8. o egito antigo.2015

879 visualizações

Publicada em

Características do Egito Antigo.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
879
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
276
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

8. o egito antigo.2015

  1. 1. AULA DE HISTÓRIA. O EGITO ANTIGO. PROFESSOR SeuRiba. Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. 1 Coríntios 13
  2. 2. I - ASPECTOS GEOGRÁFICOS. LOCALIZAÇÃO: NORTE DA ÁFRICA. PROXIMO DO DESERTO DO SAARA, UM OÁSSIS. GRUPOS DE CAÇADORES E COLETORES SE ESTABELECERAM NO LOCAL. TERRAS FERTES. PONTO DE CONFLUÊNCIA. FAVORECEU O CRESCIMENTO POPULACIONAL. ( 7 MILHÕES DE PESSOAS) Obs: civilização potâmica; ligada ao desenvolvimento do rio Nilo.
  3. 3.  II – FORMAÇÃO. Primeiros grupos de caçadores e coletores. Desenvolvimento da agricultura (irrigação, canais e diques) Organizados em nomos (pequenos estados). Formaram dois reinos: o alto e o baixo. 3200 – Mênes unificou (centralizou o estado) Inicio do poder teocrático e do antigo império.
  4. 4. IV – ECONOMIA Agricultura- atividade mais importante Construção de obras (pontes, canais, palácios, pirâmides, templos, etc.) Outros produtos: Caça, pesca vinho, pão, cerveja de trigo e cevada. Papiro – barcos, cordas, redes e papel.
  5. 5. III – sociedade. Rigidamente hierarquizada. Faraó Alta burocracia (funcionários,sacerdotes e militares) Trabalhadores em geral (camponeses artesões e poucos escravos). Obs. Servidão coletiva.
  6. 6. Antigo Império (3200 a.C. – 2300 a.C.)  Capital: Mênfis foi inventada a escrita hieroglífica. Construção das grandes pirâmides de Gizé, entre as quais as mais conhecidas são as de Quéops, Quéfrem e Miquerinos. Esses monumentos, feitos com blocos de pedras sólidas, serviam de túmulos para os faraós. Tais construções exigiam avançadas técnicas de engenharia e grande quantidade de mão-de-obra. Invasão dos povos nômades: fragmentação do poder Médio Império (c. 2040-1580 a.C.) Durante 200 anos o Antigo Egito foi palco de guerras internas marcadas pelo confronto entre o poder central do faraó e os governantes locais – nomarcas. A partir de 2040 a.C., uma dinastia poderosa (a 12ª) passou a governar o País iniciando o período mais glorioso do Antigo Egito: o Médio Império. Nesse período:
  7. 7. Médio Império. Nesse período: •Capital: Tebas •Poder político: o faraó dividia o trono com seu filho para garantir a sucessão ainda em vida •Poder central controlava rigorosamente todo o país •Estabilidade interna coincidiu com a expansão territorial •Recenseamento da população, das cabeças de gado e de terras aráveis visando a fixação de impostos •Dinamismo econômico Os Hicsos Rebeliões de camponeses e escravos enfraqueceram a autoridade central no final do Médio Império, permitindo aos hicsos - um povo de origem caucasiana com grande poderio bélico que havia se estabelecido no Delta do Nilo – conquistar todo o Egito (c.1700 a.C.). Os hicsos conquistaram e controlaram o Egito até 1580 a.C. quando o chefe militar de Tebas derrotou-os. Iniciou-se, então, um novo período na história do Egito Antigo, que se tornou conhecido como Novo Império. As contribuições dos hicsos foram: •fundição em bronze •uso de cavalos •carros de guerra •tear vertical Adaga de bronze do faraó Amósis I.
  8. 8. O Egito expulsou os hicsos conquistando, em seguida, a Síria e a Palestina. Capital: Tebas. •Dinastia governante descendente de militares. •Aumento do poder dos sacerdotes e do prestígio social de militares e burocratas. •Militarismo e expansionismo, especialmente sob o reinado dos faraós Tutmés e Ramsés. •Conquista da Síria, Fenícia, Palestina, Núbia, Mesopotâmia, Chipre, Creta e ilhas do Mar Egeu. •Afluxo de riqueza e escravos e aumento da atividade comercial controlada pelo Estado. •Amenófis IV promoveu uma reforma religiosa para diminuir a autoridade dos sacerdotes e fortalecer seu poder implantando o monoteísmo (a crença numa única divindade) durante seu reino. •Invasões dos “povos do mar” (ilhas do Mediterrâneo) e tribos nômades da Líbia conseqüente perda dos territórios asiáticos. •Invasão dos persas liderados por Cambises. •Fim da independência política. Com o fim de sua independência política o Egito foi conquistado em 343 a.C. pelos persas. Em 332 a.C. passou a integrar o Império Macedônio e, a partir
