SlideShare uma empresa Scribd logo
Fazendo Gênero 8Fazendo Gênero 8Fazendo Gênero 8Fazendo Gênero 8 ---- Corpo, Violência e PoderCorpo, Violência e PoderCorpo, Violência e PoderCorpo, Violência e Poder
Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008
O feminino e o sagrado na dança: um ensaio sobre a coragem de ser
Ida Mara Freire (UFSC)
Dança; Existência; Fenomenologia
ST 22 – Música e Dança: percepções sobre as práticas musicais e/ou de danças e suas
relações de gênero.
Jornadas
No princípio... a quietude, o silêncio e a simplicidade; vivenciar a quietude do
corpo, o silêncio da voz, e a simplicidade do pensamento.
A dança como jornada existencial é o tema deste ensaio. Em conversação com Paul Tillich
(1886-1965), demais autoras e as Mulheres que jornadearam sua existência em minha
companhia, descrevo esse processo criativo. O texto surge do projeto de pesquisa
intitulado “Interrogação e Intuição: corpo, diferença e arte na formação de professores”
(FREIRE, 2006). Nessa investigação propus um intento de dez jornadas que possibilitam a
criação da própria dança a quem as perscrutem até o fim. A experiência envolve o corpo, a
mente e o espírito; ou seja, a dança, a reflexão e a meditação. São dez encontros semanais
com a duração de aproximadamente 50-60 minutos. Durante o intervalo de uma semana
para a outra é proposto um conjunto de atividades criativas - por exemplo, escrita de um
diário, recorte e colagem, desenho, dentre outras - com intuito de elaborar o trabalho
corporal e preparar para a etapa seguinte. Trata-se de uma experiência lúdica, prazerosa e
profunda com vistas ao bem-estar proveniente do auto-conhecimento. Até o momento
foram aproximadamente 30 as participantes que fizeram as jornadas em dança.
Sumariamente apresento o conteúdo do processo que será descrito mais detidamente a
seguir. As cinco primeiras jornadas compreendem o momento de entrar no casulo, tecer
ao redor de si mesma e conhecer o espaço vital. Voltar ao começo, despertar os sentidos,
descobrir os movimentos e outras sensações, perceber o corpo como dádiva: a dança como
coragem de ser. Na sexta e na sétima jornadas busca-se redescobrir o sentido da vida,
2
recriar a própria existência: para isso é necessária a coragem de criar. Nas três últimas
jornadas entrelaçam-se o feminino e o sagrado, celebramos a existência em sua plenitude e
beleza: a liberdade do vôo exige a coragem de amar.
Dança enquanto jornada existencial: A coragem de Ser
A ação criadora investida na Primeira Jornada é conhecer o espaço vital.
Partimos da noção de kinesfera, definida por Rudolf Laban (1879-1958) como a esfera do
movimento ao redor do corpo É a esfera pessoal de movimento da qual nunca saímos, está
sempre conosco, como uma carcaça. A kinesfera externa tem relação com a pele A interna
tem relação com o esqueleto. A kinesfera média tem relação com os músculos. É gestual e
formal. William Forsythe, propõe a noção de múltiplas kinesferas em diferentes partes do
corpo, correspondendo a novos e diferentes centros do corpo (Rengel, 2000). O solo do
casulo propõe as participantes dançar numa esfera escura. Buscar em seu corpo os
registros, os traços gestuais, os fios existenciais e tecer com movimentos interligados,
formando um bela trama, um aconchegante casulo. Um lugar que irá acolher, proteger,
abrigar e transformar. Recomenda-se atentar para os fios, notar se são coloridos ou
transparentes, sentir a textura e a espessura de cada fio. Tecer e dançar ao redor de si
mesma.
Na Segunda Jornada a proposta está em reconhecer e vivenciar o movimento
filogenético e ontogenético, ou seja, voltar ao começo. Nosso corpo se move como nossa
mente se move. O desenvolvimento do movimento é trabalhado por Cohen (1997:4) tanto
em termos filogenéticos como ontogenéticos. O desenvolvimento, explicita a autora, não é
um processo linear, mas ocorre através de ondas sobrepostas, com estágios, contendo
elementos de todos os outros. Em virtude de cada estágio estabelecer e apoiar o seu
sucessivo, qualquer salto, interrupção ou falha para completar o estágio de
desenvolvimento pode alterar o movimento e alinhamento na percepção, seqüência,
organização, memória e criatividade. O desenvolvimento material inclui, além dos reflexos
positivos, reações ajustadas e equilibradas, o padrão neurológico básico que é pautado por
padrões de movimentos pré-vertebrados e vertebrados. O primeiro dos quatro padrões pré-
vertebrados é a respiração celular, seguida da irradiação umbilical para a boca e do
3
movimento pré-espinhal. Os doze padrões de movimentos vertebrados são baseados nos
movimentos espinhal, homólogo, homolateral e contralateral. O sistema esquelético,
formado por ossos e juntas, oferece ao nosso corpo a forma básica através da qual
podemos nos locomover no espaço. Por esse meio, a mente também se organiza,
promovendo suporte para nossos pensamentos.
Entrei no casulo – e é lindo – porque de fato, sinto-me cuidando deste
nascimento-existencial: quando teço o meu casulo, quando imprimo cores
e texturas diferentes, quando me aproximo deste local que cuida de mim
enquanto me transformo. Não quero ter pressa, aliás, quero sair dessa
lógica de que estou sempre atrasada, quero perceber, sentir e viver o
movimento com suas matizes e melodias quero o encontro que me leve
ao reencontro comigo – quero me tornar uma pessoa melhor... (Aquela
que Escuta – participante)
O tema da Terceira Jornada diz respeito aos sentidos do corpo: sentidos,
