SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO À
CRIANÇA
DIABETES TIPO I
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
“A educação em diabetes não é parte do tratamento, ela é o
próprio tratamento”.
Elliot Joslin
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
Objetivos desta apresentação:
• Apresentar as principais diretrizes para o cuidado do Diabetes
Mellitus Tipo I em crianças;
• Apresentar estratégias de educação em saúde no cuidado à criança
que vive com Diabetes Mellitus Tipo I.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
Introdução
• Diabetes Mellitus caracteriza-se por ser um grupo de distúrbios metabólicos
caracterizados por hiperglicemia, causados pela deficiência ou resistência à ação da
insulina.
Características Diabetes Tipo I Diabetes Tipo II
Idade
Mais frequente em crianças e
adultos jovens
Mais frequente em adultos maiores de
35 anos
Sintomas mais comuns
Perda de peso, excesso de sede,
excesso de urina, muita fome
Obesidade, alteração da visão,
dormência, formigamento em mãos e
pés
Tratamento
Alimentação saudável, exercícios e
insulina
Alimentação saudável, exercícios,
antidiabético oral e/ou insulina
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• Diabetes Mellitus (DM) é um distúrbio metabólico decorrente da deficiência na
produção de insulina e/ou na sua ação.
• Diabetes tipo I é uma doença autoimune, poligênica, decorrente da destruição das
células B pancreáticas, com deficiência completa na produção insulina. Subclassificada
em DM tipo IA e DM tipo IB
Introdução
DM tipo IA: deficiência de insulina por destruição autoimune, forte associação
como Antígeno Leucocitário Humano (HLA) DR3 e DR4 detectado
laboratorialmente.
DM tipo IB: causa idiopática, os anticorpos não são detectados laboratorialmente.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
● Distúrbios micro e macrovasculares que culminam em: retinopatias, neuropatias, nefropatias,
doenças coronariana, cerebrovascular e arterial periférica.
● O Diabetes pode contribuir para agravos direta ou indiretamente para doenças
musculoesqueléticas, doenças cognitivas, sistema digestório, saúde mental, além de ser
associado a alguns tipos de câncer.
● Estudo brasileiro, realizado no Rio de Janeiro, aponta risco de amputação de membros inferiores
13 vezes maior nas pessoas que vivem com Diabetes, quando comparado a população sem
Diabetes. A hipertensão é 2,4 vezes mais frequentes em pessoa com Diabetes, assim como é
aumentado o risco para Tuberculose. O risco para Hanseníase ainda não é bem elucidado, mas
recomenda-se o rastreio para Diabetes em pessoas com Hanseníase.
● O Diabetes aumenta a gravidade de algumas doenças como: Tuberculose, Mielioidose, infecção
pelo vírus da Dengue, por exemplo. Medicações usadas para o tratamento para o HIV podem
desencadear o Diabetes.
Complicações e Doenças Associadas
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
Hipótese Neoautoantígenos: aponta para estresse das células beta pancreática por excesso de
peso, deficiência nutricional, microbiota intestinal, exposição precoce ao glúten, estresse
psicológico poderiam produzir estresse nas cel. beta e, eventualmente causar falência dessa
célula. Se essa hipótese se confirmar, intervenções nesses fatores estressores poderiam ser
eficazes como forma de prevenção.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Prevenção
• A prevenção primária, no caso da Diabetes I não tem base racional aplicável a toda a
população, as proposições mais aceitáveis consiste em estimular o aleitamento
materno e evitar a introdução de leite de vaca nos 3 primeiros meses de vida.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• O diagnóstico da doença é precedido por alterações fisiológicas;
• A condição de pré-diabetes é definida como o momento em que os valores glicêmicos estão acima
dos valores de referência, mas abaixo do valor diagnóstico, nesse momento podemos considerar
que já está presente a resistência a insulina, mas que ainda é possível usar medidas de controle ou
eliminação de fatores que favorecem a instalação da doença em si.
Os exames utilizados para diagnóstico da Diabetes são:
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Diagnóstico
Glicemia em Jejum
• Deve ser realizado
com jejum de pelo
menos 8 horas,
utilizado para
diagnóstico.
Hemoglobina Glicada
• Reflete a glicemia dos últimos 3-4 meses,
medida indireta da glicemia logo pode
sofrer interferência de doenças como
hemoglobinopatias, uremias e anemias,
nesses casos é preferível fazer medição
de glicemia por dosagem glicêmica direta.
TOTG
• Avalia a glicemia
após sobrecarga que
