SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC”
Rua Ormindo Pires de Amorim, 1516 – Jardim Marajó – Rondonópolis – MT
Palestra: A Prece
Público: População em situação de rua.
Local: Centro Pop – Rua Poxoréo, 840 – Centro – Rondonópolis/MT
Palestrante: Marta Gomes P. Miranda
ORAÇÃO INICIAL:
Senhor meu Deus, agradecemos as vossas infinitas bênçãos que
nos são concedidas a todo o momento nas suas diversas formas.
Agradecemos a vossa proteção a esta Casa de acolhimento humano e
fraternal que dentro das suas incumbências e limitações vem atendendo
as especificidades de cada um desses irmãos nesse períodode deslizes
e dificuldades pelas quais estão passando em suas vidas. Agradecemos
esse momento concedido à reflexão voltada para a nossa essência.
Abençoanosso diálogo dessatarde nos fornecendo aintuição necessária
para tocar exatamente onde necessitamos refletir para que possamos
aproveitar as nossas vivências diárias como oportunidades de
aprendizagem e crescimento moral e espiritual e, gradativamente
despertarmos paraos caminhos que nos conduzem à luz da sabedoria e
do amor. Assim seja!
INTRODUÇÃO
A prece é uma prática inserida em quase todas as religiões do
mundo, independentemente da cultura, da região e do tempo.
Essaprática estárelacionada à necessidade que temos de nos ligar
à Divindade, de nos abstrairmos do mundo material e conectarmos com
o nosso Criador buscando proteção, amparo, orientação.
Para nós, espíritas, a prece é um recurso eficaz e fundamental no
desenvolvimento espiritual. A prece é uma aproximação com Deus, por
meio de palavras ou do pensamento, realizada em particular ou em
público, de forma coletiva.
“O Espiritismo reconhece como boas as preces de todos os cultos,
desde que sejam ditas de coração, e não apenas com os lábios. Não
impõe nem condena nenhuma.” (ESE, Cap. XXVIII, item 1)
Orar é abrir a alma para entrar em sintonia com Deus para que Ele
não faça o que pedimos, mas o que é melhor para nós.
1. CARÁTER DA PRECE
Questão 658 – A prece é agradável a Deus?
Resposta: A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo
coração, porque a intenção é tudo para Ele. A prece do coração é
preferívelà que podes ler,por mais bela que seja, se a leres mais com os
lábios do que com o pensamento. A prece é agradável a Deus quando é
proferidacom fé, com fervor e sinceridade.Não creias, pois, que Deus
seja tocado pelo homem vão, orgulhoso e egoísta, a menos que a sua
prece represente um ato de sincero arrependimento e de verdadeira
humildade.
Comentários:
Para Deus o que realmente importa é a intenção.
Não é apenas o ato de estarmos em prece que agrada a Deus, mas como
nós fazemos a prece. Se ela é dita com o coração, com fervor, com fé,
com sinceridade. Aí sim, agrada a Deus. Não importa se é particular ou
proferidajunto a uma coletividade,desdeque a intenção seja verdadeira.
Uma prece proferida por uma pessoa fútil, orgulhosa ou egoísta, mas
naquele momento estejacom o coração sincero,em arrependimento pela
sua imperfeição, pedindo ou agradecendo ao Pai de forma verdadeira,
com certeza agradará a Deus.
Deus conhece tudo o que passa em nossos corações. Nós podemos
querer enganar aos outros ou a nós mesmos, mas a Deus, jamais
enganaremos.
Quando nos colocamos à disposição para fazermos uma prece, não é
quantidade de palavras, não é peladificuldade das palavras que são ditas,
não pelo local, não pelo momento, mas sim e sempre, a intenção, a fé e
a sinceridade com a qual fazemos a prece.
Muitas vezes Deus prefere aquela prece feita com o coração, não aquela
decorada, pois normalmente é mecânica, faltando os sentimentos
Questão 659 – Qual o caráter geral da prece?
Resposta: A prece é um ato de adoração. Fazer preces a Deus é pensar
nEle, aproximar-se dEle, pôr-se em comunicação com Ele. Pela prece
podemos fazer três coisas: louvar, pedir e agradecer.
Comentários:
Muitos de nós utilizamos a prece apenas para pedir. Acostumamo-nos a
pedir de tudo, como se Deus estivesse à nossa disposição para atender
os nossos pedidos.
A Espiritualidade nos orienta que através da prece nós podemos sentir
Deus verdadeiramente forte em nós, nos apoiando, nos auxiliando, nos
protegendo, nos fortalecendo nas caminhadas da vida.
Através da prece, nós sentimos Deus. É isso que precisamos. Quem
somos nós sem apresençade Deus? Quem somosnós sem o amor? Nós
estamos aqui para aprendermos o valor sublime do amor. A prece real,
sincera, verdadeira nos proporciona isso. Quando nos aproximamos de
Deus através da prece entramos em conexão com Ele, com a sua luz,
com a verdade.
Louvar, pedir e agradecer
Louvar – É o reconhecimento da magnitude (grandeza) de Deus, da sua
perfeição, da sua onipotência, como Criador do nosso Universo, como
nosso Grande e verdadeiro Pai.
Agradecer – Quando nós agradecemos por uma conquista alcançada,
poruma graça, poruma bênção,porum livramento. É um reconhecimento
pontual que podemose devemos fazertodos os dias pelavida que temos,
pela saúde, pela nossa família, pelos nossos entes queridos, pelas
dificuldades que passamos,pois é através delas que nós crescemos,que
nós evoluímos.
Pedir – Podemos pedir por nós ou por outra pessoa. Não é pedir o
livramento das dificuldades, mas pedir força, sabedoria, perseverança
para superar e vencer tais dificuldades. É muito importante perceber a
resposta,que muitas vezes não é a que nós queremos,mas é a que nós
necessitamos.
2. QUALIDADES DA PRECE
O Novo Testamento nos mostra de forma muito clara a prática
constante de oração na vida de Jesus. Algumas coisas que os apóstolos
fizeram e falaram mostram como eles perceberam estes hábitos de
oração. Eles pediram que Jesus lhes ensinasse sobre a oração, porque
tinham observado o exemplo dele (Lc 11:1). Era a pessoa que mais
entendia o valor da comunhão com o Pai e, constantemente procurava
conversar com ele. Nós devemos aprendercom o exemplo de Jesus.Ele
nos ensinou as maneiras de orar, além de nos deixar a oração mais
completa que há entre a humanidade terrestre.
“Quando orardes, não vos assemelheis aos hipócritas, que,
afetadamente, oram de pé nas sinagogas e nos cantos das ruas para
serem vistos pelos homens. – Digo-vos, em verdade, que eles já
receberam sua recompensa. – Quando quiserdes orar, entrai para o
vosso quarto e, fechadaa porta, orai a vosso Pai em secreto;e vosso Pai,
que vê o que se passa em secreto, vos dará a recompensa.
Não cuideis de pedir muito nas vossas preces, como fazem os
pagãos, os quais imaginam que pela multiplicidade das palavras é que
serão atendidos. Não vós torneis semelhantes a eles, porque vosso Pai
sabe do que é que tendes necessidade, antes que lho peçais. (Mateus
6:5-8)
Quando Jesus nos recomenda orar secretamente (“entrai para o
vosso quarto e, fechada a porta, orai ao vosso Pai em secreto”, nas
palavras de Mateus), não está estabelecendo um posicionamento ou
postura especial, física ou mística, para entrar em comunhão com Deus.
Afinal, não podemos esquecer que existe uma multidão de pessoas no
planeta que não possuinem mesmo um modesto quarto para se recolher.
O que Jesus pretende é que busquemos o recolhimento para, a sós,
dialogarmos com Deus. No insulamento, a oração flui com maior
maturidade, sem interferências, sem preocupações com fórmulas e
formas, favorecendo a comunhão legitima com a Espiritualidade.
Quando vos aprestardes para orar, se tiverdes qualquer coisa
contra alguém, perdoai-lhe, a fim de que vosso Pai, que está nos céus,
também vos perdoe os vossospecados. – Se não perdoardes,vosso Pai,
que está nos céus,também não vos perdoaráos pecados.(Marcos 11:25-
26)
Também disse estaparábola a alguns que punham a sua confiança
em si mesmos, como sendo justos, e desprezavam os outros: Dois
homens subiram ao templo para orar; um era fariseu, publicano o outro. –
O fariseu, conservando-se de pé, orava assim, consigo mesmo: Meu
Deus, rendo-vos graças por não ser como os outros homens, que são
Orar
em
segredo
Não
precisa
Muitas
palavras
Perdoar
Autoanálise
ladrões, injustos e adúlteros, nem mesmo como esse publicano. Jejuo
duas vezes na semana; dou o dízimo de tudo o que possuo.O publicano,
ao contrário, conservando-se afastado, não ousava, sequer, erguer os
olhos ao céu; mas, batia no peito, dizendo: Meu Deus, tem piedade de
mim, que sou um pecador.Declaro-vos que este voltou para a sua casa,
justificado,e o outro não; porquanto, aquele que se eleva será rebaixado
e aquele que se humilha será elevado. (Lucas 18:9-14)”. (ESE, Cap.
XXVII, itens 1-3)
Jesus definiu claramente as qualidades da prece:
 Quando orardes não vos ponhais em evidência; antes, orai em
secreto;