sentimentos e ação - percebo, sinto e ajo. O meticuloso exame que Cohen (1997) aplica a
nossa percepção mostra que é através de nossos sentidos que recebemos informações de
nosso ambiente interno (nós mesmos) e do nosso ambiente externo (os outros e o mundo).
Aprendizagem é o processo pelo qual variamos nossa resposta para essa informação
baseado no contexto de cada situação. O toque e o movimento são os primeiros sentidos a
se desenvolverem. Eles estabelecem a linha de base para a futura percepção através do
olfato, paladar, audição e visão. A boca é a primeira extremidade para segurar, soltar,
medir, alcançar e retirar. Ela marca a fundação para os movimentos de outras extremidades
(mãos, pés e cauda) e se desenvolve em relação aproximada com o nariz. O movimento da
cabeça é iniciado pela boca e pelo nariz, os movimentos abaixo da cabeça são iniciados
pelos ouvidos e olhos. O tônus auditivo e o tônus postural - a vibração e o movimento - são
registrado pelo ouvido e são intimamente relacionados. A visão é dependente de vários
sentidos, e por sua vez ajuda a integrar, formando padrões mais complexos. A percepção
pode ser explorada em termos de inter-relação de diferentes sentidos e sua relação com o
processo de desenvolvimento. Através da exploração do processo perceptivol, nós podemos
expandir nossas escolhas em respostas a nós mesmos, aos outros e ao mundo no qual
vivemos (COHEN, 1997, p. 6 e 7).
4
O contato com o mundo interior é a tarefa da Quarta Jornada. O contexto do
movimento autêntico (ADLER, 2002) ensina que a descrição de uma experiência é
distinta de uma fala sobre a experiência. Essa disciplina se dá em duas fases, relatadas a
seguir:
Fase A: Solicito que a dançarina escolha um espaço na sala. Feche os olhos com a
finalidade de expandir sua experiência de ouvir os níveis mais profundos de sua realidade
sinestésica. Sua tarefa é responder a uma sensação, um impulso interior, uma energia
vinda do inconsciente pessoal ou do inconsciente coletivo. A resposta para essa energia cria
movimento que pode ser visível ou invisível para o observador. À medida que o trabalho
se aprofunda, o movimento se torna mais organizado em padrões específicos, em partes
específicas do corpo, dentro de ritmo e formas espaciais. Assim como a função da
personalidade: mais emocional do que intuitiva, mais sensitiva que pensativa. Após cinco
minutos, a experiência será concluída, chamarei seu nome e solicitarei que abra os seus
olhos. Nós faremos um contato visual e a participante volta para o colchonete.
Fase B: Após se mover a participante pode: a) não falar e podemos ficar sentadas
em silêncio; b) pode falar de sua chegada aqui e agora, qual foi o caminho percorrido de
sua experiência original ao movimento; c) pode escolher encontrar palavras que são
nascidas momento por momento, do próprio movimento. Se tentar esse caminho,
recomendo que feche os olhos novamente; ao começar a descobrir palavras, que escolha
algumas, presentes entre outras, tal como foram descobertas, ou pertencentes ao
movimento quando estavam trabalhando no espaço. Mantendo o foco no interior e sentada
em seu colchonete, solicito que fale com o verbo no tempo presente. O presente relembra-
nos, prende-nos e encoraja-nos a permanecer no corpo, encarnadas, experiência em
movimento, guiando-a até essa se tornar palavra. Tente lembrar o que o seu corpo está
fazendo enquanto estava se movendo, e talvez a seqüência de movimento. Depois que
falar, o observador lhe dirá, como testemunha, o que viu o seu corpo fazendo, incluindo a
seqüência do seu movimento. Juntos articulam um mapa com nomes, lugares do corpo se
movimentando no tempo e no espaço. Esse mapa é solo, a terra, o terreno essencial pelo
qual as nossas experiências se tornam conhecidas.
Ao descrever o movimento, “Brisa do Mar” diz: “Eu sinto os joelhos,
flexiono os joelhos. Sinto os dedos dos pés. Mexo os quadris. Massageio a
bunda, articulo as escápulas. Sacudo as escápulas. Flexiono e relaxo. Eu
5
me abaixo. Sinto o meu corpo no chão. Eu me estendo e me encolho. Eu
sinto o contato da perna ... suporte. Apóio os olhos (faz o gesto das mãos
fechadas e punho apoiando os olhos) Sinto o cabelo (expressa
movimentando os cabelos) Sinto coceira no cabelo. Toda... Aí eu torço
para um lado, pro outro, flexionando os joelhos. Sinto a boca, começo a
babar. Faço careta. Gosto de fazer careta. Acompanho com o quadril.
Faço um som, movimento para frente, respiro, inspiro. Me abraço, me
elevo. Desabraço. Final. Vai abrindo o corpo.” Comentários: pergunto
como foi descrever o movimento no tempo presente. Responde: maior
conexão entre mente e corpo. É como repetir abstratamente. Falo que
notei que enquanto ela descrevia o próprio movimento ela fechava os
olhos e por várias vezes repetia o movimento juntamente com a fala. Ela
diz que ao fazer isso sentia mais a fluência do movimento, sentia-se
guiada, sentia o movimento, a sensação.
Na Quinta Jornada a ação criadora está em solicitar à dançarina que, em uma
diagonal, vivencie a sua existência, do nascimento a sua morte. Nesse processo examina-se
o tempo vivido como expressão e revelação criativa. Nesse momento ocorre uma profunda
desconstrução e uma busca de sentido existencial. “Zum”, após realizar sua diagonal,
comenta que vivenciou sentimentos de solidão, isolamento, sentiu que vivia como se a vida
fosse uma tarefa. “Zum” chora. Comento que a vida é um dom. Na fenomenologia de Paul
Tillich, a “coragem como um ato humano, como matéria de avaliação, é um conceito ético.