pode ser a única
alteração detectável
no início da DM.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
Glicose em
jejum
(mg/dl)
Glicose 2h após
sobrecarga com 75g
de glicose ( mg/dl)
Glicose ao acaso
Hemoglobin
a Glicada
(%)
Observações
Normoglicemia <110 <140 --- <5,7
A Organização Mundial de
Saúde emprega o valor de
corte de 110 mg/dl como
normalidade para a glicemia
de jejum.
Pré-diabetes ou
risco aumentado
para DM
≤ 100 e
<126
≥ 140 e < 200 --- ≥ 5,7 e < 6,5
Positividade em qualquer um
dos exames confirma DM.
Diabetes
estabelecido
≥ 126 ≥ 200
≥ 200 com sintomas
inequívocos de
hiperglicemia:
polifagia, polidpsia,
perda de peso,
poliúria
≥ 6,5
Positividade em qualquer um
dos exames confirma DM.
Hemoglobina Glicada deve ser
o exame estabelecido. Na
ausência de hiperglicemia,
repetir testes
Fonte: adaptado de: Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Diagnóstico
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
Tratamento da Diabetes Mellitus Tipo I
Educação em
Diabetes e
Autocuidado
Monitoramento
Insulinoterapia
Atividade Física
Alimentação
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• O tratamento da DM tipo I depende da reposição da insulina;
• Para o tratamentos com insulina são estabelecidos “alvos glicêmicos” que devem ser
alcançados, antes e após as refeições (pré e pós prandiais);
• A definição de alvos glicêmicos deve ser individualizado de modo a evitar a
hipoglicemia e hiperglicemia.
A International Society for Pediatric and Adolescent Diabetes (ISPAD) recomenda os
seguintes alvos glicêmicos:
Glicemia pré-
prandial
Glicemia pós-
prandial
Glicemia ao deitar Glicemia da
Madrugada
HbA1c
Todas as idades 70 a 130 mg/dl 90 a 180 mg/dl 120 a 180 mg/dl 80 a 140 mg/dl <7,0
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Insulinoterapia
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• A insulinoterapia deve ser iniciada o mais rápido possível, logo após o diagnóstico.
• De 25 - 67% dos casos de DM1 em crianças é diagnosticado a partir de um quadro de
Cetoacidose Diabética, o tratamento da cetoacidose deve ser hospitalar.
• O tratamento deve ser baseado na insulinoterapia, monitoramento da glicemia,
alimentação, atividade física e educação em saúde para o paciente e familiares.
• Atentar para a faixa etária de lactentes e escolares, pois apresentam particulares no
suporte e manutenção do tratamento.
• É importante atentar para a sensibilização à insulina em crianças e adolescentes
relacionadas às mudanças no crescimento físico e maturidade sexual.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Insulinoterapia
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
Tipos de Insulina e Perfil de Ação
Ação Tipo de Insulina Início Pico da Ação Duração Efetiva
Ultra rápida
Lispro < 15 min 30 min a 1,5h 2h a 4h
Glulisina 5-10 min 30 a 90 min + ou - 5h
Aspart 5-10 min 1h a 3h 3h a 5h
Rápida Regular 30 min a 1h 2h a 3h 3h a 6h
Intermediária NPH 2h a 4h 4h a 10h 10h a 16h
Longa
Detemir 2h Dose dependente Dose dependente
Glargina 2h Não tem 24h
A insulina deve ser armazenada na prateleira da geladeira, longe dos locais onde pode ocorrer
congelamento e longe da porta.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• O tratamento da DM tem como meta a prevenção da complicação da doença através do controle
glicêmico e, consequentemente, a prevenção de lesões em órgãos-alvos.
• Exames para o monitoramento ou automonitorização:
-> Acompanhamento da Hemoglobina Glicada trimestral;
-> Automonitoração da glicemia capilar: o ideal é realizar 4 medições ao dia, em períodos pré-
prandiais.
• As medidas de glicemia pré-prandiais ajudam no ajuste da dose de insulina e na adequação do
consumo de carboidratos.
• A hipoglicemia é um evento comum de acontecer no processo de ajuste de insulina/aproximação
do nível normal da glicemia.
• Formas mais modernas de monitoramento facilitam o acompanhamento e o controle de
hipoglicemia ou hiperglicemia: monitorização contínua da glicemia e monitorização contínua em
flash: mede glicemia intersticial.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Monitoramento da Glicemia / Automonitorização
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• A alimentação é parte importante do tratamento, mas não deve ser orientada com uma
perspectiva “proibitiva”, já que deve a criança necessita de uma alimentação adequada
para seu desenvolvimento e crescimento.
• O objetivo do plano alimentar deve contemplar o equilíbrio entre o consumo de
carboidratos, proteínas e gorduras, além de se evitar açúcares refinados.
• Um plano alimentar associado à contagem de carboidratos ajuda na definição de uma
