SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
A oração «é a melhor arma que temos para enfrentar a vida»
«O primado da oração vai para a escuta. Bastam poucas palavras ditas com
discrição, como nos ensinou Jesus no Pai-nosso. Poucos pedidos, os
essenciais: pão e misericórdia. Não precisamos de mais nada.»
Em entrevista ao jornal do Vaticano, "L'Osservatore Romano", o prior da
comunidade monástica italiana de Bose, Enzo Bianchi, fala do que mudou na
oração ao longo dos séculos e daquilo que se mantém imutável, dos seus
enigmas e dificuldades, da sua imprescindibilidade e do primado da escuta.
Antigamente orar era como respirar. Hoje, em que a nível espiritual o oxigénio
se está a rarefazer, chamar à oração «a respiração da alma», como fez o papa
Francisco, que sentido tem e que esforço requer?
As novas gerações talvez já não saibam usar essa expressão, ainda que orem
o mesmo. A oração é hoje percebida de modo muito diferente de outrora; é um
parar, um permanecer, um pôr-se a pensar contemplando, procurando
sobretudo escutar a voz de Deus que fala ao coração. É verdade que a oração
continua a ser a respiração da alma e da vida interior - como poderia ser de
outra forma? Mas a antropologia mudou, o mundo está desencantado,
alteraram-se o estilo e a força da oração que existiam antes desta idade pós-
moderna.
No espaço da fé, Deus é uma presença não discernível, não visível, no entanto
não só podemos acreditar nele, mas podemos também falar-lhe, abandonar-
nos a Ele, esperar o dom do seu Espírito
Com a mudança dos tempos a oração permanece também a expressão inata
do sentido religioso da vida. «Não sei se creio ou não creio: sei que oro», dizia
o escritor espanhol Salvador de Madariaga. Mas se é assim, qual poderia ser a
hipotética oração de um ateu?
Hoje são muitos que dizem: Não sei sequer se acredito num Deus pessoal,
mas rezo», no sentido em que dedicam tempo à contemplação, à meditação,
ao habitar consigo próprios. É típico do homem, em todas as tradições
culturais, espirituais e religiosas, interrogar-se, colocar-se as perguntas
fundamentais procurando uma resposta. Muitos ateus confidenciam-me que na
profundidade de si próprios escutam a voz da própria consciência, meditam,
leem textos humanistas e depois com eles procuram responder às perguntas
ardentes da existência. Esta atividade é certamente semelhante à oração, mas
a cristã tem uma particularidade, é diferente de todas as outras.
Qual é, então, o específico cristão da oração?
O específico cristão é que Deus nos precede, procura-nos, fala-nos. A oração
cristã nasce sempre como escuta. Isto vale quer no judaísmo quer no
cristianismo. Deus é antes de tudo escutado. O extraordinário da nossa fé é um
Deus que nos fala, e por isso o primeiro passo da oração cristã é colocar-se à
escuta. Da escuta nasce a fé, nasce o conhecimento de Deus, nasce a relação
com Ele. Da escuta nascem as palavras que lhe podemos repetir.
Poder-se-ia dizer com S. Basílio que a oração cristã é a «perceção de Deus»,
ou seja, dar-se conta de que Deus está connosco, olha-nos e constantemente
derrama em nós o seu amor. É isto o essencial da oração cristã, e decerto não
precisa de um horário
É por isso que o papa Francisco diz: «Orar é falar com Deus». Na realidade o
homem sempre se ajoelhou diante de Alguém que o transcende. Mas não é
loucura dirigir-se a uma Presença que não se compara com os parâmetros
humanos?
Pode sê-lo, mas eu, mais do que com discursos teóricos, prefiro responder
baseado na experiência pessoal. Desde pequeno, antes de ir dormir, a minha
mãe fazia-me ajoelhar aos pés da cama e com palavras simples fazia-me orar
pedindo ao Senhor a sua bênção, a saúde dos nossos queridos, o envio do
Espírito Santo, e depois convidava-me a manifestar-lhe reconhecimento e
louvor. Por isso fui habituado a falar com uma Presença invisível. Aliás, há
realidades invisíveis nas quais acreditamos. Pense-se no vento: não tem rosto,
não se vê, e no entanto é uma presença de que todos nos damos conta e na
qual acreditamos. No espaço da fé, Deus é uma presença não discernível, não
visível, no entanto não só podemos acreditar nele, mas podemos também falar-
lhe, abandonar-nos a Ele, esperar o dom do seu Espírito.
Orar não é, todavia, o mesmo em todas as religiões; as diferenças existem
inclusive a nível prático. Por exemplo, no islão o fiel deve orar cinco vezes ao
dia, enquanto no cristianismo não existe uma estrutura diária tão rígida. É uma
qualidade ou um defeito?
É verdade, mas é preciso darem-se alguns encontros. A oração da manhã e da
tarde (a Liturgia das Horas [Laudes e Vésperas] deveriam ser praticadas não
só pelos monges, mas por todos. Bastará até um pensamento, visto que o
cristianismo privilegia o estar na presença de Deus, o pensar perante Deus, o
escutar a sua voz, o exercitar-se a ver os homens, os acontecimentos, as
coisas com os olhos de Deus. Esta modalidade de oração, que se chama
contemplação, podemos adotá-la em cada momento, em todas as situações.
Poder-se-ia dizer com S. Basílio que a oração cristã é a «perceção de Deus»,
