SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO MINHO
ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM
4º Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação




                                                    Elaborado por:
                                                    Miguel Castro

                                                    Orientação:
                                                    Ricardina Vieira Castro
                                                                              1
                Fafe, 20 de Junho de 2012
OBJECTIVOS



   Aprofundar conhecimentos e competências relativas às
doenças respiratórias;

 Reflectir sobre técnicas de conservação de energia;
 Dar cumprimento a um objectivo do ensino clínico;
 Partilhar opiniões e experiências.



                     Técnicas de Conservação de            2
                               Energia
INTRODUÇÃO


As patologias do foro respiratório são uma das principais causas de
morbilidade crónica, de perda de qualidade de vida e de mortalidade,
estando previsto o seu aumento nas próximas décadas.

A doença respiratória crónica está associada a um elevado grau de
incapacidade, cerca de 50% das pessoas que sofrem destas patologias
apresentam limitações de actividade.


Segundo dados da OMS, estima-se que em 2020, a DPOC ocupe o
terceiro lugar entre as doenças mais incapacitantes.




                      Técnicas de Conservação de                   3
                                Energia
DOENÇA RESPIRATÓRIA




Agravamento da função            Disfunção dos músculos
      pulmonar                   esqueléticos periféricos


             Realização de exercício físico
                   Dispneia / Fadiga




                 Limitação das AVD´s



              Diminuição da qualidade
                      de vida

               Técnicas de Conservação de                   4
                         Energia
A reabilitação pulmonar pode ser definida como “um processo que
usa de modo sistematizado opções diagnosticas e terapêuticas
cientificamente baseadas para conseguir um funcionamento óptimo nas
actividades de vida diária e uma qualidade de vida relacionada com a
saúde.”


                                     ERS Task Force Position Paper, 1997




                        Técnicas de Conservação de                         5
                                  Energia
Objectivos da Reabilitação Pulmonar



    Redução dos sintomas;
    Redução da perda funcional causada pela doença;
    Optimização das actividades de vida diárias;
      Proporcionar à pessoa a maximização e manutenção da
   independência funcional.




                      Técnicas de Conservação de             6
                                Energia
COMO DIMINUIR O CONSUMO DE ENERGIA




 Técnicas Respiratórias
   Uso correcto de medicamentos
      Conservação de
      Energia

               Técnicas de Conservação de   7
                         Energia
CONSERVAÇÃO DE ENERGIA




Adopção de posturas com o intuito de diminuir o gasto
energético durante as actividades físicas, aumentando a
capacidade do paciente realizar tarefas da sua vida com
independência.




                  Técnicas de Conservação de              8
                            Energia
IMPORTÂNCIA DA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA


                            Falta de ar




Diminuição da               Ansiedade                     Aumento da
    força                   Depressão                      dispneia




  Isolamento Social                           Diminuição da actividade
                                                       física


                      Técnicas de Conservação de                         9
                                Energia
PRINCÍPIOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA



 Redução dos tempos de dispneia durante as AVD´s;
 Optimização da mecânica corporal;
 Planeamento das AVD´s;
 Recurso a vias alternativas para executar certas tarefas;
 Correcção de barreiras arquitectónicas que dificultam as AVD´s;
 Uso de ajudas técnicas que permitem uma execução mais fácil e com
menos fadiga.




                      Técnicas de Conservação de                  10
                                Energia
ACTIVIDADES DE VIDA DIÁRIAS (AVD´S)

Tarefas de desempenho ocupacional que a pessoa realiza todos os dias,
para preparar ou como adjuntas às tarefas do seu papel.



 Actividades de Vida Diárias                 Actividades de Vida Diárias
          Básicas                                   Instrumentais



Do quotidiano, realizadas de              Mais complexas de trabalho, que
forma automática e que todo o             necessitam     uma        maior
ser humano realiza no decorrer            independência funcional (ex.
do seu dia-a-dia (ex. comer)              cozinhar)

                        Técnicas de Conservação de                         11
                                  Energia
O treino das actividades da vida diária devem ser parte integrante do
programa de reabilitação, uma vez que a realização destas actividades
implica um trabalho muscular específico, que requer um treino também
ele especifico.


As actividades devem ser previamente identificadas em função das
prioridades definidas pela pessoa e o seu nível de execução
quantificado, de forma a poder-se avaliar os resultados do programa de
reabilitação.




                        Técnicas de Conservação de                       12
                                  Energia
ORIENTAÇÕES GERAIS



1 - Controlar a respiração


Durante a realização de todas as actividades:


 Inspirar enquanto realiza o movimento menos cansativo;
 Expirar enquanto executa o movimento que implica esforço;
 Evitar suster a respiração, mesmo que seja por curtos
períodos.


                     Técnicas de Conservação de           13
                               Energia
2 - Gestão do tempo


 Planear as actividades semanais de forma a que as tarefas
mais cansativas sejam distribuídas uniformemente pelos dias da
semana, planeando o tempo necessário para a sua realização e o
tempo de repouso indispensável antes e depois de cada
actividade;
 Alternar entre actividades leves e cansativas ao longo do dia;
 Planear períodos de repouso antes e após a realização das
tarefas mais cansativas;
 Reservar o período do dia em que normalmente se sente com
mais energia para realizar as actividades mais cansativas.

