SlideShare uma empresa Scribd logo
contra a corrupção sê cidadão!
1
Ana de Campos Leitão
António Maia
Edite Coelho
3º Ciclo
Exercícios de apoio à discus-
são de temas da prevenção
da corrupção
contra a corrupção
sê cidadão!
contra a corrupção sê cidadão!
2
Caros alunos
Os materiais de trabalho que aqui são propostos destinam-se a
promover e incentivar a realização de exercícios, individual-
mente e sobretudo em grupo, acerca de uma questão tão im-
portante nas nossas sociedades, como é a da ética e da cidada-
nia.
As tarefas a realizar serão apresentadas e dinamizadas em sala
de aula pelos teus professores e na sua realização deves procu-
rar envolver-te de modo empenhado no trabalho que realizes
com os teus colegas de grupo, em busca de soluções adequadas
para cada situação.
O Conselho de Prevenção da Corrupção deseja-te um bom tra-
balho e que os exercícios desenvolvidos contribuam para senti-
res a importância de atuares e de te relacionares com os outros
de modo eticamente responsável e adequado.
O Conselho de Prevenção da Corrupção
Mensagem
do Conselho
de Prevenção da
Corrupção
contra a corrupção sê cidadão!
3
E
ste manual pretende ser um apoio para os alunos
desenvolverem atividades que os ajudem a prevenir
comportamentos de corrupção. Destina-se também a
motivar os alunos para a participação no concurso
nacional “Imagens Contra a Corrupção” promovido pelo Conselho
de Prevenção da Corrupção.
Entende-se que, para prevenir a corrupção, é necessário adquirir
um conjunto de atitudes e de propósitos de ação alicerçados
numa gama de valores que, ao serem reconhecidos pelos alunos,
os habilitam a impedir – em si e nos outros com que se
relacionam – a existência de situações à margem da lei, da ética e
dos bons costumes.
O desenho das atividades sustenta-se na constatação de que a
aprendizagem dos valores não resulta tanto de ouvir falar deles
mas sobretudo da vontade de imitar referências positivas e de
experienciar, com gosto, a imersão em situações que permitam
um contacto direto com determinado valor.
INTRODUÇÃO
contra a corrupção sê cidadão!
4
P
ropõe-se que os valores a promover sejam princi-
palmente os seguintes:
Liberdade, Igualdade, Solicitude, Diálogo Cuidado,
Atitude Proactiva, Pertença, Fraternidade, Diferen-
ça, Resiliência, Paz, Honra, Compaixão, Civismo.
Espera-se que com estes valores em mente e com o envolvi-
mento nas atividades, os alunos tenham a possibilidade de
compreender e experimentar – em si e com os outros – a
importância de
 não magoar, a si e/ou aos outros) física e/ou emoci-
onalmente;
 Dar o melhor de si em cada situação, conhecendo
as suas capacidades e competências, bem como as suas
limitações e ter gosto em empenhar-se na execução das
diferentes tarefas que a vida lhe solicita, na escola, em
sociedade e na família.
Em nenhuma das atividades propostas existe uma resposta ou
resultado assumido como correto. O importante é que os alu-
nos, com a orientação do professor, as realizem criativamente
a partir das convicções que se vão construindo (em si e a par-
tir da cooperação com os demais elementos do grupo). Tam-
bém por isso, o professor pode aplicar e desenvolver as ativi-
dades do modo que julgar mais conveniente face às caracte-
rísticas do grupo com que interage a fim de propiciar um mai-
or envolvimento emocional dos alunos.
O glossário representa aqui um instrumento que pode contri-
bui para alargar o campo de referências. Na prática ele deve
conduzir ao contacto direto com os valores e com as situações
em que eles ocorrem
2
contra a corrupção sê cidadão!
5
ATIVIDADES
contra a corrupção sê cidadão!
6
A ABRIR…
Com o auxílio do glossário, o teu professor ajudar-te-á a melhor
compreenderes o significado dos valores que te apresentamos,
para trabalhares com este manual.
A partir do significado de cada valor, procura compreender tam-
bém as atitudes e os comportamentos que podes desenvolver na
tua vida diária junto da família, amigos, professores, colegas e to-
dos aqueles com quem te vais relacionando.
Atividade 1
contra a corrupção sê cidadão!
7
CULTIVDO VALORES
V
alores são guias de ação, orientações ou ideais que as
pessoas reconhecem como padrões orientadores do
seu comportamento.
Virtude é a disposição firme e habitual que o
indivíduo procura ter para ser e agir bem, de acordo com os seus
valores. Uma pessoa virtuosa é aquela que consegue ser eficaz e
concretizar os seus talentos.
 Escreve-se cada um dos valores propostos na página 3
num pequeno papel. Dobram-se os papéis e misturam-
