SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
A experiência das disciplinas espirituais

                                                                     NOTAS




A EXPERIÊNCIA DAS DISCIPLINAS ESPIRITUAIS




                   104
A experiência das disciplinas espirituais

                                                                                  NOTAS
A EXPERIÊNCIA DAS DISCIPLINAS ESPIRITUAIS
Esboço do Planejamento do Curso

      Meta
      Que você experimente a maravilhosa experiência de ter um
tempo diário com Deus para estar desfrutando de Sua presença,
meditando em Sua Palavra e descobrindo o mundo fantástico da
oração que funciona.

      Outros Objetivos
      • Que você estabeleça um plano de leitura bíblica de modo a
        ler toda a Escritura em um ano, uma vez por ano.
      • Que você estabeleça um tempo diário de oração.
      • Que você aprenda a jejuar com intensidade e fé.

       Sugestões Bibliográficas
      1. A CELEBRAÇÃO DA DISCIPLINA. Richard Foster
      2. COMUNHÃO E PRINCÍPIOS DE FÉ – Valnice Milhomens
(Palavra da Fé)

Recomendações Muito Importantes

       Pergunte ao seu professor ou ao seu líder de célula qual o
mais adequado plano de leitura bíblica. Sugerimos algum que
estabeleça a leitura de no mínimo três capítulos por dia a fim de que
você leia a Bíblia toda uma vez por ano. É fácil encontrar um plano
de leitura que possa ser fotocopiado. Algumas bíblias já vêm com
um desses planos no final. Ache o que for melhor e comece já!
       Busque praticar cada um dos tipos de oração no seu tempo
diário com Deus e compartilhe sua experiência com os demais
irmãos da sua célula.
       Aprenda a jejuar e informe-se antes dos melhores métodos e
dos cuidados necessários para se fazer um bom jejum.

Avaliação
      • Descreva a experiência adquirida do ler, orar, confessar e
        meditar na Palavra de Deus.
      • Conte como tem sido a sua prática em cada um dos tipos
        de oração ensinados a você. O que tem aprendido do
        Espírito Santo em cada dia?
      • O que é o jejum? Qual é o seu propósito? Quais as
        maneiras de se fazer um jejum bíblico?
      • Descreva a sua experiência ao jejuar.




                                105
A experiência das disciplinas espirituais

                                                                                  NOTAS
A EXPERIÊNCIA DAS DISCIPLINAS ESPIRITUAIS

       Por todos os tempos, homens e mulheres que amaram ao
Senhor se devotaram a buscá-lo de um modo intenso, diário e
profundo. Orando e adorando, meditando nas Escrituras ou
reservando um período de jejum. Ao praticar essas coisas esses
santos de Deus se achegaram ainda mais intimamente ao Seu
coração e à sua pessoa.
       As Disciplinas Espirituais, são portanto, fundamentais para
uma vida cristã plena e para o seu progresso espiritual. Nenhum
crente crescerá em fé, por exemplo, sem conhecer as Escrituras;
ninguém avançará espiritualmente sem orar, adorar e jejuar. Assim,
esse é o caminho maravilhoso das torrentes espirituais e a trilha
cheia de gozo para as profundezas do coração de Deus.
       Convidamos você a desde já começar a por em prática um
plano anual de leitura bíblica, a preparar um tempo para estar às
sós com Deus em oração e a jejuar pelo menos uma vez por
semana. Se encontrar qualquer dificuldade nisso você deve buscar
seu líder de célula ou algum irmão(ã) mais maduro a fim de orarem
e jejuarem juntos. Você entrará numa nova e poderosa dimensão na
unção do Espírito Santo e no poder de Deus.
       Há muita e variadas disciplinas espirituais, em nosso estudo,
entretanto nos limitaremos às principais: A Oração, o Jejum e o uso
da Palavra de Deus.


DISCIPLINAS DO ESPÍRITO

A ORAÇÃO

       A oração efetiva é a chave para o sucesso em cada área da
vida; é o segredo da vitória no trabalho de Deus e na vida pessoal.
A oração verdadeira é a mais poderosa arma contra os poderes das
trevas; é também a chave que abre os tesouros do céu para o
homem. Fica, pois, claro que cada esforço no reino de Deus só terá
sucesso se for gerado e sustentado pela oração. Todo sucesso na
vida cristã é proporcional ao tempo de oração. 10% de oração, 10%
de sucesso; 50% de oração, 50% de sucesso; 100% de oração,
100% de sucesso. Lucas 18:1 fala do "Dever de orar sempre e
nunca esmorecer"; I Ts 5:17 declara: "Orai sem cessar". Paulo
recomenda: Orando em todo tempo no espírito..." (Ef 6:18). Como
orar sempre?

O Que é Oração?

Oração é um modo de viver.
       É uma comunicação entre o nosso espírito recriado e o
Espírito de Deus. É a expressão que resulta de um relacionamento
íntimo com o Senhor residente em nosso coração, pelo seu espírito.
Nossa vida, pois, pode ser uma oração.



                                106
A experiência das disciplinas espirituais


Oração é comunhão com Deus.
                                                                                 NOTAS
       Nossa vida inteira deve ser estabelecida sobre o
funcionamento de uma comunhão pessoal, profunda e íntima com
Deus. Uma ligação permanente (I Co 6:17). Oração é um encontro
do Pai celeste com Seu filho, numa comunhão de amor. No Velho
Testamento, Deus estava no meio do povo, era pelo povo, mas não
estava no povo. No Novo Testamento, Deus não somente está em
nosso meio, é por nós, mas Ele está em nós, pelo Seu Espírito
residente em nosso espírito.

Oração é comunicação com um Deus pessoal e digno de
confiança.
       Deus é uma pessoa! Deus é digno de confiança! Ele é um
Deus pessoal que se relaciona conosco numa base pessoal.
Nossos olhos de carne não vêem, mas Ele é real e se comunica
com Seus filhos. Concepções religiosas erradas O colocam como
um Deus inatingível, impessoal, distante, que pode ou não estar
interessado em nossas vidas. Daí surgem orações que são meras
expressões religiosas, destituídas de significado, sem nenhum valor
prático.

Oração exige tempo com Deus.
       O maior investimento que podemos fazer em nossa vida é o
tempo com Deus e Sua Palavra. A maior contribuição que podemos
dar ao mundo é o tempo gasto em oração por ele. O maior bem que
podemos fazer a uma pessoa é o tempo usado em oração genuína
por ela. Os efeitos de uma vida de oração transcendem as
realizações humanas.

A oração exige disciplina dos pensamentos.
        Tão logo alguém se consagra à oração, verá que a mente
será atacada por outros pensamentos. É aí que surge a tentação de
desistir, deixar para outra hora que não aparece. É uma luta
espiritual. Há que desenvolver o hábito de tomar os pensamentos
cativos à obediência de Cristo (2 Co 10:5).

Oração é o primeiro passo para o conhecimento de Jesus.
       "Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo"
Romanos 10:13. O homem vai a Jesus pela oração e todo o seu
andar com Ele é firmado na oração. É o meio de conhecê-lo
inteiramente e lançar mão de Suas promessas. É trazer a alma
sobre os joelhos, é o caminho para o homem entender o plano de
Deus para sua vida.

Oração é dar a Deus acesso às nossas necessidades.
        É a chave para o miraculoso; é a verdadeira respiração
espiritual. Em suma, oração é um modo de vida em íntima ligação
com Deus.




                               107
A experiência das disciplinas espirituais


Por Quê Orar?
                                                                                    NOTAS

       Primeiro porque Deus insistentemente o ordena na Bíblia:
( Lc 18:1; I Ts 5:17; Fl 4:6; Ef. 6:18-19; I Tm 2:1; Mt 26:41; Cl 4:3; I
Ts 5:25; II Ts 3:1; Hb 13:18). Também porque é o caminho indicado
por Deus para o cristão receber coisas de que precisa (Is 1:5-8), é o
caminho que Deus aponta para que o cristão tenha a plenitude do
gozo (Jo 16:24; Pv 10:20); é a saída para os problemas, a cura para
todo o problema e ansiedade (Fp 4:6, 7; Sl 55:22). A oração
respondida é o único argumento irrefutável contra o ceticismo e a
incredulidade (Hb 11:6; I Rs 18:36-38; Jz 6:12, 13; Ex 8:19; Dn 2:47;
At 13:6-12). Finalmente, porque a oração é o caminho para o poder
do Espírito Santo no serviço cristão (Lc 11:13; 1Cr 7:14; Hc 3:2; At
1:13,14; 4:31; 8:14-16; 9:9,11,17; 13:1-4; Ef 1:15-19; 3:14-19).

INIMIGOS DA ORAÇÃO

        "Para que não se interrompam as vossas orações" I Pedro
3:7b.

      “... Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o
vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós
para que não vos ouça" Isaias 59:2.

      O propósito de Deus é ouvir todas as orações. Jesus disse:
"Graças te dou porque sempre me ouves" (Jo 11:42). Mas há
obstáculos, problemas, inimigos que se infiltram na vida de oração e
impedem a manifestação do poder de Deus. Veremos alguns deles.


Relacionamentos errados na família (I Pe 3:1-7).
       Relacionamentos rompidos, injustiça e falta de perdão para
com o cônjuge. A vida conjugal deve ser posta diante de Deus. Se
as orações não estão sendo respondidas; pode haver falhas no
relacionamento.

Falta de perdão (Mc 11:25).
       Nossas orações são ouvidas na base de que nossos pecados
estão perdoados; mas Deus não pode tratar conosco sobre tal base
de perdão, enquanto nós guardamos o mal, o espírito de
animosidade ou de vingança contra aqueles que nos ofenderam.
Qualquer que guarda espírito de rancor ou mágoa contra alguém,
fecha os ouvidos de Deus para sua própria petição.

Contenda (Tg 3:16).
       A contenda é simplesmente agir movido pela falta de perdão.
Paulo declara que por causa de contendas, Satanás pode tornar
cristãos prisioneiros de sua vontade. A ausência de contendas é a
chave para agastar a confusão e o mal. Dê a Deus oportunidade de
criar um sistema de harmonia em volta de você e sua vida de
oração começará a funcionar.


                                  108
A experiência das disciplinas espirituais


Motivação errada (Tg 4:3).
                                                                                  NOTAS
       Um sério obstáculo à oração é pedir a Deus coisas que
realmente não necessitamos, com o propósito de satisfazer desejos
egoístas. Orar com uma motivação egoísta. "Quer comais; quer
bebais, fazei tudo para a glória de Deus" (I Co 10:31). Podemos orar
por coisas em linha com a vontade de Deus, mas se o motivo for
errado, não haverá resposta. O propósito primeiro da oração deve
ser a glória de Deus.

Toda a forma de desobediência a Deus (Is 59:1, 2).
       Uma atitude de rebeldia ou desobediência à palavra de Deus
fecha os céus para nós. Qualquer pecado inconfessado torna-se
inimigo da oração. Uma vida de obediência ao céu abre o caminho
à resposta de Deus "E aquilo que pedimos, dele recebemos, porque
guardamos os seus mandamentos, e fazemos diante dele o que lhe
é agradável" (Jo 3:22).

Ídolos no coração (Ez 14:3).
       Ídolo é toda e qualquer pessoa ou coisa que toma o lugar de
Deus na vida de alguém. É aquilo que se torna o objeto supremo da
afeição. Aquilo que mais ocupa nosso pensamento. Deus deve ser
supremo em nossa vida.

Falta de generosidade para com os pobres (Pv 21:13).
       A recusa de ajudar o que se encontra em necessidade,
quando podemos fazê-lo, impede a resposta às nossas orações.

Dúvida e incredulidade (Tg 1:5-7).
      A Dúvida é a ladra da bênção de Deus. A dúvida vem da
ignorância da Palavra de Deus. A incredulidade é quando alguém
sabe que há um Deus que responde as orações, e ainda assim não
crê em Sua Palavra. E não crer nas promessas é duvidar do caráter
de Deus.

Uma disposição de ler sobre oração e sobre a Bíblia, em vez de
estudar e entrar na arena da oração.
       A oração é a maior e mais santa das vocações. Saber sobre
oração não garante a resposta, mas o por a Palavra em operação
para receber de Deus aquilo que Ele prometeu.

Falta de entendimento da nossa posição em Cristo.
        Talvez esse seja o maior inimigo. Ignorância quanto aos
privilégios e direitos de redenção. Daquilo que Cristo é em nós e do
que somos nele. Um desconhecimento da extensão do que Ele fez
por nós e direitos legais, outorgados em Graça, diante do Trono.

Basear-se na fé do outro.
       A cada crente, Deus deu uma medida de fé. Ele veio quando
nos tornamos uma nova criação em Cristo e recebemos a natureza
de Deus. Assim como desenvolvemos nossas capacidades físicas e



                                109
A experiência das disciplinas espirituais


mentais pelo exercício, desenvolvemos nossa fé pelo alimento da
                                                                                 NOTAS
Palavra de Deus (Jo 15:7).

TIPOS DE ORAÇÃO

       Paulo adverte-nos a orar em todo tempo "com toda oração"
Efésios 6:18.
       Vejamos outras traduções do mesmo verso bíblico:
       "Com orações e súplicas de toda a sorte, orai em todo o
tempo, no espírito, e para isso vigiai com toda perseverança e
súplica por todos os santos" (Bíblia de Jerusalém).
       "Orai sempre com toda a espécie de orações espirituais, e
não esquecendo em vossas orações todos os irmãos e irmãs" (J.B.
Philips).
       "Use cada tipo de oração e súplica" (Goodspeed).
       "Pela instrumentalidade de cada oração e súplica" (Wuest).
       "Orai em todo o tempo (em cada ocasião, em cada época) no
Espírito, com toda a (maneira de) oração e súplica" (V. Ampliada).

       Costumamos definir nosso relacionamento com Deus em
uma palavra: Oração. Essa é uma arte da qual muito se fala e
pouco se conhece. Para que a oração seja respondida, deve ser
feita de acordo com os princípios estabelecidos na Palavra de Deus.
Oração é algo sério, específico, objetivo, e segue as regras e
princípios da Palavra de Deus. É a tentativa de orar em desarmonia
com eles que resulta em uma experiência frustrante de não ver as
orações e súplicas respondidas.
       Paulo declara em Efésios 6:18
         "Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no
espírito e para isso vigiando com toda a perseverança e súplica por
todos os santos”.

      Há diversos tipos ou espécies de orações e cada um deles
segue princípios claros. Há regras estabelecidas na Palavra de
Deus para esses diferentes tipos de oração. E é aqui onde há
grande confusão. Costumamos definir nosso relacionamento com
Deus em uma palavra: Oração. Tudo o que lhe dizemos ou pedimos
chamamos "oração". Sim, tudo é oração. É preciso, contudo saber:
Há diversos tipos de oração.
      Pense numa farmácia, ali encontramos medicamentos. Tudo
é medicamento, mas há um grande número de diferentes
medicamentos, cada um deles destinado a tratar certo tipo de
enfermidade. O mesmo acontece no mundo do esporte. Há diversas
modalidades de esporte, mas cada uma delas tem suas próprias
regras. Que confusão seria alguém tentar jogar futebol usando as
regras de basquete! O que aconteceria se alguém comprasse água
oxigenada para uma dor de ouvidos ou iodo para o estômago? Mas
no mundo da oração muitos têm agido assim. Não admira que as
orações não sejam respondidas.




                               110
A experiência das disciplinas espirituais


       Há orações que não buscam necessariamente alguma coisa
                                                                                  NOTAS
de Deus. Outras visam alterar uma circunstância em nossa vida e
de outros. A todas elas Deus deseja ouvir.

"Ó tu que escutas as orações, a ti virão todos os homens" (Sl 65:2),
pois, "A oração dos retos é o seu contentamento" (PV 15:8b).

       Poderíamos classificar o foco das orações em três níveis
diferentes: Deus, Nós e os Outros. Dentro de cada um desses níveis
há tipos de oração.


DEUS COMO CENTRO DAS NOSSAS ORAÇÕES

      Há orações que são dirigidas a Deus, visando Deus mesmo,
o que Ele é, o que Ele faz e o que Ele nos tem feito. Outra coisa nós
não buscamos, senão apresentar-lhe nossa gratidão, louvor e
adoração. Dentro deste nível temos três tipos de oração:

       Ações de graça - A expressão do nosso reconhecimento e
gratidão a Deus pelo que nos tem feito. Basicamente é a oração que
expressa gratidão a Deus pelas bênçãos que Ele tem derramado
sobre nós.

       Louvor - A oração de louvor é um passo além das ações de
graça. São expressões de louvor a Deus pelo que Ele faz. Louvar é
reunir todos os feitos de Deus e expressá-los em palavras, numa
atitude de gratidão.

       Adoração - O tipo de oração que exalta Deus pelo que Ele é.
É a entrada no Santo dos Santos para responder ao amor de Deus.
Ali nada fala do homem, mas de Deus. É o reconhecimento do que
Deus é. É a resposta do nosso amor ao amor divino.


NÓS MESMOS COMO O CENTRO DAS NOSSAS ORAÇÕES
        Aqui vamos a Deus para apresentar necessidades pessoais.
Embora falando com Deus, o foco da atenção é a satisfação de
nossas necessidades. Vamos a Deus em busca de uma resposta
para a alteração de alguma circunstância em nossa vida. Nesse
nível temos também três tipos de oração:

       Petição - É "um pedido formal a um poder maior". É a
apresentação a Deus de um pedido, visando satisfazer uma
necessidade pessoal, tendo como base uma promessa de Deus.
Nesse tipo de oração já temos o conhecimento de qual é a vontade
de Deus, pelo que o pedido será feito em fé, com a certeza da
reposta, antes mesmo da sua manifestação, de acordo com Marcos
11:24.




                                111
A experiência das disciplinas espirituais


        Consagração ou Dedicação - É uma atitude de submissão à
                                                                                 NOTAS
vontade de Deus. Essa oração é para as ocasiões em que a
vontade de Deus é desconhecida. Exige espera, consagração e
inteira disposição de conhecer e seguir a vontade do Pai.

      Entrega - É a transferência de um cuidado ou inquietação
para Deus. É lançar o cuidado sobre o Senhor, com um
conseqüente descanso. Essa oração é feita quando um cuidado, um
problema ou inquietação nos bate à porta.


OS OUTROS COMO CENTRO DAS NOSSAS ORAÇÕES

       Intercessão - Aqui vamos a Deus como sacerdotes, como
intercessores, levando a necessidade de outra pessoa. Nosso
motivo primeiro é ver circunstâncias alteradas na vida de outrem.
Esta é a oração de intercessão. Interceder é colocar-se no lugar de
outro e pleitear a sua causa.


ORAÇÃO DE AÇÕES DE GRAÇA

      "Entrai por Suas portas com ações de graça" (Sl. 100:4).

       A gratidão é uma das virtudes que embelezam o caráter
cristão e expressam um coração caloroso e cheio de amor e das
palavras do seu Deus. Paulo declara:

        "Habite ricamente em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e
aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus,
com salmos e hinos e cânticos espirituais, com gratidão em vossos
corações" (Cl.3:16). "Sede agradecidos" (Cl.3:15) é um conselho a
ser abraçado com alegria, pois a gratidão tanto alegra o coração do
Pai, como enriquece a nossa vida. Ações de graça são basicamente
o ato de expressar gratidão a Deus por bênção que Ele tem
derramado sobre nós. Pode ser mental ou vocal. Ações de graça
diferem de louvor porque no louvor é focalizado o que Deus faz,
suas obras e realizações, enquanto as ações de graça focalizam o
que Deus nos dá ou faz por nós. Poderíamos chamar de uma
confissão de bênçãos.
        Essa atitude estava presente na vida de Jesus pela resposta
à oração; pelo pão e pela revelação. Era também um tipo de oferta
oferecida no templo e uma das funções dos cantores no templo (1
Cr 24:3). As ações de graça são um caminho para o louvor e um
sacrifício espiritual a Deus (Sl 50:14, 23; 116:17).
        A Bíblia ensina também que todas as orações devem ser
acompanhadas de ações de graça (Fl 4:6). A resposta às orações
deve também ser esperada com ações de graça (Cl 4:2). As ações
de graça devem ser abundantes (2 Co 4:15), devem permear nossa
conversação (Ef 5:4) e devemos crescer nelas (Cl 2:6).