                      Técnicas de Conservação de                   14
                                Energia
3 - Estabeleça prioridades



 Realizar as tarefas mais importantes do dia antes de começar a sentir
cansaço ou falta de energia;

 Simplificar a realização de algumas tarefas (elevador de sanita, barras
de apoio lateral, calçadeira de cabo comprido, etc.);

   Eliminar as actividades desnecessárias como enxugar a louça
(escorredor de louça), secar-se após o banho (roupão);

Optar por calçado sem cordões ou com velcros.


                          Técnicas de Conservação de                        15
                                    Energia
4 - Usar o mesmo método

   Escolher a melhor altura e a melhor forma para desempenhar uma
determinada tarefa;
 Tentar usar o mesmo método cada vez que realiza uma actividade para
melhorar a destreza e poupar energia.



5 - Parar e descansar


 Parar e descansar durante a realização de uma actividade se estiver
cansado;
 Deixar a finalização da actividade para mais tarde ou para outro dia, e
solicitar ajuda se necessário;


                        Técnicas de Conservação de                     16
                                  Energia
6 - Gestão do espaço



 Trabalhar sempre num ambiente com boa ventilação, iluminação,
temperatura e humidade;

 Utilizar uma área de trabalho com a altura adequada para si e para a
actividade que ali é exercida;

   Dispor os instrumentos de trabalho em semicírculo para que não
tenha de se curvar para a frente para os alcançar.




                         Técnicas de Conservação de                      17
                                   Energia
7 - Gestão do material



 Dispor o material mais frequentemente utilizado para as várias AVD´s
em locais de fácil acesso (entre a altura dos ombros e da cintura);

 Arrumar o material mais usado para uma determinada tarefa sempre
perto do local onde essa tarefa é realizada;

 Utilizar a menor quantidade possível de utensílios para realizar uma
tarefa;

    Preferir utensílios que possam ser utilizados para mais de uma
actividade.


                         Técnicas de Conservação de                   18
                                   Energia
ACÇÕES


1 - Dar Banho
Tipo de Autocuidado: Cuidar da Higiene, com as seguintes
características específicas: Aplicar àgua ou material de
limpeza a algo.


                                           CIPE, Versão 2 (2011;96)




                   Técnicas de Conservação de                         19
                             Energia
Orientações Específicas


 Preparar todo o material necessário para tomar banho e colocá-lo num
local acessível (entre a altura dos ombros e da cintura);
 Colocar um banco no poliban ou na banheira para tomar banho
sentado e utilizar o chuveiro de mão;
 Manter a temperatura da água morna;
 Usar sabão líquido e em recipientes pequenos;
 Utilizar barras de apoio e superfícies antiderrapantes;
 Utilizar uma escova de cabo comprido para lavar as costas e pés;
 Utilizar um roupão atoalhado ou embrulhar-se numa toalha grande e
deixar o corpo secar enquanto descansa, quando isso não for possível,
secar-se enquanto estiver sentado.



                      Técnicas de Conservação de                    20
                                Energia
ACÇÕES


2 – Vestir-se ou Despir-se
Tipo de Autocuidado Trocar de Roupa, com as seguintes
características especificas: Escolher e ir buscar a roupa,
vestir, abotoar e apertar os fechos tanto na parte superior
como inferior do corpo, usar os fechos, peúdas, meias e
calçado, como por exemplo sapatos.

                                           CIPE, Versão 2 (2011;100)




                    Técnicas de Conservação de                         21
                              Energia
Orientações Específicas


   Preparar as roupas antecipadamente e colocá-las pela ordem em
que vão ser vestidas;
 Usar roupas largas ou com muita elasticidade;
 Preferir roupas com botões, fecho à frente         ou velcros e utilizar
calçado sem cordões ou com velcros e antiderrapante;
 Vestir-se sentado;




                        Técnicas de Conservação de                           22
                                  Energia
Orientações Específicas (cont.)


 Vestir primeiro a metade inferior do corpo, puxando a roupa interior e
as calças ou saia até acima do joelho;
 Vestir a metade superior do corpo; colocando-se em pé e ajustando
a roupa;
 Para calçar as meias e os sapatos
deve sentar-se e colocar o pé em cima
da perna oposta; se necessário usar
uma calçadeira de cabo comprido.




                          Técnicas de Conservação de                       23
                                    Energia
ACÇÕES

3 – Arranjar-se
Tipo de autocuidado: Cuidar da Higiene com as seguintes
características específicas: Escovar e de outras formas cuidar dos
cabelos e unhas.

                                                   CIPE, Versão 2 (2011;95)




                      Técnicas de Conservação de                         24
                                Energia
Orientações Específicas

   Executar actividades como fazer a barba, escovar os dentes, aplicar
maquilhagem ou pentear-se sentado, em frente a um lavatório ou mesa e
com um espelho fixo à altura da cadeira;
   Reunir todo o material que vai ser necessário em cima da mesa ou
lavatório;
 Apoiar os cotovelos no lavatório ou na
mesa;
 Utilizar uma escova ou pente de cabo
comprido para se pentear.




                            Técnicas de Conservação de               25
                                      Energia
ACÇÕES

4 – Andar
Mobilizar-se: Movimento do corpo de um lugar para outro, movendo
as pernas passo a passo, capacidade de sustentar o peso do corpo
e andar com uma marcha eficaz, com velocidades que vão do lento
ao moderado ou rápido, subir e descer escadas e rampas.


