SlideShare uma empresa Scribd logo
A CIVILIZAÇÃO GREGA I
Fernanda Caroline Stang
Cursinho Popular Unioeste
REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA
ANTERIOR
• (UFRGS) - Na África, durante a Antiguidade, entre 3000 a.C. e 322 a.C.,
desenvolveu-se o primeiro Império unificado historicamente conhecido, cuja
longevidade e continuidade ainda despertam a atenção de arqueólogos e
historiadores. Esse império
a) legou a humanidade códigos e compilações de leis.
b) desenvolveu a escrita alfabética, dominada por amplos setores da sociedade.
c) retinha parcela insignificante do excedente econômico disponível.
d) sustentou a crença de que o caráter divino dos reis se transmitia exclusivamente
pela via paterna.
e) dependia das cheias do rio Nilo para a prática da agricultura.
REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA
ANTERIOR
• (UFRGS) - Na África, durante a Antiguidade, entre 3000 a.C. e 322 a.C.,
desenvolveu-se o primeiro Império unificado historicamente conhecido, cuja
longevidade e continuidade ainda despertam a atenção de arqueólogos e
historiadores. Esse império
a) legou a humanidade códigos e compilações de leis.
b) desenvolveu a escrita alfabética, dominada por amplos setores da sociedade.
c) retinha parcela insignificante do excedente econômico disponível.
d) sustentou a crença de que o caráter divino dos reis se transmitia exclusivamente
pela via paterna.
e) dependia das cheias do rio Nilo para a prática da agricultura.
REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA
ANTERIOR
• (UFC) - O nome do rei egípcio Amenófis IV (c.1377 a.C. - c.1358 a.C.) está ligado à
reforma religiosa que substituiu o culto de Amon-Rá por Áton e determinou o fim do
politeísmo. Além do caráter religioso, essa reforma buscava:
a) limitar a riqueza e o poder político crescentes dos sacerdotes.
b) reunificar o Egito, após as disputas promovidas pelos nomarcas.
c) pôr fim às revoltas camponesas motivadas pelos cultos antropomórficos.
d) reunir a população, por meio da religião, para fortalecer a resistência aos hicsos.
e) restabelecer o governo teocrático, após o crescimento da máquina administrativa.
REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA
ANTERIOR
• (UFC) - O nome do rei egípcio Amenófis IV (c.1377 a.C. - c.1358 a.C.) está ligado à
reforma religiosa que substituiu o culto de Amon-Rá por Áton e determinou o fim do
politeísmo. Além do caráter religioso, essa reforma buscava:
a) limitar a riqueza e o poder político crescentes dos sacerdotes.
b) reunificar o Egito, após as disputas promovidas pelos nomarcas.
c) pôr fim às revoltas camponesas motivadas pelos cultos antropomórficos.
d) reunir a população, por meio da religião, para fortalecer a resistência aos hicsos.
e) restabelecer o governo teocrático, após o crescimento da máquina administrativa.
REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA
ANTERIOR
• (Ufc 2009) - Aos egípcios devemos uma herança rica em cultura, ciência e religiosidade:
eram habilidosos cirurgiões e sabiam relacionar as doenças com as causas naturais;
criaram as operações aritméticas e inventaram o sistema decimal e o ábaco. Sobre os
egípcios é correto afirmar também que:
a) Foram conhecidos pelas construções de navios, que os levaram a conquistar as rotas
comerciais para o Ocidente, devido à sua posição geográfica, perto do mar Mediterrâneo.
b) Deixaram, além dos hieróglifos, outros dois sistemas de escrita: o hierático, empregado
para fins práticos, e o demótico, uma forma simplificada e popular do hierático.
c) Praticaram o sacrifício humano como forma de obter chuvas e boas colheitas, haja
vista o território onde se desenvolveram ser desértico.
d) Fizeram uso da escrita cuneiforme, que inicialmente foi utilizada para designar
objetos concretos e depois ganhou maior complexidade.
e) Usaram as pirâmides para fins práticos, como, por exemplo, a observação astronômica.
REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA
ANTERIOR
• (Ufc 2009) - Aos egípcios devemos uma herança rica em cultura, ciência e religiosidade:
eram habilidosos cirurgiões e sabiam relacionar as doenças com as causas naturais;
criaram as operações aritméticas e inventaram o sistema decimal e o ábaco. Sobre os
egípcios é correto afirmar também que:
a) Foram conhecidos pelas construções de navios, que os levaram a conquistar as rotas
comerciais para o Ocidente, devido à sua posição geográfica, perto do mar Mediterrâneo.
b) Deixaram, além dos hieróglifos, outros dois sistemas de escrita: o hierático, empregado
para fins práticos, e o demótico, uma forma simplificada e popular do hierático.
c) Praticaram o sacrifício humano como forma de obter chuvas e boas colheitas, haja
vista o território onde se desenvolveram ser desértico.
d) Fizeram uso da escrita cuneiforme, que inicialmente foi utilizada para designar
objetos concretos e depois ganhou maior complexidade.
e) Usaram as pirâmides para fins práticos, como, por exemplo, a observação astronômica.
• Relacione a coluna II, que apresenta afirmações relativas a povos da Antiguidade,
com a coluna I, que identifica os mesmos.
• COLUNA I
1. Fenícios
2. Hebreus
3. Babilônicos
4. Egípcios
• COLUNA II
• ( ) Os sinais de sua escrita sagrada são conhecidos como hieróglifos.
• ( ) Buscavam e levavam mercadorias por toda a bacia do Mediterrâneo.
• ( ) Os invasores de seu território provocaram a diáspora.
• ( ) Hamurabi unificou o império, desde a Assíria até a Caldeia.
• Relacione a coluna II, que apresenta afirmações relativas a povos da Antiguidade,
