SlideShare uma empresa Scribd logo
A ILUSTRE CASA DE RAMIRES. Wandsley Souza Aranha  Amanda Paola  Silva Guilherme Henrique Morgan Aguiar Thaina Francisco de Souza 2°A   2011 E.E IRENE DIAS RIBEIRO
 
Biografia José Maria Eça de Queiroz  foi um importante romancista português do século XIX. Nasceu em 25 de novembro, de 1845, na cidade portuguesa de Póvoa de Varzim.
Vida Artística Aos 16 anos de idade, foi estudar Direito na cidade de Coimbra. Seus primeiros trabalhos como escritor apareceram no Jornal Gazeta de Portugal. Trabalhou como administrador municipal no município de Leiria. Trabalhou também como cônsul de Portugal na Inglaterra. Esta época foi uma das mais produtivas de sua carreira.
Foi discípulo do escritor francês Gustave Flaubert, de quem recebeu grande influência literária. Eça de Queiroz foi um dos pioneiros da literatura realista em Portugal.  Abordou, em suas obras, diversos temas. Porém, podemos observar algumas características comuns em seus romances, como, por exemplo, abordagem de temas cotidianos, descrição de locais e comportamento de pessoas, pessimismo, ironia e humor.
Eça de Queiroz morreu na cidade de Paris em 1900. Suas obras foram traduzidas em várias línguas. É considerado até os dias de hoje como sendo um dos principais representantes do realismo português.
Principais  obras de  Eça  de  Queiroz · A Cidade e as Serras · A Ilustre Casa de Ramires · A Relíquia · A Tragédia da Rua das Flores · As Farpas · Contos e Prosas Bárbaras · O Crime do Padre Amaro · O Mandarim · O Mistério da Estrada de Sintra · O Primo Basílio · Os Maias · Uma Campanha Alegre
Introdução A Ilustre Casa de Ramires  é um romance baseado no cruzamento de duas narrativas. A primeira consiste na trajetória de um fidalgo português  (Gonçalo Mendes Ramires) cujo destino se confunde com o de Portugal. A segunda é uma novela que narra um episódio heróico da vida de um de seus antepassados: Tructesindo Ramires.
Enredo Gonçalo Mendes Ramires retorna após a conclusão do curso de Direito em Coimbra após uma breve estadia em Lisboa e volta para sua cidade de Oliveira na Vila Clara quando chega encontra a mesma monotonia provinciana de anos atrás.  Reencontra sua irmã casada com Barrolo (Bacoco).Gonçalo junto com seus companheiros Titó e Videirinha e o  padre Soeiro resolve escrever um fado sobre seus feitos heroicos da Ilustre Casa de Ramires.
Gonçalo oprime a vida medíocre e sente a necessidade de impor-se na vida política nacional que lhe parece a única saída possível para sua condição de fidalgo falido. É quando José Castanheiro resolve escrever uma novela(A torre de D.Ramires) sobre um velho e ilustre antepassado de Trutesindo Ramires. Assim tendo como cenário a Quinta de Santa Irenéia ele poe a recontar sua historia,de sua casa e de Portugal.
Gonçalo lança um poema já escrito por um tio com a ajuda de outros livros medievais de Alexandre Herculano e Walter Scott,e percebe que a tarefa não será fácil. Na novela ele se envolve com atividades cotidianas e passa por situações que demonstram a fraqueza de seu caráter. Mais marcante se dá quando ele vê se obrigado a vender a quinta para José Casco e empenha sua palavra no negócio. Porém logo em seguida outro lavrador melhor qualificado Manuel Pereira lhe oferece uma quantia maior,e Gonçalo aceita a segunda proposta.
Se esquecendo da palavra empenhada a José Casco.
Outro fato é a inveja do sucesso politico de André Cavaleiro “amigo e amante”de  sua irmã.Gonçalo manifesta publicamente um odio por meio de comentarios violentos.Pois André  ocupa agora o lugar de Governador Civil de Oliveira, cargo antes exercido pelo falecido pai de Gonçalo.Com isso Gonçalo interfere no namoro de sua irmã com André.
O Deputado Sanches Lucena falece e sua herança fica para sua esposa D.Ana Lucena,Gonçalo de olho na fortuna e no lugar de Deputado,quer se casar com D.Ana mesmo sentindo repulso por ela. Aconselhado pelo amigo João Gouveia e movido pelo interesse, ele reata sua amizade com André Cavaleiro, para assombro de toda a cidade. O que não se dá sem que antes ele sofra uma aguda crise de consciência, pois tal reconciliação implica na aproximação entre o Governador e Gracinha, que ainda nutre sentimentos inconfessos pelo antigo namorado. Eis aí a sombra de um possível adultério.
Com a reconciliação, começa a campanha de Gonçalo em direção ao parlamento. Porém, em meio aos preparativos, ele surpreende um encontro furtivo entre a irmã e o Cavaleiro. Horrorizado ele se retira para a quinta e se afasta da irmã, do cunhado e do suposto amigo.
Neste mesmo dia, ao conversar com cunhado, Gonçalo descobre que o Cavaleiro estava ausente de Oliveira há algum tempo.  E, portanto, afastado de Graçinha. Reconciliado parcialmente com a própria consciência, ele retoma sua campanha política.             Lentamente Gonçalo vai descobrindo a simpatia que as pessoas nutrem por sua pessoa e por sua nobre origem, sentimento que ele mal suspeitara até então, e que lhe faz perceber que ele seria eleito mesmo  sem a ajuda do Governador Civil. 