                                                  CIPE, Versão 2.0 (2011;48)




                     Técnicas de Conservação de                           26
                               Energia
Orientações Específicas

 Controlar a respiração enquanto anda: Inspirar lentamente e dar alguns
passos enquanto expira lentamente;
    Ao andar e transportar objectos agarrá-los com as duas mãos
mantendo-os próximos do corpo e o peso distribuído uniformemente pelos
dois braços;
 Para subir escadas inspirar lentamente enquanto estiver parado. Depois
subir alguns degraus enquanto expira lentamente. Manter a respiração
controlada e subir o mesmo número de degraus de cada vez que expira;
Fazer tudo o que tem a fazer no primeiro
andar antes de descer para o rés-do-chão;
 Planear o itinerário antes de sair à rua.


                           Técnicas de Conservação de                  27
                                     Energia
ACÇÕES


5 – Transportar Objectos
Transportar   :   Acção   de   Executar       com     as    características
específicas: carregar ou mover de um lugar para outro.


                                                    CIPE, Versão 2 (2011;100)




                      Técnicas de Conservação de                           28
                                Energia
Orientações Específicas


   Para elevar pesos segurar no objecto dobrando os joelhos e
mantendo as costas direitas. Inspirar lentamente. Depois expirar
enquanto se eleva o objecto seguro com as duas mãos e junto ao corpo;




 Para puxar ou empurrar objectos, inspirar lentamente e depois fazer
a força necessária para puxar ou empurrar enquanto expira;



                         Técnicas de Conservação de                     29
                                   Energia
Orientações Específicas




Utilizar um pequeno carro utilitário com prateleiras para deslocar os
objectos pela casa; se não houver carro,
transportar o peso o mais junto ao corpo
possível e distribuído pelas duas mãos;
 Reunir todo o material para realizar
uma tarefa antes de a começar.




                         Técnicas de Conservação de                      30
                                   Energia
ACÇÕES


6 – Cozinhar
Acção de Preparação dos Alimentos com as características
específicas: Encarregar-se de proporcionar alimentos e refeições
em   termos    de   quantidade      e    qualidade,    preparação       e
armazenamento dos alimentos, servir e distribuir os alimentos
necessários à manutenção da vida diária.


                                                  CIPE, Versão 2 (2011;46)




                     Técnicas de Conservação de                         31
                               Energia
Orientações Específicas



 Posicionar os electrodomésticos de forma a ter fácil acesso aos
botões e controles, utilizar utensílios que se fixem por sucção ou
presilhas, evitando assim o esforço de
os segurar, deixando as mãos livres
para realizar as actividades;




                         Técnicas de Conservação de                  32
                                   Energia
Orientações Específicas (cont.)




 Tirar todos os ingredientes e utensílios     necessários dos armários e
colocá-los na bancada da cozinha, ao lado do lava-loiça;


 Sentar-se num banco alto, fazendo toda
a preparação dos alimentos nesse local
e transporte-os para o fogão / forno;




                           Técnicas de Conservação de                       33
                                     Energia
Orientações Específicas


 Por a mesa enquanto os alimentos cozinham e descansar;
 Transportar os alimentos na totalidade para a mesa e     iniciar a
refeição;
 Cozinhar maiores quantidades de comida de cada vez, de forma a
congelar as porções extra e descongelar nas alturas em que estiver
demasiado cansada para cozinhar;
 Não fazer actividades cansativas até pelo menos uma hora após as
refeições.




                     Técnicas de Conservação de                        34
                               Energia
ACÇÕES


7 – Fazer Compras
Realizar : Actividade executada pelo próprio com as características
específicas: comprar os bens necessários para manter a vida
diária; aquisição, negociação ou troca dos bens necessários numa
casa.
                                                   CIPE, Versão 2 (2011;54)




                      Técnicas de Conservação de                         35
                                Energia
Orientações Específicas



 Utilizar sempre carrinhos de compras; quando ficar cansado parar e
apoiar-se no carrinho de compras;
 Organizar a lista de compras de forma a não percorrer um corredor do
hipermercado mais do que uma vez;
 Colocar as mercearias perecíveis
todas no mesmo saco e ao chegar
a casa colocá-las imediatamente no
frigorífico.




                        Técnicas de Conservação de                   36
                                  Energia
ACÇÕES


8 – Tratar da Roupa
Acção de Lavar com as características específicas: encarregar-se
de lavar, secar, passar a ferro ou arrumar a roupa.


                                                    CIPE, Versão 2 (2011;100)




                       Técnicas de Conservação de                           37
                                 Energia
Orientações Específicas


 Transportar a roupa num carrinho utilitário;
 Manter uma cadeira na lavandaria para poder descansar;
 Colocar o cesto da roupa á altura da cintura
quando a estender para secar;
 Passar a ferro sentado num banco alto
e dispor todo o material ao alcance das mãos;
 Não passar a ferro a roupa que não precisa
de ser passada.




                        Técnicas de Conservação de         38
                                  Energia
ACÇÕES


9 – Arranjar a Casa
Realizar : Actividade executada pelo Próprio com as
características específicas: prática de cuidados para ou
atenção dedicada a construir o ambiente ou local de
residência confortável, acolhedor; fazer com que o próprio e
os outros se sintam em casa; conseguir um ambiente
doméstico seguro e bem gerido.


