SlideShare uma empresa Scribd logo
ABORTO




 Nome: Ronaldo Silva    Nº: 26
             1º ano C
UM ABORTO OU INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ:
    a remoção ou expulsão prematura de
    um embrião ou feto do útero, resultando na sua morte
    ou sendo por esta causada. Isto pode ocorrer de
    forma espontânea ou induzida, provocando-se o fim
    da gestação, e consequente fim da atividade biológica
    do embrião ou feto, mediante uso de medicamentos ou
    realização de cirurgias.
   O aborto induzido, quando realizado por profissionais
    capacitados e em boas condições de higiene é um dos
    procedimentos mais seguros da medicina
    atual. Entretanto, o aborto inseguro, feito por pessoas
    não qualificadas ou fora de um ambiente
    hospitalar, resulta em aproximadamente 70 mil mortes
    maternas e cinco milhões de lesões maternas por ano
    no mundo.
 Estima-se que sejam realizados no mundo 44
  milhões de abortos anualmente, sendo pouco
  menos da metade destes procedimentos realizados
  de forma insegura. A incidência do aborto se
  estabilizou nos últimos anos, após ter tido uma
  queda nas últimas décadas devido ao maior acesso
  a planejamento familiar e a método
  contraceptivos. Quarenta por cento das mulheres do
  mundo têm acesso a aborto induzido em seus
  países (dentro dos limites gestacionais).
 Historicamente, o aborto induzido vem sendo
  realizado através de diferentes métodos e seus
  aspectos morais, éticos, legais e religiosos ainda
  são objeto de intenso debate em diversas partes do
  mundo.
Aborto
ABORTO ESPONTÂNEO:



   Involuntário ou casual, é a expulsão não intencional
    de um embrião ou feto antes de 20-22 semanas de
    idade gestacional. Uma gravidez que termina antes
    de 37 semanas de idade gestacional que resulta
    em um recém-nascido vivo é conhecida como parto
    prematuro ou pré-termo. Quando um feto morre no
    interior do útero após a viabilidade, ou durante o
    parto, geralmente é chamado de natimorto.
A causa mais comum de aborto espontâneo
 durante o primeiro trimestre são as
 anomalias cromossômicas do
 feto/embrião, que contabilizam pelo menos
 50% das perdas gestacionais precoces.
 Outras causas incluem doenças vasculares
 (como o lúpus
 eritematos, sistêmico), diabetes, problemas
 hormonais, infecções, anomalias uterinas e
 trauma acidental ou intencional.
Aborto
ABORTO INDUZIDO:

   O aborto induzido, também denominado aborto
    provocado ou interrupção voluntária da gravidez, é o
    aborto causado por uma ação humana deliberada.
    Ocorre pela ingestão de medicamentos ou por métodos
    mecânicos. A ética deste tipo de abortamento é
    fortemente contestada em muitos países do mundo mas
    é reconhecida como uma prática legal em outros locais
    do mundo, sendo inclusive em alguns totalmente
    coberta pelo sistema público de saúde. Os dois polos
    desta discussão passam por definir quando o feto ou
    embrião se torna humano ou vivo (se na concepção, no
    nascimento ou em um ponto intermediário) e na
    primazia do direito da mulher grávida sobre o direito do
    feto ou embrião.
O aborto induzido possui as seguintes subcategorias:

   Aborto terapêutico
     aborto provocado para salvar a vida da gestante
     para preservar a saúde física ou mental da mulher
     para dar fim à gestação que resultaria
      numa criança com problemas congênitos que
      seriam fatais ou associados
      com enfermidades graves
     para reduzir seletivamente o número de fetos para
      diminuir a possibilidade de riscos associados
      a gravidezes múltiplas.
   Aborto eletivo: aborto provocado por qualquer outra
    motivação.
Outras classificações:

 Quanto  ao tempo de duração da gestação:
 Aborto subclínico: abortamento que
  acontece antes de quatro semanas de
  gestação
 Aborto precoce: entre quatro e doze
  semanas
 Aborto tardio: após doze semanas
SEGURANÇA:
   Os riscos à saúde do aborto induzido dependem se o
    procedimento é realizado com segurança ou sem
    segurança. A Organização Mundial de Saúde define
    como abortos não seguros aqueles realizados por
    pessoas sem treinamento, equipamentos perigosos ou
    em instituições sem higiene. Os abortos legais
    realizados nos países desenvolvidos tão entre os
    procedimentos mais seguros na medicinas Nos Estados
    Unidos, a taxa de mortalidade materna em abortos
    entre 1998 e 2005 foi de 0,6 morte por 100.000
    procedimentos abortivos, tornando o aborto cerca de 14
    vezes mais seguro do que o parto, cuja taxa de
    mortalidade é de 8,8 mortes por 100.000 nascidos
    vivos.
 O risco de mortalidade relacionada ao aborto
  aumenta com a idade gestacional, mas permanece
  menor do que o do parto até pelo menos 21
  semanas de gestação. Isso contrasta com algumas
  leis presentes em alguns países que exigem que
  os médicos informem aos pacientes que o aborto é
  um procedimento de alto risco.
 A aspiração uterina a vácuo no primeiro trimestre é
  o método de aborto não farmacológico mais
  seguro, e pode ser realizado em uma clínica de
  atenção primária em saúde, clínica de aborto ou
  hospital. As complicações são raras e podem
  incluir perfuração uterina, infecção pélvica e
  retenção dos produtos da concepção necessitando
  de um segundo procedimento para evacuá-los.
Aborto
MULHERES GRÁVIDAS VÍTIMAS DE
           VIOLÊNCIA:

 Embora  existam notícias indicando
 que muitas mulheres grávidas morrem
 em consequência de atos
 violentos, aparentemente não há
 dados conclusivos que cruzem esta
 informação com o risco de morte geral
 das mulheres não grávidas em
 situações semelhantes.
Aborto
CONSEQUÊNCIAS A LONGO PRAZO PARA A
          CRIANÇA NÃO DESEJADA:



 Doença    e morte prematura ;
 Pobreza ;

 Problemas de desenvolvimento ;

 Abandono escolar ;

 Delinquência juvenil ;

 Abuso de menores ;

 Instabilidade familiar e divórcio ;

 Necessidade de apoio psiquiátrico ;

 Falta de auto estima .
 Uma opinião contrária, entretanto, apresentada por
  grupos pró-vida, seria que, mesmo que sejam
  encontradas correlações estatísticas entre gravidez
  indesejáveis e situações consideradas
  psicologicamente ruins para as crianças nascidas, esta
  situação não pode ser comparada com a de crianças
  abortadas, visto que estas não estão vivas.
 Uma "situação de vida" não seria passível de
  comparação com uma "situação de morte", visto a
  inverificabilidade desta enquanto situação
  possivelmente existente (a chamada "vida após a
  morte") pelos métodos científicos disponíveis. Como
  não se pode estipular se uma situação ruim de
  vida, por pior que fosse, seria pior que a morte, o
  aborto, no caso, não poderia ser apresentado como
  solução, visto que não dá a capacidade de escolha ao
  envolvido, enquanto ainda é um feto.
MÉTODOS DE INDUÇÃO:

 Aborto   farmacológico: Também conhecido
  como aborto médico, químico ou não
  cirúrgico, é o aborto induzido por administração
  de fármacos que provocam a interrupção da
  gravidez e a expulsão do embrião. O aborto
  farmacológico é aplicável apenas no
  primeiro trimestre da gravidez.
 Tornou-se um método alternativo de aborto
  induzido com o surgimento no mercado
  dos análogos de prostaglandina no início
  dos anos 1970 e
  do antiprogestágeno mifepristona nos anos
  1980.
 Os regimes de aborto mais comuns para o
 primeiro trimestre utilizam mifepristona em
 combinação com um análogo de
 prostaglandina (misoprostol) até 9 semanas
 de idade gestacional,metotrexato em
 combinação com um análogo de
 prostaglandina até 7 semanas de gestação,
 ou um análogo de prostaglandina isolado. Os
 regimes de mifepristona–misoprostol
 funcionam mais rápido e são mais efetivos
 em idades gestacionais mais avançadas do
 que os regimes combinados de metotrexato-
 misoprostol, e os regimes combinados são
 mais efetivos que o uso do misoprostol
 isolado.
ABORTO CIRÚRGICO OU POR
           PROCEDIMENTOS:


 Os procedimentos no
 primeiro trimestre
 podem geralmente
 ser realizados
 usando anestesia
 local, enquanto os
 realizados no
 segundo trimestre
 podem necessitar
 de sedação ou anest
 esia geral.
ABORTO POR ESVAZIAMENTO CRANIANO
                INTRAUTERINO:


   O aborto por esvaziamento craniano intrauterino
    (ECI), também conhecido como aborto com
    "nascimento parcial", é uma técnica utilizada para
    provocar o aborto quando a gravidez está em
    estágio avançado, entre 20 e 26 semanas (cinco
    meses a seis meses e meio). Guiado por
    ultrassom, o médico segura a perna do feto com
    um fórceps, puxa-o para o canal vaginal, e então
    retira o feto do útero, com exceção da cabeça. Faz
    então uma incisão na nuca, inserindo depois
    um catéter para sugar o cérebro do feto e então o
    retira por inteiro do corpo da mãe. Em alguns
    países, essa prática é proibida em todos os
    casos, sendo considerada homicídio e punida
    severamente.
Aborto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aborto slide
Aborto slideAborto slide
Aborto slide
Marcos Silva
 
O debate em torno do aborto.
O debate em torno do aborto.O debate em torno do aborto.
O debate em torno do aborto.
Fábio Fernandes
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
michael-ll
 
aborto
 aborto aborto
Aborto
Aborto Aborto
Aborto
SonynhaRegis
 
Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ana Santos
 
Aborto slides
Aborto slidesAborto slides
O Aborto
O AbortoO Aborto
O Aborto
Rita Galrito
 
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
marleneves
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
Ana Santos
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
egmichele
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
CriseGreg
 
Legalização do aborto observatório (1)
Legalização do aborto   observatório (1)Legalização do aborto   observatório (1)
Legalização do aborto observatório (1)
jadertheophilo
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto no brasil
Aborto no brasilAborto no brasil
Aborto no brasil
-
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
Laíz Coutinho
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto Voluntário
Aborto Voluntário Aborto Voluntário
Aborto Voluntário
Sara Afonso
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Gregecris
 

Mais procurados (20)

Aborto slide
Aborto slideAborto slide
Aborto slide
 
O debate em torno do aborto.
O debate em torno do aborto.O debate em torno do aborto.
O debate em torno do aborto.
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
aborto
 aborto aborto
aborto
 
Aborto
Aborto Aborto
Aborto
 
Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto slides
Aborto slidesAborto slides
Aborto slides
 
O Aborto
O AbortoO Aborto
O Aborto
 
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Legalização do aborto observatório (1)
Legalização do aborto   observatório (1)Legalização do aborto   observatório (1)
Legalização do aborto observatório (1)
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto no brasil
Aborto no brasilAborto no brasil
Aborto no brasil
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto Voluntário
Aborto Voluntário Aborto Voluntário
Aborto Voluntário
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 

Destaque

El Aborto
El AbortoEl Aborto
El Aborto
BrendaQS
 
El aborto
El abortoEl aborto
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
Bety Badillo
 
Recomendacion aborto
Recomendacion  abortoRecomendacion  aborto
Recomendacion aborto
lisgeanella
 
Tipos de abortos
Tipos de abortosTipos de abortos
Tipos de abortos
Хозе Попоца
 
Aborto inducido y terapeutico
Aborto inducido y terapeuticoAborto inducido y terapeutico
Aborto inducido y terapeutico
Rene Uziel Garcia Ramirez
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
pechufa
 

Destaque (7)

