SlideShare uma empresa Scribd logo
CIVILIZAÇÃO GREGA II
Civilização grega II
GUERRAS MÉDICAS
• Consequência dos choques entre o
expansionismo grego e persa na Ásia Menor.
• “Guerras greco-pérsicas”
• Primeira Guerra Médica (492 a.C.)
• Dario I
• Batalha de Maratona
• O ateniense Milcíades conteve a ofensiva persa
GUERRAS MÉDICAS
• Segunda Guerra Médica (480 a.C.)
• Xerxes
• Simaquia Grega – Aliança defensiva
• Leônidas e os 300 espartanos pereceram no desfiladeiro de
Termópilas
• Atenas foi incendiada
• Os gregos, comandados por Temístocles, obtiveram uma vitória na
Batalha Naval de Salamina
• Tratrado de Susa/ Paz de Kalias
• 448 a.C.
• Fim das Guerras Médicas
• Persas reconheciam a hegemonia dos gregos no mar Egeu e
prometiam não atacar mais a Grécia ou suas colônias na Ásia.
APOGEU DE ATENAS
• Confederação/Liga de Delos Atenas
se tornou um grande império marítimo e
comercial.
• Imperialismo ateniense
• Liga do Peloponeso
• Guerra do Peloponeso
• Fruto da rivalidade entre as cidades
gregas;
• Durou 27 anos
• Vitória de Esparta sobre Atenas
• Batalha de Leuctras (371 a.C.)
• Fim da hegemonia espartana;
• Liderança de Tebas.
Consequências:
• Enfraquecimento militar do
mundo grego
• Permitiu que fossem conquistados
por Filipe II da Macedônia
O IMPÉRIO MACEDÔNICO
• Filipe II
• Centralização político-militar
• 338 a.C. conquistou a Grécia
na BATALHA DE
QUERONEIA
• Alexandre
• Conquistou o Império Persa
• Conquistou da Macedônia ao
Oceano Índico e do Egito até
a Índia.
• Processo de helenização no
oriente.
O PROCESSO DE HELENIZAÇÃO NO
ORIENTE
• Circulação das riquezas asiáticas;
• Desenvolvimento das relações Europa-Oriente, com ampliação de
rotas comerciais e fundação de portos e cidades;
• Fusão de povos (casamento entre helenos e orientais);
• Difusão da língua, da arte e do pensamento helênico (grego);
• Filosofia: estoicismo e epicurismo
• Matemática: Euclides
• Fìsica: Arquimedes
• A cidade de Alexandria ficou famosa por seus museus e por sua
biblioteca de 500.000 obras.
ARTES
• Período Geométrico (900/700 a.C.)
• As cerâmicas eram decoradas com desenhos
abstratos: triângulos, formas em xadrez e
círculos concêntricos.
• Templos de madeira ou de tijolos crus;
esculturas de terracota (terra cozida); aspecto
geral pobre.
ARTES
• Período Arcaico (700/480 a.C.)
• Os pintores de vasos procuram contar histórias.
Riqueza de conhecimentos anatômicos e a
surpreendente ilusão de existirem três dimensões.
• Ideal aristocrático de beleza corporal e espiritual (o
belo e bom).
• Influência egípcia na escultura.
• Grandes estátuas arcaicas de jovens (kouros) e de
donzelas (Koré)
• Arquitetura: construção de edifícios inteiramente
de pedras; aumento das dimensões.
ARTES
• Período Clássico (480/323 a.C.)
• Arquitetura: mármore e pedras.
• V a.C. – Século de Pericles – Apogeu – a Acrópole recebeu belas construções, como o
Paternon.
• A arquitetura grega apresentava três estilos: dórico, jônico e coríntio (diferenciamos pelo
capitel).
• Escultura: mármore e bronze. Tema central: figura humana, exaltada em harmoniosas
formas de grande beleza.
• Pintura: retratavam a maneira de viver, os amores, a vida cotidiana, os feitos guerreiros e
lances heroicos de reis e deuses helênicos.
ESTILOS ARQUITETÔNICOS
TEATRO
• Nasceu com as festas ao deus Dionísio.
• De comos (em grego: procissão alegre) originou-se a
comédia e de tragos (=bode) e ode (=canto, uma parte do
culto dionisíaco) nasceu a tragédia.
• Comédia: satirizava os costumes da época.
• Tragédia: discutiam os destinos, as paixões e a justiça.
• Poetas trágicos: Ésquilo, Sófocles e Eurípedes.
• Comédia: Aristófanes.
JOGOS OLÍMPICOS
• Ocorriam em Olímpia, em homenagem a Zeus.
• A partir de 776 a.C., passaram a ocorrer de 4 em 4 anos.
• Delfos (jogos píticos), Corinto (jogos ístmicos) e Nemeia (jogos nemeus)
• Modalidades
• Corrida a pé, de velocidade ou de fundo;
• Corrida com armas disputada no estádio;
• Corrida de tochas;
• Corrida a cavalo e corrida de carros, no hipódromo;
• Luta sem armas; boxe, com correias de couro (como luvas)
• Só os homens podiam competir (concorriam nus).
• Prêmio: coroas. Em sua cidade natal, os corredores eram recebidos como heróis
AS CIÊNCIAS
• Não havia distinção entre filosofia e ciência.
• Filosofia: “um sério esforço para compreender o mundo e o homem”
• Elaboraram um saber racional autônomo, independente das tradições místicas e
religiosas.
• Ruptura com o pensamento mítico como forma de explicar a realidade.
• O mito sobreviveu, mas perdeu importância.
SÓCRATES
• Combatia os sofistas.
• Acreditava que era necessário chegar ao saber
verdadeiro e obrigatório.
• Professor de Platão.
• “Conhece-te a ti mesmo”
• “Só sei que nada sei”
• Método: maiêutica (parto de ideias)
• Acusado de corromper a juventude e de introduzir
novos deuses.
PLATÃO
• “Teoria das ideias” – Mundo dos arquétipos, modelos perfeitos e eternos, e um
mundo sensível, pálido reflexo das ideias perfeitas.
• Principais obras:
• Diálogos
• Banquete (sobre o amor)
• Fédon (sobre a imortalidade da alma)
• República (em que propõe uma sociedade ideal, na qual haveria três classes: filósofos,
soldados e o povo)
• Leis (que ficou incompleta)
• Escola: Academia.
PLATÃO PICA DAS GALÁXIAS
ARISTÓTELES
• Aluno de Platão.
• Método: peripatética: ensinava em
passeios.
• Escola: Liceu
• Principal obra: Política
• Definiu democracia (governo do povo,
pelo povo)
OUTRAS ÁREAS
• Medicina: Hipócrates de Cós
• História: Heródoto, Tucídides e Xenofonte
• Astronomia: Aristarco de Samos
• Matemática: Tales, Pitágoras, Euclides, Arquimedes.
• Poesia: Homero (Ilíada e Odisseia), Safo.
• Oratória: Demóstenes.
OBRIGADA PELA ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escultura grega classica
Escultura grega classica Escultura grega classica
Escultura grega classica
Lorredana Pereira
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
Carla Freitas
 