 Não afeteis orar muito, pois não é pela multiplicidade das palavras
que sereis escutados, mas pela sinceridade delas;
 Antes de orardes, se tiverdes qualquer coisa contra alguém,
perdoai-lhe, visto que a prece não pode ser agradável a Deus, se
não parte de um coração purificado de todo sentimento contrário à
caridade;
 Orai, enfim, com humildade, como o publicano, e não com orgulho,
como o fariseu;
 Examinai os vossos defeitos, não as vossas qualidades e, se vos
comparardes aos outros, procurai o que há em vós de mau... (ESE,
cap. XXVII, item 4)
“Os Espíritos sempre disseram:“A formanão é nada, o pensamento
é tudo. Faça cada qual a sua prece de acordo com as suas convicções,
de maneira que mais lhe agrade, pois um bom pensamento vale mais do
que numerosas palavras que não tocam o coração”. (ESE, Cap. XXVIII,
item 1)
“A principal qualidade da prece é a clareza. Ela deve ser simples e
concisa, sem fraseologia inútil ou excesso de adjetivação, que não
passam de meros ouropéis. Cada palavra deve ter o seu valor, exprimir
uma ideia, tocar uma fibra da alma. Enfim: deve levar à reflexão. E
somente assim pode atingiro seuobjetivo,pois,de outro modo não passa
de palavrório”. (ESE, Cap. XXVII, item 1)
3. AÇÃO DA PRECE
“A prece é uma invocação, mediante a qual o homem entra, pelo
pensamento, em comunicação com o ser a quem se dirige. Pode ter por
objeto um pedido,um agradecimento,ou uma glorificação.Podemosorar
por nós mesmos ou por outrem, pelos vivos ou pelos mortos. As preces
Ser
humilde
feitas a Deus escutam-nas os Espíritos incumbidos daexecução de suas
vontades; as que se dirigem aos bons Espíritos são reportadas a Deus.
Quando alguém ora a outros seres que não a Deus, fá-lo recorrendo a
intermediários, a intercessores, porquanto nada sucede sem a vontade
de Deus.
O Espiritismo torna compreensível a ação da prece, explicando o
modo de transmissão do pensamento,quer no caso em que o sera quem
oramos acuda ao nosso apelo, quer no em que apenas lhe chegue o
nosso pensamento.
Para apreendermos o que ocorre em tal circunstância, precisamos
concebermergulhados no fluido universal, que ocupa o espaço,todos os
seres,encarnados e desencarnados,talqual nos achamos, neste mundo,
dentro da atmosfera.
Esse fluido recebe da vontade uma impulsão; ele é o veículo do
pensamento,como o ar o é do som, com a diferençade que as vibrações
do ar são circunscritas, ao passo que as do fluido universal se estendem
ao infinito. Dirigido, pois, o pensamento para um ser qualquer, na Terra
ou no espaço, de encarnado para desencarnado, ou vice-versa, uma
corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo de um ao
outro o pensamento, como o ar transmite o som.
A energia da corrente guarda proporção com a do pensamento e da
vontade. É assim que os Espíritos ouvem a prece que lhes é dirigida,
qualquer que seja o lugar onde se encontrem; é assim que os Espíritos
se comunicam entre si, que nos transmitem suas inspirações, que
relações se estabelecem a distância entre encarnados.
Essa explicação vai, sobretudo, com vistas aos que não
compreendem a utilidade da prece puramente mística. Não tem por fim
materializar a prece,mas tornar-lhe inteligíveis os efeitos,mostrando que
pode exerceração direta e efetiva. Nem porisso deixa essaação de estar
subordinada à vontade de Deus, juiz supremo em todas as coisas,único
apto a torná-la eficaz.
Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que
acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar-lhe ideias
sãs. Ele adquire, desse modo, a força moral necessária a vencer as
dificuldades e a volver ao caminho reto, se deste se afastou. Por esse
meio, pode também desviar de si os males que atrairia pelas suas
próprias faltas. Um homem, por exemplo, vê arruinada a sua saúde, em
consequência de excessos a que se entregou, e arrasta, até o termo de
seus dias, uma vida de sofrimento:terá ele o direito de queixar-se, se não
obtiver a cura que deseja? Não, pois que houvera podido encontrar na
prece a força de resistir às tentações.” (ESE, Cap. XXVII, itens 9 à 11)
“Estáno pensamento o poderda prece,que por nada depende nem
das palavras, nem do lugar, nem do momento em que seja feita. Pode-
se, portanto, orar em toda parte e a qualquer hora, a sós ou em comum.
A influência do lugar ou do tempo só se faz sentir nas circunstâncias que
favoreçam o recolhimento. A prece em comum (coletiva) tem ação mais
poderosa, quando todos os que oram se associam de coração a um
mesmo pensamento e colimam o mesmo objetivo, porquanto é como se
muitos clamassem juntos e em uníssono.” (ESE, Cap. XXVII, item 15)
4. EFICÁCIA DA PRECE
“Seja o que for que peçais na prece, crede que o obtereis e
concedido vos será o que pedirdes. (Mc 11:24)
Há quem conteste a eficáciada prece,com fundamento no princípio
de que, conhecendo Deus as nossas necessidades,inútil se torna expor-
lhas. E acrescentam os que assim pensam que, achando-se tudo no
Universo encadeado por leis eternas, não podem as nossas súplicas
mudar os decretos de Deus. Sem dúvida alguma há leis naturais e
imutáveis que não podem ser derrogadas ao capricho de cada um; mas,
daí a crer-se que todas as circunstâncias da vida estão submetidas à
fatalidade, vai grande distância. Se assim fosse, nada mais seria o
homem do que instrumento passivo, sem livre-arbítrio e sem iniciativa.”
(ESE – Cap. XXVII, item 5-6)
O homem desfruta do livre-arbítrio para compor a trajetória de sua
encarnação, pois Deus lhe concedeuainteligência e o entendimento para
que os utilizasse. Assim, todos os dias fazemos nossas escolhas.
Existem acontecimentos navida atual aos quais o homem não pode
furtar-se; são consequências de falhas e deslizes de passado que
necessitam de reajustes; é a aplicação da Lei de Causa e Efeito e isto
explica porque alguns alegam que pedem benefícios a Deus, mas que
nunca são concedidos; o que parece, a princípio, contrariar o
ensinamento de Jesus citado em Marcos 11:24 “O que quer que seja que
pedirdes na prece, crede que obtereis, e vos será concedido”.
Muitas coisas que na vida presente parecem úteis e essenciais para
a felicidade do homem, poderão ser-lhe prejudiciais e esta é a razão por
que elas não lhe são concedidas. Contudo, o egoísmo e o imediatismo
não permitem que ele perceba com exatidão a eficácia da prece.
Porém,seus efeitos ocorrem segundoos desígniosdivinos: A curto
prazo na medida em que consola, alivia os sofrimentos, reanima e
encoraja; a médio e longo prazo porque pelo pensamento edificante dá
se a aproximação das forças do bem a restaurar as energias de quem
ora.
“O que Deus lhe concederá sempre, se ele o pedir com confiança,
é a coragem, a paciência, a resignação. Também lhe concederá os
meios de se tirar por si mesmo das dificuldades,mediante ideias que fará
lhe sugiram os bons Espíritos, deixando-lhe dessa forma o mérito da
ação. Ele assiste os que se ajudam a si mesmos, de conformidade com
estamáxima: “Ajuda-te,que o Céute ajudará”; não assiste,porém,os que
tudo esperam de um socorro estranho, sem fazer uso das faculdades que
possui. Entretanto, as mais das vezes, o que o homem quer é ser
socorrido pormilagre, sem despendero mínimo esforço (Cap. XXV, n.º 1
e seguintes).” (ESE – Cap. XXVII, item 7)
Tomemosum exemplo.Um homem se acha perdido no deserto.A sede
o martiriza horrivelmente. Desfalecido, cai por terra. Pede a Deus que o
assista, e espera. Nenhum anjo lhe virá dar de beber. Contudo, um bom
Espírito lhe sugere a ideia de levantar-se e tomar um dos caminhos que
tem diante de si. Por um movimento maquinal, reunindo todas as forças
que lhe restam, ele se ergue, caminha e descobre ao longe um regato.Ao
divisá-lo, ganha coragem. Se tem fé, exclamará: “Obrigado, meu Deus,
pela ideia que me inspiraste e pela forçaque me deste.” Se lhe falta a fé,
exclamará: “Que boa ideia tive! Que sorte a minha de tomar o caminho da
direita, em vez do da esquerda; o acaso, às vezes, nos serve
admiravelmente! Quanto me felicito pela minha coragem e por não me ter
deixado abater!” Mas, dirão, por que o bom Espírito não lhe disse
claramente: “Segue este caminho,que encontrarás o de que necessitas”?
Por que não se lhe mostrou para o guiar e sustentar no seu
desfalecimento? Dessa maneira tê-lo-ia convencido da intervenção da
Providência. Primeiramente, para lhe ensinar que cada um deve ajudar-
se a si mesmo e fazer uso das suas forças. Depois,pela incerteza, Deus
põe à prova a confiança que nele depositaa criatura e a submissão desta
à sua vontade. (ESE – Cap. XXVII, item 8)
Senhor não te peço um fardo mais leve, mas sim ombros mais fortes para poder
carregá-lo. (Caroline Sabino)
Questão 660 – A prece torna o homem melhor?
