SlideShare uma empresa Scribd logo
PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO DO/NO CAMPO-UFMT
Enice Lazaretti Miranda¹
Marcia Fabiana de Oliveira²
Schaiane Pasquali Machado³
Solange Zarth
Trabalho Socialmente Necessário
Nova Guarita MT
2015
Trabalho Socialmente Necessário
Resumo
“É apresentada uma reflexão um desafio atual de entendimento de reconstrução da educação no
Campo que se baseia numa “nova epistemologia”, ou uma revalorização das epistemologias
esquecidas silenciadas pelo poder hemogênico da chamada “ Civilização ocidental”, ou redescoberta
das culturas locais e pluriversais que sofreram verdadeiros epistemicidios.Na escola em sua maioria,
tradicional, nota-se que a maior ênfase esta voltada para: O ensino, a avaliação, metodologia,
didática, organização, planejamento, eficiência e objetivos que mantém as classes sociais, uma
cultura de reprodução, não enfrentando contradições tão presentes na vida dos camponeses e
demais trabalhadores que vivem sob a égide do capitalismo, que só sobrevive da usurpação da mais
valia, mantendo o rico cada vez mais rico e o pobre sempre mais empobrecido.
Palavras-chave. Realidade. Necessidade. Vivências
Abstract
"It appears to reflect a current challenge of understanding the reconstruction of education in the field
based on a" new epistemology ", or a revaluation of forgotten epistemologies silenced by hemogênico
power called" Western Civilization ", or rediscovery of local cultures and that pluriversais suffered real
epistemicidios.Na school mostly traditional, we note that the emphasis focused on this: The teaching,
assessment, methodology, teaching, organizing, planning, and efficiency goals that maintains social
classes, a culture of reproduction not facing contradictions so present in the lives of peasants and
other workers who live under the umbrella of capitalism, which only survives the usurpation of the
gain, keeping the rich richer and the poor ever more bereft.
Keywords: Reality. Need. Experiences
¹ Graduando em Licenciatura Plena em Biologia da Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC Ead,
contato: gilmar.biologia@hotmail.com.
“A terra não pertence ao homem. É o homem que pertence a terra. Isto sabemos: todas as coisas
estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a
terra recairá sobre os filhos da terra. O homem não tramou o tecido da vida; ele é simplesmente um
de seus fios. Tudo o que fizer ao tecido fará a si mesmo.”
(cacique Seattie)
INTRODUÇÃO
O presente artigo traz uma reflexão acerca do constante crescimento
relacionado aos problemas com a educação no campo pode-se observar, no
cotidiano pedagógico, que os saberes das varias áreas relacionadas a educação no
campo tratados de forma fragmentada e compartimentalizados em disciplinas
dificultam a percepção de problemas e fenômenos da realidade, que cada, vez mais
mostram-se pluridisciplinares, multidisciplinares, transdisciplinares,transversais,
transnacionais e multidimensionais, globais e plantarios por representar o processo
de produção e da existência humana em um contexto sociocultural, já que não se
vive sozinho.Existe uma interdependência entre os seres humanos em todas as
formas de suas atividades, uma vez que todas as necessidades humanas são
atendidas,transformadas e efetivas a partir da organização e do estabelecimento de
relação entre os seres humanos.
Ora, se existem estas interdependências interdisciplinares que podem ser
percebidas também de caráter independente como a área de educação no campo,
uma vez que tem por objetivo investigar os trabalhos socialmente necessários, além
de contribuir com o desenvolvimento tecnológico. Em função destas vivencias,
compartilham de linguagens e representações semelhantes para sistematizar e
socializar os conhecimentos produzidos nos processos inerentes de compreensão
dos trabalhos socialmente necessários que são objetos de estudo desta área.
Entretanto vale esclarecer que na educação no campo não deixa de ter suas
especificidades que baliza os conhecimentos epistemológicos construídos e
definidos a partir das relações humanas que as caracterizam, e o professor
necessita de formações especificas para cada uma delas. Vista desta forma essa
área do conhecimento tem como característica perceber a complexidade do
processo de transformação da natureza e suas relações, desvelando as interçãos e
retroações entre as partes e o todo entidades multidimensionais e os problemas
essenciais, suas relações e, a partir desse pressuposto, desencadear procedimentos
acadêmicos, pedagógicos que promovam ações coletivas, já que a sustentabilidade
planetária só é possível com ações reflexivas, com posturas proativas em um mundo
cada vez mais complexo.
Um dos grandes desafios apresentados á escola, á educação é se envolver
com os trabalhadores e trabalhadoras da terra; é comprometer-se com os
movimentos sociais para pensar uma escola onde muitos vivem com problemas que
