SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-História
 História – grego – “investigação”
 Quem, onde, quando e por quê
 Sem decoreba de datas e nomes
 Processo Histórico
› A história apresenta um fluxo, uma continuidade
› Sua abordagem é sempre arbitrária
Introdução ao estudo da história e Pré-História
 Capital
 Acumulação de capital
 Antigo Regime
 Revolução
 Divisão Social
› Processo de extratificação
› Divisão estamental (Antigo Oriente e Europa
Feudal)
› Classes
 Ideologia
 Mais-Valia
 Modo de Produção ou
Sistema Econômico
 Primitivo
 Asiático
 Escravista
 Feudal
 Capitalista
 Este modo de produção refere-se à uma formação
econômica e social que abrange o período desde o
surgimento da sociedade humana. Esse é o modo
mais duradouro, pois existiu durante centenas de
milhares de anos.
 Neste caso, os homens trabalhavam em conjunto,
deforma que os frutos deste trabalho eram
propriedade de todos. Não existia ainda o
conceito de propriedade privada dos meios de
produção, ou ainda proprietários. As relações eram
de amizade e ajuda, e também não existia o
estado.
 Neste caso, os meios de produção (terras e
instrumentos de produção) e os escravos tinham
um dono, o seu senhor. Considerado uma
ferramenta, assim como os animais, os escravos
trabalhavam para os senhores sem receber nada
em troca. Esse modo de produção foi marcado pelo
domínio e sujeição.
 Um pequeno número de senhores explorava uma
grande massa de escravos, sendo proprietários
destes, além dos meios de produção e do produto,
não dando direito nenhum dos escravos, que
produziam os bens.
 Predominante na China, Egito, Índia e África
no século passado, o modo de produção
asiático era uma cadeia de hierarquia. Os
escravos eram forçados pelos camponeses,
e estes, por sua vez, eram forçados pelo
Estado a entregar tudo que era produzido.
 O modo de produção feudal foi marcado pela
relação senhores x servos. Os servos, apesar
de não serem propriedade dos seus senhores,
trabalhavam em troca de casa e comida,
sempre um pouco para seus senhores e um
pouco para si mesmos.
 A exploração dos servos era cada vez maior,
fazendo com que o rendimento da agricultura
diminuísse. Além disso, o crescimento dos
artesãos era impedido pelos regulamentos.
 Este modo, provavelmente o mais
conhecido, é caracterizado pelas relações
assalariadas de produção. Os meios de
produção são propriedade privada da
burguesia e o trabalho assalariado. Movido
por lucros, esse modo é demarcado por
duas classes sociais principais: a burguesia
e o trabalhador.
 Pré-capitalismo: fase em que o modo de produção feudal
ainda predomina, mas com relações capitalistas.
 Capitalismo comercial: fase em que a maior parte dos
lucros está concentrada nas mãos dos comerciantes.
Torna-se mais comum o trabalho assalariado.
 Capitalismo industrial: o capital passa a ser investido nas
industrias, tornando essa a atividade econômica mais
importante e tornando firme o trabalho assalariado.
 Capitalismo financeiro: bancos e instituições financeiras
controlam as demais atividades econômicas por meio de
financiamentos.
Introdução ao estudo da história e Pré-História
 O Homo sapiens tem uma idade mínima de
30.000 anos.
Aparecimento
dos
hominídeos
Pré-História
Surgimento da
Escrita
Do surgimento dos hominídeos até o nascimento da
agricultura (+/- 6000 a.C.)
Nômades; Sociedade igualitária
Clãs, gens, tribos
Idade da Pedra Lascada
Madeira, ossos, facas, machados
Caça e Coleta
Controle do Fogo
Pintura rupestre e escultura
Agricultura Sedentarização Calendário
Astronomia Cálculo Urbanização
Pedra Polida,
enxada, tear
Extratificação
Social
Introdução ao estudo da história e Pré-História

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
Vânia Franco
 
Historia do trabalho
Historia do trabalhoHistoria do trabalho
Historia do trabalho
Atividades Diversas Cláudia
 
O Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e SindicalismoO Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e Sindicalismo
Mafalda Batista
 
Modos de produção
Modos de produçãoModos de produção
Modos de produção
Marcela Marangon Ribeiro
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
Ariella Araujo
 
A vida do operário
A vida do operárioA vida do operário
A vida do operário
eb23ja
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
Luisa Lamas
 
A vida do oper+írio no s+®culo xix
A vida do oper+írio no s+®culo xixA vida do oper+írio no s+®culo xix
A vida do oper+írio no s+®culo xix
eb23ja
 
Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1
Rafael Barros
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
luisant
 
Operariado
OperariadoOperariado
Operariado
Carla Teixeira
 
Trabalho ao longo da história
Trabalho ao longo da históriaTrabalho ao longo da história
Trabalho ao longo da história
Kamila Peixotto
 
Movimento operário
Movimento operárioMovimento operário
Movimento operário
Maria Gomes
 