Resposta: Sim, porque aquele que faz preces com fervor e confiança se
torna mais forte contra as tentações do mal, e Deus lhe envia bons
Espíritos para o assistir. É um socorro jamais recusado, quando o
pedimos com sinceridade.
Questão 660.a– Como seexplica que certas pessoasque orammuito
sejam, apesar disso, de muito mau caráter, ciumentas, invejosas,
implicantes, faltas de benevolência e de indulgência: que sejam até
mesmo viciosas?
Resposta: O essencial não é orar muito, mas orar bem. Essas pessoas
julgam que todo o mérito está na extensão da prece e fecham os olhos
para os seus próprios defeitos. A prece é para elas uma ocupação, um
emprego do tempo,mas não um estudo de si mesmas. Não é o remédio
que é ineficaz, neste caso, mas a maneira de aplicá-lo.
Comentários:
Para que possamos nos tornar melhores através da prece é necessário
que seja feita com fervor, fé e sinceridade, pois quando bem feita nos
aproxima de Deus.
Quanto mais próximos estivermos de Deus, melhores nós seremos,mais
depurados, mais amorosos, mais fraternos, mais caridosos, mais
humanos.
Para nos aproximarmos precisamos exercitar a prática da vivência do
Evangelho de Jesus e nos conectarmos com Deus, nos sintonizar com o
Criador.
Precisamos elevar os nossos pensamentos para percebermos os
pensamentos elevados que vêm de Deus através da Espiritualidade
Superior e absorvermos esses pensamentos para nos depurarmos.
A partir do momento que entramos em conexão com Deus, é impossível
continuarmos a ser aas mesmas pessoas. Seremos sempre pessoas
melhores, mais depuradas.
Aquelas pessoas que oram muito, mas não se modificam,fazem daprece
apenas um ato exterior, fato que essas pessoas não se ornarão melhores
com a prece, pois não estão sabendo orar e assim, não aproveitam os
benefícios proporcionados pela prece.
Precisamos orar, não necessariamente orar muito, mas orar bem.
Não é a quantidade e a complexidade das palavras, não é o lugar e nem
a hora em que oramos, mas a verdade, a sinceridade.
Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estoueu no meio
deles. (Mt 18:20)
A prece feita de coração melhora a pessoa, pois recebe todo um
manancial de bênçãos, de luz e de amor que vem da Espiritualidade
Superior que proporciona a renovação espiritual.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O deverprimordialde toda criatura humana, o primeiro ato que deve
assinalar a sua volta à vida ativa de cada dia, é a prece. (ESE – Cap.
XXVII, item 22)
A prece é uma ferramenta indispensável.Ter compromisso com ela
é ter compromisso comanossaevolução,é cooperarcom nossos irmãos.
Que possamos utilizar desse instrumento todos os dias, com qualidade.
A qualidade principal da prece é ser clara, simples e concisa, sem
fraseologia inútil, nem luxo de epítetos, que são meros adornos de
lentejoulas. Cada palavra deve ter alcance próprio, despertar uma ideia,
pôr em vibração uma fibra da alma. Numa palavra: deve fazer refletir.
Somente sob essa condição pode a prece alcançar o seu objetivo; de
outro modo, não passa de ruído. (ESE – Cap. XXVIII, item 1)
De todas as preces, a oração do Pai-Nosso “é o mais perfeito
modelo de concisão, verdadeira obra-prima de sublimidade na
simplicidade.Com efeito,sob a mais singela forma, ela resume todos os
deveres do homem para com Deus, para consigo mesmo e para com o
próximo. Encerra uma profissão de fé, um ato de adoração e de
submissão; o pedido das coisas necessárias à vida e o princípio da
caridade.” (ESE – Cap. XXVIII, item 2)
Quem ora com o coração, vive em comunhão com Deus, assim
como Jesus vivia e continua vivendo. Passa a ter sensibilidade,
discernimento, leveza na alma, o coração voltado para Deus,
demonstrando que está sempre pronto a modificar seus pensamentos e
suas ações. Toda a bagunça em nossa vida é exatamente pela falta de
oração, pela falta dessa conexão íntima com Deus.
A prece, em qualquer ocasião, melhora, corrige, eleva e santifica.
Mas somente quando estabelece modificação de roteiro é que paira,
acima das circunstâncias comuns. (Obreiros da Vida Eterna – Cap. 17).
Não há prece sem resposta.E a oração, filha do amor, não é apenas
súplica. É comunhão entre o Criador e a criatura, constituindo, assim, o
mais poderoso influxo magnético que conhecemos. (Os mensageiros –
Cap. 25).
Deus não deixa de atender as suas criaturas, do átomo ao arcanjo
todos são assistidos.
“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Pois todo o que pede recebe;o que busca encontra; e a quem bate, abrir-
se-lhe-á”. (Lc 11:9)
Transformar o ódio em amor, a vingança em perdão, ser humilde
para também ser perdoado.
Reconciliar-se com Deus, consigo mesmo, com os familiares, com
os outros, com os que já partiram, com a natureza...
ORAÇÃO FINAL:
Vamos elevar nossos pensamentos aDeus, a fim de agradecermos
por esta tarde de reflexões.
Senhor, te pedimos que nos ampare e auxilie, pois somos ainda
muito pequenos,muito frágeis e necessitadosda vossaproteção. Dá-nos
coragem e ânimo para enfrentar as nossas provas, vencendo
principalmente a nós mesmos, os nossos medos, as nossas
incapacidades, os nossos orgulhos, as barreiras e adversidades que
surgem em nosso caminho. Nos dê paciência suficiente para vencer a
ansiedade e nunca perder a esperança. Dá-nos serenidade para aceitar
o que não podemos mudar, coragem para mudarmos as coisas que
podemos e sabedoria para sabermos escolher sempre o melhor,
conforme aTua vontade. Aumenta a nossafé e renova a cadadia a nossa
confiança em ti. Gratidão, Senhor, por tudo o que temos e por tudo o que
somos. Que assim seja!
REFERÊNCIAS
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de
Salvador Gentile. 365ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009.
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile.
182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009.
XAVIER, Chico. Os Mensageiros. 47ª Ed. Brasília: FEB, 2017. Pelo
Espírito André Luiz.
XAVIER, Chico. Obreiros da Vida Eterna. 35ª Ed. Brasília: FEB, 2017.
Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico. Entre a Terrae o Céu.27ª ed. Brasília: FEB, 2018.Pelo
Espírito André Luiz.
https://espirito.org.br/
https://www.mensagemespirita.com.br
http://www.olivrodosespiritoscomentado.com/questoes.html
Pai de infinita bondade
Envolvei em Vossaluz e em Vosso amortodos aqueles que sofrem como
espíritos encarnados ou desencarnados.
Que essa luz se expanda para todas as direções, indo até os cárceres
onde alguns sofrem merecidamente, mas outros pelo erro judiciário.
Que vá até os hospícios iluminando os cérebros conturbados que ali se
encontram.
Que vá até os hospitais, onde muitos choram e sofrem sem o consolo da
palavra amiga.
Que vá a todos aqueles que neste momento transpõem o pórtico da vida
terrena para a espiritual, para que tenham um guia e o Vosso perdão.
Que vá até o seio da Terra onde o mineiro está exposto ao fogo do grisu
e que ele, findo o dia, possa voltar ao seio de sua família.
Que vá a todos os envolvidos na cadeiaprodutiva alimentar que transfere
da terra para a mesa os nutrientes necessários para a manutenção do
nosso corpo físico.
Tende compaixão dos navegadores dos ares.
Dos que lutam com os vendavais no meio do mar bravio.
Tende piedade dos órfãos e viúvas.
Daqueles que até esta hora não tiveram uma crosta de pão
Que essa luz vá até os meretrícios e erga as pobres e infelizes criaturas
que para ali foram tangidas pela fome, dando-lhes apoio e fé.
Tende piedade da mulher que abre os olhos do ser à vida.
Que vá até as escolas de todos os níveis de ensino,transformando-as em
verdadeiras fontes de luz do conhecimento
Envolva nessa luz todos os dirigentes das nações para que evitem a
guerra, cultivem a paz e governem com responsabilidadee amorem seus
corações.
Senhor, afastai do nosso caminho todo sentimento contrário à caridade.
Te pedimos que nos ampare e auxilie, pois somos ainda muito pequenos,
muito frágeis e necessitados da vossa proteção.
Dá-nos coragem e ânimo para enfrentar as nossas provas, vencendo
principalmente a nós mesmos, os nossos medos, as nossas
incapacidades, os nossos orgulhos, as barreiras e adversidades que
surgem em nosso caminho.
Nos dê paciência suficiente para vencer a ansiedade e nunca perder a
esperança.
Dá-nos serenidade paraaceitar o que não podemos mudar,coragem para
mudarmos as coisas que podemos e sabedoria para sabermos escolher
sempre o melhor, conforme a Tua vontade.
Aumenta a nossa fé e renova a cada dia a nossa confiança em ti.
Gratidão, Senhor, por tudo o que temos e por tudo o que somos.
Que assim seja!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)Jorge Luiz dos Santos
 