podem se tornar soluções.Não é possível a escola continuar de costas para a
realidade e acreditar que apenas os conteúdos formais, aqueles encontrados nos
livros didáticos darão respostas aos desafios locais, regionais e globais.
O conceito de campo pode ser compreendido como o lugar ou o território e
envolve a relação do homem com a terra. Envolve a contradição e a luta dos
Movimentos Sociais revolucionários
Contra o latifúndio. É preciso “radicalizar” a noção de campo numa
perspectiva emancipatória.
• O campo é uma realidade que precisa ser compreendida em sua
singularidade e peculiaridade.
• A contradição campo/cidade é aparente.
• As escolas do campo precisam explicitar os conflitos e as tensões
decorrentes da construção de práticas educativas questionadoras da educação do
capital.
• As escolas precisam ver ouvir e intervir no contexto social, econômico e
cultural em que estão inseridas.
• Temas como sexualidade precisam estar presentes no currículo da
Educação do Campo.
• Os docentes das escolas do campo vivenciam uma situação de
precariedade nas condições de trabalho, mas são ativos e produzem formas de
resistência e de superação Dessas condições.
• A Educação do Campo deve se pautar pelo princípio da formação integral.
• O diálogo entre Movimentos Sociais e escola contribui para a construção,
de uma proposta, contra-hegemônica.
• A gestão das redes municipais se caracteriza, em muitos casos, como
autoritária.
• As classes multisseriadas podem ser ressignificadas e se constituírem uma
possibilidade positiva de organização da escola do campo. Para tanto, fazem-se
necessárias à formação continuada e a construção de metodologias.
• Os programas públicos são fatores importantes de mudança nas práticas
das escolas.
Princípios de educação no campo:
A Educação e o conhecimento universal devem ser garantidos como direitos
inalienáveis dos povos do campo;
• Que os povos do campo tenham acesso à educação pública gratuita e
universal em todos os níveis e modalidades no e do campo;
• O reconhecimento de que há especificidades no modo de vida, cultura e
organização social dos povos do campo:
• A Educação do campo deve ser construída a partir da diversidade dos
sujeitos do campo: comunidades negras rurais, quilombolas, boias frias, assalariados
rurais, posseiros, meeiros, arrendatários, acampados, assentados, reassentados
atingidos por barragens, agricultores familiares, povos das florestas, indígenas,
pescadores, ribeirinhos, entre outros;
• O povo do campo tem direito a uma escola do campo, política e
pedagogicamente vinculada à história, à cultura e as causas sociais e humanas dos
sujeitos do campo;
• O funcionamento e a organização da escola devem ser adequados aos
tempos e ao modo de vida dos sujeitos do campo;
• A escola do campo deve estar socialmente referenciada na vida e luta do
povo do campo
• Reconhecimento e incorporação das práticas pedagógicas construídas
dentro destes princípios, pelos movimentos sociais e outras organizações dos povos
do campo;
• Participação das comunidades do campo na construção de políticas
públicas, no projeto político pedagógico e nos currículos;
• A educação do campo é um processo de formação humana produzida em
diferentes espaços;
• A educação do campo está comprometida com um modelo de
desenvolvimento social, economicamente justo e ecologicamente sustentável.
De modo pró-ativo, sigamos nas sedas Martianas, vejamos outro libelo á
educação de seu tempo permanecendo incandescente para nossos dias.
Divorciar o homem da terra é um atentado monstruoso. E esse divórcio é
meramente escolástico. Ás aves, asas; aos peixes, nadadeiras; aos homens
que vivem da natureza, o conhecimento da natureza. Essas são as suas
asas... Que a educação elementar seja elementarmente cientifica, que ao
invés da historia de Josué, se ensine a da formação da terra
(RECK,2005p.39).
A educação escolar do campo precisa ser vinculado a outros espaços,
atividades educativas e com as outras ações originadas das políticas de
desenvolvimento do campo, como por exemplo, as experiências políticas e
produtivas das comunidades e as atividades de assistência técnica aos
agricultores.Todo projeto pedagógico de uma escola revela uma intencionalidade
que explicita o ser humano que se deseja formar.Desejamos que as escolas do
campo busquem a formação de sujeitos com valores que os estimulem a assumir
posturas responsáveis,criticas e criativas diante do mundo.Neste sentido é preciso
ter clareza de que a reorganização dos currículos e a reinvenção pedagógica nas
escolas do campo precisam desencadear um processo formativo que contribuam
também para a reflexão sobre os modos de produção agrícola existentes e para o
aprendizado e afirmação de um novo modo de produção pautado por uma matriz
cientifica e tecnológico comprometida com a segurança alimentar e com a
sustentabilidade e preservação do meio ambiente.
Nós, educadores precisamos recuperar esta dignidade que nos foi tirada