Arte grega parte 2
Arte grega  parte 2Arte grega  parte 2
Arte grega parte 2
Carla Teixeira
 
Policleto artista grego - história
Policleto   artista grego - históriaPolicleto   artista grego - história
Policleto artista grego - história
antoniopedropinheiro
 
Cultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura gregaCultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura grega
Carlos Vieira
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
Carla Freitas
 
Resumo Cultura do Ágora - HCA
Resumo Cultura do Ágora - HCAResumo Cultura do Ágora - HCA
Resumo Cultura do Ágora - HCA
Dylan Bonnet
 
Arte Clássica
Arte ClássicaArte Clássica
Arte Clássica
CPH
 
Arquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega AntigaArquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega Antiga
duartcr
 
Arte grega escultura
Arte grega   esculturaArte grega   escultura
Arte grega escultura
Filllipe
 
Arte Grega Clássica
Arte Grega ClássicaArte Grega Clássica
Arte Grega Clássica
anonimopontopt
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
Flávia Marques
 
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
O  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte gregaO  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte grega
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
Carlos Pinheiro
 
A origem da maçonaria por maximo
A origem da maçonaria   por maximoA origem da maçonaria   por maximo
A origem da maçonaria por maximo
Maximo Souza
 
Escultura Grega
Escultura GregaEscultura Grega
Escultura Grega
artes10n
 
Um a historia da maconaria
Um a historia da maconariaUm a historia da maconaria
Um a historia da maconaria
Jose Renato Dos Santos
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Carla Freitas
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Hca Faro
 
Tema Paralelo Maçonaria Rafael Noronha
Tema Paralelo   Maçonaria   Rafael NoronhaTema Paralelo   Maçonaria   Rafael Noronha
Tema Paralelo Maçonaria Rafael Noronha
Rafael Noronha
 