3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptx3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptxMarta Gomes
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Leonardo Pereira
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráLisete B.
 
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticosMarta Gomes
 
A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 esectollin
 
A Eficácia da Prece
A Eficácia da PreceA Eficácia da Prece
A Eficácia da Preceigmateus
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosAntonino Silva
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardecmarjoriestavismeyer
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaGraça Maciel
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaJorge Luiz dos Santos
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaGraça Maciel
 

Mais procurados (20)

DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptx3.10 - Lei de Liberdade.pptx
3.10 - Lei de Liberdade.pptx
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
 
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira). Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
Dai a Cezar o que é de Cezar ( Leonardo Pereira).
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
 
A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 ese
 
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATALVISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
 
A Eficácia da Prece
A Eficácia da PreceA Eficácia da Prece
A Eficácia da Prece
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
 
Eficácia da prece
Eficácia da prece Eficácia da prece
Eficácia da prece
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
 
VIVÊNCIA ESPÍRITA
VIVÊNCIA ESPÍRITAVIVÊNCIA ESPÍRITA
VIVÊNCIA ESPÍRITA
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
O poder da Prece
O poder da PreceO poder da Prece
O poder da Prece
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
 

Semelhante a A prece

Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)Alice Lirio
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoRubens José Terra Campos
 