roubada silenciosamente. Precisamos nos indignar com as condições injustas,
impróprias das nossas condições de trabalho educando e dos familiares destes,
pois,se não lutarmos não nos organizarmos permaneceremos apenas nos
lamentando e esperando que alguém um dia intervenha para resolver os nossos
problemas, visão tão própria de uma propostas curricular, da qual o saber popular,
das comunidades camponesas tem sido vitimas, como nos demonstra Costa
(1999:pag,64):
(...) O currículo da Escola publica das classes populares tem sido um lugar de
dissipação dessas identidades, operando um distanciamento das origens
familiares, culturais borrando a identidade de classe, em nome do acesso a
uma identidade padrão classe média, ilustrada e meritocratica.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Durante muitos anos a agricultura em nosso país era de maneira hegemônica,
no campo da economia e da política, teorias que explicaram o processo de
desenvolvimento das nações a partir de seu crescimento econômico.
Esta concepção, denominada paradigma desenvolvimentista, orientou a
maioria dos países em suas políticas internas e externas com efeitos perversos
sobre os países subdesenvolvidos, a saber: a concentração da riqueza e a produção
da pobreza, dilema inconciliável do capitalismo a criação e o reforço às
desigualdades regionais e sociais; a apropriação privada de recursos da natureza e
a destruição do meio ambiente e todos os conflitos que este tipo de prática enseja
junto às comunidades que dependem destes recursos.
Durante o desenvolvimento das etapas do projeto e através da análise dos
relatórios ficou evidente que a maioria dos alunos participantes desconhecia os
princípios e as práticas de modelos sustentáveis de produção em atividades
agrícolas.
A elaboração e efetivação de trabalhos que tangem na educação ambiental
se tornam mais significativos e efetivos, se desenvolvidos diretamente com os
possíveis agentes sociais de mudança de uma realidade em questão, como ocorreu
no desenvolvimento deste projeto, o que se efetivou através de jovens rurais,
colabores diretos no cotidiano agrícola de suas famílias.
O método da pesquisa-ação revelou significante eficiência no
desenvolvimento de projetos educacionais, principalmente no âmbito da educação
ambiental, uma vez que, é necessário conhecer a realidade na qual pretende se
atuar antes de levar uma proposta de intervenção ou modificação de uma realidade.
Percebeu-se que o processo de construção de conhecimento utilizado durante o
desenvolvimento do projeto, no qual direcionou o sujeito a se debruçar e refletir
sobre sua prática e ação cotidiana são um método eficaz ao alcance da
aprendizagem significativa, que possivelmente pode se tornar precursora na
mudança da realidade ambiental e social de uma comunidade rural.
Observou-se que o espaço escolar é um ambiente favorável para a
realização programas de educação ambiental, e que podem envolver não somente
os alunos, mas uma interação entre estes e a comunidade; os autores julgam
representar um dos mais eficazes meios de disseminação de conhecimento
científico em um ambiente rural, pois implicam diretamente no cotidiano de uma
comunidade.
O grande desafio da Agricultura Sustentável se conforma em envolver
políticas públicas para que o tripé social-ambiental-econômico seja disseminado nas
diferentes formas de fazer agricultura, e especialmente que seja fortalecida a
agricultura familiar, a opção social de uso da terra que melhor se ajusta aos
preceitos da agricultura sustentável. O alcance destas medidas se constitui de uma
forma para a buscada reorganização social, conservação dos ecossistemas e da
biodiversidade.
REFERÊNCIAS
 AMARAL, Amadeu. O dialeto Caipira.São Paulo,HUCITEC, Secretaria da
Cultura ,Ciência e tecnologia,1976.Primeira Ed.Casa Ed.O livro,1920
Segunda Edição: Ed.Anhambi, 1955
 CALDART, R., PEREIRA, I. B., ALETEJANO, P., FRIGOTTO, G. (ORGS).
Dicionário de Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola
Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012
 HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as
revoluções de nosso tempo. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, v.22,
n.2, p.15-46, jul./dez. 1997.
 ARROYO, Miguel, CALDART, Roseli S. e MOLINA, Mônica C. (Orgs) Por uma
Educação do Campo. Petrópolis: Vozes, 2004.
 ANDRADE, M. R.; PIERRO, M. C.; MOLINA, M. C. (orgs.) A educação na
Reforma Agrária em perspectiva: uma avaliação do PRONERA. São Paulo,
SP/Brasília, DF: Ação Educativa/PRONERA, 2004.
 ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel; MARTINS, Aracy Alves. (orgs.) Educação
do Campo: desafios para a formação de professores. Belo Horizonte, MG:
Autêntica, 2009. (Coleção Caminhos da Educação do Campo, v. 1).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorimAula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Valeria Faria
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
Johnny Ribeiro
 
