SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
“Eis que estou à porta e bato: se
alguém ouvir a minha voz e me abrir
a porta, entrarei em sua casa e
cearemos, eu com ele e ele
comigo”(Ap 3,20).
Noviço: CRISTÓBAL ÁVALOS ROJAS
A ORAÇÃO NOS ESCRITOS DE SAMZ
Objetivo deste breve artigo será ver como SAMZ entendia a Oração.
Procuraremos, também, apresentar algumas suas sugestões para melhorar a experiência
de Deus. Estas poucas páginas não pretendem abraçar todo o pensamento do
Reformador.
1. Fundamento
Em primeiro lugar, torna-se imprescindível encontrar o fundamento da
existência humana, como pode ser claramente notado na intuição de SAMZ: “É
necessário unir-se a Deus, elevar a mente, fazer oração e, mais ainda, contemplar”, (cf.
20324). Disto se deduz que o zaccariano tem seu fundamento na relação íntima e na
unidade com Deus, isto é, que é uma pessoa comprometida com a realidade (desde os
olhos de Deus), não querendo evadir-se de sua vivencia concreta; atitude que permite
considerar a realidade como uma oportunidade.
De fato, nesse mesmo princípio se justifica a expressão de Deus no último dia da
criação: “Façamos o homem à nossa imagem(‫ם‬‫צ‬‫ם‬‫ל‬ֶ), conforme a nossa semelhança
(‫ּומְּדת‬)” (Gn 1,26). Em termos simples, fomos feitos para parecermos com Deus, somos
capacitados para viver em comunhão com Ele. No Éden, o primeiro relacionamento do
homem foi com Deus.
2. Contemplativo na ação
SAMZ dá uma chave para a vida espiritual desde a Carta 3, destinada à Carlos
Magni, advogado e, provavelmente, comerciante, do grupo bíblico “Amizade”.
Verifica-se como o Reformador dos costumes não fica preso somente a um modo de
orar, primeiro porque a oração não pode ser reduzida a uma espiritualidade devocional
devoções e de praticas externas (terço, ladainha, oficio, etc.), segundo, porque orar não
é ficar separado do mundo (fuga mundi), tendo medo de viver no mundo, pra levar uma
espiritualidade intimista. Terceiro, porque a oração não é um sentimentalismo místico,
uma procura exasperada de paz interior.
O pai Antônio assim se expressa a respeito da atitude contemplativa: “A segunda
coisa que o ajudará a viver o que eu disse antes e trará para você mais e mais graças de
Deus, é a frequente elevação da mente (contemplação). Caro amigo, a elevação da
mente é necessária, pois onde há maior perigo e se trata de coisas mais importantes, é aí
mesmo que o cuidado deve ser maior e a atenção redobrada”, (10307). Constata-se
como, segundo SAMZ, é possível encontrar Deus sem que as coisas e atividades deste
mundo impeçam a sua contemplação, porque ele se revela enquanto acompanha o ser
humano no seu trabalho.
Certamente um modo de entrar em oração é tomando cuidado e prestando
atenção aos acontecimentos do mundo. É possível encontrar Deus nas dificuldades e
contrariedades, pois o mundo é a nossa casa.
De fato, toda oração nos deve impulsionar ma ajuda do próximo, entendido
como serviço ao próprio Deus: “corramos como loucos não só para Deus, mas também
para o próximo, pois é o próximo que recebe tudo aquilo que não podemos dar a Deus,
porque Ele não precisa de nossos bens” (10216).
O próprio evangelho fala: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’,
entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos
céus. (Mt 7,21). A oração, para que seja autêntica, deve ser acompanhada pela luta
contínua em cumprir a vontade divina. Para cumprir essa vontade não basta falar das
coisas de Deus, é necessário que haja coerência entre o que se pede - o que se diz - e o
que se faz.
“E, por assim dizer, se até na distração, o homem se une a Deus” (10305).
3. Posturas para orar
Na oração todo o ser se dirige a Deus. De fato, o ser humano não é só espírito,
como os anjos... Fomos constituídos de carne e osso, portanto existem
condicionamentos e forças a considerar no processo de oração.
Observe-se o coração livre para adotar a postura corporal mais favorável:
“Deitado na cama, ajoelhado, sentado, ou de qualquer outro jeito que você quiser”,
(10303). Com certeza, para SAMZ é mais importante ter a intenção pura e reta no
momento de orar. Encontramos um bom sentimento de joelho? Então, fantástico!
Achamos o que procuramos sentados? Igualmente, muito bem! No entanto, o
importante em todo caso, é estarmos satisfeitos por encontrar a vontade de Deus.
A Bíblia não prescreve nenhuma postura única para a oração. Embora ajoelhar-
se seja sem dúvida apropriado e mostre reverência, parece que o importante não é tanto
a posição física, mas a atitude mental. Que sempre nos lembremos disso.
4. Personalidade humana e oração
A experiência humana e, consequentemente, a cristã é dinâmica. Cotidianamente
vivemos coisas novas que agitam a nossa existência. Em nós existe firmeza, decisão,
vontade de mudanças, insatisfação com o mal, unidos a falta de firmeza, indecisão,
instabilidade, tristeza consigo mesmo, irritação, superficialidade, frieza espiritual,
tibieza (Escritos Cartas, p. 9).
Por algo natural a gente pode amar as coisas do mundo ou cair na luxuria e
vaidade para assim ficar com o que é confortável. De fato, tudo isso, não é ordenado ou
controlado, traz problemas.
Temos tendência à desordem e não escapamos dela; mas temos, também, a
capacidade de anotar e conhecer bem quais são as nossas tendências baixas, que nos
afastam de Deus e da vida saudável, e logo podemos reagir (lat.: agere contra).
Reconhecendo toda a realidade do homem o convite é permanecer na presença
de Deus. Já o disse o salmo 139, 1-2.7: “SENHOR, tu me sondaste, e me conheces.
Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Para
onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?”. O Pai é misericordioso e
está disposto a nos receber (Lc 15, 11-21). Deus dá ao homem a capacidade de tomar
consciência de seus atos, oferecendo condições para melhorar e crescer gradativamente
através de meios eficientes como a Palavra de Deus, os Sacramentos, a Liturgia, as
Obras de Misericórdia, Grupos de vida, a Oração, etc.
5. Oração e compromisso
Santo Antônio, como mestre de oração e conhecendo bem a natureza humana,
observava, quando escrevia com muito prazer para a sempre fiel D. Lucrécia, que é
enganoso viver rezando sem ter compromisso concreto com a vida dos outros. “ Digam
a ela: desejaria que ela ficasse parecida comigo: quer dizer, que não cuide só do seu
progresso espiritual – o que seria muito pouco – mas que se comprometa para que as
outras aproveitem do mesmo jeito que ela” (10611). O aprofundamento da verdade
divina não pode estar desligado da práxis (ora et labora et legere).
6. Paciência e diligência
É recomendável examinar a vida de oração cotidianamente. É possível progredir
na medida em que somos pacientes e constantes na prática espiritual.
No entanto, é responsabilidade de cada indivíduo tratar de aplicar todos os meios
