SlideShare uma empresa Scribd logo
Página 1 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
AMPLIAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DA
PREFEITURA MUNICIPAL DE AMPARO – SP
PROJETO BÁSICO
MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO
Página 2 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
ÍNDICE DAS PEÇAS ESCRITAS
1 - INTRODUÇÃO ................................................................................................................................... 4
2 - DADOS DE BASE.............................................................................................................................. 5
3 - INTERVENÇÕES PROPOSTAS ........................................................................................................ 6
3.1 - Captações superficiais ................................................................................................................. 6
3.2 - Captações subterrâneas .............................................................................................................. 6
3.3 - Estações de tratamento de Água (ETA 5).................................................................................... 7
3.3.1 - Tratamento dos lodos............................................................................................................. 7
3.3.2 - Nova ETA V a executar .......................................................................................................... 7
3.3.3 - Telemetria .............................................................................................................................. 8
3.4 - Reservação.................................................................................................................................. 8
3.5 - Adução......................................................................................................................................... 8
3.6 - Rede de abastecimento ............................................................................................................... 9
3.7 - Estações Elevatórias.................................................................................................................... 9
4 - PROJETOS BÁSICOS DAS PRINCIPAIS INTERVENÇÕES PROPOSTAS.....................................11
4.1 - Estação de Tratamento de Água ETA V......................................................................................11
4.1.1 - Vazão a Tratar...................................................................................................................... 11
4.1.2 - Origem de Água ................................................................................................................... 12
4.1.3 - Considerações Sobre a Água a Tratar.................................................................................. 12
4.1.4 - Qualidade da Água Tratada.................................................................................................. 13
4.1.5 - Caraterização Geral da ETA................................................................................................. 13
4.2 - Reservatórios..............................................................................................................................14
4.2.1 - Reservatório a Construir....................................................................................................... 14
4.2.2 - Arquitetura do Reservatório a Construir................................................................................ 14
5 - PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ..........................................................................................................16
Página 3 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
ÍNDICE DAS PEÇAS DESENHADAS
Desenho nº03 - Captação flutuante
Desenho nº04 - ETA 5. Planta geral
Desenho nº05 - ETA 5. Diagrama de fluxos
Desenho nº06 - ETA 5. Perfil hidráulico
Desenho nº15 - Reservatório V = 1000 m3
. Planta geral. Detalhes
Desenho nº16 - Reservatório V = 1000 m3
. Plantas e cortes
Desenho nº17 - Reservatório V = 1000 m3
. Detalhes
Desenho nº18 - Reservatório V = 1000 m3
. Fachadas
Página 4 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
1 - INTRODUÇÃO
O presente Projeto Básico diz respeito à ampliação do Sistema de Abastecimento de Água do Município
de Amparo, e abrange o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais que, por
definição, engloba um sistema de abastecimento de água.
O Projeto Básico que a seguir se apresenta foi desenvolvido com base nos seguintes elementos:
1 Situações analisadas e indicações resultantes de reuniões com a SAAE- Serviço Autônomo de Água
e Esgoto de Amparo;
2 Reconhecimento de campo sobre as infraestruturas existentes;
3 Outros dados recolhidos com interesse para o presente projeto.
Página 5 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
2 - DADOS DE BASE
Amparo possui atualmente 65.836 habitantes (IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,
2010), sendo que deste total, 51.818 residem na área urbana e 14.018 na área rural. Com base nestes
dados e considerando a área total do município de 446 Km², tem-se uma densidade demográfica de
147,6 hab./Km².
A abrangência do sistema atual de abastecimento de água engloba praticamente toda a área urbana,
incluindo os distritos de Arcadas e Três Pontes, beneficiando uma população de 50.537 habitantes, o
que representa um índice de cobertura total do município de 77%, embora esse atendimento nem
sempre seja feito nas melhores condições de quantidade e qualidade desejáveis.
Página 6 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
3 - INTERVENÇÕES PROPOSTAS
3.1 - Captações superficiais
Para garantir a adução de água bruta à nova ETA V a executar no âmbito do presente projeto, descrita
no respetivo capítulo, é necessário executar uma nova captação no Rio Camanducaia.
Esta captação será realizada através de um sistema elevatório instalado em plataforma flutuante, que
permite fazer a captação de água em mananciais de superfície e seu recalque até a estação de
tratamento.
Estas captações flutuantes acompanham as variações de nível dos corpos de água, captando em
permanência a água no ponto mais elevado da coluna de água, e como tal, com menor teor de sólidos,
favorecendo assim a durabilidade do sistema e a redução dos custos de desgaste e limpeza. Este tipo
de captação implica no entanto eventuais ações de manutenção, uma vez que se trata de um sistema
com elevada mobilidade.
Prevê-se que a captação seja constituída por um corpo flutuante pré-fabricado em plástico reforçado
com fibra de vidro (PRFV), com base de apoio para conjunto motobomba acoplado. Conta ainda com o
abrigo de proteção para a bomba, fixado no flutuador; sino de sucção; e olhais de fixação.
A tubagem de recalque entre a captação e a margem, bem como o cabo de alimentação elétrica do
conjunto motobomba, ficará instalada em flutuadores em PRFV, com berços para tubo PEAD,
instalados a cada 5 metros.
3.2 - Captações subterrâneas
Para permitir ampliar a operação dos sistemas de abastecimento com captações subterrâneas, devem
ser desenvolvidas as seguintes ações:
- Análise de disponibilidade hídrica dos poços artesianos Jardim Vitória e Cachoeira e substituição do
conjunto motor bomba utilizado no recalque, para atender a demanda de 1,5 l/s e 1,0 l/s
respectivamente;
- Implementar novas técnicas de tratamento de águas oriundas de poços profundos/artesianos que não
seja por cloração.
Página 7 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
3.3 - Estações de tratamento de Água (ETA 5)
3.3.1 - Tratamento dos lodos
Problema comum e ainda mais grave diz respeito ao tratamento dos lodos. Além da água utilizada na
retrolavagem dos filtros, todo o lodo gerado na ETA seria descartado na rede pluvial, chegando por
conseguinte no Rio Camanducaia e contribuindo para sua degradação. No caso da água do Rio
Camanducaia, que possui um teor alto de metais, os sedimentos descartados pela ETA aumentam a
concentração de metais pesados, as concentrações de sólidos suspensos alteram o ciclo de nutrientes,
principalmente do fósforo, além da possibilidade de desenvolver condições anaeróbias em águas
