SlideShare uma empresa Scribd logo
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
1
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
2
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
3
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
4
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
5
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
6
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
7
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
8
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
9
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
10
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
11
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
12
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan
13
FENOMENOLOGIA DO HOMEM
- I -
A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM
(Homo somaticus) O corpo humano
– A expressão “homo somaticus”, hoje, é um tanto quanto rara;
Era, no entanto, comum nos tempos de São Paulo; dois
elementos eram distintos no homem: um psíquico, dizendo
respeito à alma, e outro somático, referente ao corpo.
– Nos valeremos da expressão (Homo somaticus) para
identificar a dimensão corpórea do homem.
– Propriedades do corpo humano:
O conhecimento que a ciência tem do corpo humano é ainda
muito limitado e imperfeito: “O volume de nossa ignorância
supera o de nossos conhecimentos”.
Todavia, o que já sabemos é mais que suficiente para deixar-
nos estupefatos e maravilhados.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 14
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 15
FENOMENOLOGIA DO HOMEM
A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM
Outro fato surpreendente diz respeito ao desenvolvimento do corpo
humano.
Enquanto o animal nasce, geralmente, com o corpo já perfeito,
inteiramente pré-fabricado, pelo qual torna-se independente desde os
primeiros dias, o homem nasce com um corpo que está ainda em fase de
estruturação.
Mas enquanto o corpo do animal não é mais capaz de desenvolver-se
ulteriormente de modo apreciável, o corpo humano é dotado de um
poder de desenvolvimento maravilhoso.
O homem não só é senhor de seu corpo como também graças a ele torna-
se senhor do mundo.
O elemento fisiológico que lhe permite atingir e também superar todas as
várias especializações dos animais é o cérebro. O cérebro aparece aqui
como fator de equilíbrio biológico.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 16
FENOMENOLOGIA DO HOMEM
A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM
Outro aspecto que caracteriza o corpo humano e o distingue nitidamente
de todos os outros animais é sua posição vertical.
A construção corpórea dá, porém, só a predisposição ao porte ereto:
ele não é um fato adquirido desde o nascimento.
A postura vertical e o porte ereto são, portanto, ato livre e consciente
do homem.
Ao contrário da posição horizontal, o porte ereto é sinal de vida, de saúde,
de vigília, de força. Por esse motivo a posição vertical assumiu importantes
conotações simbólicas. (edifícios: a torre de Babel, a torre Eiffel etc.
Os soberanos sobem ao trono. O céu, montes, árvores etc)
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 17
FENOMENOLOGIA DO HOMEM
A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM
Funções da corporeidade em geral:
A somaticidade é componente fundamental do existir; do viver;
do conhecer; do desejar, do fazer, do ter etc. Ou seja, o corpo é
elemento essencial do homem. Sem ele:
- não pode alimentar-se
- não pode reproduzir-se
- não pode aprender
- não pode comunicar
- não pode divertir-se.
É mediante o corpo que o homem é um ser social. Os fantasmas
assustam-nos justamente porque não têm corpo.
É mediante o corpo que o homem é um ser no mundo.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 18
FENOMENOLOGIA DO HOMEM
A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM
Entre essas funções, algumas têm grande importância para a compreensão
da natureza específica do ser humano: assim as funções de “mundanização”,
de individuação, de autocompreensão, de posse, e outras mais.
Função mundanizante
Uma das principais funções da somaticidade é a de “mundanizar”
o homem, isto é, de o fazer um ser-no-mundo. É por obra do corpo que
o homem faz parte do mundo; ele se reconhece constituído dos mesmos
elementos do mundo, sujeito às mesmas leis, por causa do seu corpo.
Como qualquer corpo, o nosso também se insere em uma situação espacial