para fazer bem o exercício. Um dos motivos da falta de crescimento poderia ser a
própria negligencia a esse respeito. SAMZ assim se expressa: “Ora, caríssimos irmãos,
nem me passa pela cabeça que Deus seja culpado do pequeno crescimento que nós
temos na vida espiritual, a não ser que Ele permita que isso aconteça!”
(20101).Portanto, quando não se observa progresso na dinâmica espiritual, é bom
colocar maior diligência e crescer na paciência.
Diante das próprias limitações e condicionamentos devemos fazer o “oppósito
per diametrum”, isto é, demostrar diligência e forte reação ao mal.
Talvez seja “oppositio”, então teríamos: a “oppositio”, sem acento.
7. Horas canônicas e ambiente
No capítulo 1 das Constituições recomenda-se aos barnabitas ter um cuidado
especial com as horas canônicas e comunitárias: “Todas as horas sejam rezadas de
maneira lenta e cuidadosa, sem canto e sem órgão, mas façam esforço para que seja com
toda devoção” (30101). O ambiente, também, influi no momento de rezar em comum ou
indivualmente. O Fundador pede a esse respeito: “Nossas capelas sejam humildes e
pobres, sem esculturas, sem tapetes, sem cortinas de seda e com uma torre baixinha, que
não ultrapasse mais de dois metros do telhado. Façam-se imagens não sofisticadas, mas
que despertem devoção” (30104).
8. Cristo é nosso Mestre de oração
Na condição de quem compartilha a espiritualidade zaccariana, temos Cristo
como Mestre de Oração. O Reformador faz menção e demonstra quem é o seu centro e
guia na vida espiritual: “E Ele mesmo padeceu continuamente frio e calor, fome e sede e
ficava, muitas vezes, em oração noites inteiras” (Lc.6,12) (20413)
Jesus orava na sua língua materna. Invocava Deus dizendo ´Abba’, em aramaico.
Pregado na Cruz, rezou dizendo, conforme Mc 15,34: “E a hora nona Jesus bradou em
alta voz: Elói, Elói, lammá sabactáni?, que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, por que
me abandonaste?”. Afastou-se do tradicional modo de orar da sua época, em que os
homens instruídos rezavam na língua hebraica.
O ensino de Jesus sobre a oração se deu segundo instruções especiais aos
discípulos: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt7,7).
Sem dúvida, a oração deve ser perseverante e feita com toda confiança. Deus ouvirá.
Assim, o espirito será fortalecido, na espera do Reino de Deus. Ao mesmo tempo orar
nos permite estar conscientes do tempo da salvação oferecida gratuitamente por Deus.
9. Oração e discernimento
A espiritualidade zaccariana tem como objetivo nos colocar em atitude de
discernimento. Vivemos o que rezamos.
Notemos o que recomenda SAMZ no capítulo XVIII das Constituições para ser
reformador dos costumes: “É preciso que você ame muito a Meditação e a Oração. A
Meditação e a Oração frequentes ensinam a empreender o trabalho de conduzir os
outros pelo seu caminho. A oração impede de errar a quem quer andar e conduz com
grande facilidade quem quer progredir” (31814). Isto nos leva a deduzir que Antônio
Maria, por sua vez, tinha o dom do discernimento porque sempre quis ser iluminado por
um instrumento espiritual e que soube, vigilante, escutar e discernir a ação do Espírito
Santo.
Uma vez que a Oração e a Meditação trazem a luz, ninguém assuma a
responsabilidade de guiar os outros, se lhe faltarem essas luzes. A Oração e a Meditação
mantêm o homem forte diante de Deus e, por isso, ele sabe o que convém fazer ou
deixar de fazer. Ninguém pense que pode guiar os outros se for cego; dessa maneira,
todos os dois cairão no buraco (Mt.15,14) (31815). A sua vivência promove a
experiência dinâmica que vai além da simples doutrina, formulação ideológica ou
código moral. Nenhuma experiência de Deus no mundo é casual. No entanto, toda
vivência de fé deve ser atentamente diagnosticada. O processo de discernimento bem
conduzido evita o fracasso. A interpretação da presença de Deus é uma atividade
preciosa porque é importante para a pessoa não cair no erro ou acreditar em falsa
profecia.
10. Direção espiritual e oração
Santo Antônio Maria Zaccaria, na 1ª Carta, dirige-se ao Frei Batista de Crema,
frei dominicano, seu orientador espiritual, fundamental no seu itinerário espiritual, ao
longo do qual muito o ajudou para crescer com mentalidade aberta às necessidades
eclesiais do séc. XVI.
11. Tempo e oração
“Faça suas orações pela manhã, à tarde, em qualquer hora, preparando-se antes,
ou de acordo com a ocasião” (10303). Já no Kairós, que significa "o momento certo" ou
"oportuno", enxergamos a ação de Deus na nossa vida, e por isso, a realização ocorre
com o nosso esforço e com a confiança (fé) na intervenção Divina. No Chronos, a ação
é imediata, o homem agindo com os seus meios para atingir seus objetivos, Quando as
pessoas não usam qualquer artifício para conquistar o que querem, quando o conquistam
percebem-se que aquilo não os preenche como sonhavam.
Por isso, o convite do Apóstolo Paulo: "Perseverai em oração, velando nela com ação de
graças” (Cl 4,2).
12. Modo e conteúdo
“Experimente, então, meu caro amigo, dialogar familiarmente com o Cristo
Crucificado, por um espaço de tempo curto ou longo, conforme a oportunidade, como
você falaria comigo – e converse com Ele sobre suas coisas e também Lhe peça
conselhos, sejam quais forem os assuntos: pessoais, materiais, seus ou dos outros”
(10306). Por conseguinte, se a vida, o cotidiano, não é coisa de outro mundo, santo
Antônio nos tira de todo idealismo e ilusão, de maneira que oração e vida vão juntas
para alcançar o progresso e a unidade com Deus.
(Aspas para o texto citado”
13. Exame particular
Os clássicos da espiritualidade cristã, desde os monges do deserto nos primeiros
séculos da nossa era, consideraram o exame particular, método especial para educar a
vontade; em outras palavras, para adquirir virtudes, vencer os vícios e terminar com os
defeitos, o trabalho cotidiano sobre a vida espiritual e afetiva.
A proposta de santo Antônio é um método simples, mas exigente, indispensável
para quem deseja progredir na vida espiritual e para resolver conflitos afetivos: “Ora, a
terceira coisa é a seguinte: na meditação, na oração, nos pensamentos, esforcem-se para
conhecer os seus principais defeitos e, acima de todos, aquele defeito que, como
comandante geral, chefia os outros que existem em você” (10313).
Em resumo, aprendemos com o Médico das almas a ter cuidado da consciência a
cada dia, conferindo (comparando) semana com semana, mês com mês, dia com dia;
para tirar proveito.
AUTOR:
REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA
Bíblias:
 Almeida corrigida e revisada fiel ao texto original. Ed. Sociedade Bíblica
Trinitariana do Brasil 1994.
 Bíblia de Jerusalém 2002
 Bíblia Tradução Ecuménica.
Outros livros:
 Constituições dos Clérigos Regulares de São Paulo
 Escritos de Santo Antônio Maria Zaccaria