Coragem como auto-afirmação do ser de alguém é um conceito ontológico. A coragem do
ser é o ato ético no qual o homem afirma seu próprio ser a despeito daqueles elementos de
sua existência que entram em conflito com sua auto-afirmação essencial.” (1976:3).
Dançar a vida: a coragem de criar
A coragem é necessária para que a mulher possa ser e vir a ser. Para que o eu seja é
preciso afirmá-lo e comprometer-se. Essa é a diferença entre os seres humanos e os seres da
natureza. O psicanalista Rollo May, ao comentar a perspectiva ontológica da coragem em
Paul Tillich, exemplifica que o filhote transforma-se em gato por instinto. Nessa criatura,
natureza e ser são idênticos. Mas um homem ou uma mulher torna-se humano por vontade
própria e por seu compromisso com essa escolha. Os seres humanos conseguem valor e
dignidade pelas múltiplas decisões que tomam diariamente. Essas decisões exigem
coragem. Contudo, um tipo de coragem que não se expresse em desmandos de violência e
que não dependa de afirmar o poder egocêntrico sobre as outras pessoas, “mas uma nova
6
forma de coragem corporal: o uso do corpo, não para o desenvolvimento exagerado de
músculos, mas para o cultivo da sensibilidade”, sugere May (1982). Nas Sexta Jornada a
participante é convidada a elaborar a própria existência ao recriar a diagonal da vida.
Busca-se, nessa etapa, criar o movimento da memória para o gesto, de uma experiência de
vida específica para a imagem de um movimento formal: coreografar a história de vida
(Albright, 1997). Ao comentar esta jornada, “Zum” sentiu gratidão e leveza ao invés de
perceber a vida como uma tarefa árdua. Despertou...
Conhecer o corpo vivido, vivenciar o corpo emocional, reconhecer as próprias
expressões são os desafios da Sétima Jornada. Proposta a partir do Rasaboxes, um
treinamento psicofísico e um instrumento de composição para a performance criado por
Richard Schechner e desenvolvida por Michele Minnick (2003), que combina teorias
clássicas indianas de emoção e interpretação, pesquisas contemporâneas da psicologia,
neurociência e o princípio do teórico francês Antonin Artaud, que propõe que atores sejam
“atletas da emoção”. Rasa, que em Sânscrito significa “sabor”, no contexto da performance
se refere a oito emoções básicas, suas combinações e como as mesmas são saboreadas pelo
público. As boxes (caixas) são quadrados desenhados por linhas no chão, e cada caixa
contém uma Rasa. Através de improvisações estruturadas, o Rasaboxes oferece ao jogador
a possibilidade de pesquisar suas próprias expressões corporais a partir das Rasas básicas,
desenvolver sua habilidade de passar de uma Rasa para outra instantaneamente e de
combiná-las de forma a criar estados emocionais bastante complexos.
A dança como revelação: a coragem de amar
As experiências da Oitava Jornada se dão a partir da vinculação da dança com o
Sagrado ou seja, primeiramente conceber o corpo como templo, em segundo lugar
vivenciar a dança sagrada. Em terceiro lugar, dançar para transformar a existência. Essas
vivências levam para a Nona Jornada, quando a dançarina é convidada a percorrer o
caminho sagrado - bem descrito- na canção popular: “Tudo é uma questão de manter a
mente quieta, a espinha ereta e o coração tranqüilo.” Após caminhar no espaço sagrado;
meditar. Perceber assim a nossa kinesfera como nosso espaço sagrado. Isso é permitir que o
nosso feminino aflore, tornando-nos mais receptivas e mais aptas a magnetizar e a receber,
7
em estado silencioso (SAMS, 2000). Discernir com o auxílio de nossos sentidos qual é a
nossa verdade pessoal. E assim, criar a própria dança, que não se trata apenas de uma
expressão do ser e sim uma revelação do ser. Na Décima Jornada, ao narrar e dançar sua
história, a dançarina celebra a existência. Atenta-se para o belo presente no feminino e no
sagrado. Dançar a vida como experiência estética - a vida como obra de arte. Essa jornada
que leva ao centro de si é uma jornada que nos leva ao encontro do Outro e isso exige um
novo tipo de coragem: a de amar e ser amada.
Referências Bibliográficas
ADLER, Janet. Offering from the conscious body: the discipline of Authentic Movement.
Rochester: Inner Traditions. 2003
ALBRIGHT, Ann Cooper. Choreographing difference: the body and identity in
contemporary dance. New England: Wesleyan. 1997
COHEN, Bonnie Bainbridge. Sensing, Feeling and Action: the experiential anatomy of
body-mind centering. Northampton: Contact. 1997.
FREIRE, Ida Mara. Interrogação e Intuição: corpo, diferença e arte na formação de
professores. Projeto de Pesquisa. Florianópolis SC: UFSC/ CED. 2006.
LABAN, Rudolf. Danza Educativa moderna. Buenos Aires: Paidós. 1984.
MAY, Rollo. A coragem de criar. Trad. Aulyde Rodrigues. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira. 1982.
MINNICK, Michele Sheen. A dramaturgy of the flesh. Women e Performance, Issue 26,
13:2. 2003.
RENGEL, Lenira. Dicionário Laban. São Paulo: Annablume, 2003.
SAMS, Jamie. As cartas do caminho sagrado. Trad. Fábio Fernandes. Rio de Janeiro:
Rocco. 2000.
TILLICH, Paul. A coragem de ser. Trad. Eglê Malheiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
1976.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Guto Ovsky
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Tecnica da-mediunidade-5
Tecnica da-mediunidade-5Tecnica da-mediunidade-5
(7) os reinos de vida
(7) os reinos de vida(7) os reinos de vida
(7) os reinos de vida
Graciette Andrade
 