Mais procurados (20)

Escultura grega classica
Escultura grega classica Escultura grega classica
Escultura grega classica
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
Arte grega parte 2
Arte grega  parte 2Arte grega  parte 2
Arte grega parte 2
 
Policleto artista grego - história
Policleto   artista grego - históriaPolicleto   artista grego - história
Policleto artista grego - história
 
Cultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura gregaCultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura grega
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
Resumo Cultura do Ágora - HCA
Resumo Cultura do Ágora - HCAResumo Cultura do Ágora - HCA
Resumo Cultura do Ágora - HCA
 
Arte Clássica
Arte ClássicaArte Clássica
Arte Clássica
 
Arquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega AntigaArquitectura Grega Antiga
Arquitectura Grega Antiga
 
Arte grega escultura
Arte grega   esculturaArte grega   escultura
Arte grega escultura
 
Arte Grega Clássica
Arte Grega ClássicaArte Grega Clássica
Arte Grega Clássica
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
O  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte gregaO  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte grega
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
 
A origem da maçonaria por maximo
A origem da maçonaria   por maximoA origem da maçonaria   por maximo
A origem da maçonaria por maximo
 
Escultura Grega
Escultura GregaEscultura Grega
Escultura Grega
 
Um a historia da maconaria
Um a historia da maconariaUm a historia da maconaria
Um a historia da maconaria
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1   pintura e cerâmica grega regularMódulo 1   pintura e cerâmica grega regular
Módulo 1 pintura e cerâmica grega regular
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
 
Tema Paralelo Maçonaria Rafael Noronha
Tema Paralelo   Maçonaria   Rafael NoronhaTema Paralelo   Maçonaria   Rafael Noronha
Tema Paralelo Maçonaria Rafael Noronha
 

Semelhante a Civilização grega II

Grécia - Período Clássico.pptx
Grécia - Período Clássico.pptxGrécia - Período Clássico.pptx
Grécia - Período Clássico.pptx
DanielSchmaltz
 
Arte grega 2019
Arte grega 2019Arte grega 2019
Arte grega 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
CIVILIZAÇÃO GREGA
CIVILIZAÇÃO GREGACIVILIZAÇÃO GREGA
CIVILIZAÇÃO GREGA
Cristina Soares
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
Endelion
 
3 arte grega 2020
3 arte grega 20203 arte grega 2020
3 arte grega 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
01 a origem da filosofia
01 a origem da filosofia01 a origem da filosofia
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
Ricardo Staiger
 
Arte grega 2017
Arte grega 2017Arte grega 2017
Arte grega 2017
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade MédiaRevisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Maiara Giordani
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
guestf7402f6
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
Camila
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
josepinho
 
Aula 02 o mundo grego e a democracia
Aula 02   o mundo grego e a democraciaAula 02   o mundo grego e a democracia
Aula 02 o mundo grego e a democracia
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
Ciência antiga e medieval
Ciência antiga e medievalCiência antiga e medieval
Ciência antiga e medieval
Thayro Soares da Paixão
 
Antiguidade clássica romanos
Antiguidade clássica   romanosAntiguidade clássica   romanos
Antiguidade clássica romanos
Maiara Giordani
 
Nteha10 cd ppt1
Nteha10 cd ppt1Nteha10 cd ppt1
Nteha10 cd ppt1
Carlos Ferreira
 
PISM MÓDULO I
PISM MÓDULO IPISM MÓDULO I
ARTE GREGA
ARTE  GREGAARTE  GREGA
ARTE GREGA
Cristiane Seibt
 
Hist 0004 história antiga grécia
Hist 0004 história antiga gréciaHist 0004 história antiga grécia
Hist 0004 história antiga grécia
Lilian Larroca
 

Semelhante a Civilização grega II (20)

Grécia - Período Clássico.pptx
Grécia - Período Clássico.pptxGrécia - Período Clássico.pptx
Grécia - Período Clássico.pptx
 
Arte grega 2019
Arte grega 2019Arte grega 2019
Arte grega 2019
 
CIVILIZAÇÃO GREGA
CIVILIZAÇÃO GREGACIVILIZAÇÃO GREGA
CIVILIZAÇÃO GREGA
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
3 arte grega 2020
3 arte grega 20203 arte grega 2020
3 arte grega 2020
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
01 a origem da filosofia
01 a origem da filosofia01 a origem da filosofia
01 a origem da filosofia
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
Arte grega 2017
Arte grega 2017Arte grega 2017
Arte grega 2017
 
