SlideShare uma empresa Scribd logo
CaptaçãoCaptação
Apresentar conceitos e aspectos da captação de
água de abastecimento
Sistema deSistema de AbastecimentoAbastecimento dede ÁguaÁgua
Figura 1 - Esquema de um sistema de abastecimento de água.
Fonte: COPASA (2007).
CaptaçãoCaptação
Captação de água é o conjunto de estruturas e dispositivos, construídos ou
montados junto a um manancial, para a retirada de água destinada a ummontados junto a um manancial, para a retirada de água destinada a um
sistema de abastecimento. (NBR 12213)
Tipos de estudo a realizar
 Mapa geográfico;
 Estimativa da vazão mínima dos mananciais;
 Levantamento sanitário da bacia hidrográfica a montante
EscolhaEscolha dodo ManancialManancial e do Locale do Local
parapara ImplantaçãoImplantação dada CaptaçãoCaptação
 Levantamento sanitário da bacia hidrográfica a montante
dos possíveis pontos de captação;
 Conhecimento dos usos da água a jusante;
 Características físicas, químicas e biológicas da água;
 Avaliação do transporte de sedimentos;
 Levantamento de informações e de dados
planialtimétricos, batimétricos e geotécnicos, entre
outros.
Condições gerais a serem atendidas pelo local de
captação
 Garantir a vazão demandada e a vazão residual;
 Situar-se a montante de focos de poluição;
EscolhaEscolha dodo manancialmanancial e do local parae do local para
ImplantaçãoImplantação dada captaçãocaptação
 Situar-se a montante de focos de poluição;
 Situar-se em cota altimétrica superior à localidade a ser
abastecida;
 Situar-se em cota altimétrica que resulte menor desnível
geométrico em relação à localidade;
 Assegurar condições de fácil entrada da água em qualquer
época do ano;
 Resultar no mínimo de alteração do curso de água;
 Garantir entrada de água para o sistema de
abastecimento em quantidades suficientes à
requisitada (demanda) em qualquer época do ano
 Assegurar, tanto quanto possível, a melhor qualidade
Finalidades BásicasFinalidades Básicas
 Assegurar, tanto quanto possível, a melhor qualidade
da água do manancial a ser utilizado
 Constituir a melhor alternativa em termos técnicos,
econômicos, ambientais, sociais e de operação e
manutenção ao longo do tempo
Condições gerais a serem atendidas pelo local de
captação
 O terreno deve apresentar as seguintes características
favoráveis ao tipo e porte da captação:
Escolha do manancial e do local para
implantação da captação
favoráveis ao tipo e porte da captação:
 condições de acesso;
 características geológicas;
batimetria;
níveis de inundação; e
condições de arraste e deposição de sólidos.
 Situar-se em trecho reto do curso de água ou em local
próximo à margem externa.
As captações de água de superfície podem ser:
 Captação direta (fio de água);
TiposTipos dede CaptaçãoCaptação dede ÁguaÁgua dede
SuperfícieSuperfície
 Captação direta (fio de água);
 Captação com barragem de regularização de nível de
água;
 Captação em reservatório de regularização de vazão,
destinado ao abastecimento público de água;
 Captação em reservatórios ou lagos de usos múltiplos.
Análises de descargas mínimas:
 Qméd. > Qd
 Qmín. > Qd
Captação de Águas SuperficiaisCaptação de Águas Superficiais
Captação direta
 Qméd. > Qd
Qmín. < Qd
 Qméd. < Qd → buscar outro manancial para atender
a demanda ou completar a vazão
Reservatório de Acumulação ou
Regularização
Os dispositivos que podem estar presentes numa captação
de água de superfície são:
Tomada de água;
DispositivosDispositivos constituintesconstituintes dasdas captaçõescaptações
Tomada de água;
Barragem de nível ou soleira;
Reservatório de regularização de vazão;
Grades e telas;
Desarenador.
Tomada de água (tubulação de tomada de água):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 3 – Tubulação de tomada com crivo, descarregando