Espirito materia perispirito
Espirito materia perispiritoEspirito materia perispirito
Espirito materia perispirito
Marcel Jefferson Gonçalves
 
A Doutrina Secreta - Conceitos Básicos
A Doutrina Secreta  - Conceitos BásicosA Doutrina Secreta  - Conceitos Básicos
A Doutrina Secreta - Conceitos Básicos
André Ricardo Marcondes
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Cynthia Castro
 
Os três reinos
Os três reinosOs três reinos
Os três reinos
Fabiana Assis
 
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
O Homem, Deus e o Universo   Cap VIO Homem, Deus e o Universo   Cap VI
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
André Ricardo Marcondes
 
Devassando o perispirito
Devassando o perispiritoDevassando o perispirito
Devassando o perispirito
Jose Augusto Castro Chagas
 
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De RosaAula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Ação dos espíritos sobre os fluidos
Ação dos espíritos sobre os fluidosAção dos espíritos sobre os fluidos
Ação dos espíritos sobre os fluidos
Renato Assef
 
Os habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astralOs habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astral
Heitor Costa da Cruz
 
Reunião 33ª 11-02-2016
Reunião 33ª   11-02-2016Reunião 33ª   11-02-2016
Reunião 33ª 11-02-2016
Norberto Scavone Augusto
 
O homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a EvoluçãoO homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a Evolução
Ceile Bernardo
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Cynthia Castro
 
Eutonia e performance
Eutonia e performanceEutonia e performance
Eutonia e performance
Vera Cristina Marcellino
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
Graciette Andrade
 
Roteiro 1 espírito, matéria e fluidos
Roteiro 1   espírito, matéria e fluidosRoteiro 1   espírito, matéria e fluidos
Roteiro 1 espírito, matéria e fluidos
Joao Paulo
 

Mais procurados (20)

Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Tecnica da-mediunidade-5
Tecnica da-mediunidade-5Tecnica da-mediunidade-5
Tecnica da-mediunidade-5
 
(7) os reinos de vida
(7) os reinos de vida(7) os reinos de vida
(7) os reinos de vida
 
Espirito materia perispirito
Espirito materia perispiritoEspirito materia perispirito
Espirito materia perispirito
 
A Doutrina Secreta - Conceitos Básicos
A Doutrina Secreta  - Conceitos BásicosA Doutrina Secreta  - Conceitos Básicos
A Doutrina Secreta - Conceitos Básicos
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo III - Evolução do Corpo E...
 
Os três reinos
Os três reinosOs três reinos
Os três reinos
 
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
O Homem, Deus e o Universo   Cap VIO Homem, Deus e o Universo   Cap VI
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
 
Devassando o perispirito
Devassando o perispiritoDevassando o perispirito
Devassando o perispirito
 
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De RosaAula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
 
Ação dos espíritos sobre os fluidos
Ação dos espíritos sobre os fluidosAção dos espíritos sobre os fluidos
Ação dos espíritos sobre os fluidos
 
Os habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astralOs habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astral
 
Reunião 33ª 11-02-2016
Reunião 33ª   11-02-2016Reunião 33ª   11-02-2016
Reunião 33ª 11-02-2016
 
O homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a EvoluçãoO homem o Perispirito a Evolução
O homem o Perispirito a Evolução
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo II - Corpo Espiritual - 1...
 