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade MédiaRevisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
 
Aula 02 o mundo grego e a democracia
Aula 02   o mundo grego e a democraciaAula 02   o mundo grego e a democracia
Aula 02 o mundo grego e a democracia
 
Ciência antiga e medieval
Ciência antiga e medievalCiência antiga e medieval
Ciência antiga e medieval
 
Antiguidade clássica romanos
Antiguidade clássica   romanosAntiguidade clássica   romanos
Antiguidade clássica romanos
 
Nteha10 cd ppt1
Nteha10 cd ppt1Nteha10 cd ppt1
Nteha10 cd ppt1
 
PISM MÓDULO I
PISM MÓDULO IPISM MÓDULO I
PISM MÓDULO I
 
ARTE GREGA
ARTE  GREGAARTE  GREGA
ARTE GREGA
 
Hist 0004 história antiga grécia
Hist 0004 história antiga gréciaHist 0004 história antiga grécia
Hist 0004 história antiga grécia
 

Mais de fernandacarolinestang

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
fernandacarolinestang
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
fernandacarolinestang
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
fernandacarolinestang
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
fernandacarolinestang
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
fernandacarolinestang
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
fernandacarolinestang
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
fernandacarolinestang
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
fernandacarolinestang
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
fernandacarolinestang
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
fernandacarolinestang
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
fernandacarolinestang
 
A civilização grega i
A civilização grega iA civilização grega i
A civilização grega i
fernandacarolinestang
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
fernandacarolinestang
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
fernandacarolinestang
 
Introdução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-HistóriaIntrodução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-História
fernandacarolinestang
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
fernandacarolinestang
 
História do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café IIHistória do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café II
fernandacarolinestang
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
fernandacarolinestang
 
História do brasil 9
História do brasil 9História do brasil 9
História do brasil 9
fernandacarolinestang
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
fernandacarolinestang
 

Mais de fernandacarolinestang (20)

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
 
A civilização grega i
A civilização grega iA civilização grega i
A civilização grega i
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Introdução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-HistóriaIntrodução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-História
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
 
História do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café IIHistória do brasil 11 - República do Café II
História do brasil 11 - República do Café II
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
 
História do brasil 9
História do brasil 9História do brasil 9
História do brasil 9
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Civilização grega II