estacionárias ou de velocidade baixa.
O Reaproveitamento, Tratamento e Disposição dos Lodos Gerados nas ETA deve por isso ser
priorizados, a fim de minimizar a degradação dos corpos hídricos do município.
Para tal, preveem-se melhorias no processo de sedimentação de metais pesados, com retenção dos
mesmos, para evitar o seu descarte novamente para o rio Camanducaia, durante o procedimento de
lavagem de filtros e tanque de decantação; a execução de um sistema compacto, acoplado junto às
ETA com a capacidade de tratar todos os lodos gerados no tratamento, os quais se pretende que sejam
adensados, desidratados, removidos e convenientemente descartados no aterro sanitário, para devolver
as águas tratadas ao Rio Camanducaia com a qualidade exigida pela legislação atuante.
Vale ressaltar que o cálculo realizado por esta economia ao longo de um ano representa um valor
significativo, além de proporcionar uma prática sustentável para a Autarquia.
3.3.2 - Nova ETA V a executar
Para atender o crescimento do município, mais especificamente o Sistema ETA I e o Sistema ETA II, e
alimentar a demanda dos respectivos crescimentos previstos, propõe-se executar um novo sistema de
tratamento, denominado ETA V, locado na área de expansão do município, nas proximidades da Praça
Prof. Nelson Belloni.
A nova Estação de Tratamento de Águas (ETA V) terá uma capacidade de 120 l/s, para suprir esta
demanda da zona de expansão do município. A mesma será fundamental para que a atual gestão
promova a implementação do plano de desenvolvimento urbano da cidade, face aos pedidos de
aprovação de investimentos na região a jusante da cidade (zona industrial) e inevitável aumento no
consumo.
Página 8 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
3.3.3 - Telemetria
Está prevista a instalação de um sistema de telemetria, para controle e operação do sistema, através
da nova ETA V a ser construída.
3.4 - Reservação
Dado o estado de degradação e inadequação das condições de armazenamento de alguns
reservatórios, propõem-se melhorias nas células de armazenamento de água, tais como: realização de
reparações nos reservatórios existentes, com a identificação e tratamento de eventuais problemas
estruturais, impermeabilizações e tratamento do interior das células com produtos compatíveis com
água potável; substituição de escadas e demais elementos acessórios metálicos em contato com a
água tratada; substituição/inclusão de elementos de acesso, proteção periférica, passarelas e alçapões
dos reservatórios; e eventual substituição/inclusão de válvulas manuais e motorizadas, quando for o
caso.
Propõe-se também a execução de novas células, contíguas às já existentes, e/ou ampliação das
mesmas, que possibilitem a otimização do sistema de reservação e distribuição de água tratada,
diminuindo os efeitos do aumento da demanda e facilitando as futuras intervenções de manutenção. A
adoção destas intervenções tem ainda a vantagem de permitir o aproveitamento das linhas de recalque
e distribuição já existentes.
O novo reservatório a executar:
Sistema ETA V
Execução de reservatório de 1000 m³, para atender o abastecimento do setor ETA V.
3.5 - Adução
Para a otimização dos sistemas, prevê-se a introdução de pontos de entrega intermediários entre as
ETA e os reservatórios, que facilitem as operações de manutenção nos troços de difícil acesso, bem
como possibilitem as operações de recloragem, controle e medição do volume bombeado e/ou corte do
fornecimento de áreas restritas e específicas, sem prejuízo de grande parte do sistema.
Prevê-se também a substituição dos troços de conduta em mal estado e com redução do diâmetro
interno, nomeadamente na região central da cidade de Amparo; e a substituição dos trechos de conduta
em fibrocimento e com diâmetros insuficientes, face à proibição de utilização desse tipo de material,
Página 9 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
bem como pela dificuldade de manutenção. Em relação às condutas do centro e zonas de expansão da
cidade, é de considerar o acréscimo dos diâmetros das condutas, visando o acréscimo expectável na
demanda.
Considera-se também a criação de novos trechos de conduta que possibilitem o abastecimento de
alguns dos reservatórios existentes nas zonas hoje servidas por poços profundos, face aos problemas
causados pela presença de areias em várias unidades de exploração, que reduzem a capacidade de
captação e provocam avarias constantemente nos equipamentos de bombeamento.
Considera-se ainda a adoção de práticas e técnicas permanentes para manter a limpeza das linhas de
recalque de água bruta utilizada para abastecer as unidades de tratamento de água.
Para abastecer a nova ETA, está prevista a execução de uma adutora DN 400 em PEAD, com uma
extensão de 500 m.
No sistema ETA IV foi prevista a substituição da Linha de recalque de água bruta em Cimento Amianto
por outra em Ferro Fundido DN 150 mm, numa extensão de 30 metros.
3.6 - Rede de abastecimento
Dado o elevado volume de perdas de água na rede, estimado em 40% da água aduzida, é fundamental
a implementação de um sistema de Controle e Redução de Perdas, para redução do índice de perdas
por ligação de água por dia, considerando incluir instalações de equipamentos e acessórios necessários
para o controle de produção e fornecimento, assim como prover a modelagem computacional do
sistema de abastecimento de água.
Prevê-se também a extensão da rede existente, e a substituição de redes em cimento amianto, com
diâmetros variando entre 50 mm e 200 mm, incluindo as respectivas ligações prediais.
3.7 - Estações Elevatórias
Para melhorar as condições de funcionamento de algumas estações elevatórias e adequá-las às vazões
de recalque, prevê-se a substituição de equipamento nas seguintes EE:
- Substituição do conjunto motor bomba utilizado no recalque do setor Jd. Nova Amparo (Sistema ETA I)
para vazão de 20 l/s (70 m³/h);
- Substituição do conjunto motor bomba utilizado no recalque do setor Parque Modelo (Sistema ETA II)
para vazão de 7 l/s (25 m³/h);
Página 10 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
- Substituição do conjunto motor bomba utilizado no recalque do setor Atílio Mazzini (Sistema ETA IV)
para vazão de 8 l/s (28,8 m³/h).
Página 11 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
4 - PROJETOS BÁSICOS DAS PRINCIPAIS INTERVENÇÕES PROPOSTAS
4.1 - Estação de Tratamento de Água ETA V
4.1.1 - Vazão a Tratar
De acordo com o PDS de Amparo, a capacidade de tratamento das ETA’s I e II encontra-se já próxima
do limite pelo que, a curto prazo, far-se-á necessário reforçar a capacidade de tratamento nestes dois
sistemas. Este reforço deverá permitir não só o aumento da vazão média a tratar, como permitir
períodos de paragem para manutenção nas duas ETA’s existentes (I e II).
Para atender o crescimento do município, mais especificamente o Sistema ETA I e o Sistema ETA II, é
importante avaliar um novo sistema de tratamento locado na zona de expansão do município, com o
objetivo de alimentar a demanda dos respectivos crescimentos previstos. Com essa possibilidade
seriam fomentadas as viabilidades técnica e econômica para resolução do abastecimento destes
sistemas.
Considerando que a ETA I, opera 23 horas por dia e que possui capacidade de tratamento de 80 l/s,
conclui-se que o volume máximo de produção da ETA I é de 6.912 m³ por dia. De acordo com o PDS
esse limite de produção da ETA deve ser ampliado como medida emergencial (3 anos), antes que o
abastecimento de água seja comprometido.
Nota-se que a ETA I apresenta suas limitações quanto à expansão das unidades de tratamento em
virtude do espaço físico e do próprio sistema utilizado para a distribuição do efluente tratado. Outro fato
importante a considerar refere-se à dificuldade de interromper a estação de tratamento para considerar
a hipótese de reforma estrutural das unidades. Este fato torna-se completamente desconsiderado em
função da demanda de água a ser distribuída diariamente.
Considerando que a capacidade de tratamento máximo da ETA II é de 150 l/s, nota-se que o sistema já
estará saturado com a inserção dos novos empreendimentos. Além deles, considerando o crescimento
previsto para o município, nota-se uma necessidade de expansão do sistema de tratamento.