se todos num saco.
 Cada grupo (de 2 elementos) retira do saco ao acaso
tantos papéis quantos forem necessários (em função do
número de alunos/grupos) para distribuir a totalidade
dos valores.
 Cada grupo indica 3 virtudes que permitam cultivar cada
um dos valores que lhe coube.
 Em seguida, e com a orientação do professor, todos
expõem e debatem a atribuição de virtudes
trabalhadas. O professor regista no quadro as propostas
que vão sendo feitas. No final, elabora-se em conjunto a
Tabela Coletiva de Valores e Virtudes que estabelece a
correspondência entre uns e outros.
Atividade 2
contra a corrupção sê cidadão!
8
ESPELHO TEU, ESPELHO MEU
C
ada aluno tem uma folha de papel em branco presa nas
costas.
Circulem livremente pela sala, cada um com uma esfero-
gráfica na mão.
(Atenção! Nesta fase, todos devem estar em absoluto silêncio.)
Tendo presente a Atividade 1, escrevam nas costas uns dos outros as
virtudes que acham que se adequam mais a cada colega.
No final, quando o professor indicar que se devem sentar, podes ver
a tua folha de papel e ler como os teus colegas te veem.
Vamos agora à parte difícil : Vira a folha e regista as virtudes do
verso que aceitas como tuas e acrescenta as que consideras estarem
em falta.
Com o auxílio da Tabela Coletiva de Valores e Virtudes construída na
Atividade 1, elabora a tua Tabela Pessoal de Valores e Virtudes.
Atividade 3
contra a corrupção sê cidadão!
9
MÚSICA, MAESTRO!
G
rupos de 4 (preferencialmente, cada grupo deve
ser constituído por alunos que se conheçam
relativamente bem e que tenham já vivido ex-
periências conjuntas).
Recorrendo às Tabelas de Valores e Virtudes (a pessoal e a
coletiva), cada grupo esco-
lhe um Valor que possa
representar um momento/
experiência que tenham
vivido em conjunto.
De seguida, o grupo esco-
lhe uma música ao gosto
de todos os seus elemen-
tos.
E agora… Música, Maes-
tro!: Deverão reescrever
uma letra para essa músi-
ca. A letra por vós inventa-
da deve conter não só a
descrição desse momento/
experiência que se lem-
bram de ter vivido como
também as palavras refe-
rentes ao Valor que esco-
lheram e às Virtudes que lhe estão associadas.
Proposta: Podem tentar que as vossas músicas sejam parti-
lhadas com a restante comunidade escolar (rádio da escola,
jornal da escola, organização de um concerto ou karaoke,…).
Boa sorte!
Atividade 4
contra a corrupção sê cidadão!
10
1
J
oão aguardava a sua vez para entrar no autocarro. A fila era
longa e ainda teria de esperar um bom bocado. De repente,
apercebeu-se que, lá onde a fila começava, estava a Dona
Catarina, a vizinha da avó do João que fazia um bolo de
chocolate fantástico! Enquanto pensava que já estava com apeti-
te e imaginava o que iria ser o jantar, João olhou e viu a Dona Ca-
tarina atrapalhada porque tinha deixado cair a bengala e estava
com dificuldade para subir o primeiro degrau do autocarro. Cor-
reu para a ajudar e não pode evitar alguns encontrões…
- Palavra d’honra!... já não há modos… que falta de educação! –
resmungou um passageiro que teclava ao telemóvel quando foi
“atropelado” pelo João.
- Desculpe, mas tenho que ajudar a Dona Catarina. Não o queria
empurrar… Palavra d’honra! O senhor está logo atrás da Dona
Catarina… não viu que ela perdeu a bengala e assim não consegue
subir?
Dona Catarina assistia ao diálogo e, já amparada pela sua bengala,
disse:
- Está tudo bem. Não se preocupem comigo. Como veem já estou
dentro do autocarro. Olá, João, como estás? Muito obrigada pelo
teu cuidado. Olha, para compensar a tua intenção de me ajudares,
logo à noite levo-te um bolo de chocolate. Que dizes?
- Olá, Dona Catarina! Não tem que me agradecer, apenas fiz a mi-
nha obrigação.
Depois de leres esta pequena história, tenta responder para ti
mesmo às seguintes questões:
1. O que significa para ti “palavra d’honra”?
2. Qual das duas personagens utilizou melhor a expressão
“Palavra d’honra”?
3. Encontras nesta pequena história uma atitude honrada?
Qual?
Com a orientação do professor, o grupo procura:
a) os valores que podem estar presentes na história;
b) caracterizar uma pessoa honrada com base na história e na ex-
periência pessoal de cada um dos alunos.
“PALAVRA DE HONRA!?”
Atividade 5
contra a corrupção sê cidadão!
11
G
rupos de 3 a 6. alunos. Cada grupo
prepara uma pequena representa-
ção sobre o que é a “atitude”. Na
preparação da representação os
grupos deverão ter em conta a definição do
valor “atitude” (ver no Glossário atitude proac-
tiva versus atitude reativa).