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Temas para TCC
 
Modelo proposta pedagogica 2018
Modelo proposta pedagogica 2018Modelo proposta pedagogica 2018
Modelo proposta pedagogica 2018
Gezilene Sousa
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
♥Marcinhatinelli♥
 
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA IIIPRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
UFMA e UEMA
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
O currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantilO currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantil
Carina
 
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTILBNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
Pedagoga Claudia Oliveira Andrade
 
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
Claudinei Gonçalves de Lima
 
Projeto eja cesar_ribeiro
Projeto eja cesar_ribeiroProjeto eja cesar_ribeiro
Projeto eja cesar_ribeiro
César Ribeiro
 
A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da Escola
Sued Oliveira
 
Celma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erikaCelma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erika
Fernando Pissuto
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
packarde2709
 
Rubens arguelho
Rubens arguelhoRubens arguelho
Rubens arguelho
Fernando Pissuto
 
Claudia eneida maria anita
Claudia eneida  maria anitaClaudia eneida  maria anita
Claudia eneida maria anita
Fernando Pissuto
 
Ana carla gisela
Ana carla giselaAna carla gisela
Ana carla gisela
Fernando Pissuto
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
Geuza Livramento
 
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Instituto Consciência GO
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
escolabeatriz
 

Mais procurados (20)

Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorimAula 01   inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
Aula 01 inclusão escolar-pontos e contrapontos - matoan-prieto-amorim
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
 
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
 
Modelo proposta pedagogica 2018
Modelo proposta pedagogica 2018Modelo proposta pedagogica 2018
Modelo proposta pedagogica 2018
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
 
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA IIIPRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
 
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de TaguatingaPPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
PPP 2014 - EC 29 de Taguatinga
 
O currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantilO currículo na educacão infantil
O currículo na educacão infantil
 
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTILBNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
 
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
A ESCOLA E SUA CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DE SUJEITOS: UM OLHAR A PARTIR DA NOV...
 
Projeto eja cesar_ribeiro
Projeto eja cesar_ribeiroProjeto eja cesar_ribeiro
Projeto eja cesar_ribeiro
 
A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da Escola
 
Celma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erikaCelma alessandra silva erika
Celma alessandra silva erika
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 
Rubens arguelho
Rubens arguelhoRubens arguelho
Rubens arguelho
 
Claudia eneida maria anita
Claudia eneida  maria anitaClaudia eneida  maria anita
Claudia eneida maria anita
 
Ana carla gisela
Ana carla giselaAna carla gisela
Ana carla gisela
 
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
2.1 curriculo educacao_infantil_zilma_moraes
 
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
 

Semelhante a Artigo4

A educação do Campo e a sua Legislação
A educação do Campo e a sua LegislaçãoA educação do Campo e a sua Legislação
A educação do Campo e a sua Legislação
Humberto Candido
 
Plano de Educação no Campo
Plano de Educação no CampoPlano de Educação no Campo
Plano de Educação no Campo
FETAEP
 
Educacao do campo - um olhar panoramico (1).pdf
Educacao do campo - um olhar panoramico (1).pdfEducacao do campo - um olhar panoramico (1).pdf
Educacao do campo - um olhar panoramico (1).pdf
Bonfim Queiroz Lima
 
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
arlete buchardt
 
Fichamento educação no campo pibid - quezia
Fichamento educação no campo   pibid - queziaFichamento educação no campo   pibid - quezia
Fichamento educação no campo pibid - quezia
pibidsociais
 
Artigo de Educação do Campo
Artigo de Educação do CampoArtigo de Educação do Campo
Artigo de Educação do Campo
Dudetistt
 
C+¦pia de artigo ed do campo.m+¦dulo
C+¦pia de artigo ed do campo.m+¦duloC+¦pia de artigo ed do campo.m+¦dulo
C+¦pia de artigo ed do campo.m+¦dulo
Dudetistt
 
Artigo Educação do campo
Artigo Educação do campoArtigo Educação do campo
Artigo Educação do campo
Dudetistt
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
Day Santos
 
Trilhas campesinas integrando vidas e saberes final
Trilhas campesinas   integrando vidas e saberes finalTrilhas campesinas   integrando vidas e saberes final
Trilhas campesinas integrando vidas e saberes final
Ketheley Freire
 
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocaretéLeitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Feab Campos Dos Goytacazes
 
Artigo acadêmico piaget e vigotsky
Artigo acadêmico   piaget e vigotskyArtigo acadêmico   piaget e vigotsky
Artigo acadêmico piaget e vigotsky
Gladis Maia
 
Monografia Robson Pedagogia 2011
Monografia Robson Pedagogia 2011Monografia Robson Pedagogia 2011
Monografia Robson Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
FUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdf
FUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdfFUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdf
FUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdf
RonilsonSantos20
 