Eutonia e performance
Eutonia e performanceEutonia e performance
Eutonia e performance
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Roteiro 1 espírito, matéria e fluidos
Roteiro 1   espírito, matéria e fluidosRoteiro 1   espírito, matéria e fluidos
Roteiro 1 espírito, matéria e fluidos
 

Semelhante a Ida mara freire_22

AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   PptAaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
Alcides Almeida
 
Corporeidade aula 1
Corporeidade   aula 1 Corporeidade   aula 1
Corporeidade aula 1
laiscarlini
 
Permitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana Almeida
Permitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana AlmeidaPermitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana Almeida
Permitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana Almeida
Escola de Biodanza Rio de Janeiro
 
O corpo na educação
O corpo na educaçãoO corpo na educação
O corpo na educação
Luciane Chumber
 
51 desdobramento animico (apometria)
51 desdobramento animico (apometria)51 desdobramento animico (apometria)
51 desdobramento animico (apometria)
Antonio SSantos
 
Apometria
ApometriaApometria
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana ÉramoDissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Universidade das Quebradas
 
Som movimento
Som movimentoSom movimento
Som movimento
VIROUCLIPTAQ
 
Oficio de Escriba
Oficio de EscribaOficio de Escriba
Oficio de Escriba
Lucia Freitas
 
Artigo improvisação
Artigo improvisaçãoArtigo improvisação
Artigo improvisação
ETECProfessores
 
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdfFronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
Contemplo Cia de Dança
 
A Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guia
A Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guiaA Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guia
A Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guia
BeatrizRi
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Cynthia Castro
 
A criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantilA criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantil
Maria Teixeira
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Cynthia Castro
 
TransPsicomotricidade 2017 - 17 anos
TransPsicomotricidade 2017 - 17 anosTransPsicomotricidade 2017 - 17 anos
TransPsicomotricidade 2017 - 17 anos
Eduardo Costa
 
Problema do ser e da dor, uma obra de l
Problema do ser e da dor, uma obra de  lProblema do ser e da dor, uma obra de  l
Problema do ser e da dor, uma obra de l
marcoscubaoficial
 
BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone...
 BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone... BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone...
BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone...
Escola de Biodanza Rio de Janeiro
 
Teorico 1
Teorico 1Teorico 1
Teorico 1
Lucelaine Lopes
 
A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010 A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010
Incubadora de Negócios Unifacs
 

Semelhante a Ida mara freire_22 (20)

AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   PptAaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
 
Corporeidade aula 1
Corporeidade   aula 1 Corporeidade   aula 1
Corporeidade aula 1
 
Permitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana Almeida
Permitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana AlmeidaPermitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana Almeida
Permitindo-se sentir: Construindo a Matriz de Renascimento | Por Eliana Almeida
 
O corpo na educação
O corpo na educaçãoO corpo na educação
O corpo na educação
 
51 desdobramento animico (apometria)
51 desdobramento animico (apometria)51 desdobramento animico (apometria)
51 desdobramento animico (apometria)
 
Apometria
ApometriaApometria
Apometria
 
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana ÉramoDissertação Mestrado – Fabiana Éramo
Dissertação Mestrado – Fabiana Éramo
 
Som movimento
Som movimentoSom movimento
Som movimento
 
Oficio de Escriba
Oficio de EscribaOficio de Escriba
Oficio de Escriba
 
Artigo improvisação
Artigo improvisaçãoArtigo improvisação
Artigo improvisação
 
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdfFronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
Fronteiras do Corpo [1999-2015].pdf
 
A Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guia
A Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guiaA Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guia
A Corporeidade aprendida com a Gravidez, o corpo de um pequeno como guia
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IV - Automatismo e Corpo ...
 
A criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantilA criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantil
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
 
TransPsicomotricidade 2017 - 17 anos
TransPsicomotricidade 2017 - 17 anosTransPsicomotricidade 2017 - 17 anos
TransPsicomotricidade 2017 - 17 anos
 
Problema do ser e da dor, uma obra de l
Problema do ser e da dor, uma obra de  lProblema do ser e da dor, uma obra de  l
Problema do ser e da dor, uma obra de l
 
BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone...
 BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone... BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone...
BIODANZA: O CORPO COMO MOVIMENTO, SENSIBILIDADE E EXPRESSÃO DE VIDA | Simone...
 
Teorico 1
Teorico 1Teorico 1
Teorico 1
 
A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010 A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 

