SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
O que é Dengue?
• Dengue é uma doença infecciosa aguda de
curta duração, de gravidade variável causada
por um vírus e transmitida pelo mosquito
Aedes aegypti infectado.
• As epidemias geralmente ocorrem no verão.
• Ocorre em áreas tropicais e subtropicais.
Quem é o agente transmissor
• O Aedes aegypti é o principal
vetor de Dengue no mundo.
• Entre outros vetores de menor
importância epidemiológica está o Aedes
albopictus, vetor de manutenção da
doença na Ásia, porém ainda não foi
registrada transmissão de Dengue nas
Américas, em áreas onde o Aedes
aegypti não estivesse presente.
Como eu fico doente?
• Através da picada do mosquito fêmea do
Aedes aegypti infectado.
• O vírus não se transmite a
partir de contato direto com
pessoa infectada.
• O mosquito adquiri o vírus
do homem.
Período de incubação da doença
• após a pessoa ter sido picada por um
mosquito infectado, ela apresenta
sintomas da doença depois de um
período que pode variar de 03 a 15 dias,
sendo em média de 05 a 06 dias
Período de transmissão
• Começa um dia antes do aparecimento
dos sintomas e vai até o 6° dia da
doença, período em que o vírus está
presente no sangue.
Sintomas
• febre intensa (38º c)
• dor de cabeça
• Dor no fundo dos olhos
• Dores nos músculos e articulações
• Vermelhidão pelo corpo
• Dores abdominais
• Pequenos sangramentos
• (gengivas, intestino, estomago
nariz...) em caso de Dengue hemorrágica
Tipos de Dengue
Clássica Hemorrágica
Dengue clássico
Dengue hemorrágico
Imunidade
Imunidade
A imunidade é permanente e duradoura
para o sorotipo que causou a infecção,
ou seja, os infectados , por exemplo pelo
sorotipo 1 são imunes em relação a este
para toda a vida.
Mas podem ser infectados por qualquer
um dos outros três sorotipos.
Como sei se estou com dengue?
 O diagnostico compreende exames
clínicos, exames laboratoriais e
investigação epidemiológica.
 Sorologia para Dengue
Tratamentos
• Ainda não existe vacina.
• Medicamentos apenas para tratamentos
sintomáticos.
• Lembre-se: Nunca tome AAS em caso de
suspeita de Dengue!
Alguns medicamentos que contém AAS
para combater o inimigo
temos que conhece-lo
Origem do Aedes aegypti
• É originário da África, tendo sido
introduzido no continente americano durante o
período de colonização.
• No Brasil sua existência é conhecida desde o
século XVII.
Ciclo do Mosquito
Dividido em 4 fases:
• Ovo
• Larva
• Pupa
• Adulto (forma alada-mosquito)
Ovo
• A fase de maior resistência é a do ovo, pois o
mesmo é resistente a dessecação por períodos
que variam de seis meses a um ano.
• Os ovos são depositados pelas fêmeas nas
paredes dos recipientes com água, fora do meio
líquido, próximo a linha dágua, ficando aderidos
à parede interna dos recipientes.
• O período para o desenvolvimento embrionário
dura, em condições favoráveis, de dois a três
dias.
Larva
Quanto tempo dura a fase larvária?
• a duração da fase larvária em condições de
temperatura entre 25°C e 29° é de cinco a
dez dias.
• As larvas de Aedes aegypti se desenvolvem na
água acumulada de recipientes artificiais,
localizados no interior das residências ou em
suas imediações, São providas de grande
mobilidade e alimentam-se de detritos
orgânicos, bactérias , fungos e protozoários
existentes na água.
Quando encontro larvas
o que eu faço?
PUPA
as pupas não se alimentam, apenas
respiram sendo dotadas de boa
mobilidade.
Adulto
Alimentação do mosquito adulto
• o mosquito adulto, tanto o macho quanto
a fêmea alimentam- se de néctar e sucos
vegetais, sendo que a fêmea , depois da
cópula, necessita de sangue para
maturação dos ovos. O tempo de vida
nesta fase gira em torno de 30 dias.
• A fêmea do mosquito só passa a
alimentar-se de sangue, para o
desenvolvimento de seus ovos. vídeo
Como evitar?
PRATO PARA PLANTA
Qualquer prato,
pingadeira ou
recipiente sob
vaso de xaxim com
planta que
apresente
condições de
acúmulo
de água
• Eliminar os pratos
• Utilizar pratos justa postos
• Emborcar os pratos sob os vasos
• Furar os pratos
• Eliminar a água acumulada nos pratos
depois de regar as plantas, escovar as
paredes externas dos vasos.
• Adicionar areia grossa até a borda dos
pratos
VASO DE PLANTA COM ÁGUA
Qualquer vaso ou
recipiente com planta
cultivada na água
ou com água acumulada
acima do nível da areia
ou da terra, ou vaso
com água para flores
• Colocar a planta em vaso com terra
• Trocar a água duas vezes por semana,
escovar a parede interna dos vasos e lavar
as raízes das plantas com água corrente.
• Floreiro: remover as flores, trocar a água
duas vezes por semana e lavar vaso.
• Plantas em água para criar raiz: vedar a
boca do caso com papel alumínio, algodão,
tecido ou trocar a a água duas vezes por
semana e lavar o vaso.
BEBEDOUROS
Recipiente de
qualquer tipo de
material e tamanho
utilizado para
animais (aves, cães,
gatos, coelhos,
cavalos ...).
• Lavar semanalmente os bebedouros com
bucha e sabão.
RALO PLUVIAL
Ralos ou canaletas
para escoamento de
água de chuva e/ou
drenagem de solo,
que possuam caixas
ou ponto de acúmulo
de água, localizadas
geralmente no
quintal.
RALO COMUM
Ralos com sifão
localizados
geralmente dentro
de casa, para
escoamento de água
servida para o
esgoto.
• Colocar água sanitária duas vezes por
semana.
• Telar ralos e canaletas.
CALHA / LAJE
Calhas ou lajes,
marquises com
acúmulo de água e/ou
em condições de
acumular água.
• Remover folhas das calhas
• Verificar se calha ou laje está entupida
• Retirar a água com rodo.
Todo local pode haver criadouros!
Ralos
Calhas
Recipientes expostos a chuva
Lajes
Reformas
Não só evite, cuide!!!
A Dengue é um problema de todos.
Não espere e comece a mudança a partir
de você!
Cuide, para que sua residência e o seu
local de trabalho seja um ambiente
saudável.
Respeite o próximo!
• Material retirado:
• Guia básico de Dengue (Sucen)
Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slaide sobre dengue e saneamento básico
Slaide sobre dengue  e saneamento básicoSlaide sobre dengue  e saneamento básico
Slaide sobre dengue e saneamento básico
 