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
bbetocosta77
 
Eixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículoEixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículo
Eunice Portela
 
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância  de denize monteiro de limaPráticas educativas em alternância  de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de lima
pastoraldaterra.ro
 
Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014
daguia
 
Docência nas Escolas do Campo: A Arte de Educar
Docência nas Escolas do Campo: A Arte de EducarDocência nas Escolas do Campo: A Arte de Educar
Docência nas Escolas do Campo: A Arte de Educar
Josedalva Farias Dos Santos
 
Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...
Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...
Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...
cerradounb
 

Semelhante a Artigo4 (20)

A educação do Campo e a sua Legislação
A educação do Campo e a sua LegislaçãoA educação do Campo e a sua Legislação
A educação do Campo e a sua Legislação
 
Plano de Educação no Campo
Plano de Educação no CampoPlano de Educação no Campo
Plano de Educação no Campo
 
Educacao do campo - um olhar panoramico (1).pdf
Educacao do campo - um olhar panoramico (1).pdfEducacao do campo - um olhar panoramico (1).pdf
Educacao do campo - um olhar panoramico (1).pdf
 
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
TRILHAS CAMPESINAS: Integrando vidas e saberes 2014
 
Fichamento educação no campo pibid - quezia
Fichamento educação no campo   pibid - queziaFichamento educação no campo   pibid - quezia
Fichamento educação no campo pibid - quezia
 
Artigo de Educação do Campo
Artigo de Educação do CampoArtigo de Educação do Campo
Artigo de Educação do Campo
 
C+¦pia de artigo ed do campo.m+¦dulo
C+¦pia de artigo ed do campo.m+¦duloC+¦pia de artigo ed do campo.m+¦dulo
C+¦pia de artigo ed do campo.m+¦dulo
 
Artigo Educação do campo
Artigo Educação do campoArtigo Educação do campo
Artigo Educação do campo
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 
Trilhas campesinas integrando vidas e saberes final
Trilhas campesinas   integrando vidas e saberes finalTrilhas campesinas   integrando vidas e saberes final
Trilhas campesinas integrando vidas e saberes final
 
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocaretéLeitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
 
Artigo acadêmico piaget e vigotsky
Artigo acadêmico   piaget e vigotskyArtigo acadêmico   piaget e vigotsky
Artigo acadêmico piaget e vigotsky
 
Monografia Robson Pedagogia 2011
Monografia Robson Pedagogia 2011Monografia Robson Pedagogia 2011
Monografia Robson Pedagogia 2011
 
FUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdf
FUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdfFUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdf
FUNDAMENTOS-E-POLÍTICAS-DA-EDUCAÇÃO-DO-CAMPO.pdf
 
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
Eixos estruturantes (fichas dinâmica)
 
Eixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículoEixos estruturantes e transversais do currículo
Eixos estruturantes e transversais do currículo
 
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância  de denize monteiro de limaPráticas educativas em alternância  de denize monteiro de lima
Práticas educativas em alternância de denize monteiro de lima
 
Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014Palestra CONAE/2014
Palestra CONAE/2014
 
Docência nas Escolas do Campo: A Arte de Educar
Docência nas Escolas do Campo: A Arte de EducarDocência nas Escolas do Campo: A Arte de Educar
Docência nas Escolas do Campo: A Arte de Educar
 
Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...
Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...
Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros,...
 

Mais de cefaprodematupa

Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
cefaprodematupa
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
cefaprodematupa
 
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOSA IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
cefaprodematupa
 
4
44
3
33
1
11
2
22
Palavrasmagicas
PalavrasmagicasPalavrasmagicas
Palavrasmagicas
cefaprodematupa
 
Prontp
ProntpProntp
Jornal (1)
Jornal (1)Jornal (1)
Jornal (1)
cefaprodematupa
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
cefaprodematupa
 
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
cefaprodematupa
 
O alfabeto em movimento
O alfabeto em movimentoO alfabeto em movimento
O alfabeto em movimento
cefaprodematupa
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
cefaprodematupa
 
Reciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzirReciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzir
cefaprodematupa
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
cefaprodematupa
 
Contagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantilContagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantil
cefaprodematupa
 
A avaliação docente
A avaliação docenteA avaliação docente
A avaliação docente
cefaprodematupa
 
4 mortalidade das micro
4   mortalidade das micro4   mortalidade das micro
4 mortalidade das micro
cefaprodematupa
 
1 administrador
1   administrador1   administrador
1 administrador
cefaprodematupa
 

Mais de cefaprodematupa (20)

Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOSA IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
 
4
44
4
 
3
33
3
 
1
11
1
 
2
22
2
 
Palavrasmagicas
PalavrasmagicasPalavrasmagicas
Palavrasmagicas
 
Prontp
ProntpProntp
Prontp
 
Jornal (1)
Jornal (1)Jornal (1)
Jornal (1)
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
 