em desarenador..
Fonte: HADDAD (1997).
Figura 4 – Tubulação de tomada com crivo, descarregando em caixa de
passagem.
Fonte: HADDAD (1997).
Tomada de água (tubulação de tomada de água):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 5 – Tubulação de tomada com crivo, descarregando em
poço de sucção.
Fonte: OLIVEIRA (s.d.)
Figura 6 – Tubulação de tomada com crivo ligada diretamente à
sucção de bomba.
Fonte: DACACH (1975).
Tomada de água (tubulação de tomada de água):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 7 – Tubulação de tomada com tubos perfurados.
Fonte: DACACH (1975).
Figura 8 – Tubulação de tomada com bomba anfíbia modular.
Fonte: HIGRA INDUSTRIAL LTDA (2003).
Tomada de água (caixa de tomada de água):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 9 – Caixa de tomada de água em captação a fio de água.
Fonte: HADDAD(1997).
Tomada de água (canal de derivação):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 10 – Canal de derivação e desarenador afastado da
margem do curso de água.
Fonte: HADDAD(1997).
Figura 11 – Canal de derivação e desarenador posicionados junto ao curso de água.
Fonte: HADDAD(1997).
Tomada de água (Poço de derivação):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 12 – Poço de derivação com apenas uma tomada de água.
Fonte: HADDAD(1997).
Tomada de água (Captação flutuante):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 13 – Bombas de captação flutuante de água bruta no Braço do Taquacetuba, pertencente à Bacia
Hidrográfica da Represa Billings
Fonte: http://www.energiaesaneamento.org.br/boletim_2012/edicao_02/imagens.html?PHPSESSID=262ca66e4a3be270fad021c79cc5fab0
Figura 14 – Esquema de dispositivo de captação flutuante.
Fonte: httpwww.4shared.comphotoXWhdbu64Figura_11_-
_Torre_de_Tomada_dg.html
Tomada de água (Torre de tomada):
Dispositivos constituintes das captações
Figura 15 – Torre de tomada de água.
Fonte: YASSSUDA e NOGAMI (1976).
Dispositivos constituintes das captações
Figura 16 - Captação de Água por Torre de Tomada D’ Água no Sistema Rio Manso, Brumadinho – MG.
Fonte: http://impresso.em.com.br/app/noticia/cadernos/gerais/2012/09/18/interna_gerais,51120/acao-
emergencial-contra-falta-d-agua.shtml
Barragem de nível:
Dispositivos constituintes das captações
Figura 17 – Barragem de nível.
Fonte: httpwww.4shared.comphotoXWhdbu64Figura_11_-_Torre_de_Tomada_dg.html
Reservatório de regularização
Dispositivos constituintes das captações
São lagos artificiais criados em um curso d’água com a construção de uma barragem, para deter nos períodos
chuvosos o excesso de água, e liberá-lo quando a vazão do curso d’água se tornar incapaz de atender à demanda.
Figura 18 – Reservatório de regularização do Sistema
Rio Manso, Brumadinho – MG.
Fonte: Autor.
 É importante considerar as variações da qualidade
da água em função da profundidade e as oscilações
de nível
Reservatórios de acumulação ou de
regularização
- Aparecimento de algas, principalmente nas
camadas superiores
- Matéria orgânica em decomposição
- Ferro e Manganês (do fundo do lago)
 Diminuição da turbidez, devido a sedimentação
 redução de microrganismos patogênicos, devido as
Reservatórios de acumulação ou de
regularização
 redução de microrganismos patogênicos, devido as
condições desfavoráveis
 Na escolha do local para construção do reservatório
devem ser considerados:
- existência de locais apropriados para construção da
barragem
Reservatórios de acumulação ou de
regularização
barragem
- qualidade da água
- Distância e cota em relação à cidade
- Vazões do curso de água
- Facilidade para execução das obras
- Custo das obras
 Preparo do local:
- Remoção da vegetação da área a ser inundada
- Corte, aterro e revestimento das margens para evitar