Concluídas as representações, e com a orienta-
ção do professor, constrói-se uma lista de situa-
ções que caracterizam a “atitude proactiva”.
Sugestões para as representações:
 Ter uma atitude proactiva/reativa numa situ-
ação de conflito entre colegas;
 Ter uma atitude proactiva/reativa numa situ-
ação de conflito interior;
TER ATITUDE:
AÇÃO OU REAÇÃO?
Atividade 6
contra a corrupção sê cidadão!
12
Lê este poema de Federico Mayor, escrito em 1994 (tradução livre)
Delito do silêncio
Temos que nos converter na voz
das pessoas silenciadas
Que ninguém que saiba falar fique calado
Que todos os que possam
se unam a este grito
A voz deve anteceder o facto, prevê-lo
Depois, não serve para nada
É só ar estremecido
Após realizares a tua reflexão e com a orientação do professor, debate com o grupo sobre:
- A importância da educação e do conhecimento para a adoção de condutas positivas para connosco e para com
os outros.
- As “pessoas silenciadas” (ver poema).
- A força da “voz” (ver poema).
- A relação que se pode estabelecer entre este poema e a Paz Ativa (ver Glossário).
“NÃO PODEMOS IGNORAR!”
Atividade 7
contra a corrupção sê cidadão!
13
H
á expressões da nossa cultura de que certamente já ouviste falar.
Procura analisar em silêncio cada uma das seguintes expressões.
Tenta imaginar para ti situações em que elas possam existir.
1. Fazer das tripas coração
2. Pôr tudo em pratos limpos
3. Andar com a pulga atrás da orelha
4. Erro crasso
5. À grande e à francesa
6. Andar à toa
7. Comprar gato por lebre
8. Dar com a língua nos dentes
9. Fugir a boca para a verdade
10. Fazer vista grossa
11. Ser parasita
12. Ficar de braços cruzados
Depois, e com a orientação do professor, debate com os teus colegas sobre as
ideias com que tenhas ficado, procurando interpretar também as deles. Neste
debate procura relacionar cada expressão corrente com uma experiência pes-
soal que tenhas vivido.
Ao longo desse “marulhar de ideias”, o professor vai registando no quadro as
que vão sendo pronunciadas.
No final, e perante o registo de ideias que foi feito, todos propõem uma atitu-
de positiva que caracterize cada uma das expressões acima indicadas.
EXPRESSÕES
CORRENTES
Atividade 8
contra a corrupção sê cidadão!
14
O
s provérbios (ou ditados po-
pulares) são frases ou expressões, com sentido lógico,
que se transmitem de geração em geração e que transpor-
tam conhecimento para a nossa vida coletiva. Muitos de-
les foram criados na antiguidade, mas continuam a ser atuais pela sabe-
doria que contêm.
Em grupo (3 a 5 elementos), tenta encontrar um significado de cada um
dos provérbios que se seguem.
Procura também imaginar situações por ti vividas que estes provérbios
possam representar:
1. A ambição cerra o coração.
2. A ignorância e o vento são do maior atrevimento.
3. Homem prevenido vale por dois
4. Deus ajuda quem trabalha que é o capital que menos falha.
5. A palavra é de prata e o silêncio é de ouro
6. Grão a grão enche a galinha o papo
7. Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje
8. Da discussão nasce a luz
9. O saber não ocupa lugar
10. Mais vale só do que mal acompanhado
11. Falar sem pensar é atirar sem apontar
12. Em Roma sê romano
Depois, e com a orientação do professor, o porta-voz de cada grupo
apresenta aos outros as ideias que tiveram e experiências que queiram
partilhar.
Terminadas as apresentações, cada grupo escolhe um provérbio e cria
um desenho ou diagrama, trabalho manual, escultura, poema, … que o
represente.
PROVÉRBIOS
Atividade 9
contra a corrupção sê cidadão!
15
EM JEITO DE CONCLUSÃO…
Agora que concluíste o teu trabalho com as atividades propostas
neste manual, o teu professor ajudar-te-á a pensar como:
a) Evitar situações de:
 Violência
 Discriminação
 Marginalização
 Anomia
b) Promover situações de:
 Cordialidade
 Tolerância
 Solicitude
 Civismo
 Pertença
 Liberdade
Atividade 10
contra a corrupção sê cidadão!
16
Ficha Técnica
Conceção e produção:
CONSELHO DE PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO
Coordenação Pedagógica: Ana de Campos Leitão
Autores: Ana de Campos Leitão| António Maia | Edite Coelho
Conceção gráfica: Edite Coelho
Colaboração: Carlos Melo Santos |Pedro Gil |Silvina Pena
O Conselho de Prevenção da Corrupção agradece ainda os contri-
butos de:
Ana Margarida Sequeira | Ana Paula Covas |Maria Emília Bredero-
de Santos
Imagens: Pixabay
Apoio:
Conselho de Prevenção da Corrupção
Av. da República, 65
1050-189 Lisboa
www.cpc.tcontas.pt
https://www.facebook.com/ConselhodePrevencaodaCorrupcao

