SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Gabrielle Maia
Charley Rezende
José Raimundo
Direito – Noturno
2° Período
Nova Faculdade – Contagem MG
“A verdadeira beleza não está naquilo que
vemos, mas sim naquilo que sentimos.”
O que é deficiência visual?
A deficiência visual é definida como a
perda total ou parcial, congênita ou
adquirida, da visão. O nível de acuidade
visual pode variar, o que determina dois
grupos de deficiência:
Cegueira - há perda total da visão ou
pouquíssima capacidade de enxergar, o que
leva a pessoa a necessitar do Sistema
Braille como meio de leitura e escrita.
O que é deficiência
visual?
Baixa visão ou visão subnormal -
caracteriza-se pelo comprometimento
do funcionamento visual dos olhos,
mesmo após tratamento ou correção. As
pessoas com baixa visão podem ler
textos impressos ampliados ou com uso
de recursos óticos especiais.
Dia Nacional do Cego
Com o objetivo de incentivar a
solidariedade humana, que preserva Direito
fundamental de igualdade e solidariedade
entre todos dentro da mesma sociedade,
sem discriminação e distinção a qualquer
nível, o 13 de dezembro tem como data
especial o Dia Nacional do Cego.
A data foi estipulada por meio do Decreto
nº 51.405/61, publicado no Diário Oficial da
União em 26 de julho de 1961. A criação se
deu pelo então presidente do Brasil, Jânio
da Silva Quadros.
Locomoção
A bengala possibilita um cego ser
independente, é através dela que o cego
vai se locomover para a escola, para o
serviço, para a casa do amigo e para
todos os outros lugares.
Softwares
Os softwares de vozes, os quais podem
serem instalados em qualquer computador
equipado com multimídia, introduzindo os
cegos ao mundo da informática. Os
softwares lêem com uma voz audível tudo
que vai aparecendo na tela, menos as
imagens sem descrição e alguns tipos de
tabelas, mas se o site obedecer as normas
de acessibilidade na WEB, não só os
deficientes visuais como todos os outros
deficientes terão total autonomia para
navegarem.
Recursos Tecnológicos
Mesmo com os recursos tecnológicos,
ainda são grandes as dificuldades que
eles sofrem. As escolas não são
preparadas para trabalhar com alunos
que apresentam problemas sérios de
visão, muitos professores não tem
formação adequada para desenvolver um
bom trabalho, ficando os alunos a mercê
das entidades especializadas.
Tato
O tato é desenvolvido e um cego
reconhece formatos, objeto e tudo mais
que possa ser tateado. Através do
Braille (sistema de leitura e escrita para
deficientes visuais), o cego pode ler
qualquer informação ou conteúdo.
Sonhos
Pessoas que ficam cegas depois do nascimento
podem ver imagens durante os sonhos. As
pessoas que nascem cegas não enxergam nada,
mas possuem sonhos igualmente vívidos
envolvendo seus outros sentidos: audição,
olfato, tato e suas emoções. É difícil para
pessoas que enxergam imaginar, mas o a
necessidade dos sonhos para o corpo é tão
forte que os cegos podem virtualmente
manipular todas as situações com as quais
sonham.
Braille
O alfabeto dos cegos foi criado por um
francês, Louis Braille, a partir de um
código da Marinha francesa, que
possibilitava a leitura de mensagens
durante a noite, em lugares onde qualquer
luz denunciaria a posição dos navios de
guerra.
Tem 63 caracteres de seis pontos cada um,
que podem ser reconhecidos pelo toque dos
dedos.
Guia
O guia humano é útil em certas ocasiões, como
por exemplo em uma corrida, num lugar que não
tenha nenhum tipo de acessibilidade, dentro de
ambientes desconhecidos e outros. Já o cão guia,
assim como a bengala facilita a independência de
um deficiente visual, mas no Brasil ainda háoucos
devido seu preço e a falta de informação. Em
outros países mais desenvolvidos o cão guia faz
parte da vida de muitos deficientes visuais.
Intoxicação
Raramente, a cegueira é causada pela
ingestão de determinados produtos
químicos. Um exemplo bem conhecido é o