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
 
O alfabeto em movimento
O alfabeto em movimentoO alfabeto em movimento
O alfabeto em movimento
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
 
Reciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzirReciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzir
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
 
Contagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantilContagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantil
 
A avaliação docente
A avaliação docenteA avaliação docente
A avaliação docente
 
4 mortalidade das micro
4   mortalidade das micro4   mortalidade das micro
4 mortalidade das micro
 
1 administrador
1   administrador1   administrador
1 administrador
 

Último

Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 

Último (20)

Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 

Artigo4

  • 1. PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO DO/NO CAMPO-UFMT Enice Lazaretti Miranda¹ Marcia Fabiana de Oliveira² Schaiane Pasquali Machado³ Solange Zarth Trabalho Socialmente Necessário Nova Guarita MT 2015
  • 2. Trabalho Socialmente Necessário Resumo “É apresentada uma reflexão um desafio atual de entendimento de reconstrução da educação no Campo que se baseia numa “nova epistemologia”, ou uma revalorização das epistemologias esquecidas silenciadas pelo poder hemogênico da chamada “ Civilização ocidental”, ou redescoberta das culturas locais e pluriversais que sofreram verdadeiros epistemicidios.Na escola em sua maioria, tradicional, nota-se que a maior ênfase esta voltada para: O ensino, a avaliação, metodologia, didática, organização, planejamento, eficiência e objetivos que mantém as classes sociais, uma cultura de reprodução, não enfrentando contradições tão presentes na vida dos camponeses e demais trabalhadores que vivem sob a égide do capitalismo, que só sobrevive da usurpação da mais valia, mantendo o rico cada vez mais rico e o pobre sempre mais empobrecido. Palavras-chave. Realidade. Necessidade. Vivências Abstract "It appears to reflect a current challenge of understanding the reconstruction of education in the field based on a" new epistemology ", or a revaluation of forgotten epistemologies silenced by hemogênico power called" Western Civilization ", or rediscovery of local cultures and that pluriversais suffered real epistemicidios.Na school mostly traditional, we note that the emphasis focused on this: The teaching, assessment, methodology, teaching, organizing, planning, and efficiency goals that maintains social classes, a culture of reproduction not facing contradictions so present in the lives of peasants and other workers who live under the umbrella of capitalism, which only survives the usurpation of the gain, keeping the rich richer and the poor ever more bereft. Keywords: Reality. Need. Experiences ¹ Graduando em Licenciatura Plena em Biologia da Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC Ead, contato: gilmar.biologia@hotmail.com. “A terra não pertence ao homem. É o homem que pertence a terra. Isto sabemos: todas as coisas estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a terra recairá sobre os filhos da terra. O homem não tramou o tecido da vida; ele é simplesmente um de seus fios. Tudo o que fizer ao tecido fará a si mesmo.” (cacique Seattie)
  • 3. INTRODUÇÃO O presente artigo traz uma reflexão acerca do constante crescimento relacionado aos problemas com a educação no campo pode-se observar, no cotidiano pedagógico, que os saberes das varias áreas relacionadas a educação no campo tratados de forma fragmentada e compartimentalizados em disciplinas dificultam a percepção de problemas e fenômenos da realidade, que cada, vez mais mostram-se pluridisciplinares, multidisciplinares, transdisciplinares,transversais, transnacionais e multidimensionais, globais e plantarios por representar o processo de produção e da existência humana em um contexto sociocultural, já que não se vive sozinho.Existe uma interdependência entre os seres humanos em todas as formas de suas atividades, uma vez que todas as necessidades humanas são atendidas,transformadas e efetivas a partir da organização e do estabelecimento de relação entre os seres humanos. Ora, se existem estas interdependências interdisciplinares que podem ser percebidas também de caráter independente como a área de educação no campo, uma vez que tem por objetivo investigar os trabalhos socialmente necessários, além de contribuir com o desenvolvimento tecnológico. Em função destas vivencias, compartilham de linguagens e representações semelhantes para sistematizar e socializar os conhecimentos produzidos nos processos inerentes de compreensão dos trabalhos socialmente necessários que são objetos de estudo desta área. Entretanto vale esclarecer que na educação no campo não deixa de ter suas especificidades que baliza os conhecimentos epistemológicos construídos e definidos a partir das relações humanas que as caracterizam, e o professor necessita de formações especificas para cada uma delas. Vista desta forma essa área do conhecimento tem como característica perceber a complexidade do processo de transformação da natureza e suas relações, desvelando as interçãos e retroações entre as partes e o todo entidades multidimensionais e os problemas essenciais, suas relações e, a partir desse pressuposto, desencadear procedimentos acadêmicos, pedagógicos que promovam ações coletivas, já que a sustentabilidade planetária só é possível com ações reflexivas, com posturas proativas em um mundo cada vez mais complexo.