  • 3. GUERRAS MÉDICAS • Consequência dos choques entre o expansionismo grego e persa na Ásia Menor. • “Guerras greco-pérsicas” • Primeira Guerra Médica (492 a.C.) • Dario I • Batalha de Maratona • O ateniense Milcíades conteve a ofensiva persa
  • 4. GUERRAS MÉDICAS • Segunda Guerra Médica (480 a.C.) • Xerxes • Simaquia Grega – Aliança defensiva • Leônidas e os 300 espartanos pereceram no desfiladeiro de Termópilas • Atenas foi incendiada • Os gregos, comandados por Temístocles, obtiveram uma vitória na Batalha Naval de Salamina • Tratrado de Susa/ Paz de Kalias • 448 a.C. • Fim das Guerras Médicas • Persas reconheciam a hegemonia dos gregos no mar Egeu e prometiam não atacar mais a Grécia ou suas colônias na Ásia.
  • 5. APOGEU DE ATENAS • Confederação/Liga de Delos Atenas se tornou um grande império marítimo e comercial. • Imperialismo ateniense • Liga do Peloponeso • Guerra do Peloponeso • Fruto da rivalidade entre as cidades gregas; • Durou 27 anos • Vitória de Esparta sobre Atenas • Batalha de Leuctras (371 a.C.) • Fim da hegemonia espartana; • Liderança de Tebas. Consequências: • Enfraquecimento militar do mundo grego • Permitiu que fossem conquistados por Filipe II da Macedônia
  • 6. O IMPÉRIO MACEDÔNICO • Filipe II • Centralização político-militar • 338 a.C. conquistou a Grécia na BATALHA DE QUERONEIA • Alexandre • Conquistou o Império Persa • Conquistou da Macedônia ao Oceano Índico e do Egito até a Índia. • Processo de helenização no oriente.
  • 7. O PROCESSO DE HELENIZAÇÃO NO ORIENTE • Circulação das riquezas asiáticas; • Desenvolvimento das relações Europa-Oriente, com ampliação de rotas comerciais e fundação de portos e cidades; • Fusão de povos (casamento entre helenos e orientais); • Difusão da língua, da arte e do pensamento helênico (grego); • Filosofia: estoicismo e epicurismo • Matemática: Euclides • Fìsica: Arquimedes • A cidade de Alexandria ficou famosa por seus museus e por sua biblioteca de 500.000 obras.
  • 8. ARTES • Período Geométrico (900/700 a.C.) • As cerâmicas eram decoradas com desenhos abstratos: triângulos, formas em xadrez e círculos concêntricos. • Templos de madeira ou de tijolos crus; esculturas de terracota (terra cozida); aspecto geral pobre.
  • 9. ARTES • Período Arcaico (700/480 a.C.) • Os pintores de vasos procuram contar histórias. Riqueza de conhecimentos anatômicos e a surpreendente ilusão de existirem três dimensões. • Ideal aristocrático de beleza corporal e espiritual (o belo e bom). • Influência egípcia na escultura. • Grandes estátuas arcaicas de jovens (kouros) e de donzelas (Koré) • Arquitetura: construção de edifícios inteiramente de pedras; aumento das dimensões.
  • 10. ARTES • Período Clássico (480/323 a.C.) • Arquitetura: mármore e pedras. • V a.C. – Século de Pericles – Apogeu – a Acrópole recebeu belas construções, como o Paternon. • A arquitetura grega apresentava três estilos: dórico, jônico e coríntio (diferenciamos pelo capitel). • Escultura: mármore e bronze. Tema central: figura humana, exaltada em harmoniosas formas de grande beleza. • Pintura: retratavam a maneira de viver, os amores, a vida cotidiana, os feitos guerreiros e lances heroicos de reis e deuses helênicos.
  • 12. TEATRO • Nasceu com as festas ao deus Dionísio. • De comos (em grego: procissão alegre) originou-se a comédia e de tragos (=bode) e ode (=canto, uma parte do culto dionisíaco) nasceu a tragédia. • Comédia: satirizava os costumes da época. • Tragédia: discutiam os destinos, as paixões e a justiça. • Poetas trágicos: Ésquilo, Sófocles e Eurípedes. • Comédia: Aristófanes.
  • 13. JOGOS OLÍMPICOS • Ocorriam em Olímpia, em homenagem a Zeus. • A partir de 776 a.C., passaram a ocorrer de 4 em 4 anos. • Delfos (jogos píticos), Corinto (jogos ístmicos) e Nemeia (jogos nemeus) • Modalidades • Corrida a pé, de velocidade ou de fundo; • Corrida com armas disputada no estádio; • Corrida de tochas; • Corrida a cavalo e corrida de carros, no hipódromo; • Luta sem armas; boxe, com correias de couro (como luvas) • Só os homens podiam competir (concorriam nus). • Prêmio: coroas. Em sua cidade natal, os corredores eram recebidos como heróis
  • 14. AS CIÊNCIAS • Não havia distinção entre filosofia e ciência. • Filosofia: “um sério esforço para compreender o mundo e o homem” • Elaboraram um saber racional autônomo, independente das tradições místicas e religiosas. • Ruptura com o pensamento mítico como forma de explicar a realidade. • O mito sobreviveu, mas perdeu importância.
  • 15. SÓCRATES • Combatia os sofistas. • Acreditava que era necessário chegar ao saber verdadeiro e obrigatório. • Professor de Platão. • “Conhece-te a ti mesmo” • “Só sei que nada sei” • Método: maiêutica (parto de ideias) • Acusado de corromper a juventude e de introduzir novos deuses.
  • 16. PLATÃO • “Teoria das ideias” – Mundo dos arquétipos, modelos perfeitos e eternos, e um mundo sensível, pálido reflexo das ideias perfeitas. • Principais obras: • Diálogos • Banquete (sobre o amor) • Fédon (sobre a imortalidade da alma) • República (em que propõe uma sociedade ideal, na qual haveria três classes: filósofos, soldados e o povo) • Leis (que ficou incompleta) • Escola: Academia.
  • 17. PLATÃO PICA DAS GALÁXIAS
  • 18. ARISTÓTELES • Aluno de Platão. • Método: peripatética: ensinava em passeios. • Escola: Liceu • Principal obra: Política • Definiu democracia (governo do povo, pelo povo)
  • 19. OUTRAS ÁREAS • Medicina: Hipócrates de Cós • História: Heródoto, Tucídides e Xenofonte • Astronomia: Aristarco de Samos • Matemática: Tales, Pitágoras, Euclides, Arquimedes. • Poesia: Homero (Ilíada e Odisseia), Safo. • Oratória: Demóstenes.