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

R. r. soares como tomar posse da bênção
R. r. soares   como tomar posse da bênçãoR. r. soares   como tomar posse da bênção
R. r. soares como tomar posse da bênçãoLibelula Red
 
R. r. soares como tomar posse da bênção
R. r. soares   como tomar posse da bênçãoR. r. soares   como tomar posse da bênção
R. r. soares como tomar posse da bênçãoWagner Santos Fernandes
 
Pastora welma confadesp_2012
Pastora welma confadesp_2012Pastora welma confadesp_2012
Pastora welma confadesp_2012cynthiapalmas
 
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida)   bob mumfordA patrola de deus (reinando em vida)   bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumfordArauto Profetico
 
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combatePedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combateFreekidstories
 
As 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e prática
As 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e práticaAs 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e prática
As 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e práticaFreekidstories
 
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefíciosAs 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefíciosFreekidstories
 
1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus resident
1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus resident1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus resident
1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus residentJr Buzinely
 
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em açãoAs 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em açãoFreekidstories
 
Disciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - OraçãoDisciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - OraçãoTiago de Souza
 
Ebd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradasEbd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradasDagmar Wendt
 
Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019
Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019
Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019Ricardo Azevedo
 
Quebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoQuebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoEdevaldoCMonteiro
 
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL Lc Passold
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareisHelio Cruz
 

Mais procurados (20)

