Ages
 
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundoEpidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Centro Universitário Ages
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
Centro Universitário Ages
 
Como fazer Genogramas
Como fazer GenogramasComo fazer Genogramas
Como fazer Genogramas
Centro Universitário Ages
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
Centro Universitário Ages
 
A pele e seus anexos
A pele e seus anexosA pele e seus anexos
A pele e seus anexos
Centro Universitário Ages
 
Protocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-CoronavirusProtocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-Coronavirus
Centro Universitário Ages
 
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criançaDengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Centro Universitário Ages
 
Recém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabéticaRecém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabética
Centro Universitário Ages
 
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagensAlojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Centro Universitário Ages
 
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionaisAlimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Centro Universitário Ages
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
Centro Universitário Ages
 
Acesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidosAcesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidos
Centro Universitário Ages
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Centro Universitário Ages
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
Centro Universitário Ages
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Centro Universitário Ages
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Centro Universitário Ages
 
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXIDesafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Centro Universitário Ages
 
Caminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saudeCaminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saude
Centro Universitário Ages
 
Visita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associados
Visita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associadosVisita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associados
Visita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associados
Centro Universitário Ages
 

Mais de Centro Universitário Ages (20)

Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdfSistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
Sistema de Saúde no Brasil e no mundo.pdf
 
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundoEpidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
Epidemia do coronavírus como emergência de saúde pública no mundo
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
 
Como fazer Genogramas
Como fazer GenogramasComo fazer Genogramas
Como fazer Genogramas
 
Estudos observacionais
Estudos observacionais Estudos observacionais
Estudos observacionais
 
A pele e seus anexos
A pele e seus anexosA pele e seus anexos
A pele e seus anexos
 
Protocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-CoronavirusProtocolo Manejo-Coronavirus
Protocolo Manejo-Coronavirus
 
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criançaDengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
Dengue - diagnóstico e manejo clínico adulto e criança
 
Recém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabéticaRecém-nascido de mãe diabética
Recém-nascido de mãe diabética
 
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagensAlojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagens
 
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionaisAlimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
Alimentação do prematuro: necessidades especificas e fontes nutricionais
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Acesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidosAcesso venoso em recem nascidos
Acesso venoso em recem nascidos
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
 
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de SaúdeLei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
Lei nº 8.080/90 Sistema Único de Saúde
 
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervençãoDeterminantes sociais na saúde na doença e na intervenção
Determinantes sociais na saúde na doença e na intervenção
 
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXIDesafios para a saúde coletiva no século XXI
Desafios para a saúde coletiva no século XXI
 
Caminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saudeCaminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saude
 
Visita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associados
Visita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associadosVisita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associados
Visita domiciliar a idosos: caracteristicas e fatores associados
 

Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya

  • 1. 2016 Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
  • 2. Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya ELABORAÇÃO: • Coordenação da Atenção Básica Área Técnica de Medicinas Tradicionais, Homeopatias e Práticas Integrativas de Saúde • Autarquia Hospitalar Municipal (AHM) • Coordenação das Redes de Atenção à Saúde e Áreas Temáticas (CORAS) Área Técnica de Assistência Farmacêutica Área Técnica de Saúde da Pessoa com Deficiência EQUIPE TÉCNICA: Cecilia Tomiko Nobumoto Dirce Cruz Marques Edmea Costa Pereira Ivomar Gomes Duarte Maisa Ferreira dos Santos Miriam Rodrigues de Medeiros Mirna Reni Marchioni Tedesco Rejane Calixto Gonçalves Regina Satico Omati
  • 3. MANEJO CLÍNICO DOS PACIENTES CRÔNICOS POR FEBRE DE CHIKUNGUNYA As UBS são as portas de entrada para o sistema de saúde, assim como são pontos de cuidados, nas contra referências do sistema quando se refere aos usuários que demandam a atenção básica, oriundas das Unidades Ambulatoriais Especializadas e das Unidades de Urgências e Emergências sejam Pronto-Socorro vinculado ou não a Serviços Hospitalares e Unidades de Internações Hospitalares. 1.TRATAMENTO MEDICAMENTOSO Nas fases subaguda e crônica em pacientes com dor moderada e intensa poliarticular e debilitante o uso de corticoesteróides só está indicado para os casos cuja dor articular não seja responsiva a anti-inflamatórios não esteroidais (ANE) e analgésicos. Nessa condição pode ser iniciado corticoesteroide oral, cujo fármaco padrão é a predinisolonasolução oral para crianças ou a prednisona comprimido para adultos. Esta medicação, dependendo da dose, teráefeito predominante anti-inflamatório (dose menor ou igual a 0,5mg até dose menor que 1mg/kg de peso por dia), dose intermediária entre ação anti-inflamatória e início de ação imunosupressora (maior que 0,5 mg até dose menor que 1mg/kg de peso por dia) e dose predominantemente imunossupressora independente de sua ação anti-inflamatória (dose maior ou igual a 1mg/kg de peso por dia). A dose inicial voltada para processo anti-inflamatório deve iniciar com 20mg/dia em dose única pela manhã. Interpretar como resposta positiva a capacidade de deambular sem ajuda e controle satisfatório das dores. Neste caso manter a dose até resolução do quadro de dor articular por completo. Em caso de remissão completa da dor, manter a dose por mais três dias. Caso não haja recidiva do quadro, diminuir a dose para 10mg/dia e aguardar mais três dias. Se a dor não retornar, suspender ao final de três dias. A dose inicial poderá ser mantida por até 21 dias, tempo médio em que, habitualmente não há riscos de insuficiência adrenal induzida. Acima deste período, na ausência de resposta, considerar associação de opióides com suspensão ou não de corticoide, a depender da resposta parcial, na ausência de efeitos colaterais dele. O uso de analgésicos mais potentes como morfina pode ser necessário para alívio do componente artrítico. Durante as fases de desmame em função da melhora, em caso de retorno da dor, retornar à dose anterior e tentar novo desmame somente após cinco dias da resolução dos sintomas e assim por diante até a retirada completa da medicação. São critérios de exclusão para uso de corticoesteróides: pacientes com diabetes, hipertensão de difícil controle, passado de fratura por osteoporose, transtorno de humor bipolar, insuficiência renal crônica em diálise, Cushing, obesidade grau III, arritmias e coronariopatias. Alguns medicamentos são usados em casos persistentes (cloroquina, aciclovir, ribavirina, inteferon-alfa, anticorpos monoclonais e methotrexate), porém ainda não existem ensaios clínicos que demonstrem eficácia dos mesmos. Assim, cada caso deve ser avaliado, levando-se em conta as comorbidades, para definir a melhor conduta terapêutica.