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 4 3ciclo contra_a_corrupcao

Aec auto estima
Aec auto estimaAec auto estima
Aec auto estima
Teresa Vasconcelos
 
A educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolarA educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolar
Maryanne Monteiro
 
PROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADE
PROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADEPROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADE
PROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADE
Milena Barbosa
 
APOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docx
APOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docxAPOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docx
APOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docx
CassiaAraujo11
 
PPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - AtendimentoPPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - Atendimento
Acessasp.formacao
 
Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))
Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))
Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))
Editora Artpensamento
 
Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil
marciarsantos
 
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaDescola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
Jussara Ribeiro
 
Chalita apresintação pronta
Chalita  apresintação prontaChalita  apresintação pronta
Chalita apresintação pronta
Edna EdnaAraxa
 
O cotidiano escolar
O cotidiano escolarO cotidiano escolar
O cotidiano escolar
mariavalezin
 
Projetos variados
Projetos variadosProjetos variados
Projetos variados
Selmara Sales Soares
 
história e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africanahistória e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africana
culturaafro
 
Documento de ma (4)
Documento de ma (4)Documento de ma (4)
Documento de ma (4)
Renata Duarte
 
Projeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escolaProjeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escola
francisleide
 
Projeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escolaProjeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escola
francisleide
 
Projeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escolaProjeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escola
francisleide
 
Projeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escolaProjeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escola
francisleide
 
Projeto Amor.docx
Projeto Amor.docxProjeto Amor.docx
Projeto Amor.docx
anapaula337293
 
Grupo 5
Grupo 5Grupo 5
Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta
culturaafro
 

Semelhante a 4 3ciclo contra_a_corrupcao (20)

Aec auto estima
Aec auto estimaAec auto estima
Aec auto estima
 
A educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolarA educação moral no ambiente escolar
A educação moral no ambiente escolar
 
PROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADE
PROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADEPROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADE
PROJETO PRECONCEITO E SOLIDARIEDADE
 
APOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docx
APOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docxAPOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docx
APOSTILA DE ENSINO RELIGIOSO PDF (1)-convertido.docx
 
PPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - AtendimentoPPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - Atendimento
 
Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))
Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))
Curso valores na sala de aula (demonstração de algumas imagens do curso))
 
Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil
 
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaDescola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
 
Chalita apresintação pronta
Chalita  apresintação prontaChalita  apresintação pronta
Chalita apresintação pronta
 
O cotidiano escolar
O cotidiano escolarO cotidiano escolar
O cotidiano escolar
 
Projetos variados
Projetos variadosProjetos variados
Projetos variados
 
história e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africanahistória e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africana
 
Documento de ma (4)
Documento de ma (4)Documento de ma (4)
Documento de ma (4)
 
Projeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escolaProjeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escola
 
Projeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escolaProjeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escola
 
Projeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escolaProjeto: Bullying na escola
Projeto: Bullying na escola
 
Projeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escolaProjeto:Bullying na escola
Projeto:Bullying na escola
 
Projeto Amor.docx
Projeto Amor.docxProjeto Amor.docx
Projeto Amor.docx
 
Grupo 5
Grupo 5Grupo 5
Grupo 5
 
Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta
 

Mais de ProfessoraCarlaFerna

energia.pdf
energia.pdfenergia.pdf
atividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdf
atividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdfatividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdf
atividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdf
ProfessoraCarlaFerna
 
ARTE_REUTILIZAR.pdf
ARTE_REUTILIZAR.pdfARTE_REUTILIZAR.pdf
ARTE_REUTILIZAR.pdf
ProfessoraCarlaFerna
 
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdfCadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
ProfessoraCarlaFerna
 
selfies-sexting-autoimagem.pdf
selfies-sexting-autoimagem.pdfselfies-sexting-autoimagem.pdf
selfies-sexting-autoimagem.pdf
ProfessoraCarlaFerna
 
publ_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdfpubl_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdf
ProfessoraCarlaFerna
 
E book sustentabilidade
E book sustentabilidadeE book sustentabilidade
E book sustentabilidade
ProfessoraCarlaFerna
 
Arte reutilizar
Arte reutilizarArte reutilizar
Arte reutilizar
ProfessoraCarlaFerna
 