                               112
A experiência das disciplinas espirituais


       Todas estas observações dão amplas bases para afirmarmos
                                                                                 NOTAS
a importância da oração de Ações de graças. Além disso, quero
mencionar ainda alguns princípios.
       Podemos ver o primeiro princípio em I Coríntios 10:10. As
ações de graças nos protegem do destruidor. A Bíblia menciona o
nome de muitos demônios como Legião, Apoliom, devorador, etc.
Mas aqui se menciona um demônio chamado destruidor que está
relacionado com a ingratidão e a murmuração. Muitos temem o
demônio devorador e por isso dão os seus dízimos, mas ainda se
esquecem que um coração descontente é porta para o destruidor.
       Em segundo lugar podemos ver o poder das ações de
Graças para nos proteger de influências malignas. Paulo Diz que a
comida é santificada se comemos com ações de graças. Veja, não
há necessidade de repreendermos demônio algum basta termos um
coração grato e seremos protegidos. Já pensou quanta doença
poderíamos evitar se apenas déssemos ações de graças pela
comida apropriadamente?
       Em terceiro lugar as ações de graças têm o poder de
multiplicar as bênçãos. Quando Jesus foi multiplicar os pães em
João 6:11 ele não fez uma oração de petição ou de fé, ele apenas
deu graças ao Pai. Muitos não prosperam porque não aprenderam a
agradecer a Deus pelos míseros cinco pães e dois peixinhos. Se
estivermos contentes com o pouco, o Senhor multiplicará e veremos
a abundância de Deus.


ORAÇÃO DE LOUVOR

       "Louvarei ao Senhor em todo o tempo; o Seu louvor estará
continuamente na minha boca" (Sl 34:1).

       Louvar é reunir todos os feitos que conhecemos de Deus e
expressá-los em palavras, numa atitude de exaltação e glorificação
ao Seu nome, que é digno de ser louvado. E isso deve ser feito
como um modo de vida (Sl 145:1-7). A Igreja primitiva estava
sempre louvando (Lc 24:53), pois sabia que Deus habita nos
louvores do Seu povo (Sl 22:3).
       O louvor é a atitude adequada de quem vai buscar a Deus
numa reunião da Igreja (Sl 100:4).
       O louvor é a porta de entrada para a adoração (II Cr 5:13:
14).
       O louvor é a arma contra os inimigos (II Cr 20:21, 22).
       O louvor é a fonte de alegria (Sl 9:1, 2; Sl 33:1; 35:27).
       O louvor está muitas vezes associado aos cânticos (Sl 40:3;
Sl 92:1-4).
       O louvor está associado à manifestação física, danças (Sl
150:4), o erguer das mãos (Sl 63:3, 4; 134:2).
       O louvor deve ser crescente (Sl 71:14).




                               113
A experiência das disciplinas espirituais

                                                                                   NOTAS
ORAÇÃO DE ADORAÇÃO

        Há uma fome dentro de nós que nem sempre sabemos
discernir do quê. Buscamos a satisfação em muitas fontes, mas ela
permanece. É a necessidade de Deus mesmo, que Ele colocou em
nosso coração. O espírito em nós busca ser liberto do cativeiro e
alçar vôo rumo à presença de Deus, assim como pássaros parecem
ser compelidos a responder um chamado para migrarem. É Deus
nos atraindo.
        Há um desejo inerente em nós de adorar Deus, mas a
habilidade de fazê-lo foi perdida na queda de Adão. O Espírito de
Deus, contudo nos capacita a entrar no Santo dos Santos,
habitação de Deus, onde, finalmente encontramos nossa razão de
viver: Adorar a Deus.
        A adoração é um dos principais temas da Bíblia. Há 270
referências à adoração. A adoração fala do nosso amor
respondendo ao amor de Deus. Não é um imperativo, pois o amor
não se pode impor, mas uma resposta voluntária a um estímulo
espiritual. E Jesus nos garante que esse amor que sentimos, e o
fluir do Espírito que experimentamos encontrarão sua expressão e
satisfação quando os liberamos de volta para Deus em adoração
(Jo 4:23).
        Não há uma definição de adoração na Bíblia, pois amor não
se define. A palavra mais comum no hebraico é "shachah" (172),
traduzida por "adoração", "curvar-se", "prostrar-se". No grego a mais
comum é "prokeneo" (59 vezes). É composição de duas palavras:
"pros", que significa "para", "em direção a", e "heneo", que significa
beijar. Alguns eruditos dão o significado de "beijar a mão com
admiração", outros "beijar os pés em homenagem".
Etimologicamente adoração é curvar-se, prostrar-se, beijar as
mãos, pés ou lábios, com um sentimento de temor e devoção,
enquanto serve ao Senhor com todo o coração. É uma atitude
expressa em ação. Tem a ver com um sentimento de proximidade
entre parceiros e um relacionamento de aliança. Envolve moção e
emoção, mas a verdadeira adoração é mais profunda que tudo isso
e usa simplesmente esses canais para liberar o amor profundo e
devoção que impele o crente para a presença de um Deus de amor.

A Expressão de Adoração
      Podemos entender melhor a adoração na Bíblia, pela
observação de como os adoradores se comportavam diante de
Deus. I Cr 29:20-22 dá um exemplo:

      Louvaram ao Senhor.
      Inclinaram as cabeças.
      Adoraram (shachah).
      Sacrificaram ao Senhor.
      Ofereceram holocausto.
      Comeram e beberam perante o Senhor.
      Fizeram isso com grande regozijo.



                                 114
A experiência das disciplinas espirituais


       A definição mais próxima de adoração está em Marcos 12:30,
                                                                                  NOTAS
31. Aí está um amor que libera toda a adoração do coração,
expressa todas as atitudes da alma, expressa toda a determinação
da mente e utiliza toda a força do corpo do adorador. Isso é
adoração. Adoração é uma resposta a um relacionamento. É o amor
respondendo ao amor. Ela ocorre quando nosso espírito contata o
Espírito de Deus.

Atitudes de adoração
      Lc 7:37, 38 revela a atitude de uma adoradora, atitude de um
espectador e a de Jesus. Vejamos a da adoradora.

       Quebrantamento - O contraste entre a presença santa e
perfeita de Deus e a nossa pequenez quebranta o coração.
Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado ("shabor");
coração compungido e contrito ("dakah") não desprezarás, ó Deus.
(Sl 51:17). "Shabot" - significa "temer, quebrar, em pedaços, ou
reduzir". "Dakah" - quer dizer "esmagar", quebrar, machucar, ferir,
esmagar e humilhar. "Contrito" - Usado para descrever o processo
de fazer pó (talco). A adoração requer quebrantamento. Muitos
constroem em volta de si paredes de proteção e não deixam que
sejam liberados o amor, a ternura e a adoração.

      Humildade - Ela soltou os cabelos em lugar indevido,
segundo o costume (I Co 11:15). Deixou sua reputação de lado para
adorar do modo que ela sentia que Jesus devia ser adorado. Usou
os cabelos para enxugar seus pés empoeirados. Tomou sua glória
(o cabelo) para lavar a lama (Ler Is 57:15; I Pe 5:5). Adoração sem
humildade é como o amor sem compromisso.

     Amor - Sua atitude estava repassada de amor. "Ela muito
amou".

       Dádiva - Ela não se limitou à expressão de suas emoções;
ela também deu uma evidência tangível do seu amor, devoção e
adoração. A dádiva está associada à adoração (Ex 23:14; 34:20; Dt
16:16; Sl 96:1-9).
       A atitude de Jesus em resposta a essa adoração é: "A tua fé
te salvou; vai-te em paz" (Lc 7:49) - fé, libertação e paz.
       O objeto da adoração - Deus mesmo (Jo 4:20,21)
       Só pelo Espírito Santo se pode adorar (Rm 8:16).
       O lugar da adoração - No espírito do homem, onde o Espírito
de Deus habita.
       A verdadeira adoração - "Em espírito e em verdade”.
       A verdadeira adoração deve fluir de um relacionamento
genuíno com Deus. Um bom relacionamento com uma igreja poderá
produzir um bom trabalhador, mas somente um relacionamento
caloroso com Deus produz o verdadeiro adorador. Espíritos
calorosos produzem corações adoradores. As motivações também
devem ser corretas na adoração verdadeira. O objetivo é dar ao
Senhor e não adquirir dEle. A motivação pura para a adoração é o


                                115
A experiência das disciplinas espirituais


amor que transborda do espírito do homem como correntes de água
                                                                                  NOTAS
viva.


Diferença Entre Louvor e Adoração

      O louvor nos prepara para a adoração. É o prelúdio, a porta
de entrada para a adoração. Sl 95:1, 2,6; Sl 96:4, 7, 8,9. Mas ainda
que a adoração possa depender do louvor, o louvor não é substituto
da oração, mas um precioso suplemento. Há diferença entre o
Louvor e a Adoração.

Na motivação
       Geralmente louvamos com a motivação de sermos
abençoados por Deus. Há um desejo de despertar as agradáveis
emoções que o louvor produz. No louvor, aproximamo-nos de Deus
com um coração entusiasta e feliz, para gozar do prazer de Sua
presença. Mas na adoração apresentamos algo a Deus, como um
reconhecimento de amor e expressão da nossa profunda
apreciação do que Deus é.
       A chave da adoração é dar, e não receber. A adoração dá
glória a Deus e não busca conseguir a glória de Deus. Um adorador
vai a Ele não para ser abençoado, mas para abençoar; não como
um pedinte, mas como um admirador.
       Os que louvam e querem ser adoradores devem aplicar o
teste: Estou indo a Deus para dar ou para receber? Estou
ministrando ao Senhor, ou buscando ser ministrado por Deus?

No impulso
       O impulso primeiro do louvor é uma resposta positiva voltada
para Deus, baseado muito mais nos Seus Feitos do que em Sua
PESSOA. O salmista convida a louvar a Deus pelos feitos. Moisés
louva pela libertação (Ex 15); Ana louva por Samuel (I Sm 2:1-10);
Sl 107; 8, 21,31.
       Esse impulso de louvor é proveitoso e é um passo além das
ações de graça. Mas o louvor se concentra mais no presente
(dádiva) de Deus do que na Sua presença.
       Como o louvor é centrado em atos, freqüentemente se
transforma em petição numa forma positiva, ou mesmo numa
tentativa de conseguir que Deus satisfaça os presentes desejos,
louvando-o grandemente por Suas dádivas passadas.
       É possível ir-se à presença de Deus e apresentar um louvor
próprio, buscando mais receber do que dar, nunca passando do
louvor para a adoração. Muitas vezes voltamos do louvor para a
petição, em vez de prosseguirmos do louvor para a adoração.

      No louvor, a ordem é "louvor por". A adoração se volta para a
pessoa de Deus "Adora a Deus". O louvor começa aplaudindo o
poder de Deus, mas freqüentemente nos aproxima tanto de Deus
que a adoração pode responder a essa presença.



                                116
A experiência das disciplinas espirituais


      Enquanto a energia do louvor é voltada para o que Deus faz,
                                                                                 NOTAS
a energia da adoração é voltada para o que Deus é. O louvor se
concentra na realização; a adoração na Pessoa. O impulso da
adoração, portanto, é mais elevado do que o do louvor.

Na sua fonte de inspiração
       Fundamentalmente o louvor é uma exuberância da alma e do
espírito do homem, que é expressa a Deus. A adoração flui do
Espírito de Deus que é residente no espírito do homem. O louvor é
o homem redimido invocando a Deus, enquanto adoração é Deus
invocando a Deus de dentro do homem redimido. O louvor tem
freqüentemente sua origem na alma, mas a verdadeira adoração
sempre se originará no espírito (Jo 4:24).
       O louvor é mais um ato de emoção, enquanto a adoração é
um ato de devoção. O louvor brota da fonte dos sentimentos,
enquanto a adoração diz: "Eu amo". O louvor olha para a mão de
Deus; adoração olha para o coração.
       Embora o louvor e adoração sejam manifestos pelo mesmo
corpo, eles brotam de diferentes fontes em nosso ser. Mas a
manifestação nem sempre revela a fonte, pois pode ser expresso
pelas mesmas posturas físicas ou pelas ações.

Na profundidade da dedicação
       Enquanto o louvor é uma expressão de nossa vida, a
adoração é um estilo de vida. O louvor é muitas vezes um ato da
nossa vontade, e pode ser despertado pelo estímulo das emoções.
A adoração, porém, envolve a vida inteira. Um verdadeiro adorador
o é o tempo todo, mesmo que no momento não esteja envolvido no
ato da adoração. Adoração é um modo de vida que afeta o
comportamento do adorador fora da presença de Deus, como o faz
em Sua presença.
       No louvor nós expressamos uma profunda apreciação a Deus
pelo que Ele nos tem feito, mas na adoração nós "vivemos para o
Senhor".

Na proximidade de Deus
      O louvor nem sempre é a respeito das obras de Deus;
algumas vezes olha para além do que é feito e louva Aquele que fez
as obras. Mas normalmente é uma resposta de uma certa distância,
mas adoração, antes que possa fluir, requer que a pessoa esteja na
presença real de Deus. A adoração no templo acontecia no lugar
Santo. O louvor ficava nos átrios. Há uma intimidade na adoração,
que não é exigida para o louvor.

Na forma de expressão
       O louvor e a adoração devem ser expressos pelo corpo e há
muita semelhança entre eles, mas há também diferenças. O louvor
é mais vocal enquanto a adoração é freqüentemente destituída de
muitas palavras. Dois amantes numa caminhada têm muito do que
falar, mas quando se envolvem em um abraço, as palavras se
tornam supérfluas. Assim é freqüentemente com a adoração.


                               117
A experiência das disciplinas espirituais


      O louvor é usualmente demonstrativo, com muita ação física,
                                                                                 NOTAS
enquanto a profunda adoração tende mais a manifestar uma
submissão física, em vez de uma atividade física. Como o louvor
tende mais a ser emocional, é mais barulhento e exuberante; a
adoração é devocional e mais quieta e contemplativa.
      Poderíamos dizer que o louvor põe o amor em palavras e
ação, enquanto a adoração põe-no em toque e relacionamento.
Ambos são importantes, mas a adoração é mais íntima.


ORAÇÃO DE PETIÇÃO E SÚPLICA

       "Por isso vos digo que tudo quanto em oração pedirdes,
crede que recebestes, e será assim convosco."(Mt 21:22; Mc
11:24).
       "Não andeis ansiosos de cousa alguma; em tudo, porém
sejam conhecidas diante de Deus as vossas petições, pela oração e
pela súplica, com ações de graça”. (Fl 4:6).

       Deus é a fonte de toda a bênção e Ele tem a solução para
todos os nossos problemas. Ele tem recursos inesgotáveis para
satisfazer cada uma das nossas necessidades. "O meu Deus,
segundo a Sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus,
cada uma de vossas necessidades" (Fl. 4:19). A Palavra de Deus
nos encoraja a apresentar nossas petições ao Senhor, sabendo que
Ele está pronto a nos atender. Seguem-se alguns princípios que
devem governar nossa oração, especialmente a de petição, para
que alcancemos uma resposta favorável.


      Forme uma imagem clara do seu desejo e expresse-o em
palavras objetivas. Defina o que você quer de Deus em termos
claros.
       A Bíblia ensina que a oração deve ser específica, objetiva
      (Lc 11:1-12; Tg 1:5). Exemplos de orações objetivas:

      Eliezer - Gn 24:12-14;

      Elias - I Rs 17:1;

      Eliseu - II Rs 2:9.

      Uma resposta definida exige um pedido definido (Lc 18:38,
41-43).


      O que está errado com a oração indefinida:

       Freqüentemente é uma mera formalidade. As pessoas oram
por coisas que realmente não desejam. Muitas orações são feitas só
para serem ouvidas pela congregação. São indefinidas e insinceras.


                               118
A experiência das disciplinas espirituais


Nada esperam realmente de Deus e por essa razão nada têm em
                                                                                  NOTAS
especial de Deus. A oração indefinida revela que não há um clamor
na alma, nem urgência no coração, nenhum peso na oração ou
desejo real. A oração formal, indefinida, geral, vaga, é resultado da
falta de direção do Espírito Santo. Revela um desconhecimento da
mente de Deus. Quem é guiado pelo Espírito Santo, sabe o que
quer, porque sabe o que Deus quer e sabe que Ele está disposto a
dar as coisas pedidas em oração.

      Como ser definido:

       Analise suas orações. Coloque de lado aquelas que são
insinceras ou feitas por mera obrigação. Separe as coisas que você
realmente deseja e tem um peso de oração; aquilo que está
verdadeiramente em seu coração e para o que espera resposta
específica.
       Espere na presença de Deus até ter na mente, de um modo
claro, aquilo porque deve orar. Deixe que o Espírito lhe fale e
coloque o desejo em seu coração, você poderá ser ousado no pedir.
Oração específica não é uma tentativa de você fazer Deus
concordar com o seu desejo, mas é antes descobrir o desejo de
Deus para você e orar de acordo com o que o Espírito coloca em
seu coração.
       Escreva seu desejo. Isso lhe ajudará a ser específico e
preparar-se convenientemente para apresentar sua petição,
assistido pelo Espírito Santo, de tal modo que alcance a resposta
específica. Isso poderá também ser feito em concordância com
outras ou outras pessoas. O registro das petições específicas a
Deus e das respostas, ajuda a desenvolver a fé e crescer na vida de
oração bem sucedida.
       Busque na Bíblia textos que se referem ao que você deseja,
quer em promessas ou em princípios. Uma vez identificada a
necessidade, pesquise a Palavra e selecione textos que se referem
ao assunto.
       Toda a oração deve ser feita de acordo com a vontade de
Deus revelada na Palavra.
       A Fé começa onde a vontade de Deus é conhecida. Sua
vontade é revelada na Palavra escrita. Deus está preso à Sua
Palavra. A Palavra expressa o que Deus é. Ele é absolutamente fiel
ao que prometeu.
       Você não tem interesse em desejar o que Deus não quer
para a sua vida. Pesquisando a Palavra, sob a direção do Espírito
Santo, você descobrirá se seu desejo deve ser abandonado ou se é
digno de ser transformado em objeto de oração.
       Sem o fundamento da Palavra de Deus é impossível fazer
uma oração de fé. O conhecimento da vontade de Deus revelada
em Sua Palavra dará a você a certeza de que sua petição será
atendida (I Jo 5:14). Além disso, o conhecimento das promessas de
Deus relativas ao seu desejo despertará e alimentará sua fé (Rm
10:11).



                                119
A experiência das disciplinas espirituais


As promessas serão, para você, arma segura contra os ataques de
                                                                                 NOTAS
Satanás, enquanto espera a manifestação da resposta de Deus ao
seu pedido (Lc 4:3-12).

Orações Baseadas na Palavra de Deus.

       A Bíblia está cheia de pedidos a Deus firmados nas Suas
promessas feitas nas escrituras. Vejamos alguns exemplos.
       Davi ora por sua casa, de acordo com a Palavra do Senhor,
de que lhe edificará casa estável. Natã lhe transmite as promessas
do Pai e ele ora de acordo. "Agora, ó Senhor, seja confirmada para
sempre a Palavra que falaste acerca do teu servo, e acerca de sua
casa, e faze como falaste... Agora, pois, ó Senhor, tu és Deus e
falaste este bem acerca do teu servo, para que permaneça para
sempre diante de ti; porque Tu, Senhor, a abençoaste, ficará
abençoada para sempre" (I Cr 17:23, 26,27).
       Na dedicação do templo, Salomão apresenta suas petições
de acordo com as promessas de Deus (2 Cr 6:14-17). Josafá se vê
ameaçado por tropas inimigas e vai à casa do Senhor e clama, de
acordo com a promessa (2 Cr 20:6-12).

Exemplo de necessidades e as respectivas promessas de sua
satisfação

      Necessidades de emprego - Fl 4:19.
      Prosperidade - Dt 28.
      Saúde - Is. 53:4; I Pe 2:24.