Notas do Editor

  1. Os Persas: Atual Irã. Ciro formou o grande império. Tratou com liberalidade os povos vencidos, respeitando suas crenças e governando com justiça. Aos judeus que viviam no Cativeiro da Babilônia, foi permitido que voltassem à Palestina e reconstruíssem o Templo de Jerusalém. Ciro estabeleceu sua capital em Pasárgada. A religião foi a mais original contribuição dos persas ao mundo ocidental. Zoroastro (Zaratustra) criou o zoroastrismo que se baseia em dois princípios absolutos e antagônicos: o Bem (Ahura Mazda) e o Mal (Arimã). No final dos tempos, o Bem aniquilará o Mal e os mortos ressuscitarão. As escrituras do zoroastrismo estão contidas na obra chamada Avesta. Com Dario I, o império Persa atingiu o apogeu. Construiu uma ampla rede de estradas ligando as diversas regiões do vasto império; criou um bem dotado sistema de correios; uniformizou o sistema de pesos e medidas; criou uma moeda padrão: o dárico; dividiu o império em unidades administrativas, denominadas de satrapias e governadas pelos sátrapas. Após Dario I, o Império persa entrou numa longa decadência, até ser conquistado por Alexandre da Macedônia.
  2. Após as Guerras Médicas, Atenas organizou uma liga marítima: a Confederação ou Liga de Delos. Esparta e suas aliadas do Peloponeso não entraram na liga. A Confederação de Delos tinha como principal objetivo a defesa das cidades gregas de um ataque persa. Cada cidade contribuía com homens e principalmente, dinheiro. Atenas serviu-se da Liga de Delos para se embelezar e se transformar num grande império marítimo e comercial. Atenas exerceu em meados do século V a.C., a hegemonia sobre o mundo grego, o chamado Imperialismo Ateniense. Esparta e suas aliadas do Peloponeso não participaram da Liga de Delos e não aceitaram a hegemonia ateniense sobre o mundo grego. Os espartanos formaram a Liga do Peloponeso, contando com aliados das cidades de Tebas, Corinto e Megara, imbuídos em derrotar Atenas. Vitória de Esparta> início do à hegemonia espartana sobre o mundo grego. No final da guerra, os espartanos receberam ajuda financeira dos antigos inimigos persas. As mesmas cidades que lutaram contra Atenas se rebelaram contra a hegemonia Espartana. Esparta PERDEU. Depois os tebanos vão ser derrotados pelos atenienses e assim vai.
  3. Situada ao norte da Grécia, a Macedônia foi durante muito tempo, um pequeno reino. A centralização lançou os fundamentos do Império Macedônico. Filipe II foi assassinado por um dos seus oficiais. Foi sucedido por seu filho Alexandre que, com apenas 20 anos de idade, herdou o trono imperial. Após dominar com muita energia várias revoltas de cidades gregas, Alexandre lançou-se a conquista do Império Persa. Em 10 anos de batalhas espetaculares, fundou um dos maiores impérios de todos os tempos: da Macedônia ao Oceano Índico, do Egito até a Índia. Morreu repentinamente, na Babilônia, com 33 anos de idade. Após a morte dele, seu grandioso império se desintegrou devido às ambições de seus generais e também em função da falta de solidez desse efêmero império mundial.
  4. Alexandre conquistou o mundo a fim de unifica-lo. Levou à Ásia filósofos e engenheiros, que fundaram cidades helênicas por onde passaram as tropas vitoriosas A escultura e a pintura tornaram-se mais realistas, a arquitetura adquiriu luxo e grandiosidade e as ciências sofreram um grande impulso. Vênus de Milo e Colosso de Rodes
  5. Dórico: simples, apenas com uma placa de mármore. Jônico: formado por volutas, adornos em espiral. Coríntio: tem forma de sino invertido envolvido por folhas de acanto.
  6. Atores homens usando máscaras. Encenações ao ar livre.
  7. Os helenos se esforçaram na procura de uma explicação racional para o homem e para o mundo. Olhavam o Universo como algo que está submetido a uma lei e, por isso, suscetível de explicação. Até por volta do século VI a.C., ainda predominava o pensamento mítico, base pela qual um povo explica aspectos essenciais da realidade em que vive, como, por exemplo a origem do mundo e o funcionamento da natureza.
  8. Buscavava conceitos universais através de perguntas e respostas.
  9. Hipócrates de Cós: Para ele, era necessário levar em consideração a doença e o doente. Foi ele quem resumiu a Ética Médica, presente até hoje no juramento dos médicos. Aristarco defendeu a concepção heliocêntrica