Agenda atividades transliteracia
Agenda atividades transliteraciaAgenda atividades transliteracia
Agenda atividades transliteracia
ProfessoraCarlaFerna
 
Organizacoes ajuda humanitaria
Organizacoes ajuda humanitariaOrganizacoes ajuda humanitaria
Organizacoes ajuda humanitaria
ProfessoraCarlaFerna
 
Selfies sexting-autoimagem
Selfies sexting-autoimagemSelfies sexting-autoimagem
Selfies sexting-autoimagem
ProfessoraCarlaFerna
 
Ufcd752 sistemasoperativosmultitarefa
Ufcd752 sistemasoperativosmultitarefaUfcd752 sistemasoperativosmultitarefa
Ufcd752 sistemasoperativosmultitarefa
ProfessoraCarlaFerna
 
Aprendizagem em ead- em profissional
Aprendizagem em ead- em profissionalAprendizagem em ead- em profissional
Aprendizagem em ead- em profissional
ProfessoraCarlaFerna
 
e- revista dirigir
e- revista dirigire- revista dirigir
e- revista dirigir
ProfessoraCarlaFerna
 
- Revista dirigir-
 - Revista dirigir- - Revista dirigir-
- Revista dirigir-
ProfessoraCarlaFerna
 
Dirigir 102 separata
Dirigir 102 separataDirigir 102 separata
Dirigir 102 separata
ProfessoraCarlaFerna
 
2287211.pdf atendimento telefónico
2287211.pdf   atendimento telefónico2287211.pdf   atendimento telefónico
2287211.pdf atendimento telefónico
ProfessoraCarlaFerna
 
2258636.pdf serviço pós-venda
2258636.pdf   serviço pós-venda2258636.pdf   serviço pós-venda
2258636.pdf serviço pós-venda
ProfessoraCarlaFerna
 
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamento
ProfessoraCarlaFerna
 
2155851.pdf file animação no ponto de venda
2155851.pdf file   animação no ponto de venda2155851.pdf file   animação no ponto de venda
2155851.pdf file animação no ponto de venda
ProfessoraCarlaFerna
 

Mais de ProfessoraCarlaFerna (20)

energia.pdf
energia.pdfenergia.pdf
energia.pdf
 
atividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdf
atividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdfatividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdf
atividade_refletir_sobre_os_direitos_online_2.pdf
 
ARTE_REUTILIZAR.pdf
ARTE_REUTILIZAR.pdfARTE_REUTILIZAR.pdf
ARTE_REUTILIZAR.pdf
 
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdfCadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
CadernoPresseSecundario_conhecimentoValorizacaoCorpo.pdf
 
selfies-sexting-autoimagem.pdf
selfies-sexting-autoimagem.pdfselfies-sexting-autoimagem.pdf
selfies-sexting-autoimagem.pdf
 
publ_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdfpubl_bullying_nao_.pdf
publ_bullying_nao_.pdf
 
E book sustentabilidade
E book sustentabilidadeE book sustentabilidade
E book sustentabilidade
 
Arte reutilizar
Arte reutilizarArte reutilizar
Arte reutilizar
 
Agenda atividades transliteracia
Agenda atividades transliteraciaAgenda atividades transliteracia
Agenda atividades transliteracia
 
Organizacoes ajuda humanitaria
Organizacoes ajuda humanitariaOrganizacoes ajuda humanitaria
Organizacoes ajuda humanitaria
 
Selfies sexting-autoimagem
Selfies sexting-autoimagemSelfies sexting-autoimagem
Selfies sexting-autoimagem
 
Ufcd752 sistemasoperativosmultitarefa
Ufcd752 sistemasoperativosmultitarefaUfcd752 sistemasoperativosmultitarefa
Ufcd752 sistemasoperativosmultitarefa
 
Aprendizagem em ead- em profissional
Aprendizagem em ead- em profissionalAprendizagem em ead- em profissional
Aprendizagem em ead- em profissional
 
e- revista dirigir
e- revista dirigire- revista dirigir
e- revista dirigir
 
- Revista dirigir-
 - Revista dirigir- - Revista dirigir-
- Revista dirigir-
 
Dirigir 102 separata
Dirigir 102 separataDirigir 102 separata
Dirigir 102 separata
 
2287211.pdf atendimento telefónico
2287211.pdf   atendimento telefónico2287211.pdf   atendimento telefónico
2287211.pdf atendimento telefónico
 
2258636.pdf serviço pós-venda
2258636.pdf   serviço pós-venda2258636.pdf   serviço pós-venda
2258636.pdf serviço pós-venda
 
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento2161969.pdf file  acolhimento e encaminhamento
2161969.pdf file acolhimento e encaminhamento
 
2155851.pdf file animação no ponto de venda
2155851.pdf file   animação no ponto de venda2155851.pdf file   animação no ponto de venda
2155851.pdf file animação no ponto de venda
 