Dst’s
Dst’sDst’s
Dst’s
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Aids
AidsAids
Aids
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
Dengue em Campinas
Dengue em CampinasDengue em Campinas
Dengue em Campinas
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
Dengue, Zika e Chicungunya
Dengue, Zika e ChicungunyaDengue, Zika e Chicungunya
Dengue, Zika e Chicungunya
 
HIV / AIDS
HIV / AIDSHIV / AIDS
HIV / AIDS
 
Doenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação HídricaDoenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação Hídrica
 
O Mosquito da dengue
O Mosquito da dengueO Mosquito da dengue
O Mosquito da dengue
 
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYADengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
 
Slides Dengue
Slides DengueSlides Dengue
Slides Dengue
 
Dengue fique por dentro
Dengue fique por dentroDengue fique por dentro
Dengue fique por dentro
 
Dst
DstDst
Dst
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalhoDoenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
 
DST
DSTDST
DST
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
 

Semelhante a Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt

Semelhante a Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt (20)

Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arbovirosesPalestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
Palestra Infantil Dengue.ppt sobre arboviroses
 
Apresentação-dengue.ppt
Apresentação-dengue.pptApresentação-dengue.ppt
Apresentação-dengue.ppt
 
Dengue II1ºC
Dengue II1ºCDengue II1ºC
Dengue II1ºC
 
Dengue p alestra
Dengue p alestraDengue p alestra
Dengue p alestra
 
O que-é-dengue
O que-é-dengueO que-é-dengue
O que-é-dengue
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Doenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitosDoenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitos
 
Oficina de slide
Oficina de slideOficina de slide
Oficina de slide
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
mosquito da Dengue
mosquito da Denguemosquito da Dengue
mosquito da Dengue
 
O que é dengue?
O que é dengue?O que é dengue?
O que é dengue?
 