                                               CIPE, Versão 2 (2011;40)




                      Técnicas de Conservação de                          39
                                Energia
Orientações Específicas



   Durante a realização das limpezas domésticas ter cuidado com os
produtos de limpeza que podem conter substâncias tóxicas. Manter um
ambiente ventilado e, se possível, utilizar uma máscara;
 Utilizar utensílios de cabo comprido, tais como vassouras, esfregonas e
espanadores;
Coordenar a respiração com os movimentos:
inspirar enquanto afasta o aspirador e expirar
enquanto o aproxima;




                          Técnicas de Conservação de                        40
                                    Energia
Orientações Específicas

 Transportar produtos e instrumentos para a limpeza num carrinho
para os mover mais facilmente pela casa;
   Fazer a cama de forma a só ter de mudar para o outro lado da
cama uma vez;
 Dobrar os joelhos e manter a coluna direita, enquanto faz a cama;




 Colocar tudo o que eventualmente irá precisar durante a noite na
mesinha de cabeceira (água, lenços de papel, medicação).

                        Técnicas de Conservação de                    41
                                  Energia
BIBLIOGRAFIA
Cinesiterapia Respiratória. [Em Linha] Disponível em <
http://pwp.netcabo.pt/0152649802/cinesiterapia.htm>. [Consultado em 30/11/2007].
CIPE – Versão Beta (2000) Lisboa, Editora ORDEM DOS ENFERMEIROS. pp 250
CIPE – Versão 1.0 (2006 ), Lisboa, Editora ORDEM DOS ENFERMEIROS. pp 210
Direcção Geral de Saúde. (2005). Programa Nacional de Prevenção e Controlo            da Doença
Pulmonar Obstrutiva Crónica

Ordem dos Enfermeiros (2001). Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem
Queirós, P. (2002). Técnicas de reabilitação I. 3ª ed., Coimbra, Formasau, ISBN: 972-8485-25-5
Sociedade Portuguesa de Pneumologia. [Em Linha] Disponível em <
http://www.sppneumologia.pt/textos/?imc=51n81n>. [Consultado em 30/11/2007].

Técnicas de Cinesioterapia Respiratória e Manobras de Higiene Brônquica (MHB).         [Em Linha]
Disponível                                        em                                             <
http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/respiratoria/ cinesio_bruno/cinesio_respirato
>. [Consultado em 30/11/2007].



                                 Técnicas de Conservação de                                    42
                                           Energia
“… Não importa sempre as nossas orações, embora nunca as deixais de
fazer, mas sim as nossas boas obras. Creio que o muito valerá pouco, assim
como o pouco valerá muito. Quer numa situação quer
noutra, nunca Desistais ou Vacilais."
                                          Domingos Castro - PAI




                          Técnicas de Conservação de                         43
                                    Energia
OBRIGADO PELA
  ATENÇÃO e
PARTICIPAÇÃO




   Técnicas de Conservação de   44
             Energia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
resenfe2013
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
Fernando Farias
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Técnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratóriaTécnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratória
glendamsaito
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapeuta
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
Junio Alves
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
Natha Fisioterapia
 
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e FisioterapiaInfarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Josi Amorim
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
pauloalambert
 
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapiaAula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Marcelo Jota
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
Nay Ribeiro
 
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia IntensivaSíndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
Fernanda Francalin
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
Delainy Batista
 
Reabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e IIIReabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e III
Monique Migliorini
 
Marcha
MarchaMarcha
Marcha
Diana Soares
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
Brenda Lahlou
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
Fábio Falcão
 
Bobath
BobathBobath

Mais procurados (20)

Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
 
Técnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratóriaTécnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratória
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
 
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e FisioterapiaInfarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapiaAula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia IntensivaSíndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publicafisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
fisioterapia preventiva nos 3 níveis de atenção a saúde publica
 
Reabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e IIIReabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e III
 
Marcha
MarchaMarcha
Marcha
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 

Destaque

Apraxias e agnosias
Apraxias e agnosiasApraxias e agnosias
Apraxias e agnosias
Marcus César Petindá Fonseca
 
Aula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisicaAula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisica
Rafael Borges
 
Praxias.ppt
Praxias.pptPraxias.ppt
Praxias.ppt
Saritakeila_Edi1
 
Heminegligência
HeminegligênciaHeminegligência
Heminegligência
Isabela Campos
 
Aula corpo 1
Aula corpo 1Aula corpo 1
Aula corpo 1
Ana Cristina Ávila
 
ginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporalginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporal
Alessandra Pereira
 
Consciência corporal
Consciência corporalConsciência corporal
Consciência corporal
Atri Projetos
 
praxias
praxiaspraxias
praxias
Gaby Peralta
 
Apraxias.
Apraxias. Apraxias.
Consciencia Corporal
Consciencia CorporalConsciencia Corporal
Consciencia Corporal
Nyah Spa
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
Psicomotricidade
 
APRAXIA
APRAXIAAPRAXIA
APRAXIA
ubaldojmp
 
Apraxias
ApraxiasApraxias
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
Camilla Follador
 
Projeto; O corpo em movimento 2013
Projeto; O corpo em movimento 2013Projeto; O corpo em movimento 2013
Projeto; O corpo em movimento 2013
Débora Lambert
 

Destaque (15)

Apraxias e agnosias
Apraxias e agnosiasApraxias e agnosias
Apraxias e agnosias
 
Aula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisicaAula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisica
 
Praxias.ppt
Praxias.pptPraxias.ppt
Praxias.ppt
 
Heminegligência
HeminegligênciaHeminegligência
Heminegligência
 
Aula corpo 1
Aula corpo 1Aula corpo 1
Aula corpo 1
 
ginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporalginastica de conscientizacao corporal
ginastica de conscientizacao corporal
 
Consciência corporal
Consciência corporalConsciência corporal
Consciência corporal
 
praxias
praxiaspraxias
praxias
 
Apraxias.
Apraxias. Apraxias.
Apraxias.
 