  9. 9.  ASPECTOS CULTURAIS  A cultura era privilégio das altas camadas.  Destaque para engenharia e arquitetura (grandes obras de irrigação, templos, palácios).  Desenvolvimento de técnicas de irrigação e construção de barcos.  Desenvolvimento da técnica de mumificação de corpos.  Conhecimento da anatomia humana.  Avanços na Medicina.  Escrita pictográfica (hieróglifos).  Calendário lunar.  Avanços na Astronomia e na Matemática, tendo como finalidade a previsão de cheias e vazantes.  Desenvolvimento do sistema decimal. Mesmo sem conhecer o zero, os egípcios criaram os fundamentos da Geometria e do Cálculo.  Engenharia e Artes.   Jogavam xadrez. • Cruz Ansata: Um dos mais importantes símbolos da cultura egípcia. A Cruz Ansata consistia em um hieróglifo representando a regeneração e a vida eterna. A idéia expressa em sua simbologia é a do círculo da vida sobre a superfície da matéria inerte. Existe também a interpretação que faz uma analogia de seu formato ao homem, onde o círculo representa sua cabeça, o eixo horizontal os braços e o vertical o resto do corpo.  
  10. 10. ASPECTOS RELIGIOSOS •Politeísmo •Culto ao deus Sol (Amom – Rá) •As divindades são representadas com formas humanas (politeísmo antropomórfico), com corpo de animal ou só com a cabeça de um bicho (politeísmo antropozoomórfico) •Crença na vida após a morte (Tribunal de Osíris), daí a necessidade de preservar o cadáver, desenvolvimento de técnicas de mumificação, aprimoramento de conhecimentos médico-anatômicos. Deusa Bastet, deusa da fertilidade e do amor no antigo Egipto.
  11. 11. 3) (FAC. MED. AMIN) "Salve, ó Nilo (...) regas a terra em toda parte, ó deus dos grãos, senhor dos peixes, produtor do trigo e da cevada (...) Logo tuas águas se erguem (...) todo ventre se agita, o dorso é sacudido de alegria e os dentes rangem." O trecho acima celebra: a) o Egito, região quente e seca como o Saara; b) a crença numa vida de além-túmulo e as dores do parto; c) o relativo isolamento do vale, limitado pelos desertos da Arábia e da Líbia; d) as nascentes desconhecidas do Rio Nilo; e) o poder criador do regime das cheias e das vazantes do rio Nilo, que deixavam no solo um lodo de grande fertilidade. 4) (UFC) O nome do rei egípcio Amenófis IV (c.1377 a.C. - c.1358 a.C.) está ligado à reforma religiosa que substituiu o culto de Amon-Rá por Áton e determinou o fim do politeísmo. Além do caráter religioso, essa reforma buscava: a) limitar a riqueza e o poder político crescentes dos sacerdotes. b) reunificar o Egito, após as disputas promovidas pelos nomarcas. c) pôr fim às revoltas camponesas motivadas pelos cultos antropomórficos. d) reunir a população, por meio da religião, para fortalecer a resistência aos hicsos. e) restabelecer o governo teocrático, após o crescimento da máquina administrativa. 5) (UNISC-2013) A egiptomania se caracteriza pela apropriação contemporânea de elementos do Egito Antigo. A esse respeito afirma Bakos que “às vezes, sem percebermos, convivemos diariamente com símbolos e objetos típicos das civilizações dos faraós, elementos que atravessaram os séculos e que chegaram até nós, adaptados, estilizados ou elementos simplesmente decalcados de seus antigos modelos originais.” (BAKOS, Margaret. Egiptomania: o Egito no Brasil. São Paulo: Paris Editora, 2004, p. 10). Essa apropriação contemporânea é perceptível a) em representações da deusa Ísis em diversos suvenires. b) na utilização da deusa Ishtar como amuleto da sorte. c) em réplicas da deusa Afrodite como símbolo da fertilidade. d) em ritos de iniciação maçônica onde, de forma estilizada, a deusa Minerva representa a sabedoria. e) na utilização do símbolo de Astarte, deusa da Folia, em festividades celebrativas do vinho.
  12. 12. FIQUEM EM PAZ. Fontes : gloogle imagens. APOSTILA FTD. http://gifs-animados.lwam.com.br/tag/gifs-animados-de-maos-batendo-palmas/ Acessado dia 13/02/15. FELIZ 2015. FIQUEM EM PAZ. Gabarito: 1 – E/ 2 – D/ 3 E / 4 A / 5 A.

×