Assim, prevê-se a execução de uma nova ETA (ETA V), que permita o reforço da vazão média tratada
necessária para os sistemas ETA I e ETA II, permitindo também a paragem parcial tanto da ETA I como
da ETA II para operações de limpeza ou manutenção .
A vazão a considerar para a nova ETA V foi avaliada em 120 l/s.
Página 12 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
4.1.2 - Origem de Água
Da mesma forma que para os Sistemas ETA I e ETA II, a água captada para a ETA V tem origem no
Rio Camanducaia. No entanto, a nova captação será executada na zona oeste de Amparo, se prevendo
para o efeito a implantação de uma captação flutuante com capacidade de adução de 120 l/s, e ainda a
construção de uma nova linha de recalque em PEAD DN 400 mm com uma extensão de
aproximadamente 500 m, para adução de água bruta à ETA V.
4.1.3 - Considerações Sobre a Água a Tratar
Tal como já referido, a água a tratar terá origem numa captação a executar no Rio Camanducaia.
Apesar da vazão do rio ser considerada alta, suas águas apresentam a qualidade comprometida. Diante
das análises realizadas pela CETESB e disponibilizadas pelo relatório “Qualidade das Águas
Superficiais no Estado de São Paulo – 2009”, o rio Camanducaia, classificado de acordo com resolução
do CONAMA nº 357/2005 como Classe 2, foi diagnosticado como “ruim”.
Um fator limitante da atual captação no Rio Camanducaia refere-se à outorga concedida ao SAAE.
Expedita pelo presidente no exercício, no ano de 1986, esta concede o direito de captar somente 130
l/s. Considerando o volume captado atualmente, percebe-se que a outorga não representa a
necessidade do município, fazendo com que o SAAE ultrapasse o volume de captação. Nesse sentido,
é sugerido que diante do prazo de validade dessa outorga estar próximo de expirar, se faz necessário
modificar o limite de captação da outorga.
O regime hidrológico do Rio Camanducaia caracteriza-se por uma variabilidade anual, podendo
apresentar caudais muito elevados no período de chuvas do Verão e muito reduzidos na época de
estiagem no Inverno. Resultam assim alterações significativas das características da água do rio ao
longo do ano.
Por isso, prevê-se que a água captada na época de Verão apresente mais sólidos, e na estação mais
seca, apresente uma degradação da sua qualidade, nomeadamente em termos de cor, cheiro, sabor e
matéria orgânica.
Os fatores acima descritos condicionam e determinam a concepção da linha de tratamento na ETA
exigindo uma maior flexibilidade.
Está assim previsto que, na estação seca, o tratamento seja mais completo, no sentido de introdução de
carvão ativado em pó para reduzir a cor, gosto e odor e eventualmente de polieletrólito caso haja
necessidade de melhorar a floculação para baixar a turvação.
Página 13 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
Prevê-se também a utilização do carvão para remoção de hidrocarbonetos presentes na água e
também para adsorção de eventuais pesticidas provenientes de zonas agrícolas.
O controle destes e outros parâmetros devem ser elaborados por análises químicas e ensaios de
tratabilidade regulares a realizar em laboratório, a fim de definir a necessidade de utilização de alguns
dos reagentes e a sua dosagem, tendo em vista salvaguardar sempre a qualidade da água tratada.
4.1.4 - Qualidade da Água Tratada
Os níveis de qualidade fixados para a água tratada serão os definidos nas leis em vigor, relativa aos
procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para
consumo humano e seu padrão de potabilidade.
4.1.5 - Caraterização Geral da ETA
Nos Desenhos encontra-se representada a localização da ETA V.
Em face das considerações anteriormente mencionadas, o esquema de tratamento definido para a
produção de água potável compreende as operações de pré-oxidação, remineralização, coagulação
química, adição de carvão ativado, decantação, filtração e desinfecção final, às quais estão associados
os seguintes órgãos:
- tanques de contato;
- câmaras de mistura rápida
- câmaras de mistura lenta;
- decantadores lamelares;
- filtros fechados em pressão;
- cisterna de água tratada.
Relativamente à água residual de processo, constituída pelo lodo dos decantadores e pela água de
lavagem dos filtros, foram previstas as seguintes operações para o seu tratamento e recuperação:
- recolha e regularização dos caudais dos lodos;
- bombeamento do tanque de regularização para o espessador;
- bombeamento do espessador ao filtro de prensa;
- desidratação mecânica por filtro prensa.
Página 14 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
Instalar-se-á um medidor de vazão, à entrada da ETA, de DN 300. Este medidor tem como finalidade a
medição em contínuo da vazão a tratar, permitindo um controle e gestão mais eficazes da ETA,
nomeadamente na regulação dos reagentes usados no tratamento de água e controle das bombas de
alimentação da ETA.
Será igualmente instalado um contador eletromagnético de vazão à saída da cisterna de água tratada,
de modo a possibilitar o controle das perdas totais de água. Uma vez que se procede à recuperação da
água de processo, admite-se que estas serão diminutas (inferiores a 1%), devendo deste modo, a
vazão medida à entrada da ETA ser praticamente igual à vazão de água tratada.
4.2 - Reservatórios
4.2.1 - Reservatório a Construir
No que respeita á capacidade de reservação, identifica-se a necessidade de ampliar aquela capacidade
através da construção de um reservatórios. O novo reservatório a executar:
Sistema ETA V
Execução de reservatório de 1000 m³, para atender o abastecimento do setor ETA V.
A localização deste reservatório pode ser vista nas Peças Desenhadas.
4.2.2 - Arquitetura do Reservatório a Construir
O reservatório a construir será do tipo apoiado, constituídos por uma zona de tanque cilíndrica, com
uma ou duas células.
Nas adjacências do tanque está prevista uma câmara de manobras suficientemente ampla para permitir
o alojamento, no seu interior, das tubulações de entrada e saída, acessórios de controle e manobra,
equipamento eletromecânico e acesso à cobertura e tanques.
Nas Peças Desenhadas apresentam-se plantas e fachadas, bem como cortes e detalhes indicativos das
obras que se pretende construir, e que serão pormenorizadas em fase de Projeto Executivo.
A entrada de água no reservatório será efetuada através da câmara de manobras e por uma abertura
efetuada na parte superior da parede das células e injetada na área mais distante do ralo de aspiração
de modo a minimizar os fenômenos de curto circuito hidráulico, garantindo-se assim a circulação da
água no interior das células, evitando-se áreas de água estagnada.
Página 15 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
O reservatório será delimitado por uma vedação assentada em murete e o acesso aos mesmos será
assegurado por portões.
Página 16 de 16Abril de 2013
Revisão 0
Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento
de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP
Projeto Básico
5 - PLANILHA ORÇAMENTÁRIA
Com base na extensão e natureza das obras propostas, foi efetuada uma estimativa de custos de
investimento, que se apresenta no quadro seguinte:
PRIORIDADE 1
TIPO DE INTERVENÇÃO DESCRIÇÃO SUMÁRIA INVESTIMENTO
PROJETO
Projetos executivos Elaboração dos projetos executivos da obra R$ 336.466,98
OBRAS E SERVIÇOS
Serviços preliminares Placa de obra, instalação de canteiros e tapumes R$ 50.000,00
Captações superficiais
Execução de captação flutuante no Rio
Camanducaia, para a nova ETA V
R$ 1.065.566,04
Estações de Tratamento de
Água
Execução da nova ETA V R$ 5.500.000,00
Tratamento e disposição
de lodo das ETA
Execução de sistemas de tratamento de lodos na
ETA V
R$ 2.000.000,00
Adução
Execução de adutora para a nova ETA V em
PEAD DN 400, numa extensão de 500 m
R$ 1.000.000,00
Reservatório
Execução de reservatório de 1000 m
3
de
capacidade, para ETA V
R$ 1.000.000,00
ITENS NECESSÁRIOS PARA A ADEQUADA IMPLANTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO
Subestação rebaixadora de
tensão e eletrificação
Execução de subestação rebaixadora de tensão
e eletrificação
R$ 600.000,00
Gerenciamento da obra Gerenciamento da obra R$ 336.466,98
TOTAL R$ 11.888.500,00