       Para cada pedido que fazemos a Deus devemos ter uma
passagem na Bíblia para sustentá-lo. Ninguém apresenta uma
petição ou um caso em algum tribunal, sem invocar o respaldo da
Lei. Do mesmo modo, nossas petições diante do trono devem ter o
respaldo da Palavra de Deus escrita, a Bíblia, que é a constituição
do Reino.
       Faça seu pedido a Deus de modo simples e claro, invocando
o que Ele prometeu na Sua Palavra. Se você já sabe o que quer do
Pai e se certificou de que Ele lhe fez uma promessa em Sua
Palavra, agora é só apresentar o caso diante dEle, por meio de um
pedido. A palavra nos encoraja a não andar ansiosos, mas tornar
conhecidas diante de Deus as nossas petições. "Não andeis
ansiosos por coisa alguma, em tudo, porém sejam conhecidas
diante de Deus as vossas petições..." (Fl 4:6). A petição é o meio
dado por Deus para a satisfação das necessidades de Seus filhos.

      "Pedi, e dar-se-vos-á" (Mt 7:7).
      "Pois todo o que pede recebe..." (Mt 7:8).
      "Pedi e recebereis..." (Jo 16:24).
      "Nada tendes porque não pedis" (Tg 4:2).
      "Quanto mais o vosso Pai celestial, dará boas coisas aos que
lhe pedirem" (Mt 7:11).



                               120
A experiência das disciplinas espirituais


      "E tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis"(Mt
                                                                                 NOTAS
21:22).
      "Quanto mais vosso Pai Celestial, dará o Espírito Santo
àqueles que lho pedirem" (Lc 11:13).
      "Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei" (Jo
14:14).

       Creia firmemente, com base na promessa da Palavra, que
Deus atendeu sua petição e a manifestação da resposta já está
a caminho.
       A fé tem como fundamento a fidelidade de Deus e da Sua
Palavra (Nm 23:19). A fé é a precursora de toda oração respondida.
É uma confiança ousada em Deus. É uma certeza antecipada do
milagre que virá (Mc 11:23-24). A verdadeira fé é aquela que se
apropria da promessa no reino do espírito, antes que ela se
materialize diante dos olhos (Hb 11:1; 11:6). A única oração que
Deus ouve é aquela feita em fé. O limite do que se consegue pela
oração está na própria fé de cada pessoa. A vida de oração será tão
forte quanto a fé que a pessoa tem em Deus (Mt 17:20; Mc 9:23: Tg
5:15). E como crescer numa fé mais forte?

      Lembre-se que cada um tem uma medida de fé (Rm 12:3).
Aprenda a Palavra de Deus (Rm 10:17), porque a fé é baseada nas
promessas de Deus: A medida em que nos tornamos familiares com
a natureza de Deus revelada na Bíblia, a fé é desenvolvida. Veja
João 15:7. Submeta-se completamente à liderança do Espírito
Santo e à vontade Deus. É o Espírito quem interpreta a Palavra em
nosso coração. Aja de acordo com a medida da fé que você tem.

Alguns "não" a considerar

       Não tente crer; simplesmente aja de acordo com a Palavra.
Não use uma confissão dupla de modo que num momento você
confessa: “Sim, Ele ouviu minha oração”. “Estou curado, ou eu
tenho o dinheiro”, ou “recebi o emprego”, e então começa a
questionar como é que isso vai acontecer e o que você tem de fazer
para consegui-lo. Sua última confissão destrói a primeira. Uma
confissão errada destrói a oração e a fé.
       Não confie na fé de outras pessoas - tenha a sua própria fé.
Assim como você tem sua própria roupa, tenha sua própria fé. Aja
de acordo com a Palavra por si mesmo. Não converse
incredulidade. Nunca admita que você é um "Tomé duvidoso", pois
isso é um insulto ao Pai.
       Não fale sobre doenças e problemas. Nunca fale sobre
fracasso. Fale sobre a Palavra, sua absoluta integridade e sobre
sua confiança nela. Fale de sua disposição de agir de acordo com
ela e ater-se à sua confissão de que ela é fiel.

Alguns Princípios para Reflexão
      Você não pode edificar a fé sem praticar a Palavra. Você não
pode desenvolver uma vida de oração que nada é senão palavras, a


                               121
A experiência das disciplinas espirituais


menos que a Palavra de Deus tenha uma parte real em sua vida. Se
                                                                                  NOTAS
você vive a Palavra, você pratica a Palavra.
         Alguém pode ser professor da Bíblia. Pode saber de Gênesis
à Apocalipse, mas isso não significa que ele anda pela fé. Ele vive
no reino dos sentidos. Eu vivo a Palavra na medida da minha fé.
Minha vida de oração só tem valor na medida em que a Palavra em
meus lábios é algo vivo. E ela só vive se eu a pratico.
        "Se alguém é ouvinte da Palavra e não praticante, é como
um homem que contempla seu rosto num espelho natural, e se
retira, e logo esquece de como era a sua aparência" (Tg 1:23, 24).

       Tome cuidado para que sua conversa sobre o que você
pediu a Deus esteja em linha com sua fé de que Ele ouviu sua
petição.
       Nossa fé ou incredulidade é determinada pela nossa
confissão. Poucos percebem o efeito da palavra falada sobre seu
próprio coração e sobre o adversário. O inimigo ouve nossas
conversas e aparentemente não as esquece, enquanto nós
descemos ao nível da nossa confissão.
       A Palavra só se torna real quando confessamos sua
realidade. Hebreus 4:14 deve ser uma divisa para a vida: "Tendo,
pois, a Jesus, o filho de Deus, como grande sumo sacerdote que
penetrou os céus conservemos firmes a nossa confissão".
       A fé é expressa pela confissão dos lábios (Rm 10:9-10). O
que os lábios dizem deve concordar com a fé do coração. Palavras
contrárias à promessa destroem e neutralizam a oração. Palavras
são sementes, e palavras confessadas são sementes plantadas.
Confissão repetida é semente regada. Regue as sementes da fé
com a confissão da promessa.
       Sua confiança não é nas orações de outros, mas na imutável
e indestrutível Palavra de Deus. Por isso você se recusa a permitir
que seus lábios destruam a eficácia da Palavra no seu caso. Você
se conservará firme à sua confissão, ainda que pareça, aos olhos
humanos, que a sua oração não foi respondida.

       Rejeite toda a dúvida que assaltar sua mente quanto ao
fato de que Deus já respondeu a sua oração.
       Deixe que cada pensamento, cada imagem, e desejo afirmem
que você tem o que pediu. Não olhe para as circunstâncias, para os
sintomas, mas fixe-se na Palavra e isso manterá a dúvida fora do
seu território.
       Entre sua petição e a efetiva manifestação da resposta existe
um tempo que pode ser mais ou menos prolongado. Durante esse
período, Satanás tentará lançar dúvidas na sua mente. Torna-se
necessário manter uma atitude firme para não aceitá-la, mas
conservar a fé. A dúvida é um ladrão que rouba a bênção de Deus.
É o inimigo número um da fé. Exemplo da dúvida: Mt 14:24-31. A
dúvida impede a resposta à oração. Ela é mãe da derrota (Tg 1:6-8).
Quando duvidamos da Palavra de Deus é porque estamos crendo
em algo contrário àquela Palavra. E duvidar da Palavra é duvidar do
próprio Deus.


                                122
A experiência das disciplinas espirituais


       Qualquer substituto para a fé em Deus e Suas promessas
                                                                                   NOTAS
destrói
 a vida de fé; destrói as orações e traz de volta o jugo. A dúvida e a
fé não permanecem juntas. Se uma entra pela porta, a outra sai
pela janela.

Como Vencer a Dúvida

       Mantenha controle sobre a sua mente. A dúvida opera no
reino da mente; a Palavra de Deus opera no reino do espírito. A fé
também opera no reino do espírito. Há, pois, que lançar mão das
armas disponíveis para vencer os pensamentos da dúvida (2 Co.
10:3-5). Esteja pronto a recusar qualquer pensamento ou imagem
contrária à sua oração. Controle seus pensamentos de acordo com
Filipenses 4:6-9.

       Use as promessas de Deus como arma contra os ataques de
dúvida. A Palavra de Deus confessada com autoridade e fé mantém
o inimigo distante (Mt. 4:1-11).

       Concentre-se na fidelidade de Deus e de Sua Palavra. Isso
fortalece a fé e põe a dúvida fora do caminho. Nossa fé é firmada
naquilo que Deus é (Rm. 4:19-21). É sua segurança na Palavra de
Deus que garantirá a vitória contra os ataques das dúvidas


        Conserve uma visão clara das promessas que serviam de
base para a sua petição (Pv. 4:20-21).
        "Não se apartem elas de diante dos teus olhos...”
        Quando a promessa é guardada diante dos nossos olhos,
trocamos a imagem do problema pela imagem da promessa. Isso é
fundamental. Nossas vitórias ou derrotas são alcançadas primeiro
na mente. As circunstâncias que nos cercam tentarão impor suas
imagens. Mas se a Palavra de Deus estiver diante dos nossos
olhos, serão as imagens das promessas que prevalecerão. Essas
imagens serão alimentadas pela meditação nas promessas que
serviram de base para a nossa oração. Meditar é ruminar. É trazer
de volta à mente a Palavra e absorver dela todos os seus nutrientes
espirituais. É ter a promessa sempre presente e viva na memória. É
considerá-la atentamente, contemplá-la.
        Pela meditação a promessa é interiorizada e a certeza da sua
manifestação é alimentada. (Josué. 1:8) A meditação favorece a
permanência na Palavra, (Jo. 15:7) e isso é condição para a
resposta à oração. O amor a Palavra é demonstrada no ato de
meditar nela. "Quanto amo a Tua Lei! É a minha meditação todo
dia" (Sl. 119:97-148; Sl. 1:2). De fato, a contínua meditação na
Palavra gera em nós as imagens das abundantes promessas de
Deus do que somos em Cristo. Isso faz com que na hora de uma
determinada necessidade, a oração seja prontamente feita dentro
dos princípios divinos. Pela meditação, o coração é aquecido e a fé



                                 123
A experiência das disciplinas espirituais


alimentada - "Esbraseou-se-me no peito o coração; enquanto eu
                                                                                  NOTAS
meditava ateou-se o fogo" (Sl 39:3).
        O meditar na Palavra nos leva a um maior conhecimento e
intimidade com Deus, pois a base da fidelidade no cumprimento da
promessa reside em Sua própria pessoa. "Em Ti medito, durante as
vigílias da noite" (Sl 63:6). Se conheço Deus, sei que Suas
Promessas são fiéis e verdadeiras. Meditar na Palavra requer uma
decisão firme. É uma questão de escolha e disciplina (Sl 119:11; 27;
48; 78; 145:5).
        O hábito da meditação na Palavra nos torna sábios e nos
dará o conhecimento dos caminhos de Deus. "Compreendo mais do
que todos os meus mestres, porque medito nos Teus testemunhos"
(Sl 119:99).

       Conserve-se numa atitude de louvor e gratidão a Deus
até a plena materialização da resposta ao pedido.

      Você não deve esperar a manifestação para poder
agradecer. Agradeça logo, pois a sua convicção é que Deus é fiel à
Sua Palavra e a materialização da resposta é apenas uma questão
de tempo. O louvor é uma expressão de fé em Deus, e se baseia na
promessa de Deus. Ele é fiel. O louvor deve acompanhar as
orações (Fl 4:6, 7). Toda a petição deve ser marcada pelas ações
de graça. O louvor fortalece a fé (Rm 4:20). O louvor, pela resposta
à oração, antes de ver sua manifestação, libera a operação do
poder de Deus. Jesus, diante do túmulo aberto de Lázaro,
"Levantando os olhos para o céu, disse, Pai, graças te dou porque
me ouviste" (Jo 11:41). E logo Lázaro estava fora do túmulo, vivo. O
coração agradecido que aguarda a manifestação física da resposta
de Deus com louvor e ações de graça entra no descanso da FÉ.


ORAÇÃO DE CONSAGRAÇÃO

      Surgem ocasiões em nossa vida, quando temos de tomar
algumas decisões, e seguir por um determinado caminho sem que a
vontade de Deus, naquela área, esteja claramente revelada em Sua
Palavra. É aí quando, em vez de começar a pedir, devemos buscar
Sua face e esperar em Sua presença a fim de conhecermos o
desejo do Seu coração para aquela situação específica. Esse tipo
de oração é mais uma atitude de submissão, dedicação, entrega e
obediência a Deus do que petição. Uma vez conhecida Sua
vontade, é só segui-la.

      Nesse tipo de oração há uma disposição de fazer ou aceitar
qualquer que seja a vontade de Deus naquela circunstância. Este é
o único tipo de oração onde se emprega o "se for da Tua vontade".
Ela é feita numa situação em que se busca o conhecimento da
vontade de Deus ainda não revelada. Isso é feito com a mais
profunda atitude de submissão a Deus.



                                124
A experiência das disciplinas espirituais


       A oração de dedicação é harmonizar nossa vontade com a
                                                                                 NOTAS
vontade de Deus a fim de trazer sucesso numa determinada
situação. A vontade de Deus é sempre para nosso benefício. Esse
tipo de oração coloca-nos e a Deus direcionados para o mesmo
alvo. Jesus fez esta oração no Getsêmane (Lc 22:42): "Pai, se
queres afasta de mim este cálice; todavia não se faça a minha
vontade, mas a Tua". É mais uma atitude de submissão e
obediência do que palavras. Exige um tempo maior de busca,
repetidas vezes, até a convicção do plano divino. Requer a renúncia
da vontade própria. A mente deve ser esvaziada das preferências
pessoais para aceitar o plano de Deus, não importando qual seja.
       Uma vez conhecido o plano de Deus, não se trata de receber
alguma coisa, mas fazer alguma coisa de acordo com a direção
recebida.


A ORAÇÃO DE ENTREGA

       A oração de entrega fala também de uma atitude do coração.
Quando os cuidados, inquietações e pesos nos batem à porta,
transferimo-los para o Senhor, que tem condições de levá-los e,
então, devemos entrar no descanso da fé. Podemos entregar
nossos cuidados, preocupações e a nós mesmos a Deus e gozar
Sua paz divina (Sl 37:5).
       Deus é contra a preocupação. Ela nada produz senão stress,
esgotamento e morte. Jesus pregou contra ela. Paulo pregou contra
ela. A Bíblia é contra a preocupação porque ela foi gerada por
Satanás. Todo e qualquer fundamento de ansiedade deve ser
erradicado de nossas vidas (Fl 4:6, 7). O Poder de Deus começa a
operar, quando lançamos nossos cuidados sobre Ele. As
preocupações apenas bloqueiam essa operação. A entrega dos
fardos a Deus traz o descanso (Sl 37:7).


ORAÇÃO DE INTERCESSÃO

       Deus chamou o Corpo de Cristo para o ministério da
intercessão por todos os homens (I Tm 2:1-4). Ele está para trazer
um grande derramamento do Seu Espírito nestes últimos dias, com
grande demonstração de poder. A oração intercessória é o
instrumento que o Espírito de Deus usará para trazer esse
derramamento.
       Somos chamados a interceder porque Deus nada faz na terra
sem a cooperação do homem. Deus revela Seus propósitos e Seus
servos falam na terra em linha com eles e se tornam os
instrumentos para gerar e dar à luz, pela intercessão, cada um
deles. O homem ainda tem autoridade na terra. Deus o colocou
nessa posição. Deus busca intercessores: Is 59:16, 17; Jó 9:32, 33;
Nm 16:48; Is 64:7. Jesus, o Intercessor provido por Deus: Hb 7:25;
Rm 8:34. Ele intercede no céu. O Espírito Santo como Intercessor:



                               125
A experiência das disciplinas espirituais


Rm 8:26. Ele intercede, na terra, de dentro de santuários humanos,
                                                                                   NOTAS
redimidos pelo sangue do cordeiro. Deus precisa hoje de servos na
"brecha": Ez 22:30, 31. Intercessão e as "dores de parto": Jr 30:6; Is
66:8; Cl 4:19.

Elementos Indispensáveis à Intercessão

      Identificação: Interceder é tomar o lugar de outro e pleitear
sua causa como se fosse sua (Ex 32:31, 32).
      Amor: Rm 5:5.
      Compaixão: Mt 9:36-38: 14-14; 15:32; 20:34.


FORMAS DE ORAÇÃO

Oração Privada (Mt 6:6): Cada filho tem direito de entrar na
presença de Deus com confiança (Hb 4:16) e apresentar suas
orações.

Oração de Concordância (Mt 18:18-20): A versão Ampliada da
Bíblia traduz o versículo 19 como "concordarem e harmonizarem
juntos ou fazerem uma sinfonia juntos". "Sinfonia" é quando todos
os instrumentos tocam em harmonia. Concordar espiritualmente
envolve:
       Concordar com a Palavra de Deus. Tenha a plena convicção
de que a Palavra de Deus é verdadeira e ela será cumprida.
       Concordância envolve também a mente. Pensar a mesma
coisa. Na mente se trava um campo de batalha e os pensamentos
deverão ser controlados para que estejam em harmonia com Deus e
a Palavra. Algo que ajuda a ter uma mente firme é escrever o objeto
da concordância. Quando a mente se inclinar para outra direção,
leve-a a concordar com a Palavra de Deus.
       Concordar com o outro crente com quem se ora. Essa
concordância é mais que palavras. É preciso haver harmonia (Mc
11:25, 26).
       Há um poder na concordância (Dt 32:30).

Oração Coletiva (At 4:23-31): O corpo orando, em perfeita
concordância, com o Espírito Santo e a Palavra de Deus. Esse tipo
de oração tem um tremendo poder (At 5:12).


RECURSOS A SEREM USADOS NAS ORAÇÕES

Orar a Palavra: Quando oramos a Palavra, já começamos com a
resposta (Ts 55:10, 11).
Oração no Espírito: (I Co 14:14; Ef 6:18; Jd 20). Em áreas
conhecidas pela mente, podemos aplicar a Palavra escrita. Mas
aqueles que fogem ao nosso conhecimento ou quando não temos
convicção de qual a vontade de Deus, o Espírito Santo vem em



                                 126
A experiência das disciplinas espirituais


nosso auxílio (Rm 8:26, 27)."Gemidos inexprimíveis" significando
                                                                                 NOTAS
literal: "gemidos que não podem ser expressos por palavras
articuladas". A oração no Espírito, para além de ser um grande
auxílio em todos os tipos de oração, é uma arma poderosa contra as
forças das trevas.


ARMA CONTRA AS INTERFERÊNCIAS EM NOSSAS
ORAÇÕES
      Temos autoridade, dada por Deus, de abrir e fechar (Mt
16:19).
      A vida de oração é uma batalha (Ef 6:10-18). O tempo
passado na presença de Deus é como que o "carregar da bateria".
Somos supridos para o combate.
      O inimigo é enfrentado com arma de combate: a Palavra de
Deus (Ef 6:17).
      O inimigo é enfrentado na autoridade e Nome de Jesus, a
quem tudo se sujeita (Lc 19:10; Mc 16:17).
      O inimigo é enfrentado por um poder maior (Mt 12:29).
      Enfrente o inimigo falando diretamente a Satanás. Exerça sua
fé na obra do Calvário. Neutralize as forças inimigas para que a
resposta às suas orações não seja retida nas "regiões celestes" (Dn
10:12-21).


ASPECTOS         IMPORTANTES            DA        ORAÇÃO              BEM
SUCEDIDA

       Ore ao Pai, em nome de Jesus. Jo. 16:23-24: É o nome de
Jesus que garante a resposta de Deus.
       Creia que Deus responde a sua oração. Mc 11:24; I Jo
5:14, 15: A oração sem fé não produz resultados.
       Perdoe a todos que lhe ofenderam. Mc 11:25; Mt 6:14-15:
Toda falta de perdão impede a resposta de Deus.
       Dependa do Espírito Santo em sua vida de oração. Rm
8:26, 27; 8:15: Sem o auxílio, não se chega ao trono.
       Aprenda a orar pelos outros.Ef 6:18. Há uma lei de
semeadura e ceifa no reino do espírito. Quando me envolvo com o
corpo, intercedendo por ele, Deus levantará outras pessoas no
corpo para intercederem por mim.
       Edifique-se a si mesmo, orando no Espírito.Judas 20; I Cor
14:4.