R. r. soares como tomar posse da bênção
R. r. soares   como tomar posse da bênçãoR. r. soares   como tomar posse da bênção
R. r. soares como tomar posse da bênção
 
Ministrações do encontro
Ministrações do  encontroMinistrações do  encontro
Ministrações do encontro
 
R. r. soares como tomar posse da bênção
R. r. soares   como tomar posse da bênçãoR. r. soares   como tomar posse da bênção
R. r. soares como tomar posse da bênção
 
Pastora welma confadesp_2012
Pastora welma confadesp_2012Pastora welma confadesp_2012
Pastora welma confadesp_2012
 
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida)   bob mumfordA patrola de deus (reinando em vida)   bob mumford
A patrola de deus (reinando em vida) bob mumford
 
O poder da oração
O poder da oraçãoO poder da oração
O poder da oração
 
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combatePedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
Pedrinhas Brilhantes: Espírito Santo, testificação, cura e o bom combate
 
As 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e prática
As 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e práticaAs 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e prática
As 12 Pedras do Alicerce Aula 3A - Oração: Teoria e prática
 
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefíciosAs 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
 
1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus resident
1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus resident1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus resident
1.a experiencia da comunhão no espírito com um deus resident
 
Aquietai vos
Aquietai vosAquietai vos
Aquietai vos
 
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em açãoAs 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
As 12 pedras do alicerce — aula 4b - Ouvir o céu: Profecia em ação
 
Disciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - OraçãoDisciplinas Espirituais - Oração
Disciplinas Espirituais - Oração
 
Ebd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradasEbd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradas
 
Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019
Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019
Pedi e Obtereis - Desejo e Intenção para 2019
 
Quebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoQuebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidação
 
Saia do seu lugar
Saia do seu lugarSaia do seu lugar
Saia do seu lugar
 
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
 
Como ser curado por Deus
Como ser curado por DeusComo ser curado por Deus
Como ser curado por Deus
 

Destaque

Inkesta orokorra
Inkesta orokorraInkesta orokorra
Inkesta orokorraurtzada
 
Universidad TéCnica De Ambato
Universidad TéCnica De AmbatoUniversidad TéCnica De Ambato
Universidad TéCnica De Ambatohenryteran2010
 
Cuento De Duendes
Cuento De DuendesCuento De Duendes
Cuento De Duendesguesta293c1
 
Apresentação CPA3 março215-publicar2
Apresentação CPA3 março215-publicar2Apresentação CPA3 março215-publicar2
Apresentação CPA3 março215-publicar2Claudia Peixoto
 
273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumes
273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumes273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumes
273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumesCristobal Avalos Rojas
 
Calderon_Cynthia__Resume_Pipe
Calderon_Cynthia__Resume_PipeCalderon_Cynthia__Resume_Pipe
Calderon_Cynthia__Resume_PipeCalderon Cynthia
 
Rancho das Pedras e Vidros
Rancho das Pedras e Vidros Rancho das Pedras e Vidros
Rancho das Pedras e Vidros Rancho Pedras
 
Apresentacao dinamica-newton-aplicacoes
Apresentacao dinamica-newton-aplicacoesApresentacao dinamica-newton-aplicacoes
Apresentacao dinamica-newton-aplicacoesAna Dalla Costa
 
Clase desarrollada de la ii gm
Clase desarrollada de la ii gmClase desarrollada de la ii gm
Clase desarrollada de la ii gmmariana97
 
Dia de canarias 3º
Dia de canarias 3ºDia de canarias 3º
Dia de canarias 3ºCarmen
 
Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013
Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013
Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013Alex Castelli
 

Destaque (19)

Inkesta orokorra
Inkesta orokorraInkesta orokorra
Inkesta orokorra
 
Seth Murphy
Seth MurphySeth Murphy
Seth Murphy
 
Universidad TéCnica De Ambato
Universidad TéCnica De AmbatoUniversidad TéCnica De Ambato
Universidad TéCnica De Ambato
 
Cuento De Duendes
Cuento De DuendesCuento De Duendes
Cuento De Duendes
 
David rivera
David riveraDavid rivera
David rivera
 
C.V of Dileep-1
C.V of Dileep-1C.V of Dileep-1
C.V of Dileep-1
 
Apresentação CPA3 março215-publicar2
Apresentação CPA3 março215-publicar2Apresentação CPA3 março215-publicar2
Apresentação CPA3 março215-publicar2
 
273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumes
273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumes273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumes
273508047 qualidades-do-reformador-dos-costumes
 
CURRICULUM VITAE
CURRICULUM VITAECURRICULUM VITAE
CURRICULUM VITAE
 
Calderon_Cynthia__Resume_Pipe
Calderon_Cynthia__Resume_PipeCalderon_Cynthia__Resume_Pipe
Calderon_Cynthia__Resume_Pipe
 
Claire - new CV Style
Claire - new CV StyleClaire - new CV Style
Claire - new CV Style
 
Rancho das Pedras e Vidros
Rancho das Pedras e Vidros Rancho das Pedras e Vidros
Rancho das Pedras e Vidros
 
Movimientos de figuras geometicas
Movimientos de figuras geometicasMovimientos de figuras geometicas
Movimientos de figuras geometicas
 