  • 4. Um dos grandes desafios apresentados á escola, á educação é se envolver com os trabalhadores e trabalhadoras da terra; é comprometer-se com os movimentos sociais para pensar uma escola onde muitos vivem com problemas que podem se tornar soluções.Não é possível a escola continuar de costas para a realidade e acreditar que apenas os conteúdos formais, aqueles encontrados nos livros didáticos darão respostas aos desafios locais, regionais e globais. O conceito de campo pode ser compreendido como o lugar ou o território e envolve a relação do homem com a terra. Envolve a contradição e a luta dos Movimentos Sociais revolucionários Contra o latifúndio. É preciso “radicalizar” a noção de campo numa perspectiva emancipatória. • O campo é uma realidade que precisa ser compreendida em sua singularidade e peculiaridade. • A contradição campo/cidade é aparente. • As escolas do campo precisam explicitar os conflitos e as tensões decorrentes da construção de práticas educativas questionadoras da educação do capital. • As escolas precisam ver ouvir e intervir no contexto social, econômico e cultural em que estão inseridas. • Temas como sexualidade precisam estar presentes no currículo da Educação do Campo. • Os docentes das escolas do campo vivenciam uma situação de precariedade nas condições de trabalho, mas são ativos e produzem formas de resistência e de superação Dessas condições. • A Educação do Campo deve se pautar pelo princípio da formação integral. • O diálogo entre Movimentos Sociais e escola contribui para a construção, de uma proposta, contra-hegemônica. • A gestão das redes municipais se caracteriza, em muitos casos, como autoritária. • As classes multisseriadas podem ser ressignificadas e se constituírem uma possibilidade positiva de organização da escola do campo. Para tanto, fazem-se necessárias à formação continuada e a construção de metodologias. • Os programas públicos são fatores importantes de mudança nas práticas das escolas.
  • 5. Princípios de educação no campo: A Educação e o conhecimento universal devem ser garantidos como direitos inalienáveis dos povos do campo; • Que os povos do campo tenham acesso à educação pública gratuita e universal em todos os níveis e modalidades no e do campo; • O reconhecimento de que há especificidades no modo de vida, cultura e organização social dos povos do campo: • A Educação do campo deve ser construída a partir da diversidade dos sujeitos do campo: comunidades negras rurais, quilombolas, boias frias, assalariados rurais, posseiros, meeiros, arrendatários, acampados, assentados, reassentados atingidos por barragens, agricultores familiares, povos das florestas, indígenas, pescadores, ribeirinhos, entre outros; • O povo do campo tem direito a uma escola do campo, política e pedagogicamente vinculada à história, à cultura e as causas sociais e humanas dos sujeitos do campo; • O funcionamento e a organização da escola devem ser adequados aos tempos e ao modo de vida dos sujeitos do campo; • A escola do campo deve estar socialmente referenciada na vida e luta do povo do campo • Reconhecimento e incorporação das práticas pedagógicas construídas dentro destes princípios, pelos movimentos sociais e outras organizações dos povos do campo; • Participação das comunidades do campo na construção de políticas públicas, no projeto político pedagógico e nos currículos; • A educação do campo é um processo de formação humana produzida em diferentes espaços; • A educação do campo está comprometida com um modelo de desenvolvimento social, economicamente justo e ecologicamente sustentável. De modo pró-ativo, sigamos nas sedas Martianas, vejamos outro libelo á educação de seu tempo permanecendo incandescente para nossos dias. Divorciar o homem da terra é um atentado monstruoso. E esse divórcio é meramente escolástico. Ás aves, asas; aos peixes, nadadeiras; aos homens
  • 6. que vivem da natureza, o conhecimento da natureza. Essas são as suas asas... Que a educação elementar seja elementarmente cientifica, que ao invés da historia de Josué, se ensine a da formação da terra (RECK,2005p.39). A educação escolar do campo precisa ser vinculado a outros espaços, atividades educativas e com as outras ações originadas das políticas de desenvolvimento do campo, como por exemplo, as experiências políticas e produtivas das comunidades e as atividades de assistência técnica aos agricultores.Todo projeto pedagógico de uma escola revela uma intencionalidade que explicita o ser humano que se deseja formar.Desejamos que as escolas do campo busquem a formação de sujeitos com valores que os estimulem a assumir posturas responsáveis,criticas e criativas diante do mundo.Neste sentido