metanol, que é apenas levemente tóxico e
minimamente intoxicante, mas não quando o
etanol compete com o metabolismo,
metanol decompõe-se em formaldeído e
ácido fórmico substâncias que por sua vez
pode causar cegueira, uma série de outras
complicações de saúde e até a morte.
Acessibilidade
Quando a cidade tem acessibilidade
urbanística e o povo tem consciência, ou
seja, não tenha buracos, bicicleta, carro,
placas publicitárias, orelhões sem
alinhamento adequado e outros nas
calçadas, os cegos e os demais cidadãos
se locomovem independentemente.
Cotidiano
Para termos noção do quanto a vida dos cegos é
difícil, basta pensarmos sobre as coisas que
fazemos em nosso dia a dia. Ao entrar em um
elevador, muitos deles não possuem a linguagem em
braile, feita com pontinhos que simbolizam as letras
e os números. Como um cego pode andar em um
elevador sem pedir auxílio? Os produtos vendidos
nos supermercados também não trazem essa
leitura, impedindo que o deficiente visual
identifique-os. Dessa forma, é muito difícil que uma
pessoa cega faça compras sozinha, sem depender de
alguém para lhe ajudar.
Direitos Garantidos pelos
Deficientes Visuais
DIREITOS / GARANTIAS
A Lei 7.853 de 24 de outubro de 1989 ampara a acessibilidade aos
portadores de deficiências visuais, integração ao mercado de trabalho e
educação adequada e adaptada.
A Lei nº. 7853/89 trata dos direitos e deveres dos portadores de
deficiências, garantindo que em todo o território brasileiro ações sejam
desenvolvidas para melhorias em sua vida, saúde, educação, trabalho e
lazer. Em seu artigo 1º estabelece: “Ficam estabelecidas normas gerais
que asseguram o pleno exercício dos direitos individuais e sociais das
pessoas portadoras de deficiências, e sua efetiva integração social, nos
termos desta Lei”.
Em dezembro de 1996, a Lei nº. 9394/96, a Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional, garantiu escolaridade gratuita a todos em seu
Capítulo V, nos artigos 58, 59 e 60.
Esta Lei garante o acesso à escolaridade em todos os níveis de ensino e
currículos adaptados e voltados a atender as deficiências.
DIREITOS / GARANTIAS
Isenção da Tarifa no Transporte Público
Têm direito ao transporte coletivo gratuito as pessoas
portadoras de deficiência física. Há cidades que concedem
esta gratuidade, inclusive, ao acompanhante da pessoa com
deficiência que não pode se deslocar sozinho, desde que
comprovado por atestado firmado por uma instituição
especializada ou serviço da Prefeitura Municipal. Busque
maiores informações junto a Secretaria de Transporte
Público de sua região.
DIREITOS / GARANTIAS
Amparo Social - Pessoa Portadora de Deficiência
O benefício de assistência social será prestado ao portador de
deficiência (incapacitada para a vida independente e para o trabalho, ou
seja, aquela que apresenta perdas ou reduções da sua estrutura, ou
função anatômica, fisiológica, psicológica ou mental, de caráter
permanente), independentemente de contribuição à seguridade social, no
valor de um salário mínimo, desde que a renda familiar mensal (per
capita) seja inferior a ¼ do salário mínimo;
A avaliação da deficiência e do grau de incapacidade será composta de
avaliação médica e social. As avaliações serão realizadas,
respectivamente, pela perícia médica e pelo serviço social do INSS, por
meio de instrumentos desenvolvidos especificamente para este fim.
Referências
• http://www.fundacaodorina.org.br/deficiencia-
visual/
• http://www.mensagenscomamor.com/curiosidad
es-sobre-cegos
• Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO - Cursos Online : Mais
de 1000 cursos online com certificado
http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/a
rtigos/21511/o-deficiente-visual-e-a-
lei#ixzz47Ez3vLAr
• http://www.guiatrabalhista.com.br/tematicas/do
enca-deficiente-direitos.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
Maristela Couto
 