bem definida e deve ocupar sempre determinada porção do espaço.
Sair do espaço significa abandonar o próprio corpo, desencarnar-se,
cessar de existir no mundo.
O meu corpo é aquilo para que e mediante o qual os objetos
existem.
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
Função epistemológica
A contribuição da somaticidade ao conhecimento (função
gnosiológica) é muito mais vasta e importante do que se admitia na
filosofia clássica.
A autoconsciência se cristaliza sempre na cinestesia: o sentimento
fundamental que nós possuímos do nosso ser, o qual se qualifica
sistematicamente mediante as condições e disposições somáticas:
sinto-me bem ou mal, confortável ou não, sereno ou preocupado etc.
Há situações em que apalpo o meu corpo para saber se estou bem.
Alto e baixo, na frente e atrás, direita e esquerda constituem, graças
ao corpo, totalidade orgânica. O meu corpo determina o centro do
universo...
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 19
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 20
Gnosiologia
ExplicaçõesExplicações
dos termosdos termos
16/08/14 21
GnoseologiaGnoseologia = Indaga das condições= Indaga das condições
do conhecimento pertinente aodo conhecimento pertinente ao
sujeito que conhece.sujeito que conhece.
OntologiaOntologia = indaga das condições ,= indaga das condições ,
segundo as quais algo torna-sesegundo as quais algo torna-se
objetoobjeto do conhecimento.do conhecimento.
MetafísicaMetafísica = indagações sobre a= indagações sobre a
estrutura e o significado doestrutura e o significado do serser emem
si e da vida.si e da vida.
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
ExplicaçõesExplicações
dos termosdos termos
(resumo)(resumo)
16/08/14 22
GnoseologiaGnoseologia = teoria do= teoria do
conhecimento.conhecimento.
OntologiaOntologia = refer-se à teoria= refer-se à teoria
dodo “ser”“ser”..
MetafísicaMetafísica = parte geral.= parte geral.
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
Ser, para o idealista, não é outra coisa senão = “ídéia”;
Ser, é “ser” pensado = atitude lógica
Ser, é “ser” percebido = atitude psicológica;
16/08/14 23
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
ONTOGNOSEOLOGIA:
16/08/14 24
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
ONTO
16/08/14 25
GNOSE
LOGIA
ser
conhecimento
estudo
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
ONTOGNOSEOLOGIA:
Teoria transcendental do conhecimento;
Correlação primordial entre Pensamento e
a Realidade;
Correlação entre o sujeito cognocente e
algo a conhecer.
16/08/14 26
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
Que é que se conhece?Que é que se conhece?
“Nós conhecemosconhecemos aquilo que elevamos ao
plano do pensamento, de maneira que só
há realidade como realidaderealidade espiritual”
(Reale, 2010, p.121)
16/08/14 27
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
Que é a realidade?Que é a realidade?
16/08/14 28
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
Que é que realidade?Que é que realidade?
“Situa-se no plano da Metafísica”
“Desdobra-se em Objetos”Objetos”
16/08/14 29
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
Objetos:Objetos:
16/08/14 30
Profº.Esp. Mário Correia -
FALS
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
Função econômica ou de posse
O corpo é antes de tudo necessário para possuir a existência.
Com o exercício da função de posse, nós temos a impressão que
ocorre uma dilatação do nosso corpo, da nossa dimensão somática.
Consideramos as coisas como possíveis prolongamentos do nosso
corpo...
A mão é órgão específico da função econômica como também da
mundanizante: é com ela que tomamos posse das coisas e também
moldamos e transformamos as coisas.
Na mão se atua sobretudo o movimento bivalente do homem para o
mundo e do mundo para o homem.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 31
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
Função ascética
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 32
Filósofos, moralistas, escritores de coisas espirituais têm sempre instituído
relação entre perfeição moral e espiritual, de uma parte, e uso do próprio
corpo de outra. Mas o fizeram de duas maneiras opostas.
Alguns (Platão, Plotino, Agostinho) pensaram que o corpo, com as suas
paixões, os seus instintos, as suas misérias e fraquezas constituía um
peso ou um laço para a alma e a impedia de ascender para o mundo do
espírito.