Ida mara freire_22

  • 1. Fazendo Gênero 8Fazendo Gênero 8Fazendo Gênero 8Fazendo Gênero 8 ---- Corpo, Violência e PoderCorpo, Violência e PoderCorpo, Violência e PoderCorpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O feminino e o sagrado na dança: um ensaio sobre a coragem de ser Ida Mara Freire (UFSC) Dança; Existência; Fenomenologia ST 22 – Música e Dança: percepções sobre as práticas musicais e/ou de danças e suas relações de gênero. Jornadas No princípio... a quietude, o silêncio e a simplicidade; vivenciar a quietude do corpo, o silêncio da voz, e a simplicidade do pensamento. A dança como jornada existencial é o tema deste ensaio. Em conversação com Paul Tillich (1886-1965), demais autoras e as Mulheres que jornadearam sua existência em minha companhia, descrevo esse processo criativo. O texto surge do projeto de pesquisa intitulado “Interrogação e Intuição: corpo, diferença e arte na formação de professores” (FREIRE, 2006). Nessa investigação propus um intento de dez jornadas que possibilitam a criação da própria dança a quem as perscrutem até o fim. A experiência envolve o corpo, a mente e o espírito; ou seja, a dança, a reflexão e a meditação. São dez encontros semanais com a duração de aproximadamente 50-60 minutos. Durante o intervalo de uma semana para a outra é proposto um conjunto de atividades criativas - por exemplo, escrita de um diário, recorte e colagem, desenho, dentre outras - com intuito de elaborar o trabalho corporal e preparar para a etapa seguinte. Trata-se de uma experiência lúdica, prazerosa e profunda com vistas ao bem-estar proveniente do auto-conhecimento. Até o momento foram aproximadamente 30 as participantes que fizeram as jornadas em dança. Sumariamente apresento o conteúdo do processo que será descrito mais detidamente a seguir. As cinco primeiras jornadas compreendem o momento de entrar no casulo, tecer ao redor de si mesma e conhecer o espaço vital. Voltar ao começo, despertar os sentidos, descobrir os movimentos e outras sensações, perceber o corpo como dádiva: a dança como coragem de ser. Na sexta e na sétima jornadas busca-se redescobrir o sentido da vida,
  • 2. 2 recriar a própria existência: para isso é necessária a coragem de criar. Nas três últimas jornadas entrelaçam-se o feminino e o sagrado, celebramos a existência em sua plenitude e beleza: a liberdade do vôo exige a coragem de amar. Dança enquanto jornada existencial: A coragem de Ser A ação criadora investida na Primeira Jornada é conhecer o espaço vital. Partimos da noção de kinesfera, definida por Rudolf Laban (1879-1958) como a esfera do movimento ao redor do corpo É a esfera pessoal de movimento da qual nunca saímos, está sempre conosco, como uma carcaça. A kinesfera externa tem relação com a pele A interna tem relação com o esqueleto. A kinesfera média tem relação com os músculos. É gestual e formal. William Forsythe, propõe a noção de múltiplas kinesferas em diferentes partes do corpo, correspondendo a novos e diferentes centros do corpo (Rengel, 2000). O solo do casulo propõe as participantes dançar numa esfera escura. Buscar em seu corpo os registros, os traços gestuais, os fios existenciais e tecer com movimentos interligados, formando um bela trama, um aconchegante casulo. Um lugar que irá acolher, proteger, abrigar e transformar. Recomenda-se atentar para os fios, notar se são coloridos ou transparentes, sentir a textura e a espessura de cada fio. Tecer e dançar ao redor de si mesma. Na Segunda Jornada a proposta está em reconhecer e vivenciar o movimento filogenético e ontogenético, ou seja, voltar ao começo. Nosso corpo se move como nossa mente se move. O desenvolvimento do movimento é trabalhado por Cohen (1997:4) tanto em termos filogenéticos como ontogenéticos. O desenvolvimento, explicita a autora, não é um processo linear, mas ocorre através de ondas sobrepostas, com estágios, contendo elementos de todos os outros. Em virtude de cada estágio estabelecer e apoiar o seu sucessivo, qualquer salto, interrupção ou falha para completar o estágio de desenvolvimento pode alterar o movimento e alinhamento na percepção, seqüência, organização, memória e criatividade. O desenvolvimento material inclui, além dos reflexos positivos, reações ajustadas e equilibradas, o padrão neurológico básico que é pautado por padrões de movimentos pré-vertebrados e vertebrados. O primeiro dos quatro padrões pré- vertebrados é a respiração celular, seguida da irradiação umbilical para a boca e do
  • 3. 3 movimento pré-espinhal. Os doze padrões de movimentos vertebrados são baseados nos movimentos espinhal, homólogo, homolateral e contralateral. O sistema esquelético, formado por ossos e juntas, oferece ao nosso corpo a forma básica através da qual podemos nos locomover no espaço. Por esse meio, a mente também se organiza, promovendo suporte para nossos pensamentos. Entrei no casulo – e é lindo – porque de fato, sinto-me cuidando deste nascimento-existencial: quando teço o meu casulo, quando imprimo cores e texturas diferentes, quando me aproximo deste local que cuida de mim enquanto me transformo. Não quero ter pressa, aliás, quero sair dessa lógica de que estou sempre atrasada, quero perceber, sentir e viver o movimento com suas matizes e melodias quero o encontro que me leve ao reencontro comigo – quero me tornar uma pessoa melhor... (Aquela que Escuta – participante) O tema da Terceira Jornada diz respeito aos sentidos do corpo: sentidos, sentimentos e ação - percebo, sinto e ajo. O meticuloso exame que Cohen (1997) aplica a nossa percepção mostra que é através de nossos sentidos que recebemos informações de nosso ambiente interno (nós mesmos) e do nosso ambiente externo (os outros e o mundo). Aprendizagem é o processo pelo qual variamos nossa resposta para essa informação baseado no contexto de cada situação. O toque e o movimento são os primeiros sentidos a se desenvolverem. Eles estabelecem a linha de base para a futura percepção através do olfato, paladar, audição e visão. A boca é a primeira extremidade para segurar, soltar, medir, alcançar e retirar. Ela marca a fundação para os movimentos de outras extremidades (mãos, pés e cauda) e se desenvolve em relação aproximada com o nariz. O movimento da cabeça é iniciado pela boca e pelo nariz, os movimentos abaixo da cabeça são iniciados pelos ouvidos e olhos. O tônus auditivo e o tônus postural - a vibração e o movimento - são registrado pelo ouvido e são intimamente relacionados. A visão é dependente de vários sentidos, e por sua vez ajuda a integrar, formando padrões mais complexos. A percepção pode ser explorada em termos de inter-relação de diferentes sentidos e sua relação com o processo de desenvolvimento. Através da exploração do processo perceptivol, nós podemos expandir nossas escolhas em respostas a nós mesmos, aos outros e ao mundo no qual vivemos (COHEN, 1997, p. 6 e 7).
  • 4. 4 O contato com o mundo interior é a tarefa da Quarta Jornada. O contexto do movimento autêntico (ADLER, 2002) ensina que a descrição de uma experiência é distinta de uma fala sobre a experiência. Essa disciplina se dá em duas fases, relatadas a seguir: Fase A: Solicito que a dançarina escolha um espaço na sala. Feche os olhos com a finalidade de expandir sua experiência de ouvir os níveis mais profundos de sua realidade sinestésica. Sua tarefa é responder a uma sensação, um impulso interior, uma energia vinda do inconsciente pessoal ou do inconsciente coletivo. A resposta para essa energia cria movimento que pode ser visível ou invisível para o observador. À medida que o trabalho se aprofunda, o movimento se torna mais organizado em padrões específicos, em partes específicas do corpo, dentro de ritmo e formas espaciais. Assim como a função da personalidade: mais emocional do que intuitiva, mais sensitiva que pensativa. Após cinco minutos, a experiência será concluída, chamarei seu nome e solicitarei que abra os seus olhos. Nós faremos um contato visual e a participante volta para o colchonete. Fase B: Após se mover a participante pode: a) não falar e podemos ficar sentadas em silêncio; b) pode falar de sua chegada aqui e agora, qual foi o caminho percorrido de sua experiência original ao movimento; c) pode escolher encontrar palavras que são nascidas momento por momento, do próprio movimento. Se tentar esse caminho, recomendo que feche os olhos novamente; ao começar a descobrir palavras, que escolha algumas, presentes entre outras, tal como foram descobertas, ou pertencentes ao movimento quando estavam trabalhando no espaço. Mantendo o foco no interior e sentada em seu colchonete, solicito que fale com o verbo no tempo presente. O presente relembra- nos, prende-nos e encoraja-nos a permanecer no corpo, encarnadas, experiência em movimento, guiando-a até essa se tornar palavra. Tente lembrar o que o seu corpo está fazendo enquanto estava se movendo, e talvez a seqüência de movimento. Depois que falar, o observador lhe dirá, como testemunha, o que viu o seu corpo fazendo, incluindo a seqüência do seu movimento. Juntos articulam um mapa com nomes, lugares do corpo se movimentando no tempo e no espaço. Esse mapa é solo, a terra, o terreno essencial pelo qual as nossas experiências se tornam conhecidas. Ao descrever o movimento, “Brisa do Mar” diz: “Eu sinto os joelhos, flexiono os joelhos. Sinto os dedos dos pés. Mexo os quadris. Massageio a bunda, articulo as escápulas. Sacudo as escápulas. Flexiono e relaxo. Eu
  • 5. 5 me abaixo. Sinto o meu corpo no chão. Eu me estendo e me encolho. Eu sinto o contato da perna ... suporte. Apóio os olhos (faz o gesto das mãos fechadas e punho apoiando os olhos) Sinto o cabelo (expressa movimentando os cabelos) Sinto coceira no cabelo. Toda... Aí eu torço para um lado, pro outro, flexionando os joelhos. Sinto a boca, começo a babar. Faço careta. Gosto de fazer careta. Acompanho com o quadril. Faço um som, movimento para frente, respiro, inspiro. Me abraço, me elevo. Desabraço. Final. Vai abrindo o corpo.” Comentários: pergunto como foi descrever o movimento no tempo presente. Responde: maior conexão entre mente e corpo. É como repetir abstratamente. Falo que notei que enquanto ela descrevia o próprio movimento ela fechava os olhos e por várias vezes repetia o movimento juntamente com a fala. Ela diz que ao fazer isso sentia mais a fluência do movimento, sentia-se guiada, sentia o movimento, a sensação. Na Quinta Jornada a ação criadora está em solicitar à dançarina que, em uma diagonal, vivencie a sua existência, do nascimento a sua morte. Nesse processo examina-se o tempo vivido como expressão e revelação criativa. Nesse momento ocorre uma profunda desconstrução e uma busca de sentido existencial. “Zum”, após realizar sua diagonal, comenta que