Consciencia Corporal
Consciencia CorporalConsciencia Corporal
Consciencia Corporal
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
APRAXIA
APRAXIAAPRAXIA
APRAXIA
 
Apraxias
ApraxiasApraxias
Apraxias
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 
Projeto; O corpo em movimento 2013
Projeto; O corpo em movimento 2013Projeto; O corpo em movimento 2013
Projeto; O corpo em movimento 2013
 

Semelhante a Técnicas de Conservação de Energia

Cartilha pos covid_19_compactado
Cartilha pos covid_19_compactadoCartilha pos covid_19_compactado
Cartilha pos covid_19_compactado
deborawilbert
 
O Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdf
O Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdfO Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdf
O Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdf
IsadoraAxhcar
 
Fisioterapia hospitalar icc
Fisioterapia hospitalar   iccFisioterapia hospitalar   icc
Fisioterapia hospitalar icc
Eder Laudelino Polizel
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Flávia Salame
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Flávia Salame
 
Hidroginastica
HidroginasticaHidroginastica
Hidroginastica
washington carlos vieira
 
Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...
Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...
Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...
nvtwys
 
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptxAula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
CARLOSAUGUSTOFERNAND10
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
NatanaelMoreiraAmori
 
Actividade Física....
Actividade Física....Actividade Física....
Actividade Física....
Gabriela Bruno
 
Ciclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Ciclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralCiclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Ciclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Paulo Costa Amaral
 
Exercício físico
Exercício físicoExercício físico
Exercício físico
Rafael_2201
 
Atividade Física
Atividade FísicaAtividade Física
Atividade Física
Mário Ribeiro
 
02 atividade fisica
02 atividade fisica02 atividade fisica
02 atividade fisica
pagodes
 
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Cleanto Santos Vieira
 
Promoção da saude
Promoção da saudePromoção da saude
Promoção da saude
Catalin Danu
 
5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)
5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)
5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)
João Costa
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica LaboralFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Universidade Norte do Paraná
 
Sistema max pump
Sistema max pumpSistema max pump
Sistema max pump
VCTRSANTANA2011
 
guia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto seniorguia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto senior
Ana Santos
 

Semelhante a Técnicas de Conservação de Energia (20)

Cartilha pos covid_19_compactado
Cartilha pos covid_19_compactadoCartilha pos covid_19_compactado
Cartilha pos covid_19_compactado
 
O Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdf
O Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdfO Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdf
O Desafio de 24 Horas_ Queime Calorias e Supere Seus Limites.pdf
 
Fisioterapia hospitalar icc
Fisioterapia hospitalar   iccFisioterapia hospitalar   icc
Fisioterapia hospitalar icc
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
 
Hidroginastica
HidroginasticaHidroginastica
Hidroginastica
 
Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...
Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...
Transforme Seu Corpo em 24 Horas: Estratégias Inovadoras para Resultados Rápi...
 
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptxAula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
Aula Ensino Médio Princípio do Treinamento.pptx
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
 
Actividade Física....
Actividade Física....Actividade Física....
Actividade Física....
 
Ciclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Ciclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa AmaralCiclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
Ciclismo Indoor - Prof. Ms. Paulo Costa Amaral
 
Exercício físico
Exercício físicoExercício físico
Exercício físico
 
Atividade Física
Atividade FísicaAtividade Física
Atividade Física
 
02 atividade fisica
02 atividade fisica02 atividade fisica
02 atividade fisica
 
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
Hidroterapia programa de exercícios aquáticos terapêuticos - Aula 2
 
Promoção da saude
Promoção da saudePromoção da saude
Promoção da saude
 
5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)
5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)
5. Mergulho Livre - Preparação Física (v5.12.25)
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica LaboralFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
 
Sistema max pump
Sistema max pumpSistema max pump
Sistema max pump
 
guia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto seniorguia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto senior
 