Outros (Aristóteles, Tomás), ao contrário, creram que o
corpo, enquanto constitutivo essencial do homem, seja
diretamente envolvido na sua perfeição: ela depende em
grande parte dos hábitos somáticos que uma pessoa
consegue atingir.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 33
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
A experiência cotidiana nos diz que o exercício de uma virtude, como a
prática de um vício, são em larga medida devidos aos hábitos que
conseguimos adquirir com o nosso corpo.
Função ascética
Não há, pois, nenhuma dúvida que corpo tem uma função
capital a desenvolver também em relação ao ascetismo e à
vida espiritual.
Por exemplo, os vícios do fumo e da bebida dependem essencialmente
de hábito somático.
Assim também é a prática da castidade, que para alguns parece tão
árdua e mesmo impossível: também essa é uma questão de hábito
somático.
Ascetismo: uma filosofia de vida na qual são refreados os prazeres
mundanos.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 34
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
Implicações onto-antropológicas
As principais implicações da análise da somaticidade são:
I. A importância capital de que a dimensão somática se reveste para o
homem: a somaticidade é uma componente essencial do ser do homem.
Sem a corporeidade o homem não é mais homem, porque não pode mais
realizar muitas atividades que são típicamente suas, como o sentir, o falar,
o cantar, o jogar, o trabalhar, etc.
II. Eu supero incessantemente o meu corpo: estou sempre além de mim
mesmo e, não obstante a pequenez da minha configuração corpórea,
consigo fazer minha a imensidão do universo.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 35
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
Implicações onto-antropológicas
III. Embora essencial ao homem e embora relativo do mistério profundo
que o homem traz em si mesmo (o corpo é a manifestação divina desse
mistério),
o corpo não é o homem. Eis as suas razões principais:
- mesmo perdendo uma parte do meu corpo, sinto-me ainda
substancialmente o mesmo;
- o corpo sem vida, ainda que permanecendo por algum tempo
substancialmente o mesmo, não é mais homem;
- a autoconsciência distingue nitidamente o nosso ser do nosso
corpo (Descartes);
- nas nossas atividades há um aspecto físico e um aspecto
psíquico;
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 3636
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
Implicações onto-antropológicas
IV. A profunda unidade do corpo. A alma move-se “de qualquer modo”
com o corpo; isso significa que o eu, como polo idêntico de todos os atos,
é onde o corpo é considerado como totalidade.
V. O corpo humano denota melhor que qualquer outra coisa o estado de
finitude, Contingência e indigência para que tende o ser humano, não só
pela necessidade de ser nutrido, protegido e defendido, mas também
pela sua própria estrutura.
“Somos bípedes e bímanos por causa de nossa indigência; temos
necessidade de explorar o mundo, conquistá-lo, dominá-lo.
VI. Além de ser indício e causa da nossa finitude e indigência, o corpo é
também motivo de ambiguidade e dissimulação.
Ele opõe sempre certa resistência ao espírito; não é apenas espírito e
Expressão do homem mas também o seu escondimento e
impenetrabilidade”.
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 37
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
Implicações onto-antropológicas
A somaticidade humana é efetivamente “fenômeno”, ou seja, manifestação
de alguma coisa que a ultrapassa; é símbolo de uma realidade mais
profunda, que a permeabiliza e transforma totalmente, à qual nós damos
o nome de alma.
É dessa realidade íntima e profunda que ela ao mesmo tempo esconde e
revela, que a somaticidade manifesta as condições e o estado definitivos.
É no corpo que lemos a bondade, a malícia, o prazer, a serenidade, a astúcia,
a preguiça, a luxúria, a avareza etc. de um homem.
16/08/14 38
Platão
Obra de Platão: Górgias:
virtude – o bem moral – o
destino da alma do além
16/08/14 39
16/08/14 40
16/08/14 41
16/08/14 42
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Antropologia e metafísica
In
O homem, quem é ele?: elementos de
antropologia filosófica
Battista Monfin,
11ª ed. – São Paulo: Paulus, 2003
16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 43
BONS ESTUDOS!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sartre Topicos
Sartre TopicosSartre Topicos
Sartre Topicos
c.e. benedicto
 