Chega o dia da eleição e Gonçalo vence. Nesta mesma noite, ao contemplar o vale do alto da torre iluminada, ele percebe com clareza a mesquinhez de seu caráter e de seus objetivos.            Alguns meses depois, o fidalgo parte para Lisboa, assume o cargo  e começa a levar uma vida mundana, até que inexplicavelmente desiste de tudo e viaja para a Zambézia na África, de onde retorna, quatro anos depois, rico e estabelecido. 
Personagens Gonçalo Ramires: Personagem principal de  A Ilustre Casa de Ramires , era conhecido com "fidalgo da torre", descendente de um antiga família do Douro. Gonçalo era um proprietário rural empobrecido que vivia da renda de duas quintas É um hesitante, um fraco e de carácter débil. Pensa casar-se com Ana Lucena, uma rica viúva, por dinheiro. Mas desiste rapidamente ao saber que ela tem vários amantes. Gonçalo representa Portugal, Eça o homem português. Gonçalo é a imagem de Portugal
Titó:Figura baseada num parente da esposa de Eça. António Vilalobos era parente afastado de Gonçalo. Vivia em Vila Clara, na viela das Teresas. O seu irmão era morgado de cidade e genealogista. É bonacheirão e indolente, de grande vozeirão. Comia e bebia muito. Era muito crítico relativamente à eleição de Gonçalo para deputado e também quanto a possibilidade do seu casamento com Ana Lucena, viúva rica, filha de um talhante cuja fortuna Gonçalo cobiça.
Castanheiro:José Lúcio Castanheiro, é empregado no Ministério da Fazenda, um bacharel. É um fanático da "ressurreição do sentimento português". Trabalhava numa revista quinzenal que se intitula "Os Anais da Literatura e da História", onde irá ser publicado o estudo histórico de Gonçalo. Natural do Algarve, foi contemporâneo de Gonçalo em Coimbra.
Videirinha:Personagem secundária, José Videira é filho de uma padeira e é ajudante de farmácia. Toca violão e é poeta. É amigo de Gonçalo desde os tempos de estudante e autor do "Fado dos Ramires". A sua mãe era costureira na torre e ele passava lá as férias. Os seus versos têm, por vezes, uma intenção satírica. José Casco:Lavrador que tenta arrebatar o poema mas não consegue pois logo em seguida chega outro lavrador melhor qualificado Manuel Pereira que arrebata um preço maior.
André Cavaleiro:Filho de um general, rapaz de boas famílias e rico. Governador civil do distrito de Coimbra. Gonçalo odiava-o. De cabelos ondulados e grandes bigodes negros. Homem bem educado. Gostava de Graça enquanto solteiro. Esta casou com Barrolo, mas passados três anos deixou-se seduzir novamente por Cavaleiro. Graças a ele Gonçalo consegue o lugar de deputado. André Cavaleiro é a imagem de um  D. Juan  vaidoso, oportunista e arrogante
Gracinha Ramires:Irmã de Gonçalo. É pequena, frágil, de olhos tímidos, pele clara de "porcelana fina", cabelos brilhantes, negros e compridos. Namora com André Cavaleiro, um galã conquistador, inimigo de Gonçalo, que acaba por se desinteressar dela. Casa com Barrolo, um homem ingénuo e simples. Entretanto Gonçalo reconcilia-se com André, de quem depende a sua nomeação para deputado.
Este começa de novo a cortejar Gracinha. Esta frágil e passiva, entrega-se a André. Gonçalo, ao descobrir, sente-se o culpado pela reaproximação dos dois. O adultério cometido por Gracinha é mais um sinal da realidade comezinha e decadente da época.
Deputado Sanches Lucena:Rico que falece deixando sua fortuna para a esposa D.Ana Lucena. D.Ana Lucena:Esposa de Sanches,iria se casar com Gonçalo mais Gonçalo desiste após descobrir que ela tinha vários amantes  Irmãs Lousadas: Personagens secundárias são a personificação típica de duas coscuvilheiras de aldeia.
Linguagem e Estilo A Ilustre Casa de Ramires  é um romance narrado em terceira pessoa, e apresenta um narrador onisciente que constrói e explora com agudeza os conflitos interiores de Gonçalo Mendes Ramires. Seu distanciamento e objetividade permitem ao leitor acompanhar a lenta e progressiva transformação do personagem em direção a sua reabilitação moral e social.         .
Tempo e Espaço Começa em Lisboa na cidade de Coimbra depois vai para Oliveira na Vila Clara e o fato segue até que Gonçalo vai para Zambézia na África mas volta para Vila Clara.
Verossimilhança O modo como as pessoas são interesseiras e estão sempre com um interesse a mais além da amizade e do amor por exemplo. Usa e abusa das pessoas sem preocupar com os sentimentos. Tanto em relação ao dinheiro quanto a possibilidade de um cargo em um emprego.
Referências Bibliográficas http://fredb.sites.uol.com.br/ramires.html   http://www.suapesquisa.com/biografias/eca_de_queiroz.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
Beatriz Xavier
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida GarrettViagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Milena Castro
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
Pedro Matos
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Daniela Filipa Sousa
 