Reservatórios de acumulação ou de
regularização
- Corte, aterro e revestimento das margens para evitar
crescimento de vegetação e a erosão
- Remoção de solo orgânico de áreas alagadiças e
pântanos
Grades, telas e desarenador
Dispositivos constituintes das captações
Figura 19 – Desarenador na Captação do Codau no o Rio Uberaba, Uberaba – MG.
Fonte: http://jornaldeuberaba.com.br/?MENU=CadernoA&SUBMENU=Cidade&CODIGO=9106
Figura 20 – Grade no sistema de Captação de Água da cidade
de Cardoso.
Fonte: httpwww.4shared.comphotoXWhdbu64. Captação de
águas superficiais
Dimensionamento de desarenador
Dispositivos constituintes das captações
L
Sendo:
Vs – velocidade de sedimentação da partícula
VL – velocidade de fluxo ao longo da caixa de areia
t – tempo de percurso
h, b e L respectivamente a altura, largura e comprimento da caixa de areia
Captação de Águas Subterrâneas
Denomina-se água subterrânea, a água presente no
subsolo, ocupando os interstícios, fendas e canais
existentes nas diferentes camadas geológicas, e emexistentes nas diferentes camadas geológicas, e em
condições de escoar, obedecendo aos princípios da
hidráulica.
Distribuição Vertical da Água Subterrânea
Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
Tipos de porosidade
Os três tipos fundamentais de porosidade conforme diferentes materiais
numa seção geológica
Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
Aquíferos: reservatórios de água
subterrânea
Aquíferos – do latim “carregar agua”
Aquíferos – formação geológica que contém água e permite
que quantidades significativas dessa água se movimentem noque quantidades significativas dessa água se movimentem no
seu interior em condições naturais
Aquiclude - é uma formação que pode conter água (até
mesmo em quantidades significativas), mas é incapaz de
transmití-la em condições naturais
Aquíferos: reservatórios de água
subterrânea
Aquifugo – é uma formação impermeável que nem armazena
nem transmite água (não possui poros interconectados)
Aquitarde – é a unidade geológica menos permeável numa
determinada sequência estratigráfica
Tipos de Aquíferos
Aquíferos livres – são aqueles
cujo topo é demarcado pelo
nível freático, estando emnível freático, estando em
contato com a atmosfera
Aquíferos suspensos – são
acumulações de água sobre
aquitardes na zona
insaturada
Aquíferos livres e supensos. Aquiferos
suspensos ocorre quando uma camada
impermeável intercepta a infiltração
Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
Tipos de Aquíferos
Aquíferos confinados
ocorrem quando um
estrato permeável
(aquifero) está
confinado entre duas
unidades pouco
permeáveis (aquitarde)permeáveis (aquitarde)
Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
Aquífero confinado, superfície potenciométrica e artesianismo
Lençol freático:
Captação de Águas Subterrâneas
Captação de poço raso ou freático (cistena).
Do lençol confinado (artesiano):
Captação de Águas Subterrâneas
Rebaixamento do nível de água
Proteção de Mananciais
Proteção de Mananciais
Declaração Universal dos Direitos da Água, promulgada pela ONU
em 1992, em seu artigo 3°:
“Os mecanismos naturais de transformação da água bruta“Os mecanismos naturais de transformação da água bruta
em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim
sendo a água deve ser manipulada com racionalidade,
precaução e parcimônia.”
Proteção de Mananciais
• Poluição causada pelas atividades humanas
O manancial é a primeira e fundamental garantia da
quantidade e da qualidade em um serviço de abastecimento
de água.
• Poluição causada pelas atividades humanas
(principalmente esgotos sanitários)
• Uso e ocupação do solo
• Tratamento mais avançado
• Desmatamento
Saneamento - captação
Saneamento - captação
43