Sentido da Vida
Sentido da VidaSentido da Vida
Sentido da Vida
João Marcelo
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
Douglas Barraqui
 
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
Jorge Dutra
 
Soren kierkegaard: conceito de angústia
Soren kierkegaard: conceito de angústiaSoren kierkegaard: conceito de angústia
Soren kierkegaard: conceito de angústia
Hercules da Silva Xavier Ferreira
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
O que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o ExistencialismoO que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o Existencialismo
Bruno Carrasco
 
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
Victor França
 
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino MédioAula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Professor Liniker Santana
 
Etica e ciencia
Etica e cienciaEtica e ciencia
Saude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e EspiritualidadeSaude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e Espiritualidade
FABRICIO HENRIQUE ALVES DE OLIVEIRA E OLIVEIRA
 
Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
Douglas Gregorio
 
SOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe Assunção
SOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe AssunçãoSOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe Assunção
SOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
BandeiradeMello
 
Psicologia da edc.
Psicologia da edc.Psicologia da edc.
Psicologia da edc.
Regina Oliveira
 

Mais procurados (20)

Sartre Topicos
Sartre TopicosSartre Topicos
Sartre Topicos
 
Sentido da Vida
Sentido da VidaSentido da Vida
Sentido da Vida
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
 
Soren kierkegaard: conceito de angústia
Soren kierkegaard: conceito de angústiaSoren kierkegaard: conceito de angústia
Soren kierkegaard: conceito de angústia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
O que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o ExistencialismoO que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o Existencialismo
 
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
 
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino MédioAula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
 
Etica e ciencia
Etica e cienciaEtica e ciencia
Etica e ciencia
 
Saude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e EspiritualidadeSaude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e Espiritualidade
 
Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
 
SOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe Assunção
SOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe AssunçãoSOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe Assunção
SOPA DE PALAVRAS- CONCEITO DE TRABALHO- Prof. Noe Assunção
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
Psicologia da edc.
Psicologia da edc.Psicologia da edc.
Psicologia da edc.
 

Destaque

Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
Joao Balbi
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
paraiba1974
 
Antropologia filosofica
Antropologia filosoficaAntropologia filosofica
Antropologia filosofica
Agostinhofilho
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
Flávia De Mattos Motta
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
Arare Carvalho Júnior
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
Flávia De Mattos Motta
 
Vontade de poder e o ideal ascético rev.06- pós-entrega
Vontade de poder e o ideal ascético  rev.06- pós-entregaVontade de poder e o ideal ascético  rev.06- pós-entrega
Vontade de poder e o ideal ascético rev.06- pós-entrega
Geraldo Natanael
 
Entrevista com max weber
Entrevista com max weberEntrevista com max weber
Entrevista com max weber
karolayne souza
 
O ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva Canadense
O ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva CanadenseO ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva Canadense
O ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva Canadense
Carlos Nepomuceno (Nepô)
 
Bate Papo sobre a busca da Felicidade
Bate Papo sobre a busca da FelicidadeBate Papo sobre a busca da Felicidade
Bate Papo sobre a busca da Felicidade
Felipe Girão
 
Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)
Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)
Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)
Jonas Bach Jr.
 
Homo • faber
Homo • faberHomo • faber
Homo • faber
Silmara Vedoveli
 
Introdução à Antropologia
Introdução à AntropologiaIntrodução à Antropologia
Introdução à Antropologia
CursoDeFerias
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
Silas Bruno Mps
 
Capitulo i filosofia, epistemologia
Capitulo i  filosofia, epistemologiaCapitulo i  filosofia, epistemologia
Capitulo i filosofia, epistemologia
josemeyhuay
 
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor BrochardA moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
Jaimir Conte
 
Quadro de analise filosofando feito pelos pcn ps
Quadro de analise filosofando feito pelos pcn psQuadro de analise filosofando feito pelos pcn ps
Quadro de analise filosofando feito pelos pcn ps
Erica Frau
 
Antropologia filosófica
Antropologia filosóficaAntropologia filosófica
Antropologia filosófica
Marianlilian Cless
 
Capacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIEC
Capacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIECCapacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIEC
Capacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIEC
Felipe Girão
 
Aula1
Aula1Aula1

Destaque (20)

Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
Antropologia filosofica
Antropologia filosoficaAntropologia filosofica
Antropologia filosofica
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
Vontade de poder e o ideal ascético rev.06- pós-entrega
Vontade de poder e o ideal ascético  rev.06- pós-entregaVontade de poder e o ideal ascético  rev.06- pós-entrega
Vontade de poder e o ideal ascético rev.06- pós-entrega
 
Entrevista com max weber
Entrevista com max weberEntrevista com max weber
Entrevista com max weber
 
O ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva Canadense
O ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva CanadenseO ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva Canadense
O ramo brasileiro da Antropologia Cognitiva Canadense
 
Bate Papo sobre a busca da Felicidade
Bate Papo sobre a busca da FelicidadeBate Papo sobre a busca da Felicidade
Bate Papo sobre a busca da Felicidade
 
Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)
Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)
Antropologia Filosófica e Educação - Cap 3 a 5 (FL)
 
Homo • faber
Homo • faberHomo • faber
Homo • faber
 
Introdução à Antropologia
Introdução à AntropologiaIntrodução à Antropologia
Introdução à Antropologia
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
 
Capitulo i filosofia, epistemologia
Capitulo i  filosofia, epistemologiaCapitulo i  filosofia, epistemologia
Capitulo i filosofia, epistemologia
 
