Disciplinas Espirituais - Oração

1.815 visualizações

Publicada em

Aula que dei na E.D da 1ª IPI de Machado

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.815
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
78
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Disciplinas Espirituais - Oração

  1. 1. Não  devemos  ser  levados  a  crer  que   as   Disciplinas   são   para   os   gigantes   espirituais   e,   por   isso,   estejam   além   de   nosso   alcance;   ou   para   os   contempla:vos   que   devotam   todo   o   tempo   à   oração   e   à   meditação.   Longe   disso.   Na   intenção   de   Deus,   as   Disciplinas   da   vida   espiritual   são   para   seres   humanos   comuns:   pessoas   que   têm   empregos,   que   cuidam   dos   filhos,   que   lavam   pratos   e  cortam  grama.  
  2. 2. Na  realidade,  as  Disciplinas  são  mais   bem   exercidas   no   meio   de   nossas   a:vidades   normais   diárias.   Se   elas   d e v e m   t e r   q u a l q u e r   e f e i t o   transformador,   o   efeito   deve   encontrar-­‐se   nas   conjunturas   comuns   da   vida   humana:   em   nossos   relacionamentos   com   o   marido   ou   com   a   esposa,   com   nossos   irmãos   e   irmãs,   ou   com   nossos   amigos   e   vizinhos.  
  3. 3. Disciplinas  Interiores   A  Disciplina  da  Meditação     A  Disciplina  da  Oração     A  Disciplina  do  Jejum     A  Disciplina  do  Estudo     Disciplinas  Exteriores     A  Disciplina  da  Simplicidade     A  Disciplina  da  Solitude   Disciplinas  Associadas   A  Disciplina  da  Confissão   A  Disciplina  da  Adoração   A  Disciplina  da  Orientação   A  Disciplina  da  Celebração  
  4. 4. Duas  Dificuldades  para  pra.car  as  disciplinas   1   De  ordem  Filosófica:  A  base  materialista  em  nossa   época  tornou-­‐se  tão  penetrante  que  ela  tem  feito  as   pessoas  duvidarem  seriamente  de  sua  capacidade  de   ir  além  do  mundo  Psico.   2   De  ordem  Prá.ca:  Simplesmente  não  sabemos  como   explorar  a  vida  interior.  
  5. 5. Por  que  pra.car  as  disciplinas?   Deus  nos  deu  as  Disciplinas  da  vida  espiritual  como  meios   de  receber  sua  graça.  As  Disciplinas  permitem-­‐nos  colocar-­‐ nos  diante  de  Deus  de  sorte  que  ele  possa  transformar-­‐ nos.   “O  que  semeia  para  a  sua  própria  carne,  da  carne   colherá  corrupção;  mas  o  que  semeia  para  o  Espírito,   do  Espírito  colherá  vida  eterna”  (Gálatas  6:8)  
  6. 6. A  Disciplina  da  Meditação   Isso  não  é  coisa  das  religiões  orientais?   A  Meditação  Oriental  é  uma  tenta=va  para   esvaziar  a  mente.   A  Meditação  Cristã  é  uma  tenta=va  para   esvaziar  a  mente  a  fim  de  enchê-­‐la  
  7. 7. A  Disciplina  da  Oração   “Quando  oramos   não  é  o  coração  de   Deus  que  muda,   mas  o  nosso”.   C.S.  Lewis  
  8. 8. Mateus  6:  5-­‐13   5.   E,   quando   orardes,   não   sereis   como   os   hipócritas;   porque   gostam   de   orar   em   pé   nas   sinagogas   e   nos   cantos  das  praças,  para  serem  vistos  dos  homens.  Em   verdade  vos  digo  que  eles  já  receberam  a  recompensa.     6.  Tu,  porém,  quando  orares,  entra  no  teu  quarto  e,   fechada   a   porta,   orarás   a   teu   Pai,   que   está   em   secreto;   e   teu   Pai,   que   vê   em   secreto,   te   recompensará.  