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pluviometria
PluviometriaPluviometria
Pluviometria
Ronaldo Conceição
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
Hidrologia UFC
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
1 aula 6 aducao
1 aula 6   aducao1 aula 6   aducao
1 aula 6 aducao
Agamenon Manuel Cutocama
 
Aula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicioAula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicio
propria
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
João Ricardo Bertoncini
 
exercicio
exercicioexercicio
exercicio
Thays Alves
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminarAula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Giovanna Ortiz
 
Bacia hidrográfica.v1
Bacia hidrográfica.v1Bacia hidrográfica.v1
Bacia hidrográfica.v1
jl1957
 
Aula 11 qualidade de água
Aula 11   qualidade de águaAula 11   qualidade de água
Aula 11 qualidade de água
Suely Machado
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios
Ozi Carvalho
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
Carlos Elson Cunha
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
marciotecsoma
 
Aula 4 sedimentação
Aula 4   sedimentaçãoAula 4   sedimentação
Aula 4 sedimentação
Giovanna Ortiz
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
luancaio_aguas
 
Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009
Natalia Araújo Storck
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03
Ronaldo Cesar
 

Mais procurados (20)

Pluviometria
PluviometriaPluviometria
Pluviometria
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Taa 3
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
1 aula 6 aducao
1 aula 6   aducao1 aula 6   aducao
1 aula 6 aducao
 
Aula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicioAula hidrilogia exercicio
Aula hidrilogia exercicio
 
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitárioLivro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
Livro Coleta e Tratamento de esgoto sanitário
 
exercicio
exercicioexercicio
exercicio
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminarAula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
 
Bacia hidrográfica.v1
Bacia hidrográfica.v1Bacia hidrográfica.v1
Bacia hidrográfica.v1
 
Aula 11 qualidade de água
Aula 11   qualidade de águaAula 11   qualidade de água
Aula 11 qualidade de água
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
 
Aula 4 sedimentação
Aula 4   sedimentaçãoAula 4   sedimentação
Aula 4 sedimentação
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
 
Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 5
 
Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03
 

Destaque

Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte IIntrodução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
LCGRH UFC
 
Abastecimento de água
Abastecimento de águaAbastecimento de água
Abastecimento de água
Manu Guimarães
 
Estac3a7c3b5es elevatc3b3rias
Estac3a7c3b5es elevatc3b3riasEstac3a7c3b5es elevatc3b3rias
Estac3a7c3b5es elevatc3b3rias
Wesley Alvarenga
 
Instalações hidraulicas
Instalações hidraulicasInstalações hidraulicas
Instalações hidraulicas
Nathan Lopes
 
Aula03 concepção
Aula03 concepçãoAula03 concepção
Aula03 concepção
Bruno Victor Cavalcante
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
Carlos Gomes
 
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
greenhausbr
 
Uberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade Tecnológica
Uberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade TecnológicaUberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade Tecnológica
Uberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade Tecnológica
Prefeitura Municipal de Uberaba
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
Nilton Goulart
 
POÇOS
POÇOSPOÇOS
POÇOS
Bruno Silva
 
Captação de água de chuva
Captação de água de chuvaCaptação de água de chuva
Captação de água de chuva
Tiago Malta
 
Uberaba em Dados - 4/7 - Informações Econômicas
Uberaba em Dados - 4/7 - Informações EconômicasUberaba em Dados - 4/7 - Informações Econômicas
Uberaba em Dados - 4/7 - Informações Econômicas
Prefeitura Municipal de Uberaba
 
Uberaba em Dados - 2/7 - Infraestrutura
Uberaba em Dados - 2/7 - InfraestruturaUberaba em Dados - 2/7 - Infraestrutura
Uberaba em Dados - 2/7 - Infraestrutura
Prefeitura Municipal de Uberaba
 
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Samanta Tolentino
 
Cap6 adutoras
Cap6 adutorasCap6 adutoras
Cap6 adutoras
dcaldeira
 
RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)
RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)
RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)
Uniceuma
 
Desarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricas
Desarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricasDesarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricas
Desarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricas
mariocastellon
 
Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município
Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do MunicípioUberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município
Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município
Prefeitura Municipal de Uberaba
 
Aguas Subterraneas
Aguas SubterraneasAguas Subterraneas
Aguas Subterraneas
Limnos Ufsc
 
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIAHIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
Patrícia Éderson Dias
 

Destaque (20)

Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte IIntrodução Águas Subterrâneas - Parte I
Introdução Águas Subterrâneas - Parte I
 
Abastecimento de água
Abastecimento de águaAbastecimento de água
Abastecimento de água
 
Estac3a7c3b5es elevatc3b3rias
Estac3a7c3b5es elevatc3b3riasEstac3a7c3b5es elevatc3b3rias
Estac3a7c3b5es elevatc3b3rias
 
Instalações hidraulicas
Instalações hidraulicasInstalações hidraulicas
Instalações hidraulicas
 
Aula03 concepção
Aula03 concepçãoAula03 concepção
Aula03 concepção
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
 
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
Resolvendo a falta de água: normas para captação de água de chuva e reuso de...
 
Uberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade Tecnológica
Uberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade TecnológicaUberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade Tecnológica
Uberaba em Dados - 7/7 - Uberaba, Cidade Tecnológica
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
POÇOS
POÇOSPOÇOS
POÇOS
 
Captação de água de chuva
Captação de água de chuvaCaptação de água de chuva
Captação de água de chuva
 
Uberaba em Dados - 4/7 - Informações Econômicas
Uberaba em Dados - 4/7 - Informações EconômicasUberaba em Dados - 4/7 - Informações Econômicas
Uberaba em Dados - 4/7 - Informações Econômicas
 
Uberaba em Dados - 2/7 - Infraestrutura
Uberaba em Dados - 2/7 - InfraestruturaUberaba em Dados - 2/7 - Infraestrutura
Uberaba em Dados - 2/7 - Infraestrutura
 
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
Panorama qualidade aguas_superficiais_br_2012
 
Cap6 adutoras
Cap6 adutorasCap6 adutoras
Cap6 adutoras
 
RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)
RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)
RESISTENCIA DOS MATERIAIS PARA ENTENDER E GOSTAR (COMPLETO)
 
Desarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricas
Desarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricasDesarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricas
Desarenadores convencionales en microcentrales hidroeléctricas
 
Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município
Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do MunicípioUberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município
Uberaba em Dados - 1/7 - Caracterização do Município
 
Aguas Subterraneas
Aguas SubterraneasAguas Subterraneas
Aguas Subterraneas
 
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIAHIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
 

Semelhante a Saneamento - captação

Tema II.pptx
Tema II.pptxTema II.pptx
Tema II.pptx
rafaelzangado2
 
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
FernandoBonifcio3
 
Hidrologia 3
Hidrologia 3Hidrologia 3
Hidrologia 3
lipemodesto
 
Cap13 Hidrometria
Cap13 HidrometriaCap13 Hidrometria
Cap13 Hidrometria
Grazi Ruas
 
Inst. hidráulica de af curso técnico - completo
Inst. hidráulica de af   curso técnico - completoInst. hidráulica de af   curso técnico - completo
Inst. hidráulica de af curso técnico - completo
Macknei Satelles
 
Construção de tanque
Construção de tanqueConstrução de tanque
Construção de tanque
marciobamberg
 
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Rafael José Rorato
 
Drenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfDrenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdf
MariaPenido4
 
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdfAula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
MuriloJacob2
 
Aula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptxAula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptx
CamilaCamposGomezFam
 
Estudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbana
Estudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbanaEstudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbana
Estudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbana
caduelaia
 
Aparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadoresAparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadores
Gabriel Stach
 
Tanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapaTanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapa
Thiago Barbosa
 
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.pptHidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
wesleybatistadossant
 
I.3 projeto de rega
I.3   projeto de regaI.3   projeto de rega
erva
ervaerva
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbana
Denielle100
 
Aula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.revAula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.rev
Carlos Elson Cunha
 
Apostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagemApostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagem
THIAGO RODRIGUES
 
Aula-1-Abastecimento-e-concepção.pdf
Aula-1-Abastecimento-e-concepção.pdfAula-1-Abastecimento-e-concepção.pdf
Aula-1-Abastecimento-e-concepção.pdf
JonatasSodr
 

Semelhante a Saneamento - captação (20)

Tema II.pptx
Tema II.pptxTema II.pptx
Tema II.pptx
 
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
 
Hidrologia 3
Hidrologia 3Hidrologia 3
Hidrologia 3
 
Cap13 Hidrometria
Cap13 HidrometriaCap13 Hidrometria
Cap13 Hidrometria
 
Inst. hidráulica de af curso técnico - completo
Inst. hidráulica de af   curso técnico - completoInst. hidráulica de af   curso técnico - completo
Inst. hidráulica de af curso técnico - completo
 
Construção de tanque
Construção de tanqueConstrução de tanque
Construção de tanque
 
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
Introdução a engenharia - aula 5 - recursos hidricos, barragens e sistemas de...
 
Drenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfDrenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdf
 
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdfAula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
 
Aula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptxAula_1 e 2_SAA.pptx
Aula_1 e 2_SAA.pptx
 
Estudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbana
Estudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbanaEstudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbana
Estudo das Bacias hidrográficas para Hidrologia e drenagem urbana
 
Aparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadoresAparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadores
 
Tanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapaTanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapa
 
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.pptHidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
Hidrologia Bacias Hidrograficas e cursos dagua.ppt
 
I.3 projeto de rega
I.3   projeto de regaI.3   projeto de rega
I.3 projeto de rega
 
erva
ervaerva
erva
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbana
 
Aula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.revAula captação adutoras.rev
Aula captação adutoras.rev
 
Apostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagemApostila alunos dreanagem
Apostila alunos dreanagem
 
Aula-1-Abastecimento-e-concepção.pdf
Aula-1-Abastecimento-e-concepção.pdfAula-1-Abastecimento-e-concepção.pdf
Aula-1-Abastecimento-e-concepção.pdf
 

Último

Matemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdf
Matemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdfMatemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdf
Matemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdf
paulojose96
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 
Treinamento ergonomia para setores administrativos
Treinamento ergonomia para setores administrativosTreinamento ergonomia para setores administrativos
Treinamento ergonomia para setores administrativos
anacaroline255491
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
matematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdf
matematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdfmatematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdf
matematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdf
paulojose96
 

Último (9)

Matemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdf
Matemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdfMatemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdf
Matemática ApliDSDSDSDSDSDSDSDDScada.pdf
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 
Treinamento ergonomia para setores administrativos
Treinamento ergonomia para setores administrativosTreinamento ergonomia para setores administrativos
Treinamento ergonomia para setores administrativos
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
matematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdf
matematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdfmatematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdf
matematica.DSDSDSDSDSDSDSDSDDSDSDDSDSpdf
 

Saneamento - captação

  • 2. Apresentar conceitos e aspectos da captação de água de abastecimento
  • 3. Sistema deSistema de AbastecimentoAbastecimento dede ÁguaÁgua Figura 1 - Esquema de um sistema de abastecimento de água. Fonte: COPASA (2007).
  • 4. CaptaçãoCaptação Captação de água é o conjunto de estruturas e dispositivos, construídos ou montados junto a um manancial, para a retirada de água destinada a ummontados junto a um manancial, para a retirada de água destinada a um sistema de abastecimento. (NBR 12213)
  • 5. Tipos de estudo a realizar  Mapa geográfico;  Estimativa da vazão mínima dos mananciais;  Levantamento sanitário da bacia hidrográfica a montante EscolhaEscolha dodo ManancialManancial e do Locale do Local parapara ImplantaçãoImplantação dada CaptaçãoCaptação  Levantamento sanitário da bacia hidrográfica a montante dos possíveis pontos de captação;  Conhecimento dos usos da água a jusante;  Características físicas, químicas e biológicas da água;  Avaliação do transporte de sedimentos;  Levantamento de informações e de dados planialtimétricos, batimétricos e geotécnicos, entre outros.
  • 6. Condições gerais a serem atendidas pelo local de captação  Garantir a vazão demandada e a vazão residual;  Situar-se a montante de focos de poluição; EscolhaEscolha dodo manancialmanancial e do local parae do local para ImplantaçãoImplantação dada captaçãocaptação  Situar-se a montante de focos de poluição;  Situar-se em cota altimétrica superior à localidade a ser abastecida;  Situar-se em cota altimétrica que resulte menor desnível geométrico em relação à localidade;  Assegurar condições de fácil entrada da água em qualquer época do ano;  Resultar no mínimo de alteração do curso de água;
  • 7.  Garantir entrada de água para o sistema de abastecimento em quantidades suficientes à requisitada (demanda) em qualquer época do ano  Assegurar, tanto quanto possível, a melhor qualidade Finalidades BásicasFinalidades Básicas  Assegurar, tanto quanto possível, a melhor qualidade da água do manancial a ser utilizado  Constituir a melhor alternativa em termos técnicos, econômicos, ambientais, sociais e de operação e manutenção ao longo do tempo
  • 8. Condições gerais a serem atendidas pelo local de captação  O terreno deve apresentar as seguintes características favoráveis ao tipo e porte da captação: Escolha do manancial e do local para implantação da captação favoráveis ao tipo e porte da captação:  condições de acesso;  características geológicas; batimetria; níveis de inundação; e condições de arraste e deposição de sólidos.  Situar-se em trecho reto do curso de água ou em local próximo à margem externa.