Último

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

4 3ciclo contra_a_corrupcao

  • 1. contra a corrupção sê cidadão! 1 Ana de Campos Leitão António Maia Edite Coelho 3º Ciclo Exercícios de apoio à discus- são de temas da prevenção da corrupção contra a corrupção sê cidadão!
  • 2. contra a corrupção sê cidadão! 2 Caros alunos Os materiais de trabalho que aqui são propostos destinam-se a promover e incentivar a realização de exercícios, individual- mente e sobretudo em grupo, acerca de uma questão tão im- portante nas nossas sociedades, como é a da ética e da cidada- nia. As tarefas a realizar serão apresentadas e dinamizadas em sala de aula pelos teus professores e na sua realização deves procu- rar envolver-te de modo empenhado no trabalho que realizes com os teus colegas de grupo, em busca de soluções adequadas para cada situação. O Conselho de Prevenção da Corrupção deseja-te um bom tra- balho e que os exercícios desenvolvidos contribuam para senti- res a importância de atuares e de te relacionares com os outros de modo eticamente responsável e adequado. O Conselho de Prevenção da Corrupção Mensagem do Conselho de Prevenção da Corrupção
  • 3. contra a corrupção sê cidadão! 3 E ste manual pretende ser um apoio para os alunos desenvolverem atividades que os ajudem a prevenir comportamentos de corrupção. Destina-se também a motivar os alunos para a participação no concurso nacional “Imagens Contra a Corrupção” promovido pelo Conselho de Prevenção da Corrupção. Entende-se que, para prevenir a corrupção, é necessário adquirir um conjunto de atitudes e de propósitos de ação alicerçados numa gama de valores que, ao serem reconhecidos pelos alunos, os habilitam a impedir – em si e nos outros com que se relacionam – a existência de situações à margem da lei, da ética e dos bons costumes. O desenho das atividades sustenta-se na constatação de que a aprendizagem dos valores não resulta tanto de ouvir falar deles mas sobretudo da vontade de imitar referências positivas e de experienciar, com gosto, a imersão em situações que permitam um contacto direto com determinado valor. INTRODUÇÃO
  • 4. contra a corrupção sê cidadão! 4 P ropõe-se que os valores a promover sejam princi- palmente os seguintes: Liberdade, Igualdade, Solicitude, Diálogo Cuidado, Atitude Proactiva, Pertença, Fraternidade, Diferen- ça, Resiliência, Paz, Honra, Compaixão, Civismo. Espera-se que com estes valores em mente e com o envolvi- mento nas atividades, os alunos tenham a possibilidade de compreender e experimentar – em si e com os outros – a importância de  não magoar, a si e/ou aos outros) física e/ou emoci- onalmente;  Dar o melhor de si em cada situação, conhecendo as suas capacidades e competências, bem como as suas limitações e ter gosto em empenhar-se na execução das diferentes tarefas que a vida lhe solicita, na escola, em sociedade e na família. Em nenhuma das atividades propostas existe uma resposta ou resultado assumido como correto. O importante é que os alu- nos, com a orientação do professor, as realizem criativamente a partir das convicções que se vão construindo (em si e a par- tir da cooperação com os demais elementos do grupo). Tam- bém por isso, o professor pode aplicar e desenvolver as ativi- dades do modo que julgar mais conveniente face às caracte- rísticas do grupo com que interage a fim de propiciar um mai- or envolvimento emocional dos alunos. O glossário representa aqui um instrumento que pode contri- bui para alargar o campo de referências. Na prática ele deve conduzir ao contacto direto com os valores e com as situações em que eles ocorrem 2
  • 5. contra a corrupção sê cidadão! 5 ATIVIDADES
  • 6. contra a corrupção sê cidadão! 6 A ABRIR… Com o auxílio do glossário, o teu professor ajudar-te-á a melhor compreenderes o significado dos valores que te apresentamos, para trabalhares com este manual. A partir do significado de cada valor, procura compreender tam- bém as atitudes e os comportamentos que podes desenvolver na tua vida diária junto da família, amigos, professores, colegas e to- dos aqueles com quem te vais relacionando. Atividade 1