com a coluna I, que identifica os mesmos.
• COLUNA I
1. Fenícios
2. Hebreus
3. Babilônicos
4. Egípcios
• COLUNA II
• ( ) Os sinais de sua escrita sagrada são conhecidos como hieróglifos.
• ( ) Buscavam e levavam mercadorias por toda a bacia do Mediterrâneo.
• ( ) Os invasores de seu território provocaram a diáspora.
• ( ) Hamurabi unificou o império, desde a Assíria até a Caldeia.
4, 1, 2, 3
A civilização grega i
A civilização grega i
GEOGRAFIA
• Grécia Antiga = Hélade
• Mediterrâneo Oriental, sul da península Balcânica (Grécia
Continental), as ilhas dos mates Egeu e Jônio (Grécia Insular)
e o litoral da Ásia Menor (Grécia Asiática).
• Solos pobres;
• Pecuária teve um papel relevante na economia;
• Destacaram-se as ilhas de Creta, Eubeia, Delos e Lesbos.
• Dificuldades econômicas + Litoral favorável -> comércio
marítimo -> ocupação do litoral da Ásia Menor.
A civilização grega i
A civilização grega i
A GRÉCIA PRÉ-HOMÉRICA
• Período de povoamento do território grego.
• Povo grego = Heleno
• O povo grego resultou da mistura dos primeiros habitantes com povos invasores
indo-europeus (originários da Ásia Central).
• Pelasgos/pelágios
• Igualdade entre os homens; Não havia propriedade privada
• Divisão coletiva das terras; genos (conjunto de famílias) – COMUNIDADES
GENTÍLICAS
OS CRETENSES
• Civilização marítimo-comercial que
dominava as rotas do Mediterrâneo
Oriental.
• Ilha de Creta
• Cidade de Micenas
• Talassocracia Cretense
• Lenda do Minotauro
OS AQUEUS E OS DÓRIOS
• Aqueus – sociedade micênica
Tradição militarista
Destruíram a cidade de Cnossos
Absorveram a cultura cretense
Inimigos de Troia (Guerra de Troia)
+eólios +jônios
• 1100 a.C. – Invasão dos Dòrios
• Superiores militarmente
• Responsáveis pela desagregação creto-micênica
• 1ª Diáspora Grega -> colonização de outras regiões – Fundaram Mileto, Éfeso, Halicarnasso
• Aumento populacional -> Surgimento da pólis grega
• Propriedade privada e desigualdade social
A FORMAÇÃO DA PÓLIS – PERÍODO
HOMÉRICO
Fim das
comunidades
gentílicas
Fratrias
Tribos Vilarejos
Cidades
Pólis Grega
• Autonomia Política
• Descentralização
• Agricultura
• Formaram colônias
• Comércio Marítimo
O MILITARISMO ESPARTANO
• Regiões da planície da Lacônia e Messênia
• Regime oligárquico.
• Sociedade escravista
• Diarquia
• Um com função militar e o outro administrativa
• Gerúsia – Conselho dos anciãos
• Gerontes - 28
• >60 anos
• Vitalício
Espartanos/esparciatas
Periecos
Hilotas
O MILITARISMO ESPARTANO
• Conselho dos Éforos – Conselho executivo
• Cinco conselheiros eleitos anualmente
pela...
• Examinavam as crianças
• Ápela
• Assembleia para apreciação e aprovação
de leis.
• A educação espartana era voltada para
guerra
• Começava aos 7 anos
• Mulher espartana
• Participava de jogos e competições
esportivas;
• Administrava o patrimônio familiar
quando da ausência do marido.
A SOCIEDADE ATENIENSE
• Localizada na Península da Ática
• Regime político democrático (VI a.C.)
• Escravidão
• Prisioneiros de guerra
• Dìvidas
• Propriedade privada
• Mulheres
• Não tinha direito a cidadania e não era
ativa na sociedade.
• Viviam confinadas nos gineceus.
• Se casavam entre 14 e 16 anos com um
noivo escolhido por seu pai,
Eupatridas
Geomores e
demiurgos
Metecos e
escravos
“O escravo é uma
propriedade instrumental
animada”
Aristóteles
A DEMOCRACIA EM ATENAS
• Drácon (621 a.C.)
• Elabora as leis escritas.
• Igualdade jurídica
• Sólon (594 a.C.)
• Estabeleceu critério censitário para
participação política.
• Reformas econômicas;
• Cria Tribunal popular
• Assembleia Popular (Eclésia)
• Bulé – Corpo legislativo
• Proibiu escravidão por dívidas;
• Suprimiu o direito de primogenitura
• Descontentou eupátridas e a maioria dos
cidadãos.
• Iniciou fase de disputas que acabou com a
implantação da tirania.
• Tirania
• Exercício do poder pessoal e autoritário
• Pisístrato
A DEMOCRACIA EM ATENAS
• Clístenes (506 a.C.)
• Pai da democracia.
• Reformou a legislação e introduziu o
regime democrático.
• Concessão de direitos políticos para todos
os cidadãos e participação direta dos
cidadãos no governo.
• Metecos, escravos e mulheres não eram
considerados cidadãos.
• Cidadão: homens livres, >18 anos, filhos
de pais atenienses e nascidos em Atenas.
• Instituiu o Ostracismo
• Clístenes deu fim as lutas sociais,
inaugurando um período de paz interna.
• Educação
• Os jovens serviam ao exército depois que
completassem 18 anos de idade.
• Formação intelectual formal.
• A democracia escravista ateniense
consolidou-se definitivamente com
Péricles
PRINCIPAIS INSTITUIÇÕES DA ÉPOCA DE
PÉRICLES
• Eclésia
• Todos os cidadãos
• Votação e emenda das leis e propostas
• Política externa (alianças, paz, guerras,
colocação de estrategos)
• Despesas públicas, eleição de
magistrados, atribuição ou destituição
de cidadania.
• Bulé
• Conselho dos 500
• 500 cidadãos de mais de 30 anos (50 de
cada uma das tribos, tirados à sorte,
por um ano);
• Administração geral;
• Preparação das sessões da assembleia;
• Fiscalização dos magistrados;
• Recepção das embaixadas
PRINCIPAIS INSTITUIÇÕES DA ÉPOCA DE
PÉRICLES
• Areópago
• Antigos arcontes;
• Vitalícios;
• Funções religiosas;
• Não desempenhavam papel político
importante durante esse período.
• Estrategos
• 10, eleitos por um ano, mas reelegíveis;
• Comando do exército;
• Negociações das tréguas;
• Influência primordial graças à sua
eleição e eventual reeleição; ao seu
acesso à Bulé; ao seu papel na defesa.
A civilização grega i
A civilização grega i
OBRIGADA PELA ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