prescrição mais precisa no que diz respeito à dose de insulina.
Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Alimentação
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• Auxilia nos aspectos que envolvem a saúde mental, o controle metabólico e o bem estar
físico.
• Importante alertar ao paciente que o exercício físico não substitui o uso da insulina. O
paciente com diabetes tipo I somente irá se beneficiar da atividade física se estiver
adequadamente insulinizado, caso contrário sua glicemia aumentará ainda mais, com
atenção para a hipoglicemia, mesmo horas após à atividade física.
• Deve ser estimulado pelo menos 60 minutos de atividade física todos os dias, com
atenção para sinais de hipoglicemia.
• Para escolares as brincadeiras deve ser a fonte de atividade física, os cuidadores nesses
casos devem ficar atentos à hipoglicemia.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças
Atividade Física
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• Estratégias educativas engajadoras e viáveis apresentam maiores resultados e menor
custo ao longo do tempo.
• Não existe uma única estratégia educativa capaz de melhorar o autocuidado do jovem
com DM I e trazer resultados clínicos e psicossociais permanentes.
• A educação em saúde é parte fundamental do tratamento, crianças e adolescentes com
autonomia, autoconhecimento tem maiores chances de fazer escolhas melhores para a
sua saúde.
• A gamificação no processo de cuidar é uma estratégia de impacto para crianças e
adolescentes, visto é que uma forma de brincar e aprender ao mesmo tempo.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças
Educação em Saúde / Autocuidado
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• Estudos que discutem o impacto do videogame na educação da criança com DM I para uso de
insulina mostra que: adolescentes com ≥ 1 ano de DM I com idade de 11 a 18 anos de e
acesso ao jogo por 6 meses tem um maior conhecimento sobre os ajustes de doses de
insulina, por exemplo.
• Uso de fantoches também pode ser uma estratégia para a educação em saúde de crianças,
pois esse método permite maior engajamento e conversas significativas que permitem
identificar potencialidades e desafios no gerenciamento da doença.
• Técnica do Brinquedo Terapêutico: permite que a criança exteriorize experiências que tem
dificuldade de verbalizar, usa o brincar como forma de terapia, faz uso de uma metodologia
específica. O uso da brincadeira para que a criança consiga falar sobre sua experiência em ter
diabetes.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças
Educação em Saúde / Autocuidado
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
O QUE NÃO
FAZER...
• Ele não melhora porque não quer;
• Todo adolescente tem Hemoglobina Glicada alta;
• Isso é culpa da família que não cuida;
• Quem sabe quando tiver uma complicação ele(a)
aprende.
O QUE
FAZER!
• Promova o cuidado da pessoa;
• Busque resultados atingíveis;
• Sempre há o que melhorar;
• Seja o profissional que faz junto e
não para o paciente.
Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças
Educação em Saúde / Autocuidado
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
La Banca, Volkening, Laffel, 2019.
Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças
Pais delegam as crianças de 5 a 10 anos de idade com DM I a fazer suas
escolhas alimentares
Adolescentes de 11 a 14 anos passam a assumir mais atividades
relacionadas à monitorização glicêmica e insulinoterapia
Pais continuam responsáveis pelo cuidado em dias de doença.
Adolescentes de 15 a 18 anos assumem de 60 a 70% das tarefas de
insulinoterapia/monitorização mais comunicação e escolhas alimentares.
Responsabilidades
nas tarefas de
autocuidado no
DM tipo I
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
O adequado tratamento da Diabetes Tipo I envolve
alimentação, atividade física, insulinoterapia,
monitoramento e, principalmente, educação em diabetes e
autocuidado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
DIABETES TIPO I
• International Diabetes Federation. Diabetes Atlas. 9ª edição. 2019
• Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2019- 2020. Ed. Clannad.
2019.
• La Banca RO, Volkening LK, Laffel L. 1375-P: Acquisition of Self-Care in Youth with Type 1 Diabetes (T1D)
Varies by Age and Task. Diabetes, 2019 Jun; 68(Supplement)
Referências
ATENÇÃO À
CRIANÇA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 14 de agosto de 2021
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção à Criança
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
DIABETES TIPO I