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 aula 6 aducao
1 aula 6   aducao1 aula 6   aducao
1 aula 6 aducao
Agamenon Manuel Cutocama
 
Wokshop Água - Setimo Aparecida Vargas
Wokshop Água - Setimo Aparecida VargasWokshop Água - Setimo Aparecida Vargas
Wokshop Água - Setimo Aparecida Vargas
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Diâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigaçãoDiâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigação
João Aureliano C. Silva
 
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
Gabriella Ribeiro
 
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
Gabriella Ribeiro
 
I.3 projeto de rega
I.3   projeto de regaI.3   projeto de rega
Apresentação CTOC
Apresentação CTOCApresentação CTOC
Apresentação CTOC
CBH Rio das Velhas
 
Aula 2 terminologias
Aula 2 terminologiasAula 2 terminologias
Aula 2 terminologias
Cainã Oliveira
 
Projeto da Defesa Civil de SC - Barragens
Projeto da Defesa Civil de SC - BarragensProjeto da Defesa Civil de SC - Barragens
Projeto da Defesa Civil de SC - Barragens
Alexandre Salvador
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbana
Denielle100
 
Parecer tecnico supram - barragem cuiaba - 24 de agosto
Parecer tecnico supram - barragem cuiaba  - 24 de agostoParecer tecnico supram - barragem cuiaba  - 24 de agosto
Parecer tecnico supram - barragem cuiaba - 24 de agosto
CBH Rio das Velhas
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
Jose Luis Prado Sánchez
 
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
slides-mci
 
Projeto estação de tratamento de esgoto
Projeto estação de tratamento de esgotoProjeto estação de tratamento de esgoto
Projeto estação de tratamento de esgoto
luancaio_aguas
 
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabianApresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
slides-mci
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
João Ricardo Bertoncini
 
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza  Rio das Velhas - statusSeminario Revitaliza  Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - status
CBH Rio das Velhas
 
I.3 metodos de rega
I.3 metodos de regaI.3 metodos de rega
áGua fria texto técnico
áGua fria   texto técnicoáGua fria   texto técnico
áGua fria texto técnico
IFPR
 

Mais procurados (20)

1 aula 6 aducao
1 aula 6   aducao1 aula 6   aducao
1 aula 6 aducao
 
Wokshop Água - Setimo Aparecida Vargas
Wokshop Água - Setimo Aparecida VargasWokshop Água - Setimo Aparecida Vargas
Wokshop Água - Setimo Aparecida Vargas
 
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
 
Diâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigaçãoDiâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigação
 
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
HIDROGEOQUÍMICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, JACAREÍ E CAÇAPAVA, NO VALE DO PARAÍB...
 
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
SISTEMA ALTERNATIVO PARA O DESAGUAMENTO EM MACIÇOS ROCHOSOS DE BAIXA PERMEABI...
 
I.3 projeto de rega
I.3   projeto de regaI.3   projeto de rega
I.3 projeto de rega
 
Apresentação CTOC
Apresentação CTOCApresentação CTOC
Apresentação CTOC
 
Aula 2 terminologias
Aula 2 terminologiasAula 2 terminologias
Aula 2 terminologias
 
Projeto da Defesa Civil de SC - Barragens
Projeto da Defesa Civil de SC - BarragensProjeto da Defesa Civil de SC - Barragens
Projeto da Defesa Civil de SC - Barragens
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbana
 
Parecer tecnico supram - barragem cuiaba - 24 de agosto
Parecer tecnico supram - barragem cuiaba  - 24 de agostoParecer tecnico supram - barragem cuiaba  - 24 de agosto
Parecer tecnico supram - barragem cuiaba - 24 de agosto
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
 
Projeto estação de tratamento de esgoto
Projeto estação de tratamento de esgotoProjeto estação de tratamento de esgoto
Projeto estação de tratamento de esgoto
 
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabianApresentação dessal valors economico abas comentado fabian
Apresentação dessal valors economico abas comentado fabian
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
 
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza  Rio das Velhas - statusSeminario Revitaliza  Rio das Velhas - status
Seminario Revitaliza Rio das Velhas - status
 
I.3 metodos de rega
I.3 metodos de regaI.3 metodos de rega
I.3 metodos de rega
 
áGua fria texto técnico
áGua fria   texto técnicoáGua fria   texto técnico
áGua fria texto técnico
 

Destaque

Projeto de concessão da SAE
Projeto de concessão da SAEProjeto de concessão da SAE
Projeto de concessão da SAE
Roberto Tavares
 
Amparo apresentacao
Amparo apresentacaoAmparo apresentacao
Amparo apresentacao
Rogerio Catanese
 
Fgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardo
Fgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardoFgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardo
Fgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardo
MorettoM
 
2. anexo ii termo de referência
2. anexo ii   termo de referência2. anexo ii   termo de referência
2. anexo ii termo de referência
Felipe Carvalho
 
4. anexo iv regulamento da concessão
4. anexo iv   regulamento da concessão4. anexo iv   regulamento da concessão
4. anexo iv regulamento da concessão
Felipe Carvalho
 
1. anexo i contrato de prestação de serviços
1. anexo i   contrato de prestação de serviços1. anexo i   contrato de prestação de serviços
1. anexo i contrato de prestação de serviços
Felipe Carvalho
 
Concepção de sistema de abastecimento de águal
Concepção de sistema de abastecimento de águalConcepção de sistema de abastecimento de águal
Concepção de sistema de abastecimento de águal
Carlos Elson Cunha
 
PMSB ALTO ARAGUAIA
PMSB ALTO ARAGUAIAPMSB ALTO ARAGUAIA
PMSB ALTO ARAGUAIA
Clodomiro Pereira Valeiro
 
Abastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista Mairiporã
Abastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista MairiporãAbastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista Mairiporã
Abastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista Mairiporã
Edlab Laboratório
 
Manual abastecimento agua
Manual abastecimento aguaManual abastecimento agua
Manual abastecimento agua
Bruno Bonifácio
 
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviçosAnexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
Felipe Carvalho
 
Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4
Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4
Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4
Centro de Estudos Ambientais
 
Apostila compesa
Apostila compesaApostila compesa
Apostila compesa
Sobe Maria Moura
 
Saneamento: Regulação e Desafios
Saneamento: Regulação e DesafiosSaneamento: Regulação e Desafios
Abastecimento de água
Abastecimento de águaAbastecimento de água
Abastecimento de água
Manu Guimarães
 
Apostila agua projeto eta
Apostila agua projeto etaApostila agua projeto eta
Apostila agua projeto eta
Luiz Roberto Spiller
 
Nbr 12214 (1992) projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 (1992)   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...Nbr 12214 (1992)   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 (1992) projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nulbya Batista
 
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Monalisa Macedo
 

Destaque (18)

Projeto de concessão da SAE
Projeto de concessão da SAEProjeto de concessão da SAE
Projeto de concessão da SAE
 
Amparo apresentacao
Amparo apresentacaoAmparo apresentacao
Amparo apresentacao
 
Fgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardo
Fgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardoFgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardo
Fgv desafios saneamento planos copasa out2012 v-ricardo
 
2. anexo ii termo de referência
2. anexo ii   termo de referência2. anexo ii   termo de referência
2. anexo ii termo de referência
 
4. anexo iv regulamento da concessão
4. anexo iv   regulamento da concessão4. anexo iv   regulamento da concessão
4. anexo iv regulamento da concessão
 
1. anexo i contrato de prestação de serviços
1. anexo i   contrato de prestação de serviços1. anexo i   contrato de prestação de serviços
1. anexo i contrato de prestação de serviços
 
Concepção de sistema de abastecimento de águal
Concepção de sistema de abastecimento de águalConcepção de sistema de abastecimento de águal
Concepção de sistema de abastecimento de águal
 
PMSB ALTO ARAGUAIA
PMSB ALTO ARAGUAIAPMSB ALTO ARAGUAIA
PMSB ALTO ARAGUAIA
 
Abastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista Mairiporã
Abastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista MairiporãAbastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista Mairiporã
Abastecimento de Agua Atibaia Bragança Paulista Mairiporã
 
Manual abastecimento agua
Manual abastecimento aguaManual abastecimento agua
Manual abastecimento agua
 
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviçosAnexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
 
Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4
Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4
Plano Municipal de Saneamento Básico de Angra dos Reis - Produto 4
 
Apostila compesa
Apostila compesaApostila compesa
Apostila compesa
 
Saneamento: Regulação e Desafios
Saneamento: Regulação e DesafiosSaneamento: Regulação e Desafios
Saneamento: Regulação e Desafios
 
Abastecimento de água
Abastecimento de águaAbastecimento de água
Abastecimento de água
 
Apostila agua projeto eta
Apostila agua projeto etaApostila agua projeto eta
Apostila agua projeto eta
 
Nbr 12214 (1992) projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 (1992)   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...Nbr 12214 (1992)   projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
Nbr 12214 (1992) projeto de sistema de bombeamento de agua para abastecimen...
 