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor BrochardA moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
A moral antiga e a moral moderna, de Victor Brochard
 
Quadro de analise filosofando feito pelos pcn ps
Quadro de analise filosofando feito pelos pcn psQuadro de analise filosofando feito pelos pcn ps
Quadro de analise filosofando feito pelos pcn ps
 
Antropologia filosófica
Antropologia filosóficaAntropologia filosófica
Antropologia filosófica
 
Capacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIEC
Capacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIECCapacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIEC
Capacitacao em Marketing Digital, Midias Sociais e WhatsApp - PEIEX - FIEC
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 

Semelhante a Antropologia filosófica 2- homo somaticus

antropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdf
antropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdfantropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdf
antropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdf
Marcelo Filosofia
 
O ser humano segundo a antroposofia(2)
O ser humano segundo a antroposofia(2)O ser humano segundo a antroposofia(2)
O ser humano segundo a antroposofia(2)
Nina Veiga Atelier
 
filosofia da educação r2
 filosofia da educação r2 filosofia da educação r2
filosofia da educação r2
Silvana Mara
 
Espinosa_ corpo-mente.pdf
Espinosa_ corpo-mente.pdfEspinosa_ corpo-mente.pdf
Espinosa_ corpo-mente.pdf
MARCIOAPARECIDOFERRE1
 
Teorico 1
Teorico 1Teorico 1
Teorico 1
Lucelaine Lopes
 
Oriki ori
Oriki oriOriki ori
Oriki ori
Ifa Oloofa
 
02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf
02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf
02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf
Marcelo Filosofia
 
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaIx encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Cristina Maria de S Miranda
 
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a CulturaIntrodução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Diego Sampaio
 
Sexualidade e Desenvolvimento Humano
Sexualidade e Desenvolvimento HumanoSexualidade e Desenvolvimento Humano
Sexualidade e Desenvolvimento Humano
Eduardo Lucas Andrade
 
A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010 A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010
Incubadora de Negócios Unifacs
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Cynthia Castro
 
As concepções filosóficas acerca do corpo
As concepções filosóficas acerca do corpoAs concepções filosóficas acerca do corpo
As concepções filosóficas acerca do corpo
Fabrício Lp
 
Ida mara freire_22
Ida mara freire_22Ida mara freire_22
Ida mara freire_22
Sonia Borges
 
Apostila de estudos corporais segundo a mtc
Apostila de estudos corporais segundo a mtcApostila de estudos corporais segundo a mtc
Apostila de estudos corporais segundo a mtc
paroca6
 
Aborto 2010 - Abordagem jurídica
Aborto 2010 - Abordagem jurídicaAborto 2010 - Abordagem jurídica
Aborto 2010 - Abordagem jurídica
Seminario de Bioetica
 
psicomotricidade na educação fisica.pptx
psicomotricidade na educação fisica.pptxpsicomotricidade na educação fisica.pptx
psicomotricidade na educação fisica.pptx
EsequielGuedes
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a Meditação
João Siqueira da Mata
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Laura Reis
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 

Semelhante a Antropologia filosófica 2- homo somaticus (20)

antropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdf
antropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdfantropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdf
antropologiafilosfica-2-homosomaticus-140816044801-phpapp01.pdf
 
O ser humano segundo a antroposofia(2)
O ser humano segundo a antroposofia(2)O ser humano segundo a antroposofia(2)
O ser humano segundo a antroposofia(2)
 
filosofia da educação r2
 filosofia da educação r2 filosofia da educação r2
filosofia da educação r2
 
Espinosa_ corpo-mente.pdf
Espinosa_ corpo-mente.pdfEspinosa_ corpo-mente.pdf
Espinosa_ corpo-mente.pdf
 
Teorico 1
Teorico 1Teorico 1
Teorico 1
 
Oriki ori
Oriki oriOriki ori
Oriki ori
 
02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf
02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf
02-ohomemeacultura-140213120335-phpapp01.pdf
 
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogiaIx encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
Ix encontro de psicopedagogia psicomotricidade e psicopedagogia
 
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a CulturaIntrodução à Filosofia - O Homem e a Cultura
Introdução à Filosofia - O Homem e a Cultura
 
Sexualidade e Desenvolvimento Humano
Sexualidade e Desenvolvimento HumanoSexualidade e Desenvolvimento Humano
Sexualidade e Desenvolvimento Humano
 