ou seja, dar-se conta de que Deus está connosco, olha-nos e constantemente
derrama em nós o seu amor. É isto o essencial da oração cristã, e decerto não
precisa de um horário.
Não pode haver vida cristã sem oração. Atenção, porém, para não fazer da
oração uma força mágica: ela permanece sempre um dom gratuito que nos faz
o Espírito Santo. É a graça de Deus que renova a nossa oração, não nós que
com a oração suscitamos a graça de Deus
Tudo isto desde que ao rezar não desperdicemos palavras «como fazem os
pagãos», adverte-nos Jesus.
É verdade, existe o risco de resvalar para a oração pagã, que Lucrécio
chamava como muita ironia «o afadigamento dos deuses à força de palavras».
Mas esse risco correm-no também os cristãos que pensam convencer Deus
segundo os próprios desejos, de o dobrar à própria vontade, multiplicando
palavras. Até há o risco de que certas orações se tornem coscuvilhices
espirituais diante de Deus. Não! O primado da oração vai para a escuta.
Bastam poucas palavras ditas com discrição, como nos ensinou Jesus no Pai-
nosso. Poucos pedidos, os essenciais: pão e misericórdia. Não precisamos de
mais nada.
Infelizmente é fácil desperdiçar palavras na época da digitalização. Hoje, com
as redes socais, ora-se, recita-se o terço, lê-se o breviário [Liturgia das Horas],
partilham-se bens espirituais. Em que condições pode funcionar o
entendimento entre a eletrónica e a oração?
Os meios de comunicação não devem ser demonizados, podem servir também
para a oração. Eu próprio, em certos momentos de solidão, ou na doença,
apercebi-me que poder usufruir, por exemplo, do terço, é uma ajuda. Mas
depois a oração deve brotar da vida; não devem ser os meios de comunicação
a ditar-nos a oração, mas a nossa vida de fé, a nossa vida diária. Usemos os
meios de comunicação desde que estejamos atentos a não viver de palavras,
de sensações, a não pretender que a oração se torne um espetáculo. A oração
que Jesus recomenda é a silenciosa: «Ora no segredo e o Pai que está no
segredo te responderá».
A liturgia é o ventre em que se é iniciado na oração; sem liturgia a oração
pessoal tende a ser mágica e não respondente à fé cristã. Precisamente
porque a liturgia chama à escuta da Palavra de Deus e depois ao dom do
Corpo e Sangue do Senhor, é verdadeiramente o seio em que a oração
individual pode crescer
O papa Francisco diz também que «a oração é a bateria do cristão». Em que
sentido deve ser tomada esta metáfora?
No sentido de que a oração é fonte de energia, de força, desce à profundidade,
escava no interior, e é a melhor arma que temos para enfrentar a vida, as
tentações, as provações. Não pode haver vida cristã sem oração. Atenção,
porém, para não fazer da oração uma força mágica: ela permanece sempre um
dom gratuito que nos faz o Espírito Santo. É a graça de Deus que renova a
nossa oração, não nós que com a oração suscitamos a graça de Deus.
Por isso o papa adverte: «A oração não é uma varinha mágica». Mas se da
oração não é preciso esperar o milagre, é lícito lamentar-se da falta de
correspondência positiva?
O facto é que muitas vezes os nossos desejos não coincidem com o que o
Senhor quer para o nosso bem. Deus respeita a liberdade do ser humano e
não força a sua situação de criatura que vive neste mundo. Mas Jesus disse-
nos que Deus responde enviando-nos sempre o seu Espírito, se lho pedirmos.
Pode então acontecer sentirmo-nos prostrados por não termos sido satisfeitos
nas nossas preces, e no entanto Deus realiza as suas promessas.
Por fim, que dizer da liturgia, que o Concílio Vaticano II chama «cume para o
qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, fonte de onde provém toda a
sua virtude»? O que falta ainda para a sua reforma?
A liturgia é o ventre em que se é iniciado na oração; sem liturgia a oração
pessoal tende a ser mágica e não respondente à fé cristã. Precisamente
porque a liturgia chama à escuta da Palavra de Deus e depois ao dom do
Corpo e Sangue do Senhor, é verdadeiramente o seio em que a oração
individual pode crescer. Ao mesmo tempo a liturgia é também o cume da
oração, que deve tender, no decurso da semana, para a Eucaristia dominical,
que é a oração das orações. É verdade que, tal como não faltam as
dificuldades na oração pessoal, também existem na liturgia. Houve uma
reforma após o Concílio Vaticano II e há ainda resistências a essa reforma.
Mas digamos a verdade: hoje passaram mais de 50 anos, o mundo mudou
muitíssimo, estamos no interior de uma nova antropologia, a linguagem é
completamente diferente e ainda estamos a perguntar-nos se não é caso de
chegar - com toda a prudência possível - a uma mudança das linguagens,
porque as novas gerações são completamente estranhas às tradicionais? Sem
a reforma a liturgia arrisca-se a ser o lugar onde a Igreja mais definha, porque
as novas gerações, não atraídas pelas fórmulas e pelos ritos, participam cada
vez menos na liturgia, que, ao invés, é absolutamente necessária.
Entrevista: Vito Magno
In "Monastero di Bose"
Trad.: SNPC
Publicado em 23.03.2017