Coesao e coerência
Coesao e coerênciaCoesao e coerência
Coesao e coerência
Ana Luísa Santos
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 
Maias.apontamentos
Maias.apontamentosMaias.apontamentos
Maias.apontamentos
Elisete Gonçalves
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
Quezia Neves
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
Raffaella Ergün
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
margaridafelisberto
 
De tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário VerdeDe tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário Verde
Silvia Raquel Freitas Vieira
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
António Fernandes
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Maria Teixiera
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 

Mais procurados (20)

Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida GarrettViagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítuloOs Maias - a ação & titulo e subtítulo
Os Maias - a ação & titulo e subtítulo
 
Coesao e coerência
Coesao e coerênciaCoesao e coerência
Coesao e coerência
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Maias.apontamentos
Maias.apontamentosMaias.apontamentos
Maias.apontamentos
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 
De tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário VerdeDe tarde - Cesário Verde
De tarde - Cesário Verde
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 

Destaque

A Ilustre Casa de Ramires 2ª A - 2011
A Ilustre Casa de Ramires   2ª A - 2011A Ilustre Casa de Ramires   2ª A - 2011
A Ilustre Casa de Ramires 2ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
LilianaC
LilianaCLilianaC
LilianaC
Carla Luís
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
José Ricardo Lima
 
Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011
Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011
Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011
Pk Pks
 
Ilustrações, técnicas e formas
Ilustrações, técnicas e formasIlustrações, técnicas e formas
Ilustrações, técnicas e formas
Zigotto Tecnologia
 
Eça de queiroz
 Eça de queiroz Eça de queiroz
Eça de queiroz
sandra soares
 
Ilustração
IlustraçãoIlustração
Ilustração
Gi Loureiro
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
Endl Félix Muriel
 
Desenho e Ilustração
Desenho e IlustraçãoDesenho e Ilustração
Desenho e Ilustração
Gui Souza A
 

Destaque (9)

A Ilustre Casa de Ramires 2ª A - 2011
A Ilustre Casa de Ramires   2ª A - 2011A Ilustre Casa de Ramires   2ª A - 2011
A Ilustre Casa de Ramires 2ª A - 2011
 
LilianaC
LilianaCLilianaC
LilianaC
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011
Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011
Eça queiroz sempre actual 1872 - 2011
 
Ilustrações, técnicas e formas
Ilustrações, técnicas e formasIlustrações, técnicas e formas
Ilustrações, técnicas e formas
 
Eça de queiroz
 Eça de queiroz Eça de queiroz
Eça de queiroz
 
Ilustração
IlustraçãoIlustração
Ilustração
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
 
Desenho e Ilustração
Desenho e IlustraçãoDesenho e Ilustração
Desenho e Ilustração
 

Semelhante a A Ilustre Casa de Ramires 2ª A - 2011

ailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).ppt
ailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).pptailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).ppt
ailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).ppt
Gustavo Júnior
 
Trabalho de português
Trabalho de portuguêsTrabalho de português
Trabalho de português
TifanyAlves
 
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Matheus Boniatti
 
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
minafirmeza
 
O mulato
O mulatoO mulato
O mulato
Marcos Cunha
 
As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
As pupilas do_senhor_reitor
As pupilas do_senhor_reitorAs pupilas do_senhor_reitor
As pupilas do_senhor_reitor
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um sargento de melícias - Características da obra
Memórias de um sargento de melícias - Características da obra Memórias de um sargento de melícias - Características da obra
Memórias de um sargento de melícias - Características da obra
Alane Oliveira
 
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
Patrícia C Milacci
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se ler
David Souza
 
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismoApostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Fernanda Rocha
 
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
Bruno Fernandes
 
Memorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLB
Memorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLBMemorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLB
Memorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLB
Paulo Bonvicine
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
rafabebum
 
Joaquim Manuel de Macedo
Joaquim Manuel de Macedo Joaquim Manuel de Macedo
Joaquim Manuel de Macedo
Renata Araujo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
10 livros essências pra ler
10 livros essências pra ler10 livros essências pra ler
10 livros essências pra ler
Vinicius Augusto
 

Semelhante a A Ilustre Casa de Ramires 2ª A - 2011 (20)

ailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).ppt
ailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).pptailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).ppt
ailustrecasaderamires-2a-2011-110921143241-phpapp02 (1).ppt
 
Trabalho de português
Trabalho de portuguêsTrabalho de português
Trabalho de português
 
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
Memórias de um sargento de milícias (Versão detalhada)
 
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011Memorias de um Sargento de Milícias  - 3ª A - 2011
Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011
 
O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011O Gaúcho - 2ª A - 2011
O Gaúcho - 2ª A - 2011
 
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
Análise literária josimar porto -paes-uema-2012
 
O mulato
O mulatoO mulato
O mulato
 
As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
 
As pupilas do_senhor_reitor
As pupilas do_senhor_reitorAs pupilas do_senhor_reitor
As pupilas do_senhor_reitor
 
As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
As Pupilas do Senhor Reitor - 2ª A - 2011
 