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Palestra modo de orar 2015   nosso larPalestra modo de orar 2015   nosso lar
Palestra modo de orar 2015 nosso larRodrigo Spinosa
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãobaixarlivros1
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumentalRubens José Terra Campos
 
4.a experiencia das disciplinas espirituais
4.a experiencia das disciplinas espirituais4.a experiencia das disciplinas espirituais
4.a experiencia das disciplinas espirituaisJr Buzinely
 
Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasNilson Almeida
 
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6FilipeDuartedeBem
 
1.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.011.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.01Arquiléia Vasconcelos
 
A oração, nossa força
A oração, nossa forçaA oração, nossa força
A oração, nossa forçaCE BV
 
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdfIntercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdfDenivalSouza1
 

Semelhante a A prece (20)

Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
 
Pedi e obtereis
Pedi e obtereisPedi e obtereis
Pedi e obtereis
 
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Palestra modo de orar 2015   nosso larPalestra modo de orar 2015   nosso lar
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
 
Palestra Prece
Palestra PrecePalestra Prece
Palestra Prece
 
Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
 
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEMPedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
4.a experiencia das disciplinas espirituais
4.a experiencia das disciplinas espirituais4.a experiencia das disciplinas espirituais
4.a experiencia das disciplinas espirituais
 
Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces Espíritas
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
 
Grandesoracoes pg
Grandesoracoes pgGrandesoracoes pg
Grandesoracoes pg
 
A oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samzA oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samz
 
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
Boletim cbg n° 18_4_ maio_2014
 
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
 
1.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.011.oração a respiração da alma- 21.01
1.oração a respiração da alma- 21.01
 
A oração, nossa força
A oração, nossa forçaA oração, nossa força
A oração, nossa força
 
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdfIntercessão e batalha espiritual igreja escola base  .pdf
Intercessão e batalha espiritual igreja escola base .pdf
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoMarta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoMarta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxMarta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxMarta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxMarta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptxMarta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptxMarta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptxMarta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxMarta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptxMarta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptxMarta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptxMarta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxMarta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptxMarta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxMarta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptxMarta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxMarta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxMarta Gomes
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxMarta Gomes
 
3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptxMarta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
 
3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx3.12 - Perfeição Moral.pptx
3.12 - Perfeição Moral.pptx
 

Último

slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfLehonanSouza
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 

Último (9)

slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 

A prece

  • 1. CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC” Rua Ormindo Pires de Amorim, 1516 – Jardim Marajó – Rondonópolis – MT Palestra: A Prece Público: População em situação de rua. Local: Centro Pop – Rua Poxoréo, 840 – Centro – Rondonópolis/MT Palestrante: Marta Gomes P. Miranda ORAÇÃO INICIAL: Senhor meu Deus, agradecemos as vossas infinitas bênçãos que nos são concedidas a todo o momento nas suas diversas formas. Agradecemos a vossa proteção a esta Casa de acolhimento humano e fraternal que dentro das suas incumbências e limitações vem atendendo as especificidades de cada um desses irmãos nesse períodode deslizes e dificuldades pelas quais estão passando em suas vidas. Agradecemos esse momento concedido à reflexão voltada para a nossa essência. Abençoanosso diálogo dessatarde nos fornecendo aintuição necessária para tocar exatamente onde necessitamos refletir para que possamos aproveitar as nossas vivências diárias como oportunidades de aprendizagem e crescimento moral e espiritual e, gradativamente despertarmos paraos caminhos que nos conduzem à luz da sabedoria e do amor. Assim seja! INTRODUÇÃO A prece é uma prática inserida em quase todas as religiões do mundo, independentemente da cultura, da região e do tempo. Essaprática estárelacionada à necessidade que temos de nos ligar à Divindade, de nos abstrairmos do mundo material e conectarmos com o nosso Criador buscando proteção, amparo, orientação. Para nós, espíritas, a prece é um recurso eficaz e fundamental no desenvolvimento espiritual. A prece é uma aproximação com Deus, por meio de palavras ou do pensamento, realizada em particular ou em público, de forma coletiva.
  • 2. “O Espiritismo reconhece como boas as preces de todos os cultos, desde que sejam ditas de coração, e não apenas com os lábios. Não impõe nem condena nenhuma.” (ESE, Cap. XXVIII, item 1) Orar é abrir a alma para entrar em sintonia com Deus para que Ele não faça o que pedimos, mas o que é melhor para nós. 1. CARÁTER DA PRECE Questão 658 – A prece é agradável a Deus? Resposta: A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo coração, porque a intenção é tudo para Ele. A prece do coração é preferívelà que podes ler,por mais bela que seja, se a leres mais com os lábios do que com o pensamento. A prece é agradável a Deus quando é proferidacom fé, com fervor e sinceridade.Não creias, pois, que Deus seja tocado pelo homem vão, orgulhoso e egoísta, a menos que a sua prece represente um ato de sincero arrependimento e de verdadeira humildade. Comentários: Para Deus o que realmente importa é a intenção. Não é apenas o ato de estarmos em prece que agrada a Deus, mas como nós fazemos a prece. Se ela é dita com o coração, com fervor, com fé, com sinceridade. Aí sim, agrada a Deus. Não importa se é particular ou proferidajunto a uma coletividade,desdeque a intenção seja verdadeira. Uma prece proferida por uma pessoa fútil, orgulhosa ou egoísta, mas naquele momento estejacom o coração sincero,em arrependimento pela sua imperfeição, pedindo ou agradecendo ao Pai de forma verdadeira, com certeza agradará a Deus. Deus conhece tudo o que passa em nossos corações. Nós podemos querer enganar aos outros ou a nós mesmos, mas a Deus, jamais enganaremos. Quando nos colocamos à disposição para fazermos uma prece, não é quantidade de palavras, não é peladificuldade das palavras que são ditas, não pelo local, não pelo momento, mas sim e sempre, a intenção, a fé e a sinceridade com a qual fazemos a prece.
  • 3. Muitas vezes Deus prefere aquela prece feita com o coração, não aquela decorada, pois normalmente é mecânica, faltando os sentimentos Questão 659 – Qual o caráter geral da prece? Resposta: A prece é um ato de adoração. Fazer preces a Deus é pensar nEle, aproximar-se dEle, pôr-se em comunicação com Ele. Pela prece podemos fazer três coisas: louvar, pedir e agradecer. Comentários: Muitos de nós utilizamos a prece apenas para pedir. Acostumamo-nos a pedir de tudo, como se Deus estivesse à nossa disposição para atender os nossos pedidos. A Espiritualidade nos orienta que através da prece nós podemos sentir Deus verdadeiramente forte em nós, nos apoiando, nos auxiliando, nos protegendo, nos fortalecendo nas caminhadas da vida. Através da prece, nós sentimos Deus. É isso que precisamos. Quem somos nós sem apresençade Deus? Quem somosnós sem o amor? Nós estamos aqui para aprendermos o valor sublime do amor. A prece real, sincera, verdadeira nos proporciona isso. Quando nos aproximamos de Deus através da prece entramos em conexão com Ele, com a sua luz, com a verdade. Louvar, pedir e agradecer Louvar – É o reconhecimento da magnitude (grandeza) de Deus, da sua perfeição, da sua onipotência, como Criador do nosso Universo, como nosso Grande e verdadeiro Pai. Agradecer – Quando nós agradecemos por uma conquista alcançada, poruma graça, poruma bênção,porum livramento. É um reconhecimento pontual que podemose devemos fazertodos os dias pelavida que temos, pela saúde, pela nossa família, pelos nossos entes queridos, pelas dificuldades que passamos,pois é através delas que nós crescemos,que nós evoluímos. Pedir – Podemos pedir por nós ou por outra pessoa. Não é pedir o livramento das dificuldades, mas pedir força, sabedoria, perseverança para superar e vencer tais dificuldades. É muito importante perceber a resposta,que muitas vezes não é a que nós queremos,mas é a que nós necessitamos.
  • 4. 2. QUALIDADES DA PRECE O Novo Testamento nos mostra de forma muito clara a prática constante de oração na vida de Jesus. Algumas coisas que os apóstolos fizeram e falaram mostram como eles perceberam estes hábitos de oração. Eles pediram que Jesus lhes ensinasse sobre a oração, porque tinham observado o exemplo dele (Lc 11:1). Era a pessoa que mais entendia o valor da comunhão com o Pai e, constantemente procurava conversar com ele. Nós devemos aprendercom o exemplo de Jesus.Ele nos ensinou as maneiras de orar, além de nos deixar a oração mais completa que há entre a humanidade terrestre. “Quando orardes, não vos assemelheis aos hipócritas, que, afetadamente, oram de pé nas sinagogas e nos cantos das ruas para serem vistos pelos homens. – Digo-vos, em verdade, que eles já receberam sua recompensa. – Quando quiserdes orar, entrai para o vosso quarto e, fechadaa porta, orai a vosso Pai em secreto;e vosso Pai, que vê o que se passa em secreto, vos dará a recompensa. Não cuideis de pedir muito nas vossas preces, como fazem os pagãos, os quais imaginam que pela multiplicidade das palavras é que serão atendidos. Não vós torneis semelhantes a eles, porque vosso Pai sabe do que é que tendes necessidade, antes que lho peçais. (Mateus 6:5-8) Quando Jesus nos recomenda orar secretamente (“entrai para o vosso quarto e, fechada a porta, orai ao vosso Pai em secreto”, nas palavras de Mateus), não está estabelecendo um posicionamento ou postura especial, física ou mística, para entrar em comunhão com Deus. Afinal, não podemos esquecer que existe uma multidão de pessoas no planeta que não possuinem mesmo um modesto quarto para se recolher. O que Jesus pretende é que busquemos o recolhimento para, a sós, dialogarmos com Deus. No insulamento, a oração flui com maior maturidade, sem interferências, sem preocupações com fórmulas e formas, favorecendo a comunhão legitima com a Espiritualidade. Quando vos aprestardes para orar, se tiverdes qualquer coisa contra alguém, perdoai-lhe, a fim de que vosso Pai, que está nos céus, também vos perdoe os vossospecados. – Se não perdoardes,vosso Pai, que está nos céus,também não vos perdoaráos pecados.(Marcos 11:25- 26) Também disse estaparábola a alguns que punham a sua confiança em si mesmos, como sendo justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu, publicano o outro. – O fariseu, conservando-se de pé, orava assim, consigo mesmo: Meu Deus, rendo-vos graças por não ser como os outros homens, que são Orar em segredo Não precisa Muitas palavras Perdoar Autoanálise