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
 

Semelhante a Amparo memorial descritivo e justificativo

Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapParecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
CBH Rio das Velhas
 
Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)
Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)
Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)
Katia Figueira
 
Termo de referencia proj exec
Termo de referencia proj execTermo de referencia proj exec
Termo de referencia proj exec
Resgate Cambuí
 
Uso múltiplo das águas
Uso múltiplo  das águasUso múltiplo  das águas
Uso múltiplo das águas
Jamildo Melo
 
ANA indefere rio Camanducaia-ata
ANA indefere rio Camanducaia-ataANA indefere rio Camanducaia-ata
ANA indefere rio Camanducaia-ata
resgate cambui ong
 
Compesa - Projetos
Compesa - ProjetosCompesa - Projetos
Compesa - Projetos
Jamildo Melo
 
Caça esgoto PBH
Caça esgoto PBHCaça esgoto PBH
Caça esgoto PBH
CBH Rio das Velhas
 
Rede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio em
Rede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio emRede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio em
Rede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio em
.'.Marco Viana.'.
 
GIS Project.pptx
GIS Project.pptxGIS Project.pptx
GIS Project.pptx
EmildoJhon
 
SANASA/edital barragem -AEGEA
SANASA/edital barragem -AEGEASANASA/edital barragem -AEGEA
SANASA/edital barragem -AEGEA
Lia Prado
 
Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017
Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017 Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017
Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017
Laura Magalhães
 
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
FernandoBonifcio3
 
Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São FranciscoTransposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco
Celso - Celsão Faustino
 
Estudo do caso 2 saneamento
Estudo do caso 2   saneamentoEstudo do caso 2   saneamento
Estudo do caso 2 saneamento
Elisane Almeida Pires
 
Prognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept RosadoPrognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept Rosado
Douglas Rammon
 
Aula 1 introdução omsd
Aula 1    introdução omsdAula 1    introdução omsd
Aula 1 introdução omsd
Rosimary Romeira
 
Déda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da Deso
Déda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da DesoDéda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da Deso
Déda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da Deso
Governo de Sergipe
 
Estre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação PauliniaEstre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação Paulinia
Anita Rocha
 
Manual de drenagem_ultima_versao
Manual de drenagem_ultima_versaoManual de drenagem_ultima_versao
Manual de drenagem_ultima_versao
thalicampos
 
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEstudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
EVERALDOMACIELDEOLIV
 

Semelhante a Amparo memorial descritivo e justificativo (20)

Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecapParecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
Parecer tecnico Agencia peixe Vivo 002 2019 sudecap
 
Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)
Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)
Programa drenar e as enchentes em são bernardo do campo (1)
 
Termo de referencia proj exec
Termo de referencia proj execTermo de referencia proj exec
Termo de referencia proj exec
 
Uso múltiplo das águas
Uso múltiplo  das águasUso múltiplo  das águas
Uso múltiplo das águas
 
ANA indefere rio Camanducaia-ata
ANA indefere rio Camanducaia-ataANA indefere rio Camanducaia-ata
ANA indefere rio Camanducaia-ata
 
Compesa - Projetos
Compesa - ProjetosCompesa - Projetos
Compesa - Projetos
 
Caça esgoto PBH
Caça esgoto PBHCaça esgoto PBH
Caça esgoto PBH
 
Rede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio em
Rede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio emRede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio em
Rede de hidrantes urbanos para proteção contra incêndio em
 
GIS Project.pptx
GIS Project.pptxGIS Project.pptx
GIS Project.pptx
 
SANASA/edital barragem -AEGEA
SANASA/edital barragem -AEGEASANASA/edital barragem -AEGEA
SANASA/edital barragem -AEGEA
 
Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017
Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017 Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017
Barragem Sanasa-Sousas-Edital 2017
 
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
 
Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São FranciscoTransposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco
 
Estudo do caso 2 saneamento
Estudo do caso 2   saneamentoEstudo do caso 2   saneamento
Estudo do caso 2 saneamento
 
Prognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept RosadoPrognostico Governador Dix-Sept Rosado
Prognostico Governador Dix-Sept Rosado
 
Aula 1 introdução omsd
Aula 1    introdução omsdAula 1    introdução omsd
Aula 1 introdução omsd
 
Déda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da Deso
Déda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da DesoDéda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da Deso
Déda anuncia novos investimentos em Saneamento Básico através da Deso
 
Estre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação PauliniaEstre/Apresentação Paulinia
Estre/Apresentação Paulinia
 
Manual de drenagem_ultima_versao
Manual de drenagem_ultima_versaoManual de drenagem_ultima_versao
Manual de drenagem_ultima_versao
 
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEstudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
 

Mais de Rogerio Catanese

Ofício nº 153 2016 catanese
Ofício nº 153 2016 cataneseOfício nº 153 2016 catanese
Ofício nº 153 2016 catanese
Rogerio Catanese
 
Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001
Rogerio Catanese
 
Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001
Rogerio Catanese
 
Scanner catanese 20160308 0012
Scanner catanese 20160308 0012Scanner catanese 20160308 0012
Scanner catanese 20160308 0012
Rogerio Catanese
 
Scanner catanese 20160308 0011
Scanner catanese 20160308 0011Scanner catanese 20160308 0011
Scanner catanese 20160308 0011
Rogerio Catanese
 
Pl do médico veterinário
Pl do médico veterinárioPl do médico veterinário
Pl do médico veterinário
Rogerio Catanese
 
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscal
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscalMoção 01 catanese-repudio-posto fiscal
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscal
Rogerio Catanese
 
Ofício nº 18 2016 catanese
Ofício nº 18 2016 cataneseOfício nº 18 2016 catanese
Ofício nº 18 2016 catanese
Rogerio Catanese
 
Ofício nº 13 2016 catanese
Ofício nº 13 2016 cataneseOfício nº 13 2016 catanese
Ofício nº 13 2016 catanese
Rogerio Catanese
 
Ofício nº 25 2016 catanese
Ofício nº 25 2016 cataneseOfício nº 25 2016 catanese
Ofício nº 25 2016 catanese
Rogerio Catanese
 
Ofício nº 24 2016 catanese
Ofício nº 24 2016 cataneseOfício nº 24 2016 catanese
Ofício nº 24 2016 catanese
Rogerio Catanese
 
Conselho tutelar
Conselho tutelarConselho tutelar
Conselho tutelar
Rogerio Catanese
 
Of 21 prefeito limpeza area
Of 21 prefeito limpeza areaOf 21 prefeito limpeza area
Of 21 prefeito limpeza area
Rogerio Catanese
 
Telefone
TelefoneTelefone
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
Rogerio Catanese
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
Rogerio Catanese
 
Sanatório
SanatórioSanatório
Sanatório
Rogerio Catanese
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
Rogerio Catanese
 
Scanner catanese 20151217 0001
Scanner catanese 20151217 0001Scanner catanese 20151217 0001
Scanner catanese 20151217 0001
Rogerio Catanese
 
Sanatório
SanatórioSanatório
Sanatório
Rogerio Catanese
 

Mais de Rogerio Catanese (20)

Ofício nº 153 2016 catanese
Ofício nº 153 2016 cataneseOfício nº 153 2016 catanese
Ofício nº 153 2016 catanese
 
Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001
 
Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001
 
Scanner catanese 20160308 0012
Scanner catanese 20160308 0012Scanner catanese 20160308 0012
Scanner catanese 20160308 0012
 
Scanner catanese 20160308 0011
Scanner catanese 20160308 0011Scanner catanese 20160308 0011
Scanner catanese 20160308 0011
 