EGITO ANTIGO
EGITO ANTIGOEGITO ANTIGO
EGITO ANTIGO
ElvisJohnR
 
Resumão história antiga
Resumão história antigaResumão história antiga
Resumão história antiga
Karoline Oliveira
 
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis JohnRELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
Rainha Maga
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
Douglas Barraqui
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
Vítor Santos
 
Antigo oriente
Antigo orienteAntigo oriente
Antigo oriente
Dênis Valério Martins
 
Povos orientais
Povos orientaisPovos orientais
Povos orientais
terceirob
 
Resumo histórico dos povos
Resumo histórico dos povosResumo histórico dos povos
Resumo histórico dos povos
Julio Cesar
 
Antiguidade Oriental
Antiguidade OrientalAntiguidade Oriental
Antiguidade Oriental
José Augusto Fiorin
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Antiguidade Oriental
Antiguidade OrientalAntiguidade Oriental
Antiguidade Oriental
eiprofessor
 
Hebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia História
Hebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia HistóriaHebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia História
Hebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia História
Pedro Artigas Daiha
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Jose Ribamar Santos
 
03. aula de história geral - grécia antiga
03. aula de história geral - grécia antiga03. aula de história geral - grécia antiga
03. aula de história geral - grécia antiga
Darlan Campos
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Valéria Shoujofan
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
Valdemir França
 
5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médio5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médio
Ajudar Pessoas
 
Grécia.17
Grécia.17Grécia.17
Antigo Oriente
Antigo Oriente Antigo Oriente
Antigo Oriente
Aulas de História
 

Mais procurados (20)

EGITO ANTIGO
EGITO ANTIGOEGITO ANTIGO
EGITO ANTIGO
 
Resumão história antiga
Resumão história antigaResumão história antiga
Resumão história antiga
 
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis JohnRELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
 
A antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípciaA antiga civilização egípcia
A antiga civilização egípcia
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
 
Antigo oriente
Antigo orienteAntigo oriente
Antigo oriente
 
Povos orientais
Povos orientaisPovos orientais
Povos orientais
 
Resumo histórico dos povos
Resumo histórico dos povosResumo histórico dos povos
Resumo histórico dos povos
 
Antiguidade Oriental
Antiguidade OrientalAntiguidade Oriental
Antiguidade Oriental
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 
Antiguidade Oriental
Antiguidade OrientalAntiguidade Oriental
Antiguidade Oriental
 
Hebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia História
Hebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia HistóriaHebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia História
Hebreus; Fenícios; Persas e Povos da Mesopotamia História
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
03. aula de história geral - grécia antiga
03. aula de história geral - grécia antiga03. aula de história geral - grécia antiga
03. aula de história geral - grécia antiga
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médio5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médio
 
Grécia.17
Grécia.17Grécia.17
Grécia.17
 
Antigo Oriente
Antigo Oriente Antigo Oriente
Antigo Oriente
 

Semelhante a A civilização grega i

8. o egito antigo.2015
8. o egito antigo.20158. o egito antigo.2015
8. o egito antigo.2015
Ribamar Santos
 
Aula III.pptx
Aula III.pptxAula III.pptx
Aula III.pptx
MarcosSAntos712741
 
Trabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdf
Trabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdfTrabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdf
Trabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdf
VinciusKusma
 
7.a.egito.2014
7.a.egito.20147.a.egito.2014
7.a.egito.2014
Jose Ribamar Santos
 
História grecia-roma
História   grecia-romaHistória   grecia-roma
História grecia-roma
Murilo Cisalpino
 
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e romaHsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
FernandaAssunoGerman
 
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e romaHsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
FernandaAssunoGerman
 
O egito antigo 2014
O egito antigo   2014O egito antigo   2014
O egito antigo 2014
Nelia Salles Nantes
 
O egito antigo arquitetura
O egito antigo arquiteturaO egito antigo arquitetura
O egito antigo arquitetura
Nelia Salles Nantes
 
Reinos e Sociedades africanas.pptx
Reinos e Sociedades africanas.pptxReinos e Sociedades africanas.pptx
Reinos e Sociedades africanas.pptx
AltairBonini2
 
História grecia-roma - vetor
História   grecia-roma - vetorHistória   grecia-roma - vetor
História grecia-roma - vetor
Murilo Cisalpino
 
Aula 1 hist em
Aula 1   hist emAula 1   hist em
Aula 1 hist em
Walney M.F
 
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e EgitoAula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Gerson Coppes
 