  • 4. 2. REABILITAÇÃO Com exceção da fase aguda, o acompanhamento em reabilitação é concomitante ao medicamentoso.Para descrevermos as características e manejos em reabilitação na fase crônica, não podemos deixar de destacar as fases iniciais da doença. Assim, na fase aguda, que dura em média 7 dias, recomenda-se manter o paciente em repouso e aplicar compressas frias nas articulações acometidas. Nos casos de Chikungunyaa dor articular, presente em 70% a 100% dos casos é intensa e afeta principalmente pés e mãos (geralmente tornozelos e pulsos). Esses sintomas tendem a ser mais intensos em crianças e idosos. O repouso durante a fase aguda, nos primeiros 10 dias da doença, é muito importante porque parece prevenir complicações e que a Chikungunya se torne crônica. Na fase sub-aguda, que dura em média 3 meses, passada a crise dolorosa o paciente deve ser orientado no sentido de movimentar-se com exercícios de intensidade leve/moderada. Os casos atendidos nas UPAs, PSM, AMAs e Pronto Socorros dos Hospitais devem ser encaminhados para a UBS de referência do paciente para acompanhamento onde os grupos de dor e práticas integrativas como Lian Gong, Tai Chi Pai Lin e Craniopuntura de Yamamoto podem ser utilizadas como estratégia de atenção , respeitando os limites de cada paciente. A prática física poderá ser ampliada lentamente com treinamento cotidiano, disciplinado e partindo da contínua avaliação do estado de saúde de cada paciente. Em casa a pessoa pode realizar diariamente alongamentos, devendo evitar longas caminhadas e muitos esforços. As compressas frias geralmente são mais indicadas que as mornas e podem ser usadas durante 15 a 20 minutos para diminuir a dor nas articulações. Para ser classificada como fase crônica é preciso que os sintomas persistam por mais de três meses após o início da doença. Alguns estudos apontam que 12%-18% dos pacientes terão sintomas persistentes de 18 meses a três anos. Um dos sintomas mais comuns nesta fase é o acometimento articular persistente ou recidivante nas mesmas articulações atingidas durante a fase aguda. Este acometimento articular é caracterizado por dor com ou sem edema, limitação de movimento, deformidade e ausência de eritema, e nos casos mais avançados rigidez articular. Normalmente é poliarticular e simétrico, mas pode ser assimétrico ou monoarticular. Também há relatos de dores nas regiões sacroilíaca, lombossacra e cervical. Devemos acrescentar que há fatores que também favorecem a evolução dos quadros subagudos para a cronificação: diabetes, hipertensão, idade avançada, obesidade, sedentarismo e outras comorbidades. Assim, a importância de um acompanhamento deste paciente na Atenção Básica por uma equipe multiprofissional é um diferencial no prognóstico da doença articular. Desta forma, os casos crônicos onde não se verifique evolução do quadro doloroso ou funcional devem permanecer na Atenção Básica sendo importante orestabelecimento de um plano terapêutico por meio da associação entre as práticas integrativas e exercícios direcionados. Já, os casoscom reagudização ou com dor incapacitante e/ou limitação motora que impeçama marcha ou a realização de atividades de vida diária devem ser encaminhados para a Atenção Especializada NIR/CER. Alguns pacientes poderão evoluir para artropatia destrutiva semelhante à artrite psoriática ou reumatoide. A eletroterapia, treino funcional, bandagens, cinesioterapiae órteses de membros superiores são terapêuticas indicadas para alívio da dore para que se evitem deformidades, agravos no quadro funcional e melhoria no desempenho durante a realização das atividades.