Apresentacao dinamica-newton-aplicacoes
Apresentacao dinamica-newton-aplicacoesApresentacao dinamica-newton-aplicacoes
Apresentacao dinamica-newton-aplicacoes
 
Clase desarrollada de la ii gm
Clase desarrollada de la ii gmClase desarrollada de la ii gm
Clase desarrollada de la ii gm
 
Concierge_Brochure_r9_LoREZ
Concierge_Brochure_r9_LoREZConcierge_Brochure_r9_LoREZ
Concierge_Brochure_r9_LoREZ
 
Dia de canarias 3º
Dia de canarias 3ºDia de canarias 3º
Dia de canarias 3º
 
Fotos
FotosFotos
Fotos
 
Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013
Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013
Presentazione calendario Alumat-Almax group 2013
 

Semelhante a A oração segundo Samz

Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumentalRubens José Terra Campos
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoRubens José Terra Campos
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãobaixarlivros1
 
1.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.011.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.01Arquiléia Vasconcelos
 
O Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversosO Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversosedbtr
 
Viver sem preocupação
Viver sem preocupaçãoViver sem preocupação
Viver sem preocupaçãoDennis Edwards
 
3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdf3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdffernando pereira
 
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020WelesonFernandes1
 
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020Rogerio Sena
 
Intercessão no gou
Intercessão no gouIntercessão no gou
Intercessão no gouMarcos Dias
 
estudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptxestudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptxWalaceSantiago3
 
12 dias de_clamor_no_ano_de_2014
12 dias de_clamor_no_ano_de_201412 dias de_clamor_no_ano_de_2014
12 dias de_clamor_no_ano_de_2014Ivanildo Amorim
 
Segredos de uma oração poderosa e eficaz
Segredos de uma oração poderosa e eficazSegredos de uma oração poderosa e eficaz
Segredos de uma oração poderosa e eficazJuraci Rocha
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)Alice Lirio
 
Elementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosaElementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosaCarlos Allvarenga
 

Semelhante a A oração segundo Samz (20)

Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
1.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.011.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.01
 
O Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversosO Poder da Oração - Autores diversos
O Poder da Oração - Autores diversos
 
Viver sem preocupação
Viver sem preocupaçãoViver sem preocupação
Viver sem preocupação
 
3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdf3-Crescimento Espiritual.pdf
3-Crescimento Espiritual.pdf
 
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
 
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020Programa sugestivo 10 h jejum 2020
Programa sugestivo 10 h jejum 2020
 
A oração.doc
A oração.docA oração.doc
A oração.doc
 
Grandesoracoes pg
Grandesoracoes pgGrandesoracoes pg
Grandesoracoes pg
 
Intercessão no gou
Intercessão no gouIntercessão no gou
Intercessão no gou
 
estudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptxestudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptx
 
O perdão em samz (rvsdo)
O perdão em samz (rvsdo)O perdão em samz (rvsdo)
O perdão em samz (rvsdo)
 
12 dias de_clamor_no_ano_de_2014
12 dias de_clamor_no_ano_de_201412 dias de_clamor_no_ano_de_2014
12 dias de_clamor_no_ano_de_2014
 
Segredos de uma oração poderosa e eficaz
Segredos de uma oração poderosa e eficazSegredos de uma oração poderosa e eficaz
Segredos de uma oração poderosa e eficaz
 
O poder da oração
O poder da oraçãoO poder da oração
O poder da oração
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)
 
Elementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosaElementos para uma oraçao vitoriosa
Elementos para uma oraçao vitoriosa
 

Mais de Cristobal Avalos Rojas

O reino de deus na pregação de jesus (correcao)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao)O reino de deus na pregação de jesus (correcao)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao)Cristobal Avalos Rojas
 
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)Cristobal Avalos Rojas
 
Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015
Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015
Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015Cristobal Avalos Rojas
 
O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)
O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)
O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)Cristobal Avalos Rojas
 
Esame della conoscenza generale della bibbia
Esame della conoscenza generale della bibbiaEsame della conoscenza generale della bibbia
Esame della conoscenza generale della bibbiaCristobal Avalos Rojas
 
Capitulo iii, iv, v esquema e desarrollo
Capitulo iii, iv, v   esquema e desarrolloCapitulo iii, iv, v   esquema e desarrollo
Capitulo iii, iv, v esquema e desarrolloCristobal Avalos Rojas
 
A vocação na espiritualidade zaccariana
A vocação na espiritualidade zaccarianaA vocação na espiritualidade zaccariana
A vocação na espiritualidade zaccarianaCristobal Avalos Rojas
 
Hebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-book
Hebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-bookHebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-book
Hebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-bookCristobal Avalos Rojas
 

Mais de Cristobal Avalos Rojas (20)

The greek-new-testament-sbl-edition
The greek-new-testament-sbl-editionThe greek-new-testament-sbl-edition
The greek-new-testament-sbl-edition
 
Qualidades do reformador dos costumes
Qualidades do reformador dos costumesQualidades do reformador dos costumes
Qualidades do reformador dos costumes
 
O reino de deus na pregação de jesus (correcao)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao)O reino de deus na pregação de jesus (correcao)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao)
 
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
O reino de deus na pregação de jesus (correcao) (1)
 
Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015
Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015
Manual para a_elaboracao_de_trabalhos_academicos_faal_terceira_edicao_27022015
 
