SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Seminário virtual:  Inclusão e Tecnologias Assistivas: Visão subnormal, com perceptível déficit cognitivo
AVALIAÇÃO FUNCIONAL DA VISÃO
Abaixo imagens do que pode ser visto por pessoas com baixa visão
Aluno com Visão Subnormal O trabalho com alunos com baixa visão baseia-se no princípio de estimular a utilização plena do potencial de visão e dos sentidos remanescentes, bem como na superação de dificuldades e conflitos emocionais. Para isso, é necessário conhecer e identificar, por meio da observação contínua, alguns sinais ou sintomas físicos característicos e condutas freqüentes, tais como:
Características a serem observadas: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O desempenho Visual na Escola ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Dificuldades de percepção:
A baixa visão pode ocasionar conflitos emocionais, psicológicos e sociais, que influenciam o desempenho visual, a conduta do aluno, e refletem na aprendizagem. Um ambiente de calma, encorajamento e confiança contribuirá positivamente para a eficiência na melhor utilização da visão potencial que deve ser explorada e estimulada no ambiente educacional, pois o desempenho visual está relacionado com a aprendizagem. É recomendável, portanto, provocar a conduta de utilizar a visão para executar todo tipo de tarefas, pois a visão não se gasta com o uso. Além disso, o professor deve proporcionar ao aluno condições para uma boa higiene ocular de acordo com recomendações médicas .
Recursos Ópticos e Não-Ópticos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A utilização de recursos ópticos e não-ópticos envolve o trabalho de pedagogia, de psicologia, de orientação e mobilidade e outros que se fizerem necessários. As escolhas e os níveis de adaptação desses recursos em cada caso devem ser definidos a partir da  conciliação de inúmeros fatores. Entre eles destaca-se as necessidades específicas, diferenças individuais, preferências, interesses e habilidades que vão determinar as modalidades de adaptações e atividades mais adequadas.
Recursos Ópticos ,[object Object],[object Object],[object Object],Telescópio Manual Telelupa montada em óculos
[object Object],[object Object],Óculos Especiais Asféricos
[object Object],[object Object]
Recursos Não-Ópticos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Recursos não ópticos
Celofane amarelo ,[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
Recursos eletrônicos ,[object Object],[object Object]
[object Object]
Recomendações úteis ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Conclusão ,[object Object]
Referencias Bibliográficas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Seminário Virtual -  Visão subnormal, com perceptível déficit cognitivo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...
Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...
Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...SimoneHelenDrumond
 
Compreender a baixa visão
Compreender a baixa visãoCompreender a baixa visão
Compreender a baixa visãoIsa ...
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosLinda-maria12
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia VisualCassia Dias
 
Slide TCC: Alfabetização na idade certa
Slide TCC: Alfabetização na idade certaSlide TCC: Alfabetização na idade certa
Slide TCC: Alfabetização na idade certaRosineia Ribeiro
 
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação curricularosorioramos
 
Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.unidadebetinho
 
Pauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaPauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaGelson Rocha
 
Metodologias para eja
Metodologias para ejaMetodologias para eja
Metodologias para ejadeismachadoo
 
Educação especial escola inclusiva slides
Educação especial  escola inclusiva slidesEducação especial  escola inclusiva slides
Educação especial escola inclusiva slidesgindri
 
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdfalfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdfDENISERAMOSSILVADEPA1
 

Mais procurados (20)

Apre.visão subnormal
Apre.visão subnormalApre.visão subnormal
Apre.visão subnormal
 
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação EspecialOrientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
 
Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...
Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...
Os pais é que são responsáveis pelo acompanhamento escolar dos filhos, afinal...
 
PEI
PEIPEI
PEI
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Compreender a baixa visão
Compreender a baixa visãoCompreender a baixa visão
Compreender a baixa visão
 
PEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdfPEI NA PRÁTICA.pdf
PEI NA PRÁTICA.pdf
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
 
Slide TCC: Alfabetização na idade certa
Slide TCC: Alfabetização na idade certaSlide TCC: Alfabetização na idade certa
Slide TCC: Alfabetização na idade certa
 
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
 
Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.
 