Egito
EgitoEgito
História Geral - Primeira Opção
História Geral - Primeira OpçãoHistória Geral - Primeira Opção
História Geral - Primeira Opção
Thiago Castro Bueno
 
História antiga oriental e ocidental
História antiga oriental e ocidentalHistória antiga oriental e ocidental
História antiga oriental e ocidental
Whistoriapi
 
O egito antigo prof nélia
O egito antigo prof néliaO egito antigo prof nélia
O egito antigo prof nélia
historiando
 
33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf
33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf
33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf
PedroHenrique208263
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
O egito antigo 2013
O egito antigo   2013O egito antigo   2013
O egito antigo 2013
Nelia Salles Nantes
 

Semelhante a A civilização grega i (20)

8. o egito antigo.2015
8. o egito antigo.20158. o egito antigo.2015
8. o egito antigo.2015
 
Aula III.pptx
Aula III.pptxAula III.pptx
Aula III.pptx
 
Trabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdf
Trabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdfTrabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdf
Trabalho sobre HISTORIA ANTIGA - 6º-ANO.pdf
 
7.a.egito.2014
7.a.egito.20147.a.egito.2014
7.a.egito.2014
 
História grecia-roma
História   grecia-romaHistória   grecia-roma
História grecia-roma
 
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e romaHsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
 
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e romaHsc antiguidade clássica, grécia e roma
Hsc antiguidade clássica, grécia e roma
 
O egito antigo 2014
O egito antigo   2014O egito antigo   2014
O egito antigo 2014
 
O egito antigo arquitetura
O egito antigo arquiteturaO egito antigo arquitetura
O egito antigo arquitetura
 
Reinos e Sociedades africanas.pptx
Reinos e Sociedades africanas.pptxReinos e Sociedades africanas.pptx
Reinos e Sociedades africanas.pptx
 
História grecia-roma - vetor
História   grecia-roma - vetorHistória   grecia-roma - vetor
História grecia-roma - vetor
 
Aula 1 hist em
Aula 1   hist emAula 1   hist em
Aula 1 hist em
 
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e EgitoAula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
História Geral - Primeira Opção
História Geral - Primeira OpçãoHistória Geral - Primeira Opção
História Geral - Primeira Opção
 
História antiga oriental e ocidental
História antiga oriental e ocidentalHistória antiga oriental e ocidental
História antiga oriental e ocidental
 
O egito antigo prof nélia
O egito antigo prof néliaO egito antigo prof nélia
O egito antigo prof nélia
 
33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf
33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf
33634_aa1a7b0876d9eb86c2aad93f256dc21d.pdf
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
O egito antigo 2013
O egito antigo   2013O egito antigo   2013
O egito antigo 2013
 

Mais de fernandacarolinestang

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
fernandacarolinestang
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
fernandacarolinestang
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
fernandacarolinestang
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
fernandacarolinestang
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
fernandacarolinestang
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
fernandacarolinestang
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
fernandacarolinestang
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
fernandacarolinestang
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
fernandacarolinestang
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
fernandacarolinestang
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
fernandacarolinestang
 
Civilização grega II
Civilização grega IICivilização grega II
Civilização grega II
fernandacarolinestang
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
fernandacarolinestang
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
fernandacarolinestang
 
Introdução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-HistóriaIntrodução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-História
fernandacarolinestang
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
fernandacarolinestang
 
História do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café IIHistória do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café II
fernandacarolinestang
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
fernandacarolinestang
 
História do brasil 9
História do brasil 9História do brasil 9
História do brasil 9
fernandacarolinestang
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
fernandacarolinestang
 

Mais de fernandacarolinestang (20)

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
 
Civilização grega II
Civilização grega IICivilização grega II
Civilização grega II
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Introdução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-HistóriaIntrodução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-História
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
 
História do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café IIHistória do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café II
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
 
História do brasil 9
História do brasil 9História do brasil 9
História do brasil 9
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
 

Último

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 

Último (20)

FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 

A civilização grega i

  • 1. A CIVILIZAÇÃO GREGA I Fernanda Caroline Stang Cursinho Popular Unioeste
  • 2. REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR • (UFRGS) - Na África, durante a Antiguidade, entre 3000 a.C. e 322 a.C., desenvolveu-se o primeiro Império unificado historicamente conhecido, cuja longevidade e continuidade ainda despertam a atenção de arqueólogos e historiadores. Esse império a) legou a humanidade códigos e compilações de leis. b) desenvolveu a escrita alfabética, dominada por amplos setores da sociedade. c) retinha parcela insignificante do excedente econômico disponível. d) sustentou a crença de que o caráter divino dos reis se transmitia exclusivamente pela via paterna. e) dependia das cheias do rio Nilo para a prática da agricultura.
  • 3. REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR • (UFRGS) - Na África, durante a Antiguidade, entre 3000 a.C. e 322 a.C., desenvolveu-se o primeiro Império unificado historicamente conhecido, cuja longevidade e continuidade ainda despertam a atenção de arqueólogos e historiadores. Esse império a) legou a humanidade códigos e compilações de leis. b) desenvolveu a escrita alfabética, dominada por amplos setores da sociedade. c) retinha parcela insignificante do excedente econômico disponível. d) sustentou a crença de que o caráter divino dos reis se transmitia exclusivamente pela via paterna. e) dependia das cheias do rio Nilo para a prática da agricultura.
  • 4. REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR • (UFC) - O nome do rei egípcio Amenófis IV (c.1377 a.C. - c.1358 a.C.) está ligado à reforma religiosa que substituiu o culto de Amon-Rá por Áton e determinou o fim do politeísmo. Além do caráter religioso, essa reforma buscava: a) limitar a riqueza e o poder político crescentes dos sacerdotes. b) reunificar o Egito, após as disputas promovidas pelos nomarcas. c) pôr fim às revoltas camponesas motivadas pelos cultos antropomórficos. d) reunir a população, por meio da religião, para fortalecer a resistência aos hicsos. e) restabelecer o governo teocrático, após o crescimento da máquina administrativa.
  • 5. REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR • (UFC) - O nome do rei egípcio Amenófis IV (c.1377 a.C. - c.1358 a.C.) está ligado à reforma religiosa que substituiu o culto de Amon-Rá por Áton e determinou o fim do politeísmo. Além do caráter religioso, essa reforma buscava: a) limitar a riqueza e o poder político crescentes dos sacerdotes. b) reunificar o Egito, após as disputas promovidas pelos nomarcas. c) pôr fim às revoltas camponesas motivadas pelos cultos antropomórficos. d) reunir a população, por meio da religião, para fortalecer a resistência aos hicsos. e) restabelecer o governo teocrático, após o crescimento da máquina administrativa.
  • 6. REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR • (Ufc 2009) - Aos egípcios devemos uma herança rica em cultura, ciência e religiosidade: eram habilidosos cirurgiões e sabiam relacionar as doenças com as causas naturais; criaram as operações aritméticas e inventaram o sistema decimal e o ábaco. Sobre os egípcios é correto afirmar também que: a) Foram conhecidos pelas construções de navios, que os levaram a conquistar as rotas comerciais para o Ocidente, devido à sua posição geográfica, perto do mar Mediterrâneo. b) Deixaram, além dos hieróglifos, outros dois sistemas de escrita: o hierático, empregado para fins práticos, e o demótico, uma forma simplificada e popular do hierático. c) Praticaram o sacrifício humano como forma de obter chuvas e boas colheitas, haja vista o território onde se desenvolveram ser desértico. d) Fizeram uso da escrita cuneiforme, que inicialmente foi utilizada para designar objetos concretos e depois ganhou maior complexidade. e) Usaram as pirâmides para fins práticos, como, por exemplo, a observação astronômica.
  • 7. REVISANDO O CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR • (Ufc 2009) - Aos egípcios devemos uma herança rica em cultura, ciência e religiosidade: eram habilidosos cirurgiões e sabiam relacionar as doenças com as causas naturais; criaram as operações aritméticas e inventaram o sistema decimal e o ábaco. Sobre os egípcios é correto afirmar também que: a) Foram conhecidos pelas construções de navios, que os levaram a conquistar as rotas comerciais para o Ocidente, devido à sua posição geográfica, perto do mar Mediterrâneo. b) Deixaram, além dos hieróglifos, outros dois sistemas de escrita: o hierático, empregado para fins práticos, e o demótico, uma forma simplificada e popular do hierático. c) Praticaram o sacrifício humano como forma de obter chuvas e boas colheitas, haja vista o território onde se desenvolveram ser desértico. d) Fizeram uso da escrita cuneiforme, que inicialmente foi utilizada para designar objetos concretos e depois ganhou maior complexidade. e) Usaram as pirâmides para fins práticos, como, por exemplo, a observação astronômica.
  • 8. • Relacione a coluna II, que apresenta afirmações relativas a povos da Antiguidade, com a coluna I, que identifica os mesmos. • COLUNA I 1. Fenícios 2. Hebreus 3. Babilônicos 4. Egípcios • COLUNA II • ( ) Os sinais de sua escrita sagrada são conhecidos como hieróglifos. • ( ) Buscavam e levavam mercadorias por toda a bacia do Mediterrâneo. • ( ) Os invasores de seu território provocaram a diáspora. • ( ) Hamurabi unificou o império, desde a Assíria até a Caldeia.