ORAÇÃO E JEJUM

Por que Jejuar e Orar?
      Por que motivo os cristãos devem algumas vezes deixar a
comida, dormida, boas roupas, a vida em família ou outros confortos
para dedicarem-se somente à oração? Homens e mulheres usados


                               127
A experiência das disciplinas espirituais


por Deus em toda a Bíblia, jejuaram: Moisés, Davi, Esdras,
                                                                                   NOTAS
Neemias, Daniel, Paulo... Jesus iniciou seu ministério com 40 dias
de jejum. Não há uma ordem na Bíblia para se jejuar, mas Jesus
deixa claro que jejum é parte da vida do cristão, ao dizer: "Quando
jejuardes..." (Mt 6:16) “... naqueles dias jejuarão" (Lc 5:34, 35). A
Igreja primitiva conhecia a prática do jejum (At 13:2, 3).

O Que é o Jejum e a Oração?
       Não é simplesmente abstinência de alimento ou de alguma
coisa. Acima de tudo é colocar Deus no lugar supremo. É colocar a
oração em primeiro lugar.
       Há momentos em que devemos comer e beber com alegria e
gratidão (Sl 103:2, 5); que devemos dormir (Sl 127:2; 3:5); os
prazeres da família devem ser gozados (Hb 13:4; Pv 18:22). Toda
bênção vem de Deus (Tg 1:7) e deve ser desfrutada, para que por
elas Deus seja glorificado. Mas há momentos que devemos voltar
as costas para tudo isso e buscar a face do Senhor por algum
tempo. Para tanto somos levados a voltar toda a nossa atenção e
energia para o Senhor, orando e esperando em Sua presença.
       A abstinência pode ser só de comida (Mt 4:2). Mas há
ocasiões em que o jejum é completo, sem água nem comida (Ester
4:16).Há jejuns parciais, em que se come só o indispensável (Dn
10:2-3). Às vezes há abstinência do relacionamento sexual entre
marido e mulher (Ex 19:14: 15; 1 Co 7:5). O espírito do jejum é um
desejo ardente de estar com Deus em oração, por alguma razão
específica, maior que qualquer desejo normal ou lícito.
       Jejum significa persistência em oração. Podemos orar
freqüentemente, mas não oramos muito. Separar um tempo para
jejum e oração é dispor-se a um sério trabalho com uma
persistência que não aceitará a negação. A oração persistente, que
deixa tudo mais e dá a Deus o devido lugar, freqüentemente
envolve o jejum. Jejum é uma deliberação de remover todo
obstáculo à oração (Hb 12:1,2). Jejuar é simplesmente colocar de
lado todo peso e todo emprego que impede nossas orações.
       O jejum manifesta a intensidade de um desejo, a grandeza de
uma determinação e da fé. O jejum, pois, revela o fervor e a
seriedade da busca da resposta à oração.

Motivos que      Levaram    as   Pessoas a Jejuar               (No Velho
Testamento)

        • Busca de auxílio em tempo de aflição (Sl 50:15).
        • Josué e os anciãos de Israel diante da derrota em Ai (Js
7:6).
       • As tribos de Israel, quando a tribo de Benjamim foi contra
elas (Jz 20:26).
       • Ester, Mordecai e os judeus, quando ameaçados de
destruição (Et 4:16).
       • Esdras, quando temeu os inimigos no deserto (Es 8:21-23).
       • Confissão de pecados (I Sm 7:6; Jn 3:5-8).
       • Oração por cura (II Sm 12:16, 21,22).


                                 128
A experiência das disciplinas espirituais


      • Contrição e quebrantamento (I Rs 21:27).
                                                                                  NOTAS
      • Intercessão (Ne 1:4; Dn 9:2, 3-19).
      • Por revelação (Dn 10).

O jejum no Novo Testamento
        Não há uma única ordem no Novo Testamento para a Igreja
jejuar. Também não há normas estabelecidas. No entanto, parece
que o jejum é algo que faz parte da vida normal do povo. Os judeus
já eram dados ao jejum semanal e os fariseus jejuavam duas vezes
por semana.
        Jesus jejuou após o batismo (Mt 4:2; Lc 4:2). Ele passava
noites em oração e, ao que parece, sem comer. Mas não praticava
o tipo de jejum dos fariseus ou mesmo de João Batista. Ele deixou,
contudo, ensinos sobre o jejum.
        Lucas 5:33-35: Haveria um tempo, depois da Sua partida, em
que os discípulos jejuariam. Há tempos em que o jejum não se faz
necessário. Ver ainda Mateus 17:21.
        O jejum deve ser ao Senhor, sem a motivação de
impressionar (Mt 6:16-18). "Quando jejuardes". Está implícito que
jejum era uma prática indiscutível. Talvez por essa razão não haja
nenhum mandamento para que se jejue.

Razões bíblicas para o crente jejuar
       O jejum põe a carne sob sujeição e ajuda na disciplina. Mas
ele nada altera a Deus. Ele é o mesmo antes, durante e depois do
meu jejum. O benefício do jejum é para mim, pois me ajuda a estar
mais sensível ao Espírito de Deus.
       Quando uma necessidade de esperar mais em Deus surge, e
o Espírito Santo nos impele a jejuar, esse é o tempo para tal. O
Novo Testamento não estabelece um programa de jejum. O cristão
é "guiado pelo espírito" (Rm 8:16) e é Ele quem vai mostrar por quê,
como e quando jejuar. Jejuar fora da liderança do Espírito não
passa de auto-punição. Jejuar com o propósito de ministrar ao
Senhor. Um tempo de comunhão sem qualquer interrupção (At
13:2).


DISCIPLINAS DAS ESCRITURAS

       É de fundamental importância que valorizemos o
conhecimento da Palavra de Deus e da autoridade que nos é
dispensada, através desse conhecimento, daí a necessidade de
trazê-la para as nossas vidas. Precisamos nos encher da Palavra se
queremos receber a viva revelação que gera fé. Esse é um
resultado totalmente espiritual que colheremos se tão somente
aprendermos a buscar ao Senhor nas Escrituras. Mas como
podemos fazer isso? Há basicamente cinco modos de adquirir um
conhecimento sólido da Palavra de Deus.
       Ouvir
       Ler


                                129
A experiência das disciplinas espirituais


       Estudar
                                                                                  NOTAS
       Memorizar
       Meditar


Disciplina do Ouvir a Palavra
        Começamos a aprender a Palavra, e a saber sobre Deus,
primeiro através do ouvir. Ouvir a Palavra é uma parte importante do
crescimento cristão. Ouvimos aos mestres, de Deus, quando nos
explicam a Palavra. Jesus disse: “Quem tem ouvidos (para ouvir),
ouça”, Mateus 11:15. Seis vezes, nos capítulos 2 e 3 do Livro do
Apocalipse, somos instados pelo Espírito de Deus a ouvir o que
Deus está dizendo:
       “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz
às igrejas. Ao vencedor dar-lhe-ei que se alimente da
árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus”,
Ap.2:7. Paulo nos diz que nossa fé vem pelo ouvir a
Palavra de Deus.
       “E Assim, a fé vem pela pregação e a pregação
pela palavra de Cristo”, Romanos 10:17. Contudo, só
ouvir não é suficiente, porque retemos somente de 5 a
10 por cento do que ouvimos.


Disciplina do ler a Palavra
        Moisés instruiu os líderes a lerem a lei de Deus todos os
dias de suas vidas.
“E o terá consigo, e nele lerá todos os dias da sua
vida, para que aprenda a temer ao Senhor seu Deus, a
fim de guardar todas as palavras desta lei, e estes
estatutos, para os cumprir”, Deuteronômio 17:19. Essa
passagem dá-nos três razões pelas quais devemos ler
a Bíblia diariamente:
       Para aprender a temer ao Senhor
       Para guardar todas as Palavras de Sua Lei
       Para praticá-la
         Paulo ordena a Timóteo: “Até à minha chegada, aplica-te à
leitura, à exortação, ao ensino”, I Timóteo 4:13. E João diz que
somos abençoados, se lemos e guardamos a Palavra de Deus.
      “Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles
que ouvem as palavras da profecia e guardam as
cousas nela escritas, pois o tempo está próximo”,
Apocalipse 1:3.
       Muitos nunca leram a Bíblia de Gênesis à Apocaplise. De
algum modo, a leitura bíblica não faz parte de suas vidas. Não é de
admirar que eles não tenham domínio melhor da Palavra de Deus.


                                130
A experiência das disciplinas espirituais


Se você ler três capítulos por dia e quatro no domingo, vai
                                                                                  NOTAS
completar a Bíblia toda num ano. Contudo, ler também não é
suficiente, porque, após 72 horas, retemos somente 30 por cento do
que lemos.


Disciplina do estudo da Palavra
         Paulo elogiou os crentes Bereanos porque eles não
aceitavam simplesmente o ensino de alguém, mas iam verificar por
si próprios nas Escrituras.
       “Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os
de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a
avidez, examinando as Escrituras todos os dias para
ver se as cousas eram de fato assim”, Atos 17:11.
       Há quatro ingredientes básicos para um bom programa de
estudo bíblico:
       Investigação pessoal, regular e consistente. Isto significa
não só ouvir sobre as descobertas de alguém, mas descobrir por si
mesmo verdades bíblicas.
       Esboçar os livros enumerando: Título, versículo chave, data,
observações, dificuldades
        Fazer uso de uma chave bíblica
         Pesquisar em livros de conteúdo bíblico. Aqui está o ponto
crítico. Devemos tomar o que estudamos e começar a colocar em
prática especificamente em nossas vidas.
       Só quando começamos a estudar a Bíblia por nós mesmos
que começamos a crescer e a amadurecer. Ao aprendermos a
cavar os tesouros ocultos da Palavra, teremos alimento espiritual
para alimentar a outros.
      “E se clamares por inteligência, e por
entendimento alçares a tua voz, se buscares a
sabedoria como a prata, e como tesouros escondidos
a procurares, então entenderás o temor do Senhor, e
acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá
a sabedoria, da sua boca vem a inteligência e o
entendimento”.Pv 2:3-6.
              Contudo até mesmo estudar não é suficiente, porque
só retemos 30 a 50 por cento do que estudamos. O propósito das
Disciplinas Espirituais é a total transformação da pessoa. Elas visam
a substituir os velhos e destruidores hábitos de pensamento por
novos hábitos vivificadores. Em parte alguma, este propósito é visto
mais claramente do que na Disciplina do estudo. O apóstolo Paulo
diz que o modo de sermos transformados é mediante a renovação
da nossa mente (Romanos 12:2). A mente é renovada aplicando-se
a ela as coisas que a transformarão. “Finalmente, irmãos, tudo o
que é verdadeiro, tudo o que é respeitado, tudo o que é justo, tudo o
que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se


                                131
A experiência das disciplinas espirituais


alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o
                                                                                  NOTAS
vosso pensamento’’. Assim, devemos regozijarmo-nos, pois não
estamos por conta de nossos próprios inventos, mas recebemos
este recurso da graça de Deus para a transformação de nossa
disposição interior.
       Muitos cristãos permanecem em sujeição a temores e
ansiedades simplesmente porque não se beneficiam da Disciplina
do estudo. Talvez sejam fiéis em sua freqüência à igreja e sejam
desejosos de cumprir seus deveres religiosos, mas ainda não estão
sendo transformados. Não estou aqui falando dos que manifestam
meras formas religiosas, mas dos que verdadeiramente buscam
adorar e obedecer a Jesus Cristo como Senhor e Mestre. Talvez
cantem com prazer, orem no Espírito, vivam tão obedientemente
quanto sabem, até mesmo recebam visões e revelações divinas;
não obstante, o tom de suas vidas permanece inalterado. Por quê?
Porque nunca se dedicaram a uma das principais formas que Deus
usa para nos mudar: o estudo.


O Que é o Estudo?
        O Estudo é um tipo específico de experiência em que,
mediante cuidadosa observação, levamos o pensamento a mover
numa determinada direção. Por exemplo, tomemos o estudo de um
livro. Vemo-lo, sentimo-lo.À medida que o estudamos, nossos
pensamentos assumem uma ordem que se conforma à do livro.
Quando feito com concentração, percepção e repetição, formam-se
hábitos arraigados de pensamento.
        O Antigo Testamento instrui no sentido de as leis serem
escritas nas portas e nos umbrais das casas, e atadas aos punhos,
de sorte que “estejam por frontal entre os vossos olhos”,
(Deuteronômio 11:18). A finalidade dessa instrução era dirigir a
mente de forma repetida e regular a certos modos de pensamento
referentes a Deus e às relações humanas. Evidentemente, o Novo
Testamento substitui as leis escritas nos umbrais das casas por leis
escritas no coração, e nos leva a Jesus, nosso Mestre interior e
sempre presente.
        Devemos entender, uma vez mais, que os arraigados
hábitos de pensamento que se formam, conformar-se-ão à ordem
da coisa que está sendo estudada. O que estudamos determina que
tipos de hábitos devem ser formados. Por isso é que Paulo insistia
em que nos ocupássemos das coisas que são verdadeiras,
respeitáveis, justas, amáveis e de boa fama.
       O processo que ocorre no estudo deve distinguir-se da
meditação. Esta é devocional; o estudo é analítico. A meditação
saboreará a palavra; o estudo, a explicará.
       Embora a meditação e o estudo muitas vezes se
superponham e funcionem concorrentemente, constituem duas
experiências distintas. O estudo proporciona determinada estrutura



                                132
A experiência das disciplinas espirituais


objetiva dentro da qual a meditação pode funcionar com êxito; ele
                                                                                 NOTAS
envolve quatro passos.


Quatro passos
        O primeiro é a repetição. A repetição é uma forma de
canalizar a mente, de modo regular, numa direção específica,
firmando assim hábitos de pensamento. A repetição desfruta, hoje,
de certa má fama. Contudo, é importante reconhecer que a pura
repetição, mesmo sem entender o que está sendo repetido, em
realidade, afeta a mente interior. Hábitos arraigados de pensamento
podem ser formados apenas pela repetição, mudando assim o
comportamento. Esse é o princípio lógico central da
psicocibernética, que treina o indivíduo para repetir certas
afirmações regularmente (por exemplo, amo a mim mesmo
incondicionalmente). Nem mesmo é importante que a pessoa creia
naquilo que está repetindo; basta que seja repetido.
        A mente interior é assim treinada, e afinal responderá
modificando o comportamento para conformar-se à afirmação.
Naturalmente, este princípio tem sido conhecido durante séculos,
mas só em anos recentes recebeu confirmação científica.
         É por isso que as programações de televisão têm tanta
importância. Com inumeráveis crimes cometidos todas as noites no
horário nobre da TV, a sua própria repetição treinará a mente
interior em padrões de pensamento destruidor.
        A concentração é o segundo passo no estudo. Se além de
conduzir a mente repetidas vezes ao assunto em questão, a pessoa
concentrar-se no que está sendo estudado, a aprendizagem
aumenta sobremaneira. A concentração centraliza a mente. Ela
prende a atenção na coisa que está sendo estudada. A mente
humana tem capacidade incrível de concentrar-se. Ela está a todo
instante recebendo milhares de estímulos, cada um dos quais capaz
de armazenar-se em seus bancos de memória enquanto se
concentra nuns poucos apenas. Esta capacidade natural do cérebro
aumenta quando, com unidade de propósito, concentramos nossa
atenção num desejado objeto de estudo.
        Quando, não apenas de maneira repetida, canalizamos a
mente num determinado sentido, concentrando nossa atenção no
assunto, e entendendo o que estamos estudando, atingimos um
novo nível. A compreensão é, pois, o terceiro passo na Disciplina
do estudo; ela leva à introspecção e ao discernimento; também
provê a base para uma verdadeira percepção da realidade.
        Há necessidade de mais um passo: a reflexão. Embora a
compreensão defina o que estamos estudando, a reflexão
determina o seu significado. Refletir sobre os acontecimentos de
nosso tempo ruminá-los, são atos que nos levam à realidade interior
desses acontecimentos. A reflexão faz-nos ver as coisas da
perspectiva de Deus. Na reflexão, chegamos a entender, não



                               133
A experiência das disciplinas espirituais


somente a matéria de nosso estudo, mas a nós mesmos. Jesus
                                                                                 NOTAS
falou muitas vezes dos ‘‘ouvidos que não ouvem e dos olhos que
não vêem’’. Quando ponderamos o significado do que estudamos,
chegamos a ouvir e ver as coisas de maneira nova.
       Logo se torna óbvio que o estudo demanda humildade. Isto
não acontece enquanto não estivermos dispostos a sujeitar-nos à
matéria que estudamos. Devemos submeter-nos ao sistema.
Devemos vir como aluno, não como professor. O estudo não só
depende diretamente da humildade, mas é conducente a ela. A
arrogância e o espírito dócil excluem-se mutuamente.
        Todos nós conhecemos indivíduos que seguiram algum
curso de estudo ou alcançaram algum grau acadêmico, que
alardeiam seus conhecimentos de modo ofensivo. Devemos sentir
profunda tristeza por tais pessoas. Elas não entendem a Disciplina
Espiritual do estudo. Confundem o acúmulo de informações com
conhecimento. Equiparam verborragia com sabedoria. Que tragédia!
O apóstolo João definiu vida eterna como o conhecimento de Deus.
“E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus
verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17:3). Mesmo
um toque deste conhecimento experimental é suficiente para dar-
nos um profundo senso de humildade.


Disciplina do memorizar a Palavra
      Em Deuteronômio, somos ordenados por Deus a memorizar
Suas Palavras.
        ‘‘Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso
coração e na vossa alma; atai-as por sinal na vossa
mão, para que estejam por frontal entre os vossos
olhos’’, Deuteronômio 11:18.
       A Palavra de Deus escondida em nossos corações promete
guardar-nos do pecado.
      “Guardo no coração as tuas palavras, para não
pecar contra ti”, Sl. 119:11.
      “No coração tem ele a lei do seu Deus; os seus
passos não vacilarão”, Sl. 37:31.
        Deus promete que, se escondermos Suas Palavras em
nossos corações, o Espírito Santo vai ajudar-nos a usá-las
efetivamente.“Inclina o teu ouvido e ouve as palavras dos sábios, e
aplica o teu coração ao meu conhecimento.
      Porque é cousa agradável os guardares no teu
coração, e os aplicares todos aos teus lábios”,
Provérbios 22:17-18.
       O grande valor da memorização das Escrituras é que
retemos 100 por cento do que memorizamos. Ao enchermos nossa
mente consciente com a Palavra, ela começa a mudar de fato todo
o nosso processo mental.


                               134
A experiência das disciplinas espirituais


       Na Tradução Phillips, Romanos diz: “Não deixe que o
                                                                                  NOTAS
mundo ao seu redor comprima-o em seu molde, mas deixe que
Deus remodele sua mente de dentro para fora”, Romanos 12:2.
        É exatamente o que acontece quando permitimos que
nossas mentes sejam enchidas com a Palavra de Deus. Além de
usar a Palavra em nossas vidas pessoais, Deus também diz que Ele
vai usar a Palavra memorizada em nós para ministrar a outros.
       “Assim será a palavra que sair da minha boca;
não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz,
e prosperará naquilo para que a designei”, Isaías
55:11.


       Dicas práticas para memorizar:
       • Escolha uma hora em que sua mente esteja livre.
       • Leia e estude o contexto do versículo.
       • Inclua a referência e o tópico ao memorizar.
       • Memorize por frases.


Disciplina da Meditação
      Deus ordena a Josué que medite na Palavra de Deus.
       “Não cesses de falar deste livro da lei; antes
medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de
fazer segundo a tudo quanto nele está escrito; então
farás prosperar o teu caminho e serás bem sucedido”,
Josué 1:8.
       Davi diz que alguém que medita será como árvore viçosa.
      “Antes o seu prazer está na lei do Senhor, e na
sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore
plantada junto a corrente de águas que, no devido
tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e
tudo quanto ele faz será bem sucedido”, Salmos 1:2-3.
        Meditação não é colocar a mente num ponto neutro e
deslizar para um estado de semi-consciência. É pensamento
prolongado dirigido para um único objetivo. Um dicionário bíblico
relaciona-a ao ruminar de uma vaca. Meditação é como digestão.
Ou é como passar uma luz através de um prisma, onde os
diferentes raios de luz são refratados e separados.