Técnicas de Conservação de Energia

  • 1. UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM 4º Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação Elaborado por: Miguel Castro Orientação: Ricardina Vieira Castro 1 Fafe, 20 de Junho de 2012
  • 2. OBJECTIVOS  Aprofundar conhecimentos e competências relativas às doenças respiratórias;  Reflectir sobre técnicas de conservação de energia;  Dar cumprimento a um objectivo do ensino clínico;  Partilhar opiniões e experiências. Técnicas de Conservação de 2 Energia
  • 3. INTRODUÇÃO As patologias do foro respiratório são uma das principais causas de morbilidade crónica, de perda de qualidade de vida e de mortalidade, estando previsto o seu aumento nas próximas décadas. A doença respiratória crónica está associada a um elevado grau de incapacidade, cerca de 50% das pessoas que sofrem destas patologias apresentam limitações de actividade. Segundo dados da OMS, estima-se que em 2020, a DPOC ocupe o terceiro lugar entre as doenças mais incapacitantes. Técnicas de Conservação de 3 Energia
  • 4. DOENÇA RESPIRATÓRIA Agravamento da função Disfunção dos músculos pulmonar esqueléticos periféricos Realização de exercício físico Dispneia / Fadiga Limitação das AVD´s Diminuição da qualidade de vida Técnicas de Conservação de 4 Energia
  • 5. A reabilitação pulmonar pode ser definida como “um processo que usa de modo sistematizado opções diagnosticas e terapêuticas cientificamente baseadas para conseguir um funcionamento óptimo nas actividades de vida diária e uma qualidade de vida relacionada com a saúde.” ERS Task Force Position Paper, 1997 Técnicas de Conservação de 5 Energia
  • 6. Objectivos da Reabilitação Pulmonar  Redução dos sintomas;  Redução da perda funcional causada pela doença;  Optimização das actividades de vida diárias;  Proporcionar à pessoa a maximização e manutenção da independência funcional. Técnicas de Conservação de 6 Energia
  • 7. COMO DIMINUIR O CONSUMO DE ENERGIA  Técnicas Respiratórias  Uso correcto de medicamentos Conservação de Energia Técnicas de Conservação de 7 Energia
  • 8. CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Adopção de posturas com o intuito de diminuir o gasto energético durante as actividades físicas, aumentando a capacidade do paciente realizar tarefas da sua vida com independência. Técnicas de Conservação de 8 Energia
  • 9. IMPORTÂNCIA DA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Falta de ar Diminuição da Ansiedade Aumento da força Depressão dispneia Isolamento Social Diminuição da actividade física Técnicas de Conservação de 9 Energia
  • 10. PRINCÍPIOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA  Redução dos tempos de dispneia durante as AVD´s;  Optimização da mecânica corporal;  Planeamento das AVD´s;  Recurso a vias alternativas para executar certas tarefas;  Correcção de barreiras arquitectónicas que dificultam as AVD´s;  Uso de ajudas técnicas que permitem uma execução mais fácil e com menos fadiga. Técnicas de Conservação de 10 Energia
  • 11. ACTIVIDADES DE VIDA DIÁRIAS (AVD´S) Tarefas de desempenho ocupacional que a pessoa realiza todos os dias, para preparar ou como adjuntas às tarefas do seu papel. Actividades de Vida Diárias Actividades de Vida Diárias Básicas Instrumentais Do quotidiano, realizadas de Mais complexas de trabalho, que forma automática e que todo o necessitam uma maior ser humano realiza no decorrer independência funcional (ex. do seu dia-a-dia (ex. comer) cozinhar) Técnicas de Conservação de 11 Energia
  • 12. O treino das actividades da vida diária devem ser parte integrante do programa de reabilitação, uma vez que a realização destas actividades implica um trabalho muscular específico, que requer um treino também ele especifico. As actividades devem ser previamente identificadas em função das prioridades definidas pela pessoa e o seu nível de execução quantificado, de forma a poder-se avaliar os resultados do programa de reabilitação. Técnicas de Conservação de 12 Energia
  • 13. ORIENTAÇÕES GERAIS 1 - Controlar a respiração Durante a realização de todas as actividades:  Inspirar enquanto realiza o movimento menos cansativo;  Expirar enquanto executa o movimento que implica esforço;  Evitar suster a respiração, mesmo que seja por curtos períodos. Técnicas de Conservação de 13 Energia
  • 14. 2 - Gestão do tempo  Planear as actividades semanais de forma a que as tarefas mais cansativas sejam distribuídas uniformemente pelos dias da semana, planeando o tempo necessário para a sua realização e o tempo de repouso indispensável antes e depois de cada actividade;  Alternar entre actividades leves e cansativas ao longo do dia;  Planear períodos de repouso antes e após a realização das tarefas mais cansativas;  Reservar o período do dia em que normalmente se sente com mais energia para realizar as actividades mais cansativas. Técnicas de Conservação de 14 Energia
  • 15. 3 - Estabeleça prioridades  Realizar as tarefas mais importantes do dia antes de começar a sentir cansaço ou falta de energia;  Simplificar a realização de algumas tarefas (elevador de sanita, barras de apoio lateral, calçadeira de cabo comprido, etc.);  Eliminar as actividades desnecessárias como enxugar a louça (escorredor de louça), secar-se após o banho (roupão); Optar por calçado sem cordões ou com velcros. Técnicas de Conservação de 15 Energia
  • 16. 4 - Usar o mesmo método  Escolher a melhor altura e a melhor forma para desempenhar uma determinada tarefa;  Tentar usar o mesmo método cada vez que realiza uma actividade para melhorar a destreza e poupar energia. 5 - Parar e descansar  Parar e descansar durante a realização de uma actividade se estiver cansado;  Deixar a finalização da actividade para mais tarde ou para outro dia, e solicitar ajuda se necessário; Técnicas de Conservação de 16 Energia