  • 9. • Relacione a coluna II, que apresenta afirmações relativas a povos da Antiguidade, com a coluna I, que identifica os mesmos. • COLUNA I 1. Fenícios 2. Hebreus 3. Babilônicos 4. Egípcios • COLUNA II • ( ) Os sinais de sua escrita sagrada são conhecidos como hieróglifos. • ( ) Buscavam e levavam mercadorias por toda a bacia do Mediterrâneo. • ( ) Os invasores de seu território provocaram a diáspora. • ( ) Hamurabi unificou o império, desde a Assíria até a Caldeia. 4, 1, 2, 3
  • 12. GEOGRAFIA • Grécia Antiga = Hélade • Mediterrâneo Oriental, sul da península Balcânica (Grécia Continental), as ilhas dos mates Egeu e Jônio (Grécia Insular) e o litoral da Ásia Menor (Grécia Asiática). • Solos pobres; • Pecuária teve um papel relevante na economia; • Destacaram-se as ilhas de Creta, Eubeia, Delos e Lesbos. • Dificuldades econômicas + Litoral favorável -> comércio marítimo -> ocupação do litoral da Ásia Menor.
  • 15. A GRÉCIA PRÉ-HOMÉRICA • Período de povoamento do território grego. • Povo grego = Heleno • O povo grego resultou da mistura dos primeiros habitantes com povos invasores indo-europeus (originários da Ásia Central). • Pelasgos/pelágios • Igualdade entre os homens; Não havia propriedade privada • Divisão coletiva das terras; genos (conjunto de famílias) – COMUNIDADES GENTÍLICAS
  • 16. OS CRETENSES • Civilização marítimo-comercial que dominava as rotas do Mediterrâneo Oriental. • Ilha de Creta • Cidade de Micenas • Talassocracia Cretense • Lenda do Minotauro
  • 17. OS AQUEUS E OS DÓRIOS • Aqueus – sociedade micênica Tradição militarista Destruíram a cidade de Cnossos Absorveram a cultura cretense Inimigos de Troia (Guerra de Troia) +eólios +jônios • 1100 a.C. – Invasão dos Dòrios • Superiores militarmente • Responsáveis pela desagregação creto-micênica • 1ª Diáspora Grega -> colonização de outras regiões – Fundaram Mileto, Éfeso, Halicarnasso • Aumento populacional -> Surgimento da pólis grega • Propriedade privada e desigualdade social
  • 18. A FORMAÇÃO DA PÓLIS – PERÍODO HOMÉRICO Fim das comunidades gentílicas Fratrias Tribos Vilarejos Cidades Pólis Grega • Autonomia Política • Descentralização • Agricultura • Formaram colônias • Comércio Marítimo
  • 19. O MILITARISMO ESPARTANO • Regiões da planície da Lacônia e Messênia • Regime oligárquico. • Sociedade escravista • Diarquia • Um com função militar e o outro administrativa • Gerúsia – Conselho dos anciãos • Gerontes - 28 • >60 anos • Vitalício Espartanos/esparciatas Periecos Hilotas
  • 20. O MILITARISMO ESPARTANO • Conselho dos Éforos – Conselho executivo • Cinco conselheiros eleitos anualmente pela... • Examinavam as crianças • Ápela • Assembleia para apreciação e aprovação de leis. • A educação espartana era voltada para guerra • Começava aos 7 anos • Mulher espartana • Participava de jogos e competições esportivas; • Administrava o patrimônio familiar quando da ausência do marido.
  • 21. A SOCIEDADE ATENIENSE • Localizada na Península da Ática • Regime político democrático (VI a.C.) • Escravidão • Prisioneiros de guerra • Dìvidas • Propriedade privada • Mulheres • Não tinha direito a cidadania e não era ativa na sociedade. • Viviam confinadas nos gineceus. • Se casavam entre 14 e 16 anos com um noivo escolhido por seu pai, Eupatridas Geomores e demiurgos Metecos e escravos “O escravo é uma propriedade instrumental animada” Aristóteles
  • 22. A DEMOCRACIA EM ATENAS • Drácon (621 a.C.) • Elabora as leis escritas. • Igualdade jurídica • Sólon (594 a.C.) • Estabeleceu critério censitário para participação política. • Reformas econômicas; • Cria Tribunal popular • Assembleia Popular (Eclésia) • Bulé – Corpo legislativo • Proibiu escravidão por dívidas; • Suprimiu o direito de primogenitura • Descontentou eupátridas e a maioria dos cidadãos. • Iniciou fase de disputas que acabou com a implantação da tirania. • Tirania • Exercício do poder pessoal e autoritário • Pisístrato
  • 23. A DEMOCRACIA EM ATENAS • Clístenes (506 a.C.) • Pai da democracia. • Reformou a legislação e introduziu o regime democrático. • Concessão de direitos políticos para todos os cidadãos e participação direta dos cidadãos no governo. • Metecos, escravos e mulheres não eram considerados cidadãos. • Cidadão: homens livres, >18 anos, filhos de pais atenienses e nascidos em Atenas. • Instituiu o Ostracismo • Clístenes deu fim as lutas sociais, inaugurando um período de paz interna. • Educação • Os jovens serviam ao exército depois que completassem 18 anos de idade. • Formação intelectual formal. • A democracia escravista ateniense consolidou-se definitivamente com Péricles
  • 24. PRINCIPAIS INSTITUIÇÕES DA ÉPOCA DE PÉRICLES • Eclésia • Todos os cidadãos • Votação e emenda das leis e propostas • Política externa (alianças, paz, guerras, colocação de estrategos) • Despesas públicas, eleição de magistrados, atribuição ou destituição de cidadania. • Bulé • Conselho dos 500 • 500 cidadãos de mais de 30 anos (50 de cada uma das tribos, tirados à sorte, por um ano); • Administração geral; • Preparação das sessões da assembleia; • Fiscalização dos magistrados; • Recepção das embaixadas
  • 25. PRINCIPAIS INSTITUIÇÕES DA ÉPOCA DE PÉRICLES • Areópago • Antigos arcontes; • Vitalícios; • Funções religiosas; • Não desempenhavam papel político importante durante esse período. • Estrategos • 10, eleitos por um ano, mas reelegíveis; • Comando do exército; • Negociações das tréguas; • Influência primordial graças à sua eleição e eventual reeleição; ao seu acesso à Bulé; ao seu papel na defesa.