Bibliografia

Compilado e Adaptado de:

Ministério palavra da fé. Apostila - Valnice Milhomens Coelho
Escola Internacional de Ministérios São Paulo – Apostila



                                135

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL Lc Passold
 
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a FéMergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Féwww.osEXgays.com
 
Dia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de Jesus
Dia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de JesusDia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de Jesus
Dia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de JesusTiago de Souza
 
Andando no espírito dave roberson
Andando no espírito   dave robersonAndando no espírito   dave roberson
Andando no espírito dave robersonDeusdete Soares
 
Quebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoQuebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoEdevaldoCMonteiro
 
ÉTica cristã slides aula 4
ÉTica cristã   slides aula 4ÉTica cristã   slides aula 4
ÉTica cristã slides aula 4Jose Ventura
 
Ebd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradasEbd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradasDagmar Wendt
 
Princípios cristãos básicos para crianças
Princípios cristãos básicos para criançasPrincípios cristãos básicos para crianças
Princípios cristãos básicos para criançasFreekidstories
 
A serpente do paraíso erwin lutzer
A serpente do paraíso    erwin lutzerA serpente do paraíso    erwin lutzer
A serpente do paraíso erwin lutzerDeusdete Soares
 

Mais procurados (20)

A oração nos escritos de samz
A oração nos escritos de samzA oração nos escritos de samz
A oração nos escritos de samz
 
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
 
Disciplinas Espirituais
Disciplinas EspirituaisDisciplinas Espirituais
Disciplinas Espirituais
 
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a FéMergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
Mergulhando no Espírito e Compreendendo a Fé
 
A oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samzA oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samz
 
Dia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de Jesus
Dia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de JesusDia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de Jesus
Dia a Dia com Jesus - Vivendo em Nome de Jesus
 
Disciplinas Espirituais
Disciplinas EspirituaisDisciplinas Espirituais
Disciplinas Espirituais
 
Andando no espírito dave roberson
Andando no espírito   dave robersonAndando no espírito   dave roberson
Andando no espírito dave roberson
 
O poder-do-espírito-santo
O poder-do-espírito-santoO poder-do-espírito-santo
O poder-do-espírito-santo
 
O poder da oração
O poder da oraçãoO poder da oração
O poder da oração
 
Quebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoQuebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidação
 
Celebração da disciplina richard j. foster
Celebração da disciplina   richard j. fosterCelebração da disciplina   richard j. foster
Celebração da disciplina richard j. foster
 
ÉTica cristã slides aula 4
ÉTica cristã   slides aula 4ÉTica cristã   slides aula 4
ÉTica cristã slides aula 4
 
Disciplinas espirituais
Disciplinas espirituaisDisciplinas espirituais
Disciplinas espirituais
 
Ebd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradasEbd escrituras sagradas
Ebd escrituras sagradas
 
O mensageiro da cruz watchman nee
O mensageiro da cruz   watchman neeO mensageiro da cruz   watchman nee
O mensageiro da cruz watchman nee
 
Nossa mente um campo de batalha
Nossa mente um campo de batalhaNossa mente um campo de batalha
Nossa mente um campo de batalha
 
apostila-cura-interior
 apostila-cura-interior apostila-cura-interior
apostila-cura-interior
 
Princípios cristãos básicos para crianças
Princípios cristãos básicos para criançasPrincípios cristãos básicos para crianças
Princípios cristãos básicos para crianças
 
A serpente do paraíso erwin lutzer
A serpente do paraíso    erwin lutzerA serpente do paraíso    erwin lutzer
A serpente do paraíso erwin lutzer
 

Semelhante a A experiência da oração e do jejum

Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasNilson Almeida
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoRubens José Terra Campos
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumentalRubens José Terra Campos
 
Práticas espirituais
Práticas espirituaisPráticas espirituais
Práticas espirituaisCassio Felipe
 
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a Deus
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a DeusEBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a Deus
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a DeusAndre Nascimento
 
1.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.011.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.01Arquiléia Vasconcelos
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãobaixarlivros1
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)Alice Lirio
 
estudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptxestudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptxWalaceSantiago3
 
Intercessão no gou
Intercessão no gouIntercessão no gou
Intercessão no gouMarcos Dias
 
Como orar de modo correto
Como orar de modo corretoComo orar de modo correto
Como orar de modo corretoHelio Cruz
 
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdfIntercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdfDenivalSouza1
 

Semelhante a A experiência da oração e do jejum (20)

Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces Espíritas
 
MODULO 4 ensino 03 04 formas
MODULO 4 ensino 03 04 formasMODULO 4 ensino 03 04 formas
MODULO 4 ensino 03 04 formas
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
 
A oração.doc
A oração.docA oração.doc
A oração.doc
 
Práticas espirituais
Práticas espirituaisPráticas espirituais
Práticas espirituais
 
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a Deus
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a DeusEBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a Deus
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 11: Importa agradar a Deus
 
1.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.011.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.01
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)
 
Disciplinas espirituais1
Disciplinas espirituais1Disciplinas espirituais1
Disciplinas espirituais1
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
estudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptxestudo vida de oração.pptx
estudo vida de oração.pptx
 
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
 
Intercessão no gou
Intercessão no gouIntercessão no gou
Intercessão no gou
 
Como orar de modo correto
Como orar de modo corretoComo orar de modo correto
Como orar de modo correto
 
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdfIntercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdf
 
Estudo Celiulas 2
Estudo Celiulas 2Estudo Celiulas 2
Estudo Celiulas 2
 
Dia Mundial de Oração
Dia Mundial de Oração Dia Mundial de Oração
Dia Mundial de Oração
 