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A oração.doc

David (paul) yonggi cho o espírito santo, meu companheiro
David (paul) yonggi cho   o espírito santo, meu companheiroDavid (paul) yonggi cho   o espírito santo, meu companheiro
David (paul) yonggi cho o espírito santo, meu companheiroIago Rodrigues
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)Alice Lirio
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoPatiSousa1
 
Como orar de modo correto
Como orar de modo corretoComo orar de modo correto
Como orar de modo corretoHelio Cruz
 
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiroDavid paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheirojeverlu
 
O poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoO poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoLuiza Dayana
 
Intercessão no gou
Intercessão no gouIntercessão no gou
Intercessão no gouMarcos Dias
 
Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasNilson Almeida
 
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Lição 13   aviva ó senhor a tua obraLição 13   aviva ó senhor a tua obra
Lição 13 aviva ó senhor a tua obraJose Ventura
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãobaixarlivros1
 
Mahech Chavda - O poder secreto do jejum e da oração
Mahech Chavda -  O poder secreto do jejum e da oraçãoMahech Chavda -  O poder secreto do jejum e da oração
Mahech Chavda - O poder secreto do jejum e da oraçãoMidia Jornalismo
 
Mahechchavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahechchavda o poder secreto do jejum e da oraçãoMahechchavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahechchavda o poder secreto do jejum e da oraçãoSandra Oliveira
 
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda   o poder secreto do jejum e da oraçãoMahech chavda   o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oraçãoMidia Jornalismo
 
A pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostalA pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostaldenilsonlemes
 