Dengue - Precauções
Dengue - PrecauçõesDengue - Precauções
Dengue - Precauções
 
Vanderlimaria ativ5
Vanderlimaria ativ5Vanderlimaria ativ5
Vanderlimaria ativ5
 
Apresentacao dengue
Apresentacao dengueApresentacao dengue
Apresentacao dengue
 
Trabalho sobre a dengue marcos A
Trabalho sobre a dengue marcos ATrabalho sobre a dengue marcos A
Trabalho sobre a dengue marcos A
 
Trabalho sobre a dengue marcos
Trabalho sobre a dengue marcosTrabalho sobre a dengue marcos
Trabalho sobre a dengue marcos
 
Slide dengue 4° ano
Slide dengue 4° anoSlide dengue 4° ano
Slide dengue 4° ano
 
Elesciene turma 08
Elesciene   turma 08Elesciene   turma 08
Elesciene turma 08
 
Elesciene turma 08
Elesciene   turma 08Elesciene   turma 08
Elesciene turma 08
 

Último

avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 

Último (12)

avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 

Apresentação sobre arboviroses: Dengue.ppt

  • 1.
  • 2. O que é Dengue? • Dengue é uma doença infecciosa aguda de curta duração, de gravidade variável causada por um vírus e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti infectado. • As epidemias geralmente ocorrem no verão. • Ocorre em áreas tropicais e subtropicais.
  • 3. Quem é o agente transmissor • O Aedes aegypti é o principal vetor de Dengue no mundo. • Entre outros vetores de menor importância epidemiológica está o Aedes albopictus, vetor de manutenção da doença na Ásia, porém ainda não foi registrada transmissão de Dengue nas Américas, em áreas onde o Aedes aegypti não estivesse presente.
  • 4. Como eu fico doente? • Através da picada do mosquito fêmea do Aedes aegypti infectado. • O vírus não se transmite a partir de contato direto com pessoa infectada. • O mosquito adquiri o vírus do homem.
  • 5. Período de incubação da doença • após a pessoa ter sido picada por um mosquito infectado, ela apresenta sintomas da doença depois de um período que pode variar de 03 a 15 dias, sendo em média de 05 a 06 dias
  • 6. Período de transmissão • Começa um dia antes do aparecimento dos sintomas e vai até o 6° dia da doença, período em que o vírus está presente no sangue.
  • 7. Sintomas • febre intensa (38º c) • dor de cabeça • Dor no fundo dos olhos • Dores nos músculos e articulações • Vermelhidão pelo corpo • Dores abdominais • Pequenos sangramentos • (gengivas, intestino, estomago nariz...) em caso de Dengue hemorrágica
  • 12. Imunidade A imunidade é permanente e duradoura para o sorotipo que causou a infecção, ou seja, os infectados , por exemplo pelo sorotipo 1 são imunes em relação a este para toda a vida. Mas podem ser infectados por qualquer um dos outros três sorotipos.
  • 13. Como sei se estou com dengue?  O diagnostico compreende exames clínicos, exames laboratoriais e investigação epidemiológica.  Sorologia para Dengue
  • 14. Tratamentos • Ainda não existe vacina. • Medicamentos apenas para tratamentos sintomáticos. • Lembre-se: Nunca tome AAS em caso de suspeita de Dengue!
  • 15. Alguns medicamentos que contém AAS
  • 16. para combater o inimigo temos que conhece-lo
  • 17. Origem do Aedes aegypti • É originário da África, tendo sido introduzido no continente americano durante o período de colonização. • No Brasil sua existência é conhecida desde o século XVII.
  • 18. Ciclo do Mosquito Dividido em 4 fases: • Ovo • Larva • Pupa • Adulto (forma alada-mosquito)
  • 19.
  • 20. Ovo