El Aborto
El AbortoEl Aborto
El Aborto
 
El aborto
El abortoEl aborto
El aborto
 
ABORTO
ABORTOABORTO
ABORTO
 
Recomendacion aborto
Recomendacion  abortoRecomendacion  aborto
Recomendacion aborto
 
Tipos de abortos
Tipos de abortosTipos de abortos
Tipos de abortos
 
Aborto inducido y terapeutico
Aborto inducido y terapeuticoAborto inducido y terapeutico
Aborto inducido y terapeutico
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 

Semelhante a Aborto

Aborto
AbortoAborto
Aborto
AbortoAborto
Aborto
AbortoAborto
Aborto
egmichele
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
CriseGreg
 
Abortar ou não abortar
Abortar ou não abortarAbortar ou não abortar
Abortar ou não abortar
Sérgio Antao
 
Ng7-Aborto
Ng7-AbortoNg7-Aborto
Ng7-Aborto
AT
 
Aborto yane
Aborto yaneAborto yane
Aborto yane
Tatyana Rodrigues
 
Aborto yane
Aborto yaneAborto yane
Aborto yane
Yaneh Viana
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Yaneh Viana
 
Fundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: AbortamentoFundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: Abortamento
Patrícia Prates
 
Seminário aborto
Seminário abortoSeminário aborto
Seminário aborto
Sônia Régis
 
O aborto
O abortoO aborto
O aborto
100ideias
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ketiele Lima
 
Trabalho sobre O Aborto. Keth
Trabalho sobre O Aborto. KethTrabalho sobre O Aborto. Keth
Trabalho sobre O Aborto. Keth
Alearcos
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Alearcos
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ylla Cohim
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
SourcerRagna
 
Técnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 anoTécnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Diana Carvalho
 
Tuv12 pag 41_47_atualizacao
Tuv12 pag 41_47_atualizacaoTuv12 pag 41_47_atualizacao
Tuv12 pag 41_47_atualizacao
sandra.pereira
 
Anna trab aborto
Anna trab abortoAnna trab aborto
Anna trab aborto
spynight
 

Semelhante a Aborto (20)

Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Abortar ou não abortar
Abortar ou não abortarAbortar ou não abortar
Abortar ou não abortar
 
Ng7-Aborto
Ng7-AbortoNg7-Aborto
Ng7-Aborto
 
Aborto yane
Aborto yaneAborto yane
Aborto yane
 
Aborto yane
Aborto yaneAborto yane
Aborto yane
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Fundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: AbortamentoFundamentação teórica: Abortamento
Fundamentação teórica: Abortamento
 
Seminário aborto
Seminário abortoSeminário aborto
Seminário aborto
 
O aborto
O abortoO aborto
O aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Trabalho sobre O Aborto. Keth
Trabalho sobre O Aborto. KethTrabalho sobre O Aborto. Keth
Trabalho sobre O Aborto. Keth
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Técnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 anoTécnicas de Reprodução Assistida 12 ano
Técnicas de Reprodução Assistida 12 ano
 
Tuv12 pag 41_47_atualizacao
Tuv12 pag 41_47_atualizacaoTuv12 pag 41_47_atualizacao
Tuv12 pag 41_47_atualizacao
 