  • 7. contra a corrupção sê cidadão! 7 CULTIVDO VALORES V alores são guias de ação, orientações ou ideais que as pessoas reconhecem como padrões orientadores do seu comportamento. Virtude é a disposição firme e habitual que o indivíduo procura ter para ser e agir bem, de acordo com os seus valores. Uma pessoa virtuosa é aquela que consegue ser eficaz e concretizar os seus talentos.  Escreve-se cada um dos valores propostos na página 3 num pequeno papel. Dobram-se os papéis e misturam- se todos num saco.  Cada grupo (de 2 elementos) retira do saco ao acaso tantos papéis quantos forem necessários (em função do número de alunos/grupos) para distribuir a totalidade dos valores.  Cada grupo indica 3 virtudes que permitam cultivar cada um dos valores que lhe coube.  Em seguida, e com a orientação do professor, todos expõem e debatem a atribuição de virtudes trabalhadas. O professor regista no quadro as propostas que vão sendo feitas. No final, elabora-se em conjunto a Tabela Coletiva de Valores e Virtudes que estabelece a correspondência entre uns e outros. Atividade 2
  • 8. contra a corrupção sê cidadão! 8 ESPELHO TEU, ESPELHO MEU C ada aluno tem uma folha de papel em branco presa nas costas. Circulem livremente pela sala, cada um com uma esfero- gráfica na mão. (Atenção! Nesta fase, todos devem estar em absoluto silêncio.) Tendo presente a Atividade 1, escrevam nas costas uns dos outros as virtudes que acham que se adequam mais a cada colega. No final, quando o professor indicar que se devem sentar, podes ver a tua folha de papel e ler como os teus colegas te veem. Vamos agora à parte difícil : Vira a folha e regista as virtudes do verso que aceitas como tuas e acrescenta as que consideras estarem em falta. Com o auxílio da Tabela Coletiva de Valores e Virtudes construída na Atividade 1, elabora a tua Tabela Pessoal de Valores e Virtudes. Atividade 3
  • 9. contra a corrupção sê cidadão! 9 MÚSICA, MAESTRO! G rupos de 4 (preferencialmente, cada grupo deve ser constituído por alunos que se conheçam relativamente bem e que tenham já vivido ex- periências conjuntas). Recorrendo às Tabelas de Valores e Virtudes (a pessoal e a coletiva), cada grupo esco- lhe um Valor que possa representar um momento/ experiência que tenham vivido em conjunto. De seguida, o grupo esco- lhe uma música ao gosto de todos os seus elemen- tos. E agora… Música, Maes- tro!: Deverão reescrever uma letra para essa músi- ca. A letra por vós inventa- da deve conter não só a descrição desse momento/ experiência que se lem- bram de ter vivido como também as palavras refe- rentes ao Valor que esco- lheram e às Virtudes que lhe estão associadas. Proposta: Podem tentar que as vossas músicas sejam parti- lhadas com a restante comunidade escolar (rádio da escola, jornal da escola, organização de um concerto ou karaoke,…). Boa sorte! Atividade 4
  • 10. contra a corrupção sê cidadão! 10 1 J oão aguardava a sua vez para entrar no autocarro. A fila era longa e ainda teria de esperar um bom bocado. De repente, apercebeu-se que, lá onde a fila começava, estava a Dona Catarina, a vizinha da avó do João que fazia um bolo de chocolate fantástico! Enquanto pensava que já estava com apeti- te e imaginava o que iria ser o jantar, João olhou e viu a Dona Ca- tarina atrapalhada porque tinha deixado cair a bengala e estava com dificuldade para subir o primeiro degrau do autocarro. Cor- reu para a ajudar e não pode evitar alguns encontrões… - Palavra d’honra!... já não há modos… que falta de educação! – resmungou um passageiro que teclava ao telemóvel quando foi “atropelado” pelo João. - Desculpe, mas tenho que ajudar a Dona Catarina. Não o queria empurrar… Palavra d’honra! O senhor está logo atrás da Dona Catarina… não viu que ela perdeu a bengala e assim não consegue subir? Dona Catarina assistia ao diálogo e, já amparada pela sua bengala, disse: - Está tudo bem. Não se preocupem comigo. Como veem já estou dentro do autocarro. Olá, João, como estás? Muito obrigada pelo teu cuidado. Olha, para compensar a tua intenção de me ajudares, logo à noite levo-te um bolo de chocolate. Que dizes? - Olá, Dona Catarina! Não tem que me agradecer, apenas fiz a mi- nha obrigação. Depois de leres esta pequena história, tenta responder para ti mesmo às seguintes questões: 1. O que significa para ti “palavra d’honra”? 2. Qual das duas personagens utilizou melhor a expressão “Palavra d’honra”? 3. Encontras nesta pequena história uma atitude honrada? Qual? Com a orientação do professor, o grupo procura: a) os valores que podem estar presentes na história; b) caracterizar uma pessoa honrada com base na história e na ex- periência pessoal de cada um dos alunos. “PALAVRA DE HONRA!?” Atividade 5