Modo de produção asiatico
Modo de produção asiaticoModo de produção asiatico
Modo de produção asiatico
Elaine Santos
 
Aula 1 história do direito do trabalho
Aula 1   história do direito do trabalhoAula 1   história do direito do trabalho
Aula 1 história do direito do trabalho
professorluizhenrique
 
Trabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismoTrabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismo
Péricles Penuel
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
João Grego
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
Isabella Silva
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
eb23ja
 
Trabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasilTrabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasil
André Prof. História Lopes
 

Mais procurados (20)

01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
Historia do trabalho
Historia do trabalhoHistoria do trabalho
Historia do trabalho
 
O Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e SindicalismoO Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e Sindicalismo
 
Modos de produção
Modos de produçãoModos de produção
Modos de produção
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
A vida do operário
A vida do operárioA vida do operário
A vida do operário
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
 
A vida do oper+írio no s+®culo xix
A vida do oper+írio no s+®culo xixA vida do oper+írio no s+®culo xix
A vida do oper+írio no s+®culo xix
 
Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1Mundo do trabalho - parte 1
Mundo do trabalho - parte 1
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
Operariado
OperariadoOperariado
Operariado
 
Trabalho ao longo da história
Trabalho ao longo da históriaTrabalho ao longo da história
Trabalho ao longo da história
 
Movimento operário
Movimento operárioMovimento operário
Movimento operário
 
Modo de produção asiatico
Modo de produção asiaticoModo de produção asiatico
Modo de produção asiatico
 
Aula 1 história do direito do trabalho
Aula 1   história do direito do trabalhoAula 1   história do direito do trabalho
Aula 1 história do direito do trabalho
 
Trabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismoTrabalho e capitalismo
Trabalho e capitalismo
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 
Trabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasilTrabalho e sociedade no brasil
Trabalho e sociedade no brasil
 

Semelhante a Introdução ao estudo da história e Pré-História

modosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdfmodosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdf
Augusto Pinto
 
Fundamentos econômicos da sociedade
Fundamentos econômicos da sociedadeFundamentos econômicos da sociedade
Fundamentos econômicos da sociedade
Isabella Silva
 
O poder do macho II
O poder do macho II O poder do macho II
O poder do macho II
Juliana
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
Daniele Rubim
 
Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
Alexandre Misturini
 
Feudalismo e capitalismo
Feudalismo e capitalismoFeudalismo e capitalismo
Feudalismo e capitalismo
Marília Silva
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
Raphaelszm
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
Isabella Silva
 
Sociedade e Modo de Produção.pdf
Sociedade e Modo de Produção.pdfSociedade e Modo de Produção.pdf
Sociedade e Modo de Produção.pdf
MarcusAurelius54
 
8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo
AlessandroRubens
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
Lucio Oliveira
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Emerson Ricardo
 
Processo de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismoProcesso de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismo
Daniele Rubim
 
Resumo de história
Resumo de históriaResumo de história
Resumo de história
Marcos Schwartz
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Renato Feliciano
 
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptxO QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
MarlenePastor2
 
CAPITALISMO.docx
CAPITALISMO.docxCAPITALISMO.docx
CAPITALISMO.docx
YagoHenrique22
 
Seminário História e região: tendências e perspectivas
Seminário História e região: tendências e perspectivasSeminário História e região: tendências e perspectivas
Seminário História e região: tendências e perspectivas
Carolina Seixas Lima
 
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EMIECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
profrodrigoribeiro
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
Davi Gonçalves Valério
 

Semelhante a Introdução ao estudo da história e Pré-História (20)

modosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdfmodosdeproduoção .pdf
modosdeproduoção .pdf
 
Fundamentos econômicos da sociedade
Fundamentos econômicos da sociedadeFundamentos econômicos da sociedade
Fundamentos econômicos da sociedade
 
O poder do macho II
O poder do macho II O poder do macho II
O poder do macho II
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
 
Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
 
Feudalismo e capitalismo
Feudalismo e capitalismoFeudalismo e capitalismo
Feudalismo e capitalismo
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Fundamentos econômicos
Fundamentos econômicosFundamentos econômicos
Fundamentos econômicos
 
Sociedade e Modo de Produção.pdf
Sociedade e Modo de Produção.pdfSociedade e Modo de Produção.pdf
Sociedade e Modo de Produção.pdf
 
8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo8º série modo de produção capitalismo
8º série modo de produção capitalismo
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Processo de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismoProcesso de trabalho 2 - feudalismo
Processo de trabalho 2 - feudalismo
 
Resumo de história
Resumo de históriaResumo de história
Resumo de história
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptxO QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
 
CAPITALISMO.docx
CAPITALISMO.docxCAPITALISMO.docx
CAPITALISMO.docx
 
Seminário História e região: tendências e perspectivas
Seminário História e região: tendências e perspectivasSeminário História e região: tendências e perspectivas
Seminário História e região: tendências e perspectivas
 
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EMIECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
 