A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010 A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
 
As concepções filosóficas acerca do corpo
As concepções filosóficas acerca do corpoAs concepções filosóficas acerca do corpo
As concepções filosóficas acerca do corpo
 
Ida mara freire_22
Ida mara freire_22Ida mara freire_22
Ida mara freire_22
 
Apostila de estudos corporais segundo a mtc
Apostila de estudos corporais segundo a mtcApostila de estudos corporais segundo a mtc
Apostila de estudos corporais segundo a mtc
 
Aborto 2010 - Abordagem jurídica
Aborto 2010 - Abordagem jurídicaAborto 2010 - Abordagem jurídica
Aborto 2010 - Abordagem jurídica
 
psicomotricidade na educação fisica.pptx
psicomotricidade na educação fisica.pptxpsicomotricidade na educação fisica.pptx
psicomotricidade na educação fisica.pptx
 
A Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a MeditaçãoA Arte de se relacionar e a Meditação
A Arte de se relacionar e a Meditação
 
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
Diário de leitura a descoberta da sexualidade infantil 08.12.15
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 

Antropologia filosófica 2- homo somaticus

  • 1. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 1
  • 2. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 2
  • 3. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 3
  • 4. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 4
  • 5. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 5
  • 6. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 6
  • 7. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 7
  • 8. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 8
  • 9. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 9
  • 10. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 10
  • 11. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 11
  • 12. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 12
  • 13. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 13
  • 14. FENOMENOLOGIA DO HOMEM - I - A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM (Homo somaticus) O corpo humano – A expressão “homo somaticus”, hoje, é um tanto quanto rara; Era, no entanto, comum nos tempos de São Paulo; dois elementos eram distintos no homem: um psíquico, dizendo respeito à alma, e outro somático, referente ao corpo. – Nos valeremos da expressão (Homo somaticus) para identificar a dimensão corpórea do homem. – Propriedades do corpo humano: O conhecimento que a ciência tem do corpo humano é ainda muito limitado e imperfeito: “O volume de nossa ignorância supera o de nossos conhecimentos”. Todavia, o que já sabemos é mais que suficiente para deixar- nos estupefatos e maravilhados. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 14
  • 15. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 15 FENOMENOLOGIA DO HOMEM A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM Outro fato surpreendente diz respeito ao desenvolvimento do corpo humano. Enquanto o animal nasce, geralmente, com o corpo já perfeito, inteiramente pré-fabricado, pelo qual torna-se independente desde os primeiros dias, o homem nasce com um corpo que está ainda em fase de estruturação. Mas enquanto o corpo do animal não é mais capaz de desenvolver-se ulteriormente de modo apreciável, o corpo humano é dotado de um poder de desenvolvimento maravilhoso. O homem não só é senhor de seu corpo como também graças a ele torna- se senhor do mundo. O elemento fisiológico que lhe permite atingir e também superar todas as várias especializações dos animais é o cérebro. O cérebro aparece aqui como fator de equilíbrio biológico.
  • 16. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 16 FENOMENOLOGIA DO HOMEM A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM Outro aspecto que caracteriza o corpo humano e o distingue nitidamente de todos os outros animais é sua posição vertical. A construção corpórea dá, porém, só a predisposição ao porte ereto: ele não é um fato adquirido desde o nascimento. A postura vertical e o porte ereto são, portanto, ato livre e consciente do homem. Ao contrário da posição horizontal, o porte ereto é sinal de vida, de saúde, de vigília, de força. Por esse motivo a posição vertical assumiu importantes conotações simbólicas. (edifícios: a torre de Babel, a torre Eiffel etc. Os soberanos sobem ao trono. O céu, montes, árvores etc)
  • 17. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 17 FENOMENOLOGIA DO HOMEM A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM Funções da corporeidade em geral: A somaticidade é componente fundamental do existir; do viver; do conhecer; do desejar, do fazer, do ter etc. Ou seja, o corpo é elemento essencial do homem. Sem ele: - não pode alimentar-se - não pode reproduzir-se - não pode aprender - não pode comunicar - não pode divertir-se. É mediante o corpo que o homem é um ser social. Os fantasmas assustam-nos justamente porque não têm corpo. É mediante o corpo que o homem é um ser no mundo.