é preciso ter clareza de que a reorganização dos currículos e a reinvenção pedagógica nas escolas do campo precisam desencadear um processo formativo que contribuam também para a reflexão sobre os modos de produção agrícola existentes e para o aprendizado e afirmação de um novo modo de produção pautado por uma matriz cientifica e tecnológico comprometida com a segurança alimentar e com a sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Nós, educadores precisamos recuperar esta dignidade que nos foi tirada roubada silenciosamente. Precisamos nos indignar com as condições injustas, impróprias das nossas condições de trabalho educando e dos familiares destes, pois,se não lutarmos não nos organizarmos permaneceremos apenas nos lamentando e esperando que alguém um dia intervenha para resolver os nossos problemas, visão tão própria de uma propostas curricular, da qual o saber popular, das comunidades camponesas tem sido vitimas, como nos demonstra Costa (1999:pag,64): (...) O currículo da Escola publica das classes populares tem sido um lugar de dissipação dessas identidades, operando um distanciamento das origens familiares, culturais borrando a identidade de classe, em nome do acesso a uma identidade padrão classe média, ilustrada e meritocratica.
  • 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante muitos anos a agricultura em nosso país era de maneira hegemônica, no campo da economia e da política, teorias que explicaram o processo de desenvolvimento das nações a partir de seu crescimento econômico. Esta concepção, denominada paradigma desenvolvimentista, orientou a maioria dos países em suas políticas internas e externas com efeitos perversos sobre os países subdesenvolvidos, a saber: a concentração da riqueza e a produção da pobreza, dilema inconciliável do capitalismo a criação e o reforço às desigualdades regionais e sociais; a apropriação privada de recursos da natureza e a destruição do meio ambiente e todos os conflitos que este tipo de prática enseja junto às comunidades que dependem destes recursos. Durante o desenvolvimento das etapas do projeto e através da análise dos relatórios ficou evidente que a maioria dos alunos participantes desconhecia os princípios e as práticas de modelos sustentáveis de produção em atividades agrícolas. A elaboração e efetivação de trabalhos que tangem na educação ambiental se tornam mais significativos e efetivos, se desenvolvidos diretamente com os possíveis agentes sociais de mudança de uma realidade em questão, como ocorreu no desenvolvimento deste projeto, o que se efetivou através de jovens rurais, colabores diretos no cotidiano agrícola de suas famílias. O método da pesquisa-ação revelou significante eficiência no desenvolvimento de projetos educacionais, principalmente no âmbito da educação ambiental, uma vez que, é necessário conhecer a realidade na qual pretende se atuar antes de levar uma proposta de intervenção ou modificação de uma realidade. Percebeu-se que o processo de construção de conhecimento utilizado durante o desenvolvimento do projeto, no qual direcionou o sujeito a se debruçar e refletir sobre sua prática e ação cotidiana são um método eficaz ao alcance da aprendizagem significativa, que possivelmente pode se tornar precursora na mudança da realidade ambiental e social de uma comunidade rural. Observou-se que o espaço escolar é um ambiente favorável para a realização programas de educação ambiental, e que podem envolver não somente os alunos, mas uma interação entre estes e a comunidade; os autores julgam representar um dos mais eficazes meios de disseminação de conhecimento científico em um ambiente rural, pois implicam diretamente no cotidiano de uma comunidade. O grande desafio da Agricultura Sustentável se conforma em envolver políticas públicas para que o tripé social-ambiental-econômico seja disseminado nas
  • 8. diferentes formas de fazer agricultura, e especialmente que seja fortalecida a agricultura familiar, a opção social de uso da terra que melhor se ajusta aos preceitos da agricultura sustentável. O alcance destas medidas se constitui de uma forma para a buscada reorganização social, conservação dos ecossistemas e da biodiversidade.
  • 9. REFERÊNCIAS  AMARAL, Amadeu. O dialeto Caipira.São Paulo,HUCITEC, Secretaria da Cultura ,Ciência e tecnologia,1976.Primeira Ed.Casa Ed.O livro,1920 Segunda Edição: Ed.Anhambi, 1955  CALDART, R., PEREIRA, I. B., ALETEJANO, P., FRIGOTTO, G. (ORGS). Dicionário de Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012  HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, v.22, n.2, p.15-46, jul./dez. 1997.  ARROYO, Miguel, CALDART, Roseli S. e MOLINA, Mônica C. (Orgs) Por uma Educação do Campo. Petrópolis: Vozes, 2004.  ANDRADE, M. R.; PIERRO, M. C.; MOLINA, M. C. (orgs.) A educação na Reforma Agrária em perspectiva: uma avaliação do PRONERA. São Paulo, SP/Brasília, DF: Ação Educativa/PRONERA, 2004.  ANTUNES-ROCHA, Maria Isabel; MARTINS, Aracy Alves. (orgs.) Educação do Campo: desafios para a formação de professores. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2009. (Coleção Caminhos da Educação do Campo, v. 1).