  • 9. As captações de água de superfície podem ser:  Captação direta (fio de água); TiposTipos dede CaptaçãoCaptação dede ÁguaÁgua dede SuperfícieSuperfície  Captação direta (fio de água);  Captação com barragem de regularização de nível de água;  Captação em reservatório de regularização de vazão, destinado ao abastecimento público de água;  Captação em reservatórios ou lagos de usos múltiplos.
  • 10. Análises de descargas mínimas:  Qméd. > Qd  Qmín. > Qd Captação de Águas SuperficiaisCaptação de Águas Superficiais Captação direta  Qméd. > Qd Qmín. < Qd  Qméd. < Qd → buscar outro manancial para atender a demanda ou completar a vazão Reservatório de Acumulação ou Regularização
  • 11. Os dispositivos que podem estar presentes numa captação de água de superfície são: Tomada de água; DispositivosDispositivos constituintesconstituintes dasdas captaçõescaptações Tomada de água; Barragem de nível ou soleira; Reservatório de regularização de vazão; Grades e telas; Desarenador.
  • 12. Tomada de água (tubulação de tomada de água): Dispositivos constituintes das captações Figura 3 – Tubulação de tomada com crivo, descarregando em desarenador.. Fonte: HADDAD (1997). Figura 4 – Tubulação de tomada com crivo, descarregando em caixa de passagem. Fonte: HADDAD (1997).
  • 13. Tomada de água (tubulação de tomada de água): Dispositivos constituintes das captações Figura 5 – Tubulação de tomada com crivo, descarregando em poço de sucção. Fonte: OLIVEIRA (s.d.) Figura 6 – Tubulação de tomada com crivo ligada diretamente à sucção de bomba. Fonte: DACACH (1975).
  • 14. Tomada de água (tubulação de tomada de água): Dispositivos constituintes das captações Figura 7 – Tubulação de tomada com tubos perfurados. Fonte: DACACH (1975). Figura 8 – Tubulação de tomada com bomba anfíbia modular. Fonte: HIGRA INDUSTRIAL LTDA (2003).
  • 15. Tomada de água (caixa de tomada de água): Dispositivos constituintes das captações Figura 9 – Caixa de tomada de água em captação a fio de água. Fonte: HADDAD(1997).
  • 16. Tomada de água (canal de derivação): Dispositivos constituintes das captações Figura 10 – Canal de derivação e desarenador afastado da margem do curso de água. Fonte: HADDAD(1997). Figura 11 – Canal de derivação e desarenador posicionados junto ao curso de água. Fonte: HADDAD(1997).
  • 17. Tomada de água (Poço de derivação): Dispositivos constituintes das captações Figura 12 – Poço de derivação com apenas uma tomada de água. Fonte: HADDAD(1997).
  • 18. Tomada de água (Captação flutuante): Dispositivos constituintes das captações Figura 13 – Bombas de captação flutuante de água bruta no Braço do Taquacetuba, pertencente à Bacia Hidrográfica da Represa Billings Fonte: http://www.energiaesaneamento.org.br/boletim_2012/edicao_02/imagens.html?PHPSESSID=262ca66e4a3be270fad021c79cc5fab0 Figura 14 – Esquema de dispositivo de captação flutuante. Fonte: httpwww.4shared.comphotoXWhdbu64Figura_11_- _Torre_de_Tomada_dg.html
  • 19. Tomada de água (Torre de tomada): Dispositivos constituintes das captações Figura 15 – Torre de tomada de água. Fonte: YASSSUDA e NOGAMI (1976).
  • 20. Dispositivos constituintes das captações Figura 16 - Captação de Água por Torre de Tomada D’ Água no Sistema Rio Manso, Brumadinho – MG. Fonte: http://impresso.em.com.br/app/noticia/cadernos/gerais/2012/09/18/interna_gerais,51120/acao- emergencial-contra-falta-d-agua.shtml
  • 21. Barragem de nível: Dispositivos constituintes das captações Figura 17 – Barragem de nível. Fonte: httpwww.4shared.comphotoXWhdbu64Figura_11_-_Torre_de_Tomada_dg.html
  • 22. Reservatório de regularização Dispositivos constituintes das captações São lagos artificiais criados em um curso d’água com a construção de uma barragem, para deter nos períodos chuvosos o excesso de água, e liberá-lo quando a vazão do curso d’água se tornar incapaz de atender à demanda. Figura 18 – Reservatório de regularização do Sistema Rio Manso, Brumadinho – MG. Fonte: Autor.
  • 23.  É importante considerar as variações da qualidade da água em função da profundidade e as oscilações de nível Reservatórios de acumulação ou de regularização - Aparecimento de algas, principalmente nas camadas superiores - Matéria orgânica em decomposição - Ferro e Manganês (do fundo do lago)