Anna trab aborto
Anna trab abortoAnna trab aborto
Anna trab aborto
 

Aborto

  • 1. ABORTO Nome: Ronaldo Silva Nº: 26 1º ano C
  • 2. UM ABORTO OU INTERRUPÇÃO DA GRAVIDEZ:  a remoção ou expulsão prematura de um embrião ou feto do útero, resultando na sua morte ou sendo por esta causada. Isto pode ocorrer de forma espontânea ou induzida, provocando-se o fim da gestação, e consequente fim da atividade biológica do embrião ou feto, mediante uso de medicamentos ou realização de cirurgias.  O aborto induzido, quando realizado por profissionais capacitados e em boas condições de higiene é um dos procedimentos mais seguros da medicina atual. Entretanto, o aborto inseguro, feito por pessoas não qualificadas ou fora de um ambiente hospitalar, resulta em aproximadamente 70 mil mortes maternas e cinco milhões de lesões maternas por ano no mundo.
  • 3.  Estima-se que sejam realizados no mundo 44 milhões de abortos anualmente, sendo pouco menos da metade destes procedimentos realizados de forma insegura. A incidência do aborto se estabilizou nos últimos anos, após ter tido uma queda nas últimas décadas devido ao maior acesso a planejamento familiar e a método contraceptivos. Quarenta por cento das mulheres do mundo têm acesso a aborto induzido em seus países (dentro dos limites gestacionais).  Historicamente, o aborto induzido vem sendo realizado através de diferentes métodos e seus aspectos morais, éticos, legais e religiosos ainda são objeto de intenso debate em diversas partes do mundo.
  • 5. ABORTO ESPONTÂNEO:  Involuntário ou casual, é a expulsão não intencional de um embrião ou feto antes de 20-22 semanas de idade gestacional. Uma gravidez que termina antes de 37 semanas de idade gestacional que resulta em um recém-nascido vivo é conhecida como parto prematuro ou pré-termo. Quando um feto morre no interior do útero após a viabilidade, ou durante o parto, geralmente é chamado de natimorto.
  • 6. A causa mais comum de aborto espontâneo durante o primeiro trimestre são as anomalias cromossômicas do feto/embrião, que contabilizam pelo menos 50% das perdas gestacionais precoces. Outras causas incluem doenças vasculares (como o lúpus eritematos, sistêmico), diabetes, problemas hormonais, infecções, anomalias uterinas e trauma acidental ou intencional.
  • 8. ABORTO INDUZIDO:  O aborto induzido, também denominado aborto provocado ou interrupção voluntária da gravidez, é o aborto causado por uma ação humana deliberada. Ocorre pela ingestão de medicamentos ou por métodos mecânicos. A ética deste tipo de abortamento é fortemente contestada em muitos países do mundo mas é reconhecida como uma prática legal em outros locais do mundo, sendo inclusive em alguns totalmente coberta pelo sistema público de saúde. Os dois polos desta discussão passam por definir quando o feto ou embrião se torna humano ou vivo (se na concepção, no nascimento ou em um ponto intermediário) e na primazia do direito da mulher grávida sobre o direito do feto ou embrião.
  • 9. O aborto induzido possui as seguintes subcategorias:  Aborto terapêutico  aborto provocado para salvar a vida da gestante  para preservar a saúde física ou mental da mulher  para dar fim à gestação que resultaria numa criança com problemas congênitos que seriam fatais ou associados com enfermidades graves  para reduzir seletivamente o número de fetos para diminuir a possibilidade de riscos associados a gravidezes múltiplas.  Aborto eletivo: aborto provocado por qualquer outra motivação.
  • 10. Outras classificações:  Quanto ao tempo de duração da gestação:  Aborto subclínico: abortamento que acontece antes de quatro semanas de gestação  Aborto precoce: entre quatro e doze semanas  Aborto tardio: após doze semanas
  • 11. SEGURANÇA:  Os riscos à saúde do aborto induzido dependem se o procedimento é realizado com segurança ou sem segurança. A Organização Mundial de Saúde define como abortos não seguros aqueles realizados por pessoas sem treinamento, equipamentos perigosos ou em instituições sem higiene. Os abortos legais realizados nos países desenvolvidos tão entre os procedimentos mais seguros na medicinas Nos Estados Unidos, a taxa de mortalidade materna em abortos entre 1998 e 2005 foi de 0,6 morte por 100.000 procedimentos abortivos, tornando o aborto cerca de 14 vezes mais seguro do que o parto, cuja taxa de mortalidade é de 8,8 mortes por 100.000 nascidos vivos.