Pl do médico veterinário
Pl do médico veterinárioPl do médico veterinário
Pl do médico veterinário
 
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscal
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscalMoção 01 catanese-repudio-posto fiscal
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscal
 
Ofício nº 18 2016 catanese
Ofício nº 18 2016 cataneseOfício nº 18 2016 catanese
Ofício nº 18 2016 catanese
 
Ofício nº 13 2016 catanese
Ofício nº 13 2016 cataneseOfício nº 13 2016 catanese
Ofício nº 13 2016 catanese
 
Ofício nº 25 2016 catanese
Ofício nº 25 2016 cataneseOfício nº 25 2016 catanese
Ofício nº 25 2016 catanese
 
Ofício nº 24 2016 catanese
Ofício nº 24 2016 cataneseOfício nº 24 2016 catanese
Ofício nº 24 2016 catanese
 
Conselho tutelar
Conselho tutelarConselho tutelar
Conselho tutelar
 
Of 21 prefeito limpeza area
Of 21 prefeito limpeza areaOf 21 prefeito limpeza area
Of 21 prefeito limpeza area
 
Telefone
TelefoneTelefone
Telefone
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
 
Sanatório
SanatórioSanatório
Sanatório
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
 
Scanner catanese 20151217 0001
Scanner catanese 20151217 0001Scanner catanese 20151217 0001
Scanner catanese 20151217 0001
 