  • 5. Em caso de sequelas incapacitantes está indicada a avaliação e prescrição de meios auxiliares de locomoção (bengalas, muletas, cadeiras de rodas). REABILITAÇÃO Fase Aguda: repouso e compressas frias Fase Sub-aguda: a. Melhora da dor: alongamentos e exercícios moderados – Atenção Básica NASF/ UBS com práticas integrativas b. Dor, alteração motora ou funcional intensa: Atenção Especializada NIR/CER Fase Crônica: a. Sem aumento ou evolução do quadro de dor ou funcional – Atenção Básica NASF/ UBS com práticas integrativas b. Subagudização ou piora do quadro da dor ou funcional – Atenção Especializada NIR/CER. 3. O atendimento na Atenção Básica NASF O NASF trabalha na lógica do apoio matricial, significa em síntese uma estratégia de organização da clínica e do cuidado em saúde, com discussão de casos, atendimentos compartilhados, atendimentos individuais do profissional do NASF e Equipe da Estratégia de Saúde da Família (ESF) na construção de projetos terapêuticos singulares, ações de educação permanente, intervenções no território e na saúde de grupos populacionais e da coletividade. A inserção do fisioterapeuta e terapeuta ocupacional no NASF,possibilitam fazer um trabalho integrado com o educador físico e Equipeda ESF com práticas corporais, exercícios terapêuticos utilizados no alívio das dores, uma das queixas mais comuns nos serviços de saúde. PRÁTICAS INTEGRATIVAS • Atuam na prevenção de agravos, na promoção e recuperação da saúde, focando aspectosfísicos, psicoemocionais, sociais, culturais de importância para a qualidade de vida da população. • Contribuem para aumentar a resolubilidade da rede da SMS/SUS-SP, com o uso de técnicas simples, de baixo custo; • Reduzem o consumo excessivo de fármacos pelos usuários do SUS. As ações das Práticas Integrativas são no campo da Acupuntura, Homeopatia, Plantas Medicinais e Fitoterapia, Práticas Corporais Meditativas/ Atividade Física. Craniopuntura de Yamamoto é um microssistema que utilizam agulhas no crânio, elapode contribuir na fasesubaguda e crônica da Febre Chikungunya no alivio das dores mioarticulares possibilitando melhora na mobilidade das articulações.
  • 6. Homeopatia é uma especialidade médica de caráter holístico baseada no princípio vitalista, contribui para o cuidado em saúde utilizando medicamentos tanto na fase aguda, subagudaquanto crônica da Febre Chikungunya e pode ser associada de forma complementar a outras formas de tratamento. Dentre as Práticas Corporais Chinesas presentes na rede,destacamos o Lian Gong e o Tai Chi Pai Lin como Práticas Corporais Terapêuticas que podem promover o alívio das dores. Lian Gong é uma prática corporal chinesa que une exercícios físicos à prevenção e terapia das dores corporais, problemas articulares, tenossinovites e foi elaborado por um médico ortopedista chinês Dr. Zhuang Yuan Ming Tai Chi Pai Lin é um conjunto de práticas transmitidas pelo mestre Liu Pai Lin. Os exercícios básicos das 9 dobras são fáceis de aprender, são trabalhados todas as articulações de forma suave, eliminando as tensões. 3.1 UNIDADES DE REFERÊNCIA NA ATENÇÃO BÁSICA 3.1.1 GRUPOS DE DOR CRS STS Tipo Unidade Nome Unidade SUL Campo Limpo UBS Parque Arariba UBS Campo Limpo UBS Campo Limpo - Dr Francisco Scalamandre Sobrinho (Arrastão) UBS Jd. Comercial UBS Jd. Eledy UBS Parque Fernanda UBS Jd. Germania UBS JdHelga UBS Jardim Lidia UBS Luar do Sertão UBS Jd. Macedônia UBS Jardim Maracá UBS Jd. Mitsutani UBS Olinda Jd. UBS III Paraisópolis UBS PrelV UBS ReginaPq UBS Jd.SãoBento UBS Jd. Valquíria M’Boi Mirim UBS Brasília - M'Boi UBS Chácara Santana AMA/UBS Jardim Alfredo