Semelhante a A oração.doc (20)

David (paul) yonggi cho o espírito santo, meu companheiro
David (paul) yonggi cho   o espírito santo, meu companheiroDavid (paul) yonggi cho   o espírito santo, meu companheiro
David (paul) yonggi cho o espírito santo, meu companheiro
 
Dia Mundial de Oração
Dia Mundial de Oração Dia Mundial de Oração
Dia Mundial de Oração
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
Como orar de modo correto
Como orar de modo corretoComo orar de modo correto
Como orar de modo correto
 
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiroDavid paul yonggi cho   o espirito santo meu companheiro
David paul yonggi cho o espirito santo meu companheiro
 
O poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oraçãoO poder secreto do jejum e da oração
O poder secreto do jejum e da oração
 
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
 
A oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samzA oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samz
 
Disciplinas espirituais1
Disciplinas espirituais1Disciplinas espirituais1
Disciplinas espirituais1
 
Intercessão no gou
Intercessão no gouIntercessão no gou
Intercessão no gou
 
390
390390
390
 
Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces Espíritas
 
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Lição 13   aviva ó senhor a tua obraLição 13   aviva ó senhor a tua obra
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
 
Mahech Chavda - O poder secreto do jejum e da oração
Mahech Chavda -  O poder secreto do jejum e da oraçãoMahech Chavda -  O poder secreto do jejum e da oração
Mahech Chavda - O poder secreto do jejum e da oração
 
Mahechchavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahechchavda o poder secreto do jejum e da oraçãoMahechchavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahechchavda o poder secreto do jejum e da oração
 
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda   o poder secreto do jejum e da oraçãoMahech chavda   o poder secreto do jejum e da oração
Mahech chavda o poder secreto do jejum e da oração
 
A pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostalA pureza do movimento pentecostal
A pureza do movimento pentecostal
 

Último

Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfnestorsouza36
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 

Último (8)

Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 

A oração.doc

  • 1. A oração «é a melhor arma que temos para enfrentar a vida» «O primado da oração vai para a escuta. Bastam poucas palavras ditas com discrição, como nos ensinou Jesus no Pai-nosso. Poucos pedidos, os essenciais: pão e misericórdia. Não precisamos de mais nada.» Em entrevista ao jornal do Vaticano, "L'Osservatore Romano", o prior da comunidade monástica italiana de Bose, Enzo Bianchi, fala do que mudou na oração ao longo dos séculos e daquilo que se mantém imutável, dos seus enigmas e dificuldades, da sua imprescindibilidade e do primado da escuta. Antigamente orar era como respirar. Hoje, em que a nível espiritual o oxigénio se está a rarefazer, chamar à oração «a respiração da alma», como fez o papa Francisco, que sentido tem e que esforço requer? As novas gerações talvez já não saibam usar essa expressão, ainda que orem o mesmo. A oração é hoje percebida de modo muito diferente de outrora; é um parar, um permanecer, um pôr-se a pensar contemplando, procurando sobretudo escutar a voz de Deus que fala ao coração. É verdade que a oração continua a ser a respiração da alma e da vida interior - como poderia ser de outra forma? Mas a antropologia mudou, o mundo está desencantado, alteraram-se o estilo e a força da oração que existiam antes desta idade pós- moderna. No espaço da fé, Deus é uma presença não discernível, não visível, no entanto não só podemos acreditar nele, mas podemos também falar-lhe, abandonar- nos a Ele, esperar o dom do seu Espírito Com a mudança dos tempos a oração permanece também a expressão inata do sentido religioso da vida. «Não sei se creio ou não creio: sei que oro», dizia o escritor espanhol Salvador de Madariaga. Mas se é assim, qual poderia ser a hipotética oração de um ateu? Hoje são muitos que dizem: Não sei sequer se acredito num Deus pessoal, mas rezo», no sentido em que dedicam tempo à contemplação, à meditação, ao habitar consigo próprios. É típico do homem, em todas as tradições culturais, espirituais e religiosas, interrogar-se, colocar-se as perguntas fundamentais procurando uma resposta. Muitos ateus confidenciam-me que na profundidade de si próprios escutam a voz da própria consciência, meditam, leem textos humanistas e depois com eles procuram responder às perguntas ardentes da existência. Esta atividade é certamente semelhante à oração, mas a cristã tem uma particularidade, é diferente de todas as outras. Qual é, então, o específico cristão da oração?
  • 2. O específico cristão é que Deus nos precede, procura-nos, fala-nos. A oração cristã nasce sempre como escuta. Isto vale quer no judaísmo quer no cristianismo. Deus é antes de tudo escutado. O extraordinário da nossa fé é um Deus que nos fala, e por isso o primeiro passo da oração cristã é colocar-se à escuta. Da escuta nasce a fé, nasce o conhecimento de Deus, nasce a relação com Ele. Da escuta nascem as palavras que lhe podemos repetir. Poder-se-ia dizer com S. Basílio que a oração cristã é a «perceção de Deus», ou seja, dar-se conta de que Deus está connosco, olha-nos e constantemente derrama em nós o seu amor. É isto o essencial da oração cristã, e decerto não precisa de um horário É por isso que o papa Francisco diz: «Orar é falar com Deus». Na realidade o homem sempre se ajoelhou diante de Alguém que o transcende. Mas não é loucura dirigir-se a uma Presença que não se compara com os parâmetros humanos? Pode sê-lo, mas eu, mais do que com discursos teóricos, prefiro responder baseado na experiência pessoal. Desde pequeno, antes de ir dormir, a minha mãe fazia-me ajoelhar aos pés da cama e com palavras simples fazia-me orar pedindo ao Senhor a sua bênção, a saúde dos nossos queridos, o envio do Espírito Santo, e depois convidava-me a manifestar-lhe reconhecimento e louvor. Por isso fui habituado a falar com uma Presença invisível. Aliás, há realidades invisíveis nas quais acreditamos. Pense-se no vento: não tem rosto, não se vê, e no entanto é uma presença de que todos nos damos conta e na qual acreditamos. No espaço da fé, Deus é uma presença não discernível, não visível, no entanto não só podemos acreditar nele, mas podemos também falar- lhe, abandonar-nos a Ele, esperar o dom do seu Espírito. Orar não é, todavia, o mesmo em todas as religiões; as diferenças existem inclusive a nível prático. Por exemplo, no islão o fiel deve orar cinco vezes ao dia, enquanto no cristianismo não existe uma estrutura diária tão rígida. É uma qualidade ou um defeito? É verdade, mas é preciso darem-se alguns encontros. A oração da manhã e da tarde (a Liturgia das Horas [Laudes e Vésperas] deveriam ser praticadas não só pelos monges, mas por todos. Bastará até um pensamento, visto que o cristianismo privilegia o estar na presença de Deus, o pensar perante Deus, o escutar a sua voz, o exercitar-se a ver os homens, os acontecimentos, as coisas com os olhos de Deus. Esta modalidade de oração, que se chama contemplação, podemos adotá-la em cada momento, em todas as situações. Poder-se-ia dizer com S. Basílio que a oração cristã é a «perceção de Deus», ou seja, dar-se conta de que Deus está connosco, olha-nos e constantemente derrama em nós o seu amor. É isto o essencial da oração cristã, e decerto não precisa de um horário. Não pode haver vida cristã sem oração. Atenção, porém, para não fazer da oração uma força mágica: ela permanece sempre um dom gratuito que nos faz o Espírito Santo. É a graça de Deus que renova a nossa oração, não nós que com a oração suscitamos a graça de Deus