Vida e exemplo de paulo
Vida e exemplo de pauloVida e exemplo de paulo
Vida e exemplo de paulo
 
Sobre o caso da prepotencia
Sobre o caso da prepotenciaSobre o caso da prepotencia
Sobre o caso da prepotencia
 
Samz revisão
Samz revisãoSamz revisão
Samz revisão
 
Plantilla libro-17x24
Plantilla libro-17x24Plantilla libro-17x24
Plantilla libro-17x24
 
Plantilla libro-14x21 (1)
Plantilla libro-14x21 (1)Plantilla libro-14x21 (1)
Plantilla libro-14x21 (1)
 
O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)
O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)
O espírto prfétco na espritualdde (rvsdo)
 
Nume rsermões
Nume rsermõesNume rsermões
Nume rsermões
 
Nume rconstituições
Nume rconstituiçõesNume rconstituições
Nume rconstituições
 
Normas para artigos
Normas para artigosNormas para artigos
Normas para artigos
 
Esame della conoscenza generale della bibbia
Esame della conoscenza generale della bibbiaEsame della conoscenza generale della bibbia
Esame della conoscenza generale della bibbia
 
Capitulo iii, iv, v esquema e desarrollo
Capitulo iii, iv, v   esquema e desarrolloCapitulo iii, iv, v   esquema e desarrollo
Capitulo iii, iv, v esquema e desarrollo
 
A vocação na espiritualidade zaccariana
A vocação na espiritualidade zaccarianaA vocação na espiritualidade zaccariana
A vocação na espiritualidade zaccariana
 
273037063 palestra
273037063 palestra273037063 palestra
273037063 palestra
 
Hebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-book
Hebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-bookHebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-book
Hebreo interlinear 2a edicao_12_06_2011_e-book
 