Notas do Editor

  1. A Grécia Antiga era chamada de Hélade pelos antigos gregos (helenos). Quando falamos em cultura helenística, nos referimos a fusão entre a cultura grega e a cultura macedônica, após os gregos serem conquistados por Alexandre o Grande. A Grécia continental é montanhosa no seu interior e tem um litoral recheado de golfos e baías. Os solos são pobres. A agricultura era praticada nos vales e nas encostas das montanhas. Clima quente e pouco chuvoso, dificultando ainda mais a agricultura. Vamos lembrar que não existia um país Grécia, e sim um mundo Grego.
  2. Péricles -> legislador ateniense. Homero -> Ilíada e Odisseia Antes de Homero foi o período pré-homérico Na Grécia Arcaica houve a formação das Pólis (cidades-estado) Grécia Clássica foi o apogeu grego.
  3. O período mais antigo da história grega nos remete à Ilha de Creta, local de desenvolvimento da civilização cretense ou minoica (derivada do rei Minos) e à cidade de Micenas, centro principal da civilização micênica. Indica o processo histórico anterior à chegada dos invasores indo-europeus responsáveis pelo crescimento populacional e povoamento do território grego. Pelasgos/pelágios – povos que originalmente habitavam a Grécia; de origem desconhecida.
  4. Foi descoberto no Palácio de Cnossos, o Labirinto – pertencente ao lendário rei Minos. A lenda de Minos conta que o rei, filho de Zeus, controlou o Mediterrâneo e colonizou vários povos, submetendo-os ao seu domínio. Minos era casado com Pasífae, filha do Sol, a qual fora tomada de uma súbita paixão por um touro sagrado, saído do mar. Relacionando-se com o animal, Pasífae deu à luz um animal metade homem, metade touro, chamado Minotauro. Construiram um labirinto para aprisionar o Minotauro. Os atenienses, vassalos de Minos eram obrigados a atender às exigências do rei, enviando todo ano sete rapazes e sete moças para alimentar o minutauro. Certa vez, Teseu, filho do rei ateniense, convenceu seu pai a incluí-lo na remessa anual de vítimas. Ao chegar à Ilha de Creta, o jovem conquistou o amor de Ariadne, filha do rei Minos, e com sua ajuda conseguiu matar o Touro de Minos. Acredita-se que a lenda teria sido utilizada pelos gregos para expressar a submissão dos atenienses à supremacia cretense sobre o mar Egeu. 1000 anos antes dos fenícios, estabeleceram hegemonia sobre um vasto domínio do Egeu e sul da Grécia.
  5. Cultura cretense: técnicas de navegação, agricultura, escrita, influência artísticas e religiosas. Por essa razão, muitos historiadores se referem genericamente a uma civilização creto-micênica. Para os historiadores, os poemas homéricos seriam uma representação mais ou menos fiel do mundo micênico. Ilíada: narra fatos de um período de 50 dias na virada do nono para o décimo ano da Guerra em que os gregos derrotaram os troianos. Odisséia – narra as aventuras de Ulisses, no seu difícil retorno para o reino de Ítaca, onde sua fiel esposa Penélope o esperava. A guerra de Troia ocorreu mesmo? Chegada dos invasores, crescimento demográfico, terra se tornando escassa. Choque pela disputa dos terrenos mais férteis. A comunidade gentílica (igualitária) entrou em crise e com a desagregação dos genos surgiram consequentemente a propriedade privada e desigualdade social. Dórios Já conheciam e utilizavam o ferro como matéria prima para fabricação de armas. Tomaram Micenas 1ª diáspora grega: uma parte da população foi escravizada e a outra emigrou para a Ása Menor onde fundou Mileto, Éfeso, Halicarnasso, etc.
  6. Genos se fala “guenos” -> sociedade gentílica é coletivista. 2ª diáspora -> superpopulação, cada um procura coisas pra si. Vão até espanha, Itália, não só Turquia. Roma é fundada em pleno contexto de diáspora grega. O povo romano tem um pezinho na Grécia. A ideia de propriedade privada se expande. Aumentou o comércio. Cidades da Grécia começam a crescer. Com a ideia da pólis, nasce a ideia do que é “público”. O principal efeito da invasão dos dórios foi o fim de todas as formas mais avançadas de organização social e política. O desaparecimento da vida urbana e a volta à economia rural e ao insolamento geraram o aparecimento da forma básica de organização social na Grécia homérica, as comunidades gentílicas ou genos. No sistema dos genos, não existia propriedade privada, tudo era de todos. Era fundamentalmente uma grande comunidade de base familiar, constituindo uma unidade econÇomica social, religiosa e política. Havia uma liderança representada pela figura do pater ou patriarca, um chefe de clã que era também juiz, comandante e autoridade sacerdotal. Ocorreu um processo interno de privatização de propriedade e os genos começaram a lutar entre si. A necessidade de defesa levou a um processo de união. Alguns genos fundiram-se em unidades maiores chamaras fratrias, que por sua vez se uniram formando tribos. Fratrias -> união dos proprietários (aristocracia rural) As cidades estado nunca chegaram a constituir um Estado único na Grécia Antiga A pólis grega possuía total soberania, cada uma tinha seu próprio governante e seu conjunto de leis independentes. Por isso umas desenvolveram a democracia, como Atenas, e outras se mantiveram oligárquicas, como Esparta, por exemplo. Agricultura: produção de cereais e produtos típicos do Mediterrâneo: vinho e azeite. Colonização e povoamento de diversas ilhas no litoral da Ásia Menor, sul da península Itálica e norte da África.
  7. A origem de Esparta é fruto direto da invasão dos dórios e de sua ocupação sobre a planície da Lacônia, na península do Peloponeso. Estenderam seu domínio sobre a região da Messênia, vencendo seus habitantes após um período de cerca de trinta anos de guerra contínua. Resultados da conquista: a disponibilidade de terras tornou-a independente do comércio para prover suas necessidades básicas. E os messênios foram submetidos ao trabalho compunsório, capaz de atender suas carências de mão de obra. Voltaram seu militarismo para a manutenção da ordem interna, criando uma estrutura rígida, aristocrática, fechada. Os periecos, descendentes das populações originais da Lacônia – camada de agricultores livres, cultivando terras periféricas menos férteis e fazendo artesanato e comércio. A elite se dedicava exclusivamente as práticas militares. Esparciata: “espartíata” Espartanos: detentores da propriedade privada/elite rural Periecos: comerciantes e artesãos, habitavam a periferia da pólis. Hilotas: escravos públicos. Estes pertenciam ao Estado e eram cedidos como mão de obra escrava aos espartanos (proprietários) para o cultivo de susas terras) O regime oligárquico espartano era comandado por dois reis (diarquia). Um dos monarcas tinha função militar (responsável pelo comando das tropas em uma guerra) e o outro possuía função administrativa (permanecia na pólis mesmo quando ocorressem as guerras). A gerúsia controlava a ação dos reis.