Mais de fernandacarolinestang

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
fernandacarolinestang
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
fernandacarolinestang
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
fernandacarolinestang
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
fernandacarolinestang
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
fernandacarolinestang
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
fernandacarolinestang
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
fernandacarolinestang
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
fernandacarolinestang
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
fernandacarolinestang
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
fernandacarolinestang
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
fernandacarolinestang
 
Civilização grega II
Civilização grega IICivilização grega II
Civilização grega II
fernandacarolinestang
 
A civilização grega i
A civilização grega iA civilização grega i
A civilização grega i
fernandacarolinestang
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
fernandacarolinestang
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
fernandacarolinestang
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
fernandacarolinestang
 
História do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café IIHistória do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café II
fernandacarolinestang
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
fernandacarolinestang
 
História do brasil 9
História do brasil 9História do brasil 9
História do brasil 9
fernandacarolinestang
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
fernandacarolinestang
 

Mais de fernandacarolinestang (20)

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
 
Civilização grega II
Civilização grega IICivilização grega II
Civilização grega II
 
A civilização grega i
A civilização grega iA civilização grega i
A civilização grega i
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
 
História do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café IIHistória do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café II
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
 
História do brasil 9
História do brasil 9História do brasil 9
História do brasil 9
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Introdução ao estudo da história e Pré-História

  • 3.  História – grego – “investigação”  Quem, onde, quando e por quê  Sem decoreba de datas e nomes  Processo Histórico › A história apresenta um fluxo, uma continuidade › Sua abordagem é sempre arbitrária
  • 5.  Capital  Acumulação de capital  Antigo Regime  Revolução  Divisão Social › Processo de extratificação › Divisão estamental (Antigo Oriente e Europa Feudal) › Classes
  • 6.  Ideologia  Mais-Valia  Modo de Produção ou Sistema Econômico
  • 7.  Primitivo  Asiático  Escravista  Feudal  Capitalista
  • 8.  Este modo de produção refere-se à uma formação econômica e social que abrange o período desde o surgimento da sociedade humana. Esse é o modo mais duradouro, pois existiu durante centenas de milhares de anos.  Neste caso, os homens trabalhavam em conjunto, deforma que os frutos deste trabalho eram propriedade de todos. Não existia ainda o conceito de propriedade privada dos meios de produção, ou ainda proprietários. As relações eram de amizade e ajuda, e também não existia o estado.
  • 9.  Neste caso, os meios de produção (terras e instrumentos de produção) e os escravos tinham um dono, o seu senhor. Considerado uma ferramenta, assim como os animais, os escravos trabalhavam para os senhores sem receber nada em troca. Esse modo de produção foi marcado pelo domínio e sujeição.  Um pequeno número de senhores explorava uma grande massa de escravos, sendo proprietários destes, além dos meios de produção e do produto, não dando direito nenhum dos escravos, que produziam os bens.
  • 10.  Predominante na China, Egito, Índia e África no século passado, o modo de produção asiático era uma cadeia de hierarquia. Os escravos eram forçados pelos camponeses, e estes, por sua vez, eram forçados pelo Estado a entregar tudo que era produzido.
  • 11.  O modo de produção feudal foi marcado pela relação senhores x servos. Os servos, apesar de não serem propriedade dos seus senhores, trabalhavam em troca de casa e comida, sempre um pouco para seus senhores e um pouco para si mesmos.  A exploração dos servos era cada vez maior, fazendo com que o rendimento da agricultura diminuísse. Além disso, o crescimento dos artesãos era impedido pelos regulamentos.
  • 12.  Este modo, provavelmente o mais conhecido, é caracterizado pelas relações assalariadas de produção. Os meios de produção são propriedade privada da burguesia e o trabalho assalariado. Movido por lucros, esse modo é demarcado por duas classes sociais principais: a burguesia e o trabalhador.
  • 13.  Pré-capitalismo: fase em que o modo de produção feudal ainda predomina, mas com relações capitalistas.  Capitalismo comercial: fase em que a maior parte dos lucros está concentrada nas mãos dos comerciantes. Torna-se mais comum o trabalho assalariado.  Capitalismo industrial: o capital passa a ser investido nas industrias, tornando essa a atividade econômica mais importante e tornando firme o trabalho assalariado.  Capitalismo financeiro: bancos e instituições financeiras controlam as demais atividades econômicas por meio de financiamentos.
  • 15.  O Homo sapiens tem uma idade mínima de 30.000 anos. Aparecimento dos hominídeos Pré-História Surgimento da Escrita
  • 16. Do surgimento dos hominídeos até o nascimento da agricultura (+/- 6000 a.C.) Nômades; Sociedade igualitária Clãs, gens, tribos Idade da Pedra Lascada Madeira, ossos, facas, machados Caça e Coleta Controle do Fogo Pintura rupestre e escultura
  • 17. Agricultura Sedentarização Calendário Astronomia Cálculo Urbanização Pedra Polida, enxada, tear Extratificação Social

Notas do Editor

  1. História -> compreensão mais ampla do presente através do estudo das condições que o criaram.