  • 18. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 18 FENOMENOLOGIA DO HOMEM A DIMENSÃO CORPÓREA DO HOMEM Entre essas funções, algumas têm grande importância para a compreensão da natureza específica do ser humano: assim as funções de “mundanização”, de individuação, de autocompreensão, de posse, e outras mais. Função mundanizante Uma das principais funções da somaticidade é a de “mundanizar” o homem, isto é, de o fazer um ser-no-mundo. É por obra do corpo que o homem faz parte do mundo; ele se reconhece constituído dos mesmos elementos do mundo, sujeito às mesmas leis, por causa do seu corpo. Como qualquer corpo, o nosso também se insere em uma situação espacial bem definida e deve ocupar sempre determinada porção do espaço. Sair do espaço significa abandonar o próprio corpo, desencarnar-se, cessar de existir no mundo. O meu corpo é aquilo para que e mediante o qual os objetos existem.
  • 19. ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica Função epistemológica A contribuição da somaticidade ao conhecimento (função gnosiológica) é muito mais vasta e importante do que se admitia na filosofia clássica. A autoconsciência se cristaliza sempre na cinestesia: o sentimento fundamental que nós possuímos do nosso ser, o qual se qualifica sistematicamente mediante as condições e disposições somáticas: sinto-me bem ou mal, confortável ou não, sereno ou preocupado etc. Há situações em que apalpo o meu corpo para saber se estou bem. Alto e baixo, na frente e atrás, direita e esquerda constituem, graças ao corpo, totalidade orgânica. O meu corpo determina o centro do universo... 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 19
  • 20. ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 20 Gnosiologia
  • 21. ExplicaçõesExplicações dos termosdos termos 16/08/14 21 GnoseologiaGnoseologia = Indaga das condições= Indaga das condições do conhecimento pertinente aodo conhecimento pertinente ao sujeito que conhece.sujeito que conhece. OntologiaOntologia = indaga das condições ,= indaga das condições , segundo as quais algo torna-sesegundo as quais algo torna-se objetoobjeto do conhecimento.do conhecimento. MetafísicaMetafísica = indagações sobre a= indagações sobre a estrutura e o significado doestrutura e o significado do serser emem si e da vida.si e da vida. Profº.Esp. Mário Correia - FALS
  • 22. ExplicaçõesExplicações dos termosdos termos (resumo)(resumo) 16/08/14 22 GnoseologiaGnoseologia = teoria do= teoria do conhecimento.conhecimento. OntologiaOntologia = refer-se à teoria= refer-se à teoria dodo “ser”“ser”.. MetafísicaMetafísica = parte geral.= parte geral. Profº.Esp. Mário Correia - FALS
  • 23. Ser, para o idealista, não é outra coisa senão = “ídéia”; Ser, é “ser” pensado = atitude lógica Ser, é “ser” percebido = atitude psicológica; 16/08/14 23 Profº.Esp. Mário Correia - FALS
  • 26. ONTOGNOSEOLOGIA: Teoria transcendental do conhecimento; Correlação primordial entre Pensamento e a Realidade; Correlação entre o sujeito cognocente e algo a conhecer. 16/08/14 26 Profº.Esp. Mário Correia - FALS
  • 27. Que é que se conhece?Que é que se conhece? “Nós conhecemosconhecemos aquilo que elevamos ao plano do pensamento, de maneira que só há realidade como realidaderealidade espiritual” (Reale, 2010, p.121) 16/08/14 27 Profº.Esp. Mário Correia - FALS
  • 28. Que é a realidade?Que é a realidade? 16/08/14 28 Profº.Esp. Mário Correia - FALS
  • 29. Que é que realidade?Que é que realidade? “Situa-se no plano da Metafísica” “Desdobra-se em Objetos”Objetos” 16/08/14 29 Profº.Esp. Mário Correia - FALS
  • 31. ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica Função econômica ou de posse O corpo é antes de tudo necessário para possuir a existência. Com o exercício da função de posse, nós temos a impressão que ocorre uma dilatação do nosso corpo, da nossa dimensão somática. Consideramos as coisas como possíveis prolongamentos do nosso corpo... A mão é órgão específico da função econômica como também da mundanizante: é com ela que tomamos posse das coisas e também moldamos e transformamos as coisas. Na mão se atua sobretudo o movimento bivalente do homem para o mundo e do mundo para o homem. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 31