  9. 9. Mateus  6:  5-­‐13   7.   E,   orando,   não   useis   de   vãs   repe=ções,   como   os   gen=os;   porque   presumem   que   pelo   seu   muito   falar   serão  ouvidos.   8.   Não   vos   assemelheis,   pois,   a   eles;   porque   Deus,   o   vosso  Pai,  sabe  o  de  que  tendes  necessidade,  antes  que   lho  peçais.   9.  Portanto,  vós  orareis  assim:  Pai  nosso,  que  estás  nos   céus,  san=ficado  seja  o  teu  nome;  
  10. 10. Mateus  6:  5-­‐13   10.  venha  o  teu  reino;  faça-­‐se  a  tua  vontade,  assim  na   terra  como  no  céu;   11.  o  pão  nosso  de  cada  dia  dá-­‐nos  hoje   12.  e  perdoa-­‐nos  as  nossas  dívidas,  assim  como  nós   temos  perdoado  aos  nossos  devedores;   13.    e  não  nos  deixes  cair  em  tentação;  mas  livra-­‐nos   do  mal  [pois  teu  é  o  reino,  o  poder  e  a  glória  para   sempre.  Amém]!  
  11. 11. Sensibilidade Compreendendo  a   vontade  de  Deus   Através  da  Oração   Na  minha  vida  
  12. 12. Oração  do  Senhor    X    Oração  dos  Discípulos   a)   Esta   oração   não   é   usada   pelo   próprio   Senhor   Jesus,   mas   somente   por   seus   seguidores.   Nos   Evangelhos,   não   temos   qualquer   indício   de   que   ele  tenha  orado  este  conteúdo.  Ele  parece  u:lizá-­‐ lo  como  exemplo  de  um  formato  a  ser  seguido  por   seus  discípulos.  
  13. 13. Oração  do  Senhor    X    Oração  dos  Discípulos   b)   Esta   oração,   tanto   em   sua   forma,   como   em   seu   conteúdo,  revela  uma  simplicidade  e  uma  didá:ca   apropriada   para   alguém   que   deseja   ensinar   suas   crianças  ou  seus  aprendizes  (discípulos)  a  orarem   de  forma  simples  e  básica,  mas  consistente.  
  14. 14. a)  Exercício  Público  ou  Secreto?   5.  E  quando  vocês  orarem,  não  sejam  como  os   hipócritas.  Eles  gostam  de  ficar  orando  em  pé  nas   sinagogas  e  nas  esquinas,  a  fim  de  serem  vistos   pelos  outros.  Eu  lhes  asseguro  que  eles  já  receberam   sua  plena  recompensa.     6.  Mas  quando  você  orar,  vá  para  seu  quarto,  feche   a  porta  e  ore  a  seu  Pai,  que  está  em  secreto.  Então   seu  Pai,  que  vê  em  secreto,  o  recompensará.  
  15. 15. a)  Exercício  Público  ou  Secreto?   Sequência  de  ações:   1.  Quando  for  orar,     2.  Vá  para  o  seu  quarto,     3.  Feche  a  porta,     4.  E  ore  ao  seu  Pai.  
  16. 16. b)  Exercício  de  Pressão  ou  Confiança?   7.  E  quando  orarem,  não  fiquem  sempre  repeAndo   a  mesma  coisa,  como  fazem  os  pagãos.  Eles   pensam  que  por  muito  falarem  serão  ouvidos.     8.  Não  sejam  iguais  a  eles,  porque  o  seu  Pai  sabe  do   que  vocês  precisam,  antes  mesmo  de  o  pedirem.  
  17. 17. b)  Exercício  de  Pressão  ou  Confiança?   1.  O   uso   de   repe=ções   com   o   intuito   de   vencer   Deus  pelo  cansaço.     2.   O   uso   de   repe=ções   sem   qualquer   sen=do   no   coração.  
  18. 18. “Quando  começamos  a   falar  excessivamente   em  oração,  podemos   estar  quase  certos  que   estamos  falando   conosco  mesmo”.   A.W.  Tozer  
  19. 19. A  oração  como  Jesus  ensinou   Pai  (nosso  que  estás  nos  céus)     Abba  =  Papai,  paizinho,  papi.       Deus  está  nos  céus  
  20. 20. Para  refle.r  e  pra.car   A  afeição  em  tempos   de  cansaço.     A  afeição  em  tempos   de  adversidade.     Uma  viagem  rumo  ao   desconhecido.  

×