  • 3. Tudo isto desde que ao rezar não desperdicemos palavras «como fazem os pagãos», adverte-nos Jesus. É verdade, existe o risco de resvalar para a oração pagã, que Lucrécio chamava como muita ironia «o afadigamento dos deuses à força de palavras». Mas esse risco correm-no também os cristãos que pensam convencer Deus segundo os próprios desejos, de o dobrar à própria vontade, multiplicando palavras. Até há o risco de que certas orações se tornem coscuvilhices espirituais diante de Deus. Não! O primado da oração vai para a escuta. Bastam poucas palavras ditas com discrição, como nos ensinou Jesus no Pai- nosso. Poucos pedidos, os essenciais: pão e misericórdia. Não precisamos de mais nada. Infelizmente é fácil desperdiçar palavras na época da digitalização. Hoje, com as redes socais, ora-se, recita-se o terço, lê-se o breviário [Liturgia das Horas], partilham-se bens espirituais. Em que condições pode funcionar o entendimento entre a eletrónica e a oração? Os meios de comunicação não devem ser demonizados, podem servir também para a oração. Eu próprio, em certos momentos de solidão, ou na doença, apercebi-me que poder usufruir, por exemplo, do terço, é uma ajuda. Mas depois a oração deve brotar da vida; não devem ser os meios de comunicação a ditar-nos a oração, mas a nossa vida de fé, a nossa vida diária. Usemos os meios de comunicação desde que estejamos atentos a não viver de palavras, de sensações, a não pretender que a oração se torne um espetáculo. A oração que Jesus recomenda é a silenciosa: «Ora no segredo e o Pai que está no segredo te responderá». A liturgia é o ventre em que se é iniciado na oração; sem liturgia a oração pessoal tende a ser mágica e não respondente à fé cristã. Precisamente porque a liturgia chama à escuta da Palavra de Deus e depois ao dom do Corpo e Sangue do Senhor, é verdadeiramente o seio em que a oração individual pode crescer O papa Francisco diz também que «a oração é a bateria do cristão». Em que sentido deve ser tomada esta metáfora? No sentido de que a oração é fonte de energia, de força, desce à profundidade, escava no interior, e é a melhor arma que temos para enfrentar a vida, as tentações, as provações. Não pode haver vida cristã sem oração. Atenção, porém, para não fazer da oração uma força mágica: ela permanece sempre um dom gratuito que nos faz o Espírito Santo. É a graça de Deus que renova a nossa oração, não nós que com a oração suscitamos a graça de Deus.
  • 4. Por isso o papa adverte: «A oração não é uma varinha mágica». Mas se da oração não é preciso esperar o milagre, é lícito lamentar-se da falta de correspondência positiva? O facto é que muitas vezes os nossos desejos não coincidem com o que o Senhor quer para o nosso bem. Deus respeita a liberdade do ser humano e não força a sua situação de criatura que vive neste mundo. Mas Jesus disse- nos que Deus responde enviando-nos sempre o seu Espírito, se lho pedirmos. Pode então acontecer sentirmo-nos prostrados por não termos sido satisfeitos nas nossas preces, e no entanto Deus realiza as suas promessas. Por fim, que dizer da liturgia, que o Concílio Vaticano II chama «cume para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, fonte de onde provém toda a sua virtude»? O que falta ainda para a sua reforma? A liturgia é o ventre em que se é iniciado na oração; sem liturgia a oração pessoal tende a ser mágica e não respondente à fé cristã. Precisamente porque a liturgia chama à escuta da Palavra de Deus e depois ao dom do Corpo e Sangue do Senhor, é verdadeiramente o seio em que a oração individual pode crescer. Ao mesmo tempo a liturgia é também o cume da oração, que deve tender, no decurso da semana, para a Eucaristia dominical, que é a oração das orações. É verdade que, tal como não faltam as dificuldades na oração pessoal, também existem na liturgia. Houve uma reforma após o Concílio Vaticano II e há ainda resistências a essa reforma. Mas digamos a verdade: hoje passaram mais de 50 anos, o mundo mudou muitíssimo, estamos no interior de uma nova antropologia, a linguagem é completamente diferente e ainda estamos a perguntar-nos se não é caso de chegar - com toda a prudência possível - a uma mudança das linguagens, porque as novas gerações são completamente estranhas às tradicionais? Sem a reforma a liturgia arrisca-se a ser o lugar onde a Igreja mais definha, porque as novas gerações, não atraídas pelas fórmulas e pelos ritos, participam cada vez menos na liturgia, que, ao invés, é absolutamente necessária. Entrevista: Vito Magno In "Monastero di Bose" Trad.: SNPC Publicado em 23.03.2017