  • 32. ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica Função ascética 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 32 Filósofos, moralistas, escritores de coisas espirituais têm sempre instituído relação entre perfeição moral e espiritual, de uma parte, e uso do próprio corpo de outra. Mas o fizeram de duas maneiras opostas. Alguns (Platão, Plotino, Agostinho) pensaram que o corpo, com as suas paixões, os seus instintos, as suas misérias e fraquezas constituía um peso ou um laço para a alma e a impedia de ascender para o mundo do espírito. Outros (Aristóteles, Tomás), ao contrário, creram que o corpo, enquanto constitutivo essencial do homem, seja diretamente envolvido na sua perfeição: ela depende em grande parte dos hábitos somáticos que uma pessoa consegue atingir.
  • 33. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 33 ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica A experiência cotidiana nos diz que o exercício de uma virtude, como a prática de um vício, são em larga medida devidos aos hábitos que conseguimos adquirir com o nosso corpo. Função ascética Não há, pois, nenhuma dúvida que corpo tem uma função capital a desenvolver também em relação ao ascetismo e à vida espiritual. Por exemplo, os vícios do fumo e da bebida dependem essencialmente de hábito somático. Assim também é a prática da castidade, que para alguns parece tão árdua e mesmo impossível: também essa é uma questão de hábito somático. Ascetismo: uma filosofia de vida na qual são refreados os prazeres mundanos.
  • 34. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 34 ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica Implicações onto-antropológicas As principais implicações da análise da somaticidade são: I. A importância capital de que a dimensão somática se reveste para o homem: a somaticidade é uma componente essencial do ser do homem. Sem a corporeidade o homem não é mais homem, porque não pode mais realizar muitas atividades que são típicamente suas, como o sentir, o falar, o cantar, o jogar, o trabalhar, etc. II. Eu supero incessantemente o meu corpo: estou sempre além de mim mesmo e, não obstante a pequenez da minha configuração corpórea, consigo fazer minha a imensidão do universo.
  • 35. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 35 ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica Implicações onto-antropológicas III. Embora essencial ao homem e embora relativo do mistério profundo que o homem traz em si mesmo (o corpo é a manifestação divina desse mistério), o corpo não é o homem. Eis as suas razões principais: - mesmo perdendo uma parte do meu corpo, sinto-me ainda substancialmente o mesmo; - o corpo sem vida, ainda que permanecendo por algum tempo substancialmente o mesmo, não é mais homem; - a autoconsciência distingue nitidamente o nosso ser do nosso corpo (Descartes); - nas nossas atividades há um aspecto físico e um aspecto psíquico;
  • 36. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 3636 ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica Implicações onto-antropológicas IV. A profunda unidade do corpo. A alma move-se “de qualquer modo” com o corpo; isso significa que o eu, como polo idêntico de todos os atos, é onde o corpo é considerado como totalidade. V. O corpo humano denota melhor que qualquer outra coisa o estado de finitude, Contingência e indigência para que tende o ser humano, não só pela necessidade de ser nutrido, protegido e defendido, mas também pela sua própria estrutura. “Somos bípedes e bímanos por causa de nossa indigência; temos necessidade de explorar o mundo, conquistá-lo, dominá-lo. VI. Além de ser indício e causa da nossa finitude e indigência, o corpo é também motivo de ambiguidade e dissimulação. Ele opõe sempre certa resistência ao espírito; não é apenas espírito e Expressão do homem mas também o seu escondimento e impenetrabilidade”.
  • 37. 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 37 ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica Implicações onto-antropológicas A somaticidade humana é efetivamente “fenômeno”, ou seja, manifestação de alguma coisa que a ultrapassa; é símbolo de uma realidade mais profunda, que a permeabiliza e transforma totalmente, à qual nós damos o nome de alma. É dessa realidade íntima e profunda que ela ao mesmo tempo esconde e revela, que a somaticidade manifesta as condições e o estado definitivos. É no corpo que lemos a bondade, a malícia, o prazer, a serenidade, a astúcia, a preguiça, a luxúria, a avareza etc. de um homem.
  • 38. 16/08/14 38 Platão Obra de Platão: Górgias: virtude – o bem moral – o destino da alma do além
  • 43. ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Antropologia e metafísica In O homem, quem é ele?: elementos de antropologia filosófica Battista Monfin, 11ª ed. – São Paulo: Paulus, 2003 16/08/14 Profº. Esp. Mário Correia/José Ivan 43 BONS ESTUDOS!