  • 17. 6 - Gestão do espaço  Trabalhar sempre num ambiente com boa ventilação, iluminação, temperatura e humidade;  Utilizar uma área de trabalho com a altura adequada para si e para a actividade que ali é exercida;  Dispor os instrumentos de trabalho em semicírculo para que não tenha de se curvar para a frente para os alcançar. Técnicas de Conservação de 17 Energia
  • 18. 7 - Gestão do material  Dispor o material mais frequentemente utilizado para as várias AVD´s em locais de fácil acesso (entre a altura dos ombros e da cintura);  Arrumar o material mais usado para uma determinada tarefa sempre perto do local onde essa tarefa é realizada;  Utilizar a menor quantidade possível de utensílios para realizar uma tarefa;  Preferir utensílios que possam ser utilizados para mais de uma actividade. Técnicas de Conservação de 18 Energia
  • 19. ACÇÕES 1 - Dar Banho Tipo de Autocuidado: Cuidar da Higiene, com as seguintes características específicas: Aplicar àgua ou material de limpeza a algo. CIPE, Versão 2 (2011;96) Técnicas de Conservação de 19 Energia
  • 20. Orientações Específicas  Preparar todo o material necessário para tomar banho e colocá-lo num local acessível (entre a altura dos ombros e da cintura);  Colocar um banco no poliban ou na banheira para tomar banho sentado e utilizar o chuveiro de mão;  Manter a temperatura da água morna;  Usar sabão líquido e em recipientes pequenos;  Utilizar barras de apoio e superfícies antiderrapantes;  Utilizar uma escova de cabo comprido para lavar as costas e pés;  Utilizar um roupão atoalhado ou embrulhar-se numa toalha grande e deixar o corpo secar enquanto descansa, quando isso não for possível, secar-se enquanto estiver sentado. Técnicas de Conservação de 20 Energia
  • 21. ACÇÕES 2 – Vestir-se ou Despir-se Tipo de Autocuidado Trocar de Roupa, com as seguintes características especificas: Escolher e ir buscar a roupa, vestir, abotoar e apertar os fechos tanto na parte superior como inferior do corpo, usar os fechos, peúdas, meias e calçado, como por exemplo sapatos. CIPE, Versão 2 (2011;100) Técnicas de Conservação de 21 Energia
  • 22. Orientações Específicas  Preparar as roupas antecipadamente e colocá-las pela ordem em que vão ser vestidas;  Usar roupas largas ou com muita elasticidade;  Preferir roupas com botões, fecho à frente ou velcros e utilizar calçado sem cordões ou com velcros e antiderrapante;  Vestir-se sentado; Técnicas de Conservação de 22 Energia
  • 23. Orientações Específicas (cont.)  Vestir primeiro a metade inferior do corpo, puxando a roupa interior e as calças ou saia até acima do joelho;  Vestir a metade superior do corpo; colocando-se em pé e ajustando a roupa;  Para calçar as meias e os sapatos deve sentar-se e colocar o pé em cima da perna oposta; se necessário usar uma calçadeira de cabo comprido. Técnicas de Conservação de 23 Energia
  • 24. ACÇÕES 3 – Arranjar-se Tipo de autocuidado: Cuidar da Higiene com as seguintes características específicas: Escovar e de outras formas cuidar dos cabelos e unhas. CIPE, Versão 2 (2011;95) Técnicas de Conservação de 24 Energia
  • 25. Orientações Específicas  Executar actividades como fazer a barba, escovar os dentes, aplicar maquilhagem ou pentear-se sentado, em frente a um lavatório ou mesa e com um espelho fixo à altura da cadeira;  Reunir todo o material que vai ser necessário em cima da mesa ou lavatório;  Apoiar os cotovelos no lavatório ou na mesa;  Utilizar uma escova ou pente de cabo comprido para se pentear. Técnicas de Conservação de 25 Energia
  • 26. ACÇÕES 4 – Andar Mobilizar-se: Movimento do corpo de um lugar para outro, movendo as pernas passo a passo, capacidade de sustentar o peso do corpo e andar com uma marcha eficaz, com velocidades que vão do lento ao moderado ou rápido, subir e descer escadas e rampas. CIPE, Versão 2.0 (2011;48) Técnicas de Conservação de 26 Energia
  • 27. Orientações Específicas  Controlar a respiração enquanto anda: Inspirar lentamente e dar alguns passos enquanto expira lentamente;  Ao andar e transportar objectos agarrá-los com as duas mãos mantendo-os próximos do corpo e o peso distribuído uniformemente pelos dois braços;  Para subir escadas inspirar lentamente enquanto estiver parado. Depois subir alguns degraus enquanto expira lentamente. Manter a respiração controlada e subir o mesmo número de degraus de cada vez que expira; Fazer tudo o que tem a fazer no primeiro andar antes de descer para o rés-do-chão;  Planear o itinerário antes de sair à rua. Técnicas de Conservação de 27 Energia
  • 28. ACÇÕES 5 – Transportar Objectos Transportar : Acção de Executar com as características específicas: carregar ou mover de um lugar para outro. CIPE, Versão 2 (2011;100) Técnicas de Conservação de 28 Energia
  • 29. Orientações Específicas  Para elevar pesos segurar no objecto dobrando os joelhos e mantendo as costas direitas. Inspirar lentamente. Depois expirar enquanto se eleva o objecto seguro com as duas mãos e junto ao corpo;  Para puxar ou empurrar objectos, inspirar lentamente e depois fazer a força necessária para puxar ou empurrar enquanto expira; Técnicas de Conservação de 29 Energia
  • 30. Orientações Específicas Utilizar um pequeno carro utilitário com prateleiras para deslocar os objectos pela casa; se não houver carro, transportar o peso o mais junto ao corpo possível e distribuído pelas duas mãos;  Reunir todo o material para realizar uma tarefa antes de a começar. Técnicas de Conservação de 30 Energia