Plano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento IndividualPlano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento Individual
Diogo Santos
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
aiadufmg
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência física
yurigadelha
 
Avaliação da visão funcional em baixa visão
Avaliação da visão funcional em baixa visãoAvaliação da visão funcional em baixa visão
Avaliação da visão funcional em baixa visão
Maria João Costa
 

Mais procurados (20)

Deficiência visual capacitação 2011
Deficiência visual capacitação 2011Deficiência visual capacitação 2011
Deficiência visual capacitação 2011
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de AprendizagemDeficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
 
Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.
 
Deficiente Visual e Escalada
Deficiente Visual e EscaladaDeficiente Visual e Escalada
Deficiente Visual e Escalada
 
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
Seminario dv
Seminario dvSeminario dv
Seminario dv
 
Plano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento IndividualPlano Desenvolvimento Individual
Plano Desenvolvimento Individual
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Deficiência Visual
Deficiência VisualDeficiência Visual
Deficiência Visual
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência física
 
Deficiência Visual
Deficiência VisualDeficiência Visual
Deficiência Visual
 
Avaliação da visão funcional em baixa visão
Avaliação da visão funcional em baixa visãoAvaliação da visão funcional em baixa visão
Avaliação da visão funcional em baixa visão
 
Sídromes trastornos-deficiencias-katiaqueiroz
Sídromes trastornos-deficiencias-katiaqueirozSídromes trastornos-deficiencias-katiaqueiroz
Sídromes trastornos-deficiencias-katiaqueiroz
 

Semelhante a Deficiência Visual

Cartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficienciasCartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficiencias
Cosmo Palasio
 

Semelhante a Deficiência Visual (20)

Sem barreiras
Sem barreirasSem barreiras
Sem barreiras
 
A InclusãO De Deficientes Visuais Na Sociedade
A InclusãO De Deficientes Visuais  Na SociedadeA InclusãO De Deficientes Visuais  Na Sociedade
A InclusãO De Deficientes Visuais Na Sociedade
 
Cartilha de inclusão
Cartilha de inclusãoCartilha de inclusão
Cartilha de inclusão
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Deficente visual
Deficente visualDeficente visual
Deficente visual
 
O talento além das diferenças
O talento além das diferençasO talento além das diferenças
O talento além das diferenças
 
Deficiência Visual
Deficiência Visual Deficiência Visual
Deficiência Visual
 
Texto institucional
Texto institucionalTexto institucional
Texto institucional
 
Programa de inclusão
Programa de inclusãoPrograma de inclusão
Programa de inclusão
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Manual web
Manual webManual web
Manual web
 
Ser diferente é normal
Ser diferente é normalSer diferente é normal
Ser diferente é normal
 
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
 
Slides apresentacao gt6
Slides apresentacao gt6Slides apresentacao gt6
Slides apresentacao gt6
 
Cartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficienciasCartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficiencias
 
Manual Novos Rumos
Manual Novos RumosManual Novos Rumos
Manual Novos Rumos
 
Cartilha atendimento pessoa_com_deficiencia_aureaeditora
Cartilha atendimento pessoa_com_deficiencia_aureaeditoraCartilha atendimento pessoa_com_deficiencia_aureaeditora
Cartilha atendimento pessoa_com_deficiencia_aureaeditora
 
Evangelização de pessoas com deficiências
Evangelização de pessoas com deficiênciasEvangelização de pessoas com deficiências
Evangelização de pessoas com deficiências
 
Acesso 2011.2 texto 02
Acesso 2011.2   texto 02Acesso 2011.2   texto 02
Acesso 2011.2 texto 02
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 