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
joselene beatriz
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Cíntia Costa
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
Sérgio Franco - CDPI
 
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Isabellagr
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
guest30e4af
 
Sífilis Congênita
Sífilis CongênitaSífilis Congênita
Insulinoterapia
InsulinoterapiaInsulinoterapia
Insulinoterapia
Rodrigo Abreu
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
Nome Sobrenome
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
Eduarda P.
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
LUNATH
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Diabetes gestacional
Diabetes gestacionalDiabetes gestacional
Diabetes gestacional
Roberta Araujo
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
Testedopezinho
TestedopezinhoTestedopezinho
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Alexandre Donha
 

Mais procurados (20)

HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
 
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Sífilis Congênita
Sífilis CongênitaSífilis Congênita
Sífilis Congênita
 
Insulinoterapia
InsulinoterapiaInsulinoterapia
Insulinoterapia
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Diabetes gestacional
Diabetes gestacionalDiabetes gestacional
Diabetes gestacional
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Testedopezinho
TestedopezinhoTestedopezinho
Testedopezinho
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 

Semelhante a Diabetes Tipo 1

E-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesE-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - Diabetes
EuSaúde
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
BIBFJ
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
BIBFJ
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
Luciane Santana
 
Manual d diabetes
Manual d diabetesManual d diabetes
Manual d diabetes
barbiebruxadoleste
 
Dia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetesDia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetes
Maria José Ramalho
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
Luciane Santana
 
Vera_Atualizacao_terapeutica_DM
Vera_Atualizacao_terapeutica_DMVera_Atualizacao_terapeutica_DM
Vera_Atualizacao_terapeutica_DM
comunidadedepraticas
 
Bromatologia
BromatologiaBromatologia
Bromatologia
Renato Abdoral
 
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfvChanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
JeftacioMateus
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
Fátima Rocha
 
Dossier diabetes
Dossier diabetesDossier diabetes
Dossier diabetes
Catia Pais
 
Informe Chega de Diabetes
Informe Chega de DiabetesInforme Chega de Diabetes
Informe Chega de Diabetes
m4rc10siqueira
 
Síndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na InfânciaSíndrome Metabólica na Infância
Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes
Dr Chela
 
Chega de Diabetes - Norman Hook
 Chega de Diabetes - Norman Hook Chega de Diabetes - Norman Hook
Chega de Diabetes - Norman Hook
Maria Fernanda Castillo
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
Laboratório Sérgio Franco
 
Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
cipasap
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
projectopes
 
Folheto diabetes
Folheto diabetes Folheto diabetes
Folheto diabetes
Rodrigo Rodrigues
 

Semelhante a Diabetes Tipo 1 (20)

E-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - DiabetesE-book EuSaúde - Diabetes
E-book EuSaúde - Diabetes
 
Diadetes na criança
Diadetes na criançaDiadetes na criança
Diadetes na criança
 
Diabetes na criança
Diabetes na criançaDiabetes na criança
Diabetes na criança
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Manual d diabetes
Manual d diabetesManual d diabetes
Manual d diabetes
 
Dia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetesDia mundial da diabetes
Dia mundial da diabetes
 
Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)Diabetes mellitus (1)
Diabetes mellitus (1)
 
Vera_Atualizacao_terapeutica_DM
Vera_Atualizacao_terapeutica_DMVera_Atualizacao_terapeutica_DM
Vera_Atualizacao_terapeutica_DM
 
Bromatologia
BromatologiaBromatologia
Bromatologia
 
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfvChanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
Chanell Sildes 20233.pptxdjgvshvdhkfbdhkfbhfkdbfkhdbfkhvdfkhdvfdkhfvhdfv
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
 
Dossier diabetes
Dossier diabetesDossier diabetes
Dossier diabetes
 
Informe Chega de Diabetes
Informe Chega de DiabetesInforme Chega de Diabetes
Informe Chega de Diabetes
 
Síndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na InfânciaSíndrome Metabólica na Infância
Síndrome Metabólica na Infância
 
Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes Informe chega-de-diabetes
Informe chega-de-diabetes
 
Chega de Diabetes - Norman Hook
 Chega de Diabetes - Norman Hook Chega de Diabetes - Norman Hook
Chega de Diabetes - Norman Hook
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Convivendo com a Diabetes
Convivendo com a DiabetesConvivendo com a Diabetes
Convivendo com a Diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Folheto diabetes
Folheto diabetes Folheto diabetes
Folheto diabetes
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Diabetes Tipo 1