Deficiência Visual
Deficiência VisualDeficiência Visual
Deficiência Visual
 
Pauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aulaPauta formativa e observação sala de aula
Pauta formativa e observação sala de aula
 
Metodologias para eja
Metodologias para ejaMetodologias para eja
Metodologias para eja
 
Educação especial escola inclusiva slides
Educação especial  escola inclusiva slidesEducação especial  escola inclusiva slides
Educação especial escola inclusiva slides
 
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdfalfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
alfabetizacao-pelo-metodo-fonico.pdf
 
Seminario dv
Seminario dvSeminario dv
Seminario dv
 

Semelhante a Alunos Com VisãO Subnormal

VER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERVER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERedmarap
 
Cegueira total - PUC
Cegueira total - PUC  Cegueira total - PUC
Cegueira total - PUC claudiante
 
Seminario Virtual Mcpereira
Seminario Virtual McpereiraSeminario Virtual Mcpereira
Seminario Virtual Mcpereiraguesta49051
 
Orientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guacira
Orientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guaciraOrientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guacira
Orientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guaciraFlávio De Oliveira Pereira
 
ADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.ppt
ADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.pptADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.ppt
ADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.pptNatalinaChikushi
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01enxergar
 
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptxFORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptxCludiaNepomuceno
 
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamenteBraile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamenteMaryanne Monteiro
 
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de AprendizagemDeficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagempaulacod_pedagogia
 
Estrutura Apresentacao
Estrutura ApresentacaoEstrutura Apresentacao
Estrutura ApresentacaojaqueGuiducci
 
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)
Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)Solange Das Graças Seno
 
2101320_efolioA-FilipaMalta.pptx
2101320_efolioA-FilipaMalta.pptx2101320_efolioA-FilipaMalta.pptx
2101320_efolioA-FilipaMalta.pptxFilipaMalta1
 

Semelhante a Alunos Com VisãO Subnormal (20)

VER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERVER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDER
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Deficiência visual capacitação 2011
Deficiência visual capacitação 2011Deficiência visual capacitação 2011
Deficiência visual capacitação 2011
 
Cegueira total - PUC
Cegueira total - PUC  Cegueira total - PUC
Cegueira total - PUC
 
Seminario Virtual
Seminario VirtualSeminario Virtual
Seminario Virtual
 
Seminario Virtual Mcpereira
Seminario Virtual McpereiraSeminario Virtual Mcpereira
Seminario Virtual Mcpereira
 
Visaosubnormal
VisaosubnormalVisaosubnormal
Visaosubnormal
 
Orientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guacira
Orientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guaciraOrientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guacira
Orientacoes atuacao pedagogica_junto_alunos_deficiencia_visual_luzia_guacira
 
ADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.ppt
ADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.pptADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.ppt
ADAPTAÇÃO AS DEFICIÊNCIAS 2023.ppt
 
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
SEMINÁRIO CEGUEIRA TOTAL - GRUPO ENXERGAR - BA01
 
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptxFORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
 
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamenteBraile - Como tratar deficientes visuais corretamente
Braile - Como tratar deficientes visuais corretamente
 
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de AprendizagemDeficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
 
Estrutura Apresentacao
Estrutura ApresentacaoEstrutura Apresentacao
Estrutura Apresentacao
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Adaptações em deficiencia física
Adaptações  em deficiencia  física Adaptações  em deficiencia  física
Adaptações em deficiencia física
 
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)
Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)Apostila adaptações  em deficiencia  física 2011 (1)
Apostila adaptações em deficiencia física 2011 (1)
 
Hiperatividade
HiperatividadeHiperatividade
Hiperatividade
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
2101320_efolioA-FilipaMalta.pptx
2101320_efolioA-FilipaMalta.pptx2101320_efolioA-FilipaMalta.pptx
2101320_efolioA-FilipaMalta.pptx
 

Mais de 2009lourdes

Webconference Gyn
Webconference GynWebconference Gyn
Webconference Gyn2009lourdes
 