  8. As crianças do sexo masculino permaneciam com seus pais apenas até os sete anos. A partir dessa idade, os meninos eram entregues ao Estado para que cuidasse de sua educação, voltada à preparação militar. Os principais ensinamentos dos jovens da elite espartana (escravos não tinham acesso a educação militarista) estavam voltados a guerra, a força, a bravura e a disciplina. O controle do Estado se manifestava desde o nascimento, quando as crianças que apresentassem alguma deficiência física que impedisse a sua formação militar eram sacrificadas. Por isso, exigia-se da mulher espartana a prática em jogos e competições esportivas, para que pudessem gerar filhos forte se saudáveis. A mulher espartana gozava de um pouco mais de liberdade e participava mais ativamente da sociedade quando comparada à mulher ateniense. Dos dezoito aos 60 anos, serviam ao exército, podendo casar-se apenas aos trinta anos, quando recebiam seu lote de terra e passavam a ser cidadãos.
  9. Eupatridas: Bem nascidos, aristocracia detentora da propriedade e do poder político Geomores (pequenos proprietários rurais) e demiurgos (comerciantes e artesãos). Metecos e escravos formavam a base da sociedade e não possuíam direitos políticos. Os metecos eram estrangeiros, muitos deles comerciantes que mesmo sendo homens livres, não eram considerados cidadãos. Os escravos eram geralmente prisioneiros de guerra, mas havia também a escravidão por dívidas Diferentemente do hilota espartano que era considerado um servo público, o escravo ateniense pertencia a um aristocrata, tal como a propriedade da terra. Segundo Aristóteles, o escravo é uma propriedade instrumental animada. Esperava-se que as mulheres preparassem a comida, dirigissem a casa e se conservassem à distância. Deviam ficar em casa e caladas, totalmente subordinadas ao marido.
  10. Gradativamente a camada excluída da sociedadefoi exigindo seus direitos políticos. Pressionados, os eupátridas foram obrigados a atender a algumas das reivindicações populares. Primogenitura: só os filhos mais velhos tinham direito a herança. A maior parte da população não possuía o direito à cidadania. Ostracismo: aqueles que fossem considerados inimigos da democracia poderiam ser desterrados (exilados) durante dez anos, perdendo seus direitos políticos. Classe média estava se manifestando, porque não haviam leis escritas, para que todos tivessem a mesma lei. Os aristocratas chama um laranja, o drácon. Fazem leis que ferram com eles. Quem roubar comida vai morrer, mas só pobre rouba comida. Sólon foi como um sol para esses caras. Conseguiu fazer várias reformas. Mas Atenas já estava cheia de escravo, não precisava mais de escravo. Ele cria um Tribunal Popular, o próprio povo pode decidir execuções. O Sólon ainda cria a Assembleia popular (Eclésia), onde os cidadãos vão participar das decisões. Criou a Bulé, reforma censitária, corpo legislativo que vai escrever leis. Antes a participação era censitária, vc precisava ter terras para participar da política. Tirano, alguém acima da lei, não era necessariamente ruim. Pisístrato foi o primeiro. Fez várias obras, o povo apoioi a tirania, mas ele morreu. Deixou os dois filhos no poder. Eles não tinham o samba no pé. Daí os fazendeiros colocaram outro tirano. Clístenes: Não são mais 400 na bulé, são 500. Eclésia: agora 6000 podem participar. 10 líderes, de cada tribo, eleitos pela Eclésia, são estrategos. Demos: povo cracia: poder. Poder na mão do povo, ou cidadão. Pra nós cidadão é qualquer um. Drácon, com seu código de leis, estabelece a igualdade jurídica. Até então as leis eram orais e conhecidas somente pelos eupátridas. Por outro lado, o código foi uma tentativa da aristocracia de conter a agitação social realizada pelo demos. Seus artigos estabeleciam uma defesa da propriedade e poder. As reformas de sólon descontentaram os eupátridas, que agora tinham que dividir o poder com comerciantes ricos. A grande parcela da população continuava destituída de seus poderes e direitos. Mesmo os comerciantes, em número menor que os aristocratas, relutavam em aceitar tal estrutura e com isso perder definitivamente o apoio dos setores populares. Pisístrato chegou ao poder através de um golpe popular. Realizou inúmeras obras públicas para empregar as camas mais pobres. Clístenes foi um tirano
  11. A ascensão de clísteses significou o fim da resistência da aristocracia e, na prática, a ascensão do demos ao poder. Classificou a população em dez tribos, formadas por elemtnso de todas as camadas sociais, anulando as diferenças regionais e a tradicional influência oligárquica. Total igualdade de direitos entre todos os cidadãos, independentemente da origem social ou do grau de riqueza. Tirania: não tinha a conotação atual de um governante que oprime o povo, mas, sim, de um governo acima das leis, mesmo que com características populares. A Bulé era formada por 50 membros de cada tribo escolhidos por sorteio. A Eclésia tinha 6000 cidadãos de todas as camadas sociais. Os poderes executivos e militar foram confiados a dez estrategos, escolhidos pela Eclesia, com mandatos anuais. Ostracismo: suspensão por dez anos dos direitos políticos de cidadãos considerados perigosos para o bem estar público. Clístenes deu fim as lutas sociais, inaugurando um período de paz interna que fez o século seguinte, o século V a.C., o apogeu de Atenas e do Mundo Grego.
  12. No começo, arcontes eram líderes. No começo ficavam dez anos cada um, depois cada um ficava um ano. A evolução política de atenas, foi de monarquia, para oligarquia. No regime oligárquico havia nove magistrados (arcontes). Exerciam poderes milater, religioso, judiziário, e legislativo, assessorados por um conselho composto exclusivamente por eupátridas (areópago). Atenas vendia vinho e azeite.