  • 11. contra a corrupção sê cidadão! 11 G rupos de 3 a 6. alunos. Cada grupo prepara uma pequena representa- ção sobre o que é a “atitude”. Na preparação da representação os grupos deverão ter em conta a definição do valor “atitude” (ver no Glossário atitude proac- tiva versus atitude reativa). Concluídas as representações, e com a orienta- ção do professor, constrói-se uma lista de situa- ções que caracterizam a “atitude proactiva”. Sugestões para as representações:  Ter uma atitude proactiva/reativa numa situ- ação de conflito entre colegas;  Ter uma atitude proactiva/reativa numa situ- ação de conflito interior; TER ATITUDE: AÇÃO OU REAÇÃO? Atividade 6
  • 12. contra a corrupção sê cidadão! 12 Lê este poema de Federico Mayor, escrito em 1994 (tradução livre) Delito do silêncio Temos que nos converter na voz das pessoas silenciadas Que ninguém que saiba falar fique calado Que todos os que possam se unam a este grito A voz deve anteceder o facto, prevê-lo Depois, não serve para nada É só ar estremecido Após realizares a tua reflexão e com a orientação do professor, debate com o grupo sobre: - A importância da educação e do conhecimento para a adoção de condutas positivas para connosco e para com os outros. - As “pessoas silenciadas” (ver poema). - A força da “voz” (ver poema). - A relação que se pode estabelecer entre este poema e a Paz Ativa (ver Glossário). “NÃO PODEMOS IGNORAR!” Atividade 7
  • 13. contra a corrupção sê cidadão! 13 H á expressões da nossa cultura de que certamente já ouviste falar. Procura analisar em silêncio cada uma das seguintes expressões. Tenta imaginar para ti situações em que elas possam existir. 1. Fazer das tripas coração 2. Pôr tudo em pratos limpos 3. Andar com a pulga atrás da orelha 4. Erro crasso 5. À grande e à francesa 6. Andar à toa 7. Comprar gato por lebre 8. Dar com a língua nos dentes 9. Fugir a boca para a verdade 10. Fazer vista grossa 11. Ser parasita 12. Ficar de braços cruzados Depois, e com a orientação do professor, debate com os teus colegas sobre as ideias com que tenhas ficado, procurando interpretar também as deles. Neste debate procura relacionar cada expressão corrente com uma experiência pes- soal que tenhas vivido. Ao longo desse “marulhar de ideias”, o professor vai registando no quadro as que vão sendo pronunciadas. No final, e perante o registo de ideias que foi feito, todos propõem uma atitu- de positiva que caracterize cada uma das expressões acima indicadas. EXPRESSÕES CORRENTES Atividade 8
  • 14. contra a corrupção sê cidadão! 14 O s provérbios (ou ditados po- pulares) são frases ou expressões, com sentido lógico, que se transmitem de geração em geração e que transpor- tam conhecimento para a nossa vida coletiva. Muitos de- les foram criados na antiguidade, mas continuam a ser atuais pela sabe- doria que contêm. Em grupo (3 a 5 elementos), tenta encontrar um significado de cada um dos provérbios que se seguem. Procura também imaginar situações por ti vividas que estes provérbios possam representar: 1. A ambição cerra o coração. 2. A ignorância e o vento são do maior atrevimento. 3. Homem prevenido vale por dois 4. Deus ajuda quem trabalha que é o capital que menos falha. 5. A palavra é de prata e o silêncio é de ouro 6. Grão a grão enche a galinha o papo 7. Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje 8. Da discussão nasce a luz 9. O saber não ocupa lugar 10. Mais vale só do que mal acompanhado 11. Falar sem pensar é atirar sem apontar 12. Em Roma sê romano Depois, e com a orientação do professor, o porta-voz de cada grupo apresenta aos outros as ideias que tiveram e experiências que queiram partilhar. Terminadas as apresentações, cada grupo escolhe um provérbio e cria um desenho ou diagrama, trabalho manual, escultura, poema, … que o represente. PROVÉRBIOS Atividade 9
  • 15. contra a corrupção sê cidadão! 15 EM JEITO DE CONCLUSÃO… Agora que concluíste o teu trabalho com as atividades propostas neste manual, o teu professor ajudar-te-á a pensar como: a) Evitar situações de:  Violência  Discriminação  Marginalização  Anomia b) Promover situações de:  Cordialidade  Tolerância  Solicitude  Civismo  Pertença  Liberdade Atividade 10
  • 16. contra a corrupção sê cidadão! 16 Ficha Técnica Conceção e produção: CONSELHO DE PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO Coordenação Pedagógica: Ana de Campos Leitão Autores: Ana de Campos Leitão| António Maia | Edite Coelho Conceção gráfica: Edite Coelho Colaboração: Carlos Melo Santos |Pedro Gil |Silvina Pena O Conselho de Prevenção da Corrupção agradece ainda os contri- butos de: Ana Margarida Sequeira | Ana Paula Covas |Maria Emília Bredero- de Santos Imagens: Pixabay Apoio: Conselho de Prevenção da Corrupção Av. da República, 65 1050-189 Lisboa www.cpc.tcontas.pt https://www.facebook.com/ConselhodePrevencaodaCorrupcao