A experiência da oração e do jejum

  • 1. A experiência das disciplinas espirituais NOTAS A EXPERIÊNCIA DAS DISCIPLINAS ESPIRITUAIS 104
  • 2. A experiência das disciplinas espirituais NOTAS A EXPERIÊNCIA DAS DISCIPLINAS ESPIRITUAIS Esboço do Planejamento do Curso Meta Que você experimente a maravilhosa experiência de ter um tempo diário com Deus para estar desfrutando de Sua presença, meditando em Sua Palavra e descobrindo o mundo fantástico da oração que funciona. Outros Objetivos • Que você estabeleça um plano de leitura bíblica de modo a ler toda a Escritura em um ano, uma vez por ano. • Que você estabeleça um tempo diário de oração. • Que você aprenda a jejuar com intensidade e fé. Sugestões Bibliográficas 1. A CELEBRAÇÃO DA DISCIPLINA. Richard Foster 2. COMUNHÃO E PRINCÍPIOS DE FÉ – Valnice Milhomens (Palavra da Fé) Recomendações Muito Importantes Pergunte ao seu professor ou ao seu líder de célula qual o mais adequado plano de leitura bíblica. Sugerimos algum que estabeleça a leitura de no mínimo três capítulos por dia a fim de que você leia a Bíblia toda uma vez por ano. É fácil encontrar um plano de leitura que possa ser fotocopiado. Algumas bíblias já vêm com um desses planos no final. Ache o que for melhor e comece já! Busque praticar cada um dos tipos de oração no seu tempo diário com Deus e compartilhe sua experiência com os demais irmãos da sua célula. Aprenda a jejuar e informe-se antes dos melhores métodos e dos cuidados necessários para se fazer um bom jejum. Avaliação • Descreva a experiência adquirida do ler, orar, confessar e meditar na Palavra de Deus. • Conte como tem sido a sua prática em cada um dos tipos de oração ensinados a você. O que tem aprendido do Espírito Santo em cada dia? • O que é o jejum? Qual é o seu propósito? Quais as maneiras de se fazer um jejum bíblico? • Descreva a sua experiência ao jejuar. 105
  • 3. A experiência das disciplinas espirituais NOTAS A EXPERIÊNCIA DAS DISCIPLINAS ESPIRITUAIS Por todos os tempos, homens e mulheres que amaram ao Senhor se devotaram a buscá-lo de um modo intenso, diário e profundo. Orando e adorando, meditando nas Escrituras ou reservando um período de jejum. Ao praticar essas coisas esses santos de Deus se achegaram ainda mais intimamente ao Seu coração e à sua pessoa. As Disciplinas Espirituais, são portanto, fundamentais para uma vida cristã plena e para o seu progresso espiritual. Nenhum crente crescerá em fé, por exemplo, sem conhecer as Escrituras; ninguém avançará espiritualmente sem orar, adorar e jejuar. Assim, esse é o caminho maravilhoso das torrentes espirituais e a trilha cheia de gozo para as profundezas do coração de Deus. Convidamos você a desde já começar a por em prática um plano anual de leitura bíblica, a preparar um tempo para estar às sós com Deus em oração e a jejuar pelo menos uma vez por semana. Se encontrar qualquer dificuldade nisso você deve buscar seu líder de célula ou algum irmão(ã) mais maduro a fim de orarem e jejuarem juntos. Você entrará numa nova e poderosa dimensão na unção do Espírito Santo e no poder de Deus. Há muita e variadas disciplinas espirituais, em nosso estudo, entretanto nos limitaremos às principais: A Oração, o Jejum e o uso da Palavra de Deus. DISCIPLINAS DO ESPÍRITO A ORAÇÃO A oração efetiva é a chave para o sucesso em cada área da vida; é o segredo da vitória no trabalho de Deus e na vida pessoal. A oração verdadeira é a mais poderosa arma contra os poderes das trevas; é também a chave que abre os tesouros do céu para o homem. Fica, pois, claro que cada esforço no reino de Deus só terá sucesso se for gerado e sustentado pela oração. Todo sucesso na vida cristã é proporcional ao tempo de oração. 10% de oração, 10% de sucesso; 50% de oração, 50% de sucesso; 100% de oração, 100% de sucesso. Lucas 18:1 fala do "Dever de orar sempre e nunca esmorecer"; I Ts 5:17 declara: "Orai sem cessar". Paulo recomenda: Orando em todo tempo no espírito..." (Ef 6:18). Como orar sempre? O Que é Oração? Oração é um modo de viver. É uma comunicação entre o nosso espírito recriado e o Espírito de Deus. É a expressão que resulta de um relacionamento íntimo com o Senhor residente em nosso coração, pelo seu espírito. Nossa vida, pois, pode ser uma oração. 106
  • 4. A experiência das disciplinas espirituais Oração é comunhão com Deus. NOTAS Nossa vida inteira deve ser estabelecida sobre o funcionamento de uma comunhão pessoal, profunda e íntima com Deus. Uma ligação permanente (I Co 6:17). Oração é um encontro do Pai celeste com Seu filho, numa comunhão de amor. No Velho Testamento, Deus estava no meio do povo, era pelo povo, mas não estava no povo. No Novo Testamento, Deus não somente está em nosso meio, é por nós, mas Ele está em nós, pelo Seu Espírito residente em nosso espírito. Oração é comunicação com um Deus pessoal e digno de confiança. Deus é uma pessoa! Deus é digno de confiança! Ele é um Deus pessoal que se relaciona conosco numa base pessoal. Nossos olhos de carne não vêem, mas Ele é real e se comunica com Seus filhos. Concepções religiosas erradas O colocam como um Deus inatingível, impessoal, distante, que pode ou não estar interessado em nossas vidas. Daí surgem orações que são meras expressões religiosas, destituídas de significado, sem nenhum valor prático. Oração exige tempo com Deus. O maior investimento que podemos fazer em nossa vida é o tempo com Deus e Sua Palavra. A maior contribuição que podemos dar ao mundo é o tempo gasto em oração por ele. O maior bem que podemos fazer a uma pessoa é o tempo usado em oração genuína por ela. Os efeitos de uma vida de oração transcendem as realizações humanas. A oração exige disciplina dos pensamentos. Tão logo alguém se consagra à oração, verá que a mente será atacada por outros pensamentos. É aí que surge a tentação de desistir, deixar para outra hora que não aparece. É uma luta espiritual. Há que desenvolver o hábito de tomar os pensamentos cativos à obediência de Cristo (2 Co 10:5). Oração é o primeiro passo para o conhecimento de Jesus. "Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" Romanos 10:13. O homem vai a Jesus pela oração e todo o seu andar com Ele é firmado na oração. É o meio de conhecê-lo inteiramente e lançar mão de Suas promessas. É trazer a alma sobre os joelhos, é o caminho para o homem entender o plano de Deus para sua vida. Oração é dar a Deus acesso às nossas necessidades. É a chave para o miraculoso; é a verdadeira respiração espiritual. Em suma, oração é um modo de vida em íntima ligação com Deus. 107
  • 5. A experiência das disciplinas espirituais Por Quê Orar? NOTAS Primeiro porque Deus insistentemente o ordena na Bíblia: ( Lc 18:1; I Ts 5:17; Fl 4:6; Ef. 6:18-19; I Tm 2:1; Mt 26:41; Cl 4:3; I Ts 5:25; II Ts 3:1; Hb 13:18). Também porque é o caminho indicado por Deus para o cristão receber coisas de que precisa (Is 1:5-8), é o caminho que Deus aponta para que o cristão tenha a plenitude do gozo (Jo 16:24; Pv 10:20); é a saída para os problemas, a cura para todo o problema e ansiedade (Fp 4:6, 7; Sl 55:22). A oração respondida é o único argumento irrefutável contra o ceticismo e a incredulidade (Hb 11:6; I Rs 18:36-38; Jz 6:12, 13; Ex 8:19; Dn 2:47; At 13:6-12). Finalmente, porque a oração é o caminho para o poder do Espírito Santo no serviço cristão (Lc 11:13; 1Cr 7:14; Hc 3:2; At 1:13,14; 4:31; 8:14-16; 9:9,11,17; 13:1-4; Ef 1:15-19; 3:14-19). INIMIGOS DA ORAÇÃO "Para que não se interrompam as vossas orações" I Pedro 3:7b. “... Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós para que não vos ouça" Isaias 59:2. O propósito de Deus é ouvir todas as orações. Jesus disse: "Graças te dou porque sempre me ouves" (Jo 11:42). Mas há obstáculos, problemas, inimigos que se infiltram na vida de oração e impedem a manifestação do poder de Deus. Veremos alguns deles. Relacionamentos errados na família (I Pe 3:1-7). Relacionamentos rompidos, injustiça e falta de perdão para com o cônjuge. A vida conjugal deve ser posta diante de Deus. Se as orações não estão sendo respondidas; pode haver falhas no relacionamento. Falta de perdão (Mc 11:25). Nossas orações são ouvidas na base de que nossos pecados estão perdoados; mas Deus não pode tratar conosco sobre tal base de perdão, enquanto nós guardamos o mal, o espírito de animosidade ou de vingança contra aqueles que nos ofenderam. Qualquer que guarda espírito de rancor ou mágoa contra alguém, fecha os ouvidos de Deus para sua própria petição. Contenda (Tg 3:16). A contenda é simplesmente agir movido pela falta de perdão. Paulo declara que por causa de contendas, Satanás pode tornar cristãos prisioneiros de sua vontade. A ausência de contendas é a chave para agastar a confusão e o mal. Dê a Deus oportunidade de criar um sistema de harmonia em volta de você e sua vida de oração começará a funcionar. 108
  • 6. A experiência das disciplinas espirituais Motivação errada (Tg 4:3). NOTAS Um sério obstáculo à oração é pedir a Deus coisas que realmente não necessitamos, com o propósito de satisfazer desejos egoístas. Orar com uma motivação egoísta. "Quer comais; quer bebais, fazei tudo para a glória de Deus" (I Co 10:31). Podemos orar por coisas em linha com a vontade de Deus, mas se o motivo for errado, não haverá resposta. O propósito primeiro da oração deve ser a glória de Deus. Toda a forma de desobediência a Deus (Is 59:1, 2). Uma atitude de rebeldia ou desobediência à palavra de Deus fecha os céus para nós. Qualquer pecado inconfessado torna-se inimigo da oração. Uma vida de obediência ao céu abre o caminho à resposta de Deus "E aquilo que pedimos, dele recebemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos diante dele o que lhe é agradável" (Jo 3:22). Ídolos no coração (Ez 14:3). Ídolo é toda e qualquer pessoa ou coisa que toma o lugar de Deus na vida de alguém. É aquilo que se torna o objeto supremo da afeição. Aquilo que mais ocupa nosso pensamento. Deus deve ser supremo em nossa vida. Falta de generosidade para com os pobres (Pv 21:13). A recusa de ajudar o que se encontra em necessidade, quando podemos fazê-lo, impede a resposta às nossas orações. Dúvida e incredulidade (Tg 1:5-7). A Dúvida é a ladra da bênção de Deus. A dúvida vem da ignorância da Palavra de Deus. A incredulidade é quando alguém sabe que há um Deus que responde as orações, e ainda assim não crê em Sua Palavra. E não crer nas promessas é duvidar do caráter de Deus. Uma disposição de ler sobre oração e sobre a Bíblia, em vez de estudar e entrar na arena da oração. A oração é a maior e mais santa das vocações. Saber sobre oração não garante a resposta, mas o por a Palavra em operação para receber de Deus aquilo que Ele prometeu. Falta de entendimento da nossa posição em Cristo. Talvez esse seja o maior inimigo. Ignorância quanto aos privilégios e direitos de redenção. Daquilo que Cristo é em nós e do que somos nele. Um desconhecimento da extensão do que Ele fez por nós e direitos legais, outorgados em Graça, diante do Trono. Basear-se na fé do outro. A cada crente, Deus deu uma medida de fé. Ele veio quando nos tornamos uma nova criação em Cristo e recebemos a natureza de Deus. Assim como desenvolvemos nossas capacidades físicas e 109
  • 7. A experiência das disciplinas espirituais mentais pelo exercício, desenvolvemos nossa fé pelo alimento da NOTAS Palavra de Deus (Jo 15:7). TIPOS DE ORAÇÃO Paulo adverte-nos a orar em todo tempo "com toda oração" Efésios 6:18. Vejamos outras traduções do mesmo verso bíblico: "Com orações e súplicas de toda a sorte, orai em todo o tempo, no espírito, e para isso vigiai com toda perseverança e súplica por todos os santos" (Bíblia de Jerusalém). "Orai sempre com toda a espécie de orações espirituais, e não esquecendo em vossas orações todos os irmãos e irmãs" (J.B. Philips). "Use cada tipo de oração e súplica" (Goodspeed). "Pela instrumentalidade de cada oração e súplica" (Wuest). "Orai em todo o tempo (em cada ocasião, em cada época) no Espírito, com toda a (maneira de) oração e súplica" (V. Ampliada). Costumamos definir nosso relacionamento com Deus em uma palavra: Oração. Essa é uma arte da qual muito se fala e pouco se conhece. Para que a oração seja respondida, deve ser feita de acordo com os princípios estabelecidos na Palavra de Deus. Oração é algo sério, específico, objetivo, e segue as regras e princípios da Palavra de Deus. É a tentativa de orar em desarmonia com eles que resulta em uma experiência frustrante de não ver as orações e súplicas respondidas. Paulo declara em Efésios 6:18 "Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no espírito e para isso vigiando com toda a perseverança e súplica por todos os santos”. Há diversos tipos ou espécies de orações e cada um deles segue princípios claros. Há regras estabelecidas na Palavra de Deus para esses diferentes tipos de oração. E é aqui onde há grande confusão. Costumamos definir nosso relacionamento com Deus em uma palavra: Oração. Tudo o que lhe dizemos ou pedimos chamamos "oração". Sim, tudo é oração. É preciso, contudo saber: Há diversos tipos de oração. Pense numa farmácia, ali encontramos medicamentos. Tudo é medicamento, mas há um grande número de diferentes medicamentos, cada um deles destinado a tratar certo tipo de enfermidade. O mesmo acontece no mundo do esporte. Há diversas modalidades de esporte, mas cada uma delas tem suas próprias regras. Que confusão seria alguém tentar jogar futebol usando as regras de basquete! O que aconteceria se alguém comprasse água oxigenada para uma dor de ouvidos ou iodo para o estômago? Mas no mundo da oração muitos têm agido assim. Não admira que as orações não sejam respondidas. 110
  • 8. A experiência das disciplinas espirituais Há orações que não buscam necessariamente alguma coisa NOTAS de Deus. Outras visam alterar uma circunstância em nossa vida e de outros. A todas elas Deus deseja ouvir. "Ó tu que escutas as orações, a ti virão todos os homens" (Sl 65:2), pois, "A oração dos retos é o seu contentamento" (PV 15:8b). Poderíamos classificar o foco das orações em três níveis diferentes: Deus, Nós e os Outros. Dentro de cada um desses níveis há tipos de oração. DEUS COMO CENTRO DAS NOSSAS ORAÇÕES Há orações que são dirigidas a Deus, visando Deus mesmo, o que Ele é, o que Ele faz e o que Ele nos tem feito. Outra coisa nós não buscamos, senão apresentar-lhe nossa gratidão, louvor e adoração. Dentro deste nível temos três tipos de oração: Ações de graça - A expressão do nosso reconhecimento e gratidão a Deus pelo que nos tem feito. Basicamente é a oração que expressa gratidão a Deus pelas bênçãos que Ele tem derramado sobre nós. Louvor - A oração de louvor é um passo além das ações de graça. São expressões de louvor a Deus pelo que Ele faz. Louvar é reunir todos os feitos de Deus e expressá-los em palavras, numa atitude de gratidão. Adoração - O tipo de oração que exalta Deus pelo que Ele é. É a entrada no Santo dos Santos para responder ao amor de Deus. Ali nada fala do homem, mas de Deus. É o reconhecimento do que Deus é. É a resposta do nosso amor ao amor divino. NÓS MESMOS COMO O CENTRO DAS NOSSAS ORAÇÕES Aqui vamos a Deus para apresentar necessidades pessoais. Embora falando com Deus, o foco da atenção é a satisfação de nossas necessidades. Vamos a Deus em busca de uma resposta para a alteração de alguma circunstância em nossa vida. Nesse nível temos também três tipos de oração: Petição - É "um pedido formal a um poder maior". É a apresentação a Deus de um pedido, visando satisfazer uma necessidade pessoal, tendo como base uma promessa de Deus. Nesse tipo de oração já temos o conhecimento de qual é a vontade de Deus, pelo que o pedido será feito em fé, com a certeza da reposta, antes mesmo da sua manifestação, de acordo com Marcos 11:24. 111
  • 9. A experiência das disciplinas espirituais Consagração ou Dedicação - É uma atitude de submissão à NOTAS vontade de Deus. Essa oração é para as ocasiões em que a vontade de Deus é desconhecida. Exige espera, consagração e inteira disposição de conhecer e seguir a vontade do Pai. Entrega - É a transferência de um cuidado ou inquietação para Deus. É lançar o cuidado sobre o Senhor, com um conseqüente descanso. Essa oração é feita quando um cuidado, um problema ou inquietação nos bate à porta. OS OUTROS COMO CENTRO DAS NOSSAS ORAÇÕES Intercessão - Aqui vamos a Deus como sacerdotes, como intercessores, levando a necessidade de outra pessoa. Nosso motivo primeiro é ver circunstâncias alteradas na vida de outrem. Esta é a oração de intercessão. Interceder é colocar-se no lugar de outro e pleitear a sua causa. ORAÇÃO DE AÇÕES DE GRAÇA "Entrai por Suas portas com ações de graça" (Sl. 100:4). A gratidão é uma das virtudes que embelezam o caráter cristão e expressam um coração caloroso e cheio de amor e das palavras do seu Deus. Paulo declara: "Habite ricamente em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos e hinos e cânticos espirituais, com gratidão em vossos corações" (Cl.3:16). "Sede agradecidos" (Cl.3:15) é um conselho a ser abraçado com alegria, pois a gratidão tanto alegra o coração do Pai, como enriquece a nossa vida. Ações de graça são basicamente o ato de expressar gratidão a Deus por bênção que Ele tem derramado sobre nós. Pode ser mental ou vocal. Ações de graça diferem de louvor porque no louvor é focalizado o que Deus faz, suas obras e realizações, enquanto as ações de graça focalizam o que Deus nos dá ou faz por nós. Poderíamos chamar de uma confissão de bênçãos. Essa atitude estava presente na vida de Jesus pela resposta à oração; pelo pão e pela revelação. Era também um tipo de oferta oferecida no templo e uma das funções dos cantores no templo (1 Cr 24:3). As ações de graça são um caminho para o louvor e um sacrifício espiritual a Deus (Sl 50:14, 23; 116:17). A Bíblia ensina também que todas as orações devem ser acompanhadas de ações de graça (Fl 4:6). A resposta às orações deve também ser esperada com ações de graça (Cl 4:2). As ações de graça devem ser abundantes (2 Co 4:15), devem permear nossa conversação (Ef 5:4) e devemos crescer nelas (Cl 2:6). 112
  • 10. A experiência das disciplinas espirituais Todas estas observações dão amplas bases para afirmarmos NOTAS a importância da oração de Ações de graças. Além disso, quero mencionar ainda alguns princípios. Podemos ver o primeiro princípio em I Coríntios 10:10. As ações de graças nos protegem do destruidor. A Bíblia menciona o nome de muitos demônios como Legião, Apoliom, devorador, etc. Mas aqui se menciona um demônio chamado destruidor que está relacionado com a ingratidão e a murmuração. Muitos temem o demônio devorador e por isso dão os seus dízimos, mas ainda se esquecem que um coração descontente é porta para o destruidor. Em segundo lugar podemos ver o poder das ações de Graças para nos proteger de influências malignas. Paulo Diz que a comida é santificada se comemos com ações de graças. Veja, não há necessidade de repreendermos demônio algum basta termos um coração grato e seremos protegidos. Já pensou quanta doença poderíamos evitar se apenas déssemos ações de graças pela comida apropriadamente? Em terceiro lugar as ações de graças têm o poder de multiplicar as bênçãos. Quando Jesus foi multiplicar os pães em João 6:11 ele não fez uma oração de petição ou de fé, ele apenas deu graças ao Pai. Muitos não prosperam porque não aprenderam a agradecer a Deus pelos míseros cinco pães e dois peixinhos. Se estivermos contentes com o pouco, o Senhor multiplicará e veremos a abundância de Deus. ORAÇÃO DE LOUVOR "Louvarei ao Senhor em todo o tempo; o Seu louvor estará continuamente na minha boca" (Sl 34:1). Louvar é reunir todos os feitos que conhecemos de Deus e expressá-los em palavras, numa atitude de exaltação e glorificação ao Seu nome, que é digno de ser louvado. E isso deve ser feito como um modo de vida (Sl 145:1-7). A Igreja primitiva estava sempre louvando (Lc 24:53), pois sabia que Deus habita nos louvores do Seu povo (Sl 22:3). O louvor é a atitude adequada de quem vai buscar a Deus numa reunião da Igreja (Sl 100:4). O louvor é a porta de entrada para a adoração (II Cr 5:13: 14). O louvor é a arma contra os inimigos (II Cr 20:21, 22). O louvor é a fonte de alegria (Sl 9:1, 2; Sl 33:1; 35:27). O louvor está muitas vezes associado aos cânticos (Sl 40:3; Sl 92:1-4). O louvor está associado à manifestação física, danças (Sl 150:4), o erguer das mãos (Sl 63:3, 4; 134:2). O louvor deve ser crescente (Sl 71:14). 113
  • 11. A experiência das disciplinas espirituais NOTAS ORAÇÃO DE ADORAÇÃO Há uma fome dentro de nós que nem sempre sabemos discernir do quê. Buscamos a satisfação em muitas fontes, mas ela permanece. É a necessidade de Deus mesmo, que Ele colocou em nosso coração. O espírito em nós busca ser liberto do cativeiro e alçar vôo rumo à presença de Deus, assim como pássaros parecem ser compelidos a responder um chamado para migrarem. É Deus nos atraindo. Há um desejo inerente em nós de adorar Deus, mas a habilidade de fazê-lo foi perdida na queda de Adão. O Espírito de Deus, contudo nos capacita a entrar no Santo dos Santos, habitação de Deus, onde, finalmente encontramos nossa razão de viver: Adorar a Deus. A adoração é um dos principais temas da Bíblia. Há 270 referências à adoração. A adoração fala do nosso amor respondendo ao amor de Deus. Não é um imperativo, pois o amor não se pode impor, mas uma resposta voluntária a um estímulo espiritual. E Jesus nos garante que esse amor que sentimos, e o fluir do Espírito que experimentamos encontrarão sua expressão e satisfação quando os liberamos de volta para Deus em adoração (Jo 4:23). Não há uma definição de adoração na Bíblia, pois amor não se define. A palavra mais comum no hebraico é "shachah" (172), traduzida por "adoração", "curvar-se", "prostrar-se". No grego a mais comum é "prokeneo" (59 vezes). É composição de duas palavras: "pros", que significa "para", "em direção a", e "heneo", que significa beijar. Alguns eruditos dão o significado de "beijar a mão com admiração", outros "beijar os pés em homenagem". Etimologicamente adoração é curvar-se, prostrar-se, beijar as mãos, pés ou lábios, com um sentimento de temor e devoção, enquanto serve ao Senhor com todo o coração. É uma atitude expressa em ação. Tem a ver com um sentimento de proximidade entre parceiros e um relacionamento de aliança. Envolve moção e emoção, mas a verdadeira adoração é mais profunda que tudo isso e usa simplesmente esses canais para liberar o amor profundo e devoção que impele o crente para a presença de um Deus de amor. A Expressão de Adoração Podemos entender melhor a adoração na Bíblia, pela observação de como os adoradores se comportavam diante de Deus. I Cr 29:20-22 dá um exemplo: Louvaram ao Senhor. Inclinaram as cabeças. Adoraram (shachah). Sacrificaram ao Senhor. Ofereceram holocausto. Comeram e beberam perante o Senhor. Fizeram isso com grande regozijo. 114
  • 12. A experiência das disciplinas espirituais A definição mais próxima de adoração está em Marcos 12:30, NOTAS 31. Aí está um amor que libera toda a adoração do coração, expressa todas as atitudes da alma, expressa toda a determinação da mente e utiliza toda a força do corpo do adorador. Isso é adoração. Adoração é uma resposta a um relacionamento. É o amor respondendo ao amor. Ela ocorre quando nosso espírito contata o Espírito de Deus. Atitudes de adoração Lc 7:37, 38 revela a atitude de uma adoradora, atitude de um espectador e a de Jesus. Vejamos a da adoradora. Quebrantamento - O contraste entre a presença santa e perfeita de Deus e a nossa pequenez quebranta o coração. Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado ("shabor"); coração compungido e contrito ("dakah") não desprezarás, ó Deus. (Sl 51:17). "Shabot" - significa "temer, quebrar, em pedaços, ou reduzir". "Dakah" - quer dizer "esmagar", quebrar, machucar, ferir, esmagar e humilhar. "Contrito" - Usado para descrever o processo de fazer pó (talco). A adoração requer quebrantamento. Muitos constroem em volta de si paredes de proteção e não deixam que sejam liberados o amor, a ternura e a adoração. Humildade - Ela soltou os cabelos em lugar indevido, segundo o costume (I Co 11:15). Deixou sua reputação de lado para adorar do modo que ela sentia que Jesus devia ser adorado. Usou os cabelos para enxugar seus pés empoeirados. Tomou sua glória (o cabelo) para lavar a lama (Ler Is 57:15; I Pe 5:5). Adoração sem humildade é como o amor sem compromisso. Amor - Sua atitude estava repassada de amor. "Ela muito amou". Dádiva - Ela não se limitou à expressão de suas emoções; ela também deu uma evidência tangível do seu amor, devoção e adoração. A dádiva está associada à adoração (Ex 23:14; 34:20; Dt 16:16; Sl 96:1-9). A atitude de Jesus em resposta a essa adoração é: "A tua fé te salvou; vai-te em paz" (Lc 7:49) - fé, libertação e paz. O objeto da adoração - Deus mesmo (Jo 4:20,21) Só pelo Espírito Santo se pode adorar (Rm 8:16). O lugar da adoração - No espírito do homem, onde o Espírito de Deus habita. A verdadeira adoração - "Em espírito e em verdade”. A verdadeira adoração deve fluir de um relacionamento genuíno com Deus. Um bom relacionamento com uma igreja poderá produzir um bom trabalhador, mas somente um relacionamento caloroso com Deus produz o verdadeiro adorador. Espíritos calorosos produzem corações adoradores. As motivações também devem ser corretas na adoração verdadeira. O objetivo é dar ao Senhor e não adquirir dEle. A motivação pura para a adoração é o 115