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I “A educação em diabetes não é parte do tratamento, ela é o próprio tratamento”. Elliot Joslin
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I Objetivos desta apresentação: • Apresentar as principais diretrizes para o cuidado do Diabetes Mellitus Tipo I em crianças; • Apresentar estratégias de educação em saúde no cuidado à criança que vive com Diabetes Mellitus Tipo I.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I Introdução • Diabetes Mellitus caracteriza-se por ser um grupo de distúrbios metabólicos caracterizados por hiperglicemia, causados pela deficiência ou resistência à ação da insulina. Características Diabetes Tipo I Diabetes Tipo II Idade Mais frequente em crianças e adultos jovens Mais frequente em adultos maiores de 35 anos Sintomas mais comuns Perda de peso, excesso de sede, excesso de urina, muita fome Obesidade, alteração da visão, dormência, formigamento em mãos e pés Tratamento Alimentação saudável, exercícios e insulina Alimentação saudável, exercícios, antidiabético oral e/ou insulina Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • Diabetes Mellitus (DM) é um distúrbio metabólico decorrente da deficiência na produção de insulina e/ou na sua ação. • Diabetes tipo I é uma doença autoimune, poligênica, decorrente da destruição das células B pancreáticas, com deficiência completa na produção insulina. Subclassificada em DM tipo IA e DM tipo IB Introdução DM tipo IA: deficiência de insulina por destruição autoimune, forte associação como Antígeno Leucocitário Humano (HLA) DR3 e DR4 detectado laboratorialmente. DM tipo IB: causa idiopática, os anticorpos não são detectados laboratorialmente. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I ● Distúrbios micro e macrovasculares que culminam em: retinopatias, neuropatias, nefropatias, doenças coronariana, cerebrovascular e arterial periférica. ● O Diabetes pode contribuir para agravos direta ou indiretamente para doenças musculoesqueléticas, doenças cognitivas, sistema digestório, saúde mental, além de ser associado a alguns tipos de câncer. ● Estudo brasileiro, realizado no Rio de Janeiro, aponta risco de amputação de membros inferiores 13 vezes maior nas pessoas que vivem com Diabetes, quando comparado a população sem Diabetes. A hipertensão é 2,4 vezes mais frequentes em pessoa com Diabetes, assim como é aumentado o risco para Tuberculose. O risco para Hanseníase ainda não é bem elucidado, mas recomenda-se o rastreio para Diabetes em pessoas com Hanseníase. ● O Diabetes aumenta a gravidade de algumas doenças como: Tuberculose, Mielioidose, infecção pelo vírus da Dengue, por exemplo. Medicações usadas para o tratamento para o HIV podem desencadear o Diabetes. Complicações e Doenças Associadas Soc. Brasileira de Diabetes, 2019.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I Hipótese Neoautoantígenos: aponta para estresse das células beta pancreática por excesso de peso, deficiência nutricional, microbiota intestinal, exposição precoce ao glúten, estresse psicológico poderiam produzir estresse nas cel. beta e, eventualmente causar falência dessa célula. Se essa hipótese se confirmar, intervenções nesses fatores estressores poderiam ser eficazes como forma de prevenção. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Prevenção • A prevenção primária, no caso da Diabetes I não tem base racional aplicável a toda a população, as proposições mais aceitáveis consiste em estimular o aleitamento materno e evitar a introdução de leite de vaca nos 3 primeiros meses de vida.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • O diagnóstico da doença é precedido por alterações fisiológicas; • A condição de pré-diabetes é definida como o momento em que os valores glicêmicos estão acima dos valores de referência, mas abaixo do valor diagnóstico, nesse momento podemos considerar que já está presente a resistência a insulina, mas que ainda é possível usar medidas de controle ou eliminação de fatores que favorecem a instalação da doença em si. Os exames utilizados para diagnóstico da Diabetes são: Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Diagnóstico Glicemia em Jejum • Deve ser realizado com jejum de pelo menos 8 horas, utilizado para diagnóstico. Hemoglobina Glicada • Reflete a glicemia dos últimos 3-4 meses, medida indireta da glicemia logo pode sofrer interferência de doenças como hemoglobinopatias, uremias e anemias, nesses casos é preferível fazer medição de glicemia por dosagem glicêmica direta. TOTG • Avalia a glicemia após sobrecarga que pode ser a única alteração detectável no início da DM.