Bibliografia do pib
Bibliografia do pibBibliografia do pib
Bibliografia do pib
 

Último

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

A oração segundo Samz

  • 1. “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearemos, eu com ele e ele comigo”(Ap 3,20). Noviço: CRISTÓBAL ÁVALOS ROJAS A ORAÇÃO NOS ESCRITOS DE SAMZ Objetivo deste breve artigo será ver como SAMZ entendia a Oração. Procuraremos, também, apresentar algumas suas sugestões para melhorar a experiência de Deus. Estas poucas páginas não pretendem abraçar todo o pensamento do Reformador. 1. Fundamento Em primeiro lugar, torna-se imprescindível encontrar o fundamento da existência humana, como pode ser claramente notado na intuição de SAMZ: “É necessário unir-se a Deus, elevar a mente, fazer oração e, mais ainda, contemplar”, (cf. 20324). Disto se deduz que o zaccariano tem seu fundamento na relação íntima e na unidade com Deus, isto é, que é uma pessoa comprometida com a realidade (desde os olhos de Deus), não querendo evadir-se de sua vivencia concreta; atitude que permite considerar a realidade como uma oportunidade. De fato, nesse mesmo princípio se justifica a expressão de Deus no último dia da criação: “Façamos o homem à nossa imagem(‫ם‬‫צ‬‫ם‬‫ל‬ֶ), conforme a nossa semelhança (‫ּומְּדת‬)” (Gn 1,26). Em termos simples, fomos feitos para parecermos com Deus, somos capacitados para viver em comunhão com Ele. No Éden, o primeiro relacionamento do homem foi com Deus.
  • 2. 2. Contemplativo na ação SAMZ dá uma chave para a vida espiritual desde a Carta 3, destinada à Carlos Magni, advogado e, provavelmente, comerciante, do grupo bíblico “Amizade”. Verifica-se como o Reformador dos costumes não fica preso somente a um modo de orar, primeiro porque a oração não pode ser reduzida a uma espiritualidade devocional devoções e de praticas externas (terço, ladainha, oficio, etc.), segundo, porque orar não é ficar separado do mundo (fuga mundi), tendo medo de viver no mundo, pra levar uma espiritualidade intimista. Terceiro, porque a oração não é um sentimentalismo místico, uma procura exasperada de paz interior. O pai Antônio assim se expressa a respeito da atitude contemplativa: “A segunda coisa que o ajudará a viver o que eu disse antes e trará para você mais e mais graças de Deus, é a frequente elevação da mente (contemplação). Caro amigo, a elevação da mente é necessária, pois onde há maior perigo e se trata de coisas mais importantes, é aí mesmo que o cuidado deve ser maior e a atenção redobrada”, (10307). Constata-se como, segundo SAMZ, é possível encontrar Deus sem que as coisas e atividades deste mundo impeçam a sua contemplação, porque ele se revela enquanto acompanha o ser humano no seu trabalho. Certamente um modo de entrar em oração é tomando cuidado e prestando atenção aos acontecimentos do mundo. É possível encontrar Deus nas dificuldades e contrariedades, pois o mundo é a nossa casa. De fato, toda oração nos deve impulsionar ma ajuda do próximo, entendido como serviço ao próprio Deus: “corramos como loucos não só para Deus, mas também para o próximo, pois é o próximo que recebe tudo aquilo que não podemos dar a Deus, porque Ele não precisa de nossos bens” (10216). O próprio evangelho fala: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. (Mt 7,21). A oração, para que seja autêntica, deve ser acompanhada pela luta contínua em cumprir a vontade divina. Para cumprir essa vontade não basta falar das coisas de Deus, é necessário que haja coerência entre o que se pede - o que se diz - e o que se faz.
  • 3. “E, por assim dizer, se até na distração, o homem se une a Deus” (10305). 3. Posturas para orar Na oração todo o ser se dirige a Deus. De fato, o ser humano não é só espírito, como os anjos... Fomos constituídos de carne e osso, portanto existem condicionamentos e forças a considerar no processo de oração. Observe-se o coração livre para adotar a postura corporal mais favorável: “Deitado na cama, ajoelhado, sentado, ou de qualquer outro jeito que você quiser”, (10303). Com certeza, para SAMZ é mais importante ter a intenção pura e reta no momento de orar. Encontramos um bom sentimento de joelho? Então, fantástico! Achamos o que procuramos sentados? Igualmente, muito bem! No entanto, o importante em todo caso, é estarmos satisfeitos por encontrar a vontade de Deus. A Bíblia não prescreve nenhuma postura única para a oração. Embora ajoelhar- se seja sem dúvida apropriado e mostre reverência, parece que o importante não é tanto a posição física, mas a atitude mental. Que sempre nos lembremos disso. 4. Personalidade humana e oração A experiência humana e, consequentemente, a cristã é dinâmica. Cotidianamente vivemos coisas novas que agitam a nossa existência. Em nós existe firmeza, decisão, vontade de mudanças, insatisfação com o mal, unidos a falta de firmeza, indecisão, instabilidade, tristeza consigo mesmo, irritação, superficialidade, frieza espiritual, tibieza (Escritos Cartas, p. 9). Por algo natural a gente pode amar as coisas do mundo ou cair na luxuria e vaidade para assim ficar com o que é confortável. De fato, tudo isso, não é ordenado ou controlado, traz problemas. Temos tendência à desordem e não escapamos dela; mas temos, também, a capacidade de anotar e conhecer bem quais são as nossas tendências baixas, que nos afastam de Deus e da vida saudável, e logo podemos reagir (lat.: agere contra).
  • 4. Reconhecendo toda a realidade do homem o convite é permanecer na presença de Deus. Já o disse o salmo 139, 1-2.7: “SENHOR, tu me sondaste, e me conheces. Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?”. O Pai é misericordioso e está disposto a nos receber (Lc 15, 11-21). Deus dá ao homem a capacidade de tomar consciência de seus atos, oferecendo condições para melhorar e crescer gradativamente através de meios eficientes como a Palavra de Deus, os Sacramentos, a Liturgia, as Obras de Misericórdia, Grupos de vida, a Oração, etc. 5. Oração e compromisso Santo Antônio, como mestre de oração e conhecendo bem a natureza humana, observava, quando escrevia com muito prazer para a sempre fiel D. Lucrécia, que é enganoso viver rezando sem ter compromisso concreto com a vida dos outros. “ Digam a ela: desejaria que ela ficasse parecida comigo: quer dizer, que não cuide só do seu progresso espiritual – o que seria muito pouco – mas que se comprometa para que as outras aproveitem do mesmo jeito que ela” (10611). O aprofundamento da verdade divina não pode estar desligado da práxis (ora et labora et legere). 6. Paciência e diligência É recomendável examinar a vida de oração cotidianamente. É possível progredir na medida em que somos pacientes e constantes na prática espiritual. No entanto, é responsabilidade de cada indivíduo tratar de aplicar todos os meios para fazer bem o exercício. Um dos motivos da falta de crescimento poderia ser a própria negligencia a esse respeito. SAMZ assim se expressa: “Ora, caríssimos irmãos, nem me passa pela cabeça que Deus seja culpado do pequeno crescimento que nós temos na vida espiritual, a não ser que Ele permita que isso aconteça!” (20101).Portanto, quando não se observa progresso na dinâmica espiritual, é bom colocar maior diligência e crescer na paciência.