  • 13. A experiência das disciplinas espirituais amor que transborda do espírito do homem como correntes de água NOTAS viva. Diferença Entre Louvor e Adoração O louvor nos prepara para a adoração. É o prelúdio, a porta de entrada para a adoração. Sl 95:1, 2,6; Sl 96:4, 7, 8,9. Mas ainda que a adoração possa depender do louvor, o louvor não é substituto da oração, mas um precioso suplemento. Há diferença entre o Louvor e a Adoração. Na motivação Geralmente louvamos com a motivação de sermos abençoados por Deus. Há um desejo de despertar as agradáveis emoções que o louvor produz. No louvor, aproximamo-nos de Deus com um coração entusiasta e feliz, para gozar do prazer de Sua presença. Mas na adoração apresentamos algo a Deus, como um reconhecimento de amor e expressão da nossa profunda apreciação do que Deus é. A chave da adoração é dar, e não receber. A adoração dá glória a Deus e não busca conseguir a glória de Deus. Um adorador vai a Ele não para ser abençoado, mas para abençoar; não como um pedinte, mas como um admirador. Os que louvam e querem ser adoradores devem aplicar o teste: Estou indo a Deus para dar ou para receber? Estou ministrando ao Senhor, ou buscando ser ministrado por Deus? No impulso O impulso primeiro do louvor é uma resposta positiva voltada para Deus, baseado muito mais nos Seus Feitos do que em Sua PESSOA. O salmista convida a louvar a Deus pelos feitos. Moisés louva pela libertação (Ex 15); Ana louva por Samuel (I Sm 2:1-10); Sl 107; 8, 21,31. Esse impulso de louvor é proveitoso e é um passo além das ações de graça. Mas o louvor se concentra mais no presente (dádiva) de Deus do que na Sua presença. Como o louvor é centrado em atos, freqüentemente se transforma em petição numa forma positiva, ou mesmo numa tentativa de conseguir que Deus satisfaça os presentes desejos, louvando-o grandemente por Suas dádivas passadas. É possível ir-se à presença de Deus e apresentar um louvor próprio, buscando mais receber do que dar, nunca passando do louvor para a adoração. Muitas vezes voltamos do louvor para a petição, em vez de prosseguirmos do louvor para a adoração. No louvor, a ordem é "louvor por". A adoração se volta para a pessoa de Deus "Adora a Deus". O louvor começa aplaudindo o poder de Deus, mas freqüentemente nos aproxima tanto de Deus que a adoração pode responder a essa presença. 116
  • 14. A experiência das disciplinas espirituais Enquanto a energia do louvor é voltada para o que Deus faz, NOTAS a energia da adoração é voltada para o que Deus é. O louvor se concentra na realização; a adoração na Pessoa. O impulso da adoração, portanto, é mais elevado do que o do louvor. Na sua fonte de inspiração Fundamentalmente o louvor é uma exuberância da alma e do espírito do homem, que é expressa a Deus. A adoração flui do Espírito de Deus que é residente no espírito do homem. O louvor é o homem redimido invocando a Deus, enquanto adoração é Deus invocando a Deus de dentro do homem redimido. O louvor tem freqüentemente sua origem na alma, mas a verdadeira adoração sempre se originará no espírito (Jo 4:24). O louvor é mais um ato de emoção, enquanto a adoração é um ato de devoção. O louvor brota da fonte dos sentimentos, enquanto a adoração diz: "Eu amo". O louvor olha para a mão de Deus; adoração olha para o coração. Embora o louvor e adoração sejam manifestos pelo mesmo corpo, eles brotam de diferentes fontes em nosso ser. Mas a manifestação nem sempre revela a fonte, pois pode ser expresso pelas mesmas posturas físicas ou pelas ações. Na profundidade da dedicação Enquanto o louvor é uma expressão de nossa vida, a adoração é um estilo de vida. O louvor é muitas vezes um ato da nossa vontade, e pode ser despertado pelo estímulo das emoções. A adoração, porém, envolve a vida inteira. Um verdadeiro adorador o é o tempo todo, mesmo que no momento não esteja envolvido no ato da adoração. Adoração é um modo de vida que afeta o comportamento do adorador fora da presença de Deus, como o faz em Sua presença. No louvor nós expressamos uma profunda apreciação a Deus pelo que Ele nos tem feito, mas na adoração nós "vivemos para o Senhor". Na proximidade de Deus O louvor nem sempre é a respeito das obras de Deus; algumas vezes olha para além do que é feito e louva Aquele que fez as obras. Mas normalmente é uma resposta de uma certa distância, mas adoração, antes que possa fluir, requer que a pessoa esteja na presença real de Deus. A adoração no templo acontecia no lugar Santo. O louvor ficava nos átrios. Há uma intimidade na adoração, que não é exigida para o louvor. Na forma de expressão O louvor e a adoração devem ser expressos pelo corpo e há muita semelhança entre eles, mas há também diferenças. O louvor é mais vocal enquanto a adoração é freqüentemente destituída de muitas palavras. Dois amantes numa caminhada têm muito do que falar, mas quando se envolvem em um abraço, as palavras se tornam supérfluas. Assim é freqüentemente com a adoração. 117
  • 15. A experiência das disciplinas espirituais O louvor é usualmente demonstrativo, com muita ação física, NOTAS enquanto a profunda adoração tende mais a manifestar uma submissão física, em vez de uma atividade física. Como o louvor tende mais a ser emocional, é mais barulhento e exuberante; a adoração é devocional e mais quieta e contemplativa. Poderíamos dizer que o louvor põe o amor em palavras e ação, enquanto a adoração põe-no em toque e relacionamento. Ambos são importantes, mas a adoração é mais íntima. ORAÇÃO DE PETIÇÃO E SÚPLICA "Por isso vos digo que tudo quanto em oração pedirdes, crede que recebestes, e será assim convosco."(Mt 21:22; Mc 11:24). "Não andeis ansiosos de cousa alguma; em tudo, porém sejam conhecidas diante de Deus as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graça”. (Fl 4:6). Deus é a fonte de toda a bênção e Ele tem a solução para todos os nossos problemas. Ele tem recursos inesgotáveis para satisfazer cada uma das nossas necessidades. "O meu Deus, segundo a Sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades" (Fl. 4:19). A Palavra de Deus nos encoraja a apresentar nossas petições ao Senhor, sabendo que Ele está pronto a nos atender. Seguem-se alguns princípios que devem governar nossa oração, especialmente a de petição, para que alcancemos uma resposta favorável. Forme uma imagem clara do seu desejo e expresse-o em palavras objetivas. Defina o que você quer de Deus em termos claros. A Bíblia ensina que a oração deve ser específica, objetiva (Lc 11:1-12; Tg 1:5). Exemplos de orações objetivas: Eliezer - Gn 24:12-14; Elias - I Rs 17:1; Eliseu - II Rs 2:9. Uma resposta definida exige um pedido definido (Lc 18:38, 41-43). O que está errado com a oração indefinida: Freqüentemente é uma mera formalidade. As pessoas oram por coisas que realmente não desejam. Muitas orações são feitas só para serem ouvidas pela congregação. São indefinidas e insinceras. 118
  • 16. A experiência das disciplinas espirituais Nada esperam realmente de Deus e por essa razão nada têm em NOTAS especial de Deus. A oração indefinida revela que não há um clamor na alma, nem urgência no coração, nenhum peso na oração ou desejo real. A oração formal, indefinida, geral, vaga, é resultado da falta de direção do Espírito Santo. Revela um desconhecimento da mente de Deus. Quem é guiado pelo Espírito Santo, sabe o que quer, porque sabe o que Deus quer e sabe que Ele está disposto a dar as coisas pedidas em oração. Como ser definido: Analise suas orações. Coloque de lado aquelas que são insinceras ou feitas por mera obrigação. Separe as coisas que você realmente deseja e tem um peso de oração; aquilo que está verdadeiramente em seu coração e para o que espera resposta específica. Espere na presença de Deus até ter na mente, de um modo claro, aquilo porque deve orar. Deixe que o Espírito lhe fale e coloque o desejo em seu coração, você poderá ser ousado no pedir. Oração específica não é uma tentativa de você fazer Deus concordar com o seu desejo, mas é antes descobrir o desejo de Deus para você e orar de acordo com o que o Espírito coloca em seu coração. Escreva seu desejo. Isso lhe ajudará a ser específico e preparar-se convenientemente para apresentar sua petição, assistido pelo Espírito Santo, de tal modo que alcance a resposta específica. Isso poderá também ser feito em concordância com outras ou outras pessoas. O registro das petições específicas a Deus e das respostas, ajuda a desenvolver a fé e crescer na vida de oração bem sucedida. Busque na Bíblia textos que se referem ao que você deseja, quer em promessas ou em princípios. Uma vez identificada a necessidade, pesquise a Palavra e selecione textos que se referem ao assunto. Toda a oração deve ser feita de acordo com a vontade de Deus revelada na Palavra. A Fé começa onde a vontade de Deus é conhecida. Sua vontade é revelada na Palavra escrita. Deus está preso à Sua Palavra. A Palavra expressa o que Deus é. Ele é absolutamente fiel ao que prometeu. Você não tem interesse em desejar o que Deus não quer para a sua vida. Pesquisando a Palavra, sob a direção do Espírito Santo, você descobrirá se seu desejo deve ser abandonado ou se é digno de ser transformado em objeto de oração. Sem o fundamento da Palavra de Deus é impossível fazer uma oração de fé. O conhecimento da vontade de Deus revelada em Sua Palavra dará a você a certeza de que sua petição será atendida (I Jo 5:14). Além disso, o conhecimento das promessas de Deus relativas ao seu desejo despertará e alimentará sua fé (Rm 10:11). 119
  • 17. A experiência das disciplinas espirituais As promessas serão, para você, arma segura contra os ataques de NOTAS Satanás, enquanto espera a manifestação da resposta de Deus ao seu pedido (Lc 4:3-12). Orações Baseadas na Palavra de Deus. A Bíblia está cheia de pedidos a Deus firmados nas Suas promessas feitas nas escrituras. Vejamos alguns exemplos. Davi ora por sua casa, de acordo com a Palavra do Senhor, de que lhe edificará casa estável. Natã lhe transmite as promessas do Pai e ele ora de acordo. "Agora, ó Senhor, seja confirmada para sempre a Palavra que falaste acerca do teu servo, e acerca de sua casa, e faze como falaste... Agora, pois, ó Senhor, tu és Deus e falaste este bem acerca do teu servo, para que permaneça para sempre diante de ti; porque Tu, Senhor, a abençoaste, ficará abençoada para sempre" (I Cr 17:23, 26,27). Na dedicação do templo, Salomão apresenta suas petições de acordo com as promessas de Deus (2 Cr 6:14-17). Josafá se vê ameaçado por tropas inimigas e vai à casa do Senhor e clama, de acordo com a promessa (2 Cr 20:6-12). Exemplo de necessidades e as respectivas promessas de sua satisfação Necessidades de emprego - Fl 4:19. Prosperidade - Dt 28. Saúde - Is. 53:4; I Pe 2:24. Para cada pedido que fazemos a Deus devemos ter uma passagem na Bíblia para sustentá-lo. Ninguém apresenta uma petição ou um caso em algum tribunal, sem invocar o respaldo da Lei. Do mesmo modo, nossas petições diante do trono devem ter o respaldo da Palavra de Deus escrita, a Bíblia, que é a constituição do Reino. Faça seu pedido a Deus de modo simples e claro, invocando o que Ele prometeu na Sua Palavra. Se você já sabe o que quer do Pai e se certificou de que Ele lhe fez uma promessa em Sua Palavra, agora é só apresentar o caso diante dEle, por meio de um pedido. A palavra nos encoraja a não andar ansiosos, mas tornar conhecidas diante de Deus as nossas petições. "Não andeis ansiosos por coisa alguma, em tudo, porém sejam conhecidas diante de Deus as vossas petições..." (Fl 4:6). A petição é o meio dado por Deus para a satisfação das necessidades de Seus filhos. "Pedi, e dar-se-vos-á" (Mt 7:7). "Pois todo o que pede recebe..." (Mt 7:8). "Pedi e recebereis..." (Jo 16:24). "Nada tendes porque não pedis" (Tg 4:2). "Quanto mais o vosso Pai celestial, dará boas coisas aos que lhe pedirem" (Mt 7:11). 120
  • 18. A experiência das disciplinas espirituais "E tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis"(Mt NOTAS 21:22). "Quanto mais vosso Pai Celestial, dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem" (Lc 11:13). "Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei" (Jo 14:14). Creia firmemente, com base na promessa da Palavra, que Deus atendeu sua petição e a manifestação da resposta já está a caminho. A fé tem como fundamento a fidelidade de Deus e da Sua Palavra (Nm 23:19). A fé é a precursora de toda oração respondida. É uma confiança ousada em Deus. É uma certeza antecipada do milagre que virá (Mc 11:23-24). A verdadeira fé é aquela que se apropria da promessa no reino do espírito, antes que ela se materialize diante dos olhos (Hb 11:1; 11:6). A única oração que Deus ouve é aquela feita em fé. O limite do que se consegue pela oração está na própria fé de cada pessoa. A vida de oração será tão forte quanto a fé que a pessoa tem em Deus (Mt 17:20; Mc 9:23: Tg 5:15). E como crescer numa fé mais forte? Lembre-se que cada um tem uma medida de fé (Rm 12:3). Aprenda a Palavra de Deus (Rm 10:17), porque a fé é baseada nas promessas de Deus: A medida em que nos tornamos familiares com a natureza de Deus revelada na Bíblia, a fé é desenvolvida. Veja João 15:7. Submeta-se completamente à liderança do Espírito Santo e à vontade Deus. É o Espírito quem interpreta a Palavra em nosso coração. Aja de acordo com a medida da fé que você tem. Alguns "não" a considerar Não tente crer; simplesmente aja de acordo com a Palavra. Não use uma confissão dupla de modo que num momento você confessa: “Sim, Ele ouviu minha oração”. “Estou curado, ou eu tenho o dinheiro”, ou “recebi o emprego”, e então começa a questionar como é que isso vai acontecer e o que você tem de fazer para consegui-lo. Sua última confissão destrói a primeira. Uma confissão errada destrói a oração e a fé. Não confie na fé de outras pessoas - tenha a sua própria fé. Assim como você tem sua própria roupa, tenha sua própria fé. Aja de acordo com a Palavra por si mesmo. Não converse incredulidade. Nunca admita que você é um "Tomé duvidoso", pois isso é um insulto ao Pai. Não fale sobre doenças e problemas. Nunca fale sobre fracasso. Fale sobre a Palavra, sua absoluta integridade e sobre sua confiança nela. Fale de sua disposição de agir de acordo com ela e ater-se à sua confissão de que ela é fiel. Alguns Princípios para Reflexão Você não pode edificar a fé sem praticar a Palavra. Você não pode desenvolver uma vida de oração que nada é senão palavras, a 121
  • 19. A experiência das disciplinas espirituais menos que a Palavra de Deus tenha uma parte real em sua vida. Se NOTAS você vive a Palavra, você pratica a Palavra. Alguém pode ser professor da Bíblia. Pode saber de Gênesis à Apocalipse, mas isso não significa que ele anda pela fé. Ele vive no reino dos sentidos. Eu vivo a Palavra na medida da minha fé. Minha vida de oração só tem valor na medida em que a Palavra em meus lábios é algo vivo. E ela só vive se eu a pratico. "Se alguém é ouvinte da Palavra e não praticante, é como um homem que contempla seu rosto num espelho natural, e se retira, e logo esquece de como era a sua aparência" (Tg 1:23, 24). Tome cuidado para que sua conversa sobre o que você pediu a Deus esteja em linha com sua fé de que Ele ouviu sua petição. Nossa fé ou incredulidade é determinada pela nossa confissão. Poucos percebem o efeito da palavra falada sobre seu próprio coração e sobre o adversário. O inimigo ouve nossas conversas e aparentemente não as esquece, enquanto nós descemos ao nível da nossa confissão. A Palavra só se torna real quando confessamos sua realidade. Hebreus 4:14 deve ser uma divisa para a vida: "Tendo, pois, a Jesus, o filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus conservemos firmes a nossa confissão". A fé é expressa pela confissão dos lábios (Rm 10:9-10). O que os lábios dizem deve concordar com a fé do coração. Palavras contrárias à promessa destroem e neutralizam a oração. Palavras são sementes, e palavras confessadas são sementes plantadas. Confissão repetida é semente regada. Regue as sementes da fé com a confissão da promessa. Sua confiança não é nas orações de outros, mas na imutável e indestrutível Palavra de Deus. Por isso você se recusa a permitir que seus lábios destruam a eficácia da Palavra no seu caso. Você se conservará firme à sua confissão, ainda que pareça, aos olhos humanos, que a sua oração não foi respondida. Rejeite toda a dúvida que assaltar sua mente quanto ao fato de que Deus já respondeu a sua oração. Deixe que cada pensamento, cada imagem, e desejo afirmem que você tem o que pediu. Não olhe para as circunstâncias, para os sintomas, mas fixe-se na Palavra e isso manterá a dúvida fora do seu território. Entre sua petição e a efetiva manifestação da resposta existe um tempo que pode ser mais ou menos prolongado. Durante esse período, Satanás tentará lançar dúvidas na sua mente. Torna-se necessário manter uma atitude firme para não aceitá-la, mas conservar a fé. A dúvida é um ladrão que rouba a bênção de Deus. É o inimigo número um da fé. Exemplo da dúvida: Mt 14:24-31. A dúvida impede a resposta à oração. Ela é mãe da derrota (Tg 1:6-8). Quando duvidamos da Palavra de Deus é porque estamos crendo em algo contrário àquela Palavra. E duvidar da Palavra é duvidar do próprio Deus. 122
  • 20. A experiência das disciplinas espirituais Qualquer substituto para a fé em Deus e Suas promessas NOTAS destrói a vida de fé; destrói as orações e traz de volta o jugo. A dúvida e a fé não permanecem juntas. Se uma entra pela porta, a outra sai pela janela. Como Vencer a Dúvida Mantenha controle sobre a sua mente. A dúvida opera no reino da mente; a Palavra de Deus opera no reino do espírito. A fé também opera no reino do espírito. Há, pois, que lançar mão das armas disponíveis para vencer os pensamentos da dúvida (2 Co. 10:3-5). Esteja pronto a recusar qualquer pensamento ou imagem contrária à sua oração. Controle seus pensamentos de acordo com Filipenses 4:6-9. Use as promessas de Deus como arma contra os ataques de dúvida. A Palavra de Deus confessada com autoridade e fé mantém o inimigo distante (Mt. 4:1-11). Concentre-se na fidelidade de Deus e de Sua Palavra. Isso fortalece a fé e põe a dúvida fora do caminho. Nossa fé é firmada naquilo que Deus é (Rm. 4:19-21). É sua segurança na Palavra de Deus que garantirá a vitória contra os ataques das dúvidas Conserve uma visão clara das promessas que serviam de base para a sua petição (Pv. 4:20-21). "Não se apartem elas de diante dos teus olhos...” Quando a promessa é guardada diante dos nossos olhos, trocamos a imagem do problema pela imagem da promessa. Isso é fundamental. Nossas vitórias ou derrotas são alcançadas primeiro na mente. As circunstâncias que nos cercam tentarão impor suas imagens. Mas se a Palavra de Deus estiver diante dos nossos olhos, serão as imagens das promessas que prevalecerão. Essas imagens serão alimentadas pela meditação nas promessas que serviram de base para a nossa oração. Meditar é ruminar. É trazer de volta à mente a Palavra e absorver dela todos os seus nutrientes espirituais. É ter a promessa sempre presente e viva na memória. É considerá-la atentamente, contemplá-la. Pela meditação a promessa é interiorizada e a certeza da sua manifestação é alimentada. (Josué. 1:8) A meditação favorece a permanência na Palavra, (Jo. 15:7) e isso é condição para a resposta à oração. O amor a Palavra é demonstrada no ato de meditar nela. "Quanto amo a Tua Lei! É a minha meditação todo dia" (Sl. 119:97-148; Sl. 1:2). De fato, a contínua meditação na Palavra gera em nós as imagens das abundantes promessas de Deus do que somos em Cristo. Isso faz com que na hora de uma determinada necessidade, a oração seja prontamente feita dentro dos princípios divinos. Pela meditação, o coração é aquecido e a fé 123
  • 21. A experiência das disciplinas espirituais alimentada - "Esbraseou-se-me no peito o coração; enquanto eu NOTAS meditava ateou-se o fogo" (Sl 39:3). O meditar na Palavra nos leva a um maior conhecimento e intimidade com Deus, pois a base da fidelidade no cumprimento da promessa reside em Sua própria pessoa. "Em Ti medito, durante as vigílias da noite" (Sl 63:6). Se conheço Deus, sei que Suas Promessas são fiéis e verdadeiras. Meditar na Palavra requer uma decisão firme. É uma questão de escolha e disciplina (Sl 119:11; 27; 48; 78; 145:5). O hábito da meditação na Palavra nos torna sábios e nos dará o conhecimento dos caminhos de Deus. "Compreendo mais do que todos os meus mestres, porque medito nos Teus testemunhos" (Sl 119:99). Conserve-se numa atitude de louvor e gratidão a Deus até a plena materialização da resposta ao pedido. Você não deve esperar a manifestação para poder agradecer. Agradeça logo, pois a sua convicção é que Deus é fiel à Sua Palavra e a materialização da resposta é apenas uma questão de tempo. O louvor é uma expressão de fé em Deus, e se baseia na promessa de Deus. Ele é fiel. O louvor deve acompanhar as orações (Fl 4:6, 7). Toda a petição deve ser marcada pelas ações de graça. O louvor fortalece a fé (Rm 4:20). O louvor, pela resposta à oração, antes de ver sua manifestação, libera a operação do poder de Deus. Jesus, diante do túmulo aberto de Lázaro, "Levantando os olhos para o céu, disse, Pai, graças te dou porque me ouviste" (Jo 11:41). E logo Lázaro estava fora do túmulo, vivo. O coração agradecido que aguarda a manifestação física da resposta de Deus com louvor e ações de graça entra no descanso da FÉ. ORAÇÃO DE CONSAGRAÇÃO Surgem ocasiões em nossa vida, quando temos de tomar algumas decisões, e seguir por um determinado caminho sem que a vontade de Deus, naquela área, esteja claramente revelada em Sua Palavra. É aí quando, em vez de começar a pedir, devemos buscar Sua face e esperar em Sua presença a fim de conhecermos o desejo do Seu coração para aquela situação específica. Esse tipo de oração é mais uma atitude de submissão, dedicação, entrega e obediência a Deus do que petição. Uma vez conhecida Sua vontade, é só segui-la. Nesse tipo de oração há uma disposição de fazer ou aceitar qualquer que seja a vontade de Deus naquela circunstância. Este é o único tipo de oração onde se emprega o "se for da Tua vontade". Ela é feita numa situação em que se busca o conhecimento da vontade de Deus ainda não revelada. Isso é feito com a mais profunda atitude de submissão a Deus. 124