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I Glicose em jejum (mg/dl) Glicose 2h após sobrecarga com 75g de glicose ( mg/dl) Glicose ao acaso Hemoglobin a Glicada (%) Observações Normoglicemia <110 <140 --- <5,7 A Organização Mundial de Saúde emprega o valor de corte de 110 mg/dl como normalidade para a glicemia de jejum. Pré-diabetes ou risco aumentado para DM ≤ 100 e <126 ≥ 140 e < 200 --- ≥ 5,7 e < 6,5 Positividade em qualquer um dos exames confirma DM. Diabetes estabelecido ≥ 126 ≥ 200 ≥ 200 com sintomas inequívocos de hiperglicemia: polifagia, polidpsia, perda de peso, poliúria ≥ 6,5 Positividade em qualquer um dos exames confirma DM. Hemoglobina Glicada deve ser o exame estabelecido. Na ausência de hiperglicemia, repetir testes Fonte: adaptado de: Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Diagnóstico
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I Tratamento da Diabetes Mellitus Tipo I Educação em Diabetes e Autocuidado Monitoramento Insulinoterapia Atividade Física Alimentação
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • O tratamento da DM tipo I depende da reposição da insulina; • Para o tratamentos com insulina são estabelecidos “alvos glicêmicos” que devem ser alcançados, antes e após as refeições (pré e pós prandiais); • A definição de alvos glicêmicos deve ser individualizado de modo a evitar a hipoglicemia e hiperglicemia. A International Society for Pediatric and Adolescent Diabetes (ISPAD) recomenda os seguintes alvos glicêmicos: Glicemia pré- prandial Glicemia pós- prandial Glicemia ao deitar Glicemia da Madrugada HbA1c Todas as idades 70 a 130 mg/dl 90 a 180 mg/dl 120 a 180 mg/dl 80 a 140 mg/dl <7,0 Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Insulinoterapia
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • A insulinoterapia deve ser iniciada o mais rápido possível, logo após o diagnóstico. • De 25 - 67% dos casos de DM1 em crianças é diagnosticado a partir de um quadro de Cetoacidose Diabética, o tratamento da cetoacidose deve ser hospitalar. • O tratamento deve ser baseado na insulinoterapia, monitoramento da glicemia, alimentação, atividade física e educação em saúde para o paciente e familiares. • Atentar para a faixa etária de lactentes e escolares, pois apresentam particulares no suporte e manutenção do tratamento. • É importante atentar para a sensibilização à insulina em crianças e adolescentes relacionadas às mudanças no crescimento físico e maturidade sexual. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Insulinoterapia
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I Tipos de Insulina e Perfil de Ação Ação Tipo de Insulina Início Pico da Ação Duração Efetiva Ultra rápida Lispro < 15 min 30 min a 1,5h 2h a 4h Glulisina 5-10 min 30 a 90 min + ou - 5h Aspart 5-10 min 1h a 3h 3h a 5h Rápida Regular 30 min a 1h 2h a 3h 3h a 6h Intermediária NPH 2h a 4h 4h a 10h 10h a 16h Longa Detemir 2h Dose dependente Dose dependente Glargina 2h Não tem 24h A insulina deve ser armazenada na prateleira da geladeira, longe dos locais onde pode ocorrer congelamento e longe da porta.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • O tratamento da DM tem como meta a prevenção da complicação da doença através do controle glicêmico e, consequentemente, a prevenção de lesões em órgãos-alvos. • Exames para o monitoramento ou automonitorização: -> Acompanhamento da Hemoglobina Glicada trimestral; -> Automonitoração da glicemia capilar: o ideal é realizar 4 medições ao dia, em períodos pré- prandiais. • As medidas de glicemia pré-prandiais ajudam no ajuste da dose de insulina e na adequação do consumo de carboidratos. • A hipoglicemia é um evento comum de acontecer no processo de ajuste de insulina/aproximação do nível normal da glicemia. • Formas mais modernas de monitoramento facilitam o acompanhamento e o controle de hipoglicemia ou hiperglicemia: monitorização contínua da glicemia e monitorização contínua em flash: mede glicemia intersticial. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Monitoramento da Glicemia / Automonitorização
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • A alimentação é parte importante do tratamento, mas não deve ser orientada com uma perspectiva “proibitiva”, já que deve a criança necessita de uma alimentação adequada para seu desenvolvimento e crescimento. • O objetivo do plano alimentar deve contemplar o equilíbrio entre o consumo de carboidratos, proteínas e gorduras, além de se evitar açúcares refinados. • Um plano alimentar associado à contagem de carboidratos ajuda na definição de uma prescrição mais precisa no que diz respeito à dose de insulina. Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Alimentação