  • 7. INTEGRADA UBS Jardim Celeste AMA/UBS INTEGRADA Parque Sto Antônio UBS Vila das Belezas UBS Zumbi dos Palmares Sto Amaro / Cid Ademar CER III Cidade Ademar UBS PSF Mata Virgem Parelheiros UBS Jardim das Fontes UBS Recanto Campo Belo UBS Vila Roschel Capela do Socorro PSF UBS jd. Três Corações UBS Chácara do Conde UBS Chácara do Conde UBS Jordanópolis PSF Varginha CENTRO SÉ UBS Nossa Senhora Do Brasil UBS Bom Retiro UBS Humaitá UMT Sé NORTE SANTANA /TUCURUVI UBS Pq. Edu Chaves UBS José Toledo Piza V.MARIA V. GUILHERME UBS Carandiru SUDESTE IPIRANGA UBS Neusa Rosália Morales 3.1.2 CRANIOPUNTURA DE YAMAMOTO CRS STS UNIDADE Nome CBO Executante SUL CAMPO LIMPO UBS Campo Limpo - Francisco ScalamandréSobrinho - Arrastão Médico Estratégia Saúde da Família UBS Jardim Germânia Médico Estratégia Saúde da Família UBS Jardim Marcelo Médico Acupunturista SANTO AMARO/CIDADE ADEMAR Ambulatório de Especialidades Alto da Boa Vista Médico Acupunturista Médico Neurologista UBS Jardim Umuarama Médico Clínico
  • 8. UBS Vila Constância-Dr. Vicente Octavio Guida Médico Acupunturista Médico Clínico UBS Jardim Aeroporto- MassakiUdihara Médico Ginecologista e Obstetra PARELHEIROS UBS Jardim Das Fontes Médico Estratégia Saúde da Família UBS Vila Marcelo Médico Estratégia Saúde da Família CAPELA DO SOCORRO UBS Veleiros Médico Acupunturista Médico Ginecologista E Obstetra AE Jardim Cliper Médico Acupunturista Médico Clinico OESTE BUTANTÃ AMA/UBS Integrada Jardim Sao Jorge Médicostratégia Saúde da Família AMA/UBS Integrada Paulo VI Médico Clínico UBS Vila Borges Médico Acupunturista LAPA/PINHEIROS UBS Parque da Lapa Médico Estratégia Saúde da Família UBS Meninópolis Mario Francisco Napolitano Médico Clínico Médico Pediatra CENTRO SÉ UBS Santa Cecília - Dr. Humberto Pascale Médico Clínico UMT Centro - Unidade De Medicinas Tradicionais Médico Acupunturista LESTE SÃO MATEUS CR Plantas Medicinais Práticas Naturais em Saúde de São Mateus Médico Acupunturista SUDESTE ARICANDUVA/MOOCA/FORMOSA /CARRAO UBS Jardim Iva Médico Estratégia Saúde da Família NORTE PIRITUBA/PERUS UBS Jardim Cidade Pirituba Médico Estratégia Saúde da Família
  • 9. 3.1.3 ATIVIDADES DA MEDICINA TRADICIONAL HOMEOPATIAS E PRÁTICAS INTEGRATIVAS DE SAÚDE CRS Supervisão Tipo Unidade Nome Unidade Tipo Prática Corporal/Atividade Física SUL CAMPO LIMPO UBS Parque Arariba Tai Chi Pai Lin Cecco Campo Limpo Tai Chi Pai Lin UBS Campo Limpo Lian Gong UBS Jd. Comercial Tai Chi Pai Lin UBS Jd. Macedônia Tai Chi Pai Lin UBS Jd. Mitsutani Lian Gong UBS Paraisopolis I I Tai Chi Pai Lin UBS Prelv Lian Gong UBS Reginapq Lian Gong UBS Reginapq Tai Chi Pai Lin CECCO Cecco Santo Dias Lian Gong CECCO Cecco Santo Dias Tai Chi Pai Lin UBS Alto do Umurama Lian Gong M’ BOI MIRIM UBS Alto da Riviera Lian Gong UBS Chácara Santa Maria Tai-Chi UBS Cidade Ipava Lian Gong UBS Horizonte Azul Tai Chi Pai Lin AMA/UBS INTEGRADA Jardim Alfredo Tai Chi Pai Lin AMA/UBS INTEGRADA Jardim Alfredo Tai Chi Pai Lin UBS Jardim Aracati Tai Chi Pai Lin