  • 5. ladrões, injustos e adúlteros, nem mesmo como esse publicano. Jejuo duas vezes na semana; dou o dízimo de tudo o que possuo.O publicano, ao contrário, conservando-se afastado, não ousava, sequer, erguer os olhos ao céu; mas, batia no peito, dizendo: Meu Deus, tem piedade de mim, que sou um pecador.Declaro-vos que este voltou para a sua casa, justificado,e o outro não; porquanto, aquele que se eleva será rebaixado e aquele que se humilha será elevado. (Lucas 18:9-14)”. (ESE, Cap. XXVII, itens 1-3) Jesus definiu claramente as qualidades da prece:  Quando orardes não vos ponhais em evidência; antes, orai em secreto;  Não afeteis orar muito, pois não é pela multiplicidade das palavras que sereis escutados, mas pela sinceridade delas;  Antes de orardes, se tiverdes qualquer coisa contra alguém, perdoai-lhe, visto que a prece não pode ser agradável a Deus, se não parte de um coração purificado de todo sentimento contrário à caridade;  Orai, enfim, com humildade, como o publicano, e não com orgulho, como o fariseu;  Examinai os vossos defeitos, não as vossas qualidades e, se vos comparardes aos outros, procurai o que há em vós de mau... (ESE, cap. XXVII, item 4) “Os Espíritos sempre disseram:“A formanão é nada, o pensamento é tudo. Faça cada qual a sua prece de acordo com as suas convicções, de maneira que mais lhe agrade, pois um bom pensamento vale mais do que numerosas palavras que não tocam o coração”. (ESE, Cap. XXVIII, item 1) “A principal qualidade da prece é a clareza. Ela deve ser simples e concisa, sem fraseologia inútil ou excesso de adjetivação, que não passam de meros ouropéis. Cada palavra deve ter o seu valor, exprimir uma ideia, tocar uma fibra da alma. Enfim: deve levar à reflexão. E somente assim pode atingiro seuobjetivo,pois,de outro modo não passa de palavrório”. (ESE, Cap. XXVII, item 1) 3. AÇÃO DA PRECE “A prece é uma invocação, mediante a qual o homem entra, pelo pensamento, em comunicação com o ser a quem se dirige. Pode ter por objeto um pedido,um agradecimento,ou uma glorificação.Podemosorar por nós mesmos ou por outrem, pelos vivos ou pelos mortos. As preces Ser humilde
  • 6. feitas a Deus escutam-nas os Espíritos incumbidos daexecução de suas vontades; as que se dirigem aos bons Espíritos são reportadas a Deus. Quando alguém ora a outros seres que não a Deus, fá-lo recorrendo a intermediários, a intercessores, porquanto nada sucede sem a vontade de Deus. O Espiritismo torna compreensível a ação da prece, explicando o modo de transmissão do pensamento,quer no caso em que o sera quem oramos acuda ao nosso apelo, quer no em que apenas lhe chegue o nosso pensamento. Para apreendermos o que ocorre em tal circunstância, precisamos concebermergulhados no fluido universal, que ocupa o espaço,todos os seres,encarnados e desencarnados,talqual nos achamos, neste mundo, dentro da atmosfera. Esse fluido recebe da vontade uma impulsão; ele é o veículo do pensamento,como o ar o é do som, com a diferençade que as vibrações do ar são circunscritas, ao passo que as do fluido universal se estendem ao infinito. Dirigido, pois, o pensamento para um ser qualquer, na Terra ou no espaço, de encarnado para desencarnado, ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo de um ao outro o pensamento, como o ar transmite o som. A energia da corrente guarda proporção com a do pensamento e da vontade. É assim que os Espíritos ouvem a prece que lhes é dirigida, qualquer que seja o lugar onde se encontrem; é assim que os Espíritos se comunicam entre si, que nos transmitem suas inspirações, que relações se estabelecem a distância entre encarnados. Essa explicação vai, sobretudo, com vistas aos que não compreendem a utilidade da prece puramente mística. Não tem por fim materializar a prece,mas tornar-lhe inteligíveis os efeitos,mostrando que pode exerceração direta e efetiva. Nem porisso deixa essaação de estar subordinada à vontade de Deus, juiz supremo em todas as coisas,único apto a torná-la eficaz. Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons Espíritos que acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a inspirar-lhe ideias sãs. Ele adquire, desse modo, a força moral necessária a vencer as dificuldades e a volver ao caminho reto, se deste se afastou. Por esse meio, pode também desviar de si os males que atrairia pelas suas próprias faltas. Um homem, por exemplo, vê arruinada a sua saúde, em consequência de excessos a que se entregou, e arrasta, até o termo de seus dias, uma vida de sofrimento:terá ele o direito de queixar-se, se não obtiver a cura que deseja? Não, pois que houvera podido encontrar na prece a força de resistir às tentações.” (ESE, Cap. XXVII, itens 9 à 11)
  • 7. “Estáno pensamento o poderda prece,que por nada depende nem das palavras, nem do lugar, nem do momento em que seja feita. Pode- se, portanto, orar em toda parte e a qualquer hora, a sós ou em comum. A influência do lugar ou do tempo só se faz sentir nas circunstâncias que favoreçam o recolhimento. A prece em comum (coletiva) tem ação mais poderosa, quando todos os que oram se associam de coração a um mesmo pensamento e colimam o mesmo objetivo, porquanto é como se muitos clamassem juntos e em uníssono.” (ESE, Cap. XXVII, item 15) 4. EFICÁCIA DA PRECE “Seja o que for que peçais na prece, crede que o obtereis e concedido vos será o que pedirdes. (Mc 11:24) Há quem conteste a eficáciada prece,com fundamento no princípio de que, conhecendo Deus as nossas necessidades,inútil se torna expor- lhas. E acrescentam os que assim pensam que, achando-se tudo no Universo encadeado por leis eternas, não podem as nossas súplicas mudar os decretos de Deus. Sem dúvida alguma há leis naturais e imutáveis que não podem ser derrogadas ao capricho de cada um; mas, daí a crer-se que todas as circunstâncias da vida estão submetidas à fatalidade, vai grande distância. Se assim fosse, nada mais seria o homem do que instrumento passivo, sem livre-arbítrio e sem iniciativa.” (ESE – Cap. XXVII, item 5-6) O homem desfruta do livre-arbítrio para compor a trajetória de sua encarnação, pois Deus lhe concedeuainteligência e o entendimento para que os utilizasse. Assim, todos os dias fazemos nossas escolhas. Existem acontecimentos navida atual aos quais o homem não pode furtar-se; são consequências de falhas e deslizes de passado que necessitam de reajustes; é a aplicação da Lei de Causa e Efeito e isto explica porque alguns alegam que pedem benefícios a Deus, mas que nunca são concedidos; o que parece, a princípio, contrariar o ensinamento de Jesus citado em Marcos 11:24 “O que quer que seja que pedirdes na prece, crede que obtereis, e vos será concedido”. Muitas coisas que na vida presente parecem úteis e essenciais para a felicidade do homem, poderão ser-lhe prejudiciais e esta é a razão por que elas não lhe são concedidas. Contudo, o egoísmo e o imediatismo não permitem que ele perceba com exatidão a eficácia da prece. Porém,seus efeitos ocorrem segundoos desígniosdivinos: A curto prazo na medida em que consola, alivia os sofrimentos, reanima e encoraja; a médio e longo prazo porque pelo pensamento edificante dá
  • 8. se a aproximação das forças do bem a restaurar as energias de quem ora. “O que Deus lhe concederá sempre, se ele o pedir com confiança, é a coragem, a paciência, a resignação. Também lhe concederá os meios de se tirar por si mesmo das dificuldades,mediante ideias que fará lhe sugiram os bons Espíritos, deixando-lhe dessa forma o mérito da ação. Ele assiste os que se ajudam a si mesmos, de conformidade com estamáxima: “Ajuda-te,que o Céute ajudará”; não assiste,porém,os que tudo esperam de um socorro estranho, sem fazer uso das faculdades que possui. Entretanto, as mais das vezes, o que o homem quer é ser socorrido pormilagre, sem despendero mínimo esforço (Cap. XXV, n.º 1 e seguintes).” (ESE – Cap. XXVII, item 7) Tomemosum exemplo.Um homem se acha perdido no deserto.A sede o martiriza horrivelmente. Desfalecido, cai por terra. Pede a Deus que o assista, e espera. Nenhum anjo lhe virá dar de beber. Contudo, um bom Espírito lhe sugere a ideia de levantar-se e tomar um dos caminhos que tem diante de si. Por um movimento maquinal, reunindo todas as forças que lhe restam, ele se ergue, caminha e descobre ao longe um regato.Ao divisá-lo, ganha coragem. Se tem fé, exclamará: “Obrigado, meu Deus, pela ideia que me inspiraste e pela forçaque me deste.” Se lhe falta a fé, exclamará: “Que boa ideia tive! Que sorte a minha de tomar o caminho da direita, em vez do da esquerda; o acaso, às vezes, nos serve admiravelmente! Quanto me felicito pela minha coragem e por não me ter deixado abater!” Mas, dirão, por que o bom Espírito não lhe disse claramente: “Segue este caminho,que encontrarás o de que necessitas”? Por que não se lhe mostrou para o guiar e sustentar no seu desfalecimento? Dessa maneira tê-lo-ia convencido da intervenção da Providência. Primeiramente, para lhe ensinar que cada um deve ajudar- se a si mesmo e fazer uso das suas forças. Depois,pela incerteza, Deus põe à prova a confiança que nele depositaa criatura e a submissão desta à sua vontade. (ESE – Cap. XXVII, item 8) Senhor não te peço um fardo mais leve, mas sim ombros mais fortes para poder carregá-lo. (Caroline Sabino) Questão 660 – A prece torna o homem melhor? Resposta: Sim, porque aquele que faz preces com fervor e confiança se torna mais forte contra as tentações do mal, e Deus lhe envia bons