Deficiência Visual

  • 1.
  • 2. Gabrielle Maia Charley Rezende José Raimundo Direito – Noturno 2° Período Nova Faculdade – Contagem MG
  • 3. “A verdadeira beleza não está naquilo que vemos, mas sim naquilo que sentimos.”
  • 4. O que é deficiência visual? A deficiência visual é definida como a perda total ou parcial, congênita ou adquirida, da visão. O nível de acuidade visual pode variar, o que determina dois grupos de deficiência: Cegueira - há perda total da visão ou pouquíssima capacidade de enxergar, o que leva a pessoa a necessitar do Sistema Braille como meio de leitura e escrita.
  • 5. O que é deficiência visual? Baixa visão ou visão subnormal - caracteriza-se pelo comprometimento do funcionamento visual dos olhos, mesmo após tratamento ou correção. As pessoas com baixa visão podem ler textos impressos ampliados ou com uso de recursos óticos especiais.
  • 6. Dia Nacional do Cego Com o objetivo de incentivar a solidariedade humana, que preserva Direito fundamental de igualdade e solidariedade entre todos dentro da mesma sociedade, sem discriminação e distinção a qualquer nível, o 13 de dezembro tem como data especial o Dia Nacional do Cego. A data foi estipulada por meio do Decreto nº 51.405/61, publicado no Diário Oficial da União em 26 de julho de 1961. A criação se deu pelo então presidente do Brasil, Jânio da Silva Quadros.
  • 7. Locomoção A bengala possibilita um cego ser independente, é através dela que o cego vai se locomover para a escola, para o serviço, para a casa do amigo e para todos os outros lugares.
  • 8. Softwares Os softwares de vozes, os quais podem serem instalados em qualquer computador equipado com multimídia, introduzindo os cegos ao mundo da informática. Os softwares lêem com uma voz audível tudo que vai aparecendo na tela, menos as imagens sem descrição e alguns tipos de tabelas, mas se o site obedecer as normas de acessibilidade na WEB, não só os deficientes visuais como todos os outros deficientes terão total autonomia para navegarem.
  • 9. Recursos Tecnológicos Mesmo com os recursos tecnológicos, ainda são grandes as dificuldades que eles sofrem. As escolas não são preparadas para trabalhar com alunos que apresentam problemas sérios de visão, muitos professores não tem formação adequada para desenvolver um bom trabalho, ficando os alunos a mercê das entidades especializadas.
  • 10. Tato O tato é desenvolvido e um cego reconhece formatos, objeto e tudo mais que possa ser tateado. Através do Braille (sistema de leitura e escrita para deficientes visuais), o cego pode ler qualquer informação ou conteúdo.
  • 11. Sonhos Pessoas que ficam cegas depois do nascimento podem ver imagens durante os sonhos. As pessoas que nascem cegas não enxergam nada, mas possuem sonhos igualmente vívidos envolvendo seus outros sentidos: audição, olfato, tato e suas emoções. É difícil para pessoas que enxergam imaginar, mas o a necessidade dos sonhos para o corpo é tão forte que os cegos podem virtualmente manipular todas as situações com as quais sonham.
  • 12. Braille O alfabeto dos cegos foi criado por um francês, Louis Braille, a partir de um código da Marinha francesa, que possibilitava a leitura de mensagens durante a noite, em lugares onde qualquer luz denunciaria a posição dos navios de guerra. Tem 63 caracteres de seis pontos cada um, que podem ser reconhecidos pelo toque dos dedos.
  • 13. Guia O guia humano é útil em certas ocasiões, como por exemplo em uma corrida, num lugar que não tenha nenhum tipo de acessibilidade, dentro de ambientes desconhecidos e outros. Já o cão guia, assim como a bengala facilita a independência de um deficiente visual, mas no Brasil ainda háoucos devido seu preço e a falta de informação. Em outros países mais desenvolvidos o cão guia faz parte da vida de muitos deficientes visuais.