  • 10. UBS Jardim Herculano Lian Gong UBS Jardim Nakamura Tai Chi Pai Lin UBS Jardim Santa Margarida Lian Gong UBS Jardim Souza Lian Gong UBS Jardim Souza Tai Chi Pai Lin UBS Jardim Thomas Lian Gong UBS Novo Jardim Tai Chi Pai Lin UBS Novo Jardim Tai Chi Pai Lin UBS Paranapanema Tai Chi Pai Lin AMA/UBS INTEGRADA Parque Sto Antônio Tai Chi Pai Lin UBS Integral Vera Cruz Tai Chi Pai Lin AMA/UBS INTEGRADA Parque Figueira Grande Lian Gong AMA/UBS INTEGRADA Parque Figueira Grande Tai Chi Pai Lin CECCO Parque Guarapiranga Lian Gong UBS Parque do Lago Tai Chi Pai Lin UBS Vila das Belezas Lian Gong UBS Zumbi dos Palmares Tai Chi Pai Lin STO AMARO / CID ADEMAR PSF UBS SAO JORGE Lian Gong UBS UBS ARRIETE V.. Lian Gong UBS UBS ARRIETE V.. Lian Gong PSF UBS GUACURI V. Caminhada PSF UBS GUACURI V. Tai Chi
  • 11. UBS UBS MIRIAM II JD. INTEGRAL Lian Gong UBS UBS NITEROI JD. Lian Gong PSF UBS SAO CARLOS JD. Liang Gong UBS UBS CONSTANCIA V. Lian Gong UBS UBS APURA JD. Lian Gong; Tai Chi Pai Lin UBS UBS APARECIDA VILA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin UBS UBS APARECIDA VILA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin UBS UBS MAR PAULISTA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin UBS UBS MAR PAULISTA Lian Gong; Tai Chi Pai Lin CECCO CECCO SANTO AMARO Lian Gong CECCO CECCO SANTO AMARO Tai Chi Pai Lin CER CER III Santo Amaro Tai Chi Pai Lin UBS UBS AEROPORTO JD. Lian Gong UBS UBS SANTO AMARO Lian Gong URSI URSI SANTO AMARO Lian Gong URSI URSI SANTO AMARO Lian Gong Supervisão STS SANTO AMARO E CID. ADEMAR Tai Chi Pai Lin PARELHEIROS UBS Dom Luciano Bergamin Lian Gong UBS Colônia Tai Chi UBS Embura Lian Gong UBS Vargem Grande Tai ChiPai Lin UBS Vargem Grande Lian Gong
  • 12. UBS Vila Roschel Lian Gong CAPELA SOCORRO PSF JORDANOPOLIS Liang Gong Cecco Interlagos Lian Gong Cecco Interlagos Tai Chi Pai Lin UBS Jardim República Lian Gong NORTE PIRITUBA/PE RUS UBS JARDIM RINCÃO Tai Chi Pai Lin UBS JARDIM ROSINHA Tai Chi Pai Lin UBS VILA CAIUBA Tai Chi Pai Lin UBS MOINHO VELHO I Tai Chi Pai Lin CECCO PERUS Lian Gong CECCO PERUS Tai Chi Pai Lin CECCO SÃO DOMINGOS Tai Chi Pai Lin CECCO SÃO DOMINGOS Lian Gong CECCO JARAGUA Lian Gong CECCO JARAGUA Tai Chi Pai Lin C.VERDE/ CACHOEIRIN HA UBS UBS MASSAGISTA MÁRIO AMÉRICO Lian Gong UBS UBS MASSAGISTA MÁRIO AMÉRICO Tai Chi Pai Lin AMA/UBS VILA BARBOSA Lian Gong AMA/UBS VILA BARBOSA Tai Chi Pai Lin UBS Casa Verde Alta Tai Chi UBS DONA ADELAIDE LOPES Lian Gong, UBS DONA ADELAIDE LOPES Tai Chi
  • 13. UBS UBS DIONISIA II Lian Gong FREGUESIA DO Ó/BRASILÂN DIA UBS Guanabara jd Tai Chi Pai Lin UBS Progresso v Liang Gong UBS Ramos v Lian Gong CER CER II FÓ/BRASILÂNDIA Tai Chi Pai Lin UBS Cruz das Almas Lian Gong SANTANA/JA ÇANÃ CECCO Jaçanã/ Tremembé Tai Chi Pai Lin CECCO Jaçanã/ Tremembé Tai Chi Pai Lin UBS Chora Menino Lian Gong UBS Jardim das Pedras Liang Gong UBS Vila Nova Galvão Liang Gong UBS Vila Nova Galvão Liang Gong VILA MARIA/VILA GUILHERME UBS UBS Vila Ede Tai Chi Pai Lin UBS UBS Carandiru Lian Gong CECCO CECCO VM/VG-TROTE Tai Chi Pai Lin CECCO CECCO VM/VG-TROTE Liang Gong LESTE CIDADE TIRADENTES AMA-UBS Castro Alves Lian Gong CASASER C.TIRADENTES Lian Gong UBS FERROVIARIOS Lian Gong UBS - ESF GRÁFICOS Lian Gong UBS INACIO MONTEIRO Lian Gong UBS PRESTES MAIA Lian Gong
  • 14. ERMELINO MATARAZZO UBS BURGO PAULISTA Lian Gong UBS/AMA INTEGRADA DR. MATHEUS SANTAMARIA - JD.POPULAR Lian Gong AMA/UBS INTEGRADA HUMBERTO CERRUTI Lian Gong UBS E. MATARAZZO Lian Gong UBS COSTA MELO Lian Gong GUAIANASES CPN GUAIANASES Tai Chi Pai Lin CPN GUAIANASES Tai Chi Pai Lin Sentado UBS Jardim Fanganiello Lian Gong UBS Guaianases II Lian Gong UBS Vila Santa Luzia Lian Gong UBS Jardim São Carlos Lian Gong ITAIM PAULISTA UBS DR. ATUALPA GIRÃO RABELO Tai Chi Pai Lin UBS DOM JOAO NERY Lian Gong UBS JD. CAMPOS Lian Gong UBS J. ROBRU -MESSIAS JOSÉ DA SILVA Lian Gong UBS SILVA TELLES Lian Gong UBS V.NOVA CURUÇA Lian Gong UBS CURUÇÁ VELHA Lian Gong UBS PARQUE SANTA RITA Lian Gong UBS PARQUE SANTA RITA Lian Gong UBS INTEGRAL JARDIM NELIA Lian Gong CECCO CHICO MENDES Lian Gong