  • 24.  Diminuição da turbidez, devido a sedimentação  redução de microrganismos patogênicos, devido as Reservatórios de acumulação ou de regularização  redução de microrganismos patogênicos, devido as condições desfavoráveis
  • 25.  Na escolha do local para construção do reservatório devem ser considerados: - existência de locais apropriados para construção da barragem Reservatórios de acumulação ou de regularização barragem - qualidade da água - Distância e cota em relação à cidade - Vazões do curso de água - Facilidade para execução das obras - Custo das obras
  • 26.  Preparo do local: - Remoção da vegetação da área a ser inundada - Corte, aterro e revestimento das margens para evitar Reservatórios de acumulação ou de regularização - Corte, aterro e revestimento das margens para evitar crescimento de vegetação e a erosão - Remoção de solo orgânico de áreas alagadiças e pântanos
  • 27. Grades, telas e desarenador Dispositivos constituintes das captações Figura 19 – Desarenador na Captação do Codau no o Rio Uberaba, Uberaba – MG. Fonte: http://jornaldeuberaba.com.br/?MENU=CadernoA&SUBMENU=Cidade&CODIGO=9106 Figura 20 – Grade no sistema de Captação de Água da cidade de Cardoso. Fonte: httpwww.4shared.comphotoXWhdbu64. Captação de águas superficiais
  • 28. Dimensionamento de desarenador Dispositivos constituintes das captações L Sendo: Vs – velocidade de sedimentação da partícula VL – velocidade de fluxo ao longo da caixa de areia t – tempo de percurso h, b e L respectivamente a altura, largura e comprimento da caixa de areia
  • 29. Captação de Águas Subterrâneas Denomina-se água subterrânea, a água presente no subsolo, ocupando os interstícios, fendas e canais existentes nas diferentes camadas geológicas, e emexistentes nas diferentes camadas geológicas, e em condições de escoar, obedecendo aos princípios da hidráulica.
  • 30. Distribuição Vertical da Água Subterrânea Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  • 31. Tipos de porosidade Os três tipos fundamentais de porosidade conforme diferentes materiais numa seção geológica Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  • 32. Aquíferos: reservatórios de água subterrânea Aquíferos – do latim “carregar agua” Aquíferos – formação geológica que contém água e permite que quantidades significativas dessa água se movimentem noque quantidades significativas dessa água se movimentem no seu interior em condições naturais Aquiclude - é uma formação que pode conter água (até mesmo em quantidades significativas), mas é incapaz de transmití-la em condições naturais
  • 33. Aquíferos: reservatórios de água subterrânea Aquifugo – é uma formação impermeável que nem armazena nem transmite água (não possui poros interconectados) Aquitarde – é a unidade geológica menos permeável numa determinada sequência estratigráfica
  • 34. Tipos de Aquíferos Aquíferos livres – são aqueles cujo topo é demarcado pelo nível freático, estando emnível freático, estando em contato com a atmosfera Aquíferos suspensos – são acumulações de água sobre aquitardes na zona insaturada Aquíferos livres e supensos. Aquiferos suspensos ocorre quando uma camada impermeável intercepta a infiltração Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  • 35. Tipos de Aquíferos Aquíferos confinados ocorrem quando um estrato permeável (aquifero) está confinado entre duas unidades pouco permeáveis (aquitarde)permeáveis (aquitarde) Fonte: Decifrando a Terra/ Teixeira , Toledo, Fairchild e Taioli, - São Paulo: Oficina de Textos, 2000. Aquífero confinado, superfície potenciométrica e artesianismo
  • 36. Lençol freático: Captação de Águas Subterrâneas Captação de poço raso ou freático (cistena).
  • 37. Do lençol confinado (artesiano): Captação de Águas Subterrâneas Rebaixamento do nível de água
  • 39. Proteção de Mananciais Declaração Universal dos Direitos da Água, promulgada pela ONU em 1992, em seu artigo 3°: “Os mecanismos naturais de transformação da água bruta“Os mecanismos naturais de transformação da água bruta em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.”
  • 40. Proteção de Mananciais • Poluição causada pelas atividades humanas O manancial é a primeira e fundamental garantia da quantidade e da qualidade em um serviço de abastecimento de água. • Poluição causada pelas atividades humanas (principalmente esgotos sanitários) • Uso e ocupação do solo • Tratamento mais avançado • Desmatamento
  • 43. 43