Memórias de um sargento de melícias - Características da obra
Memórias de um sargento de melícias - Características da obra Memórias de um sargento de melícias - Características da obra
Memórias de um sargento de melícias - Características da obra
 
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014Literatura  o gaúcho   josé de alencar  leitura e analize 2014
Literatura o gaúcho josé de alencar leitura e analize 2014
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se ler
 
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismoApostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
Apostila sobre o romantismo em portugal e o pré modernismo
 
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
 
Memorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLB
Memorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLBMemorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLB
Memorias de Um Sargento de Milicias - 2°A 2014 EEPSGLB
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
Joaquim Manuel de Macedo
Joaquim Manuel de Macedo Joaquim Manuel de Macedo
Joaquim Manuel de Macedo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
10 livros essências pra ler
10 livros essências pra ler10 livros essências pra ler
10 livros essências pra ler
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino (20)

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Breve histórico
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Til 3ª C - 2013
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Til 3ª B - 2013
 

A Ilustre Casa de Ramires 2ª A - 2011

  • 1. A ILUSTRE CASA DE RAMIRES. Wandsley Souza Aranha Amanda Paola Silva Guilherme Henrique Morgan Aguiar Thaina Francisco de Souza 2°A 2011 E.E IRENE DIAS RIBEIRO
  • 2.  
  • 3. Biografia José Maria Eça de Queiroz foi um importante romancista português do século XIX. Nasceu em 25 de novembro, de 1845, na cidade portuguesa de Póvoa de Varzim.
  • 4. Vida Artística Aos 16 anos de idade, foi estudar Direito na cidade de Coimbra. Seus primeiros trabalhos como escritor apareceram no Jornal Gazeta de Portugal. Trabalhou como administrador municipal no município de Leiria. Trabalhou também como cônsul de Portugal na Inglaterra. Esta época foi uma das mais produtivas de sua carreira.
  • 5. Foi discípulo do escritor francês Gustave Flaubert, de quem recebeu grande influência literária. Eça de Queiroz foi um dos pioneiros da literatura realista em Portugal.  Abordou, em suas obras, diversos temas. Porém, podemos observar algumas características comuns em seus romances, como, por exemplo, abordagem de temas cotidianos, descrição de locais e comportamento de pessoas, pessimismo, ironia e humor.
  • 6. Eça de Queiroz morreu na cidade de Paris em 1900. Suas obras foram traduzidas em várias línguas. É considerado até os dias de hoje como sendo um dos principais representantes do realismo português.
  • 7. Principais obras de Eça de Queiroz · A Cidade e as Serras · A Ilustre Casa de Ramires · A Relíquia · A Tragédia da Rua das Flores · As Farpas · Contos e Prosas Bárbaras · O Crime do Padre Amaro · O Mandarim · O Mistério da Estrada de Sintra · O Primo Basílio · Os Maias · Uma Campanha Alegre
  • 8. Introdução A Ilustre Casa de Ramires é um romance baseado no cruzamento de duas narrativas. A primeira consiste na trajetória de um fidalgo português  (Gonçalo Mendes Ramires) cujo destino se confunde com o de Portugal. A segunda é uma novela que narra um episódio heróico da vida de um de seus antepassados: Tructesindo Ramires.
  • 9. Enredo Gonçalo Mendes Ramires retorna após a conclusão do curso de Direito em Coimbra após uma breve estadia em Lisboa e volta para sua cidade de Oliveira na Vila Clara quando chega encontra a mesma monotonia provinciana de anos atrás.  Reencontra sua irmã casada com Barrolo (Bacoco).Gonçalo junto com seus companheiros Titó e Videirinha e o padre Soeiro resolve escrever um fado sobre seus feitos heroicos da Ilustre Casa de Ramires.