  • 31. ACÇÕES 6 – Cozinhar Acção de Preparação dos Alimentos com as características específicas: Encarregar-se de proporcionar alimentos e refeições em termos de quantidade e qualidade, preparação e armazenamento dos alimentos, servir e distribuir os alimentos necessários à manutenção da vida diária. CIPE, Versão 2 (2011;46) Técnicas de Conservação de 31 Energia
  • 32. Orientações Específicas  Posicionar os electrodomésticos de forma a ter fácil acesso aos botões e controles, utilizar utensílios que se fixem por sucção ou presilhas, evitando assim o esforço de os segurar, deixando as mãos livres para realizar as actividades; Técnicas de Conservação de 32 Energia
  • 33. Orientações Específicas (cont.)  Tirar todos os ingredientes e utensílios necessários dos armários e colocá-los na bancada da cozinha, ao lado do lava-loiça;  Sentar-se num banco alto, fazendo toda a preparação dos alimentos nesse local e transporte-os para o fogão / forno; Técnicas de Conservação de 33 Energia
  • 34. Orientações Específicas  Por a mesa enquanto os alimentos cozinham e descansar;  Transportar os alimentos na totalidade para a mesa e iniciar a refeição;  Cozinhar maiores quantidades de comida de cada vez, de forma a congelar as porções extra e descongelar nas alturas em que estiver demasiado cansada para cozinhar;  Não fazer actividades cansativas até pelo menos uma hora após as refeições. Técnicas de Conservação de 34 Energia
  • 35. ACÇÕES 7 – Fazer Compras Realizar : Actividade executada pelo próprio com as características específicas: comprar os bens necessários para manter a vida diária; aquisição, negociação ou troca dos bens necessários numa casa. CIPE, Versão 2 (2011;54) Técnicas de Conservação de 35 Energia
  • 36. Orientações Específicas  Utilizar sempre carrinhos de compras; quando ficar cansado parar e apoiar-se no carrinho de compras;  Organizar a lista de compras de forma a não percorrer um corredor do hipermercado mais do que uma vez;  Colocar as mercearias perecíveis todas no mesmo saco e ao chegar a casa colocá-las imediatamente no frigorífico. Técnicas de Conservação de 36 Energia
  • 37. ACÇÕES 8 – Tratar da Roupa Acção de Lavar com as características específicas: encarregar-se de lavar, secar, passar a ferro ou arrumar a roupa. CIPE, Versão 2 (2011;100) Técnicas de Conservação de 37 Energia
  • 38. Orientações Específicas  Transportar a roupa num carrinho utilitário;  Manter uma cadeira na lavandaria para poder descansar;  Colocar o cesto da roupa á altura da cintura quando a estender para secar;  Passar a ferro sentado num banco alto e dispor todo o material ao alcance das mãos;  Não passar a ferro a roupa que não precisa de ser passada. Técnicas de Conservação de 38 Energia
  • 39. ACÇÕES 9 – Arranjar a Casa Realizar : Actividade executada pelo Próprio com as características específicas: prática de cuidados para ou atenção dedicada a construir o ambiente ou local de residência confortável, acolhedor; fazer com que o próprio e os outros se sintam em casa; conseguir um ambiente doméstico seguro e bem gerido. CIPE, Versão 2 (2011;40) Técnicas de Conservação de 39 Energia
  • 40. Orientações Específicas  Durante a realização das limpezas domésticas ter cuidado com os produtos de limpeza que podem conter substâncias tóxicas. Manter um ambiente ventilado e, se possível, utilizar uma máscara;  Utilizar utensílios de cabo comprido, tais como vassouras, esfregonas e espanadores; Coordenar a respiração com os movimentos: inspirar enquanto afasta o aspirador e expirar enquanto o aproxima; Técnicas de Conservação de 40 Energia
  • 41. Orientações Específicas  Transportar produtos e instrumentos para a limpeza num carrinho para os mover mais facilmente pela casa;  Fazer a cama de forma a só ter de mudar para o outro lado da cama uma vez;  Dobrar os joelhos e manter a coluna direita, enquanto faz a cama;  Colocar tudo o que eventualmente irá precisar durante a noite na mesinha de cabeceira (água, lenços de papel, medicação). Técnicas de Conservação de 41 Energia
  • 42. BIBLIOGRAFIA Cinesiterapia Respiratória. [Em Linha] Disponível em < http://pwp.netcabo.pt/0152649802/cinesiterapia.htm>. [Consultado em 30/11/2007]. CIPE – Versão Beta (2000) Lisboa, Editora ORDEM DOS ENFERMEIROS. pp 250 CIPE – Versão 1.0 (2006 ), Lisboa, Editora ORDEM DOS ENFERMEIROS. pp 210 Direcção Geral de Saúde. (2005). Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica Ordem dos Enfermeiros (2001). Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem Queirós, P. (2002). Técnicas de reabilitação I. 3ª ed., Coimbra, Formasau, ISBN: 972-8485-25-5 Sociedade Portuguesa de Pneumologia. [Em Linha] Disponível em < http://www.sppneumologia.pt/textos/?imc=51n81n>. [Consultado em 30/11/2007]. Técnicas de Cinesioterapia Respiratória e Manobras de Higiene Brônquica (MHB). [Em Linha] Disponível em < http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/respiratoria/ cinesio_bruno/cinesio_respirato >. [Consultado em 30/11/2007]. Técnicas de Conservação de 42 Energia
  • 43. “… Não importa sempre as nossas orações, embora nunca as deixais de fazer, mas sim as nossas boas obras. Creio que o muito valerá pouco, assim como o pouco valerá muito. Quer numa situação quer noutra, nunca Desistais ou Vacilais." Domingos Castro - PAI Técnicas de Conservação de 43 Energia
  • 44. OBRIGADO PELA ATENÇÃO e PARTICIPAÇÃO Técnicas de Conservação de 44 Energia

Notas do Editor

  1. Mercadoria perecível, mercadoria que exige consumo imediato, como as frutas e os legumes