Sanatório
SanatórioSanatório
Sanatório
 

Amparo memorial descritivo e justificativo

  • 1. Página 1 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico AMPLIAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE AMPARO – SP PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO
  • 2. Página 2 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico ÍNDICE DAS PEÇAS ESCRITAS 1 - INTRODUÇÃO ................................................................................................................................... 4 2 - DADOS DE BASE.............................................................................................................................. 5 3 - INTERVENÇÕES PROPOSTAS ........................................................................................................ 6 3.1 - Captações superficiais ................................................................................................................. 6 3.2 - Captações subterrâneas .............................................................................................................. 6 3.3 - Estações de tratamento de Água (ETA 5).................................................................................... 7 3.3.1 - Tratamento dos lodos............................................................................................................. 7 3.3.2 - Nova ETA V a executar .......................................................................................................... 7 3.3.3 - Telemetria .............................................................................................................................. 8 3.4 - Reservação.................................................................................................................................. 8 3.5 - Adução......................................................................................................................................... 8 3.6 - Rede de abastecimento ............................................................................................................... 9 3.7 - Estações Elevatórias.................................................................................................................... 9 4 - PROJETOS BÁSICOS DAS PRINCIPAIS INTERVENÇÕES PROPOSTAS.....................................11 4.1 - Estação de Tratamento de Água ETA V......................................................................................11 4.1.1 - Vazão a Tratar...................................................................................................................... 11 4.1.2 - Origem de Água ................................................................................................................... 12 4.1.3 - Considerações Sobre a Água a Tratar.................................................................................. 12 4.1.4 - Qualidade da Água Tratada.................................................................................................. 13 4.1.5 - Caraterização Geral da ETA................................................................................................. 13 4.2 - Reservatórios..............................................................................................................................14 4.2.1 - Reservatório a Construir....................................................................................................... 14 4.2.2 - Arquitetura do Reservatório a Construir................................................................................ 14 5 - PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ..........................................................................................................16
  • 3. Página 3 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico ÍNDICE DAS PEÇAS DESENHADAS Desenho nº03 - Captação flutuante Desenho nº04 - ETA 5. Planta geral Desenho nº05 - ETA 5. Diagrama de fluxos Desenho nº06 - ETA 5. Perfil hidráulico Desenho nº15 - Reservatório V = 1000 m3 . Planta geral. Detalhes Desenho nº16 - Reservatório V = 1000 m3 . Plantas e cortes Desenho nº17 - Reservatório V = 1000 m3 . Detalhes Desenho nº18 - Reservatório V = 1000 m3 . Fachadas
  • 4. Página 4 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 1 - INTRODUÇÃO O presente Projeto Básico diz respeito à ampliação do Sistema de Abastecimento de Água do Município de Amparo, e abrange o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais que, por definição, engloba um sistema de abastecimento de água. O Projeto Básico que a seguir se apresenta foi desenvolvido com base nos seguintes elementos: 1 Situações analisadas e indicações resultantes de reuniões com a SAAE- Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Amparo; 2 Reconhecimento de campo sobre as infraestruturas existentes; 3 Outros dados recolhidos com interesse para o presente projeto.
  • 5. Página 5 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 2 - DADOS DE BASE Amparo possui atualmente 65.836 habitantes (IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010), sendo que deste total, 51.818 residem na área urbana e 14.018 na área rural. Com base nestes dados e considerando a área total do município de 446 Km², tem-se uma densidade demográfica de 147,6 hab./Km². A abrangência do sistema atual de abastecimento de água engloba praticamente toda a área urbana, incluindo os distritos de Arcadas e Três Pontes, beneficiando uma população de 50.537 habitantes, o que representa um índice de cobertura total do município de 77%, embora esse atendimento nem sempre seja feito nas melhores condições de quantidade e qualidade desejáveis.
  • 6. Página 6 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 3 - INTERVENÇÕES PROPOSTAS 3.1 - Captações superficiais Para garantir a adução de água bruta à nova ETA V a executar no âmbito do presente projeto, descrita no respetivo capítulo, é necessário executar uma nova captação no Rio Camanducaia. Esta captação será realizada através de um sistema elevatório instalado em plataforma flutuante, que permite fazer a captação de água em mananciais de superfície e seu recalque até a estação de tratamento. Estas captações flutuantes acompanham as variações de nível dos corpos de água, captando em permanência a água no ponto mais elevado da coluna de água, e como tal, com menor teor de sólidos, favorecendo assim a durabilidade do sistema e a redução dos custos de desgaste e limpeza. Este tipo de captação implica no entanto eventuais ações de manutenção, uma vez que se trata de um sistema com elevada mobilidade. Prevê-se que a captação seja constituída por um corpo flutuante pré-fabricado em plástico reforçado com fibra de vidro (PRFV), com base de apoio para conjunto motobomba acoplado. Conta ainda com o abrigo de proteção para a bomba, fixado no flutuador; sino de sucção; e olhais de fixação. A tubagem de recalque entre a captação e a margem, bem como o cabo de alimentação elétrica do conjunto motobomba, ficará instalada em flutuadores em PRFV, com berços para tubo PEAD, instalados a cada 5 metros. 3.2 - Captações subterrâneas Para permitir ampliar a operação dos sistemas de abastecimento com captações subterrâneas, devem ser desenvolvidas as seguintes ações: - Análise de disponibilidade hídrica dos poços artesianos Jardim Vitória e Cachoeira e substituição do conjunto motor bomba utilizado no recalque, para atender a demanda de 1,5 l/s e 1,0 l/s respectivamente; - Implementar novas técnicas de tratamento de águas oriundas de poços profundos/artesianos que não seja por cloração.
  • 7. Página 7 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 3.3 - Estações de tratamento de Água (ETA 5) 3.3.1 - Tratamento dos lodos Problema comum e ainda mais grave diz respeito ao tratamento dos lodos. Além da água utilizada na retrolavagem dos filtros, todo o lodo gerado na ETA seria descartado na rede pluvial, chegando por conseguinte no Rio Camanducaia e contribuindo para sua degradação. No caso da água do Rio Camanducaia, que possui um teor alto de metais, os sedimentos descartados pela ETA aumentam a concentração de metais pesados, as concentrações de sólidos suspensos alteram o ciclo de nutrientes, principalmente do fósforo, além da possibilidade de desenvolver condições anaeróbias em águas estacionárias ou de velocidade baixa. O Reaproveitamento, Tratamento e Disposição dos Lodos Gerados nas ETA deve por isso ser priorizados, a fim de minimizar a degradação dos corpos hídricos do município. Para tal, preveem-se melhorias no processo de sedimentação de metais pesados, com retenção dos mesmos, para evitar o seu descarte novamente para o rio Camanducaia, durante o procedimento de lavagem de filtros e tanque de decantação; a execução de um sistema compacto, acoplado junto às ETA com a capacidade de tratar todos os lodos gerados no tratamento, os quais se pretende que sejam adensados, desidratados, removidos e convenientemente descartados no aterro sanitário, para devolver as águas tratadas ao Rio Camanducaia com a qualidade exigida pela legislação atuante. Vale ressaltar que o cálculo realizado por esta economia ao longo de um ano representa um valor significativo, além de proporcionar uma prática sustentável para a Autarquia. 3.3.2 - Nova ETA V a executar Para atender o crescimento do município, mais especificamente o Sistema ETA I e o Sistema ETA II, e alimentar a demanda dos respectivos crescimentos previstos, propõe-se executar um novo sistema de tratamento, denominado ETA V, locado na área de expansão do município, nas proximidades da Praça Prof. Nelson Belloni. A nova Estação de Tratamento de Águas (ETA V) terá uma capacidade de 120 l/s, para suprir esta demanda da zona de expansão do município. A mesma será fundamental para que a atual gestão promova a implementação do plano de desenvolvimento urbano da cidade, face aos pedidos de aprovação de investimentos na região a jusante da cidade (zona industrial) e inevitável aumento no consumo.
  • 8. Página 8 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 3.3.3 - Telemetria Está prevista a instalação de um sistema de telemetria, para controle e operação do sistema, através da nova ETA V a ser construída. 3.4 - Reservação Dado o estado de degradação e inadequação das condições de armazenamento de alguns reservatórios, propõem-se melhorias nas células de armazenamento de água, tais como: realização de reparações nos reservatórios existentes, com a identificação e tratamento de eventuais problemas estruturais, impermeabilizações e tratamento do interior das células com produtos compatíveis com água potável; substituição de escadas e demais elementos acessórios metálicos em contato com a água tratada; substituição/inclusão de elementos de acesso, proteção periférica, passarelas e alçapões dos reservatórios; e eventual substituição/inclusão de válvulas manuais e motorizadas, quando for o caso. Propõe-se também a execução de novas células, contíguas às já existentes, e/ou ampliação das mesmas, que possibilitem a otimização do sistema de reservação e distribuição de água tratada, diminuindo os efeitos do aumento da demanda e facilitando as futuras intervenções de manutenção. A adoção destas intervenções tem ainda a vantagem de permitir o aproveitamento das linhas de recalque e distribuição já existentes. O novo reservatório a executar: Sistema ETA V Execução de reservatório de 1000 m³, para atender o abastecimento do setor ETA V. 3.5 - Adução Para a otimização dos sistemas, prevê-se a introdução de pontos de entrega intermediários entre as ETA e os reservatórios, que facilitem as operações de manutenção nos troços de difícil acesso, bem como possibilitem as operações de recloragem, controle e medição do volume bombeado e/ou corte do fornecimento de áreas restritas e específicas, sem prejuízo de grande parte do sistema. Prevê-se também a substituição dos troços de conduta em mal estado e com redução do diâmetro interno, nomeadamente na região central da cidade de Amparo; e a substituição dos trechos de conduta em fibrocimento e com diâmetros insuficientes, face à proibição de utilização desse tipo de material,