  • 10. Gonçalo oprime a vida medíocre e sente a necessidade de impor-se na vida política nacional que lhe parece a única saída possível para sua condição de fidalgo falido. É quando José Castanheiro resolve escrever uma novela(A torre de D.Ramires) sobre um velho e ilustre antepassado de Trutesindo Ramires. Assim tendo como cenário a Quinta de Santa Irenéia ele poe a recontar sua historia,de sua casa e de Portugal.
  • 11. Gonçalo lança um poema já escrito por um tio com a ajuda de outros livros medievais de Alexandre Herculano e Walter Scott,e percebe que a tarefa não será fácil. Na novela ele se envolve com atividades cotidianas e passa por situações que demonstram a fraqueza de seu caráter. Mais marcante se dá quando ele vê se obrigado a vender a quinta para José Casco e empenha sua palavra no negócio. Porém logo em seguida outro lavrador melhor qualificado Manuel Pereira lhe oferece uma quantia maior,e Gonçalo aceita a segunda proposta.
  • 12. Se esquecendo da palavra empenhada a José Casco.
  • 13. Outro fato é a inveja do sucesso politico de André Cavaleiro “amigo e amante”de sua irmã.Gonçalo manifesta publicamente um odio por meio de comentarios violentos.Pois André ocupa agora o lugar de Governador Civil de Oliveira, cargo antes exercido pelo falecido pai de Gonçalo.Com isso Gonçalo interfere no namoro de sua irmã com André.
  • 14. O Deputado Sanches Lucena falece e sua herança fica para sua esposa D.Ana Lucena,Gonçalo de olho na fortuna e no lugar de Deputado,quer se casar com D.Ana mesmo sentindo repulso por ela. Aconselhado pelo amigo João Gouveia e movido pelo interesse, ele reata sua amizade com André Cavaleiro, para assombro de toda a cidade. O que não se dá sem que antes ele sofra uma aguda crise de consciência, pois tal reconciliação implica na aproximação entre o Governador e Gracinha, que ainda nutre sentimentos inconfessos pelo antigo namorado. Eis aí a sombra de um possível adultério.
  • 15. Com a reconciliação, começa a campanha de Gonçalo em direção ao parlamento. Porém, em meio aos preparativos, ele surpreende um encontro furtivo entre a irmã e o Cavaleiro. Horrorizado ele se retira para a quinta e se afasta da irmã, do cunhado e do suposto amigo.
  • 16. Neste mesmo dia, ao conversar com cunhado, Gonçalo descobre que o Cavaleiro estava ausente de Oliveira há algum tempo. E, portanto, afastado de Graçinha. Reconciliado parcialmente com a própria consciência, ele retoma sua campanha política.            Lentamente Gonçalo vai descobrindo a simpatia que as pessoas nutrem por sua pessoa e por sua nobre origem, sentimento que ele mal suspeitara até então, e que lhe faz perceber que ele seria eleito mesmo  sem a ajuda do Governador Civil. 
  • 17. Chega o dia da eleição e Gonçalo vence. Nesta mesma noite, ao contemplar o vale do alto da torre iluminada, ele percebe com clareza a mesquinhez de seu caráter e de seus objetivos.           Alguns meses depois, o fidalgo parte para Lisboa, assume o cargo  e começa a levar uma vida mundana, até que inexplicavelmente desiste de tudo e viaja para a Zambézia na África, de onde retorna, quatro anos depois, rico e estabelecido. 
  • 18. Personagens Gonçalo Ramires: Personagem principal de A Ilustre Casa de Ramires , era conhecido com "fidalgo da torre", descendente de um antiga família do Douro. Gonçalo era um proprietário rural empobrecido que vivia da renda de duas quintas É um hesitante, um fraco e de carácter débil. Pensa casar-se com Ana Lucena, uma rica viúva, por dinheiro. Mas desiste rapidamente ao saber que ela tem vários amantes. Gonçalo representa Portugal, Eça o homem português. Gonçalo é a imagem de Portugal