  • 15. UBS JARAGUÁ Lian Gong ITAQUERA UBS JARDIM MARILIA Lian Gong AMA/UBS INTEGRADA CIDADE LIDER I Lian Gong UBS J.SANTA MARIA Lian Gong UBS SANTO ESTEVÃO Lian Gong UBS SANTO ESTEVÃO Lian Gong UBS VILA REGINA Lian Gong CECCO CECCO Parque Raul Seixas Lian Gong UBS JARDIM SANTA MARIA Lian Gong UBS JARDIM STA TEREZINHA Lian Gong UBS UBS VL SANTANA Lian Gong CAPS CAPS ADULTO II ITAQUERA Lian Gong CAPS CAPS ADULTO II ITAQUERA Lian Gong UBS PARADA XV Tai Chi Pai Lin UBS J.SÃO PEDRO Lian Gong SÃO MATEUS AMA/UBS Integrada Jardim Santo André Lian Gong UBS Cid. SateliteStaBarbara Lian Gong UBS/ESF JD 9 DE JULHO Lian Gong UBS JARDIM COLORADO - DR. JOSÉ PIRES Lian Gong UBS JARDIM COLONIAL Lian Gong AMA UBS INTEGRADA JD CONQUISTA III Lian Gong AMA UBS INTEGRADA JD CONQUISTA III Lian Gong
  • 16. CAPS II INFANTIL SÃO MATEUS Lian Gong UBS Jd. São Francisco II Lian Gong CPN “JOSÉ FELICIANO DO NASCIMENTO Lian Gong CPN “JOSÉ FELICIANO DO NASCIMENTO Tai Chi Pai Lin UBS JARDIM PARAGUAÇU Lian Gong SÃO MIGUEL UBS JD. LAPENNA Lian Gong UBS VILA JACUI Lian Gong UBS UBS VILA PROGRESSO Lian Gong CAPS CAPS ADULTO II Tai Chi Pai Lin Hosp DIA REDE HORA CERTA - SÃO MIGUEL Lian Gong HOSPITAL TIDE SETUBAL Lian Gong OESTE BUTANTÃ UBS Boa Vista Tai Chi Pai Lin UBS Butantã Tai Chi Pai Lin UBS Jd D'Abril Tai Chi UBS Jaqueline Tai Chi Pai Lin UBS Paulo VI Lian Gong UBS São Jorge Liang Gong UBS Malta Cardoso Lian Gong UBS VILA DALVA Lian Gong UBS VILA SONIA Tai Chi Pai Lin CAPS BUTANTÃ Tai Chi CECCO Previdência Tai Chi Chuan
  • 17. CSE Butantã Tai ChiPai Lin LAPA/PINHEI ROS UBS ALTO DE PINHEIROS Tai Chi Pai Lin UBS ALTO DE PINHEIROS Lian Gong UBS J.BARROS MAGALDI Lian Gong UBS J.BARROS MAGALDI Tai Chi Pai Lin UBS PARQUE DA LAPA Tai Chi Pai Lin UBS VL. ANGLO Tai Chi Pai Lin UBS VILA IPOJUCA Lian Gong UBS JARDIM VERA CRUZ Thai Chi Chuan UBS VILA NOVA JAGUARÉ Tai Chi Pai Lin UBS VILA PIAUI Tai Chi Pai Lin UBS VILA ROMANA Lian Gong UBS MARIO FRANCISCO NAPOLITANO Lian Gong UBS MARIO FRANCISCO NAPOLITANO Tai Chi Pai Lin CAPS LAPA ADULTO Lian Gong UBS VILA ANASTACIO Tai Chi Pai Lin CECCO BACURI Tai Chi CECCO BACURI Lian Gong CRST LAPA Tai Chi Pai Lin UBS JARDIM EDITE Lian Gong CENTRO SÉ UMT Sé Tai Chi Pai Lin UMT Sé Lian Gong
  • 18. UBS República Tai Chi Pai Lin UBS UBS Bom Retiro Lian Gong UBS UBS Bom Retiro Lian Gong SUDESTE IPIRANGA Caps AD IpirangaV.Arapuá Tai Chi Pai Lin/ Lian Gong Caps Ad Sacoma Tai Chi Pai Lin PENHA CECCO Nóbrega Lian Gong CECCO Nóbrega Lian Gong UBS UBS Villalobo Lian Gong UBS/ESF Vl. Guilhermina Lian Gong UBS (PSF) Antonio Estevão De Carvalho Tai Chi Pai Lin UBS (PSF) Antonio Estevão De Carvalho Lian Gong UBS V. Granada Lian Gong UBS Jd. São Nicolau Liang Gong AMA/UBS INTEGRADA Integrada Vila Silvia TaichiPailin VILA PRUDENTE / SAPOPEMBA UBS Humberto Gastão Bodra Lian Gong AMA/UBS INTEGRADA HERMENEGILDO MORBIM JR. JD. INDEPENDÊNCIA Tai Chi CECCO Vila Prudente Lian Gong UBS Vila Prudente Liang Gong UBS JARDIM SINHA Lian Gong UBS Reunidas II Taichi Reunidas II Liangong UBS Vila Renato Lian Gong
  • 19. UBS JdGuairaca Liang Gong CER II VILA PRUDENTE Tai Chi Pai Lin CER II CER II VILA PRUDENTE Lian Gong AMA/UBS Vila Califórnia Lian Gong, JABAQUARA/ V.MARIANA CRHMTPIS Bosque da Saúde Lian Gong UBS/PSF Cupecê Lian Gong UBS /PSF Cupecê Tai Chi Chuan Cecco Guarani v Lian Gong Cecco Guarani v Tai Chi - Pai Lin Cecco Ibirapuera pq Tai Chi Pai Lin CAPS Adulto II Jabaquara Tai Chi Pai Lin CAPS Adulto II Jabaquara Lian Gong UBS / PSF Lourdes Jd Lian Gong - UBS /PSF Santa Catarina v Tai Chi UBS /PSF Santa Catarina v Lian Gong UBS Sigmund Freud Lian Gong UBS Vargas Cd Tai Chi Pai Lin UBS VILA CANAÃ Tai Chi CAPS Inf. Jabaquara Tai Chi Chuan MÓOCA ARICANDUVA UBS V.Nova York Lian Gong UBS Móoca I Lian Gong AMA UBS Pari Lian Gong