  • 14. Intoxicação Raramente, a cegueira é causada pela ingestão de determinados produtos químicos. Um exemplo bem conhecido é o metanol, que é apenas levemente tóxico e minimamente intoxicante, mas não quando o etanol compete com o metabolismo, metanol decompõe-se em formaldeído e ácido fórmico substâncias que por sua vez pode causar cegueira, uma série de outras complicações de saúde e até a morte.
  • 15. Acessibilidade Quando a cidade tem acessibilidade urbanística e o povo tem consciência, ou seja, não tenha buracos, bicicleta, carro, placas publicitárias, orelhões sem alinhamento adequado e outros nas calçadas, os cegos e os demais cidadãos se locomovem independentemente.
  • 16. Cotidiano Para termos noção do quanto a vida dos cegos é difícil, basta pensarmos sobre as coisas que fazemos em nosso dia a dia. Ao entrar em um elevador, muitos deles não possuem a linguagem em braile, feita com pontinhos que simbolizam as letras e os números. Como um cego pode andar em um elevador sem pedir auxílio? Os produtos vendidos nos supermercados também não trazem essa leitura, impedindo que o deficiente visual identifique-os. Dessa forma, é muito difícil que uma pessoa cega faça compras sozinha, sem depender de alguém para lhe ajudar.
  • 18. DIREITOS / GARANTIAS A Lei 7.853 de 24 de outubro de 1989 ampara a acessibilidade aos portadores de deficiências visuais, integração ao mercado de trabalho e educação adequada e adaptada. A Lei nº. 7853/89 trata dos direitos e deveres dos portadores de deficiências, garantindo que em todo o território brasileiro ações sejam desenvolvidas para melhorias em sua vida, saúde, educação, trabalho e lazer. Em seu artigo 1º estabelece: “Ficam estabelecidas normas gerais que asseguram o pleno exercício dos direitos individuais e sociais das pessoas portadoras de deficiências, e sua efetiva integração social, nos termos desta Lei”. Em dezembro de 1996, a Lei nº. 9394/96, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, garantiu escolaridade gratuita a todos em seu Capítulo V, nos artigos 58, 59 e 60. Esta Lei garante o acesso à escolaridade em todos os níveis de ensino e currículos adaptados e voltados a atender as deficiências.
  • 19. DIREITOS / GARANTIAS Isenção da Tarifa no Transporte Público Têm direito ao transporte coletivo gratuito as pessoas portadoras de deficiência física. Há cidades que concedem esta gratuidade, inclusive, ao acompanhante da pessoa com deficiência que não pode se deslocar sozinho, desde que comprovado por atestado firmado por uma instituição especializada ou serviço da Prefeitura Municipal. Busque maiores informações junto a Secretaria de Transporte Público de sua região.
  • 20. DIREITOS / GARANTIAS Amparo Social - Pessoa Portadora de Deficiência O benefício de assistência social será prestado ao portador de deficiência (incapacitada para a vida independente e para o trabalho, ou seja, aquela que apresenta perdas ou reduções da sua estrutura, ou função anatômica, fisiológica, psicológica ou mental, de caráter permanente), independentemente de contribuição à seguridade social, no valor de um salário mínimo, desde que a renda familiar mensal (per capita) seja inferior a ¼ do salário mínimo; A avaliação da deficiência e do grau de incapacidade será composta de avaliação médica e social. As avaliações serão realizadas, respectivamente, pela perícia médica e pelo serviço social do INSS, por meio de instrumentos desenvolvidos especificamente para este fim.
  • 21. Referências • http://www.fundacaodorina.org.br/deficiencia- visual/ • http://www.mensagenscomamor.com/curiosidad es-sobre-cegos • Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO - Cursos Online : Mais de 1000 cursos online com certificado http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/a rtigos/21511/o-deficiente-visual-e-a- lei#ixzz47Ez3vLAr • http://www.guiatrabalhista.com.br/tematicas/do enca-deficiente-direitos.htm