  • 22. A experiência das disciplinas espirituais A oração de dedicação é harmonizar nossa vontade com a NOTAS vontade de Deus a fim de trazer sucesso numa determinada situação. A vontade de Deus é sempre para nosso benefício. Esse tipo de oração coloca-nos e a Deus direcionados para o mesmo alvo. Jesus fez esta oração no Getsêmane (Lc 22:42): "Pai, se queres afasta de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a Tua". É mais uma atitude de submissão e obediência do que palavras. Exige um tempo maior de busca, repetidas vezes, até a convicção do plano divino. Requer a renúncia da vontade própria. A mente deve ser esvaziada das preferências pessoais para aceitar o plano de Deus, não importando qual seja. Uma vez conhecido o plano de Deus, não se trata de receber alguma coisa, mas fazer alguma coisa de acordo com a direção recebida. A ORAÇÃO DE ENTREGA A oração de entrega fala também de uma atitude do coração. Quando os cuidados, inquietações e pesos nos batem à porta, transferimo-los para o Senhor, que tem condições de levá-los e, então, devemos entrar no descanso da fé. Podemos entregar nossos cuidados, preocupações e a nós mesmos a Deus e gozar Sua paz divina (Sl 37:5). Deus é contra a preocupação. Ela nada produz senão stress, esgotamento e morte. Jesus pregou contra ela. Paulo pregou contra ela. A Bíblia é contra a preocupação porque ela foi gerada por Satanás. Todo e qualquer fundamento de ansiedade deve ser erradicado de nossas vidas (Fl 4:6, 7). O Poder de Deus começa a operar, quando lançamos nossos cuidados sobre Ele. As preocupações apenas bloqueiam essa operação. A entrega dos fardos a Deus traz o descanso (Sl 37:7). ORAÇÃO DE INTERCESSÃO Deus chamou o Corpo de Cristo para o ministério da intercessão por todos os homens (I Tm 2:1-4). Ele está para trazer um grande derramamento do Seu Espírito nestes últimos dias, com grande demonstração de poder. A oração intercessória é o instrumento que o Espírito de Deus usará para trazer esse derramamento. Somos chamados a interceder porque Deus nada faz na terra sem a cooperação do homem. Deus revela Seus propósitos e Seus servos falam na terra em linha com eles e se tornam os instrumentos para gerar e dar à luz, pela intercessão, cada um deles. O homem ainda tem autoridade na terra. Deus o colocou nessa posição. Deus busca intercessores: Is 59:16, 17; Jó 9:32, 33; Nm 16:48; Is 64:7. Jesus, o Intercessor provido por Deus: Hb 7:25; Rm 8:34. Ele intercede no céu. O Espírito Santo como Intercessor: 125
  • 23. A experiência das disciplinas espirituais Rm 8:26. Ele intercede, na terra, de dentro de santuários humanos, NOTAS redimidos pelo sangue do cordeiro. Deus precisa hoje de servos na "brecha": Ez 22:30, 31. Intercessão e as "dores de parto": Jr 30:6; Is 66:8; Cl 4:19. Elementos Indispensáveis à Intercessão Identificação: Interceder é tomar o lugar de outro e pleitear sua causa como se fosse sua (Ex 32:31, 32). Amor: Rm 5:5. Compaixão: Mt 9:36-38: 14-14; 15:32; 20:34. FORMAS DE ORAÇÃO Oração Privada (Mt 6:6): Cada filho tem direito de entrar na presença de Deus com confiança (Hb 4:16) e apresentar suas orações. Oração de Concordância (Mt 18:18-20): A versão Ampliada da Bíblia traduz o versículo 19 como "concordarem e harmonizarem juntos ou fazerem uma sinfonia juntos". "Sinfonia" é quando todos os instrumentos tocam em harmonia. Concordar espiritualmente envolve: Concordar com a Palavra de Deus. Tenha a plena convicção de que a Palavra de Deus é verdadeira e ela será cumprida. Concordância envolve também a mente. Pensar a mesma coisa. Na mente se trava um campo de batalha e os pensamentos deverão ser controlados para que estejam em harmonia com Deus e a Palavra. Algo que ajuda a ter uma mente firme é escrever o objeto da concordância. Quando a mente se inclinar para outra direção, leve-a a concordar com a Palavra de Deus. Concordar com o outro crente com quem se ora. Essa concordância é mais que palavras. É preciso haver harmonia (Mc 11:25, 26). Há um poder na concordância (Dt 32:30). Oração Coletiva (At 4:23-31): O corpo orando, em perfeita concordância, com o Espírito Santo e a Palavra de Deus. Esse tipo de oração tem um tremendo poder (At 5:12). RECURSOS A SEREM USADOS NAS ORAÇÕES Orar a Palavra: Quando oramos a Palavra, já começamos com a resposta (Ts 55:10, 11). Oração no Espírito: (I Co 14:14; Ef 6:18; Jd 20). Em áreas conhecidas pela mente, podemos aplicar a Palavra escrita. Mas aqueles que fogem ao nosso conhecimento ou quando não temos convicção de qual a vontade de Deus, o Espírito Santo vem em 126
  • 24. A experiência das disciplinas espirituais nosso auxílio (Rm 8:26, 27)."Gemidos inexprimíveis" significando NOTAS literal: "gemidos que não podem ser expressos por palavras articuladas". A oração no Espírito, para além de ser um grande auxílio em todos os tipos de oração, é uma arma poderosa contra as forças das trevas. ARMA CONTRA AS INTERFERÊNCIAS EM NOSSAS ORAÇÕES Temos autoridade, dada por Deus, de abrir e fechar (Mt 16:19). A vida de oração é uma batalha (Ef 6:10-18). O tempo passado na presença de Deus é como que o "carregar da bateria". Somos supridos para o combate. O inimigo é enfrentado com arma de combate: a Palavra de Deus (Ef 6:17). O inimigo é enfrentado na autoridade e Nome de Jesus, a quem tudo se sujeita (Lc 19:10; Mc 16:17). O inimigo é enfrentado por um poder maior (Mt 12:29). Enfrente o inimigo falando diretamente a Satanás. Exerça sua fé na obra do Calvário. Neutralize as forças inimigas para que a resposta às suas orações não seja retida nas "regiões celestes" (Dn 10:12-21). ASPECTOS IMPORTANTES DA ORAÇÃO BEM SUCEDIDA Ore ao Pai, em nome de Jesus. Jo. 16:23-24: É o nome de Jesus que garante a resposta de Deus. Creia que Deus responde a sua oração. Mc 11:24; I Jo 5:14, 15: A oração sem fé não produz resultados. Perdoe a todos que lhe ofenderam. Mc 11:25; Mt 6:14-15: Toda falta de perdão impede a resposta de Deus. Dependa do Espírito Santo em sua vida de oração. Rm 8:26, 27; 8:15: Sem o auxílio, não se chega ao trono. Aprenda a orar pelos outros.Ef 6:18. Há uma lei de semeadura e ceifa no reino do espírito. Quando me envolvo com o corpo, intercedendo por ele, Deus levantará outras pessoas no corpo para intercederem por mim. Edifique-se a si mesmo, orando no Espírito.Judas 20; I Cor 14:4. ORAÇÃO E JEJUM Por que Jejuar e Orar? Por que motivo os cristãos devem algumas vezes deixar a comida, dormida, boas roupas, a vida em família ou outros confortos para dedicarem-se somente à oração? Homens e mulheres usados 127
  • 25. A experiência das disciplinas espirituais por Deus em toda a Bíblia, jejuaram: Moisés, Davi, Esdras, NOTAS Neemias, Daniel, Paulo... Jesus iniciou seu ministério com 40 dias de jejum. Não há uma ordem na Bíblia para se jejuar, mas Jesus deixa claro que jejum é parte da vida do cristão, ao dizer: "Quando jejuardes..." (Mt 6:16) “... naqueles dias jejuarão" (Lc 5:34, 35). A Igreja primitiva conhecia a prática do jejum (At 13:2, 3). O Que é o Jejum e a Oração? Não é simplesmente abstinência de alimento ou de alguma coisa. Acima de tudo é colocar Deus no lugar supremo. É colocar a oração em primeiro lugar. Há momentos em que devemos comer e beber com alegria e gratidão (Sl 103:2, 5); que devemos dormir (Sl 127:2; 3:5); os prazeres da família devem ser gozados (Hb 13:4; Pv 18:22). Toda bênção vem de Deus (Tg 1:7) e deve ser desfrutada, para que por elas Deus seja glorificado. Mas há momentos que devemos voltar as costas para tudo isso e buscar a face do Senhor por algum tempo. Para tanto somos levados a voltar toda a nossa atenção e energia para o Senhor, orando e esperando em Sua presença. A abstinência pode ser só de comida (Mt 4:2). Mas há ocasiões em que o jejum é completo, sem água nem comida (Ester 4:16).Há jejuns parciais, em que se come só o indispensável (Dn 10:2-3). Às vezes há abstinência do relacionamento sexual entre marido e mulher (Ex 19:14: 15; 1 Co 7:5). O espírito do jejum é um desejo ardente de estar com Deus em oração, por alguma razão específica, maior que qualquer desejo normal ou lícito. Jejum significa persistência em oração. Podemos orar freqüentemente, mas não oramos muito. Separar um tempo para jejum e oração é dispor-se a um sério trabalho com uma persistência que não aceitará a negação. A oração persistente, que deixa tudo mais e dá a Deus o devido lugar, freqüentemente envolve o jejum. Jejum é uma deliberação de remover todo obstáculo à oração (Hb 12:1,2). Jejuar é simplesmente colocar de lado todo peso e todo emprego que impede nossas orações. O jejum manifesta a intensidade de um desejo, a grandeza de uma determinação e da fé. O jejum, pois, revela o fervor e a seriedade da busca da resposta à oração. Motivos que Levaram as Pessoas a Jejuar (No Velho Testamento) • Busca de auxílio em tempo de aflição (Sl 50:15). • Josué e os anciãos de Israel diante da derrota em Ai (Js 7:6). • As tribos de Israel, quando a tribo de Benjamim foi contra elas (Jz 20:26). • Ester, Mordecai e os judeus, quando ameaçados de destruição (Et 4:16). • Esdras, quando temeu os inimigos no deserto (Es 8:21-23). • Confissão de pecados (I Sm 7:6; Jn 3:5-8). • Oração por cura (II Sm 12:16, 21,22). 128
  • 26. A experiência das disciplinas espirituais • Contrição e quebrantamento (I Rs 21:27). NOTAS • Intercessão (Ne 1:4; Dn 9:2, 3-19). • Por revelação (Dn 10). O jejum no Novo Testamento Não há uma única ordem no Novo Testamento para a Igreja jejuar. Também não há normas estabelecidas. No entanto, parece que o jejum é algo que faz parte da vida normal do povo. Os judeus já eram dados ao jejum semanal e os fariseus jejuavam duas vezes por semana. Jesus jejuou após o batismo (Mt 4:2; Lc 4:2). Ele passava noites em oração e, ao que parece, sem comer. Mas não praticava o tipo de jejum dos fariseus ou mesmo de João Batista. Ele deixou, contudo, ensinos sobre o jejum. Lucas 5:33-35: Haveria um tempo, depois da Sua partida, em que os discípulos jejuariam. Há tempos em que o jejum não se faz necessário. Ver ainda Mateus 17:21. O jejum deve ser ao Senhor, sem a motivação de impressionar (Mt 6:16-18). "Quando jejuardes". Está implícito que jejum era uma prática indiscutível. Talvez por essa razão não haja nenhum mandamento para que se jejue. Razões bíblicas para o crente jejuar O jejum põe a carne sob sujeição e ajuda na disciplina. Mas ele nada altera a Deus. Ele é o mesmo antes, durante e depois do meu jejum. O benefício do jejum é para mim, pois me ajuda a estar mais sensível ao Espírito de Deus. Quando uma necessidade de esperar mais em Deus surge, e o Espírito Santo nos impele a jejuar, esse é o tempo para tal. O Novo Testamento não estabelece um programa de jejum. O cristão é "guiado pelo espírito" (Rm 8:16) e é Ele quem vai mostrar por quê, como e quando jejuar. Jejuar fora da liderança do Espírito não passa de auto-punição. Jejuar com o propósito de ministrar ao Senhor. Um tempo de comunhão sem qualquer interrupção (At 13:2). DISCIPLINAS DAS ESCRITURAS É de fundamental importância que valorizemos o conhecimento da Palavra de Deus e da autoridade que nos é dispensada, através desse conhecimento, daí a necessidade de trazê-la para as nossas vidas. Precisamos nos encher da Palavra se queremos receber a viva revelação que gera fé. Esse é um resultado totalmente espiritual que colheremos se tão somente aprendermos a buscar ao Senhor nas Escrituras. Mas como podemos fazer isso? Há basicamente cinco modos de adquirir um conhecimento sólido da Palavra de Deus. Ouvir Ler 129
  • 27. A experiência das disciplinas espirituais Estudar NOTAS Memorizar Meditar Disciplina do Ouvir a Palavra Começamos a aprender a Palavra, e a saber sobre Deus, primeiro através do ouvir. Ouvir a Palavra é uma parte importante do crescimento cristão. Ouvimos aos mestres, de Deus, quando nos explicam a Palavra. Jesus disse: “Quem tem ouvidos (para ouvir), ouça”, Mateus 11:15. Seis vezes, nos capítulos 2 e 3 do Livro do Apocalipse, somos instados pelo Espírito de Deus a ouvir o que Deus está dizendo: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus”, Ap.2:7. Paulo nos diz que nossa fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. “E Assim, a fé vem pela pregação e a pregação pela palavra de Cristo”, Romanos 10:17. Contudo, só ouvir não é suficiente, porque retemos somente de 5 a 10 por cento do que ouvimos. Disciplina do ler a Palavra Moisés instruiu os líderes a lerem a lei de Deus todos os dias de suas vidas. “E o terá consigo, e nele lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer ao Senhor seu Deus, a fim de guardar todas as palavras desta lei, e estes estatutos, para os cumprir”, Deuteronômio 17:19. Essa passagem dá-nos três razões pelas quais devemos ler a Bíblia diariamente: Para aprender a temer ao Senhor Para guardar todas as Palavras de Sua Lei Para praticá-la Paulo ordena a Timóteo: “Até à minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino”, I Timóteo 4:13. E João diz que somos abençoados, se lemos e guardamos a Palavra de Deus. “Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as cousas nela escritas, pois o tempo está próximo”, Apocalipse 1:3. Muitos nunca leram a Bíblia de Gênesis à Apocaplise. De algum modo, a leitura bíblica não faz parte de suas vidas. Não é de admirar que eles não tenham domínio melhor da Palavra de Deus. 130
  • 28. A experiência das disciplinas espirituais Se você ler três capítulos por dia e quatro no domingo, vai NOTAS completar a Bíblia toda num ano. Contudo, ler também não é suficiente, porque, após 72 horas, retemos somente 30 por cento do que lemos. Disciplina do estudo da Palavra Paulo elogiou os crentes Bereanos porque eles não aceitavam simplesmente o ensino de alguém, mas iam verificar por si próprios nas Escrituras. “Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as cousas eram de fato assim”, Atos 17:11. Há quatro ingredientes básicos para um bom programa de estudo bíblico: Investigação pessoal, regular e consistente. Isto significa não só ouvir sobre as descobertas de alguém, mas descobrir por si mesmo verdades bíblicas. Esboçar os livros enumerando: Título, versículo chave, data, observações, dificuldades Fazer uso de uma chave bíblica Pesquisar em livros de conteúdo bíblico. Aqui está o ponto crítico. Devemos tomar o que estudamos e começar a colocar em prática especificamente em nossas vidas. Só quando começamos a estudar a Bíblia por nós mesmos que começamos a crescer e a amadurecer. Ao aprendermos a cavar os tesouros ocultos da Palavra, teremos alimento espiritual para alimentar a outros. “E se clamares por inteligência, e por entendimento alçares a tua voz, se buscares a sabedoria como a prata, e como tesouros escondidos a procurares, então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá a sabedoria, da sua boca vem a inteligência e o entendimento”.Pv 2:3-6. Contudo até mesmo estudar não é suficiente, porque só retemos 30 a 50 por cento do que estudamos. O propósito das Disciplinas Espirituais é a total transformação da pessoa. Elas visam a substituir os velhos e destruidores hábitos de pensamento por novos hábitos vivificadores. Em parte alguma, este propósito é visto mais claramente do que na Disciplina do estudo. O apóstolo Paulo diz que o modo de sermos transformados é mediante a renovação da nossa mente (Romanos 12:2). A mente é renovada aplicando-se a ela as coisas que a transformarão. “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitado, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se 131
  • 29. A experiência das disciplinas espirituais alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o NOTAS vosso pensamento’’. Assim, devemos regozijarmo-nos, pois não estamos por conta de nossos próprios inventos, mas recebemos este recurso da graça de Deus para a transformação de nossa disposição interior. Muitos cristãos permanecem em sujeição a temores e ansiedades simplesmente porque não se beneficiam da Disciplina do estudo. Talvez sejam fiéis em sua freqüência à igreja e sejam desejosos de cumprir seus deveres religiosos, mas ainda não estão sendo transformados. Não estou aqui falando dos que manifestam meras formas religiosas, mas dos que verdadeiramente buscam adorar e obedecer a Jesus Cristo como Senhor e Mestre. Talvez cantem com prazer, orem no Espírito, vivam tão obedientemente quanto sabem, até mesmo recebam visões e revelações divinas; não obstante, o tom de suas vidas permanece inalterado. Por quê? Porque nunca se dedicaram a uma das principais formas que Deus usa para nos mudar: o estudo. O Que é o Estudo? O Estudo é um tipo específico de experiência em que, mediante cuidadosa observação, levamos o pensamento a mover numa determinada direção. Por exemplo, tomemos o estudo de um livro. Vemo-lo, sentimo-lo.À medida que o estudamos, nossos pensamentos assumem uma ordem que se conforma à do livro. Quando feito com concentração, percepção e repetição, formam-se hábitos arraigados de pensamento. O Antigo Testamento instrui no sentido de as leis serem escritas nas portas e nos umbrais das casas, e atadas aos punhos, de sorte que “estejam por frontal entre os vossos olhos”, (Deuteronômio 11:18). A finalidade dessa instrução era dirigir a mente de forma repetida e regular a certos modos de pensamento referentes a Deus e às relações humanas. Evidentemente, o Novo Testamento substitui as leis escritas nos umbrais das casas por leis escritas no coração, e nos leva a Jesus, nosso Mestre interior e sempre presente. Devemos entender, uma vez mais, que os arraigados hábitos de pensamento que se formam, conformar-se-ão à ordem da coisa que está sendo estudada. O que estudamos determina que tipos de hábitos devem ser formados. Por isso é que Paulo insistia em que nos ocupássemos das coisas que são verdadeiras, respeitáveis, justas, amáveis e de boa fama. O processo que ocorre no estudo deve distinguir-se da meditação. Esta é devocional; o estudo é analítico. A meditação saboreará a palavra; o estudo, a explicará. Embora a meditação e o estudo muitas vezes se superponham e funcionem concorrentemente, constituem duas experiências distintas. O estudo proporciona determinada estrutura 132
  • 30. A experiência das disciplinas espirituais objetiva dentro da qual a meditação pode funcionar com êxito; ele NOTAS envolve quatro passos. Quatro passos O primeiro é a repetição. A repetição é uma forma de canalizar a mente, de modo regular, numa direção específica, firmando assim hábitos de pensamento. A repetição desfruta, hoje, de certa má fama. Contudo, é importante reconhecer que a pura repetição, mesmo sem entender o que está sendo repetido, em realidade, afeta a mente interior. Hábitos arraigados de pensamento podem ser formados apenas pela repetição, mudando assim o comportamento. Esse é o princípio lógico central da psicocibernética, que treina o indivíduo para repetir certas afirmações regularmente (por exemplo, amo a mim mesmo incondicionalmente). Nem mesmo é importante que a pessoa creia naquilo que está repetindo; basta que seja repetido. A mente interior é assim treinada, e afinal responderá modificando o comportamento para conformar-se à afirmação. Naturalmente, este princípio tem sido conhecido durante séculos, mas só em anos recentes recebeu confirmação científica. É por isso que as programações de televisão têm tanta importância. Com inumeráveis crimes cometidos todas as noites no horário nobre da TV, a sua própria repetição treinará a mente interior em padrões de pensamento destruidor. A concentração é o segundo passo no estudo. Se além de conduzir a mente repetidas vezes ao assunto em questão, a pessoa concentrar-se no que está sendo estudado, a aprendizagem aumenta sobremaneira. A concentração centraliza a mente. Ela prende a atenção na coisa que está sendo estudada. A mente humana tem capacidade incrível de concentrar-se. Ela está a todo instante recebendo milhares de estímulos, cada um dos quais capaz de armazenar-se em seus bancos de memória enquanto se concentra nuns poucos apenas. Esta capacidade natural do cérebro aumenta quando, com unidade de propósito, concentramos nossa atenção num desejado objeto de estudo. Quando, não apenas de maneira repetida, canalizamos a mente num determinado sentido, concentrando nossa atenção no assunto, e entendendo o que estamos estudando, atingimos um novo nível. A compreensão é, pois, o terceiro passo na Disciplina do estudo; ela leva à introspecção e ao discernimento; também provê a base para uma verdadeira percepção da realidade. Há necessidade de mais um passo: a reflexão. Embora a compreensão defina o que estamos estudando, a reflexão determina o seu significado. Refletir sobre os acontecimentos de nosso tempo ruminá-los, são atos que nos levam à realidade interior desses acontecimentos. A reflexão faz-nos ver as coisas da perspectiva de Deus. Na reflexão, chegamos a entender, não 133
  • 31. A experiência das disciplinas espirituais somente a matéria de nosso estudo, mas a nós mesmos. Jesus NOTAS falou muitas vezes dos ‘‘ouvidos que não ouvem e dos olhos que não vêem’’. Quando ponderamos o significado do que estudamos, chegamos a ouvir e ver as coisas de maneira nova. Logo se torna óbvio que o estudo demanda humildade. Isto não acontece enquanto não estivermos dispostos a sujeitar-nos à matéria que estudamos. Devemos submeter-nos ao sistema. Devemos vir como aluno, não como professor. O estudo não só depende diretamente da humildade, mas é conducente a ela. A arrogância e o espírito dócil excluem-se mutuamente. Todos nós conhecemos indivíduos que seguiram algum curso de estudo ou alcançaram algum grau acadêmico, que alardeiam seus conhecimentos de modo ofensivo. Devemos sentir profunda tristeza por tais pessoas. Elas não entendem a Disciplina Espiritual do estudo. Confundem o acúmulo de informações com conhecimento. Equiparam verborragia com sabedoria. Que tragédia! O apóstolo João definiu vida eterna como o conhecimento de Deus. “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17:3). Mesmo um toque deste conhecimento experimental é suficiente para dar- nos um profundo senso de humildade. Disciplina do memorizar a Palavra Em Deuteronômio, somos ordenados por Deus a memorizar Suas Palavras. ‘‘Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma; atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontal entre os vossos olhos’’, Deuteronômio 11:18. A Palavra de Deus escondida em nossos corações promete guardar-nos do pecado. “Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti”, Sl. 119:11. “No coração tem ele a lei do seu Deus; os seus passos não vacilarão”, Sl. 37:31. Deus promete que, se escondermos Suas Palavras em nossos corações, o Espírito Santo vai ajudar-nos a usá-las efetivamente.“Inclina o teu ouvido e ouve as palavras dos sábios, e aplica o teu coração ao meu conhecimento. Porque é cousa agradável os guardares no teu coração, e os aplicares todos aos teus lábios”, Provérbios 22:17-18. O grande valor da memorização das Escrituras é que retemos 100 por cento do que memorizamos. Ao enchermos nossa mente consciente com a Palavra, ela começa a mudar de fato todo o nosso processo mental. 134
  • 32. A experiência das disciplinas espirituais Na Tradução Phillips, Romanos diz: “Não deixe que o NOTAS mundo ao seu redor comprima-o em seu molde, mas deixe que Deus remodele sua mente de dentro para fora”, Romanos 12:2. É exatamente o que acontece quando permitimos que nossas mentes sejam enchidas com a Palavra de Deus. Além de usar a Palavra em nossas vidas pessoais, Deus também diz que Ele vai usar a Palavra memorizada em nós para ministrar a outros. “Assim será a palavra que sair da minha boca; não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a designei”, Isaías 55:11. Dicas práticas para memorizar: • Escolha uma hora em que sua mente esteja livre. • Leia e estude o contexto do versículo. • Inclua a referência e o tópico ao memorizar. • Memorize por frases. Disciplina da Meditação Deus ordena a Josué que medite na Palavra de Deus. “Não cesses de falar deste livro da lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo a tudo quanto nele está escrito; então farás prosperar o teu caminho e serás bem sucedido”, Josué 1:8. Davi diz que alguém que medita será como árvore viçosa. “Antes o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido”, Salmos 1:2-3. Meditação não é colocar a mente num ponto neutro e deslizar para um estado de semi-consciência. É pensamento prolongado dirigido para um único objetivo. Um dicionário bíblico relaciona-a ao ruminar de uma vaca. Meditação é como digestão. Ou é como passar uma luz através de um prisma, onde os diferentes raios de luz são refratados e separados. Bibliografia Compilado e Adaptado de: Ministério palavra da fé. Apostila - Valnice Milhomens Coelho Escola Internacional de Ministérios São Paulo – Apostila 135