  • 21. • A fase de maior resistência é a do ovo, pois o mesmo é resistente a dessecação por períodos que variam de seis meses a um ano. • Os ovos são depositados pelas fêmeas nas paredes dos recipientes com água, fora do meio líquido, próximo a linha dágua, ficando aderidos à parede interna dos recipientes. • O período para o desenvolvimento embrionário dura, em condições favoráveis, de dois a três dias.
  • 22. Larva
  • 23. Quanto tempo dura a fase larvária? • a duração da fase larvária em condições de temperatura entre 25°C e 29° é de cinco a dez dias. • As larvas de Aedes aegypti se desenvolvem na água acumulada de recipientes artificiais, localizados no interior das residências ou em suas imediações, São providas de grande mobilidade e alimentam-se de detritos orgânicos, bactérias , fungos e protozoários existentes na água.
  • 24. Quando encontro larvas o que eu faço?
  • 25. PUPA as pupas não se alimentam, apenas respiram sendo dotadas de boa mobilidade.
  • 27. Alimentação do mosquito adulto • o mosquito adulto, tanto o macho quanto a fêmea alimentam- se de néctar e sucos vegetais, sendo que a fêmea , depois da cópula, necessita de sangue para maturação dos ovos. O tempo de vida nesta fase gira em torno de 30 dias.
  • 28. • A fêmea do mosquito só passa a alimentar-se de sangue, para o desenvolvimento de seus ovos. vídeo
  • 30. PRATO PARA PLANTA Qualquer prato, pingadeira ou recipiente sob vaso de xaxim com planta que apresente condições de acúmulo de água
  • 31. • Eliminar os pratos • Utilizar pratos justa postos • Emborcar os pratos sob os vasos • Furar os pratos • Eliminar a água acumulada nos pratos depois de regar as plantas, escovar as paredes externas dos vasos. • Adicionar areia grossa até a borda dos pratos
  • 32. VASO DE PLANTA COM ÁGUA Qualquer vaso ou recipiente com planta cultivada na água ou com água acumulada acima do nível da areia ou da terra, ou vaso com água para flores
  • 33. • Colocar a planta em vaso com terra • Trocar a água duas vezes por semana, escovar a parede interna dos vasos e lavar as raízes das plantas com água corrente. • Floreiro: remover as flores, trocar a água duas vezes por semana e lavar vaso. • Plantas em água para criar raiz: vedar a boca do caso com papel alumínio, algodão, tecido ou trocar a a água duas vezes por semana e lavar o vaso.
  • 34. BEBEDOUROS Recipiente de qualquer tipo de material e tamanho utilizado para animais (aves, cães, gatos, coelhos, cavalos ...).
  • 35. • Lavar semanalmente os bebedouros com bucha e sabão.
  • 36. RALO PLUVIAL Ralos ou canaletas para escoamento de água de chuva e/ou drenagem de solo, que possuam caixas ou ponto de acúmulo de água, localizadas geralmente no quintal.
  • 37. RALO COMUM Ralos com sifão localizados geralmente dentro de casa, para escoamento de água servida para o esgoto.
  • 38. • Colocar água sanitária duas vezes por semana. • Telar ralos e canaletas.
  • 39. CALHA / LAJE Calhas ou lajes, marquises com acúmulo de água e/ou em condições de acumular água.
  • 40. • Remover folhas das calhas • Verificar se calha ou laje está entupida • Retirar a água com rodo.
  • 41.
  • 42. Todo local pode haver criadouros! Ralos Calhas Recipientes expostos a chuva Lajes Reformas Não só evite, cuide!!!
  • 43. A Dengue é um problema de todos. Não espere e comece a mudança a partir de você! Cuide, para que sua residência e o seu local de trabalho seja um ambiente saudável. Respeite o próximo!
  • 44. • Material retirado: • Guia básico de Dengue (Sucen)