  • 20. AMA UBS Pari Tai Chi Pai Lin Cecco Móoca Lian Gong Cecco Móoca Tai Chi Pai Lin URSI Móoca Lain Gong URSI Móoca Tai Chi Pai Lin UBS Formosa I Tai Chi Pai lin 3.1.5HOMEOPATIA CRS STS UNIDADE NORTE Casa Verde / Cachoeirinha UBS Massagista Mário Américo Casa Verde / Cachoeirinha H Maternidade Cachoeirinha Freguesia do Ó UBS Vila Progresso Vila Maria / Vila Guilherme V IzolinaMazei Pirituba/Perus UBS Chacara Inglesa SUL Campo Limpo UBS J Marcelo M' Boi Mirim Hosp. Dia Rede H. Certa M'boi Mirim Santo Amaro / Cid Ademar URSI S Amaro Capela do Socorro UBS Veleiros OESTE Lapa / Pinheiros J V Cruz Lapa / Pinheiros UBS JOSÉ DE Barros Magaldi Butantã UBS Jd. Jaqueline CENTRO Sé Unidade Medicina Tradicionais LESTE São Mateus UBS Jd. Roseli São Mateus Centro Práticas Naturais São Mateus São Miguel Hospital Dia Rede H. Certa S. Miguel SUDESTE Jabaquara / Vila Mariana CRHMTPIS Bosque da Saude Mooca / Aricanduva AE Móoca Dr. Ítalo D. Levicci Mooca / Aricanduva Vila Bertioga Mooca / Aricanduva UBS Pari Ipiranga Hospital Dia Rede H. Certa Ipiranga Penha Hospital Dia Rede H. Certa Penha Vila Prudente / Sapopemba UBS Teothonio Vilela Vila Prudente / Sapopemba AE V. Prudente Vila Prudente / Sapopemba AE Sapopemba APH - Associação Paulista de Homeopatia
  • 21. 4. UNIDADES DE REFERÊNCIA NA ATENÇÃO ESPECIALIZADA – NIR/CER CRS STS NOME LESTE ITAQUERA NIR/NISA N.S.APARECIDA SÃO MIGUEL CER IV SÃO MIGUEL SÃO MATEUS CER II TIETÊ ITAIM PAULISTA CER II JARDIM CAMPOS ITAIM PAULISTA CER II JARDIM CAMARGO NOVO CIDADE TIRADENTES NIR CIDADE TIRADENTES ERMELINO MATARAZZO NIR LAR VICENTINO GUAIANASES NIR JARDIM SOARES GUAIANASES CER II JARDIM SÃO CARLOS SUL S.AMARO/CIDADE ADEMAR CER III PEDREIRA S.AMARO/CIDADE ADEMAR CER III SANTO AMARO M'BOI CER IVM'BOI MIRIM CAMPO LIMPO CER III JARDIM MARCELO CAPELA DO SOCORRO NIR JARDIM CLIPPER PARELHEIROS NIR PARELHEIROS NORTE SANTANA/TUCURUVI/JAÇANÃ/TREMEMBÉ CER II TUCURUVI SANTANA/TUCURUVI/JAÇANÃ/TREMEMBÉ NIR JAÇANÃ VILA MARIA/VILA GUILHERME CER III CARANDIRU PIRITUBA/PERUS NIR UNIÃO DAS VILAS DE TAIPAS PIRITUBA/PERUS NIR PERUS FÓ/BRASILÂNDIA NIR MARIA CECÍLIA DONNANGELO FÓ/BRASILÂNDIA CER II FREGUESIA DO Ó/BRASILÂNDIA SUDESTE PENHA CER II PENHA VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA CER III SAPOPEMBA VILA PRUDENTE/SAPOPEMBA CER II VILA PRUDENTE
  • 22. MOOCA/ARICANDUVA CER II TATUAPÉ MOOCA/ARICANDUVA NIR VILA CARRÃO IPIRANGA CER IV DR FLÁVIO GIANOTTI VILA MARIANA/JABAQUARA CER II V MARIANA Dr. ALEXANDRE KALIL YASBEK PENHA NIR PARQUE ARTHUR ALVIM OESTE BUTANTÃ NIR JARDIM PERI PERI LAPA/PINHEIROS CER II Lapa CENTRO SÉ/STA CECÍLIA CER III SÉ / DR HUMBERTO PASCALE 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Chikungunya in the region of the Americas. A challenge for rheumatologists and health care systems: https://link.springer.com/article/10.1007/s10067-016-3390-y Como é realizado o diagnóstico e qual é o manejo clínico na febre do Chicungunya?- SOF:http://aps.bvs.br/aps/como-e-realizado-o-diagnostico-e-qual-e-o-manejo-clinico-na-febre-do- chicungunya/ Como se dá o processo de cronificação da Febre de Chikungunya? – SOF: http://aps.bvs.br/aps/como- se-da-o-processo-de-cronificacao-da-febre-de-chikungunya/ Como deve ser o manejo do corticoide em casos de Febre Chikungunya? – SOF: http://aps.bvs.br/aps/como-deve-ser-o-manejo-do-corticoide-em-casos-de-febre-chikungunya/