  • 19. Titó:Figura baseada num parente da esposa de Eça. António Vilalobos era parente afastado de Gonçalo. Vivia em Vila Clara, na viela das Teresas. O seu irmão era morgado de cidade e genealogista. É bonacheirão e indolente, de grande vozeirão. Comia e bebia muito. Era muito crítico relativamente à eleição de Gonçalo para deputado e também quanto a possibilidade do seu casamento com Ana Lucena, viúva rica, filha de um talhante cuja fortuna Gonçalo cobiça.
  • 20. Castanheiro:José Lúcio Castanheiro, é empregado no Ministério da Fazenda, um bacharel. É um fanático da "ressurreição do sentimento português". Trabalhava numa revista quinzenal que se intitula "Os Anais da Literatura e da História", onde irá ser publicado o estudo histórico de Gonçalo. Natural do Algarve, foi contemporâneo de Gonçalo em Coimbra.
  • 21. Videirinha:Personagem secundária, José Videira é filho de uma padeira e é ajudante de farmácia. Toca violão e é poeta. É amigo de Gonçalo desde os tempos de estudante e autor do "Fado dos Ramires". A sua mãe era costureira na torre e ele passava lá as férias. Os seus versos têm, por vezes, uma intenção satírica. José Casco:Lavrador que tenta arrebatar o poema mas não consegue pois logo em seguida chega outro lavrador melhor qualificado Manuel Pereira que arrebata um preço maior.
  • 22. André Cavaleiro:Filho de um general, rapaz de boas famílias e rico. Governador civil do distrito de Coimbra. Gonçalo odiava-o. De cabelos ondulados e grandes bigodes negros. Homem bem educado. Gostava de Graça enquanto solteiro. Esta casou com Barrolo, mas passados três anos deixou-se seduzir novamente por Cavaleiro. Graças a ele Gonçalo consegue o lugar de deputado. André Cavaleiro é a imagem de um D. Juan vaidoso, oportunista e arrogante
  • 23. Gracinha Ramires:Irmã de Gonçalo. É pequena, frágil, de olhos tímidos, pele clara de "porcelana fina", cabelos brilhantes, negros e compridos. Namora com André Cavaleiro, um galã conquistador, inimigo de Gonçalo, que acaba por se desinteressar dela. Casa com Barrolo, um homem ingénuo e simples. Entretanto Gonçalo reconcilia-se com André, de quem depende a sua nomeação para deputado.
  • 24. Este começa de novo a cortejar Gracinha. Esta frágil e passiva, entrega-se a André. Gonçalo, ao descobrir, sente-se o culpado pela reaproximação dos dois. O adultério cometido por Gracinha é mais um sinal da realidade comezinha e decadente da época.
  • 25. Deputado Sanches Lucena:Rico que falece deixando sua fortuna para a esposa D.Ana Lucena. D.Ana Lucena:Esposa de Sanches,iria se casar com Gonçalo mais Gonçalo desiste após descobrir que ela tinha vários amantes Irmãs Lousadas: Personagens secundárias são a personificação típica de duas coscuvilheiras de aldeia.
  • 26. Linguagem e Estilo A Ilustre Casa de Ramires é um romance narrado em terceira pessoa, e apresenta um narrador onisciente que constrói e explora com agudeza os conflitos interiores de Gonçalo Mendes Ramires. Seu distanciamento e objetividade permitem ao leitor acompanhar a lenta e progressiva transformação do personagem em direção a sua reabilitação moral e social.        .
  • 27. Tempo e Espaço Começa em Lisboa na cidade de Coimbra depois vai para Oliveira na Vila Clara e o fato segue até que Gonçalo vai para Zambézia na África mas volta para Vila Clara.
  • 28. Verossimilhança O modo como as pessoas são interesseiras e estão sempre com um interesse a mais além da amizade e do amor por exemplo. Usa e abusa das pessoas sem preocupar com os sentimentos. Tanto em relação ao dinheiro quanto a possibilidade de um cargo em um emprego.
  • 29. Referências Bibliográficas http://fredb.sites.uol.com.br/ramires.html http://www.suapesquisa.com/biografias/eca_de_queiroz.htm