X Encontro Professores Dinamizadores
X Encontro   Professores DinamizadoresX Encontro   Professores Dinamizadores
X Encontro Professores Dinamizadores2009lourdes
 
Por Que Planejar...
Por Que Planejar...Por Que Planejar...
Por Que Planejar...2009lourdes
 
Por Que Planejar
Por Que PlanejarPor Que Planejar
Por Que Planejar2009lourdes
 
Educação De Pessoas Com Capacidades Diferentes
Educação De Pessoas Com Capacidades DiferentesEducação De Pessoas Com Capacidades Diferentes
Educação De Pessoas Com Capacidades Diferentes2009lourdes
 
Por Que Planejar...
Por Que Planejar...Por Que Planejar...
Por Que Planejar...2009lourdes
 
POR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJARPOR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJAR2009lourdes
 
EducaçãO De Pessoas Com Capacidades Diferentes
EducaçãO De Pessoas Com Capacidades DiferentesEducaçãO De Pessoas Com Capacidades Diferentes
EducaçãO De Pessoas Com Capacidades Diferentes2009lourdes
 

Mais de 2009lourdes (8)

Webconference Gyn
Webconference GynWebconference Gyn
Webconference Gyn
 
X Encontro Professores Dinamizadores
X Encontro   Professores DinamizadoresX Encontro   Professores Dinamizadores
X Encontro Professores Dinamizadores
 
Por Que Planejar...
Por Que Planejar...Por Que Planejar...
Por Que Planejar...
 
Por Que Planejar
Por Que PlanejarPor Que Planejar
Por Que Planejar
 
Educação De Pessoas Com Capacidades Diferentes
Educação De Pessoas Com Capacidades DiferentesEducação De Pessoas Com Capacidades Diferentes
Educação De Pessoas Com Capacidades Diferentes
 
Por Que Planejar...
Por Que Planejar...Por Que Planejar...
Por Que Planejar...
 
POR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJARPOR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJAR
 
EducaçãO De Pessoas Com Capacidades Diferentes
EducaçãO De Pessoas Com Capacidades DiferentesEducaçãO De Pessoas Com Capacidades Diferentes
EducaçãO De Pessoas Com Capacidades Diferentes
 

Alunos Com VisãO Subnormal

  • 1. Seminário virtual: Inclusão e Tecnologias Assistivas: Visão subnormal, com perceptível déficit cognitivo
  • 3. Abaixo imagens do que pode ser visto por pessoas com baixa visão
  • 4. Aluno com Visão Subnormal O trabalho com alunos com baixa visão baseia-se no princípio de estimular a utilização plena do potencial de visão e dos sentidos remanescentes, bem como na superação de dificuldades e conflitos emocionais. Para isso, é necessário conhecer e identificar, por meio da observação contínua, alguns sinais ou sintomas físicos característicos e condutas freqüentes, tais como:
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. A baixa visão pode ocasionar conflitos emocionais, psicológicos e sociais, que influenciam o desempenho visual, a conduta do aluno, e refletem na aprendizagem. Um ambiente de calma, encorajamento e confiança contribuirá positivamente para a eficiência na melhor utilização da visão potencial que deve ser explorada e estimulada no ambiente educacional, pois o desempenho visual está relacionado com a aprendizagem. É recomendável, portanto, provocar a conduta de utilizar a visão para executar todo tipo de tarefas, pois a visão não se gasta com o uso. Além disso, o professor deve proporcionar ao aluno condições para uma boa higiene ocular de acordo com recomendações médicas .
  • 10.
  • 11. A utilização de recursos ópticos e não-ópticos envolve o trabalho de pedagogia, de psicologia, de orientação e mobilidade e outros que se fizerem necessários. As escolhas e os níveis de adaptação desses recursos em cada caso devem ser definidos a partir da conciliação de inúmeros fatores. Entre eles destaca-se as necessidades específicas, diferenças individuais, preferências, interesses e habilidades que vão determinar as modalidades de adaptações e atividades mais adequadas.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.