  • 9. Espíritos para o assistir. É um socorro jamais recusado, quando o pedimos com sinceridade. Questão 660.a– Como seexplica que certas pessoasque orammuito sejam, apesar disso, de muito mau caráter, ciumentas, invejosas, implicantes, faltas de benevolência e de indulgência: que sejam até mesmo viciosas? Resposta: O essencial não é orar muito, mas orar bem. Essas pessoas julgam que todo o mérito está na extensão da prece e fecham os olhos para os seus próprios defeitos. A prece é para elas uma ocupação, um emprego do tempo,mas não um estudo de si mesmas. Não é o remédio que é ineficaz, neste caso, mas a maneira de aplicá-lo. Comentários: Para que possamos nos tornar melhores através da prece é necessário que seja feita com fervor, fé e sinceridade, pois quando bem feita nos aproxima de Deus. Quanto mais próximos estivermos de Deus, melhores nós seremos,mais depurados, mais amorosos, mais fraternos, mais caridosos, mais humanos. Para nos aproximarmos precisamos exercitar a prática da vivência do Evangelho de Jesus e nos conectarmos com Deus, nos sintonizar com o Criador. Precisamos elevar os nossos pensamentos para percebermos os pensamentos elevados que vêm de Deus através da Espiritualidade Superior e absorvermos esses pensamentos para nos depurarmos. A partir do momento que entramos em conexão com Deus, é impossível continuarmos a ser aas mesmas pessoas. Seremos sempre pessoas melhores, mais depuradas. Aquelas pessoas que oram muito, mas não se modificam,fazem daprece apenas um ato exterior, fato que essas pessoas não se ornarão melhores com a prece, pois não estão sabendo orar e assim, não aproveitam os benefícios proporcionados pela prece. Precisamos orar, não necessariamente orar muito, mas orar bem. Não é a quantidade e a complexidade das palavras, não é o lugar e nem a hora em que oramos, mas a verdade, a sinceridade. Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estoueu no meio deles. (Mt 18:20)
  • 10. A prece feita de coração melhora a pessoa, pois recebe todo um manancial de bênçãos, de luz e de amor que vem da Espiritualidade Superior que proporciona a renovação espiritual. CONSIDERAÇÕES FINAIS O deverprimordialde toda criatura humana, o primeiro ato que deve assinalar a sua volta à vida ativa de cada dia, é a prece. (ESE – Cap. XXVII, item 22) A prece é uma ferramenta indispensável.Ter compromisso com ela é ter compromisso comanossaevolução,é cooperarcom nossos irmãos. Que possamos utilizar desse instrumento todos os dias, com qualidade. A qualidade principal da prece é ser clara, simples e concisa, sem fraseologia inútil, nem luxo de epítetos, que são meros adornos de lentejoulas. Cada palavra deve ter alcance próprio, despertar uma ideia, pôr em vibração uma fibra da alma. Numa palavra: deve fazer refletir. Somente sob essa condição pode a prece alcançar o seu objetivo; de outro modo, não passa de ruído. (ESE – Cap. XXVIII, item 1) De todas as preces, a oração do Pai-Nosso “é o mais perfeito modelo de concisão, verdadeira obra-prima de sublimidade na simplicidade.Com efeito,sob a mais singela forma, ela resume todos os deveres do homem para com Deus, para consigo mesmo e para com o próximo. Encerra uma profissão de fé, um ato de adoração e de submissão; o pedido das coisas necessárias à vida e o princípio da caridade.” (ESE – Cap. XXVIII, item 2) Quem ora com o coração, vive em comunhão com Deus, assim como Jesus vivia e continua vivendo. Passa a ter sensibilidade, discernimento, leveza na alma, o coração voltado para Deus, demonstrando que está sempre pronto a modificar seus pensamentos e suas ações. Toda a bagunça em nossa vida é exatamente pela falta de oração, pela falta dessa conexão íntima com Deus. A prece, em qualquer ocasião, melhora, corrige, eleva e santifica. Mas somente quando estabelece modificação de roteiro é que paira, acima das circunstâncias comuns. (Obreiros da Vida Eterna – Cap. 17). Não há prece sem resposta.E a oração, filha do amor, não é apenas súplica. É comunhão entre o Criador e a criatura, constituindo, assim, o mais poderoso influxo magnético que conhecemos. (Os mensageiros – Cap. 25). Deus não deixa de atender as suas criaturas, do átomo ao arcanjo todos são assistidos.
  • 11. “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe;o que busca encontra; e a quem bate, abrir- se-lhe-á”. (Lc 11:9) Transformar o ódio em amor, a vingança em perdão, ser humilde para também ser perdoado. Reconciliar-se com Deus, consigo mesmo, com os familiares, com os outros, com os que já partiram, com a natureza... ORAÇÃO FINAL: Vamos elevar nossos pensamentos aDeus, a fim de agradecermos por esta tarde de reflexões. Senhor, te pedimos que nos ampare e auxilie, pois somos ainda muito pequenos,muito frágeis e necessitadosda vossaproteção. Dá-nos coragem e ânimo para enfrentar as nossas provas, vencendo principalmente a nós mesmos, os nossos medos, as nossas incapacidades, os nossos orgulhos, as barreiras e adversidades que surgem em nosso caminho. Nos dê paciência suficiente para vencer a ansiedade e nunca perder a esperança. Dá-nos serenidade para aceitar o que não podemos mudar, coragem para mudarmos as coisas que podemos e sabedoria para sabermos escolher sempre o melhor, conforme aTua vontade. Aumenta a nossafé e renova a cadadia a nossa confiança em ti. Gratidão, Senhor, por tudo o que temos e por tudo o que somos. Que assim seja! REFERÊNCIAS KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de Salvador Gentile. 365ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. XAVIER, Chico. Os Mensageiros. 47ª Ed. Brasília: FEB, 2017. Pelo Espírito André Luiz. XAVIER, Chico. Obreiros da Vida Eterna. 35ª Ed. Brasília: FEB, 2017. Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Entre a Terrae o Céu.27ª ed. Brasília: FEB, 2018.Pelo Espírito André Luiz. https://espirito.org.br/ https://www.mensagemespirita.com.br http://www.olivrodosespiritoscomentado.com/questoes.html
  • 12. Pai de infinita bondade Envolvei em Vossaluz e em Vosso amortodos aqueles que sofrem como espíritos encarnados ou desencarnados. Que essa luz se expanda para todas as direções, indo até os cárceres onde alguns sofrem merecidamente, mas outros pelo erro judiciário. Que vá até os hospícios iluminando os cérebros conturbados que ali se encontram. Que vá até os hospitais, onde muitos choram e sofrem sem o consolo da palavra amiga. Que vá a todos aqueles que neste momento transpõem o pórtico da vida terrena para a espiritual, para que tenham um guia e o Vosso perdão. Que vá até o seio da Terra onde o mineiro está exposto ao fogo do grisu e que ele, findo o dia, possa voltar ao seio de sua família. Que vá a todos os envolvidos na cadeiaprodutiva alimentar que transfere da terra para a mesa os nutrientes necessários para a manutenção do nosso corpo físico. Tende compaixão dos navegadores dos ares. Dos que lutam com os vendavais no meio do mar bravio. Tende piedade dos órfãos e viúvas. Daqueles que até esta hora não tiveram uma crosta de pão Que essa luz vá até os meretrícios e erga as pobres e infelizes criaturas que para ali foram tangidas pela fome, dando-lhes apoio e fé. Tende piedade da mulher que abre os olhos do ser à vida. Que vá até as escolas de todos os níveis de ensino,transformando-as em verdadeiras fontes de luz do conhecimento Envolva nessa luz todos os dirigentes das nações para que evitem a guerra, cultivem a paz e governem com responsabilidadee amorem seus corações. Senhor, afastai do nosso caminho todo sentimento contrário à caridade. Te pedimos que nos ampare e auxilie, pois somos ainda muito pequenos, muito frágeis e necessitados da vossa proteção. Dá-nos coragem e ânimo para enfrentar as nossas provas, vencendo principalmente a nós mesmos, os nossos medos, as nossas incapacidades, os nossos orgulhos, as barreiras e adversidades que surgem em nosso caminho. Nos dê paciência suficiente para vencer a ansiedade e nunca perder a esperança. Dá-nos serenidade paraaceitar o que não podemos mudar,coragem para mudarmos as coisas que podemos e sabedoria para sabermos escolher sempre o melhor, conforme a Tua vontade. Aumenta a nossa fé e renova a cada dia a nossa confiança em ti. Gratidão, Senhor, por tudo o que temos e por tudo o que somos. Que assim seja!