  • 12.  O risco de mortalidade relacionada ao aborto aumenta com a idade gestacional, mas permanece menor do que o do parto até pelo menos 21 semanas de gestação. Isso contrasta com algumas leis presentes em alguns países que exigem que os médicos informem aos pacientes que o aborto é um procedimento de alto risco.  A aspiração uterina a vácuo no primeiro trimestre é o método de aborto não farmacológico mais seguro, e pode ser realizado em uma clínica de atenção primária em saúde, clínica de aborto ou hospital. As complicações são raras e podem incluir perfuração uterina, infecção pélvica e retenção dos produtos da concepção necessitando de um segundo procedimento para evacuá-los.
  • 14. MULHERES GRÁVIDAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA:  Embora existam notícias indicando que muitas mulheres grávidas morrem em consequência de atos violentos, aparentemente não há dados conclusivos que cruzem esta informação com o risco de morte geral das mulheres não grávidas em situações semelhantes.
  • 16. CONSEQUÊNCIAS A LONGO PRAZO PARA A CRIANÇA NÃO DESEJADA:  Doença e morte prematura ;  Pobreza ;  Problemas de desenvolvimento ;  Abandono escolar ;  Delinquência juvenil ;  Abuso de menores ;  Instabilidade familiar e divórcio ;  Necessidade de apoio psiquiátrico ;  Falta de auto estima .
  • 17.  Uma opinião contrária, entretanto, apresentada por grupos pró-vida, seria que, mesmo que sejam encontradas correlações estatísticas entre gravidez indesejáveis e situações consideradas psicologicamente ruins para as crianças nascidas, esta situação não pode ser comparada com a de crianças abortadas, visto que estas não estão vivas.  Uma "situação de vida" não seria passível de comparação com uma "situação de morte", visto a inverificabilidade desta enquanto situação possivelmente existente (a chamada "vida após a morte") pelos métodos científicos disponíveis. Como não se pode estipular se uma situação ruim de vida, por pior que fosse, seria pior que a morte, o aborto, no caso, não poderia ser apresentado como solução, visto que não dá a capacidade de escolha ao envolvido, enquanto ainda é um feto.
  • 18. MÉTODOS DE INDUÇÃO:  Aborto farmacológico: Também conhecido como aborto médico, químico ou não cirúrgico, é o aborto induzido por administração de fármacos que provocam a interrupção da gravidez e a expulsão do embrião. O aborto farmacológico é aplicável apenas no primeiro trimestre da gravidez.  Tornou-se um método alternativo de aborto induzido com o surgimento no mercado dos análogos de prostaglandina no início dos anos 1970 e do antiprogestágeno mifepristona nos anos 1980.
  • 19.  Os regimes de aborto mais comuns para o primeiro trimestre utilizam mifepristona em combinação com um análogo de prostaglandina (misoprostol) até 9 semanas de idade gestacional,metotrexato em combinação com um análogo de prostaglandina até 7 semanas de gestação, ou um análogo de prostaglandina isolado. Os regimes de mifepristona–misoprostol funcionam mais rápido e são mais efetivos em idades gestacionais mais avançadas do que os regimes combinados de metotrexato- misoprostol, e os regimes combinados são mais efetivos que o uso do misoprostol isolado.
  • 20. ABORTO CIRÚRGICO OU POR PROCEDIMENTOS:  Os procedimentos no primeiro trimestre podem geralmente ser realizados usando anestesia local, enquanto os realizados no segundo trimestre podem necessitar de sedação ou anest esia geral.
  • 21. ABORTO POR ESVAZIAMENTO CRANIANO INTRAUTERINO:  O aborto por esvaziamento craniano intrauterino (ECI), também conhecido como aborto com "nascimento parcial", é uma técnica utilizada para provocar o aborto quando a gravidez está em estágio avançado, entre 20 e 26 semanas (cinco meses a seis meses e meio). Guiado por ultrassom, o médico segura a perna do feto com um fórceps, puxa-o para o canal vaginal, e então retira o feto do útero, com exceção da cabeça. Faz então uma incisão na nuca, inserindo depois um catéter para sugar o cérebro do feto e então o retira por inteiro do corpo da mãe. Em alguns países, essa prática é proibida em todos os casos, sendo considerada homicídio e punida severamente.