vivenciou sentimentos de solidão, isolamento, sentiu que vivia como se a vida fosse uma tarefa. “Zum” chora. Comento que a vida é um dom. Na fenomenologia de Paul Tillich, a “coragem como um ato humano, como matéria de avaliação, é um conceito ético. Coragem como auto-afirmação do ser de alguém é um conceito ontológico. A coragem do ser é o ato ético no qual o homem afirma seu próprio ser a despeito daqueles elementos de sua existência que entram em conflito com sua auto-afirmação essencial.” (1976:3). Dançar a vida: a coragem de criar A coragem é necessária para que a mulher possa ser e vir a ser. Para que o eu seja é preciso afirmá-lo e comprometer-se. Essa é a diferença entre os seres humanos e os seres da natureza. O psicanalista Rollo May, ao comentar a perspectiva ontológica da coragem em Paul Tillich, exemplifica que o filhote transforma-se em gato por instinto. Nessa criatura, natureza e ser são idênticos. Mas um homem ou uma mulher torna-se humano por vontade própria e por seu compromisso com essa escolha. Os seres humanos conseguem valor e dignidade pelas múltiplas decisões que tomam diariamente. Essas decisões exigem coragem. Contudo, um tipo de coragem que não se expresse em desmandos de violência e que não dependa de afirmar o poder egocêntrico sobre as outras pessoas, “mas uma nova
  • 6. 6 forma de coragem corporal: o uso do corpo, não para o desenvolvimento exagerado de músculos, mas para o cultivo da sensibilidade”, sugere May (1982). Nas Sexta Jornada a participante é convidada a elaborar a própria existência ao recriar a diagonal da vida. Busca-se, nessa etapa, criar o movimento da memória para o gesto, de uma experiência de vida específica para a imagem de um movimento formal: coreografar a história de vida (Albright, 1997). Ao comentar esta jornada, “Zum” sentiu gratidão e leveza ao invés de perceber a vida como uma tarefa árdua. Despertou... Conhecer o corpo vivido, vivenciar o corpo emocional, reconhecer as próprias expressões são os desafios da Sétima Jornada. Proposta a partir do Rasaboxes, um treinamento psicofísico e um instrumento de composição para a performance criado por Richard Schechner e desenvolvida por Michele Minnick (2003), que combina teorias clássicas indianas de emoção e interpretação, pesquisas contemporâneas da psicologia, neurociência e o princípio do teórico francês Antonin Artaud, que propõe que atores sejam “atletas da emoção”. Rasa, que em Sânscrito significa “sabor”, no contexto da performance se refere a oito emoções básicas, suas combinações e como as mesmas são saboreadas pelo público. As boxes (caixas) são quadrados desenhados por linhas no chão, e cada caixa contém uma Rasa. Através de improvisações estruturadas, o Rasaboxes oferece ao jogador a possibilidade de pesquisar suas próprias expressões corporais a partir das Rasas básicas, desenvolver sua habilidade de passar de uma Rasa para outra instantaneamente e de combiná-las de forma a criar estados emocionais bastante complexos. A dança como revelação: a coragem de amar As experiências da Oitava Jornada se dão a partir da vinculação da dança com o Sagrado ou seja, primeiramente conceber o corpo como templo, em segundo lugar vivenciar a dança sagrada. Em terceiro lugar, dançar para transformar a existência. Essas vivências levam para a Nona Jornada, quando a dançarina é convidada a percorrer o caminho sagrado - bem descrito- na canção popular: “Tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranqüilo.” Após caminhar no espaço sagrado; meditar. Perceber assim a nossa kinesfera como nosso espaço sagrado. Isso é permitir que o nosso feminino aflore, tornando-nos mais receptivas e mais aptas a magnetizar e a receber,
  • 7. 7 em estado silencioso (SAMS, 2000). Discernir com o auxílio de nossos sentidos qual é a nossa verdade pessoal. E assim, criar a própria dança, que não se trata apenas de uma expressão do ser e sim uma revelação do ser. Na Décima Jornada, ao narrar e dançar sua história, a dançarina celebra a existência. Atenta-se para o belo presente no feminino e no sagrado. Dançar a vida como experiência estética - a vida como obra de arte. Essa jornada que leva ao centro de si é uma jornada que nos leva ao encontro do Outro e isso exige um novo tipo de coragem: a de amar e ser amada. Referências Bibliográficas ADLER, Janet. Offering from the conscious body: the discipline of Authentic Movement. Rochester: Inner Traditions. 2003 ALBRIGHT, Ann Cooper. Choreographing difference: the body and identity in contemporary dance. New England: Wesleyan. 1997 COHEN, Bonnie Bainbridge. Sensing, Feeling and Action: the experiential anatomy of body-mind centering. Northampton: Contact. 1997. FREIRE, Ida Mara. Interrogação e Intuição: corpo, diferença e arte na formação de professores. Projeto de Pesquisa. Florianópolis SC: UFSC/ CED. 2006. LABAN, Rudolf. Danza Educativa moderna. Buenos Aires: Paidós. 1984. MAY, Rollo. A coragem de criar. Trad. Aulyde Rodrigues. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1982. MINNICK, Michele Sheen. A dramaturgy of the flesh. Women e Performance, Issue 26, 13:2. 2003. RENGEL, Lenira. Dicionário Laban. São Paulo: Annablume, 2003. SAMS, Jamie. As cartas do caminho sagrado. Trad. Fábio Fernandes. Rio de Janeiro: Rocco. 2000. TILLICH, Paul. A coragem de ser. Trad. Eglê Malheiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1976.