  • 5. Diante das próprias limitações e condicionamentos devemos fazer o “oppósito per diametrum”, isto é, demostrar diligência e forte reação ao mal. Talvez seja “oppositio”, então teríamos: a “oppositio”, sem acento. 7. Horas canônicas e ambiente No capítulo 1 das Constituições recomenda-se aos barnabitas ter um cuidado especial com as horas canônicas e comunitárias: “Todas as horas sejam rezadas de maneira lenta e cuidadosa, sem canto e sem órgão, mas façam esforço para que seja com toda devoção” (30101). O ambiente, também, influi no momento de rezar em comum ou indivualmente. O Fundador pede a esse respeito: “Nossas capelas sejam humildes e pobres, sem esculturas, sem tapetes, sem cortinas de seda e com uma torre baixinha, que não ultrapasse mais de dois metros do telhado. Façam-se imagens não sofisticadas, mas que despertem devoção” (30104). 8. Cristo é nosso Mestre de oração Na condição de quem compartilha a espiritualidade zaccariana, temos Cristo como Mestre de Oração. O Reformador faz menção e demonstra quem é o seu centro e guia na vida espiritual: “E Ele mesmo padeceu continuamente frio e calor, fome e sede e ficava, muitas vezes, em oração noites inteiras” (Lc.6,12) (20413) Jesus orava na sua língua materna. Invocava Deus dizendo ´Abba’, em aramaico. Pregado na Cruz, rezou dizendo, conforme Mc 15,34: “E a hora nona Jesus bradou em alta voz: Elói, Elói, lammá sabactáni?, que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”. Afastou-se do tradicional modo de orar da sua época, em que os homens instruídos rezavam na língua hebraica. O ensino de Jesus sobre a oração se deu segundo instruções especiais aos discípulos: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt7,7). Sem dúvida, a oração deve ser perseverante e feita com toda confiança. Deus ouvirá.
  • 6. Assim, o espirito será fortalecido, na espera do Reino de Deus. Ao mesmo tempo orar nos permite estar conscientes do tempo da salvação oferecida gratuitamente por Deus. 9. Oração e discernimento A espiritualidade zaccariana tem como objetivo nos colocar em atitude de discernimento. Vivemos o que rezamos. Notemos o que recomenda SAMZ no capítulo XVIII das Constituições para ser reformador dos costumes: “É preciso que você ame muito a Meditação e a Oração. A Meditação e a Oração frequentes ensinam a empreender o trabalho de conduzir os outros pelo seu caminho. A oração impede de errar a quem quer andar e conduz com grande facilidade quem quer progredir” (31814). Isto nos leva a deduzir que Antônio Maria, por sua vez, tinha o dom do discernimento porque sempre quis ser iluminado por um instrumento espiritual e que soube, vigilante, escutar e discernir a ação do Espírito Santo. Uma vez que a Oração e a Meditação trazem a luz, ninguém assuma a responsabilidade de guiar os outros, se lhe faltarem essas luzes. A Oração e a Meditação mantêm o homem forte diante de Deus e, por isso, ele sabe o que convém fazer ou deixar de fazer. Ninguém pense que pode guiar os outros se for cego; dessa maneira, todos os dois cairão no buraco (Mt.15,14) (31815). A sua vivência promove a experiência dinâmica que vai além da simples doutrina, formulação ideológica ou código moral. Nenhuma experiência de Deus no mundo é casual. No entanto, toda vivência de fé deve ser atentamente diagnosticada. O processo de discernimento bem conduzido evita o fracasso. A interpretação da presença de Deus é uma atividade preciosa porque é importante para a pessoa não cair no erro ou acreditar em falsa profecia. 10. Direção espiritual e oração Santo Antônio Maria Zaccaria, na 1ª Carta, dirige-se ao Frei Batista de Crema, frei dominicano, seu orientador espiritual, fundamental no seu itinerário espiritual, ao
  • 7. longo do qual muito o ajudou para crescer com mentalidade aberta às necessidades eclesiais do séc. XVI. 11. Tempo e oração “Faça suas orações pela manhã, à tarde, em qualquer hora, preparando-se antes, ou de acordo com a ocasião” (10303). Já no Kairós, que significa "o momento certo" ou "oportuno", enxergamos a ação de Deus na nossa vida, e por isso, a realização ocorre com o nosso esforço e com a confiança (fé) na intervenção Divina. No Chronos, a ação é imediata, o homem agindo com os seus meios para atingir seus objetivos, Quando as pessoas não usam qualquer artifício para conquistar o que querem, quando o conquistam percebem-se que aquilo não os preenche como sonhavam. Por isso, o convite do Apóstolo Paulo: "Perseverai em oração, velando nela com ação de graças” (Cl 4,2). 12. Modo e conteúdo “Experimente, então, meu caro amigo, dialogar familiarmente com o Cristo Crucificado, por um espaço de tempo curto ou longo, conforme a oportunidade, como você falaria comigo – e converse com Ele sobre suas coisas e também Lhe peça conselhos, sejam quais forem os assuntos: pessoais, materiais, seus ou dos outros” (10306). Por conseguinte, se a vida, o cotidiano, não é coisa de outro mundo, santo Antônio nos tira de todo idealismo e ilusão, de maneira que oração e vida vão juntas para alcançar o progresso e a unidade com Deus. (Aspas para o texto citado” 13. Exame particular Os clássicos da espiritualidade cristã, desde os monges do deserto nos primeiros séculos da nossa era, consideraram o exame particular, método especial para educar a vontade; em outras palavras, para adquirir virtudes, vencer os vícios e terminar com os defeitos, o trabalho cotidiano sobre a vida espiritual e afetiva.
  • 8. A proposta de santo Antônio é um método simples, mas exigente, indispensável para quem deseja progredir na vida espiritual e para resolver conflitos afetivos: “Ora, a terceira coisa é a seguinte: na meditação, na oração, nos pensamentos, esforcem-se para conhecer os seus principais defeitos e, acima de todos, aquele defeito que, como comandante geral, chefia os outros que existem em você” (10313). Em resumo, aprendemos com o Médico das almas a ter cuidado da consciência a cada dia, conferindo (comparando) semana com semana, mês com mês, dia com dia; para tirar proveito. AUTOR:
  • 9. REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA Bíblias:  Almeida corrigida e revisada fiel ao texto original. Ed. Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil 1994.  Bíblia de Jerusalém 2002  Bíblia Tradução Ecuménica. Outros livros:  Constituições dos Clérigos Regulares de São Paulo  Escritos de Santo Antônio Maria Zaccaria