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • Auxilia nos aspectos que envolvem a saúde mental, o controle metabólico e o bem estar físico. • Importante alertar ao paciente que o exercício físico não substitui o uso da insulina. O paciente com diabetes tipo I somente irá se beneficiar da atividade física se estiver adequadamente insulinizado, caso contrário sua glicemia aumentará ainda mais, com atenção para a hipoglicemia, mesmo horas após à atividade física. • Deve ser estimulado pelo menos 60 minutos de atividade física todos os dias, com atenção para sinais de hipoglicemia. • Para escolares as brincadeiras deve ser a fonte de atividade física, os cuidadores nesses casos devem ficar atentos à hipoglicemia. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças Atividade Física
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • Estratégias educativas engajadoras e viáveis apresentam maiores resultados e menor custo ao longo do tempo. • Não existe uma única estratégia educativa capaz de melhorar o autocuidado do jovem com DM I e trazer resultados clínicos e psicossociais permanentes. • A educação em saúde é parte fundamental do tratamento, crianças e adolescentes com autonomia, autoconhecimento tem maiores chances de fazer escolhas melhores para a sua saúde. • A gamificação no processo de cuidar é uma estratégia de impacto para crianças e adolescentes, visto é que uma forma de brincar e aprender ao mesmo tempo. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças Educação em Saúde / Autocuidado
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • Estudos que discutem o impacto do videogame na educação da criança com DM I para uso de insulina mostra que: adolescentes com ≥ 1 ano de DM I com idade de 11 a 18 anos de e acesso ao jogo por 6 meses tem um maior conhecimento sobre os ajustes de doses de insulina, por exemplo. • Uso de fantoches também pode ser uma estratégia para a educação em saúde de crianças, pois esse método permite maior engajamento e conversas significativas que permitem identificar potencialidades e desafios no gerenciamento da doença. • Técnica do Brinquedo Terapêutico: permite que a criança exteriorize experiências que tem dificuldade de verbalizar, usa o brincar como forma de terapia, faz uso de uma metodologia específica. O uso da brincadeira para que a criança consiga falar sobre sua experiência em ter diabetes. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças Educação em Saúde / Autocuidado
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I O QUE NÃO FAZER... • Ele não melhora porque não quer; • Todo adolescente tem Hemoglobina Glicada alta; • Isso é culpa da família que não cuida; • Quem sabe quando tiver uma complicação ele(a) aprende. O QUE FAZER! • Promova o cuidado da pessoa; • Busque resultados atingíveis; • Sempre há o que melhorar; • Seja o profissional que faz junto e não para o paciente. Soc. Brasileira de Diabetes, 2019. Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças Educação em Saúde / Autocuidado
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I La Banca, Volkening, Laffel, 2019. Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo I em Crianças Pais delegam as crianças de 5 a 10 anos de idade com DM I a fazer suas escolhas alimentares Adolescentes de 11 a 14 anos passam a assumir mais atividades relacionadas à monitorização glicêmica e insulinoterapia Pais continuam responsáveis pelo cuidado em dias de doença. Adolescentes de 15 a 18 anos assumem de 60 a 70% das tarefas de insulinoterapia/monitorização mais comunicação e escolhas alimentares. Responsabilidades nas tarefas de autocuidado no DM tipo I
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I O adequado tratamento da Diabetes Tipo I envolve alimentação, atividade física, insulinoterapia, monitoramento e, principalmente, educação em diabetes e autocuidado.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br DIABETES TIPO I • International Diabetes Federation. Diabetes Atlas. 9ª edição. 2019 • Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2019- 2020. Ed. Clannad. 2019. • La Banca RO, Volkening LK, Laffel L. 1375-P: Acquisition of Self-Care in Youth with Type 1 Diabetes (T1D) Varies by Age and Task. Diabetes, 2019 Jun; 68(Supplement) Referências
  • 23. ATENÇÃO À CRIANÇA portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 14 de agosto de 2021 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção à Criança Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. DIABETES TIPO I