  • 9. Página 9 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico bem como pela dificuldade de manutenção. Em relação às condutas do centro e zonas de expansão da cidade, é de considerar o acréscimo dos diâmetros das condutas, visando o acréscimo expectável na demanda. Considera-se também a criação de novos trechos de conduta que possibilitem o abastecimento de alguns dos reservatórios existentes nas zonas hoje servidas por poços profundos, face aos problemas causados pela presença de areias em várias unidades de exploração, que reduzem a capacidade de captação e provocam avarias constantemente nos equipamentos de bombeamento. Considera-se ainda a adoção de práticas e técnicas permanentes para manter a limpeza das linhas de recalque de água bruta utilizada para abastecer as unidades de tratamento de água. Para abastecer a nova ETA, está prevista a execução de uma adutora DN 400 em PEAD, com uma extensão de 500 m. No sistema ETA IV foi prevista a substituição da Linha de recalque de água bruta em Cimento Amianto por outra em Ferro Fundido DN 150 mm, numa extensão de 30 metros. 3.6 - Rede de abastecimento Dado o elevado volume de perdas de água na rede, estimado em 40% da água aduzida, é fundamental a implementação de um sistema de Controle e Redução de Perdas, para redução do índice de perdas por ligação de água por dia, considerando incluir instalações de equipamentos e acessórios necessários para o controle de produção e fornecimento, assim como prover a modelagem computacional do sistema de abastecimento de água. Prevê-se também a extensão da rede existente, e a substituição de redes em cimento amianto, com diâmetros variando entre 50 mm e 200 mm, incluindo as respectivas ligações prediais. 3.7 - Estações Elevatórias Para melhorar as condições de funcionamento de algumas estações elevatórias e adequá-las às vazões de recalque, prevê-se a substituição de equipamento nas seguintes EE: - Substituição do conjunto motor bomba utilizado no recalque do setor Jd. Nova Amparo (Sistema ETA I) para vazão de 20 l/s (70 m³/h); - Substituição do conjunto motor bomba utilizado no recalque do setor Parque Modelo (Sistema ETA II) para vazão de 7 l/s (25 m³/h);
  • 10. Página 10 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico - Substituição do conjunto motor bomba utilizado no recalque do setor Atílio Mazzini (Sistema ETA IV) para vazão de 8 l/s (28,8 m³/h).
  • 11. Página 11 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 4 - PROJETOS BÁSICOS DAS PRINCIPAIS INTERVENÇÕES PROPOSTAS 4.1 - Estação de Tratamento de Água ETA V 4.1.1 - Vazão a Tratar De acordo com o PDS de Amparo, a capacidade de tratamento das ETA’s I e II encontra-se já próxima do limite pelo que, a curto prazo, far-se-á necessário reforçar a capacidade de tratamento nestes dois sistemas. Este reforço deverá permitir não só o aumento da vazão média a tratar, como permitir períodos de paragem para manutenção nas duas ETA’s existentes (I e II). Para atender o crescimento do município, mais especificamente o Sistema ETA I e o Sistema ETA II, é importante avaliar um novo sistema de tratamento locado na zona de expansão do município, com o objetivo de alimentar a demanda dos respectivos crescimentos previstos. Com essa possibilidade seriam fomentadas as viabilidades técnica e econômica para resolução do abastecimento destes sistemas. Considerando que a ETA I, opera 23 horas por dia e que possui capacidade de tratamento de 80 l/s, conclui-se que o volume máximo de produção da ETA I é de 6.912 m³ por dia. De acordo com o PDS esse limite de produção da ETA deve ser ampliado como medida emergencial (3 anos), antes que o abastecimento de água seja comprometido. Nota-se que a ETA I apresenta suas limitações quanto à expansão das unidades de tratamento em virtude do espaço físico e do próprio sistema utilizado para a distribuição do efluente tratado. Outro fato importante a considerar refere-se à dificuldade de interromper a estação de tratamento para considerar a hipótese de reforma estrutural das unidades. Este fato torna-se completamente desconsiderado em função da demanda de água a ser distribuída diariamente. Considerando que a capacidade de tratamento máximo da ETA II é de 150 l/s, nota-se que o sistema já estará saturado com a inserção dos novos empreendimentos. Além deles, considerando o crescimento previsto para o município, nota-se uma necessidade de expansão do sistema de tratamento. Assim, prevê-se a execução de uma nova ETA (ETA V), que permita o reforço da vazão média tratada necessária para os sistemas ETA I e ETA II, permitindo também a paragem parcial tanto da ETA I como da ETA II para operações de limpeza ou manutenção . A vazão a considerar para a nova ETA V foi avaliada em 120 l/s.
  • 12. Página 12 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 4.1.2 - Origem de Água Da mesma forma que para os Sistemas ETA I e ETA II, a água captada para a ETA V tem origem no Rio Camanducaia. No entanto, a nova captação será executada na zona oeste de Amparo, se prevendo para o efeito a implantação de uma captação flutuante com capacidade de adução de 120 l/s, e ainda a construção de uma nova linha de recalque em PEAD DN 400 mm com uma extensão de aproximadamente 500 m, para adução de água bruta à ETA V. 4.1.3 - Considerações Sobre a Água a Tratar Tal como já referido, a água a tratar terá origem numa captação a executar no Rio Camanducaia. Apesar da vazão do rio ser considerada alta, suas águas apresentam a qualidade comprometida. Diante das análises realizadas pela CETESB e disponibilizadas pelo relatório “Qualidade das Águas Superficiais no Estado de São Paulo – 2009”, o rio Camanducaia, classificado de acordo com resolução do CONAMA nº 357/2005 como Classe 2, foi diagnosticado como “ruim”. Um fator limitante da atual captação no Rio Camanducaia refere-se à outorga concedida ao SAAE. Expedita pelo presidente no exercício, no ano de 1986, esta concede o direito de captar somente 130 l/s. Considerando o volume captado atualmente, percebe-se que a outorga não representa a necessidade do município, fazendo com que o SAAE ultrapasse o volume de captação. Nesse sentido, é sugerido que diante do prazo de validade dessa outorga estar próximo de expirar, se faz necessário modificar o limite de captação da outorga. O regime hidrológico do Rio Camanducaia caracteriza-se por uma variabilidade anual, podendo apresentar caudais muito elevados no período de chuvas do Verão e muito reduzidos na época de estiagem no Inverno. Resultam assim alterações significativas das características da água do rio ao longo do ano. Por isso, prevê-se que a água captada na época de Verão apresente mais sólidos, e na estação mais seca, apresente uma degradação da sua qualidade, nomeadamente em termos de cor, cheiro, sabor e matéria orgânica. Os fatores acima descritos condicionam e determinam a concepção da linha de tratamento na ETA exigindo uma maior flexibilidade. Está assim previsto que, na estação seca, o tratamento seja mais completo, no sentido de introdução de carvão ativado em pó para reduzir a cor, gosto e odor e eventualmente de polieletrólito caso haja necessidade de melhorar a floculação para baixar a turvação.
  • 13. Página 13 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico Prevê-se também a utilização do carvão para remoção de hidrocarbonetos presentes na água e também para adsorção de eventuais pesticidas provenientes de zonas agrícolas. O controle destes e outros parâmetros devem ser elaborados por análises químicas e ensaios de tratabilidade regulares a realizar em laboratório, a fim de definir a necessidade de utilização de alguns dos reagentes e a sua dosagem, tendo em vista salvaguardar sempre a qualidade da água tratada. 4.1.4 - Qualidade da Água Tratada Os níveis de qualidade fixados para a água tratada serão os definidos nas leis em vigor, relativa aos procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. 4.1.5 - Caraterização Geral da ETA Nos Desenhos encontra-se representada a localização da ETA V. Em face das considerações anteriormente mencionadas, o esquema de tratamento definido para a produção de água potável compreende as operações de pré-oxidação, remineralização, coagulação química, adição de carvão ativado, decantação, filtração e desinfecção final, às quais estão associados os seguintes órgãos: - tanques de contato; - câmaras de mistura rápida - câmaras de mistura lenta; - decantadores lamelares; - filtros fechados em pressão; - cisterna de água tratada. Relativamente à água residual de processo, constituída pelo lodo dos decantadores e pela água de lavagem dos filtros, foram previstas as seguintes operações para o seu tratamento e recuperação: - recolha e regularização dos caudais dos lodos; - bombeamento do tanque de regularização para o espessador; - bombeamento do espessador ao filtro de prensa; - desidratação mecânica por filtro prensa.
  • 14. Página 14 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico Instalar-se-á um medidor de vazão, à entrada da ETA, de DN 300. Este medidor tem como finalidade a medição em contínuo da vazão a tratar, permitindo um controle e gestão mais eficazes da ETA, nomeadamente na regulação dos reagentes usados no tratamento de água e controle das bombas de alimentação da ETA. Será igualmente instalado um contador eletromagnético de vazão à saída da cisterna de água tratada, de modo a possibilitar o controle das perdas totais de água. Uma vez que se procede à recuperação da água de processo, admite-se que estas serão diminutas (inferiores a 1%), devendo deste modo, a vazão medida à entrada da ETA ser praticamente igual à vazão de água tratada. 4.2 - Reservatórios 4.2.1 - Reservatório a Construir No que respeita á capacidade de reservação, identifica-se a necessidade de ampliar aquela capacidade através da construção de um reservatórios. O novo reservatório a executar: Sistema ETA V Execução de reservatório de 1000 m³, para atender o abastecimento do setor ETA V. A localização deste reservatório pode ser vista nas Peças Desenhadas. 4.2.2 - Arquitetura do Reservatório a Construir O reservatório a construir será do tipo apoiado, constituídos por uma zona de tanque cilíndrica, com uma ou duas células. Nas adjacências do tanque está prevista uma câmara de manobras suficientemente ampla para permitir o alojamento, no seu interior, das tubulações de entrada e saída, acessórios de controle e manobra, equipamento eletromecânico e acesso à cobertura e tanques. Nas Peças Desenhadas apresentam-se plantas e fachadas, bem como cortes e detalhes indicativos das obras que se pretende construir, e que serão pormenorizadas em fase de Projeto Executivo. A entrada de água no reservatório será efetuada através da câmara de manobras e por uma abertura efetuada na parte superior da parede das células e injetada na área mais distante do ralo de aspiração de modo a minimizar os fenômenos de curto circuito hidráulico, garantindo-se assim a circulação da água no interior das células, evitando-se áreas de água estagnada.
  • 15. Página 15 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico O reservatório será delimitado por uma vedação assentada em murete e o acesso aos mesmos será assegurado por portões.
  • 16. Página 16 de 16Abril de 2013 Revisão 0 Remodelação e expansão do Sistema de Abastecimento de Agua da Prefeitura Municipal de Amparo – SP Projeto Básico 5 - PLANILHA ORÇAMENTÁRIA Com base na extensão e natureza das obras propostas, foi efetuada uma estimativa de custos de investimento, que se apresenta no quadro seguinte: PRIORIDADE 1 TIPO DE INTERVENÇÃO DESCRIÇÃO SUMÁRIA INVESTIMENTO PROJETO Projetos executivos Elaboração dos projetos executivos da obra R$ 336.466,98 OBRAS E SERVIÇOS Serviços preliminares Placa de obra, instalação de canteiros e tapumes R$ 50.000,00 Captações superficiais Execução de captação flutuante no Rio Camanducaia, para a nova ETA V R$ 1.065.566,04 Estações de Tratamento de Água Execução da nova ETA V R$ 5.500.000,00 Tratamento e disposição de lodo das ETA Execução de sistemas de tratamento de lodos na ETA V R$ 2.000.000,00 Adução Execução de adutora para a nova ETA V em PEAD DN 400, numa extensão de 500 m R$ 1.000.000,00 Reservatório Execução de reservatório de 1000 m 3 de capacidade, para ETA V R$ 1.000.000,00 ITENS NECESSÁRIOS PARA A ADEQUADA IMPLANTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Subestação rebaixadora de tensão e eletrificação Execução de subestação rebaixadora de tensão e eletrificação R$ 600.000,00 Gerenciamento da obra Gerenciamento da obra R$ 336.466,98 TOTAL R$ 11.888.500,00